Em noite de lambança histórica, ‘MOONLIGHT’ tira o Oscar de ‘LA LA LAND’

moonlight-mistake-la-la-land-oscars-2017-4c9f107a-c74f-4680-91fd-44a0df7cd59c

O produtor de La La Land, Jordan Horowitz, revela o real conteúdo do envelope: “Moonlight”. Warren Beatty e Jimmy Kimmel com sorrisos amarelos e já com dor de cabeça…

GAFE HISTÓRICA TERIA SE ORIGINADO EM TROCA DE ENVELOPES

Em 89 anos de história e há 20 anos que acompanho o Oscar, nunca vi uma lambança que nem essa que aconteceu na entrega de Melhor Filme. No final da cerimônia, o casal Faye Dunaway e Warren Beatty, que estava celebrando 50 anos do clássico Bonnie & Clyde (1967), revelou La La Land como o grande vencedor da noite, mas alguém do evento avisou que o resultado era outro, e o próprio produtor de La La Land corrigiu o erro ao vivo, repassando o Oscar para Moonlight. Logo em seguida, Warren Beatty contou que seu envelope estava escrito “Emma Stone (La La Land)”, que Dunaway leu sem restrição alguma. Jamais esperei esse erro por parte da Academia… Foi Momento Miss Universo no Oscar! Tanto que Jimmy Kimmel até brinca: “Eu particularmente culpo Steve Harvey por isso!”

oscar-moonlight-4000

Os produtores Jeremy Kleiner, Adele Romanski e Barry Jenkins posam com as estatuetas por Moonlight (pic by theguardian.com.uk)

Enfim, parabéns pela humildade do produtor Jordan Horowitz e para a equipe de Moonlight. Ainda estou chocado com a gafe e acredito que ela ainda vai render por vários anos até teorias conspiratórias… Não concordo com esse prêmio, mas entendo as pessoas que gostaram e se emocionaram com o filme de Barry Jenkins, assim como entendo o recado que a Academia quis dar em relação às críticas racistas e ao próprio presidente Donald Trump e sua política extremista. Moonlight também levou os Oscars de Roteiro Adaptado e Ator Coadjuvante para Mahershala Ali.

Pra quem quiser ver ou rever a cena:

Faye Dunaway e Warren Beatty lêem errado e Moonlight leva Melhor Filme

De uma forma geral, felizmente, os vencedores foram mais imprevisíveis. Além da já citada categoria de Melhor Filme, dá pra citar Montagem e Som para Até o Último Homem, Maquiagem para Esquadrão Suicida, Figurino para Animais Fantásticos e Filme em Língua Estrangeira para o iraniano O Apartamento. O campeão de indicações desta edição, La La Land, ficou com seis estatuetas. Por mais que eu tenha gostado de um filme, acho mais bacana quando a Academia pulveriza seus prêmios com mais filmes do que acumular um monte para apenas um filme, pois além de reconhecer mais trabalhos, dá a chance de eles serem mais vistos pelo simples fato de terem ganhado um Oscar.

Desse modo, a premiação de Efeitos Sonoros para A Chegada foi excepcional. Por se tratar de uma ficção científica moderna, precisava ser reconhecida pela Academia de alguma forma. Embora tenha sido premiado apenas numa categoria menor, o filme de Denis Villeneuve pode render mais projeção.

A CERIMÔNIA

Host pela primeira vez, Jimmy Kimmel procurou ser autêntico, mas acredito que ele buscou referências bem-sucedidas como Ellen DeGeneres. Os organizadores trouxeram um grupo de excursão para dentro do Dolby Theater durante a cerimônia do Oscar para gerar uma surpresa. Foi uma idéia diferente, mas ficou bem borocoxô. Quem sabe se fossem crianças ou estudantes de cinema… cinéfilos, sei lá. Kimmel não parecia ter roteiro algum pra situação e por isso, a atração não teve o impacto desejado. E ficou mais com cara de que pareciam atores encenando surpresa, então perdeu a autenticidade do negócio. Tentaram reproduzir aquele momento do entregador de pizzas de 2014 com a Ellen DeGeneres, mas sem o mesmo brilho da apresentadora.

oscar-excursion-3161

Excursão para o Oscar: não funcionou na prática

Engraçado que eles gastaram um baita tempão para esse quadro, cerca de uns 4 minutos?, mas não podiam gastar 30 segundos para trazer os homenageados do Oscar Honorário para o palco e receber uma salva de palmas. Eles tiveram que se contentar com o camarote na lateral.

Jimmy Kimmel também pecou no excesso de piadas com o ator Matt Damon, com quem tem uma relação de humor há onze anos, iniciada em seu próprio programa televisivo. Nesse dia, após um programa com uma série de erros, o host teria pedido desculpas ao final para Matt Damon. “Ele foi o primeiro nome que me veio à cabeça. Procurei pensar numa estrela de primeira grandeza, daquelas que nunca recusaríamos num programa…”, revelou Kimmel. Contudo, acertou ao postar ao vivo tweets para o presidente Donald Trump como: “Hey, Trump. U up? (Ei, Trump. Está acordado?) e, claro, suas tiradas no monólogo como “Não sei se é algo popular a se dizer, mas eu quero agradecer o presidente Trump. Quero dizer, vocês se lembram do ano passado em que o Oscar parecia ser racista?” e “Foi um ano excepcional para os filmes. Os negros salvaram a NASA e os brancos salvaram o jazz”.

Já a melhor coisa da noite foram as homenagens antes das apresentações. Começou com um videoclipe da atriz Charlize Theron reassistindo Se Meu Apartamento Falasse num cinema e falando bem do filme de Billy Wilder e principalmente de Shirley MacLaine, para logo em seguida, as duas surgirem no palco para apresentar uma categoria. Como Hollywood é feito por gerações de artistas, nada mais apropriado do que unir essas gerações no próprio Oscar.

As outras duas homenagens foram: de Seth Rogen para Michael J. Fox em De Volta Para o Futuro, e de Javier Bardem para Meryl Streep em As Pontes de Madison. Sou super a favor de fazerem isso mais vezes nos próximos anos, porque assim é possível saber o que um ator ou atriz tem a dizer sobre um filme ou performance cultuada e vê-lo(la) interagir com o artista em si.

seth rogen e michael j fox4745.jpg

Seth Rogen chega de DeLorean com Michael J. Fox no palco do Oscar

Também vale ressaltar outro videoclipe intitulado “Movies Around the World” (Filmes ao redor do mundo), no qual vemos vários estrangeiros falando sobre o papel dos filmes e o que eles significam para cada um, para depois citar favoritos. Acho bastante válido a Academia buscar essa interação com o resto do mundo, porque cinema sempre foi e sempre será uma linguagem universal. Só acho que deveriam também espalhar esse amor pelo resto do mundo ao expandir para 10 indicados o Oscar de Filme em Língua Estrangeira!! Nesse clipe, houve as participações do ator Lázaro Ramos (ue falou bem de O Poderoso Chefão e Faça a Coisa Certa) e de Seu Jorge, mas houve uma falha técnica e o TNT ficou fora do ar por quase 2 minutos.

IMPRESSÕES PESSOAIS

Já que Mahershala Ali praticamente ganhou o Oscar por causa de seu discurso de orgulho por ter raízes muçulmanas no SAG Awards, eu estava esperando um baita discurso nessa linha e que ele lançasse o primeiro ataque a Trump por bloquear a entrada de civis de países muçulmanos. Mas não foi isso que vimos…

Felizmente, Viola Davis salvou a noite com um belíssimo discurso. Não apenas pelas palavras, mas a mulher sabe dizê-las com poder! Ela dedica o prêmio ao dramaturgo August Wilson, autor de “Fences”, e agradece por trabalhar numa profissão que exalta a vida de pessoas comuns, com seus sonhos não-concretizados e paixões perdidas.

Pela categoria de Filme em Língua Estrangeira, com o anúncio de que o diretor Asghar Farhadi não compareceria ao Oscar por causa de Trump, muitos especialistas no assunto passaram a acreditar que ele ganharia, batendo o favorito alemão Toni Erdmann. Não sei quanto ao resultado, porque honestamente não vi o filme iraniano, mas independente da qualidade, o discurso do ausente Asghar Farhadi lido no palco foi fenomenal! Nele, Farhadi acredita que quando se divide o mundo entre nós e o inimigo, cria-se o medo. E, realmente, não é assim que se resolve o problema do terrorismo, Trump.

Em relação aos prêmios de música, John Legend cantou as duas canções de La La Land numa espécie de mix no lugar dos astros Ryan Gosling e Emma Stone, que tiveram receio de falhar ao vivo, já que não são cantores profissionais. Pra sorte deles, as canções já estavam praticamente com as mãos no prêmio, então a apresentação em si não iria interferir no resultado. Dentre as canções apresentadas, muito ponto positivo para Justin Timberlake que já entrou com tudo no teatro e colocou todo mundo pra dançar com sua performance de “Can’t Stop the Feeling”. Foi um jeito bem despojado de começar o Oscar! Já pela qualidade de canto, destaque para Auli’i Cravalho por sua linda voz ao cantar “How Far I’ll Go” de Moana.

Dos demais prêmios, embora preferia o roteiro de A Qualquer Custo, gostei da vitória de Kenneth Lonergan por Manchester à Beira-Mar, assim como a vitória de Casey Affleck como Melhor Ator. Pra mim, só faltou Isabelle Huppert ter levado Melhor Atriz, mas enfim era o ano de Emma Stone…

Actors Oscar 2017.jpg

Vencedores nas categorias de atuação: Mahershala Ali, Emma Stone, Viola Davis e Casey Affleck.

DETALHES DE ÚLTIMA HORA

Bom, como virei a noite pra poder finalizar o post sobre o Oscar, algumas coisas ficaram de fora, mas acho importante relatar aqui.

Primeiramente, sobre o incidente do envelope de Melhor Filme, foi uma pena. É nessas horas que a gente vê como um erro bobo pode arruinar toda uma cerimônia meticulosamente bem planejada. Ao pessoal de La La Land ficou uma sensação de ridículo, de humilhação pública, mas que foi muito bem contornada pelo produtor Jordan Horowitz que assumiu as rédeas num momento delicado para fazer justiça. Sim, o negócio poderia ficar bem mais feio. E mesmo com a vitória, o pessoal de Moonlight ficou com um peso estranho nas costas que acaba roubando o brilho do momento. O mesmo pode se dizer sobre a vitória de Emma Stone, porque na sala de imprensa, ela mais respondia perguntas sobre o paradeiro do envelope de Melhor Atriz (que foi indevidamente lido por Warren Beatty e Faye Dunaway) do que sobre sua gloriosa vitória.

Ainda sobre erros, a 89ª cerimônia do Oscar cometeu outra gafe, menos gritante que a da troca de envelope, mas não menos grave. Na costumeira homenagem In Memoriam aos artistas falecidos, quando o nome da figurinista Janet Patterson surge, a foto não é dela, mas de uma amiga e colaboradora chamada Jan Chapman, com quem trabalhou nos figurinos de O Piano (1993). Imaginem a reação da confundida! “Fiquei devastada com o uso de minha imagem no lugar de minha grande amiga e colaboradora de longa data Janet Patterson. Cobrei à agência uma foto dela que pudesse ser usada, mas fui informada de que a Academia já havia conseguido. Janet era muito bonita e foi indicada quatro vezes ao Oscar, então é muito frustrante que o erro não foi consertado a tempo. Estou viva, bem, e sou uma produtora em atividade.”

janet-patterson-obit-mistake

Trecho de videoclipe In Memoriam, em que a foto da produtora Jan Chapman aparece como sendo a figurinista Janet Patterson. GAFE!

Sobre as coisas que esqueci, faltou mencionar a primeira vitória do sound mixer Kevin O’Connell, que era considerado até ontem o maior perdedor do Oscar com 20 indicações sem nenhuma vitória. Ele venceu por sua 21ª indicação pelo filme Até o Último Homem, de Mel Gibson. Assim, ele finalmente passa a tocha de “loser” para outro artista, provavelmente, seu colega de área Greg P. Russell, que havia conquistado sua 17ª indicação, mas que foi revogada pela presidente da Academia por ter feito lobby. Entre outros recordistas de indicações sem vitória estão o compositor Thomas Newman (14 indicações) e o diretor de fotografia Roger Deakins (13 indicações).

kevin-oconnell-academy_awards_ap_2017

À esquerda, Kevin O’Connell ficou tão feliz com sua primeira vitória após 21 indicações que dominou o microfone, mesmo com três colaboradores ao lado

A vitória de Colleen Atwood por Animais Fantásticos e Onde Habitam na categoria de Figurino foi considerada uma surpresa, já que as apostas indicavam La La Land ou Jackie, portanto, os votos podem ter se dividido e dado espaço para Atwood. Com essa vitória, ela conquistou sua 4ª estatueta do Oscar, igualando-se à Milena Canonero como vice-campeã de vitórias no Oscar. A maior recordista de todos os tempos permanece a eterna Edith Head, que venceu oito vezes.

VENCEDORES DO 89th ACADEMY AWARDS:

MELHOR FILME
Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight)

MELHOR DIRETOR
Damien Chazelle (La La Land)

MELHOR ATOR
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ATRIZ
Emma Stone (La La Land)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Moonlight)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Um Limite Entre Nós)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins (Moonlight)

MELHOR FOTOGRAFIA
Linus Sandgren (La La Land)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
David Wasco, Sandy Reynolds-Wasco (La La Land)

MELHOR MONTAGEM
John Gilbert (Até o Último Homem)

MELHOR FIGURINO
Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini, Christopher Allen Nelson (Esquadrão Suicida)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Justin Hurwitz (La La Land)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“City of Stars”, de Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Paul (La La Land)

MELHOR SOM
Kevin O’Connell, Andy Wright, Robert Mackenzie, Peter Grace (Até o Último Homem)

MELHORES EFEITOS SONOROS
Sylvain Bellemare (A Chegada)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones, Dan Lemmon (Mogli: O Menino Lobo)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
O Apartamento, de Asghar Farhadi (IRÃ)

MELHOR ANIMAÇÃO
Zootopia, de Byron Howard e Ron Clements

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O.J.: Made in America, de Ezra Edelman

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
The White Helmets

MELHOR CURTA-METRAGEM
Mindenki

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
Piper

 

Anúncios

‘LA LA LAND’ lidera as indicações ao OSCAR 2017 com 14 indicações!

la-la-land-mit-ryan-gosling-und-emma-stone.jpg

Emma Stone e Ryan Gosling em cena de La La Land: ambos fora indicados ao Oscar (pic by moviepilot.de)

MUSICAL IGUALA RECORDE DE A MALVADA (1950) E TITANIC (1997)

OSCAR EM NÚMEROS

Vamos começar com o recordista La La Land, que conquistou 14 indicações ao Oscar: um recorde equivalente ao de A Malvada e Titanic. Já me adiantando um pouco, caso o musical de Damien Chazelle leve a partir de 12 estatuetas na cerimônia no dia 26 de fevereiro, será o grande recordista de vitórias no Oscar, ultrapassando os 11 Oscars de Ben-Hur, Titanic e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei. E embora Damien Chazelle não seja o mais jovem diretor indicado aos 32 anos (John Singleton tinha 23 quando foi indicado por Os Donos da Rua em 1991), se ganhar, ele se tornará o mais jovem diretor a conquistar a estatueta da categoria.

Bem lá atrás, empatados em segundo lugar com oito indicações cada vêm o drama Moonlight e a ficção científica A Chegada. Seguindo o script do BAFTA, o filme de alienígenas de Denis Villenueve tem se tornado um dos grandes competidores deste ano, conquistando inclusive sua primeira indicação de Diretor. Mas um dos grandes pilares da campanha, a atriz Amy Adams, não foi lembrada na categoria de Atriz.

Em seguida, compartilhando o terceiro lugar com seis indicações, estão Até o Último Homem, Lion e Manchester à Beira-Mar. Super importante ressaltar que Manchester foi produzido pela Amazon Studios também, o que o torna o pioneiro em serviço de streaming a receber uma indicação a Melhor Filme no Oscar.

Outro fato importante é que temos atores negros em todas as quatro categorias de atuação.  São sete atores negros entre vinte indicados: Ruth Negga, Denzel Washington, Viola Davis, Naomie Harris, Octavia Spencer, Mahershala Ali e Dev Patel, se o considerarmos como não-branco. Claro que houve um belo empurrãozinho da polêmica do ano passado do #OscarSoWhite, quando não houve nenhum ator negro pelo segundo ano consecutivo, mas todos os atores, sem exceção, estiveram presentes na temporada de premiação, ou seja, a Academia não trouxe nomes assim do nada.

Claro que essa polêmica racial ainda vai ser amplamente discutida ao longo desse próximo mês. Muitos inclusive já estão comentando da possível vitória de Moonlight sobre o franco-favorito La La Land como uma forma de resposta aos críticos da Academia pelo fato da diversidade. Já vi os dois filmes, e ambos são bons. Particularmente prefiro o musical por dialogar mais sobre sonhos de artista. Mas, de qualquer forma, eu espero sinceramente que não haja esse tipo de competição no quesito sócio-racial, mas apenas de Arte.

ANÚNCIO DAS INDICAÇÕES

Este ano, a Academia resolveu fazer nova alteração no anúncio dos indicados. Ao contrário dos anos anteriores, pela primeira vez, não houve transmissão num local físico. Via satélite pelos sites oscar.com e oscar.org, e pelo canal televisivo ABC (detentora dos direitos de transmissão da cerimônia do Oscar) pelo programa matinal Good Morning America, o anúncio foi misturado a um clipe de artistas previamente indicados ao Oscar com uma voz meio morna lendo os nomes indicados. À princípio, achei estranha essa combinação de clipe pré-gravado. Perdeu aquele frescor de anúncio ao vivo no palco.

Acredito que essa mudança tenha sido realizada para eliminar qualquer tipo de “ruído externo”, ou seja, torcida e ‘bafafás’ de jornalistas presentes durante o anúncio. No ano passado, por exemplo, eles urraram com o anúncio de Sylvester Stallone como Ator Coadjuvante, enquanto ficaram em silêncio absoluto com outros nomes como Matt Damon na categoria de Ator. Essa ausência de platéia elimina possíveis desconfortos para alguns indicados que não ganhariam uma única salva de palmas ou gritinhos.

No início, achei uma medida exagerada, mas depois me colocando no lugar do indicado, seria chato se depois de seu nome ser anunciado, o povo que tá gritando simplesmente ficasse calado! E fica uma coisa mais imparcial e profissional da Academia, e não um resultado de um paredão do Big Brother.

Para esta 89ª edição, a presidente Cheryl Boone Isaacs convocou uma gama diferente de apresentadores para auxiliá-la no anúncio: os atores Jennifer Hudson, Brie Larson, Ken Watanabe e Demián Bichir, e os diretores Jason Reitman (de Juno) e Guillermo del Toro (O Labirinto do Fauno).

Todas as 24 categorias foram anunciadas ao vivo.

SURPRESAS

Quando o nome de Mel Gibson foi anunciado na categoria de Direção, pensei: “A Academia, antro de judeus, finalmente teria perdoado o anti-semita Mel Gibson?”. Rusgas religiosas à parte, Até o Último Homem foi o grande filme de guerra de 2016 e o diretor tem larga experiência no gênero, já que ganhou o Oscar em 1996 pelo épico Coração Valente.

Mesmo não sendo exatamente uma surpresa, acho importante destacar a categoria de Atriz Coadjuvante, que este ano apresenta 3 candidatas negras: Viola Davis, Naomie Harris e Octavia Spencer. As outras são branquelas e loiras: Nicole Kidman e Michelle Williams. Olha o contraste! Agora, imagine o seguinte cenário: Com três atrizes negras no páreo, uma branca levar a estatueta! Aí que a casa cai de vez!  Poooor sorte, entre as negras está a franco-favorita Viola Davis, pela impecável performance em Cercas. Ela já venceu o Critics’ Choice e o Globo de Ouro, portanto, esse deve ser o Oscar mais certo da noite.

supp_actresses

Indicadas ao Oscar de Coadjuvante, da esquerda para a direita: Viola Davis, Nicole Kidman, Octavia Spencer, Michelle Williams e Naomie Harris (pic by GoldenGlobe)

Não vou ser um chato do tipo politicamente correto pra chegar agora e falar “E os atores latinos? E os atores asiáticos? E os indígenas? E a paz mundial??” porque a Arte não é isso. A Arte vem de qualquer lugar, de qualquer gênero, raça, religião, até mesmo de mentes criminosas. Se for pra exigir cotas como muitos na internet exigem como se fossem panfletários, teria que haver 50 indicados por categoria todo ano e aí ninguém iria aguentar o Oscar. Claro que eu acho bacana termos atores negros reconhecidos por seus trabalhos, mas não os enxergo como negros, mas atores que tiveram uma boa oportunidade de mostrar seu talento em projetos bem conceituados, e isso é isso que está faltando: projetos artísticos e oportunidades.

Outros nomes como Mike Mills (20th Century Women) foram surpresa na categoria de Roteiro Original, e de Thomas Newman (Passageiros) na de Trilha Musical. Ambos devem sair de mãos abanando, mas curiosamente, se confirmada sua derrota, esta será a 14ª derrota de Newman. Já na categoria de canção, a surpresa foi de “The Empty Chair” do documentário Jim: The James Foley Story. Claro que o nome do músico Sting ajuda, mas vale lembrar que esta é a terceira indicação do compositor J. Ralph.

Na categoria de maquiagem, a participação de Esquadrão Suicida não deixa de surpreender, já que a adaptação da DC Comics foi considerada uma das piores de 2016. Contudo, também vale ressaltar que a categoria de Maquiagem tem abrigado filmes ruins como Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha e Norbit.

AUSÊNCIAS

Indubitavelmente, a grande surpresa entre os indicados pra mim foi a exclusão de Amy Adams da categoria de Atriz. Acho que pensaram: “Ela é indicada todo ano e nunca ganha. Melhor ficar de fora pra não perder de novo e virar uma nova Deborah Kerr! (foi indicada 6 vezes, mas nunca levou o prêmio)”. Curiosamente, seu filme A Chegada conquistou uma série de indicações, e ela que vinha sendo indicada em todos os grandes prêmios, acabou morrendo na praia. Sei que muitos fãs dos filme vão ficar aborrecidos comigo, mas eu acho que ela não mereceu estar entre as indicadas este ano. É o que sempre digo sobre ela: Amy Adams precisa sair um pouco da zona de conforto e assumir papéis mais desafiadores. Mudar seu timbre de voz, mudar seu visual, seu jeito de andar etc. Talento ela tem, mas a Academia quer reconhecê-la por algo maior.

amy-adams-arrival

Amy Adams em cena de A Chegada. Sua ausência no Oscar foi uma das mais notáveis (photo by moviepilot.de)

Após uma trajetória de ausências na temporada de premiações, era esperado que o novo filme de Martin Scorsese ficasse praticamente de fora da cerimônia. Sua única indicação veio na forma de Melhor Fotografia para Rodrigo Prieto, que deve apenas fazer figuração na entrega dos prêmios. Como não vi ainda Silêncio, fica difícil entender os motivos do filme ter sido tão excluído. Mas uma das razões foi o erro de estratégia de lançamento atrasado, o que não permitiu os screeners para os votantes da Academia.

Um dos maiores injustiçados foi Animais Noturnos, que recebeu uma única indicação de Ator Coadjuvante para Michael Shannon. Cadê a indicação para Roteiro Adaptado para Tom Ford?? Em seu segundo filme, ele conquistou uma série de críticas positivas, seja como diretor ou como roteirista. Sua adaptação pode ter apresentado falhas, mas certamente foi um dos trabalhos mais estilizados de 2016. A Academia sai perdendo ao não convidar Ford para a festa. Havia uma divisão de votos na escolha do Ator Coadjuvante do filme. Enquanto no Globo de Ouro e BAFTA, optaram por Aaron Taylor-Johnson, a Academia preferiu  Michael Shannon, talvez numa tentativa de compensá-lo pela não-indicação no ano passado pelo drama 99 Casas. Considero a performance de Taylor-Johnson mais interessante por representar um lado sombrio da trama toda de Animais Noturnos. Já Shannon parece meio fadado a papéis “weirdos”.

tom-ford-animals

Tom Ford no set de Animais Noturnos, que recebeu uma única indicação para Michael Shannon (pic by joblo.com)

Apesar de se tratar de uma adaptação de quadrinhos, que a Academia não costuma gostar muito, achei que Deadpool entraria na lista, já que participou ativamente da temporada de premiações, tendo sido indicado inclusive para o Producers Guild (PGA). Suas maiores chances estavam nas categorias de Roteiro Adaptado e Maquiagem, mas ficou de fora por completo. Uma pena.

Entre outros ausentes da festa que estavam no burburinho destaque para Annette Bening (20th Century Women), Tom Hanks (Sully: O Herói do Rio Hudson), Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?) e animação da Pixar, Procurando Dory. Particularmente, senti a ausência de Ben Foster como coadjuvante em A Qualquer Custo. Ele rouba toda cena em que aparece.

MINHA TORCIDA

Olha, não sei o que será de Isabelle Huppert na cerimônia, mas certamente foi a indicação que mais me deixou feliz! Soltei um Uhuuulll daqui de casa! É tão bacana quando a Academia sai de seu clubinho americano para reconhecer um grande talento estrangeiro que na hora, nem liguei que seu filme Elle tinha ficado de fora da categoria de Filme em Língua Estrangeira.

elle

Primeira indicação para a francesa Isabelle Huppert!!

Embora tenha vencido o prestigioso Globo de Ouro, a atriz francesa terá páreo duro pela frente, especialmente entre Emma Stone, que venceu o Globo de Ouro de Atriz – Comédia ou Musical por La La Land, e Natalie Portman, que já ganha pontos por interpretar uma figura histórica muito querida nos EUA, a ex-primeira dama Jacqueline Kennedy em Jackie. Seria o melhor momento da noite do Oscar se Huppert subisse no palco pra receber o Oscar. Dentre as indicadas, ela apresentou a maior audácia

Ainda nesse quesito de reconhecer artistas de fora, a categoria de Animação é a que mais me felicita todo ano. Mais uma vez, ela reconheceu duas produções estrangeiras, no caso, a francesa A Tartaruga Vermelha, e a suíça Minha Vida de Abobrinha. Pelo pouco que já vi, esta última é a que mais me agrada pela técnica de stop-motion, mas sob o aspecto técnico geral, Kubo e as Cordas Mágicas é imbatível, tanto que foi indicado a Melhores Efeitos Visuais. Acho que é a primeira vez que temos uma animação na categoria de Efeitos Visuais.

Meio esquecida da categoria de Trilha Musical, a compositora Mica Levi foi finalmente reconhecida no Oscar! Ela chamou a atenção para o mundo com sua trilha meio experimental do ótimo Sob a Pele (2014), e agora chega com novo trabalho por Jackie. Numa categoria de cartas marcadas com os mesmos nomes de sempre, acho interessante a inclusão de Levi com composições mais alternativas das que estamos acostumados a ouvir, mas que causam uma sensação além do que vemos na tela. Quem tiver um tempinho, dá uma olhada no YouTube e confira os arranjos de Jackie, como a faixa “Burial”, que é mais fúnebre.

A compositora Mica Levi em seu estúdio, inspirada e movida à chocolate M&M. (pic by FACT Magazine)

A compositora Mica Levi (Jackie) em seu estúdio, inspirada e movida à chocolate M&M. (pic by FACT Magazine)

Também comemorei a inclusão da canção “Audition (The Fools Who Dream)”, cantada por Emma Stone em La La Land. Apesar de “City of Stars” ser a mais querida e pegajosa, “Audition” define a personagem de Stone naquele segmento do casting belamente executado.

INDICADOS AO 89th ACADEMY AWARDS:

MELHOR FILME
* A Chegada (Arrival)
* Cercas (Fences)
* Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
* A Qualquer Custo (Hell or High Water)
* Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
* La La Land: Cantando Estações (La La Land)
* Lion: Uma Jornada Para Casa (Lion)
* Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)
* Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight)

MELHOR DIRETOR
* Damien Chazelle (La La Land)
* Mel Gibson (Até o Último Homem)
* Barry Jenkins (Moonlight)
* Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
* Denis Villeneuve (A Chegada)

MELHOR ATOR
* Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
* Andrew Garfield (Até o Último Homem)
* Ryan Gosling (La La Land)
* Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
* Denzel Washington (Cercas)

MELHOR ATRIZ
* Isabelle Huppert (Elle)
* Ruth Negga (Loving)
* Natalie Portman (Jackie)
* Emma Stone (La La Land)
* Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Mahershala Ali (Moonlight)
* Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
* Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
* Dev Patel (Lion)
* Michael Shannon (Animais Noturnos)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Viola Davis (Cercas)
* Naomie Harris (Moonlight)
* Nicole Kidman (Lion)
* Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
* Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)
* Damien Chazelle (La La Land)
* Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
* Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
* Mike Mills (20th Century Women)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* Eric Heisserer (A Chegada)
* August Wilson (Cercas)
* Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
* Luke Davis (Lion)
* Barry Jenkins (Moonlight)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Bradford Young (A Chegada)
* Linus Sandgren (La La Land)
* Greig Fraser (Lion)
* James Laxton (Moonlight)
* Rodrigo Prieto (Silêncio)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Patrice Vermette, Paul Hotte (A Chegada)
* Stuart Craig, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Jess Gonchor, Nancy Haigh (Ave, César!)
* David Wasco, Sandy Reynolds-Wasco (La La Land)
* Guy Hendrix Dyaz, Gene Sardena (Passageiros)

MELHOR MONTAGEM
* Joe Walker (A Chegada)
* John Gilbert (Até o Último Homem)
* Jake Roberts (A Qualquer Custo)
* Tom Cross (La La Land)
* Joi McMillon, Nat Sanders (Moonlight)

MELHOR FIGURINO
* Joanna Johnston (Aliados)
* Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
* Madeline Fontaine (Jackie)
* Mary Zophres (La La Land)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Um Homem Chamado Ove
* Star Trek: Sem Fronteiras
* Esquadrão Suicida

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Mica Levi (Jackie)
* Justin Hurwitz (La La Land)
* Dustin O’Halloran, Hauschka (Lion)
* Nicholas Britell (Moonlight)
* Thomas Newman (Passageiros)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Audition (The Fools Who Dream)”, de Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Paul (La La Land)
* “Can’t Stop the Feeling”, de Justin Timberlake, Max Martin, Shellback (Trolls)
* “City of Stars”, de Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Paul (La La Land)
* “The Empty Chair”, de J. Ralph, Sting (Jim: The James Foley Story)
* “How Far I’ll Go”, de Lin-Manuel Miranda (Moana: Um Mar de Aventuras)

MELHOR SOM
* A Chegada
* Até o Último Homem
* La La Land
* Rogue One: Uma História Star Wars
* 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi

MELHORES EFEITOS SONOROS
* A Chegada
* Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
* Até o Último Homem
* La La Land
* Sully: O Herói do Rio Hudson

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
* Doutor Estranho
* Mogli: O Menino Lobo
* Kubo e as Cordas Mágicas
* Rogue One: Uma História Star Wars

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Terra de Minas, de Martin Zandvliet (DINAMARCA)
* Um Homem Chamado Ove, de Hannes Holm (SUÉCIA)
* O Apartamento, de Asghar Farhadi (IRÃ)
* Tanna, de Martin Butler, Bentley Dean (AUSTRÁLIA)
* Toni Erdmann, de Mare Ade (ALEMANHA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Kubo e as Cordas Mágicas
* Minha Vida de Abobrinha
* A Tartaruga Vermelha
* Moana: Um Mar de Aventuras
* Zootopia

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Fogo no Mar
* I Am Not Your Negro
* Life, Animated
* O.J.: Made in America
* A 13ª Emenda

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Extremis
* 4.1 Miles
* Joe’s Violin
* Watani: My Homeland
* The White Helmets

MELHOR CURTA-METRAGEM
* Ennemis Intérieurs
* La Femme et le TGV
* Mindenki
* Timecode
* Silent Nights

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* Blind Vaysha
* Borrowed Time
* Pear Cider and Cigarettes
* Pearl
* Piper

***

A 89ª cerimônia do Oscar acontece no dia 26 de fevereiro e será transmitida pelo canal pago TNT. Não conte muito com a Globo, porque o Oscar cai no fim de semana do Carnaval…

145 Trilhas Musicais e 91 Canções são elegíveis para o Oscar 2017

LLL d 04 _0756.NEF

O compositor Justin Hurwitz passa instruções para o ator Ryan Gosling em set do musical La La Land (pic by variety)

TRABALHOS QUE RESPEITARAM O RÍGIDO REGULAMENTO DA ACADEMIA SÃO RELACIONADOS

A Academia divulgou a lista das trilhas musicais elegíveis para concorrer às cinco indicações ao Oscar de Melhor Trilha Musical Original. Como se qualificaram 145 composições, basicamente, o papel dessa lista é excluir trabalhos que não respeitaram o regulamento, como o uso de material pré-existente.

Entre as trilhas reprovadas mais notadas estão as dos filmes Manchester à Beira-MarSilêncio e A Chegada. Esta última, composta por Johánn Johánnsson, indicado previamente ao Oscar por A Teoria de Tudo e Sicario: Terra de Ninguém, tem sido bastante elogiada pela estranheza que causa em sintonia com os extraterrestres. Como essa trilha se mistura de tal forma com o sound design alienígena, não se sabe onde termina um e começa o outro, o que pode ter causado a exclusão da composição da categoria por membros do departamento de música da Academia. Além disso, segundo especialistas, o compositor teria usado uma trilha chamada “On the Nature of Daylight”, de Max Richter, que já teria sido utilizada inclusive por Martin Scorsese em A Ilha do Medo (2010).

arrival-mit-amy-adams-1

Amy Adams interage com os alienígenas em A Chegada (pic by moviepilot.de)

Já a trilha de Manchester à Beira-Mar foi desqualificada por utilizar música clássica. A compositora Lesley Barber bem que tentou se defender ao lembrar que foi opção do diretor, mas a Academia é irredutível quando se trata de regulamento.  “… Entendo que isto pode ser confuso para os membros da Academia na hora de avaliar o que é de minha autoria […] Embora eu aceite a decisão da Academia, também apoio a decisão do meu diretor de usar esses clássicos e também estou muito orgulhosa da contribuição substancial que a trilha original fez para o filme também.”

De acordo com as regras, 86% da trilha musical deve ser originalmente composta para o filme. E por esse mesmo motivo, a trilha da dupla Kim Allen Kluge e Kathryn Kluge  para Silêncio foi excluída também. Mesmo para quem entende de música, pode ser um pouco complicado “medir” a colaboração real de um compositor num longa-metragem, portanto, essa decisão pode ser bastante subjetiva. Há algumas décadas, existia a categoria de Trilha Musical Adaptada que facilmente abrangeria esses excluídos, mas atualmente só temos a categoria de Trilha Original. Acho que poderiam rever esse regulamento, já que muitas vezes ele exclui ótimas composições por minúcias.

FAVORITOS DO ANO

Obviamente, as trilhas indicadas ao Critics’ Choice e Globo de Ouro já largam na frente rumo ao Oscar.

  • Hans Zimmer, Pharrell Williams, Benjamin Wallfisch (Estrelas Além do Tempo)
  • Mica Levi (Jackie)
  • Justin Hurwitz (La La Land)
  • Dustin O’Halloran, Volker Bertelmann (Lion)
  • Nicholas Britell (Moonlight)

Particularmente, acho que Justin Hutwitz e Nicholas Britell já estão com suas vagas garantidas, já que as campanhas de seus filmes estão decolando na temporada. Acho bacana porque esses nomes são relativamente novos no cenário de trilhas musicais. Quanto à desqualificação de Johánnsson, por mais que não esteja de acordo 100% com o regulamento, acho meio radical sua exclusão. Pergunto-me se o departamento checou ou mesmo perguntou ao compositor sobre seu trabalho nas cenas de A Chegada, ou se simplesmente foram eliminando sem maiores critérios. Contudo, sua ausência eleva consideravelmente as chances da primeira indicação de Mica Levi. Ela já tinha surpreendido com a trilha bem original do bizarro Sob a Pele, de Jonathan Glazer, e promete ser um dos nomes mais bem cotados em trilhas.

jackie-mit-natalie-portman

Mica Levi compôs a trilha para o fúnebre Jackie, de Pablo Larraín. Na foto, Natalie Portman como Jackie Kennedy (pic by moviepilot.de)

Daria um voto para Abel Korzeniowski e sua trilha de Animais Noturnos, que consegue reforçar ainda mais o tom estranho do filme de Tom Ford. E novamente, votaria em Joseph Bishara. Ele concorre com dois trabalhos: Do Outro Lado da Porta e Invocação do Mal 2. Faz muito tempo que uma trilha de terror não é indicada ao Oscar! Mas enfim, acredito que Justin Hurwitz deve levar o Oscar de trilha por La La Land.

nocturnal-animals-mit-amy-adams

A trilha de Abel Korzeniowski permeia a leitura de Amy Adams em Animais Noturnos (pic by moviepilot.de)

Ah! Também gostaria de citar o retorno do mestre Burt Bucharach! Vencedor de três Oscars por Butch Cassidy e Arthur, o Milionário Sedutor, ele concorre com o drama de fantasia Po. Não deve nem ser indicado, mas achei bacana seu retorno após 7 anos.

SEGUEM AS 145 TRILHAS ELEGÍVEIS:

The Abolitionists
Tim Jones

Absolutely Fabulous: O Filme (Absolutely Fabulous The Movie)
Jake Monaco

O Contador (The Accountant)
Mark Isham

Alice Através do Espelho (Alice through the Looking Glass)
Danny Elfman

Aliados (Allied)
Alan Silvestri

Almost Christmas
John Paesano

Pastoral Americana (American Pastoral)
Alexandre Desplat

Angry Birds: O Filme (The Angry Birds Movie)
Heitor Pereira

Anthropoid
Robin Foster

Armenia, My Love…
Silvia Leonetti

Assassin’s Creed
Jed Kurzel

Autumn Lights
Hugi Gudmundsson e Hjörtur Ingvi Jóhannsson

O Bom Gigante Amigo (The BFG)
John Williams

Believe
Michael Reola

Ben-Hur
Marco Beltrami e Buck Sanders

Bilal: A New Breed of Hero
Atli Örvarsson

A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk)
Mychael Danna e Jeff Danna

O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation)
Henry Jackman

Sangue Pela Glória (Bleed for This)
Julia Holter

A Chefa (The Boss)
Christopher Lennertz

O Bebê de Bridget Jones (Bridget Jones’s Baby)
Craig Armstrong

Medalha de Bronze (The Bronze)
Andrew Feltenstein e John Nau

Capitão América: Guerra Civil (Captain America: Civil War)
Henry Jackman

The Charnel House
Todd Haberman

A Escolha (The Choice)
Marcelo Zarvos

Beleza Oculta (Collateral Beauty)
Theodore Shapiro

Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)
Joseph Bishara

Mente Criminosa (Criminal)
Bryan Tyler e Keith Power

Deadpool (Deadpool)
Tom Holkenborg

Horizonte Profundo: Desastre no Golfo (Deepwater Horizon)
Steve Jablonsky

Denial
Howard Shore

Doutor Estranho (Doctor Strange)
Michael Giacchino

A Vingança Está na Moda (The Dressmaker)
David Hirschfelder

Voando Alto (Eddie the Eagle)
Matthew Margeson

Quase 18 (The Edge of Seventeen)
Atli Örvarsson

Elle (Elle)
Anne Dudley

Decisão de Risco (Eye in the Sky)
Paul Hepker e Mark Kilian

Animais Fantásticos e Onde Habitam (Fantastic Beasts and Where to Find Them)
James Newton Howard

Fences
Marcelo Zarvos

Procurando Dory (Finding Dory)
Thomas Newman

The First Monday in May
Ian Hultquist e Sofia Hultquist

Florence: Quem é Essa Mulher? (Florence Foster Jenkins)
Alexandre Desplat

Floyd Norman: An Animated Life
Ryan Shore

Fome de Poder (The Founder)
Carter Burwell

Um Estado de Liberdade (Free State of Jones)
Nicholas Britell

Caça-Fantasmas (Ghostbusters)
Theodore Shapiro

A Garota no Trem (The Girl on the Train)
Danny Elfman

Gleason
Dan Romer e Saul Simon MacWilliams

Ouro e Cobiça (Gold)
Daniel Pemberton

Greater
Stephen Raynor-Endelman

Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
Rupert Gregson-Williams

Ave, César! (Hail, Caesar!)
Carter Burwell

A Criada (The Handmaiden)
Cho Young-wuk

Punhos de Aço (Hands of Stone)
Angelo Milli

A Qualquer Custo (Hell or High Water)
Nick Cave e Warren Ellis

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
Pharrell Williams e Benjamin Wallfisch

High-Rise
Clint Mansell

Como ser Solteira (How to Be Single)
Fil Eisler

A Incrível Aventura de Rick Baker (Hunt for the Wilderpeople)
Lukasz Buda e Samuel Scott

O Caçador e a Rainha do Gelo (The Huntsman: Winter’s War)
James Newton Howard

A Era do Gelo: O Big Bang (Ice Age: Collision Course)
John Debney

Independence Day: O Ressurgimento (Independence Day: Resurgence)
Thomas Wander e Harald Kloser

Indignação (Indignation)
Jay Wadley

O Convite (The Invitation)
Theodore Shapiro

Ithaca
John Mellencamp

Jack Reacher: Sem Retorno (Jack Reacher: Never Go Back)
Henry Jackman

Jackie
Mica Levi

Julieta (Julieta)
Alberto Iglesias

Mogli: O Menino Lobo (The Jungle Book)
John Debney

Vizinhos Nada Secretos (Keeping Up with the Joneses)
Jake Monaco

Kicks
Brian Reitzell

Krisha
Brian McOmber

Kubo e as Cordas Mágicas (Kubo and the Two Strings)
Dario Marianelli

La La Land: Cantando Estações (La La Land)
Justin Hurwitz

Terra de Minas (Land of Mine)
Sune Martin

Landfill Harmonic
Michael A. Levine

The Legend of Ben Hall
Ronnie Minder

A Lenda de Tarzan (The Legend of Tarzan)
Rupert Gregson-Williams

Life, Animated
Dylan Stark e T. Griffin

A Luz Entre Oceanos (The Light between Oceans)
Alexandre Desplat

Quando as Luzes se Apagam (Lights Out)
Benjamin Wallfisch

Lion
Dustin O’Halloran e Hauschka

O Pequeno Príncipe (The Little Prince)
Hans Zimmer e Richard Harvey

A Lei da Noite (Live by Night)
Harry Gregson-Williams

Loving
David Wingo

Maggie tem um Plano (Maggie’s Plan)
Michael Rohatyn

Como Eu Era Antes de Você (Me before You)
Craig Armstrong

A Intrometida (The Meddler)
Jonathan Sadoff

Destino Especial (Midnight Special)
David Wingo

Os Caça-Noivas (Mike and Dave Need Wedding Dates)
Jeff Cardoni

Milagres do Paraíso (Miracles from Heaven)
Carlo Siliotto

O Lar das Crianças Peculiares (Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children)
Mike Higham e Matthew Margeson

Miss Sloane
Max Richter

Mr. Church
Mark Isham

Moana: Um Mar de Aventuras (Moana)
Mark Mancina

Jogo do Dinheiro (Money Monster)
Dominic Lewis

The Monkey King 2 (Xi you ji zhi: Sun Wukong san da Baigu Jing)
Christopher Young

Sete Minutos Depois da Meia-Noite (A Monster Calls)
Fernando Velázquez

Moonlight
Nicholas Britell

Morgan
Max Richter

Casamento Grego 2 (My Big Fat Greek Wedding 2)
Christopher Lennertz

Demônio de Neon (The Neon Demon)
Cliff Martinez

Dois Caras Legais (The Nice Guys)
John Ottman

No Letting Go
Alain Mayrand

Animais Noturnos (Nocturnal Animals)
Abel Korzeniowski

Truque de Mestre: O 2º Ato (Now You See Me 2)
Brian Tyler

O.J.: Made in America
Gary Lionelli

Off the Rails
Steve Gernes e Duncan Thum

Do Outro Lado da Porta (The Other Side of the Door)
Joseph Bishara

The Ottoman Lieutenant
Geoff Zanelli

Ouija: Origem do Mal (Ouija: Origin of Evil)
Taylor Stewart e John Andrew Grush

Nosso Fiel Traidor (Our Kind of Traitor)
Marcelo Zarvos

Passageiros (Passengers)
Thomas Newman

Paterson
Carter Logan e Jim Jarmusch

O Dia do Atentado (Patriots Day)
Trent Reznor e Atticus Ross

Pelé: O Nascimento de uma Lenda (Pelé: Birth of a Legend)
A. R. Rahman

Meu Amigo, o Dragão (Pete’s Dragon)
Daniel Hart

Po
Burt Bacharach

Rainha de Katwe (Queen of Katwe)
Alex Heffes

Raça (Race)
Rachel Portman

The Red Turtle (La Tortue Rouge)
Laurent Perez Del Mar

Policial em Apuros 2 (Ride Along 2)
Christopher Lennertz

Rogue One: Uma História Star Wars (Rogue One: A Star Wars Story)
Michael Giacchino

Festa da Salsicha (Sausage Party)
Alan Menken e Christopher Lennertz

A Vida Secreta dos Pets (The Secret Life of Pets)
Alexandre Desplat

Silicon Cowboys
Ian Hultquist

Sing: Quem Canta Seus Males Espanta (Sing)
Joby Talbot

Snowtime!
Eloi Painchaud e Jorane

Michelle e Obama (Southside with You)
Stephen James Taylor

Star Trek: Sem Fronteiras (Star Trek Beyond)
Michael Giacchino

Cegonhas (Storks)
Mychael Danna e Jeff Danna

Esquadrão Suicida (Suicide Squad)
Steven Price

Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)
Christian Jacob

Swiss Army Man
Andy Hull e Robert McDowell

As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras (Teenage Mutant Ninja Turtles: Out of the Shadows)
Steve Jablonsky

Rua Cloverfield, 10 (10 Cloverfield Lane)
Bear McCreary

10 Days in a Madhouse
Jamie Hall

13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi (13 Hours: The Secret Soldiers of Benghazi)
Lorne Balfe

Trolls (Trolls)
Christophe Beck

20th Century Women
Roger Neill

Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos (Warcraft)
Ramin Djawadi

Uma Repórter em Apuros (Whiskey Tango Foxtrot)
Nick Urata

X-Men: Apocalipse (X-Men: Apocalypse)
John Ottman

Zoolander 2 (Zoolander 2)
Theodore Shapiro

Zootopia (Zootopia)
Michael Giacchino

***

E a Academia também divulgou a lista das canções elegíveis para Canção Original. Até onde sei, uma das regras mais rígidas, além da originalidade, é que a canção deve ser tocada durante o filme ou até a primeira dos créditos finais.

SEGUEM AS CANÇÕES ELEGÍVEIS:

“Just Like Fire”
Alice Através do Espelho

“Rise”
American Wrestler: The Wizard

“Friends”
Angry Birds: O Filme

“Flicker”
Audrie & Daisy

“Seconds”
Autumn Lights

“A Minute To Breathe”
Before the Flood

“Glory (Let There Be Peace)”
Believe

“Mother’s Theme”
Believe

“Somewhere”
Believe

“The Only Way Out”
Ben-Hur

“Still Falling For You”
O Bebê de Bridget Jones

“F That”
Medalha de Bronze

“Torch Pt. 2”
Citizen Soldier

“Drift And Fall Again”
Mente Criminosa

“Take Me Down”
Horizonte Profundo: Desastre no Golfo

“Land Of All”
Desierto

“Sad But True (Dreamland Theme)”
Dreamland

“Angel By The Wings”
The Eagle Huntress

“Blind Pig”
Animais Fantásticos e Onde Habitam

“One Frame At A Time”
Floyd Norman: An Animated Life

“I’m Crying”
Free State of Jones

“Gold”
Ouro e Cobiça

“Champion”
Hands of Stone

“Dance Rascal, Dance”
Doris, Redescobrindo o Amor

“I See A Victory”
Estrelas Além do Tempo

“Runnin”
Estrelas Além do Tempo

“Sixty Charisma Scented Blackbirds”
How to Let Go of the World and Love All the Things Climate Can’t Change

“My Superstar”
A Era do Gelo: O Big Bang

“Seeing You Around”
Ithaca

“The Empty Chair”
Jim: The James Foley Story

“Audition (The Fools Who Dream)”
La La Land: Cantando Estações

“City Of Stars”
La La Land: Cantando Estações

“Start A Fire”
La La Land: Cantando Estações

“Cateura Vamos A Soñar (We Will Dream)”
Landfill Harmonic

“Better Love”
A Lenda de Tarzan

“Never Give Up”
Lion

“Equation”
O Pequeno Príncipe

“Turnaround”
O Pequeno Príncipe

“Moonshine”
A Lei da Noite

“Loving”
Loving

“Hurry Home”
Max Rose

“Gone 2015”
Miles Ahead

“Wish That You Were Here”
O Lar das Crianças Peculiares

“I’m Still Here”
Miss Sharon Jones!

“How Far I’ll Go”
Moana: Um Mar de Aventuras

“We Know The Way”
Moana: Um Mar de Aventuras

“Even More Mine”
Casamento Grego 2

“Waving Goodbye”
Demônio de Neon

“I’m Back”
Never Surrender

“Find My Victory”
Olympic Pride, American Prejudice

“On Ghost Ridge”
100 Years: One Woman’s Fight for Justice

“Ordinary World”
Ordinary World

“Devil’s Girl”
Outlaws and Angels

“Levitate”
Passageiros

“Ginga”
Pelé: O Nascimento de uma Lenda

“Nobody Knows”
Meu Amigo, o Dragão

“Something Wild”
Meu Amigo, o Dragão

“Dancing With Your Shadow”
Po

“I’m So Humble”
Popstar: Never Stop Never Stopping

“Stay Here”
Presenting Princess Shaw

“Celebrate Life”
Queen Mimi

“Back To Life”
Rainha de Katwe

“Let The Games Begin”
Raça

“Think About It”
The Red Pill

“The Rules Don’t Apply”
Rules Don’t Apply

“The Great Beyond”
Festa da Salsicha

“Faith”
Sing: Quem Canta Seus Males Espanta

“Set It All Free”
Sing: Quem Canta Seus Males Espanta

“Drive It Like You Stole It”
Sing Street

“Go Now”
Sing Street

“The Veil”
Snowden: Herói ou Traidor

“Hymn”
Snowtime!

“Kiss Me Goodnight”
Southwest of Salem: The Story of the San Antonio Four

“Holdin’ Out”
Cegonhas

“Heathens”
Esquadrão Suicida

“Flying Home”
Sully: O Herói do Rio Hudson

“Montage”
Swiss Army Man

“Petit Metier”
They Will Have to Kill Us First

“Letter To The Free”
A 13ª Emenda

“Down With Mary”
Too Late

“Can’t Stop The Feeling”
Trolls

“Get Back Up Again”
Trolls

“Smile”
The Uncondemned

“We Will Rise”
Veeram-Macbeth

“LA Venus”
We Are X

“New Dogs, Old Tricks”
What Happened Last Night

“Runnin’ Runnin’”
What Happened Last Night

“What’s Happening Today”
What Happened Last Night

“Who I Am”
What Happened Last Night

“The Ballad Of Wiener-Dog”
Wiener-Dog

“Try Everything”
Zootopia

Obviamente, não ouvi todas, mas algumas já se destacam pelo compositor como é o caso de Justin Timberlake pela canção da animação Trolls. E como a tradição manda, uma canção da Disney deve estar garantida, no caso, “How Far I’ll Go” de Moana: Um Mar de Aventuras. Contudo, a canção mais vitoriosa até o momento é “City of Stars” do musical La La Land. Ela já embala o tom do filme desde o trailer.

  • “Can’t Stop the Feeling” (Trolls)
  • “City of Stars” (La La Land)
  • “Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
  • “Gold” (Ouro e Cobiça)
  • “How Far I’ll Go” (Moana: Um Mar de Aventuras)

Nomes de peso como Stevie Wonder e Iggy Pop são ótimos chamarizes para conquistar indicações ao Oscar, portanto as canções de Sing: Quem Canta Seus Males Espanta e Ouro e Cobiça, respectivamente, têm maiores chances. E ultimamente, como a Academia anda gostando músicas mais pop, vale apostar algumas fichas em “The Great Beyond”, que além de ter a pegada do “Everything is Awesome” de Uma Aventura Lego, tem o grande mestre da categoria: Alan Menken, o compositor das canções da Disney como A Bela e a Fera, Aladdin e A Pequena Sereia. E vale citar “I See a Victory” de Pharrell Williams para o filme Estrelas Além do Tempo, pela carga emocional na causa da diversidade. Eu acho meio gospel demais, mas tem chances.

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas no dia 24 de janeiro.

Alfonso Cuarón vence o DGA e fortalece chances de ‘Gravidade’

Alfonso Cuarón recebe o DGA das mãos do vencedor de 2013, Ben Affleck, tornando-se o primeiro hispânico a ganhar o DGA (photo by zimbio.com)

Alfonso Cuarón recebe o DGA das mãos do vencedor de 2013, Ben Affleck, tornando-se o primeiro hispânico a ganhar o DGA (photo by zimbio.com)

COM VITÓRIA NO DGA, GRAVIDADE ENTRA DE VEZ NA COMPETIÇÃO DO OSCAR DE MELHOR FILME

Para quem está acompanhando a corrida para o Oscar 2014, percebe que a briga para o prêmio de Melhor Filme está cada vez mais acirrada. Nas últimas semanas, Trapaça venceu o SAG de Melhor Elenco e conquistou o Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical. Já 12 Anos de Escravidão e Gravidade empataram como Melhor Filme no PGA, sendo que o primeiro também venceu o Critics’ Choice Awards e o Globo de Ouro de Melhor Filme – Drama.

Com a vitória do mexicano Alfonso Cuarón no Directors Guild (DGA), Gravidade tem suas chances elevadas consideravelmente, pois em 65 anos de DGA, apenas 7 diretores não repetiram a façanha no Oscar, e no mesmo período, apenas 13 diretores não tiveram seus filmes vencedores do Oscar de Melhor Filme. Já nos 85 anos do Oscar, houve 23 ocasiões.

Cuarón se tornou o primeiro diretor hispânico a ganhar o DGA, o que reforça uma certa tendência de diretores estrangeiros. Só para constar, nos últimos anos, Ang Lee (Taiwan), Michel Hazanavicius (França) e Tom Hooper (Inglaterra) ganharam o Oscar. O maior concorrente de Alfonso Cuarón era Steve McQueen (Inglaterra), que poderia se tornar o primeiro diretor negro a ganhar o DGA. As chances de Cuarón se mantêm altas no Oscar também, uma vez que os concorrentes são praticamente os mesmos, excetuando Alexander Payne (Nebraska), que tomou a vaga de Paul Greengrass (Capitão Phillips).

Enquanto o primeiro teve de inventar a tecnologia necessária para filmar as cenas espaciais juntamente com seu diretor de fotografia Emmanuel Lubezki e o supervisor de efeitos digitais Tim Webber, o segundo enfrentou um desafio típico de maratonas telvisivas: filmou 12 Anos de Escravidão em 35 dias com apenas uma câmera. Vale ressaltar aqui também que Gravidade representa o sucesso de público (mais de 600 milhões de dólares) e 12 Anos de Escravidão representa a unanimidade da crítica.

Alfonso Cuarón dirige cena com Sandra Bullock (photo by www.thehollywoodreporter.com)

Alfonso Cuarón (centro) dirige cena com Sandra Bullock (photo by http://www.thehollywoodreporter.com)

É um duelo tão interessante e extremamente competitivo que pode favorecer um terceiro filme na briga, no caso, Trapaça, um filme bem escrito e muito bem dirigido por David O. Russell, que encaminhou mais uma vez seus atores para as quatro categorias de atuação: Christian Bale (Ator), Amy Adams (Atriz), Bradley Cooper (Ator Coadjuvante) e Jennifer Lawrence (Atriz Coadjuvante). Ele já havia conseguido essa proeza com seu filme anterior, O Lado Bom da Vida. Na História do Oscar, esta é apenas a 15ª vez que as quatro categorias são preenchidas pelo mesmo filme, sendo Reds (1981) e Rede de Intrigas (1976) exemplos mais recentes.

Os indicados ao DGA este ano, da esquerda para a direita: (photo by thehollywoodreporter.com)

Os indicados ao DGA este ano, da esquerda para a direita: Alfonso Cuarón, Steve McQueen, Martin Scorsese, David O. Russell e Paul Greengrass (photo by thehollywoodreporter.com)

Já na categoria de direção para Documentários, a vitória da egípcia Jehane Noujaim por The Square foi uma surpresa, já que bateu o favorito Joshua Oppenheimer (O Ato de Matar), que também concorre ao Oscar. Trata-se da primeira grande vitória em Cinema para o Netflix. Na TV, já ganhou o Emmy e o Globo de Ouro pela série House of Cards. A diretora Jehane Noujaim já havia ganhado o DGA em 2001 pelo documentário Startup.com (com Chris Hegedus) e foi indicada anteriormente por Control Room em 2004.

A diretora egípcia Jehane Noujaim (photo by Matt Furman)

A diretora egípcia Jehane Noujaim (photo by Matt Furman)

Na categoria Direção para Minisséries ou Filmes para TV, Steven Soderbergh subiu ao palco por Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra), que já havia vencido o Globo de Ouro e o Emmy. Emocionado, ele também recebeu o prêmio especial Robert B. Aldrich, concedido pelo reconhecimento pelo extraordinário serviço ao Directors Guild of America e seus membros.

O presidente do DGA, Paris Barclay agradeceu Soderbergh por sua devoção ao sindicato, especialmente seu trabalho em proteger e extender os direitos criativos dos diretores, algo extremamente importante nos dias atuais em que produtores mandam mais do que o diretores, gerando filmes nitidamente feitos para arrecadar dinheiro. Soderbergh foi presidente do DGA por nove anos, e foi indicado duas vezes em 2000 por Traffic e Erin Brockovich: Uma Mulher de Talento.

Steven Soderbergh dirige Michael Douglas em cena de Minha Vida com Liberace (photo by cineplex.com)

Steven Soderbergh dirige Michael Douglas em cena de Minha Vida com Liberace (photo by cineplex.com)

Confira todos os vencedores desta edição:

Feature Film: Alfonso Cuarón (Gravidade)
Documentary Feature: Jehane Noujaim (The Square)
Dramatic Series: Vince Gilligan (Breaking Bad – episódio: Felina)
Comedy Series: Beth McCarthy-Miller (30 Rock – episódio: Hogcock!/Last Lunch)
Movie for Television or Mini-Series: Steven Soderbergh (Minha Vida com Liberace)
Variety/Talk/News/Sports – Series: Don Roy King (Saturday Night Live – with the host Justin Timberlake)
Variety/Talk/News/Sports – Specials: Glenn Weiss (The 67th Annual Tony Awards)
Reality Programs: Neil P. DeGroot (72 Hours – episódio: The Lost Coast)
Children’s Program: Amy Schatz (An Apology to Elephants)
Commercial: Martin de Thurah (Epoch Films)

Robert B. Aldrich Award: Steven Soderbergh
DGA Diversity Award: Shonda Rhimes e Betsy Beers
Frank Capra Achievement Award: Lee Blaine
Franklin J. Schaffner Achievement Award: Vincent DeDario

Com 13 indicações cada, ’12 Years a Slave’ e ‘Trapaça’ também lideram Critics’ Choice Awards 2014

Critics' Choice Awards 2014 (art by clevver.com)

Critics’ Choice Awards 2014 (art by clevver.com)

Enquanto o Globo de Ouro foi perdendo seu posto de parâmetro para o Oscar na última década, o Critics’ Choice Awards tem conquistado mais acertos do que erros em relação ao prêmio da Academia. Além disso, ao contrário do Globo de Ouro, o Critics’ também premia Melhor Fotografia, Montagem, Figurino e outras categorias mais técnicas, servindo como melhor termômetro. E vale lembrar que se trata de um prêmio praticamente recém-nascido, em seu 19º ano.

Só para exemplificar, nos últimos quatro anos, o Critics’ Choice acertou três vencedores de Melhor Filme: Argo, O Artista e Guerra ao Terror, além de atores como Daniel Day-Lewis, Colin Firth, Natalie Portman, Jeff Bridges e Sandra Bullock.

Embora seja apenas um festival sem prêmios competitivos, seria injustiça não mencionar o canadense Toronto International Film Festival (TIFF), cujo People’s Choice Award vem reconhecendo e fortalecendo os candidatos a Melhor Filme no Oscar. Nos últimos anos, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário? coincidiram as láureas com a Academia, sendo que ano passado, Argo estava entre os três finalistas.

Para quem não conhece o Critics’ Choice Awards, trata-se de um reconhecimento extremamente abrangente. Premiam os usuais Filme, Diretor, Ator, Atriz, Filme Estrangeiro… tem Melhor Elenco (marca do SAG Awards), Filme de Ação, Filme de Comédia (Globo de Ouro), Filme de Terror ou Ficção Científica (MTV Movie Award?) e ainda, Ator/Atriz em Filme de Ação e Ator/Atriz em Filme de Comédia. Só faltou Melhor Animal em Filme! Ainda bem que o prêmio não é feito de ouro, senão faltaria na reserva mundial.

Jennifer Lawrence recebendo uma das duas estatuetas que ganhou este ano por O Lado Bom da Vida e Jogos Vorazes (photo by http://fotosnoticiasartistasmuitomais.blogspot.com.br/2013/02/com-oscar-jennifer-lawrence-encerra.html)

Jennifer Lawrence recebendo uma das duas estatuetas que ganhou este ano por O Lado Bom da Vida e Jogos Vorazes (photo by http://fotosnoticiasartistasmuitomais.blogspot.com.br/2013/02/com-oscar-jennifer-lawrence-encerra.html)

Este ano, os recordistas com 13 indicações cada foram 12 Years a Slave e Trapaça, repetindo a façanha conquistada no Globo de Ouro com 7 para cada. Logo em seguida, Gravidade abocanhou 10 indicações e deve ganhar pelo menos Melhor Filme de Terror/Ficção Científica como consolo.

Outro fato curioso sobre o Critics é que eles indicam seis trabalhos nas categorias principais, tornando mais difícil aquele candidato esquecido. Especificamente nesta edição, as seis vagas estão muito bem preenchidas, principalmente entre os atores. Robert Redford e Christian Bale (ignorados pelo SAG), Brie Larson (apesar de ignorada por SAG e Globo de Ouro, concorre pelo Independent Spirit!), Bradley Cooper (ignorado pelo SAG) e até o póstumo James Gandolfini (ignorado pelo Globo). Vale ressaltar a indicação da voz de Scarlett Johansson em Ela como atriz coadjuvante. Será que tem chances no Oscar?

A bela Scarlett Johansson no último Festival de Roma, de onde saiu com o prêmio de Atriz por Ela

A bela Scarlett Johansson no último Festival de Roma, de onde saiu com o prêmio de Atriz por Ela

Mesmo assim, há um ou outro deixado de lado: Joaquin Phoenix (Ela), Tom Hanks (Walt nos Bastidores de Mary Poppins), Michael B. Jordan e Octavia Spencer (Fruitvale Station: A Última Parada). Ei! São 6 indicados, não 10.

Confira as 500 categorias do Critics’ Choice:

MELHOR FILME
Trapaça (American Hustle)
Capitão Phillips (Captain Phillips)
Dallas Buyers Club
Gravidade (Gravity)
Ela (Her)
Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
Nebraska
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
12 Years a Slave
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

MELHOR ATOR
Christian Bale (Trapaça)
Bruce Dern (Nebraska)
Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
Tom Hanks (Capitão Phillips)
Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
Robert Redford (All Is Lost)

MELHOR ATRIZ
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Sandra Bullock (Gravidade)
Judi Dench (Philomena)
Brie Larson (Short Term 12)
Meryl Streep (Álbum de Família)
Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Daniel Bruhl (Rush: No Limite da Emoção)
Bradley Cooper (Trapaça)
Michael Fassbender (12 Years a Slave)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Scarlett Johansson (Ela)
Jennifer Lawrence (Trapaça)
Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)
Oprah Winfrey (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR ATOR/ATRIZ JOVEM
Asa Butterfield (Ender’s Game – O Jogo do Exterminador)
Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)
Liam James (O Verão da Minha Vida)
Sophie Nelisse (A Menina que Roubava Livros)
Tye Sheridan (Amor Bandido)

O jovem talento Tye Sheridan concorre por Amor Bandido (photo by www.cine.gr)

O jovem talento Tye Sheridan concorre por Amor Bandido (photo by http://www.cine.gr)

MELHOR ELENCO
Trapaça
Álbum de Família
O Mordomo da Casa Branca
Nebraska
12 Years a Slave
O Lobo de Wall Street

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuaron (Gravidade)
Paul Greengrass (Capitão Phillips)
Spike Jonze (Ela)
Steve McQueen (12 Years a Slave)
David O. Russell (Trapaça)
Martin Scorsese (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
Woody Allen (Blue Jasmine)
Spike Jonze (Ela)
Joel Coen, Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
Bob Nelson (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Tracy Letts (Álbum de Família)
Richard Linklater, Julie Delpy, Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)
John Ridley (12 Years a Slave)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Gravidade)
Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
Phedon Papamichael (Nebraska)
Roger Deakins (Os Suspeitos)
Sean Bobbitt (12 Years a Slave)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Andy Nicholson, Rosie Goodwin (Gravidade)
Catherine Martin, Beverley Dunn (O Grande Gatsby)
K.K. Barrett, Gene Serdena (Ela)
Dan Hennah, Ra Vincent (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Adam Stockhausen, Alice Baker (12 Years a Slave)

MELHOR MONTAGEM
Alan Baumgarten, Jay Cassidy, Crispin Struthers (Trapaça)
Christopher Rouse (Capitão Phillips)
Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
Daniel P. Hanley, Mike Hill (Rush: No Limite da Emoção)
Joe Walker (12 Years a Slave)
Thelma Schoonmaker (O Lobo de Wall Street)

MELHOR FIGURINO
Michael Wilkinson (Trapaça)
Catherine Martin (O Grande Gatsby)
Bob Buck, Lesley Burkes-Harding, Ann Maskrey, Richard Taylor (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Daniel Orlandi (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
Patricia Norris (12 Years a Slave)

MELHOR MAQUIAGEM
Trapaça
O Hobbit: A Desolação de Smaug
O Mordomo da Casa Branca
Rush: No Limite da Emoção
12 Years a Slave

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Gravidade
OHobbit: A Desolação de Smaug
Homem de Ferro 3
Círculo de Fogo
Além da Escuridão – Star Trek

MELHOR ANIMAÇÃO
Os Croods (The Croods)
Meu Malvado Favorito (Despicable Me 2)
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Universidade Monstros (Monsters University)
Vidas ao Vento (The Wind Rises)

A animação Os Croods deve conquistar uma das cinco vagas do Oscar (photo by www.elfilm.com)

A animação Os Croods deve conquistar uma das cinco vagas do Oscar (photo by http://www.elfilm.com)

MELHOR FILME DE AÇÃO
Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire)
Homem de Ferro 3 (Iron Man 3)
Lone Survivor
Rush: No Limite da Emoção (Rush)
Além da Escuridão – Star Trek (Star Trek Into Darkness)

MELHOR ATOR EM FILME DE AÇÃO
Henry Cavill (Homem de Aço)
Robert Downey Jr. (Homem de Ferro 3)
Brad Pitt (Guerra Mundial Z)
Mark Wahlberg (Lone Survivor)

MELHOR ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Sandra Bullock (Gravidade)
Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: Em Chamas)
Evangeline Lilly (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Gwyneth Paltrow (Homem de Ferro 3)

MELHOR COMÉDIA
Trapaça (American Hustle)
À Procura do Amor (Enough Said)
As Bem-Armadas (The Heat)
É o Fim (This Is the End)
O Verão da Minha Vida (The Way Way Back)
Heróis de Ressaca (The World’s End)

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
Christian Bale (Trapaça)
Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Simon Pegg (Heróis de Ressaca)
Sam Rockwell (O Verão da Minha Vida)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
Amy Adams (Trapaça)
Sandra Bullock (As Bem-Armadas)
Greta Gerwig (Frances Ha)
Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor)
Melissa McCarthy (As Bem-Armadas)

Melissa McCarthy e Sandra Bullock disputam o prêmio de Atriz em Comédia por As Bem-Armadas (photo by ww.outnow.ch)

Melissa McCarthy e Sandra Bullock disputam o prêmio de Atriz em Comédia por As Bem-Armadas (photo by ww.outnow.ch)

MELHOR FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA/TERROR
Invocação do Mal (The Conjuring)
Gravidade (Gravity)
Além da Escuridão – Star Trek (Star Trek into Darkness)
Guerra Mundial Z (World War Z)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Azul é a Cor Mais Quente (La Vie d’Adèle)
A Grande Beleza (La Grande Bellezza)
A Caça (Jagten)
The Past (Le Passé)
O Sonho de Wadjda (Wadjda)

Cena de O Sonho de Wadjda, que concorre como Filme Estrangeiro pela Arábia Saudita (photo by www.outnow.ch)

Cena de O Sonho de Wadjda, que concorre como Filme Estrangeiro pela Arábia Saudita (photo by http://www.outnow.ch)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O Ato de Matar (The Act of Killing)
Blackfish
Stories We Tell
Tim’s Vermeer
20 Feet from Stardom

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Atlas” – Coldplay (Jogos Vorazes: Em Chamas)
“Happy” – Pharrell Williams (Meu Malvado Favorito 2)
“Let It Go” – Robert Lopez, Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)
“Ordinary Love” – U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)
“Please Mr. Kennedy” – Justin Timberlake/Oscar Isaac/Adam Driver (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
“Young and Beautiful” – Lana Del Rey (O Grande Gatsby)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Steven Price (Gravidade)
Arcade Fire (Ela)
Thomas Newman (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
Hans Zimmer (12 Years a Slave)

Os vencedores serão anunciados no dia 16 de janeiro de 2014. Quatro dias após o anúncio dos indicados ao Oscar.

* A animação de Hayao Miyazaki, The Wind Rises, estava com o título brasileiro O Vento Está Soprando, mas a distribuidora que adquiriu os direitos de exibição resolveu alterar para Vidas ao Vento.

Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, ganhou novo título nacional e concorre como melhor Animação (photo by www.elfilm.com)

Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, ganhou novo título nacional e concorre como melhor Animação (photo by http://www.elfilm.com)

‘Trapaça’ e ’12 Years a Slave’ lideram as indicações ao Globo de Ouro 2014

Christian Bale, Amy Adams e Bradley Cooper superaram as ausência no SAG e chegaram ao Globo de Ouro 2014 por Trapça (photo by www.outnow.ch)

Christian Bale, Amy Adams e Bradley Cooper superaram as ausência no SAG e chegaram ao Globo de Ouro 2014 por Trapaça (photo by http://www.outnow.ch)

GLOBO DE OURO CONFIRMA FAVORITISMO DE 12 YEARS A SLAVE E ALAVANCA AS CHANCES DE TRAPAÇA

Normalmente, assim que as indicações ao Globo de Ouro saem, começa aquela enxurrada de matérias apontando os incontáveis erros e trabalhos ignorados. Não desta vez. Com a importante ajuda da safra bem servida de filmes de qualidade, as categorias foram devidamente preenchidas por profissionais que vinham agradando a crítica americana. Assim, nomes premiados por NYFCC, National Board of Review e LAFCA estão todos presentes na lista do Globo de Ouro 2014. Claro que uma ou outra exceção se faz notar, mas nada que tire o crédito dos membros votantes da Hollywood Foreign Press Association (HPFA).

De longe, as maiores surpresas são as presenças de Philomena e Rush: No Limite da Emoção na categoria Melhor Filme – Drama. Apesar de se tratarem de bons filmes, não havia uma forte campanha que indicasse resultado tão favorável. Bastante elogiado no último Festival de Veneza, Philomena, dirigido por Stephen Frears, tinha boas chnces de faturar o Leão de Ouro e o prêmio de atriz para Judi Dench, mas saiu apenas com Melhor Roteiro. Já Rush: No Limite da Emoção recebeu boas avaliações de modo geral, mas nada exagerado a ponto de conquistar uma indicação de Melhor Filme. Apesar do reconhecimento do Globo de Ouro, ainda acredito que o filme sobre a rivalidade na fórmula 1 de Ron Howard só deverá conquistar indicações para Ator Coadjuvante, Maquiagem e Efeitos Sonoros no Oscar.

3 indicações para Philomena, de Stephen Frears... (photo by www.outnow.ch)

Steve Coogan e Dame Judi Dench: 3 indicações para Philomena, de Stephen Frears… (photo by http://www.outnow.ch)

2 indicações para Rush: No Limite da Emoção. Pouco ou muito para um candidato surpresa? (photo by www.elfilm.com)

… e 2 indicações para Rush: No Limite da Emoção. Pouco ou muito para um candidato surpresa? (photo by http://www.elfilm.com)

Ambos os filmes tomaram os lugares de Nebraska e Trapaça, que, embora sejam mais dramas do que comédias, migraram para a categoria vizinha de Melhor Filme – Comédia/Musical, criando o grupo da morte do Globo de Ouro 2014, que ainda tem: O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen, e Ela, de Spike Jonze. Apesar do Globo de Ouro não servir mais como parâmetro para o Oscar, o filme que vencer nesta categoria certamente terá maiores chances na Academia.

Cientes de que havia uma grande quantidade de produções concorrentes que merecia reconhecimento, os votantes se esforçaram para agradar a todos. Deslocaram filmes de categorias e até evitaram duplas indicações como poderia ter acontecido com Tom Hanks, que tinha chances como Coadjuvante (Walt nos Bastidores de Hollywood) e Ator (Capitão Phillips), pelo qual acabou sendo indicado. Contudo, mesmo com todo esse trabalho, seria impossível não deixar uns filmes no escuro.

Os indicados Barkhad Abdi e Tom Hanks representam a metade das 4 indicações de Capitão Phillips (photo by www.elfilm.com)

Os indicados Barkhad Abdi e Tom Hanks representam a metade das 4 indicações de Capitão Phillips (photo by http://www.elfilm.com)

Provavelmente, os casos mais claros são as totais ausências de Fruitvale Station: A Última Parada e O Mordomo da Casa Branca. Se ainda houvesse aquele prêmio do Most Promising Newcomer (Novato mais Promissor), o Globo de Ouro certamente o daria ao jovem Michael B. Jordan por Fruitvale Station. Como a concorrência estava muito acirrada na categoria Ator – Drama, ele acabou cortado juntamente com Forest Whitaker, que apesar do esforço e talento, não melhora muito O Mordomo da Casa Branca. Fiquei feliz que o pessoal do Globo de Ouro não foi na onda do “indiquem Oprah Winfrey pra dar audiência no tapete vermelho”.

Outra ausência mais sentida foi a da animação japonesa de Hayao Miyazaki, O Vento Está Soprando. Numa manobra que claramente favorece os grandes estúdios (leiam-se Disney: Frozen – Uma Aventura Congelante, Dreamworks: Os Croods e Universal: Meu Malvado Favorito 2), deslocaram o grande favorito da categoria para outra possível: Melhor Filme em Língua Estrangeira. Embora ainda tenha chances claras, a disputa é nitidamente mais complicada ao lado do francês Azul é a Cor Mais Quente, o dinamarquês A Caça e o italiano La Grande Bellezza.

Particularmente, gostei da primeira indicação da jovem atriz americana Greta Gerwig por Frances Ha. Até uns anos atrás, ela só atuava em papéis secundários em filmes banais como Sexo Sem Compromisso e na refilmagem de Arthur, o Milionário Irresistível, até o dia em que o diretor Noah Baumbach ofereceu uma oportunidade como protagonista e ela não desperdiçou. Espero que esta indicação (infelizmente o páreo está duríssimo com Meryl Streep, Julie Delpy e Amy Adams) possa lhe render melhores projetos com diretores mais consagrados.

Greta Gerwig conquista uma indicação para Frances Ha (photo by www.elfilm.com)

Greta Gerwig conquista uma indicação para Frances Ha (photo by http://www.elfilm.com)

Embora não seja favorito este ano, também adorei a indicação do diretor Alexander Payne e seu Nebraska. Vencedor de 2 Globos de Ouro de Melhor Filme (Comédia por Sideways – Entre Umas e Outras, e Drama por Os Descendentes), Payne é muito querido pelos membros da HFPA, e comprova mais uma vez que sabe escolher e dirigir bons atores: Bruce Dern e June Squibb receberam indicações como Ator – Comédia/Musical e Atriz Coadjuvante.

Bruce Dern e June Squibb confirmam talento de Alexander Payne ao receberem indicações por Nebraska (photo by www.elfilm.com)

Bruce Dern e June Squibb confirmam talento de Alexander Payne ao receberem indicações por Nebraska (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de ter conseguido apenas 2 indicações no SAG, as sete indicações de Trapaça no Globo de Ouro devem impulsionar o filme de David O. Russell para o Oscar 2014. Nos últimos anos, os filmes do diretor têm obtido bom êxito com a Academia. O Vencedor venceu os Oscars de Ator Coadjuvante (Christian Bale) e Atriz Coadjuvante (Melissa Leo), enquanto O Lado Bom da Vida conquistou o Oscar de Atriz (Jennifer Lawrence). Embora o favoritismo ainda esteja do lado de 12 Years a Slave, dependendo da estratégia de propaganda, Trapaça pode fazer a ultrapassagem na reta final.

Seguem as indicações ao Globo de Ouro:

MELHOR FILME – DRAMA
12 Years a Slave
– Capitão Phillips (Captain Phillips)
– Gravidade (Gravity)
Philomena
– Rush: No Limite da Emoção (Rush)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Trapaça (American Hustle)
– Ela (Her)

– Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
 Nebraska
– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

MELHOR DIRETOR
– Alfonso Cuarón (Gravidade)
– Paul Greengrass (Capitão Phillips)
– Steve McQueen (12 Years a Slave)
– Alexander Payne (Nebraska)
– David O. Russell (Trapaça)

MELHOR ATOR – DRAMA
– Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
– Idris Elba (Mandela: Long Walk to Freedom)
– Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
– Tom Hanks (Capitão Phillips)
– Robert Redford (All is Lost)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
– Cate Blanchett (Blue Jasmine)
– Sandra Bullock (Gravidade)
– Judi Dench (Philomena)
– Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
– Kate Winslet (Refém da Paixão)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
– Christian Bale (Trapaça)
– Bruce Dern (Nebraska)
– Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
– Oscar Isaac (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Joaquin Phoenix (Ela)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
– Amy Adams (Trapaça)
– Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
– Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor)
– Greta Gerwig (Frances Ha)
– Meryl Streep (Álbum de Família)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
– Daniel Brühl (Rush: No Limite da Emoção)
– Bradley Cooper (Trapaça)
– Michael Fassbender (12 Years a Slave)
– Jared Leto (Dallas Buyers Club)

Pra quem pensava que Jennifer Lawrence iria desacelerar depois do Oscar por O Lado Bom da Vida, eis a bela novamente (photo by www.outnow.ch)

Pra quem pensava que Jennifer Lawrence iria desacelerar depois do Oscar por O Lado Bom da Vida, eis a bela novamente (photo by http://www.outnow.ch)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Sally Hawkins (Blue Jasmine)
– Jennifer Lawrence (Trapaça)
– Lupita N’Yongo (12 Years a Slave)
– Julia Roberts (Álbum de Família)
– June Squibb (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO
– John Ridley (12 Years a Slave)
– Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)
– Spike Jonze (Ela)
– Bob Nelson (Nebraska)
– Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
– Hans Zimmer (12 Years a Slave)
– Alex Ebert (All is Lost)
– John Williams (A Menina que Roubava Livros)
– Steven Price (Gravidade)
– Alex Heffes (Mandela: Long Walk to Freedom)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Atlas”, de Guy Berryman, Jonny Buckland, Will Champion e Chris Martin (Jogos Vorazes: Em Chamas)
“Please Mr. Kennedy”, de Ed Rush, George Cromarty, T-Bone Burnnett, Justin Timberlake, Joel Coen, Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
“Let it Go”, de Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)
“Ordinary Love”, de U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)
“Sweeter than Fiction”, de Jack Antonoff e Taylor Swift (One Chance)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche (França)
A Caça, de Thomas Vinterberg (Dinamarca)
The Great Beauty, de Paolo Sorrentino (Itália)
The Past, de Asghar Farhadi (França/Itália)
O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki (Japão)

MELHOR ANIMAÇÃO
Os Croods, de Kirk De Micco e Chris Sanders
Frozen: Uma Aventura Congelante, de Chris Buck e Jennifer Lee
Meu Malvado Favorito 2, de Pierre Coffin, Chris Renaud

Já na ala televisiva, destaco o crescimento das séries produzidas pela Netflix (não, não estou sendo pago para fazer propaganda). Além de House of Cards e Arrested Development, que já haviam sido reconhecidos pelo Emmy, Taylor Schilling foi indicada como Melhor Atriz de Série – Drama pela nova série da Netflix, Orange is the New Black, denotando uma curiosa tendência de criação de séries sem ficar refém de grades de programação televisiva.

Taylor Schilling em Orange is the New Black confirma crescimento das produções da Netflix (photo by www.elfilm.com)

Taylor Schilling em Orange is the New Black confirma crescimento das produções da Netflix (photo by http://www.elfilm.com)

Também vale destacar que alguns atores foram agraciados por indicações pelo trabalho em cinema e TV: Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor e a série de comédia Veep), além de Chiwetel Ejiofor (filme 12 Years a Slave e série Dancing on the Edge) e Idris Elba (Mandela: Long Walk to Freedom e minissérie Luther), que repetem a disputa da categoria Melhor Ator – Drama.

MELHOR SÉRIE – DRAMA
Breaking Bad
Downton Abbey
The Good Wife
House Of Cards
Masters Of Sex

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – DRAMA
Julianna Margulies (The Good Wife)
Tatiana Maslany (Orphan Black)
Taylor Schilling (Orange Is The New Black)
Kerry Washington (Scandal)
Robin Wright (House Of Cards)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Michael Sheen (Masters of Sex)
Kevin Spacey (House of Cards)
James Spader (The Blacklist)

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
The Big Bang Theory
Brooklyn Nine-Nine
Girls
Modern Family
Parks & Recreation

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Zooey Deschanel (New Girl)
Lena Dunham (Girls)
Edie Falco (Nurse Jackie)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Amy Poehler (Parks & Recreation)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Jason Bateman (Arrested Development)
Don Cheadle (House of Lies)
Michael J. Fox (The Michael J. Fox Show)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)
Andy Samberg (Brooklyn Nine-Nine)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
American Horror Story: Coven
Behind The Candelabra
Dancing on the Edge
Top of the Lake
White Queen

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Helena Bonham Carter (Burton and Taylor)
Rebecca Ferguson (White Queen)
Jessica Lange (American Horror Story: Coven)
Helen Mirren (Phil Spector)
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Josh Charles (The Good Wife)
Rob Lowe (Behind the Candelabra)
Aaron Paul (Breaking Bad)
Corey Stoll (House of Cards)
Jon Voight (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jacqueline Bisset (Dancing on the Edge)
Janet McTeer (The White Queen)
Hayden Panettiere (Nashville)
Monica Potter (Parenthood)
Sofía Vergara (Modern Family)

MELHOR ATOR EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Matt Damon (Behind the Candelabra)
Michael Douglas (Behind the Candelabra)
Chiwetel Ejiofor (Dancing on the Edge)
Idris Elba (Luther)
Al Pacino (Phil Spector)

A cerimônia do Globo de Ouro 2014 será transmitida ao vivo no dia 12 de janeiro. As atrizes Tina Fey e Amey Poehler serão as hostesses da noite mais uma vez. E o diretor/roteirista/ator Woody Allen será homenageado pelo Cecil B. DeMille Award, mas dizem as más línguas que ele não virá mesmo assim, e que sua colaboradora Diane Keaton aceiará o prêmio em seu nome.

Woody Allen e Diane Keaton (www.filmmakeriq.com)

Woody Allen e Diane Keaton (www.filmmakeriq.com)

Rapidinhas de Cannes 2013

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

Nada como um tapete vermelho para promover os filmes em exibição em Cannes. Mesmo não se tratando de um candidato ao prêmio máximo, a Palma de Ouro, o novo filme de Sofia Coppola, Bling Ring: A Gangue de Hollywood, encarregou-se de atrair os holofotes da mídia, uma vez que sua atriz principal é ninguém menos que a jovem Emma Watson, a Hermione da série Harry Potter. Vista como talento promissor, Watson interpreta um membro de uma gangue de adolescentes que assalta casas e mansões de celebridades de Hollywood depois de obter informações pela internet.

Certa vez li numa publicação nacional que Sofia Coppola, filha do lendário diretor Francis Ford Coppola, só fazia filmes sobre patologias da burguesia atual, tais como melancolia e vazio existencial. Claro que As Virgens Suicidas (1999), Encontros e Desencontros (2003) e Maria Antonieta (2006) dialogam com essa temática, mas nem por isso deixam de apresentar perspectivas interessantes. Neste novo trabalho, ela procura destrinchar o universo adolescente de hoje através dessa obsessão quase doentia de transpôr a vida pessoal nas redes sociais. Os ladrões da gangue não precisam necessariamente do dinheiro, mas buscam o glamour das estrelas através de jóias e roupas caras e postar as fotos para os amigos e seguidores virtuais apreciarem. Novos tempos.

Em entrevista no festival, a diretora e roteirista, Sofia Coppola, brincou: “Sou tão feliz por não ter tido Facebook quando eu era adolescente!”. Claire Julien, outra atriz do filme, declarou: “Facebook hoje é quase uma obrigação, porque todo mundo tem e você acha que vai ficar pra trás se não tiver”.

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Apesar de todo o burburinho em volta de Bling Ring: A Gangue de Hollywood, o filme que acabou se destacando mais na competição Un Certain Regard até o momento foi o drama independente americano Fruitvale Station. Baseado em fatos verídicos, o longa conta a história do jovem negro que foi assassinado por policiais brancos em 2008.

Após sua exibição, o longa foi aplaudido de pé por cinco minutos. Muitos da mídia apostam que o primeiro longa de Coogler tem grandes chances de repetir o feito de outra produção independente: Indomável Sonhadora, pois igualmente conquistou o Grande Prêmio de Sundance esse ano, tem ótimas possibilidades de conquistar um prêmio em Cannes e poderá concorrer em principais categorias do Oscar 2014, inclusive como Melhor Ator (Michael B. Jordan), que arrancou críticas excepcionais. Aliás, o Oscar deve se tornar realidade, pois a Weinstein Company, que costuma fazer lobbys bem fortes, comprou os direitos do filme.

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

Já pela competição oficial, o novo filme do conceituado diretor François Ozon também busca destrinchar esse vazio da juventude atual em Jeune et Jolie. Logo tachado como o novo A Bela da Tarde pela imprensa internacional, o filme acompanha a trajetória da jovem de 17 anos que procura sexo por puro prazer, sem necessidades financeiras ou mesmo culpa. A semelhança com a história da brasileira Bruna Surfistinha é nítida, mas digamos que Ozon oferece um olhar mais intimista e delicado, a começar pela escolha da protagonista.

Descoberta aos 17 anos como modelo, Marine Vacth, impressionou a todos com sua beleza exuberante. Porém, o diretor não buscava apenas beleza: “Em seus olhos, eu podia ver que havia um mundo inteiro ali. Um mistério e uma tristeza que eram exatamente o que procurava no meu filme”.

Assim como o filme foi comparado ao de Luís Buñuel, obviamente ela também foi comparada à musa Catherine Deneuve. Em resposta, Marine foi sucinta e profissional: “Não sou Catherine Deneuve. Quero ser eu mesma e não seguir os passos dos outros”. Se ela e o agente souberem escolher sabiamente futuros projetos, a atriz tem tudo para conquistar novos horizontes, como fez a francesa Eva Green, por exemplo.

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, Johnn Goodman e o músico T-Bone Burnett

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, John Goodman e o músico T-Bone Burnett

Já considerado favorito à Palma de Ouro, o novo trabalho dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, apresenta o protagonista-título como um cantor folk no cenário musical da Nova York de 1961. Apesar de fictício, o personagem seria uma mistura de vários artistas musicais da época, inclusive de Bob Dylan, que o filme tem ligação quase direta.

Inside Llewyn Davis seria um road movie, com direito a um gato chamado Ulisses (referência direta de Homero, cuja obra “A Odisséia” foi adaptado pelos irmãos Coen em E Aí, Irmão, Cadê Você? em 2000) e o mesmo ator do road movie de Walter Salles, Na Estrada, Garrett Hedlund. Entretanto, o maior elogio foi para a atuação do protagonista, Oscar Isaac, pois além de sua interpretação, canta as composições do músico T-Bone Burnett. Seria mais um fortíssimo candidato ao Oscar de Melhor Ator de 2014.

Trata-se da oitava indicação de Joel Coen e Ethan Coen à Palma de Ouro, tendo levado apenas uma em 1991 pelo drama Barton Fink – Delírios de Hollywood. Mas já conquistaram outros prêmios como direção pelo mesmo filme, Fargo em 1996, e por O Homem que Não Estava Lá em 2001, comprovando que os diretores são mesmo queridinhos em Cannes.

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2013

Pôster do Festival de Cannes 2013, estrelado pelo casal hollywoodiano Paul Newman e Joanne Woodward

Pôster do Festival de Cannes 2013, estrelado pelo casal hollywoodiano Paul Newman e Joanne Woodward

Foi dada a largada do maior festival de cinema do mundo com o anúncio dos filmes indicados ao mais cobiçado prêmio: a Palma de Ouro. É importante destacar que o elo entre Cannes e o Oscar, outrora frio e distante, está numa crescente. Em 2011, o vencedor do prêmio de interpretação masculina, O Artista, acabou levando 5 Oscars incluindo Melhor Filme. Já neste ano,  além da produção franco-austríaca Amor, vencedora da Palma de Ouro, ter vencido o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, outros filmes que participaram das seleções de Cannes como Moonrise Kingdom e Indomável Sonhadora conquistaram indicações ao prêmio da Academia.

Essa ponte entre o Festival de Cannes, que ocorre em maio, e o Oscar, em fevereiro, tem sido benéfica para ambos. Enquanto os realizadores selecionados na França podem ambicionar vôos mais altos e comerciais com um possível reconhecimento nos EUA, o fato da lista de indicados ao Oscar terem esse “pedigree” de sucesso oriundo de Cannes eleva o patamar de qualidade da Academia, que já sofreu muitas críticas por valorizarem demais produções que se deram bem nas bilheterias sem levar muito em consideração a veia artística do filme.

O presidente do júri: Steven Spielberg (photo by goodfellasmovie.blogspot.com)

O presidente do júri: Steven Spielberg (photo by goodfellasmovie.blogspot.com)

Este ano, o presidente do júri de Cannes, Steven Spielberg, contará com uma seleção bem eclética que vai de nomes consagrados como os irmãos Coen e Roman Polanski (que já venceram a Palma de Ouro com Barton Fink – Delírios de Hollywood e O Pianista, respectivamente) até realizadores desconhecidos do cenário internacional como o espanhol Amat Escalante e italiana Valeria Bruni Tedeschi, atriz que já trabalhou com outro indicado este ano, o francês François Ozon, e o próprio Spielberg em Munique (2005).

Normalmente, os presidentes do júri evitam conceder a Palma às produções de seu país a fim de não criar polêmicas na divulgação dos premiados no encerramento, como o compatriota Quentin Tarantino já fez duas vezes. Em 2004, ele premiou o documentarista americano Michael Moore por Fahrenheit 11 de Setembro, e ficou marcado por ter dado explicações de sua escolha pela primeira vez na história do festival. Já em 2010, como presidente do Festival de Veneza, concedeu o Leão de Ouro à americana e ex-namorada Sofia Coppola por Um Lugar Qualquer. Ok, pode acontecer, afinal o sistema não é como futebol, no qual os árbitros não são do mesmo país ou estado dos times em campo, mas os reclamantes defendem que havia escolhas mais interessantes em competição.

Segue a lista dos indicados à Palma de Ouro, lembrando que no decorrer do evento, cerca de três filmes são inclusos na competição oficial:

Palma de Ouro

Palma de Ouro

PALMA DE OURO

O Grande Gatsby (The Great Gatsby), de Baz Luhrmann (FILME DE ABERTURA)

Un Château en Italie, de Valeria Bruni-Tedeschi
Inside Llewyn Davis, de Ethan Coen e Joel Coen
Michael Kohlhaas, de Arnaud del Pallières
Jimmy P. (Psychotherapy of Plains Indian), de Arnaud Desplechin
Heli, de Amat Escalante
Le Passé (The Past), de Asghar Farhadi
The Immigrant, de James Gray
Grigris, de Mahamat-Saleh Haroun
Tian Zhu Ding (A Touch of Sin), de Jia Zhanke
Soshite Chichi ni Naru (Like Father, Like Son), de Kore-eda Hirokazu
La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche
Wara no Tate (Shield of Straw), de Takashi Miike
Jeune et Jolie (Young and Beautiful), de François Ozon
Nebraska, de Alexander Payne
La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski
Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh
La Grande Bellezza (The Great Beauty), de Paolo Sorrentino
Borgman, de Alex van Warmerdam
Only God Forgives, de Nicolas Winding Refn

Zulu, de Jérôme Salle (FILME DE ENCERRAMENTO)

Independente dos vencedores, já vale conferir novos trabalhos de diretores de visão singular como os japoneses Takashi Miike e Kore-eda Hirokazu, o chinês Jia Zhang Ke (que sabe retratar como ninguém as transformações da China na globalização), o dinamarquês Nicolas Winding Refn, que ganhou o prêmio de direção com Drive, e o italiano Paolo Sorrentino, que está em ascensão.

Particularmente, fiquei feliz com a indicação de Alexander Payne por Nebraska. O diretor é um dos poucos americanos que sabem conciliar sua veia comercial ao lado de estrelas como George Clooney e Jack Nicholson com uma perspectiva bastante humana. Para este novo projeto Nebraska, havia rumores de que o ator Robert Duvall assumiria o papel de protagonista aos 82 anos, mas outro veterano conquistou o papel principal: Bruce Dern, 76, pai da atriz Laura Dern. Ele foi considerado uma das grandes promessas no campo da atuação na década de 70, chegando a ser indicado ao Oscar de coadjuvante por Amargo Regresso, mas não vingou em Hollywood.

Claro que não tem como não mencionar o novo filme de Steven Soderbergh, afinal, o diretor tem sérios planos de parar de fazer filmes para lançamento em salas de cinema, muito em razão da covardia dos grandes estúdios de Hollywood. Numa entrevista, Soderbergh revelou que o filme foi planejado para lançamento em cinema, mas acabou indo para o ar pelo canal HBO porque os estúdios alegaram que a história era “muito gay”. “Ninguém queria fazer. Fomos atrás de todo mundo na cidade. Todos disseram que era muito gay. E isso veio depois de O Segredo de Brokeback Mountain(!), que nem é engraçado como esse filme. Fiquei chocado. Não fez nenhum sentido para nós.” Behind the Candelabra conta o caso de amor verídico entre o músico Liberace (Michael Douglas) e o bem mais jovem Scott (Matt Damon).

Michael Douglas e Matt Damon já caracterizados em Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh: "Gay demais"? (photo by www.cine.gr)

Michael Douglas e Matt Damon já caracterizados em Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh: “Gay demais”? (photo by http://www.cine.gr)

Além dessa polêmica, com a indicação de Behind the Candelabra, o Festival de Cannes garante a presença de estrelas hollywoodianas no tapete vermelho. Além dos já citados Michael Douglas e Matt Damon, a veterana Debbie Reynolds (do musical Cantando na Chuva), Dan Aykroyd e Rob Lowe podem comparecer ao evento. Já Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire e Carey Mulligan devem marcar presença pela nova adaptação de O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, ainda mais que o filme abrirá o festival. Mulligan ainda compete pelo novo filme dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, que conta também com Justin Timberlake e John Goodman. E ainda estão convidados Ryan Gosling e Kristin Scott Thomas pelo novo filme de Nicolas Winding Refn, Only God Forgives, que aborda uma vingança no submundo do crime em Bangkok.

Carey Mulligan e Justin Timberlake em Inside Llewyn Davis

Carey Mulligan e Justin Timberlake em Inside Llewyn Davis (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de contar também com a presença das estrelas Joaquin Phoenix, Jeremy Renner e Marion Cotillard, vale a pena ficar atento ao novo filme James Gray, The Immigrant (Lowlife). Embora seja relativamente jovem, o diretor tem chamado atenção por seu trabalho com o elenco, tendo valorizado o potencial de Joaquin Phoenix através dos filmes Os Donos da Noite (2007) e Amantes (2008). Talvez um dos prêmios de atuação saia deste filme.

Joaquin Phoenix e Marion Cotillard em The Immigrant, de James Gray (photo by www.elfilm.com

Joaquin Phoenix e Marion Cotillard em The Immigrant, de James Gray (photo by http://www.elfilm.com

E pra fechar, a indicação de Le Passé (The Past) possibilita o público de conferir o primeiro filme do iraniano Asghar Farhadi depois do sucesso de A Separação (vencedor do Urso de Ouro e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro) numa produção em língua francesa, dirigindo a atriz Bérènice Bejo (de O Artista).

Bérènice Bejo em Le Passé (The Past), do iraniano Asghar Farhadi (photo by www.cineimage.ch)

Bérènice Bejo em Le Passé (The Past), do iraniano Asghar Farhadi (photo by http://www.cineimage.ch)

O Festival de Cannes também oferece outras seleções, sendo a mais instigante a Mostra Un Certain Regard, que visa buscar um olhar inovador que reflita os problemas dos tempos atuais. Em 2012, o mexicano Depois de Lúcia se sagrou vencedor dessa competição ao questionar a eficiência do sistema educacional (confira post sobre o filme em https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2013/03/24/depois-de-lucia-despues-de-lucia-de-michel-franco-2012/).

Seleção Un Certain Regard

Seleção Un Certain Regard

UN CERTAIN REGARD (Um Certo Olhar):

The Bling Ring, de Sofia Coppola
Omar, de Hany Abu-Assad
Death March, de Adolfo Alix Jr.
Fruitvale, de Ryan Coogler
Les Salauds, de Claire Denis
Norte, Hangganan Ng Kasaysayan (Norte, the End of History), de Lav Diaz
As I Lay Dying, de James Franco
Miele, de Valeria Golino
L’Inconnu du Lac, de Alain Guiraudie
Bends, de Flora Lau
L’Image Manquante, de Rithy Panh
La Jaula de Oro, de Diego Quemada-Diez
Sarah Préfère la Course (Sarah Would Rather Run), de Chloé Robichaud
Grand Central, de Rebecca Zlotowski

FORA DE COMPETIÇÃO

All is Lost, de J.C. Chandor
Blood Ties, de Guillaume Canet

Resumidamente, vale destacar a forte presença de Sofia Coppola com o filme pop The Bling Ring, sobre uma gangue real de jovens de classe média alta roubando casas de celebridades em Beverly Hills. Coppola apostou suas fichas na jovem Emma Watson, da extinta cinessérie Harry Potter, que comprova que cresceu uma bela atriz.

Emma Watson (à dir.) em cena de The Bling Ring (photo by OutNow.CH)

Emma Watson (à dir.) em cena de The Bling Ring (photo by OutNow.CH)

Os atores James Franco e Valeria Golino foram selecionados por trabalhos na direção, denotando uma forte tendência de novos diretores oriundos da escola de atuação tendo como forte referência Ben Affleck (vencedor do Oscar de Melhor Filme por Argo).

E Fruitvale, de Ryan Coogler, que já ganhou o Grande Prêmio do Jury – Dramático no Festival de Sundance, volta a concorrer por outro importante reconhecimento em Cannes, podendo seguir os mesmos passos de Indomável Sonhadora, de Benh Zeitlin.

O Festival de Cannes 2013 tem início no dia 15 de maio e vai até o dia 26, quando serão divulgados os vencedores desta edição.

Calendário do Oscar 2014… com Justin Timberlake?

Preparativos para o Oscar 2014?? Sim, já está tudo combinado... (photo by zimbio.com)

Preparativos para o Oscar 2014?? Sim, já está tudo combinado… (photo by zimbio.com)

O Oscar 2013 mal esfriou e a Academia resolveu já esquentar os motores para 2014. Primeiramente, a data do Oscar 2014 já está marcada: dia 02 de março de 2014. Continua no domingo, mas pulou de fevereiro para março. Essa mudança tem uma explicação oficial: Devido aos Jogos Olímpicos de Inverno da Rússia, que ocorre entre os dias 07 a 23 de fevereiro, resolveram adiar para o início de março para não haver conflito de interesses na TV.

Além do óbvio motivo de não dividir as atenções com a competição esportiva, a Academia anda estudando os impactos positivos das alterações de calendários desse ano e vem cogitando manter algumas decisões como o anúncio dos indicados na segunda semana de janeiro. A idéia inicial dessa estratégia era reduzir a previsibilidade dos resultados e, ao mesmo tempo, estrear o sistema de votação online, mas como também houve considerável aumento nas rendas das bilheterias para os filmes indicados, a intenção é que 2014 possa repetir o feito lucrativo através desse intervalo maior entre o anúncio dos indicados e a cerimônia de premiação.

Então, o calendário oficial fica assim:

16/11/13: The Governors Awards

02/12/13: Official Screen Credits

27/12/13: Início da votação dos indicados

08/01/14: Término da votação dos indicados

16/01/14: Anúncio dos indicados ao Oscar

10/02/14: Almoço dos indicados (Nominees Luncheon)

14/02/14: Início da votação final

15/02/14: Scientific and Technical Awards

25/02/14: Término da votação final

GOLD-Icon_CampasR02/03/14: 86th Academy Awards

E como em 2015, não haverá jogos olímpicos de Inverno, o Oscar 2015 já tem data definida: 22/02/15.

E enquanto ocorria a divulgação do calendário, corriam boatos de que o host do Oscar 2014 já estaria decidido: o cantor e ator Justin Timberlake. Os sites que confirmavam diziam que ele seria uma boa opção por seu apelo com o público jovem. Além disso, poderia fazer números musicais mais caprichados que o antecessor Seth MacFarlane.

Seann William Scott e Justin Timberlake como hosts do MTV Movie Awards 2003. Faz tempo, mas está no currículo. (photo by mtv.com)

Seann William Scott e Justin Timberlake como hosts do MTV Movie Awards 2003. Faz tempo, mas está no currículo. (photo by mtv.com)

Por outro lado, outros sites desmentem, alegando que se tratariam de boatos infundados, uma vez que o anúncio do host normalmente ocorre no segundo semestre e até lá, muita água ainda rolaria. Essa justificativa soa muito mais plausível, principalmente pela questão da antecipação de data, mas Justin Timberlake tem chances reais de se tornar o próximo host, levando em conta que já tem experiência no MTV Movie Awards (apresentou ao lado do ator Seann William Scott em 2003) e seus últimos filmes tem conquistado o público como a comédia romântica Amizade Colorida (2011) e A Rede Social (2010), em que interpreta o criador do Napster, Sean Parker.

James Franco e Anne Hathaway: Que isso não se repita! (photo by guardian.co.uk)

James Franco e Anne Hathaway: Que isso não se repita! (photo by guardian.co.uk)

Particularmente, tenho uma visão diferente dos produtores da Academia. Não acredito que quanto mais jovem o host for, maior a audiência. Quer prova melhor do que o fracasso da dupla Anne Hathaway e James-não-estou-sob-efeito-de-tóxicos-Franco? A idéia só parecia promissora, mas a realidade foi enganosa, pra ficar no adjetivo classudo. Se for contratar alguém mais jovem, que seja na linha de Chris Rock, que já tem experiência como comediante stand up. Claro que seria necessário controlar seu linguajar afiado, mas os cinco segundos de delay servem pra isso, certo?

Gostava muito do Billy Crystal, mas seu último ano foi bem decepcionante. Ficou bem claro que Crystal estava enferrujado para o cargo. Seus números musicais perderam aquele vigor com notas críticas aos filmes e a política. Em se tratando de musicais, seu substituto natural, Hugh Jackman, seria uma boa pedida para agradar todas as faixas etárias. Com menos pressão nesse possível retorno, Jackman estaria mais tranquilo para atuar e entreter o público do palco.

Contudo, meus votos seriam para os apresentadores da TV: Jon Stewart (do The Daily Show) e Ellen DeGeneres (do Ellen Show). Ambos já foram hosts do Oscar, tendo o primeiro apresentado duas vezes (2006 e 2008), e a segunda apenas uma em 2007, e têm amplo público fiel televisivo. Alguns discordam de Stewart para o cargo porque ele teria um “excesso político” no tradicional monólogo de abertura. Ele nunca escondeu o fato de ser eleitor do partido Democrata, tanto que costuma fazer piada contra Republicanos. Mas ele tem uma visão bem irônica que agrada o público de artistas, ainda mais que a maioria é Democrata também.

Jon Stewart e suas piadas políticas teriam um público-alvo mais maduro (photo by oscars.org)

Jon Stewart e suas piadas políticas teriam um público-alvo mais maduro (photo by oscars.org)

Ellen DeGeneres seria a opção mais agradável, hors concours. Suas piadas são mais inofensivas, analisando peculiaridades dos astros de Hollywood, com um teor bem mais saudável de política do que Jon Stewart. Porém, como ela anda extremamente ocupada com seu show, Ellen pode recusar o convite.

Agora, se pudesse sugerir um nome, ficaria com Jim Carrey. Como todos sabem, ele fez grande sucesso com comédias exageradas como Debi & Lóide – Dois Idiotas em Apuros, O Máskara e Ace Ventura – Um Detetive Diferente na primeira metade dos anos 90. Depois, buscou o tão sonhado Oscar com duas interpretações mais sérias em O Show de Truman – O Show da Vida (1998) e O Mundo de Andy (1999), mas só ficou mesmo com os Globos de Ouro. Quando levou um prêmio da MTV Movie Awards, Carrey foi trajado de hippie com o discurso de que havia jogado a toalha em relação à Academia, pois sequer fora indicado.

Jim Carrey apresentando o Oscar Honorário para o diretor e roteirista Blake Edwards em 2004 (photo by mundodse.com)

Jim Carrey apresentando o Oscar Honorário para o diretor e roteirista Blake Edwards em 2004 (photo by mundodse.com)

Jim Carrey já apresentou alguns prêmios na cerimônia do Oscar e mostrou ótima desenvoltura. Tomei como exemplo sua aparição no Oscar 1996, no qual ele cria piadas sobre os filmes com extrema facilidade ao fazer imitações perfeitas, satiriza a política internacional e ainda ironiza o universo por trás das câmeras. Claro que ele puxaria a sardinha para seu lado ao chorar que nunca foi reconhecido pela Academia, mas sua escolha como host serviria como ótimo alento. Veja clipe dele no Oscar 96, apresentando o prêmio de Melhor Fotografia (sem legendas):

E, numa qualidade bastante sofrível, temos o vídeo em que ele apresenta o Oscar de Melhor Montagem (com tradução simultânea em polonês, mas com legendas em inglês). No ano em que seria indicado para Melhor Ator por O Show de Truman – O Show da Vida, ele brinca com a sua exclusão da categoria, mas com muito bom humor. O pior desse ano foi o fato do vencedor ter sido Roberto Benigni por A Vida é Bela, pois para quem conhece o ator italiano, ele sempre atua do mesmo jeito em todos os filmes.

E você? Qual sua opinião sobre o próximo host? Justin Timberlake seria uma boa escolha? E Eddie Murphy? Ele seria o host desse ano, mas acabou saindo depois que o produtor do show, o diretor Brett Ratner, falou algumas besteiras numa entrevista. Vote na enquete abaixo:

Primeira prévia do Oscar 2013: Melhor Filme

As cartas do Oscar 2013 já começam a se posicionar

Para alguns, talvez seja cedo demais para falar de favoritos ao Oscar 2013, afinal as indicações só saem no dia 15 de janeiro, duas semanas depois daquela ressaca descomunal de fim de ano. Mas com as previsões de estréia acertadas, muitos filmes já lançaram seus trailers e chamam a atenção por se encaixarem nas preferências da Academia.

Na maior parte dos casos, os diretores são os grandes responsáveis por elevar os filmes ao patamar de “material de Oscar”. Só de ouvir o nome de Steven Spielberg ou Peter Jackson, muitos especialistas no assunto já os colocam na corrida antes mesmo de verem seus filmes. Em 2013, além de ambos poderem puxar várias indicações com suas mega-produções Lincoln e O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, podem ser concorrentes na categoria de Melhor Diretor, ao lado de outros nomes consagrados como Paul Thomas Anderson, Ang Lee e Quentin Tarantino. À primeira vista, a safra de produções parece bem promissora, e como o número de indicados a Melhor Filme expandiu desde 2010, a Academia tem ótimas condições de agradar os cinéfilos ao reconhecê-los.

A lista de filmes de 2012 poderia ser ainda maior, mas a Warner Bros. resolveu adiar dois fortes candidatos para o ano seguinte: a adaptação do romance de F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, e Caça aos Gângsteres, de Ruben Fleischer. No primeiro caso, os chefões do estúdio acharam que o novo filme de Luhrmann, que conta com o trio Leonardo Di Caprio, Carey Mulligan e Tobey Maguire, tinha potencial maior para atingir o público juvenil do verão americano (que ocorre a partir de maio), então pretendem aguardar para arrecadar mais nas bilheterias. Já o segundo, apresentava uma sequência em que quatro gângsteres abrem fogo dentro de uma sala de cinema, remetendo ao recente massacre no cinema de Colorado durante sessão de estréia de Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge. https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/07/21/12-mortos-em-sessao-de-batman-o-cavaleiro-das-trevas-ressurge/Resultado: o trailer foi retirado do ar, o lançamento foi reagendado para 2013 e o filme teve de ser reescrito para eliminar a sequência agora perturbadora.

Banner de Caça aos Gângsteres com a data original de lançamento. Fica para 2013.

Apesar dessas baixas, o Oscar 2013 promete. Temos também a aguardada adaptação musical do clássico literário de Victor Hugo, Les Miserables (Os Miseráveis), dirigido por Tom Hooper (vencedor do Oscar por O Discurso do Rei); o novo filme de época de Joe Wright (Desejo e Reparação) trazendo novamente o romance de Leo Tolstoy, Anna Karenina, estrelado por Keira Knightley (pra variar); e a polêmica caça ao Bin Laden trazida às telas por Kathryn Bigelow (vencedora do Oscar por Guerra ao Terror) em Zero Dark Thirty.

Seguem alguns fortes candidatos para Melhor Filme no Oscar 2013 (em ordem alfabética):

ANNA KARENINA

Dir: Joe Wright

Anna Karenina: Esse casaco diz “Quero um Oscar de Figurino”

A Academia adora filmes de época. E vale lembrar que Direção de Arte e Figurino são dois prêmios que esses filmes costumam abocanhar na cerimônia. Sarah Greenwood e Jacqueline Durran, responsáveis por esses departamentos respectivamente, têm 90% de chance de serem indicadas. Embora o diretor Joe Wright não tenha sido reconhecido, seu filme Desejo e Reparação (2007) foi indicado a 7 Oscars, incluindo Melhor Filme. Suas chances este ano aumentam por contar com o grande dramaturgo e roteirista Tom Stoppard, oscarizado por Shakespeare Apaixonado (1998) e seu elenco, que tem nomes em alta como Keira Knightley, Jude Law, Olivia Williams, Emily Watson e Kelly Macdonald.

Apesar da obra de Leo Tolstoy, Anna Karenina, já ter sido adaptada várias vezes para o cinema, nunca chegou ao Oscar com força. Talvez esta seja uma oportunidade de ouro (com o perdão do trocadilho), mas devo ressaltar que na categoria de atuação, se Greta Garbo e Vivien Leigh, que já deram vida à protagonista não foram sequer indicadas, quais as chances de Knightley? Particularmente, gostaria de ver Olivia Williams indicada, pois já merecia pela ótima performance em O Escritor Fantasma (2010). Além desse trabalho, ela tem outro trabalho chamativo este ano: Hyde Park on Hudson, no qual interpreta Eleanor Roosevelt.

ARGO (Argo)

Di: Ben Affleck

Argo: Ben Affleck trabalha em cena de atores

Quem diria que Ben Affleck, aquele ator abaixo da média que protagonizou aquela bomba chamada Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopez, iria se tornar um bom diretor? Já calou a boca de muita gente ao dirigir dois bons dramas: Medo da Verdade (Gone Baby Gone, 2007) e Atração Perigosa (The Town, 2010). Felizmente, assim como Clint Eastwood e Robert Redford (atores que se tornaram diretores), ele aprendeu o ofício com bons profissionais do ramo: Gus van Sant, Kevin Smith e John Frankenheimer. Depois de seu sucesso, Affleck recebeu várias propostas para comandar projetos de estúdio, mas recusou todas e isso tem se tornado sua maior virtude: focar em projetos de qualidade. Desta vez, optou em contar uma história mais política, sobre o resgate de refugiados americanos no Irã.

Como Affleck já dirigiu duas performances indicadas ao Oscar (Amy Ryan e Jeremy Renner), escalar um bom elenco não tem sido nenhuma dificuldade. Para Argo, ele reuniu uma trupe talentosa: Bryan Cranston (da série de TV Breaking Bad), John Goodman, o vencedor do Oscar Alan Arkin e Kyle Chandler, podendo resultar em novas indicações. E por trás das câmeras, mais nomes conhecidos pela Academia, começando por George Clooney como produtor, o compositor Alexandre Desplat (já indicado 4 vezes), o fotógrafo Rodrigo Prieto (uma indicação), o montador William Goldenberg (2 indicações) e até a figurinista Jacqueline West (2 indicações). Continuando nesse caminho, uma indicação para Melhor Diretor para Ben Affleck seria mera questão de tempo.

AS AVENTURAS DE PI (The Life of Pi)

Dir: Ang Lee

As Aventuras de Pi: Fantasia baseada em best-seller que conta com a credibilidade de Ang Lee

Depois de conquistar seu Oscar de Melhor Diretor por O Segredo de Brokeback Mountain, o taiwanês Ang Lee dirigiu 2 filmes: Desejo e Perigo (2007), um ótimo romance na China da 2ª Guerra Mundial, que arrebatou o Leão de Ouro em Veneza, e Aconteceu em Woodstock (2009), um drama mais modesto que chegou a ser indicado à Palma de Ouro. O que fazer quando um cineasta atinge seu ápice? Aposta em projetos mais pessoais. Ang Lee se identificou com a obra de Yann Martel, sobre um rapaz indiano, Pi, que sobrevive a um naufrágio e divide um bote com animais selvagens: uma hiena, um orangotango, uma zebra e um tigre de bengala.

Como se trata de uma fantasia, suas chances em categorias técnicas são boas, principalmente em Fotografia (Claudio Miranda, diretor de fotografia de O Curioso Caso de Benjamin Button), Direção de Arte (David Gropman, de As Regras da Vida), Montagem (Tim Squyres, de O Tigre e o Dragão) e dá pra incluir também Roteiro Adaptado (David Magee, de Em Busca da Terra do Nunca), além, claro, de uma nova indicação a Ang Lee, que seria sua terceira como Melhor Diretor. Resta saber se o filme receberá impulso das bilheterias.

BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE (The Dark Knight Rises)

Dir: Christopher Nolan

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge: bilheteria astronômica, mas não garante destaque no Oscar

Eu, Winston, não indicaria Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge para Melhor Filme do Oscar. MAS, como a segunda parte da trilogia, Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) foi o grande responsável pelo aumento de número dos indicados na categoria, não duvido nada a Academia premiar (leia-se compensar) este novo filme de Christopher Nolan. Pra quem não se recorda, em 2009, apesar de ter o total de 8 indicações, o filme ficou de fora nas principais categorias: Melhor Diretor e Melhor Filme, fato que muitos atribuem a culpa ao filme sobre nazismo (sempre ele) O Leitor, de Stephen Daldry.

Embora essa legislação do Oscar tenha mudado por motivos comerciais, a ausência do filme de Nolan na época repercutiu muito mal e fez com que a Academia temesse uma drástica redução na audiência da cerimônia. Tentaram remediar com a vitória póstuma de Heath Ledger como ator coadjuvante, mas essa ferida ainda ecoa entre os fãs do herói e dos filmes. Este já seria um motivo para que esta terceira parte figurasse entre os indicados a Melhor Filme, mas e como o Oscar se posicionaria em relação àquela sessão de Colorado, que culminou na morte de 12 espectadores?

Indicar o filme como homenagem também ou isso seria um desrespeito? Na teoria, Batman não tem nada a ver com o incidente. Aliás, até o ator Christian Bale foi lá visitar os sobreviventes no hospital. Mas na prática, essa paranóia pode influenciar nos resultados.

Ademais, Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge tem todas as condições para conquistar vagas em categorias mais técnicas como fotografia, direção de arte, montagem, som, efeitos sonoros e efeitos visuais. Christopher Nolan pode concorrer como Diretor e Roteiro adaptado, mas acho pouco provável pela repercussão das críticas.

INDOMÁVEL SONHADORA (Beasts of the Southern Wild)

Dir: Benh Zeitlin

Beasts of the Southern Wild: Apesar de azarão, tem chances com a fotografia e atriz-mirim Quvenzhané Wallis de apenas 6 aninhos

A pequena produção americana com orçamento estimado em 1 milhão e 800 mil dólares começou sua jornada de reconhecimento no último Festival de Sundance, onde conquistou o Grande Prêmio do Júri – Drama e o prêmio de Fotografia, e em seguida no Festival de Cannes, de onde saiu com os prêmios Un Certain Regard e Golden Camera, que prestigiam uma visão ímpar e a qualidade técnica de um filme, respectivamente.

Agora, comprado pela Fox Searchlight por míseros US$ 2 milhões, deverá ser distribuído pelos EUA com o devido lobby por indicações ao Oscar. Apesar de Quvenzhané Wallis ter apenas 6 anos, a Academia adora indicar novos prodígios como os recentes casos de Abigail Breslin (Pequena Miss Sunshine), Keisha Castle-Hughes (A Encantadora de Baleias) e Haley Joel Osment (O Sexto Sentido).

Também conta a favor da trama ser uma mistura de realidade dura com fantasia. Em 2010, essa mesma ambientação saiu premiada com o Oscar de Roteiro Adaptado e Atriz Coadjuvante para Mo’Nique em Preciosa – Uma História de Esperança. O feito poderia se repetir em 2013.

DJANGO LIVRE (Django Unchained)

Dir: Quentin Tarantino

Django Livre: O escravo contra o mestre. Tarantino promete um western inovador.

Tarantino já ganhou o Oscar de roteiro original em 1995 por Pulp Fiction – Tempo de Violência, mas de lá pra cá, já se aventurou em produções que não têm a cara da Academia: os dois volumes de Kill Bill e À Prova de Morte. Em 2010, seu Bastardos Inglórios foi um forte candidato e levou o Oscar de coadjuvante para a majestosa performance de Christoph Waltz.
Agora, com o western Django Livre, estrelado por Jamie Foxx, Christoph Waltz e Leonardo Di Caprio, Tarantino terá uma nova oportunidade de levar outro Oscar e mostrar que é fã nº1 do western spaghetti Três Homens em Conflito (The Good, The Bad and the Ugly, 1966), de Sergio Leone.

Como se trata de um filme ambientado no velho oeste, tem boas chances nas categorias de Direção de Arte (J. Michael Riva), Figurino (Sharen Davis), Fotografia (Robert Richardson), Som, Roteiro Original e Montagem (o assistente de edição Fred Raskin assumiu o cargo depois que a colaboradora de longa data Sally Menke faleceu em 2010). O burburinho do Oscar também atinge os atores. Jamie Foxx, que já ganhou Melhor Ator por Ray, e Leonardo Di Caprio, já indicado 3 vezes, são possíveis nomes para Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente.

Se Tarantino não inseriu elementos pop demais em Django Livre, a Academia pode alavancar ainda mais sua bilheteria com indicações, mas o cinema praticado pelo diretor ainda sofre preconceitos por boa parte dos votantes judeus, mesmo que os tenha “defendido” na versão heróica da 2ª Guerra Mundial em Bastardos Inglórios.

O HOBBIT – UMA JORNADA INESPERADA (The Hobbit: An Unexpected Journey)

Dir: Peter Jackson

O Hobbit: Deu lucro? Volta pra Middle Earth.

Não sou fã da trilogia do Senhor dos Anéis, especialmente o último filme que tem 11 finais, mas seria ignorância da minha parte se não reconhecesse todo o trabalho de Peter Jackson para adaptar J.R.R. Tolkien para o cinema. Jackson elevou o gênero da fantasia a um novo patamar, uma vez que muitos consideravam os livros obras “infilmáveis”. Com o estrondoso sucesso de crítica e público, era apenas questão de tempo para o livro que antecedeu a trilogia, O Hobbit, passasse a ser cogitado como futuro projeto de Peter Jackson. Mas acabou parando nas mãos de outro talentoso diretor de fantasias: Guillermo del Toro.

À princípio, achei que ele não queria mais ver elfos e hobbits pela frente, porém foi uma cirurgia de úlcera que acabou tirando-o da cadeira de diretor. Guillermo, famoso diretor dos filmes de Hellboy e do premiado O Labirinto do Fauno, assumiu o projeto e respirou J.R.R. Tolkien por 2 anos e não aguentou a pressão dos estúdios e prazos de filmagem e lançamento. Sinceramente, achava que del Toro iria conseguir finalizar o filme, mas se você é daquelas pessoas que assiste aos making ofs nos DVDs e blu-rays, sabe que diretor de grandes produções sofre bastante. Entra feliz e animado e sai com expressão de cansaço total e cabelos brancos. Além disso, Guillermo tinha uma sombra muito forte por trás: o próprio Peter Jackson.

Incontáveis fãs nerds que frequentam as conferências de San Diego pediam a cabeça de Guillermo del Toro. Resultado: a voz do consumidor é a voz de Deus! Peter Jackson voltou! Bilionário, com um estômago bem menor, com corpinho mais esbelto e com 3 estatuetas do Oscar em casa. O estúdio ficou tão feliz com seu retorno à série que resolveram comemorar transformando O Hobbit em uma trilogia. Por que lucrar uma vez se você pode lucrar 3 vezes mais? Então aí está: aguente mais 3 anos de hobbits, elfos, gollums, finais melosos e incontáveis indicações ao Oscar.

INSIDE LLWELYN DAVIS

Dir: Ethan Coen e Joel Coen

Inside Llewlyn Davis: Ainda sem fotos do filme, vemos os irmãos Coen no set de filmagem que conta com Carey Mulligan nos anos 60.

Depois que os irmãos Coen ganharam o Oscar de Melhor Filme, Direção e Roteiro Adaptado pelo ótimo Onde os Fracos Não têm Vez em 2008, qualquer filme deles automaticamente se torna um forte candidato ao Oscar. Como cinéfilo e fã da filmografia bem criativa dos irmãos, considero esse reconhecimento tardio mas justo. Até um filme despretensioso como Um Homem Sério (2009) se mostrou uma ótima comédia que foi indicada a Melhor Roteiro Original e Melhor Filme, sem contar as 10 indicações que a refilmagem de Bravura Indômita conseguiu em 2011. Neste Inside Llewlyn Davis, os diretores contam com duas armas para repetir o triunfo no Oscar: filme que se passa nos anos 60, e Carey Mulligan.

Se a jovem atriz britânica não pode mais contar com O Grande Gatsby, ela pode conseguir sua segunda indicação com esta performance. Só esperamos que Justin Timberlake, que contracena com ela, não a atrapalhe. Aliás, será que os Coen conseguem realizar um milagre e fazer Timberlake atuar decentemente? Só isso já merece um Oscar, não?

Além de Mulligan e os irmãos Coen, o filme conta com o produtor Scott Rudin, que desde 2003, já foi indicado 5 vezes ao Oscar (vencendo justamente com o filme dos Coen), e o reconhecido diretor de fotografia Bruno Delbonnel, responsável pelo visual fantástico de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001).

LES MISÉRABLES

Dir: Tom Hooper

Les Miserables: musical com Hugh Jackman.

Parece que depois de Moulin Rouge – Amor em Vermelho (2001), Chicago (2002) e Mamma Mia! (2008), o gênero musical tem voltado ao cenário de Hollywood. E agora, ele volta com pedigree literário. O clássico Les Miserábles de Victor Hugo foi adaptado pelo roteirista indicado ao Oscar de Gladiador, William Nicholson, e regido por Tom Hooper, mais conhecido por seu sucesso O Discurso do Rei.

Apesar de bem comentado e com altas expectativas, devemos considerar que Tom Hooper não tem experiência com musicais. É claro que pode ser um dos filmes mais premiados da temporada, mas pode amargurar no esquecimento devido ao risco. Por outro lado, se depender do elenco, o filme pode alavancar algumas indicações ao Oscar: Hugh Jackman, Russell Crowe e Anne Hathaway protagonizam a adaptação e são boas apostas, especialmente Jackman e Hathaway, pois ambos têm talento musical comprovados (sim, eu sei que Russell Crowe tem uma bandinha…), e já têm uma história de cantar juntos na cerimônia do Oscar. Também existe uma história de que Anne Hathaway cantou I Dreamed a Dream no teste de atores e fez todos chorarem.

Musicais são como boa publicidade. É muito fácil fazer uma mediocridade, mas quando se acerta o tom, podem surgir obras-primas como Cantando na Chuva. Vamos esperar que Tom Hooper acerte em cheio.

MOONRISE KINGDOM (Moonrise Kingdom)

Dir: Wes Anderson

Moonrise Kingdom: Atores já valem o ingresso

Os filmes de Wes Anderson estão um pouco longe de ser uma unanimidade entre os votantes da Academia, pois… digamos que ele tem um humor bastante peculiar. Três é Demais (1998), Os Excêntricos Tenenbauns (2001), A Vida Aquática de Steve Zissou (2004) e Viagem a Darjeeling (2007) são obras singulares, mas a Academia não estava preparada para recebê-las, ainda mais se lembrarmos que comédia nunca foi um gênero forte na premiação. Contudo, o cineasta começa a atingir maturidade e seu nome a se associar aos melhores filmes do ano. Já foi indicado ao Oscar duas vezes: pelo Roteiro Original de Os Excêntricos Tenenbauns e pela ótima animação O Fantástico Sr. Raposo (2009).

Com este novo trabalho, Moonrise Kingdom, ele volta a reunir seus colaboradores habituais Bill Murray e Jason Schwartzman, reunindo mais atores consagrados como Tilda Swinton, Frances McDormand, Edward Norton e Bruce Willis, o que sempre aumenta a atenção dos críticos. O filme fala sobre a paixão de um escoteiro por uma garota, e quando decidem fugir juntos, a cidade inteira se mobiliza para procurá-los. Embora seja uma aposta incerta para o Oscar, tem chances em algumas categorias como Roteiro Original, Trilha Musical (Alexandre Desplat), Figurino, Montagem (Andrew Weisblum) e talvez alguma de atuação.

LINCOLN

Dir: Steven Spielberg

Lincoln: pôster simples, mas que já tem cara de Oscar

Steven Spielberg. Daniel Day-Lewis. Filme sobre presidente. Desses 3 elementos, já podemos tirar uns Oscars da cartola. Lincoln tem tudo para ser um daqueles candidatos recordistas em indicações: Filme, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante (que tem vários possíveis nomes como Tommy Lee Jones, Jackie Earle Haley, David Strathairn, John Hawkes, Hal Holbrook), Atriz Coadjuvante (Sally Field), Roteiro Adaptado, Fotografia, Trilha Musical, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Som e Maquiagem. Total de 13, tá bom pra você, Spielberg? Depois de sair com as mãos abanando com seu Cavalo de Guerra, a Academia pode se sentir na obrigação de compensá-lo, a menos que o filme seja uma draga… Isso sem contar se não tiver uma canção original na manga. No papel, o status do filme é de vencedor de Melhor Filme, mas como todos os especialistas dizem: o Oscar é imprevisível.

Fui assistir a Cavalo de Guerra com um pé atrás, porque achava que o diretor andava meio enferrujado, e todo aquele episódio de retocar o filme E.T. o Extraterrestre (1982) ainda não me caiu bem. Mas Spielberg não desaprendeu a fazer cinema e com o filme, comprovou que ainda manda bem na catarse. E Lincoln tem todos os ingredientes épicos para fazer os votantes da Academia chorarem nos créditos finais, afinal, o presidente, considerado um dos heróis da nação, foi assassinado friamente, como outro político querido: Kennedy.

Recentemente, escrevi um post sobre os atores dirigidos por Spielberg e o fato curioso de que nenhum deles ganhou o Oscar. Agora, o diretor tem Daniel Day-Lewis em seu filme, um dos melhores profissionais de sua geração, assumindo um papel almejado por incontáveis atores de Hollywood. Lincoln seria a melhor chance do diretor depois de A Lista de Schindler. Será que é desta vez, Spielberg?

THE MASTER

Direção: Paul Thomas Anderson

The Master: Amy Adams (à esq) e Philip Seymour Hoffman (centro) são apostas certeiras com Joaquin Phoenix.

Apesar de Paul Thomas Anderson ter um gosto meio alternativo, seus filmes costumam levar algumas indicações. Foi assim com Boogie Nights – Prazer Sem Limites, Magnólia e Sangue Negro; todos receberam indicações de atuação e Daniel Day-Lewis ganhou seu segundo Oscar pelo último. A única exceção foi Embriagado de Amor, que passou desapercebido pela premiação, porque Adam Sandler não é bem uma unanimidade entre os críticos (particularmente, acho seu melhor trabalho como ator).

The Master se destaca por se tratar de um filme sobre os primórdios da cientologia. Sim, aquela polêmica religião criada pelo autor de ficção científica L. Ron Hubbard, que tem adeptos ilustres como Tom Cruise e John Travolta. Para contar essa interessante história, Anderson convocou um nome igualmente polêmico: Joaquin Phoenix, que parece ter perdido uns parafusos quando anunciou na TV, todo barbudo e de óculos escuros, a aposentadoria da carreira de ator. Juntamente com Philip Seymour Hoffman (Oscar de Ator por Capote) e Amy Adams (3 indicações), forma uma trinca poderosa na corrida ao Oscar. O favoritismo de Phoenix e Hoffman cresceu ainda mais depois que receberam o prêmio Volpi Cup no Festival de Veneza, de onde o diretor também saiu laureado com o Leão de Prata.

A produção também tem boas chances em Melhor Roteiro Original (o próprio Paul Thomas Anderson), Trilha Musical (Jonny Greenwood), Direção de Arte (Jack Fisk e David Crank), Figurino (Mark Bridges, ganhador do Oscar este ano com O Artista)e Montagem. Talvez seja o único capaz de bater Spielberg e Peter Jackson.

SILVER LININGS PLAYBOOK

Direção: David O. Russell

Silver Linings Playbook, de David O. Russell

David O. Russell era considerado um diretor alternativo, assim como Wes Anderson. Mas com o amadurecimento de seus trabalhos, Russell conseguiu destaque e indicações para seu filme O Vencedor (The Fighter, 2010). Não apenas obteve sua primeira indicação ao Oscar como Melhor Diretor, mas seus atores coadjuvantes, Christian Bale e Melissa Leo, saíram premiados daquela cerimônia. Agora, com este Silver Linings Playbook, ele volta a chamar a atenção, mas não somente dos críticos, mas do público, pois ganhou o People’s Choice Awards no último Festival de Toronto, reconhecimento também dado ao vencedor do Oscar O Discurso do Rei.

Baseado no romance de Matthew Quick, o filme acompanha o retorno de Pat Solitano (Bradley Cooper) à casa dos pais depois de ficar internado oito meses numa instituição mental. Ele busca reconstruir sua vida e reconciliação com a ex-mulher que o traiu. No caminho, ele conhece uma jovem chamada Tiffany (Jennifer Lawrence) que se oferece para ajudá-lo em troca de um favor importante para ela. Trata-se de uma história bastante simples, mas pelos comentários e críticas que ouvi, também apresenta elementos bastante humanos que, com a ajuda dos atores em forma, conquistaram o público por onde passou.

Tem se tornado a produção que mais cresceu nessa fase da corrida para o Oscar 2013, ao lado do filme de Ben Affleck, Argo. Além disso, tem boas chances de emplacar indicações para os quatro atores: Bradley Cooper (sim, aparentemente ele é mais do que um candidato a galã de Se Beber, Não Case!), Jennifer Lawrence (a Academia não perderia a oportunidade de ouro de indicá-la como Melhor Atriz com o sucesso de Jogos Vorazes), Jacki Weaver (seria sua segunda indicação depois de Reino Animal) e Robert De Niro (com seu retorno trinufal depois de 20 anos sem indicações ao Oscar).

Claro que o diretor David O. Russell deve voltar a concorrer como Melhor Diretor, mas como a competição está bem acirrada, talvez ele seja “compensado” com o prêmio de Melhor Roteiro Adaptado.

ZERO DARK THIRTY

Direção: Kathryn Bigelow

Zero Dark Thirty: Parece uma imagem da trilogia Bourne, mas ao invés de caçarem o agente, estão atrás de Bin Laden

Depois que Kathryn Bigelow se consagrou com a primeira mulher a ganhar o Oscar de Melhor Diretor, ela teve muitas propostas. Acabou repetindo sua parceria com o roteirista Mark Boal do mesmo Guerra ao Terror (2008) e deram vida ao filme que trata da caça ao líder terrrorista do Al-Qaeda, Osama Bin Laden. A produção já vinha sendo bastante comentada porque recebeu com exclusividade acesso aos arquivos da operação de captura da CIA. Recentemente, os noticiários da TV anunciaram que a estréia do filme foi adiada para depois das eleições presidenciais em novembro por causa de protestos de republicanos, que temem queda nas intenções de voto de Mitt Romney.

Importância história o filme já tem. A fama já o precede. Mas e o filme? Tem toda essa chance no Oscar como teve Guerra ao Terror? Diretor, Roteiro Original, Montagem, Som e Efeitos Sonoros são possibilidades reais, assim, por que não Melhor Filme também? Não deve sair tão vitorioso por se tratar de um filme polêmico desde seu nascimento, mas deve figurar entre os indicados.

——

Claro que a lista pode mudar nos próximos meses até o dia 10 de janeiro, quando as indicações ao Oscar serão anunciadas ao vivo. Existem algumas produções que ainda tem uma porcentagem pequena de figurarem entre os possíveis dez indicados a Melhor Filme. Lembrando que nessa categoria, podem haver de 5 a 10 filmes indicados, dependendo da votação de cada um. Eis alguns filmes que podem ganhar algum fôlego na reta final e um ou outro motivo de não estar na lista definitiva:

Amour, de Michael Haneke. O filme levou a Palma de Ouro em Cannes e tem boas chances de ver seus atores centrais indicados, mas o fato de ser falado em francês deve direcionar suas chances para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro, uma vez que é o representante da Áustria.

O Exótico Hotel Marigold, de John Madden. Através da força de seu elenco experiente encabeçado por Judi Dench, este simpático drama senil passado na Índia pode ganhar força entre os votantes mais velhos, ainda mais se suas atrizes foram indicadas. Mas o filme tem cara de que não deve passar da lista de indicados a Melhor Filme – Comédia ou Musical no Globo de Ouro.

O Impossível, de Juan Antonio Bayona. Apesar do lado trágico que pode levar os espectadores às lágrimas, este drama familiar tem sua forte base apoiada nos atores. Naomi Watts tem grandes chances de sua segunda indicação, e Ewan McGregor pode surpreender. Mas como filme, não tem chamado tanta atenção.

The Sessions, de Ben Lewin. Este drama independente também está aqui por causa dos atores, especialmente o protagonista John Hawkes. A história do paciente diagnosticado com pouco tempo de vida e quer perder a virgindade antes de morrer só é comprada por causa de Hawkes. Claro que o elenco também conta com Helen Hunt e William H. Macy, que podem dar uma forcinha no número de indicações.

007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes. Eu sei. Como a Academia vai indicar um filme de James Bond? Embora eu seja fã, concordo que esta não seria uma categoria mais propícia ao 23º filme da franquia, mas com os recordes de bilheteria, as críticas positivas, a equipe oscarizada chefiada pelo diretor Sam Mendes e o fato de Bond comemorar 50 anos este ano podem colaborar para a primeira inclusão de um filme de Bond como Melhor Filme. Só para matar sua curiosidade, a franquia de 007 já foi premiada com dois Oscars: Em 1965 pelo Efeitos Sonoros de 007 Contra Goldfinger, e em 1966, pelos Efeitos Visuais de 007 Contra a Chantagem Atômica.