RETROSPECTIVA 2018: O ANO da NETFLIX?

oscars-2018.jpg.scale.704x

Normalmente, eu posto um vídeo promocional da próxima edição do Oscar que o futuro host publica na internet, mas depois da confusão e demissão de Kevin Hart…

Olá, pessoal! Mais um ano se foi! Foi um ano bom ou ruim pra você?
Queria agradecer a todos que acompanharam o blog e a página do Facebook. Se comentaram, se leram, ou se apenas deram aquela passadinha, obrigado por seu apoio! Estou realizando este trabalho por puro prazer há 7 anos e sendo recompensado pelos seus views e participações. Agradeço bastante ao meu colaborador assíduo Hugo Cancela, aos amigos Bruna Martins, Flávia Fernandes, Antonio Lopes, Karoline Alves e Alice Ayres, e frequentadores assíduos como a rainha do Oscar Frame, Elisieli Rodrigues, Cristiano Filiciano, Miriam Moldes, Henrique Cereja, Fummanation Bonsucesso, Berto Leno, Tiago Bistaffa, Elza Vieira, Amélia Cassis, Yuri Dias, Lília Ricardo, Kátia Nunes e Verinha Dau, enfim, são tantos nomes que daria uma lista extensa! Peço desculpas por não poder incluir todos aqui!

Queria aproveitar para agradecer ao crítico Chico Fireman por me possibilitar trabalhar com as cabines de lançamentos de filmes, e pela sua generosidade e atenção!

META DE 2018

Continuando minha meta de 2017, procurei assistir mais àqueles filmes clássicos ou cults pra reduzir um pouco minha watchlist. Um que tenho orgulho de finalmente ter conferido é o clássico italiano , de Federico Fellini. Sério, eu não estava aguentando mais ver esse filme no topo da minha lista me olhando e perguntando: “E aí? Quando você vai me ver?” Eu lembro a última vez que viajei pra fora do país em 2014, eu jurava: “Antes de pegar esse avião, eu vou ver o filme do Fellini. Vai que eu morro…” Enfim, tomei coragem e assisti. Eu achava que o filme me daria uma dor de cabeça enorme, mas vi uma belíssima homenagem do diretor às mulheres que amou na vida. Ainda tenho vários do Fellini pra ver como Julieta dos Espíritos e A Doce Vida, mas quem sabe em 2019?

Falando em mestres do cinema, estou satisfeito por ter acrescido mais três obras do sueco Ingmar Bergman. Finalmente assisti a Através de um EspelhoSonata de Outono e Gritos e Sussurros. Depois de assistir aos filmes dele, é inevitável não parar pra refletir sobre a vida e a família, que são temas bem fortes na filmografia dele. O quanto realmente nos importamos com familiares diante de situações difíceis. Além do diretor levantar esses questionamentos, ainda cria obras visuais extremamente poderosas com a ajuda inestimável de atrizes do calibre de Ingrid Bergman, Liv Ullmann e Harriet Andersson.

Também consegui assistir pela primeira vez a A Mulher Faz o Homem (1939). Nunca fui muito fã do Frank Capra porque ele entrega uma visão demasiada otimista. Não que isso seja um defeito, mas sempre tive preferência por um cinema que expõe defeitos e falhas humanas, seja para o bem ou para o mal. É louvável acompanhar a luta de um jovem senador idealista contra um sistema corrupto, ainda mais hoje num Brasil que revela um novo caso de corrupção a cada dia, mas alguns personagens se tornam bidimensionais nessa visão, mesmo James Stewart.

8 Autumn Mr Smith

8½, Sonata de Outono e A Mulher Faz o Homem

Revisitei alguns diretores renomados como François Truffaut com Jules e Jim – Uma Mulher Para Dois (1962), Wim Wenders com Asas do Desejo (1987), Billy Wilder com Testemunha de Acusação (1957), e Dario Argento com Suspiria (1977), que fiz questão de conferir antes de assistir à refilmagem, que nunca estréia aqui no Brasil! E vi uma obra-prima pouco conhecida aqui intitulada O Segundo Rosto (1966), de John Frankenheimer, que apresenta uma trama de ficção científica na qual uma organização secreta oferece uma segunda chance aos ricos, alterando suas aparências e encenando a morte das pessoas que foram. Rock Hudson, que sempre teve imagem de cowboy machão mas era homossexual, caiu como uma luva no papel principal e entrega a performance de sua vida.

PIORES DO ANO

Eu tinha o costume de comentar uns dois ou três filmes que foram decepcionantes, mas a partir deste ano, já dá pra formar uma lista dos 5 piores. Reparem que todos os filmes da lista são parte de uma franquia (considerando que Venom faz parte do universo do Homem-Aranha) ou é uma refilmagem. Quando Hollywood só pensa nos números lucrativos, o Cinema perde.

Por pouco Jogador Nº 1 não entra na lista. Depois de me desapontar muito com The Post: A Guerra Secreta, vejo que Steven Spielberg deveria dar um break na carreira, sei lá, tirar um ano sabático, pra refletir sobre o que cinema representa pra ele, porque parece que ele tem feito mais filmes com cabeça de produtor ultimamente… E pior é que dos três projetos futuros dele, um é a sequência de Indiana Jones com Harrison Ford (taí outro que precisa de uma pausa longa) e o outro é a refilmagem (totalmente desnecessária) do clássico musical Amor Sublime Amor (1961). Claro que posso queimar minha língua, mas Spielberg, cadê sua criatividade?

E apesar de querer assistir de tudo, sempre dou mais prioridade aos filmes que acho que podem ser bons, afinal, se tenho pouco tempo pra ver filmes, por que gastar as horinhas preciosas com filmes que tenho quase certeza de que serão meia-boca? Nesse quesito, deixei de assistir aos possíveis candidatos desta lista: Han Solo: Uma História Star Wars (que pelo histórico de produção conturbado, só pode ser um resultado desastroso) e o Fenda no Tempo, a mega produção politicamente correta da Disney.

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Venom (Venom)
Dir: Ruben Fleischer

4. Halloween (Halloween)
Dir: David Gordon Green

3. Tomb Raider: A Origem (Tomb Raider)
Dir: Roar Uthaug

2. A Freira (The Nun)
Dir: Corin Hardy

1. Jurassic World: Reino Ameaçado (Jurassic World: Fallen Kingdom)
Dir: J.A. Bayona

jurassic world fallen kingdom

Chris Pratt em cena da desastrosa sequência Jurassic World: O Reino Ameaçado (pic by OutNow.CH)

OSCAR 2018: POLITICAMENTE CORRETO NUMA CERIMÔNIA MORNA

Os produtores da cerimônia resolveram dar uma colher de chá para Jimmy Kimmel e o convidaram novamente para ser host após aquela lambança do envelope errado no ano passado. Apesar de ter acertado naquela premiação do jet ski para o discurso mais curto, ainda cometeu equívocos como aquela chocha invasão à sala de cinema do outro lado da rua, na vã tentativa de aproximar o público comum das estrelas de Hollywood.

Contudo, não dá pra culpá-lo. Os próprios organizadores resolveram baixar o tom da festa e correr risco zero para evitar erros e polêmicas. Desde o monólogo politicamente correto de Kimmel, até os números musicais bastante contidos no palco comprovaram a postura que a Academia impôs ao evento.

Quanto aos resultados, chegamos ao limite do previsível, principalmente em relação aos atores. Com Gary Oldman, Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney ganhando todos os prêmios importantes anteriores, ficou difícil surpreender o público com algum resultado inesperado. Por isso mesmo, a partir da próxima cerimônia, a data será adiantada para o mês de fevereiro com o intuito de reduzir o impacto dos prêmios que o antecedem.

Sobre os resultados, torci bastante para Corra! levar Melhor Filme, Diretor e Roteiro Original, que felizmente Jordan Peele acabou levando. Gostei das premiações de James Ivory pelo Roteiro Adaptado de Me Chame Pelo Seu Nome, de Roger Deakins finalmente levando seu Oscar por Blade Runner 2049, e de Sebastián Lelio levando o primeiro Oscar de Filme em Língua Estrangeira para o Chile por Uma Mulher Fantástica.

Design sem nome (2)

Da esquerda para a direita: Jordan Peele leva o Oscar de Roteiro Original por Corra!, Roger Deakins de Fotografia por Blade Runner 2049, e Sebastián Lelio de Filme em Língua Estrangeira por Uma Mulher Fantástica.

Em relação às categorias de atuação, os votantes da Academia deveriam repensar melhor seu modo de avaliar as interpretações. Este ano, tivemos duas performances clichês e rotuladas levando o Oscar mais por causa dos efeitos de maquiagem transformativa: Gary Oldman com próteses esbravejando como um cachorro, e Allison Janney como a mãe amarga e envelhecida pela maquiagem. Timothée Chalamet e Lesley Manville trabalharam muito mais as nuances de seus personagens, e com pouco esforço, superaram os vencedores.

NETFLIX NOS FESTIVAIS E NO OSCAR

Claro que ainda não é oficial, mas Roma pode se tornar o primeiro filme da NETFLIX indicado ao Oscar de Melhor Filme, e por que não o primeiro a ganhar a estatueta? É inevitável o espaço e a importância que a Netflix e outras plataformas de streaming como a Amazon e a Hulu estão conquistando no mercado. Já é uma realidade de trabalho para inúmeros profissionais, assim como de alto consumo.

Diante desse cenário, eu faço a seguinte indagação: “Até quando vão ficar de birra, distribuidores franceses e organizadores do Festival de Cannes?”. Enquanto essa turma ficar discutindo a permanência de um sistema ultrapassado e a linguagem cinematográfica da Netflix, a empresa está dando risada, lucrando e ainda ganhando prêmios em outros festivais! Roma ganhou o Leão de Ouro em Veneza.

Obviamente, preferi assistir ao filme de Alfonso Cuarón numa sala de cinema com projeção em tela grande e som de qualidade, mas se não pudesse, assistiria na TV de casa mesmo (com um volume que meus vizinhos reclamariam), mas assistiria! A Netflix veio para suprir um tipo de cinema que os produtores de Hollywood já não querem mais fazer, pois estão visando apenas os lucros sem margem para erros ou riscos, por isso só temos blockbusters e adaptações de best-sellers nas salas de cinema.

IMG_1165

Foto que tirei na sessão especial de Roma no Kinoplex Itaim

Eu gostaria apenas que a Netflix e outras plataformas fizessem um esforço para colocar filmes selecionados para salas de cinema. Tipo, não faço questão de ver Para Todos os Garotos que Já Amei no cinema, mas Roma é outro nível de cinema que merece uma boa projeção. Isso certamente valorizaria ainda mais os profissionais e acabaria atraindo outros a trabalhar para a empresa.

TWITTER DESTRUINDO CARREIRAS

Sabe aquele ditado “O passado não perdoa”? Graças ao Twitter, o passado voltou para atormentar e destruir as carreiras profissionais de algumas personalidades. A mais comentada foi do diretor e roteirista James Gunn, que foi demitido pela Disney de Guardiões da Galáxia Vol. 3. Quando seus tuítes de vários anos atrás voltaram à tona, viram que ele não batia muito bem. Quer dizer, as piadas de humor negro eram chocantes demais para qualquer executivo da Disney que quer preservar a imagem família feliz da empresa global. Eu entendo o lado da Disney, que seria atacada pela imprensa se não demitisse Gunn e correria sério risco de ter suas ações em queda, mas demitir por piada estúpida de Twitter de 10 anos atrás? Não poderiam dar uma chance do diretor se retratar publicamente? O cara ganhou bilhões de dólares com os dois Guardiões da Galáxia!

Twitter

Tweets antigos de James Gunn e Kevin Hart que ocasionaram em suas demissões

E no início de dezembro, o Twitter fez uma nova vítima: o ator e comediante Kevin Hart, que foi convidado pela Academia para ser host do Oscar 2019. No dia seguinte, porém, tuítes antigos dele, que denotavam uma figura pública homofóbica, foram descobertos. Certos de que ele seria crucificado, principalmente pela comunidade LGBT, os organizadores da Academia lançaram um ultimato para ele se desculpar, o que acabou não acontecendo. E dois dias depois do anúncio, Hart desistiu do cargo.

Sou totalmente contra qualquer tipo de censura. Mas os tempos são outros. Hoje, as empresas demitem por qualquer comportamento impróprio. Qualquer um. Não existe perdão de declarações do passado também, por isso, no caso do Twitter, onde os tuítes são “deletáveis”, melhor apagá-los. Evitaria desgastes como esse que a Academia passou agora.

Esses acontecimentos reabrem a velha discussão da separação entre pessoa e artista. Por exemplo, com o escândalo de Woody Allen que foi acusado de abusar da filha, inúmeras pessoas passaram a avaliar seus filmes de forma negativa por causa da acusação. Inclusive, achei patético a declaração da atriz Mira Sorvino, que alegou arrependimento de ter trabalhado com Allen no filme Poderosa Afrodite (1995), que lhe rendeu o Oscar de Atriz Coadjuvante e lançou seu nome em Hollywood. Cuspir no prato que comeu é fácil. Não aprova o comportamento dele? Basta não trabalhar mais com ele.

CRÍTICAS

Apesar da lista coroar os meus 5 favoritos do ano, obviamente é preciso mencionar outras produções que se destacaram de alguma forma. Dos blockbusters, vale citar Vingadores: Guerra Infinita, que foi a maior bilheteria do ano. Deixando meu lado de fã de quadrinhos, é preciso reconhecer esse trabalho estratégico e paciente de dez anos da Marvel Studios que culmina nesta produção, que soube contar com vários personagens sem ser maçante, e ainda apresenta com propriedade um vilão de alto nível como Thanos.

Ainda destacaria Missão: Impossível – Efeito Fallout, que pode não apresentar nada inovador, mas sem sombra de dúvida foi o melhor filme de ação do ano. É notável a entrega de Tom Cruise à franquia e como ele luta para se superar a cada filme. Falando em notabilidade, preciso mencionar o trabalho minucioso de stop motion da animação nova de Wes Anderson, Ilha dos Cachorros. Além da técnica impecável, trata-se de um design de personagens sublime. Só acho que carece um pouco mais de alma, mas talvez a Academia recompense Anderson pelas derrotas anteriores com este Oscar de Animação…

Também gostei do singelo Poderia Me Perdoar?. A história verídica me pegou pelo identificação com a protagonista: uma escritora em decadência que falsifica cartas de autores para pagar suas contas básicas. A dupla formada por Melissa McCarthy e Richard E. Grant é a melhor do ano. Espero que ambos estejam indicados no próximo Oscar. E ainda no campo do singelo, destaco também o drama Mais Uma Chance, que é da Netflix. É basicamente sobre um casal na casa dos 40 que luta para ter filho, chegando a recorrer aos ovários da sobrinha. Todos os três atores estão bem: Paul Giamatti, Kathryn Hahn e Kayli Carter.

Uma boa surpresa foi a ficção científica Upgrade. Jamais imaginei que o roteirista Leigh Whannel, de Sobrenatural e Jogos Mortais, criaria esse universo futurista onde a tecnologia seria debatida de forma divertida mas também incisiva. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil, mas de qualquer forma, tem tudo para se tornar um cult movie.

E, por último, gostei de ver a nova loucura de Lars von Trier no cinema. A Casa que Jack Construiu tem um tema interessantíssimo que questiona a inteligência humana através da filosofia de um serial killer inescrupuloso. Só faço dois adendos: deveria ter abusado mais do humor negro da primeira metade, e apesar de entender os motivos do diretor, cortaria a sequência em que ele insere imagens dos filmes anteriores dele, pois não colabora com a trama e ainda abre brecha para críticas de auto-indulgência depois daquele episódio de Persona Non Grata no Festival de Cannes.

TOP 5 MELHORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Hereditário (Hereditary/ 2018)
Dir: Ari Aster

4. Oitava Série (Eighth Grade/ 2018)
Dir: Bo Burnham

3. Roma (Roma/ 2018)
Dir: Alfonso Cuarón

2. Asako I & II (Netemo Sametemo/ 2018)
Dir: Ryûsuke Hamaguchi

1. Em Chamas (Beoning/ 2018)
Dir: Chang-dong Lee

Burning

1º LUGAR: EM CHAMAS (Beoning), de Lee Chang-dong

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. O Silêncio do Lago (Spoorloos/ 1988)
Dir: George Sluizer

4. Através de um Espelho (Såsom i en spegel/ 1961)
Dir: Ingmar Bergman

3. 8½ (8½/ 1963)
Dir: Federico Fellini

2. O Parque Macabro (Carnival of Souls/ 1962)
Dir: Herk Harvey

1. O Segundo Rosto (Seconds/ 1966)
Dir: John Frankenheimer

seconds

1º LUGAR: O SEGUNDO ROSTO (Seconds), de John Frankenheimer

IN MEMORIAN

Este ano, perdemos diretores icônicos e vencedores do Oscar. Milos Forman (venceu por Um Estranho no Ninho e Amadeus) e Bernardo Bertolucci (venceu por O Último Imperador), mas no caso dele, ficou mais famoso por filmes polêmicos como O Conformista, O Último Tango em Paris e Os Sonhadores. Outro diretor que entregou importantes filmes foi Nicolas Roeg, que destaco Inverno de Sangue em Veneza, O Homem que Caiu na Terra e Bad Timing. E agora no dia 17, a diretora Penny Marshall, mais conhecida pelas comédias Quero Ser Grande e Uma Equipe Muito Especial nos deixou.

Entre os atores, indicados ao Oscar nos deixaram: Burt Reynolds (que mais chama a atenção por uma vida repleta de arrependimentos por recusa de papéis importantes), Sondra Locke (ex-mulher de Clint Eastwood), Barbara Harris e a vencedora do Oscar de Coadjuvante em 1957 por Palavras ao Vento, Dorothy Malone. Também vale citar Margot Kidder, a eterna Lois Lane do Superman do saudoso Christopher Reeve.

Dos profissionais brasileiros, demos adeus às lendas Nelson Pereira dos Santos (diretor de Vidas Secas e Rio 40 Graus), Roberto Farias (diretor de Assalto ao Trem Pagador e dos filmes do cantor Roberto Carlos como Roberto Carlos em Ritmo de Aventura), e as atrizes Beatriz Segall (a eterna Odete Roitman da novela Vale Tudo) e Tônia Carrero, que brilhou nos filmes do extinto estúdio da Vera Cruz como Tico-Tico no Fubá.

Vale lembrar a perda das cantoras Aretha Franklin, cujas músicas sempre estarão em trilhas sonoras de vários filmes, e pra mim, em especial, Dolores O’Riordan, vocalista do grupo The Cranberries. A morte dela aos 46 anos (!) por afogamento após uma intoxicação alcóolica me deixou abatido por uns dias.

Demos adeus aos escritores Neil Simon, que apesar de ter sido indicado ao Oscar quatro vezes sem nenhuma vitória, tinha carreira consolidada e venerada no teatro como dramaturgo; e o roteirista William Goldman, vencedor de duas estatuetas do Oscar por Butch Cassidy e Todos os Homens do Presidente.

E não poderia falar de escritores sem mencionar Stan Lee. Embora os filmes da Marvel Studios sejam um sucesso pela estratégia de mesclar universos do produtor Kevin Feige, nada seria possível sem a inestimável contribuição criativa de Lee. Ele foi o pioneiro nos quadrinhos que enxergou a humanidade nos personagens de super-heróis, que eles poderiam ser falhos também e assim, facilitar a identificação com os leitores. Foi essa chave que até hoje gera essa conexão dos filmes com o grande público.

Stan Lee

VOTOS PARA 2019

Acho que o grande assunto no Brasil este ano foram as eleições para presidente. E o que mais fiquei chocado foi a defesa ferrenha que muitos faziam para candidatos que sequer mereciam o mínimo de confiança. Acho que depois de acompanhar tanto tempo a política brasileira, só defendo uma coisa: Nenhum político merece nossa confiança. Talvez o político em si seja até uma pessoa honesta, mas o sistema é muito corrupto e parece enraizado. Não vou nem entrar na questão das propostas, porque tem cada absurdo… Acho que o Brasil só vai pra frente com uma Reforma na Educação contando com um alto investimento.

Enfim, torço para que algo dê certo neste próximo governo. Que, de alguma forma, consigam afastar o país dessa crise, gerando mais emprego, renda e segurança, que é um problema crônico, mas sem esquecer da educação e da nossa cultura!

Apoio a diversidade de autores brasileiros, especialmente no cinema. Este ano, contamos com filmes bem distintos e alternativos como Café com Canela, As Boas Maneiras, O Animal Cordial, Arábia e Benzinho. O Cinema Brasileiro deixou de ser aquele recluso de favelas e seca no Nordeste. Se vamos ganhar o Oscar? Se dependesse apenas dos filmes, não teria dúvidas de que vai chegar a hora do Brasil, mas se a política continuar interferindo… vamos ver o cinema do Camboja, Cazaquistão e Paraguai ganhar antes da gente.

Desejo Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog e a página do Facebook! Que seja um ano repleto de alegrias, conquistas, saúde e paz!

Compartilhe seus melhores e/ou piores filmes que viu em 2018 nos comentários!

Anúncios

WGA indica favoritos ‘Boyhood’, ‘O Jogo da Imitação’, ‘Foxcatcher’ e ‘Garota Exemplar’ mesmo com sua rigidez costumeira

 

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2015 (logo in theartsyfilmblog.com)

MESMO COM TANTA RIGIDEZ, FAVORITOS SÃO INDICADOS

Se existe um prêmio de sindicato maldoso, este é o Writers Guild of America (WGA). Sem cerimônia, ele elimina incontáveis ótimos candidatos estrangeiros, animações e produções independentes simplesmente por questão de eligibilidade de um regulamento pré-globalização que parou no século XX (Eles não têm nem categoria de roteiro de animação!!!). Assim, bons concorrentes como Uma Aventura Lego, Birdman, A Teoria de Tudo e Selma foram pro saco num piscar de olhos, totalizando o número ridículo de 60 concorrentes na categoria de roteiro original, e 48 na de roteiro adaptado.

Com tamanha rigidez, só o fato de ser indicado, realmente já se trata de uma vitória. Mas em termos de credibilidade, uma vitória “parcial”? Injusta? Em 2013, o roteiro de Quentin Tarantino de Django Livre também não tinha sido qualificado para o WGA só porque o diretor-roteirista não é membro do sindicato (e não paga as devidas taxas), mas isso não o impediu de ganhar o Oscar no mesmo ano. Esse sentimento de injustiça e indignação pelo alto nível de burocracia é o mesmo que sinto em relação à categoria de Filme em Língua Estrangeira. Enquanto 23 prêmios da Academia interessam à comunidade cinéfila e hollywoodiana, a de Filme Estrangeiro é aquela almejada pelo mundo inteiro, aquela que é possível qualquer país do mundo ganhar de fato. Então, deveriam dar mais atenção e coerência à categoria. Uma das alterações que sou a favor é a inclusão de mais de um filme do mesmo país, afinal, nem sempre haverá apenas um bom filme por país.

Enfim, após esse breve desabafo, vamos aos indicados deste ano. Mesmo se considerando a série de eliminações por eligibilidade, houve pouca surpresa. Em extrema ascensão depois das indicações consecutivas no Art Directors Guild (ADG), Eddie Awards e Producers Guild (PGA), o novo filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, obteve mais um êxito que deve incluí-lo na lista final dos indicados a Melhor Filme no Oscar. Já a indicação de Guardiões da Galáxia chama a atenção por se tratar de uma ficção científica (gênero raro no prêmio – os únicos três que ganharam foram A Origem, Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças e E.T. – O ExtraTerrestre) e ainda mais por ser baseado numa história em quadrinhos da Marvel, comprovando que existe qualidade além das fronteiras dos gêneros e convenções artísticas.

Zoe Saldana e Chris Pratt em cena de Guardiões da Galáxia (photo by outnow.ch)

Zoe Saldana e Chris Pratt em cena de Guardiões da Galáxia (photo by outnow.ch)

Uma curiosidade interessante é que dos cinco indicados a Roteiro Original, quatro são os diretores dos filmes também: Richard Linklater, Wes Anderson, Dan Gilroy e Damien Chazelle, o que denota característica de iniciativa dos mesmos. E caso alguns deles venham a ser indicados a Melhor Diretor no Oscar e não ganhem, o Oscar de Roteiro muitas vezes acaba se tornando uma espécie de prêmio de consolação.

Seguem todos os indicados ao WGA:

CINEMA

ROTEIRO ORIGINAL

– Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– 
E. Max Frye, Dan Futterman (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
– 
Dan Gilroy (O Abutre)
– 
Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

ROTEIRO ADAPTADO

– Jason Hall (Sniper Americano) – Baseado no livro de Chris Kyle, Scott McEwen e Jim DeFelice
– Gillian Flynn (Garota Exemplar); Baseado em seu romance
– James Gunn, Nicole Perlman (Guardiões da Galáxia); Baseado nos quadrinhos da Marvel por Dan Abnett e Andy Lanning
 Graham Moore (O Jogo da Imitação); Baseado no livro Alan Turing: The Enigma, de Andrew Hodges
– Nick Hornby (Livre); Baseado no livro de Cheryl Strayed

Reese Witherspoon em cena de Livre (photo by outnow.ch)

Reese Witherspoon em cena de Livre (photo by outnow.ch)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

– John Maloof, Charlie Siskel (A Fotografia Oculta de Vivian Maier)
– Brian Knappenberger (O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz)

– 
Mark Bailey, Kevin McAlester (Last Days in Vietnam)
– 
Gabe Polsky (Red Army)

Cena do documentário A Fotografia Oculta de Vivian Maier (photo by outnow.ch)

Cena do documentário A Fotografia Oculta de Vivian Maier (photo by outnow.ch)

TELEVISÃO

SÉRIE DE TV – DRAMA

– David Benioff, Bryan Cogman, George R.R. Martin, D.B. Weiss (Game of Thrones)
– Leonard Dick, Keith Eisner, Ted Humphrey, Michelle King, Robert King, Erica Shelton Kodish, Matthew Montoya, Luke Schelhaas, Nichelle Tramble Spellman, Craig Turk, Julia Wolfe (The Good Wife)
– Bill Cain, Laura Eason, Sam R. Forman, William Kennedy, Kenneth Lin, John Mankiewicz, David Manson, Beau Willimon (House of Cards)
– Lisa Albert, Heather Jeng Bladt, Semi Chellas, Jonathan Igla, David Iserson, Janet Leahy, Erin Levy, Patricia Resnick, Tom Smuts, Matthew Weiner, Carly Wray (Mad Men)
– Nic Pizzolatto (True Detective)

SÉRIE DE TV – COMÉDIA

– Pamela Adlon, Louis C.K. (Louie)
– Stephen Falk, Sian Heder, Tara Herrmann, Sara Hess, Nick Jones, Jenji Kohan, Lauren Morelli, Alex Regnery, Hartley Voss (Orange is the New Black)
– John Altschuler, Alec Berg, Matteo Borghese, Jessica Gao, Mike Judge, Dave Krinsky, Carson Mell, Dan O’Keefe, Clay Tarver, Rob Turbovsky, Ron Weiner (Sillicon Valley)
– Bridget Bedard, Micah Fitzerman-Blue, Noah Harpster, Ethan Kuperberg, Ali Liebegott, Faith Soloway, Jill Soloway (Transparent)
– Simon Blackwell, Kevin Cecil, Roger Drew, Sean Gray, Armando Iannucci, Ian Martin, Georgia Pritchett, David Quantick, Andy Riley, Tony Roche, Will Smith (Veep)

SÉRIE DE TV NOVA

– Dan LeFranc, Hagai Levi, Melanie Marnich, Eric Overmyer, Kate Robin, Sarah Treem (The Affair)
– Jack Amiel, Michael Begler, Steven Katz (The Knick)
– John Altschuler, Alec Berg, Matteo Borghese, Jessica Gao, Mike Judge, Dave Krinsky, Carson Mell, Dan O’Keefe, Clay Tarver, Rob Turbovsky, Ron Weiner (Sillicon Valley)
– Bridget Bedard, Micah Fitzerman-Blue, Noah Harpster, Ethan Kuperberg, Ali Liebegott, Faith Soloway, Jill Soloway (Transparent)
– Nic Pizzolatto (True Detective)

SÉRIE ORIGINAL

– Melissa Carter (Deliverance Creek)
– Sean Hanish (Return to Zero)

SÉRIE ADAPTADA

– Nicholas Meyer; Baseado no livro Houdini: A Mind in Chains: A Psychoanalytic Portrait, de Bernard C. Meyer, M.D. (Houdini)
– Paul T. ScheuringJosh Goldin, Rachel Abramowitz; Baseado no livro Gold Diggers, de Charlotte Gray (Klondike)
– Larry Kramer; Baseado na peça The Normal Heart (The Normal Heart)
– Jane Anderson; Baseado no romance de Elizabeth Strout (Olive Kitteridge)
Damon Lindelof, Tom Perrotta; Baseado no livro de Tom Perrotta (The Leftlovers)

SHORT FORM NEW MEDIA – ORIGINAL

– “Apocalypse No” (Bad Shorts), escrito por Ben Zelevansky; luckybirdsmedia.com
– “City of Angles” (Caper), escrito por Amy Berg, Mike Sizemore; hulu.com
– “Episode 1 – Nurture” (F To 7th), escrito por Ingrid Jungermann; youtube.com
– “Episode 113: Rachel” (High Maintenance), escrito por Katja Blichfeld & Ben Sinclair; helpingyoumaintain.com
– “Episode 204” (Vicky and Lysander), escrito por Damon Cardasis, Shannon Walker; youtube.com
– “Episode 207” (Vicky and Lysander), escrito por Damon Cardasis, Shannon Walker; youtube.com

ANIMAÇÃO

– Greg Thompson (Bob’s Burgers) – Episódio: “Bob and Deliver”
– Brian Kelley (The Simpsons) – Episódio: “Brick Like Me”
– Matt Selman (The Simpsons) –  Episódios: “Covercraft”
– David H. Steinberg (The Simpsons) – Episódio: “Pay Pal”
– J. Stewart Burns (The Simpsons) – Episódio: “Steal This Episode”
– Nora Smith (Bob’s Burgers) – Episódio: “Work Hard or Die Trying, Girl”

EPISODIC DRAMA

– Jonathan Igla, Matthew Weiner (Mad Men) – Episódio: “A Day’s Work”
– Howard Korder (Boardwalk Empire) – Episódio: “Devil You Know”
– Kate Powers, Ray McKinnon (Rectify) Episódio: “Donald the Normal”
– Riccardo DiLoreto, Cristine Chambers, Howard Korder (Boardwalk Empire) – Episódio: “Friendless Child”
– Robert King, Michelle King (The Good Wife) – Episódio: “The Last Call”
– George R.R. Martin (Game of Thrones) – Episódio: “The Lion and the Rose”

EPISODIC COMEDY

– Rick Wiener, Kenny Schwartz (Modern Family) – Episódio: “The Cold”
– Rob Rosell (New Girl) – Episódio: “Landline” (New Girl)
– Nick Jones (Orange is the New Black) – Episódio: “Low Self Esteem City”
– Louis C.K. (Louie) – Episódio: “So Did the Fat Lady”
– Abraham Higginbotham, Steven Levitan, Jeffrey Richman (Modern Family) – Episódio: “Three Dinners”
– Ethan Kuperberg (Transparent) – Episódio: “The Wilderness”

COMEDY / VARIETY (INCLUDING TALK) – SERIES

– Rory Albanese, Dan Amira, Steve Bodow, Tim Carvell, Travon Free, Hallie Haglund, JR Havlan, Elliott Kalan, Matt Koff, Adam Lowitt, Dan McCoy, Jo Miller, John Oliver, Zhubin Parang, Owen Parsons, Daniel Radosh, Lauren Sarver, Jon Stewart, Delaney Yeager (The Daily Show with Jon Stewart)
– Kevin Avery, Tim Carvell, Dan Gurewitch, Geoff Haggerty, Jeff Maurer, John Oliver, Scott Sherman, Will Tracy, Jill Twiss, Juli Weiner (Last Week Tonight with John Oliver)
– Jessi Klein, Emily Altman, Jeremy Beiler, Neil Casey, Kyle Dunnigan, Kurt Metzger, Christine Nangle, Dan Powell, Amy Schumer (Inside Amy Schumer)
– Michael Brumm, Nate Charny, Aaron Cohen, Stephen Colbert, Rich Dahm, Paul Dinello, Eric Drysdale, Rob Dubbin, Ariel Dumas, Glenn Eichler, Gabe Gronli, Barry Julien, Jay Katsir, Sam Kim, Matt Lappin, Opus Moreschi, Tom Purcell, Meredith Scardino, Max Werner (The Colbert Report)
– Molly McNearney, Danny Ricker, Gary Greenberg, Jack Allison, Tony Barbieri, Jonathan Bines, Joelle Boucai, Josh Halloway, Sal Iacono, Eric Immerman, Bess Kalb, Jimmy Kimmel, Jeff Loveness, Bryan Paulk, Rick Rosner, Bridger Winegar (Jimmy Kimmel Live)
– Seth Meyers, Colin Jost, Rob Klein, Bryan Tucker, James Anderson, Alex Baze, Michael Che, Mikey Day, Steve Higgins, Leslie Jones, Zach Kanin, Chris Kelly, Erik Kenward, Lorne Michaels, Claire Mulaney, Josh Patten, Paula Pell, Katie Rich, Tim Robinson, Sarah Schneider, Pete Schultz, John Solomon, Kent Sublette, Lakendra Tookes (Saturday Night Live)
– Billy Martin, Scott Carter, Adam Felber, Matt Gunn, Brian Jacobsmeyer, Jay Jaroch, Chris Kelly, Bill Maher, Danny Vermont (Real Time with Bill Maher)

COMEDY / VARIETY – MUSIC, AWARDS, TRIBUTES – SPECIALS

– The 68th Annual Tony Awards, escrito por Dave Boone; Special Material by Jon Macks; CBS
71st Annual Golden Globe Awards, escrito por Barry Adelman; Special Material by Alex Baze, Dave Boone, Robert Carlock, Tina Fey, Jon Macks, Sam Means, Seth Meyers, Amy Poehler, Mike Shoemaker; NBC
2014 Film Independent Spirit Awards, escrito por Gerry Duggan, Wayne Federman, Patton Oswalt, Erik Weiner; IFC
Bill Maher: Live from D.C., escrito por Bill Maher; HBO
Sarah Silverman: We Are Miracles, escrito por Sarah Silverman; HBO

QUIZ AND AUDIENCE PARTICIPATION

– Hollywood Game Night, escrito por Grant Taylor, Alex Chauvin, Ann Slichter; NBC
Jeopardy!, escrito por John Duarte, Harry Friedman, Mark Gaberman, Debbie Griffin, Michele Loud, Robert McClenaghan, Jim Rhine, Steve D. Tamerius, Billy Wisse; ABC

DAYTIME DRAMA

– Days of Our Lives, escrito por Lorraine Broderick, David Cherrill, Carolyn Culliton, Richard Culliton, Rick Draughon, Christopher Dunn, Janet Iacobuzio, Ryan Quan, Dave Ryan, Melissa Salmons, Christopher Whitesell; NBC
General Hospital, escrito por Ron Carlivati, Anna Theresa Cascio, Suzanne Flynn, Kate Hall, Elizabeth Korte, Daniel James O’Connor, Elizabeth Page, Katherine Schock, Scott Sickles, Chris Van Etten; ABC

CHILDREN’S SCRIPT – EPISODIC AND SPECIALS

– “Girl Meets 1961” (Girl Meets World), Written by Matthew Nelson; Disney Channel
– “Haunted Heartthrob” (Haunted Hathaways), Written by Bob Smiley; Nickelodeon
– “Haunted Sisters” (Haunted Hathaways), Written by Boyce Bugliari & Jamie McLaughlin; Nickelodeon

DOCUMENTARY SCRIPT – CURRENT EVENTS

– “Losing Iraq” (Frontline), escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS
– “United States of Secrets: Privacy Lost (Part Two)” (Frontline), escrito por Martin Smith; PBS
– “United States of Secrets: The Program (Part One)” (Frontline); PBS; escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS

DOCUMENTARY SCRIPT – OTHER THAN CURRENT EVENTS

– “Episode Five: The Rising Road (1933-1939)” (The Roosevelts: An Intimate History), escrito por Geoffrey C. Ward; PBS
– “League of Denial: The NFL’s Concussion Crisis” (Frontline), escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS
– “Standing Up in the Milky Way (Episode 1)” (COSMOS: A Space Time Odyssey), escrito por Ann Druyan and Steven Soter; Fox

TV NEWS SCRIPT – REGULARLY SCHEDULED, BULLETIN, OR BREAKING REPORT

– “50th Anniversary of JFK’s Assassination” (CBS Evening News with Scott Pelley), escrito por Jerry Cipriano, Joe Clines; CBS News
CBS This Morning, escrito por Duane Tollison, Chip Sorrentino, Bruce Meyer, Bill Crowley; CBS News
– “Nelson Mandela: A Man Who Changed the World” (World News with Diane Sawyer), escrito por Diane Sawyer, Lisa Ferri, Dave Bloch; ABC News

TV NEWS SCRIPT – ANALYSIS, FEATURE, OR COMMENTARY

– “Nowhere to Go” (60 Minutes), escrito por Scott Pelley, Oriana Zill de Granados, Michael Rey; CBS

Os vencedores serão conhecidos no dia 14 de fevereiro em cerimônias que acontecem em Los Angeles e Nova York.

20º Critics’ Choice Awards leva ‘Birdman’ à frente da corrida ao Oscar 2015

20º Critics' Choice Awards

20º Critics’ Choice Awards

PRÉVIA DO OSCAR DESTACA BIRDMAN, O GRANDE HOTEL BUDAPESTE E BOYHOOD. JÁ INTERESTELAR CONQUISTA 7 INDICAÇÕES, MAS EM CATEGORIAS MENORES

Com tantos prêmios disputando espaço no calendário, o Critics’ Choice Awards é um dos que mais tem se destacado por dois motivos básicos: 1) Ao contrário da maioria dos prêmios, este oferece 6 vagas para indicados, o que facilita na hora da indecisão de quem deixar de fora; 2) A precisão de acertos tem sido espantosa. Dos últimos 15, houve acerto em 12 Melhores Filmes em relação ao Oscar.

O Critics’ Choice Awards é um prêmio relativamente novo na indústria cinematográfica, uma vez que iniciou suas premiações em 1995, quando laureou Razão e Sensibilidade. Concedido pela Broadcast Film Critics Association, formado por uma organização de críticos de cinema dos Estados Unidos e do Canadá, o prêmio vem se tornando um novo parâmetro para o Oscar, pois a outrora prévia Globo de Ouro não tem tido o mesmo nível de acerto de antes.

Este ano, Birdman foi o grande recordista de indicações com 13. Vale ressaltar aqui que das 13, três indicações são para categorias inexistentes no Oscar: Comédia, Ator em Comédia e Elenco. E também já dá pra excluir a indicação de Antonio Sanchez para Trilha Musical, já que seu trabalho foi considerado inelegível pela Academia.

Michael Keaton e Edward Norton em cena de Birdman (photo by outnow.ch)

Michael Keaton e Edward Norton em cena de Birdman (photo by outnow.ch)

Em seguida, com 11 indicações, surge O Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson. E assim como Birdman, também acumulou indicações em categorias que inexistem no prêmio da Academia: Comédia, Ator em Comédia, Elenco e Jovem Ator/Atriz. Contudo, confirma presença do filme em categorias como Roteiro Original, Direção de Arte, Figurino, e se os votantes estiverem animados, Filme e Diretor.

Algumas produções ganharam um novo gás com as indicações ao Critics’ Choice e podem ainda correr atrás do prejuízo como o novo filme de Paul Thomas Anderson, Vício Inerente, e o drama de guerra Invencível, que conquistou 4 indicações, inclusive a de Diretor para Angelina Jolie, por seu segundo longa. Curiosamente, ela se junta a outra mulher na categoria: Ava DuVernay, diretora de Selma, também concorre depois de ser indicada ao Globo de Ouro. Seu ator central David Oyelowo também foi indicado e pode acabar tirando Ralph Fiennes ou Steve Carell da competição.

Angelina Jolie observa cena de Invencível (photo by outnow.ch)

Angelina Jolie observa cena de Invencível (photo by outnow.ch)

Como pode se perceber, o Critics’ Choice é uma grande mãe para os filmes do ano. Por isso mesmo que criou trocentas categorias (28 para ser mais preciso) e uma indicação extra para os abandonados e excluídos. Como cinéfilo, considero ótima oportunidade de reconhecer filmes de ação e de comédia tomando como base a sua qualidade fílmica, e não pela quantidade de votos de internet como faz o MTV Movie Awards.

Dentre os indicados a Melhor Filme de Ação, Capitão América: O Soldado Invernal merece destaque por criar uma sequência muito consistente que remete aos filmes de espionagem dos anos 70, e que consegue dialogar com a sociedade à beira do colapso da crise da segurança. Já Guardiões da Galáxia merece respeito por se tratar de uma aposta arriscada que deu certo. São personagens da Marvel Comics que eram considerados de segundo escalão que poucos gostariam de adaptar para as telas, mas o diretor James Gunn captou bem o tom do universo e obteve a maior bilheteria de 2014 em solo americano.

Sebastian Stan em ótima performance como o Soldado Invernal na sequência Capitão América: O Soldado Invernal (photo by outnow.ch)

Sebastian Stan em ótima performance como o Soldado Invernal na sequência Capitão América: O Soldado Invernal (photo by outnow.ch)

Vale também citar o uso criativo da montagem na ficção científica No Limite do Amanhã, no qual toda vez que Tom Cruise morre, ele deve repetir toda sua atividade até conseguir uma solução. Claro que, para quem viu a comédia Feitiço do Tempo, não é nada inovador, mas trata-se de uma boa releitura em novo gênero.

Seguem todos os indicados do 20º Critics’ Choice Awards:

MELHOR FILME
Birdman
Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)
Garota Exemplar (Gone Girl)
O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)
O Jogo da Imitação (The Imitation Game)
O Abutre (Nightcrawler)
Selma
A Teoria de Tudo (The Theory of Everything)
Invencível (Unbroken)
Whiplash: Em Busca da Perfeição (Whiplash)

DIRETOR
Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)
Ava DuVernay (Selma)
David Fincher (Garota Exemplar)
Alejandro González Iñárritu (Birdman)
Angelina Jolie (Invencível)
Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)

ATOR
Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação)
Ralph Fiennes (O Grande Hotel Budapeste)
Jake Gyllenhaal (O Abutre)
Michael Keaton (Birdman)
David Oyelowo (Selma)
Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

ATRIZ
Jennifer Aniston (Cake)
Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite)
Felicity Jones (A Teoria de Tudo)
Julianne Moore (Para Sempre Alice)
Rosamund Pike (Garota Exemplar)
Reese Witherspoon (Livre)

Josh Brolin obteve sua primeira indicação expressiva por Vício Inerente. (photo by elfilm.com)

Josh Brolin obteve sua primeira indicação expressiva por Vício Inerente. (photo by elfilm.com)

ATOR COADJUVANTE
Josh Brolin (Vício Inerente)
Robert Duvall (O Juiz)
Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Edward Norton (Birdman)
Mark Ruffalo (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

 

 

 

ATRIZ COADJUVANTE
Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Jessica Chastain (A Most Violent Year)
Keira Knightley (O Jogo da Imitação)
Emma Stone (Birdman)
Meryl Streep (Caminhos da Floresta)
Tilda Swinton (Expresso do Amanhã)

ELENCO
Birdman
Boyhood: Da Infância à Juventude
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Caminhos da Floresta
Selma

ROTEIRO ORIGINAL
Alejandro González Iñárritu, Nicolas Giacobone, Alexander Dinelaris, Jr., Armando Bo (Birdman)
Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
Dan Gilroy (O Abutre)
Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

ROTEIRO ADAPTADO
Gillian Flynn (Garota Exemplar)
Graham Moore (O Jogo da Imitação)
Paul Thomas Anderson (Vício Inerente)
Anthony McCarten (A Teoria de Tudo)
Joel Coen & Ethan Coen, Richard LaGravenese, William Nicholson (Invencível)
Nick Hornby (Livre)

FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Birdman)
Robert Yeoman (O Grande Hotel Budapeste)
Hoyte Van Hoytema (Interestelar)
Dick Pope (Sr. Turner)
Roger Deakins (Invencível)

Fotografia de Sr. Turner (photo by outnow.ch)

Fotografia de Sr. Turner por Dick Pope (photo by outnow.ch)

DIREÇÃO DE ARTE
Kevin Thompson, George DeTitta Jr. (Birdman)
Adam Stockhausen, Anna Pinnock (O Grande Hotel Budapeste)
David Crank, Amy Wells (Vício Inerente)
Nathan Crowley, Gary Fettis (Interestelar)
Dennis Gassner, Anna Pinnock (Caminhos da Floresta)
Ondrej Nekvasil, Beatrice Brentnerova (Expresso do Amanhã)

MONTAGEM
Douglas Crise, Stephen Mirrione (Birdman)
Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Kirk Baxter (Garota Exemplar)
Lee Smith (Interestelar)
Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

FIGURINO
Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)
Mark Bridges (Vício Inerente)
Colleen Atwood (Caminhos da Floresta)
Anna B. Sheppard (Malévola)
Jacqueline Durran (Sr. Turner)

CABELO E MAQUIAGEM
Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
Guardiões da Galáxia
O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos
Caminhos da Floresta
Malévola

EFEITOS VISUAIS
Planeta dos Macacos: O Confronto
No Limite do Amanhã
Guardiões da Galáxia
O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos
Interestelar

ANIMAÇÃO
Operação Big Hero 6 (Big Hero 6)
Festa no Céu (The Book of Life)
Os  Boxtrolls (The Boxtrolls)
Como Treinar o Seu Dragão 2 (How to Train Your Dragon 2)
Uma Aventura Lego (The Lego Movie)

FILME DE AÇÃO
Sniper Americano (American Sniper)
Capitão América: O Soldado Invernal (Captain America: The Winter Soldier)
No Limite do Amanhã (Edge of Tomorrow)
Corações de Ferro (Fury)
Guardiões da Galáxia (Guardians of the Galaxy)

Integrantes excêntricos do grupo Guardiões da Galáxia. (photo by outnow.ch)

Integrantes excêntricos do grupo Guardiões da Galáxia. (photo by outnow.ch)

ATOR EM FILME DE AÇÃO
Bradley Cooper (Sniper Americano)
Tom Cruise (No Limite do Amanhã)
Chris Evans (Capitão América: O Soldado Invernal)
Brad Pitt (Corações de Ferro)
Chris Pratt (Guardiões da Galáxia)

ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Emily Blunt (No Limite do Amanhã)
Scarlett Johansson (Lucy)
Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)
Zoe Saldana (Guardiões da Galáxia)
Shailene Woodley (Divergente)

COMÉDIA
Birdman
O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)
Um Santo Vizinho (St. Vincent)
Top Five
Anjos da Lei 2 (22 Jump Street)

ATOR EM COMÉDIA
Jon Favreau (Chef)
Ralph Fiennes (O Grande Hotel Budapeste)
Michael Keaton (Birdman)
Bill Murray (Um Santo Vizinho)
Chris Rock (Top Five)
Channing Tatum (Anjos da Lei 2)

Chris Rock em Top Five (photo by outnow.ch)

Chris Rock na comédia Top Five (photo by outnow.ch)

ATRIZ EM COMÉDIA
Rose Byrne (Vizinhos)
Rosario Dawson (Top Five)
Melissa McCarthy (Um Santo Vizinho)
Jenny Slate (Obvious Child)
Kristen Wiig (The Skeleton Twins)

FILME DE TERROR OU FICÇÃO CIENTÍFICA
The Babadook
Planeta dos Macacos: O Confronto (Dawn of the Planet of the Apes)
Interestelar (Interstellar)
Expresso do Amanhã (Snowpiercer)
Sob a Pele (Under the Skin)

A bela e misteriosa Scarlett Johansson em Sob a Pele (photo by outnow.ch)

A bela e misteriosa Scarlett Johansson em Sob a Pele (photo by outnow.ch)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Força Maior (Turist) – SUÉCIA
Ida – POLÔNIA
Leviatã (Leviafan) – RÚSSIA
Dois Dias, Uma Noite (Deux Jours, Une Nuit) – BÉLGICA
Relatos Selvagens (Relatos Salvajes) – ARGENTINA

DOCUMENTÁRIO
Citizenfour
Glen Campbell: I’ll Be Me
Duna de Jodorowsky (Jodorowsky’s Dune)
Last Days in Vietnam
Life Itself – A Vida de Roger Ebert (Life Itself)
The Overnighters

CANÇÃO
“Big Eyes” (Grandes Olhos)
“Everything Is Awesome” (Uma Aventura Lego)
“Glory” (Selma)
“Lost Stars” (Mesmo Se Nada Der Certo)
“Yellow Flicker Beat” (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)

TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (O Jogo da Imitação)
Johann Johannsson (A Teoria de Tudo)
Trent Reznor, Atticus Ross (Garota Exemplar)
Antonio Sanchez (Birdman)
Hans Zimmer (Interestelar)

JOVEM ATOR OU ATRIZ
Ellar Coltrane (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)
Mackenzie Foy (Interestelar)
Jaeden Lieberher (Um Santo Vizinho)
Tony Revolori (O Grande Hotel Budapeste)
Quvenzhane Wallis (Annie)
Noah Wiseman (The Babadook)

A emotiva Mackenzie Foy em cena de Interestelar ao lado de Matthew McConaughey (photo by outnow.ch)

A emotiva Mackenzie Foy em cena de Interestelar ao lado de Matthew McConaughey (photo by outnow.ch)

A cerimônia acontece no dia 15 de janeiro, mesmo dia em que as indicações ao Oscar serão anunciadas na manhã, ou seja, um loooongo dia para os artistas indicados em ambas as premiações.

‘Garota Exemplar’ leva Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2014

Ben Affleck recebe o prêmio de Melhor Filme por Garota Exemplar na ausência do diretor David Fincher (photo by people.com)

Ben Affleck recebe o prêmio de Melhor Filme por Garota Exemplar na ausência do diretor David Fincher (photo by people.com)

THRILLER PSICÓTICO GAROTA EXEMPLAR LEVA MELHOR FILME, MAS VÊ THE IMITATION GAME CONQUISTAR 4 PRÊMIOS IMPORTANTES

Com a enxurrada de prêmios que estão por vir, pode-se dizer que é sábio adiantar a cerimônia no calendário com a finalidade de atrair mais atenção e não sumir no meio do bolo. O prêmio Hollywood Film Awards, que reconhece a excelência em cinema há 17 anos, concedeu a honraria a seus premiados nessa última sexta-feira, dia 14 de novembro, no The Palladium, em Hollywood. A hostess da noite foi a atriz e cantora Queen Latifah.

Aparentemente com o intuito de abranger o maior número de artistas e celebridades, as categorias do HFA deram um jeitinho de encaixar um ator ou atriz que perderia o prêmio principal, mas seria compensado com um prêmio pelo conjunto da obra como foi o caso de Michael Keaton, claramente incluído entre os favoritos do ano para ser indicado ao Oscar por sua performance em Homem-Pássaro; ou como foi também o caso de Shailene Woodley levando o prêmio de Melhor Atriz Revelação por A Culpa é das Estrelas (como se ela tivesse surgido ontem e sua ótima interpretação em Os Descendentes, de 2011, não tivesse a repercussão que teve!); e a ótima saída de prêmio do Melhor Elenco para Steve Carell, Channing Tatum e Mark Ruffalo, que eliminaria a culpa de não premiar nenhum dos atores de Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo.

Consolo nos braços de Geena Davis: Michael Keaton leva prêmio pelo conjunto da obra, e não por Homem-Pássaro, considerado seu grande "comeback" (photo by ibtimes.com)

Consolo nos braços de Geena Davis: Michael Keaton leva prêmio pelo conjunto da obra, e não por Homem-Pássaro, considerado seu grande “comeback” (photo by ibtimes.com)

Mas tá bom! Não dá pra reclamar. É um ótimo jeito do prêmio dizer: “Ei, já estamos colaborando aqui. Deixe que o Oscar e o Globo de Ouro decidam!”. Claro que mesmo sendo o mais abrangente possível, a premiação acaba deixando algumas produções de lado. Interestelar, Vício Inerente e Caminhos da Floresta foram algumas ausências mais sentidas, mas certamente terão presença garantida nos prêmios dos críticos que começam em dezembro.

Embora Garota Exemplar tenha faturado os prêmios de Filme e Roteiro, foi o filme que se passa na 2ª Guerra Mundial que levou o maior número de prêmios. The Imitation Game, baseado na história do matemático Alan Turing que quebrou um código alemão que ajudou a acabar com a guerra, levou Diretor, Ator, Atriz Coadjuvante e até Trilha Musical. Como dizem os especialistas: “Tem a cara do Oscar”.

Keira Knightley com seu prêmio por The Imitation Game (photo by hollywoodreporter.com)

Keira Knightley com seu prêmio por The Imitation Game. Pode lhe render sua segunda indicação ao Oscar. (photo by hollywoodreporter.com)

Poréeeeemm… Hollywood Film Awards é um prêmio bem novo na indústria ainda. Suas estatísticas de acerto comparadas ao Oscar são baixas. Nos últimos 3 anos, dentre as categorias principais, só coincidiu em Melhor Ator para Matthew McConaughey este ano, e em 2012 em Melhor Ator Coadjuvante para Christopher Plummer. Mas boa parte dos que venceram o prêmio acabaram indicados ao Oscar.

Segue lista completa dos vencedores de 2014:

MELHOR FILME
Garota Exemplar (Gone Girl), de David Fincher

Julianne Moore recebe o prêmio de Atriz das mãos de Kristen Stewart, sua colega de trabalho no filme Still Alice. (photo by ibtimes.co.in)

Julianne Moore recebe o prêmio de Atriz das mãos de Kristen Stewart, sua colega de trabalho no filme Still Alice. (photo by ibtimes.co.in)

MELHOR DIRETOR
Morten Tyldum (The Imitation Game)

MELHOR ATOR
Benedict Cumberbatch (The Imitation Game)

MELHOR ATRIZ
Julianne Moore (Still Alice)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Robert Duvall (O Juiz)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Keira Knightley (The Imitation Game)

MELHOR ELENCO
Steve Carell, Channing Tatum, Mark Ruffalo (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)

MELHOR ROTEIRO
Gillian Flynn (Garota Exemplar)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Homem-Pássaro)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Dylan Cole, Gary Freeman (Malévola)

MELHOR MONTAGEM
Jay Cassidy, Dody Dorn (Corações de Ferro)

MELHOR FIGURINO
Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (The Imitation Game)

Os Roberts: Downey Jr. entrega o prêmio de Coadjuvante para o veterano Duvall por O Juiz (photo by ibtimes.com)

Os Roberts: Downey Jr. entrega o prêmio de Coadjuvante para o veterano Duvall por O Juiz (photo by ibtimes.com)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“What is Love”, de Janelle Monáe (Rio 2)

MELHOR SOM
Ren Klyce (Garota Exemplar)

MELHOR MAQUIAGEM
David White, Elizabeth Yianni-Georgiou (Guardiões da Galáxia)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Scott Farrar (Transformers: A Era da Extinção)

MELHOR ANIMAÇÃO
Como Treinar Seu Dragão 2

Benedict Cumberbatch se firma como jovem ator prodígio de Hollywood e segue como um dos favoritos ao Oscar por The Imitation Game (photo by straitstimes.com)

Benedict Cumberbatch se firma como jovem ator prodígio de Hollywood e segue como um dos favoritos ao Oscar por The Imitation Game (photo by straitstimes.com)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Supermensch: The Legend of Shep Gordon, de Beth Aala e Mike Myers

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Jean-Marc Vallée (Livre)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Jack O’Connell (Invencível)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Guardiões da Galáxia, de James Gunn

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Chris Rock (Top Five)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Michael Keaton

PRÊMIO INTERNACIONAL
Jing Tiang

À esquerda o ator Chris Pratt com o diretor James Gunn, responsável pela adaptação dos quadrinhos da Marvel: Guardiões da Galáxia, que levou Melhor Blockbuster e Melhor Maquiagem (photo by hollywoodreporter.com)

À esquerda o ator Chris Pratt com o diretor James Gunn, responsável pela adaptação dos quadrinhos da Marvel: Guardiões da Galáxia, que levou Melhor Blockbuster e Melhor Maquiagem (photo by hollywoodreporter.com)