Vídeo causa conflito no Oriente Médio

Manifestantes um pouco alterados na embaixada norte-americana

Recentemente, o filme fictício sobre a vida de Maomé, Inocência dos Muçulmanos (Innocence of the Muslims), circulou pela internet e chegou ao povo que adotou sua religião. Aí que o pavio foi aceso. Para quem segue as notícias internacionais, nos países de maioria muçulmana, as embaixadas norte-americanas estão sofrendo fortes retaliações dos fundamentalistas islâmicos, assim como as franquias de restaurantes americanos nessas terras.

Resolvi ver o vídeo inteiro (com duração aproximada de 14 minutos) e postei abaixo o link do Youtube para quem tiver curiosidade e senso de humor. Na verdade, esse vídeo seria uma espécie de trailer, pois apresenta cortes repentinos de sequências variadas de cenário e personagens. Trata-se de uma produção mais tosca que os filmes do Ed Wood (considerado o pior diretor de todos os tempos), com atuações pífias e história com propósitos bastante discutíveis.

Por não seguir religião nenhuma, confesso que não entendo muito bem (apenas o suficiente para não seguir nenhuma). Mas o primeiro “erro” desse vídeo seria personificar a figura de Maomé. Não é um Jesus que dá pra simplesmente colocar um homem branco de barba e trajado com manta. Maomé é uma espécie de profeta, que equivale à figura de Moisés, escolhido por Deus, para divulgar Sua palavra pelo livro sagrado chamado Alcorão. Resumindo: os muçulmanos o idolatram. Agora, imaginem transformar a figura de Maomé num homem homossexual, mulherengo e pedófilo? Aí seria enfiar o braço inteiro no vespeiro. Os muçulmanos radicais estão que nem o povo de Springfield após uma briga: carregando tochas e tridentes, tocando a trilha musical de O Planeta dos Macacos!

Diante dos protestos e até uma iminente guerra, alguns atores que participaram do vídeo fizeram declarações para as mídias, alegando que foram enganados pelo suposto diretor. O roteiro que leram e interpretaram foi nitidamente alterado e dublado na pós-produção. Nas mãos dos atores, o título do roteiro era Desert Warriors (Guerreiros do Deserto), mas depois na edição, virou Inocência dos Muçulmanos. As dublagens podem ser facilmente detectadas e comprovadas por qualquer leigo, mas esse papo de que os atores foram ludibriados por completo soa como baboseira. Por mais que eles não tivessem idéia das alterações ou mesmo do fundo digital, eles sabiam que o texto remetia diretamente à religião (cenas com áudio original comprovam), usaram figurinos típicos do Oriente Médio e em algumas cenas, as ações de seus personagens se mostram bem vulgares para quaisquer bons costumes.

Aparentemente, o homem por trás da câmera se chama Nakoula Basseley Nakoula, um cristão extremista. Inicialmente, o filme fora dirigido por um tal Sam Bacile (inclusive, este é o nome da conta do vídeo no Youtube), mas após algumas investigações de linhas telefônicas, o responsável foi desmascarado. Aparentemente, Nakoula já fora sentenciado duas vezes nos EUA: em 2010 por fraudes bancárias, e em 1997, por fabricar metanfetamina. Ele se declarou culpado, pegando 1 ano de cadeia e 3 de liberdade condicional. Provavelmente, a justiça norte-americana deve recapturar o salafrário e fazê-lo cumprir duras penas, preferencialmente, com julgamento exibido em rede internacional para acalmar os ânimos muçulmanos.

Resolvido o caso, faz-se necessária uma discussão em torno da notícia:

1. Primeiramente, vamos considerar que Inocência dos Muçulmanos seja de fato um filme. Quem está certo e quem está errado? Existe lado certo e errado? Antes de responder a essas questões, é preciso saber qual o papel de um filme na sociedade. Na História do Cinema, já houve produções polêmicas que envolviam temas sexuais e políticos, sendo o italiano Pier Paolo Pasolini um dos mais famosos e controversos. Em seus filmes, havia uma mensagem que, como qualquer obra de Arte, merece ser analisada e discutida. Seu filme mais polêmico, Salò ou os 120 Dias de Sodoma (1975), foi banido na Itália e em outros países por vários anos por mostrar fortes cenas que misturam sexo com escatologia envolvendo membros da Igreja. A mensagem de Pasolini era simples: trazer a obra do escritor (igualmente polêmico) Marquês de Sade para os dias de fascismo de Benito Mussolini. Depois de terminar as filmagens, o diretor foi encontrado morto numa praia e as circunstâncias ainda são um mistério. Algum palpite?

É claro que o nosso cineasta Nakoula Basseley Nakoula não é exatamente um Pasolini, mas os princípios seriam os mesmos.

Salò, ou os 120 Dias de Sodoma, de Pier Paolo Pasolini. Se for pra comparar, o vídeo do Youtube é fichinha.

2. Seguindo esse pensamento, pela legislação, o suposto cineasta estaria livre de qualquer pena pelo filme, pois a liberdade de expressão o protege. Desse modo, a justiça deve condená-lo pelos demais crimes de fraude. Além disso, esse vídeo tosco seria uma consequência natural da Arte estando à disposição de todos. Multiplicando-se a quantidade de produções e o fácil acesso à mídia pelo Youtube, era questão de tempo algo desse naipe acontecer. Essa é uma matemática pura e simples de se entender.

Embora, Nakoula estivesse em seu direito fazer um filme, de forma alguma estou defendendo o autor do vídeo, pois ele foi bastante infeliz por ter criado uma história puramente provocativa e gratuita. Para esse tipo de “artista”, a liberdade de expressão serve como papel higiênico, mas trata-se de um direito conquistado pela civilização, devendo ser utilizada de forma consciente e com propriedade.

E as críticas a Nakoula não param por aí. O que se pode esperar de um “artista” que enganou alguns profissionais que trabalharam no filme? Esse indivíduo mau caráter distorceu o trabalho deles e agora está sendo processado pelas atrizes. Mas a pior consequência de sua irresponsabilidade deve ganhar maiores proporções. Por se tratar de uma produção realizada em solo americano, as autoridades dos Estados Unidos se vêem obrigadas a pedir desculpas publicamente para evitar maiores tragédias.

3. Agora, pelo outro lado da história, convenhamos que qualquer pessoa com bom senso jamais daria tanta importância para um vídeo desses. Ok, todos sabemos o quão radicais são alguns religiosos, mas nesse casos, quanto mais atenção se dá a esse vídeo, mais ele cresce na mídia, aumentando as chances de começar uma guerra sem fundamento. Os estragos causados até o momento denotam a delicadeza da situação.

Apesar de muitos culparem o filme, foram as pessoas que aceitaram a mensagem provocativa do vídeo e aumentaram a tensão internacional. A relação entre os norte-americanos e o povo muçulmano e do Oriente Médio não tem sido a mesma desde os ataques terroristas do 11 de Setembro de 2001. Além do caos aéreo e das questões de segurança, o preconceito vem causando muitas tragédias como o recente ataque à comunidade Sikh, que prega justamente a tolerância. Ou as autoridades norte-americanas tratam logo essa questão tensa, ou podemos presenciar uma nova guerra mundial na próxima década.

Paquistaneses se aquecem em volta da fogueira, coincidentemente, na bandeira americana.

4. Como disse anteriormente, eu não tenho religião alguma. Mas o que podemos dizer de uma religião que quer condenar uma menina de 11 anos à morte por ter queimado um Alcorão? (Veja notícia de agosto/12: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/08/menina-e-presa-por-queimar-paginas-do-alcorao-no-paquistao.html) Seria mais fácil supôr que a menina estaria possuída por um demônio do que analisar se ela tem capacidade ou não para distinguir o certo do errado, e se ela tem alguma doença mental. Mesmo assim, alguns poderiam defender essa atitude com as diferenças sócio-culturais, que realmente existem e devem ser respeitadas. Porém, uma coisa é ver um boliviano não tomar banho diariamente pelo costume da neve ou um indiano não comer carne bovina por questões religiosas. Outra coisa é ver um muçulmano querer matar uma criança por queimar um livro sagrado (como se crianças soubessem o que fazem toda hora).

Por favor, não me levem a mal. Acredito em valores e respeito todas as religiões, mas vale ressaltar aquele bom e velho ditado: “Tudo que é demais faz mal”. Não levem tudo muito à sério, não seja extremista. Até onde eu sei, todas as religiões pregam a paz e a aceitação, certo? Mas não é o que estamos vendo hoje nos noticiários.

5. No final deste ano, estréia o novo filme de Paul Thomas Anderson, The Master, que trata dos primórdios da Cientologia. Se o filme for provocativo, de péssima qualidade e receber indicações ao Oscar, Tom Cruise e John Travolta prometem destruir Hollywood. Fiquem atentos!

Veja o vídeo Innocence of the Muslims pelo próprio postador e tirem suas próprias conclusões:

Anúncios

Michael Clarke Duncan (1957 – 2012)

Michael Clarke Duncan

É com grande pesar que informo a morte de outro nome de Hollywood: o ator Michael Clarke Duncan, conhecido por seu papel em À Espera de um Milagre (1999). Não sei se a bruxa anda solta nos EUA, mas recentemente já reportei a morte de Nora Ephron, Marvin Hamlisch e Tony Scott. Segundo relatos de sua noiva, o ator faleceu nessa segunda, dia 03, no hospital Cedars Sinai Medical Center em Los Angeles. No dia 13 de julho, ele sofreu um infarto do qual nunca se recuperou. Passou os últimos 2 meses hospitalizado, mas não resistiu.

Michael nasceu em Chicago e queria ser jogador de futebol americano, mas sua mãe não permitiu com medo de que ele se ferisse. Então, passou a concentrar seus esforços na carreira de ator. Já em Hollywood, ele conseguiu alguns papéis de menor expressão, enquanto trabalhava como guarda-costas de atores famosos como Will Smith e Martin Lawrence, aproveitando-se de seu porte físico avantajado.

Em 1998, conseguiu seu primeiro papel numa grande produção através do diretor Michael Bay em Armageddon (1998). Ao lado de nomes consagrados como Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck e Bruce Willis. Aliás, este último foi quem o recomendou ao diretor Frank Darabont para o papel de sua vida: John Coffey. Para aqueles que viram À Espera de um Milagre, testemunharam um daqueles casos raros do ator nascer para viver aquele personagem. Michael Clarke Duncan criou uma aura de mistério através de expressões fechadas e frias, além de gestos e sotaque que indicavam algo diferente na vida daquele personagem, criado pelo escritor Stephen King, e que em algumas análises críticas, foi comparado a Jesus por sua jornada milagrosa. John Coffey poderia ser apenas uma figura estranha no filme, mas Duncan imprime carisma para que o público torça por ele enquanto aguarda por sua sentença de morte e isso faz toda a diferença. Seu personagem e sua interpretação são a alma do filme que conquistou inúmeros fãs mundo afora.

Michael Clarke Duncan como John Coffey em À Espera de um Milagre, ao lado de Tom Hanks. Atuação merecidamente indicada ao Oscar.

Felizmente, a Academia reconheceu seu talento e o indicou a Melhor Ator Coadjuvante: uma vitória descomunal em sua curta carreira. Dividiu a lista de indicados com nomes de peso: Tom Cruise (Magnólia), o menino Haley Joel Osment (O Sexto Sentido), Jude Law (O Talentoso Ripley) e Michael Caine (Regras da Vida), que saiu vencedor naquela noite com um belo e humilde discurso que elogia todos os atores de sua categoria com um refinado humor britânico. Por sua performance, Michael Clarke Duncan também foi indicado ao Globo de Ouro, SAG Award e até ator revelação no MTV Movie Award.

Depois do sucesso no Oscar, propostas não lhe faltaram. Voltou a atuar ao lado de Bruce Willis em mais 3 produções: À Beira da Loucura (Breakfast of Champions, 1999), Meu Vizinho Mafioso (The Whole Nine Yards, 2000) e Sin City – A Cidade do Pecado (Sin City, 2005). Atuou como vilão na refilmagem de Tim Burton de O Planeta dos Macacos (2001), na adaptação dos quadrinhos Demolidor – O Homem Sem Medo (2003) como o Rei do Crime, e em O Escorpião Rei (2002) ao lado de Dwayne Johnson (The Rock).

Dentre seus trabalhos mais destacados nos últimos anos, fez trabalho de dublagem em Cães e Gatos – A Vingança de Kitty Galore (2010) e Kung Fu Panda (2008).

Fora dos holofotes, Clarke servia como porta-voz de algumas causas nobres. No começo deste ano, ele apareceu num vídeo defendendo a PETA, organização dos direitos dos animais, relatando que se sentia bem melhor depois que se tornou vegetariano três anos antes.

Em depoimento, o diretor de À Espera de um Milagre, Frank Darabont, lembrou da experiência de trabalho e convivência: “Estou devastado com a perda de Michael Clarke Duncan, uma das melhores pessoas com quem tive o privilégio de trabalhar ou conhecer. Michael era a mais gentil das almas – um exemplo de decência, integridade e gentileza. Nossa experiência em fazer À Espera de um Milagre juntos foi imersiva e incrível, uma jornada única na vida. O que mais me recordo era a devoção ao seu ofício e os avanços que ele fez como artista durante aquele tempo, que era mais do que inspiradora para nós que compartilhamos a mesma jornada com ele. Michael nos deixou cedo demais. Perdemos um grande homem e um grande espírito hoje. Meus pensamentos e condolências vão para a noiva dele Omarosa e sua família”. 

Em inglês (In English):

It is with great sadness that I report the death of another Hollywood actor: Michael Clarke Duncan, known for his role in The Green Mile (1999). I don’t know if there’s something strange going on the U.S., but recently I have reported too many deaths: Nora Ephron, Marvin Hamlisch, Tony Scott and let’s not forget the Colorado movie theater tragedy. According to reports from his bride, the actor passed away on this monday, September the 3rd, at Cedars Sinai Medical Center in Los Angeles. On July 13, he suffered a stroke from which he never fully recovered. He spent the last two months in hospital but did not resist.

Michael was born in Chicago and wanted to be a football player, but his mother didn’t allow cause she was afraid that he could get injured. So, he began to concentrate his efforts on acting career. In Hollywood, he got some minor roles while working as a bodyguard for famous actors like Will Smith and Martin Lawrence.

In 1998, he got his first role in a major production by director Michael Bay on Armageddon (1998), alongside established names like Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck and Bruce Willis. Indeed, the latter was the one who recommended him to director Frank Darabont for the role of his life: John Coffey. For those who have seen The Green Mile, witnessed one of those rare cases of an actor born to live the character. Michael Clarke Duncan has created an aura of mystery through cold and closed expressions, and gestures and accent that indicated something different in the life of that character, created by writer Stephen King, and that in some critical analysis, was compared to Jesus for his miraculous journey . John Coffey could be just a strange figure in the film, but Duncan prints charisma to the audience to root for him as he awaits his death sentence and that makes all the difference. His character and his interpretation are the true soul of the film that won countless fans worldwide.

Fortunately, the Academy recognized his talent and nominated him as Best Supporting Actor: a huge victory in his short career. He shared the company of nominees: Tom Cruise (Magnolia), the kid Haley Joel Osment (The Sixth Sense), Jude Law (The Talented Mr. Ripley) and Michael Caine (The Cider House Rules), who won the award and made a beautiful and humble speech that praised all actors with a refined British humor. For her performance, Michael Clarke Duncan was also nominated for a Golden Globe, SAG Award and even breakthrough performance at the MTV Movie Award.

After the success at the Oscars, many roles were offered. He chose to return to star alongside Bruce Willis in 3 productions: Breakfast of Champions (1999), The Whole Nine Yards (2000) and Sin City (2005). Acted as a villain in Tim Burton’s remake of Planet of the Apes (2001), the adaptation of the comic Daredevil (2003) as the Kingpin, and The Scorpion King (2002) alongside Dwayne Johnson (The Rock).

Most recently, he did voice work in Cats and Dogs – The Revenge of Kitty Galore (2010) and Kung Fu Panda (2008).

Behind the spotlight, Clarke served as spokesman for some noble causes. Earlier this year, he appeared in a video defending PETA, the animal rights organization, reporting that he felt much better after he became vegetarian three years ago.

In a statement, the director of  The Green Mile, Frank Darabont, recalled the experience of working together: “I’m devastated at the loss of Michael Clarke Duncan, one of the finest people I’ve ever had the privilege to work with or know. Michael was the gentlest of souls—an exemplar of decency, integrity, and kindness. Our experience making The Green Mile together was immersive and incredible, a once-in-a-lifetime journey. What sticks most in my mind was his devotion to his craft and the strides he made as an artist during that time, which was beyond inspiring to those of us who took the journey with him. Michael has left us far, far too soon. We lost a great man and a great spirit today. My thoughts and condolences goout to his fiancée Omarosa and to his family”.