‘ROMA’, de ALFONSO CUARÓN, CONQUISTA o LEÃO DE OURO no FESTIVAL DE VENEZA

Alfonso Cuarón Venice.jpg

Alfonso Cuarón recebe o Leão de Ouro por Roma, seu projeto mais pessoal (pic by Variety)

COM A VITÓRIA, NETFLIX CAVA UMA VAGA INÉDITA NA CATEGORIA DE MELHOR FILME NO OSCAR 2019

Depois de inúmeras avaliações positivas em Veneza, o Leão de Ouro só podia ir para Roma. O mais novo trabalho do mexicano Alfonso Cuarón, um drama preto-e-branco que acompanha a vida de uma família trabalhadora nos anos 70 no México, bateu outras 21 produções e praticamente garantiu seu lugar na próxima edição do Oscar.

Por se tratar de um projeto bastante pessoal do diretor, baseado em sua vida e seu passado, Cuarón sequer chamou seu colaborador assíduo Emmanuel Lubezki e assumiu a direção de fotografia, além da montagem e roteiro. Resultado: o diretor retorna ao festival que o consagrou com Gravidade em 2013 para levar o prêmio máximo.

Roma.jpg

Cena de Roma, de Alfonso Cuarón (pic by imdb.com)

“Esse prêmio e este festival são incrivelmente importantes para mim”, agradeceu o diretor Alfonso Cuarón ao receber a honraria. De certa forma, esta premiação resume bem o que foi o Festival de Veneza deste ano.

Primeiramente, trata-se da primeira produção da Netflix a ganhar o Leão de Ouro. Sim, a mesma plataforma de streaming que foi recusada e odiada no Festival de Cannes em Maio e agora brilha na Itália, onde foi muito bem recebida pelos organizadores do evento. O presidente de Veneza, Alberto Barbera, reconheceu que Netflix é o futuro do cinema, e que não poderia impedir esse próximo passo.

Por outro lado, os donos das salas de cinema na França podem fazer cara feia,  mas o fato é que os streamings já são realidade e não será nada fácil mantê-los afastados dos festivais, pois a tendência é que os eventos que os recusam sejam os extintos nessa história. Hollywood e seus profissionais querem trabalhar e o que não falta na Netflix, Amazon e outras plataformas é justamente trabalho!

Além de Roma, a Netflix viu outra produção premiada na noite: Melhor Roteiro para os irmãos Coen por The Ballad of Buster Scruggs, que originalmente seria uma série Netflix, mas acabou se tornando um longa-metragem.

Yorgos Lanthimos Silver Lion

Yorgos Lanthimos recebe o Grande Prêmio do Júri (Leão de Prata) por The Favourite (pic by The Greek Observer)

Pra não dizer que foi tudo um mar de rosas em Veneza, houve um pequeno burburinho sobre um possível favorecimento de Roma pelo presidente do júri deste ano, Guillermo del Toro, conterrâneo e amigo de Alfonso Cuarón. Essa especulação só não tomou maiores proporções, porque o filme mexicano foi tão bem recebido por toda a mídia especializada, que ficou difícil levantar essa suspeita.

Além de premiar Roma, Veneza também reconheceu dois prováveis atores indicados ao Oscar 2019: Olivia Colman e Willem Dafoe. A atriz britânica estrela ao lado de Rachel Weisz e Emma Stone o novo filme do grego Yorgos Lanthimos, The Favourite, que faturou também o Grande Prêmio do Júri. Já o ator americano foi premiado por viver o artista Vincent Van Gogh no filme biográfico At Eternity’s Gate, dirigido por Julian Schnabel.

Design sem nome.jpg

À esquerda, Olivia Colman interpreta a Rainha Anne em cena de The Favourite, e ao receber o prêmio de Melhor Atriz em Veneza

Design sem nome (1).jpg

À esquerda, Willem Dafoe interpreta o pintor Vincent Van Gogh em cena de At Eternity’s Gate, e ao lado recebendo o prêmio de Melhor Ator em Veneza

E vale destacar o prêmio especial do júri para a cineasta australiana Jennifer Kent, que já havia surpreendido o público com O Babadook em 2014. Ela retorna com uma história de vingança e violência passada no século XIX em The Nightingale, que também valeu o prêmio Marcello Mastroianni para o jovem Baykali Ganambarr. Em sites especializados, destacaram que Kent foi a única cineasta mulher a receber um dos principais prêmios. Prefiro dizer que ela foi simplesmente merecedora por sua competência.

Design sem nome (2).jpg

À esquerda, a atriz Aisling Franciosi em cena de The Nightingale, e à direita, a diretora Jennifer Kent com o Prêmio Especial do Júri.

VENCEDORES DA 75ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
Roma
Dir: Alfonso Cuarón

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
The Favourite
Dir: Yorgos Lanthimos

LEÃO DE PRATA PARA MELHOR DIRETOR
Jacques Audiard (The Sisters Brothers)

MELHOR ATRIZ
Olivia Colman (The Favourite)

MELHOR ATOR
Willem Dafoe (At Eternity’s Gate)

MELHOR ROTEIRO
Joel Coen e Ethan Coen (The Ballad of Buster Scruggs)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
The Nightingale
Dir: Jennifer Kent

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Baykali Ganambarr (The Nightingale)

MOSTRA HORIZONTES (ORIZZONTI)

MELHOR FILME: “Manta Ray”, de Phuttiphong Aroonpheng (Tailândia)

MELHOR DIREÇÃO: Emir Baigazin, Emir Baigazin (Cazaquistão)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI“The Announcement”, de Mahmut Fazil Coskun (Turquia)

MELHOR ATRIZ: Natalia Kudryashova (A Man Who Surprised Everyone) (Rússia)

MELHOR ATOR: Kais Nashif (Tel Aviv on Fire) (Israel)

MELHOR ROTEIRO: “Jinpa”, de Pema Tseden (China)

MELHOR CURTA-METRAGEM: “Kado”, de Aditya Ahmad (Indonésia)

LEÃO DO FUTURO: “The Day I Lost My Shadow”, de Soudade Kaadan (Síria)

Luigi De Laurentiis Award for Best Debut Film:

VENICE CLASSICS

MELHOR DOCUMENTÁRIO NO CINEMA:  “The Great Buster: A Celebration,” Peter Bogdanovich

MELHOR FILME RESTAURADO: “The Night of the Shooting Stars”, de Paolo e Vittorio Taviani

VIRTUAL REALITY COMPETITION

MELHOR REALIDADE VIRTUAL: 
“Spheres”, de Eliza McNitt

MELHOR EXPERIÊNCIA DE REALIDADE VIRTUAL: “Buddy VR”, de Chuck Chae

MELHOR HISTÓRIA DE REALIDADE VIRTUAL: “Isle of the Dead”, de Benjamin Nuel

Anúncios

VENEZA ELEVA SEU STATUS AO ACEITAR OSCARIZÁVEIS E NETFLIX, REJEITADO EM CANNES

FIRST MAN Neil_Ryan_Gosling

Ryan Gosling como Neil Armstrong em O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, abrirá a mostra competitiva de Veneza (pic by CineImage)

FESTIVAL ITALIANO VAI NA CONTRAMÃO DE CANNES E RECEBE PRODUÇÕES DE PLATAFORMAS COMO NETFLIX E AMAZON DE BRAÇOS ABERTOS

Se no Festival de Cannes, o negócio estava emperrado com uma série de restrições e até banimento das selfies no tapete vermelho, na cidade italiana de Veneza, it’s all open for business!

Filme da Netflix?
– Pode trazer que a gente põe até pra competir!
Filme restaurado inédito do Orson Welles distribuído pela Netflix?
– Traga que será recebido como uma gema do cinema!
Candidato fortíssimo ao prêmio da indústria hollywoodiana do Oscar?
– Não apenas concorrerá ao Leão de Ouro, como vai abrir a competição oficial.
Filme estrelado pela Lady Gaga?
– Aceitamos… mas pode ser na mostra paralela?

Quando questionado sobre a presença maciça da Netflix com seis títulos, o presidente do evento, Alberto Barbera, foi contundente: “Não podemos nos recusar a aceitar a realidade do novo cenário das produções.” Pela perspectiva dos cineastas, que buscam financiamentos e plataformas diversas para seus projetos, essa aceitação do festival foi abraçada e aplaudida. Só para citar um exemplo: o novo filme do mexicano Alfonso Cuarón, Roma, produzido pela Netflix, foi recusado em Cannes, mas aceito em Veneza. Quem sai perdendo nessa história?

Se antes Veneza já vinha num crescendo por ser uma prévia do Oscar (Vencedores do Oscar, Gravidade, Spotlight e A Forma da Água, estrearam no festival italiano), agora com essa abertura de formatos e plataformas, firma-se como o mais prestigiado no cenário internacional. E com isso em mente, o filme de abertura, O Primeiro Homem, do diretor de La La Land, Damien Chazelle, automaticamente se torna o franco-favorito para a próxima temporada de premiações.

Além de O Primeiro Homem contar com o triunfo de ser uma cinebiografia do astronauta Neil Armstrong, subgênero muito querido pela Academia, depois daquela lambança de La La Land ganhando e perdendo o Oscar de Melhor Filme em dois minutos, muitos votantes podem se sentir compelidos a compensar o diretor em 2019.

Outros nomes fortes aqui presentes para o Oscar são: Mike Leigh com seu drama histórico PeterlooJulian Schnabel com seu At Eternity’s Gate sobre a vida do artista Van Gogh; o novo filme dos irmãos Ethan e Joel CoenThe Ballad of Buster Scruggs, que era uma série originalmente que acabou virando um longa; o próprio Roma, de Alfonso Cuarón, que se passa na Cidade do México nos anos 70; e 22 July, de Paul Greengrass, que volta com mais uma tragédia terrorista que se passa na Noruega.

PETERLOO

Cena de Peterloo, de Mike Leigh (pic by Variety)

E diretores consagrados que costumam bater o cartão em festivais e sempre são favoritos aos grandes prêmios como o francês Jacques Audiard, que fez seu primeiro filme em inglês com The Sister Brothers, um western com Jake Gyllenhaal e Joaquin Phoenix; o grego Yorgos Lanthimos com The Favorite, que contou com as vencedoras do Oscar Emma Stone e Rachel Weisz. Também competindo pelo Leão de Ouro estão os ganhadores do Oscar de Filme em Língua Estrangeira: o húngaro László Nemes, que volta com Sunset; e o alemão Florian Henckel Von Donnersmarck, com Work Without Auhor.

thesistersbrothers_01

Joaquin Phoenix e John C. Reilly em cena de The Sister Brothers, de Jacques Audiard (pic by ew.com)

Dentre os concorrentes desta edição, Suspiria certamente tem um dos visuais mais arrebatadores. Dirigido pelo italiano Luca Guadanigno, que repete a ótima parceria com o diretor de fotografia Sayombhu Mukdeeprom com quem trabalhou em Me Chame Pelo seu Nome, a refilmagem teria chances mínimas de premiação ainda mais por ser do gênero terror, mas como o presidente do júri deste ano é ninguém menos do que o criador de monstros Guillermo Del Toro, algumas surpresas podem acontecer. Veja trailer abaixo:

Apesar de entender toda a situação da briga que o festival de Cannes compraria com os vários donos de cinemas na França se aceitasse a Netflix, por outro lado, agora está vendo o festival de Veneza investindo no futuro por ter uma mente mais aberta. Nas últimas duas décadas, vimos o Cinema como Arte definhar a cada ano e se tornar um mero produto de grandes estúdios, especialmente da Disney que, recentemente, oficializou a compra da Fox. Nesse cenário de decadência criativa, a Netflix e outras plataformas de streaming estão acolhendo cineastas que perderam sua liberdade criativa e lhes oferecendo oportunidades de criação de conteúdo de forma mais livre. Hoje, os filmes produzidos pela Netflix ainda demonstram certo amadorismo, mas com as recentes inclusões de talentos como Alfonso Cuarón no acervo, a tendência é que dentro de alguns anos, teremos mais filmes de Netflix no Oscar do que os que estrearam nos cinemas. Além disso, o valor do ingresso que já era caro, pode ficar ainda mais devido à redução de público nas salas de projeção.

INDICADOS AO LEÃO DE OURO DE VENEZA 2018:

EM COMPETIÇÃO

  • O Primeiro Homem (First Man). Dir: Damien Chazelle
  • The Mountain. Dir: Rick Alverson
  • Doubles Vies. Dir: Olivier Assayas
  • The Sisters Brothers. Dir: Jacques Audiard
  • The Ballad of Buster Scruggs. Dir: Ethan and Joel Coen
  • Vox Lux. Dir: Brady Corbet
  • Roma. Dir: Alfonso Cuarón
  • 22 July. Dir: Paul Greengrass
  • Suspiria (Suspiria). Dir: Luca Guadagnino
  • Work Without Author. Dir: Florian Henkel Von Donnersmark
  • The Nightingale. Dir: Jennifer Kent
  • The Favourite. Dir: Yorgos Lanthimos
  • Peterloo.  Dir: Mike Leigh
  • Capri-Revolution. Dir: Mario Martone
  • What You Gonna Do When The World’s On Fire?. Dir: Roberto Minervini
  • Sunset. Dir: László Nemes
  • Freres Ennemis. Dir: David Oelhoffen
  • Neustro Tiempo. Dir: Carlos Reygadas
  • At Eternity’s Gate. Dir: Julian Schnabel
  • Acusada. Dir: Gonzalo Tobal
  • Killing. Dir: Shinya Tsukamoto

FORA DE COMPETIÇÃO

SPECIAL EVENT

  • The Other Side Of The Wind. Dir: Orson Welles
  • They’ll Love Me When I’m Dead. Dir: Morgan Neville

PROJEÇÕES ESPECIAIS

  • My Brilliant Friend. Dir: Saverio Costanzo
  • Il Diario Di Angela – Noi Due Cineasti. Dir: Yervant Gianikian

FICÇÃO

  • Una Storia Senza Nome. Dir: Roberto Andò
  • Les Estivants. Dir: Valeria Bruni Tedeschi
  • A Star Is Born. Dir: Bradley Cooper
  • Mi Obra Maestra. Dir: Gaston Duprat
  • A Tramway in Jerusalem. Dir: Amos Gitai
  • Un Peuple et Son Roi. Dir: Pierre Schoeller
  • La Quietud. Dir: Pablo Trapero
  • Dragged Across Concrete. Dir: S. Craig Zahler
  • Shadow. Dir: Zhang Yimou

NÃO-FICÇÃO

  • A Letter to a Friend In Gaza. Dir: Amos Gitai
  • Aquarela. Dir: Victor Kossakovsky
  • El Pepe, Una Vida Suprema. Dir: Emir Kusturica
  • Process. Dir: Sergei Loznitsa
  • Carmine Street Guitars. Dir: Ron Mann
  • Isis, Tomorrow. The Lost Souls Of Mosul. Dir: Francesca Mannocchi, Alessio Romenzi
  • American Dharma. Dir: Errol Morris
  • Introduzione All’Oscuro. Dir: Gaston Solnicki
  • 1938 Diversi. Dir: Giorgio Treves
  • Your Face. Dir: Tsai Ming-Liang
  • Monrovia, Indiana. Dir: Frederick Wiseman

MOSTRA HORIZONTES

  • Sulla Mia Pelle. Dir: Alessio Cremonini
  • Manta Ray. Dir: Phuttiphong Aroonpheng
  • Soni. Dir: Ivan Ayr
  • The River. Dir: Emir Baigazin
  • La Noche de 12 Anos. Dir: Alvaro Brechner
  • Deslembro. Dir: Flavia Castro
  • The Announcement. Dir: Mahmut Fazil Coskun
  • Un Giorno All’Improvviso. Dir: Ciro D’Emilio
  • Charlie Says. Dir: Mary Harron
  • Amanda. Dir: Mikhael Hers
  • The Day I Lost My Shadow. Dir: Soudade Kaadan
  • L’Enkas. Dir: Sarah Marx
  • The Man Who Surprised Everyone. Dir: Evgeniy Tsiganov, Natalya Kudryashowa
  • Through The Holes. Dir: Garin Nugroho
  • As I Lay Dying. Dir: Mostafa Sayyari
  • La Profezia Dell’armadillo. Dir: Emanuele Scaringi
  • Stripped. Dir: Yaron Shani
  • Jinpa. Dir: Pema Tseden
  • Tel Aviv on Fire. Dir: Same Zoabi

‘Boyhood: Da Infância à Juventude’ é o Melhor Filme segundo o NYFCC 2014

Patricia Arquette com o pequeno Ellar Coltrane em cena de Boyhood: Da Infância à Juventude

Patricia Arquette com o pequeno Ellar Coltrane em cena de Boyhood: Da Infância à Juventude

O círculo de críticos de Nova York anunciou nesta segunda-feira, dia 1º, sua lista de melhores do ano no Cinema. A aposta deste ano foi para o estudo do tempo de Boyhood: Da Infância à Juventude, o que fortalece a campanha do filme para o Oscar 2015. Nas últimas 10 edições, o NYFCC (New York Film Critics Circle) teve como Melhores Filmes: Trapaça (2013), A Hora Mais Escura (2012), O Artista (2011), A Rede Social (2010), Guerra ao Terror (2009), Milk – A Voz da Igualdade (2008), Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), Vôo United 93 (2006), O Segredo de Brokeback Mountain (2005) e Sideways – Entre umas e outras (2004).

Como dá pra perceber, as estatísticas dos nova-iorquinos em relação ao Oscar estão em baixa: três acertos em dez, mas dos mesmos dez, nove estavam entre os indicados a Melhor Filme na cerimônia do Oscar. Confira a lista dos vencedores:
MELHOR FILME
* Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood), de Richard Linklater

MELHOR DIRETOR
* Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)

A escalada do filme começou no último Festival de Berlim, em fevereiro, de onde saiu com o Urso de Prata de direção para Linklater. A produção bastante incomum levou 12 anos para ser concluída, de 2002 a 2014, contando com a confiança dos atores e da equipe técnica para se encontrar todos os anos sem mesmo contar com um contrato, pois a legislação americana não permite contratos tão longos assim. Boyhood apresenta todas as características de um projeto despretensioso e que muito se deve ao improviso, mas foi feito de forma tão cuidadosa, que acabou ganhando proporções maiores em termos de análise dos personagens em processo de amadurecimento e da própria vida, que é refém do tão cruel tempo.

Recentemente, li algumas críticas de pessoas que viram o filme e temem que a valorização do filme se deva apenas à produção e não ao seu conteúdo. Olha, respeito a opinião, mas para essa crítica se encaixaria um Avatar, por exemplo, no qual o 3D foi o grande protagonista. Se tirássemos o 3D de Avatar, sobraria uma história batida sem muito a acrescentar. Sendo um pouco mais radical, encaixaria até o Gravidade, que rapelou 8 Oscars este ano, do qual muito se falou dos efeitos e da tecnologia aplicada, mas apresentou história rala com personagens superficiais. Boyhood passa longe dessa análise, salvo personagens terciários.

MELHOR ATOR
* Timothy Spall (Sr. Turner)

Timothy Spall (Mr. Turner) - photo by outnow.ch

Timothy Spall (Sr. Turner) – photo by outnow.ch

É muito difícil não se impressionar com o trabalho dos atores sob a direção do britânico Mike Leigh. Ele tem toda uma escola de atuação que faz uma baita diferença no resultado final, pois sabe valorizar uma cena supostamente banal para boa parte dos atores através de nuances e minúcias que fazem o espectador adentrar à cena. Não é à toa que muitos dos atores com quem trabalhou ganharam importantes prêmios como em Cannes: Brenda Blethyn (Segredos e Mentiras), David Thewlis (Nu) e agora Timothy Spall. Contudo, a última performance indicada ao Oscar sob direção de Leigh foi em 2005, quando Imelda Staunton concorria por O Segredo de Vera Drake; e pra piorar, nenhum dos indicados ganhou até agora.

MELHOR ATRIZ
* Marion Cotillard (Era Uma Vez em Nova York/ Dois Dias, Uma Noite)

Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite) - photo by outnow.ch

Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite) – photo by outnow.ch

Quase todo ano (culpem a indústria machista, talvez?), a corrida para Melhor Atriz anda fraca. Se não é uma Meryl Streep ou uma Judi Dench pra salvar, o que seria desta categoria? Ao contrário da ala masculina, não existem favoritas, e isso pode favorecer a francesa Marion Cotillard, que venceu por duas performances: uma sob a direção de James Gray, e a outra dos irmãos Dardenne. Trata-se de uma atriz bastante versátil que tem evoluído nas escolhas de papéis e nos sotaques em outros idiomas. Estava bastante cotada para vencer o prêmio de atriz em Cannes, mas foi preterida. Este é seu primeiro grande prêmio da temporada.

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

J.K. Simmons em Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by elfilm.com)

J.K. Simmons em Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by elfilm.com)

Para a grande maioria do público, J.K. Simmons continua sendo o chefe de Peter Parker, na trilogia do Homem-Aranha de Sam Raimi: J.J. Jameson. Mas tem firmado uma colaboração forte com o diretor Jason Reitman, valorizando papéis menores em Obrigado por Fumar, Juno e Amor Sem Escalas, assim como nos filmes dos irmãos Coen: Matadores de Velhinhas e Queime Depois de Ler. Sua atuação como instrutor de bateria em Whiplash: Em Busca da Perfeição é uma das mais elogiadas do ano e é a indicação mais garantida até o momento. Na semana passada, recebeu uma indicação para o Independent Spirit Awards também.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)

Patricia Arquette em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Patricia Arquette em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Embora as performances de Ellar Coltrane e Ethan Hawke sejam boas, a performance de Patricia Arquette é o grande coração da história de Boyhood. Ela faz a mãe, que enfrenta todas as adversidades de criar seus filhos solteira e depois fica indignada ao se despedir do filho que entra na faculdade. Só pela coragem de assumir um papel de 12 anos, pelo qual se comprometeu a não fazer modificação alguma no rosto devido à idade, já vale sua primeira indicação ao Oscar. Pode ser uma ótima oportunidade de alavancar a carreira de uma atriz que atuou em filmes cults como Ed Wood, Estrada Perdida e Amor à Queima Roupa.

MELHOR ROTEIRO
* Wes Anderson e Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)

Dono de um estilo próprio como diretor, Wes Anderson tem como principais atributos a sua direção de arte refinada e seus roteiros repletos de personagens excêntricos e situações inusitadas. Há tempos vem merecendo um prêmio de maior expressividade na categoria, e com O Grande Hotel Budapeste, os louros finalmente podem vir.

À esquerda, Ralph Fiennes como o concierge Gustave com o seu leal lobby boy Zero, interpretado por Tony Revolori (photo by outnow.ch)

À esquerda, Ralph Fiennes como o concierge Gustave com o seu leal lobby boy Zero, interpretado por Tony Revolori em O Grande Hotel Budapeste (photo by outnow.ch)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Darius Khondji (Era Uma Vez em Nova York)

Fotografia de Darius Khondji em Era Uma Vez em Nova York (photo by elfilm.com)

Fotografia de Darius Khondji em Era Uma Vez em Nova York (photo by elfilm.com)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Ida, de Pawel Pawlikowski – POLÔNIA

Olha, o filme pode até ser ótimo, mas só o fato de ser sobre judeus e nazismo, já me causa um bocejo do tipo: “De novo?”. Pra dar uma incrementada maior ainda, Ida é um filme preto-e-branco polonês. É figura garantida entre os cinco indicados a Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar.

O polonês Ida, de Pawel Pawlikowski. Temática judia leva vantagem automática. (photo by outnow.ch)

O polonês Ida, de Pawel Pawlikowski. Temática judia leva vantagem automática. (photo by outnow.ch)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Uma Aventura Lego, de Phil Lord e Christopher Miller

Misturebas no Lego em Uma Aventura Lego (photo by outnow.ch)

Misturebas no Lego em Uma Aventura Lego (photo by outnow.ch)

A dupla de responsável pela animação Tá Chovendo Hambúrguer e pelos dois Anjos da Lei recebeu inúmeras críticas positivas por este novo trabalho de animação que usa o brinquedo Lego como base. Vale pela mistura de universos como o de Batman com o das Tartarugas Ninja, por exemplo, mas é mais para o público infantil, pois não tem a mais sutileza da trilogia Toy Story.

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Citizenfour, de Laura Poitras

O documentário já apresenta um tema polêmico ainda em pauta: Edward Snowden, o ex-agente da CIA e NSA, que tornou público os programas de vigilância global da agência, e que por isso, permanece refugiado em território russo. A documentarista fez uma série de entrevistas com Snowden, enquanto tenta dissecar a questão da segurança e privacidade no mundo após os atentados terroristas de 11 de setembro. Alguns estão aclamando como um dos melhores documentários para entendermos este início do século XXI, o que não pode ser diminuído caso seja eliminado da corrida ao Oscar por causa do conservadorismo dos membros da Academia.

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
* The Babadook, de Jennifer Kent

The Babadook (photo by outnow.ch)

Cena de The Babadook (photo by outnow.ch)

O prêmio para a estreante Jennifer Kent não deixa de ser um destaque merecido, já que se trata de um filme de terror. Sim, um filme de terror, gênero mal visto por boa parte da crítica, e dirigido por uma mulher! Em tempos de ausência de mestres do terror como John Carpenter ou excesso de terror na linha “gore”, um terror psicológico na linha do sugestivo está cada vez mais raro e merece ser tal honraria para conquistar mais público. Jennifer Kent vem trazer sobrevida ao gênero, que está se desgastando ao depender só de talentos como os de James Wan (Sobrenatural e Invocação do Mal).


Trailer de The Babadook

PRÊMIO ESPECIAL
* Adrienne Mancia

—–

Algumas das ausências mais sentidas são a de Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo, Birdman e O Jogo da Imitação, que recentemente levou 4 prêmios do Hollywood Awards. Especialistas estão apostando que Birdman será compensando pelos críticos de Los Angeles (LAFCA), cujos vencedores serão anunciados no próximo dia 07.