‘LA LA LAND’ leva 5 prêmios do BAFTA, mas perde 6

bafta-la-la-land

Equipe do musical La La Land, da esquerda para a direita: Tom Cross, Linus Sandgren, Fred Berger, Emma Stone, Justin Hurwitz, Jordan Horowitz, Damien Chazelle e Marc Platt.

ACADEMIA BRITÂNICA BUSCOU SER MAIS GENEROSA COM OUTROS FILMES

Sim, o título está correto. As derrotas do musical La La Land no BAFTA parecem ter causado mais impacto do que suas vitórias em si. Depois de uma temporada repleta de prêmios e com quebra de recordes como os auges no Globo de Ouro, no qual se tornou o primeiro vencedor de sete prêmios, e no próprio Oscar, onde igualou o número recordista de 14 indicações, as expectativas foram às nuvens, e as derrotas aqui podem significar um: “Ei! Temos outras produções muito boas que também merecem reconhecimento”.

Além de La La Land, apenas Lion: Uma Jornada Para Casa e Manchester à Beira-Mar conseguiram vencer em mais de uma categoria. Enquanto o primeiro levou Ator Coadjuvante e Roteiro Adaptado, o segundo conquistou Ator e Roteiro Original. Contando todas as categorias, a Academia Britânica premiou 14 produções diferentes. Com um BAFTA cada vez servindo mais de parâmetro para o Oscar, fica a pergunta: Eles vão distribuir as estatuetas como os britânicos ou vão concentrar praticamente tudo em La La Land para possivelmente quebrar o recorde de 11 Oscars vencidos por Ben-Hur, Titanic e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei?

bafta-dev-patel

Dev Patel posa com seu BAFTA de Ator Coadjuvante por Lion: Uma Jornada Para Casa (pic by digitalspy.com)

Particularmente, não defendo uma vitória tão elástica para o musical de Damien Chazelle, até mesmo porque o número de Oscars conquistados não significa que o filme é necessariamente melhor do que os outros. Claro que La La Land tem seus méritos e merece levar o Oscar de Melhor Filme, mas realmente temos uma boa safra de produções de 2016 que igualmente merecem reconhecimento da Academia americana, mas que são pouco citados em inúmeras matérias da imprensa.

Embora tenha gostado muito do franco-favorito, não ficaria nem um pouco chateado se o Oscar premiasse o western moderno A Qualquer Custo, por exemplo. No mínimo, concederia o Oscar de Roteiro Original (embora considere o roteiro de Kenneth Lonergan – de Manchester à Beira-Mar – mais denso, acredito que o de Taylor Sheridan tenha mais cara de filme). Também destaco a ficção científica A Chegada (que aqui acabou levando apenas o prêmio de Som), Animais Noturnos e Elle. São filmes que se destacaram de 2016, mas que foram pouco reconhecidos.

Acredito que o Oscar pode trilhar um caminho diferente do BAFTA, mas no lugar da generosidade distribuída, estaria a necessidade de calar os críticos da polêmica racial do #OscarSoWhite. Por exemplo, o drama Moonlight, que apesar de ter sido indicado a vários prêmios, pouco se destacou na temporada. Quando teve a chance de decolar, perdeu o SAG de Elenco para Estrelas Além do Tempo. Pode ser que Academia resolva proporcionar essa consagração tardia.

Mas voltando ao BAFTA, como era esperado, La La Land venceu as categorias principais de Filme, Diretor e Atriz (Emma Stone), mas nas categorias mais “técnicas”, levou apenas Fotografia e Trilha Musical, o que significa que existe, sim, competição em muitas das categorias. Até o Último Homem levou Montagem, Jackie levou Figurino, Animais Fantásticos e Onde Habitam levou Direção de Arte e o já citado A Chegada levou Som.

Ainda sobre categorias “abertas”, a disputa por Melhor Ator não está completamente fechada. Embora Casey Affleck esteja bem à frente, vale lembrar duas coisas: Denzel Washington ganhou o SAG, e ele não estava sequer indicado aqui no BAFTA, ou seja, Affleck não bateu Denzel.

BAFTA Casey Affleck.jpg

Casey Affleck vence como Ator por Manchester à Beira-Mar (pic by livemint.com)

E na categoria de Ator Coadjuvante, muito se fala de Mahershala Ali pra cá e pra lá, mas a bem da verdade é que ele ganhou apenas o Critics’ Choice e o SAG. E curiosamente, um dos maiores vencedores Aaron Taylor-Johnson ficou de fora do Oscar e também perdeu para Dev Patel no BAFTA. Resumindo, a categoria está uma baguncinha.

Na categoria de Filme Estrangeiro, mesmo com Elle fora da disputa e com o vencedor do Oscar do ano passado, O Filho de Saul, vencendo o BAFTA (tornou-se elegível apenas nesta edição devido à data de lançamento no Reino Unido), o alemão Toni Erdmann continua com as melhores chances no Oscar. Mas enfim, quando não tem filme de Holocausto, a Academia pode surpreender e premiar algum inesperado como Um Homem Chamado Ove, que também concorre em Melhor Maquiagem.

bafta-son-of-saul

O filme húngaro O Filho de Saul bate o favorito deste ano Toni Erdmann (pic by Hungary Today)

VENCEDORES DO 70º BAFTA AWARDS:

FILME
La La Land: Cantando Estações
Produtores: Fred Berger, Jordan Horowitz, Marc Platt

DIRETOR
Damien Chazelle (La La Land)

ATOR
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)

ATRIZ
Emma Stone (La La Land)

ATOR COADJUVANTE
Dev Patel(Lion)

ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Um Limite Entre Nós)

ROTEIRO ORIGINAL
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)

ROTEIRO ADAPTADO
Luke Davies (Lion)

FOTOGRAFIA
Linus Sandgren (La La Land)

MONTAGEM
John Gilbert (Até o Último Homem)

DIREÇÃO DE ARTE
Stuart Craig, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)

FIGURINO
Madeline Fontaine (Jackie)

MAQUIAGEM E CABELO
J. Roy Helland, Daniel Phillips (Florence: Quem é Essa Mulher?)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Justin Hurwitz (La La Land)

SOM
Sylvain Bellemare, Claude La Haye, Bernard Gariépy Strobl (A Chegada)

EFEITOS VISUAIS
Mogli: O Menino Lobo

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
O Filho de Saul, de Lászlò Nemes

DOCUMENTÁRIO
A 13ª Emenda, de Ava DuVernay

LONGA DE ANIMAÇÃO
Kubo e as Cordas Mágicas

FILME BRITÂNICO
Eu, Daniel Blake, de Ken Loach

DIRETOR, ROTEIRISTA OU PRODUTOR BRITÂNICO ESTREANTE
Babak Anvari (Roteirista/Diretor), Emily Leo, Oliver Roskill, Lucan Toh (Produtores) de Sob a Sombra

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
A Love Story

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
Home

CONTRIBUIÇÃO BRITÂNICA PARA CINEMA (PREVIAMENTE ANUNCIADO)
Curzon

EE RISING STAR AWARD (VOTADO PELO PÚBLICO)
Tom Holland

BAFTA FELLOWSHIP (PREVIAMENTE ANUNCIADO)
Mel Brooks

bafta-tom-holland

O ator Tom Holland vence o EE Rising Star para talentos em ascensão (pic by Yahoo Movies UK)

***

A cerimônia da 89ª edição do Oscar acontece no dia 26 de fevereiro.

Anúncios

Com 11 indicações, ‘LA LA LAND’ também lidera o BAFTA 2017

Cena do filme britânico Eu, Daniel Blake, com Hayley Squire ao centro. Ela foi indicada como Atriz Coadjuvante (pic by moviepilot.de)

Cena do filme britânico Eu, Daniel Blake, com Hayley Squires ao centro. Ela foi indicada como Atriz Coadjuvante (pic by moviepilot.de)

APÓS VITÓRIA RECORDISTA NO GLOBO DE OURO, MUSICAL PODE ALCANÇAR NOVOS FEITOS EM PRÊMIO DA ACADEMIA BRITÂNICA

Nos últimos anos, o prêmio da Academia Britânica, BAFTA, deixou ser aquele mérito fechado no Reino Unido pra se tornar um ótimo parâmetro para o Oscar. Claro que existem as disparidades (nos últimos dois anos, elegeram O Regresso e Boyhood), mas certamente o Oscar está de olho nos indicados da terra da Rainha, tanto que quem estiver fora do BAFTA, tem suas chances consideravelmente reduzidas.

Sim, infelizmente, sob essa lógica, a grande Isabelle Huppert teve suas chances de vitória no Oscar de Atriz bem reduzidas com sua ausência aqui. Tudo graças ao atraso no lançamento de Elle no Reino Unido, agendado para março, o que o desqualificou para esta temporada. Claro que ela tem totais chances de indicação ao Oscar (que seria sua primeira), mas ganhar será mais difícil… Na sua ausência forçada, preencheram sua vaga com Emily Blunt por A Garota no Trem, fato que já tinha acontecido no SAG Awards.

Sophie Turner e Dominic Cooper anunciam as indicações em nove categorias (canal BAFTA no YouTube)

Bom, quanto aos números dessas indicações, temos La La Land liderando com 11 indicações, seguido por A Chegada e Animais Noturnos com nove indicações cada. Esse reconhecimento impulsiona bastante as campanhas desses dois filmes rumo ao Oscar, podendo acarretar nas inclusões de Denis Villeneuve e Tom Ford na categoria de Diretor. Ambos andavam meio esquecidos das premiações, mas mereciam mais reconhecimento por trabalhos tão diferentes da maioria.

O diretor Denis Villeneuve passa instruções para Amy Adams em set de A Chegada (pic by moviepilot.de)

O diretor Denis Villeneuve passa instruções para Amy Adams em set de A Chegada (pic by moviepilot.de)

Se por um lado, alguns ganham, outros perdem com o BAFTA. O drama independente Moonlight: Sob a Luz do Luar contou com apenas quatro indicações: Filme, Roteiro Original, Atriz Coadjuvante (Naomie Harris) e Ator Coadjuvante (Mahershala Ali). Seu diretor Barry Jenkins, que era outrora uma unanimidade na categoria, foi lembrado aqui apenas pelo roteiro. Havia uma forte expectativa de que ele seria o primeiro diretor negro a vencer o Oscar, mas com essa ausência e sua recém derrota no Globo de Ouro para Damien Chazelle, passo a ter minhas dúvidas.

Pra piorar sua situação, Moonlight, considerado um dos favoritos da temporada, perdeu em número de indicações até mesmo para Animais Fantásticos e Onde Habitam, Até o Último Homem, Lion: Uma Jornada Para Casa e Eu, Daniel Blake, todos receberam cinco indicações.

Aliás, o filme britânico Eu, Daniel Blake foi a maior surpresa desta edição. Vencedor da Palma de Ouro no último Festival de Cannes, o novo filme de Ken Loach foi bem valorizado ao ser reconhecido nas categorias de Filme, Filme Britânico, Diretor, Roteiro Original e Atriz Coadjuvante (Hayley Squires). Acho difícil a Academia indicar Loach como Diretor num ano tão concorrido, mas poderiam incluir o filme na categoria de Roteiro Original.

O diretor Ken Loach, 80 anos, vencedor de duas Palmas de Ouro, recebeu sua segunda indicação de Diretor no BAFTA (pic by moviepilot.de)

O diretor Ken Loach, 80 anos, vencedor de duas Palmas de Ouro, recebeu sua segunda indicação de Diretor no BAFTA (pic by moviepilot.de)

Deadpool, que vinha numa ascendente nas últimas semanas, acabou de fora do BAFTA. Nada. Nem uma indicaçãozinha de Melhor Maquiagem. Outros que ficaram de mãos abanando foram Sully: O Herói do Rio Hudson e Silêncio, o que praticamente enterra do filme de Scorsese para o Oscar. Claro que é complicado julgar sem ter visto o filme, mas é uma pena porque se trata de um projeto pessoal de longa data do diretor americano. Será que ele errou tão feio assim?

Quando falavam da corrida de Melhor Ator, dois nomes eram considerados certeza: Casey Affleck e Denzel Washington. Bom, agora Denzel perdeu a cadeira. A Academia Britânica preferiu indicar Jake Gyllenhaal por Animais Noturnos. Curiosamente, (isso nem eu me dei conta!) Denzel Washington nunca foi indicado para o BAFTA, mesmo com seis indicações e duas vitórias no Oscar. Particularmente, também não considero Washington um dos melhores atores, mas não posso falar antes de checar sua performance em Cercas, filme que ele também foi diretor. Já Gyllenhaal, apesar de ser um ator em ascensão, não acho um de seus melhores trabalhos, mas entendo sua inclusão. Ele faz dois personagens na adaptação de Tom Ford e isso deve ter lhe dado crédito para a indicação.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos: conquista sua terceira indicação ao BAFTA (photo by cine.gr)

***

EE RISING STAR AWARD

E nesta edição, o prêmio de revelação selecionou os atores: Anya Taylor-Joy (A Bruxa), Laia Costa (Victoria), Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar), Ruth Negga (Loving) e Tom Holland (Capitão América: Guerra Civil e Homem-Aranha: De Volta ao Lar). O voto é popular nas terras britânicas, e qualquer um que ganhar, acredito que será bem merecido. Mas se eu pudesse votar, elegeria Lucas Hedges. Apesar de não ter visto Manchester à Beira-Mar ainda, li boas críticas sobre a atuação dele, e lembrando que a última vez que o diretor Kenneth Lonergan revelou um ator, este foi Mark Ruffalo pelo ótimo Conte Comigo (2000).logo_master-bafta

INDICADOS AO BAFTA

MELHOR FILME
* A Chegada (Arrival) – Produtores: Dan Levine, Shawn Levy, David Linde, Aaron Ryder
* Eu, Daniel Blake (I, Daniel Blake) – Produtora: Rebecca O’Brien
* La La Land: Cantando Estações (La La Land) – Produtores: Fred Berger, Jordan Horowitz, Marc Platt
* Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea) – Produtores: Lauren Beck, Matt Damon, Chris Moore, Kimberly Steward, Kevin J. Walsh
* Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight) – Produtores: Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Adele Romanski

DIRETOR
* Denis Villeneuve (A Chegada)
* Ken Loach (Eu, Daniel Blake)
* Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
* Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
* Tom Ford (Animais Noturnos)

ROTEIRO ORIGINAL
* Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)
* Paul Laverty (Eu, Daniel Blake)
* Damien Chazelle (La La Land)
* Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
* Barry Jenkins (Moonlight)

ROTEIRO ADAPTADO
* Eric Heisserer (A Chegada)
* Robert Schenkkan, Andrew Knight (Até o Último Homem)
* Theodore Melfi, Allison Schroeder (Estrelas Além do Tempo)
* Luke Davies (Lion: Uma Jornada Para Casa)
* Tom Ford (Animais Noturnos)

ATOR
Andrew Garfield (Até o Último Homem)
Casey Affleck  (Manchester à Beira-Mar)
Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
Ryan Gosling (La La Land: Cantando Estações)
Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)

ATRIZ
Amy Adams (A Chegada)
Emily Blunt (A Garota no Trem)
Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Natalie Portman (Jackie)

ATOR COADJUVANTE
Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)
Dev Patel (Lion: Uma Jornada Para Casa)
Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
Mahershala Ali (Moonlight: Sob a Luz do Luar)

ATRIZ COADJUVANTE
Hayley Squires (Eu, Daniel Blake)
Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)
Naomie Harris (Moonlight: Sob a Luz do Luar)
Nicole Kidman (Lion: Uma Jornada Para Casa)
Viola Davis (Cercas)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Dheepan: O Refúgio – Jacques Audiard, Pascal Caucheteux
* Julieta – Pedro Almodóvar
* Cinco Graças – Deniz Gamze Ergüven, Charles Gillibert
* O Filho de Saul – László Nemes, Gábor Sipos
* Toni Erdmann – Maren Ade, Janine Jackowski

DOCUMENTÁRIO
* A 13ª Emenda – Ava Duvernay
* The Beatles: Eight Days A Week – The Touring Years – Ron Howard
* The Eagle Huntress – Otto Bell, Stacey Reiss
* Notes on Blindness – Peter Middleton, James Spinney
* Weiner – Josh Kriegman, Elyse Steinberg

LONGA DE ANIMAÇÃO
* Procurando Dory – Dir: Andrew Stanton
* Kubo e as Cordas Mágicas – Dir: Travis Knight
* Moana: Um Mar de Aventuras – Dir: Ron Clements, John Musker
* Zootopia – Dir: Byron Howard, Rich Moore

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
* Mica Levi  (Jackie)
* Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
* Dustin O’halloran, Hauschka (Lion: Uma Jornada Para Casa)
* Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)

FOTOGRAFIA
* Bradford Young (A Chegada)
* Giles Nuttgens (A Qualquer Custo)
* Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
* Greig Fraser (Lion: Uma Jornada Para Casa)
* Seamus Mcgarvey (Animais Noturnos)

MONTAGEM
* Joe Walker (A Chegada)
* John Gilbert (Até o Último Homem)
* Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
* Jennifer Lame (Manchester à Beira-Mar)
* Joan Sobel (Animais Noturnos)

DIREÇÃO DE ARTE
* John Bush, Charles Wood (Doutor Estranho)
* Stuart Craig, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Jess Gonchor, Nancy Haigh (Ave, César!)
* Sandy Reynolds-Wasco, David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
* Shane Valentino, Meg Everist (Animais Noturnos)

FIGURINO
* Joanna Johnston (Aliados)
* Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
* Madeline Fontaine (Jackie)
* Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)

MAQUIAGEM E CABELO
* Jeremy Woodhead (Doutor Estranho)
* J. Roy Helland, Daniel Phillips (Florence: Quem é Essa Mulher?)
* Shane Thomas (Até o Último Homem)
* Donald Mowat, Yolanda Toussieng (Animais Noturnos)
* Rogue One: Uma História Star Wars

SOM
* Claude La Haye, Bernard Gariépy Strobl, Sylvain Bellemare (A Chegada)
* Mike Prestwood Smith, Dror Mohar, Wylie Stateman, David Wyman (Horizonte Profundo: Desastre no Golfo)
* Niv Adiri, Glenn Freemantle, Simon Hayes, Andy Nelson, Ian Tapp (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Peter Grace, Robert Mackenzie, Kevin O’Connell, Andy Wright (Até o Último Homem)
* Mildred Iatrou Morgan, Ai-Ling Lee, Steve A. Morrow, Andy Nelson (La La Land: Cantando Estações)

EFEITOS VISUAIS
* Louis Morin (A Chegada)
* Richard Bluff, Stephane Ceretti, Paul Corbould, Jonathan Fawkner (Doutor Estranho)
* Tim Burke, Pablo Grillo, Christian Manz, David Watkins (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Robert Legato, Dan Lemmon, Andrew R. Jones, Adam Valdez (Mogli: O Menino Lobo)
* Neil Corbould, Hal Hickel, Mohen Leo, John Knoll, Nigel Sumner (Rogue One: Uma História Star Wars)

FILME BRITÂNICO
* American Honey – Produtores: Andrea Arnold, Lars Knudsen, Pouya Shahbazian, Jay Van Hoy
* Negação (Denial) – Produtores: Mick Jackson, Gary Foster, Russ Krasnoff, David Hare
* Animais Fantásticos e Onde Habitam (Fantastic Beast and Where to Find Them) – Produtores: David Yates, J.K. Rowling, David Heyman, Steve Kloves, Lionel Wigram (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Eu, Daniel Blake (I, Daniel Blake) – Produtores: Ken Loach, Rebecca O’Brien, Paul Laverty
* Notes on Blindness – Produtores: Peter Middleton, James Spinney, Mike Brett, Jo-Jo Ellison, Steve Jamison
* Sob a Sombra (Under the Shadow) – Produtores: Babak Anvari, Emily Leo, Oliver Roskill, Lucan Toh

ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
* The Girl With All the Gifts – Mike Carey (Roteirista), Camille Gatin (Produtor)
* The Hard Stop – George Amponsah (Roteirista/Diretor/Produtor), Dionne Walker (Roteirista/Produtor)
* Notes on Blindness – Peter Middleton (Roteirista/Diretor/Produtor), James Spinney (Roteirista/Diretor), Jo-Jo Ellison (Produtor)
* The Pass – John Donnelly (Roteirista), Ben A. Williams (Diretor)
* Sob a Sombra (Under the Shadow) – Babak Anvari (Roteirista/Diretor), Emily Leo, Oliver Roskill, Lucan Toh (Produtores)

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
* The Alan Dimension – Jac Clinch, Jonathan Harbottle, Millie Marsh
* A Love Story – Khaled Gad, Anushka Kishani Naanayakkara, Elena Ruscombe-King
* Tough – Jennifer Zheng

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
* Consumed – Richard John Seymour
* Home – Shpat Deda, Afolabi Kuti, Daniel Mulloy, Scott O’Donnell
* Mouth of Hell – Bart Gavigan, Samir Mehanovic, Ailie Smith, Michael Wilson
* The Party – Farah Abushwesha, Emmet Fleming, Andrea Harkin, Conor Macneill
* Standby – Charlotte Regan, Jack Hannon

EE RISING STAR AWARD (Voto do público)
Anya Taylor-Joy
Laia Costa
Lucas Hedges
Ruth Negga
Tom Holland

Indicados ao EE Rising Star Award. pic by metro.co.uk

Indicados ao EE Rising Star Award. pic by metro.co.uk

***

A cerimônia do BAFTA ocorre no dia 12 de fevereiro.

85 produções concorrem às 5 indicações do Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2017

laszlo-nemes

O vencedor do último Oscar de Filme em Língua Estrangeira, Lászlò Nemes, por seu drama O Filho de Saul (photo by washington.kormany.hu)

RECORDE NOS NÚMEROS EVIDENCIA CRESCIMENTO DE PRODUÇÕES INTERNACIONAIS EM BUSCA DE RECONHECIMENTO

Todos os países podem discordar das escolhas da Academia, mas é crescente o número de produções internacionais que se inscrevem na categoria de Filme em Língua Estrangeira. Este ano, temos o novo recorde de filmes: 85, superando o recorde anterior de 83 em 2014.

Particularmente, agrada-me essa elevação, pois proporciona a chance real de espectadores comuns conhecerem visões cinematográficas de outras nações menos famosas. Só pra exemplificar, nos últimos anos, a Academia indicou o filme da Mauritânia, Timbuktu, e da Camboja, A Imagem que Falta. Tudo bem que nenhum deles venceu, mas só o fato de estarem disputando o prêmio, já gera interesse por parte de cinéfilos do mundo todo, e cria uma referência daquele país. Este ano, o Iêmen inscreveu seu primeiro candidato: I Am Nojoom, Age 10 and Divorced, da diretora Khadija Al-Salami.

Claro que ainda tem países que nunca receberam uma indicação como a Coréia do Sul, e seu cinema intenso e violento (que costuma não ser popular entre os votantes mais idosos da Academia), mas acredito que seja mera questão de tempo com inserções de membros jovens e novos da Academia feitas pela presidente Cheryl Boone Isaacs no primeiro semestre.

E O BRASIL?

O filme selecionado pela comissão da Cultura este ano gerou uma grande polêmica de cunho político. Com o processo de impeachment questionado, a equipe do filme Aquarius, do diretor Kléber Mendonça Filho, fez um protesto em pleno tapete vermelho em Cannes, já que concorria à Palma de Ouro. Os cartazes de protesto levados diziam que “O Brasil está sob um golpe”.

aquarius-cannes

Equipe do filme ‘Aquarius’ no tapete vermelho de Cannes. No centro, a atriz Sônia Braga e à direita, o diretor Kléber Mendonça Filho (photo by elpais.com)

Cada um tem o direito de protestar sobre o que bem entender, claro, mas depois da saída da ex-presidente Dilma Roussef, o governo de Michel Temer não deve ter gostado nada e teria sabotado a campanha do filme como representante do Brasil no Oscar.

Particularmente, acredito que ninguém está certo. Se o filme recebeu verba do governo brasileiro para ser feito, o protesto é de certa forma incoerente, uma vez que estaria “cuspindo no prato que comeu”. Mas de qualquer forma, defendo a liberdade de expressão, e aliás, acredito que os artistas devem se expressar através de suas obras, e não cartazes mal feitos. Sou só eu que vejo a personagem de Sônia Braga como a Dilma Rousseff sendo expulsa? Já o governo Temer, se realmente criou esse imbróglio, errou ao confundir à obra com a opinião política de seus realizadores. O que vai concorrer ao Oscar? O filme ou a posição política do diretor? Se fosse assim, Clint Eastwood jamais teria ganhado um Oscar sequer, já que apóia veemente o extremista candidato republicano Donald Trump.

aquarius-20150818-006_original1

Sônia Braga em cena de Aquarius, de Kleber Mendonça Filho. (photo by abrilveja.com.br)

Enfim, o filme selecionado foi o drama Pequeno Segredo, de David Schurmann. O diretor deu uma entrevista defendendo a escolha de filme ao Oscar, pois teria os “ingredientes dramáticos que a Academia adora”. Realmente, o tema de adoção é internacional, mas obviamente, ele apenas tentou maquiar o escândalo de Aquarius preterido. Obviamente que o filme de Kléber Mendonça Filho teria mais chances de concorrer ao Oscar por sua projeção em Cannes, e ainda mais que conta com Sônia Braga, atriz de porte internacional, mas essa “briguinha” ridícula faz o cinema brasileiro perder essa boa oportunidade.

pequeno-segredo

Cena com Julia Lemmertz (à direita) em Pequeno Segredo (photo by AdoroCinema)

CANDIDATOS

Como vocês sabem, essa lista de 85 filmes será reduzida a uma pré-seleção de nove produções em dezembro, para então se consolidarem aos 5 indicados em janeiro, mais precisamente no dia 24, quando haverá o anúncio ao vivo das indicações.

Apesar do crescimento de produções de países menos conhecidos, os autores de outros países largam na frente como é o caso do espanhol Pedro Almodóvar. Ele já faturou o prêmio em 2000 pelo poderoso Tudo Sobre Minha Mãe e ainda levou o Oscar de Roteiro Original em 2003 por Fale com Ela. Nesse quesito, o bósnio Danis Tanovic também leva vantagem por já ter vencido em 2002 com Terra de Ninguém, e o iraniano Asghar Farhadi, que levou o Oscar em 2012 com A Separação. Vale lembrar também que a Polônia apresentou o último filme de Andrzej Wajda, Afterimage, como representante. O filme retrata a luta de um artista polonês contra o Stalinismo e seus ideais. Wajda, que faleceu nesta última semana, recebeu o Oscar Honorário em 2000. Pode ser a última chance da Academia conceder um Oscar póstumo pra um dos maiores diretores europeus.

Cena do filme polonês Afterimage, de Andrzej Wajda (photo by cine.gr)

Cena do filme polonês Afterimage, de Andrzej Wajda (photo by cine.gr)

Outro termômetro para quem larga na frente são os festivais. Muitos países preferem lançar representantes que já participaram em grandes festivais internacionais como Cannes e até conquistaram prêmios para ter mais chances com a Academia. Exemplos dessa estratégia são o alemão Toni Erdmann (indicado à Palma de Ouro), o argentino The Distinguished Citizen (prêmio de Ator em Veneza), o canadense It’s Only the End of the World (Grande Prêmio do Júri em Cannes), o filipino Ma’Rosa (Prêmio de Atriz em Cannes), o documentário italiano Fire at Sea (Urso de Ouro em Berlim) e o venezuelano De Longe te Observo (o primeiro filme latino a vencer o Leão de Ouro em Veneza).

Cena estranha de Toni Erdmann, representante alemão no Oscar. (photo by critic.de)

Cena estranha de Toni Erdmann, representante alemão no Oscar. (photo by critic.de)

E minha torcida vai para o representante francês, Elle, por se tratar de um dos meus diretores favoritos Paul Verhoeven (diretor de RoboCop e Instinto Selvagem). E também pelo tema polêmico, já que a protagonista vivida pela Isabelle Huppert tem fantasias com seu estuprador. Admiro a ousadia francesa em lançar este filme para votantes conservadores da Academia analisarem. Adoraria ver filmes mais ousados na lista de indicações, pois estou farto de filmes de Segunda Guerra Mundial e o Holocausto.

elle

Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by TelaTela)

Segue a lista dos 85 candidatos oficiais ao Oscar 2017 de Melhor Filme em Língua Estrangeira:

ALBÂNIA
Chromium
Dir: Bujar Alimani

ALEMANHA
Toni Erdmann
Dir: Maren Ade

ARÁBIA SAUDITA
Barakah Meets Barakah
Dir: Mahmoud Sabbagh

ARGÉLIA
The Well
Dir: Lotfi Bouchouchi

ARGENTINA
The Distinguished Citizen
Dir: Mariano Cohn, Gastón Duprat

AUSTRÁLIA
Tanna
Dir: Bentley Dean, Martin Butler

ÁUSTRIA
Stefan Zweig: Farewell to Europe
Dir: Maria Schrader

BANGLADESH
The Unnamed
Dir: Tauquir Ahmed

BÉLGICA
The Ardennes
Dir: Robin Pront

BOLÍVIA
Sealed Cargo
Dir: Julia Vargas Weise

BÓSNIA HERZEGOVINA
Death in Sarajevo
Dir: Danis Tanovic

BRASIL
Pequeno Segredo
Dir: David Schurmann

BULGÁRIA
Losers
Dir: Ivaylo Hristov

CAMBOJA
Before the Fall
Dir: Ian White

CANADÁ
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

Cena do filme canadense It's Only the End of the World. O jovem cineasta Xavier Dolan não parece ser unanimidade entre os votantes da Academia, mas a presença de atrizes como Marion Cotillard e Léa Seydoux podem ajudar na campanha. (photo by critic.de)

Cena do filme canadense It’s Only the End of the World. O jovem cineasta Xavier Dolan não parece ser unanimidade entre os votantes da Academia, mas a presença de atrizes como Marion Cotillard e Léa Seydoux podem ajudar na campanha. (photo by critic.de)

CAZAQUISTÃO
Amanat
Dir: Satybaldy Narymbetov

CHILE
Neruda
Dir: Pablo Larraín

Cena do filme biográfico Neruda, sobre poeta chileno. A vantagem aqui é o diretor Pablo Larraín, que além de já ter sido indicado ao Oscar por No, tem o filme Jackie com Natalie Portman nas categorias principais (photo by cine.gr)

Cena do filme biográfico Neruda, sobre poeta chileno. A vantagem aqui é o diretor Pablo Larraín, que além de já ter sido indicado ao Oscar por No, tem o filme Jackie com Natalie Portman nas categorias principais (photo by cine.gr)

CHINA
Xuan Zang
Dir: Huo Jianqi

COLÔMBIA
Alias Maria
Dir: José Luis Rugeles

CORÉIA DO SUL
The Age of Shadows
Dir: Kim Jee-woon

COSTA RICA
About Us
Dir: Hernán Jiménez

CROÁCIA
On the Other Side
Dir: Zrinko Ogresta

CUBA
The Companion
Dir: Pavel Giroud

DINAMARCA
Land of Mine
Dir: Martin Zandvliet

EGITO
Clash
Dir: Mohamed Diab

EQUADOR
Such Is Life in the Tropics
Dir: Sebastián Cordero

ESLOVÁQUIA
Eva Nová
Dir: Marko Skop

ESLOVÊNIA
Houston, We Have a Problem!
Dir: Žiga Virc

ESPANHA
Julieta
Dir: Pedro Almodóvar

ESTÔNIA
Mother
Dir: Kadri Kõusaar

FILIPINAS
Ma’ Rosa

Dir: Brillante Ma Mendoza

FINLÂNDIA
The Happiest Day in the Life of Olli Mäki
Dir: Juho Kuosmanen

FRANÇA
Elle
Dir: Paul Verhoeven

GEORGIA
House of Others
Dir: Rusudan Glurjidze

GRÉCIA
Chevalier
Dir: Athina Rachel Tsangari

HOLANDA
Tonio
Dir: Paula van der Oest

HONG KONG
Port of Call
Dir: Philip Yung

HUNGRIA
Kills on Wheels
Dir: Attila Till

IÊMEN
I Am Nojoom, Age 10 and Divorced
Dir: Khadija Al-Salami

ISLÂNDIA
Sparrows
Dir: Rúnar Rúnarsson

ÍNDIA
Interrogation
Dir: Vetri Maaran

INDONÉSIA
Letters from Prague
Dir: Angga Dwimas Sasongko

IRÃ
The Salesman
Dir: Asghar Farhadi

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

IRAQUE
El Clásico
Dir: Halkawt Mustafa

ISRAEL
Sand Storm
Dir: Elite Zexer

ITÁLIA
Fire at Sea
Dir: Gianfranco Rosi

JAPÃO
Nagasaki: Memories of My Son
Dir: Yoji Yamada

JORDÂNIA
3000 Nights
Dir: Mai Masri

KOSOVO
Home Sweet Home
Dir: Faton Bajraktari

LETÔNIA
Dawn
Dir: Laila Pakalnina

LÍBANO
Very Big Shot
Dir: Mir-Jean Bou Chaaya

LITUÂNIA
Seneca’s Day
Dir: Kristijonas Vildziunas

LUXEMBURGO
Voices from Chernobyl
Dir: Pol Cruchten

MACEDÔNIA
The Liberation of Skopje
Dir: Rade Šerbedžija, Danilo Šerbedžija

MALÁSIA
Beautiful Pain
Dir: Tunku Mona Riza

MARROCOS
A Mile in My Shoes
Dir: Said Khallaf

MÉXICO
Desierto
Dir: Jonás Cuarón

Jeffrey Dean Morgan faz um cidadão americano que protege a fronteira americana contra os mexicanos por seus próprios termos. Além do tema polêmico, tem Jonás Cuarón, irmão de Alfonso, vencedor do Oscar por Gravidade. (photo by cine.gr)

Jeffrey Dean Morgan faz um cidadão americano que protege a fronteira americana contra os mexicanos por seus próprios termos. Além do tema polêmico, tem Jonás Cuarón, irmão de Alfonso, vencedor do Oscar por Gravidade. (photo by cine.gr)

MONTENEGRO
The Black Pin
Dir: Ivan Marinović

NEPAL
The Black Hen
Dir: Min Bahadur Bham

NORUEGA
The King’s Choice
Dir: Erik Poppe

NOVA ZELÂNDIA
A Flickering Truth
Dir: Pietra Brettkelly

PALESTINA
The Idol
Dir: Hany Abu-Assad

PANAMÁ
Salsipuedes
Dir: Ricardo Aguilar Navarro, Manolito Rodríguez

PAQUISTÃO
Mah-e-Mir
Dir: Anjum Shahzad

PERU
Videophilia (and Other Viral Syndromes)
Dir: Juan Daniel F. Molero

POLÔNIA
Afterimage
Dir: Andrzej Wajda

PORTUGAL
Letters from War
Dir: Ivo M. Ferreira

QUIRGUISTÃO
A Father’s Will
Dir: Bakyt Mukul, Dastan Zhapar Uulu

REINO UNIDO
Under the Shadow

Dir: Babak Anvari

REPÚBLICA DOMINICANA
Sugar Fields

Dir: Fernando Báez

REPÚBLICA TCHECA
Lost in Munich
Dir: Petr Zelenka

ROMÊNIA
Sieranevada
Dir: Cristi Puiu

RÚSSIA
Paradise
Dir: Andrei Konchalovsky

SÉRVIA
Diário de um Maquinista (Train Driver’s Diary)
Dir: Milos Radovic

SINGAPURA
Apprentice
Dir: Boo Junfeng

SUÉCIA
A Man Called Ove
Dir: Hannes Holm

SUÍÇA
My Life as a Zucchini
Dir: Claude Barras

TAILÂNDIA
Karma
Dir: Kanittha Kwunyoo

TAIWAN
Hang in There, Kids!
Dir: Laha Mebow

TURQUIA
Cold of Kalandar
Dir: Mustafa Kara

UCRÂNIA
Ukrainian Sheriffs
Dir: Roman Bondarchuk

URUGUAI
Breadcrumbs
Dir: Manane Rodríguez

VENEZUELA
De Longe te Observo (Desde Allah)
Dir: Lorenzo Vigas

Cena do filme venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas. Trata-se de um bom drama, mas a temática homossexual pode enfraquecer sua campanha (photo by cine.gr)

Cena do filme venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas. Trata-se de um bom drama, mas a temática homossexual pode enfraquecer sua campanha (photo by cine.gr)

VIETNÃ
Yellow Flowers on the Green Grass
Dir: Victor Vu

A 89ª cerimônia do Oscar será no dia 26 de fevereiro.

Ken Loach conquista sua segunda Palma de Ouro com ‘I, Daniel Blake’ em Cannes 2016

Ken Loach se mostra triunfante com sua segunda Palma de Ouro por I, Daniel Blake (photo by publico.pt)

Ken Loach se mostra triunfante com sua segunda Palma de Ouro por I, Daniel Blake (photo by publico.pt)

DIRETOR BRITÂNICO VENCEU EM 2006 COM ‘VENTOS DA LIBERDADE’

Num ano repleto de diretores renomados na competição oficial, deu Ken Loach mais uma vez! Agora ele se junta a um seleto grupo de cineastas que tem duas Palmas de Ouro no currículo: Michael Haneke, Francis Ford Coppola, Emir Kusturica, Bille August, Shohei Imamura, Alf Sjoberg e os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne.

Seu mais novo filme retrata um entrave sócio-trabalhista de um carpinteiro de meia-idade que não pode mais trabalhar depois de um acidente, mas luta para conseguir seus benefícios do governo. Pela sinopse, parece aqueles filmes de forte crítica social que permearam a década de 70 como os do italiano Elio Petri, mas vale lembrar que a própria filmografia de Loach possui pinceladas de cunho social. Segundo a crítica, I, Daniel Blake seria seu melhor trabalho, justamente por amadurecer essa vertente. Contudo, parece que o lado emocional falou mais alto na decisão do júri.

Mesmo sem justificar suas escolhas, o presidente do júri, George Miller, definiu a seleção com três qualidades: “inteligência, ferocidade e beleza”. No geral, a mídia estrangeira ficou desapontada com uma escolha conservadora vinda de um autor tão inovador como Miller. Entre os indicados, os críticos apontaram alguns favoritos como a ‘dramédia’ sobre pai e filha Toni Erdmann, da alemã Maren Ade; o suspense Elle, de Paul Verhoeven; e o romance coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook. Curiosamente, nenhum deles recebeu um prêmio de consolação sequer!

O Grande Prêmio do Júri (o segundo lugar da edição) acabou nas mãos do prodígio canadense Xavier Dolan por seu It’s Only the End of the World, um drama que destrincha uma família disfuncional. Por conquistar prêmios em Cannes desde 2009, mas sempre batendo na trave, havia altas expectativas de que este seria o ano de Dolan, mas seu novo trabalho não foi uma unanimidade no festival, chegando a ser vaiado numa das sessões.

O jovem canadense Xavier Dolan (27) ganha seu prêmio mais importante em Cannes, o Grande Prêmio do Júri, por Juste la fin du monde (photo by thestar.com)

O jovem canadense Xavier Dolan (27) ganha seu prêmio mais importante em Cannes, o Grande Prêmio do Júri, por Juste la fin du monde (photo by thestar.com)

Vencedor do mesmo prêmio no ano anterior por Filho de Saul, o diretor László Nemes saiu em defesa de Dolan: “Fiquei admirado ao ver o filme. Todos nós sentimos que era uma jornada tocante. Quando começou, você podia sentir as escolhas muito específicas do diretor.” Vale destacar que esta é a primeira vez que Xavier Dolan trabalha com atores de nome, no caso, Marion Cotillard, Léa Seydoux e Vincent Cassel.

Antes que um ser politicamente correto reclame, houve uma mulher premiada em Cannes (excetuando, obviamente, a categoria de Atriz)! E foi novamente a diretora britânica Andrea Arnold com seu American Honey, um road movie estrelado por um sempre polêmico Shia LaBeouf. Trata-se de sua terceira vitória com o Prêmio do Júri, vencido anteriormente por Marcas da Vida (Red Road) e Aquário (Fish Tank). Considero seu estilo bastante intenso, que me lembra a direção de atores de Mike Leigh.

E pra quem aguardava por premiações para atores conhecidos como Adam Driver (o Kylo Ren do novo Star Wars), Shia LaBeouf, Joel Edgerton, Marion Cotillard ou Kristen Stewart, ficou a expectativa, pois o júri reconheceu atores menos conhecidos: a filipina Jaclyn Jose de Ma’Rosa, de Brillante Mendoza; e o iraniano Shahab Hosseini de The Salesman, de Asghar Farhadi. Esta é a segunda performance sob direção de Farhadi a ganhar prêmio em Cannes; em 2014, a argentina Bérénice Bejo ganhou por O Passado. The Salesman foi o único a ganhar dois prêmios principais, já que venceu como Melhor Roteiro também.

Jaclyn Jose posa com seu prêmio de Performance Feminina por Ma'Rosa (photo by preen.inquirer.net)

Jaclyn Jose posa com seu prêmio de Performance Feminina por Ma’Rosa (photo by preen.inquirer.net)

O iraniano Shahab Hosseini ganha Performance Masculina por The Salesman (photo by themalaimailonline.com)

O iraniano Shahab Hosseini ganha Performance Masculina por The Salesman (photo by themalaimailonline.com)

Aliás, pelo burburinho, Joel Edgerton e Ruth Negga já deram o start inicial para a campanha para o Oscar 2017 por suas interpretações no drama Loving, de Jeff Nichols. Trata-de de uma história de amor interracial na Virginia de 1958, onde o casal foi preso por simplesmente se casar. Além do prestígio do diretor Nichols, a performance de Edgerton foi bastante elogiada em Cannes e, depois de todo aquele estardalhaço no Oscar por “falta de diversidade”, a Academia vai fazer um baita esforço para incluir negros, amarelos, índios, anões, albinos e imigrantes ilegais. O vilão Kylo Ren (Adam Driver) também conquistou pontos para o ano que vem por sua atuação em Paterson.

E na categoria de Diretor, houve o único empate da cerimônia, que ocorreu entre o romeno Cristian Mungiu, por The Graduation, e o francês Olivier Assayas, por Personal Shopper. Enquanto Mungiu recebeu seu terceiro prêmio (venceu a Palma de Ouro por 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, e Roteiro por Além das Montanhas), Assayas recebeu seu primeiro prêmio após 5 indicações à Palma de Ouro! Seu filme também foi vaiado, mas ele é muito querido na crítica.

Romanian director Cristian Mungiu (R) and French director Olivier Assayas talk on stage wafter being awarded with the Best Director prize, respectively for the film "Graduation (Bacalaureat)" and "Personal Shopper" during the closing ceremony of the 69th Cannes Film Festival in Cannes, southern France, on May 22, 2016. / AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

Vencedores de Melhor Diretor em Cannes: à esquerda, Olivier Assayas (Personal Shopper) discursa ao lado de Cristian Mungiu  (Graduation). Photo by ALBERTO PIZZOLI

E o Brasil continuará mais um ano com apenas a Palma de Ouro de Anselmo Duarte por O Pagador de Promessas (1962). Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, saiu de mãos abanando do festival. A passagem do filme brasileiro ficou marcada pelos protestos dos atores e da equipe no tapete vermelho contra o Impeachment da “presidenta” Dilma Roussef. Dentre os vários cartazes com dizeres em inglês e francês, havia um que dizia que “54 milhões de votos (que reelegeram a Dilma) foram queimados” e que “a democracia havia dado lugar a um golpe”. Não gosto muito de ficar falando de política com tantos intolerantes à solta na internet, mas só queria dizer que somente numa democracia, esses mesmos 54 milhões de eleitores também têm o direito de mudar de posição após um péssimo governo petista. Eu mesmo conheço alguns que se arrependeram de seus votos, e pra isso também serve o Impeachment, afinal, de que outra forma a sociedade poderia destituir um presidente antes do fim de seu mandato? E vale lembrar que o vice-presidente Michel Temer veio no mesmo pacote do PT, então não adianta reclamar. Temos que torcer para que ele faça um bom governo e consiga aprovar medidas para salvar a nossa economia.

Equipe do filme Aquarius com cartazes contra o Impeachment (photo by cinema.uol.com.br)

Equipe do filme Aquarius com cartazes contra o Impeachment (photo by cinema.uol.com.br)

Vale destacar que o cinema brasileiro foi agraciado com uma menção honrosa na categoria de curta-metragem para A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria, e com o Olho de Ouro para o documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha.

Seguem os vencedores desta 69ª edição do Festival de Cannes:

PALMA DE OURO
I, Daniel Blake
Dir: Ken Loach

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

PRÊMIO DO JÚRI
Andrea Arnold (American Honey)

DIRETOR
Olivier Assayas (Personal Shopper) & Cristian Mungiu (Graduation)

ATOR
Shahab Hosseini (The Salesman)

ATRIZ
Jaclyn Jose (Ma ‘Rosa)

ROTEIRO
Asghar Farhadi (The Salesman)

OUTROS PRÊMIOS

PALMA HONORÁRIA
Jean-Pierre Léaud

CAMERA D’Or
Divines
Dir: Houda Benyamina

PALMA DE OURO DE CURTA
Timecode
Dir: Juanjo Jimenez

MENÇÃO ESPECIAL CURTA
The Girl Who Danced With the Devil
Dir: João Paulo Miranda Maria

Ecumenical Jury Prize
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

PRÊMIO OLHO DE OURO
Cinema Novo
Dir: Eryk Rocha

UN CERTAIN REGARD

PRÊMIO UN CERTAIN REGARD
The Happiest Day in the Life of Olli Mäki
Dir: Juho Kuosmanen

PRÊMIO DO JÚRI
Harmonium
Dir: Koji Fukada

DIRETOR
Matt Ross (Captain Fantastic)

ROTEIRO
Delphine e Muriel Coulin (The Stopover)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Michael Dudok de Wit (The Red Turtle)

DIRECTORS’ FORTNIGHT

PRÊMIO ART CINEMA
Wolf and Sheep
Dir: Shahrbanoo Sadat

PRÊMIO Society of Dramatic Authors and Composers
The Together Project
Dir: Solveig Anspach

Europa Cinemas Label
Mercernary
Dir: Sacha Wolff

CRITICS’ WEEK

GRANDE PRÊMIO
Mimosas
Dir: Oliver Saxe

PRÊMIO VISIONÁRIO
Album
Dir: Mehmet Can Mertoğlu

PRÊMIO Society of Dramatic Authors and Composers
Diamond Island
Dir: Day Chou

FIPRESCI

COMPETIÇÃO
Toni Erdmann
Dir: Maren Ade

Un Certain Regard
Dogs
Dir: Bogdan Mirică

Critics’ Week
Raw
Dir: Julia Ducournau

‘Spotlight’ leva o Oscar de Melhor Filme e de Roteiro Original

oscar spotlight (2)

O produtor Michael Sugar discursa pela vitória de Spotlight – Segredos Revelados ao lado de equipe e elenco. (photo by g1.globo.com)

oscars-press-4-win_3585151k

Actors photo, da esquerda para direita: Mark Rylance, Brie Larson, Leonardo DiCaprio e Alicia Vikander (photo by telegraph.co.uk)

COMO HÁ MUITO NÃO SE VIA, ‘SPOTLIGHT’ FOI O GRANDE VENCEDOR COM APENAS DUAS ESTATUETAS DO OSCAR

Embora tenha sido um dos favoritos a ganhar Melhor Filme, a vitória de Spotlight – Segredos Revelados surpreendeu a todos porque até pouco antes do anúncio só tinha levado Roteiro Original. Literalmente, levou o primeiro e o último prêmio da noite! Trata-se da primeira  produção a vencer apenas com duas estatuetas depois de O Melhor Espetáculo da Terra, de Cecil B. DeMille, no longínquo ano de 1953.

Spotlight se consagrou por sua temática de denúncia de abusos sexuais cometidos por padres católicos, revelados pelo Boston Globe. É um filme sério, com um bom elenco, mas à parte de seu tema, convencional e com cara de telefilme. Acho que o prêmio de Roteiro Original já estava de bom tamanho para o filme de Tom McCarthy. Indo além, teria indicado Liev Schreiber como Ator Coadjuvante e premiado o ator, pra dar aquela “incrementada” nessa campanha! Será que foi uma boa escolha? Só o tempo dirá, mas está com cara daquelas futuras injustiças do tipo “Nossa, deveria ter perdido para Mad Max!”

E falando nele, o maior vencedor da noite foi Mad Max: Estrada da Fúria, com 6 estatuetas: Montagem, Direção de Arte, Figurino, Maquiagem, Som e Efeitos Sonoros. Foi engraçado porque o filme de George Miller estava ganhando tudo desde o início! Como muitos sabem, essa alegria dura pouco no Oscar. Eu previa que Mad Max teria o mesmo destino de A Invenção de Hugo Cabret, que no final, perdeu para O Artista, que no caso seria O Regresso. Mas foi Spotlight que roubou a cena! Se George Miller não foi coroado como Melhor Diretor, pelo menos, ele viu sua esposa, Margaret Sixel, levar o Oscar de Montagem.

Oscar Mad-Max-Oscars

Margaret Sixel leva o Oscar de Montagem para Mad Max: Estrada da Fúria, dirigido por seu marido George Miller. O filme levou seis estatuetas de categorias técnicas. (photo by Getty through businessinsider.com.au)

O Regresso tinha tudo para ser o grande vencedor da noite: havia ganhado Melhor Fotografia, Diretor (aliás, o segundo consecutivo de Alejandro G. Iñárritu, e o terceiro consecutivo para um mexicano!) e Ator. Talvez a experiência transcendental não tenha sido comprada pela maioria dos votantes, e querendo ou não, a falta de uma indicação a Roteiro fez falta.

De qualquer forma, é o filme que finalmente trouxe o Oscar para Leonardo DiCaprio. Sim, agora chega desses memes, viu povo da internet? No clipe que mostram antes do anúncio, colocaram um trecho em que DiCaprio fala a língua indígena como se quisessem dizer: “Tá vendo? Estamos dando o Oscar para ele porque ele também fala outro idioma, e não só porque foi mordido pela ursa!”. DiCaprio foi ovacionado pela platéia, denotando que se trata de um ator muito querido por seus colegas de trabalho. Kate Winslet foi uma das mais exaltadas com a vitória dele, já que são amigos de longa data, desde Titanic!

oscar IndiaTv864992_leonardo

Não, não é uma montagem! Leonardo DiCaprio finalmente ganha seu Oscar e põe fim a jejum e aos memes da internet. (photo by indiatvnews.com)

E quanto às surpresas da noite? Acho que a maior foi a vitória de Mark Rylance sobre Sylvester Stallone. Não que o primeiro não merecesse ganhar (que por sinal, rouba todas as cenas em que aparece em Ponte dos Espiões), mas depois de toda a torcida desde o Globo de Ouro, todos esperavam uma vitória bastante emotiva. Quando ele perdeu, na hora, pensei: “Depois dessa, nunca mais vai haver outra chance de premiar Stallone!”.

Esta foi a surpresa negativa, na minha opinião. Já a surpresa positiva foi a derrota de Lady Gaga na categoria de Melhor Canção Original. Não sei quem acompanhou, mas a cantora estava com um excesso de exposição na mídia que, sinceramente, cansei. No ano passado, ela já fez aquela homenagem desnecessária cantando as trocentas músicas de A Noviça Rebelde, aí este ano, ela ganha aquele Globo de Ouro duvidoso de American Horror Story: Hotel. Desde o início do ano, ela vinha fazendo uma campanha ferrenha pela canção “Til It Happens to You” e do documentário The Hunting Ground, que acabou gerando até uma controvérsia no Twitter, quando uma colaboradora revelou que Lady Gaga não teria contribuído de fato na composição da canção, entrando de gaiato ao lado de Diane Warren. Pena que Gaga perdeu para uma canção meia-boca de James Bond.

oscar lady gaga c47c761bdddacc0a910f6a706700e560_tx600

Lady Gaga canta sua canção “Til it Happens to You” na cerimônia do Oscar (photo by sandiegouniontribune.com)

Gostei da premiação de Ex-Machina: Instinto Artificial como Melhores Efeitos Visuais. Com tantas produções repletas de efeitos de computação megalomaníacos e em peso, é interessante ver que a Academia conseguiu enxergar o trabalho minucioso e conciso de efeitos digitais nesta modesta ficção científica. Acho que independente da época, os efeitos são bons quando bem utilizados e realmente necessários.

Para o hall dos meus likes, adorei ver o mestre Ennio Morricone premiado com um Oscar competitivo. Tudo bem que ele já havia sido honrado com o Oscar Honorário em 2007, mas convenhamos que ganhar numa categoria é infinitamente melhor! Quando seu nome foi anunciado, ele foi aplaudido de pé por todos os presentes, e entregou um discurso em italiano, passado para o inglês por um tradutor que o acompanhou. Foi bacana ver que Morricone ganhou seu Oscar graças a Quentin Tarantino, um fã obecado por western spaghettis, cujas trilhas foram compostas pelo mesmo Ennio Morricone.

oscar2016-vincitori-morricone2-1000x600

Mestre Ennio Morricone discursa em italiano, traduzido para o inglês pelo tradutor ao lado (photo by panorama.it)

A grande surpresa que estava aguardando não aconteceu. Saoirse Ronan batendo Brie Larson! Ela interpretou Eilis de forma tão cativante que gostaria muito que ela ganhasse. Mas Larson foi mais esperta e fez uma campanha impecável. Ela literalmente esteve lá, em tudo quanto é festival, cerimônias e entrevistas. Pela dedicação, ganhou status de queridinha do cinema americano. Só espero que ela aproveite esse Oscar e possa fazer escolhas sábias para futuros projetos, já que ela é uma vencedora do Oscar agora.

Oscar GettyImages-512946466.0

Brie Larson recebe seu Oscar das mãos de Eddie Redmayne por O Quarto de Jack (photo by theverge.com)

Embora tenha achado super estranho, não desaprovo a idéia de botar aqueles letreiros correndo na parte de baixo da tela para adiantar os agradecimentos dos vencedores na tentativa de reduzir os discursos longos e chatos. A idéia teve boas intenções, mas acho que não funcionou de fato, especialmente com Alejandro González Iñárritu, que queria uns 3 minutos de agradecimento. Fico imaginando a cena de todos os indicados tentando lembrar todas as pessoas que o indivíduo quer agradecer caso vença para um estagiário anotando tudo num iPad. Só em Hollywood mesmo!

Mas todo ano faço a mesma reclamação: se estão tentando reduzir tanto tempo asssim, por que insistem em manter essas piadinhas de apresentadores que parecem intermináveis? Só porque está escrito num teleprompter? A pior de todas foi a Sarah Silverman, que falou, falou e falou, e não conseguia arrancar nem sorrisos amarelos da platéia. Por favor, Academia, vamos rever essas introduções e escolher melhores apresentadores!

Quanto à cerimônia em si, apesar dos esforços, acho que Chris Rock pegou leve nas críticas. Na verdade, ele falou algumas verdades que precisavam ser ditas após a polêmica envolvendo atores negros não terem sido indicados. “Nos anos 50 e 60, também houve Oscars sem nenhum ator negro indicado, mas ninguém protestava. E você sabe por quê? Porque tínhamos coisas reais para se protestar na época. Estávamos ocupados demais sendo estuprados e linchados para nos importar com quem iria ganhar Melhor Fotografia! Quando sua avó está enforcada na árvore, é difícil se importar com curta-documentário estrangeiro”  – e isso reflete bastante o que vivemos hoje, com essa vigilância politicamente correta constante que enxerga tudo como uma ofensa. Ele cutucou também o boicote: “Jada Pinkett Smith boicotando o Oscar é como eu boicotar a calcinha da Rihanna. Eu não fui convidado!” – se eu estivesse lá, aplaudiria de pé esse comentário. Foi bom que Chris Rock foi o host da noite, pois por ser negro, permitiu falar abertamente sobre essa tal polêmica com propriedade. Imaginem um branco falando essas coisas… seria crucificado e queimado vivo!

APTOPIX 88th Academy Awards - Show

Chris Rock faz seu monólogo de abertura com piadas sobre as controvérsias do Oscar “racista”. (Photo by Chris Pizzello/Invision/AP)

Chris Rock e outros artistas negros fizeram uma boa paródia ao estilo de Billy Crystal, inserindo-se em cenas de filmes protagonizados por atores brancos. A melhor foi do próprio Rock, substituindo Matt Damon em cena de Perdido em Marte. Na central de comando da Nasa, os personagens de Jeff Daniels e Kristen Wiig discutem o resgate do astronauta em Marte: “Vamos gastar 25 milhões de dólares para trazer um astronauta negro de volta?”. Definitivamente, um jeito criativo de cutucar sem soar racista ou quadrado.

Ele fez uma encenação com as supostas filhas dele, vendendo biscoitos de escoteiras para as celebridades. Embora tenha ficado bom, Ellen DeGeneres fez algo semelhante há dois anos, mas de forma muito mais inusitada e despretensiosa, quando pediu pizza e foi coletar dinheiro para pagar a conta. “Onde está Harvey Weinstein? Sem pressão! Apenas um bilhão de pessoas assistindo”.

A homenagem In Memoriam aos falecidos ficou bonita, ainda mais com a interpretação de “Blackbird” (escolha bastante coerente) por Dave Grohl ao vivo. Grandes perdas relembradas ficaram mais emocionantes.

No final, acho que os resultados condisseram com o inesperado. Spotlight levando dois Oscars, Mark Rylance batendo Stallone, 007 Contra Spectre batendo o circo em volta de Lady Gaga e os efeitos simples de Ex-Machina batendo os peixes grandes como Star Wars e Mad Max. Uma premiação atípica para um ano atípico.

Seguem todos os vencedores do Oscar 2016:

MELHOR FILME
* Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR DIRETOR
* Alejandro González Iñárritu (O Regresso)

MELHOR ATOR
* Leornardo DiCaprio (O Regresso)

MELHOR ATRIZ
* Brie Larson (O Quarto de Jack)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

oscar_highlights_290216_11-840x571

Mark Rylance levou Ator Coadjuvante por Ponte dos Espiões, batendo Sylvester Stallone. (photo by themalaimailonline.com)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Josh Singer, Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* Charles Randolph, Adam McKay (A Grande Aposta)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Emmanuel Lubezki (O Regresso)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Colin Gibson, Katie Sharrock, Lisa Thompson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MONTAGEM
* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR FIGURINO
* Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Mad Max: Estrada da Fúria

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Writing’s on the Wall”, de Jimmy Napes e Sam Smith (007 Contra Spectre)

MELHOR SOM
* Mad Max

MELHORES EFEITOS SONOROS
* Mad Max: Estrada da Fúria

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* Ex-Machina: Instinto Artificial

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Filho de Saul, de László Nemes (HUNGRIA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Divertida Mente

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Amy

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* A Girl in the River: The Price of Forgiveness

MELHOR CURTA-METRAGEM
* Stutterer

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* Bear Story

E pra fechar com chave de ouro, a mais belamente vestida da noite: Saoirse Ronan.

88th Annual Academy Awards - Arrivals

Saoirse Ronan no tapete vermelho num belo vestido esmeralda da Calvin Klein Collection. (Photo by Jason Merritt/Getty Images through Just Jared)

88th Annual Academy Awards - Arrivals

Saoirse Ronan e sua fenda nas costas ousada. (Photo by Jason Merritt/Getty Images through Just Jared)

‘Spotlight’ é o grande vencedor do Independent Spirit Awards 2016

Spotlight Independent

Tom MacCarthy faz discurso de agradecimento de Melhor Filme no Independent Spirit Awards com seu elenco no fundo por Spotlight – Segredos Revelados. (photo by http://www.bostonglobe.com)

COM GRANDES ASPIRAÇÕES E SEIS INDICAÇÕES AO OSCAR, ‘SPOTLIGHT’ LEVA CINCO PRÊMIO DO INDEPENDENT SPIRIT

Habitualmente, a cerimônia do Independent Spirit Awards acontece um dia antes do Oscar, como se quisessem demonstrar o enorme contraste entre o pequeno e o mega-colossal evento. Até os anos 90, os vencedores do primeiro tinham quase 0% de chance de levar o segundo, mas a partir da década seguinte, os filmes menores passaram a ganhar espaço e credibilidade, conseguindo se firmar nos anos seguintes com a crise econômica que reduziu consideravelmente os orçamentos milionários dos grandes estúdios a partir desta década. Hoje, os filmes premiados no Independent valem ouro no Oscar.

Nesta 31ª edição, Spotlight foi o grande vencedor com 5 prêmios no total: Filme, Diretor (Tom McCarthy), Roteiro Original, Montagem e Elenco. O drama que narra a história verídica dos jornalistas do Boston Globe que revelaram os escândalos de abuso sexual de padres católicos concorre neste domingo a seis Oscars, mas terá o mesmo fôlego dos vencedores passados como Birdman, 12 Anos de Escravidão e O Artista, que levaram ambos os prêmios?

A campanha de Spotlight – Segredos Revelados se mostrou eficiente no início da temporada, quando conquistou prêmios importantes como o Critics’ Choice Awards, mas este ano, a competição está bem mais acirrada e os prêmios relevantes se dividiram entre este drama, A Grande Aposta e O Regresso. Todos têm chances reais, mas para Spotlight, não basta o Oscar de Roteiro Original para levar Melhor Filme.

Logo atrás, Beasts of No Nation da Netflix e O Quarto de Jack faturaram dois Independent Spirit cada. O primeiro levou Melhor Ator e Ator Coadjuvante para Abraham Attah e Idris Elba, respectivamente, e o segundo ficou com Melhor Atriz para Brie Larson (a que mais tem chances de levar o Oscar também) e Primeiro Roteiro para Emma Donoghue.

Idris Elba Beasts Independent

Idris Elba aceita seu prêmio de Ator Coadjuvante por Beasts of No Nation, ao lado de Abraham Attah, sem saber que logo depois, ele ganharia o prêmio de Ator (photo by 6abc.com)

Este ano, o Independent Spirit Awards fez história ao premiar pela primeira vez um transgênero: a atriz coadjuvante Mya Taylor pelo filme Tangerina. Trata-se de um pequeno filme filmado com um iPhone sobre duas transsexuais que buscam vingança sobre seu cafetão. Sua companheira de filme, a atriz Kitana Kiki Rodriguez estava indicada a Melhor Atriz também, mas perdeu. Acho um grande passo para a comunidade cinematográfica, que enxerga apenas o talento e não a pessoa, e por que não para a humanidade? Não sei em quando a Academia vai fazer o mesmo, mas espero que seja ainda neste século!

IF

Vencedora de Melhor Atriz Coadjuvante por Tangerina, Mya Taylor agradece no palco pelo prêmio. (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images through huffingtonpost.com)

Só fazendo um adendo: Vale lembrar que o primeiro transgênero indicado ao Oscar, o compositor Antony Hegarty (Anohni), decidiu não comparecer à cerimônia hoje como forma de protesto por sua canção “Manta Ray” não ser apresentada no palco como as dos famosos Sam Smith, The Weeknd e Lady Gaga, e com toda razão. Direitos iguais para todos!

E também queria acrescentar que adorei a premiação de Ed Lachman como Melhor Fotografia pelo filme Carol. É um trabalho visual primoroso que não poderia passar desapercebido da temporada de premiações.

VENCEDORES DO 31º INDEPENDENT SPIRIT AWARDS:

MELHOR FILME
Spotlight – Segredos Revelados
Produtores: Blye Pagon Faust, Steve Golin, Nicole Rocklin, Michael Sugar

MELHOR ATRIZ
Brie Larson (O Quarto de Jack)

MELHOR ATOR
Abraham Attah (Beasts Of No Nation)

MELHOR DIRETOR
Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Mya Taylor (Tangerina)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Idris Elba (Beasts Of No Nation)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
Filho de Saul (Hungria)
Diretor: László Nemes

MELHOR ROTEIRO
Tom McCarthy & Josh Singer (Spotlight – Segredos Revelados)

PRÊMIO JOHN CASSAVETES (Filme com orçamento abaixo de 500 mil dólares)
Krisha
Roteirista/Diretor/Produtor: Trey Edward Shults
Produtores: Justin R. Chan, Chase Joliet, Wilson Smith

MELHOR FOTOGRAFIA
Ed Lachman (Carol)

MELHOR MONTAGEM
Tom McArdle (Spotlight – Segredos Revelados)

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
O Diário de uma Adolescente (The Diary of a Teenage Girl)
Diretora: Marielle Heller
Produtores: Miranda Bailey, Anne Carey, Bert Hamelinck, Madeline Samit

PRÊMIO ROBERT ALTMAN (ELENCO)
Spotlight – Segredos Revelados
Diretor: Tom McCarthy
Casting: Kerry Barden e Paul Schnee
Elenco: Billy Crudup, Paul Guilfoyle, Neal Huff, Brian d’Arcy James, Michael Keaton, Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Liev Schreiber, Jamey Sheridan, John Slattery, Stanley Tucci

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O Peso do Silêncio (The Look Of Silence)
Director: Joshua Oppenheimer
Producer: Signe Byrge Sørensen

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE
Emma Donoghue (O Quarto de Jack)

PRÊMIO DE PRODUTORES PIAGET
Mel Eslyn

PRÊMIO Truer Than Fiction
Incorruptible
Diretor: Elizabeth Chai Vasarhelyi

PRÊMIO Someone to Watch Award
King Jack
Diretor: Felix Thompson

2016 Film Independent Spirit Awards - Show

Brie Larson adiciona mais um importante prêmio rumo ao Oscar por O Quarto de Jack. (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images through extratv.com)

‘O Regresso’ lidera com 12 indicações ao Oscar 2016

oscars-logo

BRASIL ESTÁ REPRESENTADO POR ALÊ ABREU E SEU LONGA DE ANIMAÇÃO: ‘O MENINO E O MUNDO’

OSCAR EM NÚMEROS

O recorde de indicações para O Regresso reflete o crescimento absurdo que o filme de Alejandro González Iñárritu teve nas últimas duas semanas com a presença nos prêmios de sindicato. Como o filme teve um lançamento tardio, muitos acreditavam que ele não ocuparia tanto espaço no Oscar. Agora com 12 indicações, até a campanha para o primeiro Oscar para Leonardo DiCaprio passa a caminhar sozinha rumo à vitória.

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by outnow.ch)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by outnow.ch)

Logo em seguida, com 10 indicações, o blockbuster aclamado pela crítica, Mad Max: Estrada da Fúria, felizmente conquistou mais do que apenas indicações técnicas. Além do diretor George Miller (esta é sua primeira indicação como Diretor), o filme está na seleta lista das oito melhores produções do ano. Essa mudança do número de indicados para Melhor Filme que acontece desde 2010 foi criada com esse propósito de abraçar produções mais ousadas como Mad Max, então uma vitória e tanto para a Academia!

Em terceiro lugar, vem a ficção científica Perdido em Marte com sete indicações. Apesar de estar entre os indicados a Melhor Filme, a ausência de Ridley Scott como Melhor Diretor enfraquece a campanha do filme. Por outro lado, Spotlight – Segredos Revelados (com 6 indicações) e A Grande Aposta (com 5) aumentaram consideravelmente suas chances com a inclusão de seus diretores na categoria.

Contudo, o que mais chama a atenção é a exclusão dos filmes Carol e Ponte dos Espiões. Ambos conquistaram 6 indicações cada, mas ficaram de fora da categoria de Melhor Filme. Soou incoerente demais. Se Todd Haynes e Steven Spielberg tivessem se classificado, seus respectivos filmes provavelmente acumulariam 8 indicações no total. No caso do drama de temática lésbica Carol, a justificativa de sua exclusão pode significar algum clima homofóbico de boa parte dos membros da Academia. Já pelo filme de espionagem, apesar de Spielberg ser uma das figuras da religião judaica mais fortes de Hollywood, talvez a mensagem contra o xenofobismo tenha sido a causa de seu naufrágio.


Os diretores Guillermo del Toro e Ang Lee, e o ator John Krasinski e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, anunciam os indicados ao Oscar 2016

SURPRESAS

Embora esteja desapontado pela eliminação do longa brasileiro Que Horas Ela Volta? na categoria de Filme em Língua Estrangeira, o país está muito bem representado pela animação O Menino e o Mundo, de Alê Abreu. Trata-se do primeiro longa brasileiro de animação a disputar na categoria (em 2004, Carlos Saldanha havia sido indicado para Melhor Curta de Animação por Aventura Perdida de Scrat), e agora terá forte concorrência com Divertida Mente, Anomalisa, Shaun: O Carneiro e o japonês Quando Estou com Marnie.

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Acredito que a maior surpresa foi a inclusão do diretor Lenny Abrahamson pelo drama independente O Quarto de Jack. Ele não vinha figurando em nenhum lista dos grandes prêmios, exceto pelo Independent Spirit Award. Indicados ao DGA, Adam McKay (A Grande Aposta) e Tom McCarthy (Spotlight), confirmaram suas candidaturas, e agora competem com os veteranos George Miller (Mad Max) e Alejandro González Iñárritu.

No centro, Lenny Abrahamson dirige o menino Jacob Tremblay e Brie Larsen no set de O Quarto de Jack (photo by montrealgazette.com)

No centro, Lenny Abrahamson dirige o menino Jacob Tremblay e Brie Larsen no set de O Quarto de Jack (photo by montrealgazette.com)

Charlotte Rampling foi uma das ótimas surpresas! Inicialmente, não imaginava que ela seria selecionada por 45 Anos, mas como Alicia Vikander foi deslocada para a categoria de Atriz Coadjuvante por A Garota Dinamarquesa, a atriz britânica veterana foi incluída. Esta é sua primeira indicação ao Oscar! Sua presença na categoria certamente vai valorizar ainda mais as performances das demais indicadas. Ponto pra Academia. Dá pra incluir nos acertos é indicação para Sylvester Stallone para Ator Coadjuvante por Creed: Nascido Para Lutar. Quando seu nome foi anunciado, a platéia se derreteu em aplausos. Stallone se torna um dos raros casos de um ator ser indicado pelo mesmo personagem duas vezes.

Premiados em Berlim: Tom Courtenay e Charlotte Rampling em 45 Years (photo by outnow.ch)

Tom Courtenay e Charlotte Rampling em 45 Anos (photo by outnow.ch)

Apesar de ter sido lançado bem no final do ano, o filme de maior bilheteria de todos os tempos, Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força, conseguiu acumular 5 indicações: Trilha Musical para John Williams (que aliás bateu seu próprio recorde com esta 50ª indicação ao Oscar!), Montagem, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais. Alguns fãs da série já reclamam nas redes sociais pelo filme não ter sido indicado a Melhor Filme, e pra eles eu digo: bilheteria nem sempre significa qualidade.

Em primeiro plano, o compositor John Williams, que conquistou sua 50ª indicação, com a equipe de Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força: O diretor J.J. Abrams e os produtores Kathleen Kennedy e (photo by blackfilm.com)

Em primeiro plano, o compositor John Williams, que conquistou sua 50ª indicação, com a equipe de Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força: O diretor J.J. Abrams, a produtora Kathleen Kennedy e o roteirista Lawrence Kasdan (photo by blackfilm.com)

AUSÊNCIAS

Na categoria de direção, Ridley Scott ficou de fora da disputa. Até então considerado um dos favoritos a levar o Oscar, mais por uma questão de conjunto da obra do que pelo trabalho em Perdido em Marte. Se ao perder por Gladiador em 2001 já fez a cara mais feia de mau perdedor, imagina agora que nem foi indicado pela prêmio que todos diziam que ele ganharia? Particularmente, também não acho sua direção na ficção científica como algo digno de indicação ao Oscar. Contudo, com sua ausência, imaginava que a Academia concederia sua vaga para Steven Spielberg por Ponte dos Espiões ou para Todd Haynes por Carol. Aliás, com suas ausências, seus filmes perdem demais em chances reais de vitória, já que são casos raríssimos em que a Academia premia um filme sem ter seu diretor indicado.

Já estou lendo sobre alguns protestos racistas pela ausência de profissionais negros no Oscar. Dentre as ausências em destaque, Idris Elba é uma das mais sentidas. Sua performance no drama Beasts of No Nation vinha sendo reconhecida em alguns prêmios como no Globo de Ouro, mas não era considerada uma unanimidade. Espero que ninguém faça muito alarde por causa dessa questão, senão terei de protestar pela ausência do compositor Ryuichi Sakamoto na categoria de Trilha Musical Original por O Regresso pela falta de indicações para asiáticos!

Uma ausência bem estranha foi do roteirista Aaron Sorkin por Steve Jobs. Como no domingo passado, ele havia ganhado o Globo de Ouro de Roteiro, tudo indicava que ele seria no mínimo indicado. Outro fato estranho foi a indicação da canção “Earned it” do filme Cinquenta Tons de Cinza. Até o momento, a única canção do filme que estava sendo reconhecida era o hit “Love me Like You Do”. E ainda na categoria de Canção Original, vale destacar a indicação de Lady Gaga pela música do documentário The Hunting Ground, que denuncia e protesta sobre estupros em campus universitários. A cantora acaba de levar o Globo de Ouro, mas como atriz, pela minissérie American Horror Story: Hotel. Além do poder da própria canção, esta indicação é uma forma de retribuição que a Academia deve à Lady Gaga pela homenagem que ela prestou em 2015 ao cantar as canções de A Noviça Rebelde. Se ela vencer o Oscar, definitivamente, voltará ao topo.

Fiquei torcendo por algumas indicações que infelizmente não aconteceram. 1º Kristen Stewart por Acima das Nuvens. Pena que a categoria de Atriz Coadjuvante está de alto nível este ano, mas sua performance está definitivamente a anos-luz em relação a de Rachel McAdams em Spotlight. 2º Marion Cotillard por Macbeth. Elogiada atuação de Lady Macbeth até por Cate Blanchett, a atriz francesa ficou de fora.

Ao ler as matérias de outros sites, listei algumas ausências mencionadas, que são muitas! Mas vale ressaltar que 2015 foi um ano de boa safra e as vagas do Oscar são sempre as mesmas cinco por categorias, ou seja, muitas boas performances teriam de ficar de fora:

  • Ridley Scott (Perdido em Marte) – Diretor
  • Todd Haynes (Carol) – Diretor
  • Steven Spielberg (Ponte dos Espiões) – Diretor
  • Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) – Ator
  • Michael B. Jordan (Creed: Nascido Para Lutar) – Ator
  • Steve Carell (A Grande Aposta)
  • Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
  • Idris Elba (Beasts of No Nation) – Ator Coadjuvante
  • Michael Shannon (99 Homes) – Ator Coadjuvante
  • Michael Keaton (Spotlight – Segredos Revelados) – Ator Coadjuvante
  • Jacob Tremblay (O Quarto de Jack) – Ator Coadjuvante
  • Kristen Stewart (Acima das Nuvens) – Atriz Coadjuvante
  • Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial) – Atriz Coadjuvante
  • Helen Mirren (Trumbo – Lista Negra) – Atriz Coadjuvante
  • Aaron Sorkin (Steve Jobs) – Roteiro Adaptado

INDICADOS AO 88th ACADEMY AWARDS:

MELHOR FILME
* A Grande Aposta (The Big Short)
* Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
* Brooklyn (Brooklyn)
* Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
* Perdido em Marte (The Martian)
* O Regresso (The Revenant)
* O Quarto de Jack (Room)
* Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR DIRETOR
* Adam McKay (A Grande Aposta)
* Alejandro González Iñárritu (O Regresso)
* George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Lenny Abrahamson (O Quarto de Jack)
* Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

MELHOR ATOR
* Bryan Cranston (Trumbo – Lista Negra)

* Matt Damon (Perdido em Marte)
* Leornardo DiCaprio (O Regresso)
* Michael Fassbender (Steve Jobs)
* Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATRIZ
* Cate Blanchett (Carol)

* Brie Larson (O Quarto de Jack)
* Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
* Charlotte Rampling (45 Anos)
* Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Christian Bale (A Grande Aposta)
* Tom Hardy (O Regresso)
* Mark Ruffalo (Spotlight – Segredos Revelados)
* Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
* Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
* Rooney Mara (Carol)

* Rachel McAdams (Spotlight – Segredos Revelados)
* Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)
* Kate Winslet (Steve Jobs)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Matt Charman, Ethan Coen, Joel Coen (Ponte dos Espiões)
* Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
* Pete Docter, Meg LeFauve, Josh Cooley, Ronnie Del Carmen (Divertida Mente)
* Josh Singer, Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
* Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge, Alan Wenkus (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* Charles Randolph, Adam McKay (A Grande Aposta)
* Nick Hornby (Brooklyn)
* Phyllis Nagy (Carol)
* Drew Goddard (Perdido em Marte)
* Emma Donoghue (O Quarto de Jack)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Ed Lachman (Carol)
* Robert Richardson (Os 8 Odiados)
* John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Emmanuel Lubezki (O Regresso)
* Roger Deakins (Sicario: Terra de Ninguém)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Adam Stockhausen, Rena DeAngelo, Bernhard Henrich (Ponte dos Espiões)
* Colin Gibson, Katie Sharrock, Lisa Thompson (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Arthur Max, Celia Bobak, Zoltán Horváth (Perdido em Marte)
* Jack Fisk, Hamish Purdy (O Regresso)
* Eve Stewart, Michael Standish (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR MONTAGEM
* Hank Corwin (A Grande Aposta)

* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Stephen Mirrione (O Regresso)
* Tom McArdle (Spotlight – Segredos Revelados)
* MaryAnn Brandon, Mary Jo Markey (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

MELHOR FIGURINO
* Sandy Powell (Carol)
* Sandy Powell (Cinderela)
* Paco Delgado (A Garota Dinamarquesa)
* Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Jacqueline West (O Regresso)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Mad Max: Estrada da Fúria
* The 100 Year-Old Man Who Climbed Out a Window and Disappeared
* O Regresso

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Thomas Newman (Ponte dos Espiões)
* Carter Burwell (Carol)
* Jóhann Jóhannsson (Sicario: Terra de Ninguém)
* Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
* John Williams (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Earned It”, de Abel Tesfaye, Ahmad Balshe, Jason Daheala Quenneville, Stephan Moccio (Cinquenta Tons de Cinza)

* “Manta Ray”, de J. Ralph, Antony Hegarty (Racing Extinction)
* “Simple Song #3”, de David Lang (Juventude)
* “Til it Happens to You”, de Diane Warren, Lady Gaga (The Hunting Ground)
* “Writing’s on the Wall”, de Jimmy Napes e Sam Smith (007 Contra Spectre)

MELHOR SOM
* Ponte dos Espiões
* Mad Max
* Perdido em Marte
* O Regresso
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

MELHORES EFEITOS SONOROS
* Perdido em Marte
* Mad Max: Estrada da Fúria
* O Regresso 
* Sicario: Terra de Ninguém
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* Ex-Machina: Instinto Artificial

* Mad Max: Estrada da Fúria
* Perdido em Marte
* O Regresso
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (COLÔMBIA)
* Cinco Graças, de Deniz GamzeErgüven (FRANÇA)
* Filho de Saul, de László Nemes (HUNGRIA)
* Theeb, de Naji Abu Nowar (JORDÂNIA)
* A War, de Tobias Lindholm (DINAMARCA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Anomalisa
* Divertida Mente
* Shaun: O Carneiro 
* Quando Estou com Marnie
* O Menino e o Mundo

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Amy
* Cartel Land
* The Look of Silence
* What Happened, Miss Simone?
* Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Body Team 12
* Claude Lanzmann: Spectres of the Shoah
* A Girl in the River: The Price of Forgiveness
* War Within the Walls
* Last Day of Freedom

MELHOR CURTA-METRAGEM
* Ave Maria
* Day One
* Everything Will be OK (Alles Wird Gut)
* Shok 
* Stutterer

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* Bear Story
* We Can’t Live Without Cosmos
* Prologue
* Sanjay’s Super Team
* World of Tomorrow

A cerimônia do Oscar 2016 acontece no dia 28 de fevereiro, com transmissão ao vivo pelo canal pago TNT.

Nove filmes seguem em busca do Oscar de Filme em Língua Estrangeira 2016. Brasil fica de fora mais uma vez…

mustang

Cena do representante da França, Cinco Graças, um dos filmes classificados para a próxima fase (photo by cine.gr)

ACADEMIA LIMA 72 PRODUÇÕES DA COMPETIÇÃO. O FAVORITO O FILHO DE SAUL PERMANECE NO PÁREO.

Toda vez que vou postar algo relacionado à categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira, a expressão: “Vira o disco” me vem à mente. Desde que fundei esse blog, é a categoria que mais reclamo, pois é a que mais necessita de uma reforma.

Primeiramente, vamos às notícias. Saiu a lista dos 9 filmes pré-selecionados dos 81 filmes internacionais inscritos. As 72 produções não-selecionadas podem dar adeus às chances de ganhar o Oscar, inclusive o filme brasileiro Que Horas Ela Volta?.

A War (photo by cine.gr)

A War, de Tobias Lindholm (photo by cine.gr)

Segue a lista:

The Brand New Testament (Le Tout Nouveau Testament), de Jaco Van Dormael – BÉLGICA
O Abraço da Serpente (El Abrazo de la Serpiente), de Ciro Guerra – COLÔMBIA
A War (Krigen), de Tobias Lindholm – DINAMARCA
O Esgrimista (Miekkailija), de Klaus Härö – FINLÂNDIA
Cinco Graças (Mustang), de Deniz Gamze Ergüven – FRANÇA
Labirinto de Mentiras (Im Labyrinth des Schweigens), de Giulio Ricciarelli – ALEMANHA
O Filho de Saul (Saul fia), de László Nemes – HUNGRIA
Viva, de Paddy Breathnach – IRLANDA
Theeb, de Naji Abu Nowar – JORDÂNIA

Claro que é difícil você criticar ou mesmo elogiar filmes sem ter visto, e alguns desses selecionados acima podem ser até de ótima qualidade, mas havia alguns títulos que sequer passaram dessa primeira triagem e eram considerados fortes candidatos como o taiwanês A Assassina, o sueco Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência, o austríaco Boa Noite, Mamãe e o brasileiro Que Horas Ela Volta?, que vinha conquistando seu espaço na temporada, principalmente depois da indicação ao Critics’ Choice Awards. Apesar de ter declarado que não acreditava em indicação, nas últimas semanas, confesso que estava mais confiante na passagem do Brasil, pelo menos nessa primeira peneira. Infelizmente, Central do Brasil continuará sendo nosso último representante indicado por mais um ano.

O Esgrimista (photo by cine.gr)

O Esgrimista, de Klaus Härö  (photo by cine.gr)

Aí você vai perguntar: “Mas não existe o Comitê de Filme em Língua Estrangeira justamente pra evitar essas ausências?”. Sim, existe, mas dessa lista de 9, o comitê seleciona apenas 3 com base em méritos artísticos e grau de importância em premiações e festivais. Os outros 6 são resultado dos votantes idosos que comparecem às sessões vespertinas para poder votar com base em suas taras obsessivas por filmes de temática bélica e Holocausto.

Uns dois anos atrás, fiz essa análise para tentar deduzir de onde vinham os votos desses 9 filmes. Vamos dar uma olhada no que temos este ano:

The Brand New Testament, de (photo by outnow.ch)

The Brand New Testament, de Jaco Van Dormael (photo by outnow.ch)

1. The Brand New Testament
Comédia sobre uma nova versão da bíblia, onde Deus estaria vivo e vivendo em Bruxelas com a filha. Apesar do tema religioso, tem Catherine Deneuve no elenco, e recentemente foi indicado ao Globo de Ouro. COMITÊ

2. O Abraço da Serpente
Drama em preto-e-branco sobre relação entre shaman amazônico e dois cientistas que buscam uma planta milagrosa. Foi indicado ao Independent Spirit Awards. VOTANTES

3. A War
Drama sobre a Guerra do Afeganistão e os crimes de guerra cometidos pelo comandante dinamarquês. COMITÊ

4. O Esgrimista
Fugindo da polícia secreta russa, jovem esgrimista estoniano é forçado a voltar para seu país, onde se torna professor de educação física numa escola local. VOTANTES

5. Cinco Graças
Cinco irmãs adolescentes amantes da liberdade são mantidas aprisionadas em casa pelos pais, depois que uma brincadeira inocente com meninos vai à tona. Casamentos passam a ser arranjados em seguida. Indicado ao Globo de Ouro e Independent Spirit Awards. VOTANTES

6. Labirinto de Mentiras
15 anos após a Segunda Guerra Mundial, os nazistas estão esquecidos até o dia em que um promotor público reconhece um comandante de Auschwitz dando aulas livremente. VOTANTES

7. O Filho de Saul
Saul trabalha no campo de concentração queimando corpos. Quando reconhece o corpo de seu filho, ele se arrisca para poder enterrá-lo. VOTANTES

8. Viva
Ao fazer uma performance como drag queen, jovem é surpreendido pelo pai, que estava ausente há 15 anos. Na volta da convivência, eles precisam acertar suas diferenças.  COMITÊ

9. Theeb
Theeb é um menino que tem a missão de guiar um oficial britânico pelo deserto durante a Primeira Guerra Mundial. VOTANTES

Viva (photo by cine.gr)

Viva, de Paddy Breathach (photo by cine.gr)

Como postei anteriormente, o ideal seria se a categoria estendesse o número de seus indicados para dez. Garimpar 10 produções americanas boas no ano pode ser difícil às vezes, mas 10 filmes mundo afora? Mais fácil do que indicar Meryl Streep! Mas aí vem a outra questão: chega de filmes só de guerra e nazismo! Vamos diversificar! Para isso, as regras precisam mudar. Por que não formar um comitê com profissionais internacionais e um americano? Como se fosse um júri de festival, que mudaria anualmente.

Theeb (photo by cine.gr)

Theeb, de Naji Abu Nowar (photo by cine.gr)

Por exemplo: Este ano, o comitê selecionado pela Academia será composto por David Lynch (diretor americano) e os internacionais: Pedro Almodóvar (Espanha), Zhangke Jia (China), Guillermo Del Toro (México), Jacques Audiard (França) e Walter Salles (Brasil). Eles se comprometeriam a assistir aos 81 filmes e selecionar os 5 finalistas, que aí poderiam ser votados pelos membros da Academia.

O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (photo by cine.gr)

O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (photo by cine.gr)

Enfim, todo ano faço sugestões na vã esperança de que algum dia um membro da Academia receba essa informação e cause alguma mudança. Acho uma categoria muitas vezes tratada como secundária, até mesmo pelos apresentadores do prêmio que chegam ao palco com aquela cara de “por que não me colocaram para apresentar Melhor Filme ou Diretor?”, mas que deveria ser mais valorizada pela instituição, cuja cerimônia depende dos números de audiência além da fronteira americana.

Labyrinth of Lies

Labirinto de Mentiras, de Giulio Ricciarelli (photo by cine.gr)

Contudo, acho que até o público já se habituou a ver filmes de Segunda Guerra Mundial e campos de concentração ganharem nessa categoria. E nesse quesito, nenhum outro representante melhor do que o húngaro O Filho de Saul, que deve ter passado para a segunda fase com sobras. Vi o filme de László Nemes na Mostra Internacional de Cinema, e pode ser que minha opinião crítica tenha sido afetada por todas essas questões que citei, mas o filme não me impressionou. Basicamente é a mesma história de sempre, mas com o diferencial de que a história toda do pai que quer enterrar o filho é filmada com “câmera na mão” (steadycam) e colada no protagonista o filme todo, deixando boa parte do fundo desfocada.

O Filho de Saul, de László Nemes (photo by cine.gr)

O Filho de Saul, de László Nemes (photo by cine.gr)

A lista dos 9 filmes não me agrada à princípio, porque gosto de ver coisas diferentes, ainda mais nessa categoria super manjada. Por isso estava na torcida pelo austríaco Boa Noite, Mamãe, que tem um terror psicológico que há muito não vejo por aqui… Gostaria muito que o chileno O Clube estivesse concorrendo, pois achei um dos melhores do ano por sua coragem em abordar o tema dos padres que cometeram abuso sexual, ao mesmo tempo em que deixa um forte desconforto no espectador. Daria uma ótima combinação para acompanhar um dos favoritos ao Oscar, Spotlight – Segredos Revelados, que trata do mesmo tema.

Na atual conjuntura, torço pelos The Brand New Testament e A War, porque parecem apresentar algo mais inusitado, e coincidentemente ou não, dois filmes que acredito que foram selecionados pelo Comitê. E claro, torço para que os selecionados apresentem algo a mais além da temática.

O anúncio dos 5 indicados a Melhor Filme em Língua Estrangeira será no dia 14 de janeiro.

‘Carol’ conquista 5 indicações no Globo de Ouro 2016

Rooney Mara em cena de Carol, de Todd Haynes: 5 indicações ao Globo de Ouro 2016 (photo by outnow.ch)

Rooney Mara em cena de Carol, de Todd Haynes: 5 indicações ao Globo de Ouro 2016 (photo by outnow.ch)

GLOBO DE OURO COLOCA MAIS ORDEM NA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Um dia após o SAG anunciar seus indicados com uma série de ausências sentidas, o Globo de Ouro parece tapar os buracos com seu anúncio na manhã desta quinta-feira, dia 10. Assim, atores que ficaram de fora do SAG como Will Smith e Sylvester Stallone, retornam ao centro do palco.

Claro que em se tratando de Oscar e Globo de Ouro, não dá pra agradar gregos e troianos. Algum filme ou algum ator vai ficar sem cadeira. É inevitável. Dentre os mais sentidos estão Johnny Depp (Aliança do Crime), Jacob Tremblay (O Quarto de Jack), Meryl Streep (Ricki and the Flash: De Volta Para Casa), Charlotte Rampling (45 Anos) e Blythe Danner (I’ll See You in My Dreams).

Anúncio das indicações ao Globo de Ouro 2016
America Ferrera, Chloë Grace Moretz, Angela Bassett e Dennis Quaid anunciam os indicados ao Globo de Ouro 2016

De volta aos indicados, o drama Carol foi o recordista de indicações este ano com 5, mas isso não significa que terá vida fácil na categoria, já que compete com Spotlight – Segredos Revelados e Mad Max: Estrada da Fúria que, por mais que não faça muito o tipo que ganhe prêmios de Melhor Filme, vem crescendo bastante na temporada e pode surpreender, principalmente diante de um cenário sem grandes favoritos como este.

Como uma boa mãe, o Globo de Ouro conseguiu reunir numa só lista 17 estúdios, boa parte dos favoritos e outros candidatos que pareciam ficar só na promessa. Exemplo disso é o novo filme de Alejandro González Iñárritu, O Regresso, que estava até então num estado de inércia na temporada. Agora, indicada a Melhor Filme, Diretor, Trilha Musical e Ator para Leonardo DiCaprio, a produção promete conquistar seu espaço no Oscar, principalmente nas categorias mais técnicas como Fotografia e Montagem.

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Leonardo DiCaprio com Grace Dove em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Nessa mesma lógica de tirar o filme do limbo, também dá pra incluir o novo trabalho de David O. Russell, cujos filmes sempre dão um jeitinho de entrar no Oscar. Joy: O Nome do Sucesso, uma espécie de “dramédia” que reconta a trajetória de uma mulher de negócios, concorre como Filme de Comédia e sua protagonista Jennifer Lawrence como Melhor Atriz. Embora esteja disputando com as veteranas Maggie Smith e Lily Tomlin, a atriz de Jogos Vorazes tem grandes chances de conquistar seu terceiro Globo de Ouro.

Jennifer Lawrence e Robert De Niro em cena de Joy: O Nome de Sucesso (photo by outnow.ch)

Jennifer Lawrence e Robert De Niro em cena de Joy: O Nome do Sucesso (photo by outnow.ch)

E meio esquecido depois de ganhar o Hollywood Film Awards no início de novembro, a ficção científica Perdido em Marte retorna com força, uma vez que compete como Filme de Comédia, Diretor e Ator (Matt Damon). Apesar de parecer uma manobra barata da 20th Century Fox de inscrever o filme como comédia para ter concorrência mais fraca pela frente (o que gerou uma “polemicazinha”), não acredito sinceramente em manipulação nesse caso. Trata-se de uma ficção científica com clima bastante otimista, seu protagonista, mesmo diante de uma série de dificuldades, mantém o bom humor em suas pesquisas e gravações, e temos a manutenção da esperança na humanidade. Pra mim, o clima leve o aproxima mais da comédia do que um drama.

Os astronautas da tripulação de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Os astronautas da tripulação de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Ainda no campo da ressurreição, Trumbo retorna no Globo de Ouro, um dia após liderar as indicações ao SAG Awards. O ator da série Breaking Bad, Bryan Cranston, e a dama Helen Mirren foram devidamente reconhecidos por suas performances.

O Globo de Ouro trouxe felicidade também no quesito dupla indicação. Idris Elba, Lily Tomlin, Mark Rylance e Alicia Vikander ficaram duplamente felizes na manhã dessa quinta-feira. Seus nomes foram anunciados duas vezes em categorias distintas.Enquanto os três primeiros equilibram forças entre cinema e televisão, a atriz sueca concorre como Atriz por A Garota Dinamarquesa e como Coadjuvante por Ex-Machina: Instinto Artificial.

Alicia Vikander em cena de A Garota Dinamarquesa (photo by palmspringlife.com)

Alicia Vikander em cena de A Garota Dinamarquesa (photo by palmspringlife.com)

Apesar disso TUDO que o Globo de Ouro fez, acrescentaria uma ressalva: Por que não aumentar de 5 para 6 indicados para Melhor Filme – Drama e incluir Os 8 Odiados ou A Garota Dinamarquesa? Resultaria num total de 4 indicações ao novo western de Tarantino e para o drama transsexual de Tom Hooper. Ou quem sabe para 7 indicados e incluir também Steve Jobs? Afinal, acumulou 4 indicações: Ator (Michael Fassbender), Atriz Coadjuvante (Kate Winslet), Roteiro e Trilha Musical. Ficaria com 5 e igualaria Carol. Teria havido tamanha distância de um candidato a outro na votação ou seria algum receio por parte da HFPA de eleger o “filme errado”? Digo isso, porque as regras do Globo de Ouro permitem esse acréscimo de indicados sem dolo algum.

Durante o anúncio das indicações, fiquei na expectativa pelo filme brasileiro Que Horas Ela Volta?, mas o filme de Anna Muylaert ficou de fora. A última vez que o Brasil teve representantes no prêmio foi em 2005 por Diários de Motocicleta, de Walter Salles, e em 2003 por Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Contudo, o país está bem representado pela série Narcos, produzida pelo diretor José Padilha pela Netflix, e pelo ator Wagner Moura, que foi indicado como Melhor Ator de Série Dramática. Ele interpreta ninguém menos do que o lorde das drogas colombiano Pablo Escobar em 10 episódios. Moura disputa o prêmio com o favorito Jon Hamm (Mad Men) e Liev Schreiber (Ray Donovan).

Wagner Moura em cena da série Narcos da Netflix (photo by cinemagia.ro)

Wagner Moura em cena da série Narcos, da Netflix (photo by cinemagia.ro)

Sobre as categorias de televisão, cabe mais um elogio ao Globo de Ouro. Nos últimos anos, com o crescimento da plataforma de streaming, a HFPA não pestanejou e abraçou o novo formato, valorizando acima de tudo seu conteúdo. No ano passado, a série Transparent foi a primeira a ganhar o prêmio de Melhor Série, mas já em 2014, House of Cards já preenchia as categorias como a primeira da Netflix. Este ano, a associação continua explorando novos conteúdos de streaming: além da já citada Narcos, temos Master of None, Casual e Mozart In the Jungle entre os indicados, enquanto as séries tradicionais que passam na televisão Homeland, Mad MenDownton Abbey e Modern Family não concorrem como Melhor Série este ano. Os tempos estão mudando…

E só mais um último adendo: Lady Gaga recebeu sua primeira indicação como atriz por American Horror Story: Hotel. Ela interpreta a Condessa nesta nova temporada que se passa num hotel. Independente da qualidade da sua atuação (adoraria conferir), a contratação da cantora na série se tornou um hype desde seu anúncio.

Seguem todos os indicados ao 73º Globo de Ouro:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
Carol (Carol)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
O Regresso (The Revenant)
O Quarto de Jack (Room)
Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
A Grande Aposta (The Big Short)
Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
Perdido em Marte (The Martian)
A Espiã que Sabia de Menos (Spy)
A Descompensada (Trainwreck)

MELHOR DIRETOR
Todd Haynes (Carol)
Alejandro González Iñárritú (O Regresso)
Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
Ridley Scott (Perdido em Marte)

MELHOR ATOR – DRAMA
Bryan Cranston (Trumbo)
Leonardo DiCaprio (O Regresso)
Michael Fassbender (Steve Jobs)
Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)
Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cate Blanchett (Carol)
Brie Larson (O Quarto de Jack)
Rooney Mara (Carol)
Saoirse Ronan (Brooklyn)
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
Amy Schumer (A Descompensada)
Maggie Smith (A Senhora da Van)
Lily Tomlin (Grandma)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Christian Bale (A Grande Aposta)
Steve Carell (A Grande Aposta)
Matt Damon (Perdido em Marte)
Al Pacino (Não Olhe Para Trás)
Mark Ruffalo (Sentimentos que Curam)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)
Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
Helen Mirren (Trumbo)
Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
Kate Winslet (Steve Jobs)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Paul Dano (Love & Mercy)
Idris Elba (Beasts of No Nation)
Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
Michael Shannon (99 Homes)
Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR ROTEIRO
Emma Donoghue (O Quarto de Jack)
Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight – Segredos Revelados)
Charles Randolph e Adam McKay (A Grande Aposta)
Aaron Sorkin (Steve Jobs)
Quentin Tarantino (Os 8 Odiados)

MELHOR ANIMAÇÃO
Anomalisa
O Bom Dinossauro (The Good Dinossaur)
Divertida Mente (Inside Out)
Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
The Brand New Testament (Le Tout Nouveau Testament), de Jaco Van Dormael (Bélgica/ França/ Luxemburgo)
O Clube (El Club), de Pablo Larraín (Chile)
O Esgrimista (Miekkailija), de Klaus Härö (Finalândia/ Estônia/ Alemanha)
O Filho de Saul (Saul fia), de László Nemes (Hungria)
Cinco Graças (Mustang), de Deniz Gamze Ergüven (Turquia/ França/ Catar/ Alemanha)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Love me Like You Do” por Max Martin, Savan Kotecha, Ali Payami, Ilya Salmanzadeh (Cinquenta Tons de Cinza)
“One Kind of Love” por Brian Wilson, Scott Montgomery Bennett (Love & Mercy)
“See You Again” por Justin Franks, Andrew Cedar, Charlie Puth, Wiz Khalifa (Velozes & Furiosos 7)
“Simple Song No. 3” por David Lang (Youth)
“Writing’s on the Wall” por Sam Smith, James Napier (007 Contra Spectre)


O filme é ruim, mas a trilha sonora salva, incluindo a canção de Ellie Goulding

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Carter Burwell (Carol)
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa)
Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
Daniel Pemberton (Steve Jobs)
Ryuichi Sakamoto e Carsten Nicolai (O Regresso)

Steve Carell e Ryan Gosling em cena de A Grande Aposta, de Adam McKay (photo by cine.gr)

Steve Carell e Ryan Gosling em cena de A Grande Aposta, de Adam McKay (photo by cine.gr)

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
Empire
Game of Thrones
Mr. Robot
Narcos
Outlander

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jon Hamm (Mad Men)
Rami Malek (Mr. Robot)
Wagner Moura (Narcos)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Liev Schreiber (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Caitriona Balfe (Outlander)
Viola Davis (How to Get Away with Murder)
Eva Green (Penny Dreadful)
Taraji P. Henson (Empire)
Robin Wright (House of Cards)

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
American Crime
American Horror Story: Hotel
Fargo
Flesh and Bone
Wolf Hall

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Casual
Mozart in the Jungle
Orange Is the New Black
Silicon Valley
Transparent
Veep

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Uzo Aduba (Orange Is the New Black)
Joanne Froggatt (Downton Abbey)
Regina King (American Crime)
Judith Light (Transparent)
Maura Tierney (The Affair)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Alan Cumming (The Good Wife)
Damian Lewis (Wolf Hall)
Ben Mendelsohn (Bloodline)
Tobias Menzies (Outlander)
Christian Slater (Mr. Robot)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Rachel Bloom (Crazy Ex-Girlfriend)
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Jamie Lee Curtis (Scream Queens)
Lily Tomlin (Grace and Frankie)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Aziz Ansari (Master of None)
Gael García Bernal (Mozart in the Jungle)
Rob Lowe (The Grinder)
Patrick Stewart (Blunt Talk)
Jeffrey Tambor (Transparent)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Kirsten Dunst (Fargo)
Lady Gaga (American Horror Story: Hotel)
Sarah Hay (Flesh and Bone)
Felicity Huffman (American Crime)
Queen Latifah (Bessie)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Oscar Isaac (Show me a Hero)
Idris Elba (Luther)
David Oyelowo (Nightingale)
Mark Rylance (Wolf Hall)
Patrick Wilson (Fargo)

A 73ª cerimônia do Globo de Ouro acontece no dia 10 de janeiro, e Ricky Gervais retorna como o “host mais querido das celebridades”. E dois lembretes: o ator Denzel Washington será o homenageado com o prêmio Cecil B. DeMille (Sim, eu acho que ele ainda é muito jovem pra tal honraria, mas depois de ver George Clooney recebendo o mesmo prêmio esse ano, espero qualquer coisa), e a Miss Golden Globe de 2016 será a filha do ator Jamie Foxx: Corinne Foxx.

The Hollywood Foreign Press Association has selected Corinne Foxx as Miss Golden Globe 2016 for the 73rd Annual Golden Globe Awards set to air live on NBC on January 10, 2016. President Lorenzo Soria made the announcement on November 17, 2015 from Ysabel Restaurant in West Hollywood.

Corinne Foxx foi selecionada para ser a Miss Golden Globe 2016 (photo by ImageGroup/HFPA)

‘Mad Max: Estrada da Fúria’ conquista 3 prêmios no LAFCA Awards 2015, mas ‘Spotlight’ leva Melhor Filme

Elenco de Spotlight (photo by Open Road)

Elenco de Spotlight da esquerda para a direita: Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Brian D’Arcy James, Michael Keaton e John Slattery (photo by Open Road)

FILME FUTURISTA VINHA COLETANDO PRÊMIOS, MAS MORREU NA PRAIA

Foi bom enquanto durou. A possibilidade de Mad Max: Estrada da Fúria conquistar Melhor Filme com os críticos de Los Angeles estava prestes a se tornar realidade. Após conquistar o prestigiado National Board of Review na semana passada, um novo reconhecimento selaria a aprovação necessária para que o filme pudesse ser levado à sério nas cerimônias de premiação, mas bateu na trave. Contudo, o filme de George Miller ainda ficou com o segundo lugar e pode sonhar com mais do que categorias técnicas…

Impecavelmente perfeito nos quesitos em que saiu vitorioso: Direção, Fotografia e Direção de Arte, o filme só não se consagrou por causa de seu calcanhar de Aquiles: o roteiro, justamente o que fez com que Spotlight arrancasse o prêmio de Melhor Filme de suas mãos. O drama de Tom McCarthy prima por sua pesquisa jornalística sobre os fatos dos abusos dos padres católicos, tanto que levou o prêmio de Melhor Roteiro, o que praticamente o garante na categoria de Roteiro Original no Oscar.

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria com Charlize Theron e Tom Hardy (photo by cine.gr)

Também com dois prêmios, Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson, bateu o favoritismo da animação da Pixar, Divertida Mente (acredito eu pela qualidade do roteiro também), e lança luz no trabalho do compositor Carter Burwell, conhecido pela trilha de Fargo, e que nunca recebeu uma única indicação ao Oscar. Aqui ele ganhou pela trilha da animação e também pelo drama Carol, de Todd Haynes. Mas vale lembrar que Burwell teve um ano excepcional: além desses dois trabalhos, compôs para Sr. Holmes e Legend.

Imbatível, o filme húngaro, O Filho de Saul, conquistou mais um prêmio e deve ser o Oscar mais batido dos últimos anos. Honestamente, esperava um pouco mais de audácia por parte dos críticos de Los Angeles, já que o filme de László Nemes não oferece perspectiva tão inovadora num tema tão batido como o Holocausto. Seria mais justo se o segundo lugar, o ucraniano A Gangue, levasse o prêmio pela coragem de fazer um filme bem violento usando apenas linguagem de sinais.

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow,ch)

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow.ch)

Pelas categorias de atuação, de acordo com seu histórico, era esperada a vitória de um ator ou atriz estrangeiros, consolidada pela premiação da britânica Charlotte Rampling no drama 45 Anos. Ela interpreta uma esposa que fica de escanteio quando o marido descobre o corpo perdido da ex-mulher em pleno aniversário de 45 anos de casamento. Por sua performance, ela levou o Urso de Prata de Melhor Atriz no último Festival de Berlim, e seu companheiro de tela, Tom Courtenay, levou Melhor Ator na ocasião. As chances de Rampling no Oscar são mínimas, mas elas existem. Em segundo lugar, Saoirse Ronan (Brooklyn) cresce um pouco na competição, enquanto Brie Larson (O Quarto de Jack), Carey Mulligan (As Sufragistas) e Cate Blanchett (Carol) despencam.

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Na ala masculina, Michael Fassbender confirma seu crescimento entre os críticos com seu retrato do criador da Apple em Steve Jobs. Apesar do filme de Danny Boyle não ter ido bem nas bilheterias nos EUA, a atuação de Fassbender tem saído ilesa, muito pelas classificações de “performance de possessão”, como aquelas em que o ator se torna outra pessoa, como Daniel Day-Lewis é craque em fazer. Além disso, Fassbender superou a desconfiança de que seu sotaque alemão pudesse arruinar o personagem americano, e a Academia, por mais que o tenha indicado a Coadjuvante por 12 Anos de Escravidão, sabe que está em dívida com ele por Fome (2008) e Shame (2011).

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Nas categorias de coadjuvante, duas produções independentes que podem ter sido ajudadas pelo LAFCA para a temporada: 99 Homes e Ex-Machina: Instinto Artificial. Gosto do trabalho de Michael Shannon, mas aqui ele interpreta um corretor ambicioso que quer passar por cima de tudo e de todos. No entanto, independente de sua performance, só acho que ele deve tomar cuidado pra não ser rotulado por suas escolhas de papéis. Todo filme que vejo dele, o ator faz um papel de psicótico, psicopata ou maluco, vide: Foi Apenas um Sonho, Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto, O Abrigo e até no blockbuster O Homem de Aço, onde vive o vilão megalomaníaco General Zod.

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

Por outro lado, a bela atriz sueca Alicia Vikander está buscando variedade de papéis. Após se destacar como a jovem rainha em O Amante da Rainha, fez a adaptação de Tolstói, Anna Karenina, e mais recentemente os blockbusters O Sétimo Filho e O Agente da U.N.C.L.E. Este ano, ela concorre por A Garota Dinamarquesa (pelo qual já ganhou o Hollywood Film Award) e por este Ex-Machina: Instinto Artificial, no qual interpreta uma ciborgue chamada Ava, que fica confinada no subsolo de uma mansão para ser testada. Vikander explora os limites do real e do virtual de acordo com a proposta do filme, e acaba salvando o filme de Alex Garland. No Oscar, pela campanha, ela deve concorrer por A Garota Dinamarquesa.

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia,ro)

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

Com as vitórias de Spotlight, Mad Max, Carol e Anomalisa aqui, juntando com outros fortes concorrentes como Perdido em Marte, A Garota Dinamarquesa, Ponte dos Espiões, Steve JobsBrooklyn e Os 8 Odiados, já dá pra se ter uma idéia dos possíveis concorrentes ao Globo de Ouro 2016, cujos indicados serão revelados no próximo dia 10 de dezembro. E ainda acredito que George Miller leve o Globo de Ouro de Direção.

Recebendo prêmio especial, a montadora britânica Anne V. Coates, vencedora do Oscar pelo clássico de David Lean, Lawrence da Arábia (1962), e conceituada pelos trabalhos de edição em O Homem Elefante (1980), Na Linha do Fogo (1993) e Irresistível Paixão (1998), será homenageada aos 89 anos. Será apenas a segunda montadora a receber tal honraria na história do prêmio depois da falecida Dede Allen. Ela ficou mundialmente conhecida pelos cortes precisos nesta cena de Lawrence da Arábia, em que vemos a ação do personagem soprando o fósforo para chegar ao belo deserto.

VENCEDORES DO LAFCA AWARDS 2015:

MELHOR FILME: Spotlight
2º Lugar: Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)

MELHOR DIRETOR: George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Todd Haynes (Carol)

MELHOR ATOR: Michael Fassbender (Steve Jobs)
2º Lugar: Géza Röhrig (O Filho de Saul)

MELHOR ATRIZ: Charlotte Rampling (45 Anos)
2º Lugar: Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Michael Shannon (99 Homes)
2º Lugar: Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
2º Lugar: Kristen Stewart (Acima das Nuvens)

MELHOR ROTEIRO: Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight)
2º Lugar: Charlie Kaufman (Anomalisa)

MELHOR FOTOGRAFIA: John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Edward Lachman (Carol)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: O Filho de Saul, de László Nemes (Hungria)
2º Lugar: A Gangue, de Miroslav Slaboshpitsky (Ucrânia)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Carter Burwell (Anomalisa) (Carol)
2º Lugar: Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Judy Becker (Carol)

MELHOR MONTAGEM: Hank Corwin (A Grande Aposta)
2º Lugar: Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR ANIMAÇÃO: Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson
2º Lugar: Divertida Mente, de Pete Docter

PRÊMIO NEW GENERATION: Ryan Coogler (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Amy, de Asif Kapadia
2º Lugar: The Look of Silence, de Joshua Oppenheimer

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Anne V. Coates

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)