‘American Honey’ e ‘Moonlight’ largam na frente no Independent Spirit Awards 2017

Sasha Lane e Shia LaBeouf em cena de American Honey, de Andrea Arnold, que conquistou seis indicações no Independent Spirit Awards (photo by moviepilot.de)

Sasha Lane e Shia LaBeouf em cena de American Honey, de Andrea Arnold, que conquistou seis indicações no Independent Spirit Awards (photo by moviepilot.de)

PREMIAÇÃO DE CINEMA INDEPENDENTE DÁ A LARGADA COM FORTES CANDIDATOS AO OSCAR

Pra quem acha que o Independent Spirit Awards é um mero coadjuvante na temporada de premiações, o blog lembra que os últimos três vencedores de Melhor Filme no Oscar saíram vitoriosos dessa premiação: Spotlight, Birdman e 12 Anos de Escravidão. Isso comprova que Hollywood e a Academia estão em sintonia em tempos de crise financeira, já que os filmes indicados ao Independent Spirit precisam ter um gasto máximo de 20 milhões de dólares. No ramo cinematográfico, muitos defendem que quanto menos dinheiro houver na produção, mais criatividade se vê na tela. Diante desse regulamento, algumas produções mais caras que estavam no burburinho do Oscar ficaram de fora como Animais Noturnos, o musical La La Land: Cantando Estações, Lion e Sete Minutos Depois da Meia-Noite. Contudo, esses mesmos filmes continuam com ótimas chances de chegar ao prêmio da Academia em fevereiro, inclusive seus atores.

O anúncio das indicações, que aconteceu no último dia 22, foi feito pelos atores Jenny Slate e Edgar Ramirez. Segue link com vídeo:

American Honey e Moonlight foram recordistas desta 32ª edição ao conquistar seis indicações cada. O primeiro, um road movie dirigido pela competente Andrea Arnold, foi indicado à Palma de Ouro no festival de Cannes, fez com que Shia LaBeouf desse a volta por cima após escândalos de plágio, e revelou o talento da novata Sasha Lane. Enquanto o segundo, um drama sobre a vida de um rapaz negro num bairro barra-pesada de Miami, teve boa passagem pelo Festival de Toronto e, embora tenha boas chances de ter atores indicados ao Oscar, nenhum deles foi reconhecido aqui, levando o prêmio Robert Altman para o elenco todo. Seria o futuro vencedor do SAG Awards de Ensemble Cast?

Mahershala Ali em cena de Moonlight (photo by moviepilot.de)

Mahershala Ali em cena de Moonlight, vencedor do prêmio Robert Altman (photo by moviepilot.de)

Manchester à Beira-Mar vem logo em seguida com cinco indicações. Curiosamente, seu diretor Kenneth Lonnergan ficou de fora de sua categoria, mas pelo menos está entre os melhores roteiros. Os atores Casey Affleck e Lucas Hedges garantiram suas vagas como Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente, mas a veterana Michelle Williams foi esquecida como Coadjuvante. Mas alguém aqui duvida que ela conseguirá sua quarta indicação ao Oscar? Entre outras ausências sentidas nas categorias de atuação estão Jeff Bridges (A Qualquer Custo), Joel Edgerton (Loving), Sally Field (My Name is Doris), Adam Driver (Paterson), Kristen Stewart (Certain Women) e Rebecca Hall (Christine).

Michelle Williams em cena de Manchester à Beira-Mar. Sua ausência na categoria de Atriz Coadjuvante foi uma das mais sentidas. (photo by moviepilot.de)

Michelle Williams em cena de Manchester à Beira-Mar. Sua ausência na categoria de Atriz Coadjuvante foi uma das mais sentidas. (photo by moviepilot.de)

Com tantas premiações que estão por vir, acho bacana o Independent Spirit Awards conceder espaço para produções menores que dificilmente terão chances num Globo de Ouro, por exemplo. O próprio American Honey estava fadado ao esquecimento depois de Cannes, mas depois desse recorde de indicações no Independent, acredito que o filme de Arnold conseguirá melhor projeção e reconhecimento.

Falando em reconhecimento, o filme brasileiro Aquarius conseguiu o seu. Passando por cima de qualquer política mesquinha que o impediu de concorrer ao Oscar, o filme do pernambucano Kléber Mendonça Filho foi indicado para Melhor Filme Internacional ao lado de produções da Grécia (Chevalier), França (Três Lembranças da Minha Juventude), Alemanha (Toni Erdmann) e Irã (Sob a Sombra). Vale lembrar que entre esses indicados, apenas os filmes alemão e o grego podem concorrer ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira.

Além de Aquarius, temos outro artista brasileiro reconhecido pelo Independent Spirit: o roteirista Mauricio Zacharias pelo drama de Ira Sachs, Melhores Amigos. Ele concorre com fortes candidatos: Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar), Taylor Sheridan (A Qualquer Custo), Mike Mills (20th Century Women) e Barry Jenkins (Moonlight).

Indicados ao 32º Independent Spirit Awards:

Melhor Filme
American Honey
Chronic
Jackie
Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)
Moonlight

Melhor Diretor
Andrea Arnold (American Honey)
Barry Jenkins (Moonlight)
Pablo Larraín (Jackie)
Jeff Nichols (Loving)
Kelly Reichardt (Certain Women)

Melhor Filme de Estréia
The Childhood of a Leader
The Fits
Other People
Swiss Army Man
A Bruxa

Melhor Ator
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
David Harewood (Free in Deed)
Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
Jesse Plemons (Other People)
Tim Roth (Chronic)

Melhor Atriz
Annette Bening (20th Century Women)
Isabelle Huppert (Elle)
Sasha Lane (American Honey)
Ruth Negga (Loving)
Natalie Portman (Jackie)

Melhor Ator Coadjuvante
Ralph Fiennes (A Bigger Splash)
Ben Foster (A Qualquer Custo)
Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
Shia LaBeouf (American Honey)
Craig Robinson (Morris from America)

Melhor Atriz Coadjuvante
Edwina Findley (Free in Deed)
Paulina Garcia (Melhores Amigos)
Lily Gladstone (Certain Women)
Riley Keough (American Honey)
Molly Shannon (Other People)

Melhor Roteiro
A Qualquer Custo
Melhores Amigos
Manchester à Beira-Mar
Moonlight
20th Century Women

Melhor Roteiro de Estreante
Barry
Christine
Jean of the Joneses
Other People
A Bruxa

Mehor Filme Internacional
Aquarius (Brasil)
Chevalier (Grécia)
Três Lembranças da Minha Juventude (França)
Toni Erdmann (Alemanha)
Under the Shadow (Irã)

Melhor Documentário
13th
Cameraperson
I Am Not Your Negro
O.J.: Made in America
Sonita
Under the Sun

Melhor Fotografia
American Honey
Childhood
Free in Deed
Eyes of My Mother
Moonlight

Melhor Montagem
A Qualquer Custo
Jackie
Manchester à Beira-Mar
Moonlight
Swiss Army Man

Prêmio John Cassavetes
Free in Deed
Hunter Gatherer
Lovesong
Nakom
Spa Night

Prêmio Robert Altman
“Moonlight”

Prêmio Piaget Producers
Lisa Kjerulff
Jordana Mollick
Melody C. Roscher
Craig Shilowich

Truer Than Fiction Award
Kristi Jacobson (Solitary)
Sara Jordeno (Kiki)
Nanfu Wang (Holligan Sparrow)

Someone to Watch Award
Andrew Ahn (Spa Night)
Claire Carre (Embers)
Anna Rose Holmer (The Fits)
Ingrid Jungermann (Women Who Kill)

No topo, as atrizes Greta Gerwig e Annette Bening foram indicadas ao Independent Spirit Awards. Elas posam com Lucas Jade Zumann, Elle Fanning e Billy Crudup. (photo by cine.gr)

No topo, a atriz Annette Bening foi indicada ao Independent Spirit Awards por 20th Century Women. Ela posa com Greta Gerwig, Lucas Jade Zumann, Elle Fanning e Billy Crudup. (photo by cine.gr)

***

O 32º Spirit Awards acontecerá no dia 25 de fevereiro, tradicionalmente um dia antes da cerimônia do Oscar.

Anúncios

PREVISÕES OSCAR 2017! Uma breve espiada nos candidatos

DEPOIS DE POLÊMICAS RACIAIS, OSCAR 2017 PROMETE RESULTADOS MAIS DIVERSIFICADOS

É complicado prever quais filmes serão indicados ao Oscar. Como não disponho de uma bola de cristal, e não tenho credencial de jornalista estrangeiro pra cobrir os festivais internacionais, baseio-me em algumas pistas que costumam render boa porcentagem de acerto. Uma delas é dar aquela olhada básica nas produções que estiveram presentes nos festivais de Veneza (Itália), Toronto (Canadá) e Telluride (EUA), já que todos têm sido pólos artísticos que selecionam futuros vencedores do Oscar nos últimos anos. Só pra citar alguns que seguiram esse tour e saíram vitoriosos no Oscar: Gravidade, Birdman, 12 Anos de Escravidão, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário?. As produções que passaram por esses festivais já têm meio caminho andado.

Em segundo lugar, estar atento ao histórico dos artistas. Não é porque o novo filme de Steven Spielberg não participou de festivais que vai ficar de fora do burburinho da Academia. Foi assim com Ponte dos Espiões: estreou em outubro de 2015 sem grande alarde e acabou indicado a Melhor Filme e levou a estatueta de Ator Coadjuvante para Mark Rylance. Então, o pensamento é o seguinte: “Tem filme novo de Spielberg, Ang Lee, David O. Russell ou Clint Eastwood? Bota na roda!”. O mesmo vale para atores, que vivem aceitando desafios e chamando a atenção dos votantes da Academia como Christian Bale e obviamente, Meryl Streep, que aliás, pode conquistar sua 20ª indicação: mais um marco histórico!

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

E neste ano, temos um fator que pode e deve ser determinante nas indicações e vencedores: a polêmica do #OscarSoWhite. Pra quem estava em outro planeta, 2016 foi o segundo ano consecutivo em que todas as 20 vagas nas categorias de atuação foram preenchidas por atores caucasianos. Isso acabou causando protestos e levantando questões raciais na indústria cinematográfica, o que fez com que a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, convidasse artistas negros e de outras etnias como membros com o intuito de dar resultados imediatos na votação. Portanto, as produções de temática racial devem figurar nas listas de previsões e conquistar indicações, inclusive de atores negros como Viola Davis e Denzel Washington.

Ao longo das categorias (veja lista abaixo), você perceberá que nomes de profissionais negros estão em quantidade maior do que a habitual. Como não tivemos a oportunidade de conferir os trabalhos, não podemos acusar ou defender a existência de uma possível retaliação perante o “racismo” dos últimos dois anos. Como já lancei aqui em posts anteriores, teremos um ano bem politicamente correto, e isso deve prejudicar a imagem dos indicados e vencedores, levantando a questão: “Estou ganhando por méritos ou por ser negro?”.

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Sou contra cotas raciais em quaisquer áreas por esse motivo. A cota julga o beneficiado como incapaz de obter sucesso pelo próprio esforço. E nas Artes, não dá pra obrigar um reconhecimento artístico. Essa atitude será bastante injusta para esses atores negros reconhecidos, pois, por mais que mereçam, correrão sério risco de serem vistos como uma mera resposta à polêmica. E depois? Teremos a revolta dos asiáticos, latinos e índios? Quem sabe uma vaga por raça e religião pra agradar gregos e troianos?

Justamente devido à essa “falta de diversidade”, um dos filmes mais bem cotados se tornou automaticamente o drama independente O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation), já que se trata de uma rebelião de escravos nos EUA. O filme estreou no festival de Sundance em fevereiro, e era até então, o candidato com maior potencial de Oscar. Contudo, a campanha descambelou quando a mídia descobriu que uma jovem, que cometeu suicídio em 2012, teria sido abusada pelo diretor e ator Nate Parker em 1999. Embora tenha sido absolvido na época, a morte da vítima reacendeu o escândalo e tem prejudicado bastante a carreira de Parker e seu filme. A bilheteria de 12 milhões de dólares nos EUA sequer pagou o investimento de 20 milhões que a Fox Searchlight pagou. Por mais que Parker seja indicado e premiado na temporada, sua glória está seriamente ameaçada devido à reação do público e dos demais artistas.

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

Claro que a Academia premiou e ainda premia acusados de crimes sexuais como Roman Polanski e Woody Allen, mas como se trata de algo tão recente, tenho minhas dúvidas da participação do filme na temporada. Pude conferir O Nascimento de uma Nação recentemente na 40ª Mostra de Cinema de SP, e particularmente, considero um filme convencional com uma narrativa simples que busca a todo momento estar à altura de seu tema, mas que só consegue oferecer elementos chavões como câmera lenta e trilha musical que busca catarse no público. O recém-oscarizado 12 Anos de Escravidão é muito mais filme se formos comparar pela temática escravista.

Ainda sobre questões raciais, o filme Loving pode ser uma ótima alternativa no Oscar. Indicado à Palma de Ouro, este novo trabalho do diretor Jeff Nichols, apresenta a história verídica de um homem branco que casou com uma mulher negra na Viriginia racista dos anos 50. O amor que ultrapassa barreiras raciais deve chegar ao tapete vermelho, pelo menos através de seus atores Joel Edgerton e Ruth Negga.

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

E ainda nesse contexto, também vale citar o drama racial Fences, baseado numa peça de sucesso da Broadway de 1987. A história de um pai de família, ex-jogador de beisebol, que trabalha como lixeiro na década de 50 racista da Pensilvânia para sustentar sua família foi renovada como peça teatral em 2010 pela mesma equipe do filme, com Denzel Washington dirigindo, e estrelando ao lado de Viola Davis. Muitos já consideram certas as indicações para ator e atriz (ou atriz coadjuvante).

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Aliás, os temas são fatores de desequilíbrio quando se trata de candidatos ao Oscar de Melhor Filme. Filmes de guerra como Até o Último Homem (Hacksaw Ridge) tem como protagonista um soldado médico que foi à guerra sem armas por não acreditar na violência, trazendo uma mensagem anti-bélica que pode resgatar o diretor Mel Gibson de seu ostracismo depois de suas declarações anti-semitas.

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

O drama histórico de Martin Scorsese, Silêncio, também tem boas chances por se tratar de um drama histórico de dois padres jesuítas no Japão do século XVII. Além de contar com destaques técnicos como Direção de Arte, Figurino e Fotografia, e o próprio prestígio de Scorsese, o filme tem parte do elenco japonês, o que pode ajudar na questão da “diversidade racial” da Academia.

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Claro que a temporada está apenas começando, mas até o momento, boa parte da crítica acredita que o novo filme de Ang Lee tem as melhores chances. A Longa Caminhada de Billy Lynn tem elementos típicos da filmografia do diretor, como a entrega do protagonismo para um ator desconhecido (no caso, Joe Alwyn), e uma grande história: o soldado Billy volta do Iraque para um tour de vitória pelos EUA, intercalando com flashbacks do que realmente aconteceu na guerra. Esse tema era muito bem explorado pelo diretor Oliver Stone (que ganhou dois Oscars por filmes anti-bélicos Platoon e Nascido em 4 de Julho), e costuma agradar a Academia por expôr as entranhas da guerra e sua forte conexão com os EUA.

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Não sei quais as reais chances de vitória como Melhor Filme, mas dois candidatos prometem fazer barulho nesta temporada: o drama tenso Animais Noturnos e o musical La La Land: Cantando Estações (pois é, queria esganar quem inventou esse subtítulo escroto!). Curiosamente, ambos saíram premiados no último festival de Veneza e participaram do festival de Toronto. Animais Noturnos é nada mais, nada menos do que o segundo longa do conhecido estilista Tom Ford, que dirigiu o belo Direito de Amar, com atuação soberba de Colin Firth. Depois que conferi o filme na Mostra, foi a obra que mais fiquei pensando por dias, pois tem sequências bem tensas e uma direção com personalidade. Particularmente, não acredito que seja material para Oscar porque tem a coisa da violência e do sexo (vide o fracasso de Os Suspeitos, de Denis Villeneuve no Oscar), e não há um ator que eu possa garantir que receberá uma indicação ao Oscar, mesmo que Aaron Taylor-Johnson e Laura Linney estejam bem, então restaria uma bastante justa indicação para Ford na direção.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

La La Land já gerou burburinho a partir de seu trailer todo bonito e colorido. É o tipo de trabalho que, por pior que seja sua história, vale a pena ver pelo apuro visual. Mas como fã de Damien Chazelle e seu Whiplash: Em Busca da Perfeição, aposto num musical bem escrito e com ótima montagem. Aliás, além da montagem, a fotografia e a direção são categorias praticamente garantidas no Oscar, assim como a segunda indicação para Emma Stone, que já faturou o prêmio Volpi Cup de Atriz em Veneza e deve conquistar o Globo de Ouro de Atriz – Comédia ou Musical.

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Manchester à Beira-Mar foi o drama que mais reviews positivos recebeu até o momento. Dirigido pelo sempre competente Kenneth Lonnergan, o filme praticamente garante as indicações de Casey Affleck como Ator, e Michelle Williams como Atriz Coadjuvante, além de uma possível para o novato Lucas Hedges como Coadjuvante. A história gira em torno de um tio que precisa cuidar de seu sobrinho após a morte do pai. Dependendo de como vai se sair nos prêmios da crítica como LAFCA e NYFCC, pode surgir como forte candidato a Melhor Filme.

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Enfim, sem mais delongas, seguem minhas apostas para o momento. Assinalei aqueles que acredito que convertem seu favoritismo em indicação na cor laranja. Lembrando que de novembro até fevereiro, muita coisa pode mudar de acordo com as premiações anteriores ao Oscar, as bilheterias de cada filme, e até mesmo declarações polêmicas que podem ruir toda uma campanha.

MELHOR FILME

  • A Chegada (Arrival)
  • A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk)
  • O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation)
  • Fences
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
  • Hell or High Water
  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
  • Jackie
  • La La Land: Cantando Estações (La La Land)
  • A Luz Entre Oceanos (The Light Between Oceans)
  • Lion
  • Loving
  • Manchester à Beia-Mar (Manchester by the Sea)
  • Moonlight
  • Animais Noturnos (Nocturnal Animals)
  • Silêncio (Silence)
  • Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)
  • 20th Century Women

Talvez seja a categoria mais complicada de adivinhar, afinal, temos que levar em consideração todas as demais categorias que podem resultar em maior número de estatuetas ganhas. E, claro, a história do filme conta muuuuito. Vejam a vitória de Spotlight nesse ano! Conseguiu ganhar apenas mais um Oscar além de Melhor Filme devido ao peso de sua história verídica.

A Academia adora histórias edificantes, com redenções e humanismo. Nesse quesito, os já citados A Longa Caminhada de Billy Lynn, Até o Último Homem e Fences saem na frente. Também incluiria Estrelas Além do Tempo, que envolve um pequeno grupo de mulheres negras que foi essencial através de seus conhecimentos matemáticos na corrida espacial da NASA contra a Rússia; e o novo filme de Clint Eastwood, Sully: O Herói do Rio Hudson, pela trajetória verídica do piloto de aeronave que pousou o avião no rio para salvar seus passageiros e tripulação. Sim, lembra um pouco o filme O Vôo com Denzel Washington, mas Eastwood e Tom Hanks costumam ter mais prestígio no Oscar.

Particularmente, acredito bastante numa vitória de La La Land. Embora o gênero musical tenha perdido aquela onda dos anos 50 e 60, a Academia nunca deixou de amá-lo. Premiou Moulin Rouge – Amor em Vermelho com dois Oscars em 2001, Chicago como Melhor Filme em 2003, e mais recentemente Os Miseráveis com duas estatuetas. E este novo trabalho de Damien Chazelle, diretor de Whiplash: Em Busca da Perfeição, vem arrancando muitos aplausos desde sua estréia em Veneza e Toronto. Alguns, inclusive, já defendem a vitória incontestável de Emma Stone como atriz. Será?

DIRETOR

  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Garth Davis (Lion)
  • Clint Eastwood (Sully: O Herói do Rio Hudson)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Stephen Frears (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mel Gibson (Até o Último Homem)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Pablo Larraín (Jackie)
  • Ang Lee (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Mike Mills (20th Century Women)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Martin Scorsese (Silêncio)
  • Oliver Stone (Snowden)
  • Morten Tyldum (Passageiros)
  • Denis Villeneuve (A Chegada)
  • Denzel Washington (Fences)

Mesmo sem sequer ter lançado o trailer de Silêncio, Martin Scorsese já está em todas as listas do Oscar 2017 por causa de sua reputação. Aliás, considero Scorsese um caso raríssimo em que a estatueta do Oscar lhe rendeu muito mais maturidade e sabedoria na escolha de projetos. Pra mim, O Lobo de Wall Street e A Invenção de Hugo Cabret, que vieram depois do premiado Os Infiltrados, são ótimos filmes e com ousadia de linguagem. Portanto, vou com os especialistas e incluir seu nome como certo.

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Em seguida, por mais jovem que seja, Damien Chazelle já merecia ter sido indicado ao Oscar de Diretor em 2015 por Whiplash, dessa forma, acredito que seja natural sua indicação nesta categoria por La La Land. Ele tem um forte apuro técnico na fotografia e na montagem, além de ser um ótimo roteirista, que busca algo inovador (quem não curtiu aquele final de Whiplash?), o que deve lhe garantir vaga na final.

Vencedor de 2 Oscars de Diretor, o taiwanês Ang Lee é aquele profissional competente que sempre tem algo de novo pra mostrar. É um dos raros diretores que consegue mudar de gênero sem perder sua capacidade de contar bem uma história. Por mais que ache difícil ele ganhar o terceiro Oscar, não deve ter dificuldade de figurar entre os cinco indicados.

Por mais que esteja pegando carona na polêmica do #OscarSoWhite, o trabalho de direção de Denzel Washington em Fences tem sido bastante elogiado.

ATOR

  • Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
  • Don Cheadle (Miles Ahead)
  • Robert De Niro (The Comedian)
  • Joel Edgerton (Loving)
  • Michael Fassbender (A Luz Entre Oceanos)
  • Andrew Garfield (Até o Último Homem) (Silêncio)
  • Joseph Gordon-Levitt (Snowden)
  • Ryan Gosling (La La Land)
  • Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
  • Tom Hanks (Sully)
  • Ethan Hawke (Born to be Blue)
  • Michael Keaton (Fome de Poder)
  • Matthew McConaughey (Ouro e Cobiça)
  • Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
  • Nate Parker (O Nascimento de uma Nação)
  • Will Smith (Beleza Oculta)
  • Miles Teller (Bleed for This)
  • Denzel Washington (Fences)

De acordo com os sites de apostas, os únicos “garantidos” na categoria até o momento são Casey Affleck e Denzel Washington. Ambos tiveram suas performances muito bem elogiadas e seriam muito improváveis suas ausências no tapete vermelho. Se confirmadas as previsões, seria a segunda indicação de Affleck (a primeira como ator principal), e a sétima indicação de Washington, que pode levar seu terceiro Oscar depois de Coadjuvante por Tempo de Glória (1989) e Ator por Dia de Treinamento (2001).

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Quase garantido também está Joel Edgerton. Este ator australiano que já participou de grandes produções hollywoodianas como O Grande Gatsby (2013) e Êxodo: Deuses e Reis (2014), vem chamando atenção em papéis mais discretos como em Guerreiro (2011), Aliança do Crime (2015) e O Presente (2015), que também dirigiu. No papel verídico de Richard em Loving, arrancou aplausos em Cannes. Se o filme receber indicações para Filme e Roteiro, suas chances de vitória aumentam bastante.

Existem dois atores mais experientes que viveram músicos este ano que podem entrar na penetra na festa. Don Cheadle como Miles Davis em Miles Ahead, e Ethan Hawke como Chet Baker em Born to be Blue. Como a Academia adora personagens baseados em figuras reais, e sempre tem lugar para produções independentes, por que não?

ATRIZ

  • Amy Adams (Animais Noturnos) (A Chegada)
  • Annette Bening (20th Century Women)
  • Emily Blunt (A Garota no Trem)
  • Jessica Chastain (Miss Sloane)
  • Marion Cotillard (Aliados)
  • Rebecca Hall (Christine)
  • Taraji P. Henson (Estrelas Além do Tempo)
  • Isabelle Huppert (Elle)
  • Jennifer Lawrence (Passageiros)
  • Ruth Negga (Loving)
  • Natalie Portman (Jackie)
  • Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
  • Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Alicia Vikander (A Luz Entre Oceanos)
  • Rachel Weisz (Denial)

Quando vi o trailer de Fences, já havia decretado que 2017 seria o ano de Viola Davis. Além de já ter tido a oportunidade de ganhar o Oscar em duas vezes, e estar em alta na série How to Get Away With Murder, a polêmica da ‘diversidade’ certamente garantiria sua vitória. Mas recentemente, após conferir o filme, ela decidiu que sua personagem era coadjuvante, e que portanto, concorreria como uma.

Com o caminho aberto, os holofotes apontam para Emma Stone, que saiu premiada do último Festival de Veneza por La La Land.  Apesar de jovem (tem 28 anos), ela tem se mostrado bem versátil. Já trabalhou com comédias besteirol (A Casa das Coelhinhas), drama (Birdman), animação (Os Croods), comédia romântica (A Mentira), blockbuster (O Espetacular Homem-Aranha), terror (se considerarmos Zumbilândia) já atuou sob a batuta de Woody Allen duas vezes, e agora canta num musical!

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Não se sabe se suas concorrentes terão força para bater de frente, mas Natalie Portman promete muita luta por Jackie, no qual vive a ex-primeira dama no momento crítico após o assassinato de seu marido. Estão falando bem de Amy Adams em A Chegada, o que poderia render sua sexta (!) indicação, e uma das raras para atriz em ficção científica. Particularmente, acho que ela só ganha se ela passar por alguma transformação física (será que só eu penso assim?), mas… Caso ela não agrade, temos sempre Meryl Streep à mão, que aliás se transforma em Florence Foster Jenkins, considerada a pior cantora de todos os tempos. Se cuide, Amy!

ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Moonlight)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Jeff Bridges (Hell or High Water)
  • Kevin Costner (Estrelas Além do Tempo)
  • John Goodman (Rua Cloverfield 10)
  • Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Lucas Hedges (Manchester à Beira Mar)
  • Stephen Henderson (Fences)
  • Steve Martin (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Liam Neeson (Silêncio)
  • Dev Patel (Lion)
  • Michael Shannon (Animais Noturnos)
  • Timothy Spall (Denial)
  • Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)

Das atuações coadjuvantes mais comentadas até agora foi de Lucas Hedges, como o sobrinho que passa a ser criado pelo tio após a morte do pai. Ele seria o comic relief (alívio cômico) de uma trama sobre luto e passado trágico. Esse tipo de papel apresenta elementos que o fazem se destacar num drama, iluminando ainda mais uma atuação, e de quebra, a Academia adora esse tipo de personagem. Acredito que pelo menos um dos três atores possivelmente indicados de Manchester à Beira-Mar deva levar uma estatueta pra casa. Se Casey Affleck não ganhar, temos Lucas Hedges…

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

Na cola de Hedges, outros dois nomes estão crescendo na temporada. Mahershala Ali em Moonlight tem despertado os críticos num drama que contém bullying, pobreza, drogas e família em frangalhos, tanto que já foi comparado a Preciosa: Uma História de Esperança (2009). E o eterno Schindler, Liam Neeson, que deu um tempo nos filmes de ação (não, não tenho nada contra, tanto que adoro o primeiro Busca Implacável) para trabalhar com Martin Scorsese em Silêncio. Como o filme só terá exibição em dezembro, não se sabe praticamente nada sobre a produção, mas quando um ator desse calibre entra num projeto de Scorsese, cheiro de indicação já tem automaticamente.

ATRIZ COADJUVANTE

  • Viola Davis (Fences)
  • Elle Fanning (20th Century Women)
  • Greta Gerwig (20th Century Women)
  • Naomie Harris (Moonlight)
  • Felicity Jones (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Nicole Kidman (Lion)
  • Aja Naomi King (O Nascimento de uma Nação)
  • Sasha Lane (American Honey)
  • Margo Martindale (The Hollars)
  • Janelle Monáe (Estrelas Além do Tempo)
  • Lupita Nyong’o (Rainha de Katwe)
  • Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
  • Kristen Stewart (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Michelle Williams (Manchester à Beira Mar)
Viola Davis em Fences

Viola Davis em Fences

Muitos já decretaram a vitória de Viola Davis nesta categoria por Fences. Se a transição da campanha de Atriz para Atriz Coadjuvante realmente se concretizar como o estúdio e ela mesma deseja, será muito difícil não entregar o prêmio em suas mãos, já que, além de sua atuação ter sido bem elogiada, ela já foi indicada 2 vezes ao Oscar e está em alta com o público através da série How to Get Away With Murder. E além disso tudo, é uma das melhores atrizes de sua geração. Ela consegue transformar uma única cena de um papel menor em ouro como aconteceu em Dúvida.

Talvez a candidata mais forte depois de Davis, seja Naomie Harris que, além de satisfazer a “diversidade”, interpreta um papel forte de uma mãe viciada em crack no drama Moonlight. Pelas críticas que acompanhei, ela foge do estereótipo e entrega uma performance densa sem apelar. O fato de ela ser conhecida do público por ser o nova Miss Moneypenny na franquia do 007 ajuda bastante, claro.

Outra atuação bem comentada nessa temporada é a de Nicole Kidman como uma mãe que vê seu filho adotado sair em busca de seus pais biológicos. Como Lion tem a grande Weinstein Co. por trás da campanha, acredito que Kidman tem lugar garantido.

ROTEIRO ORIGINAL

  • Steven Knight (Aliados)
  • Andrea Arnold (American Honey)
  • Woody Allen (Café Society)
  • Matt Ross (Capitão Fantástico)
  • Taylor Sheridan (Hell or High Water)
  • Noah Oppenheim (Jackie)
  • Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
  • Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Mike Mills (20th Century Women)
Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada)
  • Jean-Christophe Castelli (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • David Hare (Denial)
  • August Wilson (Fences)
  • Robert D. Siegel (Fome de Poder)
  • Erin Cressida Wilson (A Garota no Trem)
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
  • Luke Davies (Lion)
  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Whit Stillman (Love & Friendship)
  • Patrick Ness (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Jay Cocks (Silêncio)
  • Todd Komarnicki (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

FOTOGRAFIA

  • Bradford Young (A Chegada)
  • John Toll (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charlotte Bruus Christensen (Fences)
  • Robert Elswit (Ouro e Cobiça)
  • Roger Deakins (Ave, César!)
  • Mandy Walker (Estrelas Além do Tempo)
  • Stéphane Fontaine (Jackie)
  • Bill Pope (Mogli: O Menino Lobo)
  • Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
  • Robert Richardson (A Lei da Noite)
  • Adam Stone (Loving)
  • James Laxton (Moonlight)
  • Seamus McGarvey (Animais Noturnos)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
Fotografia de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

Fotografia de Bradford Young de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

MONTAGEM

  • Joe Walker (A Chegada)
  • Tim Squyres (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Steven Rosenblum (O Nascimento de uma Nação)
  • John Gilbert (Até o Último Homem)
  • Sebastián Sepúlveda (Jackie)
  • Mark Livolsi (Mogli: O Menino Lobo)
  • Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre de Franceschi (Lion)
  • William Goldenberg (A Lei da Noite)
  • Joi McMillon e Nat Sanders (Moonlight)
  • Joan Sobel (Animais Noturnos)
  • Ruy Diaz e Thelma Schoonmaker (Silêncio)
  • Jabez Olssen (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Blu Murray (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

DIREÇÃO DE ARTE

  • Gary Freeman (Aliados)
  • Patrice Vermette (A Chegada)
  • Rick Carter (O Bom Gigante Amigo)
  • Mark Friedberg (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charles Wood (Doutor Estranho)
  • Stuart Craig (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Alan MacDonald (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Jess Gonchor (Ave, César!)
  • Jean Rabasse (Jackie)
  • Christopher Glass (Mogli: O Menino Lobo)
  • David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
  • Jess Gonchor (A Lei da Noite)
  • Gavin Bocquet (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Eugenio Caballero (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Guy Hendrix Dyas (Passageiros)
  • Jeannine Oppewall (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

FIGURINO

  • Joanna Johnston (Aliados)
  • Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Sharen Davis (Fences)
  • Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mary Zophres (Ave, César!)
  • Seong-hie Ryu (The Handmaiden)
  • Madeline Fontaine (Jackie)
  • Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)
  • Jacqueline West (A Lei da Noite)
  • Colleen Atwood (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Albert Wolsky (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

MAQUIAGEM

  • Deadpool
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Até o Último Homem
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Alan Silvestri (Aliados)
  • Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
  • John Williams (O Bom Gigante Amigo)
  • Jeff Danna e Mychael Danna (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • James Newton Howard (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Thomas Newman (Procurando Dory)
  • Alexandre Desplat (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Pharrell Williams e Hans Zimmer (Estrelas Além do Tempo)
  • Mica Levi (Jackie)
  • John Debney (Mogli: O Menino Lobo)
  • Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre Desplat (A Luz Entre Oceanos)
  • Volker Bertelmann e Dustin O’Halloran (Lion)
  • Opetaia Foa’i, Mark Mancina e Lin-Manuel Miranda (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)
  • Thomas Newman (Passageiros)
  • Michael Giacchino (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Michael Giacchino (Zootopia)

CANÇÃO ORIGINAL

  • “I See a Victory” (Estrelas Além do Tempo)
  • “Audition (The Fools Who Dream”) (La La Land: Cantando Estações)
  • “City of Stars” (La La Land: Cantando Estações)
  • “Never Give Up” (Lion)
  • “How Far I’ll Go” (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • “The Great Beyond” (Festa da Salsicha)
  • “Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
  • “A Letter to the Free” (The 13th)
  • “Can’t Stop the Feeling!” (Trolls)

SOM

  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Até o Último Homem
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jason Bourne
  • Mogli: O Menino Lobo
  • La La Land: Cantando Estações
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Silêncio
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS SONOROS

  • 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
  • A Chegada
  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Doutor Estranho
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Até o Último Homem
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS VISUAIS

  • O Bom Gigante Amigo
  • Capitão América: Guerra Civil
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Doutor Estranho
  • Mogli: O Menino Lobo
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Sete Minutos Depois da Meia-Noite
  • Passageiros
  • Meu Amigo, O Dragão
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • X-Men: Apocalipse
  • Warcraft
Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Angry Birds: O Filme
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Kung Fu Panda 3
  • Moana – Um Mar de Aventuras
  • Procurando Dory
  • O Pequeno Príncipe
  • Miss Hokusai
  • The Red Turtle 
  • Festa da Salsicha
  • A Vida Secreta dos Pets
  • Sing: Quem Canta Seus Males Espanta
  • Trolls
  • Zootopia
Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Afterimage, de Andrzej Wajda (Polônia)
  • Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh (Arábia Saudita)
  • De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas (Venezuela)
  • Desierto, de Carlos Cuarón (México)
  • A Distinguished Citizen, de Gastón Duprat e Mariano Cohn (Argentina)
  • Elle, de Paul Verhoeven (França)
  • Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi (Itália)
  • O Ídolo, de Hany Abu Assad (Palestina)
  • It’s Only the End of the World, de Xavier Dolan (Canadá)
  • Julieta, de Pedro Almodóvar (Espanha)
  • Land of Mine, de Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • Ma’Rosa, de Brillante Mendoza (Filipinas)
  • Morte em Sarajevo, de Danis Tanovic (Bósnia Herzegovina)
  • Neruda, de Pablo Larraín (Chile)
  • Toni Erdmann, de Maren Ade (Alemanha)
  • O Apartamento, de Asghar Farhadi (Irã)
Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Na lista, existem nomes fortes na disputa, como o espanhol Pedro Almodóvar com Julieta, e o canadense Xavier Dolan com It’s Only the End of the World, mas eu, particularmente, aposto nas indicações de Neruda, de Pablo Larraín (Chile) – até mesmo porque o diretor também é responsável por Jackie, estrelado por Natalie Portman – e The Salesman, de Asghar Farhadi (Irã) – ele já venceu em 2012 com A Separação e este novo filme dialoga com a obra de Arthur Miller, “A Morte de um Caixeiro-Viajante”. Também não descartaria os vencedores de prêmios de festivais como o documentário italiano Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, que levou o Urso de Ouro em Berlim; o drama venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas, que ganhou o Leão de Ouro 2015. Gostaria muito que o representante francês Elle recebesse uma indicação, pois idolatro o diretor Paul Verhoeven. Mas as chances são mínimas, já que seu filme retrata um tema polêmico (estupro) sob uma perspectiva… bem, digamos, “Verhoevenesca”, à la provocateur. Espero que a tal “diversidade” também atinja a categoria mais conservadora do Oscar…

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas ao vivo no dia 24 de janeiro, e a cerimônia está marcada para o dia 26 de fevereiro.

 

Ken Loach conquista sua segunda Palma de Ouro com ‘I, Daniel Blake’ em Cannes 2016

Ken Loach se mostra triunfante com sua segunda Palma de Ouro por I, Daniel Blake (photo by publico.pt)

Ken Loach se mostra triunfante com sua segunda Palma de Ouro por I, Daniel Blake (photo by publico.pt)

DIRETOR BRITÂNICO VENCEU EM 2006 COM ‘VENTOS DA LIBERDADE’

Num ano repleto de diretores renomados na competição oficial, deu Ken Loach mais uma vez! Agora ele se junta a um seleto grupo de cineastas que tem duas Palmas de Ouro no currículo: Michael Haneke, Francis Ford Coppola, Emir Kusturica, Bille August, Shohei Imamura, Alf Sjoberg e os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne.

Seu mais novo filme retrata um entrave sócio-trabalhista de um carpinteiro de meia-idade que não pode mais trabalhar depois de um acidente, mas luta para conseguir seus benefícios do governo. Pela sinopse, parece aqueles filmes de forte crítica social que permearam a década de 70 como os do italiano Elio Petri, mas vale lembrar que a própria filmografia de Loach possui pinceladas de cunho social. Segundo a crítica, I, Daniel Blake seria seu melhor trabalho, justamente por amadurecer essa vertente. Contudo, parece que o lado emocional falou mais alto na decisão do júri.

Mesmo sem justificar suas escolhas, o presidente do júri, George Miller, definiu a seleção com três qualidades: “inteligência, ferocidade e beleza”. No geral, a mídia estrangeira ficou desapontada com uma escolha conservadora vinda de um autor tão inovador como Miller. Entre os indicados, os críticos apontaram alguns favoritos como a ‘dramédia’ sobre pai e filha Toni Erdmann, da alemã Maren Ade; o suspense Elle, de Paul Verhoeven; e o romance coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook. Curiosamente, nenhum deles recebeu um prêmio de consolação sequer!

O Grande Prêmio do Júri (o segundo lugar da edição) acabou nas mãos do prodígio canadense Xavier Dolan por seu It’s Only the End of the World, um drama que destrincha uma família disfuncional. Por conquistar prêmios em Cannes desde 2009, mas sempre batendo na trave, havia altas expectativas de que este seria o ano de Dolan, mas seu novo trabalho não foi uma unanimidade no festival, chegando a ser vaiado numa das sessões.

O jovem canadense Xavier Dolan (27) ganha seu prêmio mais importante em Cannes, o Grande Prêmio do Júri, por Juste la fin du monde (photo by thestar.com)

O jovem canadense Xavier Dolan (27) ganha seu prêmio mais importante em Cannes, o Grande Prêmio do Júri, por Juste la fin du monde (photo by thestar.com)

Vencedor do mesmo prêmio no ano anterior por Filho de Saul, o diretor László Nemes saiu em defesa de Dolan: “Fiquei admirado ao ver o filme. Todos nós sentimos que era uma jornada tocante. Quando começou, você podia sentir as escolhas muito específicas do diretor.” Vale destacar que esta é a primeira vez que Xavier Dolan trabalha com atores de nome, no caso, Marion Cotillard, Léa Seydoux e Vincent Cassel.

Antes que um ser politicamente correto reclame, houve uma mulher premiada em Cannes (excetuando, obviamente, a categoria de Atriz)! E foi novamente a diretora britânica Andrea Arnold com seu American Honey, um road movie estrelado por um sempre polêmico Shia LaBeouf. Trata-se de sua terceira vitória com o Prêmio do Júri, vencido anteriormente por Marcas da Vida (Red Road) e Aquário (Fish Tank). Considero seu estilo bastante intenso, que me lembra a direção de atores de Mike Leigh.

E pra quem aguardava por premiações para atores conhecidos como Adam Driver (o Kylo Ren do novo Star Wars), Shia LaBeouf, Joel Edgerton, Marion Cotillard ou Kristen Stewart, ficou a expectativa, pois o júri reconheceu atores menos conhecidos: a filipina Jaclyn Jose de Ma’Rosa, de Brillante Mendoza; e o iraniano Shahab Hosseini de The Salesman, de Asghar Farhadi. Esta é a segunda performance sob direção de Farhadi a ganhar prêmio em Cannes; em 2014, a argentina Bérénice Bejo ganhou por O Passado. The Salesman foi o único a ganhar dois prêmios principais, já que venceu como Melhor Roteiro também.

Jaclyn Jose posa com seu prêmio de Performance Feminina por Ma'Rosa (photo by preen.inquirer.net)

Jaclyn Jose posa com seu prêmio de Performance Feminina por Ma’Rosa (photo by preen.inquirer.net)

O iraniano Shahab Hosseini ganha Performance Masculina por The Salesman (photo by themalaimailonline.com)

O iraniano Shahab Hosseini ganha Performance Masculina por The Salesman (photo by themalaimailonline.com)

Aliás, pelo burburinho, Joel Edgerton e Ruth Negga já deram o start inicial para a campanha para o Oscar 2017 por suas interpretações no drama Loving, de Jeff Nichols. Trata-de de uma história de amor interracial na Virginia de 1958, onde o casal foi preso por simplesmente se casar. Além do prestígio do diretor Nichols, a performance de Edgerton foi bastante elogiada em Cannes e, depois de todo aquele estardalhaço no Oscar por “falta de diversidade”, a Academia vai fazer um baita esforço para incluir negros, amarelos, índios, anões, albinos e imigrantes ilegais. O vilão Kylo Ren (Adam Driver) também conquistou pontos para o ano que vem por sua atuação em Paterson.

E na categoria de Diretor, houve o único empate da cerimônia, que ocorreu entre o romeno Cristian Mungiu, por The Graduation, e o francês Olivier Assayas, por Personal Shopper. Enquanto Mungiu recebeu seu terceiro prêmio (venceu a Palma de Ouro por 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, e Roteiro por Além das Montanhas), Assayas recebeu seu primeiro prêmio após 5 indicações à Palma de Ouro! Seu filme também foi vaiado, mas ele é muito querido na crítica.

Romanian director Cristian Mungiu (R) and French director Olivier Assayas talk on stage wafter being awarded with the Best Director prize, respectively for the film "Graduation (Bacalaureat)" and "Personal Shopper" during the closing ceremony of the 69th Cannes Film Festival in Cannes, southern France, on May 22, 2016. / AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

Vencedores de Melhor Diretor em Cannes: à esquerda, Olivier Assayas (Personal Shopper) discursa ao lado de Cristian Mungiu  (Graduation). Photo by ALBERTO PIZZOLI

E o Brasil continuará mais um ano com apenas a Palma de Ouro de Anselmo Duarte por O Pagador de Promessas (1962). Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, saiu de mãos abanando do festival. A passagem do filme brasileiro ficou marcada pelos protestos dos atores e da equipe no tapete vermelho contra o Impeachment da “presidenta” Dilma Roussef. Dentre os vários cartazes com dizeres em inglês e francês, havia um que dizia que “54 milhões de votos (que reelegeram a Dilma) foram queimados” e que “a democracia havia dado lugar a um golpe”. Não gosto muito de ficar falando de política com tantos intolerantes à solta na internet, mas só queria dizer que somente numa democracia, esses mesmos 54 milhões de eleitores também têm o direito de mudar de posição após um péssimo governo petista. Eu mesmo conheço alguns que se arrependeram de seus votos, e pra isso também serve o Impeachment, afinal, de que outra forma a sociedade poderia destituir um presidente antes do fim de seu mandato? E vale lembrar que o vice-presidente Michel Temer veio no mesmo pacote do PT, então não adianta reclamar. Temos que torcer para que ele faça um bom governo e consiga aprovar medidas para salvar a nossa economia.

Equipe do filme Aquarius com cartazes contra o Impeachment (photo by cinema.uol.com.br)

Equipe do filme Aquarius com cartazes contra o Impeachment (photo by cinema.uol.com.br)

Vale destacar que o cinema brasileiro foi agraciado com uma menção honrosa na categoria de curta-metragem para A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria, e com o Olho de Ouro para o documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha.

Seguem os vencedores desta 69ª edição do Festival de Cannes:

PALMA DE OURO
I, Daniel Blake
Dir: Ken Loach

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

PRÊMIO DO JÚRI
Andrea Arnold (American Honey)

DIRETOR
Olivier Assayas (Personal Shopper) & Cristian Mungiu (Graduation)

ATOR
Shahab Hosseini (The Salesman)

ATRIZ
Jaclyn Jose (Ma ‘Rosa)

ROTEIRO
Asghar Farhadi (The Salesman)

OUTROS PRÊMIOS

PALMA HONORÁRIA
Jean-Pierre Léaud

CAMERA D’Or
Divines
Dir: Houda Benyamina

PALMA DE OURO DE CURTA
Timecode
Dir: Juanjo Jimenez

MENÇÃO ESPECIAL CURTA
The Girl Who Danced With the Devil
Dir: João Paulo Miranda Maria

Ecumenical Jury Prize
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

PRÊMIO OLHO DE OURO
Cinema Novo
Dir: Eryk Rocha

UN CERTAIN REGARD

PRÊMIO UN CERTAIN REGARD
The Happiest Day in the Life of Olli Mäki
Dir: Juho Kuosmanen

PRÊMIO DO JÚRI
Harmonium
Dir: Koji Fukada

DIRETOR
Matt Ross (Captain Fantastic)

ROTEIRO
Delphine e Muriel Coulin (The Stopover)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Michael Dudok de Wit (The Red Turtle)

DIRECTORS’ FORTNIGHT

PRÊMIO ART CINEMA
Wolf and Sheep
Dir: Shahrbanoo Sadat

PRÊMIO Society of Dramatic Authors and Composers
The Together Project
Dir: Solveig Anspach

Europa Cinemas Label
Mercernary
Dir: Sacha Wolff

CRITICS’ WEEK

GRANDE PRÊMIO
Mimosas
Dir: Oliver Saxe

PRÊMIO VISIONÁRIO
Album
Dir: Mehmet Can Mertoğlu

PRÊMIO Society of Dramatic Authors and Composers
Diamond Island
Dir: Day Chou

FIPRESCI

COMPETIÇÃO
Toni Erdmann
Dir: Maren Ade

Un Certain Regard
Dogs
Dir: Bogdan Mirică

Critics’ Week
Raw
Dir: Julia Ducournau

‘Mad Max: Estrada da Fúria’ conquista 3 prêmios no LAFCA Awards 2015, mas ‘Spotlight’ leva Melhor Filme

Elenco de Spotlight (photo by Open Road)

Elenco de Spotlight da esquerda para a direita: Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Brian D’Arcy James, Michael Keaton e John Slattery (photo by Open Road)

FILME FUTURISTA VINHA COLETANDO PRÊMIOS, MAS MORREU NA PRAIA

Foi bom enquanto durou. A possibilidade de Mad Max: Estrada da Fúria conquistar Melhor Filme com os críticos de Los Angeles estava prestes a se tornar realidade. Após conquistar o prestigiado National Board of Review na semana passada, um novo reconhecimento selaria a aprovação necessária para que o filme pudesse ser levado à sério nas cerimônias de premiação, mas bateu na trave. Contudo, o filme de George Miller ainda ficou com o segundo lugar e pode sonhar com mais do que categorias técnicas…

Impecavelmente perfeito nos quesitos em que saiu vitorioso: Direção, Fotografia e Direção de Arte, o filme só não se consagrou por causa de seu calcanhar de Aquiles: o roteiro, justamente o que fez com que Spotlight arrancasse o prêmio de Melhor Filme de suas mãos. O drama de Tom McCarthy prima por sua pesquisa jornalística sobre os fatos dos abusos dos padres católicos, tanto que levou o prêmio de Melhor Roteiro, o que praticamente o garante na categoria de Roteiro Original no Oscar.

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria com Charlize Theron e Tom Hardy (photo by cine.gr)

Também com dois prêmios, Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson, bateu o favoritismo da animação da Pixar, Divertida Mente (acredito eu pela qualidade do roteiro também), e lança luz no trabalho do compositor Carter Burwell, conhecido pela trilha de Fargo, e que nunca recebeu uma única indicação ao Oscar. Aqui ele ganhou pela trilha da animação e também pelo drama Carol, de Todd Haynes. Mas vale lembrar que Burwell teve um ano excepcional: além desses dois trabalhos, compôs para Sr. Holmes e Legend.

Imbatível, o filme húngaro, O Filho de Saul, conquistou mais um prêmio e deve ser o Oscar mais batido dos últimos anos. Honestamente, esperava um pouco mais de audácia por parte dos críticos de Los Angeles, já que o filme de László Nemes não oferece perspectiva tão inovadora num tema tão batido como o Holocausto. Seria mais justo se o segundo lugar, o ucraniano A Gangue, levasse o prêmio pela coragem de fazer um filme bem violento usando apenas linguagem de sinais.

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow,ch)

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow.ch)

Pelas categorias de atuação, de acordo com seu histórico, era esperada a vitória de um ator ou atriz estrangeiros, consolidada pela premiação da britânica Charlotte Rampling no drama 45 Anos. Ela interpreta uma esposa que fica de escanteio quando o marido descobre o corpo perdido da ex-mulher em pleno aniversário de 45 anos de casamento. Por sua performance, ela levou o Urso de Prata de Melhor Atriz no último Festival de Berlim, e seu companheiro de tela, Tom Courtenay, levou Melhor Ator na ocasião. As chances de Rampling no Oscar são mínimas, mas elas existem. Em segundo lugar, Saoirse Ronan (Brooklyn) cresce um pouco na competição, enquanto Brie Larson (O Quarto de Jack), Carey Mulligan (As Sufragistas) e Cate Blanchett (Carol) despencam.

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Na ala masculina, Michael Fassbender confirma seu crescimento entre os críticos com seu retrato do criador da Apple em Steve Jobs. Apesar do filme de Danny Boyle não ter ido bem nas bilheterias nos EUA, a atuação de Fassbender tem saído ilesa, muito pelas classificações de “performance de possessão”, como aquelas em que o ator se torna outra pessoa, como Daniel Day-Lewis é craque em fazer. Além disso, Fassbender superou a desconfiança de que seu sotaque alemão pudesse arruinar o personagem americano, e a Academia, por mais que o tenha indicado a Coadjuvante por 12 Anos de Escravidão, sabe que está em dívida com ele por Fome (2008) e Shame (2011).

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Nas categorias de coadjuvante, duas produções independentes que podem ter sido ajudadas pelo LAFCA para a temporada: 99 Homes e Ex-Machina: Instinto Artificial. Gosto do trabalho de Michael Shannon, mas aqui ele interpreta um corretor ambicioso que quer passar por cima de tudo e de todos. No entanto, independente de sua performance, só acho que ele deve tomar cuidado pra não ser rotulado por suas escolhas de papéis. Todo filme que vejo dele, o ator faz um papel de psicótico, psicopata ou maluco, vide: Foi Apenas um Sonho, Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto, O Abrigo e até no blockbuster O Homem de Aço, onde vive o vilão megalomaníaco General Zod.

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

Por outro lado, a bela atriz sueca Alicia Vikander está buscando variedade de papéis. Após se destacar como a jovem rainha em O Amante da Rainha, fez a adaptação de Tolstói, Anna Karenina, e mais recentemente os blockbusters O Sétimo Filho e O Agente da U.N.C.L.E. Este ano, ela concorre por A Garota Dinamarquesa (pelo qual já ganhou o Hollywood Film Award) e por este Ex-Machina: Instinto Artificial, no qual interpreta uma ciborgue chamada Ava, que fica confinada no subsolo de uma mansão para ser testada. Vikander explora os limites do real e do virtual de acordo com a proposta do filme, e acaba salvando o filme de Alex Garland. No Oscar, pela campanha, ela deve concorrer por A Garota Dinamarquesa.

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia,ro)

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

Com as vitórias de Spotlight, Mad Max, Carol e Anomalisa aqui, juntando com outros fortes concorrentes como Perdido em Marte, A Garota Dinamarquesa, Ponte dos Espiões, Steve JobsBrooklyn e Os 8 Odiados, já dá pra se ter uma idéia dos possíveis concorrentes ao Globo de Ouro 2016, cujos indicados serão revelados no próximo dia 10 de dezembro. E ainda acredito que George Miller leve o Globo de Ouro de Direção.

Recebendo prêmio especial, a montadora britânica Anne V. Coates, vencedora do Oscar pelo clássico de David Lean, Lawrence da Arábia (1962), e conceituada pelos trabalhos de edição em O Homem Elefante (1980), Na Linha do Fogo (1993) e Irresistível Paixão (1998), será homenageada aos 89 anos. Será apenas a segunda montadora a receber tal honraria na história do prêmio depois da falecida Dede Allen. Ela ficou mundialmente conhecida pelos cortes precisos nesta cena de Lawrence da Arábia, em que vemos a ação do personagem soprando o fósforo para chegar ao belo deserto.

VENCEDORES DO LAFCA AWARDS 2015:

MELHOR FILME: Spotlight
2º Lugar: Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)

MELHOR DIRETOR: George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Todd Haynes (Carol)

MELHOR ATOR: Michael Fassbender (Steve Jobs)
2º Lugar: Géza Röhrig (O Filho de Saul)

MELHOR ATRIZ: Charlotte Rampling (45 Anos)
2º Lugar: Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Michael Shannon (99 Homes)
2º Lugar: Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
2º Lugar: Kristen Stewart (Acima das Nuvens)

MELHOR ROTEIRO: Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight)
2º Lugar: Charlie Kaufman (Anomalisa)

MELHOR FOTOGRAFIA: John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Edward Lachman (Carol)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: O Filho de Saul, de László Nemes (Hungria)
2º Lugar: A Gangue, de Miroslav Slaboshpitsky (Ucrânia)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Carter Burwell (Anomalisa) (Carol)
2º Lugar: Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Judy Becker (Carol)

MELHOR MONTAGEM: Hank Corwin (A Grande Aposta)
2º Lugar: Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR ANIMAÇÃO: Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson
2º Lugar: Divertida Mente, de Pete Docter

PRÊMIO NEW GENERATION: Ryan Coogler (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Amy, de Asif Kapadia
2º Lugar: The Look of Silence, de Joshua Oppenheimer

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Anne V. Coates

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

‘Carol’ leva 4 prêmios e domina o New York Film Critics Circle 2015

Carol-copyright-Number-9-Filmsx

À esquerda, Todd Haynes dirige Cate Blanchett em cena de Carol (photo by http://www.cineimage.ch)

CÍRCULO DE CRÍTICOS NOVA-IORQUINOS SAÚDAM SUA CIDADE NAS TELAS

Não sei se é questão de “patriotada”, mas o crítico Kristopher Tapley da Variety notou um fato curioso na lista de premiados este ano pelo círculo de críticos de Nova York. A maioria dos filmes premiados se passa na cidade norte-americana: Melhor Filme, Diretor (Todd Haynes), Roteiro e Fotografia para Carol; Melhor Documentário para In Jackson Heights; Melhor Ator Coadjuvante (Mark Rylance) para Ponte dos Espiões; e Melhor Atriz (Saoirse Ronan) para Brooklyn. Apesar de soar como a tradicional puxada de sardinha, existe uma feliz coincidência de produções em destaque que se passam em Nova York. Afinal, quem não gosta de assistir a um filme realizado na sua própria cidade?

Com a vitória predominante do drama Carol, Todd Haynes praticamente garante sua primeira indicação ao Oscar de Diretor. Entre seus filmes mais reconhecidos estão Velvet Goldmine e Longe do Paraíso, pelo qual foi indicado para Roteiro Original em 2003. Curiosamente, as protagonistas interpretadas por Cate Blanchett e Rooney Mara ficaram de fora no NYFCC. Recentemente, ambas foram indicadas a Melhor Atriz no Independent Spirit Awards, e a tendência para o Oscar é que Blanchett concorra como Atriz e Mara como Coadjuvante. A premiação pelos críticos nova-iorquinos impulsiona Carol e obriga os votantes da Academia a conferirem o trabalho, e de quebra, pode render a segunda indicação a um dos melhores diretores de fotografia da atualidade, Edward Lachman.

Outro forte concorrente para o Oscar, o drama jornalístico Spotlight, não ficou de fora da lista. Michael Keaton, que este ano teve seu retorno triunfal com Birdman, consegue se manter no topo com outra performance premiada. Contudo, existe uma discussão pra saber se seu personagem é principal ou secundário, o que poderia fortalecê-lo em caso de campanha para a categoria de coadjuvante no Oscar.

spotlight michale keaton

Michael Keaton ao lado de Rachel McAdams em cena de Spotlight, de Tom McCarthy (photo by cine.gr)

Já Saoirse Ronan consegue feito incrível ao bater as atrizes de Carol e também Brie Larson (O Quarto de Jack). Aos 21 anos, ela vive uma personagem dividida entre o amor de dois homens na Brooklyn dos anos 50 e também entre aceitar ou não suas raízes irlandesas. Americana (nova-iorquina!), a atriz consegue chamar atenção também pelo seu Inglês com sotaque irlandês.

brooklyn saoirse

Doomhnall Gleeson com Saoirse Ronan em Brooklyn (photo by cine.gr)

Assim como os atores principais conseguiram um novo fôlego na corrida com os prêmios do NYFCC, os coadjuvantes também deram passos largos num ano bem competitivo. Mark Rylance, que entregou uma atuação que deu alma ao novo filme de Steven Spielberg, certamente mereceu pelo menos um prêmio significativo na temporada. O que gosto bastante de Ponte dos Espiões é o paralelo que Spielberg constrói entre os anos 60 da Guerra Fria com a atual situação imigratória global, levantando a questão: “Não somos todos imigrantes?”.

bridge of spies mark rylance

Mark Rylance à esquerda com Tom Hanks em cena de Ponte dos Espiões (photo by outnow.ch)

No caso de Kristen Stewart, sua vitória impressiona ainda mais por se tratar de uma jovem estrela hollywoodiana (da saga Crepúsculo) e pelo fato do drama Acima das Nuvens, de Olivier Assayas, ter sido lançado em 2014, ou seja, houve um longo percurso até chegar a essa lista. Vale lembrar aqui que Stewart é a primeira atriz americana a ganhar o prestigiado César Award na França. Se ela estiver na lista do Globo de Ouro ou SAG, ela estará na categoria no Oscar.

clouds kristen stewart

Kristen Stewart em Acima das Nuvens, de Olivier Assayas (photo by cine.gr)

A animação Divertida Mente coleciona mais um importante prêmio e caminha sem maiores dificuldades para conquistar o oitavo Oscar para a Pixar. Havia uma alta aposta de que a animação de Charlie Kaufman e Duke Johnson, Anomalisa, iria bater seu franco-favoritismo, mas não se concretizou.

Já o filme húngaro, O Filho de Saul, embora tenha perdido como filme estrangeiro para Timbuktu (que foi indicado ao Oscar este ano pela Mauritânia), ainda conseguiu o prêmio de Filme de Estréia para o diretor László Nemes. De tabela também foi o prêmio especial para o compositor italiano Ennio Morricone, que pode conquistar sua sexta indicação. Ele recebeu o Oscar Honorário em 2007 pelo conjunto da obra.

Pela categoria de Não-Ficção, In Jackson Heights foi reconhecido como melhor documentário ao dissecar o distrito do Queens, NY. Entretanto, não foi classificado para a lista de 15 semi-finalistas no Oscar.

Seguem os vencedores do NYFCC 2015:

MELHOR FILME: Carol, de Todd Haynes

MELHOR DIRETOR: Todd Haynes (Carol)

MELHOR ATOR: Michael Keaton (Spotlight)

MELHOR ATRIZ: Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Kristen Stewart (Acima das Nuvens)

MELHOR ROTEIRO: Phyllis Nagy (Carol)

MELHOR FOTOGRAFIA: Edward Lachman (Carol)

MELHOR ANIMAÇÃO: Divertida Mente, de Pete Docter

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Timbuktu, de Abderrahmane Sissako

MELHOR FILME DE NÃO-FICÇÃO: In Jackson Heights, de Frederick Wiseman

MELHOR FILME DE ESTRÉIA: O Filho de Saul, de László Nemes

PRÊMIO ESPECIAL: William Becker e Janus Films

 

‘Saving Christmas’ é eleito o pior do ano no Framboesa de Ouro 2015

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

FRAMBOESA FINALMENTE CONTEMPLA TAMBÉM MICHAEL BAY E SEUS EXCESSOS

Quem diria que o Framboesa de Ouro já está completando 35 anos? Certamente, três décadas e meia da mais pura nata do cinema de qualidade! Um dos fundadores do evento, John Wilson, contou em entrevista: “Há 35 anos fazemos essa festa como contraponto ao Oscar”. E vem dando certo, pois antes a cerimônia ocupava uma salinha e hoje chega a alugar um teatro de médio porte e este ano passou a cobrar até ingressos que, segundo Wilson, venderam quase todos a 25 dólares cada.

Como de praxe, o prêmio possui as categorias de Pior Filme, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Diretor e Roteiro, mas este ano, lançou um prêmio especial intitulado The Razzie Redeemer Award (algo como Framboesa Redentora) para aqueles atores que persistem depois um mega fracasso e alcançam o sucesso comercial e de crítica. O primeiro contemplado foi Ben Affleck, que foi de Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopes para os sucessos Argo (2013) e Garota Exemplar (2014).

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

E hoje: Ben Affleck com seu segundo Oscar por Argo. O mundo realmente dá voltas. (photo by bostinno.com)

Infelizmente, Affleck não foi receber o prêmio como a maioria não costuma fazer por vergonha. Daria pra contar nos dedos os artistas que foram ao palco agradecer pela honraria: Sandra Bullock (por Maluca Paixão), Halle Berry (por Mulher-Gato) e o diretor holandês Paul Verhoeven (por Showgirls), que foi marcante por ter sido o primeiro artista a receber o prêmio em mãos em 1996.

Este ano, o grande vencedor (ou seria perdedor?) foi Saving Christmas, um filme evangélico classificado como de família e comédia. A produção foi contemplada como Pior Filme, Pior Ator, Pior Roteiro e Pior Combo.

Logo atrás, vem Transformers: A Era da Extinção com 2 Framboesas. Finalmente minhas preces foram atendidas e Michael Bay foi reconhecido por suas virtudes como diretor. Ok, não dá pra esperar muita coisa de Michael Bay, mas pelo menos antes ele se esforçava um pouco mais pra entregar um blockbuster mais razoável como A Rocha (1996) ou A Ilha (2005), cujos primeiros 20 minutos são bons, mas depois desanda de uma maneira que até hoje não consigo entender. Ele é uma espécie de Ed Wood com dinheiro. Acha que está fazendo obras-primas, mas não está. Mas a diferença é que Ed Wood não tinha um centavo no bolso e qualquer coisa na tela se tornava algo bonito. Por favor, amigos de Michael Bay, dêem um toque pra ele.

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

O Framboesa de Ouro não existe pra ficar dando lição de moral nos concorrentes, mas de uma certa forma, dar um leve puxão de orelha e dar um empurrãozinho para que esses artistas repensem melhor antes de levar adiante um projeto que visa apenas um lucro fácil. Tudo bem que às vezes, o ator ou atriz precisa pagar as contas ou fez um favor, como Charlize Theron deve ter feito ao amigo Seth MacFarlane naquela draga de comédia besteirol Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, que também deveria levar Pior Título em Português, porque o título original não é tão ruim assim: A Million Ways to Die in the West, mas certos tropeços poderiam ser facilmente evitados.

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Poxa, Charlize Theron ganhou o Oscar por Monster: Desejo Assassino, e hoje está na lista do Framboesa. Depois daquele baita esforço de transformação para viver a assassina Aileen Wuornos, fazer uma comédia imbecil foi uma decisão tomada à base de crack. Tem artistas que andam tão sem rumo que a gente nem liga mais, como Nicolas Cage, que tem feito uns três filmes ruins por ano, mas é triste noticiar a queda de alguns nomes.

Enfim, sem mais delongas, os grandes ganhadores do Framboesa 2015:

PIOR FILME
• Saving Christmas
– O Apocalipse
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR ATOR
Kirk Cameron (Saving Christmas)
– Nicolas Cage (O Apocalipse)
– Kellan Lutz (Hércules)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Adam Sandler (Juntos e Misturados)

PIOR ATRIZ
• Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque) e (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
– Melissa McCarthy (Tammy)
– Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Gaia Weiss (Hércules)

PIOR ATOR COADJUVANTE
• Kelsey Grammer (Os Mercenários 3), (A Lenda de Oz), (Elas Querem Pensar Como Eles!) e (Transformers: A Era da Extinção)
– Mel Gibson (Os Mercenários 3)
– Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
– Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
– Kiefer Sutherland (Pompeia)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
– Cameron Diaz (Annie)
– Nicola Peltz (Transformers: A Era da Extinção)
– Susan Sarandon (Tammy)
– Bridgette Cameron (Saving Christmas)

PIOR DIRETOR
Michael Bay (Transformers: A Era da Extinção)
– Darren Doane (Saving Christmas)
– Renny Harlin (Hércules)
– Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
Annie
– Atlas Shrugged: Part III
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR COMBO
Kirk Cameron e seu ego (Saving Christmas)
– Kellan Lutz e seus músculos (Hércules)
– Seth MacFarlane e Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Cameron Diaz, Jason Segel (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Qualquer dois robôs, atores (ou atores robóticos) (Transformers: A Era da Extinção)

PIOR ROTEIRO
Darren Doane, Cheston Hervey (Saving Christmas)
– Paul Lalonde, John Patus (O Apocalipse)
– Kate Angelo, Jason Segel, Nicholas Stoller (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção)
– Evan Daugherty, André Nemec, Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja)

FRAMBOESA REDENTORA
• Ben Affleck: de vencedor do Framboesa por Contato de Risco para vencedor do Oscar por Argo, e Garota Exemplar
– Jennifer Aniston: de 4 vezes indicada ao Framboesa para indicada ao SAG por Cake: Uma Razão Para Viver
– Mike Myers: de vencedor do Framboesa por O Guru do Amor para diretor de documentário Supermensch: The Legend of Shep Gordon
– Keanu Reeves: de seis vezes indicado ao Framboesa para o aclamado pela crítica De Volta ao Jogo
– Kristen Stewart: de vencedora do Framboesa por Crepúsculo para o filme de arte Camp X-Ray

‘Garota Exemplar’ leva Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2014

Ben Affleck recebe o prêmio de Melhor Filme por Garota Exemplar na ausência do diretor David Fincher (photo by people.com)

Ben Affleck recebe o prêmio de Melhor Filme por Garota Exemplar na ausência do diretor David Fincher (photo by people.com)

THRILLER PSICÓTICO GAROTA EXEMPLAR LEVA MELHOR FILME, MAS VÊ THE IMITATION GAME CONQUISTAR 4 PRÊMIOS IMPORTANTES

Com a enxurrada de prêmios que estão por vir, pode-se dizer que é sábio adiantar a cerimônia no calendário com a finalidade de atrair mais atenção e não sumir no meio do bolo. O prêmio Hollywood Film Awards, que reconhece a excelência em cinema há 17 anos, concedeu a honraria a seus premiados nessa última sexta-feira, dia 14 de novembro, no The Palladium, em Hollywood. A hostess da noite foi a atriz e cantora Queen Latifah.

Aparentemente com o intuito de abranger o maior número de artistas e celebridades, as categorias do HFA deram um jeitinho de encaixar um ator ou atriz que perderia o prêmio principal, mas seria compensado com um prêmio pelo conjunto da obra como foi o caso de Michael Keaton, claramente incluído entre os favoritos do ano para ser indicado ao Oscar por sua performance em Homem-Pássaro; ou como foi também o caso de Shailene Woodley levando o prêmio de Melhor Atriz Revelação por A Culpa é das Estrelas (como se ela tivesse surgido ontem e sua ótima interpretação em Os Descendentes, de 2011, não tivesse a repercussão que teve!); e a ótima saída de prêmio do Melhor Elenco para Steve Carell, Channing Tatum e Mark Ruffalo, que eliminaria a culpa de não premiar nenhum dos atores de Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo.

Consolo nos braços de Geena Davis: Michael Keaton leva prêmio pelo conjunto da obra, e não por Homem-Pássaro, considerado seu grande "comeback" (photo by ibtimes.com)

Consolo nos braços de Geena Davis: Michael Keaton leva prêmio pelo conjunto da obra, e não por Homem-Pássaro, considerado seu grande “comeback” (photo by ibtimes.com)

Mas tá bom! Não dá pra reclamar. É um ótimo jeito do prêmio dizer: “Ei, já estamos colaborando aqui. Deixe que o Oscar e o Globo de Ouro decidam!”. Claro que mesmo sendo o mais abrangente possível, a premiação acaba deixando algumas produções de lado. Interestelar, Vício Inerente e Caminhos da Floresta foram algumas ausências mais sentidas, mas certamente terão presença garantida nos prêmios dos críticos que começam em dezembro.

Embora Garota Exemplar tenha faturado os prêmios de Filme e Roteiro, foi o filme que se passa na 2ª Guerra Mundial que levou o maior número de prêmios. The Imitation Game, baseado na história do matemático Alan Turing que quebrou um código alemão que ajudou a acabar com a guerra, levou Diretor, Ator, Atriz Coadjuvante e até Trilha Musical. Como dizem os especialistas: “Tem a cara do Oscar”.

Keira Knightley com seu prêmio por The Imitation Game (photo by hollywoodreporter.com)

Keira Knightley com seu prêmio por The Imitation Game. Pode lhe render sua segunda indicação ao Oscar. (photo by hollywoodreporter.com)

Poréeeeemm… Hollywood Film Awards é um prêmio bem novo na indústria ainda. Suas estatísticas de acerto comparadas ao Oscar são baixas. Nos últimos 3 anos, dentre as categorias principais, só coincidiu em Melhor Ator para Matthew McConaughey este ano, e em 2012 em Melhor Ator Coadjuvante para Christopher Plummer. Mas boa parte dos que venceram o prêmio acabaram indicados ao Oscar.

Segue lista completa dos vencedores de 2014:

MELHOR FILME
Garota Exemplar (Gone Girl), de David Fincher

Julianne Moore recebe o prêmio de Atriz das mãos de Kristen Stewart, sua colega de trabalho no filme Still Alice. (photo by ibtimes.co.in)

Julianne Moore recebe o prêmio de Atriz das mãos de Kristen Stewart, sua colega de trabalho no filme Still Alice. (photo by ibtimes.co.in)

MELHOR DIRETOR
Morten Tyldum (The Imitation Game)

MELHOR ATOR
Benedict Cumberbatch (The Imitation Game)

MELHOR ATRIZ
Julianne Moore (Still Alice)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Robert Duvall (O Juiz)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Keira Knightley (The Imitation Game)

MELHOR ELENCO
Steve Carell, Channing Tatum, Mark Ruffalo (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)

MELHOR ROTEIRO
Gillian Flynn (Garota Exemplar)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Homem-Pássaro)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Dylan Cole, Gary Freeman (Malévola)

MELHOR MONTAGEM
Jay Cassidy, Dody Dorn (Corações de Ferro)

MELHOR FIGURINO
Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (The Imitation Game)

Os Roberts: Downey Jr. entrega o prêmio de Coadjuvante para o veterano Duvall por O Juiz (photo by ibtimes.com)

Os Roberts: Downey Jr. entrega o prêmio de Coadjuvante para o veterano Duvall por O Juiz (photo by ibtimes.com)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“What is Love”, de Janelle Monáe (Rio 2)

MELHOR SOM
Ren Klyce (Garota Exemplar)

MELHOR MAQUIAGEM
David White, Elizabeth Yianni-Georgiou (Guardiões da Galáxia)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Scott Farrar (Transformers: A Era da Extinção)

MELHOR ANIMAÇÃO
Como Treinar Seu Dragão 2

Benedict Cumberbatch se firma como jovem ator prodígio de Hollywood e segue como um dos favoritos ao Oscar por The Imitation Game (photo by straitstimes.com)

Benedict Cumberbatch se firma como jovem ator prodígio de Hollywood e segue como um dos favoritos ao Oscar por The Imitation Game (photo by straitstimes.com)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Supermensch: The Legend of Shep Gordon, de Beth Aala e Mike Myers

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Jean-Marc Vallée (Livre)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Jack O’Connell (Invencível)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Guardiões da Galáxia, de James Gunn

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Chris Rock (Top Five)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Michael Keaton

PRÊMIO INTERNACIONAL
Jing Tiang

À esquerda o ator Chris Pratt com o diretor James Gunn, responsável pela adaptação dos quadrinhos da Marvel: Guardiões da Galáxia, que levou Melhor Blockbuster e Melhor Maquiagem (photo by hollywoodreporter.com)

À esquerda o ator Chris Pratt com o diretor James Gunn, responsável pela adaptação dos quadrinhos da Marvel: Guardiões da Galáxia, que levou Melhor Blockbuster e Melhor Maquiagem (photo by hollywoodreporter.com)

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2014

Marcello Mastroianni em pôster oficial do Festival de Cannes (photo by http://www.filmindustrynetwork.biz/cannes-film-festival-gives-homage-italian-actor/23599)

Marcello Mastroianni em pôster oficial do Festival de Cannes (photo by http://www.filmindustrynetwork.biz/cannes-film-festival-gives-homage-italian-actor/23599)

FESTIVAL CONSEGUE BOM EQUILÍBRIO ENTRE LENDAS COMO JEAN-LUC GODARD E JOVENS CINEASTAS COMO ALICE ROHRWACHER

Com o anúncio dos filmes indicados à Palma de Ouro, o 67º Festival de Cannes oficialmente começa sua corrida. Como feito no ano passado, quando os atores Paul Newman e Joanne Woodward estamparam o pôster do evento, este ano outra lenda do cinema empresta sua imagem: o ator italiano Marcello Mastroianni. Vencedor do prêmio de interpretação masculina duas vezes por Ciúme à Italiana (1970) e Olhos Negros (1987), ele ficou mundialmente conhecido por sua parceria com o diretor Federico Fellini em produções como A Doce Vida e 8½.

Jane Campion (photo by festival-cannes.fr)

Jane Campion (photo by festival-cannes.fr)

Para presidir o júri, os organizadores do festival chamaram a cineasta neozelandesa Jane Campion, a única mulher a conquistar a Palma de Ouro com O Piano em 1993. Ela também conseguiu a proeza de ganhar a Palma de Ouro de Melhor Curta com An Exercise in Discipline – Peel em 1986. Entre outros filmes, Campion dirigiu Retratos de uma Mulher (1996), Fogo Sagrado! (1999), O Brilho de uma Paixão (2009) e recentemente dirigiu episódios da minissérie Top of the Lake.

Quanto à seleção oficial, o destaque fica para a presença da trinca de cinestas canadenses: David Cronenberg, Atom Egoyan e Xavier Dolan. Nenhum deles ganhou o prêmio máximo de Cannes, então esta pode ser uma oportunidade única. Mais conhecido por suas bizarrices dos anos 80 e 90 como A Mosca, ExistenZ e Crash – Estranhos Prazeres, Cronenberg vem buscando um amadurecimento de seu trabalho desde Marcas da Violência (2005), quando ele passou a priorizar uma economia de linguagem ou o famoso “menos é mais”. Particularmente, considero seus filmes indispensáveis, seja das décadas anteriores como os mais recentes, porque ele está sempre em busca de algo inovador, independente do resultado final. Espero que seu novo trabalho, Maps to the Stars, seja bem recebido em Cannes e que ele consiga um lugar na premiação.

À direita, David Cronenberg dirige Olivia Williams no set de Map to the Stars. Ao lado dele, o ator John Cusack. (photo by outnow.ch)

À direita, David Cronenberg dirige Olivia Williams no set de Maps to the Stars. Ao lado dele, o ator John Cusack. (photo by outnow.ch)

Seu conterrâneo, Atom Egoyan, já bateu na trave quando seu O Doce Amanhã faturou o Grande Prêmio do Júri em 1997. Ele já concorreu vezes à Palma, e esta é sua sexta chance com The Captive, um drama sobre seqüestro estrelado por Ryan Reynolds, Rosario Dawson e Bruce Greenwood. Curiosamente, Egoyan vai na cola de outro diretor canadense Denis Villeneuve, que dirigiu uma história de seqüestro em Os Suspeitos. E, aos 25 anos de idade, Xavier Dolan volta à Cannes pela quarta vez, mas a primeira em que concorre à Palma com seu drama de relacionamento Mommy.

Em se tratando de Cannes, obviamente os cineastas consagrados têm as melhores chances. Este ano, temos a ilustre presença de um dos maiores diretores de todos os tempos: Jean-Luc Godard. Ao contrário da onda comercial, Godard explora a linguagem do 3D em seu novo Goodbye to Language. Acredito que o diretor francês deverá ir além da profundidade de campo do uso tridimensional como fez alguns diretores renomados como Martin Scorsese. Aos 83 anos, Godard ainda atua como um incansável experimentalista. Seu filme anterior, Filme Socialismo, combina inúmeras idiomas em inúmeras conversações, usando várias linguagens em vários locais de filmagem. Ele foi indicado seis vezes, mas nunca ganhou em Cannes.

Já os laureados previamente Ken Loach, Mike Leigh e os irmãos Jean-Pierre e Luc Dardenne voltam a concorrer. Loach, vencedor por Ventos da Liberdade em 2006, traz uma espécie de biografia do líder comunista irlandês James Gralton em Jimmy’s Hall, enquanto Mike Leigh, vencedor por Segredos e Mentiras (1996), trata da vida do pintor J.M.W. Turner do século XIX. Ele retoma sua parceria com os atores Timothy Spall e Lesley Manville.Considerados sempre favoritos, os irmãos belgas Dardenne exploram temática trabalhista no drama Two Days, One Night, com uma ótima candidata a Melhor Atriz, Marion Cotillard. Os diretores já venceram a Palma de Ouro duas vezes: em 1999 com Rosetta, e em 2005 por A Criança.

CELEBRIDADES NA CROISETTE

Elogiado por seu equilíbrio entre cinema de autor e comercial pela presidente do júri, Jane Campion, o Festival de Cannes não poderia dispensar a presença de algumas celebridades no glamoroso tapete vermelho da Croisette. Pelo novo filme dirigido pelo ator Tommy Lee Jones, a atriz vencedora de dois Oscars, Hilary Swank, deve marcar presença por The Homesman, um western sobre a escota de três criminosas. Além dela, outros atores que participaram do filme podem visitar o festival como Meryl Streep, James Spader, John Lithgow e Miranda Otto.

Tommy Lee Jones e Hilary Swank em cena de The Homesman (photo by cine.gr)

Tommy Lee Jones e Hilary Swank em cena de The Homesman (photo by cine.gr)

Foxcatcher, novo filme de Bennett Miller, diretor de Capote e O Homem que Mudou o Jogo, também pode chamar seus atores para o tapete vermelho. Além do jovem promissor Channing Tatum, os atores Steve Carell e Mark Ruffalo devem comparecer para prestigiar o trabalho. Curiosamente, o filme estava previsto para estrear no final de 2013 a fim de concorrer às indicações ao Oscar, mas o estúdio responsável preferiu adiar o lançamento, pois considerava a competição acirrada demais. Antes dessa mudança, Ruffallo e Carell estavam bem cotados para indicações de coadjuvante no prêmio da Academia. Foxcatcher reconstrói o período em que ocorreu o assassinato do campeão olímpico Dave Schultz.

Channing Tatum e Mark Ruffallo trabalham no novo filme de Bennett Miller (photo by outnow.ch)

Channing Tatum e Mark Ruffallo trabalham no novo filme de Bennett Miller (photo by outnow.ch)

Embora não se trate de uma produção hollywoodiana, Clouds of Sils Maria, do diretor Olivier Assayas, também trará artistas famosos: vencedora do Oscar por O Paciente Inglês, a francesa Juliette Binoche, sempre figura como favorita nas premiações, e a jovem Chloë Grace Moretz, que recentemente estrelou a refilmagem de Carrie, a Estranha. Vale ressaltar que Kristen Stewart, da cinessérie Saga Crepúsculo, poderá comparecer e acabar cruzando com seu ex, o ator Robert Pattison, que está no filme de David Cronenberg.

Da esquerda pra direita: Brady Corbet, Chloe Grace Moretz e Juliette Binoche em cena de Clouds of Sil Maria (photo by cine.gr)

Da esquerda pra direita: Brady Corbet, Chloë Grace Moretz e Juliette Binoche em cena de Clouds of Sils Maria (photo by cine.gr)

Vencedor do Oscar pelo adorado O Artista, o diretor francês Michel Hazanavicius volta a dirigir e decidiu optar por uma refilmagem de Perdidos na Tormenta (The Search), de Fred Zinnemann. A trama envolve a curiosa relação entre uma trabalhadora de uma ONG e um menino de uma devastada pela guerra Chechênia. Além de sua esposa, a atriz Bérénice Bejo, o filme também traz a indicada ao Oscar 4 vezes, Annette Bening.

Ainda sobre celebridades, o filme de abertura também trará uma: Nicole Kidman, no papel da atriz e princesa Grace Kelly, em Grace: A Princesa de Mônaco, do diretor Olivier Dahan, conhecido por Piaf – Um Hino ao Amor. Assim como Foxcatcher, esta produção estava prevista para estréia em 2013, mas acabou sendo adiada. Talvez o convite de abertura do festival de Cannes tenha pesado no planejamento… Mesmo assumindo a tarefa ingrata de personificar a beleza de Grace Kelly, Kidman vinha sendo bem cotada para Melhor Atriz no Oscar. Se o filme for bem recebido, sua indicação já estaria bem encaminhada para 2015.

Nicole Kidman como Grace Kelly em Grace of Monaco (photo by elfilm.com)

Nicole Kidman como Grace Kelly em Grace: A Princesa de Mônaco (photo by elfilm.com)

AUSÊNCIAS CRITICADAS

Assim como no Oscar, é muito difícil de agradar gregos e troianos. Se incluem os Dardenne, Godard, Loach, Mike Leigh e Cronenberg, muitos cinéfilos e críticos reclamam que os organizadores tomaram uma decisão segura e deixaram de apostar em nomes mais contemporâneos. O crítico Justin Chang da Variety citou alguns trabalhos que não foram lembrados por Cannes:

Inherent Vice, de Paul Thomas Anderson; Knight of Cups, de Terrence Malick; Big Eyes, de Tim Burton; The Assassin, de Hou Hsiao Hsien; Jersey Boys, de Clint Eastwood; Magic in the Moonlight, de Woody Allen; Edge of Tomorrow, de Doug Liman; Far from the Madding Crowd, de Thomas Vinterberg; Birdman, de Alejandro González Iñárritu; e a biografia sem título sobre Lance Armstrong, de Stephen Frears.

Sem querer defender nenhum lado, acredito que se esses nomes acima estivessem competindo, os que foram indicados de fato teriam suas ausências igualmente questionadas. Teríamos que ter uma seleção oficial de uns 50 nomes para tentar atender a todos os pedidos, mas certamente haveria filmes de qualidade duvidosa. É preciso dar crédito aos profissionais que fazem a seleção dos filmes, uma vez que o Festival de Cannes tem como marca registrada a busca por um cinema de autor contemporâneo.

O único argumento que concordei com Justin Chang foi em relação à baixa presença de autoras femininas entre os indicados. Como lembrado anteriormente, Jane Campion foi a única mulher que venceu a Palma de Ouro. Talvez sua escolha como presidente do júri deste ano seja uma tentativa de amenizar essa estatística. Contudo, espero que não resolvam premiar um filme simplesmente por haver uma mulher atrás da câmera (duas diretoras competem: Naomi Kawase e Alice Rohrwacher), pois seria uma idéia estúpida, mas sim, por sua qualidade cinematográfica.

INDICADOS A PALMA DE OURO 2014:

– The Captive
Dir: Atom Egoyan

Palma de Ouro

Palma de Ouro

– Clouds of Sils Maria
Dir: Olivier Assayas

– Foxcatcher
Dir: Bennett Miller

– Goodbye to Language (Adieu au Langage)
Dir: Jean-Luc Godard

– The Homesman
Dir: Tommy Lee Jones

– Jimmy’s Hall
Dir: Ken Loach

– Leviathan
Dir: Andrei Zvyagintsev

– Le Meraviglie
Dir: Alice Rohrwacher

– Maps to the Stars
Dir: David Cronenberg

– Mommy
Dir: Xavier Dolan

– Saint Laurent
Dir: Bertrand Bonello

– The Search
Dir: Michel Hazanavicius

– Still the Water
Dir: Naomi Kawase

– Mr. Turner
Dir: Mike Leigh

– Timbuktu
Dir: Abderrahmane Sissako

– Two Days, One Night
Dir: Jean-Pierre e Luc Dardenne

– Wild Tales
Dir: Damian Szifron

– Winter Sleep
Dir: Nuri Bilge Ceylan

Da esquerda para a direita:

Da esquerda para a direita: Juliano Ribeiro Salgado, Sebastião Salgado e Wim Wenders. (photo by Thierry Poufarry in http://www.dw.de)

Ausente da competição à Palma de Ouro, o Brasil está representado pelo documentário The Salt of the Earth, sobre o fotógrafo breasileiro Sebastião Salgado. A direção é assinada pelo alemão Wim Wenders (Buena Vista Social Club) e por Juliano Ribeiro Salgado, filho do fotógrafo. Outros destaques da Un Certain Regard incluem Incompresa, o novo filme de Asia Argento, que foi elogiado pelo diretor do festival Thierry Frémaux como sendo “extremamente pessoal”, e também justificou a escolha de Party Girl como filme de abertura “porque notamos que o novo cinema francês está em estado de fervor e vitalidade, e precisamos encorajar isso”. E Bird People, de Pascale Ferran, foi considerado inovador por sua trama envolvendo elementos sobrenaturais.

Vale ressaltar a estréia na direção do ator Ryan Gosling com Lost River, um drama de fantasia que se passa em Detroit. Ele contou com as atrizes Eva Mendes, Christina Hendricks e Saoirse Ronan.

SELEÇÃO UN CERTAIN REGARD:

– Party Girl
Dir: Marie Amachoukeli, Claire Burger e Samuel Theis

Seleção Un Certain Regard

Seleção Un Certain Regard

– Amour fou
Dir: Jessica Hausner

– Away From His Absence
Dir: Keren Yedaya

– Bird People
Dir: Pascale Ferran

– The Blue Room
Dir: Mathieu Amalric

– Charlie’s Country
Dir: Rolf de Heer

– Eleanor Rigby
Dir: Ned Benson

– Fantasia
Dir: Wang Chao

– Force Majeure
Dir: Ruben Ostlund

– A Girl at My Door
Dir: July Jung

– Hermosa juventud
Dir: Jaime Rosales

– Incompresa
Dir: Asia Argento

– Lost River
Dir: Ryan Gosling

– Run
Dir: Philippe Lacote

– Salt of the Earth
Dir: Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado

– Snow in Paradise
Dir: Andrew Hulme

– Titli
Dir: Kanu Behl

– Untitled
Dir: Lisandro Alonso

– Xenia
Dir: Panos Koutras

SPECIAL SCREENINGS

* Bridges of Sarajevo
Dir: Aida Begic, Isild le Besco, Leonardo di Constanzo, Jean-Luc Godard, Kamen Kalev, Sergei Loznitsa, Vincenzo Marra, Ursula Meier, Vladimir Perisic, Cristi Puiu, Marc Recha, Angela Schanelec, Teresa Villaverde

* Caricaturistes: Fantassins de la democratie
Dir: Stephanie Valloatto

* Maidan
Dir: Sergei Loznitsa

* Red Army
Dir: Gabe Polsky

* Silvered Water
Dir: Mohammed Oussama e Wiam Bedirxan

MIDNIGHT SCREENINGS

* The Rover
Dir: David Michod

* The Salvation
Dir: Kristian Levring

* The Target
Dir: Yoon Hong-seung

CELEBRATION OF THE 70TH ANNIVERSARY OF LE MONDE

* Les Gens du Monde
Dir: Yves Jeuland

A edição do Festival de Cannes acontece entre os dias 14 a 25 de maio de 2014.

Cena de Le Meraviglie, de Alice Rohrwacher, uma das duas mulheres presente na seleção oficial de Cannes (photo by cine.gr)

Cena de Le Meraviglie, de Alice Rohrwacher, uma das duas mulheres presente na seleção oficial de Cannes (photo by cine.gr)

‘Jogos Vorazes: Em Chamas’ é o grande vencedor do MTV Movie Awards 2014

Os atores Sam Claflin (esq) e Josh Hutcherson (dir) recebem prêmio de Melhor Filme das mãos de Johnny Depp (centro). (photo by straitstimes.com)

Os atores Sam Claflin (esq) e Josh Hutcherson (dir) recebem prêmio de Melhor Filme das mãos de Johnny Depp (centro). (photo by straitstimes.com)

MTV Movie Awards 2014 (art by www.mtv.com)

MTV Movie Awards 2014 (art by http://www.mtv.com)

23 ANOS DE MTV MOVIE AWARDS: DECLÍNIO OU APENAS MUDANÇA DE GOSTOS?

Chamem-me de saudosista, mas houve uma época em que o MTV Movie Awards era considerado um dos prêmios mais ‘cool’ de todos. Ele destoava dos demais prêmios tradicionais como Oscar e Globo de Ouro já pelas categorias bem criativas como Melhor Vilão, Melhor Beijo, Melhor Seqüência de Dança e, meu favorito: Mulher Mais Desejada (vulgo Mais Gostosa). Aliás, até hoje não entendo a extinção desse prêmio. Seriam os tempos atuais tão politicamente corretos a ponto de deixar de eleger a sensualidade de um personagem?

Ao longo desses 23 anos de existência, o prêmio sofreu algumas alterações que refletem seu tempo. Por exemplo, com a alta quantidade de adaptações de histórias em quadrinhos, era mera questão de tempo criarem a categoria Melhor Herói, este ano vencida por Henry Cavill, o novo Super-Homem. Contudo, nem sempre a criatividade serve ao bem: Melhor Performance Sem Camisa é uma idiotice sem fundamento.

Embora haja mudanças, o grande calcanhar de Aquiles do MTV Movie Awards é justamente aquela que já foi uma de suas maiores proezas: o voto do público. Nos anos 90, os votos do grande público elegeram ótimos produções como O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, Pulp Fiction – Tempo de Violência e Seven: Os Sete Pecados Capitais como Melhor Filme de seus respectivos anos. Hoje, o público elege quase todos os filmes da série Saga Crepúsculo (de 2009 a 2012) e Transformers como Melhor Filme. Que me desculpem as fãs dos vampiros assexuados que brilham, e os meninos que curtem robôs de carrinhos, mas o que aconteceu?! A lavagem cerebral dos produtores de Hollywood surtiu efeito?

Começando com o pé direito: O primeiríssimo MTV Movie premiou O Exterminador do Futuro 2. Da esquerda para direita: Edward Furlong, Robert Patrick, Arnold Schwarzenegger, James Cameron e Linda Hamilton. (photo by guycodeblog.mtv.com)

ONTEM: Começando com o pé direito: O primeiríssimo MTV Movie premiou O Exterminador do Futuro 2. Da esquerda para direita: Edward Furlong, Robert Patrick, Arnold Schwarzenegger, James Cameron e Linda Hamilton. (photo by guycodeblog.mtv.com)

Elenco de A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 1 (com Taylor Lautner no centro e Kristen Stewart à direita) sobe ao palco para receber Melhor Filme (photo by vanamyanda.blogspot.com)

HOJE: Elenco de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 1 (com Taylor Lautner no centro e Kristen Stewart à direita) sobe ao palco para receber Melhor Filme (photo by vanamyanda.blogspot.com)

E com o sistema de votos pela internet, nem dá pra culpar a organização do evento, pois eles apenas divulgam os resultados das votações online. Eles até inserem alguns filmes bacanas na competição, mas o voto final acaba indo para os chamados filmes-febre. Por exemplo: este ano O Lobo de Wall Street estava entre os 5 indicados a Melhor Filme, mas acabou perdendo para Jogos Vorazes: Em Chamas. Tratava-se de uma oportunidade única de premiar um dos melhores filmes de 2013, que só não foi premiado pela Academia porque a maioria votante é conservadora demais, porém, aparentemente, o filme de Scorsese também seria muito complexa ou madura para o grande público. Uma pena.

Além dessa mudança de votos, hoje, o MTV Movie Awards deixou de ser um reconhecimento artístico alternativo para ser uma grande vitrine de produções prestes a estrear. Este ano, transmitiram um vídeo estrelado por Andrew Garfield, Emma Stone e Jamie Foxx durante a cerimônia ao vivo para promover O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro, que será lançado no próximo dia 1º de maio. Claro que se trata de uma ótima estratégia de marketing, mas que acaba maquiando os reais propósitos de reconhecer a qualidade dos filmes concorrentes.

Andrew Garfield, Emma Stone e Jamie Foxx fazem uma promoção deslavada de O Espetacular Homem-Aranha 2 em vídeo (photo by mtv.co.uk)

Andrew Garfield, Emma Stone e Jamie Foxx fazem uma promoção deslavada de O Espetacular Homem-Aranha 2 em vídeo (photo by mtv.co.uk)

Nesse ponto do texto, talvez meu saudosismo dê lugar a uma crítica mais ferrenha deslocada, afinal, o MTV Movie Awards é algo light e muitas vezes sem fundamentos cinematográficos. No entanto, como cinéfilo, é um tanto frustrante acompanhar um prêmio que começou bastante promissor ao reconhecer produções de ótima qualidade e que dificilmente ganhariam o Oscar, mas que acabou decaindo por confiar demais no gosto do público. Particularmente, eu limitaria os votos do público a acrescentar um indicado ou funcionar como um critério de desempate, mas minha sugestão ditatorial acabaria alterando demais o formato do prêmio… Resta a nós conformar-se com os resultados.

CONFIRA OS VENCEDORES DA EDIÇÃO 2014:

Jogos Vorazes: Em Chamas levou Melhor Filme, Ator e Atriz (photo by elfilm.com)

Jogos Vorazes: Em Chamas levou Melhor Filme, Ator e Atriz (photo by elfilm.com)

FILME DO ANO
– 12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
– O Hobbit: A Desolação de Smaug (The Hobbit: The Desolation of Smaug)
• Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire)

– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)
– Trapaça (American Hustle)

MELHOR ATOR
– Bradley Cooper (Trapaça)
– Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
– Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão)
Josh Hutcherson (Jogos Vorazes: Em Chamas)
– Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ
– Amy Adams (Trapaça)
– Jennifer Aniston (Família do Bagulho)
– Sandra Bullock (Gravidade)
• Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: Em Chamas)
– Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

REVELAÇÃO
– Liam James (O Verão da Minha Vida)
– Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada)
• Will Poulter (Família do Bagulho)
– Margot Robbie (O Lobo de Wall Street)
– Miles Teller (The Spectacular Now)

MELHOR BEIJO
– Joseph Gordon-Levitt e Scarlett Johansson (Como Não Perder Essa Mulher)
– James Franco, Vanessa Hudgens e Ashley Benson (Spring Breakers: Garotas Perigosas)
– Shailene Woodley e Miles Teller (The Spectacular Now)
– Jennifer Lawrence e Amy Adams (Trapaça)
• Emma Roberts, Jennifer Aniston e Will Poulter (Família do Bagulho)

MELHOR LUTA
– Jonah Hill vs. Seth Rogen + James Franco (É o Fim)
– Will Ferrell + Paul Rudd + David Koechner + Steve Carell vs. James Marsden, Gregg Kinnear, Jim Carrey, Marion Cotillard, Sacha Baron Cohen, Liam Neeson, John C. Reilly, Kanye West, Tina Fey, Amy Poehler e Will Smith (Tudo por um Furo)
– Jennifer Lawrence + Sam Claflin + Josh Hutcherson vs. the Monkeys (Jogos Vorazes: Em Chamas)
Orlando Bloom + Evangeline Lilly vs. the Orcs (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
– Jason Bateman vs. Melissa McCarthy (Uma Ladra Sem Limites)

MELHOR PERFORMANCE EM COMÉDIA
– Kevin Hart (Ride Along)
Jonah Hill (O Lobo de Wall Street)
– Johnny Knoxville (Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha)
– Melissa McCarthy (As Bem-Armadas)
– Jason Sudeikis (Família do Bagulho)

MELHOR PERFORMANCE DE TERROR
– Rose Byrne (Sobrenatural: Capítulo 2)
– Jessica Chastain (Mama)
– Vera Farmiga (Invocação do Mal)
– Ethan Hawke (Uma Noite de Crime)
Brad Pitt (Guerra Mundial Z)

MELHOR DUPLA
– Amy Adams e Christian Bale (Trapaça)
– Matthew McConaughey e Jared Leto (Clube de Compras Dallas)
Vin Diesel e Paul Walker (Velozes & Furiosos 6)
– Ice Cube e Kevin Hart (Ride Along)
– Jonah Hill e Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)

MELHOR PERFORMANCE SEM CAMISA
– Jennifer Aniston (Família do Bagulho)
– Sam Claflin (Jogos Vorazes: Em Chamas)
– Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
• Zac Efron (Namoro ou Liberdade)
– Chris Hemsworth (Thor: O Mundo Sombrio)

#WTF MOMENT
– A batida do trailer (Tudo por um Furo)
– O concurso de beleza (Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha)
– Sexo com o carro (O Conselheiro do Crime)
A cena do lude (O Lobo de Wall Street)
– O novo animal de estimação de Danny McBride (É o Fim)

MELHOR VILÃO
– Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
– Benedict Cumberbatch (Além da Escuridão: Star Trek)
– Michael Fassbender (12 Anos de Escravidão)
• Mila Kunis (Oz: Mágico e Poderoso)
– Donald Sutherland (Jogos Vorazes: Em Chamas)

MELHOR TRANSFORMAÇÃO
– Christian Bale (Trapaça)
– Elizabeth Banks (Jogos Vorazes: Em Chamas)
– Orlando Bloom (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)
– Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

PERSONAGEM FAVORITO
Shailene Woodley (Divergente)
– Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: Em Chamas)
– Tom Hiddleston (Thor: O Mundo Sombrio)
– Kristen Bell (Veronica Mars)
– Benedict Cumberbatch (Além da Escuridão: Star Trek)

MELHOR MOMENTO MUSICAL
Backstreet Boys, Jay Baruchel, Seth Rogen e Craig Robinson (É o Fim)
– Jennifer Lawrence cantando ‘Live and Let Die’ (Trapaça)
– Leonardo DiCaprio dançando ‘Pretty Thing’ (O Lobo de Wall Street)
– Melissa McCarthy cantando ‘Barracuda’ (Uma Ladra Sem Limites)
– Will Poulter cantando ‘Waterfalls’ (Família do Bagulho)

MELHOR PARTICIPAÇÃO ESPECIAL
– Robert De Niro (Trapaça)
– Tina Fey e Amy Poehler (Tudo por um Furo)
– Kanye West (Tudo por um Furo)
– Joan Rivers (Homem de Ferro 3)
Rihanna (É o Fim)

MELHOR HERÓI
Henry Cavill como Super-Homem (O Homem de Aço)
– Robert Downey Jr. como Homem de Ferro (Homem de Ferro 3)
– Martin Freeman como Bilbo Baggins (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
– Chris Hemsworth como Thor  (Thor: O Mundo Sombrio)
– Channing Tatum como John Cale (O Ataque)

TRAILBLAZER AWARD: Channing Tatum

GENERATION AWARD: Mark Wahlberg

O Lobo de Wall Street conquistou (photo by outnow.ch)

O Lobo de Wall Street levou 2 prêmios menores: performance de comédia e wtf moment (photo by outnow.ch)

Começando bem 2014: indicados ao DGA, PGA e WGA

Que tal menos filmes em 3D em 2014? (photo by

Que tal menos filmes em 3D em 2014? (photo by http://www.dailyfinance.com)

Ooooiii, pessoal! Feliz Ano Novo pra todos! Chego de volta a São Paulo e vejo uma caixa de entrada de e-mail abarrotada de mensagens de premiações e indicações louquinhas pra serem abertas e discutidas. Ao contrário do que fiz em outros anos, vou juntar tudo em apenas um post, porque estou no espírito de férias ainda! Não, não… brincadeirinha! Com uma safra tão rica de produções, é interessante ver as escolhas de três sindicatos que apontam os grandes favoritos ao Oscar.

DGA images

Dentre eles, o mais acertivo continua sendo o DGA (Directors Guild of America). Em apenas sete (!) vezes, o vencedor não coincidiu com o vencedor do Oscar de direção. Até o ano passado, quando Ben Affleck ficou estranhamente de fora da categoria, o último vencedor do DGA que não repetiu a façanha no Oscar foi Rob Marshall (Chicago) em 2003! Este ano, o páreo estava duríssimo. Não tinha como não deixar de lado alguns nomes consagrados. Assim, Alexander Payne (Nebraska), Spike Jonze (Ela) e Joel e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis) foram eliminados por um nariz de diferença. Confira os selecionados:

DIRECTORS GUILD AWARDS

AlfonsoCuaron.ashxAlfonso Cuarón (Gravidade)
O diretor mexicano é um ótimo exemplo de como um profissional estrangeiro consegue atingir maturidade na indústria americana. Cuarón sempre primou por sua marca imagética. Seja um filme poético como A Princesinha, um blockbuster (Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban), um road movie pós-moderno (E Sua Mãe Também) ou criando um novo marco tecnológico (Gravidade), o diretor de fotografia e colaborador assíduo, Emmanuel Lubezki, foi sempre fundamental em sua escrita. Seria uma grata surpresa uma dupla vitória neste Oscar: direção para Cuarón e o merecidíssimo de fotografia para Lubezki.

Paul Greengrass (Capitão Phillips)PaulGreengrass.ashx
Descoberto pelo ótimo drama Domingo Sangrento, que lhe rendeu o Urso de Ouro em 2002, o britânico Greengrass criou um nicho no cinema contemporâneo no qual ele pode trabalhar a linguagem documental numa ficção, gerando uma veracidade que espanta e emociona o público. Ele conseguiu essa proeza em Vôo United 93 na recriação do atentado terrorista do 11 de setembro e nesse episódio de pirataria moderna de Capitão Phillips, criando uma tensão interminável. Também emprestou seu estilo à série de ação e espionagem de Jason Bourne em A Supremacia Bourne e O Ultimato Bourne, que obrigou os produtores de James Bond a repensar a criação de Ian Fleming.

Steve McQueen (12 Anos de Escravidão)SteveMcQueen.ashx
Artista plástico premiado, este diretor britânico, que compartilha o mesmo nome artístico do ator Steve McQueen, está em extrema ascensão em apenas seu terceiro longa. Como bom entendedor do poder da imagem para uma história, ele busca aqueles enquadramentos que possam dizer algo sobre o filme que vemos. Em Shame, por exemplo, ele usa e abusa das linhas urbanas do cenário para contar um pouco mais sobre o personagem viciado em sexo numa cidade que ostenta a civilidade. Sendo um negro e com um filme sobre escravidão na manga, Steve McQueen corre na frente, afinal, eles adorariam a manchete: “O primeiro diretor afro-americano a ganhar um Oscar”. Sinceramente, espero que ele ganhe por méritos profissionais, e não raciais, pois trata-se de uma voz singular no cinema contemporâneo.

David O. Russell (Trapaça)DavidORussell.ashx
“Há um parafuso faltando aqui”, pensava eu ao falar de David O. Russell, na época em que vi Três Reis (1999) e Huckabees: A Vida é uma Comédia (2004). Não que isso seja ruim. Muito pelo contrário! Ele tinha um senso de humor bastante incomum que me atraía, mas eu sentia que ele não conseguiria decolar em Hollywood apenas com aquilo. Felizmente, nosso David O. Russell amadureceu seu cinema e nos entregou ótimos filmes como os recentes O Vencedor (2010) e O Lado Bom da Vida (2012). De longe, concordo, são filmes que você não dá nada. Não tem uma grandiosidade de um gladiador ou um grande navio afundando, mas ele explora tão bem a humanidade das histórias simples que fica impossível não lhe dar crédito. Além disso, tem se tornado um dos melhores diretores de atores dos últimos anos. Já conquistou sete indicações e três Oscars de atuação de seus elencos: Melissa Leo, Christian Bale e Jennifer Lawrence. Tem tudo pra conquistar mais com Trapaça e pode se tornar a grande surpresa da categoria.

scorsesewolf.ashxMartin Scorsese (O Lobo de Wall Street)
O que dizer de Marty? Nem posso dizer que ele é como vinho, que fica melhor a cada ano, pois também dirigiu obras-primas como Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980) no passado. Mas definitivamente não existe diretor mais apaixonado por Cinema do que Scorsese. Isso já estava provado nas incontáveis entrevistas e no apoio às restaurações de películas antigas e perdidas no tempo. Ele comprovou essa paixão numa tocante homenagem à Sétima Arte e a Georges Méliès em A Invenção de Hugo Cabret. Talvez a polêmica sobre sexo e drogas de O Lobo de Wall Street atrapalhe na conquista de mais uma indicação ao Oscar, mas se ele está nesta lista, não acredito que seja favorecimento nenhum. Martin Scorsese cria filmes atemporais.

Ainda está cedo para previsões de vitória, mas até o momento, Alfonso Cuarón e Steve McQueen dividem a ponta, com David O. Russell cheirando o cangote deles logo atrás. E o vencedor tem 99% de vitória no Oscar, pois não creio em duas exceções consecutivas na história do DGA.

PGA headerJá o sindicato de Produtores teve uma tarefa mais fácil. Ou pelo menos, menos árdua do que o DGA, afinal poderiam selecionar 10 produções. Contudo, com uma grande variedade de candidatos de boa qualidade, dez vagas também não deram conta de tudo.

Vale destacar a importante marca para a produtora Megan Ellison (da Annapurna Pictures). Ela foi a única a conquistar duas indicações com Trapaça e Ela. Megan poderia ter conquistado três, mas Foxcatcher foi adiado para 2014. No ano passado, ela produziu dois filmes de qualidade e que ainda geraram discussão acalorada na mídia e na temporada de premiações: O Mestre e A Hora Mais Escura. Numa Hollywood dominada por produtores covardes e que só pensam em lucro, a presença de Megan Ellison me enche de esperança. Claro que ninguém é de ferro. Ela vai produzir o reboot de uma nova trilogia de O Exterminador do Futuro, que começa em 2015. Mas mesmo assim, acredito que ela não fará apenas pelas bilheterias. Guardem o nome dela, pois mais conquistas importantes estão por vir.

A produtora Megan Ellison (à dir) ao lado da diretora Kathryn Bigelow e da bela atriz Jessica Chastain na festa do Globo de Ouro 2013. (photo by www.vanityfair.com)

A produtora Megan Ellison (à dir) ao lado da diretora Kathryn Bigelow e da bela atriz Jessica Chastain na festa do Globo de Ouro 2013. (photo by http://www.vanityfair.com)

MELHORES PRODUTORES – LONGAS-METRAGENS

Trapaça (American Hustle)
Blue Jasmine (idem)
Capitão Phillips (Captain Phillips)
Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club)
Gravidade (Gravity)
Ela (Her)
Nebraska
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

Em 2011, o PGA decidiu estender seus indicados para 10 fixos, o que não ocorre no Oscar, onde pode haver de 5 a 10. Vale ressaltar também o alto índice de acertos de vencedores em relação à Academia. Em seus 24 aninhos de existência, o PGA elegeu 17 vezes o vencedor de Melhor Filme no Oscar, incluindo os recentes Argo e O Artista. A última divergência ocorreu em 2007, quando Pequena Miss Sunshine perdeu para Os Infiltrados.

Para a edição de 2014, as ausências mais sentidas foram Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum e Fruitvale Station: A Última Parada pela alta participação nas últimas listas de críticos. Mas vale citar também Álbum de Família, All is Lost e Philomena, que conseguiu uma indicação ao Globo de Ouro.

Dentre os 10 candidatos, Trapaça, 12 Anos de Escravidão e Gravidade largam na frente, mas Ela pode roubar o show sem grandes dificuldades por ser querido pela crítica. Por outro lado, se pensarmos em bilheteria, Gravidade tem todas as cartas por ter faturado mais de 600 milhões de dólares mundo afora, muito longe dos 208 milhões do segundo lugar Capitão Phillips. No Oscar, eu ainda acho que Gravidade deverá se concentrar nos prêmios mais técnicos como fotografia, montagem e som.

Gravidade: no páreo para o DGA e PGA (photo by www.beyondhollywood.com)

Gravidade: no páreo para o DGA e PGA (photo by http://www.beyondhollywood.com)

MELHORES PRODUTORES – ANIMAÇÕES

Os Croods (The Croods)
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2)
Reino Escondido (Epic)
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Universidade Monstros (Monsters University)

Sem um dos grandes favoritos fora do páreo por não pertencer ao sindicato americano, a animação japonesa Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, a categoria conta apenas com produções de grandes estúdios como Disney, Pixar, Dreamworks e Universal. Porém, essa ausência não deve reduzir as chances de Miyazaki conseguir sua segunda estatueta do Oscar. Ainda não conferi Frozen, mas premiaria Os Croods pela alta abrangência de público-alvo de sua história de uma família das cavernas se adaptando às mudanças na Terra.

Os Croods: caminho mais livre para o PGA (photo by www.beyondhollywood.com)

Os Croods: caminho mais livre para o PGA (photo by http://www.beyondhollywood.com)

MELHORES PRODUTORES – DOCUMENTÁRIOS

A Place at the Table
Far Out Isn’t Far Enough
Life According to Sam
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks
Which Way is the Front Line From Here? The Life and Time of Tim Hetherington

Com o documentário História que Contamos, de Sarah Polley, fora da competição, o grande favorito fica sendo We Steal Secrets, que aborda a história do WikiLeaks do exilado Julian Assange. Conta muito a favor ter o diretor Alex Gibney, de Um Táxi Para a Escuridão, que ganhou o Oscar em 2008. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil para a maioria dos documentários, o que dificulta a análise dessa categoria.

Julian Assange no documentário de Alex Gibney (photo by www.elfilm.com)

Julian Assange no documentário de Alex Gibney (photo by http://www.elfilm.com)

Dos três sindicatos, o WGA é o menos badalado. Mas não porque se trataria de um prêmio menor, mas suas regras inviabilizam indicações de trabalhos pertinentes. Como os demais prêmios, ele exige a filiação do profissional ao sindicato, mas também a exigência da produção do filme sob a sua jurisdição, o que implica em mais regras que eliminam bons candidatos.

Desse modo, as estatísticas de acerto são bem menores. Os excluídos pela regra deste ano incluem: John Ridley (12 Anos de Escravidão), Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena), Ryan Coogler (Fruitvale Station: A Última Parada), Peter Morgan (Rush: No Limite da Emoção) e Abdellatif Kechiche e Ghalia Lacroix (Azul é a Cor Mais Quente). Já os trabalhos originais incluem: Alfonso Cuarón e Jonas Cuarón (Gravidade), Joel e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis), Kelly Marcel e Sue Smith (Walt nos Bastidores de Mary Poppins) e Jason Reitman (Refém da Paixão).

Claro que se levarmos em consideração que a Academia também premia roteiros desclassificados pela WGA, essas exclusões não pesariam tanto na temporada. Só para citar um exemplo, o roteiro de Quentin Tarantino para Django Livre foi cortado da WGA, mas ganhou o Oscar.

ROTEIRO ORIGINAL

Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
Woody Allen (Blue Jasmine)
Craig Borten, Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas)
Spike Jonze (Ela)
Bob Nelson (Nebraska)

ROTEIRO ADAPTADO

Tracy Letts (Álbum de Família)
Richard Linklater, Ethan Hawke, Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Peter Berg (O Grande Herói)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

O diretor e roteirista Richard Linklater entre os atores e roteiristas Julie Delpy e Ethan Hawke no set de Antes da Meia-Noite (photo by www.elfilm.com)

O diretor e roteirista Richard Linklater entre os atores e roteiristas Julie Delpy e Ethan Hawke no set de Antes da Meia-Noite (photo by http://www.elfilm.com)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

David Riker, Jeremy Scahill (Guerras Sujas)
Sara Lukinson, Michael Stevens (Herblock: The Black & the White)
Janet Tobias, Paul Laikin (No Place on Earth)
Sarah Polley (Histórias que Contamos)
Alex Gibney (We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks)

Indicados ao BAFTA Rising Star de 2014 (photo by www.empireonline.com)

Indicados ao BAFTA Rising Star de 2014, do topo da esquerda à direita: Dane DeHaan, Lupita Nyong’o, Léa Seydoux, Will Poulter e George MacKay (photo by http://www.empireonline.com)

Também gostaria de aproveitar o post para divulgar os indicados ao Rising Star do BAFTA, concedido a um ator ou atriz revelação que se destacou no ano. Vencedores recentes incluem Juno Temple, Tom Hardy e Kristen Stewart. Porém, vale lembrar que os vencedores são eleitos pelo público, o que quase sempre resulta em vitória injusta. Talentos como Michael Fassbender, Carey Mulligan e Alicia Vikander já concorreram, mas perderam em edições anteriores. Particularmente, tenho certa aversão às escolhas do público como no MTV Movie Awards. Se dependesse dos votos na internet, os melhores filmes de todos os tempos seriam Star Wars e O Senhor dos Anéis para toda a eternidade…

Dane DeHaan
George MacKay
Lupita Nyong’o
Will Poulter
Léa Seydoux

* Fique atento às datas: O PGA divulga seus vencedores no dia 19 de janeiro. O DGA no dia 25, enquanto o WGA fica para o dia 1º de fevereiro.