Oscar 2016: “O Oscar Branco”

Da esquerda para direita: Will Smith, O'Shea Jackson Jr., Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by Variety)

Da esquerda para direita: Will Smith, Jason Mitchell, Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by variety.com)

20 ATORES BRANCOS E NENHUMA VAGA PARA NEGROS PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO AGITA OS BASTIDORES DO OSCAR 2016

Diante das repercussões supostamente racistas da Academia, resolvi abrir um post para discutir o assunto e adoraria ouvir a opinião de quem acompanha ou apenas está lendo o texto. Vamos do início: Este é o segundo ano consecutivo em que todos os 20 indicados nas 4 categorias de atuação são brancos (caucasianos), o que gerou incontáveis críticas nas mídias, protestos de artistas, e resgatando o hashtag #OscarSoWhite do ano passado, quando as ausências mais comentadas foram da diretora Ava DuVernay e do ator David Oyelowo, ambos de Selma: Uma Luta Pela Igualdade.

Entre os nomes ausentes citados e reclamados este ano que poderiam estar na lista de indicados estão:

  • Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) – Melhor Ator
  • Idris Elba (Beasts of No Nation) – Melhor Ator Coadjuvante
  • Michael B. Jordan (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Ator
  • Tessa Thompson (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Atriz Coadjuvante
  • Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.) – Melhor Ator

Além dos atores, o diretor F. Gary Gray (também negro) e seu filme, Straight Outta Compton: A História do N.W.A., que teve uma das maiores bilheterias de 2015, também foram citados nas matérias. O filme sobre rap recebeu uma única indicação para Roteiro Original, e curiosamente, seus quatro roteiristas são brancos: Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge e Alan Wenkus. Por Creed: Nascido Para Lutar, o diretor Ryan Coogler, ausente, também foi bastante lembrado.

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

Revoltados com a predominância branca, a atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, foi uma das primeiras a reclamar publicamente sobre a falta de diversidade. Em seguida, ela foi apoiada pelo diretor Spike Lee, que planeja boicotar a cerimônia do Oscar e busca apoio da comunidade negra (ou afro-americana). Não sabemos ainda se esse movimento vai crescer nas próximas semanas a ponto de causar algum estardalhaço significativo no evento, mas é fato que a ausência do diretor será mais notável, já que, por ter sido homenageado com o Oscar Honorário em novembro passado, ele compareceria no Oscar para ser aplaudido no palco ou na platéia mesmo.

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

Ao longo dos últimos dias, algumas pessoas do ramo estão dando declarações sobre o assunto. Um dos primeiros foi o produtor-executivo William Packer, de Straight Outta Compton, que alegou: “… é completamente embaraçoso dizer que o mais alto padrão de qualidade cinematográfica só foi alcançada por brancos.”

Hoje foram as vezes da presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, e do ator George Clooney. Cheryl, a primeira sul-africana a ocupar o cargo de presidente, se diz “frustrada com a falta de diversidade” e afirma que nos últimos 4 anos, lutou muito para que houvesse maior inclusão racial entre os novos membros da Academia, justamente para que houvesse mais votos que pudessem equilibrar um pouco mais a balança. Ela lembrou que nos anos 60 e 70, os então presidentes se viram forçados a convidar membros mais jovens para que a Academia não se tornasse ultrapassada e antiquada. Por outro lado, Clooney acredita que está havendo um retrocesso: “Se você lembrar, há 10 anos, a Academia estava fazendo um trabalho melhor. Em 2005, havia Morgan Freeman (que levou o Oscar de coadjuvante por Menina de Ouro), Don Cheadle…” – e também Sophie Okonedo, que concorreu como Atriz Coadjuvante por Hotel Ruanda.

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

Vencedor do Oscar por Jerry Maguire – A Grande Virada, Cuba Gooding Jr. preferiu ser menos radical em suas declarações:  “Eu queria que Straight Outta Compton fosse indicado. Mas é esse tipo de conversa que faz com que as pessoas pensem melhor quando as indicações saírem no próximo ano.”

Ok, ouvimos as reclamações e os argumentos, mas acho que o mais importante é: Cinema é uma Arte que é despida de cor, raça, religião e sexo. Acho tão chato transformar um evento que celebra o cinema, mesmo que industrial e comercial, numa discussão político-racial. E como ficam aqueles que foram reconhecidos com os próprios méritos? Para aqueles que não acompanham os posts, sempre me posicionei contra as cotas raciais. Acredito que quando o governo interfere inserindo um estudante numa faculdade pública só pelo fato de ele se declarar negro, automaticamente está afirmando que todo negro é incapaz de conseguir uma vaga por mérito próprio. E isso, sim, é uma forma de racismo, e claro, uma solução muito fácil de um governo agir e recrutar novos eleitores. Por que não eliminar logo o mal pela raiz e fazer uma reforma educacional e de fato investir boa parte de seu PIB na educação?

Voltando à discussão ao Oscar, realmente, a maioria dos mais de 6.000 membros da Academia são homens brancos e com uma média de idade de 50 a 60 anos, e isso reflete na votação (principalmente na categoria de Filme em Língua Estrangeira), por isso, a presidente Cheryl Boone Isaacs está fazendo o que pode para melhorar esse quadro ao convidar pessoas de diversas etnias e sexualidades.

Mas vamos lembrar de duas coisas: 1º Parafraseando George Clooney em seu discurso de agradecimento em 2006: “Esta Academia premiou uma negra em 1940, quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema”. Tudo bem que o primeiro ator negro a ganhar o Oscar de Melhor Ator (principal) foi Sidney Poitier em 1963, mas o Oscar teve muitos artistas negros, e outras minorias, indicados e vencedores ao longo de sua história de 88 anos. Só para citar alguns vencedores negros: Denzel Washington (Tempo de Glória e Dia de Treinamento), Halle Berry (A Última Ceia), Whoopi Goldberg (Ghost: Do Outro Lado da Vida), Jamie Foxx (Ray), Jennifer Hudson (Dreamgirls: Em Busca de um Sonho), Louis Gossett Jr. (A Força do Destino), Cuba Gooding Jr. (Jerry Maguire), Morgan Freeman (Menina de Ouro), Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia), Hattie MacDaniel (…E o Vento Levou), Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) e Octavia Spencer (Histórias Cruzadas).

Sidney Poitier (actor), Sidney Skolsky1963 (36th)

Sidney Poitier (à direita) com o roteirista Sidney Skolsky (photo by americanismo.com.br)

O Cinema, como toda Arte, reflete seu tempo, e por muitas décadas, foi predominada por homens caucasianos. E isso não se muda da noite para o dia; demanda muito tempo, esforço e a colaboração de todos. O Cinema depende demais dos números de seu público. Se as produções com atores e temática negros passarem a ter boa resposta e render, consequentemente, os estúdios e produtores investirão mais nesse filão e esses filmes passarão a ter mais chances no Oscar. Esse mesmo pensamento também se aplica no caso do salário igualitário das mulheres. Por quanto tempo o Cinema foi feito exclusivamente por homens? Muito. Só para ficarmos no exemplo do Oscar, a primeira diretora a ser indicada na categoria foi a italiana Lina Wertmüller em 1977, por Pasqualino Sete Belezas, e a primeira a ganhar foi a bem recente Kathryn Bigelow, que venceu por Guerra ao Terror em 2010. Se o público der maior resposta em filmes estrelados por mulheres, eles contarão com maior investimento e terão destaque superior em premiações. Mas repito: isso leva tempo.

E 2º Desses artistas não-indicados este ano citados pelos protestos, o único que vinha sendo reconhecido com maior frequência por premiações é Idris Elba por sua performance em Beasts of No Nation. Ele concorreu como Melhor Ator Coadjuvante no Globo de Ouro, concorre ao BAFTA, Independent Spirit e SAG, mas não foi sequer mencionado pelos críticos americanos do LAFCA, NYFCC e National Board of Review. Já os demais estavam com campanhas bastante irregulares e tinham poucas chances de figurar na lista do Oscar, até mesmo porque a competição está bastante acirrada. Na categoria de ator, por exemplo, os indicados ao Oscar estavam presentes em quase todas as listas: Bryan Cranston, Leonardo DiCaprio, Matt Damon, Michael Fassbender e Eddie Redmayne. Will Smith foi apenas indicado pelo Globo de Ouro. Então, peraí, não é porque é negro ou minoria, que deveria ter sido indicado.

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

E quanto ao boicote de Spike Lee, ele faz o que bem entender, mas o que vou falar de um diretor talentoso que se revolta com Quentin Tarantino porque ele colocou o termo “nigger” (crioulo) no roteiro de Django Livre? O filme se passa na época do Mississipi racista e do Ku Klux Klan! Ele queria que os personagens racistas da época falassem “Ei! Seu afro-americano de merda!”?

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

Eu entendo que é um assunto bem delicado, principalmente nos EUA, onde alguns negros foram vítimas da crueldade policial no ano passado, mas não dá pra jogar tudo nas costas da Academia. Por se tratar de um prêmio de grande prestígio e de enorme visibilidade, muitos o utilizam como palanque para protestar. Mas e o Cinema? É mero pano de fundo?

E outra coisa importante: Apesar dos EUA serem um país de conflitos raciais entre brancos e negros, temos que lembrar que existem outras raças: latinos, asiáticos, índios… Sexualidades: gays, bissexuais, transgêneros… As atrizes transsexuais de Tangerine, Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, que foram indicadas ao Independent Spirit, também ficaram de fora. Não seria o caso de incluí-las no protesto também?

Enfim, este é um post que visa explicar o ambiente que está rolando no Oscar 2016, abrir uma discussão para coletar o maior número de perspectivas, analisar se está havendo algum tipo de exagero, se está sendo coerente, e conversar sobre a arte do cinema, de fato. Sem hipocrisia, não acredito que esteja havendo algum tipo de preconceito por parte da Academia para justificar a ausência de qualquer ator ou atriz negros. Se tivéssemos a seguinte situação: “Jamie Foxx, que estava ganhando quase tudo por sua interpretação do músico Ray Charles, não foi sequer indicado para Melhor Ator” – isso, sim, seria um ultraje racista. Deu pra perceber a diferença? Não houve nenhum destaque espetacular de um ator negro cuja ausência seria injustificável. E a Academia não é obrigada a preencher uma cota racial. Só isso.

Sinceramente, espero que não tenha ofendido ninguém aqui. Procuro ser uma pessoa livre de preconceitos. E torço para que haja mais negros, asiáticos, gays, latinos, deficientes trabalhando nos filmes. Mas somente por méritos, e nunca por pena.

 

Curiosamente, este ano, o host da 88ª cerimônia do Oscar será o ator e comediante Chris Rock. Se ele já não costuma pegar leve nas piadas, imaginem agora que deve ser o único negro da festa? Em seu Twitter, ele já soltou um “The Oscars. The White BET Awards” (O Oscar. O BET Awards branco – o BET (Black Entertainment Television) Awards premia apenas artistas negros).

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

O Oscar 2016 será transmitido no dia 28 de fevereiro pela TNT.

Anúncios

‘Perdido em Marte’ conquista Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2015

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

PRIMEIRO PRÊMIO HOLLYWOODIANO APONTA FORTES CANDIDATOS AO OSCAR

Nesse último dia 1º de novembro, segundo o próprio Hollywood Film Awards, “a temporada de premiações foi oficialmente aberta”. Trata-se realmente do primeiro reconhecimento aos filmes com potencial para Oscar: em Outubro! Em sua 19ª edição (um prêmio relativamente novo no cenário), esta foi a forma que o HFA arranjou para obter algum destaque na concorridíssima temporada de premiações Daqui a pouco, vão ter prêmios de cinema a partir de agosto!

Claro que é muito cedo para dar alguma vantagem aos premiados do HFA, mas certamente já ajuda a esquentar a campanha dos filmes concorrentes. No ano passado, o prêmio conseguiu prever as vitórias de Julianne Moore (Para Sempre Alice) como Melhor Atriz, Emmanuel Lubezki (Birdman) como Melhor Fotografia e Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste) como Melhor Figurino no Oscar. Não é lá das melhores estatísticas em termos de coincidir com o prêmio da Academia, mas talvez nem seja esse o propósito aqui. O melhor filme do ano passado foi Garota Exemplar, que sequer figurou na lista do Oscar, ficando apenas com a indicação de Melhor Atriz para Rosamund Pike.

Este ano, o vencedor de Melhor Filme foi a ficção científica de Ridley Scott, Perdido em Marte. Além de ter recebido elogios da crítica, a bilheteria do filme ultrapassou os 100 milhões de dólares só nos EUA, e ao contrário do filme sociopata Garota Exemplar, tem uma mensagem muito otimista, mesmo se tratando de uma ficção científica. Isso conquista pontos com os votantes da Academia, vide a vitória de O Discurso do Rei sobre A Rede Social em 2011, por exemplo. Perdido em Marte deve conquistar muitas indicações técnicas como Som, Efeitos Sonoros, Efeitos Visuais, além de Direção de Arte e Fotografia. Agora, se Ridley Scott for indicado pra Diretor, prepare-se para cenas de cara fechada dele. Lembro quando ele perdeu o Oscar de direção por Gladiador em 2001 para Steven Soderbergh (Traffic). Foi por muito pouco que ele não foi embora no discurso de agradecimento do concorrente. O desconforto foi tanto que a Academia resolveu lhe compensar ao indicá-lo no ano seguinte para o regular Falcão Negro em Perigo. Infelizmente foi uma ação que coroou um mau perdedor.

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Falando em diretor, o vencedor da categoria foi o inglês Tom Hooper. Conhecido por O Discurso do Rei e o musical Os Miseráveis, ele retorna com um drama sobre identidade sexual em A Garota Dinamarquesa. Apesar de considerá-lo um bom profissional, acreditava que se alguém fosse ganhar um prêmio pelo filme, este seria o ator Eddie Redmayne por viver a personagem central. É daqueles papéis que já nascem com peso de ouro como o aidético vivido por Tom Hanks em Filadélfia.

Entre os atores, a maior surpresa foi a vitória de Jane Fonda pelo filme Youth, do italiano Paolo Sorrentino. Muito se falava da boa campanha de Melhor Ator Coadjuvante para Michael Caine, que acabou não sobrando espaço para a atriz veterana. Os demais vencedores: Benicio Del Toro, Carey Mulligan e Will Smith já tinham boas chances na temporada, mas Smith certamente conta com um ótimo trunfo: seu papel em Concussion é do tipo Davi vs. Golias, do mesmo naipe de Erin Brokovich – Uma Mulher de Talento, que rendeu o Oscar para Julia Roberts. Ele interpreta um médico neuropatologista que descobre um trauma cerebral pela primeira vez num jogador de futebol americano. Se for indicado, será a terceira indicação de Will Smith.

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Com exceção dos filmes Velozes & Furiosos 7, Straight Outta Compton: A História do N.W.A. e A Descompensada, todos os demais têm chances bem reais de avançar na temporada de premiações rumo à lista de indicações da Academia. Mad Max: Estrada da Fúria deve dominar as categorias técnicas, e filmes com potencial de Melhor Filme como Spotlight, Ponte dos Espiões, As Sufragistas, A Garota Dinamarquesa e o próprio Perdido em Marte já têm presença praticamente garantida no tapete vermelho. Portanto, se a intenção do Hollywood Film Awards era dar o pontapé inicial, foi muito bem sucedido.

Seguem os vencedores da 19ª edição do HFA:

MELHOR FILME
Perdido em Marte (The Martian), de Ridley Scott

MELHOR DIRETOR
Tom Hooper (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR
Will Smith (Concussion)

MELHOR ATRIZ
Carey Mulligan (As Sufragistas)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benicio Del Toro (Sicario: Terra de Ninguém)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)

MELHOR ELENCO
Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh, Channing Tatum, Bruce Dern, Tim Roth, Michael Madsen, Walton Goggins, Demian Bichir (Os 8 Odiados)

MELHOR ROTEIRO
Tom McCarthy, Josh Singer (Spotlight)

MELHOR FOTOGRAFIA
Janusz Kaminski (Ponte dos Espiões)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MONTAGEM
David Rosenbloom (Aliança do Crime)

MELHOR FIGURINO
Sandy Powell (Cinderela)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa) (As Sufragistas)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“See You Again”, de Wiz Khalifa, Charlie Puth (Velozes & Furiosos 7)


Confira videoclipe de Wiz Khalifa 

MELHOR SOM
Gary Rydstrom (Ponte dos Espiões)

MELHOR MAQUIAGEM
Lesley Vanderwalt (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Tim Alexander (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

MELHOR ANIMAÇÃO
Divertida Mente (Inside Out), de Pete Docter

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy, de Asif Kapadia

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Joel Edgerton (Aliança do Crime)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Adam McKay (The Big Short)

MELHOR ELENCO REVELAÇÃO
Corey Hawkins, O’Shea Jackson Jr. e Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Saoirse Ronan (Brooklyn)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Velozes & Furiosos 7, de James Wan

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Amy Schumer (Descompensada)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Robert De Niro

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)