JORDAN PEELE e GRETA GERWIG entre os INDICADOS ao DGA!

greta-gerwig-jordan-peele-1024x683.jpg

INDICADOS AO DGA: GRETA GERWIG e JORDAN PEELE. Pic by Vanity Fair

ESNOBADOS POR ALGUNS PRÊMIOS IMPORTANTES, PEELE E GERWIG RETOMAM BOAS CHANCES DE INDICAÇÃO AO OSCAR

O sindicato de diretores (DGA) anunciou seus indicados da categoria e tivemos boas surpresas. Além dos habituais Guillermo del Toro, que levou o Globo de Ouro no último domingo por A Forma da Água, Martin McDonagh, que levou o Globo de Ouro de roteiro por Três Anúncios Para um Crime, e Christopher Nolan por Dunkirk, dois nomes que costumavam ficar limitados às categorias de roteiro ressurgiram para serem reconhecidos pela trabalho na direção: Jordan Peele pelo fenomenal Corra! e Greta Gerwig por Lady Bird.

Jordan Peele também foi reconhecido na categoria de Diretor Estreante, ao lado dos colegas Geremy Jasper (Patti Cake$), William Oldroyd (Lady Macbeth), Taylor Sheridan (Terra Selvagem) e Aaron Sorkin (A Grande Jogada). Sheridan e Sorkin, muito conhecidos por seus roteiros, resolveram arriscar na carreira de diretor e agora estão colhendo frutos. Sou bastante fã dos roteiros de Sheridan, mas ao ver Terra Selvagem, achei que ele desperdiçou um bom material (seu próprio roteiro) e caiu em alguns clichês do gênero policial.

Wind River.jpg

TERRA SELVAGEM: Elizabeth Olsen e Jeremy Renner em estréia de Taylor Sheridan na direção. Pic by imdb.com

Para aqueles que gostam de curiosidades e estatísticas, vale lembrar que o DGA é um dos raros parâmetros para o Oscar. Em sua 70ª edição, não coincidiu seus vencedores com o do Oscar em apenas 13 oportunidades, sendo a última em 2013, naquele caso bem atípico quando Ben Affleck sequer fora indicado por Argo. Portanto, aquele que vencer o DGA já estará praticamente com as mãos no Oscar.

Continuando, Greta Gerwig se tornou a OITAVA mulher a ser indicada ao DGA. Suas antecessoras foram:
– Lina Wertmüller (Pasqualino Sete Belezas)
– Randa Haines (Filhos do Silêncio)
– Barbra Streisand (O Príncipe das Marés)
– Jane Campion (O Piano)
– Sofia Coppola (Encontros e Desencontros)
– Valerie Faris (Pequena Miss Sunshine)
– Kathryn Bigelow (Guerra ao Terror)*
– Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura)

Kathryn Bigelow foi a única a vencer e a ser indicada mais de uma vez ao prêmio. E Valerie Faris foi indicada ao lado de seu parceiro Jonathan Dayton.

Jordan Peele se tornou o QUARTO diretor negro a ser indicado ao DGA. Antes dele vieram:
– Lee Daniels (Preciosa)
– Steve McQueen (12 Anos de Escravidão)
– Barry Jenkins (Moonlight)

Neste caso, nenhum deles venceu até o momento. Mas na minha opinião, Jordan Peele poderia ser o primeiro. Pra quem acompanha o blog há um tempo, sabe que minha opinião passa longe do politicamente correto. Prefiro sempre observar o talento e a qualidade do trabalho, e sob esse aspecto, Peele entregou um filme sensacional que entrou para a história do cinema. Ele falou de um tema “espinhudo” que é o preconceito racial sem ir para aquele lado mais careta e politizado que 99% dos diretores preferem trilhar nesse assunto. Provavelmente, o DGA lhe dará o prêmio de diretor estreante, o que certamente é um honra, mas esse reconhecimento em si já pode lhe render uma merecidíssima indicação ao Oscar.

PERDERAM O LUGAR

São cinco vagas para muitos diretores nessa dança, então alguns nomes não escapariam de ficar de fora. Luca Guadagnino (Me Chame Pelo Seu Nome), Steven Spielberg (The Post: A Guerra Secreta) e Ridley Scott (Todo o Dinheiro do Mundo) são nomes que já tiveram participação na temporada de premiações, mas não consolidaram uma boa campanha.

Christopher Nolan recebeu sua quarta indicação ao DGA e não deve ter chances reais de ganhar. Ele foi previamente indicado por Amnésia, Batman – O Cavaleiro das Trevas e A Origem. Em nenhum dos casos, a indicação do DGA se tornou indicação ao Oscar. Se dependesse do meu voto, ele cederia sua vaga para Sean Baker pelo ótimo Projeto Flórida ou para Denis Villeneuve por Blade Runner 2049.

Algumas matérias citam ainda as diretoras Sofia Coppola (O Estranho que Nós Amamos), Angelina Jolie (First They Killed my Father), Dee Rees (Mudbound), e Patty Jenkins (Mulher-Maravilha). Não conferi as outras diretoras, mas querer Jenkins no DGA e Oscar seria forçar a barra. Os que defendem essa idéia estão visando apenas a vibe feminista que Mulher-Maravilha proporcionou na mídia. Particularmente, as poucas cenas que gostei da sua direção (primeira metade do filme) muito se deve a Richard Donner, diretor de Superman: O Filme (1978), que serviu de inspiração/plágio para Patty Jenkins.

INDICADOS AO 70º DGA:

  • GUILLERMO DEL TORO (A Forma da Água)
  • GRETA GERWIG (Lady Bird)
  • MARTIN MCDONAGH (Três Anúncios Para um Crime)
  • CHRISTOPHER NOLAN (Dunkirk)
  • JORDAN PEELE (Corra!)

 

INDICADOS A DIRETOR ESTREANTE:

  • GEREMY JASPER (Patti Cake$)
  • WILLIAM OLDROYD (Lady Macbeth)
  • JORDAN PEELE (Corra!)
  • TAYLOR SHERIDAN (Terra Selvagem) 
  • AARON SORKIN (A Grande Jogada)

Os vencedores do DGA serão conhecidos no dia 03 de fevereiro. E as indicações ao Oscar saem no dia 23 de janeiro.

Anúncios

‘Birdman’ lidera as indicações ao Independent Spirit Awards 2015

Michael Keaton e Emma Stone em cena de Birdman: ambos foram indicados para ator e atriz coadjuvante. (photo by outnow.ch)

Michael Keaton e Emma Stone em cena de Birdman: ambos foram indicados para ator e atriz coadjuvante. (photo by outnow.ch)

APROXIMAÇÃO DE INDEPENDENT SPIRIT AO OSCAR NOS ÚLTIMOS ANOS GERA RETOMADA DE FOCO EM PRODUÇÕES MENOS VISADAS

Com o anúncio das indicações ao Independent Spirit Award (veja vídeo abaixo), que ocorreu nesta terça, dia 25 de novembro, foi dada a largada para a temporada de premiações 2015. Em sua 30ª edição, o prêmio tem se tornado cada vez mais um holofote para os votantes da Academia, tanto que este ano 12 Anos de Escravidão, Matthew McConaughey, Jared Leto, Cate Blanchett e Lupita Nyong’o inacreditavelmente ganharam tanto o Independent quanto o Oscar. Claro que isso naturalmente beneficia mais seus indicados, contudo, este ano o comitê da organização resolveu valorizar mais os filmes menores.

Entre os indicados, o novo filme do mexicano Alejandro González Iñárritu, Birdman, conquistou seis indicações: Filme, Diretor, Ator (Michael Keaton), Ator Coadjuvante (Edward Norton), Atriz Coadjuvante (Emma Stone) e Fotografia (Emmanuel Lubezki). A história de uma estrela de cinema decadente que busca uma retomada nos palcos já agradou a crítica quando passou no último Festival de Veneza, onde muitos alegaram que Keaton merecia o prêmio de atuação, concedido a Adam Driver. Se o filme permanecer nas listas de indicações dos prêmios seguintes, Michael Keaton tem tudo para conseguir sua primeira indicação ao Oscar, e quem sabe até a vitória.

Logo atrás de Birdman, com 5 indicações cada, vêm Boyhood: Da Infância à Juventude, O Abutre e Selma. De acordo com as previsões, o destaque a Boyhood não se trata de surpresa alguma devido à grande veia independente de seu projeto, mas a ascensão de O Abutre, primeiro filme de Dan Gilroy, que era então mais conhecido por escrever os roteiros de Gigantes de Aço e O Legado Bourne, realmente impressiona. Alguns apostam até em uma indicação meio azarão de Melhor Filme no Oscar e Melhor Ator para Jake Gyllenhaal, que emagreceu bastante para viver o paparazzo de Los Angeles.

O paparazzo vivido por Jake Gyllenhaal em O Abutre (photo by outnow.ch)

O paparazzo vivido por Jake Gyllenhaal em O Abutre (photo by outnow.ch)

Selma ainda é uma incógnita para a sequência de premiações pois, por mais que apresente um retrato forte da conquista dos direitos civis por Martin Luther King, não tem uma diretora e roteirista experientes por trás das câmeras, e seu protagonista é interpretado por David Oyelowo, conhecido apenas por O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels. Aliás, o filme de Ava DuVernay se assemelha ao de Daniels no aspecto das questões raciais e também nas participações de celebridades em papéis menores como Cuba Gooding Jr., Tim Roth, Tom Wilkinson e mais uma vez, Oprah Winfrey. Lembrando que O Mordomo não recebeu nenhuma indicação ao Oscar.

David Oyelowo como Martin Luther King (photo by outnow.ch)

David Oyelowo como Martin Luther King em Selma (photo by outnow.ch)

O Independent Spirit Award poderia reconhecer algumas produções bem cotadas como O Jogo da Imitação, que levou 4 prêmios no Hollywood Film Awards na semana passada, St. Vincent, Mesmo Se Nada Der Certo e Grandes Olhos (que levou apenas uma indicação de roteiro), todas distribuídas pela famigerada Weinstein Co., mas percebeu que nos últimos anos o prêmio, que deveria consagrar mais produções menores, aproximou-se demais do Oscar e está correndo sério risco de perder a sua própria identidade. Assim, além de todas essas produções acima, que receberão ótima campanha pela Weinstein Co., o Independent Spirit também resolveu não indicar Livre, de Jean-Marc Vallée, produzido pela Fox Searchlight.

Essa preocupação do Independent Spirit reflete o cenário de contenção de custos que passa o atual cinema norte-americano. Aquelas apostas de estúdio de mais de 200 milhões estão em extinção, com raras exceções às adaptações de livros best-sellers, quadrinhos e diretores associados ao sucesso como Christopher Nolan. A crise financeira atingiu o cinema de tal forma, que acabou transformando a premiação exclusivamente independente numa prévia genérica do Oscar.

Claro que o Independent Spirit ganhou notoriedade que nunca teve em 30 anos, portanto, fica difícil de não agradar algumas produções que não se adequaram ao regulamento. Muitas produções foram desclassificadas por ultrapassar a barreira dos 20 milhões de dólares de orçamento (que inclui a pós-produção), como Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo, de Bennett Miller, e Vício Inerente, de Paul Thomas Anderson. Contudo, o comitê ficou impressionado com esses trabalhos e resolveu conceder prêmios especiais para ambos. Enquanto Vício Inerente receberá o prêmio Robert Altman pelo elenco e o diretor de elenco, Foxcatcher ficará com o Special Distinction Award, uma espécie de prêmio de consolação.

Fora de competição por ultrapassar os 20 milhões de dólares, Vício Inerete foi lembrado pelo prêmio Robert Altman, que reconhece a força de seu elenco, aqui representado por Joaquin Phoenix e Benicio Del Toro (photo by outnow.ch)

Fora de competição por ultrapassar os 20 milhões de dólares, Vício Inerente foi lembrado pelo prêmio Robert Altman, que reconhece a força de seu elenco, aqui representado por Joaquin Phoenix e Benicio Del Toro (photo by outnow.ch)

Ao indicar produções menos conhecidas como Obvious Child, Amantes Eternos e Kumiko, the Treasure Hunter (que aliás tem uma ótima sinopse*), o Independent Spirit quer fazer com que a Academia e seus membros olhem com mais carinho esses filmes artesanais e por que não alavancá-los ao tapete vermelho também?

Ainda está cedo pra fazer previsão, mas vou apostar nos possíveis vencedores do Oscar nas categorias de atuação: Michael Keaton, Julianne Moore, J.K. Simmons e Patricia Arquette. Se isso acontecer, será bacana que nenhum deles venceu anteriormente. Já diretor e filme, apostaria em Boyhood: Da Infância à Juventude por ter a cara do prêmio independente.

J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição) - photo by elfilm.com

Entre os coadjuvantes, J.K. Simmons tem uma das atuações mais elogiadas do ano por Whiplash: Em Busca da Perfeição – photo by elfilm.com

INDICAÇÕES AO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2015:

MELHOR FILME
• Birdman (Birdman (or The Unexpected Virtue of Ignorance)
Produtores: Alejandro González Iñárritu, John Lesher, Arnon Milchan, James W. Skotchdopole
• Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)
Produtores: Richard Linklater, Jonathan Sehring, John Sloss, Cathleen Sutherland
• O Amor é Estranho (Love Is Strange)
Produtores: Lucas Joaquin, Lars Knudsen, Ira Sachs, Jayne Baron Sherman, Jay Van Hoy
• Selma
Produtores: Christian Colson, Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Oprah Winfrey
Whiplash: Em Busca da Perfeição (Whiplash)
Produtores: Jason Blum, Helen Estabrook, David Lancaster, Michael Litvak

DIRETOR
Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
Ava DuVernay (Selma)
Alejandro González Iñárritu (Birdman)
Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
David Zellner (Kumiko, the Treasure Hunter)

ATRIZ
Marion Cotillard (Era Uma Vez em Nova York)
Rinko Kikuchi (Kumiko, the Treasure Hunter)
Julianne Moore (Still Alice)
Jenny Slate (Obvious Child)
Tilda Swinton (Amantes Eternos)

ATOR
André Benjamin (All Is by My Side)
Jake Gyllenhaal (O Abutre)
Michael Keaton (Birdman)
John Lithgow (O Amor é Estranho)
David Oyelowo (Selma)

ATRIZ COADJUVANTE
Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Jessica Chastain (A Most Violent Year)
Carmen Ejogo (Selma)
Andrea Suarez Paz (Stand Clear of the Closing Doors)
Emma Stone (Birdman)

ATOR COADJUVANTE
Riz Ahmed (O Abutre)
Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Alfred Molina (O Amor é Estranho)
Edward Norton (Birdman)
J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR FOTOGRAFIA
Darius Khondji (Era Uma Vez em Nova York)
Emmanuel Lubezki (Birdman)
Sean Porter (Parece Amor)
Lyle Vincent (A Girl Walks Home Alone at Night)
Bradford Young (Selma)

MELHOR MONTAGEM
Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
John Gilroy (O Abutre)
Ron Patane (A Most Violent Year)
Adam Wingard (The Guest)

MELHOR ROTEIRO
Scott Alexander, Larry Karaszewski (Grandes Olhos)
J.C. Chandor (A Most Violent Year)
Dan Gilroy (O Abutre)
Jim Jarmusch (Amantes Eternos)
Ira Sachs, Mauricio Zacharias (O Amor é Estranho)

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
• A Girl Walks Home Alone at Night
Diretora: Ana Lily Amirpour
Produtores: Justin Begnaud, Sina Sayyah
Dear White People
Diretor-produtor: Justin Simien
Produtores: Effie T. Brown, Ann Le, Julia Lebedev, Angel Lopez, Lena Waithe
• O Abutre (Nightcrawler)
Diretor: Dan Gilroy
Produtores: Jennifer Fox, Tony Gilroy, Jake Gyllenhaal, David Lancaster, Michel Litvak
Obvious Child
Diretora: Gillian Robespierre
Produtora: Elisabeth Holm
• She’s Lost Control
Diretor-produtor: Anja Marquardt
Produtores: Mollye Asher, Kiara C. Jones

PRIMEIRO ROTEIRO
Desiree Akhavan (Appropriate Behavior)
Sara Colangelo (Little Accidents)
Justin Lader (The One I Love)
Anja Marquardt (She’s Lost Control)
Justin Simien (Dear White People)

PRÊMIO JOHN CASSAVETES – Para produções feitas abaixo de 500 mil dólares.
• Blue Ruin
Diretor-roteirista: Jeremy Saulnier
Produtores: Richard Peete, Vincent Savino, Anish Savjani
• Parece Amor (It Felt Like Love)
Diretor-produtor: Eliza Hittman
Produtores: Shrihari Sathe, Laura Wagner
• Land Ho!
Diretores-roteiristas: Aaron Katz, Martha Stephens
Produtores: Christina Jennings, Mynette Louie, Sara Murphy
• Man From Reno
Diretor-roteirista: Dave Boyle
Roteiristas: Joel Clark, Michael Lerman
Produtor: Ko Mori
• Test
Diretor-roteirista-produtor: Chris Mason Johnson
Produtor: Chris Martin

MELHOR DOCUMENTÁRIO
• 20.000 Dias na Terra (20,000 Days on Earth)
Diretores: Iain Forsyth, Jane Pollard
Produtores: Dan Bowen, James Wilson
• CitizenFour
Diretora-produtora: Laura Poitras
Produtores: Mathilde Bonnefoy, Dirk Wilutzky
• Stray Dog
Diretora: Debra Granik
Produtora: Anne Rosellini
• O Sal da Terra (The Salt of the Earth)
Diretores: Juliano Ribeiro Salgado, Wim Wenders
Produtor: David Rosier
• Virunga
Diretor-produtor: Orlando von Einsiedel
Produtora: Joanna Natasegara

FILME INTERNACIONAL
• Força Maior (Force Majeure) – SUÉCIA
Diretor: Ruben Östlund
• Ida – POLÔNIA
Diretor: Pawel Pawlikowski
• Leviatã (Leviafan) – RÚSSIA
Diretor: Andrey Zvyagintsev
• Mommy – CANADÁ
Diretor: Xavier Dolan
Norte, the End of History – FILIPINAS
Diretor: Lav Diaz
• Sob a Pele (Under the Skin) – REINO UNIDO
Diretor: Jonathan Glazer

PRÊMIO ROBERT ALTMAN – Concedido a um diretor, diretor de elenco e elenco
• Vício Inerente (Inherent Vice)
Diretor: Paul Thomas Anderson
Diretor de Casting: Cassandra Kulukundis
Elenco: Josh Brolin, Martin Donovan, Jena Malone, Joanna Newsom, Joaquin Phoenix, Eric Roberts, Maya Rudolph, Martin Short Serena Scott Thomas, Benicio Del Toro, Katherine Waterston, Michael Kenneth Williams, Owen Wilson, Reese Witherspoon

SPECIAL DISTINCTION AWARD
• Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo (Foxcatcher)
Diretor/Produtor: Bennett Miller
Produtores: Anthony Bregman, Megan Ellison, Jon Kilik
Roteiristas: E. Max Frye, Dan Futterman
Atores: Steve Carell, Mark Ruffalo, Channing Tatum

PRODUCERS AWARD
Chad Burris
Elisabeth Holm
Chris Ohlson

SOMEONE TO WATCH AWARD
• A Girl Walks Home Alone at Night
Diretora: Ana Lily Amirpour
• H.
Diretores: Rania Attieh & Daniel Garcia
• The Retrieval
Diretor: Chris Eska

TRUER THAN FICTION AWARD
• Approaching the Elephant
Diretor: Amanda Rose Wilder
• Evolution of a Criminal
Diretor: Darius Clark Monroe
• The Kill Team
Diretor: Dan Krauss
• The Last Season
Diretora: Sara Dosa

O 30º Independent Spirit Awards acontece no dia 21 de fevereiro de 2015, como de costume, um dia antes da cerimônia do Oscar.

* Ah sim! A sinopse de Kumiko, the Treasure Hunter é a seguinte: Uma mulher japonesa descobre a fita VHS do filme Fargo (1996) e acredita que se trata de um mapa para a localização de uma mala cheia de dinheiro. Essa idéia é baseada na lenda urbana de que algumas pessoas teriam ido a Minnesota para procurar a maleta de dinheiro enterrada na neve do filme Fargo, porque os diretores irmãos Coen incluíram letreiro no início do filme dizendo que se tratava de uma história baseada em fatos verídicos, o que na verdade, é uma mentira usada para atrair mais a atenção do espectador.

Rinko Kikuchi em cena de Kumiko, the Treasure Hunter (photo by elfilm.com)

Rinko Kikuchi em cena de Kumiko, the Treasure Hunter (photo by elfilm.com)

’12 Years a Slave’ lidera o SAG Awards com 4 indicações

12 Years a Slave abocanhou quatro indicações no SAG (photo by www.elfilm.com)

12 Years a Slave abocanhou quatro indicações no SAG (photo by http://www.elfilm.com)

COM APENAS 20 INDICAÇÕES INDIVIDUAIS,
MUITOS NOMES FICARAM DE FORA DA COMPETIÇÃO

Seguindo a cola do Independent Spirit Awards, o SAG Awards (Screen Actors Guild) apostou suas fichas no drama 12 Years a Slave, de Steve McQueen, reconhecido em quatro das cinco categorias: Melhor Ator (Chiwetel Ejiofor), Atriz Coadjuvante (Lupita Nyong’o), Ator Coadjuvante (Michael Fassbender) e Melhor Elenco, prêmio que valoriza ainda mais o trabalho de direção de McQueen, que deve concorrer ao Oscar de Melhor Diretor.

Com os atores bem encaminhados, 12 Years a Slave tem tudo para obter ainda alto número de indicações ao Oscar. Por se tratar de uma produção de época, a inclusão nas categorias de Fotografia, Direção de Arte e Figurino é praticamente automática. O roteiro adaptado por John Ridley também já figura entre os favoritos do WGA (Writers Guild of America). No mínimo, o filme deve somar nove indicações.

Voltando ao SAG, logo atrás de 12 Years a Slave, temos Álbum de Família, Dallas Buyers Club e O Mordomo da Casa Branca, todos com 3 indicações cada. Aliás, a forte presença dos três filmes surpreendeu os especialistas, que previam maior participação de O Lobo de Wall Street (Leonardo DiCaprio, Jonah Hill e elenco totalmente ignorados), Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Oscar Isaac, Carey Mulligan, John Goodman e elenco esnobados) e Os Suspeitos (Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal e elenco).

Na categoria de Ator, a ausência mais sentida foi a do veterano Robert Redford, que venceu recentemente o NYFCC por sua performance em All is Lost. Além de DiCaprio, Joaquin Phoenix (Ela) e Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada) foram cortados. Na ala feminina, Bérénice Bejo, Adèle Exarchopoulos, Greta Gerwig, Julie Delpy e Octavia Spencer vão ficar para repescagem. Contudo, ao contrário dos anos anteriores, 2013 sofre com o excesso de bons filmes e atuações, tornando impossível o reconhecimento de todos os merecedores nos grandes prêmios como Globo de Ouro e Oscar.

Curiosamente, enquanto esses atores ficaram de fora, a cantora Mariah Carey recebeu sua segunda indicação de Melhor Elenco no SAG. Ela foi indicada anteriormente em 2010 por Preciosa – Uma História de Esperança, do mesmo diretor Lee Daniels. Aliás, considero O Mordomo da Casa Branca um filme super valorizado pela Weinstein Company. Se apenas Forest Whitaker fosse indicado, já estaria de bom tamanho.

Mariah Carey vive uma escrava em O Mordomo da Casa Branca (photo by www.elfilm.com)

Sim, ela está entre os indicados: Mariah Carey vive uma escrava em O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar dos indicados terem saído na frente, todos os ausentes da lista do SAG não devem se descabelar. Suas chances ainda existem, já que o SAG deixou de ser o parâmetro quase perfeito do Oscar. Até o ano passado, cerca de 18 a 19 dos 20 indicados do SAG migravam para o Oscar. Já nesse ano, apenas 14 passaram do corte.

Vencedor de cinco SAGs pelo trabalho na série televisiva The Sopranos, o recém-falecido ator James Gandolfini recebeu uma indicação póstuma pela comédia À Procura do Amor. Apesar de ter uma elogiada interpretação, alguns creditam esse reconhecimento à sua morte em junho deste ano aos 51 anos, tirando a chance de outros trabalhos serem premiados como Bradley Cooper (Trapaça), Will Forte (Nebraska), John Goodman (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum), Jonah Hill (O Lobo de Wall Street) e Tom Hanks (Walt nos Bastidores de Mary Poppins). Mas pelo menos, Hanks recebeu indicação por Capitão Phillips.

Ao lado de Julie-Louis Dreyfuss, James Gandolfini recebe uma indicação póstuma no SAG e Independent Spirit (photo by www.outnow.ch)

Ao lado de Julia Louis-Dreyfus, James Gandolfini recebe uma indicação póstuma no SAG e Independent Spirit pela comédia À Procura do Amor (photo by http://www.outnow.ch)

Em relação aos prêmios da TV, destaque para o drama Breaking Bad e as comédias The Big Bang Theory e Modern Family com três indicações cada. As ausências mais comentadas foram das séries da Netflix: House of Cards e Orange is the New Black como Melhor Elenco, além de American Horror Story, Glee e Girls. Como no cinema, os trabalhos da TV também se excederam na quantidade e qualidade, o que acaba causando eliminações inevitáveis.

Confira o vídeo do anúncio dos indicados do 20º SAG Awards, apresentado pelos atores Clark Gregg e Sasha Alexander:

PRÊMIOS DO CINEMA

MELHOR ELENCO (BEST FILM ENSEMBLE)
12 Years a Slave
Benedict Cumberbatch, Paul Dano, Garret Dillahunt, Chiwetel Ejiofor, Michael Fassbender, Paul Giamatti, Scoot, McNairy, Lupita Nyong’o, Adepero Oduye, Sarah Paulson, Brad Pitt, Michael Kenneth Williams, Alfre Woodward
Trapaça (American Hustle)
Amy Adams, Christian Bale, Louis C.K., Bradley Cooper, Paul Herman, Jack Huston, Jennifer Lawrence, Alessandro Nivola, Michael Peña, Jeremy Renner, Elisabeth Röhm, Shea Whigham
Álbum de Família (August: Osage County)
Abigail Breslin, Chris Cooper, Benedict Cumberbatch, Juliette Lewis, Margo Martindale, Ewan McGregor, Dermot Mulroney, Julianne Nicholson, Julia Roberts, Sam Shepard, Meryl Streep, Misty Upham
Dallas Buyers Club
Jennifer Garner, Matthew McConaughey, Jared Leto, Denis O’Hare, Dallas Roberts, Steve Zahn
O Mordomo da Casa Branca (The Butler)
Mariah Carey, John Cusack, Jane Fonda, Cuba Gooding Jr., Terrence Howard, Lenny Kravitz, James Marsden, David Oyelowo, Alex Pettyfer, Vanessa Redgrave, Alan Rickman, Liev Schreiber, Forest Whitaker, Robin Williams, Oprah Winfrey

MELHOR ATOR (BEST ACTOR)
Bruce Dern (Nebraska)
Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
Tom Hanks (Capitão Phillips)
Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
Forest Whitaker (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR ATRIZ (BEST ACTRESS)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Sandra Bullock (Gravidade)
Judi Dench (Philomena)
Meryl Streep (Álbum de Família)
Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Walt Disney)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTOR)
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Daniel Bruhl (Rush: No Limite da Emoção)
Michael Fassbender (12 Years a Slave)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTRESS)
Jennifer Lawrence (Trapaça)
Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)
Oprah Winfrey (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS (BEST STUNT ENSEMBLE)
All is Lost
Velozes e Furiosos 6 (Fast & Furious 6)
Lone Survivor
Rush: No Limite da Emoção (Rush)
Wolverine – Imortal (The Wolverine)

PRÊMIOS DA TV

MELHOR ELENCO DE TV- DRAMA
Boardwalk Empire
Patricia Arquette, Margot Bingham, Steve Buscemi, Brian Geraghty, Stephen Graham, Erik La Ray Harvey, Jack Huston, Ron Livingston, Domenick Lombardozzi, Gretchen Moll, Ben Rosenfield, Paul Sparks, Michael Stuhlbarg, Nisi Sturgis, Jacob Ware, Shea Whigham, Michael Kenneth Williams, Jeffrey Wright
Breaking Bad
Michael Bowen, Betsy Brandt, Bryan Cranston, Lavell Crawford, Tait Fletcher, Laura Fraser, Anna Gunn, Matthew T. Metzler, RJ Mitte, Dean Norris, Bob Odenkirk, Aaron Paul, Jesse Plemons, Steven Michael Quezada, Kevin Rankin, Patrick Sane
Downton Abbey
Hugh Bonneville, Laura Carmichael, Jim Carter, Brendan Coyle, Michelle Dockery, Kevin Doyle, Jessica Brown Findlay, Siobhan Finneran, Joanne Froggatt, Rob James-Collier, Allen Leech, Phyllis Logan, Elizabeth McGovern, Sophie McShera, Matt Milne, Lesley Nicol, Amy Nuttall, David Robb, Maggie Smith, Ed Speleers, Dan Stevens, Cara Theobold, Penelope Wilton
Game of Thrones
Alfie Allen, John Bradley, Oona Chaplin, Gwendoline Christie, Emilia Clarke, Nikolaj Coster-Waldau, Mackenzie Crook, Charles Dance, Joe Dempsie, Peter Dinklage, Natalie Dormer, Nathalie Emmanuel, Michelle Fairley, Jack Gleeson, Iain Glen, Kit Harington, Lena Headey, Isaac Hempstead Wright, Kristofer Hivju, Paul Kaye, Sibel Kekilli, Rose Leslie, Rochard Madden, Rory McCann, Michael McElhatton, Ian McElhinney, Philip McGinley, Hannah Murray, Iwan Rheon, Sophie Turner, Carice Van Houten, Maisie Williams
Homeland
F. Murray Abraham, Sarita Choudhury, Claire Danes, Rupert Friend, Tracy Letts, Damian Lewis, Mandy Patinkin, Morgan Saylor

MELHOR ATOR DE TV – DRAMA
Steve Buscemi (Boardwalk Empire)
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Jeff Daniels (The Newsroom)
Peter Dinklage (Game of Thrones)
Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATRIZ DE TV – DRAMA
Claire Danes (Homeland)
Anna Gunn (Breaking Bad)
Jessica Lange (American Horror Story: Coven)
Maggie Smith (Downton Abbey)
Kerry Washington (Scandal)

MELHOR ELENCO DE TV – COMÉDIA
30 Rock
Scott Adsit, Alec Baldwin, Katrina Bowden, Kevin Brown, Grizz Chapman, Tina Fey, Judah Friedlander, Jane Krakowski, John Lutz, James Marsden, Jack McBrayer, Tracy Morgan, Keith Powell
Arrested Development
Will Arnett, Jason Bateman, John Beard, Michael Cera, David Cross, Portia de Rossi, Isla Fisher, Tony Hale, Ron Howard, Liza Minnelli, Alia Shawkat, Jeffrey Tambor, Jessica Walter, Henry Winkler
The Big Bang Theory
Mayim Bialik, Kaley Cuoco, Johnny Galecki, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Jim Parsons, Melissa Rauch
Modern Family
Julie Bowen, Ty Burrell, Aubrey Anderson Emmons, Jesse Tyler Ferguson, Nolan Gould, Sarah Hyland, Ed O’Neill, Rico Rodriguez, Eric Stonestreet, Sofia Vergara, Ariel Winter
Veep
Sufe Bradshaw, Anna Chlumsky, Gary Cole, Kevin Dunn, Tony Hale, Julia Louis-Dreyfus, Reid Scott, Timothy Simons, Matt Walsh

MELHOR ATOR DE TV – COMÉDIA
Alec Baldwin (30 Rock)
Jason Bateman (Arrested Development)
Ty Burrell (Modern Family)
Don Cheadle (House of Lies)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)

MELHOR ATRIZ DE TV – COMÉDIA
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
Julie Bowen (Modern Family)
Edie Falco (Nurse Jackie)
Tina Fey (30 Rock)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

MELHOR ATOR  – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Matt Damon (Behind the Candelabra)
Michael Douglas (Behind the Candelabra)
Jeremy Irons (The Hollow Crown)
Rob Lowe (Killing Kennedy)
Al Pacino (Phil Spector)

MELHOR ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Angela Bassett (Betty and Coretta)
Helena Bonham Carter (Burton and Taylor)
Holly Hunter (Top of the Lake)
Helen Mirren (Phil Spector)
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE TV
Boardwalk Empire
Breaking Bad
Game of Thrones
Homeland
The Walking Dead

Lembrando que a 20º SAG Awards homenageará a atriz porto-riquenha Rita Moreno com o prêmio Lifetime Achievement. Ela foi uma das primeiras latinas a ganhar notoriedade e respeito na indústria americana, quando reinava o preconceito racial. Em 1962, Moreno foi a primeira atriz hispânica a ganhar o Oscar pelo musical Amor, Sublime Amor, que faz uma releitura do clássico de William Shakespeare, Romeu & Julieta.

Aos 30 anos, Rita Moreno se torna a primeira latina a ganhar um Oscar (photo by www.toptenz.net)

Aos 30 anos, Rita Moreno se torna a primeira latina a ganhar um Oscar (photo by http://www.toptenz.net)

O SAG Awards 2014 será transmitido ao vivo pelo canal TNT no dia 18 de janeiro.

‘Trapaça’ conquista 3 prêmios no NYFCC 2013

Vencedora do prêmio de coadjuvante, Jennifer Lawrence (à esquerda) divide cena com Amy Adams em Trapaça (photo by ww.elfilm.com)

Vencedora do prêmio de coadjuvante, Jennifer Lawrence (à esquerda) divide cena com Amy Adams em Trapaça (photo by ww.elfilm.com)

A New York Film Critics Circle, formada por críticos nova-iorquinos, divulgou sua lista anual de premiados:

FILME: Trapaça (American Hustle)
DIRETOR: Steve McQueen (12 Years a Slave)
ATOR: Robert Redford (All is Lost)
ATRIZ: Cate Blanchett (Blue Jasmine)
ATOR COADJUVANTE: Jared Leto (Dallas Buyers Club)
ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lawrence (Trapaça)
ROTEIRO: Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
FOTOGRAFIA: Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
FILME ESTRANGEIRO: Azul é a Cor Mais Quente (La Vie d’Adèle), de Abdellatif Kechiche (França)
DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley
ANIMAÇÃO: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki
PRIMEIRO FILME: Fruitvale Station: A Última Parada, de Ryan Coogler

Os três prêmios para Trapaça surpreendeu aqueles que acompanhavam a corrida do Oscar 2014, que tinha como favoritos 12 Years a Slave, de Steve McQueen, e Gravidade, de Alfonso Cuarón. Como o editor da Variety, Tim Gray, comentou: “…the critics prizes take the pressure off each of the films as the One To Beat (os prêmios dos críticos tiram a pressão dos filmes considerados favoritos)”.

No set de 12 Years a Slave, o diretor britânico Steve McQueen faturou o prêmio de Diretor (photo by www.collider.com)

No set de 12 Years a Slave, o diretor britânico Steve McQueen faturou o prêmio de Diretor (photo by http://www.collider.com)

Além dessa virtude, os críticos têm como objetivo lembrar a variedade de bons filmes que têm chances reais de chegar ao Oscar de Melhor Filme, principalmente com 10 indicados, evitando aqueles casos de franco-favoritismo que papa mais de 10 estatuetas como fizeram os recordistas Ben-Hur e Titanic. Além dos filmes já citados, temos Nebraska, de Alexander Payne, O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, Álbum de Família, de John Wells, Capitão Phillips, de Paul Greengrass, O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels, e Inside Llewyn Davis, de Joel e Ethan Coen, só para citar alguns.

Apesar da vitória no NYFCC significar pontuação na corrida para o Oscar, vale ressaltar que os críticos nova-iorquinos não estão tão em sintonia com a Academia. Nos últimos 10 anos, apenas em quatro vezes os Melhores Filmes coincidiram: em 2011 com O Artista, 2009: Guerra ao Terror, 2007: Onde os Fracos Não Têm Vez, e 2003: O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei. Sem contar os atores que nem chegam a ser indicados no Oscar como os vencedores do ano passado de Melhor Atriz e Ator Coadjuvante, respectivamente: Rachel Weisz (Amor Profundo) e Matthew McConaughey (Magic Mike).

Como Trapaça teve sua premiere agora nos EUA, (sim, o Brasil não tem pressa nenhuma. Estréia marcada para fevereiro de 2014!), alguns talvez façam a leitura de que o NYFCC estaria tentando compensar a ausência total de O Lado Bom da Vida, do mesmo diretor David O. Russell, da última edição. Em 2012, eles premiaram o polêmico A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow. Como o filme foi acusado erroneamente de fazer apologia à tortura e gerou uma série de discussões, talvez eles quiseram deixar polêmicas de lado e apostaram em David O. Russell, que sempre fez filmes mais light. Apesar de ter ter sido premiado como diretor, recebeu a honraria de Melhor Roteiro juntamente com o colaborador Eric Singer.

Embora a vitória de Jennifer Lawrence tenha possibilidade de também se encaixar na leitura de compensação por 2012, comprova que a jovem continua no topo de Hollywood aos 23 anos. Ela sabe aliar com maestria o sonho de todo ator: sucesso de crítica e público. Seu outro trabalho de 2013, a seqüência Jogos Vorazes: Em Chamas já conquistou 300 milhões de dólares apenas em sua segunda semana nos EUA. Como a corrida da categoria de coadjuvante está relativamente mais fraca, Lawrence deve figurar entre as indicadas do Oscar 2014, mas como já ganhou este ano, não deve ter muitas chances.

No geral, a premiação do NYFCC foi bastante democrática. Lembrou bons trabalhos de 2013 como a direção de Steve McQueen em 12 Years a Slave. Apesar deste ser apenas seu terceiro longa, o diretor britânico vem conquistando muito prestígio da ala artística americana depois dos aclamados Fome (2008) e Shame (2011). O NYFCC consagra o talento e a versatilidade de Cate Blanchett, que vive uma socialite falida no novo filme de Woody Allen, Blue Jasmine, e resgata o veterano da atuação e charme em pessoa Robert Redford, por sua interpretação em All is Lost, um drama de ação em que um marinheiro encara sua mortalidade após a colisão de seu barco em alto mar.

Aos 77 anos, Robert Redford é o único ator do segundo longa do jovem J.C. Chandor, All is Lost (photo by www.elfilm.com)

Aos 77 anos, Robert Redford é o único ator do segundo longa do jovem J.C. Chandor, All is Lost (photo by http://www.elfilm.com)

Assim como eles, o ator Jared Leto, que ficou conhecido por Réquiem Para um Sonho (2001) e retornou de um afastamento de quatro anos dos cinemas, deve conquistar uma indicação pela ousadia de seu papel em Dallas Buyers Club. Na produção independente, Leto dá vida a Rayon, um gay travesti que ajuda o protagonista Ron Woodroof (Matthew McConaughey) a encontrar uma cura para o HIV em meados da década de 80. Além do homossexualismo e do travestismo já chamarem atenção para o papel, o ator também perdeu cerca de 13 quilos para viver Rayon, o que deve lhe garantir auto-publicidade até março.

Já na categoria de Filme Estrangeiro, é uma pena que Azul é a Cor Mais Quente não possa disputar o Oscar. Infelizmente, as regras arcaicas da Academia desqualificaram o filme vencedor da Palma de Ouro por estrear na França após o prazo permitido. Assim, um dos filmes mais aclamados da temporada fica de fora da categoria, mas dependendo do lobby, talvez conquista uma indicação para Direção (Abdellatif Kechiche) e Atriz (Adèle Exarchopoulos).

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by www.elfilm.com)

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by http://www.elfilm.com)

O prêmio de Melhor Fotografia para Bruno Delbonnel deve reforçar a campanha para sua 4ª indicação ao Oscar. Após ter sido indicado por O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001), Eterno Amor (2004) e Harry Potter e o Enigma do Príncipe (2009), o diretor de fotografia francês pode vencer, caso o franco-favorito mexicano Emmanuel Lubezki não figurar na lista por Gravidade. E, espero que a vitória da animação japonesa O Vento Está Soprando também se transforme em indicação e segundo Oscar para o mestre Hayao Miyazaki. Considerado um ano fraco para animações dos grandes estúdios, Miyazaki e seu Studio Ghibli podem se consagrar mais uma vez na Academia.

O diretor de fotografia francês Bruno Delbonnel dá o toque artístico ao visual de Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen (photo by www.elfilm.com)

O diretor de fotografia francês Bruno Delbonnel dá o toque artístico ao visual de Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen (photo by http://www.elfilm.com)

O prêmio de Primeiro Filme acabou indo para Fruitvale Station: A Última Parada, que visa não apenas o merecimento do diretor Ryan Coogler, mas de todo o elenco formado por Michael B. Jordan, Melonie Diaz, Octavia Spencer e Chad Michael Murray. A produção independente foi bastante aplaudida no último Festival de Cannes, e mais recentemente, recebeu 3 indicações ao Independent Spirit Awards. Com a benção do lobby de Harvey Weinstein, o filme pode surpreender ainda mais espaço nessa corrida ao Oscar.

E como Melhor Documentário, um trabalho singelo da diretora e atriz canadense Sarah Polley intitulado Stories We Tell. Ao contrário da maioria dos documentários que visa temas polêmicos, ela opta por um trabalho mais intimista ao atuar como entrevistadora num experimento que busca identificar mitos e verdades sobre sua família. Aliás, o documentário foi pré-selecionado para competir no Oscar de Melhor Documentário.

A diretor e atriz canadense Sarah Polley foi premiada por seu documentário intimista (photo by www.outnow.ch)

A diretor e atriz canadense Sarah Polley foi premiada por seu documentário intimista (photo by http://www.elfilm.com)

Veja lista dos 15 semi-finalistas:

– O Ato de Matar (The Act of Killing), de Joshua Oppenheimer
– The Armstrong Lie, de Alex Gibney
– Blackfish, de Gabriela Cowperthwaite
– The Crash Reel, de Lucy Walker
– Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling
– Dirty Wars, de Rick Rowley
– First Cousin Once Removed, de Alan Berliner
– God Loves Uganda, de Roger Ross Williams
– Life According to Sam, de Sean Fine, Andrea Nix
– Pussy Riot: A Punk Prayer, de Mike Lerner, Maxim Pozdorovkin
– The Square, de Jehane Noujaim
– Stories We Tell, de Sarah Polley
– Tim’s Vermeer, de Teller
– 20 Feet from Stardom, de Morgan Neville
– Which Way Is the Front Line from Here? The Life and Time of Tim Hetherington, de Sebastian Junger

The Armstrong Lie, de Alex Gibney, destrincha os altos e baixos do campeão Lance Armstrong que venceu 7 Tour de France, mas perdeu após exame anti-dopping (photo by www.outnow.ch)

The Armstrong Lie, de Alex Gibney, destrincha os altos e baixos do campeão Lance Armstrong que venceu 7 Tour de France, mas perdeu após exame anti-dopping (photo by http://www.outnow.ch)

‘O Mordomo da Casa Branca’ (The Butler), de Lee Daniels (2013)

O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels

O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels

O SUCESSO DO FILME NAS BILHETERIAS AMERICANAS AQUECE
A CORRIDA PELO OSCAR 2014 E REACENDE A QUESTÃO
DO RACISMO E O PÚBLICO NEGRO

Antes de começar, gostaria de esclarecer um fato que levantou certa ira do crítico Ricardo Calil da Folha de S. Paulo. O título original de O Mordomo da Casa Branca, The Butler, ficou impresso em alguns pôsteres como Lee Daniel’s The Butler, o que no univerno cinematográfico significa que o diretor já teria poderes de um autor consagrado como Federico Fellini a ponto de inserir o nome dele no título. Contudo, nesse caso, o estúdio Warner Bros. levantou uma queixa com a MPAA (Motion Pictures Association of America) solicitando a mudança do título, pois já existe um curta-metragem homônimo de 1916. Portanto, Lee Daniels’ The Butler foi originado por esta briga nos bastidores.

O diretor Lee Daniels no set de O Mordomo da Casa Branca (photo by www.outnow.ch)

O diretor Lee Daniels no set de O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.outnow.ch)

Contudo, apesar de ainda estar em seu quarto longa-metragem, Lee Daniels vem conquistando prestígio nos EUA, principalmente com as celebridades e o público afro-americanos (sim, esse termo politicamente correto). A resposta do público veio com a marca de 115 milhões de dólares nas bilheterias somente em território americano (estima-se que o orçamento é de apenas 30 milhões). Já as celebridades respondem se estapeando para conseguir um dos papéis em seus filmes.

Em seu filme anterior, Obsessão (2012), o diretor já colheu os frutos de seu primeiro sucesso Preciosa (2009). Conseguiu a vencedora do Oscar Nicole Kidman, Matthew McConaughey e John Cusack. Para este Mordomo, além de contar com Forest Whitaker (vencedor do Oscar por O Último Rei da Escócia), o diretor obteve a difícil confiança da rainha da TV, Oprah Winfrey, cuja última atuação nos cinemas se deu há 15 anos com Bem-Amada (1998). Obviamente, ela aceitou a proposta pelo projeto e pela ascensão do diretor, pois o cachê seria uma mera gorjeta. Aliás, talvez, esta relação com Lee Daniels pode ter começado quando Oprah elogiou a atriz novata Gabourey Sidibe no Oscar 2010.

Oprah Winfrey e Forest Whitaker formam o casal Gaines: premiações são esperadas (photo by www.elfilm.com)

Oprah Winfrey e Forest Whitaker formam o casal Gaines: premiações são esperadas (photo by http://www.elfilm.com)

Com os protagonistas definidos, Lee Daniels não teve muito trabalho para preencher os demais papéis secundários. Uma penca de estrelas estava disposta a baixar seus salários em prol do diretor: Jane Fonda, Robin Williams, James Marsden, Liev Schreiber, John Cusack, Minka Kelly, Cuba Gooding Jr., Terrence Howard (esses dois últimos buscam recuperar o prestígio há tempos) e Alan Rickman, o único que leva um pouco mais à sério o trabalho com tempo limitadíssimo de tela como Ronald Reagan.

Em entrevista, Lee Daniels teria confessado que convocou astros de Hollywood com receio de que o filme fosse um fracasso comercial. Claro que conferir grandes nomes interpretando políticos não deixa de ser uma atração à parte, mas no contexto geral, acaba resumindo os presidentes às caricaturas e se tornando uma distração desnecessária. Aliás, essa decisão mais comercial de Daniels prejudicou o filme como unidade. De um lado, temos o drama familiar do protagonista, do outro temos o passeio das estrelas no tapete vermelho. Sem contar a presença destoante de Mariah Carey como a mãe do protagonista. Se o diretor devia algo à cantora, deveria ter pensado em outra forma de pagamento…

Bom, mas antes, vamos à história. O Mordomo da Casa Branca é inspirado na vida de Eugene Allen, um mordomo negro que serviu a oito presidentes na Casa Branca por 34 anos. De lá, ele acompanhou de perto alguns fatos que marcaram a História americana como a Guerra do Vietnã e o Movimento dos Direitos Civis. Segundo relatos de seu filho, Allen ficou bastante afetado com o assassinato do presidente Kennedy: “Foi a primeira vez que vi meu pai chorar”. Sua vida foi retratada no livro The Butler – A Witness to History, de Wil Haygood, e poderia resultar num bom filme, mas nas mãos de Lee Daniels e toda a pressão afro-americana nas costas, acabou se tornando uma espécie de novela televisiva sobre racismo.

À direita, o mordomo Eugene Allen é cumprimentado pelo presidente Ronald Reagan e a pela primeira-dama Nancy Reagan (photo by Kevin Clark/The Washington Post/Getty Images)

À direita, o mordomo Eugene Allen é cumprimentado pelo presidente Ronald Reagan e a pela primeira-dama Nancy Reagan na vida real… (photo by Kevin Clark/The Washington Post/Getty Images)

Jane Fonda e Alan Rickman dão vida aos Reagan (photo by www.outnow.ch)

… e a Arte imita a vida: no filme, Jane Fonda e Alan Rickman dão vida aos Reagan (photo by http://www.outnow.ch)

Quando se trata de um tema polêmico, costuma valer a regra do grupo vitimado ter direito a fazer piadas. Por exemplo, falar mal de judeus é uma ofensa (Tatá Werneck que o diga!), mas quando um judeu fala mal do próprio judeu, aí tudo bem. Ele teria ‘propriedade’. Por isso, resolvi colher uma resenha de um escritor negro do jornal inglês The Guardian chamado Orville Lloyd Douglas. Em tom de desabafo, ele solta a seguinte frase: Frankly, why can’t black people get over slavery? (Francamente, por que os negros não superam a escravidão?)

Orville Lloyd Douglas, do The Guardian

Orville Lloyd Douglas, do The Guardian

No artigo, ele discute a decadência do Cinema atual, que parece viver apenas de temas do passado como a escravidão quando o foco é a raça negra. “Infelizmente, esses papéis são quase os únicos abertos aos negros. As pessoas querem que os atores negros de O Mordomo da Casa Branca e Twelve Years a Slave sejam indicados aos prêmios de melhor ator e atriz, mas isso soa como um retrocesso, quase como na era de …E o Vento Levou (quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema e os atores eram escalados apenas como serventes)”.

Outro forte concorrente ao Oscar 2014 também com tema da escravidão: Twelve Years a Slave, de Steve McQueen (photo by www.elfilm.com)

Outro forte concorrente ao Oscar 2014 também com tema da escravidão: Twelve Years a Slave, de Steve McQueen (photo by http://www.elfilm.com)

Ele acredita que esses filmes raciais, que ganharam novo fôlego com o sucesso de Django Livre, “foram criados para um público branco e liberal para gerar culpa pelos eventos do passado”. Confira o artigo completo no link: http://www.theguardian.com/commentisfree/2013/sep/12/why-im-not-watching-the-butler-12-years-a-slave

Concordo em partes com a crítica social de Douglas. Realmente, Hollywood e o Cinema poderiam produzir filmes com temáticas mais contemporâneas, pois parece que não houve progresso nas últimas décadas. Contudo, é preciso recordar a seguinte frase: “‘Lembrar para não repetir”, que se tornou uma espécie de lema político-cultural após as tragédias do Holocausto. Se não me engano, essa sentença é dita também no grande documentário Noite e Neblina (1955), de Alain Resnais.

Infelizmente, o racismo contra negros e minorias étnicas ainda existe, e aqui no Brasil não é diferente. Ainda há muito a avançar principalmente na área de educação, que exige uma reforma há décadas. Mas, em busca de solução fácil pra agregar mais votos, o PT tornou feriado o Dia da Consciência Negra e criou cotas para negros nas universidades. Essas atitudes não apagam ou sequer compensam o passado, tendo efeito igual ou pior do que o próprio racismo. Não estaria a cota negra afirmando que o beneficiado não teria capacidade própria de ingressar numa faculdade? E 50% das cotas para alunos de ensino público: por que não melhorar o ensino público para que não haja necessidade de cotas? Apesar da boa intenção, essa tática política gera mais regressão e preconceito.

Essas questões raciais também prejudicam o filme de Lee Daniels. A panfletagem deslavada ao presidente Barack Obama incomoda bastante. Não me entendam mal. Não se trata de partido político, mas a forma como Obama foi inserido no contexto, parece que ele se tornou a solução para todos as décadas de sofrimento racial, bem no estilo “agora que um negro está no poder, nossos problemas acabaram”. Essa simplicidade me faz recordar o final planfletário de A Vida é Bela, de Roberto Benigni, em que um tanque americano surge dando fim à guerra e ao sofrimento.

Falando em Benigni, o mesmo produtor Harvey Weinstein, assumiu a propaganda de O Mordomo da Casa Branca, o que certamente elevará as chances do filme no Oscar 2014. Forest Whitaker e Oprah Winfrey podem figurar nas indicações de ator e atriz coadjuvante, respectivamente. Dependendo do lobby, pode conquistar ainda indicação para melhor roteiro adaptado, direção e filme. Pra mim, apenas Whitaker merece uma chance, pois o papel de Oprah é pseudo-profundo. Criaram um alcoolismo e um senso de adultério para maquiar sua bidimensionalidade. O jovem David Oyelowo, que interpreta o filho mais velho e ativista, entrega algumas cenas boas de dramaticidade.

Forest Whitaker e David Oyelowo têm um duelo de idealismos interessante (photo by www.elfilm.com)

Forest Whitaker e David Oyelowo têm um duelo de idealismos interessante (photo by http://www.elfilm.com)

Embora O Mordomo da Casa Branca seja daqueles típicos projetos que despertam a curiosidade, o diretor Lee Daniels desperdiçou a oportunidade de adaptá-lo ao cinema. Seu trabalho mais se associa à linguagem televisiva, tanto que se fosse dividida em episódios de 40 minutos, teríamos aqui uma minissérie ótima para vencer o Emmy. Daniels busca se inspirar no filme de Robert Zemeckis, Forrest Gump – O Contador de Histórias, pelas semelhanças no passeio pela História americana, mas fica limitado pelo roteiro de Danny Strong, que busca apenas uma perspectiva da história, desperdiçando o ótimo protagonista Cecil Gaines.

Pelo resultado final desapontador, o filme merecia avaliação ruim, mas pelo potencial do projeto e das interpretações de Whitaker e Oyelowo…

AVALIAÇÃO: REGULAR

Oscar 2014: Primeiríssima Previsão

Cedo demais para o Oscar 2014? Nem tanto. Se olharmos para os filmes que já estrearam, realmente não há grandes candidatos a Melhor Filme. Contudo, produções milionárias como Homem de Ferro 3, Homem de Aço, Além da Escuridão – Star Trek e Círculo de Fogo podem e devem preencher algumas indicações nas categorias mais técnicas do Oscar como Melhor Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais, uma “rotina” que tem se tornado cada vez mais comum, enquanto os possíveis principais candidatos ao Oscar estréiam no final do ano justamente com esse intuito de deixar os filmes mais frescos nas memórias dos votantes da Academia.

Como a maioria dos candidatos sequer estrearam, muitos palpites aqui são parte de previsões de alguns sites especializados como o Indiewire, além de um apanhado das seleções de festivais como o de Cannes e Berlim. Vale a pena lembrar que o Festival de Toronto (Canadá) tem sido um dos maiores termômetros para o Oscar. Nos últimos anos, os vencedores do prêmio People’s Choice Award foram indicados ou vencedores do Oscar de Melhor Filme: O Lado Bom da Vida, O Discurso do Rei, Preciosa e Quem Quer Ser um Milionário?. Este ano, o novo filme de David O. Russell, American Hustle, pode ser reconhecido em Toronto e praticamente garantir seu acesso ao prêmio da Academia.

Não podemos deixar de lado que há também aquelas produções que já nasceram candidatas ao Oscar, como é o caso de August: Osage County, adaptação de um livro vencedor do Pulitzer, que conta a saga da família Weston. Apesar do diretor inexperiente John Wells, convocaram atores que fazem a diferença e podem render indicações de atuação: Julia Roberts, Ewan McGregor, Chris Cooper, Abigail Breslin e Benedict Cumberbatch. Mas o fator determinante aqui são apenas dois: 1º É produzido por ninguém menos que Harvey Weinstein, o papa-Oscar. E 2º No elenco, tem ninguém menos que Meryl Streep, que pode bater seu próprio recorde de 17 indicações. Você achou que ela fosse sossegar depois de ganhar seu 3º Oscar? Nada disso! Meryl quer bater o recorde de Katharine Hepburn, vencedora de 4 estatuetas de atriz. E, ao que tudo indica, ela deve conquistar sua 18ª indicação, pois Violet Weston, sua personagem, é uma viciada em drogas com câncer (duas tragédias que costumam elevar o potencial de prêmios de atuação). Resta saber se seu papel é principal ou secundário. Veja uma das primeiras fotos de Meryl Streep caracterizada abaixo (a mulher tira de letra!):

Julia Roberts, Ewan McGregor e Meryl Streep em cena de August: Osage County

Julia Roberts, Ewan McGregor e Meryl Streep em cena de August: Osage County (photo by http://www.cinemagia.ro)

Outro que já nasceu com cheiro de premiação foi The Wolf of Wall Street, mais novo filme de Martin Scorsese. Depois de quase ter levado seu segundo Oscar com a bela produção de A Invenção de Hugo Cabret, ele volta à temática criminosa que marcou sua carreira. Desta vez, apóia-se na história verídica de Jordan Belfort, de sua ascensão no mundo dos acionistas até sua queda através de envolvimento com o crime, corrupção e polícia federal. Acredito que Scorsese busque uma história que envolva o mercado financeiro a fim de atingir a crise econômica que devastou os Estados Unidos em 2008.

E mais uma vez Leonardo DiCaprio protagoniza o filme. Trata-se de sua 5ª colaboração com o diretor. Posso estar enganado quanto à eficiência da aliança, mas não sei se o ator consegue atingir o nível de profundidade que Scorsese busca. Pelo tamanho do projeto e da credibilidade de seu diretor, DiCaprio deve ser indicado para Melhor Ator, mas a vitória em si deve levar mais alguns anos. Aos 39 de idade, o ator se mostra cada vez mais esforçado como em Django Livre, mas ainda peca no tom e no excesso.

Leonardo DiCaprio em The Wolf of Wall Street. Mais uma chance no Oscar?

Leonardo DiCaprio em The Wolf of Wall Street. Mais uma chance no Oscar?

O projeto de Scorsese pode ainda render indicações para os atores Matthew McConaughey e Jonah Hill como coadjuvantes, além dos mais corriqueiros como Montagem para Thelma Schoonmaker, Trilha Musical para Howard Shore e Fotografia para Rodrigo Prieto. Resta aguardar o resultado de sua bilheteria e a crítica.

Outro veterano, aliás, veteranoS que podem voltar a concorrer ao Oscar são os irmãos Coen. Em maio, os diretores participaram do último Festival de Cannes com Inside Llewyn Davis, reconhecido pelo Grande Prêmio do Júri. Trata-se de um filme sobre música, especificamente a folk dos anos 60 em Nova York, onde acompanhamos a trajetória do compositor Llewyn Davis.

Além da indicação quase certa de Roteiro Original, como se trata de uma produção de época, pode conquistar indicações para Fotografia (Bruno Delbonnel), Direção de Arte (Jess Gonchor) e Figurino (Mary Zophres). Após atuar nos últimos dois vencedores do Oscar de Melhor Filme (O Artista e Argo), John Goodman pode finalmente ser reconhecido por uma indicação através deste filme dos Coen.

Mas talvez a mais forte aposta seja a atuação de Oscar Isaac, que foi apontado pela mídia especializada como um dos que tem grandes chances de figurar na lista de indicados a Melhor Ator. Sua atuação foi bastante elogiada e, se for reconhecida por alguns prêmios de círculos norte-americanos, pode acabar no Globo de Ouro e no Oscar.

Oscar Isaac tem grandes chances para Melhor Ator por Inside Llewyn Davis (photo by www.OutNow.CH)

Oscar Isaac tem grandes chances para Melhor Ator por Inside Llewyn Davis (photo by http://www.OutNow.CH)

Em alta depois das indicações de seus últimos dois filmes, O Vencedor e O Lado Bom da Vida, o diretor e roteirista David O. Russell vem acumulando um total de 3 indicações sem vitória. Com seu novo filme, American Hustle, a história pode ser diferente.

David O. Russell: 3 indicações ao Oscar. Até o momento, nenhum vitória.

David O. Russell: 3 indicações ao Oscar. Até o momento, nenhum vitória.

Ele retoma a escalação de seus colaboradores como Robert De Niro e Bradley Cooper, podendo receber indicações com Christian Bale, Jennifer Lawrence, Amy Adams e Jeremy Renner. Apesar de todos os atores apresentarem visuais diferentes que merecem atenção, é inegável que Christian Bale se destaca por seu empenho em “desaparecer” no personagem. Bastante comprometido com seus papéis desde Psicopata Americano, O Operário e O Vencedor, Bale ganhou peso, mudou seu penteado radicalmente (ficou meio calvo) e alterou até sua postura. E por isso, é aposta certa para o Oscar 2014, provavelmente como Melhor Ator.

Amy Adams, Bradley Cooper. Jeremy Renner, Christian Bale

Indicados anteriormente: Amy Adams, Bradley Cooper e Jeremy Renner. Vencedores do Oscar: Christian Bale e Jennifer Lawrence. Todos sob direção de David O. Russell (photo by http://www.elfilm.com)

Existe outro filme que começa a ganhar força nos bastidores de Hollywood. Depois do sucesso de Preciosa, o diretor Lee Daniels passou a ganhar prestígio da ala afro-americana (não gosto de usar esse termo politicamente correto, mas tem gente sensível demais atualmente pra ouvir a palavra “negro”). Seu mais novo trabalho, O Mordomo da Casa Branca (The Butler), registra a história supostamente verídica do mordomo negro, Cecil Gaines, que trabalhou na Casa Branca servindo a oito presidentes e testemunhando acontecimentos históricos como a Guerra do Vietnã.

Lee Daniels: 1 indicação por Preciosa.

Lee Daniels: 1 indicação por Preciosa.

Forest Whitaker, que protagoniza o filme, está cotado para sua segunda indicação, e pode render indicações de coadjuvante para Vanessa Redgrave, Alan Rickman, Jane Fonda e principalmente Oprah Winfrey, cuja participação já é um forte lobby em si. Recentemente, ela confessou que teve grande receio de pagar outro mico na tela do cinema, uma vez que seu último filme, Bem-Amada (1998), foi um fracasso de bilheteria.

Mas, felizmente, ela não precisa se preocupar. O público alvo, formado por negros adultos, parece ter aceitado bem a idéia e já responde nas bilheterias americanas. O Mordomo da Casa Branca estreou nos EUA em 1º lugar com 24 milhões de dólares, números que impressionam para uma produção humilde de 25 milhões. Tamanho sucesso comercial deve impulsionar algumas indicações nas categorias principais como Melhor Filme e Diretor, uma vez que não houve diretor negro premiado na história da Academia.

Oprah Winfrey e Forest Whitaker em cena de The Butler

Oprah Winfrey e Forest Whitaker em cena de O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.blackfilm.com)

Se Leo DiCaprio, Oscar Isaacs e Whitaker se classificarem, terão forte competição pela frente. Temos Tom Hanks interpretando o capitão Richard Phillips, que sofreu ataque real de piratas somalianos em 2009 em Captain Phillips; Matthew McConaughey vivendo um aidético que luta contra a indústria farmacêutica em Dallas Buyers Club; o veterano Bruce Dern tendo seu talento redescoberto pelo diretor Alexander Payne em Nebraska, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator no último Festival de Cannes; Chiwetel Ejiofor sendo o escravo da vez no novo filme do conceituado Steve McQueen, Twelve Years a Slave; e o carismático Robert Redford voltando em grande estilo em All is Lost, uma espécie de Náufrago mais moderno.

E se a Academia estiver disposta a recompensar um jovem talento, Michael B. Jordan pode receber sua primeira indicação por Fruitvale Station, uma produção independente que vem seguindo os passos do bem-sucedido Indomável Sonhadora ao conquistar prêmio no Festival de Sundance e ser selecionado em Cannes. Além disso, conta com a ajuda excepcional da Weinstein Company,  que já se comprometeu a distribuir o filme nos EUA e fazer o lobby costumeiro.

Michael B. Jordan no Festival de Cannes e no pôster do filme (photo by www.fruitvalefilm.com)

Michael B. Jordan no Festival de Cannes e no pôster do filme (photo by http://www.fruitvalefilm.com)

Ao contrário dos anos anteriores, a categoria de Melhor Atriz finalmente pode contar com cinco vencedoras do Oscar. Além de Meryl Streep, a australiana Cate Blanchett está encaminhando sua 6ª indicação através do novo filme de Woody Allen, Blue Jasmine, no qual vive a socialite falida Jasmine. Vencedora do Oscar de coadjuvante por O Aviador em 2005, a Academia sente que deve um Oscar de atriz principal para Blanchett, considerada uma das maiores intérpretes do cinema atual. Sally Hawkins e Alec Baldwin podem ser reconhecidos como coadjuvantes, e Woody Allen como roteirista em sua 16ª indicação.

Cate Blanchett em Blue Jasmine (photo by www.OutNow.CH)

Cate Blanchett em Blue Jasmine (photo by http://www.OutNow.CH)

Na mesma linha, a experiente Judi Dench pode ter mais uma chance de conquistar o Oscar de Melhor Atriz. Com um total de seis indicações, ela ganhou apenas uma vez como coadjuvante por Shakespeare Apaixonado (1998), com uma atuação de 8 minutos. Sob direção de Stephen Frears, Judi Dench interpreta uma senhora que procura por seu filho, que foi tirado dela há décadas quando foi forçada a entrar num convento em Philomena.

Os especialistas colocaram Kate Winslet pelo novo filme de Jason Reitman, Labor Day, outros colocaram Sandra Bullock como forte concorrente por Gravidade, filme sobre acidente espacial do mexicano Alfonso Cuarón. O retorno de Winslet ao Oscar seria bem-vindo, pois a Academia gosta de resgatar seus premiados para afastar a sina de maldição do Oscar, mas no caso de Bullock, não creio que suas chances sejam tão boas pelo histórico do gênero.

Sumida do Oscar desde 1996, a inglesa Emma Thompson pode ter seu retorno triunfal com Saving Mr. Banks, no qual interpreta P.L. Travers, autora do livro que deu origem ao clássico musical Mary Poppins (1964). Ao ver o trailer, é possível deduzir que a atuação de Thompson apresentará alguns trejeitos de Julie Andrews. Como o filme pode render indicações para Roteiro Original e Ator Coadjuvante para Tom Hanks (interpretando Walt Disney), Saving Mr. Banks deve figurar entre os candidatos a Melhor Filme. O diretor John Lee Hancock teve seu último trabalho indicado a Melhor Filme em 2010: Um Sonho Possível.

Tom Hanks e Emma Thompson em Saving Mr. Banks.

Tom Hanks (como Walt Disney) mostra o parque Disneyland para a escritora P.L. Travers (Emma Thompson) em Saving Mr. Banks (photo by http://www.disney.com)

E como a Academia tem uma paixão por realeza, as atrizes Nicole Kidman e Naomi Watts podem concorrer por seus papéis de Princesa Grace Kelly e Princesa Diana em Grace of Monaco e Diana, respectivamente. Enquanto Kidman trabalha com Olivier Dahan, que conquistou o Oscar de Atriz para Marion Cotillard por Piaf – Um Hino ao Amor, Watts atua sob direção do alemão Oliver Hirschbiegel (A Queda! As Últimas Horas de Hitler) na tentativa de distrinchar aqueles dias polêmicos em que Lady Di tinha um amante. Em termos de caracterização, Naomi Watts sai um pouco na frente, mas ambas aparentam ter pouco trabalho de maquiagem, ao contrário de Meryl Streep em A Dama de Ferro, por exemplo. Mas o que realmente conta é a atuação e a carga dramática que as atrizes imprimem nos filmes. Vamos torcer por boas atuações!

À esquerda, Grace Kelly. Nicole Kidman enfrenta dura desafio de trazer a princesa e atriz de volta à vida em Grace of Monaco (photo by mamamia.au)

À esquerda, Grace Kelly. Nicole Kidman enfrenta dura desafio de trazer a princesa e atriz de volta à vida em Grace of Monaco (photo by mamamia.com.au)

Naomi Watts (à direita) reproduz os mesmos gestos de Princesa Diana em Diana (photo by eonline.com)

Naomi Watts (à direita) reproduz os mesmos gestos de Princesa Diana em Diana (photo by eonline.com)

Indo na cola do sucesso de Bastardos Inglórios, o novo filme do diretor George Clooney, The Monuments Men, também retoma a Segunda Guerra Mundial ao contar a história de um grupo de historiadores de Arte que busca resgatar importantes obras de arte dos nazistas antes que Hitler as destrua. Por se tratar de uma aventura mais cômica, talvez a produção não seja bem cotada para os prêmios principais do Oscar, mas como Clooney tem boa reputação e seu elenco é super qualificado, pode surpreender na reta final. Apesar de contar com Matt Damon, Bill Murray, Jean Dujardin, John Goodman e do próprio George, a atuação mais comentada (pra variar) é de Cate Blanchett, que capricha no sotaque e pode conquistar indicação de coadjuvante.

Ao centro: John Goodman, George Clooney e Matt Damon checam as obras roubadas em The Monuments Men (photo by www.outnow.ch)

Ao centro: John Goodman, George Clooney e Matt Damon checam as obras roubadas em The Monuments Men (photo by http://www.outnow.ch)

Aliás, nas categorias de coadjuvantes, algumas performances já merecem destaque, como a transformação de Jared Leto num travesti (ou transsexual) no drama sobre HIV, Dallas Buyers Club. O jovem ator, que ficou conhecido como o filho drogado da personagem de Ellen Burstyn em Réquiem Para um Sonho (2000), também emagreceu consideravelmente para o papel. Contudo, nem sempre a Academia está disposta a premiar papéis nada conservadores.

Indicado por Minhas Mães e Meu Pai em 2011, Mark Ruffalo vai na contramão e engorda para o papel. Na verdade, ele ganha massa muscular para viver o campeão olímpico de wrestling, Dave Schultz, assassinado pelo esquizofrênico John duPont, interpretado por Steve Carell, que usa um nariz prostético para incorporar o personagem em Foxcatcher, do diretor Bennett Miller de Capote.

Seguindo o sucesso do nariz prostético de Nicole Kidman em As Horas, Steve Carell repete o feito em Foxcatcher

Seguindo o sucesso do nariz prostético de Nicole Kidman em As Horas, Steve Carell repete o feito em Foxcatcher (photo by http://www.digitalspy.com)

Já na corrida da ala feminina, as vencedoras do Oscar Cate Blanchett, Jennifer Lawrence, Vanessa Redgrave e Octavia Spencer podem figurar na lista final novamente. Previamente indicadas mas sem vitória, Oprah Winfrey, Laura Linney, Catherine Keener, Carey Mulligan, Kristin Scott Thomas e Amy Adams têm novas oportunidades de ganhar, especialmente Amy Adams que, além de ter duas atuações de destaque em 2013 (American Hustle e Her), participou no sucesso comercial Homem de Aço, e já foi indicada 4 vezes como coadjuvante e nunca levou a estatueta.

Vale lembrar que como boa parte dos filmes sequer estrearam, as atuações podem variar entre atores principais e coadjuvantes, fato que depende também do lobby das distribuidoras como a Weinstein Company. Ao longo dos próximos meses, postarei mais previsões e premiações que consolidem a corrida para o Oscar 2014, cujas indicações serão anunciadas no dia 16 de janeiro. Confira as apostas:

MELHOR FILME
– The Wolf of Wall Street
– The Monuments Men
– Twelve Years a Slave
– Saving Mr. Banks
– August: Osage County
– Inside Llewyn Davis
– Gravidade (Gravity)
– American Hustle
– Captain Phillips
– Fruitvale Station
– Blue Jasmine
– All Is Lost
– Foxcatcher
– O Conselheiro do Crime (The Counselor)
– Labor Day
– Mandela: Long Walk To Freedom
– Rush: No Limite da Emoção (Rush)
– O Quinto Poder (The Fifth Estate)
– Out of the Furnace
– Dallas Buyers Club
– Nebraska
– The Past
– O Mordomo (The Butler)
– Os Suspeitos (Prisoners)

MELHOR DIRETOR


– George Clooney (The Monuments Men)
– Joel Coen e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis)
– Lee Daniels (O Mordomo)
– Paul Greengrass (Captain Phillips)
– Steve McQueen (Twelve Years a Slave)
– Bennett Miller (Foxcatcher)
– Alexander Payne (Nebraska)
– David O. Russell (American Hustle)
– Martin Scorsese (The Wolf of Wall Street)
– Ridley Scott (O Conselheiro do Crime)
– Alfonso Cuarón (Gravidade)
– John Wells (August: Osage County)
– Ryan Coogler (Fruitvale Station)
– Spike Jonze (Her)
– Jason Reitman (Labor Day)
– Ron Howard (Rush: No Limite da Emoção)
– J.C. Chandor (All is Lost)
– Bill Condon (O Quinto Poder)
– Denis Villeneuve (Os Suspeitos)

MELHOR ATOR

– Christian Bale (American Hustle)
– Steve Carell (Foxcatcher)
– Benedict Cumberbatch (O Quinto Poder)
– Bruce Dern (Nebraska)
– Leonardo DiCaprio (The Wolf of Wall Street)
– Idris Elba (Mandella: Long Walk to Freedom)
– Chiwetel Ejiofor (Twelve Years a Slave)
– Michael Fassbender (O Conselheiro do Crime)
– Ralph Fiennes (The Invisible Woman)
– Colin Firth (The Railway Man)
– Tom Hanks (Captain Phillips)
– Oscar Isaac (Inside Llewyn Davis)
– Michael B. Jordan (Fruitvale Station)
– Joaquin Phoenix (Her)
– Ben Stiller (The Secret Life of Walter Mitty)
– Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
– Ashton Kutcher (jOBS)
– Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
– Robert Redford (All is Lost)
– Hugh Jackman (Os Suspeitos)

MELHOR ATRIZ

– Cate Blanchett (Blue Jasmine)
– Judi Dench (Philomena)
– Meryl Streep (August: Osage County)
– Emma Thompson (Saving Mr. Banks)
– Sandra Bullock (Gravidade)
– Amy Adams (American Hustle)
– Naomi Watts (Diana)
– Nicole Kidman (Grace of Monaco)
– Julia Roberts (August: Osage County)
– Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
– Marion Cotillard (The Immigrant)
– Bérénice Bejo (The Past)
– Kate Winslet (Labor Day)
– Jessica Chastain (The Disappearance of Eleanor Rigby)
– Jennifer Lawrence (Serena)
– Samantha Morton (Decoding Annie Parker)
– Felicity Jones (The Invisible Woman)
– Elizabeth Olsen (Therese Raquin)
– Greta Gerwig (Frances Ha)
– Rooney Mara (Ain’t Them Bodies Saints)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

– Casey Affleck (Out of Furnace)
– Alec Baldwin (Blue Jasmine)
– Javier Bardem (O Conselheiro do Crime)
– Josh Brolin (Labor Day)
– Daniel Brühl (Rush: No Limite da Emoção)
– George Clooney (Gravidade)
– Bradley Cooper (American Hustle)
– Michael Fassbender (Twelve Years a Slave)
– Harrison Ford (42: A História de uma Lenda)
– Ben Foster (Ain’t Them Bodies Saints)
– John Goodman (Inside Llewyn Davis)
– Tom Hanks (Saving Mr. Banks)
– Woody Harrelson (Out of Furnace)
– Jonah Hill (The Wolf of the Wall Street)
– Phillip Seymour Hoffman (A Most Wanted Man)
– Jared Leto (Dallas Buyers Club)
– Matthew McConaughey (Amor Bandido)
– Matthew McConaughey (The Wolf of the Wall Street)
– Jeremy Renner (American Hustle)
– Mark Ruffalo (Foxcatcher)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

– Amy Adams (American Hustle)
– Amy Adams (Her)
– Cate Blanchett (The Monuments Men)
– Viola Davis (Os Suspeitos)
– Cameron Diaz (O Conselheiro do Crime)
– Jennifer Garner (Dallas Buyers Club)
– Naomie Harris (Mandela: Long Walk to Freedom)
– Sally Hawkins (Blue Jasmine)
– Catherine Keener (Captain Phillips)
– Jennifer Lawrence (American Hustle)
– Laura Linney (O Quinto Poder)
– Margot Martindale (August: Osage County)
– Carey Mulligan (Inside Llewyn Davis)
– Lupita Nyong’o (Twelve Years a Slave)
– Vanessa Redgrave (Foxcatcher)
– Zoe Saldana (Out of the Furnace)
– Octavia Spencer (Fruitvale Station)
– June Squibb (Nebraska)
– Kristin Scott Thomas (The Invisible Woman)
– Oprah Winfrey (O Mordomo)

NOTA IMPORTANTE: No dia 26 de setembro, a Sony Pictures Classics decidiu adiar a estréia de Foxcatcher para 2014, abandonando a corrida para o Oscar. A nobre intenção é conceder mais tempo ao diretor Bennett Miller para a finalização do filme. Poucos dias atrás, a Weinstein Co. também transferiu Grace of Monaco, estrelado por Nicole Kidman, para o ano seguinte. Mas lembrando que as datas ainda podem sofrer alterações até o final do ano, caso surjam boas oportunidades de encaixe.

Foxcatcher: Estréia adiada e ausência no Oscar 2014.

Foxcatcher: Estréia adiada e ausência no Oscar 2014.

Prévia do Oscar 2013: Atriz Coadjuvante

A última vencedora de Atriz Coadjuvante: Octavia Spencer por Histórias Cruzadas.

Pela história do Oscar, a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante é a mais imprevisível das quatro de atuação, pois na maioria das vezes, as candidatas não estão ligadas ao Melhor Filme, o que dificulta numa aposta de bolão. Na verdade, se formos pensar de forma otimista, a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante é a mais ousada. Já premiou crianças como Anna Paquin por O Piano (1993) e Tatum O’Neal por Lua de Papel (1973). Foi a primeira a reconhecer um ator negro na história do Oscar: Hattie McDaniel pelo papel da empregada doméstica Mammy de … E o Vento Levou, em 1940.

Hattie McDaniel, a primeira negra a vencer o Oscar: um marco na história.

Aliás, em seu discurso de agradecimento em 2006, George Clooney fez uma breve menção a essa histórica vitória: “… esta Academia, este grupo de pessoas deu um Oscar para Hattie McDaniel em 1939 quando negros ainda se sentavam no fundo dos cinemas. Estou orgulhoso de fazer parte desta Academia, orgulhoso de fazer parte desta comunidade…”

Como cinéfilo, torço para que as atrizes indicadas nesta categoria tenham a oportunidade de crescer na carreira e chegar na corrida para Melhor Atriz. Este ano, algumas candidatas têm boas chances de decolar em definitivo. Amy Adams (que já tem três indicações como coadjuvante), Anne Hathaway (tem uma indicação como atriz, mas por um filme independente) e Olivia Williams, que brilhou em O Escritor Fantasma, pode finalmente ter seu trabalho reconhecido pela Academia.

Inevitavelmente, há casos em que as atrizes podem ser compensadas por derrotas anteriores, como pode ser o caso de Viola Davis, que chegou muito próximo do Oscar de atriz esse ano, mas perdeu para Meryl Streep.

E para dar mais consistência ao caldo, a presença de atrizes veteranas só valorizaria mais o prêmio. Vanessa Redgrave, uma das melhores atrizes vivas hoje, já tornaria tudo mais interessante. Com seis indicações, a atriz britânica já levou um na década de 70 por Júlia, dirigida por Fred Zinnemann. Outra britânica veterana que pode retornar é Maggie Smith. Com o fim da loga franquia de Harry Potter, na qual interpretava a feiticeira Minerva, ela se juntou com outros atores experientes em O Exótico Hotel Marigold. Como em Assassinato em Gosford Park, ela rouba a cena com seu humor tipicamente britânico. E Sally Field, vencedora de dois Oscars, que encontrou reduto na TV, pode voltar com mais frequência às telas de cinema.

Amy Adams em The Master

AMY ADAMS (The Master)

Italiana de nascença, Amy Adams tinha tudo para se tornar uma cantora ou bailarina, pois praticou canto no coro da igreja e fez aulas de balé. Depois de sofrer uma distenção muscular, ela decidiu que participaria de um teste para atriz. O filme era Lindas de Morrer (1999) e, como se trata de uma comédia sobre concurso de beleza, Amy conseguiu o papel pela sua aparência deslumbrante. Em 2001, conseguiu uma grande oportunidade de atuar ao lado de Leonardo DiCaprio em Prenda-me se for Capaz, de Steven Spielberg, mas não rendeu os frutos esperados, pois ficou um ano sem trabalho.

Foi apenas em 2005, com o filme independente Retratos de Família (Junebug), no qual dá vida à animadíssima grávida Ashley, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Provado seu talento e acrescido de sua beleza, a Disney lhe ofereceu a papel da bela princesa de Encantada (2007), superando mais de 300 candidatas. A produção bem-sucedida comercialmente ainda permitiu que Amy Adams comprovasse seu outro talento: o canto. No Oscar de 2008, como a canção “Happy Working Song” foi indicada, a atriz subiu ao palco e cantou solitaria e animadamente.

Em sua curta trajetória, obteve mais duas indicações ao Oscar como coadjuvante: em 2009, por Dúvida e em 2011, por O Vencedor. Como prova de sua versatilidade, ela interpretou uma freira e uma garçonete, respectivamente. Tornou-se material de ouro para vários diretores, inclusive Walter Salles (Na Estrada) e Paul Thomas Anderson, nesse The Master.

No filme da cientologia, Amy faz a esposa do iluminado Lancaster Dodd, Peggy. Sua personagem verídica está presente e ciente de tudo, funcionando como uma espécie de conselheira para seu marido. Talvez não tenha o peso do personagem Lancaster (Philip Seymour Hoffman), mas como a atriz tem muito prestígio e tem mais dois bons filmes no ano (Na Estrada e Curvas da Vida, que atua ao lado de Clint Eastwood), Amy Adams é presença garantida na lista.

2013 promete: ela assinou contrato para ser a nova Lois Lane em Superman – O Homem de Aço e a polêmica cantora Janis Joplin, cujo filme deve ser dirigido por Lee Daniels.

Samantha Barks em Les Misérables

SAMANTHA BARKS (Les Misérables)

Confesso que não sei quase nada sobre esta jovem e bela atriz britânica. Samantha Barks atuou em duas séries televisivas européias, sendo que uma delas é sobre música: I’do Anything (2008), uma espécie de programa reality, que já confirmaria o talento musical da jovem.

Curiosamente, já em 2010, a atriz foi escalada para interpretar Eponine na montagem musical Les Misérables in Concert: The 25th Anniversary, dirigido por Nick Morris, especialista em video clipes e concertos.

Quando Les Misérables iniciou os testes com atrizes, inúmeros nomes famosos foram cogitados. Scarlett Johansson, Hayden Panettiere, Emily Browning, Lucy Hale e Evan Rachel Wood estavam na lista, mas como não devem ter agradado aos ouvidos do casting com seus cantos de sereia, resolveram tentar com a cantora-babe country Taylor Swift. Mas quem disse que tinha talento pra representar? Vamos chamar alguém com experiência! E viram o concerto de Nick Morris.

O nome de Samantha Barks já saiu em algumas listas internacionais nos burburinhos para a temporada de premiações. Mesmo que tenha seu brilho ofuscado por Anne Hathaway, a atriz deve decolar em Hollywood nos anos seguintes. Basta que ela e seu agente saibam escolher os melhores projetos.

Viola Davis em Won’t Back Down

VIOLA DAVIS (Won’t Back Down)

Viola Davis é daquelas atrizes muito humildes que está cada vez mais raro encontrar em Hollywood. Ela começou a atuar em filmes no final dos anos 90, e apesar de interpretar papéis menores, trabalhou com diretores de prestígio como Steven Soderbergh em Irresistível Paixão (1998) e Traffic (2000), e Todd Haynes no belo filme Longe do Paraíso, no qual vive a discretíssima doméstica Sybill.

Quando Viola Davis foi indicada ao Oscar de coadjuvante por poucos minutos de tela de sua personagens Mrs. Miller em Dúvida, Meryl Streep chegou a mencioná-la num discurso de agradecimento: “… por favor, alguém dê uma chance para Viola estrelar um filme!”. O pedido de Meryl foi atendido e os produtores apostaram na atriz para protagonizar o drama Histórias Cruzadas, como a doméstica que sofre racismo nos anos 60 no Mississipi. Resultado: uma nova indicação ao Oscar, mas desta vez como Melhor Atriz.

Infelizmente, numa disputa acirradíssima, Viola Davis levou a pior contra Streep. Mas como existe a possibilidade da Academia estar disposta a compensá-la, alguns especialistas acreditam que ela pode estar na lista final pelo drama Won’t Back Down. No filme, ela é uma mãe que, preocupada com a educação precária que seu filho vem recebendo da escola pública, acaba ingressando na própria escola a fim de realizar melhorias necessárias.

Por esse retrato da decadência do sistema público de educação, o filme recebeu protestos de professores. Não que estejam reclamando do filme em si, mas do governo que os colocam como culpados. Em entrevista, Viola Davis retrucou muito polidamente: “Sou receptiva aos protestos. Gosto de discussão. Acho que o discurso proporciona mudanças. No final do filme, o professor é o herói no fim do dia.  E é um sistema que está falido e precisa ser consertado.”Apesar da polêmica, a atriz sai fortalecida, e se conseguir a indicação, aí pode se tornar favorita contra Anne Hathaway.

Sally Field em Lincoln

SALLY FIELD (Lincoln)

Resumidamente, Sally Field se destacou primeiro pela TV, na série cômica A Noviça Voadora (1967). Em sua nova fase na carreira, migrou para o cinema e ganhou dois Oscars: em 1980 com o drama sindicalista Norma Rae, e em 1985 com o momento racista de Mississipi em Um Lugar no Coração.

Já na década de 90, Sally Field estrelou alguns filmes menos expressivos como Olho por Olho (1995) e a comédia com Robin Williams, Uma Babá Quase Perfeita, mas ficou extremamente marcada como a mãe carinhosa de Forrest Gump – O Contador de Histórias (1994).

Espera-se que esse carinho tenha se repetido como a segunda esposa do presidente Abraham Lincoln. Independente do resultado final, Spielberg acertou na escolha de Field pela sua credibilidade como atriz veterana e pela exposição na TV, pela série Brothers & Sisters, que já lhe rendeu indicações para o Globo de Ouro e Emmy.

No entanto, como as atenções para o elenco estão reunidas em Daniel-Day Lewis, acho difícil uma vitória de Sally Field, ainda mais que a concorrência está acirrada com Anne Hathaway e Amy Adams.

Anne Hathaway em Les Misérables

ANNE HATHAWAY (Les Misérables)

Quem diria que aquela jovem atriz de O Diário da Princesa tomaria Hollywood alguns anos depois? Sua ascensão se divide em três etapas. Começou depois de atuar em O Segredo de Brokeback Mountain (2005), sob a tutela de um inspiradíssimo Ang Lee. Seu papel como Lureen, esposa de Jake Gyllenhaal, tem partipação pequena, mas ali ela já mostra maior alcance em termos de expressão e sotaque.

Com o sucesso estrondoso de O Diabo Veste Prada, ela certamente garantiu um lugar de destaque em Hollywood, provando que tem carisma com o público juvenil e possui bom timing cômico. Claro que seu agente agradeceu, pois seu salário foi parar na estratosfera depois do filme. Mas Hathaway ainda não estava satisfeita. Ela queria provar ao mundo que era mais do que um rosto bonito, por isso, aceitou a proposta de atuar no drama O Casamento de Rachel, de Jonathan Demme, no qual vive uma jovem recém-saída da clínica de reabilitação para ver sua irmã casar. Sua coragem foi premiada com sua primeira indicação ao Oscar.

Curiosamente, no Oscar 2009, ela participou do número de abertura ao lado de Hugh Jackman, cantando muito bem uma paródia do filme Frost/Nixon. Sua qualidade vocal foi tão bem elogiada pelos companheiros, que ela acabou sendo cotada para este musical Les Misérables. E segundo matérias especializadas, no teste, Anne cantou “I Dreamed a Dream” de forma tão comovente que os demais atores choraram.

Se ela conseguir comover o público como promete, ela está na frente na disputa de Melhor Atriz Coadjuvante.

Helen Hunt em The Sessions

HELEN HUNT (The Sessions)

Depois que Helen Hunt ganhou como Melhor Atriz em 1998 pela ótima comédia Melhor É Impossível, a atriz sofreu a maldição do Oscar. Oriunda da série de TV, Mad About You, ela vinha em ascensão depois do sucesso do blockbuster Twister (1996), mas depois do ápice, caiu em desgraça e não soube escolher bons projetos que pudessem valorizar sua performance e timing cômico. A carreira dela depois do Oscar no cinema pode se resumir a comédia light Do que as Mulheres Gostam (2000), atuou na comédia razoável de Woody Allen, O Escorpião de Jade (2001), e foi figurante em Náufrago (2000).

Acho que Helen Hunt precisa aproveitar o sucesso de crítica de The Sessions, no qual ela faz uma profissional do sexo e dona de casa que busca atender ao último pedido de Mark (John Hawkes), e escolher projetos que possam valorizar o seu tipo de atuação com uma vertente mais humorística. Não estou tentando rotulá-la para sempre aos papéis cômicos, mas como sua carreira está em baixa, ela deveria retomá-la com algo que sabe fazer bem e então procurar projetos mais ambiosos, sejam biografias, papéis que exigem horas de maquiagem, dietas milagrosas, enfim…

Como ela já foi vencedora do Oscar, tenho certeza de que a Academia adoraria indicá-la mais vezes, pois odeia essa má publicidade da maldição do Oscar. Mas para isso, ela precisa fazer a parte dela e escolher bem seus próximos filmes. Ela já tem um drama pronto intitulado Decoding Annie Parker, que parece uma bomba, e asssinou para fazer Relative Insanity (uma comédia dramática) e Serpent Girl (uma fantasia, também com cara de bomba).

Maggie Smith em O Exótico Hotel Marigold

MAGGIE SMITH (O Exótico Hotel Marigold)

Sim, Maggie Smith pode concorrer em duas categorias no mesmo ano e por dois filmes diferentes. Em O Exótico Hotel Marigold, a atriz veterana empresta seu humor tipicamente britânico à sua personagem Muriel, uma senhora que foi serviçal de uma família a vida toda, mas que foi dispensada quando terminou de ensinar todas as tarefas para outra mulher mais jovem. Ela precisa fazer uma cirurgia no quadril, mas como a espera é muito longa, ela viaja à Índia, onde a cirurgia seria imediata e se recupera no hotel do título.

Esse papel muito se assemelha ao personagem que viveu no filme Assassinato em Gosford Park, de Robert Altman, pois apresenta o mesmo comportamento esnobe, mas com o humor discreto. E assim como da outra vez, Maggie Smith rouba todas as cenas em que está presente, uma vez que é dona das melhores frases. O fato de conseguir se destacar em meio a tantos bons atores como Judi Dench, Tom Wilkinson e Bill Nighy pode ajudar em mais uma indicação para a atriz, que já levou a estatueta duas vezes.
A primeira em 1970 por A Primavera de uma Solteirona, e em 1979 pela comédia California Suite como coadjuvante.

Se ela conseguir a proesa de duas indicações, estas devem ser a sétima e a oitava. Devemos levar em consideração também seu trabalho em toda a longa franquia do bruxo Harry Potter. Maggie esteve em sete dos oito filmes da série como a feiticeira Minerva.

Jacki Weaver (centro) em Silver Linings Playbook

JACKI WEAVER (Silver Linings Playbook)

Esta atriz australiana deixou sua marca ao interpretar a matriarca de Reino Animal, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Sua performance foi extremamente bem elogiada por toda a crítica e teve seu reconhecimento internacional. Felizmente, entre os que gostaram de seu trabalho estava o diretor David O. Russell, que a chamou para seu novo filme, Silver Linings Playbook.

Aparentemente, seu papel de Dolores, a mulher de Pat Sr. (Robert De Niro) e mãe de Pat (Bradley Cooper), não continha tanta profundidade. Mas pelos comentários, Jacki conseguiu tirar leite de pedra. Pela linguagem artística, ela puxa inúmeras camadas de uma personagem fadada ao bidimensionalismo. E enganam-se aqueles que pensam que seu papel neste filme tem semelhanças com a violenta Smurf Cody de Reino Animal.

Apesar de quase desconhecida, Jacki Weaver já atua em filmes desde a década de 70, sendo o mais notável deles o drama Picnic na Montanha Misteriosa, de um jovem Peter Weir. Um dos primeiros filmes australianos a atingir sucesso internacional, o drama tem essa aura de mistério que perdura até o fim, lembrando alguns trabalhos do diretor sueco Ingmar Bergman.

Sendo uma atriz experiente, já aproveitou sua fama e fez a comédia Cinco Anos de Noivado (ainda inédito no Brasil) e acabou de ser dirigida por dois diretores em extrema ascensão: o sul-coreano Park Chan-Wook (de Oldboy) em Stoker, e com Jason Reitman (Juno e Amor Sem Escalas) em Labor Day, ambos previstos para estrear em 2013.

Olivia Williams (a dir.) em Hyde Park on Hudson

OLIVIA WILLIAMS (Hyde Park on Hudson)

Se olharmos para a filmografia de Olivia Williams, veremos que ela começou com o pé esquerdo, naquela bomba chamada O Mensageiro, de um ambicioso Kevin Costner. Mas logo se redimiu com o ótimo Três é Demais (1998), de Wes Anderson, e o mega-sucesso O Sexto Sentido, onde faz a esposa de Bruce Willis.

Em anos mais recentes, Williams vem buscando projetos mais sérios em que seus papéis lhe proporcionem maiores oportunidades de mostrar sua maturidade. Foi assim ao trabalhar com o diretor Roman Polanski em O Escritor Fantasma, pelo qual recebeu alguns prêmios importantes como melhor coadjuvante como o National Society of Film Critics e o London Critics Circle Film Awards.

Agora com Hyde Park on Hudson, ela finalmente pega um papel biográfico importante: a esposa do então presidente americano Franklin D. Roosevelt (Bill Murray), Eleanor. Num final de semana em que recebem a ilustre visita do Rei George VI e da Rainha da Inglaterra em Nova York, sua personagem precisa lidar com uma possível traição de seu marido com a prima distante Margaret Suckley (Laura Linney), mesmo que seu casamento já não seja mais tão amoroso.

A indicação mais certa entre os três atores principais seria a de Bill Murray, mas ele pode puxar o carro para as indicações das atrizes (Linney como atriz e Williams como coadjuvante).

 

—–

Apesar de Anne Hathaway seguir com o favoritismo por sua performance musical em Les Misérables, a corrida ainda está bem aberta nessa categoria. Nesses próximos dois meses, muita coisa pode alterar o nível de favoritismo às indicações. Alguns sites especializados apontam Dame Judi Dench como uma possível candidata por sua atuação no novo filme de James Bond. Particularmente, não acredito tanto nessa idéia pelo histórico de nenhuma indicação para atores de personagens de 007. O mais próximo que chegou disso foi Daniel Craig, que foi indicado ao BAFTA por 007 – Cassino Royale. Por outro lado, esta é a primeira vez que a chefe de Bond tem várias cenas chaves no filme, então Dench tem alguma chance, levando em consideração também o fato da franquia mais lucrativa do cinema completar 50 anos.

Judi Dench como a chefe operacional M em 007 – Operação Skyfall

Contudo, a atriz que mais gostaria de ver no Oscar é a veteraníssima Vanessa Redgrave. Apesar de já ter vencido um na década de 70 por Júlia, ela sempre manda bem em qualquer filme, seja dirigida por um Joe Wright ou por um mais medíocre como Roland Emmerich. Tem um filme feito pra TV chamado Desejo Proibido (If These Walls Could Talk 2, 2000), no qual ela interpreta uma senhora lésbica que perde tudo quando sua companheira morre, e os familiares dela não deixam ela herdar nada.

Também é quase impossível descartar Frances McDormand, que além de já ter levado um Oscar em 1997 por Fargo, voltou a ser indicada mais duas vezes como coadjuvante. Scarlett Johansson pode ser uma grata surpresa, pois além de ser uma indicação inédita, ela estaria reprisando os passos de Janet Leigh (papel que ela interpreta em Hitchcock), pois ela também foi indicada por Psicose em 1961.

– Pauline Collins (Quartet)

– Judi Dench (007 – Operação Skyfall)

– Jennifer Ehle (Zero Dark Thirty)

– Scarlett Johansson (Hitchcock)

– Frances McDormand (Promised Land)

– Vanessa Redgrave (Song for Marion)

– Kelly Reilly (Flight)

– Amanda Seyfried (Les Misérables)

– Alicia Vikander (Anna Karenina)

Prévia do Oscar 2013: Melhor Atriz

Meryl Streep, vencedora do último Oscar de Melhor Atriz por A Dama de Ferro

Nos últimos dez anos, apenas três atrizes com idade acima de 40 anos foram premiadas nessa categoria: Helen Mirren, Sandra Bullock e Meryl Streep. Esse fato denota a queda na oferta de bons papéis no cinema para mulheres maduras. Por isso, muitas delas migraram para as séries e mini-séries de TV como fizeram Kathy Bates (Harry’s Law), Glenn Close (Damages), Jessica Lange (American Horror Story), Julianne Moore (Virada no Jogo), Emma Thompson (The Song of Lunch), Judy Davis (Page Eight) e Maggie Smith (Downton Abbey), só pra citar nomes mais recentes. É claro que isso não significa que mudaram de time permanentemente, mas aproveitando a demanda da TV por material de qualidade, coisa que o cinema tem deixado de fazer há um bom tempo.

Na corrida do Oscar, a maioria das atrizes normalmente está na casa dos 20 e 30, até mesmo porque o cinema se tornou um entretenimento mais para o público juvenil. E sob essa perspectiva, Jennifer Lawrence deve figurar entre as favoritas. Além de sua performance elogiada no Festival de Toronto por Silver Linings Playbook, ainda conta com o sucesso de seu blockbuster Jogos Vorazes. Este é o equilíbrio perfeito entre sucesso de crítica e público que a Academia costuma buscar em seus vencedores de atuação, pois agrada aos críticos enquanto seu sucesso comercial atrai o público de TV e, obviamente, mais patrocinadores do show.

Ainda em se tratando de jovens, o Oscar 2013 pode ter dois novos recordes. A atriz-mirim Quvenzhané Wallis, protagonista do drama fantástico Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild), de apenas 8 anos pode se tornar a atriz mais jovem indicada na categoria. A marca atual pertence à australiana Keisha Castle-Hughes de A Encantadora de Baleias (2003), que na época tinha apenas 13 anos.

Contudo, em 2013, as jovens estão em baixa, abrindo espaço para atrizes mais experientes e consagradas. A francesa Emmanuelle Riva, de 85 anos, estrela do clássico Hiroshima mon Amour, pode ser uma surpresa na lista de indicadas, batendo o recorde de Jessica Tandy (que ganhou aos 81). Logo em seguida, as setentonas Judi Dench e Maggie Smith são fortes candidatas por O Exótico Hotel Marigold e Quartet, respectivamente.

Amigas e colegas de profissão, Nicole Kidman (44) e Naomi Watts (43) também fazem parte do grupo de atrizes experientes com boas chances de concorrer ao prêmio. Kidman encara um papel mais ousado em The Paperboy, enquanto Watts busca esperança em meio à tragédia de O Impossível.

Particularmente, (e já declarei isso várias vezes aqui) prefiro o reconhecimento de atrizes experientes no Oscar. Mas o Oscar é um prêmio que reconhece os melhores do ano, e não pelo conjunto da obra. Se uma atriz de oito anos deu a melhor performance do ano, por que não lhe premiar com o Oscar? Que vença a melhor!

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso

MARION COTILLARD (Ferrugem e Osso)

Marion Cottilard foi a primeira atriz francesa a ganhar o Oscar de Melhor Atriz falando a sua língua natal, e a segunda estrangeira depois de Sophia Loren, que ganhou em 1962 por Duas Mulheres (La Ciociara). Seu Oscar foi um dos mais comemorados pela comunidade hollywoodiana.

Tanto que acabou abraçada pelo diretor Christopher Nolan, que a incluiu nos blockbusters A Origem (2010) e Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012). Mesmo carregando um sotaque no inglês, Marion Cotillard se saiu bem e deu maior credibilidade aos papéis que viveu. Além de Nolan, outros diretores fizeram questão de contar com a atriz. Michael Mann (Inimigos Públicos), Rob Marshall (Nine), Woody Allen (Meia-Noite em Paris) e Steven Soderbergh (Contágio) foram beneficiados pelo talento da francesa.

Agora, voltando a fazer filmes franceses, Cotillard atua sob direção do diretor em extrema ascensão Jacques Audiard (de O Profeta, que concorreu a Melhor Filme Estrangeiro em 2010) no drama Ferrugem e Osso (Rust and Bone), que concorreu à Palma de Ouro em Cannes desse ano. Havia até uma forte expectativa de que o prêmio de atuação feminina seria dela.

No filme, Marion Cotillard vive Stéphanie, uma treinadora de baleias orcas que sofre um acidente que lhe tira parte das pernas. O tipo de papel, somado à credibilidade do Oscar que ganhou, facilmente lhe garantiria uma nova indicação, mas por se tratar de um filme em língua francesa, as chances dela podem reduzir consideravelmente numa briga mais acirrada com outras atrizes.

Judi Dench em O Exótico Hotel Marigold

JUDI DENCH (O Exótico Hotel Marigold)

Ainda não consegui engolir a derrota de Dame Judi Dench para Helen Hunt naquele Oscar 98. Ela competia por um papel imponente e interpretação impecável em Sua Majestade Mrs. Brown. No ano seguinte, a Academia resolveu compensá-la ao lhe entregar o Oscar de coadjuvante por Shakespeare Apaixonado, no qual ela atua por apenas oito minutos.

Para o grande público, Dench ficou conhecida como M, a chefe do agente secreto britânico James Bond, que voltará no novo filme 007 – Operação Skyfall, mas deve ser sua última participação na série. Porém, a atriz tem muito mais história no teatro, tendo atuado nas companhias de prestígio Royal Shakespeare Company, o National Theatre e Old Vic Theatre, além de ter vencido muitos prêmios do palco como o Laurence Olivier Theater Award na década de 80 e 90.

Em O Exótico Hotel Marigold, já disponível em DVD e Blu-ray, muitos atores consagrados são reunidos para contar histórias da terceira idade em meio ao caos da Índia e o hotel do título. Judi Dench encabeça essa lista que conta ainda com Maggie Smith, Tom Wilkinson e Bill Nighy. Como em todo filme, a atriz empresta sensibilidade e carisma a seu personagem Evelyn, que fica bastante desamparada na vida depois que seu marido morre.

Apesar do filme ser independente, o peso do nome da atriz pode lhe conferir sua sétima indicação ao Oscar. Ela já foi indicada por Sua Majestade Mrs. Brown (1997), Shakespeare Apaixonado (1998), Chocolate (2000), Iris (2001), Sra. Henderson Apresenta (2005) e Notas Sobre um Escândalo (2006).

Nicole Kidman em The Paperboy

NICOLE KIDMAN (The Paperboy)

Toda vez que eu vejo Nicole Kidman na TV, seja no tapete vermelho ou na premiação, vejo uma mulher recatada e reprimida sexualmente. Então, não foi uma surpresa vê-la num papel de mulher da vida nesse novo drama de Lee Daniels, diretor de Preciosa. Nicole cresceu demais depois que se separou do mala da Cientologia Tom Cruise; passou a buscar novos desafios sem medo de parecer ridícula.

A história comprova essa teoria. Foi só se divorciar dele que estrelou dois grandes sucessos de público e crítica em seguida: Os Outros, de Alejandro Amenábar, e Moulin Rouge – Amor em Vermelho, de Baz Luhrmann, que lhe conferiu sua primeira indicação ao Oscar.

Nos anos seguintes, Nicole trabalhou com diretores competentes como Lars von Trier, Anthony Minghella e ganhou seu Oscar pelo papel marcante da escritora Virginia Woolf em As Horas, de Stephen Daldry. Muita gente poderia achar que ela venceu somente pelo peso da personagem e maquiagem (uma prótese de nariz fora aplicada), mas a atriz continua na jornada em busca de novos desafios. Essa atitude nada fácil de seguir deveria ser comum na profissão, mas não é.

Em The Paperboy, ela aceita um tipo de papel que nunca encarou antes. Charlotte Bless é uma vagabunda que tem fetiche por homens encarcerados. Contudo, Nicole não faz isso de forma condescendente, mas de um jeito que sua personagem pareça mais aceitável e ganhe a torcida do público. Suas chances são médias, mas se o filme não for bem aceito pela crítica americana, Nicole pode comparecer ao Oscar apenas para apresentar um prêmio.

Keira Knightley em Anna Karenina

KEIRA KNIGHTLEY (Anna Karenina)

Esta jovem atriz britânica começou a chamar a atenção na comédia sobre futebol feminino Driblando o Destino (Bend it Like Beckham), que pelo sucesso chegou a ser indicado a Melhor Filme – Comédia/Musical no Globo de Ouro 2003. Naquele ano, Keira Knightley deu um salto para a fama internacional com o blockbuster Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra, mas muitos duvidavam do talento da moça, que tinha tudo para se tornar mais uma daquelas Bond girls que só serviam para enfeitar a tela e gritar.

Felizmente, firmou uma forte aliança com o diretor Joe Wright ao interpretar o cobiçado papel de Elizabeth Bennet de Orgulho e Preconceito, adaptação do clássico literário homônimo de Jane Austen, que acabou resultando numa indicação para o Oscar para Knightley. Entretanto, mais importante do que o início bem-sucedido da parceria com o diretor (Anna Karenina é a terceira colaboração da dupla), seria a descoberta dessa obsessão de Keira com os filmes de época.

Depois de Orgulho e Preconceito, ela vestiu figurinos de décadas e séculos passados em mais sete oportunidades. Acho que as figurinistas já sabem as medidas dela de cor e salteado! Existem atores que gostam de interpretar vilões, mocinhos, e existem atrizes que se apegam tanto a filmes de História que ficam marcadas e até rotuladas no mercado, como se não tivessem capacidade de viver personagens atuais.

Porém não deve ser o caso de Keira Knightley. Ela mesma deve estar ciente desse excesso de filmes de época e vem buscando projetos diferenciados como a comédia Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo (2012) e a refilmagem de ação Jack Ryan, prevista para estrear em 2013. Até lá, ela aproveitou para voltar a trabalhar com seu diretor favorito nesse Anna Karenina, adaptação da obra de Leo Tolstoy.

Com a constante evolução da parceria Knightley-Wright, a atriz tem chances de obter sua segunda indicação, mas uma vitória seria considerada uma zebra. Por outro lado, Anna Karenina tem ótimas chances nas categorias de direção de arte e figurino, como nos trabalhos anteriores de Joe Wright, que prima nesses departamentos.

Jennifer Lawrence em Silver Linings Playbook

JENNIFER LAWRENCE (Silver Linings Playbook)

Seria burrice da Academia se ignorasse o trabalho da jovem atriz Jennifer Lawrence em 2013, afinal ela estrelou dois filmes em destaque na mídia: o blockbuster Jogos Vorazes (Hunger Games) e esta “dramédia” Silver Linings Playbook, dirigido pelo diretor em ascensão David O. Russell, de O Vencedor.

Desde que foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz pelo independente Inverno da Alma (Winter’s Bone) em 2011, Jennifer Lawrence recebeu incontáveis propostas em Hollywood. Todos os diretores queriam trabalhar com ela. Felizmente, ela tem dado preferência ao equilíbrio nas escolhas de projetos, participando de filmes de terror, aventura, comédias e dramas. Já tem retorno acertado para as sequências X-Men: Days of Future Past (2014) e Jogos Vorazes: Em Chamas (2013).

Em Silver Linings Playbook, Lawrence encarna Tiffany, uma recém-viúva, que tenta lidar com a dor enquanto se envolve com o recém-saído do hospital psiquiátrico Bradley Cooper. Trata-se de um filme de direção de atores e isso David O.Russell já comprovou para todos com os dois Oscars de coadjuvantes de O Vencedor. O longa foi muito bem recebido no Festival de Toronto, vencendo o cobiçado prêmio People’s Choice Award e, pelo Hamptons International Film Festival, o Audience Award (prêmio concedido pelo público). O reconhecimento de Toronto vem sendo cada vez mais importante para o crescimento na reta final do Oscar. A vitória anterior de O Discurso do Rei foi um belo exemplo, batendo o franco-favorito A Rede Social em 2011.

Apesar de muito jovem (22 anos), Jennifer Lawrence tem grandes chances no Oscar. Ela foi indicada apenas uma vez em 2011 como Melhor Atriz por Inverno da Alma.

Laura Linney em Hyde Park on Hudson

LAURA LINNEY (Hyde Park on Hudson)

Laura Linney foi conquistando seu espaço de forma bem gradativa nos anos 90. Papéis menores e de coadjuvante permearam o início de sua carreira, participando de filmes em destaque como Dave – Presidente por um Dia (1993), Congo (1995), As Duas Faces de um Crime (1996) e O Show de Truman – O Show da Vida (1998). Cansada de personagens secundários, partiu para o cinema independente americano. Foi uma decisão de extrema importantância, pois pôde finalmente ser protagonista e dona de uma personagem rica de emoções no drama Conte Comigo, do talentoso Kenneth Lonnergan. Ali a atriz se sentiu mais à vontade e esbanjou seu talento que muitos diretores não conheciam. A interpretação da mãe solteira Sammy lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar, um feito único que lhe traria muitos frutos.

Laura Linney passou a atuar sob direção de renomados profissionais como Alan Parker em A Vida de David Gale, Clint Eastwood em Sobre Meninos e Lobos, mas foi graças a duas produções independentes que ela voltou ao tapete vermelho do Oscar. Com Kinsey – Vamos Falar de Sexo (2004) e A Família Savage (2007), Linney foi indicada para coadjuvante e atriz, respectivamente. A vitória pode não ter vindo ainda, mas acredito que é questão de tempo, pois a atriz sabe escolher bem projetos para se destacar. Só precisaria de um projeto mais grandioso ou uma personagem mais destacada na história.

Dependendo da recepção a Hyde Park on Hudson, Laura Linney pode conseguir sua quarta indicação, ainda mais que se trata de uma personagem verídica: Margaret Suckley, a prima do presidente Franklin D. Roosevelt, responsável pela narração do filme. No entanto, suas chances são menores do que nas oportunidades anteriores.

Helen Mirren (à esq) em Hitchcock

HELEN MIRREN (Hitchcock)

Embora Helen Mirren tenha iniciado sua carreira no cinema na década de 60, foi  apenas com o cult Excalibur (1981), de John Boorman, que ela passou a se destacar. Dali em diante, trabalhou com diretores mais renomados e alternativos como Paul Schrader, Terry George e Peter Greenaway, levando-a para Cannes, onde levou o prêmio de intérprete feminina duas vezes: em 1984 por Cal – Memórias de um Terrorista, e em 1995 por As Loucuras do Rei George. Este último também lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar como coadjuvante.

A partir do Oscar, sua carreira começou uma nova fase. Aquela Helen que só fazia filmes independentes passou a trabalhar em produções de estúdio, chegando a protagonizar uma comédia de humor negro com Katie Holmes: Tentação Fatal (1999), e dublando a animação da Dreamworks, O Príncipe do Egito (1998). Em 2002, voltou a ser indicada ao Oscar de coadjuvante pelo ótimo Assassinato em Gosford Park, de Robert Altman, mas perdeu novamente.

O reconhecimento da Academia finalmente veio em 2007, quando um projeto pensado para Helen Mirren foi lançado. Dirigido por Stephen Frears, A Rainha tinha mais cara de telefilme, mas foi abraçado pelo Oscar como uma oportunidade única de premiar uma atriz de enorme prestígio como Helen Mirren. Claro que ela colheu os frutos desse prêmio, ganhando bem em grandes produções como A Lenda do Tesouro Perdido: Livro dos Segredos (2007), no blockbuster da New Line Cinema, Coração de Tinta (2008) e na recente refilmagem Arthur – O Milionário Irresistível (2011), mas, como dito no início do post, o cinema de Hollywood muitas vezes é cruel com atrizes mais velhas. Aos 67 anos, Helen Mirren tem boas chances de uma nova indicação pelo filme Hitchcock, que conta os bastidores das filmagens do clássico Psicose, mas a atriz tem mais tratamento de coadjuvante de luxo. No filme, ela interpreta a esposa e colaboradora de Alfred Hitchcock, Alma Reville.

Helen Mirren já foi indicada quatro vezes: Em 1995 por As Loucuras do Rei George e em 2002 por Assassinato em Gosford Park, como coadjuvante. Em 2010, por A Última Estação, e em 2007 por A Rainha, vencendo por este último.

Emmanuelle Riva em Amour

EMMANUELLE RIVA (Amour)

Atriz francesa veteraníssima, Emmanuelle Riva pode se tornar a atriz mais velha a ser indicada ao Oscar aos 85 anos. Seu primeiro trabalho como atriz em Hiroshima mon Amour, de Alain Resnais, já a colocou no topo do cinema francês da década de 60, tornando-se uma das musas da Nouvelle Vague.

Apesar de se tratar de uma produção francesa, dirigida pelo austríaco Michael Haneke, muitos especialistas estão dando como certa sua indicação. Se for considerar o valor dessa oportunidade de incluir um ícone do cinema na história da Academia, já soaria tentador demais para ignorar sua performance. Mas para quem conferiu o filme, que arrancou aplausos calorosos e a Palma de Ouro em Cannes, Emmanuelle Riva merece ser uma das finalistas, e não somente por sua longeva carreira.

No drama Amour, Georges (Jean-Louis Trintignant, outro ator octogenário com chances no Oscar) e Anne (Riva) são professores de música aposentados. A filha deles, que também é música, vive no estrangeiro com a família dela. Um dia, Anne tem um ataque cardíaco e o relacionamento afetivo é severamente testado.

Em diferentes escalas, daria pra comparar o casal com Henry Fonda e Katharine Hepburn, que ganharam o Oscar em 1982 pelo drama Num Lago Dourado. Como Amour se trata de um filme de atores, existe essa possibilidade de haver outra atriz maior de 40 anos vencendo o Oscar de atriz. Esta seria sua primeira indicação ao Oscar.

Maggie Smith (à esq) em Quartet

MAGGIE SMITH (Quartet)

Maggie Smith tem uma trajetória semelhante a de Helen Mirren. Coincidentemente, ambas foram indicadas ao Oscar de coadjuvante pelo mesmo filme em 2002 por Assassinato em Gosford Park. Contudo, Maggie teve maior êxito comercial devido ao sucesso dos oito filmes da série Harry Potter, no qual deu vida à feiticeira Minerva. Ela começou no cinema nos anos 50, em papéis secundários até brilhar como Desdemona ao lado do mestre Laurence Olivier na adaptação de Othello (1965), de William Shakespeare.

A década de 70 foi bastante generosa com Maggie Smith. Em 1970, levou seu primeiro Oscar como Melhor Atriz por A Primavera de uma Solteirona, e em 1979, outro como coadjuvante pela comédia estrelada por Jane Fonda, California Suite. Em sua vasta filmografia prevaleceram personagens coadjuvantes, mas em sua maioria produções de grandes estúdios. Chegou a trabalhar com Steven Spielberg em Hook – A Volta do Capitão Gancho (1991), ensinou Whoopi Goldberg a ser uma freira em Mudança de Hábito (1992) e foi a Duquesa de York na adaptação de Ricardo III (1995), ao lado de Ian McKellen e Annette Bening.

Já no começo deste século, com o bolso cheio graças aos Harry Potter, ela pôde escolher projetos de seu gosto pessoal, e acabou se envolvendo em dois filmes elogiados: O Exótico Hotel Marigold, no qual faz a personagem mais humorada (como foi em Assassinato em Gosford Park), e neste Quartet, dirigido pelo amigo e colega Dustin Hoffman. Nele, Maggie Smith interpreta uma diva da ópera que volta à sua cidade para a comemoração do aniversário do compositor clássico Giuseppe Verdi.

Com aquele típico humor britânico que corre em sua veias, ela tem boas chances no Oscar. Ao lado de Judi Dench, Emmanuelle Riva e Helen Mirren, Maggie Smith comprova que as veteranas ainda têm muito a ensinar às mais novas atrizes e por que não para o público jovem de hoje que só vê porcaria e atores de plástico? Viva a terceira idade!

Quvenzhané Wallis em Indomável Sonhadora

QUVENZHANÉ WALLIS (Indomável Sonhadora)

Eu sei… parece um daqueles golpes de marketing, mas quem viu o filme Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild), que venceu o grande prêmio em Sundance, garante que a pequena merece um lugar de destaque nessa temporada de premiação. Se a indicação ao Oscar vier, ela marcará um novo recorde na história do prêmio, sendo a atriz mais jovem indicada com 8 anos.

O drama independente Indomável Sonhadora vem conquistando o público e a crítica por sua mistura perfeita de fantasia infantil com uma dura realidade de pobreza em Louisianna, nos EUA. Para contar essa história, o jovem diretor estreante Benh Zeitlin testou mais de quatro mil meninas para o papel para encontrar Wallis. Felizmente, essa árdua procura teve um final feliz. E Zeitlin deu muita sorte também no papel de coadjuvante. Ele contratou Dwight Henry, que era dono da padaria do outro lado da rua do set de filmagens! Curiosamente, ambos estão no novo filme de Steve McQueen, diretor dos premiados Hunger (2008) e Shame (2011).

Normalmente, quando uma atriz-mirim está na lista de indicadas ao Oscar, as chances são praticamente nulas. Ganhar como coadjuvante pode acontecer como aconteceu com Tatum O’Neal (aos 10 em 1974 por Lua de Papel) e Anna Paquin (aos 11 em 1994 por O Piano), mas ganhar como Melhor Atriz?? O recorde de mais jovem nessa categoria ainda pertence a Marlee Matlin, que tinha 21 aninhos quando venceu em 1987 por Filhos do Silêncio. Estaria a Academia diposta a quebrar essa marca por um jovem prodígio como Quvenzhané Wallis?

Naomi Watts em O Impossível

NAOMI WATTS (O Impossível)

Se depender do sofrimento que o personagem passa para ganhar um Oscar, pode-se dizer que Naomi Watts já teria a estatueta na mão. No drama-catástrofe, O Impossível, de Juan Antonio Bayona, ela está no lugar errado e na hora errada, mais precisamente na Tailândia em 2004, palco das tsunamis que levaram muitas vidas.

A atriz britânica fazia filmes B de terror como O Elevador da Morte (2001) até que David Lynch mudou sua vida ao chamá-la para estrelar Cidade dos Sonhos (2001). Seu nome passou a ser conhecido por vários diretores que queriam trabalhar com ela como Gore Verbinski em O Chamado (2002), David O. Russell em Huckabees – A Vida é uma Comédia (2004) e Peter Jackson em King Kong (2005), onde abraçou o papel que consagrou Fay Wray e Jessica Lange.

Sua primeira e única indicação saiu pelo dramático 21 Gramas, de Alejandro González Iñárritu, no qual sua personagem vive maus bocados quando encontra o homem que recebeu o coração de seu ex-marido. Como Watts parece uma boneca de porcelana, o fato de viver personagens em situações que deterioram a imagem das mesmas parece colaborar para a qualidade da interpretação. Como deu certo com 21 Gramas, por que não daria com O Impossível?

Neste novo trabalho, ela busca sua sobrevivência e sua família em meio à catástrofe do tsunami. Naomi Watts fica toda coberta de lama e sua chapinha é arruinada pela água salgada. Claro que isso merece uma indicação! Brincadeiras à parte, o drama O Impossível conta uma história de superação e solidariedade, elementos que, combinados, costumam ganhar muitos votos.

Mary Elizabeth Winstead em Smashed

MARY ELIZABETH WINSTEAD (Smashed)

Pelo nome, a atriz Mary Elizabeth Winstead talvez passe desapercebida pelo grande público. Mais conhecida por papéis de coadjuvante em grandes produções como Duro de Matar 4.0, no qual viveu a filha de Bruce Willis, e o filme-video-game Scott Pilgrim Contra o Mundo, onde é a desejada Ramona Flowers. Conseguiu papéis de protagonista em filmes de terror como Premonição 3 (2006) e a recente refilmagem da refilmagem de O Enigma do Outro Mundo (2011).

Ao se sair bem no papel de uma alcóolatra em Smashed, de James Ponsoldt, Winstead parece querer provar ao mundo que seu talento não pára na beleza. No filme, ela vive Kate Hannah, que conhece seu marido por causa do forte vício ao álcool. Quando se cansa da bebida e tenta se livrar dela, acaba afetando o relacionamento.

Personagens que sofrem com alcoolismo costumam se sair bem na corrida ao Oscar. O grande Ray Milland venceu com méritos seu Oscar de Melhor Ator em 1946 em Farrapo Humano, de Billy Wilder. Nicolas Cage afundou no vício em Despedida em Las Vegas, de Mike Figgis, e saiu reconhecido pela Academia em 1996. E mais recentemente, em 2010, Jeff Bridges ganhou o seu Oscar em Coração Louco, ao interpretar o músico Bad Blake,que tem uma queda fácil pelo álcool.

Smashed saiu com o prêmio especial do júri no último Festival de Sundance e agora, a distribuidora Sony Pictures Classics está investindo na campanha para uma indicação a Mary Elizabeth Winstead. Pelo histórico dela, seria uma zebra.

Vencedores de Cannes 2012

O grande vencedor de 2012: Michael Haneke e seu Amour

Era pra ser uma das melhores edições de Cannes nos últimos anos pelos nomes consagrados presentes na lista da cobiçada Palma de Ouro. Mas, talvez pelo excesso de altas expectativas, a premiação não se mostrou tão acirrada assim.

O presidente do júri deste ano, o cineasta italiano Nanni Moretti, tinha na seleção do festival trabalhos recém-saídos do forno de autores competentes como David Cronenberg, Michael Haneke, Jacques Audiard, Alain Resnais, Abbas Kiarostami, Wes Anderson, Ken Loach, Matteo Garrone, Thomas Vinterberg, Walter Salles entre outros. Quem não gostaria de premiar sabiamente diretores desse naipe?

Após algumas discussões entre os membros do júri (formado também por ilustres como o diretor Alexander Payne e a atriz Diane Kruger), os premiados foram anunciados pelo presidente Nanni Moretti:

PALMA DE OURO: Amour, de Michael Haneke

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI: Reality, de Matteo Garrone

PRÊMIO DO JÚRI: The Angels’ Share, de Ken Loach

MELHOR DIRETOR: Carlos Reygadas (Post Tenebras Lux)

MELHOR ATOR: Mads Mikkelsen (The Hunt)

MELHOR ATRIZ: Cristina Flutur e Cosmina Stratan (Beyond the Hills)

MELHOR ROTEIRO: Cristian Mungiu (Beyond the Hills)

CAMERA D’OR: Beasts of the Southern Wild, de Benh Zeitlin

Grande Prêmio do Júri: Reality, de Matteo Garrone

Obviamente, como toda premiação e competição, não tem como agradar gregos e troianos, ainda mais em se tratando de Arte. A imprensa internacional reportou algumas críticas, sendo a ausência total de filmes franceses nessa seleção a maior delas. Entre eles, Holy Motors, de Leos Carax, foi a ausência mais sentida. Jean-Paul Gaultier, um dos membros do júri, justificou numa entrevista que, apesar de gostar bastante de filmes franceses, os indicados não agradaram o suficiente para ganharem um prêmio. E Moretti revelou que gostaria de premiar o filme Reality, de Matteo Garrone, com a Palma de Ouro, mas ponderou ao prever uma possível retaliação da mídia ao premiar um filme de seu conterrâneo. “Teria sido patriotada entre italianos”. E o Prêmio do Júri consagrou uma comédia do engajado diretor britânico Ken Loach: “The Angels’ Share é uma comédia muito humana e divertida”,

Controvérsias à parte, esta é a segunda Palma de Ouro do diretor alemão Michael Haneke. Ele ganhou a primeira vez há 3 anos pelo filme A Fita Branca, que chegou a concorrer ao Oscar de Filme Estrangeiro. Assim, ele integra uma ilustre lista de autores que venceram o prêmio máximo de Cannes 2 vezes que incluem: Jean-Pierre e Luc Dardenne, Emir Kusturica, Bille August e Francis Ford Coppola. Segundo o júri, o filme Amour deve grande parte de seus méritos ao casal de atores Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva, que interpretam Georges e Anne, um casal de idosos na casa dos 80 anos, que terão seus laços de amor testados quando ela sofre um ataque cardíaco.

Os atores Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva são aplaudidíssimos em Cannes

Desde 1997, com o polêmico filme Violência Gratuita (Funny Games), Haneke vem chamando a atenção como um cineasta que gosta de explorar temas aparentemente gratuitos mas sob um olhar diferenciado que normalmente dialoga com a própria linguagem do cinema. Foi assim com Código Desconhecido e Caché. E como o Festival de Cannes sempre buscou um cinema inovador, Haneke é novamente honrado.

Outro destaque do festival foi o diretor romeno Cristian Mungiu, que venceu a Palma de Ouro em 2007 pelo 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias sobre aborto. Nesta edição, seu filme faturou 2 prêmios: Melhor Atriz (com um empate técnico de Cristina Flutur e Cosmina Stratan) e Melhor Roteiro. Beyond the Hills conta uma história inspirada em caso real de exorcismo na Romênia que terminou na trágica morte da jovem em 2005. Mungiu defende seu filme ao revelar que gostaria de fazer um filme sobre a atualidade e a obediência cega às religiões. Particularmente, acho muito interessante ter um filme sobre exorcismo sob uma visão mais crítica do que o habitual filme de terror.

O diretor Cristian Mungiu no meio de suas atrizes novatas Flutur e Stratan

Já o dinamarquês Mads Mikkelsen, mais conhecido por ter interpretado o vilão Le Chiffre de 007 Cassino Royale, levou o prêmio de ator. Porém, ressalta que seu papel em The Hunt de abusador de criança foi um desafio muito grande. “O interessante do filme é tratar de abuso infantil sem acusações”, elogiou o ator.

Mads Mikkelsen recebe o prêmio da atriz Gong Li

E apesar da predominância de filmes americanos, nenhum deles recebeu prêmios. Obviamente, muitos foram bem comentados como Cosmópolis, do Cronenberg e The Paperboy, de Lee Daniels, mas saíram todos de mãos abanando. E o filme de Walter Salles, Na Estrada, foi bem recebido, contudo os membros do júri comentaram que adaptar uma obra de Jack Kerouac para o cinema é praticamente impossível. Sobre esse “esquecimento” de alguns desses diretores renomados, Moretti  tentou justificar polidamente: “Muitos diretores nos pareceram mais comprometidos com o próprio estilo do que em dar testemunhos sobre a realidade ou seus personagens”.

A 65ª edição de Cannes foi bastante democrática. Pode não ter sido unânime, mas não dava pra reclamar do júri. Agora, para nós brasileiros, resta aguardar o lançamento desses filmes em nossos cinemas. Espero que não dependam exclusivamente da Mostra Internacional de Cinema em outubro, pois está cada vez mais impossível de frequentar com público falastrão, ingresso caro e seleção de filmes fraca.

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2012

Pôster do 65º Festival de Cannes

Antes de anunciar os indicados ao prêmio máximo de Cannes, devemos ressaltar quem participa da bancada do júri. Digo isso porque já vi alguns casos em que o presidente favoreceu a premiação de determinado filme ou diretor (sim, exatamente o mesmo nepotismo frequente do mundo da política brasileira), sendo que Quentin Tarantino é o nome mais recorrente nessas polêmicas.

Em 2004, como presidente do júri de Cannes, ele premiou o documentário do norte-americano de Michael Moore, Fahrenheit 11 de Setembro e teve que negar publicamente que sua premiação não o favorecia devido aos ataques terroristas. E em 2011, como presidente do Festival de Veneza, sendo mais cara de pau ainda, premiou a norte-americana e ex-namorada Sofia Coppola com o Leão de Ouro pelo drama Um Lugar Qualquer, o que gerou protestos entre os concorrentes e a mídia. Dificilmente Tarantino deve voltar como presidente…

Nanni Moretti quando levou a Palma de Ouro por O Quarto do Filho

Este ano, escolheram o cineasta italiano Nanni Moretti para presidir o júri. Para quem não conhece, Moretti ficou marcado pelo seu estilo despojado em filmes de temática familiar. Ele mesmo já foi agraciado com a Palma de Ouro pelo tocante drama O Quarto do Filho em 2001 e, atualmente, está em cartaz aqui em São Paulo pelo drama Habemus Papam, que aborda uma crise no Vaticano.

Para sua bancada, foram convidados nomes importantes como o diretor Alexander Payne (que recentemente ganhou o Oscar de roteiro adaptado por Os Descendentes), a diretora britânica Andrea Arnold (que também levou um Oscar de curta-metragem pelo ótimo Wasp e o prêmio do Júri com Fish Tank em Cannes 2009), o ator Ewan McGregor (que esteve ao lado de Christopher Plummer em Toda Forma de Amor), a atriz alemã Diane Kruger (de Tróia e Bastardos Inglórios)  e até o costureiro mundialmente famoso Jean-Paul Gaultier.

Cartaz já “aportuguesado” do novo filme de Walter Salles com a estrela Kristen Stewart

Esta equipe de jurados terá o privilégio de assistir, analisar e votar filmes de grandes diretores como o mestre Alain Resnais e autores consagrados como Jacques Audiard, Michael Haneke, Abbas Kiarostami, Matteo Garrone, David Cronenberg e Ken Loach, muitos deles vencedores da Palma de Ouro em edições anteriores. Para a torcida brasileira, Walter Salles volta a concorrer pela terceira vez com um novo road movie intitulado Na Estrada (On the Road), baseado na obra homônima de Jack Kerouac.

Nessa disputa pelo prêmio, uma curiosidade acabou se destacando na mídia. Muito tem se falado desse “confronto artístico” entre a velha e nova geração do cinema francês representado respectivamente por Alain Resnais e Jacques Audiard. Enquanto o primeiro foi uma das faces da Nouvelle Vague e tem em seu currículo os marcos do Cinema: Hiroshima Mon Amour (1959) e O Ano Passado em Marienbad (1961), o outro está em extrema ascensão por O Profeta (2009) e De Tanto Bater Meu Coração Parou (2005). É claro que, em se tratando de Arte,  o termo “confronto” tem apelo midiático, mas certamente desperta o interesse para a leitura que o júri fará desses filmes.

Isabelle Huppert quando presidiu o júri de Cannes em 2009

Ao longo do festival, tentarei postar algumas críticas e comentários mais pertinentes publicados em jornais. Mas vendo a lista, é possível fazer algumas leituras e até arriscar uns palpites. Por exemplo, na categoria de Melhor Atriz, a veterana atriz francesa Isabelle Hupert tem grandes chances de conquistar seu terceiro prêmio de atriz. Além de estrelar o novo filme de Michael Haneke, Amour, atua num filme sul-coreano In Another Country. Este ano, ela tem uma forte concorrente de mesma nacionalidade: Marion Cottilard, que protagoniza Rust & Bone, de Audiard.

Palma de Ouro? Ainda é cedo para palpitar, pois os filmes sequer foram projetados em Cannes, porém acredito que Alain Resnais sai na frente por motivos óbvios.  Se seu filme You Haven’t See Anything Yet for bem recebido em sua premiere, o diretor já está com uma mão na taça, ou melhor, na Palma. Entretanto, isto não significa que não há forte concorrência.

Robert Pattison num filme de Cronenberg? Isso que é jogar tudo no vermelho…

Acredito que o novo filme de David Cronenberg é um dos fortes candidatos. O diretor canadense que ficou conhecido por explorar como ninguém o aspecto físico de seus personagens como em A Mosca (1986) e Crash – Estranhos Prazeres (1996), tem amadurecido cada vez mais o aspecto sócio-psicológico em Marcas da Violência (2005) e Senhores do Crime (2008). Resta saber se sua aposta na sensação das adolescentes Robert Pattison (da série Crepúsculo) como protagonista estará à altura. Será que ele consegue extrair algum talento do jovem assim como fez com Viggo Mortensen? Esperamos que sim, pois o Cinema atual necessita de mais atores que estejam dispostos a arriscar.

Aliás, nessa mesma questão, entra o ator Zac Efron, mundialmente conhecido pelos filmes musicais da Disney: High School Musical. É claro que nem sempre dá pra começar a carreira com papéis mais densos, mas a busca constante por novos desafios transforma um ator medíocre num bom ator pelo menos. Não dá pra garantir que será um ator excepcional, pois isso depende dos estudos dos métodos, análise profunda dos personagens e claro, do próprio dom para a coisa. Recentemente, li numa entrevista que Efron tem procurado se desvencilhar da fama de bom moço através da escolha de papéis mais dramáticos e agora, conseguiu dar um passo muito importante ao protagonizar The Paperboy, dirigido por Lee Daniels (indicado ao Oscar por Preciosa). Se sua atuação já demonstra sinais de amadurecimento só o tempo dirá, mas pode se tornar algo promissor.

Apesar de alguns favoritismos e de uns deslizes de júris, o Festival de Cannes tem sempre buscado premiar os filmes mais instigantes que almejam algo inovador ou experimental em algum aspecto fílmico. Ano passado, Robert De Niro premiou A Árvore da Vida, de Terrence Malick, pelo belo espetáculo visual e a forma inusitada como a vida é enxergada. Há pessoas que amam e outras que odeiam o filme, mas todos concordam com essas qualidades. Cannes quer conceder a Palma de Ouro para a melhor qualidade num filme. O gosto é encarado de forma subjetiva, afinal, nunca dá pra agradar gregos e troianos.

Indicados à Palma de Ouro 2012:

Lee Daniels aposta em Zac Efron. Parece que ele quer se livrar do High School Musical.

Lawless, de John Hillcoat

In the Fog (V Tumane), de Sergei Loznitsa

Rust & Bone (De Rouille et d’os), de Jacques Audiard

Amour, de Michael Haneke

Reality, de Matteo Garrone

The Taste of Money (Do-niu Mat), de Sang-Soo Im

You Haven’t Seen Anything Yet (Vous n’avez encore rien vu), de Alain Resnais

Na Estrada (On the Road), de Walter Salles

Post Tenebras Lux, de Carlos Reygadas

Beyond the Hills (Dupa Dealuri), de Cristian Mungiu

Mud, de Jeff Nichols

Cosmópolis, de David Cronenberg

The Hunt (Jagten), de Thomas Vinterberg

Paradise: Love (Paradies Liebe), de Ulrich Seidl

The Angel’s Share, de Ken Loach

Like Someone in Love, de Abbas Kiarostami

Holy Motors, de Leos Carax

Killing Them Softly, de Andrew Dominik

The Paperboy, de Lee Daniels

In Another Country (Da-reun na-ra-e-suh), de Sang-Soo Hong