‘OS INCRÍVEIS 2’ e ‘WiFi RALPH: QUEBRANDO A INTERNET’ são os RECORDISTAS de INDICAÇÕES no ANNIE AWARDS

Design sem nome

Da esquerda pra direita: O Homem das Cavernas, Os Incríveis 2, Wifi Ralph: Quebrando a Internet, Ilha dos Cachorros e Homem-Aranha no Aranhaverso concorrem como Melhor Longa de Animação no Annie Awards

PRA VARIAR, PIXAR E DISNEY DOMINAM A PREMIAÇÃO DAS ANIMAÇÕES. LONGA BRASILEIRO CONCORRE COMO ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

Depois de 7 anos da existência deste blog, vamos postar pela primeira vez sobre o Annie Awards, que é o prêmio norte-americano dedicado às animações. Como são ao todo 32 categorias (!), teremos que excluir os prêmios dos trabalhos televisivos. Além das animações, existem categorias de efeitos de animações em filmes live-action, que podem indicar algum favoritismo futuro para o Oscar de Efeitos Visuais.

Em relação às estatísticas do Annie Awards, que está em sua 46ª edição, dos últimos dez anos, SEIS que venceram o prêmio de Melhor Longa de Animação, acabaram repetindo suas vitórias no Oscar. Das quatro diferenças, duas escolhas do Annie são praticamente imperdoáveis: Como Treinar Seu Dragão batendo Toy Story 3, e Kung Fu Panda vencendo Wall-E. Não que a Pixar seja uma unanimidade, mas quando ela acerta, é difícil não entregar obras-primas do gênero.

Falando em Pixar, neste ano, Os Incríveis 2 se tornou o recordista de indicações com 11 no total, seguido de perto por Wifi Ralph: Quebrando a Internet com 10. Ambas as produções estão concorrendo como Melhor Longa de Animação com Ilha de Cachorros, Homem-Aranha no Aranhaverso e O Homem das Cavernas. Aliás, o blog do Cinema Oscar e Afins também apostou nessas cinco animações para concorrer ao Oscar no post com as 25 animações inscritas. Talvez o stop motion de O Homem das Cavernas dê seu lugar para o sucesso comercial de O Grinch, ou uma animação estrangeira que a Academia (felizmente) adora reconhecer todos os anos.

Aproveitando o assunto, dentre as animações estrangeiras, temos um trabalho brasileiro concorrendo na categoria de Melhor Longa de Animação Independente. Trata-se de Tito e os Pássaros, dirigido pelo trio Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg. Com uma trama meio futurista, a animação conta com uma mistura de técnicas como a pintura, que costuma ser bem recebida na Academia (vide Com Amor, Van Gogh indicado este ano). Caso conquiste uma das cobiçadas vagas na categoria, a animação se tornaria a segunda brasileira indicada ao Oscar ao lado de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

Tito e os Pássros_2

Cena da animação brasileira Tito e os Pássaros (pic by outnow.ch)

Tito e o Pássaros concorre com Ce Magnifique Gâteau!, de Emma De Swaef e Marc James Roels; MFKZ, de Shôjirô Nishimi e Guillaume Renard; Mirai, de Mamoru Hosoda; e Ruben Brandt, Collector, de Milorad Krstic.

Vale ressaltar também a ilustre presença no Annie Awards do compositor brasileiro Heitor Pereira, que concorre pela Trilha Musical da animação PéPequeno, que chegou aos cinemas nacionais em setembro.

Smallfoot

Cena da animação PéPequeno, que conta com a trilha musical de Heitor Pereira (pic by outnow.ch)

Já na categoria de Direção, o destaque vai para Genndy Tartakovsky, que conseguiu reconhecimento por Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas. O que não dá pra entender foi a exclusão de Wes Anderson por Ilha de Cachorros, uma animação impecável de stop motion com 100% do DNA do diretor. Seria esta exclusão um sinal negativo para o filme durante a temporada de premiações?

E um dos principais motivos do post do Annie Awards foi pra citar a dublagem, que tem sua própria categoria. Dos cinco atores indicados, o blog conferiu três, que são dublagens espetaculares: Eddie Redmayne em O Homem das Cavernas, Holly Hunter em Os Incríveis 2 e Bryan Cranston em Ilha dos Cachorros. Todos vencedores ou indicados ao Oscar, com um incrível talento vocal pra elevar qualquer personagem animado. Incluiria ainda Tom Hiddleston também pelo O Homem das Cavernas. Ele desenvolve uma espécie de dialeto francês para seu personagem Lord Nooth que vale a pena conferir.

Design sem nome (1)

Holly Hunter, Eddie Redmayne e Bryan Cranston estão entre os indicados a Melhor Dublagem no Annie Awards

Confira lista dos indicados de cinema ao 46º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • O Homem das Cavernas (Early Man), Aardman Animations
  • Os Incríveis 2 (Incredibles 2), Pixar Animation Studios
  • Ilha dos Cachorros (Isle of Dogs), Fox Searchlight Pictures/Indian Paintbrush/American Empirical Pictures
  • Wifi Ralph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet), Walt Disney Animation Studios
  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse), Sony Pictures Animation

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Ce Magnifique Gâteau!, Beast Animation, Vivement Lundi!, Pedri Animation
  • MFKZ, Ankama/Studio 4ºC
  • Mirai, Studio Chizu
  • Ruben Brandt, Collector, Hungarian National Film Fund
  • Tito e os Pássros, Bits Productions, Split Studio

MELHOR PRODUÇÃO ANIMADA ESPECIAL

  • Back to the Moon
  • O Retorno de Mary Poppins
  • The Emperor’s Newest Clothes
  • The Highway Rat

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Grandpa Walrus
  • Lost & Found
  • SOLAR WALK
  • Untravel
  • Weekends

MELHORES EFEITOS ANIMADOS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Howard Jones, Dave Alex Riddett, Grant Hewlett, Pat Andrew, Elena Vitanza Chiarani (O Homem das Cavernas)
  • Patrick Witting, Kiel Gnebba, Spencer Lueders, Joe Pepper, Sam Rickles (Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas)
  • Greg Gladstone, Tolga Göktekin, Jason Johnston, Eric Lacroix, Krzysztof Rost (Os Incríveis 2)
  • So Ishigaki, Graham Wiebe (Next Gen)
  • Cesar Velazquez, Marie Tollec, Alexander Moaveni, Peter DeMund, Ian J. Coony (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Laurie Sitzia (O Homem das Cavernas), Personagens: Goona, Dug, Chief Bobnar, the Tribe, the rabbit e Lord Nooth
  • Lance Fite (Os Incríveis), Personagens: todos
  • Jason Stalman (Ilha dos Cachorros), Personagens: Chief e Nutmeg
  • Vitor Vilela (Wifi Ralph: Quebrando a Internet), Personagens: Ralph, Fix-It Felix, Double Dan, Vanellope Von Schweetz, Ralphzilla, Yesss, Root Beer Tapper Patrons, Pancake Bunny, Milkshake Kitty, Baby Mo, Mo’s Mom
  • David Han (Homem-Aranha no Aranhaverso), Personagens: múltiplos

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM FILME LIVE ACTION

  • Paul Story, Sidney Kombo Kintombo, Eteuati Tema, Jacob Luamanuvae Su’a, Sam Sharplin (Vingadores: Guerra Infinita)
  • Arslan Elver, Laurent Laban, Kayn Garcia, Claire Blustin, Marc-André Coulombe (Christopher Robin)
  • Chris Sauve, James Baxter, Sandro Cleuzo (O Retorno de Mary Poppins)
  • Pablo Grillo, Laurent Laban, Kyle Dunlevy, Stuart Ellis, Liam Russell (Paddington 2)
  • Richard Oey, Adrien Annesley, Allison Orr, Wei Liang Yap, Shan Hao (O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos)

MELHOR DESIGN DE PERSONAGENS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Matt Nolte (Os Incríveis 2) Personagem: Todos
  • James Woods (O Retorno de Mary Poppins) Personagem: os animados
  • Marceline Tanguay (Next Gen) Personagem: múltiplos
  • Ami Thompson (Wifi Ralph: Quebrando a Internet) Personagens: Ralph, Vanellope Von Schweetz, Yesss, Maybe, Shank, Spamley, Gord, The eboy, ebay Elaine, Netuser, Netizens, Internet Troll, Slaughter Race Crew, princesas da Disney, Ralphzilla, Jimmy, Tiffany, Baby Calhoun, Pancake Bunny, Milkshake Kitty, KnowsMo
  • Shiyoon Kim (Homem-Aranha no Aranhaverso) Personagens: Uncle Aaron, Rio, Peter, Miles, King Pin, Gwen, Aunt May, Goblin, Jefferson

MELHOR DIREÇÃO DE LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Nick Park (O Homem das Cavernas)
  • Genndy Tartakovsky (Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas)
  • Brad Bird (Os Incríveis 2)
  • Rich Moore e Phil Johnston (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Bob Persichetti, Rodney Rothman e Peter Ramsey (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR TRILHA MUSICAL EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Danny Elfman e Tyler The Creator (O Grinch)
  • Harry Gregson-Williams e Tom Howe (O Homem das Cavernas)
  • Michael Giacchino (Os Incríveis 2)
  • Henry Jackman, Alan Menken, Phil Johnston, Tom MacDougall e Dan Reynolds (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Heitor Pereira, Karey Kirkpratick e Wayne Kirkpatrick (Pé Pequeno)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Richard Edmunds (O Homem das Cavernas)
  • Scott Wills (Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas)
  • Adam Stockhausen, Paul Harrod (Ilha de Cachorros)
  • Jeff Turley (O Retorno de Mary Poppins)
  • Justin K. Thompson (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR STORYBOARD EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Habib Louati (O Grinch)
  • Dean Kelly (Os Incríveis 2)
  • Bobby Alcid Rubio (Os Incríveis 2)
  • Ovi Nedelcu (O Retorno de Mary Poppins)
  • Michael Herrera (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)

MELHOR DUBLAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Eddie Redmayne (O Homem das Cavernas) Personagem: Dug
  • Holly Hunter (Os Incríveis 2) Personagem: Helen Parr / Elastigirl
  • Bryan Cranston (Ilha de Cachorros) Personagem: Chief
  • Charlyne Yi (Next Gen) Personagem: Mai
  • Sarah Silverman (Wifi Ralph: Quebrando a Internet) Personagem: Vanellope Von Schweetz

MELHOR ROTEIRO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Brad Bird (Os Incríveis 2)
  • Mamoru Hosoda e Stephanie Sheh (Mirai)
  • Phil Johnston e Pamela Ribon (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Phil Lord e Rodney Rothman (Homem-Aranha no Aranhaverso)
  • Michael Jelenic e Aaron Horvath (Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas)

MELHOR MONTAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Chris Cartagen (O Grinch)
  • Stephen Schaffer, Anthony J. Greenberg, Katie Schaefer Bishop (Os Incríveis 2)
  • Jeremy Milton, Fabienne Rawley, Jesse Averna, John Wheeler, Pace Paulsen (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Milorad Krstic, Marcell Laszlo, Laszlo Wimmer, Danijel Daka Milosevic (Ruben Brandt, Collector)
  • Bob Fisher, Andrew Levinton, Vivek Sharma (Homem-Aranha no Aranhaverso)

***

A cerimônia acontece no dia 02 de fevereiro no Royce Hall no campus da UCLA.

Anúncios

Jackie Chan, Anne Coates, Lynn Stalmaster e Frederick Wiseman serão os homenageados do Governors Awards

governors-ball

Da esquerda para direita: Jackie Chan, Anne V. Coates, Lynn Stalmaster e Frederick Wiseman (photo by Rex/Shutterstock/ Invision/AP through Variety)

HOMENAGEADOS ABRANGEM 4 ÁREAS DISTINTAS:
ATUAÇÃO, MONTAGEM, CASTING E DOCUMENTÁRIO

Olá, gente! Primeiramente, gostaria de pedir desculpas pelo atraso em postar aqui. Recentemente, mudei de residência e com isso, acabei não postando os indicados ao Festival de Veneza! Quando os vencedores forem divulgados, prometo que postarei.

Bom, a Academia revelou esta semana os profissionais que serão homenageados na cerimônia Governors Awards, que acontece no próximo dia 12 de novembro: o ator Jackie Chan, a montadora Anne V. Coates, o diretor de casting Lynn Stalmaster e o documentarista Frederick Wiseman.

“O Oscar Honorário foi criado para artistas como Jackie Chan, Anne Coates, Lynn Stalmaster e Frederick Wiseman – verdadeiros pioneiros e lendas em seus respectivos ofícios,” declarou a presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs. “O conselho se orgulha por honrar suas extraordinárias conquistas, e esperamos ansiosamente para celebrar com eles no Governors Awards em Novembro.”

Após a atitude abrangedora da presidente Isaacs através dos convites para membros de todas as raças e nacionalidades, homenagear o hong-konguês Jackie Chan e a britânica Anne Coates parece ser uma nova extensão de sua política acolhedora.

Li alguns comentários de internautas perguntando: “O que Jackie Chan fez para merecer essa homenagem?” Se formos pela lógica da idade, comparado aos demais homenageados desta edição, Jackie realmente é um bebê, mas vale lembrar que ele já tem seus 62 anos. Já pela lógica de merecimento, temos que reconhecer que se trata de um ator internacional, que já atuou, escreveu, dirigiu e produziu mais de 30 filmes de artes marciais em Hong Kong. Dentre seus filmes mais famosos estão A Hora do Rush (trilogia), Bater ou Correr, a refilmagem de Karatê Kid e a trilogia de animação Kung Fu Panda.

MCDRUHO EC002

Jackie Chan ao lado de Chris Tucker em cena de A Hora do Rush 2 (photo by New Line Cinema)

Além disso, acredito que o Oscar Honorário também tem esse propósito de premiar profissionais que dificilmente concorrerão ao Oscar competitivo. Claro que Jackie Chan pode interpretar um papel bem dramático e acabar ganhando a estatueta, mas as chances disso acontecer são mínimas. E vale lembrar aqui de Bruce Lee, outra lenda dos filmes de artes marciais. Tenho certeza de que se ele tivesse vivido por mais tempo, a Academia teria lhe reservado um Oscar Honorário.

Dos 4 homenageados, apenas Anne V. Coates foi indicada e venceu o Oscar. Sua vitória foi pelo clássico de David Lean, Lawrence da Arábia, de 1962. Ele foi indicada também por Becket – O Favorito do Rei, O Homem Elefante, Na Linha do Fogo e Irresistível Paixão. E, assim como todos os homenageados, ela continua trabalhando. Sua montagem mais recente foi pelo hit feminino Cinquenta Tons de Cinza.

A homenagem a Stalmaster pode e deve ter uma positiva repercussão no departamento de casting. Trata-se de uma profissão importantíssima para os filmes hollywoodianos, pois pesquisa e descobre os atores mais adequados para os mais diversos papéis. O fato de uma veterana ser devidamente reconhecida pode finalmente concretizar a categoria competitiva no Oscar. Lynn Stalmaster já foi responsável pela escalação de grandes atores em filmes como A Primeira Noite de um Homem, Um Violinista no Telhado, Amargo Pesadelo, Tootsie (alguém teria imaginado Dustin Hoffman como uma mulher?) e Os Eleitos.

Já Frederick Wiseman vem produzindo documentários com uma frequência inacreditável de um filme por ano desde 1967. Em busca de um olhar mais antropológico, ele se aventura em todos os tipos de temas, desde violência doméstica, cidades, hospitais psiquiátricos até cabarés.

In_Jackson_Heights_Still

Cena do documentário In Jackson Heights, sobre uma das cidades mais diversificadas do mundo. (photo by hollywoodreporter.com)

Tendo uma cerimônia não-televisionada, o Governors Awards se mostrou um sucesso, já que permite homenagens com videoclipes, introduções caprichadas e discursos morosos que carreiras excepcionais necessitam, algo que seria inviável numa cerimônia ao vivo como a do Oscar.

Seguem os homenageados das últimas edições:

2009: Lauren Bacall, John Calley, Roger Corman, Gordon Willis

2010: Jean-Luc Godard, Kevin Brownlow, Francis Ford Coppola, Eli Wallach

2011: James Earl Jones, Dick Smith, Oprah Winfrey

2012: Jeffrey Katzenberg, Hal Needham, D.A. Pennebaker, George Stevens Jr.

2013: Angelina Jolie, Angela Lansbury, Steve Martin, Piero Tosi

2014: Harry Belafonte, Jean-Claude Carrière, Maureen O’Hara, Hayao Miyazaki

2015: Spike Lee, Debbie Reynolds e Gena Rowlands

Michael Clarke Duncan (1957 – 2012)

Michael Clarke Duncan

É com grande pesar que informo a morte de outro nome de Hollywood: o ator Michael Clarke Duncan, conhecido por seu papel em À Espera de um Milagre (1999). Não sei se a bruxa anda solta nos EUA, mas recentemente já reportei a morte de Nora Ephron, Marvin Hamlisch e Tony Scott. Segundo relatos de sua noiva, o ator faleceu nessa segunda, dia 03, no hospital Cedars Sinai Medical Center em Los Angeles. No dia 13 de julho, ele sofreu um infarto do qual nunca se recuperou. Passou os últimos 2 meses hospitalizado, mas não resistiu.

Michael nasceu em Chicago e queria ser jogador de futebol americano, mas sua mãe não permitiu com medo de que ele se ferisse. Então, passou a concentrar seus esforços na carreira de ator. Já em Hollywood, ele conseguiu alguns papéis de menor expressão, enquanto trabalhava como guarda-costas de atores famosos como Will Smith e Martin Lawrence, aproveitando-se de seu porte físico avantajado.

Em 1998, conseguiu seu primeiro papel numa grande produção através do diretor Michael Bay em Armageddon (1998). Ao lado de nomes consagrados como Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck e Bruce Willis. Aliás, este último foi quem o recomendou ao diretor Frank Darabont para o papel de sua vida: John Coffey. Para aqueles que viram À Espera de um Milagre, testemunharam um daqueles casos raros do ator nascer para viver aquele personagem. Michael Clarke Duncan criou uma aura de mistério através de expressões fechadas e frias, além de gestos e sotaque que indicavam algo diferente na vida daquele personagem, criado pelo escritor Stephen King, e que em algumas análises críticas, foi comparado a Jesus por sua jornada milagrosa. John Coffey poderia ser apenas uma figura estranha no filme, mas Duncan imprime carisma para que o público torça por ele enquanto aguarda por sua sentença de morte e isso faz toda a diferença. Seu personagem e sua interpretação são a alma do filme que conquistou inúmeros fãs mundo afora.

Michael Clarke Duncan como John Coffey em À Espera de um Milagre, ao lado de Tom Hanks. Atuação merecidamente indicada ao Oscar.

Felizmente, a Academia reconheceu seu talento e o indicou a Melhor Ator Coadjuvante: uma vitória descomunal em sua curta carreira. Dividiu a lista de indicados com nomes de peso: Tom Cruise (Magnólia), o menino Haley Joel Osment (O Sexto Sentido), Jude Law (O Talentoso Ripley) e Michael Caine (Regras da Vida), que saiu vencedor naquela noite com um belo e humilde discurso que elogia todos os atores de sua categoria com um refinado humor britânico. Por sua performance, Michael Clarke Duncan também foi indicado ao Globo de Ouro, SAG Award e até ator revelação no MTV Movie Award.

Depois do sucesso no Oscar, propostas não lhe faltaram. Voltou a atuar ao lado de Bruce Willis em mais 3 produções: À Beira da Loucura (Breakfast of Champions, 1999), Meu Vizinho Mafioso (The Whole Nine Yards, 2000) e Sin City – A Cidade do Pecado (Sin City, 2005). Atuou como vilão na refilmagem de Tim Burton de O Planeta dos Macacos (2001), na adaptação dos quadrinhos Demolidor – O Homem Sem Medo (2003) como o Rei do Crime, e em O Escorpião Rei (2002) ao lado de Dwayne Johnson (The Rock).

Dentre seus trabalhos mais destacados nos últimos anos, fez trabalho de dublagem em Cães e Gatos – A Vingança de Kitty Galore (2010) e Kung Fu Panda (2008).

Fora dos holofotes, Clarke servia como porta-voz de algumas causas nobres. No começo deste ano, ele apareceu num vídeo defendendo a PETA, organização dos direitos dos animais, relatando que se sentia bem melhor depois que se tornou vegetariano três anos antes.

Em depoimento, o diretor de À Espera de um Milagre, Frank Darabont, lembrou da experiência de trabalho e convivência: “Estou devastado com a perda de Michael Clarke Duncan, uma das melhores pessoas com quem tive o privilégio de trabalhar ou conhecer. Michael era a mais gentil das almas – um exemplo de decência, integridade e gentileza. Nossa experiência em fazer À Espera de um Milagre juntos foi imersiva e incrível, uma jornada única na vida. O que mais me recordo era a devoção ao seu ofício e os avanços que ele fez como artista durante aquele tempo, que era mais do que inspiradora para nós que compartilhamos a mesma jornada com ele. Michael nos deixou cedo demais. Perdemos um grande homem e um grande espírito hoje. Meus pensamentos e condolências vão para a noiva dele Omarosa e sua família”. 

Em inglês (In English):

It is with great sadness that I report the death of another Hollywood actor: Michael Clarke Duncan, known for his role in The Green Mile (1999). I don’t know if there’s something strange going on the U.S., but recently I have reported too many deaths: Nora Ephron, Marvin Hamlisch, Tony Scott and let’s not forget the Colorado movie theater tragedy. According to reports from his bride, the actor passed away on this monday, September the 3rd, at Cedars Sinai Medical Center in Los Angeles. On July 13, he suffered a stroke from which he never fully recovered. He spent the last two months in hospital but did not resist.

Michael was born in Chicago and wanted to be a football player, but his mother didn’t allow cause she was afraid that he could get injured. So, he began to concentrate his efforts on acting career. In Hollywood, he got some minor roles while working as a bodyguard for famous actors like Will Smith and Martin Lawrence.

In 1998, he got his first role in a major production by director Michael Bay on Armageddon (1998), alongside established names like Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck and Bruce Willis. Indeed, the latter was the one who recommended him to director Frank Darabont for the role of his life: John Coffey. For those who have seen The Green Mile, witnessed one of those rare cases of an actor born to live the character. Michael Clarke Duncan has created an aura of mystery through cold and closed expressions, and gestures and accent that indicated something different in the life of that character, created by writer Stephen King, and that in some critical analysis, was compared to Jesus for his miraculous journey . John Coffey could be just a strange figure in the film, but Duncan prints charisma to the audience to root for him as he awaits his death sentence and that makes all the difference. His character and his interpretation are the true soul of the film that won countless fans worldwide.

Fortunately, the Academy recognized his talent and nominated him as Best Supporting Actor: a huge victory in his short career. He shared the company of nominees: Tom Cruise (Magnolia), the kid Haley Joel Osment (The Sixth Sense), Jude Law (The Talented Mr. Ripley) and Michael Caine (The Cider House Rules), who won the award and made a beautiful and humble speech that praised all actors with a refined British humor. For her performance, Michael Clarke Duncan was also nominated for a Golden Globe, SAG Award and even breakthrough performance at the MTV Movie Award.

After the success at the Oscars, many roles were offered. He chose to return to star alongside Bruce Willis in 3 productions: Breakfast of Champions (1999), The Whole Nine Yards (2000) and Sin City (2005). Acted as a villain in Tim Burton’s remake of Planet of the Apes (2001), the adaptation of the comic Daredevil (2003) as the Kingpin, and The Scorpion King (2002) alongside Dwayne Johnson (The Rock).

Most recently, he did voice work in Cats and Dogs – The Revenge of Kitty Galore (2010) and Kung Fu Panda (2008).

Behind the spotlight, Clarke served as spokesman for some noble causes. Earlier this year, he appeared in a video defending PETA, the animal rights organization, reporting that he felt much better after he became vegetarian three years ago.

In a statement, the director of  The Green Mile, Frank Darabont, recalled the experience of working together: “I’m devastated at the loss of Michael Clarke Duncan, one of the finest people I’ve ever had the privilege to work with or know. Michael was the gentlest of souls—an exemplar of decency, integrity, and kindness. Our experience making The Green Mile together was immersive and incredible, a once-in-a-lifetime journey. What sticks most in my mind was his devotion to his craft and the strides he made as an artist during that time, which was beyond inspiring to those of us who took the journey with him. Michael has left us far, far too soon. We lost a great man and a great spirit today. My thoughts and condolences goout to his fiancée Omarosa and to his family”.