‘PARAAAAASSSSIIIIIITTTAAAAAAA’ LEVA o OSCAR DE MELHOR FILME!!!!!!!!!

09oscars-parasite1-mobileMasterAt3x-v2

No centro, o diretor Bong Joon Ho recebe o Oscar de Melhor Filme das mãos de Jane Fonda (pic by The New York Times)

PELA PRIMEIRA VEZ EM 92 ANOS DE ACADEMIA, UM FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA CONQUISTA O OSCAR DE MELHOR FILME

Vou abrir com um relato pessoal aqui:

Eu assisto ao Oscar desde 1998. Estou todos os anos acompanhando tudo. De lá pra cá, aprendi a amar Cinema como todos vocês. E nesse mesmo período, eu tive que aguentar  SHAKESPEARE APAIXONADO ganhando de ALÉM DA LINHA VERMELHA, e CRASH ganhando sobre BROKEBACK MOUNTAIN. Morri de raiva e jurei que não ia mais ver Oscar. Mas fui teimoso e continuei, e o que ganhei? Ver O DISCURSO DO REI bater A REDE SOCIAL, SPOTLIGHT ganhar de MAD MAX, GREEN BOOK ganhar de ROMA, A FAVORITA, INFILTRADO NA KLAN. Era motivo pra desistir da Academia… mas tava aqui, firme e forte, esperando a vitória previsível de 1917. Claro que nada contra o filme de Sam Mendes que prima pela técnica e emociona, mas tudo indicava essa vitória. E eu já tava aqui FELIZ da vida com o Oscar de Direção pro Bong Joon Ho, porque o DGA foi quebrado pela OITAVA vez em sua longeva história para premiar um baita diretor. Bati palmas aqui, com meus vizinhos achando que era briga!

Mas na hora que Jane Fonda falou PARASITE, eu GRITEI, PULEI, CHOREI e disse: “Aguentei todos aqueles resultados RUINS, aguentei Roberto Benigni Melhor Ator, Aguentei Gwyneth Paltrow levando o Oscar. MAS tudo se pagou aqui nesta noite. Antes, eu considerava O Silêncio dos Inocentes (1991) o último vencedor do Oscar de Melhor Filme realmente acertado pela Academia. Hoje, ele cede lugar a Parasita. Parabéns, Academia e a todos os 8.500 membros votantes.

Obrigado e desculpem-me pelo desabafo! E peço perdão aos fãs dos filmes que citei acima! Juro que amo vocês!

SOBRE A CERIMÔNIA

Bom, vamos lá! A cerimônia começou com a atriz e cantora Janelle Monáe e Billy Porter abrindo o evento com uma performance que faz referência a vários filmes de 2019, como Um Lindo na Vizinhança, e com os dançarinos trajados com figurinos de Midsommar, Nós, Meu Nome é Dolemite, Queen & Slim… a idéia foi boa no papel, mas a música não animou muito. A platéia até tentou se empolgar, mas não rolou… Estávamos esperando Billie Eilish, a sensação da pop music, abrindo o show, mas ela ficou para depois.

Ano passado, o Queen abriu o Oscar e animou. Na falta de uma banda icônica, deveriam aproveitar e já botar uma das cinco apresentações de Canção Original. Elton John poderia ter dado o chute inicial. Com certeza, teria animado mais o público no começo do que no final…

É engraçado que o Oscar não quer mais um host, mas vários mini hosts. Nesta edição, eles decidiram chamar celebridades para apresentar outras celebridades ao palco. Claro que isso possibilita a aparição de mais rostos na transmissão, mas faltou mais humor nesse quesito.

Houve duplas que poderiam ter assumido essa tarefa central como Steve Martin e Chris Rock, ou Maya Rudolph e Kristen Wiig, que despirocaram ao cantar uma mistureba de canções antes de apresentar um prêmio. E falando em apresentadores, alguém pode me explicar algumas opções? Por que raios a Penélope Cruz, que é espanhola e musa de Almodóvar, vai apresentar o Oscar de Melhor Filme Internacional? Já estvávamos achando que Dor e Glória levaria o Oscar! Lembram em 2001, quando ela e Antonio Banderas apresentaram o Oscar de Filme em Língua Estrangeira para… Pedro Almodóvar? Aí quando não é o filme da mesma nacionalidade, fica aquela cara de decepção escondida.

Falando nisso, por que escolher Natalie Portman, ávida apoiadora de Greta Gerwig, e Timothée Chalamet, que trabalhou com Gerwig duas vezes, para apresentar o Oscar de Roteiro Adaptado? Poderia ir pra Greta Gerwig. Poderia, claro. Se tivesse sido, os dois iriam saltitar no palco de alegria e o povo ia achar que era marmelada. Mas e se não fosse Greta? Aí você vê a cara de atuação de Natalie Portman. Disfarçar uma decepção náo é fácil, gente! Se nem uma vencedora do Oscar conseguiu, imagina nós, reles mortais!

natalie-portman-und-timothee-chalamet-praesentierten-den-oscar-fuer-das-beste-adaptierte-drehbuch-jojo-rabbit-gewann-in-der-kategorie-

Natalie Portman e Timothée Chalamet crentes no Oscar para Greta Gerwig (pic by http://www.t-online.de)

Outra coisa que não entendemos é a menção dos homenageados com o Oscar Honorário por Taika Waititi no palco, mas eles sequer subirem ao palco ou levantarem para receber uma salva de palmas?? Poxa, tivemos entre os artistas reconhecidos o diretor David Lynch!!! Custava dar 10 segundos para o mito ser aplaudido ao vivo? Os atores Wes Studi e Geena Davis apareceram sentados, mas foi só isso.

Mas não vamos apenas criticar. A equipe acertou muito em trazer a dupla do filme independente The Peanut Butter Falcon, Shia LaBeouf e Zack Gottasagen. Honestamente, não nos recordamos de ter havido outro portador de Síndrome de Down no Oscar, mas é muito inclusivo. Bela atitude, Academia! Outra idéia genial foi a trazer a dupla James Corden e Rebel Wilson, fantasiados toscamente de gatos para apresentar o Oscar de Efeitos Visuais. Pra quem não sabe, os dois estavam no elenco do filme Cats, que foi considerado um dos piores filmes de 2019, cujos efeitos visuais ficaram tão ruins, que o estúdio pediu desculpas e trocou as cópias com os efeitos “melhorados”. Então foi muito bacana trazer os atores para que eles pudessem rir de si mesmos. Achamos que uma das maiores qualidades de Hollywood é saber tirar sarro de si mesma.

APRESENTAÇÕES

Gostamos do videoclipe destacando a força das canções em filmes como O Clube dos Cinco, Negócio Arriscado, Digam o que Quiserem…, Ghost, Footlose, Titanic, Faça a Coisa Certa entre outros. Essa associação que fazemos de cinema com música muitas vezes é esquecida, então foi bacana ver isso valorizado.  Dito isso, o que podemos dizer sobre Eminem no Oscar?

Primeiramente, ele não havia sido divulgado pela imprensa. Foi uma surpresa. Gostamos da canção “Lose Yourself”, que ganhou o Oscar de Melhor Canção em 2003! Mas alguém aí entendeu o porquê de Eminem agora? Lembramos da cerimônia do Oscar de 2003, quando a música levou o Oscar, mas o cantor não se apresentou e não compareceu, tipo atitude de rebelde mesmo contra o sistema, sabe? Lembramos ainda que ele relatou que estava dormindo no momento da premiação. Claro, legal que muitos na platéia se animaram com a canção, mas não entendemos esse “timing”, ainda mais depois de desafazer do Oscar… e aí, aparecer agora quando ele andava esquecido. Pelo menos, foi uma apresentação beeeeem mais animada do que a de Janelle Monáe.

Agora, a melhor idéia mesmo mesmo foi da apresentação da canção de “Into the Unknown” de Frozen 2, trazendo nove dubladoras estrangeiras da personagem Elsa para cantar junto com Idina Menzel e Aurora no palco. Além de comprovar que Frozen se tornou uma mania global, valorizou o trabalho de artistas que propagam a canção para inúmeras crianças. Aqui no Brasil, a música “Let it Go” foi cantada como “Livre Estou” e foi um sucesso fenomenal. Parabéns a Disney pela idéia e organização!

Sobre Billie Eilish, que venceu recentemente o Grammy, ela acabou cantando na seção In Memoriam, em homenagens aos artistas que se foram no último ano. A canção escolhida foi a clássica “Yesterday” dos Beatles, que além de se encaixar aqui, também homenageia a comédia Yesterday, de Danny Boyle.

Entre outros detalhes, gostamos que um trecho de Cidade de Deus apareceu no videoclipe de Filmes em Língua Estrangeira (pois é, era pra ter sido nosso primeiro Oscar!). E achamos legal da Academia trazer pela primeira vez uma condutora de orquestra feminina no Oscar, e logo em seguida, premiar a compositora Hildur Guđnadóttir, que fez um discurso super incentivador para mulheres.

NÚMEROS DO OSCAR 2020

Bom, já que sempre falamos de Netflix, das 24 indicações ganhou apenas DOIS Oscars: Melhor Documentário e Atriz Coadjuvante para Laura Dern, por História de um Casamento. Foi o primeiro Oscar de atuação para a Netflix. Suas outras produções: O Irlandês, Dois Papas e Klaus não levaram nada.

As campanhas publicitárias foram ferozes este ano, custando milhões para divulgação de estúdios como Universal, Sony e Warner, e no final, acabou ganhando a Neon, que está no mercado há apenas 3 anos, mas conseguiu eleger Parasita como Melhor Filme, Diretor, Roteiro Original e Filme Internacional. Um espetáculo de resultado!

Então, pela contagem de estatuetas temos:

4 PARASITA
3 1917
2 ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD
2 CORINGA
2 FORD VS FERRARI
1 HISTÓRIA DE UM CASAMENTO
1 JUDY: MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS
1 JOJO RABBIT
1 ADORÁVEIS MULHERES
1 TOY STORY 4
1 INDÚSTRIA AMERICANA

SOBRE OS RESULTADOS

PARASITA

PORRRRAAAAAAA…. Primeiro, Bong Joon Ho! Você é o CARA!
Já estávamos super felizes com o Oscar de Direção, porque TUDO indicava que Sam Mendes ia conseguir seu segundo Oscar. Então foi uma boa surpresa. Aliás, tirando as categorias de atuação, esta edição do Oscar conseguiu surpreender como há muito não se via.

Bong Joon Ho

Bong Joon Ho com seu Oscar de Diretor (pic by The Herald Dispatch)

E o que dizer de Melhor Filme para Parasita? No podcast, cheguei a dizer que se o filme coreano levasse, a Academia estaria passando a mensagem: “Somos uma instituição globalizada que reconhece qualidade fora de nossa indústria!” E nesse sentido, todos que somos de fora dos EUA, deveríamos estar super felizes também, porque estamos vivenciando uma época de mudanças históricas numa premiação de quase 100 anos de idade. Pô, estamos na torcida de um filme em língua estrangeira levar esse Oscar desde 1970 (!), quando o excelente filme franco-argelino de Costa-Gavras chamado Z concorreu ao Oscar. Levou Melhor Montagem e Melhor Filme Estrangeiro na época, o que já foi um marco.

A gente acha que existe o bom cinema em qualquer tipo de filme, de qualquer gênero, de qualquer idioma, e de qualquer nação. E ficamos inevitavelmente felizes porque a Academia está finalmente alinhando seu pensamento conosco! Que essa porta fique aberta pra sempre! Que eles reconhecem outros filmes internacionais nas categorias principais! Um dia podemos ter um filme dinamarquês, depois um nigeriano, depois um peruano e por que não um brasileiro levando Melhor Filme? Cinema é uma arte sem barreiras e fronteiras. E a vitória de Parasita também é um grande protesto contra o governo xenófobo de Trump.

E outra coisa bacana é que há muito tempo não víamos um filme tão aclamado pela crítica, pelas associações de críticos como os de Los Angeles, permanecer vivo por toda a temporada e conquistar o Oscar. Normalmente, vemos uma mudança drástica nesses meses das premiações. E Parasita se torna também o primeiro vencedor da Palma de Ouro a ganhar o Oscar de Melhor Filme desde Marty, de 1955!

Gente, e que DEMAIS a primeira fileira do Oscar ali pedir pro microfone voltar para o discurso de agradecimento de Melhor Filme, né?? Nunca vimos esse entusiasmo todo! Tom Hanks e Charlize Theron ali coordenando o coro de “Up! Up! Up!”.

Bong Joon Ho levou os três Oscars a que estava indicado como produtor, diretor e roteirista. E que discursos super humildes. Ele reconheceu o talento de Scorsese como um de seus mestres, e agradeceu Tarantino por sempre colocar um de seus filmes em suas famosas listas de filmes favoritos.

ATORES

Apesar de não ter havido nada de novo no front nas categorias de atuação, do que vamos reclamar? Joaquin Phoenix… esse homem devorou o filme todo do Coringa. Mesmo com uma concorrência alta de Adam Driver e Antonio Banderas, ele foi uma unanimidade nesta categoria. E pra um outsider de Hollywood, ele aprendeu a fazer bons discursos.

Joaquin-Phoenix-Oscar-Winners

Joaquin Phoenix em seu discurso de agradecimento por Coringa (pic by E! News)

“Quer falemos de desigualdade de gênero, racismo ou direitos LGBT, direitos indígenas ou direitos dos animais, estamos falando sobre a luta contra a injustiça. Estamos falando da luta contra a crença de que uma nação, um povo, uma raça, um gênero ou uma espécie tem o direito de dominar, controlar, usar e explorar outro com impunidade”, disse Phoenix. E compartilhamos essa filosofia de que somos todos humanos e falhos, mas podemos ser também humildes e reconhecer nossos erros e aprender com eles. E fecha com uma bela citação de seu irmão, o ator River Phoenix, que morreu de overdose aos 23 anos, com um trecho de uma canção que ele teria composto: “Run to the rescue with love and peace will follow” (“Corra para o resgate com amor que a paz se seguirá”).

Renée Zellweger, mesmo meio aturdida, conseguiu cumprir o protocolo de citar Judy Garland em seu discurso e dedicar o Oscar pra ela. É o que muitos votantes esperavam, já que consideraram um Oscar para a própria Garland, que foi indicada duas vezes, mas nunca ganhou. Já Laura Dern foi a mais fofa da noite, dedicando o prêmio aos pais dela, Bruce Dern e Diane Ladd, que estava a acompanhando. Dern entrou nesse universo graças aos pais, e aos 15 anos, foi a miss Golden Globe.

92nd Annual Academy Awards, Show, Los Angeles, USA - 09 Feb 2020

Renée Zellweger com seu segundo Oscar por Judy (pic by Variety)

Brad Pitt, que ganhou seu segundo Oscar, mas o primeiro como ator, elogiou a criatividade de Quentin Tarantino, ficou emocionado ao dedicar o prêmio aos filhos dele, e pediu uma salva de palmas aos coordenadores de dublês por sua importância. Já nos bastidores, criticou os senadores republicanos por deixarem de chamar as testemunhas que precisavam para dar continuidade ao processo de impeachment do presidente Donald Trump.

92nd Annual Academy Awards, Show, Los Angeles, USA - 09 Feb 2020

Brad Pitt elogia Tarantino, DiCaprio e os coordenadores de dublês (pic by Indiewire)

SURPRESAS DA NOITE

Além da consagração de Parasita, destacamos o prêmio de Montagem para Ford vs Ferrari. Tudo bem que o BAFTA já havia premiado esse trabalho há uma semana, mas a maioria acreditava em vitória de Parasita ou Jojo Rabbit. Claro que é uma ótima edição que merecia reconhecimento, pois ao lado de Christian Bale, foi a alma do filme de James Mangold. Sabíamos que a Disney havia investido pesado na campanha do filme, mas acreditávamos que um prêmio de som já seria o suficiente.

Aliás, invertemos nossas apostas nas categorias de Som e Efeitos Sonoros. 1917 ficou com Melhor Mixagem de Som, enquanto Ford vs Ferrari levou Edição de Som, aquele som gravado e inserido depois como os sons de carros batendo.

Estávamos com boas expectativas de que Klaus pudesse bater a Pixar, mas Toy Story 4 acabou levando o Oscar de Melhor Animação. E na categoria de documentário, esperávamos que Honeyland poderia levar o Oscar, mas Indústria Americana também é um bom filme, que retrata um duro choque de culturas entre EUA e China.

VENCEDORES DO 92º OSCAR (EM VERMELHO):

MELHOR FILME

  • 1917 Pippa Harris, Callum McDougall, Sam Mendes, Jayne-Ann Tenggren
  • FORD VS FERRARI Peter Chernin, Jenno Topping, James Mangold
  • O IRLANDÊS Robert De Niro, Jane Rosenthal, Martin Scorsese, Emma Tillinger Koskoff
  • JOJO RABBIT Carthew Neal, Taika Waititi
  • CORINGA Bradley Cooper, Todd Phillips, Emma Tillinger Koskoff
  • ADORÁVEIS MULHERES Amy Pascal
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO Noah Baumbach, David Heyman
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD David Heyman, Shannon McIntosh, Quentin Tarantino
  • PARASITA Bong Joon-ho, Kwak Sin-ae

DIREÇÃO

  • 1917 Sam Mendes
  • O IRLANDÊS Martin Scorsese
  • CORINGA Todd Phillips
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Quentin Tarantino
  • PARASITA Bong Joon Ho

ATRIZ

  • CYNTHIA ERIVO (Harriet)
  • SCARLETT JOHANSSON (História de um Casamento)
  • SAOIRSE RONAN (Adoráveis Mulheres)
  • CHARLIZE THERON (O Escândalo)
  • RENÉE ZELLWEGER (Judy: Muito Além do Arco-Íris)

ATOR

  • ANTONIO BANDERAS (Dor e Glória)
  • LEONARDO DICAPRIO (Era uma Vez em… Hollywood)
  • ADAM DRIVER (História de um Casamento)
  • JOAQUIN PHOENIX (Coringa)
  • JONATHAN PRYCE (Dois Papas)

ATRIZ COADJUVANTE

  • KATHY BATES (O Caso Richard Jewell)
  • LAURA DERN (História de um Casamento)
  • SCARLETT JOHANSSON (Jojo Rabbit)
  • FLORENCE PUGH (Adoráveis Mulheres)
  • MARGOT ROBBIE (O Escândalo)
92nd Annual Academy Awards, Show, Los Angeles, USA - 09 Feb 2020

Laura Dern recebe seu primeiro Oscar por História de um Casamento (pic by Variety)

ATOR COADJUVANTE

  • TOM HANKS (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • ANTHONY HOPKINS (Dois Papas)
  • AL PACINO (O Irlandês)
  • JOE PESCI (O Irlandês)
  • BRAD PITT (Era Uma Vez em… Hollywood)

ROTEIRO ORIGINAL

  • 1917 Sam Mendes, Krysty Wilson-Cairns
  • ENTRE FACAS E SEGREDOS Rian Johnson
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO Noah Baumbach
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Quentin Tarantino
  • PARASITA Han Jin Won, Bong Joon-ho

ROTEIRO ADAPTADO

  • O IRLANDÊS Steven Zaillian
  • JOJO RABBIT Taika Waititi
  • CORINGA Todd Phillips, Scott Silver
  • ADORÁVEIS MULHERES Greta Gerwig
  • DOIS PAPAS Anthony McCarten

FOTOGRAFIA

  • 1917 Roger Deakins
  • O IRLANDÊS Rodrigo Prieto
  • CORINGA Lawrence Sher
  • O FAROL Jarin Blaschke
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Robert Richardson

MONTAGEM

  • O IRLANDÊS Thelma Schoonmaker
  • JOJO RABBIT Tom Eagles
  • CORINGA Jeff Groth
  • FORD VS FERRARI Andrew Buckland, Michael McCusker
  • PARASITA Jinmo Yang

DESIGN DE PRODUÇÃO

  • 1917 Dennis Gassner, Lee Sandales
  • O IRLANDÊS Bob Shaw, Regina Graves
  • JOJO RABBIT Ra Vincent, Nora Sopková
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Barbara Ling, Nancy Haigh
  • PARASITA Ha-jun Lee, Won-Woo Cho

FIGURINO

  • O IRLANDÊS Christopher Peterson, Sandy Powell
  • JOJO RABBIT Mayes C. Rubeo
  • CORINGA Mark Bridges
  • ADORÁVEIS MULHERES Jacqueline Durran
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Arianne Phillips

MAQUIAGEM E CABELO

  • 1917 Naomi Donne
  • O ESCÂNDALO Vivian Baker, Kazu Hiro, Anne Morgan
  • CORINGA Kay Georgiou, Nicki Ledermann
  • JUDY: MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS Jeremy Woodhead
  • MALÉVOLA: DONA DO MAL Paul Gooch, Arjen Tuiten, David White

TRILHA ORIGINAL

  • 1917 Thomas Newman
  • CORINGA Hildur Guđnadóttir
  • ADORÁVEIS MULHERES Alexandre Desplat
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO Randy Newman
  • STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER John Williams

CANÇÃO ORIGINAL

  • “I Can’t Let You Throw Yourself Again”, de TOY STORY 4
  • “I’m Gonna Love Me Again”, de ROCKETMAN
  • “I’m Standing With You”, de SUPERAÇÃO: O MILAGRE DA FÉ
  • “Into the Unknown”, de FROZEN 2
  • “Stand Up”, de HARRIET

SOM

  • AD ASTRA Gary Rydstrom, Tom Johnson, Mark Ulano
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Michael Minkler, Christian P. Minkler, Mark Ulano
  • 1917 Scott Millan, Oliver Tarney, Rachael Tate, Mark Taylor, Stuart Wilson
  • CORINGA Tod Maitland, Alan Robert Murray, Tom Ozanich, Dean Zupancic
  • FORD VS FERRARI David Giammarco, Paul Massey, Steven A. Morrow, Donald Sylvester

EFEITOS SONOROS

  • FORD VS FERRARI Donald Sylvester
  • CORINGA Alan Robert Murray
  • 1917 Oliver TarneyRachael Tate
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Wylie Stateman
  • STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER Matthew WoodDavid Acord

EFEITOS VISUAIS

  • 1917 Greg Butler, Guillaume Rocheron, Dominic Tuohy
  • VINGADORES: ULTIMATO Dan Deleeuw, Dan Sudick
  • O IRLANDÊS Leandro Estebecorena, Stephane Grabli, Pablo Helman
  • O REI LEÃO Andrew R. Jones, Robert Legato, Elliot Newman, Adam Valdez
  • STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER Roger Guyett, Paul Kavanagh, Neal Scanlan, Dominic Tuohy

FILME INTERNACIONAL

  • CORPUS CHRISTI Jan Komasa – POLÔNIA
  • HONEYLAND Tamara Kotevska, Ljubomir Stefanov – MACEDÔNIA DO NORTE
  • OS MISERÁVEIS Ladj Ly – FRANÇA
  • DOR E GLÓRIA Pedro Almodóvar, Agustín Almodóvar – ESPANHA
  • PARASITA Bong Joon-ho – CORÉIA DO SUL

DOCUMENTÁRIO

  • THE CAVE Feras Fayyad, Kirstine Barfod, Sigrid Dyekjaer
  • DEMOCRACIA EM VERTIGEM Petra Costa, Joanna Natasegara, Shane Boris, Tiago Pavan
  • HONEYLAND Tamara Kotevska, Ljubomir Stefanov
  • AMERICAN FACTORY Steven Bognar, Julia Reichert
  • FOR SAMA Waad al-Kateab, Edward Watts

LONGA DE ANIMAÇÃO

  • KLAUS Sergio Pablos, Jinko Gotoh, Marisa Roman
  • TOY STORY 4 Josh Cooley, Mark Nielsen, Jonas Rivera
  • COMO TREINAR O SEU DRAGÃO 3 Dean DeBloisBradford LewisBonnie Arnold
  • PERDI MEU CORPO Jérémy ClapinMarc Du Pontavice
  • LINK PERDIDO Chris ButlerArianne SutnerTravis Knight

CURTA DE ANIMAÇÃO

  • DCERA (DAUGHTER) Daria Kashcheeva
  • HAIR LOVE Matthew A. CherryKaren Rupert Toliver
  • KITBULL Rosana SullivanKathryn Hendrickson
  • MEMORABLE Bruno ColletJean-François Le Corre
  • SISTER Siqi Song

DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • IN THE ABSENCE Seung-jun YiGary Byung-Seok Kam
  • LEARNING TO SKATEBOARD IN A WARZONE (IF YOU’RE A GIRL) Carol DysingerElena Andreicheva
  • LIFE OVERTAKES ME Kristine SamuelsonJohn Haptas
  • ST. LOUIS SUPERMAN Sami KhanSmriti Mundhra
  • WALK RUN CHA-CHA Laura NixColette Sandstedt

CURTA-METRAGEM 

  • BROTHERHOOD Meryam JoobeurMaria Gracia Turgeon
  • NEFTA FOOTBALL CLUB Yves PiatDamien Megherbi
  • THE NEIGHBOR’S WINDOW Marshall Curry
  • SARIA Bryan BuckleyMatt Lefebvre
  • A SISTER Delphine Girard

APOSTAS PARA o OSCAR 2020: 2º ROUND de CINEMA vs NETFLIX

Oscars-pic

Pôster da 92ª edição do Oscar

PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO, UM FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA PODE LEVAR O OSCAR DE MELHOR FILME

Além da briga entre Cinema e Netflix continuar este ano, a busca pelo Oscar de Melhor Filme por um filme de língua estrangeira permanece. Em 2019, apesar de toda uma alta expectativa, Roma falhou e o prêmio foi para o mais tradicional Green Book, que sofreu críticas ainda maiores após a consagração.

Nesta edição, o cenário ficou mais interessante. Desta vez, não temos um filme estrangeiro e em preto-e-branco concorrendo pela Netflix (Roma), agora tem a alta cúpula de Hollywood, bitch! A Netflix resolveu apelar e trouxe O Irlandês, História de um Casamento e Dois Papas, pensando: “Agora vai!” Bem… lá no início da temporada de premiações, o filme de Martin Scorsese chegou a figurar como favorito, ganhando o National Board of Review e o New York Film Critics Circle (NYFCC), e o drama conjugal de Noah Baumbach levou o prêmio do Gotham Awards. Estava tudo caminhando nos conformes para o presidente da Netflix, Ted Sarandos, mas… a temporada de premiações é longa (vai de setembro a fevereiro), e muita coisa pode mudar nesses meses.

Nesse período, já vimos O Segredo de Brokeback Mountain ceder o topo para Crash, e A Rede Social ceder o topo para O Discurso do Rei. Aí que entra o poder uma boa campanha publicitária (Harvey Weinstein era o expert no assunto) e questões pessoais como preconceito e má informação. No primeiro caso, é nítido o prevalecimento do preconceito contra o homossexualismo do filme de Ang Lee, e no segundo, uma campanha que certamente elevou o lado mais conservador da Academia de que seria imaturo premiar um filme sobre o Facebook.

E houve alguma mudança nesse cenário? A verdade é que a Academia está passando por transformações hoje. Nos últimos anos, a ex-presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, abriu as portas da Academia para cerca de 2.500 novos membros de várias etnias, várias nações e mulheres de todo o mundo, fazendo parte das consequências do protesto #OscarsSoWhite, mas a grande maioria permanece sendo o perfil homem branco e mais velho, o que poderia explicar o conservadorismo predominante. Mas é preciso ter um pouco mais de paciência com o Oscar. Se um filme mais conservador ganhar, não significa que toda a instituição é conservadora. Eleger o vencedor do Oscar é uma eleição democrática; vence aquele que obteve maior número de votos.

Se o filme estrangeiro Parasita não ganhar este ano, vamos bater palmas do mesmo jeito, porque o filme de Bong Joon Ho já é um filme extremamente vitorioso. Até ano passado, NENHUM filme coreano conseguiu chegar ao Oscar! Nem sequer na categoria de Filme Internacional! O mais próximo disso foi a inclusão na shortlist de Em Chamas, mas foi só. Parasita recebeu 6 indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme. Nem o diretor imaginava que seu filme conseguiria tanto prestígio assim. Se não ganhar o prêmio principal da noite, não tem problema. Ele já terá amadurecido mais essa idéia para os próximos filmes de língua estrangeira.

Se a Netflix não ganhar Melhor Filme, provavelmente significa que a maioria ainda tem receio do crescimento da empresa ligado a uma possível queda do sistema de grandes estúdios, e o medo de perder o emprego. E tem toda aquela questão da preferência do filme ser exibido em salas de cinema do que na TV de casa. Obviamente que também preferimos que todos os filmes pudessem ser exibidos nos cinemas, mas não há espaço para todos. Então, entre não passar nos cinemas e passar na TV e alcançar um bom público, preferimos que chegue ao espectador! Sobre as chances de O Irlandês, temos absoluta certeza de que se ele tivesse sido exibido nos cinemas comerciais de todo o mundo, ele seria o franco-favorito do Oscar.

PODCAST

Pela primeira vez, lançamos um episódio de podcast. Mas calma! Não se animem tanto, pois foi um trabalho extremamente amador. Se você nunca ouviu um podcast, pode ser que sua experiência seja menos dolorosa kk Agora, se já conhece, você aguenta uns 5 minutos no máximo!

Estamos buscando novas alternativas para o blog, a página do Facebook e o Instagram @cinemaoscareafins . Vamos ver até onde isso vai dar! Desde já, agradecemos o seu apoio! É muito importante pra nós!

SEGUNDO ANO DE OSCAR SEM HOST

A audiência da edição passada teria crescido um pouco em relação ao ano anterior, ou pelo menos se estabilizada, mas a justificativa teria sido a curiosidade do público em saber como seria uma cerimônia do Oscar sem um host, algo que não acontecia desde a década de 80. Mas e agora neste segundo ano sem host? A curiosidade já passou, mas aparentemente o público se dividiu sobre a ausência de um apresentador.

Nossa opinião sempre foi clara desde o início: preferimos um host, uma hostess ou até mais de um host, contanto que haja um. Não que seja algo essencial para o Oscar, mas havendo um bom host (tem que saber escolher bem), ele ou ela vai saber brincar com os filmes indicados de uma forma leve ou até meio ácida, fazer aquela ponte entre os filmes e os acontecimentos da atualidade, dar unidade à cerimônia de três horas, evitar dar mais espaço para os apresentadores dos prêmios que costumam vir com aquela piadinha rala e sem graça antes de abrir o envelope, e, se o host (ess) se sair bem, será mais um assunto pra conversa do dia seguinte entre colegas e amigos.

Em nossa humilde opinião, a última edição do Oscar só começou a ficar interessante a partir da apresentação de “Shallow” de Bradley Cooper e Lady Gaga. Antes estava tudo muito mecânico: entram apresentadores, piadinha, “e o Oscar vai para…”. Isso um Powerpoint já resolvia bem.

No ano passado, na ausência de um host, a Academia trouxe a banda Queen pra abrir o evento ao vivo, com Adam Lambert fazendo cover. Este ano, os organizadores da cerimônia, decidiram apostar na nova sensação da música Billie Eilish, que recentemente venceu os 4 principais Grammys. Ainda não se sabe qual música ela vai cantar, mas entendemos que a Academia está buscando atrair um público mais jovem para a transmissão.

Billie Eilish

Billie Eilish no Oscar 2020

92ª EDIÇÃO: O QUE PODE ACONTECER

1º filme em língua estrangeira a ganhar Melhor Filme
Sim, Parasita pode se tornar o primeiro filme todo legendado a levar o prêmio principal da noite. Claro que as chances ficaram pequenas após as vitórias de 1917 no PGA e no DGA, mas as vitórias expressivas do filme sul-coreano no sindicato de montadores e de atores (SAG) podem causar uma reviravolta de última hora.

1º filme da Netflix a ganhar Melhor Filme
Ainda na mesma luta de Roma, os filmes O Irlandês e História de um Casamento representam duas chances do estúdio de streaming a conquistar o prêmio pela primeira vez. Apesar de agora contar com o apoio importante de nomes como Martin Scorsese, Robert De Niro e Al Pacino, ainda existe uma parte conservadora muito grande na Academia que considera a Netflix o fim dos cinemas como os conhecemos hoje.

1ª vitória da Coréia do Sul
Parasita pode ser o responsável por seis conquistas inéditas na história do Oscar, já que é o primeiro filme coreano que participa da premiação em 92 anos. Então o filme pode fincar a bandeira do país asiático em seis categorias: Filme, Diretor, Roteiro Original, Montagem, Design de Produção e Filme Internacional. Além disso, o documentário-curta coreano In the Absence pode se tornar o primeiro a vencer na categoria.

MELHOR FILME

  • FORD VS FERRARI (Ford V Ferrari)
  • O IRLANDÊS (The Irishman)
  • JOJO RABBIT (Jojo Rabbit)
  • CORINGA (Joker)
  • ADORÁVEIS MULHERES (Little Women)
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO (Marriage Story)
  • 1917 (1917)
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD (Once Upon a Time… in Hollywood)
  • PARASITA (Gisaengchung)

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Ford vs Ferrari

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jóias Brutas (Uncut Gems)

Parasite sag

A família Kim de Parasita (pic by IMDb)

Sim, vamos apostar alto, e com todas as nossas fichas para a quebra de tabu. Parasita vai vencer o Oscar de Melhor Filme e se tornar o primeiro filme em língua estrangeira na história da Academia… na segunda-feira, a gente volta aqui com o rabinho entre as pernas e diz: “A gente se empolgou demais” kkk

MELHOR DIREÇÃO

  • Martin Scorsese (O Irlandês)
  • Todd Phillips (Coringa)
  • Sam Mendes (1917)
  • Quentin Tarantino (Era Uma Vez em… Hollywood)
  • Bong Joon Ho (Parasita)

DEVE GANHAR: Sam Mendes (1917)
DEVERIA GANHAR: Bong Joon Ho (Parasita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Todd Phillips (Coringa)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benny e Josh Safdie (Jóias Brutas)

Sam Mendes 1917 2

Sam Mendes passa instruções para seus atores Dean-Charles Chapman e George McKay em set de 1917 (pic by OutNow,CH)

Depois da vitória de Mendes no DGA, ficou bem difícil pra qualquer outro indicado. São apenas sete divergências entre o DGA e a Academia. E Sam Mendes se encaixa no perfil “experiência cinematográfica” dos vencedores recentes Alejandro G. Iñárritu e Alfonso Cuarón.

MELHOR ATRIZ

  • Cynthia Erivo (Harriet)
  • Scarlett Johansson (História de um Casamento)
  • Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)
  • Charlize Theron (O Escândalo)
  • Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)

DEVE GANHAR: Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)
DEVERIA GANHAR: Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)
SE ROLAR, É ZEBRA: Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Lupita Nyong’o (Nós), Jessie Buckley (As Loucuras de Rose)

Renée Zellwegger Judy 4

Renée Zellweger como Judy Garland em seu camarim (pic by OutNow.CH)

Infelizmente, a melhor performance do ano sequer foi indicada. Com Lupita Nyong’o fora do páreo, ficou mais fácil para Renée Zellweger conquistar sua segunda estatueta do Oscar, e a primeira como Atriz principal. Embora não apresente nada de muito novo, Zellweger incorpora a estrela da era de ouro de Hollywood, Judy Garland, com todos os trejeitos, e acaba se parecendo bastante com a figura real graças ao trabalho de maquiagem e de cabelo, além do figurino.

Depois de tantos anos na pele da Viúva Negra da Marvel, foi uma grata surpresa ver Scarlett Johansson mostrando seu talento num papel dramático mais profundo. Que venham mais projetos desse naipe para que ela continue sua ascensão menos comercial.

MELHOR ATOR

  • Antonio Banderas (Dor e Glória)
  • Leonardo DiCaprio (Era Uma Vez em… Hollywood)
  • Adam Driver (História de um Casamento)
  • Joaquin Phoenix (Coringa)
  • Jonathan Pryce (Dois Papas)

DEVE GANHAR: Joaquin Phoenix (Coringa)
DEVERIA GANHAR: Joaquin Phoenix (Coringa)
SE ROLAR, É ZEBRA: Jonathan Pryce (Dois Papas)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Adam Sandler (Jóias Brutas), Christian Bale (Ford Vs Ferrari)

Joaquin Phoenix Joker 2

Joaquin Phoenix fazendo sua pintura de guerra em Coringa (pic by OutNow.CH)

Claro que cada um tem direito a opinar, mas em nossa visão, teríamos Adam Sandler e Christian Bale nos lugares de Leonardo DiCaprio e Jonathan Pryce. De qualquer forma, independente de quais atores estivessem indicados, este é o ano de Joaquin Phoenix. Em seu histórico, temos três indicações sem vitória (sendo que já merecia ter levado por O Mestre em 2013), com o ator atingindo seu ápice como Coringa. A adaptação dos quadrinhos foi um sucesso nas bilheterias, o que proveu apoio popular na campanha do Oscar.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)
  • Laura Dern (História de um Casamento)
  • Scarlett Johansson (Jojo Rabbit)
  • Florence Pugh (Adoráveis Mulheres)
  • Margot Robbie (O Escândalo)

DEVE GANHAR: Laura Dern (História de um Casamento)
DEVERIA GANHAR: Scarlett Johansson (Jojo Rabbit)
SE ROLAR, É ZEBRA: Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jennifer Lopez (As Golpistas), Taylor Russell (Waves)

Laura Dern Marriage Story 3

Laura Dern tirando seu casaco na corte em História de um Casamento (pic by IMDb)

Laura Dern está muito bem como a advogada Nora Fanshaw. Rouba todas as cenas em que está, porém são poucas as cenas. Assim, a personagem dela não tem tanta profundidade, mas certamente chama a atenção nos poucos minutos em que aparece.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Anthony Hopkins (Dois Papas)
  • Al Pacino (O Irlandês)
  • Joe Pesci (O Irlandês)
  • Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood)

DEVE GANHAR: Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood)
DEVERIA GANHAR: Joe Pesci (O Irlandês)
SE ROLAR, É ZEBRA: Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Willem Dafoe (O Farol), Song Kang Ho (Parasita), Shia LaBeouf (Honey Boy), Noah Jupe (Honey Boy)

Once

Brad Pitt como Cliff Booth em Era Uma Vez em… Hollywood (pic by OutNow.CH)

Uma categoria bastante disputada este ano, que facilmente poderia incluir Willem Dafoe ou Song Kang Ho. Embora Brad Pitt mal tenha suado a camisa (apenas a tirou em cima do telhado!), ele é o franco-favorito numa campanha que contou muito com seu carisma pessoal e o prestígio que ele tem perante seus companheiros de profissão, que certamente se perguntaram: “Como assim Brad Pitt não tem um Oscar de atuação ainda?”. E assim como nós, estamos ansiosos por mais um discurso bem humorado do ator.

Já em termos de atuação, ninguém melhor do que Joe Pesci, que rouba todas as suas cenas com um único olhar. Ao contrário de papéis anteriores, o ator está extremamente contido, trabalhando apenas com detalhes e nuances. Martin Scorsese merecia um prêmio só por ter resgatado este homem da aposentadoria.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Entre Facas e Segredos, Rian Johnson
  • História de um Casamento, Noah Baumbach
  • 1917, Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Quentin Tarantino
  • Parasita, Bong Joon Ho e Han Jin Won

DEVE GANHAR: Bong Joon Ho e Han Jin Won (Parasita)
DEVERIA GANHAR: Bong Joon Ho e Han Jin Won (Parasita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Rian Johnson (Entre Facas e Segredos)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Emily Halpern, Sarah Haskins, Susanna Fogel e Katie Silberman (Fora de Série)

parasite 2

Roteiro Original para Parasita, que venceu o BAFTA e o WGA (pic by OutNow.CH)

Até pouco tempo atrás, Tarantino era o grande favorito nesta categoria, já que não levaria o prêmio como diretor. Contudo, com a ascensão de Sam Mendes, que venceu o DGA, o prêmio de Roteiro Original foi a forma encontrada para que Bong Joon Ho não saísse da noite sem nenhum prêmio individual (o Oscar de Filme Internacional seria para a Coréia do Sul). Essa tendência começou no sindicato de Roteiristas (WGA) e perdurou até o BAFTA.

Retiraríamos o roteiro previsível e repleto de artifícios de 1917 e colocaríamos o roteiro da comédia juvenil Fora de Série (Booksmart). Temos certeza de que, assim como os filmes de terror, os filmes teenagers sofrem enorme preconceito da Academia, que enxerga o filme de estréia de Olivia Wilde como uma comédia bobinha.

Se houvesse uma surpresa na categoria, seria bacana ver Rian Johnson subir ao palco pelo roteiro de Entre Facas e Segredos. Ele ressuscita o subgênero do “Quem Matou?” com muita elegância e humor. E seria bacana pra mostrar à Disney que Johnson é bom demais pra Star Wars.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • O Irlandês, Steven Zaillian
  • Jojo Rabbit, Taika Waititi
  • Coringa, Todd Phillips, Scott Silvers
  • Adoráveis Mulheres, Greta Gerwig
  • Dois Papas, Anthony McCarten

DEVE GANHAR: Taika Waititi (Jojo Rabbit)
DEVERIA GANHAR: Steven Zaillian (O Irlandês)
SE ROLAR, É ZEBRA: Anthony McCarten (Dois Papas)

NÃO RECEBEU O CONVITE: J.C. Lee e Julius Onah (Luce)

jojo rabbit 2

Roteiro Adaptado para Jojo Rabbit, que venceu o BAFTA e o WGA (pic by OutNow.CH)

Até pouco tempo atrás, nossa aposta segura para Roteiro Adaptado era Greta Gerwig, mas depois do WGA e BAFTA concederem o prêmio para Taika Waititi, temos nossas dúvidas. Além dos prêmios, se Taika perder, existe um sério risco de Jojo Rabbit não levar nada na noite, enquanto Adoráveis Mulheres, já tem um Oscar praticamente garantido de Figurino. Claro que não é a mesma coisa, mas deixaria de ser um filme indicado ao Oscar para ser um filme vencedor do Oscar.

Por outro lado, existe toda uma política para que Greta vença como Roteiro Adaptado. Primeiramente, depois dos protestos sobre a ausência de mulheres na categoria de Direção, muitos votantes se sentiram obrigados a “compensar” isso ao elegê-la como a melhor roteirista. Mas claro que essa estratégia não tem nada combinado oficialmente, ainda mais numa instituição com cerca de 8 mil membros. Será que a maioria das mulheres vai realmente votar em Greta Gerwig? Até o momento, seu filme passa longe de ser uma unanimidade no quesito roteiro…

MELHOR FOTOGRAFIA

  • O Irlandês, Rodrigo Prieto
  • Coringa, Lawrence Sher
  • O Farol, Jarin Blaschke
  • 1917, Roger Deakins
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Robert Richardson

DEVE GANHAR: Roger Deakins (1917)
DEVERIA GANHAR: Roger Deakins (1917) ou Jarin Blaschke (O Farol)
SE ROLAR, É ZEBRA: Rodrigo Prieto (O Irlandês)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Phedon Papamichael (Ford Vs Ferrari), Jasper Wolf (Monos)

038

Roger Deakins em set de 1917 com uma equipe de filmagem maior que muito elenco (pic by OutNow.CH)

Se fotografia fosse apenas iluminação e enquadramento, este Oscar seria de Jarin Blaschke. Num preto-e-branco soberbo, com formato praticamente quadrado, sua fotografia ajuda a situar e narrar a história dos dois marinheiros em O Farol. Mas quando entra o quesito movimento de câmera também, Roger Deakins mostra porque é o melhor diretor de fotografia vivo.

Em seu trabalho, temos beleza plástica, com cores e enquadramentos, movimentação de todos os tipos, e com gruas especiais. É uma fotografia extremamente pensada, planejada e executada à perfeição. Deakins prova para todos os outros diretores de fotografia que ele ainda consegue se superar. Segundo Oscar merecidíssimo.

MELHOR MONTAGEM

  • Ford Vs Ferrari, Andrew Buckland e Michael McCusker
  • O Irlandês, Thelma Schoonmaker
  • Jojo Rabbit, Tom Eagles
  • Coringa, Jeff Groth
  • Parasita, Jinmo Yang

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Coringa

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benny Safdie e Ronald Bronstein (Joias Brutas)

Parasite 3

O plano do pêssego exemplifica o melhor da montagem de Parasita (pic by IMDb)

Com um roteiro bastante preciso como o de Parasita, fica um pouco mais fácil observar o trabalho de montagem de Jinmo Yang, que entrelaça linhas temporais com cortes sutis. Na sequência do plano do pêssego, vemos como a montagem funciona à perfeição.

O trabalho de montagem de Thelma Schoonmaker em O Irlandês deve ter sido o mais trabalhoso. Pra chegar num corte final de três horas e meia, imaginamos o quanto de material bruto ela não teve que lapidar. Com a edição dela, a duração do filme parece cair uma hora. Mas pra muitos, aquela meia hora final ficou um pouco arrastada.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • O Irlandês, Bob Shaw e Regina Graves
  • Jojo Rabbit, Ra Vincent e Nora Sopková
  • 1917, Dennis Gassner e Lee Sandales
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Barbara Ling e Nancy Haigh
  • Parasita, Lee Ha Jun e Cho Won Woo

DEVE GANHAR: Era Uma Vez em… Hollywood
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: O Irlandês

NÃO RECEBEU O CONVITE: Dor e Glória, Midsommar

Once Upon 3

Cena entre Brad Pitt e Leo DiCaprio em Era Uma Vez em… Hollywood com a direção de arte de Barbara Ling (pic by OutNow.CH)

Claro que é muito nítido o trabalho de recriação de direção de arte de Era Uma Vez em… Hollywood, pois a Los Angeles volta para o final dos anos 60, e temos o estúdio de cinema em que o protagonista, vivido por Leonardo DiCaprio, atua num western.

Apesar da mansão da família Park ser um personagem à parte, o trabalho de direção de arte de Parasita é muito sutil no bairro mais humilde da família Kim. Fazer com que tudo pareça locação é uma tarefa mais complicada, ainda mais quando há uma enchente.

MELHOR FIGURINO

  • O Irlandês, Christopher Peterson e Sandy Powell
  • Jojo Rabbit, Mayes C. Rubeo
  • Coringa, Mark Bridges
  • Adoráveis Mulheres, Jacqueline Durran
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Arianne Phillips

DEVE GANHAR: Adoráveis Mulheres
DEVERIA GANHAR: Adoráveis Mulheres
SE ROLAR, É ZEBRA: O Irlandês

NÃO RECEBEU O CONVITE: Midsommar, Meu Nome é Dolemite, Rocketman

Little W

A típica cena pra garantir uma indicação ao Oscar de figurino em Adoráveis Mulheres (pic by OutNow.CH)

Não sei o que houve nessa categoria. Tudo bem, entendemos que os uniformes dos nazistas em Jojo Rabbit passaram por modificações para se adequarem ao ponto de vista infantil do protagonista, mas nos parece um exagero toda essa atenção.

O próprio trabalho de figurino de Jacqueline Durran em Adoráveis Mulheres não é dos melhores. Ele se destaca por ser de época, mas de longe, parece meio genérico. Citamos aí acima três trabalhos melhores de figurino que esqueceram de indicar nesta categoria. O comitê de Figurinistas da Academia, que seleciona os indicados, pisaram feio na bola este ano.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • O Escândalo, Kazu Hiro, Anne Morgan e Vivian Baker
  • Coringa, Nicki Ledermann e Kay Georgiou
  • Judy: Muito Além do Arco-Íris, Jeremy Woodhead
  • Malévola: Dona do Mal, Paul Gooch, Arjen Tuiten e David White
  • 1917, Naomi Donne, Tristan Versluis e Rebecca Cole

DEVE GANHAR: O Escândalo
DEVERIA GANHAR: O Escândalo
SE ROLAR, É ZEBRA: Malévola: Dona do Mal

NÃO RECEBEU O CONVITE: Rocketman

Bombshell

Charlize Theron e John Lithgow em cena de O Escândalo (pic by OutNow.CH)

Esta é a primeira vez na história que a categoria possui 5 indicados, mas mesmo assim está difícil selecionar um que realmente mereça o prêmio. A maquiagem de Kazu Hiro em O Escândalo é a que mais chamou a atenção até o momento pela transformação de Charlize Theron na âncora da Fox News Megyn Kelly. O rosto da atriz passou por algumas técnicas para abaixar a linha dos olhos dela e uso de prótese. Se for pra premiar com o Oscar quem deixou a Charlize Theron estranha à perfeição, deveriam ter dado o Oscar para o maquiador de Monster (2003).

No campo da sutileza, preferimos o trabalho de maquiagem em Renée Zellweger para se tornar Judy Garland. São alguns detalhes que fizeram toda a diferença.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Coringa, Hildur Guðnadóttir
  • Adoráveis Mulheres, Alexandre Desplat
  • História de um Casamento, Randy Newman
  • 1917, Thomas Newman
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, John Williams

DEVE GANHAR: Coringa
DEVERIA GANHAR: Coringa
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: Michael Abels (Nós), Daniel Lopatin (Jóias Brutas), Dan Levy (Perdi Meu Corpo), Mica Levi (Monos)

Joker

A cena de transformação no banheiro elevada pela trilha musical (pic by OutNow.CH)

É triste vermos um bom compositor como Thomas Newman indicado 15 vezes sem nunca ter levado o Oscar. Será mesmo que nas 15 vezes ele não merecia? Em nossa opinião, o melhor trabalho dele foi em Beleza Americana, sua 4ª indicação. O que prejudicou um pouco sua campanha foi o destaque que Sam Mendes deu à música em determinadas cenas, fazendo soar como um mero artifício emocional.

Por outro lado, a trilha de Hildur Guðnadóttir consegue crescer com o filme Coringa, e colabora demais com a atuação de seu protagonista Arthur Fleck (Joaquin Phoenix), exemplificada na cena do banheiro (ouça um pouco em nosso podcast!).

E apesar de gostarmos das trilhas de John Williams e Randy Newman, consideramos outras opções como Michael Abels em Nós e Daniel Lopatin em Joias Brutas.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “I Can’t Let You Throw Yourself Away”, Toy Story 4 (escrita por Randy Newman)
  • “I’m Gonna Love Again”, Rocketman (escrita por Elton John e Bernie Taupin)
  • “I’m Standing With You”, Superação: O Milagre da Fé (escrita por Diane Warren)
  • “Into the Unknown”, Frozen 2 (escrita por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez)
  • “Stand Up”, Harriet (escrita por Cynthia Erivo e Joshuah Brian Campbell)

DEVE GANHAR: “I’m Gonna Love Me Again”(Rocketman)
DEVERIA GANHAR: “I’m Gonna Love Me Again”(Rocketman)
SE ROLAR, É ZEBRA: “I Can’t Let You Throw Yourself Away”(Toy Story 4)

NÃO RECEBEU O CONVITE: “Glasgow (No Place Like Home)” de As Loucuras de Rose

rocketman

Taron Egerton em cena de Rocketman, indicado a Melhor Canção Original (pic by OutNow.CH)

O Oscar de Melhor Canção para Toy Story 3 já havia sido um pouco exagerado, pois se parecia com a canção do primeiro filme, mas naquele ano, a concorrência estava abaixo da média. Portanto, não entendemos a indicação da canção desse Toy Story 4… que poderia ter cedido espaço para a canção de As Loucuras de Rose, e de quebra dar aquela força para a atriz Jessie Buckley, que canta a canção na última sequência do filme.

Apesar da força da canção “Stand Up” de Harriet, e toda a polêmica envolvendo a recusa de Cynthia Erivo cantar no BAFTA em protesto, acreditamos que a Academia prefere Elton John levando seu segundo Oscar da carreira por seu filme autobiográfico Rocketman.

MELHOR MIXAGEM DE SOM

  • Ad Astra, Gary Rydstrom, Tom Johnson e Mark Ulano
  • Ford Vs Ferrari, Paul Massey, David Giammarco, Steven Morrow
  • Coringa, Tom Ozanich, Dean A. Zupancic e Tod A. Maitland
  • 1917, Mark Taylor e Stuart Wilson
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Michael Minkler, Christian P. Minkler e Mark Ulano

DEVE GANHAR: Ford vs Ferrari
DEVERIA GANHAR: 1917
SE ROLAR, É ZEBRA: Coringa

NÃO RECEBEU O CONVITE: Vingadores: Ultimato

Ford v Ferrari

Christian Bale e Matt Damon em Ford vs Ferrari (pic by OutNow.CH)

Pra quem conferiu Ford vs Ferrari numa boa sala de cinema, sabe que o som te transporta diretamente para os autódromos das corridas. Embora o filme tenha boas chances de levar o Oscar de Montagem, acreditamos que se o filme da Disney/Fox levar um Oscar, este será de Melhor Som.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • Ford Vs Ferrari, Donald Sylvester
  • Coringa, Alan Robert Murray
  • 1917, Oliver Tarney, Rachael Tate
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Wylie Stateman
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, Matthew Wood, David Acord

DEVE GANHAR: 1917
DEVERIA GANHAR: 1917
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: John Wick 3: Parabellum

1917

Sequência da trincheira em 1917 (pic by OutNow.CH)

Dunkirk, Mad Max: Estrada da Fúria e Sniper Americano são alguns dos últimos vencedores desta categoria. Se você ouvir muitos tiros ou explosões no filme, aposte suas fichas neste filme.  No caso, os melhores efeitos foram de 1917. Pra quem conseguiu conferir o filme numa sala de cinema com sistema de som profissional como o THX, com certeza pulou da poltrona a cada tiro (como eu e o senhor do meu lado fizemos).

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Vingadores: Ultimato, Dan DeLeeuw, Russell Earl, Matt Aitken e Daniel Sudick
  • O Irlandês, Pablo Helman, Leandro Estebecorena, Nelson Sepulveda, Stephen Grabli
  • O Rei Leão, Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones, Elliot Newman
  • 1917, Guillaume Rocheron, Greg Butler, Dominic Tuohy
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, Neal Scanlan, Patrick Tubach, Dominic Tuohy e Roger Guyett

DEVE GANHAR: 1917
DEVERIA GANHAR: O Rei Leão
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: Alita: Anjo de Combate

1917 VFX

Os bonecos de corpos em decomposição fazem parte dos efeitos visuais, além das transições sutis de cortes de 1917 (pic by OutNow.CH)

Acho que a Academia mudou um pouco o perfil dos vencedores desta categoria. Antes, tudo que saltava aos olhos ganhava o Oscar de Efeitos Especiais. Hoje eles buscam um perfil mais discreto e mais eficiente para a narrativa, como os últimos vencedores Ex-Machina e O Primeiro Homem. Então, nesse aspecto, 1917 tem as maiores chances de vitória, embora os efeitos de O Rei Leão serem impressionantes pelo realismo dos animais.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Indústria Americana, Steven Bognar, Julia Reichert e Jeff Reichert
  • The Cave, Feras Fayyad, Kirstine Barfod e Sigrid Dyekjær
  • Democracia em Vertigem, Petra Costa, Joanna Natasegara, Shane Boris e Tiago Pavan
  • For Sama, Waad Al-Kateab e Edward Watts
  • Honeyland, Ljubomir Stefanov, Tamara Kotevska e Atanas Georgiev

DEVE GANHAR: Honeyland
DEVERIA GANHAR: Honeyland
SE ROLAR, É ZEBRA: The Cave

NÃO RECEBEU O CONVITE: Apollo 11, One Child Nation, Virando a Mesa do Poder

Honeyland

Cenas belíssimas de Honeyland e sua narrativa ficcional (pic by OutNow.CH)

Todos retratam e analisam muito bem suas temáticas aqui, sem sombra de dúvidas. Porém, Honeyland faz isso com beleza plástica (a fotografia, que levou três anos, ganhou o prêmio Spotlight do sindicato de diretores de fotografia) e ainda aplica uma narrativa que beira a ficção para analisarmos como o Capitalismo é destrutivo no ecossistema.

Mas se o Oscar considerar que um voto para Indústria Americana for um voto para os Obamas, que produziram este documentário, então teremos a produção da Netflix vencendo aqui.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • In the Absence, Seung-jun Yi e Gary Byung-Seok Kam
  • Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl), Carol Dysinger e Elena Andreicheva
  • A Vida em Mim, Kristine Samuelson, John Haptas
  • St. Louis Superman, Sami Khan, Smriti Mundhra
  • Walk Run Cha-Cha, Laura Nix, Colette Sandstedt

DEVE GANHAR: Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)
DEVERIA GANHAR: In the Absence
SE ROLAR, É ZEBRA: A Vida em Mim

Learning to Skateboard

Cena de Learning to Skateboard in a War Zone (If You’re a Girl). Pic by IMDb

Crianças oprimidas por uma dura realidade é um prato cheio nesta categoria, e um voto da Academia é considerado um apoio às causas humanitárias. Além disso, o BAFTA e o Festival de Tribeca já premiaram este curta há pouco tempo.

O retrato de uma tragédia nos mares da Coréia do Sul expõe uma grande insatisfação com o governo e sua burocracia estúpida no ótimo documentário In the Absence, que pode surpreender aqui.

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Brotherhood, Meryam Joobeur e Maria Gracia Turgeon
  • Nefta Football Club, Yves Piat e Damien Megherbi
  • The Neighbors’ Window, Marshall Curry
  • Saria, Bryan Buckley e Matt Lefebvre
  • A Sister, Delphine Girard

DEVE GANHAR: The Neighbors’Window
DEVERIA GANHAR: Brotherhood
SE ROLAR, É ZEBRA: Saria

My Neighbors window

My Neighbors’ Window (pic by IMDb)

Brotherhood tem a história mais intensa dos cinco indicados e também é o mais bem filmado. Porém, em se tratando de curtas, o pessoal da Academia curte bastante uma virada com tom de moral no final. Basta lembrarmos do último vencedor da categoria Skin, para votarmos em My Neighbors’ Window.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Dcera (Daughter), Daria Kashcheeva
  • Hair Love, Matthew A. Cherry, Karen Rupert Toliver
  • Kitbull, Rosana Sullivan e Kathryn Hendrickson
  • Mémorable, Bruno Collet e Jean-François Le Corre
  • Sister, Siqi Song

DEVE GANHAR: Hair Love
DEVERIA GANHAR: Mémorable
SE ROLAR, É ZEBRA: aqui qualquer um pode ganhar

Hair Love

Curta de animação Hair Love com a dublagem de Issa Rae (pic by IMDb)

Alguns preconceitos nesta categoria ainda perduram. Muitos consideram que a melhor animação é aquela mais colorida e fofinha, de preferência com personagens infantis ou animais. Por isso mesmo, consideramos Hair Love e KitBull como os favoritos. Não que sejam necessariamente inferiores, mas pra quem viu Mémorable, sabe que ali tem qualidade técnica impressionante e emoções mais sutis.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Como Treinar o seu Dragão 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World), Dean DeBlois, Bradford Lewis e Bonnie Arnold
  • Perdi Meu Corpo (J’ai Perdu Mon Corps), Jérémy Clapin e Marc Du Pontavice
  • Klaus (Klaus), Sergio Pablos, Jinko Gotoh e Marisa Roman
  • Link Perdido (Missing Link), Chris Butler, Arianne Sutner e Travis Knight
  • Toy Story 4 (Toy Story 4), Josh Cooley, Mark Nielsen e Jonas Rivera

DEVE GANHAR: Klaus
DEVERIA GANHAR: Klaus
SE ROLAR, É ZEBRA: Como Treinar o seu Dragão 3

NÃO RECEBEU O CONVITE: O Tempo com Você, de Makoto Shinkai

Klaus

Cena de Klaus, da Netflix (pic by OutNow.CH)

Você sabia que um 2/3 dos 19 Oscars de Animação foi pra Disney ou Pixar? Claro que a maioria desses prêmios foi super merecida como Os Incríveis, Ratatouille e Wall-E, mas nem sempre eles entregam o melhor trabalho de animação. Neste ano, a Disney veio de Frozen 2, e a Pixar de Toy Story 4, duas sequências de franquias.  E a má recepção da sequência de Frozen a tirou da disputa.

Klaus pode não ser um trabalho formidável, principalmente em termos de criatividade no roteiro, mas ele emociona tão bem quanto os melhores trabalhos da Pixar. E o BAFTA e o Annie Awards concordam com isso, tanto que deram o prêmio de animação para Klaus. Um Oscar para Klaus definitivamente colocaria a Netflix no mapa da animação.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Corpus Christi – POLÔNIA
  • Honeyland – MACEDÔNIA DO NORTE
  • Os Miseráveis (Les Miserábles) – FRANÇA
  • Dor e Glória (Dolor y GLoria) – ESPANHA
  • Parasita (Gisaengchung) – CORÉIA DO SUL

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Corpus Chisti

NÃO RECEBEU O CONVITE: Monos (Colômbia)

Parasite_Filmstill1

Cena do WiFi de Parasita (Pic by CineImage.ch)

Ao lado do prêmio para Joaquin Phoenix como Melhor Ator, este prêmio de Melhor Filme Internacional é daqueles com 99,99% de certeza para o filme sul-coreano. Claro que o filme de Almodóvar, Dor e Glória, é belo e poético, mas é inegável a unanimidade de Parasita nesta categoria desde sua vitória da Palma de Ouro em Cannes. Esta é a primeira indicação para a Coréia do Sul e tudo leva a crer que será de cara a primeira vitória também.

Mais do que uma simples vitória de Oscar, Parasita conseguiu o feito de puxar o olhar do mundo para o cinema de seu país, que vinha de uma ascensão desde o início dos anos 2000 com filmes como OldBoy (2003), Casa Vazia (2004), O Hospedeiro (2006), A Criada (2016) e Em Chamas (2018).

É uma pena que não houve espaço para um filme da América da Latina, especialmente da Colômbia, que também está em franca ascensão com os filmes de Ciro Guerra, e agora Alejandro Landes e seu sufocante Monos.


A 92ª cerimônia do Oscar acontece a partir das 22h na TNT e… no GloboPlay, e sei lá quando depois do BBB na Globo.

‘ESTRELAS ALÉM DO TEMPO’ ROUBA A CENA NO SAG AWARDS 2017

sag-awards.jpg

Da esquerda para direita: Octavia Spencer, Janelle Monáe, Taraji P. Henson, Kirsten Dunst e Jim Parsons comemoram o prêmio de Elenco no SAG Awards. Pic by ABS-CBN News

ELENCO FORMADO POR ATRIZES NEGRAS SOBRE A NASA BATE OS FAVORITOS ‘MOONLIGHT’ E ‘MANCHESTER À BEIRA-MAR’

Antes de prosseguir com a premiação, tenho que relatar que aqui no Brasil, o TNT, considerado o canal das premiações, simplesmente resolveu priorizar o evento Miss Universo, que ocorria ao mesmo tempo do SAG Awards. A transmissão do prêmio do sindicato dos atores foi adiado para o dia seguinte, obviamente, sem ser ao vivo.

Claro que se eu estivesse no lugar do coordenador de programação do TNT, daria preferência ao evento que mais tem potencial de audiência, e nesse quesito, o Miss Universo deve ter mais mesmo. Particularmente, eu gosto de ver o evento (que homem que não gosta?), mas um fato curioso é que o canal aberto Band também transmitiu o mesmo evento ao vivo, ou seja, as atenções certamente se dividiram entre os dois canais, reduzindo os números de telespectadores. Agora, se a TNT tivesse passado o SAG, teria exclusividade. Enfim, a solução ideal seria reformar o calendário 2018 para que os eventos não se cruzem pra ninguém sair perdendo.

SURPRESAS NO SAG AWARDS

Não sei se será assim daqui em diante, mas parece que as premiações estão se dando conta de que devem reconhecer as produções de forma mais pessoal, e não apenas ter a tarefa única e exclusiva de prever quem vencerá no Oscar (acho que o único que tem insistido nessa direção é a “Bolha Assassina” do Critics’ Choice Awards). Portanto, ultimamente temos nos surpreendido um pouco mais com os resultados.

Nas categorias de cinema, houve surpresa em dois casos: Ator e Elenco. Como apontado acima, o elenco de Estrelas Além do Tempo conseguiu superar os fortes elencos de Moonlight e Manchester à Beira-Mar. Como em casos clássicos, os votos podem ter se dividido entre os dois favoritos, ajudando o vencedor. Embora apenas Octavia Spencer tenha conseguido indicação individiual (tanto no SAG quanto no Oscar), foi unanimidade dos críticos a qualidade de todo o elenco do filme de Theodore Melfi: desde as principais Taraji P. Henson, Janelle Monáe e Octavia, até os coadjuvantes como Kevin Costner, Jim Parsons, Kirsten Dunst e Mahershala Ali, que confirmou seu favoritismo e venceu como Ator Coadjuvante por Moonlight.

hidden-figures-unerkannte-heldinnen-mit-octavia-spencer-taraji-p-henson-und-janelle-monae (1).jpg

No centro, da esquerda: Octavia Spencer, Taraji P. Henson e Janelle Monáe em cena de Estrelas Além do Tempo (pic by moviepilot.de)

Essa vitória de Estrelas Além do Tempo pode dar um bom impulso ao filme no Oscar, já que concorre a Melhor Filme. Segundo retrospecto do SAG, os vencedores de Melhor Elenco podem se dar bem na premiação da Academia com foram os vencedores do Oscar Spotlight, Birdman e Argo, mas falhou com Trapaça e Histórias Cruzadas. Não acho que o SAG vai garantir um Oscar para Estrelas Além do Tempo, mas deixa de ser um candidato fraco para se tornar uma ameça ao reinado de La La Land.

A outra surpresa atende pelo nome de Denzel Washington. Com sua performance em Cercas, adaptação de uma peça de teatro homônima dirigida por ele mesmo, ele conseguiu bater o favorito Casey Affleck e ganhar seu primeiro SAG, já que ele foi indicado 4 vezes sem nenhuma vitória. Embora sua atuação tenha sido elogiada desde o início da temporada de premiações, ele vinha perdendo em todas até o momento, fazendo com que muitos não acreditassem mais em sua campanha.

Denzel Washington SAG.jpg

Surpreso com sua vitória, Denzel Washington faz discurso em homenagem aos escritores (pic by Lancaster Online)

Não quero colocar lenha na fogueira, mas talvez sua vitória tenha sido favorecida por elementos externos como o escândalo sexual envolvendo Casey Affleck (ele teria se comportado de forma machista em set de filmagem), a própria postura meio debochada de Affleck (não o vemos comemorando suas vitórias), e por que não o lance do #OscarSoWhite ? Mas talvez a principal razão de sua vitória seja seu papel de diretor e produtor do filme Cercas, que não existiria sem ele.

Nas categorias de televisão, houve surpresas também como as vitórias de Bryan Cranston sobre os favoritos Sterling K. Brown e Courtney B. Vance como Ator de Minissérie, William H. Macy sobre Jeffrey Tambor como Ator de Comédia e a vitória do elenco de Stranger Things sobre favoritos como Westworld e Downton Abbey. Felizmente, a safra anda tão boa na televisão, que qualquer indicado que ganhasse, teríamos um vitorioso de qualidade.

MARCA HISTÓRICA PELA SEGUNDA VEZ

Não sou muito de relevar se foram negros, brancos ou amarelos que ganharam os prêmios, mas para satisfazer aqueles que ligam pra essas coisas, o SAG premiou três atores negros nesta edição: Denzel Washington, Viola Davis e Mahershala Ali. Esta é a segunda vez que isso acontece no prêmio do sindicato de atores em 23 anos. A primeira vez foi há dez anos, quando Forest Whitaker, Eddie Murphy e Jennifer Hudson foram reconhecidos.

ANTI-TRUMP

A noite foi toda permeada de discursos inflamados contra a medida anti-imigratória do presidente republicano Donald Trump, que barrou a entrada de imigrantes de sete países do Oriente Médio, na tentativa fútil de barrar o terrorismo nos EUA. Obviamente que a classe artística se posicionou contra seu presidente, já que a maioria deles tem raízes estrangeiras.

Assim, os ataques a Trump começaram logo na abertura com Ashton Kutcher, que deu boa noite e boas-vindas a todos que estavam presos nos aeroportos do país: “Vocês são o tecido social, nós os amamos e damos boas-vindas”, até o fim com a vitória do elenco da série Stranger Things. O ator David Harbour fez um discurso bastante politizado, reforçando a união de povos americana: “Estamos todos juntos nesta jornada horrível, dolorosa, alegre, emocionante e misteriosa que é estar vivo. […] nós vamos repelir os bullies, vamos abrigar os esquisitos e os marginalizados, aqueles que não têm casa, vamos superar as mentiras, vamos caçar monstros, e quando estivermos perdidos em meio à hipocrisia e à violência casual de certos indivíduos e instituições, nós vamos, assim como o delegado Jim Hopper (Stranger Things), socar a cara de algumas pessoas que tentarem destruir os mais fracos, os desprotegidos. E nós faremos tudo isso com alma, com coração e com alegria. Agradecemos por esta responsabilidade!” – Embora bastante aplaudido, o discurso teve suas atenções desviadas para Winona Ryder. Parecia que ela tinha tomado altos chás de cogumelos alucinógenos. Veja vídeo abaixo:

Num dos discursos mais emocionantes da noite, Mahershala Ali, depois de subir ao palco para receber como Melhor Ator Coadjuvante por Moonlight, fez um breve relato sobre o tema: “O que aprendi atuando em Moonlight é que vi o que acontece quando perseguimos pessoas. Elas se fecham em si mesmas. Quando ficamos prestando atenção nas minúcias, nos detalhes que nos diferenciam, há duas formas de ver isso: podemos ver a textura daquela pessoa, as características que fazem dela única, ou podemos ir à guerra por isso.” Termina fechando sobre seu relacionamento com a mãe: “Minha mãe é pastora. Eu sou muçulmano. Ela não deu cambalhotas quando eu contei que me converti, 17 anos atrás. Mas eu digo a vocês agora: nós deixamos isso de lado. E eu sou capaz de vê-la, e ela é capaz de me ver. Nós nos amamos, o amor cresceu.” Se Mahershala Ali já era favorito ao Oscar, com esse baita discurso propício aos tempos amargos de Trump, ficou inevitável sua vitória.

Mahershala Ali SAG.jpg

Mahershala Ali faz belo discurso após vencer como Ator Coadjuvante por Moonlight. pic by GettyImages through Harper’s Bazaar)

Vencedores do 23º SAG Awards:

CINEMA

ELENCO
Estrelas Além do Tempo

ATOR
Denzel Washington (Cercas)

ATRIZ
Emma Stone (La La Land)

ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Moonlight)

ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Cercas)

Orange is the New Black cast SAG.jpg

Elenco de Orange is the New Black vence como Melhor Elenco de Comédia no SAG (pic by PopSugar)

TELEVISÃO

ELENCO DRAMA
Stranger Things

ELENCO COMÉDIA
Orange is the New Black

ATOR DRAMA
John Lithgow (The Crown)

ATRIZ DRAMA
Claire Foy (The Crown)

ATOR COMÉDIA
William H. Macy (Shameless)

ATRIZ COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM TELEFILME OU MINISSÉRIE
Bryan Cranston (All the Way)

ATRIZ EM TELEFILME OU MINISSÉRIE
Sarah Paulson (American Crime Story: The People vs. O.J. Simpson)

DUBLÊS CINEMA
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)

DUBLÊS TV
Game of Thrones

‘Deadpool’ compete no PGA com ‘La La Land’, ‘Moonlight’ e ‘A Qualquer Custo’

hell-or-high-water-mit-chris-pine-und-ben-foster.jpg

Ben Foster e Chris Pine em cena de A Qualquer Custo, de David Mackenzie. Pic by moviepilot.de

SELECIONADOS DEMONSTRAM DIVERSIDADE DE GÊNEROS: SCI-FI, QUADRINHOS, DRAMAS, GUERRA E MUSICAL

Nesta terça, dia 10, o sindicato dos produtores, Producers Guild of America (PGA), elegeu seus 10 melhores do ano. Os selecionados certamente tiveram suas chances ampliadas para o Oscar. Os excluídos praticamente são cartas fora do baralho.

  • ATÉ O ÚLTIMO HOMEM (Hacksaw Ridge)
  • CERCAS (Fences)
  • A CHEGADA (Arrival)
  • DEADPOOL (Deadpool)
  • ESTRELAS ALÉM DO TEMPO (Hidden Figures)
  • LA LA LAND: CANTANDO ESTAÇÕES (La La Land)
  • LION: UMA JORNADA PARA CASA (Lion)
  • MANCHESTER À BEIRA-MAR (Manchester by the Sea)
  • MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR (Moonlight)
  • A QUALQUER CUSTO (Hell or High Water)

Logo após conquistar todos os sete Globos de Ouros a que estava indicado, o musical de Damien Chazelle, La La Land, continua sua trajetória vitoriosa ao garantir vaga no PGA. Se o vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical está dentro, o vencedor de Filme – Drama, Moonlight, também está na lista, tornando-se uma possível pedra no sapato de La La Land.

E particularmente, gostei da indicação de A Qualquer Custo.Trata-se de uma produção modesta, mas que tem muito a dizer. Sua trama sobre roubos a banco tem um fundo político que reflete bastante a realidade atual, e seus personagens são muito bem defendidos por todos os atores: dos principais como Ben Foster, Chris Pine e Jeff Bridges até as garçonetes que tem uma cena e os quase figurantes. Há sequências e diálogos que me lembram dos filmes dos irmãos Coen como Fargo e Onde os Fracos Não Têm Vez, que são excelentes referências para qualquer cineasta.

Embora tenha sido indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical, a entrada de Deadpool aqui não deixa de ser uma surpresa, afinal quando se trata de premiações sérias, as adaptações de quadrinhos só costumam ser lembradas nas categorias de efeitos visuais, efeitos sonoros e som. O filme estrelado por Ryan Reynolds é a primeira baseada em HQs a ser indicada ao PGA desde Batman – O Cavaleiro das Trevas em 2009. Resta saber se Deadpool terá mais êxito ao ser indicado para o Oscar de Melhor Filme, já que o longa de Christopher Nolan morreu na praia. Quer dizer, levou duas estatuetas (Ator Coadjuvante para Heath Ledger e Efeitos Sonoros), mas não estava entre os cinco indicados a Filme. Aliás, foi graças ao filme de Nolan que a Academia passou a indicar dez filmes no ano seguinte.

deadpool-206548l

WAAAIT! Cena de ação de Deadpool: a piada das calças marrons. Pic by cinemagia.ro

A lista de excluídos inclui alguns títulos que podem surpreender na lista da Academia como o esquecido Silêncio, de Martin Scorsese, ou Animais Noturnos (que se deu bem no BAFTA – veja matéria a seguir) ou até mesmo Florence: Quem é Essa Mulher? que pode muito bem ser impulsionado pela força do elenco e até de categorias como Direção de Arte e Figurino. Mas, por enquanto, para eles fica a torcida para que haja reviravoltas que eles possam aproveitar até o dia 24 de janeiro, quando as indicações ao Oscar serão anunciadas.

Já outras produções como 20th Century Women, Capitão Fantástico e Sully: O Herói do Rio Hudson podemos considerar praticamente cartas fora do baralho, tendo como base seu histórico nas premiações anteriores como Critics’ Choice e Globo de Ouro. Aliás, o filme de Clint Eastwood foi uma das maiores decepções até o momento, pois o mais relevante que conseguiu até agora foi a indicação de Tom Hanks no Critics’. Sendo otimista, diria que Sully consegue no máximo uma indicação para Melhor Montagem.

hidden-figures-unerkannte-heldinnen-mit-octavia-spencer-taraji-p-henson-und-janelle-monae

Da esquerda para direita: Janelle Monáe, Taraji P. Henson e Octavia Spencer em cena de Estrelas Além do Tempo, de Theodore Melfi. Pic by moviepilot.de

As estatísticas do PGA em relação ao Oscar não é tão boa como do DGA (sindicato dos diretores), mas 19 acertos nos 27 anos é considerável. Inclusive, vinha de uma ótima sequência de oito acertos: Birdman, 12 Anos de Escravidão, Argo, O Artista, O Discurso do Rei, Guerra ao Terror, Quem Quer Ser um Milionário? e Onde os Fracos Não Têm Vez, até o ano passado, quando o PGA optou por premiar A Grande Aposta e o Oscar, Spotlight – Segredos Revelados. Mas vamos dar um desconto porque 2016 foi um ano bem dividido entre esses dois filmes e O Regresso, além de Mad Max: Estrada da Fúria.

***

Os vencedores do PGA serão anunciados no dia 28 de janeiro.

‘Manchester à Beira-Mar’ conquista 4 indicações ao SAG Awards 2017

manchester by the sea SAG.jpg

Em cena de Manchester à Beira-Mar, Casey Affleck e Lucas Hedges . Filme foi recordista de indicações ao SAG Awards (pic by cine.gr)

DRAMA INDEPENDENTE DE KENNETH LONERGAN VOLTA AO PROTAGONISMO DA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Após ver o musical La La Land ganhar o Critics’ Choice e liderar as indicações ao Globo de Ouro, chegou a hora de Manchester à Beira-Mar chamar atenção pela força de seu elenco. O filme escrito e dirigido por Kenneth Lonergan conseguiu indicações para Ator (Casey Affleck), Ator Coadjuvante (Lucas Hedges), Atriz Coadjuvante (Michelle Williams) e Elenco. Logo depois, com 3 indicações ficaram Fences e Moonlight.

Na manhã desta quarta-feira, dia 14, os atores Sophia Bush e Common fizeram o anúncio dos indicados. Não sei quanto à opinião de vocês, mas acho que os artistas encarregados desta tarefa deveriam ser mais imparciais. No vídeo abaixo, no momento das categorias de cinema, Common passa a comemorar com um ‘yes’ toda vez que um filme com atores negros é citado, enquanto os outros ficaram no vácuo. Obviamente, ele está feliz que a polêmica do #OscarSoWhite deu resultado, mas ele poderia guardar essa alegria para si mesmo. Sua companheira de anúncio, Sophia Bush, procurou amenizar a situação entrando na onda e com bom humor, mas ficou um certo desconforto desnecessário.

sophia-bush-common-sag-nomination

Common e Sophia Bush anunciam a categoria de Ator do SAG (pic by San Francisco Chronicle)

Nos últimos anos, o SAG Awards tem crescido em importância na temporada de premiações, já que os vencedores da categoria de Melhor Elenco ganharam também o Oscar de Melhor Filme onze vezes nos últimos 21 anos. Nos últimos dois anos, Spotlight e Birdman seguiram esse roteiro.

Além disso, o SAG tem uma ótima estatística de acerto em relação ao Oscar: cerca de 80% nas categorias de atuação. Como se diz no termo futebolístico, se você ganhou o SAG, está com “as mãos na taça”. Se focar na categoria de Melhor Ator, aí é dobradinha na certa com o Oscar. Sabe quando o último vencedor do SAG não levou o prêmio da Academia? Em 2004, quando Johnny Depp (Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra) perdeu para Sean Penn (Sobre Meninos e Lobos), ou seja, faz muito tempo.

Pior pra quem fica de fora do SAG. São os casos de 20th Century Women, Loving, e os já citados no post do Globo de Ouro: Silêncio e Sully: O Herói do Rio Hudson. Não significa necessariamente que ficarão fora do Oscar, mas suas chances caem consideravelmente.

Bom, falando em queda de chances, a maior surpresa das indicações pra mim foi justamente a ausência de Isabelle Huppert por Elle. A atriz francesa estava em alta depois dos prêmios da crítica de LA e NY, além das indicações do Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas por algum motivo não figurou na lista do SAG. À princípio, acreditava que seu nome estava fora por não ser membro do sindicato dos atores, requisito mínimo para concorrer, mas depois de ler algumas matérias, descartei essa possibilidade. Bom, quem perde é o próprio SAG, que preferiu reconhecer Emily Blunt por A Garota no Trem, que não aparecia em nenhuma lista de melhores.

Ainda na categoria de Atriz, outra ausência sentida foi de Ruth Negga por Loving. Até o momento, ela não havia conquistado prêmio algum, mas sempre estava entre as melhores do ano. Annette Bening e Jessica Chastain eram outros nomes que ficaram de fora da disputa.

Outra importante nota seria a indicação de Hugh Grant como Coadjuvante por Florence: Quem é Essa Mulher?. Segundo o peso de seu personagem na trama, ele seria ator principal, e não secundário. Mas… como aconteceu nos anos anteriores com Alicia Vikander como coadjuvante em A Garota Dinamarquesa e Rooney Mara em Carol, Grant passou a concorrer como Coadjuvante a fim de ter mais chances de indicação e vitória. Caso venha a receber sua primeira indicação ao Oscar, acredito que será como coadjuvante.

hugh-grant-florence

Hugh Grant como St Clair Bayfield em Florence: Quem é Essa Mulher? (pic by cine.gr)

Ainda sobre as categorias de cinema, muitos destacaram a ausência de La La Land na categoria de Melhor Elenco. Claro que se o filme fosse indicado, sua campanha iria disparar, mas nesse caso, não deve afetar sua trajetória rumo ao Oscar. Embora os demais atores sejam relevantes como J.K. Simmons, Rosemarie DeWitt e Tom Everett Scott, o elenco já está muito bem reconhecido com as indicações de Ryan Gosling e Emma Stone.

Falando em muito bem reconhecido, Mahershala Ali foi o único ator desta edição a receber três indicações. Além de Ator Coadjuvante e Elenco por Moonlight, o ator também está no elenco de Estrelas Além do Tempo, que está indicado a Elenco.

E talvez a maior surpresa aqui foi a inclusão de Capitão Fantástico, cujo elenco foi indicado, além de Viggo Mortensen como Melhor Ator. Há tempos leio boas críticas em relação ao filme, principalmente em relação à escolha dos atores mirins que vivem os seis filhos do personagem de Mortensen. Depois de ser indicado no Critics’ e Globo de Ouro, o ator pode conquistar sua segunda indicação ao Oscar.

CAPTAIN FANTASTIC

No centro, Viggo Mortensen em cena com seus filhos em Capitão Fantástico (pic by cine.gr)

Nas categorias de televisão, não tem como não aplaudir a Netflix. O canal de streaming conseguiu acumular 17 indicações através de suas produções originais, incluindo três para a sensação Stranger Things, e três para The Crown.

Assim como o Globo de Ouro, o SAG resolveu dar uma repaginada nas séries e concedeu as primeiras indicações para as novidades Westworld, Black-ish, This Is Us, Black Mirror, Unbreakable Kimmy Schmidt e Lady Day at Emerson’s Bar & Grill.

E mais um adendo: não entendi o prêmio pelo Conjunto da obra para a atriz Lily Tomlin. Ok, ela já não é mais mocinha, mais precisamente tem 77 anos, mas é uma artista que ainda está trabalhando em alto nível, tanto que foi indicada pela série da Netflix, Grace and Frankie. Bom, pelo menos podemos esperar um discurso leve e engraçado!

lily-tomlin-grace-and-frankie-479808

Lily Tomlin na série da Netflix, Grace & Frankie. (pic by elfilm.com)

INDICADOS AO 23º SAG AWARDS:

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
– Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
– Andrew Garfield (Até o Último Homem)
– Ryan Gosling (La La Land: Cantando Estações)
– Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
– Denzel Washington (Fences)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
– Amy Adams (A Chegada)
– Emily Blunt (A Garota no Trem)
– Natalie Portman (Jackie)
– Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
– Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
– Mahershala Ali (Moonlight)
– Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
– Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
– Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
– Dev Patel (Lion)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
– Viola Davis (Fences)
– Naomie Harris (Moonlight)
– Nicole Kidman (Lion)
– Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
– Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture
– Capitão Fantástico
– Fences
– Estrelas Além do Tempo
– Manchester à Beira-Mar
– Moonlight

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries
– Riz Ahmed (The Night Of)
– Sterling K. Brown (The People v. O.J. Simpson)
– Bryan Cranston (All the Way)
– John Turturro (The Night Of)
– Courtney B. Vance (The People v. O.J. Simpson)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries
– Bryce Dallas Howard (Black Mirror)
– Felicity Huffman (American Crime)
– Audra McDonald (Lady Day at Emerson’s Bar and Grill)
– Sarah Paulson (The People v. O.J. Simpson)
– Kerry Washington (Confirmation)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series
– Sterling K. Brown (This Is Us)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– John Lithgow (The Crown)
– Rami Malek (Mr. Robot)
– Kevin Spacey (House of Cards)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series
– Millie Bobby Brown (Stranger Things)
– Claire Foy (The Crown)
– Thandie Newton (Westworld)
– Winona Ryder (Stranger Things)
– Robin Wright (House of Cards)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series
– Anthony Anderson (Black-ish)
– Tituss Burgess (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Ty Burrell (Modern Family)
– William H. Macy (Shameless)
– Jeffrey Tambor (Transparent)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series
– Uzo Aduba (Orange is the New Black)
– Jane Fonda (Grace and Frankie)
– Ellie Kemper (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Julia Louis-Dreyfus (Veep)
– Lily Tomlin (Grace and Frankie)

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series
– The Crown
– Downton Abbey
– Game of Thrones
– Stranger Things
– Westworld

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series
– The Big Bang Theory
– Black-ish
– Modern Family
– Orange is the New Black
– Veep

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Comedy or Drama Series
– Game of Thrones
– Marvel’s Daredevil
– Marvel’s Luke Cage
– The Walking Dead
– Westworld

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture
– Capitão América: Guerra Civil
– Doutor Estranho
– Até o Último Homem
– Jason Bourne
– Animais Noturnos

***

A 23ª cerimônia do SAG Awards está marcada para o dia 29 de janeiro, e será transmitida pelo canal pago TNT.

Com 12 indicações, o musical ‘La La Land’ lidera o Critics’ Choice Awards 2016

Cena do musical La La Land, de Damien Chazelle. Os atores Ryan Gosling e Emma Stone também fora indicados. (photo by moviepilot.de)

Cena do musical La La Land, de Damien Chazelle. Os atores Ryan Gosling e Emma Stone também fora indicados. (photo by moviepilot.de)

COMO AGUARDADO DESDE O FESTIVAL DE VENEZA E TORONTO, O NOVO FILME DE DAMIEN CHAZELLE ASSUME FAVORITISMO 

Antes de começar a falar sobre a premiação, gostaria de abrir um parênteses aqui. Vou ser sucinto: Que raios de traduções de títulos de filmes são esses de hoje em dia, hein? Pessoal das distribuidoras que trabalha com isso, pelamordedeus! Vamos usar um pouco o bom senso! Como um “Florence Foster Jenkins” vira um “Florence: Que Mulher é Essa?”?? Parece documentário de uma prostituta que teve um caso com o presidente e derrubou o governo! E “Hello, My Name is Doris” que virou “Doris, Redescobrindo o Amor”? Se querem manter o nome da personagem, coloquem pelo menos “Doris Redescobre o Amor”. Também tenho certa aversão aos subtítulos inúteis que teimam em aderir ao título (meu favorito de todos os tempos é do filme de David Cronenberg: “Spider – Desafie Sua Mente” – parece nome de um jogo de tabuleiro). Acho que nas últimas decádas, as distribuidoras brasileiras sempre estão em cima do muro: não querem traduzir o título todo (por medo ou por incapacidade), mas sempre subestimam o público colocando um subtítulo que mais se assemelha a um aposto. Esse ano (por enquanto – porque ainda devem vir mais pérolas!), meu eleito é “La La Land: Cantando Estações”. Seria alguma alusão ao clássico musical “Cantando na Chuva”? Na minha opinião, ou mantém apenas “La La Land” ou vira “La La Lândia”.

Enfim… deixa eu respirar aqui.

Bom, como tenho falado nos últimos anos, o Critics’ Choice Awards pra mim é a “Bolha Assassina”. Lembram daquele filme em que uma bolha gosmenta rosa vai engolindo tudo o que vê pela frente e devora uma cidade inteira? Pois então! Esse prêmio quer ser todos os prêmios em um só, porque engloba várias categorias distintas (são 27!!) e ainda oferece uma vaga a mais nas categorias principais. Procura acertar os indicados ao Oscar, mas não abre mão das estrelas hollywoodianas ao indicá-las nas categorias de ação como Chris Evans, Matt Damon e Scarlett Johansson, parecendo uma cópia genérica da bajulação do Globo de Ouro. Só continua “relevante” porque tem ótimas porcentagens de acerto em relação ao Oscar: acertou 4 dos últimos 5 Oscar de Melhor Filme, por exemplo.

Esta 22ª edição do Critics’ Choice tem o musical La La Land liderando com 12 indicações, incluindo nas categorias principais: Filme, Diretor (Damien Chazelle), Ator (Ryan Gosling) e Atriz (Emma Stone). Como se trata de um musical estilizado, a produção foi reconhecida em várias categorias técnicas como direção de arte, figurino e montagem. Desde que foi ovacionado nos festivais de Toronto e de Veneza, o novo trabalho de Chazelle, que ficou conhecido pelo ótimo Whiplash: Em Busca da Perfeição, passa a carregar a tocha do favoritismo da temporada.

Logo atrás, a ficção científica A Chegada e o drama Moonlight receberam 10 indicações cada. Enquanto o primeiro vem sendo reconhecido como o “Interestelar que deu certo” pela suas teorias de universo sem ser tão cabeçudo e explicativo como o filme de Christopher Nolan, o segundo tem ganhado glórias por sua visão do crescimento do personagem central em meio à questões raciais, sexuais e familiares.

Cena de primeiro contato em A Chegada, com Amy Adams. 10 indicações para filme de Denis Villeneuve. Photo by moviepilot.de

Cena de primeiro contato em A Chegada, com Amy Adams. 10 indicações para filme de Denis Villeneuve. Photo by moviepilot.de

Dentre os filmes mais bem cotados que ficaram de fora, o mais prejudicado foi Silêncio, novo filme de Martin Scorsese. Como não acredito que o filme seja tão ruim a ponto de não levar nenhuma indicação sequer, a estratégia de lançamento em cima da hora da Paramount Pictures deve ter sido a causa. Não que a ausência de Silêncio no Critics’ Choice vá abalar sua campanha promissora, mas foi uma bola fora. Também no mesmo barco está o filme Rogue One: Uma História Star Wars. Parece que não ficou pronto a tempo da exibição para os críticos.

Por outro lado, o filme de guerra Até o Último Homem foi muito bem reconhecido, com indicações para Melhor Filme, Diretor (Mel Gibson) e Ator (Andrew Garfield). Pode significar um retorno para Gibson, que vem amargando um ostracismo desde suas declarações e filme Paixão de Cristo anti-semitas. Ele ganhou o Oscar de Filme e Diretor pelo épico Coração Valente lá no longíquo ano de 1996.

Andrew Garfield protagoniza Até o Último Homem, novo trabalho de Mel Gibson na direção (photo by moviepilot.de)

Andrew Garfield protagoniza Até o Último Homem, novo trabalho de Mel Gibson na direção (photo by moviepilot.de)

O MELHOR NO CALENDÁRIO TAMBÉM

Normalmente, as cerimônias de premiação ocorrem um mês depois do anúncio dos indicados, mas o Critics’ Choice quer se achar o prêmio inovador, e resolveu fazer a entregas das estatuetas UMA semana depois. Isso mesmo, sete dias depois das indicações! Aí você pergunta: “Por que tanta pressa assim?”. Como o calendário de premiações é altamente disputado, o Critics’ Choice está com receio de ficar ali esquecido até janeiro, e acredito que queiram se gabar sendo “o primeiro grande prêmio de cinema” a revelar seus vencedores.

Quer saber? Gostaria que quase ninguém fosse pra essa cerimônia, assim eles caem na real de que as coisas não funcionam assim à bel-prazer. Vale lembrar aqui que a cerimônia de janeiro deste ano houve muitas ausências importantes como Mark Ruffalo, Michael Keaton, Brie Larson, Tom Hardy, Charlize Theron e Leonardo DiCaprio.

A cerimônia tem previsão para o próximo dia 11, domingo, por volta das 23h, horário de Brasília, pelo canal pago A&E (provavelmente na TNT aqui no Brasil).

ALTOS E BAIXOS DO CRITICS’ CHOICE

Obviamente, ter um alto número de categorias e indicações ajuda a reconhecer aqueles filmes bons que não acham lugar nenhum em premiações, principalmente por se tratarem de gêneros subvalorizados como ficção científica, terror e comédia.

Dessa leva muito bem reconhecida incluo:

  1. Deadpool
    Filme de Ação, Ator em Filme de Ação (Ryan Reynolds), Comédia, Ator em Comédia (Ryan Reynolds)
    Apesar da saturação de filmes de super-heróis, a adaptação de Deadpool conseguiu apresentar muita criatividade com a metalinguagem atípica (muito se deve ao próprio quadrinho), bom ritmo e ótima química entre os atores. E foi recompensado nas bilheterias por sua ousadia de elevar sua classificação etária. Tudo bem que foi um pouco exagerado sua dupla indicação como Comédia e Ação, mas…
Ryan Reynolds na pele deformada de Deadpool (pic by moviepilot.de)

Ryan Reynolds na pele deformada de Deadpool (pic by moviepilot.de)

2. Dois Caras Legais

Comédia, Ator em Comédia (Ryan Gosling)
O novo trabalho do diretor Shane Black foi uma grata surpresa, tem seus méritos como roteiro e a direção de arte dos anos 70, mas por se tratar de um filme despretensioso, era difícil premiá-lo. Provavelmente não vai ganhar nada, mas merecidamente estará na festa.

3. Florence: Quem é Essa Mulher?
Comédia, Ator em Comédia (Hugh Grant), Atriz em Comédia (Meryl Streep)
Está comédia sobre uma figura real que foi considerada a pior cantora de todos os tempos tem conquistado boas críticas, mas não chega com força para cravar indicações ao Oscar. Talvez exceto por Meryl Streep e o figurino. Como a atriz não foi indicada na categoria principal, pelo menos tem o favoritismo da categoria de comédia.

4. Rua Cloverfield, 10
Ficção Científica/Terror
Esse foi um das melhores surpresas do ano, mas como é modesto, também ficou difícil reconhecer em premiações. Mas esta pequena gema do cinema sci-fi tem muitos méritos, principalmente porque soube contar umas história simples, com baixo orçamento e com um ótimo clima de tensão do início ao fim. Os atores Mary Elizabeth Winstead e John Goodman mereciam indicações, mas o Critics’ Choice Awards não tem categorias de Atores em Terror/Sci-Fi… ainda.

Mary Elisabeth Winstead em cativeiro com John Goodman em Rua Cloberfield, 10, de Dan Trachtenberg (pic by cine.gr)

Mary Elizabeth Winstead em cativeiro com John Goodman em Rua Cloberfield, 10, de Dan Trachtenberg (pic by cine.gr)

5. Capitão Fantástico
Ator em Comédia (Viggo Mortensen)
Este pequeno filme foi uma das maiores surpresas do cinema independente americano de 2016. Mortensen interpreta um pai que cuida de seis crianças numa floresta até que precisa abandonar seu paraíso para adentrar o verdadeiro mundo. Houve inúmeras críticas positivas, principalmente pelo casting do elenco infantil.

E o lado negativo da Bolha Assassina:

1. Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Atriz em Ação (Gal Gadot)
Não me interpretem mal. Acho Gal Gadot muito linda. Mas o que ela fez nesse crossover de Batman e Superman? A personagem dela, que é totalmente dispensável na trama, não tem profundidade alguma. Nem se fosse uma boa atriz nesse papel sairia algo notável.

A bela Gal Gadot em cena de Batman vs Superman. Beleza faz uma boa interpretação? Pic by moviepilot.de

A bela Gal Gadot em cena de Batman vs Superman. Beleza faz uma boa interpretação? Pic by moviepilot.de

2. Esquadrão Suicida
Atriz em Comédia (Margot Robbie)
Tudo bem que a concorrência nesta categoria parece ter sido apenas para preencher cota, mas nem Margot Robbie salva um filme tão medíocre como Esquadrão Suicida. Ela tem os looks da personagem Harlequina, mas é apenas o superficial. Provavelmente este será o prêmio mais fácil que Meryl Streep vai levar.

3. Um Espião e Meio
Comédia, Ator em Comédia
Deve ter gente que ama essas comédias estereotipadas, mas acho que o Critics’ Choice podia ter caprichado mais nessa escolha. Por que não incluir o último filme de Woody Allen, Café Society? Ou o humor negro de Swiss Army Man?

Indicados ao 22º Critics’ Choice Awards:

MELHOR FILME
A Chegada (Arrival)
Fences
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
A Qualquer Custo (Hell or High Water)
La La Land: Cantando Estações (La La Land)
Lion
Loving
Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)
Moonlight
Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)

MELHOR DIRETOR
Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
Mel Gibson (Até o Último Homem)
Barry Jenkins (Moonlight)
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
David Mackenzie (A Qualquer Custo)
Denis Villeneuve (A Chegada)
Denzel Washington (Fences)

MELHOR ATOR
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
Joel Edgerton (Loving)
Andrew Garfield (Até o Último Homem)
Ryan Gosling (La La Land: Cantando Estações)
Tom Hanks (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Denzel Washington (Fences)

MELHOR ATRIZ
Amy Adams (A Chegada)
Annette Bening (20th Century Women)
Isabelle Huppert (Elle)
Ruth Negga (Loving)
Natalie Portman (Jackie)
Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Moonlight)
Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
Ben Foster (A Qualquer Custo)
Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
Dev Patel (Lion)
Michael Shannon (Animais Noturnos)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Fences)
Greta Gerwig (20th Century Women)
Naomie Harris (Moonlight)
Nicole Kidman (Lion)
Janelle Monáe  (Estrelas Além do Tempo)
Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR JOVEM ATOR/ATRIZ
Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
Alex R. Hibbert (Moonlight)
Lewis MacDougall (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
Madina Nalwanga (Rainha de Katwe)
Sunny Pawar ( Lion)
Hailee Steinfeld (The Edge of Seventeen)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Luke Davies (Lion)
Tom Ford (Animais Noturnos)
Eric Heisserer (A Chegada)
Todd Komarnicki (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Allison Schroeder, Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
August Wilson (Fences)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
Barry Jenkins (Moonlight)
Yorgos Lanthimos/Efthimis Filippou (O Lagosta)
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
Jeff Nichols (Loving)
Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)

MELHOR FOTOGRAFIA
Bradford Young (A Chegada)
Stéphane Fontaine (Jackie)
Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
James Laxton (Moonlight)
Seamus McGarvey (Animais Noturnos)

MELHOR FIGURINO
Joanna Johnston (Aliados)
Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Madeline Fontaine (Jackie)
Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)
Eimer Ni Mhaoldomhnaigh (Amor & Amizade)

MELHOR MONTAGEM
Joe Walker (A Chegada)
John Gilbert (Até o Último Homem)
Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
Nat Sanders, Joi McMillon (Moonlight)
Blu Murray (Sully: O Herói do Rio Hudson)

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM
Doutor Estranho
Animais Fantásticos e Onde Habitam
Até o Último Homem
Jackie
Star Trek: Sem Fronteiras

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Patrice Vermette; Paul Hotte, André Valade (A Chegada)
Stuart Craig; James Hambidge, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
Jean Rabasse; Véronique Melery (Jackie)
David Wasco; Sandy Reynolds-Wasco (La La Land: Cantando Estações)
Jess Gonchor; Nancy Haigh (A Lei da Noite)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
Mica Levi (Jackie)
Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
Nicholas Britell (Moonlight)
Dustin O’Halloran, Hauschka (Lion)

MELHOR CANÇÃO
“Audition (The Fools Who Dream)” (La La Land: Cantando Estações)
“City of Stars” (La La Land: Cantando Estações)
“How Far I’ll Go” (Moana – Um Mar de Aventuras)
“Can’t Stop the Feeling!” (Trolls)
“The Rules Don’t Apply” (Rules Don’t Apply)
“Drive It Like You Stole It” (Sing Street)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
A Chegada
Doutor Estranho
Animais Fantásticos e Onde Habitam
Mogli, o Menino Lobo
Sete Minutos Depois da Meia-Noite

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Procurando Dory
Kubo e as Cordas Mágicas
Moana – Um Mar de Aventuras
The Red Turtle
Trolls
Zootopia

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Elle
The Handmaiden
Julieta
Neruda
O Apartamento
Toni Erdmann

MELHOR ELENCO
Fences
A Qualquer Custo
Estrelas Além do Tempo
Manchester À Beira-Mar
Moonlight
20th Century Women

MELHOR FILME DE AÇÃO
Capitão América: Guerra Civil
Deadpool
Doutor Estranho
Até o Último Homem
Jason Bourne

MELHOR ATOR EM FILME DE AÇÃO
Benedict Cumberbatch (Doutor Estranho)
Matt Damon (Jason Bourne)
Chris Evans (Capitão América: Guerra Civil)
Andrew Garfield (Até o Último Homem)
Ryan Reynolds (Deadpool)

MELHOR ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Gal Gadot (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
Scarlett Johansson (Capitão América: Guerra Civil)
Margot Robbie (Esquadrão Suicida)
Tilda Swinton (Doutor Estranho)

MELHOR COMÉDIA
Um Espião e Meio
Deadpool
Don’t Think Twice
The Edge of Seventeen
Ave, César!
Dois Caras Legais

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
Ryan Gosling (Dois Caras Legais)
Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Dwayne Johnson (Um Espião e Meio)
Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
Ryan Reynolds (Deadpool)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
Kate Beckinsale (Amor & Amizade)
Sally Field (Doris, Redescobrindo o Amor)
Kate McKinnon (Caça-Fantasmas)
Hailee Steinfeld (The Edge of Seventeen)
Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

MELHOR FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA/TERROR
A Chegada
Doutor Estranho
O Homem nas Trevas
Star Trek: Sem Fronteiras
Rua Cloverfield, 10
A Bruxa

***

A cerimônia do 22º Critics’ Choice Awards acontece dia 11 de dezembro.

PREVISÕES OSCAR 2017! Uma breve espiada nos candidatos

DEPOIS DE POLÊMICAS RACIAIS, OSCAR 2017 PROMETE RESULTADOS MAIS DIVERSIFICADOS

É complicado prever quais filmes serão indicados ao Oscar. Como não disponho de uma bola de cristal, e não tenho credencial de jornalista estrangeiro pra cobrir os festivais internacionais, baseio-me em algumas pistas que costumam render boa porcentagem de acerto. Uma delas é dar aquela olhada básica nas produções que estiveram presentes nos festivais de Veneza (Itália), Toronto (Canadá) e Telluride (EUA), já que todos têm sido pólos artísticos que selecionam futuros vencedores do Oscar nos últimos anos. Só pra citar alguns que seguiram esse tour e saíram vitoriosos no Oscar: Gravidade, Birdman, 12 Anos de Escravidão, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário?. As produções que passaram por esses festivais já têm meio caminho andado.

Em segundo lugar, estar atento ao histórico dos artistas. Não é porque o novo filme de Steven Spielberg não participou de festivais que vai ficar de fora do burburinho da Academia. Foi assim com Ponte dos Espiões: estreou em outubro de 2015 sem grande alarde e acabou indicado a Melhor Filme e levou a estatueta de Ator Coadjuvante para Mark Rylance. Então, o pensamento é o seguinte: “Tem filme novo de Spielberg, Ang Lee, David O. Russell ou Clint Eastwood? Bota na roda!”. O mesmo vale para atores, que vivem aceitando desafios e chamando a atenção dos votantes da Academia como Christian Bale e obviamente, Meryl Streep, que aliás, pode conquistar sua 20ª indicação: mais um marco histórico!

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

E neste ano, temos um fator que pode e deve ser determinante nas indicações e vencedores: a polêmica do #OscarSoWhite. Pra quem estava em outro planeta, 2016 foi o segundo ano consecutivo em que todas as 20 vagas nas categorias de atuação foram preenchidas por atores caucasianos. Isso acabou causando protestos e levantando questões raciais na indústria cinematográfica, o que fez com que a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, convidasse artistas negros e de outras etnias como membros com o intuito de dar resultados imediatos na votação. Portanto, as produções de temática racial devem figurar nas listas de previsões e conquistar indicações, inclusive de atores negros como Viola Davis e Denzel Washington.

Ao longo das categorias (veja lista abaixo), você perceberá que nomes de profissionais negros estão em quantidade maior do que a habitual. Como não tivemos a oportunidade de conferir os trabalhos, não podemos acusar ou defender a existência de uma possível retaliação perante o “racismo” dos últimos dois anos. Como já lancei aqui em posts anteriores, teremos um ano bem politicamente correto, e isso deve prejudicar a imagem dos indicados e vencedores, levantando a questão: “Estou ganhando por méritos ou por ser negro?”.

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Sou contra cotas raciais em quaisquer áreas por esse motivo. A cota julga o beneficiado como incapaz de obter sucesso pelo próprio esforço. E nas Artes, não dá pra obrigar um reconhecimento artístico. Essa atitude será bastante injusta para esses atores negros reconhecidos, pois, por mais que mereçam, correrão sério risco de serem vistos como uma mera resposta à polêmica. E depois? Teremos a revolta dos asiáticos, latinos e índios? Quem sabe uma vaga por raça e religião pra agradar gregos e troianos?

Justamente devido à essa “falta de diversidade”, um dos filmes mais bem cotados se tornou automaticamente o drama independente O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation), já que se trata de uma rebelião de escravos nos EUA. O filme estreou no festival de Sundance em fevereiro, e era até então, o candidato com maior potencial de Oscar. Contudo, a campanha descambelou quando a mídia descobriu que uma jovem, que cometeu suicídio em 2012, teria sido abusada pelo diretor e ator Nate Parker em 1999. Embora tenha sido absolvido na época, a morte da vítima reacendeu o escândalo e tem prejudicado bastante a carreira de Parker e seu filme. A bilheteria de 12 milhões de dólares nos EUA sequer pagou o investimento de 20 milhões que a Fox Searchlight pagou. Por mais que Parker seja indicado e premiado na temporada, sua glória está seriamente ameaçada devido à reação do público e dos demais artistas.

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

Claro que a Academia premiou e ainda premia acusados de crimes sexuais como Roman Polanski e Woody Allen, mas como se trata de algo tão recente, tenho minhas dúvidas da participação do filme na temporada. Pude conferir O Nascimento de uma Nação recentemente na 40ª Mostra de Cinema de SP, e particularmente, considero um filme convencional com uma narrativa simples que busca a todo momento estar à altura de seu tema, mas que só consegue oferecer elementos chavões como câmera lenta e trilha musical que busca catarse no público. O recém-oscarizado 12 Anos de Escravidão é muito mais filme se formos comparar pela temática escravista.

Ainda sobre questões raciais, o filme Loving pode ser uma ótima alternativa no Oscar. Indicado à Palma de Ouro, este novo trabalho do diretor Jeff Nichols, apresenta a história verídica de um homem branco que casou com uma mulher negra na Viriginia racista dos anos 50. O amor que ultrapassa barreiras raciais deve chegar ao tapete vermelho, pelo menos através de seus atores Joel Edgerton e Ruth Negga.

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

E ainda nesse contexto, também vale citar o drama racial Fences, baseado numa peça de sucesso da Broadway de 1987. A história de um pai de família, ex-jogador de beisebol, que trabalha como lixeiro na década de 50 racista da Pensilvânia para sustentar sua família foi renovada como peça teatral em 2010 pela mesma equipe do filme, com Denzel Washington dirigindo, e estrelando ao lado de Viola Davis. Muitos já consideram certas as indicações para ator e atriz (ou atriz coadjuvante).

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Aliás, os temas são fatores de desequilíbrio quando se trata de candidatos ao Oscar de Melhor Filme. Filmes de guerra como Até o Último Homem (Hacksaw Ridge) tem como protagonista um soldado médico que foi à guerra sem armas por não acreditar na violência, trazendo uma mensagem anti-bélica que pode resgatar o diretor Mel Gibson de seu ostracismo depois de suas declarações anti-semitas.

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

O drama histórico de Martin Scorsese, Silêncio, também tem boas chances por se tratar de um drama histórico de dois padres jesuítas no Japão do século XVII. Além de contar com destaques técnicos como Direção de Arte, Figurino e Fotografia, e o próprio prestígio de Scorsese, o filme tem parte do elenco japonês, o que pode ajudar na questão da “diversidade racial” da Academia.

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Claro que a temporada está apenas começando, mas até o momento, boa parte da crítica acredita que o novo filme de Ang Lee tem as melhores chances. A Longa Caminhada de Billy Lynn tem elementos típicos da filmografia do diretor, como a entrega do protagonismo para um ator desconhecido (no caso, Joe Alwyn), e uma grande história: o soldado Billy volta do Iraque para um tour de vitória pelos EUA, intercalando com flashbacks do que realmente aconteceu na guerra. Esse tema era muito bem explorado pelo diretor Oliver Stone (que ganhou dois Oscars por filmes anti-bélicos Platoon e Nascido em 4 de Julho), e costuma agradar a Academia por expôr as entranhas da guerra e sua forte conexão com os EUA.

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Não sei quais as reais chances de vitória como Melhor Filme, mas dois candidatos prometem fazer barulho nesta temporada: o drama tenso Animais Noturnos e o musical La La Land: Cantando Estações (pois é, queria esganar quem inventou esse subtítulo escroto!). Curiosamente, ambos saíram premiados no último festival de Veneza e participaram do festival de Toronto. Animais Noturnos é nada mais, nada menos do que o segundo longa do conhecido estilista Tom Ford, que dirigiu o belo Direito de Amar, com atuação soberba de Colin Firth. Depois que conferi o filme na Mostra, foi a obra que mais fiquei pensando por dias, pois tem sequências bem tensas e uma direção com personalidade. Particularmente, não acredito que seja material para Oscar porque tem a coisa da violência e do sexo (vide o fracasso de Os Suspeitos, de Denis Villeneuve no Oscar), e não há um ator que eu possa garantir que receberá uma indicação ao Oscar, mesmo que Aaron Taylor-Johnson e Laura Linney estejam bem, então restaria uma bastante justa indicação para Ford na direção.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

La La Land já gerou burburinho a partir de seu trailer todo bonito e colorido. É o tipo de trabalho que, por pior que seja sua história, vale a pena ver pelo apuro visual. Mas como fã de Damien Chazelle e seu Whiplash: Em Busca da Perfeição, aposto num musical bem escrito e com ótima montagem. Aliás, além da montagem, a fotografia e a direção são categorias praticamente garantidas no Oscar, assim como a segunda indicação para Emma Stone, que já faturou o prêmio Volpi Cup de Atriz em Veneza e deve conquistar o Globo de Ouro de Atriz – Comédia ou Musical.

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Manchester à Beira-Mar foi o drama que mais reviews positivos recebeu até o momento. Dirigido pelo sempre competente Kenneth Lonnergan, o filme praticamente garante as indicações de Casey Affleck como Ator, e Michelle Williams como Atriz Coadjuvante, além de uma possível para o novato Lucas Hedges como Coadjuvante. A história gira em torno de um tio que precisa cuidar de seu sobrinho após a morte do pai. Dependendo de como vai se sair nos prêmios da crítica como LAFCA e NYFCC, pode surgir como forte candidato a Melhor Filme.

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Enfim, sem mais delongas, seguem minhas apostas para o momento. Assinalei aqueles que acredito que convertem seu favoritismo em indicação na cor laranja. Lembrando que de novembro até fevereiro, muita coisa pode mudar de acordo com as premiações anteriores ao Oscar, as bilheterias de cada filme, e até mesmo declarações polêmicas que podem ruir toda uma campanha.

MELHOR FILME

  • A Chegada (Arrival)
  • A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk)
  • O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation)
  • Fences
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
  • Hell or High Water
  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
  • Jackie
  • La La Land: Cantando Estações (La La Land)
  • A Luz Entre Oceanos (The Light Between Oceans)
  • Lion
  • Loving
  • Manchester à Beia-Mar (Manchester by the Sea)
  • Moonlight
  • Animais Noturnos (Nocturnal Animals)
  • Silêncio (Silence)
  • Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)
  • 20th Century Women

Talvez seja a categoria mais complicada de adivinhar, afinal, temos que levar em consideração todas as demais categorias que podem resultar em maior número de estatuetas ganhas. E, claro, a história do filme conta muuuuito. Vejam a vitória de Spotlight nesse ano! Conseguiu ganhar apenas mais um Oscar além de Melhor Filme devido ao peso de sua história verídica.

A Academia adora histórias edificantes, com redenções e humanismo. Nesse quesito, os já citados A Longa Caminhada de Billy Lynn, Até o Último Homem e Fences saem na frente. Também incluiria Estrelas Além do Tempo, que envolve um pequeno grupo de mulheres negras que foi essencial através de seus conhecimentos matemáticos na corrida espacial da NASA contra a Rússia; e o novo filme de Clint Eastwood, Sully: O Herói do Rio Hudson, pela trajetória verídica do piloto de aeronave que pousou o avião no rio para salvar seus passageiros e tripulação. Sim, lembra um pouco o filme O Vôo com Denzel Washington, mas Eastwood e Tom Hanks costumam ter mais prestígio no Oscar.

Particularmente, acredito bastante numa vitória de La La Land. Embora o gênero musical tenha perdido aquela onda dos anos 50 e 60, a Academia nunca deixou de amá-lo. Premiou Moulin Rouge – Amor em Vermelho com dois Oscars em 2001, Chicago como Melhor Filme em 2003, e mais recentemente Os Miseráveis com duas estatuetas. E este novo trabalho de Damien Chazelle, diretor de Whiplash: Em Busca da Perfeição, vem arrancando muitos aplausos desde sua estréia em Veneza e Toronto. Alguns, inclusive, já defendem a vitória incontestável de Emma Stone como atriz. Será?

DIRETOR

  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Garth Davis (Lion)
  • Clint Eastwood (Sully: O Herói do Rio Hudson)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Stephen Frears (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mel Gibson (Até o Último Homem)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Pablo Larraín (Jackie)
  • Ang Lee (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Mike Mills (20th Century Women)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Martin Scorsese (Silêncio)
  • Oliver Stone (Snowden)
  • Morten Tyldum (Passageiros)
  • Denis Villeneuve (A Chegada)
  • Denzel Washington (Fences)

Mesmo sem sequer ter lançado o trailer de Silêncio, Martin Scorsese já está em todas as listas do Oscar 2017 por causa de sua reputação. Aliás, considero Scorsese um caso raríssimo em que a estatueta do Oscar lhe rendeu muito mais maturidade e sabedoria na escolha de projetos. Pra mim, O Lobo de Wall Street e A Invenção de Hugo Cabret, que vieram depois do premiado Os Infiltrados, são ótimos filmes e com ousadia de linguagem. Portanto, vou com os especialistas e incluir seu nome como certo.

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Em seguida, por mais jovem que seja, Damien Chazelle já merecia ter sido indicado ao Oscar de Diretor em 2015 por Whiplash, dessa forma, acredito que seja natural sua indicação nesta categoria por La La Land. Ele tem um forte apuro técnico na fotografia e na montagem, além de ser um ótimo roteirista, que busca algo inovador (quem não curtiu aquele final de Whiplash?), o que deve lhe garantir vaga na final.

Vencedor de 2 Oscars de Diretor, o taiwanês Ang Lee é aquele profissional competente que sempre tem algo de novo pra mostrar. É um dos raros diretores que consegue mudar de gênero sem perder sua capacidade de contar bem uma história. Por mais que ache difícil ele ganhar o terceiro Oscar, não deve ter dificuldade de figurar entre os cinco indicados.

Por mais que esteja pegando carona na polêmica do #OscarSoWhite, o trabalho de direção de Denzel Washington em Fences tem sido bastante elogiado.

ATOR

  • Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
  • Don Cheadle (Miles Ahead)
  • Robert De Niro (The Comedian)
  • Joel Edgerton (Loving)
  • Michael Fassbender (A Luz Entre Oceanos)
  • Andrew Garfield (Até o Último Homem) (Silêncio)
  • Joseph Gordon-Levitt (Snowden)
  • Ryan Gosling (La La Land)
  • Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
  • Tom Hanks (Sully)
  • Ethan Hawke (Born to be Blue)
  • Michael Keaton (Fome de Poder)
  • Matthew McConaughey (Ouro e Cobiça)
  • Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
  • Nate Parker (O Nascimento de uma Nação)
  • Will Smith (Beleza Oculta)
  • Miles Teller (Bleed for This)
  • Denzel Washington (Fences)

De acordo com os sites de apostas, os únicos “garantidos” na categoria até o momento são Casey Affleck e Denzel Washington. Ambos tiveram suas performances muito bem elogiadas e seriam muito improváveis suas ausências no tapete vermelho. Se confirmadas as previsões, seria a segunda indicação de Affleck (a primeira como ator principal), e a sétima indicação de Washington, que pode levar seu terceiro Oscar depois de Coadjuvante por Tempo de Glória (1989) e Ator por Dia de Treinamento (2001).

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Quase garantido também está Joel Edgerton. Este ator australiano que já participou de grandes produções hollywoodianas como O Grande Gatsby (2013) e Êxodo: Deuses e Reis (2014), vem chamando atenção em papéis mais discretos como em Guerreiro (2011), Aliança do Crime (2015) e O Presente (2015), que também dirigiu. No papel verídico de Richard em Loving, arrancou aplausos em Cannes. Se o filme receber indicações para Filme e Roteiro, suas chances de vitória aumentam bastante.

Existem dois atores mais experientes que viveram músicos este ano que podem entrar na penetra na festa. Don Cheadle como Miles Davis em Miles Ahead, e Ethan Hawke como Chet Baker em Born to be Blue. Como a Academia adora personagens baseados em figuras reais, e sempre tem lugar para produções independentes, por que não?

ATRIZ

  • Amy Adams (Animais Noturnos) (A Chegada)
  • Annette Bening (20th Century Women)
  • Emily Blunt (A Garota no Trem)
  • Jessica Chastain (Miss Sloane)
  • Marion Cotillard (Aliados)
  • Rebecca Hall (Christine)
  • Taraji P. Henson (Estrelas Além do Tempo)
  • Isabelle Huppert (Elle)
  • Jennifer Lawrence (Passageiros)
  • Ruth Negga (Loving)
  • Natalie Portman (Jackie)
  • Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
  • Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Alicia Vikander (A Luz Entre Oceanos)
  • Rachel Weisz (Denial)

Quando vi o trailer de Fences, já havia decretado que 2017 seria o ano de Viola Davis. Além de já ter tido a oportunidade de ganhar o Oscar em duas vezes, e estar em alta na série How to Get Away With Murder, a polêmica da ‘diversidade’ certamente garantiria sua vitória. Mas recentemente, após conferir o filme, ela decidiu que sua personagem era coadjuvante, e que portanto, concorreria como uma.

Com o caminho aberto, os holofotes apontam para Emma Stone, que saiu premiada do último Festival de Veneza por La La Land.  Apesar de jovem (tem 28 anos), ela tem se mostrado bem versátil. Já trabalhou com comédias besteirol (A Casa das Coelhinhas), drama (Birdman), animação (Os Croods), comédia romântica (A Mentira), blockbuster (O Espetacular Homem-Aranha), terror (se considerarmos Zumbilândia) já atuou sob a batuta de Woody Allen duas vezes, e agora canta num musical!

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Não se sabe se suas concorrentes terão força para bater de frente, mas Natalie Portman promete muita luta por Jackie, no qual vive a ex-primeira dama no momento crítico após o assassinato de seu marido. Estão falando bem de Amy Adams em A Chegada, o que poderia render sua sexta (!) indicação, e uma das raras para atriz em ficção científica. Particularmente, acho que ela só ganha se ela passar por alguma transformação física (será que só eu penso assim?), mas… Caso ela não agrade, temos sempre Meryl Streep à mão, que aliás se transforma em Florence Foster Jenkins, considerada a pior cantora de todos os tempos. Se cuide, Amy!

ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Moonlight)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Jeff Bridges (Hell or High Water)
  • Kevin Costner (Estrelas Além do Tempo)
  • John Goodman (Rua Cloverfield 10)
  • Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Lucas Hedges (Manchester à Beira Mar)
  • Stephen Henderson (Fences)
  • Steve Martin (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Liam Neeson (Silêncio)
  • Dev Patel (Lion)
  • Michael Shannon (Animais Noturnos)
  • Timothy Spall (Denial)
  • Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)

Das atuações coadjuvantes mais comentadas até agora foi de Lucas Hedges, como o sobrinho que passa a ser criado pelo tio após a morte do pai. Ele seria o comic relief (alívio cômico) de uma trama sobre luto e passado trágico. Esse tipo de papel apresenta elementos que o fazem se destacar num drama, iluminando ainda mais uma atuação, e de quebra, a Academia adora esse tipo de personagem. Acredito que pelo menos um dos três atores possivelmente indicados de Manchester à Beira-Mar deva levar uma estatueta pra casa. Se Casey Affleck não ganhar, temos Lucas Hedges…

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

Na cola de Hedges, outros dois nomes estão crescendo na temporada. Mahershala Ali em Moonlight tem despertado os críticos num drama que contém bullying, pobreza, drogas e família em frangalhos, tanto que já foi comparado a Preciosa: Uma História de Esperança (2009). E o eterno Schindler, Liam Neeson, que deu um tempo nos filmes de ação (não, não tenho nada contra, tanto que adoro o primeiro Busca Implacável) para trabalhar com Martin Scorsese em Silêncio. Como o filme só terá exibição em dezembro, não se sabe praticamente nada sobre a produção, mas quando um ator desse calibre entra num projeto de Scorsese, cheiro de indicação já tem automaticamente.

ATRIZ COADJUVANTE

  • Viola Davis (Fences)
  • Elle Fanning (20th Century Women)
  • Greta Gerwig (20th Century Women)
  • Naomie Harris (Moonlight)
  • Felicity Jones (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Nicole Kidman (Lion)
  • Aja Naomi King (O Nascimento de uma Nação)
  • Sasha Lane (American Honey)
  • Margo Martindale (The Hollars)
  • Janelle Monáe (Estrelas Além do Tempo)
  • Lupita Nyong’o (Rainha de Katwe)
  • Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
  • Kristen Stewart (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Michelle Williams (Manchester à Beira Mar)
Viola Davis em Fences

Viola Davis em Fences

Muitos já decretaram a vitória de Viola Davis nesta categoria por Fences. Se a transição da campanha de Atriz para Atriz Coadjuvante realmente se concretizar como o estúdio e ela mesma deseja, será muito difícil não entregar o prêmio em suas mãos, já que, além de sua atuação ter sido bem elogiada, ela já foi indicada 2 vezes ao Oscar e está em alta com o público através da série How to Get Away With Murder. E além disso tudo, é uma das melhores atrizes de sua geração. Ela consegue transformar uma única cena de um papel menor em ouro como aconteceu em Dúvida.

Talvez a candidata mais forte depois de Davis, seja Naomie Harris que, além de satisfazer a “diversidade”, interpreta um papel forte de uma mãe viciada em crack no drama Moonlight. Pelas críticas que acompanhei, ela foge do estereótipo e entrega uma performance densa sem apelar. O fato de ela ser conhecida do público por ser o nova Miss Moneypenny na franquia do 007 ajuda bastante, claro.

Outra atuação bem comentada nessa temporada é a de Nicole Kidman como uma mãe que vê seu filho adotado sair em busca de seus pais biológicos. Como Lion tem a grande Weinstein Co. por trás da campanha, acredito que Kidman tem lugar garantido.

ROTEIRO ORIGINAL

  • Steven Knight (Aliados)
  • Andrea Arnold (American Honey)
  • Woody Allen (Café Society)
  • Matt Ross (Capitão Fantástico)
  • Taylor Sheridan (Hell or High Water)
  • Noah Oppenheim (Jackie)
  • Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
  • Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Mike Mills (20th Century Women)
Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada)
  • Jean-Christophe Castelli (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • David Hare (Denial)
  • August Wilson (Fences)
  • Robert D. Siegel (Fome de Poder)
  • Erin Cressida Wilson (A Garota no Trem)
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
  • Luke Davies (Lion)
  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Whit Stillman (Love & Friendship)
  • Patrick Ness (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Jay Cocks (Silêncio)
  • Todd Komarnicki (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

FOTOGRAFIA

  • Bradford Young (A Chegada)
  • John Toll (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charlotte Bruus Christensen (Fences)
  • Robert Elswit (Ouro e Cobiça)
  • Roger Deakins (Ave, César!)
  • Mandy Walker (Estrelas Além do Tempo)
  • Stéphane Fontaine (Jackie)
  • Bill Pope (Mogli: O Menino Lobo)
  • Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
  • Robert Richardson (A Lei da Noite)
  • Adam Stone (Loving)
  • James Laxton (Moonlight)
  • Seamus McGarvey (Animais Noturnos)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
Fotografia de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

Fotografia de Bradford Young de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

MONTAGEM

  • Joe Walker (A Chegada)
  • Tim Squyres (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Steven Rosenblum (O Nascimento de uma Nação)
  • John Gilbert (Até o Último Homem)
  • Sebastián Sepúlveda (Jackie)
  • Mark Livolsi (Mogli: O Menino Lobo)
  • Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre de Franceschi (Lion)
  • William Goldenberg (A Lei da Noite)
  • Joi McMillon e Nat Sanders (Moonlight)
  • Joan Sobel (Animais Noturnos)
  • Ruy Diaz e Thelma Schoonmaker (Silêncio)
  • Jabez Olssen (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Blu Murray (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

DIREÇÃO DE ARTE

  • Gary Freeman (Aliados)
  • Patrice Vermette (A Chegada)
  • Rick Carter (O Bom Gigante Amigo)
  • Mark Friedberg (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charles Wood (Doutor Estranho)
  • Stuart Craig (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Alan MacDonald (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Jess Gonchor (Ave, César!)
  • Jean Rabasse (Jackie)
  • Christopher Glass (Mogli: O Menino Lobo)
  • David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
  • Jess Gonchor (A Lei da Noite)
  • Gavin Bocquet (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Eugenio Caballero (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Guy Hendrix Dyas (Passageiros)
  • Jeannine Oppewall (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

FIGURINO

  • Joanna Johnston (Aliados)
  • Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Sharen Davis (Fences)
  • Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mary Zophres (Ave, César!)
  • Seong-hie Ryu (The Handmaiden)
  • Madeline Fontaine (Jackie)
  • Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)
  • Jacqueline West (A Lei da Noite)
  • Colleen Atwood (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Albert Wolsky (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

MAQUIAGEM

  • Deadpool
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Até o Último Homem
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Alan Silvestri (Aliados)
  • Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
  • John Williams (O Bom Gigante Amigo)
  • Jeff Danna e Mychael Danna (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • James Newton Howard (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Thomas Newman (Procurando Dory)
  • Alexandre Desplat (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Pharrell Williams e Hans Zimmer (Estrelas Além do Tempo)
  • Mica Levi (Jackie)
  • John Debney (Mogli: O Menino Lobo)
  • Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre Desplat (A Luz Entre Oceanos)
  • Volker Bertelmann e Dustin O’Halloran (Lion)
  • Opetaia Foa’i, Mark Mancina e Lin-Manuel Miranda (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)
  • Thomas Newman (Passageiros)
  • Michael Giacchino (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Michael Giacchino (Zootopia)

CANÇÃO ORIGINAL

  • “I See a Victory” (Estrelas Além do Tempo)
  • “Audition (The Fools Who Dream”) (La La Land: Cantando Estações)
  • “City of Stars” (La La Land: Cantando Estações)
  • “Never Give Up” (Lion)
  • “How Far I’ll Go” (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • “The Great Beyond” (Festa da Salsicha)
  • “Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
  • “A Letter to the Free” (The 13th)
  • “Can’t Stop the Feeling!” (Trolls)

SOM

  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Até o Último Homem
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jason Bourne
  • Mogli: O Menino Lobo
  • La La Land: Cantando Estações
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Silêncio
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS SONOROS

  • 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
  • A Chegada
  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Doutor Estranho
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Até o Último Homem
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS VISUAIS

  • O Bom Gigante Amigo
  • Capitão América: Guerra Civil
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Doutor Estranho
  • Mogli: O Menino Lobo
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Sete Minutos Depois da Meia-Noite
  • Passageiros
  • Meu Amigo, O Dragão
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • X-Men: Apocalipse
  • Warcraft
Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Angry Birds: O Filme
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Kung Fu Panda 3
  • Moana – Um Mar de Aventuras
  • Procurando Dory
  • O Pequeno Príncipe
  • Miss Hokusai
  • The Red Turtle 
  • Festa da Salsicha
  • A Vida Secreta dos Pets
  • Sing: Quem Canta Seus Males Espanta
  • Trolls
  • Zootopia
Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Afterimage, de Andrzej Wajda (Polônia)
  • Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh (Arábia Saudita)
  • De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas (Venezuela)
  • Desierto, de Carlos Cuarón (México)
  • A Distinguished Citizen, de Gastón Duprat e Mariano Cohn (Argentina)
  • Elle, de Paul Verhoeven (França)
  • Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi (Itália)
  • O Ídolo, de Hany Abu Assad (Palestina)
  • It’s Only the End of the World, de Xavier Dolan (Canadá)
  • Julieta, de Pedro Almodóvar (Espanha)
  • Land of Mine, de Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • Ma’Rosa, de Brillante Mendoza (Filipinas)
  • Morte em Sarajevo, de Danis Tanovic (Bósnia Herzegovina)
  • Neruda, de Pablo Larraín (Chile)
  • Toni Erdmann, de Maren Ade (Alemanha)
  • O Apartamento, de Asghar Farhadi (Irã)
Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Na lista, existem nomes fortes na disputa, como o espanhol Pedro Almodóvar com Julieta, e o canadense Xavier Dolan com It’s Only the End of the World, mas eu, particularmente, aposto nas indicações de Neruda, de Pablo Larraín (Chile) – até mesmo porque o diretor também é responsável por Jackie, estrelado por Natalie Portman – e The Salesman, de Asghar Farhadi (Irã) – ele já venceu em 2012 com A Separação e este novo filme dialoga com a obra de Arthur Miller, “A Morte de um Caixeiro-Viajante”. Também não descartaria os vencedores de prêmios de festivais como o documentário italiano Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, que levou o Urso de Ouro em Berlim; o drama venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas, que ganhou o Leão de Ouro 2015. Gostaria muito que o representante francês Elle recebesse uma indicação, pois idolatro o diretor Paul Verhoeven. Mas as chances são mínimas, já que seu filme retrata um tema polêmico (estupro) sob uma perspectiva… bem, digamos, “Verhoevenesca”, à la provocateur. Espero que a tal “diversidade” também atinja a categoria mais conservadora do Oscar…

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas ao vivo no dia 24 de janeiro, e a cerimônia está marcada para o dia 26 de fevereiro.

 

‘Garota Exemplar’ leva Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2014

Ben Affleck recebe o prêmio de Melhor Filme por Garota Exemplar na ausência do diretor David Fincher (photo by people.com)

Ben Affleck recebe o prêmio de Melhor Filme por Garota Exemplar na ausência do diretor David Fincher (photo by people.com)

THRILLER PSICÓTICO GAROTA EXEMPLAR LEVA MELHOR FILME, MAS VÊ THE IMITATION GAME CONQUISTAR 4 PRÊMIOS IMPORTANTES

Com a enxurrada de prêmios que estão por vir, pode-se dizer que é sábio adiantar a cerimônia no calendário com a finalidade de atrair mais atenção e não sumir no meio do bolo. O prêmio Hollywood Film Awards, que reconhece a excelência em cinema há 17 anos, concedeu a honraria a seus premiados nessa última sexta-feira, dia 14 de novembro, no The Palladium, em Hollywood. A hostess da noite foi a atriz e cantora Queen Latifah.

Aparentemente com o intuito de abranger o maior número de artistas e celebridades, as categorias do HFA deram um jeitinho de encaixar um ator ou atriz que perderia o prêmio principal, mas seria compensado com um prêmio pelo conjunto da obra como foi o caso de Michael Keaton, claramente incluído entre os favoritos do ano para ser indicado ao Oscar por sua performance em Homem-Pássaro; ou como foi também o caso de Shailene Woodley levando o prêmio de Melhor Atriz Revelação por A Culpa é das Estrelas (como se ela tivesse surgido ontem e sua ótima interpretação em Os Descendentes, de 2011, não tivesse a repercussão que teve!); e a ótima saída de prêmio do Melhor Elenco para Steve Carell, Channing Tatum e Mark Ruffalo, que eliminaria a culpa de não premiar nenhum dos atores de Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo.

Consolo nos braços de Geena Davis: Michael Keaton leva prêmio pelo conjunto da obra, e não por Homem-Pássaro, considerado seu grande "comeback" (photo by ibtimes.com)

Consolo nos braços de Geena Davis: Michael Keaton leva prêmio pelo conjunto da obra, e não por Homem-Pássaro, considerado seu grande “comeback” (photo by ibtimes.com)

Mas tá bom! Não dá pra reclamar. É um ótimo jeito do prêmio dizer: “Ei, já estamos colaborando aqui. Deixe que o Oscar e o Globo de Ouro decidam!”. Claro que mesmo sendo o mais abrangente possível, a premiação acaba deixando algumas produções de lado. Interestelar, Vício Inerente e Caminhos da Floresta foram algumas ausências mais sentidas, mas certamente terão presença garantida nos prêmios dos críticos que começam em dezembro.

Embora Garota Exemplar tenha faturado os prêmios de Filme e Roteiro, foi o filme que se passa na 2ª Guerra Mundial que levou o maior número de prêmios. The Imitation Game, baseado na história do matemático Alan Turing que quebrou um código alemão que ajudou a acabar com a guerra, levou Diretor, Ator, Atriz Coadjuvante e até Trilha Musical. Como dizem os especialistas: “Tem a cara do Oscar”.

Keira Knightley com seu prêmio por The Imitation Game (photo by hollywoodreporter.com)

Keira Knightley com seu prêmio por The Imitation Game. Pode lhe render sua segunda indicação ao Oscar. (photo by hollywoodreporter.com)

Poréeeeemm… Hollywood Film Awards é um prêmio bem novo na indústria ainda. Suas estatísticas de acerto comparadas ao Oscar são baixas. Nos últimos 3 anos, dentre as categorias principais, só coincidiu em Melhor Ator para Matthew McConaughey este ano, e em 2012 em Melhor Ator Coadjuvante para Christopher Plummer. Mas boa parte dos que venceram o prêmio acabaram indicados ao Oscar.

Segue lista completa dos vencedores de 2014:

MELHOR FILME
Garota Exemplar (Gone Girl), de David Fincher

Julianne Moore recebe o prêmio de Atriz das mãos de Kristen Stewart, sua colega de trabalho no filme Still Alice. (photo by ibtimes.co.in)

Julianne Moore recebe o prêmio de Atriz das mãos de Kristen Stewart, sua colega de trabalho no filme Still Alice. (photo by ibtimes.co.in)

MELHOR DIRETOR
Morten Tyldum (The Imitation Game)

MELHOR ATOR
Benedict Cumberbatch (The Imitation Game)

MELHOR ATRIZ
Julianne Moore (Still Alice)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Robert Duvall (O Juiz)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Keira Knightley (The Imitation Game)

MELHOR ELENCO
Steve Carell, Channing Tatum, Mark Ruffalo (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)

MELHOR ROTEIRO
Gillian Flynn (Garota Exemplar)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Homem-Pássaro)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Dylan Cole, Gary Freeman (Malévola)

MELHOR MONTAGEM
Jay Cassidy, Dody Dorn (Corações de Ferro)

MELHOR FIGURINO
Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (The Imitation Game)

Os Roberts: Downey Jr. entrega o prêmio de Coadjuvante para o veterano Duvall por O Juiz (photo by ibtimes.com)

Os Roberts: Downey Jr. entrega o prêmio de Coadjuvante para o veterano Duvall por O Juiz (photo by ibtimes.com)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“What is Love”, de Janelle Monáe (Rio 2)

MELHOR SOM
Ren Klyce (Garota Exemplar)

MELHOR MAQUIAGEM
David White, Elizabeth Yianni-Georgiou (Guardiões da Galáxia)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Scott Farrar (Transformers: A Era da Extinção)

MELHOR ANIMAÇÃO
Como Treinar Seu Dragão 2

Benedict Cumberbatch se firma como jovem ator prodígio de Hollywood e segue como um dos favoritos ao Oscar por The Imitation Game (photo by straitstimes.com)

Benedict Cumberbatch se firma como jovem ator prodígio de Hollywood e segue como um dos favoritos ao Oscar por The Imitation Game (photo by straitstimes.com)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Supermensch: The Legend of Shep Gordon, de Beth Aala e Mike Myers

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Jean-Marc Vallée (Livre)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Jack O’Connell (Invencível)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Guardiões da Galáxia, de James Gunn

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Chris Rock (Top Five)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Michael Keaton

PRÊMIO INTERNACIONAL
Jing Tiang

À esquerda o ator Chris Pratt com o diretor James Gunn, responsável pela adaptação dos quadrinhos da Marvel: Guardiões da Galáxia, que levou Melhor Blockbuster e Melhor Maquiagem (photo by hollywoodreporter.com)

À esquerda o ator Chris Pratt com o diretor James Gunn, responsável pela adaptação dos quadrinhos da Marvel: Guardiões da Galáxia, que levou Melhor Blockbuster e Melhor Maquiagem (photo by hollywoodreporter.com)

%d blogueiros gostam disto: