Indicações ao Globo de Ouro 2013

Globo de Ouro 2013

Globo de Ouro 2013

As indicações foram anunciadas na manhã desta quinta-feira, dia 13 de dezembro. Este ano, o recordista de indicações é o novo trabalho de Steven Spielberg, Lincoln, com sete. Em seguida, Argo e Django Livre figuram com cinco cada.

Dentre os 10 filmes indicados nas categorias de Melhor Filme, a maior surpresa foi a inclusão de Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen), que ainda conta com as indicações de seus atores Ewan McGregor e Emily Blunt.

Seguem as indicações para cinema, e em seguida, uma análise por categoria:

MELHOR FILME – DRAMA

Argo (Argo)

Django Livre (Django Unchained)

As Aventuras de Pi (Life of Pi)

Lincoln

A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)

* A inclusão do western de Quentin Tarantino aconteceu por causa de uma exibição de última hora, mas mesmo assim conseguiu cinco indicações, entre elas a de Melhor Filme – Drama e Melhor Diretor. As ausências mais sentidas são de The Master, de Paul Thomas Anderson, e O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, de Peter Jackson. Enquanto o primeiro pode ter chateado alguns artistas seguidores da Cientologia, como Tom Cruise, o segundo apresenta uma nova tecnologia de 48 quadros por segundo que dá uma sensação de hiper-realidade, que pode ter desagradado alguns críticos. Pelo número de indicações, Lincoln parece ser o favorito, mas Argo e Django Livre podem surpreender.

Cena com Christoph Waltz e Jamie Foxx de Django Livre, de Quentin Tarantino.

Cena com Christoph Waltz e Jamie Foxx de Django Livre, de Quentin Tarantino (foto por beyondhollywood.com)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

O Exótico Hotel Marigold (The Best Exotic Marigold Hotel)

Les Misérables

Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)

Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen)

O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

* A briga está entre Moonrise Kingdom e O Lado Bom da Vida, com boa vantagem para o último por causa da direção de David O. Russell e o par central de atores, Bradley Cooper e Jennifer Lawrence. Moonrise Kingdom é um belo filme, mas como não emplacou nenhuma indicação nas categorias de atuação e seu diretor sequer foi reconhecido, sua vitória deve ficar mais improvável.

Emily Blunt e Ewan McGregor em cena romântica de Amor Impossível. Ambos foram indicados nas categorias de atuação (foto por OutNow.CH)

Emily Blunt e Ewan McGregor em cena romântica de Amor Impossível. Ambos foram indicados nas categorias de atuação (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR – DRAMA

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

Richard Gere (A Negociação)

John Hawkes (The Sessions)

Joaquin Phoenix (The Master)

Denzel Washington (Flight)

* Ao ver essa lista, quem tem jeito de que vai levar o Globo de Ouro? Se você apostou em Daniel Day-Lewis, já tem 50% de chance de acertar. Apesar da entrevista polêmica se desfazendo da temporada de premiação, Joaquin Phoenix seria o segundo nessa corrida. A indicação de Richard Gere é a grande novidade na categoria. Ele já havia ganhado um Globo de Ouro por Chicago em 2003.

Richard Gere em A Negociação (foto por OutNow.CH)

Richard Gere em A Negociação (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Marion Cotillard (Ferrugem e Osso)

Helen Mirren (Hitchcock)

Naomi Watts (O Impossível)

Rachel Weisz (The Deep Blue Sea)

* Sem a veterana Emmanuelle Riva, a revelação-mirim Quvenzhané Wallis e por pertencer à categoria de comédia Jennifer Lawrence, a disputa aqui parece estar mais aberta, com ligeira vantagem para Jessica Chastain (que venceu o National Board of Review) e Rachel Weisz (que levou o NYFCC).

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso. Sim, ela está sem a parte de baixo das pernas através de ótimo efeitos visuais.

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso. Sim, ela está sem a parte de baixo das pernas através de ótimo efeitos visuais (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Jack Black (Bernie)

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Hugh Jackman (Les Misérables)

Ewan McGregor (Amor Impossível)

Bill Murray (Hyde Park on Hudson)

* Não se espante ao ver Jack Black na categoria. Além de ser um bom ator-comediante quando ele quer, já foi indicado pelo mesmo prêmio em 2004 pelo filme Escola de Rock. Curiosamente, ele enfrenta Bill Murray novamente, que havia vencido então por Encontros e Desencontros. Mas a presença de Ewan McGregor também surpreendeu, ainda mais pelo filme pelo qual foi reconhecido, pois todos esperavam O Impossível. O vencedor deve ficar entre Bradley Cooper (venceu o National Board of Review) e Hugh Jackman… bem, porque os críticos gostam de musicais, ainda mais com esse one-man-show!

Jack Black, o catador de viúvas em Bernie (foto por Cinemagia.ro)

Jack Black, o catador de viúvas em Bernie (foto por Cinemagia.ro)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Emily Blunt (Amor Impossível)

Judi Dench (O Exótico Hotel Marigold)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Maggie Smith (Quartet)

Meryl Streep (Um Divã Para Dois)

* O que eu digo toda vez? Sobrou uma vaga? Coloquem a Meryl Streep pra concorrer! Mas brincadeiras à parte, Streep está fabulosa e carismática como sempre em Um Divã Para Dois, vivendo aquela mulher que, estagnada no casamento, decide tomar uma atitude para salvá-lo. Apesar da presença das veteranas como a própria Meryl, temos Judi Dench e Maggie Smith, a jovem Jennifer Lawrence deve ficar com o prêmio, que estaria inclusa sua participação em Jogos Vorazes. Como não faço idéia de como está Emily Blunt em Amor Impossível, considero sua indicação uma surpresa.

Meryl Streep e a banana em Um Divã Para Dois. O carisma da atriz fascina o público (foto por OutNow.CH)

Meryl Streep e a banana em Um Divã Para Dois. O carisma da atriz fascina o público (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Leonardo DiCaprio (Django Livre)

Philip Seymour Hoffman (The Master)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

Christoph Waltz (Django Livre)

* Com a exclusão de Matthew McConaughey, que estava ganhando quase todos os prêmios da crítica por Magic Mike, e Robert De Niro por O Lado Bom da Vida, Leonardo DiCaprio e Philip Seymour Hoffman saem na frente. Mas a briga esquentou depois que Christoph Waltz entrou. Em nova parceria de sucesso com o diretor Quentin Tarantino, o ator austríaco volta a se destacar em papel de coadjuvante. Outra ausência notada foi a de Javier Bardem por 007 – Operação Skyfall. A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood não foi tanto na onda de sucesso do filme de Bond.

Christoph Waltz em Django Livre. Supresa agradável. (foto por OutNow.CH)

Christoph Waltz em Django Livre. Supresa agradável. (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Amy Adams (The Master)

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Les Misérables)

Helen Hunt (The Sessions)

Nicole Kidman (The Paperboy)

* Nicole Kidman tem sido tratada como zebra total na categoria. Depois de roubar o lugar de Amy Adams no SAG Awards, ela descarta Ann Dowd por Compliance ou Maggie Smith em O Exótico Hotel Marigold. Não duvido nada ela subir o palco pra receber o prêmio! Mas por enquanto, a casa de apostas fica entre Sally Field, Anne Hathaway e Amy Adams.

De recatada na vida real para putinha na ficção, Nicole Kidman agrada a crítica em The Paperboy (foto por OutNow.CH)

De recatada na vida real para putinha na ficção, Nicole Kidman agrada a crítica em The Paperboy (foto por OutNow.CH)

MELHOR DIRETOR

Ben Affleck (Argo)

Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Steven Spileberg (Lincoln)

Quentin Tarantino (Django Livre)

* Curiosamente, todos os diretores indicados são os mesmos dos filmes indicados a Melhor Filme – Drama, ou seja, nada de comédia ou musical por aqui. Assim, Tom Hooper, que comandou o elaborado musical baseado em Victor Hugo, e David O. Russell, que vem coletando ótimos elogios pela direção de atores e ainda resgatou o brilho de Robert De Niro, ficaram de fora. Como vi em anos anteriores, os críticos poderiam abrir novas exceções e indicar pelo menos mais um diretor. Independente disso, a disputa aqui está bastante acirrada. Temos quatro diretores muito experientes, com destaque para Spielberg e Bigelow, que foi a primeira mulher a ganhar o Oscar de direção, com a revelação Ben Affleck, que em seu terceiro filme na cadeira de diretor, já conquistou a crítica e o público com Argo.

Ben Affleck na câmera e dirigindo seu terceiro filme, Argo (foto por beyondholywood.com)

Ben Affleck na câmera e dirigindo seu terceiro filme, Argo (foto por beyondholywood.com)

MELHOR ROTEIRO

Chris Terrio (Argo)

Quentin Tarantino (Django Livre)

Tony Kushner (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

Mark Boal (A Hora Mais Escura)

* Com sua ausência na categoria de diretor, David O. Russell deve figurar como franco-favorito por O Lado Bom da Vida. Mas Chris Terrio e Mark Boal fizeram um ótimo trabalho casos verídicos que se passaram no Oriente Médio, em épocas diferentes. Tarantino também entraria bem na briga na tentativa de compensá-lo numa possível derrota como diretor.

Chris Terrio na estréia de Argo (foto por zimbio.com)

Chris Terrio na estréia de Argo (foto por zimbio.com)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Dario Marianelli (Anna Karenina)

Alexandre Desplat (Argo)

Reinhold Heil, Johnny Klimek, Tom Tykwer (A Viagem)

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

John Williams (Lincoln)

* Como discutido no post anterior sobre as 104 trilhas musicais pré-selecionadas para o Oscar, Alexandre Desplat tinha três obras com possibilidade de indicação, então acredito que ele sai na frente por Argo. Mas quando se tem o veteraníssimo John Williams, o favorito tem que passar sobre ele primeiro. Fiquei feliz pela indicação de Mychael Danna, que vinha criando ótimos arranjos desde Pequena Miss Sunshine, mas nunca era lembrado pela crítica. Espero que ele tenha boas chances no Oscar também.

O compositor Mychael Danna, que concorre por As Aventuras de Pi (foto por celebslist.com)

O compositor Mychael Danna, que concorre por As Aventuras de Pi (foto por celebslist.com)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“For You“, de Monty Powell, Keith Urban (Ato de Valor)

“Safe and Sound”, de Taylor Swift, John Paul White, Joy Williams, T-Bone Burnett (Jogos Vorazes)

“Suddenly“, de Claude-Michel Schönberg, Alain Boublil, Herbert Kretzmer (Les Misérables)

“Skyfall”, de Adele, Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

“Not Running Anymore”, de Jon Bon Jovi (Stand Up Guys)

* Embora haja nomes conhecidos no cenário musical como Jon Bon Jovi, Keith Urban (marido de Nicole Kidman) e a princesinha do country Taylor Swift, o aniversário de 50 anos de James Bond + a nova diva Adele = Globo de Ouro. A música tema de 007 – Operação Skyfall já virou até hit nas paradas brasileiras! E que venha o primeiro Oscar da série na categoria!

Adele e 007 - Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

Adele e 007 – Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave)

Frankenweenie (Frankenweenie)

Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania)

A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians)

Detona Ralph (Wreck-It Ralph)

* Confesso que fiquei um pouco desapontado pela total ausência de trabalhos mais autorais e estrangeiros na categoria de animação. Só pra se ter uma idéia, três dos cinco indicados são da Disney: Valente, Frankenweenie e Detona Ralph. Claro que se a produtora fez por merecer, nada mais justo, mas aí vem a questão: “Será que não tinha nenhum outro trabalho melhor do que esses?” O Globo de Ouro deve ficar entre um dos três citados. Resta saber se será Frankenweenie, de Tim Burton, ou Detona Ralph, de Rich Moore.

Título de Detona Ralph, produto da Disney que vem agradando o público (foto por gentlemenbehold.wordpress.com)

Título de Detona Ralph, produto da Disney que vem agradando o público (foto por gentlemenbehold.wordpress.com)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amour, de Michael Haneke (Áustria)

Kon-Tiki, de Joachim Rønning, Espen Sandberg (Reino Unido/ Noruega/ Dinamarca)

Intocáveis, de Olivier Nakache, Eric Toledano (França)

O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)

Ferrugem e Osso, de Jacques Audiard (França)

* Mesmo que as regras do Globo de Ouro não sejam tão rígidas como as da Academia de poder haver apenas um representante por país, não houve surpresas este ano. Amour, de Michael Haneke, deve levar o prêmio, até mesmo para compensá-lo da exclusão total de outras categorias, como ator e atriz. Mas os franceses Intocáveis (a segunda maior bilheteria da França) e Ferrugem e Osso (que conta com o prestígio de Jacques Audiard e a atriz Marion Cotillard) vêm logo atrás, prontos para darem o bote.

Mesmo não sendo um dos favoritos, A Royal Affair é um belo filme e interessante. A imagem acima fala por si própria... (foto por OutNow.CH)

Mesmo não sendo um dos favoritos, O Amante da Rainha é um belo filme e interessante. A imagem acima fala por si própria… (foto por OutNow.CH)

A 70ª cerimônia do Globo de Ouro deve ser transmitida pelo canal TNT no dia 13 de janeiro de 2013, três dias após as indicações ao Oscar.

Anúncios

104 Trilhas musicais pré-selecionadas para o Oscar 2013

O compositor e maestro John Williams conduz sua orquestra

O compositor e maestro John Williams conduz sua orquestra

Se você achava que 71 filmes estrangeiros disputando 5 vagas era um concorrência acirrada, o que dizer então das 104 trilhas musicais que foram pré-selecionadas para o Oscar?

Claro que alguns nomes dessa extensa lista são figurinhas carimbadas da Academia como é o caso de John Williams, o recordista de indicações com “apenas” 47. Ele tem praticamente uma cadeira cativa na Academia. Não tem quem preencher a última indicação? Chama o John Williams! Pode soar exagero, mas apesar da idade avançada, o compositor de tantos sucessos como Star Wars e Tubarão, continua dando um baile em muitos profissionais de renome da área.

Em termos de chances, alguns compositores previamente indicados ao Oscar estão na frente pela quantidade de trabalhos incluídos nessa lista. O artista que mais aparece é Danny Elfman, com suas cinco trilhas: Sombras da Noite, Frankenweenie, Hitchcock, Homens de Preto 3 e Promised Land. Ao todo, foi indicado quatro vezes ao Oscar por Homens de Preto, Gênio Indomável em 1998, Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas em 2004, e Milk – A Voz da Igualdade em 2009, mas nunca levou a estatueta.

O compositor francês Alexandre Desplat: 3 chances de concorrer ao Oscar

O compositor francês Alexandre Desplat: 3 chances de concorrer ao Oscar

Seguindo o mesmo jejum, o ótimo compositor francês Alexandre Desplat também teve quatro chances no Oscar: Em 2007, por A Rainha, em 2009, por O Curioso Caso de Benjamin Button, e nos dois anos seguintes por O Fantástico Sr. Raposo e O Discurso do Rei nessa ordem. Este ano, eles possui três trabalhos na lista: Argo, a animação A Origem dos Guardiões e o filme bélico Zero Dark Thirty. Acredito que sua maior chance reside no filme de Kathryn Bigelow.

Claro que, apesar de terem apenas um trabalho na lista, vale ressaltar o peso do nome do argentino Gustavo Santaolalla pelo road-movie de Walter Salles, Na Estrada. Em suas duas únicas indicações ao Oscar, Santaolalla conseguiu 100% de aproveitamento pelas belíssimas trilhas musicais de O Segredo de Brokeback Mountain e Babel. Seguramente, não há melhor compositor que explore o violão como ele, e acrescente um tempero latino aos filmes que empresta sua música.

O argentino Gustavo Santaolalla e seu violão. Terceira indicação por Na Estrada?

O argentino Gustavo Santaolalla e seu violão. Terceira indicação por Na Estrada?

Nas mesmas condições de ter um trabalho, o italiano Dario Marianelli volta com uma nova parceria com o diretor Joe Wright pelo romance de época Anna Karenina. Ele concorreu duas vezes por Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, vencendo pelo último com um interessante arranjo feito pelo ruído das máquinas de escrever, explorando conceito da história. E também incluo o compositor Jonny Greenwood, que trabalhou pela segunda vez com o diretor Paul Thomas Anderson no The Master. Greenwood é mais conhecido por ser guitarrista do grupo musical Radiohead, mas já ganhou inúmeros prêmios e elogios pela trilha intensa de Sangue Negro (2007).

Ok, sem mais delongas, eis as 104 trilhas pré-selecionadas para o Oscar 2013:

Abraham Lincoln: O Caçador de Vampiros (Abraham Lincoln: Vampire Hunter), por Henry Jackman
After the Wizard, por Stephen Main
A Sombra do Inimigo (Alex Cross), por John Debney e Sebastian Morton
O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man), por James Horner
Anna Karenina, por Dario Marianelli
Argo (Argo), por Alexandre Desplat
Battleship – A Batalha dos Mares (Battleship), por Steve Jablonsky
The Bay, por Marcelo Zarvos
Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild), por Dan Romer e Benh Zeitlin
Being Flynn, por Damon Gough
O Exótico Hotel Marigold (The Best Exotic Marigold Hotel), por Thomas Newman
O Grande Milagre (Big Miracle), por Cliff Eidelman
Booker’s Place: A Mississippi Story, por David Cieri

Valente (Brave), por Patrick Doyle
Brooklyn Castle, por B. Satz
Chasing Ice, por J. Ralph
Chasing Mavericks, por Chad Fischer
Frango com Ameixas (Chicken With Plums), por Olivier Bernet
Chimpanzé (Chimpanzee), por Nicholas Hooper
A Viagem (Cloud Atlas), por Reinhold Heil e Johnny Klimek
Compliance, por Heather McIntosh
Contrabando (Contraband), por Clinton Shorter
Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises), por Hans Zimmer
Sombras da Noite (Dark Shadows), por Danny Elfman
Querido Companheiro (Darling Companion), por James Newton Howard
A Fuga (Deadfall), por Marco Beltrami e Buck Sanders
O Ditador (The Dictator), por Erran Baron Cohen
O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida (Dr. Seuss’ The Lorax), por John Powell
Marcados Para Morrer (End of Watch), por David Sardy
Ethel, por Miriam Cutler
Flight, por Alan Silvestri
For a Good Time, Call…, por John Swihart
For Greater Glory: The True Story of Cristiada, por James Horner
Frankenweenie (Frankenweenie), por Danny Elfman
Fun Size, por Deborah Lurie
Girl in Progress, por Christopher Lennertz
A Perseguição (The Grey), por Marc Streitenfeld
The Guilt Trip, por Christophe Beck
Hidden Moon, por Luis Bacalov
Hitchcock, por Danny Elfman
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (Hobbit: An Unexpected Journey), por Howard Shore
Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania), por Mark Mothersbaugh
A Última Casa da Rua (House at the End of the Street, por Theo Green
Jogos Vorazes (The Hunger Games), por James Newton Howard
Hyde Park on Hudson, por Jeremy Sams
A Era do Gelo 4 (Ice Age Continental Drift), por John Powell
O Impossível (The Impossible), por Fernando Velázquez
Jack Reacher, por Joe Kraemer
John Carter – Entre Dois Mundos (John Carter), por Michael Giacchino
Viagem 2: A Ilha Misteriosa (Journey 2: The Mysterious Island), por Andrew Lockington
Os Infratores (Lawless), por Nick Cave e Warren Ellis
As Aventuras de Pi (Life of Pi), por Mychael Danna
Lincoln, por John Williams
Lola Versus, por Will Bates e Philip Mossman
Looper: Assassinos do Futuro (Looper), por Nathan Johnson
Um Homem de Sorte (The Lucky One), por Mark Isham
LUV, por Nuno Malo
The Man with the Iron Fists, por RZA e Howard Drossin
Os Vingadores (Marvel’s The Avengers), Alan Silvestri
The Master, por Jonny Greenwood
Homens de Preto 3 (Men in Black 3), por Danny Elfman
Middle of Nowhere, por Kathryn Bostic
Espelho, Espelho Meu (Mirror, Mirror), por Alan Menken
A Estranha Vida de Timothy Green (The Odd Life of Timothy Green, por Geoff Zanelli
Na Estrada (On the Road), por Gustavo Santaolalla
The Pardon, por Ashley Irwin
Parental Guidance, por Marc Shaiman
People Like Us, por A.R. Rahman
Possessão (The Possession), por Anton Sanko
Prometheus (Prometheus), por Marc Streitenfeld
Promised Land, por Danny Elfman
Operação Invasão (The Raid: Redemption), por Mike Shinoda e Joseph Trapanese
Red Tails, por Terence Blanchard
A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians), por Alexandre Desplat
Ruby Sparks – A Namorada Perfeita (Ruby Sparks), por Nick Urata
Protegendo o Inimigo (Safe House), por Ramin Djawadi
Safety Not Guaranteed, por Ryan Miller
Saint Dracula, por Sreevalsan J. Menon
Selvagens (Savages), por Adam Peters
Procura-se um Amigo Para o Fim do Mundo (Seeking a Friend for the End of the World), por Rob Simonsen e Jonathan Sadoff
The Sessions, por Marco Beltrami
A Entidade (Sinister), por Christopher Young
007 – Operação Skyfall (Skyfall), por Thomas Newman
Smashed, por Eric D. Johnson e Andy Cabic
Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman), por James Newton Howard
Busca Implacável 2 (Taken 2), por Nathaniel Mechaly
Ted (Ted), por Walter Murphy
Pense Como Eles (Think Like a Man), por Christopher Lennertz
Guerra é Guerra (This Means War), por Christophe Beck
As Mil Palavras (A Thousand Words), por John Debney
Os Três Patetas (The Three Stooges), por John Debney
Trashed, por Vangelis
Curvas da Vida (The Trouble With the Curve), por Marco Beltrami
Anjos da Lei (21 Jump Street), por Mark Mothersbaugh
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2 (The Twilight Saga: Breaking Dawn – Part 2), por Carter Burwell
Until They Are Home, por Jamie Dunlap
War of the Worlds The True Story, por Jamie Hall
Vizinhos Imediatos de 3º Grau (The Watch), por Christophe Beck
West of Memphis, por Nick Cave e Warren Ellis
E Agora Onde Vamos? (Where Do We Go Now?), por Khaled Mouzanar
Won’t Back Down, por Marcelo Zarvos
As Palavras (The Words), por Marcelo Zarvos
Detona Ralph (Wreck-It Ralph), por Henry Jackman
Zero Dark Thirty, por Alexandre Desplat

Hans Zimmer e James Newton Howard quando fizeram a trilha de Batman: O Cavaleiro das Trevas

Hans Zimmer e James Newton Howard quando fizeram a trilha de Batman: O Cavaleiro das Trevas

À principio, meu palpite é o seguinte:

– Danny Elfman (Frankenweenie)

– Howard Shore (O Hobbit – Uma Jornada Inesperada)

– John Williams (Lincoln)

– Jonny Greenwood (The Master)

– Alexandre Desplat (Zero Dark Thirty)