‘CORINGA’ LIDERA as INDICAÇÕES ao BAFTA

Design sem nome (9).jpg

Com 11 indicações, Coringa lidera o BAFTA, seguido por Era Uma Vez em… Hollywood e O Irlandês com 10 cada.

ACADEMIA BRITÂNICA TAMBÉM DISTRIBUI INDICAÇÕES PARA O IRLANDÊS E ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD

Na manhã desta terça, dia 07, os atores Asa Butterfield (da série Sex Education, da Netflix) e Ella Balinska (da nova versão de As Panteras) anunciaram os indicados para a 73ª edição do prêmio da Academia Britânica. Para quem quiser acompanhar o anúncio, clique no link do YouTube direto do canal do BAFTA:

Havia uma forte expectativa de que o vencedor do Globo de Ouro, 1917, iria ser o grande recordista de indicações por se tratar de uma produção britânica e por possibilitar uma série de indicações em categorias técnicas, mas não foi o que aconteceu. Para surpresa de muitos, Coringa liderou com 11 indicações: Filme, Ator (Joaquin Phoenix), Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem, Design de Produção, Trilha Original, Maquiagem e Cabelo, Som, Diretor e a nova categoria de Casting.

Logo em seguida, com 10 indicações vêm Era Uma Vez em… Hollywood e O Irlandês. O filme de guerra de Sam Mendes conquistou nove indicações, Jojo Rabbit conquistou seis, enquanto História de um Casamento, Dois Papas e Adoráveis Mulheres obtiveram cinco cada. O filme mais premiado na temporada até o momento, o sul-coreano Parasita conquistou quatro indicações, ao lado de Rocketman e o documentário For Sama.

NOVA CATEGORIA DE CASTING

Conforme anunciado há alguns meses, o BAFTA decidiu implementar a categoria para reconhecer o trabalho dos profissionais que fazem a seleção do elenco de uma produção. Normalmente, essa tarefa é confundida com a decisão final do diretor (talvez por isso a Academia norte-americana nunca tenha dado o devido valor), mas ela fica extremamente evidente em casos de seleção de atores desconhecidos como por exemplo descobrir os dois atores mirins Roman Griffin Davis e Archie Yates de Jojo Rabbit. A equipe faz uma grande e extensa busca, muitas vezes fora do país, para encontrar um rosto desconhecido para encaixar no papel.

Design sem nome (12).jpg

Os primeiros indicados para a categoria nova de Casting

Curiosamente, a sátira de Taika Waititi não foi indicada… talvez por alguns excessos como Rebel Wilson? Mas em seu lugar, o casting de The Personal History of David Copperfield foi reconhecido. Esta adaptação do romance de Charles Dickens tem em seu elenco um equilíbrio entre nomes desconhecidos com consagrados como Tilda Swinton, Ben Wishaw e Dev Patel. Esperamos que esse primeiro passo do BAFTA encoraje a Academia do Oscar para criar a nova categoria.

CONTROVÉRSIA

Com o anúncio dos indicados, já apontaram a falta de diversidade étnica nas quatro categorias de atuação e a falta de mulheres na categoria de Direção. O consenso geral é de que as premiações só vão apresentar reais mudanças nessas questões quando a indústria cinematográfica prover oportunidades iguais para todas as etnias e sexo, incluindo LGBT. Claro que, mesmo sabendo dessa lógica, é difícil entendermos por que Lupita Nyong’o ficou de fora da categoria de Melhor Atriz. Obviamente, depende da votação dos mais de 6 mil membros da Academia Britânica, mas para quem viu o filme de Jordan Peele, a atriz entregou uma das melhores atuações do ano em Nós. E curiosamente, temos dois atores negros e uma asiática disputando o EE Rising Star Award.

Na categoria de Direção, nomes como Greta Gerwig, Lulu Wang, Alma Har’el, Marielle Heller e Melina Matsoukas marcaram pouca presença na temporada, o que justifica de alguma forma suas ausências em listas do Globo de Ouro e BAFTA, e possivelmente do Oscar. Contudo, a insatisfação pode chegar nos membros da Academia e pode haver uma reposta nas votações. Tudo vai depender de como os 9 mil membros vão votar… não é uma instituição com um único pensamento. E sem contar que a concorrência em Direção está muito forte. Temos trabalhos excepcionais como de Bong Joon-Ho em Parasita, Tarantino em seu Era Uma Vez em… Hollywood, Martin Scorsese com seu épico da Netflix, um trabalho fenomenal dos irmãos Safdie em Jóias Brutas. MAS se houver uma reviravolta e uma representante feminina ser incluída na categoria, apostamos em Céline Sciamma do francês Retrato de uma Jovem em Chamas ou Greta Gerwig com sua adaptação de Adoráveis Mulheres.

Outra controvérsia que tem rondado os bastidores é o favorecimento das premiações sobre os filmes exibidos em salas de cinema. O Globo de Ouro premiou 1917, de Sam Mendes, esta semana, e logo em seguida, o BAFTA concede 11 indicações para Coringa. Pode ser uma coincidência, claro, mas para alguns ficou nítida a preferência por produções lançadas em cinemas, ao contrário de produções da Netflix como O Irlandês, História de um Casamento e Dois Papas, que passaram em salas selecionadas para apenas cumprir o regulamento de qualificação. Estamos curiosos pra saber quem vai sair vitorioso no Oscar deste ano, após vermos Green Book bater Roma da Netflix.

SURPRESAS E ESNOBADOS

Num ano extremamente competitivo como foi o de 2019, seria IMPOSSÍVEL  agradar a todos. Nem o Critics’ Choice Awards com 15 indicados por categoria daria conta de tanta demanda! Mas é sempre bom lembrar o público que as premiações não têm (ou não deveriam ter) o objetivo de reconhecer tudo. Cada prêmio precisa e deve ter sua própria personalidade e identidade. Já pensou se todas as premiações que antecedem o Oscar indicassem somente os filmes que vão estar na lista final? Qual seria a graça? Como disse nosso querido Nelson Rodrigues: “A unanimidade é burra”. Além disso, num ano tão rico como de 2019, temos que agradecer que temos variedade de filmes, porque tem ano que nem Cristo aguenta…

Bom, começando com as categorias de atuação feminina, que foram as que mais sofreram alterações, em Melhor Atriz, tivemos a inclusão da irlandesa Jessie Buckley (que também esteve em Judy) por sua performance em As Loucuras de Rose, um drama sobre uma mulher que sonha em ser uma cantora de country. Entre as ausências mais sentidas estão: Lupita Nyong’o (Nós) – ainda acreditamos que ela será indicada ao Oscar, Cynthia Erivo (Harriet) e Awkwafina (The Farewell). No caso de Awkwafina, que acaba de ganhar o Globo de Ouro, sua ausência foi de alguma forma compensada pela indicação na categoria de EE Rising Star Award, que seria um prêmio de revelação do ano votado pelo público de lá.

Jessie Buckley Wild Rose.jpg

Jesie Buckley em As Loucuras de Rose (pic by IMDb)

Na categoria de Atriz Coadjuvante, talvez a grande surpresa deste ano: Margot Robbie duplamente indicada por O Escândalo e Era Uma Vez em… Hollywood. Tudo bem que a categoria estava bem instável na temporada, com Annette Bening, Kathy Bates, Shuzen Zhao indo e vindo, mas foi a primeira vez que vimos Robbie competindo consigo mesma. A atuação dela como Sharon Tate no filme de Tarantino é como o próprio diretor descreveu em seu discurso do Globo de Ouro: “Ela foi a bondade em pessoa. Nunca uma personagem foi tão boa nos meus filmes”. Ela traz aquele ar angelical que o diretor precisava para reforçar sua mensagem final. É uma atuação discreta, mas com sutilezas, e normalmente as premiações não dão muita importância essas coisas.

Por outro lado, ficamos chateados com a exclusão de Jennifer Lopez. A atriz nunca esteve tão bem (ok, nem vamos lembrar de Anaconda aqui) como em As Golpistas. Além do aspecto físico de sua performance como stripper, JLo também trouxe humanidade à sua personagem inescrupulosa.

Design sem nome (11).jpg

Margot Robbie (O Escândalo) X Margot Robbie (Era uma Vez em… Hollywood)

Na ala masculina, tivemos as exclusões de Antonio Banderas (Dor e Glória) e Eddie Murphy (Meu Nome é Dolemite) da categoria de Melhor Ator. Felizmente, Taron Egerton está na lista por Rocketman, mas adoraríamos ver Adam Sandler na disputa no lugar de Jonathan Pryce ou Leonardo DiCaprio. Sandler nunca esteve tão bem (ok, também não vamos lembrar da lista de comédias ralas aqui) como em Jóias Brutas, inclusive contando com sua atuação no filme Embriagados de Amor, de Paul Thomas Anderson. E é uma pena enorme que o filme dos irmãos Josh e Benny Safdie não foi reconhecido em nenhuma categoria, pois poderia influenciar nas indicações da Academia.

Pela categoria de Coadjuvante, os indicados foram exatamente os mesmos do Globo de Ouro. Inclusive, as indicações de Al Pacino e Joe Pesci pelo mesmo O Irlandês deve beneficiar de novo a campanha vitoriosa de Brad Pitt. Apesar de bem concorrida, gostaríamos de ter visto o nome de Willem Dafoe na briga por O Farol. Claro que o filme de Robert Eggers é um pouco intragável para a maioria, mas nem por isso a interpretação dele deveria ser descartada. E sentimos falta de uma indicação para o elenco excepcional de Parasita, que poderia ter vindo aqui pelo nome de Song Kang Ho (o pai da família Kim).

Outra categoria que teve quase tudo bagunçado foi de Longa de Animação. O recém vencedor do Globo de Ouro, Link Perdido, sequer foi indicado aqui, porém as grandes produções da Disney (Frozen 2) e da Pixar (Toy Story 4) continuam na disputa. Também tivemos a ausência da animação francesa da Netflix, Perdi Meu Corpo, que vinha sendo a melhor alternativa às animações bilionárias. Contudo, a mesma Netflix conseguiu deslanchar a animação Klaus (um belo trabalho de 2D com 3D) e o estúdio Aardman emplacou Shaun, o Carneiro: Aliens, uma sequência de Shaun, o Carneiro (2015).

Design sem nome (10).jpg

Klaus e Shaun, o Carneiro: Aliens são indicados ao BAFTA de Longa de Animação

Entre outras ausências relevantes contamos com os figurinos de Rocketman, o design de produção de Parasita (aquela mansão é um personagem), a trilha de Randy Newman em História de um Casamento e o belo e singelo documentário Honeyland, que ficou de fora da categoria de documentário e Filme em Língua Estrangeira.

Seguem todos os indicados ao 73º BAFTA:

MELHOR FILME
1917 Pippa Harris, Callum McDougall, Sam Mendes, Jayne-Ann Tenggren
O IRLANDÊS Robert De Niro, Jane Rosenthal, Martin Scorsese, Emma Tillinger Koskoff
CORINGA Bradley Cooper, Todd Phillips, Emma Tillinger Koskoff
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD David Heyman, Shannon McIntosh, Quentin Tarantino
PARASITA Bong Joon-ho, Kwak Sin-ae

MELHOR FILME BRITÂNICO
1917 Sam Mendes, Pippa Harris, Callum McDougall, Jayne-Ann Tenggren, Krysty Wilson-Cairns
BAIT Mark Jenkin, Kate Byers, Linn Waite
FOR SAMA Waad al-Kateab, Edward Watts
ROCKETMAN Dexter Fletcher, Adam Bohling, David Furnish, David Reid, Matthew Vaughn, Lee Hall
SORRY WE MISSED YOU Ken Loach, Rebecca O’Brien, Paul Laverty
DOIS PAPAS Fernando Meirelles, Jonathan Eirich, Dan Lin, Tracey Seaward, Anthony McCarten

ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO ESTREANTE
BAIT Mark Jenkin (Writer/Director), Kate Byers, Linn Waite (Producers)
FOR SAMA Waad al-Kateab (Director/Producer), Edward Watts (Director)
MAIDEN Alex Holmes (Director)
ONLY YOU Harry Wootliff (Writer/Director)
RETABLO Álvaro Delgado-Aparicio (Writer/Director) (Note: Also written by Héctor Gálvez)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
THE FAREWELL Lulu Wang, Daniele Melia
FOR SAMA Waad al-Kateab, Edward Watts
DOR E GLÓRIA Pedro Almodóvar, Agustín Almodóvar
PARASITA Bong Joon-ho
RETRATO DE UMA JOVEM EM CHAMAS Céline Sciamma, Bénédicte Couvreur

DOCUMENTÁRIO
AMERICAN FACTORY Steven Bognar, Julia Reichert
APOLLO 11 Todd Douglas Miller
DIEGO MARADONA Asif Kapadia
FOR SAMA Waad al-Kateab, Edward Watts
THE GREAT HACK Karim Amer, Jehane Noujaim

LONGA DE ANIMAÇÃO
FROZEN 2 Chris Buck, Jennifer Lee, Peter Del Vecho
KLAUS Sergio Pablos, Jinko Gotoh
SHAUN, o CARNEIRO: ALIENS Will Becher, Richard Phelan, Paul Kewley
TOY STORY 4 Josh Cooley, Mark Nielsen

DIREÇÃO
1917 Sam Mendes
O IRLANDÊS Martin Scorsese
CORINGA Todd Phillips
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Quentin Tarantino
PARASITA Bong Joon-ho

ROTEIRO ORIGINAL
FORA DE SÉRIE Susanna Fogel, Emily Halpern, Sarah Haskins, Katie Silberman
ENTRE FACAS E SEGREDOS Rian Johnson
HISTÓRIA DE UM CASAMENTO Noah Baumbach
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Quentin Tarantino
PARASITA Han Jin Won, Bong Joon-ho

ROTEIRO ADAPTADO
O IRLANDÊS Steven Zaillian
JOJO RABBIT Taika Waititi
CORINGA Todd Phillips, Scott Silver
ADORÁVEIS MULHERES Greta Gerwig
DOIS PAPAS Anthony McCarten

ATRIZ
JESSIE BUCKLEY As Locuras de Rose
SCARLETT JOHANSSON História de um Casamento
SAOIRSE RONAN Adoráveis Mulheres
CHARLIZE THERON O Escândalo
RENÉE ZELLWEGER Judy: Muito Além do Arco-Íris

ATOR
LEONARDO DICAPRIO Era uma Vez em… Hollywood
ADAM DRIVER História de um Casamento
TARON EGERTON Rocketman
JOAQUIN PHOENIX Coringa
JONATHAN PRYCE Dois Papas

ATRIZ COADJUVANTE
LAURA DERN História de um Casamento
SCARLETT JOHANSSON Jojo Rabbit
FLORENCE PUGH Adoráveis Mulheres
MARGOT ROBBIE O Escândalo
MARGOT ROBBIE Era uma Vez em… Hollywood

ATOR COADJUVANTE
TOM HANKS Um Lindo Dia na Vizinhança
ANTHONY HOPKINS Dois Papas
AL PACINO O Irlandês
JOE PESCI O Irlandês
BRAD PITT Era uma Vez em… Hollywood

TRILHA ORIGINAL
1917 Thomas Newman
JOJO RABBIT Michael Giacchino
CORINGA Hildur Guđnadóttir
ADORÁVEIS MULHERES Alexandre Desplat
STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER John Williams

CASTING
CORINGA Shayna Markowitz
HISTÓRIA DE UM CASAMENTO Douglas Aibel, Francine Maisler
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Victoria Thomas
THE PERSONAL HISTORY OF DAVID COPPERFIELD Sarah Crowe
DOIS PAPAS Nina Gold

FOTOGRAFIA
1917 Roger Deakins
O IRLANDÊS Rodrigo Prieto
CORINGA Lawrence Sher
FORD VS FERRARI Phedon Papamichael
O FAROL Jarin Blaschke

MONTAGEM
O IRLANDÊS Thelma Schoonmaker
JOJO RABBIT Tom Eagles
CORINGA Jeff Groth
FORD VS FERRARI Andrew Buckland, Michael McCusker
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Fred Raskin

DESIGN DE PRODUÇÃO
1917 Dennis Gassner, Lee Sandales
O IRLANDÊS Bob Shaw, Regina Graves
JOJO RABBIT Ra Vincent, Nora Sopková
CORINGA Mark Friedberg, Kris Moran
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Barbara Ling, Nancy Haigh

FIGURINO
O IRLANDÊS Christopher Peterson, Sandy Powell
JOJO RABBIT Mayes C. Rubeo
JUDY: MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS Jany Temime
ADORÁVEIS MULHERES Jacqueline Durran
ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD Arianne Phillips

MAQUIAGEM E CABELO
1917 Naomi Donne
O ESCÂNDALO Vivian Baker, Kazu Hiro, Anne Morgan
CORINGA Kay Georgiou, Nicki Ledermann
JUDY: MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS Jeremy Woodhead
ROCKETMAN Lizzie Yianni Georgiou

SOM
1917 Scott Millan, Oliver Tarney, Rachael Tate, Mark Taylor, Stuart Wilson
CORINGA Tod Maitland, Alan Robert Murray, Tom Ozanich, Dean Zupancic
FORD VS FERRARI David Giammarco, Paul Massey, Steven A. Morrow, Donald Sylvester
ROCKETMAN Matthew Collinge, John Hayes, Mike Prestwood Smith, Danny Sheehan
STAR WARS: THE RISE OF SKYWALKER David Acord, Andy Nelson, Christopher Scarabosio, Stuart Wilson, Matthew Wood

EFEITOS VISUAIS
1917 Greg Butler, Guillaume Rocheron, Dominic Tuohy
VINGADORES: ULTIMATO Dan Deleeuw, Dan Sudick
O IRLANDÊS Leandro Estebecorena, Stephane Grabli, Pablo Helman
O REI LEÃO Andrew R. Jones, Robert Legato, Elliot Newman, Adam Valdez
STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER Roger Guyett, Paul Kavanagh, Neal Scanlan, Dominic Tuohy

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
GRANDAD WAS A ROMANTIC. Maryam Mohajer
IN HER BOOTS Kathrin Steinbacher
THE MAGIC BOAT Naaman Azhari, Lilia Laurel

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
AZAAR Myriam Raja, Nathanael Baring
GOLDFISH Hector Dockrill, Harri Kamalanathan, Benedict Turnbull, Laura Dockrill
KAMALI Sasha Rainbow, Rosalind Croad
LEARNING TO SKATEBOARD IN A WARZONE (IF YOU’RE A GIRL) Carol Dysinger, Elena Andreicheva
THE TRAP Lena Headey, Anthony Fitzgerald

EE RISING STAR AWARD
AWKWAFINA
KAITLYN DEVER
KELVIN HARRISON JR.
JACK LOWDEN
MICHEAL WARD

EE Rising Star Award.jpg

Indicados ao prêmio revelação do EE Rising Star Award

‘HISTÓRIA DE UM CASAMENTO’ LIDERA as INDICAÇÕES ao GLOBO DE OURO

Design sem nome (1).jpg

MELHOR FILME – DRAMA

FILME DA NETFLIX CONQUISTAM 6 INDICAÇÕES

Antes de listar os maiores indicados por filme, é importante ressaltar a escalada da Netflix. Foram ao todo 34 indicações (!) entre filmes, séries, minisséries e filmes para TV. A plataforma de streaming definitivamente está colhendo os frutos de seu alto investimento em conteúdo. Há poucos anos, a Netflix era vista apenas como uma plataforma para assistir aos filmes de outros estúdios. Hoje, ela produz muito material de qualidade, principalmente por investir nas vozes de autores esnobados na rede comercial de cinema como Martin Scorsese e Noah Baumbach.

Na ala de cinema, o drama conjugal História de um Casamento foi muito beneficiado por seu elenco: Adam Driver, Scarlett Johansson e Laura Dern receberam indicações individuais, contudo, Noah Baumbach não foi indicado na categoria de Direção. Ele foi lembrado apenas como roteirista, o que pode elevar suas chances de vitória. O filme também foi reconhecido pela trilha musical singela de Randy Newman.

Também da Netflix, O Irlandês acumulou 5 indicações, e deve ter as maiores chances de vencer o Globo de Ouro de Filme – Drama, justamente pela ausência de Noah Baumbach como diretor. Aliás, a categoria de Direção já foi alvo da primeira controvérsia, que cobra mulheres diretoras, especialmente Greta Gerwig por Adoráveis Mulheres. A crítica vem mais pesada na premiação, já que em 2017, esnobaram Gerwig por Lady Bird pra indicar o ranzinza Ridley Scott por Todo o Dinheiro do Mundo.

Numa resposta rápida, o presidente da HFPA, Lorenzo Soria, retrucou: “O que aconteceu é que nós não votamos por gênero. Votamos por filme e merecimento”. Além de Greta Gerwig, havia outras opções femininas como Lulu Wang (The Farewell), Lorene Scafaria (As Golpistas), Olivia Wilde (Fora de Série), Marielle Heller (Um Lindo Dia na Vizinhança) e Alma Har’el (Honey Boy), contudo, nenhuma delas teve um alto reconhecimento crítico que acarretasse numa forte cobrança.

Em 77 anos de Globo de Ouro, foram apenas cinco mulheres indicadas na categoria de Direção: Ava DuVernay (Selma), Barbra Streisand (Yentl e O Príncipe das Marés), Jane Campion (O Piano), Sofia Coppola (Encontros e Desencontros) e Kathryn Bigelow (Guerra ao Terror e A Hora Mais Escura), e apenas Barbra Streisand ganhou o Globo de Ouro de direção por Yentl em 1984.

Voltando ao filme de Gerwig, Adoráveis Mulheres foi praticamente esnobado. Recebeu ao todo duas indicações: Trilha Musical para Alexandre Desplat, e Atriz para Saoirse Ronan. Nem mesmo Florence Pugh conseguiu espaço como Coadjuvante, nem Gerwig como roteirista (mas ela deve conseguir indicação ao Oscar por Roteiro ter duas categorias: original e adaptado).

Também com 5 indicações como O Irlandês, o novo filme de Quentin Tarantino, Era uma Vez em… Hollywood obteve maior ocupação nas principais categorias por estar disputando como filme de Comédia ou Musical. Assim, foi reconhecido como Filme, Diretor, Ator (Leonardo DiCaprio), Ator Coadjuvante (Brad Pitt) e Roteiro.

Design sem nome.png

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

DECEPÇÕES E SURPRESAS

É sempre bom lembrarmos que 2019 foi um ano excepcional para o cinema. E isso é consenso em inúmeros sites especializados de cinema e de crítica. Portanto, nada mais natural do que observarmos vários filmes e atuações sem lugar nas premiações mais importantes, assim como lermos várias críticas por qualquer ausência. Sabem aquele velho ditado de agradar gregos e troianos, né?

Contudo, com base nas últimas semanas em que prêmios da crítica foram divulgados, é importante ressaltar algumas ausências e outras surpresas que incrementam ainda mais a temporada.

MELHOR ATRIZ- DRAMA (1)

Entre as ausências mais sentidas: Robert De Niro (O Irlandês) e Adam Sandler (Uncut Gems) na categoria de Ator -Drama. Em seus lugares, as performances menos celebradas de Jonathan Pryce (Dois Papas) e Christian Bale (Ford vs Ferrari) foram reconhecidas. Ainda nesta categoria, poderia haver espaço para nomes menos famosos como Paul Walter Hauser (O Caso Richard Jewell) e George McKay (1917). Aliás, essa falta de reconhecimento do elenco pode limitar o filme de guerra de Sam Mendes apenas às categorias mais técnicas de Montagem, Fotografia e Som no Oscar.

Na categoria de Atriz, Cynthia Erivo conquistou um importante espaço com sua atuação em Harriet, contudo num ano em que o quarteiro loiro formado por Renée Zellwegger, Charlize Theron, Saoirse Ronan e Scarlett Johansson, outros nomes ficaram de fora como Alfre Woodard (Clemency), Mary Kay Place (A Vida de Diane) e Lupita Nyong’o (Nós). Com bom hype, Awkwafina conseguiu espaço na categoria de Atriz – Comédia ou Musical, na qual se torna a favorita por The Farewell. Aliás, a indicação de Cate Blanchett nessa categoria por Cadê Você, Bernadette? foi vista como total surpresa, pois o filme de Richard Linklater foi mal nas bilheterias e de crítica.

MELHOR ATRIZ- DRAMA

Nas categorias de Coadjuvante, Shia Labeouf foi esquecido por seu filme autobiográfico Honey Boy, assim como por The Peanut Butter Falcon, enquanto Shuzhen Zhao foi esnobada por The Farewell. Willem Dafoe, recentemente indicado por Projeto Flórida e No Portal da Eternidade, foi ignorado por O Farol. Por outro lado, as indicações de Kathy Bates (O Caso de Richard Jewell) e Annette Bening (O Relatório) podem ser interpretadas como ótimo início de campanha.

Na categoria de Longa de Animação, uma decepção e uma crítica ao mesmo tempo. O Globo de Ouro incluiu o bilionário live-action de O Rei Leão, sendo que nem consideramos um trabalho de animação, não possui criatividade alguma, e ainda rouba lugares de trabalhos criativos e alternativos como Perdi Meu Corpo, que recentemente foi eleito Melhor Animação e Trilha Musical pelo LAFCA.

Talvez este seja o principal defeito do Globo de Ouro: puxa muito o saco de grandes estúdios e de celebridades. Quem aí não se lembra das indicações de Angelina Jolie e Joaquin Phoenix por aquele horrendo O Turista?

PELAS CATEGORIAS TELEVISIVAS

Chernobyl, The Crown e Unbelievable dominaram as categorias com 4 indicações cada. Enquanto, Barry, Succession, Big Little Lies, Fleabag, Fosse/ Verdon, The Kominsky Method e The Morning Show acumularam três cada.

Para quem quiser acompanhar o anúncio das indicações, segue link para o vídeo no YouTube:

Tim Allen, Dakota Fanning e Susan Kelechi Watson se incumbiram da tarefa de anunciar os indicados na manhã desta segunda-feira.

Lembrando que a cerimônia do 77º Globo de Ouro está marcada para o dia 05 de janeiro, e será apresentada pelo hilário Ricky Gervais.


INDICADOS AO 77º GLOBO DE OURO:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
O Irlandês (The Irishman) (Netflix)
História de um Casamento (Marriage Story) (Netflix)
1917 (Universal)
Coringa (Joker) (Warner Bros.)
Dois Papas (The Two Popes) (Netflix)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cynthia Erivo (Harriet)
Scarlett Johansson (História de um Casamento)
Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)
Charlize Theron (O Escândalo)
Renée Zellweger (Judy)

MELHOR ATOR – DRAMA
Christian Bale (Ford vs Ferrari)
Antonio Banderas (Dor e Glória)
Adam Driver (História de um Casamento)
Joaquin Phoenix (Coringa)
Jonathan Pryce (Dois Papas)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Meu Nome é Dolemite (Dolemite Is My Name) (Netflix)
Jojo Rabbit (Fox Searchlight)
Entre Facas e Segredos (Knives Out) (Lionsgate)
Era uma Vez em… Hollywood (Once Upon a Time in Hollywood) (Sony)
Rocketman (Paramount)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Ana de Armas (Entre Facas e Segredos)
Awkwafina (The Farewell)
Cate Blanchett (Cadê Você, Bernadette?)
Beanie Feldstein (Fora de Série)
Emma Thompson (Late Night)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Daniel Craig (Entre Facas e Segredos)
Roman Griffin Davis (Jojo Rabbit)
Leonardo DiCaprio (Era uma Vez em… Hollywood)
Taron Egerton (Rocketman)
Eddie Murphy (Meu Nome é Dolemite)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Frozen 2 (Disney)
Como Treinar o Seu Dragão 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World) (Universal)
O Rei Leão (The Lion King) (Disney)
Link Perdido (Missing Link) (United Artists Releasing)
Toy Story 4 (Disney)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
The Farewell (A24)
Les Misérables (Amazon)
Dor e Glória (Pain and Glory) (Sony Pictures Classics)
Parasita (Parasite) (Neon)
Retrato de uma Jovem em Chamas (Portrait of a Lady on Fire) (Neon)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)
Annette Bening (O Relatório)
Laura Dern (História de um Casamento)
Jennifer Lopez (As Golpistas)
Margot Robbie (O Escândalo)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)
Anthony Hopkins (Dois Papas)
Al Pacino (O Irlandês)
Joe Pesci (O Irlandês)
Brad Pitt (Era uma Vez em… Hollywood)

MELHOR DIRETOR
Bong Joon-ho (“Parasite”)
Sam Mendes (“1917”)
Todd Phillips (“Joker”)
Martin Scorsese (O Irlandês)
Quentin Tarantino (Era uma Vez em… Hollywood)

MELHOR ROTEIRO
Noah Baumbach (História de um Casamento)
Bong Joon-ho and Han Jin-won (Parasita)
Anthony McCarten (Dois Papas)
Quentin Tarantino (Era uma Vez em… Hollywood)
Steven Zaillian (O Irlandês)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (Adoráveis Mulheres)
Hildur Guðnadóttir (Coringa)
Randy Newman (História de um Casamento)
Thomas Newman (1917)
Daniel Pemberton (Brooklyn: Sem Pai Nem Mãe)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Beautiful Ghosts” (Cats)
“I’m Gonna Love Me Again” (Rocketman)
“Into the Unknown” (Frozen 2)
“Spirit” (O Rei Leão)
“Stand Up” (Harriet)


TELEVISÃO/STREAMING

MELHOR SÉRIE – DRAMA
“Big Little Lies” (HBO)
“The Crown” (Netflix)
“Killing Eve” (BBC America)
“The Morning Show” (Apple TV Plus)
“Succession” (HBO)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – DRAMA
Jennifer Aniston (“The Morning Show”)
Olivia Colman (“The Crown”)
Jodie Comer (“Killing Eve”)
Nicole Kidman (“Big Little Lies”)
Reese Witherspoon (“The Morning Show”)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – DRAMA
Brian Cox (“Succession”)
Kit Harington (“Game of Thrones”)
Rami Malek (“Mr. Robot”)
Tobias Menzies (“The Crown”)
Billy Porter (“Pose”)

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
“Barry” (HBO)
“Fleabag” (Amazon)
“The Kominsky Method” (Netflix)
“The Marvelous Mrs. Maisel” (Amazon)
“The Politician” (Netflix)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Christina Applegate (“Dead to Me”)
Rachel Brosnahan (“The Marvelous Mrs. Maisel”)
Kirsten Dunst (“On Becoming a God in Central Florida”)
Natasha Lyonne (“Russian Doll”)
Phoebe Waller-Bridge (“Fleabag”)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Michael Douglas (“The Kominsky Method”)
Bill Hader (“Barry”)
Ben Platt (“The Politician”)
Paul Rudd (“Living with Yourself”)
Ramy Youssef (“Ramy”)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
“Catch-22″ (Hulu)
“Chernobyl” (HBO)
“Fosse/Verdon” (FX)
The Loudest Voice (Showtime)
“Unbelievable” (Netflix)

MELHOR ATRIZ DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Kaitlyn Dever (“Unbelievable”)
Joey King (“The Act”)
Helen Mirren (“Catherine the Great”)
Merritt Wever (“Unbelievable”)
Michelle Williams (“Fosse/Verdon”)

MELHOR ATOR DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Christopher Abbott (“Catch-22”)
Sacha Baron Cohen (“The Spy”)
Russell Crowe (“The Loudest Voice”)
Jared Harris (“Chernobyl”)
Sam Rockwell (“Fosse/Verdon”)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE DE SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Patricia Arquette (“The Act”)
Helena Bonham Carter (“The Crown”)
Toni Collette (“Unbelievable”)
Meryl Streep (“Big Little Lies”)
Emily Watson (“Chernobyl”)

MELHOR ATOR COADJUVANTE DE SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Alan Arkin (“The Kominsky Method”)
Kieran Culkin (“Succession”)
Andrew Scott (“Fleabag”)
Stellan Skarsgård (“Chernobyl”)
Henry Winkler (“Barry”)

%d blogueiros gostam disto: