NATIONAL BOARD OF REVIEW premia ‘GREEN BOOK: O GUIA’ como MELHOR FILME

 

Film Title: Green Book

Viggo Mortensen contracena com Mahershala Ali em cena de Green Book: O Guia

FILME-FÓRMULA SOBRE RELAÇÃO INTER-RACIAL CONQUISTA O NBR

O National Board of Review divulgou sua seleção de 2018 hoje, dia 27 de novembro. De todos os prêmios da crítica, o NBR é o que mais perdeu credibilidade nos últimos anos. Não somente por não prever os filmes do Oscar, mas por reconhecer produções de qualidade meio duvidosa.

Em 2017, a organização composta por cineastas, profissionais e acadêmicos concedeu o prêmio de Melhor Filme para The Post: A Guerra Secreta. Fala sério! Até o Spielberg sabe que este foi um de seus piores trabalhos! Em 2015, deram os prêmios de Ator para Matt Damon e Diretor para Ridley Scott por Perdido em Marte. E em 2014, premiaram O Ano Mais Violento como Melhor Filme e seus atores Oscar Isaac e Jessica Chastain.

Este ano, o NBR premiou Green Book: O Guia como Melhor Filme, e reconheceram Viggo Mortensen como Melhor Ator. Até então, o filme dirigido por Peter Farrelly tinha como maior reconhecimento em seu currículo o prêmio do People’s Choice Award no Festival de Toronto. Pode ser um ótimo filme? Sim, claro. Mas pelas críticas até o momento, o filme seria uma versão masculina da fórmula batida de Estrelas Além do Tempo e Histórias Cruzadas, ambos indicados ao Oscar de Melhor Filme. A questão racial continua em alta em Hollywood e Green Book certamente fará a alegria da ideologia do politicamente correto.

A Star is Born

Vencedores do NBR, Lady Gaga e Bradley Cooper em cena de Nasce uma Estrela (pic by OutNow.CH)

Pelas categorias de atuação, o histórico dos últimos cinco anos não é nada bom. Três acertos em 20 possíveis em relação ao Oscar, ou seja, Viggo Mortensen, Lady Gaga, Sam Elliott e Regina King não se animem muito! Com exceção de Elliott, acredito que os outros três vencedores estarão entre os futuros indicados pela Academia, mas mesmo assim, as chances de vitória ainda são relativamente baixas.

Pelas categorias de Roteiro, tanto Paul Schrader, que acabou de levar o Gotham Awards por First Reformed, como Barry Jenkins por Se a Rua Beale Falasse, devem ser figuras presentes durante toda esta temporada. Por se tratar de um filme meio pesado pela temática e até filosófico demais para o Oscar, acreditava que Schrader morreria na praia, mas com esses prêmios recentes, sua campanha pode deslanchar de vez. Já Jenkins, já premiado por Moonlight, não deve encontrar dificuldades de ser indicado novamente.

Honestamente, fiquei um pouco surpreso com a vitória de Bradley Cooper como Diretor por Nasce uma Estrela. Não que não mereça tal honraria, mas por se tratar de uma estréia na direção, poderiam tê-lo premiado como Diretor Estreante, que foi para Bo Burnham, merecidamente, por Oitava Série.

Dentre os filmes totalmente ignorados pelo NBR estão A Favorita, do Yorgos Lanthimos (nenhuma das três atrizes deu as caras por aqui), O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, o Vice, de Adam McKay, e o Infiltrado na Klan, de Spike Lee.

Por preferência pessoal, votaria em Ilha dos Cachorros no lugar de Os Incríveis 2 como Melhor Longa de Animação, e votaria no sul-coreano Em Chamas no lugar do polonês Guerra Fria como Filme em Língua Estrangeira. Aliás, foi uma surpresa Roma, de Alfonso Cuarón, não ter sido o premiado aqui, mas ficou entre os cinco melhores.

Cold War 2

Joanna Kulig e Tomasz Kot em cena de Guerra Fria (pic by OutNow.CH)

Apesar da lista de vencedores já ter sido divulgada, a cerimônia de entrega dos prêmios só acontecerá no dia 08 de janeiro em Nova York.

Vencedores do National Board of Review 2018:

FILME
Green Book: O Guia (Green Book)

DIREÇÃO
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)

ATOR
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

ATRIZ
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

ATOR COADJUVANTE
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)

ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

ROTEIRO ORIGINAL
Paul Schrader (First Reformed)

ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)

LONGA DE ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2 (Incredibles 2)

REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)

DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Guerra Fria (Zimna wojna), de Pawel Pawlikowski

DOCUMENTÁRIO
RBG, de Julie Cohen e Betsy West

ELENCO
Podres de Ricos (Crazy Rich Asians)

WILLIAM K. EVERSON FILM HISTORY AWARD
O Outro Lado do Vento (The Other Side of the Wind), de Orson Welles

Serei Amado Quando Morrer (They’ll Love Me When I’m Dead), de Morgan Neville

NBR FREEDOM OF EXPRESSION AWARD
22 de Julho (22 July), de Paul Greengrass
On Her Shoulders, de Alexandria Bombach

TOP 10 FILMES (em ordem alfabética)
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra (Black Panther)
Poderia me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?)
Oitava Série (Eighth Grade)
First Reformed
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)
Roma
Nasce uma Estrela (A Star Is Born)

TOP 5 FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA (in alphabetical order)
Em Chamas (Beoning)
Custódia (Jusqu’à la garde)
A Culpa (Den skyldige)
Happy as Lazzaro (Lazzaro Felice)
Assunto de Família (Manbiki kazoku)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS (in alphabetical order)
Crime + Punishment
Free Solo
Minding the Gap
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES (in alphabetical order)
A Morte de Stalin (The Death of Stalin)
A Rota Selvagem (Lean on Pete)
Não Deixe Rastros (Leave No Trace)
Mid90s
The Old Man & the Gun
Domando o Destino (The Rider)
Buscando… (Searching)
Sorry to Bother You
We the Animals
Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

Anúncios

‘THE SHAPE OF WATER’, de Guillermo del Toro conquista o LEÃO DE OURO

Guillermo del Toro golden lion

Guillermo del Toro beija seu Leão de Ouro por The Shape of Water pic by The Globe and Mail)

GUILLERMO DEL TORO NOVAMENTE SE UTILIZA DA FÁBULA PARA CONTAR HISTÓRIA DURA

Nesse último dia 09, o Festival de Veneza anunciou sua lista de vencedores, e seu prêmio máximo foi para o mexicano Guillermo del Toro por uma produção americana da Fox Searchlight, The Shape of Water. O cineasta é conhecido por dirigir filmes de fantasia e terror como Hellboy, Círculo de Fogo, Blade II, A Colina Escarlate e O Labirinto do Fauno, este o que mais se assemelha ao novo trabalho. No filme de 2006, a fantasia procurava encobrir a dureza da Guerra Civil Espanhola. Já neste filme, a realidade é a Guerra Fria nos anos 60 e sua falta de escrúpulos.

A crítica presente no festival rasgou elogios ao filme vencedor, e mesmo que tenha sido exibido no segundo dia do evento, foi logo considerado um favorito para o Leão de Ouro. Em seu discurso de agradecimento, o cineasta mexicano abriu com uma declaração tocante: “Eu acredito na vida, acredito no amor e acredito no cinema”. O longa The Shape of Water aborda temas como a solidão e a empatia entre personagens complexos.

shape-of-water

Love’s in the water: Sally Hawkins num momento de interação com a criatura em The Shape of Water (pic by i2.wp.com)

É difícil defender um filme que ainda não conferimos, mas considero bem interessante o reconhecimento de del Toro num festival tão grandioso como o de Veneza. Para quem trabalha na área ou mesmo é cinéfilo, sabe, mesmo que inconscientemente, que os filmes de gênero (aqui incluo a Ficção Científica, Terror, Thriller e até mesmo Policial) costumam ser os excluídos e renegados em premiações. Tanto que existem prêmios específicos para eles como o Fantasia, Fantasporto, o Fangoria Chainsaw Awards e o Academy of Science Fiction, Fantasy and Horror Films, que anualmente acolhem essas produções que dificilmente chegam ao tapete vermelho do Oscar, vide o único filme de “terror” premiado O Silêncio dos Inocentes em 1992. Portanto, a vitória de The Shape of Water tem um significado bem especial para quem atua com cinema de gênero ao redor do mundo. Aproveito para protestar contra premiação de apenas filmes “cabeçudos” ou politicamente corretos, como se precisasse ter apenas esses dois elementos para se candidatar ao Oscar de Melhor Filme.

Contudo, voltando ao Festival de Veneza, algumas matérias internacionais teriam alegado que o júri, presidido pela atriz Annette Bening, teria optado por uma escolha segura, já que o filme de del Toro seria bem mais light na questão política do que outros candidatos ao Leão de Ouro como o israelense Foxtrot, de Samuel Maoz, que retrata a vida de militares sempre prontos para a guerra, e que acabou levando o Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo lugar da competição. Esse alto reconhecimento pode render uma indicação ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira, já que representará Israel na categoria.

Foxtrot

Soldados em alerta para o próximo ataque em Foxtrot, de Samuel Maoz (pic by outnow.ch)

Dentre outras produções selecionadas que tinham forte apelo político estão o canadense Jusqu’a La Garde (Custody), de Xavier Legrand, que trata da violência doméstica ao tratar de um divórcio que se torna uma batalha pela guarda do filho; e o novo filme do insano Martin McDonagh, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, no qual Frances McDormand é uma mãe que cobra as autoridades policiais com protestos em outdoors pelo assassinato de sua filha. Enquanto o filme de Legrand levou Melhor Direção, o de McDonagh levou Melhor Roteiro. Embora não tenha visto, os diálogos fenomenais de humor negro característicos de McDonagh devem ter colaborado bastante nessa vitória.

Já nas categorias de atuação, o palestino Kamel El Basha levou Melhor Ator pela produção libanesa The Insult, que retrata uma briga fora de proporções por causa de religião (aliás, por também considerar a religião como grande causadora de guerras, estou bastante curioso pra ver essa filme), a atriz britânica Charlotte Rampling levou o prêmio de Melhor Atriz por Hannah, de Andrea Pallaoro. De acordo com o jornalista Bruno Ghetti da Folha de S. Paulo, a atriz faz “o mesmo papel contido, amargurado e de poucas falas que […] tem feito há anos”, e aproveitou pra defender uma vitória para Helen Mirren por The Leisure Seeker, onde ela faz uma esposa com câncer que pega a estrada para levar seu marido com Alzheimer para a Disneylândia.

Kamel-El-Basha

Kamel El Basha ostenta seu Volpi Cup de Melhor Ator por The Insult (pic by oglobo.com)

 

Charlotte Rampling Hannah Volpi Cup

Charlotte Rampling abraça seu prêmio de Melhor Atriz por Hannah (pic by topsy.one)

Para o prêmio de Atriz, a disputa ia além de Rampling e Mirren. A americana Frances McDormand (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri) e a britânica Sally Hawkins (The Shape of Water) estavam super bem cotadas também, fato que pode impulsionar bastante suas campanhas para o Oscar.

Vale a pena destacar que Veneza se tornou o primeiro festival a conceder prêmios de realidade virtual, com o diretor americano John Landis presidindo o júri. As produções live-action ou animações devem ser vistas por óculos de realidade virtual, e os personagens costumam interagir com o espectador.

venice-vr3

Espectadora no festival de Veneza usando os óculos de realidade virtual (pic by http://www.labiennale.org)

Vencedor por Arden’s Wake, Eugene Y.K. Chung, recebeu o prêmio e soltou: “Aqui que o cinema estava há 100 anos, e será uma jornada realmente excitante. Mal posso esperar até onde isso vai.” Arden’s Wake é uma história de futuro apocalíptico, quando as águas engoliram as terras, e os personagens centrais são um pai e sua filha que vivem num farol adaptado como lar até ele desaparecer.

ardens-wake-by-penrose-studio

Arte de Arden’s Wake, de Eugene Y.K. Chung (pic by www.vrandfun.com)

VENCEDORES DA 74ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
The Shape of Water
Dir: Guillermo del Toro

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Foxtrot
Dir: Samuel Maoz

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR
Xavier Legrand (Custody)

MELHOR ATRIZ
Charlotte Rampling (Hannah)

MELHOR ATOR
Kamel El Basha (The Insult)

MELHOR ROTEIRO
Martin McDonagh (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Sweet Country
Dir: Warwick Thornton

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Charlie Plummer (Lean on Pete)

 

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
Nico, 1988
Dir: Susanna Nicchiarelli

MELHOR DIRETOR
Vahid Jalilvand (No Date, No Signature)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Caniba
Dir: Verena Paravel e Lucien Castaing-Taylor

MELHOR ATRIZ
Lyna Khoudri (Les bienheureux)

MELHOR ATOR
Navid Mohammadzadeh (No Date, No Signature)

MELHOR ROTEIRO
Alireza Khatami (Oblivion Verses)

MELHOR CURTA-METRAGEM
Gros chagrin
Dir: Céline Devaux

 

LEÃO DO FUTURO

Prêmio Luigi De Laurentiis por Filme Debutante
Custody
Dir: Xavier Legrand

 

CLÁSSICOS DE VENEZA

Melhor Documentário
The Prince and the Dybbuk
Dir: Elvira Niewiera and Piotr Rosolowski

Melhor Filme Restaurado
Come and See
Dir: Elem Klimov

 

COMPETIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL

Melhor Realidade Virtual
Arden’s Wake (Expanded)
Dir: Eugene Y.K. Chung

Melhor Experiência de Realidade Virtual
La Camera Insabbiata
Dir: Laurie Anderson e Hsin-chien Huang

Melhor História de Realidade Virtual
Bloodless
Dir: Gina Kim