‘Manchester à Beira-Mar’ conquista 4 indicações ao SAG Awards 2017

manchester by the sea SAG.jpg

Em cena de Manchester à Beira-Mar, Casey Affleck e Lucas Hedges . Filme foi recordista de indicações ao SAG Awards (pic by cine.gr)

DRAMA INDEPENDENTE DE KENNETH LONERGAN VOLTA AO PROTAGONISMO DA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Após ver o musical La La Land ganhar o Critics’ Choice e liderar as indicações ao Globo de Ouro, chegou a hora de Manchester à Beira-Mar chamar atenção pela força de seu elenco. O filme escrito e dirigido por Kenneth Lonergan conseguiu indicações para Ator (Casey Affleck), Ator Coadjuvante (Lucas Hedges), Atriz Coadjuvante (Michelle Williams) e Elenco. Logo depois, com 3 indicações ficaram Fences e Moonlight.

Na manhã desta quarta-feira, dia 14, os atores Sophia Bush e Common fizeram o anúncio dos indicados. Não sei quanto à opinião de vocês, mas acho que os artistas encarregados desta tarefa deveriam ser mais imparciais. No vídeo abaixo, no momento das categorias de cinema, Common passa a comemorar com um ‘yes’ toda vez que um filme com atores negros é citado, enquanto os outros ficaram no vácuo. Obviamente, ele está feliz que a polêmica do #OscarSoWhite deu resultado, mas ele poderia guardar essa alegria para si mesmo. Sua companheira de anúncio, Sophia Bush, procurou amenizar a situação entrando na onda e com bom humor, mas ficou um certo desconforto desnecessário.

sophia-bush-common-sag-nomination

Common e Sophia Bush anunciam a categoria de Ator do SAG (pic by San Francisco Chronicle)

Nos últimos anos, o SAG Awards tem crescido em importância na temporada de premiações, já que os vencedores da categoria de Melhor Elenco ganharam também o Oscar de Melhor Filme onze vezes nos últimos 21 anos. Nos últimos dois anos, Spotlight e Birdman seguiram esse roteiro.

Além disso, o SAG tem uma ótima estatística de acerto em relação ao Oscar: cerca de 80% nas categorias de atuação. Como se diz no termo futebolístico, se você ganhou o SAG, está com “as mãos na taça”. Se focar na categoria de Melhor Ator, aí é dobradinha na certa com o Oscar. Sabe quando o último vencedor do SAG não levou o prêmio da Academia? Em 2004, quando Johnny Depp (Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra) perdeu para Sean Penn (Sobre Meninos e Lobos), ou seja, faz muito tempo.

Pior pra quem fica de fora do SAG. São os casos de 20th Century Women, Loving, e os já citados no post do Globo de Ouro: Silêncio e Sully: O Herói do Rio Hudson. Não significa necessariamente que ficarão fora do Oscar, mas suas chances caem consideravelmente.

Bom, falando em queda de chances, a maior surpresa das indicações pra mim foi justamente a ausência de Isabelle Huppert por Elle. A atriz francesa estava em alta depois dos prêmios da crítica de LA e NY, além das indicações do Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas por algum motivo não figurou na lista do SAG. À princípio, acreditava que seu nome estava fora por não ser membro do sindicato dos atores, requisito mínimo para concorrer, mas depois de ler algumas matérias, descartei essa possibilidade. Bom, quem perde é o próprio SAG, que preferiu reconhecer Emily Blunt por A Garota no Trem, que não aparecia em nenhuma lista de melhores.

Ainda na categoria de Atriz, outra ausência sentida foi de Ruth Negga por Loving. Até o momento, ela não havia conquistado prêmio algum, mas sempre estava entre as melhores do ano. Annette Bening e Jessica Chastain eram outros nomes que ficaram de fora da disputa.

Outra importante nota seria a indicação de Hugh Grant como Coadjuvante por Florence: Quem é Essa Mulher?. Segundo o peso de seu personagem na trama, ele seria ator principal, e não secundário. Mas… como aconteceu nos anos anteriores com Alicia Vikander como coadjuvante em A Garota Dinamarquesa e Rooney Mara em Carol, Grant passou a concorrer como Coadjuvante a fim de ter mais chances de indicação e vitória. Caso venha a receber sua primeira indicação ao Oscar, acredito que será como coadjuvante.

hugh-grant-florence

Hugh Grant como St Clair Bayfield em Florence: Quem é Essa Mulher? (pic by cine.gr)

Ainda sobre as categorias de cinema, muitos destacaram a ausência de La La Land na categoria de Melhor Elenco. Claro que se o filme fosse indicado, sua campanha iria disparar, mas nesse caso, não deve afetar sua trajetória rumo ao Oscar. Embora os demais atores sejam relevantes como J.K. Simmons, Rosemarie DeWitt e Tom Everett Scott, o elenco já está muito bem reconhecido com as indicações de Ryan Gosling e Emma Stone.

Falando em muito bem reconhecido, Mahershala Ali foi o único ator desta edição a receber três indicações. Além de Ator Coadjuvante e Elenco por Moonlight, o ator também está no elenco de Estrelas Além do Tempo, que está indicado a Elenco.

E talvez a maior surpresa aqui foi a inclusão de Capitão Fantástico, cujo elenco foi indicado, além de Viggo Mortensen como Melhor Ator. Há tempos leio boas críticas em relação ao filme, principalmente em relação à escolha dos atores mirins que vivem os seis filhos do personagem de Mortensen. Depois de ser indicado no Critics’ e Globo de Ouro, o ator pode conquistar sua segunda indicação ao Oscar.

CAPTAIN FANTASTIC

No centro, Viggo Mortensen em cena com seus filhos em Capitão Fantástico (pic by cine.gr)

Nas categorias de televisão, não tem como não aplaudir a Netflix. O canal de streaming conseguiu acumular 17 indicações através de suas produções originais, incluindo três para a sensação Stranger Things, e três para The Crown.

Assim como o Globo de Ouro, o SAG resolveu dar uma repaginada nas séries e concedeu as primeiras indicações para as novidades Westworld, Black-ish, This Is Us, Black Mirror, Unbreakable Kimmy Schmidt e Lady Day at Emerson’s Bar & Grill.

E mais um adendo: não entendi o prêmio pelo Conjunto da obra para a atriz Lily Tomlin. Ok, ela já não é mais mocinha, mais precisamente tem 77 anos, mas é uma artista que ainda está trabalhando em alto nível, tanto que foi indicada pela série da Netflix, Grace and Frankie. Bom, pelo menos podemos esperar um discurso leve e engraçado!

lily-tomlin-grace-and-frankie-479808

Lily Tomlin na série da Netflix, Grace & Frankie. (pic by elfilm.com)

INDICADOS AO 23º SAG AWARDS:

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
– Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
– Andrew Garfield (Até o Último Homem)
– Ryan Gosling (La La Land: Cantando Estações)
– Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
– Denzel Washington (Fences)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
– Amy Adams (A Chegada)
– Emily Blunt (A Garota no Trem)
– Natalie Portman (Jackie)
– Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
– Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
– Mahershala Ali (Moonlight)
– Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
– Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
– Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
– Dev Patel (Lion)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
– Viola Davis (Fences)
– Naomie Harris (Moonlight)
– Nicole Kidman (Lion)
– Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
– Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture
– Capitão Fantástico
– Fences
– Estrelas Além do Tempo
– Manchester à Beira-Mar
– Moonlight

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries
– Riz Ahmed (The Night Of)
– Sterling K. Brown (The People v. O.J. Simpson)
– Bryan Cranston (All the Way)
– John Turturro (The Night Of)
– Courtney B. Vance (The People v. O.J. Simpson)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries
– Bryce Dallas Howard (Black Mirror)
– Felicity Huffman (American Crime)
– Audra McDonald (Lady Day at Emerson’s Bar and Grill)
– Sarah Paulson (The People v. O.J. Simpson)
– Kerry Washington (Confirmation)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series
– Sterling K. Brown (This Is Us)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– John Lithgow (The Crown)
– Rami Malek (Mr. Robot)
– Kevin Spacey (House of Cards)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series
– Millie Bobby Brown (Stranger Things)
– Claire Foy (The Crown)
– Thandie Newton (Westworld)
– Winona Ryder (Stranger Things)
– Robin Wright (House of Cards)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series
– Anthony Anderson (Black-ish)
– Tituss Burgess (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Ty Burrell (Modern Family)
– William H. Macy (Shameless)
– Jeffrey Tambor (Transparent)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series
– Uzo Aduba (Orange is the New Black)
– Jane Fonda (Grace and Frankie)
– Ellie Kemper (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Julia Louis-Dreyfus (Veep)
– Lily Tomlin (Grace and Frankie)

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series
– The Crown
– Downton Abbey
– Game of Thrones
– Stranger Things
– Westworld

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series
– The Big Bang Theory
– Black-ish
– Modern Family
– Orange is the New Black
– Veep

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Comedy or Drama Series
– Game of Thrones
– Marvel’s Daredevil
– Marvel’s Luke Cage
– The Walking Dead
– Westworld

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture
– Capitão América: Guerra Civil
– Doutor Estranho
– Até o Último Homem
– Jason Bourne
– Animais Noturnos

***

A 23ª cerimônia do SAG Awards está marcada para o dia 29 de janeiro, e será transmitida pelo canal pago TNT.

Após faturar o Critics’ Choice, ‘La La Land’ lidera as indicações ao Globo de Ouro 2017

Ryan Gosling e Emma Stone em cena do musical La La Land, de Damien Chazelle, vencedor de oito Critics' Choice Awards (pic by moviepilot.de)

Ryan Gosling e Emma Stone em cena do musical La La Land, de Damien Chazelle, que agora lidera as indicações ao Globo de Ouro (pic by moviepilot.de)

DEPOIS DE UMA VITÓRIA INDUBITÁVEL NO CRITICS’ CHOICE, O MUSICAL DE DAMIEN CHAZELLE GARANTE LUGAR NO GLOBO DE OURO

Depois de uma estréia arrasadora no Festival de Veneza e no Festival de Toronto, seria muito improvável que o musical ode à cidade de Los Angeles não estivesse no posto de favorito na temporada de premiações. Além de ter faturado o prêmio de Melhor Filme dos críticos de Nova York (NYFCC) e o Critics’ Choice Awards, La La Land conquista agora sete indicações ao Globo de Ouro, e deve levar o de Melhor Filme – Comédia ou Musical.

Logo em seguida, o drama sobre amadurecimento Moonlight ficou com seis indicações, enquanto Manchester à Beira-Mar conquistou cinco. O anúncio das indicações foi feito ao vivo na manhã dessa última segunda-feira, dia 12, pelos atores Don Cheadle, Laura Dern e Anna Kendrick. O presidente da Hollywood Foreign Press Association (HFPA), Lorenzo Soria, aproveitou para apresentar as misses Golden Globe: o trio de irmãs Sophia, Sistine e Scarlet Stallone, obviamente, filhas do ator Sylvester Stallone.

O presidente danadinho Lorenzo Soria entre as misses Golden Globe: Sophia, Sistine e Scarlet Stallone. Pic by thesun.co.uk

O presidente danadinho Lorenzo Soria entre as misses Golden Globe: Sophia, Sistine e Scarlet Stallone. Pic by thesun.co.uk

DAVI VS. GOLIAS

Pra começar, temos algo pouco comum. Os grandes estúdios, que dominavam as categorias principais até alguns anos atrás, estão perdendo espaço para produtoras menores. Era comum vermos Disney, Warner Bros, Fox, Sony, Paramount e Universal por trás dos grandes concorrentes no Globo de Ouro. Já este ano, temos Lionsgate, CBS Films, The Weinstein Co., Amazon/Roadside Attractions e A24. A Lionsgate lidera com 10 indicações, seguida pela A24 com nove. O grande estúdio mais bem colocado vem em 3º com as oito indicações da Paramount. Por isso que eu digo, não adianta ter a bufunfa se não tiver criatividade e talento.

VAGAS PARA COMÉDIAS E MUSICAIS… PARA COMÉDIAS E MUSICAIS

Depois de algumas polêmicas envolvendo a inclusão de dramas em categorias de comédia, e vice-versa, como Perdido em Marte ganhando como comédia, simplesmente para incluir o filme na lista, o Globo de Ouro parece que aprendeu sua lição. Este ano, a categoria Melhor Filme – Comédia ou Musical realmente tem comédias e musicais. La La Land e Sing Street preenchem os pré-requisitos do gênero musical, enquanto Deadpool e Florence: Quem é Essa Mulher? fazem o público rir. Já o quinto indicado, embora não se dê gargalhadas em 20th Century Women, o novo filme de Mike Mills é um humor leve e tem sua graça.

Brianna Hildebrand ao lado de Ryan Reynolds como Deadpool. Duas indicações ao Globo de Ouro (pic by moviepilot.de)

Brianna Hildebrand ao lado de Ryan Reynolds como Deadpool. Duas indicações ao Globo de Ouro (pic by moviepilot.de)

Felizmente, também apresentaram coerência nas categorias de atuação. Na ala masculina, seguindo as escolhas dos filmes, Ryan Gosling (La La Land), Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?) e Ryan Reynolds (Deadpool) eram esperados. Já as entradas de Jonah Hill pela comédia Cães de Guerra, e de Colin Farrell pela comédia de humor negro O Lagosta foram surpresas, mas surpresas coerentes.

Pelo lado feminino, Emma Stone (La La Land), Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?) e Annette Bening (20th Century Women) eram figuras já carimbadas. As outras duas vagas foram para duas estreantes no Globo de Ouro: Hailee Steinfeld (sim, aquela menina falante da refilmagem de Bravura Indômita) e Lily Collins (embora seja mais conhecida por ser filha do cantor Phil Collins, já estrelou boas produções como Espelho, Espelho Meu). Elas foram indicadas por dois filmes bem falados: The Edge of Seventeen (uma espécie de John Hughes do século XXI) e Rules Don’t Apply (uma comédia que tem o milionário e polêmico Howard Hughes vivido por Warren Beatty), respectivamente. Muitos esperavam uma indicação para as veteranas Sally Field (Doris, Redescobrindo o Amor) e Susan Sarandon (A Intrometida), mas o Globo de Ouro resolveu apostar em sangue novo.

Lily Collins em cena de Rules Don't Apply, pelo qual recebeu sua primeira indicação ao Globo de Ouro. Pic by moviepilot.de

Lily Collins em cena de Rules Don’t Apply, pelo qual recebeu sua primeira indicação ao Globo de Ouro. Pic by moviepilot.de

BOAS SURPRESAS

Bom, vamos às boas surpresas. Particularmente, fiquei bastante feliz pela lembrança de Animais Noturnos. Dos filmes que vi na 40ª Mostra de Cinema de SP, o segundo filme de Tom Ford foi o que mais me deixou pensativo por dias. Talvez, ele não funcione tão bem como um todo, mas existem cenas ali tão bem dirigidas e filmadas que a produção merecia reconhecimento.

Sempre estiloso: o diretor Tom Ford (à direita) passa instruções para os atores Jake Gyllenhaal e Michael Shannon em set de Animais Noturnos. Pic by moviepilot.de

Sempre estiloso: o diretor Tom Ford (à direita) passa instruções para os atores Jake Gyllenhaal e Michael Shannon em set de Animais Noturnos. Pic by moviepilot.de

Na maioria dos prêmios anteriores, Animais Noturnos aparecia como candidato apenas pelo Roteiro Adaptado ou pelo Ator Coadjuvante para Michael Shannon, mas agora no Globo de Ouro, Shannon deu lugar para Aaron Taylor-Johnson, que conseguiu se transformar nesse papel de um delinquente. E, claro, Tom Ford conseguiu dupla indicação, como roteirista e como diretor também. Acho que ficou faltando uma indicação para a ótima Trilha Musical de Abel Korzeniowski.

Também foi uma manhã gloriosa para Mel Gibson. Seu filme sobre a Segunda Guerra Mundial, Até o Último Homem, conseguiu indicações para Melhor Filme – Drama, para seu protagonista Andrew Garfield, e para Direção. Ele conseguiu bater fortes concorrentes como Denis Villeneuve (A Chegada) e Denzel Washington (Fences). Embora seja uma figura polêmica após ter sido preso dirigindo bêbado e de suas declarações anti-semitas, Mel Gibson é um artista idolatrado pela HFPA, tanto que eles sempre dão um jeitinho de colocá-lo no palco para apresentar um prêmio.

Cena de Até o Último Homem com Andrew Garfield. Mel Gibson retorna como indicado após vários anos. Pic by moviepilot.de

Cena de Até o Último Homem com Andrew Garfield. Mel Gibson retorna como indicado após vários anos. Pic by moviepilot.de

Na categoria de Ator Coadjuvante, além de Taylor-Johnson, a indicação de Simon Helberg também causou alvoroço, já que ele não havia sido reconhecido anteriormente em prêmio algum. Mais conhecido pelo personagem Howard da série The Big Bang Theory, o ator contracenou com Meryl Streep em Florence: Quem é Essa Mulher? como um treinador vocal.

Ao lado de Meryl Streep, Simon Helberg atua como vocal coach de Florence Foster Jenkins. Pic by moviepilot.de

Ao lado de Meryl Streep, Simon Helberg atua como vocal coach de Florence Foster Jenkins. Pic by moviepilot.de

Já a indicação de Viggo Mortensen como Melhor Ator – Drama por Capitão Fantástico foi bastante comemorada. No filme, ele interpreta um pai de seis filhos que vive na natureza selvagem. Em entrevista, o ator esperava que filme seria abraçado pela temporada de premiação, mas sua indicação de Ator num ano bem concorrido já é digno de nota.

… E OUTRAS NEM TANTO

Embora Sully: O Herói do Rio Hudson não estivesse tão em alta, muitos davam como certa a indicação de Tom Hanks como Melhor Ator – Drama, já que ele é uma figura bem querida. Mas o filme de Clint Eastwood foi totalmente ignorado pela HFPA, que pode ter sido influenciada pela posição política favorável a Donald Trump por Eastwood. De qualquer forma, ultimamente tenho visto bem mais carisma do que interpretação nos filmes de Tom Hanks.

Porém, em pior situação está Silêncio. Depois de ficar fora de quase todos os prêmios de críticos (recebeu apenas um 2º lugar de Ator Coadjuvante no LAFCA), e do Critics’ Choice Awards, o novo trabalho de Martin Scorsese ficou esquecido novamente, devido ao atraso nas projeções para a imprensa e a crítica. Com isso, o estúdio Paramount Pictures passa a ficar preocupado até com a bilheteria diante de uma possível ausência no Oscar.

Outra ausência sentida foi da animação Procurando Dory, sequência do sucesso de 2003 Procurando Nemo. Embora o filme tenha sido um sucesso arrasador com mais 400 milhões de bilheteria nos EUA, falhou em conseguir uma indicação da categoria, que preferiu reconhecer até a desconhecida produção suíça My Life as a Zucchini. Talvez seja hora da Pixar descartar alguns projetos de sequências e criar coisas novas e frescas.

Cena da animação franco-suíça My Life as a Zucchini, que chutou Procurando Dory da categoria (pic by moviepilot.de)

Cena da animação franco-suíça My Life as a Zucchini, que chutou Procurando Dory da categoria (pic by moviepilot.de)

Pelas categorias de atuação, a ausência de Lucas Hedges foi uma das mais comentadas. No Critics’ Choice, ele levou o prêmio de Jovem Ator, e foi indicado como Coadjuvante pelo drama Manchester à Beira-Mar. Apesar de haver boas chances de aparecer na lista do Oscar, suas chances foram reduzidas pelo Globo de Ouro, que fortalece as campanhas de Mahershala Ali e Jeff Bridges.

PRÊMIOS PARA PRODUÇÕES DE TV

Pelas categorias televisivas, o Globo de Ouro resolveu dar aquela limpada nos candidatos de sempre. Exceto por Game of Thrones, as séries The Crown, Stranger Things, This Is Us e Westworld foram indicados pela primeira vez. Por outro lado, pela categoria de séries de comédia, a novidade ficou por conta apenas de Atlanta, que trata de rap no cenário da cidade de Atlanta, já que os demais indicados já foram previamente reconhecidos.

Entretanto, o destaque do lado da TV novamente ficou para The People v. O.J. Simpson: American Crime Story, que somou cinco indicações ao Globo de Ouro, sendo quatro para seus atores Courtney B. Vance, Sarah Paulson, Sterling K. Brown e John Travolta.

Cena de American Crime Story: The People v. O.J. Simpson, com Cuba Gooding Jr. ao centro como O.J. (pic by moviepilot.de)

Cena de American Crime Story: The People v. O.J. Simpson, com Cuba Gooding Jr. ao centro como O.J. (pic by moviepilot.de)

***

Indicados ao 74º Globo de Ouro:

CINEMA

Best Motion Picture – Drama:
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
A Qualquer Custo (Hell or High Water)
Lion
Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)
Moonlight

Best Motion Picture – Musical or Comedy:
20th Century Women
Deadpool (Deadpool)
La La Land: Cantando Estações (La La Land)
Florence: Quem é Essa Mulher? (Florence Foster Jenkins)
Sing Street

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Drama:
Casey Affleck (Manchester à Beira Mar)
Joel Edgerton (Loving)
Andrew Garfield (Até o Último Homem)
Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
Denzel Washington (Fences)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Drama:
Amy Adams (A Chegada)
Jessica Chastain (Miss Sloane)
Isabelle Huppert (Elle)
Ruth Negga (Loving)
Natalie Portman (Jackie)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Colin Farrell (O Lagosta)
Ryan Gosling (La La Land)
Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Jonah Hill (Cães de Guerra)
Ryan Reynolds (Deadpool)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Annette Bening (20th Century Women)
Lily Collins (Rules Don’t Apply)
Hailee Steinfeld (The Edge of Seventeen)
Emma Stone (La La Land)
Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Motion Picture:
Mahershala Ali (Moonlight)
Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
Simon Helberg (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Dev Patel (Lion)
Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Motion Picture:
Viola Davis (Fences)
Naomie Harris (Moonlight)
Nicole Kidman (Lion)
Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

Best Director – Motion Picture:
Damien Chazelle (La La Land)
Tom Ford (Animais Noturnos)
Mel Gibson (Até o Último Homem)
Barry Jenkins (Moonlight)
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)

Best Screenplay:
La La Land
Animais Noturnos
Moonlight
Manchester à Beira-Mar
A Qualquer Custo

Best Motion Picture – Foreign Language:
Divines – França
Elle – França
Neruda – Chile
O Apartamento – Irã/França
Toni Erdmann – Alemanha

Best Motion Picture – Animated:
Kubo e as Cordas Mágicas
Moana: Um Mar de Aventuras
My Life as a Zucchini
Sing: Quem Canta Seus Males Espanta
Zootopia

Best Original Song – Motion Picture:
“Can’t Stop the Feeling” (Trolls)
“City of Stars” (“La La Land)
“Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
“Gold” (Ouro e Cobiça)
“How Far I’ll Go” (Moana: Um Mar de Aventuras)

Best Original Score – Motion Picture:
Nicholas Britell (Moonlight)
Justin Hurwitz (La La Land)
Johann Johannsson (A Chegada)
Dustin O’Halloran, Hauschka (Lion)
Hans Zimmer, Pharrell Williams, Benjamin Wallfisch (Estrelas Além do Tempo)

TELEVISÃO

Best Television Series – Drama:
The Crown
Game of Thrones
Stranger Things
This is Us
Westworld

Best Television Series – Musical or Comedy:
Atlanta
Black-ish
Mozart in the Jungle
Transparent
Veep

Best Performance by an Actor in a Television Series – Drama:
Rami Malek (Mr. Robot)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Matthew Rhys (The Americans)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Billy Bob Thornton (Goliath)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Drama:
Caitriona Balfe (Outlander)
Claire Foy (The Crown)
Keri Russell (The Americans)
Winona Ryder (Stranger Things)
Evan Rachel Wood (Westworld)

Best Performance by an Actor in a Television Series – Musical or Comedy:
Anthony Anderson (Black-ish)
Gael García Bernal (Mozart in the Jungle)
Donald Glover (Atlanta)
Nick Nolte (Graves)
Jeffrey Tambor (Transparent)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Musical or Comedy:
Rachel Bloom Crazy (Ex-Girlfriend)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Sarah Jessica Parker (Divorce)
Issa Rae (Insecure)
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)
Tracee Ellis Ross (Black-ish)

Best Television Limited Series or Motion Picture Made for Television:
American Crime
The Dresser
The Night Manager
The Night Of
The People v. O.J. Simpson: American Crime Story

Best Performance by an Actor in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Riz Ahmed (The Night Of)
Bryan Cranston (All The Way)
Tom Hiddleston (The Night Manager)
John Turturro (The Night Of)
Courtney B. Vance (The People v. O.J. Simpson: American Crime Story)

Best Performance by an Actress in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Felicity Huffman (American Crime)
Riley Keough (The Girlfriend Experience)
Sarah Paulson (The People v. O.J. Simpson: American Crime Story)
Charlotte Rampling (London Spy)
Thandie Newton (Westworld)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Olivia Colman (The Night Manager)
Lena Headey (Game Of Thrones)
Chrissy Metz (This Is Us)
Mandy Moore (This Is Us)
Kerry Washington (Confirmation)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Sterling K. Brown (The People v. O.J. Simpson: American Crime Story)
Hugh Laurie (The Night Manager)
John Lithgow (The Crown)
Christian Slater (Mr. Robot)
John Travolta (The People v. O.J. Simpson: American Crime Story)

***

A 74ª cerimônia do Globo de Ouro está marcada para o dia 08 de janeiro, e terá Jimmy Fallon como host pela primeira vez.

 

‘Trapaça’ e ’12 Years a Slave’ lideram as indicações ao Globo de Ouro 2014

Christian Bale, Amy Adams e Bradley Cooper superaram as ausência no SAG e chegaram ao Globo de Ouro 2014 por Trapça (photo by www.outnow.ch)

Christian Bale, Amy Adams e Bradley Cooper superaram as ausência no SAG e chegaram ao Globo de Ouro 2014 por Trapaça (photo by http://www.outnow.ch)

GLOBO DE OURO CONFIRMA FAVORITISMO DE 12 YEARS A SLAVE E ALAVANCA AS CHANCES DE TRAPAÇA

Normalmente, assim que as indicações ao Globo de Ouro saem, começa aquela enxurrada de matérias apontando os incontáveis erros e trabalhos ignorados. Não desta vez. Com a importante ajuda da safra bem servida de filmes de qualidade, as categorias foram devidamente preenchidas por profissionais que vinham agradando a crítica americana. Assim, nomes premiados por NYFCC, National Board of Review e LAFCA estão todos presentes na lista do Globo de Ouro 2014. Claro que uma ou outra exceção se faz notar, mas nada que tire o crédito dos membros votantes da Hollywood Foreign Press Association (HPFA).

De longe, as maiores surpresas são as presenças de Philomena e Rush: No Limite da Emoção na categoria Melhor Filme – Drama. Apesar de se tratarem de bons filmes, não havia uma forte campanha que indicasse resultado tão favorável. Bastante elogiado no último Festival de Veneza, Philomena, dirigido por Stephen Frears, tinha boas chnces de faturar o Leão de Ouro e o prêmio de atriz para Judi Dench, mas saiu apenas com Melhor Roteiro. Já Rush: No Limite da Emoção recebeu boas avaliações de modo geral, mas nada exagerado a ponto de conquistar uma indicação de Melhor Filme. Apesar do reconhecimento do Globo de Ouro, ainda acredito que o filme sobre a rivalidade na fórmula 1 de Ron Howard só deverá conquistar indicações para Ator Coadjuvante, Maquiagem e Efeitos Sonoros no Oscar.

3 indicações para Philomena, de Stephen Frears... (photo by www.outnow.ch)

Steve Coogan e Dame Judi Dench: 3 indicações para Philomena, de Stephen Frears… (photo by http://www.outnow.ch)

2 indicações para Rush: No Limite da Emoção. Pouco ou muito para um candidato surpresa? (photo by www.elfilm.com)

… e 2 indicações para Rush: No Limite da Emoção. Pouco ou muito para um candidato surpresa? (photo by http://www.elfilm.com)

Ambos os filmes tomaram os lugares de Nebraska e Trapaça, que, embora sejam mais dramas do que comédias, migraram para a categoria vizinha de Melhor Filme – Comédia/Musical, criando o grupo da morte do Globo de Ouro 2014, que ainda tem: O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen, e Ela, de Spike Jonze. Apesar do Globo de Ouro não servir mais como parâmetro para o Oscar, o filme que vencer nesta categoria certamente terá maiores chances na Academia.

Cientes de que havia uma grande quantidade de produções concorrentes que merecia reconhecimento, os votantes se esforçaram para agradar a todos. Deslocaram filmes de categorias e até evitaram duplas indicações como poderia ter acontecido com Tom Hanks, que tinha chances como Coadjuvante (Walt nos Bastidores de Hollywood) e Ator (Capitão Phillips), pelo qual acabou sendo indicado. Contudo, mesmo com todo esse trabalho, seria impossível não deixar uns filmes no escuro.

Os indicados Barkhad Abdi e Tom Hanks representam a metade das 4 indicações de Capitão Phillips (photo by www.elfilm.com)

Os indicados Barkhad Abdi e Tom Hanks representam a metade das 4 indicações de Capitão Phillips (photo by http://www.elfilm.com)

Provavelmente, os casos mais claros são as totais ausências de Fruitvale Station: A Última Parada e O Mordomo da Casa Branca. Se ainda houvesse aquele prêmio do Most Promising Newcomer (Novato mais Promissor), o Globo de Ouro certamente o daria ao jovem Michael B. Jordan por Fruitvale Station. Como a concorrência estava muito acirrada na categoria Ator – Drama, ele acabou cortado juntamente com Forest Whitaker, que apesar do esforço e talento, não melhora muito O Mordomo da Casa Branca. Fiquei feliz que o pessoal do Globo de Ouro não foi na onda do “indiquem Oprah Winfrey pra dar audiência no tapete vermelho”.

Outra ausência mais sentida foi a da animação japonesa de Hayao Miyazaki, O Vento Está Soprando. Numa manobra que claramente favorece os grandes estúdios (leiam-se Disney: Frozen – Uma Aventura Congelante, Dreamworks: Os Croods e Universal: Meu Malvado Favorito 2), deslocaram o grande favorito da categoria para outra possível: Melhor Filme em Língua Estrangeira. Embora ainda tenha chances claras, a disputa é nitidamente mais complicada ao lado do francês Azul é a Cor Mais Quente, o dinamarquês A Caça e o italiano La Grande Bellezza.

Particularmente, gostei da primeira indicação da jovem atriz americana Greta Gerwig por Frances Ha. Até uns anos atrás, ela só atuava em papéis secundários em filmes banais como Sexo Sem Compromisso e na refilmagem de Arthur, o Milionário Irresistível, até o dia em que o diretor Noah Baumbach ofereceu uma oportunidade como protagonista e ela não desperdiçou. Espero que esta indicação (infelizmente o páreo está duríssimo com Meryl Streep, Julie Delpy e Amy Adams) possa lhe render melhores projetos com diretores mais consagrados.

Greta Gerwig conquista uma indicação para Frances Ha (photo by www.elfilm.com)

Greta Gerwig conquista uma indicação para Frances Ha (photo by http://www.elfilm.com)

Embora não seja favorito este ano, também adorei a indicação do diretor Alexander Payne e seu Nebraska. Vencedor de 2 Globos de Ouro de Melhor Filme (Comédia por Sideways – Entre Umas e Outras, e Drama por Os Descendentes), Payne é muito querido pelos membros da HFPA, e comprova mais uma vez que sabe escolher e dirigir bons atores: Bruce Dern e June Squibb receberam indicações como Ator – Comédia/Musical e Atriz Coadjuvante.

Bruce Dern e June Squibb confirmam talento de Alexander Payne ao receberem indicações por Nebraska (photo by www.elfilm.com)

Bruce Dern e June Squibb confirmam talento de Alexander Payne ao receberem indicações por Nebraska (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de ter conseguido apenas 2 indicações no SAG, as sete indicações de Trapaça no Globo de Ouro devem impulsionar o filme de David O. Russell para o Oscar 2014. Nos últimos anos, os filmes do diretor têm obtido bom êxito com a Academia. O Vencedor venceu os Oscars de Ator Coadjuvante (Christian Bale) e Atriz Coadjuvante (Melissa Leo), enquanto O Lado Bom da Vida conquistou o Oscar de Atriz (Jennifer Lawrence). Embora o favoritismo ainda esteja do lado de 12 Years a Slave, dependendo da estratégia de propaganda, Trapaça pode fazer a ultrapassagem na reta final.

Seguem as indicações ao Globo de Ouro:

MELHOR FILME – DRAMA
12 Years a Slave
– Capitão Phillips (Captain Phillips)
– Gravidade (Gravity)
Philomena
– Rush: No Limite da Emoção (Rush)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Trapaça (American Hustle)
– Ela (Her)

– Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
 Nebraska
– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

MELHOR DIRETOR
– Alfonso Cuarón (Gravidade)
– Paul Greengrass (Capitão Phillips)
– Steve McQueen (12 Years a Slave)
– Alexander Payne (Nebraska)
– David O. Russell (Trapaça)

MELHOR ATOR – DRAMA
– Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
– Idris Elba (Mandela: Long Walk to Freedom)
– Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
– Tom Hanks (Capitão Phillips)
– Robert Redford (All is Lost)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
– Cate Blanchett (Blue Jasmine)
– Sandra Bullock (Gravidade)
– Judi Dench (Philomena)
– Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
– Kate Winslet (Refém da Paixão)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
– Christian Bale (Trapaça)
– Bruce Dern (Nebraska)
– Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
– Oscar Isaac (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Joaquin Phoenix (Ela)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
– Amy Adams (Trapaça)
– Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
– Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor)
– Greta Gerwig (Frances Ha)
– Meryl Streep (Álbum de Família)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
– Daniel Brühl (Rush: No Limite da Emoção)
– Bradley Cooper (Trapaça)
– Michael Fassbender (12 Years a Slave)
– Jared Leto (Dallas Buyers Club)

Pra quem pensava que Jennifer Lawrence iria desacelerar depois do Oscar por O Lado Bom da Vida, eis a bela novamente (photo by www.outnow.ch)

Pra quem pensava que Jennifer Lawrence iria desacelerar depois do Oscar por O Lado Bom da Vida, eis a bela novamente (photo by http://www.outnow.ch)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Sally Hawkins (Blue Jasmine)
– Jennifer Lawrence (Trapaça)
– Lupita N’Yongo (12 Years a Slave)
– Julia Roberts (Álbum de Família)
– June Squibb (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO
– John Ridley (12 Years a Slave)
– Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)
– Spike Jonze (Ela)
– Bob Nelson (Nebraska)
– Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
– Hans Zimmer (12 Years a Slave)
– Alex Ebert (All is Lost)
– John Williams (A Menina que Roubava Livros)
– Steven Price (Gravidade)
– Alex Heffes (Mandela: Long Walk to Freedom)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Atlas”, de Guy Berryman, Jonny Buckland, Will Champion e Chris Martin (Jogos Vorazes: Em Chamas)
“Please Mr. Kennedy”, de Ed Rush, George Cromarty, T-Bone Burnnett, Justin Timberlake, Joel Coen, Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
“Let it Go”, de Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)
“Ordinary Love”, de U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)
“Sweeter than Fiction”, de Jack Antonoff e Taylor Swift (One Chance)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche (França)
A Caça, de Thomas Vinterberg (Dinamarca)
The Great Beauty, de Paolo Sorrentino (Itália)
The Past, de Asghar Farhadi (França/Itália)
O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki (Japão)

MELHOR ANIMAÇÃO
Os Croods, de Kirk De Micco e Chris Sanders
Frozen: Uma Aventura Congelante, de Chris Buck e Jennifer Lee
Meu Malvado Favorito 2, de Pierre Coffin, Chris Renaud

Já na ala televisiva, destaco o crescimento das séries produzidas pela Netflix (não, não estou sendo pago para fazer propaganda). Além de House of Cards e Arrested Development, que já haviam sido reconhecidos pelo Emmy, Taylor Schilling foi indicada como Melhor Atriz de Série – Drama pela nova série da Netflix, Orange is the New Black, denotando uma curiosa tendência de criação de séries sem ficar refém de grades de programação televisiva.

Taylor Schilling em Orange is the New Black confirma crescimento das produções da Netflix (photo by www.elfilm.com)

Taylor Schilling em Orange is the New Black confirma crescimento das produções da Netflix (photo by http://www.elfilm.com)

Também vale destacar que alguns atores foram agraciados por indicações pelo trabalho em cinema e TV: Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor e a série de comédia Veep), além de Chiwetel Ejiofor (filme 12 Years a Slave e série Dancing on the Edge) e Idris Elba (Mandela: Long Walk to Freedom e minissérie Luther), que repetem a disputa da categoria Melhor Ator – Drama.

MELHOR SÉRIE – DRAMA
Breaking Bad
Downton Abbey
The Good Wife
House Of Cards
Masters Of Sex

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – DRAMA
Julianna Margulies (The Good Wife)
Tatiana Maslany (Orphan Black)
Taylor Schilling (Orange Is The New Black)
Kerry Washington (Scandal)
Robin Wright (House Of Cards)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Michael Sheen (Masters of Sex)
Kevin Spacey (House of Cards)
James Spader (The Blacklist)

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
The Big Bang Theory
Brooklyn Nine-Nine
Girls
Modern Family
Parks & Recreation

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Zooey Deschanel (New Girl)
Lena Dunham (Girls)
Edie Falco (Nurse Jackie)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Amy Poehler (Parks & Recreation)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Jason Bateman (Arrested Development)
Don Cheadle (House of Lies)
Michael J. Fox (The Michael J. Fox Show)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)
Andy Samberg (Brooklyn Nine-Nine)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
American Horror Story: Coven
Behind The Candelabra
Dancing on the Edge
Top of the Lake
White Queen

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Helena Bonham Carter (Burton and Taylor)
Rebecca Ferguson (White Queen)
Jessica Lange (American Horror Story: Coven)
Helen Mirren (Phil Spector)
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Josh Charles (The Good Wife)
Rob Lowe (Behind the Candelabra)
Aaron Paul (Breaking Bad)
Corey Stoll (House of Cards)
Jon Voight (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jacqueline Bisset (Dancing on the Edge)
Janet McTeer (The White Queen)
Hayden Panettiere (Nashville)
Monica Potter (Parenthood)
Sofía Vergara (Modern Family)

MELHOR ATOR EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Matt Damon (Behind the Candelabra)
Michael Douglas (Behind the Candelabra)
Chiwetel Ejiofor (Dancing on the Edge)
Idris Elba (Luther)
Al Pacino (Phil Spector)

A cerimônia do Globo de Ouro 2014 será transmitida ao vivo no dia 12 de janeiro. As atrizes Tina Fey e Amey Poehler serão as hostesses da noite mais uma vez. E o diretor/roteirista/ator Woody Allen será homenageado pelo Cecil B. DeMille Award, mas dizem as más línguas que ele não virá mesmo assim, e que sua colaboradora Diane Keaton aceiará o prêmio em seu nome.

Woody Allen e Diane Keaton (www.filmmakeriq.com)

Woody Allen e Diane Keaton (www.filmmakeriq.com)

’12 Years a Slave’ lidera o SAG Awards com 4 indicações

12 Years a Slave abocanhou quatro indicações no SAG (photo by www.elfilm.com)

12 Years a Slave abocanhou quatro indicações no SAG (photo by http://www.elfilm.com)

COM APENAS 20 INDICAÇÕES INDIVIDUAIS,
MUITOS NOMES FICARAM DE FORA DA COMPETIÇÃO

Seguindo a cola do Independent Spirit Awards, o SAG Awards (Screen Actors Guild) apostou suas fichas no drama 12 Years a Slave, de Steve McQueen, reconhecido em quatro das cinco categorias: Melhor Ator (Chiwetel Ejiofor), Atriz Coadjuvante (Lupita Nyong’o), Ator Coadjuvante (Michael Fassbender) e Melhor Elenco, prêmio que valoriza ainda mais o trabalho de direção de McQueen, que deve concorrer ao Oscar de Melhor Diretor.

Com os atores bem encaminhados, 12 Years a Slave tem tudo para obter ainda alto número de indicações ao Oscar. Por se tratar de uma produção de época, a inclusão nas categorias de Fotografia, Direção de Arte e Figurino é praticamente automática. O roteiro adaptado por John Ridley também já figura entre os favoritos do WGA (Writers Guild of America). No mínimo, o filme deve somar nove indicações.

Voltando ao SAG, logo atrás de 12 Years a Slave, temos Álbum de Família, Dallas Buyers Club e O Mordomo da Casa Branca, todos com 3 indicações cada. Aliás, a forte presença dos três filmes surpreendeu os especialistas, que previam maior participação de O Lobo de Wall Street (Leonardo DiCaprio, Jonah Hill e elenco totalmente ignorados), Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Oscar Isaac, Carey Mulligan, John Goodman e elenco esnobados) e Os Suspeitos (Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal e elenco).

Na categoria de Ator, a ausência mais sentida foi a do veterano Robert Redford, que venceu recentemente o NYFCC por sua performance em All is Lost. Além de DiCaprio, Joaquin Phoenix (Ela) e Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada) foram cortados. Na ala feminina, Bérénice Bejo, Adèle Exarchopoulos, Greta Gerwig, Julie Delpy e Octavia Spencer vão ficar para repescagem. Contudo, ao contrário dos anos anteriores, 2013 sofre com o excesso de bons filmes e atuações, tornando impossível o reconhecimento de todos os merecedores nos grandes prêmios como Globo de Ouro e Oscar.

Curiosamente, enquanto esses atores ficaram de fora, a cantora Mariah Carey recebeu sua segunda indicação de Melhor Elenco no SAG. Ela foi indicada anteriormente em 2010 por Preciosa – Uma História de Esperança, do mesmo diretor Lee Daniels. Aliás, considero O Mordomo da Casa Branca um filme super valorizado pela Weinstein Company. Se apenas Forest Whitaker fosse indicado, já estaria de bom tamanho.

Mariah Carey vive uma escrava em O Mordomo da Casa Branca (photo by www.elfilm.com)

Sim, ela está entre os indicados: Mariah Carey vive uma escrava em O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar dos indicados terem saído na frente, todos os ausentes da lista do SAG não devem se descabelar. Suas chances ainda existem, já que o SAG deixou de ser o parâmetro quase perfeito do Oscar. Até o ano passado, cerca de 18 a 19 dos 20 indicados do SAG migravam para o Oscar. Já nesse ano, apenas 14 passaram do corte.

Vencedor de cinco SAGs pelo trabalho na série televisiva The Sopranos, o recém-falecido ator James Gandolfini recebeu uma indicação póstuma pela comédia À Procura do Amor. Apesar de ter uma elogiada interpretação, alguns creditam esse reconhecimento à sua morte em junho deste ano aos 51 anos, tirando a chance de outros trabalhos serem premiados como Bradley Cooper (Trapaça), Will Forte (Nebraska), John Goodman (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum), Jonah Hill (O Lobo de Wall Street) e Tom Hanks (Walt nos Bastidores de Mary Poppins). Mas pelo menos, Hanks recebeu indicação por Capitão Phillips.

Ao lado de Julie-Louis Dreyfuss, James Gandolfini recebe uma indicação póstuma no SAG e Independent Spirit (photo by www.outnow.ch)

Ao lado de Julia Louis-Dreyfus, James Gandolfini recebe uma indicação póstuma no SAG e Independent Spirit pela comédia À Procura do Amor (photo by http://www.outnow.ch)

Em relação aos prêmios da TV, destaque para o drama Breaking Bad e as comédias The Big Bang Theory e Modern Family com três indicações cada. As ausências mais comentadas foram das séries da Netflix: House of Cards e Orange is the New Black como Melhor Elenco, além de American Horror Story, Glee e Girls. Como no cinema, os trabalhos da TV também se excederam na quantidade e qualidade, o que acaba causando eliminações inevitáveis.

Confira o vídeo do anúncio dos indicados do 20º SAG Awards, apresentado pelos atores Clark Gregg e Sasha Alexander:

PRÊMIOS DO CINEMA

MELHOR ELENCO (BEST FILM ENSEMBLE)
12 Years a Slave
Benedict Cumberbatch, Paul Dano, Garret Dillahunt, Chiwetel Ejiofor, Michael Fassbender, Paul Giamatti, Scoot, McNairy, Lupita Nyong’o, Adepero Oduye, Sarah Paulson, Brad Pitt, Michael Kenneth Williams, Alfre Woodward
Trapaça (American Hustle)
Amy Adams, Christian Bale, Louis C.K., Bradley Cooper, Paul Herman, Jack Huston, Jennifer Lawrence, Alessandro Nivola, Michael Peña, Jeremy Renner, Elisabeth Röhm, Shea Whigham
Álbum de Família (August: Osage County)
Abigail Breslin, Chris Cooper, Benedict Cumberbatch, Juliette Lewis, Margo Martindale, Ewan McGregor, Dermot Mulroney, Julianne Nicholson, Julia Roberts, Sam Shepard, Meryl Streep, Misty Upham
Dallas Buyers Club
Jennifer Garner, Matthew McConaughey, Jared Leto, Denis O’Hare, Dallas Roberts, Steve Zahn
O Mordomo da Casa Branca (The Butler)
Mariah Carey, John Cusack, Jane Fonda, Cuba Gooding Jr., Terrence Howard, Lenny Kravitz, James Marsden, David Oyelowo, Alex Pettyfer, Vanessa Redgrave, Alan Rickman, Liev Schreiber, Forest Whitaker, Robin Williams, Oprah Winfrey

MELHOR ATOR (BEST ACTOR)
Bruce Dern (Nebraska)
Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
Tom Hanks (Capitão Phillips)
Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
Forest Whitaker (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR ATRIZ (BEST ACTRESS)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Sandra Bullock (Gravidade)
Judi Dench (Philomena)
Meryl Streep (Álbum de Família)
Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Walt Disney)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTOR)
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Daniel Bruhl (Rush: No Limite da Emoção)
Michael Fassbender (12 Years a Slave)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTRESS)
Jennifer Lawrence (Trapaça)
Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)
Oprah Winfrey (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS (BEST STUNT ENSEMBLE)
All is Lost
Velozes e Furiosos 6 (Fast & Furious 6)
Lone Survivor
Rush: No Limite da Emoção (Rush)
Wolverine – Imortal (The Wolverine)

PRÊMIOS DA TV

MELHOR ELENCO DE TV- DRAMA
Boardwalk Empire
Patricia Arquette, Margot Bingham, Steve Buscemi, Brian Geraghty, Stephen Graham, Erik La Ray Harvey, Jack Huston, Ron Livingston, Domenick Lombardozzi, Gretchen Moll, Ben Rosenfield, Paul Sparks, Michael Stuhlbarg, Nisi Sturgis, Jacob Ware, Shea Whigham, Michael Kenneth Williams, Jeffrey Wright
Breaking Bad
Michael Bowen, Betsy Brandt, Bryan Cranston, Lavell Crawford, Tait Fletcher, Laura Fraser, Anna Gunn, Matthew T. Metzler, RJ Mitte, Dean Norris, Bob Odenkirk, Aaron Paul, Jesse Plemons, Steven Michael Quezada, Kevin Rankin, Patrick Sane
Downton Abbey
Hugh Bonneville, Laura Carmichael, Jim Carter, Brendan Coyle, Michelle Dockery, Kevin Doyle, Jessica Brown Findlay, Siobhan Finneran, Joanne Froggatt, Rob James-Collier, Allen Leech, Phyllis Logan, Elizabeth McGovern, Sophie McShera, Matt Milne, Lesley Nicol, Amy Nuttall, David Robb, Maggie Smith, Ed Speleers, Dan Stevens, Cara Theobold, Penelope Wilton
Game of Thrones
Alfie Allen, John Bradley, Oona Chaplin, Gwendoline Christie, Emilia Clarke, Nikolaj Coster-Waldau, Mackenzie Crook, Charles Dance, Joe Dempsie, Peter Dinklage, Natalie Dormer, Nathalie Emmanuel, Michelle Fairley, Jack Gleeson, Iain Glen, Kit Harington, Lena Headey, Isaac Hempstead Wright, Kristofer Hivju, Paul Kaye, Sibel Kekilli, Rose Leslie, Rochard Madden, Rory McCann, Michael McElhatton, Ian McElhinney, Philip McGinley, Hannah Murray, Iwan Rheon, Sophie Turner, Carice Van Houten, Maisie Williams
Homeland
F. Murray Abraham, Sarita Choudhury, Claire Danes, Rupert Friend, Tracy Letts, Damian Lewis, Mandy Patinkin, Morgan Saylor

MELHOR ATOR DE TV – DRAMA
Steve Buscemi (Boardwalk Empire)
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Jeff Daniels (The Newsroom)
Peter Dinklage (Game of Thrones)
Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATRIZ DE TV – DRAMA
Claire Danes (Homeland)
Anna Gunn (Breaking Bad)
Jessica Lange (American Horror Story: Coven)
Maggie Smith (Downton Abbey)
Kerry Washington (Scandal)

MELHOR ELENCO DE TV – COMÉDIA
30 Rock
Scott Adsit, Alec Baldwin, Katrina Bowden, Kevin Brown, Grizz Chapman, Tina Fey, Judah Friedlander, Jane Krakowski, John Lutz, James Marsden, Jack McBrayer, Tracy Morgan, Keith Powell
Arrested Development
Will Arnett, Jason Bateman, John Beard, Michael Cera, David Cross, Portia de Rossi, Isla Fisher, Tony Hale, Ron Howard, Liza Minnelli, Alia Shawkat, Jeffrey Tambor, Jessica Walter, Henry Winkler
The Big Bang Theory
Mayim Bialik, Kaley Cuoco, Johnny Galecki, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Jim Parsons, Melissa Rauch
Modern Family
Julie Bowen, Ty Burrell, Aubrey Anderson Emmons, Jesse Tyler Ferguson, Nolan Gould, Sarah Hyland, Ed O’Neill, Rico Rodriguez, Eric Stonestreet, Sofia Vergara, Ariel Winter
Veep
Sufe Bradshaw, Anna Chlumsky, Gary Cole, Kevin Dunn, Tony Hale, Julia Louis-Dreyfus, Reid Scott, Timothy Simons, Matt Walsh

MELHOR ATOR DE TV – COMÉDIA
Alec Baldwin (30 Rock)
Jason Bateman (Arrested Development)
Ty Burrell (Modern Family)
Don Cheadle (House of Lies)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)

MELHOR ATRIZ DE TV – COMÉDIA
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
Julie Bowen (Modern Family)
Edie Falco (Nurse Jackie)
Tina Fey (30 Rock)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

MELHOR ATOR  – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Matt Damon (Behind the Candelabra)
Michael Douglas (Behind the Candelabra)
Jeremy Irons (The Hollow Crown)
Rob Lowe (Killing Kennedy)
Al Pacino (Phil Spector)

MELHOR ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Angela Bassett (Betty and Coretta)
Helena Bonham Carter (Burton and Taylor)
Holly Hunter (Top of the Lake)
Helen Mirren (Phil Spector)
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE TV
Boardwalk Empire
Breaking Bad
Game of Thrones
Homeland
The Walking Dead

Lembrando que a 20º SAG Awards homenageará a atriz porto-riquenha Rita Moreno com o prêmio Lifetime Achievement. Ela foi uma das primeiras latinas a ganhar notoriedade e respeito na indústria americana, quando reinava o preconceito racial. Em 1962, Moreno foi a primeira atriz hispânica a ganhar o Oscar pelo musical Amor, Sublime Amor, que faz uma releitura do clássico de William Shakespeare, Romeu & Julieta.

Aos 30 anos, Rita Moreno se torna a primeira latina a ganhar um Oscar (photo by www.toptenz.net)

Aos 30 anos, Rita Moreno se torna a primeira latina a ganhar um Oscar (photo by http://www.toptenz.net)

O SAG Awards 2014 será transmitido ao vivo pelo canal TNT no dia 18 de janeiro.

Vencedores do Emmy 2013

O produtor Vince Gilligan aceita o Emmy de Melhor Série Drama por Breaking Bad. (Photo by Vince Bucci/Invision for Academy of Television Arts & Sciences/AP Images)

O produtor Vince Gilligan aceita o Emmy de Melhor Série Drama por Breaking Bad. (Photo by Vince Bucci/Invision for Academy of Television Arts & Sciences/AP Images)

Há algum tempo, a TV deixou de ser segunda opção de artistas de cinema. Hoje, temos atores do calibre de Julianne Moore, Jeremy Irons e Helen Mirren atuando em séries e minisséries televisivas. As razões são muito simples: hoje não há espaço para tantos artistas de cinema, e estão pagando bem com a ajuda de patrocinadores.

E nomes consagrados não param de chegar à telinha. Recentemente, o diretor indicado ao Oscar, David Fincher, reconhecido por filmes cults como Clube da Luta e A Rede Social, aceitou proposta interessante de dirigir o piloto da primeira série feita para a internet (Netflix): House of Cards. Seu prestígio atingiu o ator Kevin Spacey e ambos despertaram a curiosidade do público e da crítica. Apesar de bem conceituada, a série ganhou apenas o prêmio de direção para Fincher.

Indicados pela primeira série feita para a internet, House of Cards, Kevin Spacey e Robin Wright trabalharam juntos com o diretor David Fincher (photo by www.elfilm.com)

Indicados pela primeira série feita para a internet, House of Cards, Kevin Spacey e Robin Wright trabalharam juntos com o diretor David Fincher (photo by http://www.elfilm.com)

Vale destacar a participação do diretor Steven Soderbergh (vencedor do Oscar por Traffic) pelo telefilme Behind the Candelabra, produzido pelo canal HBO. Segundo o diretor, ele estava com dificuldades de conseguir financiamento dos grandes estúdios e resolveu apelar à TV. O resultado foi positivo: além de vencer os prêmios de direção e ator para Michael Douglas, o filme foi indicado à Palma de Ouro no último Festival de Cannes.

Em primeiro plano: Michael Douglas e Matt Damon. Ao fundo, o diretor Steven Soderbergh de boné (photo by www.OutNow.CH)

Em primeiro plano: Michael Douglas e Matt Damon. Ao fundo, o diretor Steven Soderbergh de boné dirige cena de Behind the Cadelabra (photo by http://www.OutNow.CH)

O diretor e roteirista americano David Mamet (O Sucesso a Qualquer Preço) também conseguiu um lugar ao sol com o telefilme Phil Spector, contando com atores de peso como Al Pacino e Helen Mirren, ambos indicados ao Emmy. Também conhecida por filmes autorais como O Piano, a neozelandesa Jane Campion partiu para a TV através da BBC com a minissérie Top of the Lake, cuja trama lembra a série Twin Peaks. Vencedor do Oscar de Roteiro Original por Assassinato em Gosford Park, o roteirista egípcio Julian Fellowes também levou sua experiência de filmes de época para a série Downton Abbey.

Helen Mirren e Al Pacino caracterizados no telefilme Phil Spector, do diretor David Mamet (photo by www.elfilm.com)

Helen Mirren e Al Pacino caracterizados no telefilme Phil Spector, do diretor David Mamet (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de encararem com tom de piada, parece haver uma rixa entre atores de TV e atores de cinema. Talvez seja coisa da minha cabeça, mas fico com a impressão de que os atores que trabalham regularmente na TV sentem-se um pouco ameaçados pela migração em alta escala de atores que costumam fazer filmes, afinal, estariam lhe “roubando” bons papéis.

MELHOR SÉRIE DE DRAMA

• Breaking Bad
– Downton Abbey
– Game of Thrones
– Homeland
– Mad Men – Inventando Verdades (Mad Men)
– House of Cards

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA

• Família Moderna (Modern Family)
– Big Bang: A Teoria (The Big Bang Theory)
– Girls
– Louie
– Um Maluco na TV (30 Rock)
– Veep
MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME

• Behind the Candelabra
– American Horror Story
– The Bible
– Phil Spector
– Animais Políticos (Political Animals)
– Top of the Lake

MELHOR ATOR – SÉRIE DE COMÉDIA

Jim Parsons (Big Bang: A Teoria)
– Alec Baldwin (Um Maluco na TV)
– Don Cheadle (House of Lies)
– Jason Bateman (Arrested Development)
– Louis C.K. (Louie)
– Matt LeBlanc (Episodes)

MELHOR ATOR – SÉRIE DE DRAMA

Jeff Daniels (The Newsroom)
– Hugh Bonneville (Downton Abbey)
– Bryan Cranston (Breaking Bad)
– Jon Hamm (Mad Men – Inventando Verdades)
– Damian Lewis (Homeland)
– Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME

Michael Douglas (Behind the Candelabra)
– Benedict Cumberbatch (Parade’s End)
– Matt Damon (Behind the Candelabra)
– Toby Jones (The Girl)
– Al Pacino (Phil Spector)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE COMÉDIA

Julia Louis-Dreyfus (Veep)
– Laura Dern (Enlightened)
– Lena Dunham (Girls)
– Edie Falco (Nurse Jackie)
– Tina Fey (Um Maluco na TV)
– Amy Poehler (Parks and Recreation)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE DRAMA

Claire Danes (Homeland)
– Michelle Dockery (Downton Abbey)
– Elisabeth Moss (Mad Men – Inventando Verdades)
– Connie Briton (Nashville)
– Vera Farmiga (Bates Motel)
– Kerry Washington (Scandal)
– Robin Wright (House of Cards)

MELHOR ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME

Laura Linney (The Big C)
– Jessica Lange (American Horror Story)
– Helen Mirren (Phil Spector)
– Elisabeth Moss (Top of the Lake)
– Sigourney Weaver (Animais Políticos)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE COMÉDIA

Tony Hale (Veep)
– Ty Burrell (Família Moderna)
– Jesse Tyler Ferguson (Família Moderna)
– Bill Hader (Saturday Night Live)
– Ed O’Neill (Família Moderna)
– Adam Driver (Girls)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE DRAMA

Bobby Cannavale (Boardwalk Empire)
– Jim Carter (Downton Abbey)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– Aaron Paul (Breaking Bad)
– Jonathan Banks (Breaking Bad)
– Mandy Patinkin (Homeland)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – MINISSÉRIE OU TELEFILME

James Cromwell (American Horror Story)
– Zachary Quinto (American Horror Story)
– Scott Bakula (Behind the Candelabra)
– John Benjamin Hickey (The Big C)
– Peter Mullan (Top of the Lake)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE COMÉDIA

Merritt Wever (Nurse Jackie)
– Mayim Bialik (Big Bang: A Teoria)
– Julie Bowen (Família Moderna)
– Jane Krakowski (Um Maluco na TV)
– Jane Lynch (Glee)
– Sofía Vergara (Família Moderna)
– Anna Chlumsky (Veep)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE DRAMA

Anna Gunn (Breaking Bad)
– Morena Baccarin (Homeland)
– Christine Baranski (The Good Wife)
– Maggie Smith (Downton Abbey)
– Emilia Clarke (Game of Thrones)
– Christina Hendricks (Mad Men – Inventando Verdades)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – MINISSÉRIE OU TELEFILME

Ellen Burstyn (Animais Políticos)
– Sarah Paulson (American Horror Story)
– Imelda Staunton (The Girl)
– Charlotte Rampling (Restless)
– Alfre Woodward (Steel Magnolias)

MELHOR SÉRIE DE VARIEDADES, MÚSICA OU COMÉDIA

The Colbert Report
– The Daily Show
– Jimmy Kimmel Live!
– Late Night with Jimmy Fallon
– Real Time with Bill Maher
– Saturday Night Live

MELHOR PROGRAMA DE REALITY

The Voice
– Amazing Race
– Dancing with the Stars
– Project Runaway
– So You Think You Can Dance
– Top Chef

MELHOR HOST DE PROGRAMA DE REALITY

Heidy Klum, Tim Gunn (Project Runaway)
– Tom Bergeron (Dancing with the Stars)
– Anthony Bourdain (The Taste)
– Cat Deeley (So You Think You Can Dance)
– Ryan Seacrest (American Idol)
– Betty White (Betty White’s Off Their Rockers)

MELHOR DIREÇÃO DE SÉRIE DE COMÉDIA

• Gail Mancuso (Família Moderna) – Episódio: Arrested
– Lena Dunham (Girls) – Episódio: On All Fours
– Paris Barclay (Glee) – Episódio: Diva
– Louis C.K. (Louie) – Episódio: New Year’s Eve
– Beth McCarthy-Miller (Um Maluco na TV) – Episódio: Hogcock!/Last Lunch)

MELHOR DIREÇÃO – SÉRIE DE DRAMA

• David Fincher (House of Cards) – Episódio: Chapter 1
– Timothy Van Patten (Boardwalk Empire) – Episódio: Margate Sands
– Michelle MacLaren (Breaking Bad) – Episódio: Gliding All Over
– Jeremy Webb (Downton Abbey) – Episódio: Episode 4
– Lesli Linka Glatter (Homeland) – Episódio: Q & A

MELHOR DIREÇÃO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA

Steven Soderbergh (Behind the Candelabra)
– Julian Jarrold (The Girl)
– David Mamet (Phil Spector)
– Allison Anders (Ring of Fire)
– Jane Campion, Garth Davis (Top of the Lake)

MELHOR DIREÇÃO – PROGRAMA DE VARIEDADES

Don Roy King (Saturday Night Live)
– Jim Hoskinson (The Colbert Report)
– Chuck O’Neil (The Daily Show)
– Jerry Foley (Late Show with David Letterman)
– Jonathan Krisel (Portlandia)
– Andy Fisher (Jimmy Kimmel Live!)

MELHOR ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA

Tina Fey, Tracey Wigfield (Um Maluco na TV) – Episódio: Last Lunch
– Louis C.K., Pamela Adlon (Louie) – Episódio: Daddy’s Girlfriend
– David Crane, Jeffrey Klarik (Episodes) – Episódio: Episode 209
– Greg Daniels (The Office) – Episódio: Finale
– Jack Burditt, Robert Carlock (Um Maluco na TV) – Episódio: Hogcock!

MELHOR ROTEIRO – SÉRIE DE DRAMA

Henry Bromell (Homeland) – Episódio: Q & A
– Julian Fellowes (Downton Abbey) – Episódio: Episode 4
– George Mastras (Breaking Bad) – Episódio: Dead Freight
– Thomas Schnauz (Breaking Bad) – Episódio: Say My Name
– David Benioff, D.B. Weiss (Game of Thrones) – Episódio: The Rains of Castamere

MELHOR ROTEIRO – PROGRAMA DE VARIEDADES

The Colbert Report
– The Daily Show
– Portlandia
– Real Time with Bill Maher
– Saturday Night Live
– Jimmy Kimmel Live!

MELHOR ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA

Abi Morgan (The Hour)
– Richard LaGravenese (Behind the Candelabra)
– Tom Stoppard (Parade’s End)
– David Mamet (Phil Spector)
– Jane Campion, Gerard Lee (Top of the Lake)

Para os apaixonados pela Vada do filme Meu Primeiro Amor (1992) como eu, a atriz Anna Chlumsky está de volta aos holofotes pela série de comédia Veep. Ela foi indicada como atriz coadjuvante, mas não levou. (photo by www.elfilm.com)

Para os apaixonados pela Vada do filme Meu Primeiro Amor (1991) como eu, a atriz Anna Chlumsky está de volta aos holofotes pela série de comédia Veep. Ela foi indicada como atriz coadjuvante, mas não levou. (photo by http://www.elfilm.com)

Django Livre (Django Unchained), de Quentin Tarantino (2012)

Pôster de Django Livre (foto por pipocamoderna.com.br)

Pôster de Django Livre (foto por pipocamoderna.com.br)

Tarantino retoma projeto pessoal, recebe críticas, mas leva 5 indicações ao Oscar

Depois do sucesso comercial dos dois volumes de Kill Bill (2003 e 2004), o diretor Quentin Tarantino resolveu abrir seu baú e revisitar antigos projetos pessoais. Entre eles, estavam Bastardos Inglórios (2009) e este Django Livre. Conhecido por seu dom de criação de diálogos afiados e seu repertório infinito de referências do universo pop, ele expôs os projetos ousados à luz do sol e agora colhe os frutos: 1 Oscar para Bastardos e 5 indicações para Django Livre.

Fã assíduo do western spaghetti dos diretores italianos Sergio Corbucci e Sergio Leone, ao contrário de muitos diretores, Tarantino faz questão de mostrar as devidas credenciais de suas referências. Ele usa a trilha original de Luis Bacalov de Django (1966), de Corbucci, além de trilhas do compositor Ennio Morricone, colaborador de Leone em Três Homens em Conflito (1966) e Era Uma Vez no Oeste (1968), denotando a extrema importância de suas fontes de inspiração para a criação de um novo material. Tomando como base “nada se cria, tudo se transforma”, Tarantino se tornou um artista que trabalha com recicláveis como ninguém. Acredito ainda que ele pode ser um dos cineastas-símbolo dessa geração atual que pouco cria e que celebra muito o vintage.

Quentin Tarantino busca o melhor ângulo que aprendera do mestre Sergio Leone (photo by BeyondHollywood.com)

Quentin Tarantino busca o melhor ângulo que aprendera do mestre Sergio Leone (photo by BeyondHollywood.com)

Como usa suas referências com extrema propriedade, Quentin Tarantino acaba estimulando o público novo a pesquisar essas mesmas fontes. Com certeza, enquanto você está lendo este post, há vários cinéfilos pelo mundo tirando o pó da capinha dos DVDs da seção Western das locadoras (ou fazendo certos downloads…) para conferir o que o diretor enxergou no material original. Além disso, outra consequência extremamente benéfica de sua metodologia ecológica é o resgate do brilho de alguns atores esquecidos pelo tempo.

Em Pulp Fiction – Tempo de Violência (1994), John Travolta ressurgiu das cinzas para voltar a mostrar seus movimentos na dança de “You Never Can Tell”, de Chuck Berry. Em Jackie Brown (1997), a estrela negra de filmes produzidos por Roger Corman nos anos 70, Pam Grier, foi redescoberta por Hollywood. O Bill de Kill Bill foi a estrela da série de TV Kung Fu, David Carradine, e Daryl Hanna teve seu primeiro papel interessante depois de ser a replicante de Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982) como a assassina caolha Elle Driver. Desta vez, por razões óbvias, Tarantino trouxe Franco Nero, o Django original, para fazer a breve cena da luta de mandigos ao lado de Leonardo DiCaprio. Também resgatou o James Crockett da série Miami Vice, Don Johnson, e o veterano Bruce Dern, que pode voltar a concorrer a um Oscar em 2014 pelo novo filme de Alexander Payne, Nebraska. Os EUA têm tantos talentos à disposição que é realmente lamentável que os cineastas não aproveitem.

Django e Django: Franco Nero (à esq) faz uma pequena participação (photo by OutNow.CH)

Django e Django: Franco Nero (à esq) faz uma pequena participação (photo by OutNow.CH)

Para o papel de protagonista, Tarantino havia escrito para Will Smith, mas por motivos não divulgados, recusou a proposta. Depois de fazer testes com Idris Elba, Chris Tucker e Terrence Howard, o papel acabou nas mãos de Jamie Foxx. Apesar de seu personagem falar pouco, o ator encorpora o espírito vingativo do escravo através do olhar. Já para o papel do vilão Calvin Candie, foi necessário um diálogo entre o diretor e Leonardo DiCaprio para convencê-lo a participar, pois como tem imagem de bom menino e líder do movimento Verde, estava desconfortável com o racismo explícito do personagem. Sinceramente, não sei se DiCaprio foi a melhor escolha, mas como cinéfilo, aplaudi seu esforço em se desvencilhar de filmes anteriores. Acredito que ele caminha bem para um futuro promissor se continuar ambicioso na escolha de projetos.

Por outro lado, as duas melhores atuações do filme vieram de escolhas previamente acertadas na cabeça de Tarantino: Christoph Waltz como Dr. King Schultz, e Samuel L. Jackson como o criado Stephen. Poliglota e excelente ator, Waltz revelou numa entrevista que tinha forte receio de que sua atuação repetisse seu personagem anterior de Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios. Esse medo reside principalmente no fato de ambos os personagens serem letrados e terem ótima dicção, mas os universos são totalmente diferentes. Quanto a Jackson, trata-se da sexta colaboração com Tarantino, então eles já estão num nível excepcional de sintonia no set. Ele trabalha tão bem a entonação de seus diálogos, que é possível ver o racismo extremo em cada palavra dita, enquanto ele nos diverte com seu humor negro. Fazia muito tempo em que não via Samuel L. Jackson tão inspirado, ainda mais num papel de idoso com debilidade física.

Samuel L. Jackson rouba suas cenas como o criado racista Stephen (photo by OutNow.CH)

Samuel L. Jackson (à esq) rouba suas cenas como o criado racista Stephen ao lado de Kerry Washington (photo by OutNow.CH)

Com Django Livre, é possível enxergar que Quentin está no fim de outra fase como diretor. Seus primeiros filmes formam uma trilogia que prioriza a estrutura narrativa. Histórias e personagens interligados tornaram-se sua marca principal nos anos 90, influenciando vários trabalhos como Trainspotting – Sem Limites, de Danny Boyle e Traffic, de Steven Soderbergh. Tarantino estava buscando modernizar o uso de múltiplos personagens e tramas no mesmo filme como Robert Altman fez em Nashville (1975) e ShortCuts – Cenas da Vida (1993).

Já na segunda trilogia, que se inicia com Kill Bill: Vol. 1 (2003), Tarantino resolve apelar na violência. Apesar do exagero, ele transforma essa gratuidade em uma beleza plástica. Ele convida o diretor de fotografia Robert Richardson a mergulhar num oceano de referências visuais fílmicas e televisivas para poder recriar e homenageá-las.

Cena visual de Kill Bill: Vol. 2 (2004) com fotografia de Robert Richardson (photo by odeon.typepad.com)

Cena visual de Kill Bill: Vol. 2 (2004) com fotografia de Robert Richardson (photo by odeon.typepad.com)

Shosanna e seu machado em Bastardos Inglórios (photo by OutNow.CH)

Shosanna e seu machado em Bastardos Inglórios (photo by OutNow.CH)

Violência em evidência: plasticidade no sangue e na plantação (photo by BeyondHollywood.com)

Violência em evidência: plasticidade no sangue e na plantação (photo by BeyondHollywood.com)

Além da violência mais acentuada e estetizada, como pode-se perceber pelas fotos acima, existem outras curiosidades nessa segunda fase. Todos esses filmes dialogam com o forte tema da vingança. A Noiva quer matar Bill. Shosanna quer a cabeça de Landa. E Django quer destruir Calvin Candie para resgatar sua esposa. Alguém aí falou em guardar rancor? Tarantino acredita que nada mais ferve o sangue do que uma vingancinha. No começo de Kill Bill: Vol. 1, ele coloca o antológico provérbio klingon de Jornada nas Estrelas: “Revenge is a dish best served cold (Vingança é um prato que se come frio)”.

Também vale ressaltar que o diretor coloca grupos que já foram minoria como tais personagens buscando vingança: Mulheres em Kill Bill, Judeus em Bastardos e Negros em Django. E quando se toca no assunto de minorias étnicas ou religiosas, a coisa tende a pegar fogo nessa sociedade politicamente correta ao extremo. O primeiro a se manifestar foi o diretor negro Spike Lee, mais conhecido por fazer filmes com temática racial como Febre da Selva e Faça a Coisa Certa.

Em entrevista, ele teria dito as seguintes palavras: “American Slavery Was Not A Sergio Leone Spaghetti Western. It Was A Holocaust. My Ancestors Are Slaves. Stolen From Africa. I Will Honor Them (A escravidão americana não era um filme de spaghetti western de Sergio Leone. Foi um Holocausto. Meus antepassados foram escravos. Tirados da África. Vou honrá-los)” – O que é mais ridículo é que o autor dessa crítica non-sense sequer viu o filme! Spike Lee estaria indignado com o fato de haver o termo racialmente pejorativo “nigger“, que seria algo como “crioulo” aqui. Esse termo era utilizado pelos senhores referindo-se a seus escravos. E como fazer um filme sobre esse período sem conter essa palavra no roteiro?

Não-oficialmente falando, talvez essa birra por parte de Lee venha de uma regrinha de humor americano que implica que apenas as vítimas da piada têm o direito de criar essas mesmas piadas. Por exemplo: só judeu pode tirar sarro de judeu, caso contrário seria um ultraje tão grande que seria um incidente diplomático. Jamie Foxx logo rebateu a polêmica através do jornal The Guardian: “…I respect Spike, he’s a fantastic director. But he gets a little shady when he’s taking shots at his colleagues without looking at the work. To me, that’s irresponsible. (Respeito Spike, ele é um diretor fantástico. Mas ele fica um pouco sombrio quando atira em seus colegas sem olhar para o trabalho deles. Para mim, isso é irresponsabilidade)”.

Os pré-conceituosos: A presidente Dilma Roussef recebe Spike Lee no Planalto em visita para realização de documentário Go Brazil Go em abril de 2012 (foto por blog.planalto.gov.br)

Os pré-conceituosos: A presidente Dilma Rousseff recebe Spike Lee no Planalto em visita para realização de documentário Go Brazil Go! em abril de 2012 (foto por Roberto Stickert Filho/PR de blog.planalto.gov.br)

Aproveitando o tema, outro filme indicado ao Oscar também tem sido alvo de controvérsias. Segundo declarações de um membro da Academia, um panaca chamado David Clennon, teria dito em carta aberta que não votaria em A Hora Mais Escura, porque o filme faria apologia à tortura. Para quem não conhece, o novo filme de Kathryn Bigelow teve acesso exclusivo aos arquivos da CIA na captura e morte do líder terrorista Osama Bin Laden, e há algumas cenas em que membros da inteligência americana aplicam torturas a fim de obterem pistas. Em defesa de seu filme, a diretora declarou: ” Torture was, as we all know, employed in the early years of the hunt. That doesn’t mean it was the key to finding Bin Laden. It means it is a part of the story we couldn’t ignore. (Tortura foi, como todos sabemos, empregada nos primeiros anos da caça. Isso não significa que foi a chave para encontrar Bin Laden. Significa que foi uma parte da história que nós não poderíamos ignorar)”.

A sociedade americana anda muito politicamente correta, e ainda sente as consequências daquele vídeo horroroso (em todos os sentidos) intitulado Innocence of the Muslims (Inocência dos Muçulmanos – ver vídeo e post em https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/09/19/video-causa-conflito-no-oriente-medio/), que desencadeou uma briga internacional entre os países de origem muçulmana e os EUA, por abrigarem o responsável pelo filme. Além disso, hoje negros deixaram de ser negros. São afro-descendentes. Estamos pisando em ovos ao falar sobre temas étnicos. Isso porque nem vou comentar sobre as cotas raciais racistas criadas pelo ex-(e atual) presidente Lula e companhia. Se querem compensar décadas e mais décadas de escravidão, respeito e igualdade funcionam melhor como dignidade.

Veredito final: Nem Tarantino, nem Bigelow foram indicados ao Oscar de direção. Mas isso pouco importa agora. Django Livre é um ótimo filme que busca contar uma história de amor e vingança. Como qualquer outra obra de arte, não precisa estar atrelada à verdade absoluta ou a fatos verídicos. E como qualquer Arte boa, deve ter o poder de abrir espaço para interpretação e discussão saudável.

AVALIAÇÃO: MUITO BOM

Dr. King Schultz e Django formam uma dupla um tanto incomum (photo by BeyongHollywood.com)

Dr. King Schultz e Django formam uma dupla um tanto incomum (photo by BeyongHollywood.com)