‘Trapaça’ sai na frente com o SAG de Melhor Elenco rumo ao Oscar 2014

Bradley Cooper encabeça elenco de Trapaça e agradece David O. Russell (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

Bradley Cooper encabeça elenco de Trapaça e agradece David O. Russell (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

TRAPAÇA VENCE MELHOR ELENCO E 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO TEM SUA PRIMEIRA GRANDE DERROTA

OK. Se essa corrida de cavalos estava empatada entre 12 Anos de Escravidão e Trapaça, agora o segundo está um pouco na frente com a vitória do SAG Award de Melhor Elenco. Trata-se de uma vitória importante, principalmente para seu diretor David O. Russell, que vem perdendo em todos os prêmios para Alfonso Cuarón (Gravidade). O ator Bradley Cooper dedicou a estatueta ao ele num discurso bastante emotivo ao resgatar a vontade de ser ator sob sua direção. Claro que a vitória nessa categoria não significa garantia de Melhor Filme no Oscar, mas ajuda na campanha do filme até o dia 02 de Março, dia da cerimônia da Academia.

Analisando friamente, esse prêmio foi concedido de forma politicamente correta. Como nenhum dos atores (Christian Bale, Amy Adams e Jennifer Lawrence) ganhou o SAG individualmente, o prêmio de Melhor Elenco caiu como uma luva para recompensar as boas atuações. Enquanto isso, 12 Anos de Escravidão teve de se contentar com o prêmio de coadjuvante.

Essa rivalidade entre os filmes tem se mostrado acirrada na categoria de Atriz Coadjuvante entre Jennifer Lawrence e Lupita Nyong’o. Enquanto Lawrence ganhou o Globo de Ouro, Nyong’o virou o jogo com as vitórias no Critics’ Choice Awards e agora este SAG. Muito emocionada e humilde, ela agradeceu toda a equipe e familiares, fechando com um: “Pai, o senhor conhece Brad Pitt? Vou estar num filme com ele! – Não conheço pessoalmente, mas já fico feliz que você conseguiu um emprego”. E felizmente Lawrence escolhe um vestido bem mais apresentável do que aquele do Globo de Ouro…

Jennifer Lawrence e Lupita Nyong'o reforçam o fair play da categoria coadjuvante (photo by jenniferlawrencedailly.tumblr.com)

Jennifer Lawrence e Lupita Nyong’o reforçam o fair play da categoria coadjuvante. (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

Tem sido muito divertido acompanhar Jennifer Lawrence na temporada de premiação. As caras e bocas dela são tão espontâneas que fica impossível não rir

Tem sido muito divertido acompanhar Jennifer Lawrence na temporada de premiação. As caras e bocas dela são tão espontâneas que fica impossível não rir (gif by mattsgifs.tumblr.com)

Entre os homens, Jared Leto confirmou seu favoritismo como coadjuvante por Clube de Compras Dallas. Havia uma certa pressão na categoria devido à presença de James Gandolfini, indicado postumamente por À Procura do Amor, mas a coragem de Leto em encarnar um transexual num drama sobre Aids falou mais alto. É muito fácil cair no caricato quando se interpreta um personagem de sexo trocado como nas inúmeras comédias, então sua performance eleva a qualidade desses papéis.

Jared Leto e sua 1ª vitória por sua 1ª indicação no SAG (photo by nyongoss.tumblr.com)

Jared Leto e sua 1ª vitória por sua 1ª indicação no SAG (photo by nyongoss.tumblr.com)

Do mesmo nível de coragem, Matthew McConaughey estava nitidamente feliz com seu prêmio. A um passo do Oscar? A seu favor, além do Globo, SAG e Critics’ Choice, ele tem o ano de 2012, quando atuou em Magic Mike, Bernie – Quase um Anjo e Amor Bandido e sequer foi lembrado pela Academia. Sim, os votantes não se esquecem que esqueceram. McConaughey é um ator em extrema ascensão em Hollywood. Ele deixou as comédias românticas ralas e os altos salários de lado e procurou testar seus limites como ator. Foi buscar papéis melhores, e mesmo que menores, tratou-os como protagonistas. E foi assim que ele chegou ao papel de Clube de Compras Dallas e tem recebido tanto reconhecimento, batendo até o veterano Bruce Dern. Espero que ele não se acomode com os prêmios e continue sua busca por desafios, inclusive no próximo filme de Christopher Nolan, Interstellar, que estréia este ano.

Matthew McConaughey foi até Netuno para explicar a ótima sensação de conseguir um papel bom (photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Matthew McConaughey foi até Netuno para explicar a ótima sensação de conseguir um papel bom (photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Também coletando todos os prêmios, a australiana Cate Blanchett demonstrou bom humor: “Para aqueles que votaram em mim, obrigada! E para aqueles que não, melhor sorte no ano que vem!” Cate agradeceu a inspiração de seu diretor Woody Allen pela criação de personagens femininas excepcionais, não esquecendo de mencionar os atores com quem trabalhou: “Sally (Hawkins) estou sozinha aqui sem você. Metade desse prêmio é seu! A parte do pênis…” Apesar da categoria estar bem acirrada, Blanchett deve conquistar seu segundo Oscar, mas o primeiro como atriz principal. Seria a primeira a ganhar o Oscar de Melhor Atriz sob a direção de Woody Allen depois de Diane Keaton em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)!

Cate Blanchett depois de alguns drinques fez discurso bem humorado (Kevork Djansezian/Getty Images)

Cate Blanchett depois de alguns drinques fez discurso bem humorado (Kevork Djansezian/Getty Images)

Muito interessante a escolha de Rita Moreno como homenageada. Uma entre quatro personalidades que conquistou o Oscar, Grammy, Emmy e Tony Award. Nascida em Porto Rico, ela se mudou aos 5 anos para Nova York, onde anos mais tarde conseguiu pequenos papéis em produções independentes até as pontas em grandes produções como os musicais Cantando na Chuva e O Rei e Eu, até o papel de sua vida: a latina Anita no grande Amor Sublime Amor. Quebrou tabus como a primeira latina a ganhar o Oscar de atuação. Repleta de vitalidade aos 82 anos, ela comprova que a alegria faz parte de sua vida ao cantar em seu discurso de agradecimento: “So let the music play as long as there’s a song to sing and I will be younger than spring…” – uma artista completa que falta hoje em dia.

Sobre o clipe In Memorian, é triste lembrar que Peter O’Toole, Joan Fontaine, Richard Griffiths, Eleanor Parker, Eileen Brennan, James Gandolfini e Juanita Moore nos abandonaram.

Confira a lista completa dos vencedores:

PRÊMIOS DO CINEMA

MELHOR ELENCO (BEST FILM ENSEMBLE)
Trapaça (American Hustle)
Amy Adams, Christian Bale, Louis C.K., Bradley Cooper, Paul Herman, Jack Huston, Jennifer Lawrence, Alessandro Nivola, Michael Peña, Jeremy Renner, Elisabeth Röhm, Shea Whigham

MELHOR ATOR (BEST ACTOR)
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ (BEST ACTRESS)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTOR)
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTRESS)
Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS (BEST STUNT ENSEMBLE)
O Grande Herói (Lone Survivor)

PRÊMIOS DA TV

MELHOR ELENCO DE TV- DRAMA
Breaking Bad
Michael Bowen, Betsy Brandt, Bryan Cranston, Lavell Crawford, Tait Fletcher, Laura Fraser, Anna Gunn, Matthew T. Metzler, RJ Mitte, Dean Norris, Bob Odenkirk, Aaron Paul, Jesse Plemons, Steven Michael Quezada, Kevin Rankin, Patrick Sane

MELHOR ATOR DE TV – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)

MELHOR ATRIZ DE TV – DRAMA
Maggie Smith (Downton Abbey)

MELHOR ELENCO DE TV – COMÉDIA
Modern Family
Julie Bowen, Ty Burrell, Aubrey Anderson Emmons, Jesse Tyler Ferguson, Nolan Gould, Sarah Hyland, Ed O’Neill, Rico Rodriguez, Eric Stonestreet, Sofia Vergara, Ariel Winter

MELHOR ATOR DE TV – COMÉDIA
Ty Burrell (Modern Family)

MELHOR ATRIZ DE TV – COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

MELHOR ATOR  – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Michael Douglas (Minha Vida com Liberace)

MELHOR ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Helen Mirren (Phil Spector)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE TV
Game of Thrones

Num discurso que beira o "já sabia", Julia Louis-Dreyfus descontrai ao errar o discurso duas vezes, agradecendo o Globo de Ouro e o Oscar (photo by wool-grill.tumblr.com)

Num discurso que beira o “já sabia”, Julia Louis-Dreyfus descontrai ao errar o discurso duas vezes, agradecendo o Globo de Ouro e o Oscar (photo by wool-grill.tumblr.com)

“Trapaça” é o grande vencedor do Globo de Ouro 2014. “12 Anos de Escravidão” fica com prêmio de consolação

American Hustle

71ª EDIÇÃO DO GLOBO DE OURO BUSCA EQUILÍBRIO, MAS NÃO RESISTE À TRAPAÇA

MODA OU DESEJO MASCULINO?

Antes de começar a falar da premiação em si, gostaria de destacar alguns vestidos no tapete vermelho. Não sou entendedor de moda, mas se eu fosse fazer uma festa, com certeza convidaria estas moças…

Amy Adams continua deslumbrante aos 39 aninhos

Hórs-concours: Amy Adams em Valentino continua deslumbrante aos 39 aninhos

Amber Heard em Versace

Aqui o conteúdo do vestido fala mais alto: Amber Heard em Versace

Jessica Chastain: musa do tapete vermelho

Jessica Chastain num belo Givenchy: musa do tapete vermelho

Cate Blanchett em Armani Prive

Indicada por Blue Jasmine, Cate Blanchett em Armani Prive

E apesar dos deslizes, também convidaria:

Emma Watson tem um futuro brilhante, mas acho que precisa melhorar essa moda

Emma Watson tem um futuro brilhante, mas até lá, acho que precisa mudar de estilo

Adoro Jennifer Lawrence, mas esse Dior tá meio estranho. Na internet, alguns compararam ao...

Adoro Jennifer Lawrence, mas esse Dior tá meio estranho. Na internet, alguns compararam ao…

... modelito da Pequena Sereia

… modelito da Pequena Sereia.

TINA FEY E AMY POEHLER MANTÊM PIADAS AFIADAS

Agora, quanto à cerimônia, foi bom ter a dupla Tina Fey e Amy Poehler de volta. Mas acho que elas pegaram mais leve desta vez. Não houve pérolas do tipo “Em se tratando de tortura, confio na mulher que foi casada com James Cameron”, MAS ADOREI a piada do Mister Golden Globe: Randy, o filho bastardo de Tina Fey, interpretado por Poehler. Com visual à la Justin Bieber, bocudo e sem nenhuma vergonha, ele passa entre os convidados pra procurar o pai. Aponta para Idris Elba e pergunta: “É ele?” E em seguida para o produtor Harvey Weinstein: “É ele?”.

Mister Golden Globe "Randy" (Amy Poehler) ao lado de Sosie Bacon, filha de Kevin Bacon e Kyra Segdwick, a Miss Golden Globe (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Mister Golden Globe “Randy” (Amy Poehler) ao lado de Sosie Bacon, filha de Kevin Bacon e Kyra Segdwick, a Miss Golden Globe (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Claro que não são nenhum mestre do humor ácido corrosivo de Ricky Gervais, mas também não são flores que se cheirem. No início da festa, Fey explica que Gravidade era “a história de como George Clooney prefere flutuar no espaço e morrer do que passar um minuto a mais com uma mulher com a sua idade”. Quem viu o filme, entende a piada. George não estava na cerimônia. Se fosse Ricky, ele soltaria essa bomba na presença dele (por isso que não voltou mais como host).

Ao comentarem o nível das celebridades no local, elas listavam quem eram os tops. Então, quando mencionaram Matt Damon no contexto, sobrou pra ele: “Matt, em qualquer outra noite, em qualquer outro lugar, você seria grande coisa, mas – não interprete isso de forma errada – esta noite, você é basicamente o lixeiro (garbage person)”. Quando Damon subiu ao palco para apresentar um clipe de Capitão Phillips, ele começou com: “Sou eu Matt Damon, o lixeiro”. Haha

O humor que servia como elogio também tinha seu conteúdo impróprio. Ao introduzirem Leonardo DiCaprio, Tina Fey e Amy Poehler proferiram: “E agora, como uma vagina de uma super modelo, vamos todos dar calorosas (warm) boas-vindas a Leonardo DiCaprio.”

Tina Fey e Amy Poehler apresentam o Globo de Ouro pela segunda vez (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Tina Fey e Amy Poehler apresentam o Globo de Ouro pela segunda vez (photo by Paul Drinkwater/NBC)

E em tom irônico, criticam a atriz Julia Louis-Dreyfus, duplamente indicada por À Procura do Amor e pela série de TV Veep, por ter se sentado na ala das celebridades de cinema. “Interessantemente, Julia resolveu se sentar na seção do pessoal de cinema”. Quando Louis-Dreyfus havia perdido na sua categoria de filme, eis que Tina Fey volta a citá-la: “Ora, ora, ora… Veja quem voltou à ala das celebridades de TV”.

12 ANOS DE ESCRAVIDÃO QUASE PASSA A NOITE DESAPERCEBIDO

Equipe e elenco de 12 Anos de Escravidão. Ao centro, o diretor Steve McQueen segura o Globo de Ouro.

Equipe e elenco de 12 Anos de Escravidão. Ao centro, o diretor Steve McQueen segura o Globo de Ouro.

Foi estranho. 12 Anos de Escravidão estava perdendo em todas as categorias ao longo da noite. “Não vai rolar nenhum prêmio de consolação?”, pensei. Rolou. Justo o de Melhor Filme! Desde que acompanho o Globo de Ouro, nunca havia visto uma produção ganhar tal prêmio e nada mais. Mas justiça seja feita, afinal recebeu sete indicações. Infelizmente, o filme só estreará aqui no dia 28 de fevereiro, então estou pensando como a Layane e partir no meu barco Pérola Negra… hehe

O grande vencedor da noite foi Trapaça, de David O. Russell, com 3 Globos de Ouro: Melhor Filme – Comédia ou Musical, Atriz (Amy Adams) e Atriz Coadjuvante (Jennifer Lawrence). Ao contrário de anos anteriores em que sempre havia uma produção boba ou rala competindo, os candidatos a Comédia ou Musical eram de qualidade, então Trapaça já pode se sentir garantido no Oscar, cujas indicações saem no próximo dia 16. Aliás, a grande vencedora da noite foi a jovem produtora Megan Ellison, que venceu 4 Globos de Ouro (3 por Trapaça e 1 por Ela).

Equipe e elenco de Trapaça recebe o Globo de Ouro de Melhor Filme - Comédia ou Musical. A produtora Megan Ellison segura a estatueta (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Equipe e elenco de Trapaça recebe o Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical. A produtora Megan Ellison segura a estatueta (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Falando em Ela, foi uma bela vitória para o diretor e roteirista Spike Jonze por Melhor Roteiro. É realmente uma pena que ele não foi indicado para o DGA (Directors Guild), mas ele tem grandes chances de ser indicado ao Oscar de roteiro e até ganhar. Ela foi um dos filmes mais comentados e premiados nessa temporada e espero que se repita no anúncio dos indicados ao Oscar.

Na categoria de direção, o mexicano Alfonso Cuarón recebe a honraria e recorda uma situação engraçada com Sandra Bullock. “Obrigado por não desistir quando te disse ‘Sandra, vou te dar herpes’. Quando na verdade eu quis dizer ‘Sandra, vou te dar um earpiece’ (ponto eletrônico pra ouvido). É uma história verdadeira”.

Preterido ano passado por sua performance em Magic Mike, Matthew McConaughey deu a volta por seu trabalho em Clube de Compras Dallas, no qual perdeu mais de 17 quilos para interpretar o aidético Ron Woodroof. Até poucos anos atrás, sempre considerei McConaughey uma eterna promessa desde 1996 quando estrelou Tempo de Matar, pois parou nas comédias românticas ralas como Armações do Amor, Um Amor de Tesouro e Como Perder um Homem em Dez Dias. Felizmente, ele evoluiu bastante desde 2011, ao atuar em Killer Joe – Matador de Aluguel, de William Friedkin. Vale lembrar que ele está no novo filme de Christopher Nolan, a ficção científica Interstellar, que deve estrear em novembro.

Matthew McConaughey vence por Clube de Compras Dallas

Matthew McConaughey vence como Melhor Ator – Drama por Clube de Compras Dallas

Aparentmente existe na internet uma espécie de corrente alegando que Hollywood é racista porque preferiu premiar um ator branco (McConaughey) a um negro (Chiwetel Ejiofor ou Idris Elba). Para aqueles que acreditam nessa teoria, a única coisa que digo é: às vezes a internet tem suas desvantagens. Tem gente que nem merecia teclar num computador.

Atuando ao lado de McConaughey, o jovem Jared Leto também foi pra dieta para viver o transexual Rayon. Sua transformação foi bastante elogiada pela crítica e, apesar de não ter sido indicado ao BAFTA (por motivos de regulamento), sua presença no Oscar é vista como garantida. Como mencionado em seu discurso de agradecimento, sua premiação é uma ótima recepção de boas-vindas após um afastamento de 6 anos do cinema (embora a diferença entre o lançamento deste filme do último foi de 4 anos).

O Globo de Ouro para Leonardo DiCaprio pode ser interpretado como uma espécie de prêmio de consolo para a derrota de O Lobo de Wall Street como Melhor Filme – Comédia ou Musical. Eu disse “pode”. Ou pode ser por puro mérito, afinal DiCaprio é um ator em ascensão desde 2002, quando iniciou uma forte parceria com o diretor Martin Scorsese. Obviamente sua vitória alavancará sua campanha rumo à sua 4ª indicação ao Oscar, mas não acredito em seu 1º Oscar pelo alto nível de competição na categoria Melhor Ator que poderá enfrentar.

Leonardo DiCaprio vence seu segundo Globo de Ouro (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Leonardo DiCaprio vence seu segundo Globo de Ouro (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Quanto às atrizes, Cate Blanchett mereceu vencer por sua performance em Blue Jasmine. Foi a maior homenagem que Woody Allen, diretor do filme, poderia ter recebido na noite. Apesar do encantador discurso de Diane Keaton, a ausência de Woody para receber o Cecil B. DeMille Award pelo conjunto da obra reduziu a grandeza do momento. Certamente, Woody daria o melhor discurso de todos. Várias atrizes com quem trabalhou estavam lá na esperança de que ele pudesse pegar o avião e vir pra Los Angeles: Dianne Wiest, Mariel Hemingway, Naomi Watts e as indicadas Julia Roberts e Meryl Streep. Como fã de Allen, confesso que fiquei decepcionado, pois o Cecil B. DeMille não é um mero prêmio, mas uma homenagem previamente aprovada pelo homenageado.

Mas enfim… Woody Allen é Woody Allen. Diane Keaton proferiu algumas frases dele, sendo uma delas a seguinte: “Uma das melhores coisas sobre escrever ou qualquer Arte é que se a coisa é real, ela vive. Todo o sucesso em cima ou a rejeição, nada disso realmente importa porque no fim, a coisa vai sobreviver ou não sobre seus próprios méritos. Imortalidade via Arte não é grande coisa. François Truffaut morreu. Seus filmes vivem, mas isso não ajuda muito François Truffaut. Como disse muitas vezes, em vez de viver nos corações e mentes de meu colega, prefiro viver no meu apartamento.”

Diane Keaton recebe o Cecil B. DeMille award por Woody Allen

Diane Keaton recebe o Cecil B. DeMille award por Woody Allen

E Amy Adams e Jennifer Lawrence venceram por Trapaça como Atriz – Comédia ou Musical e Coadjuvante, respectivamente. Confesso que, apesar de desejar a vitória de Lawrence, não esperava que ela ganharia o segundo Globo de Ouro de forma consecutiva (ano passado, ganhou por O Lado Bom da Vida, sob a direção do mesmo David O. Russell). E se ela vencer o SAG no próximo fim de semana, o segundo Oscar estará praticamente em suas mãos. Já Amy Adams, recebeu seu maior prêmio até agora, consolidando a forte possibilidade de ser finalmente indicada como Melhor Atriz após 4 indicações como coadjuvante. Sua vitória seria muito improvável levando em consideração suas competidoras, mas um passo de cada vez, certo?

Jennifer Lawrence com seu segundo Globo de Ouro

Jennifer Lawrence com seu segundo Globo de Ouro

Amy Adams ganha seu primeiro Globo de Ouro por Trapaça

Amy Adams ganha seu primeiro Globo de Ouro por Trapaça

SURPRESAS DA NOITE

A vitória da trilha musical de All is Lost, de Alex Ebert, não deixa de ser uma surpresa. Em sua primeira indicação, já leva o Globo de Ouro, batendo fortes concorrentes como John Williams e Hans Zimmer. Com visual meio hippie e abrindo o discurso com uma confissão de ter participado de uma festa num barco com o rapper Puff Daddy numa espécie de tour à base de erva, Ebert pode ter dado um passo importante ao Oscar.

A canção “Let it go” de Frozen: Uma Aventura Congelante era considerada favorita, mas “Ordinary Love” de Mandela: Long Walk to Freedom roubou o troféu, não apenas pelo prestígio da banda U2, mas a recente morte do líder sul-africano Nelson Mandela pesaram na decisão.

Contudo, acho que a maior surpresa foi a vitória do italiano A Grande Beleza, batendo o franco-favorito Azul é a Cor Mais Quente, que tem vencido quase todos os prêmios de Melhor Filme Estrangeiro desde que ganhou a Palma de Ouro. Com o candidato francês fora da corrida ao Oscar, o filme italiano de Paolo Sorrentino cresce nessa reta final e pode surpreender ainda mais se o dinamarquês A Caça assustar os votantes da Academia com seu tema de pedofilia.

Gostei bastante da vitória inesperada de Amy Poehler, a hostess da noite. Sempre a considerei uma boa comediante sem mesmo acompanhar sua série Parks and Recreation, mas já havia admirado seu timing cômico no filme Uma Mãe Para o Meu Bebê. Achava que ela não teria chances por ser uma das anfitriãs da noite e porque acreditava que Julia Louis-Dreyfus venceria por Veep. Quando seu nome é anunciado com as demais indicadas, ela aparece sentada no colo de Bono, recebendo uma massagem nos ombros. Ao ouvir seu nome como vencedora, ela não resiste e beija apaixonadamente o vocalista do U2. “Eu nunca ganho nada!”, desculpa-se Poehler pelo embaraço no discurso.

Confira todos os vencedores dessa 71ª edição do Globo de Ouro:

MELHOR FILME – DRAMA
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Trapaça (American Hustle)

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuarón (Gravidade)

MELHOR ATOR – DRAMA
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Amy Adams (Trapaça)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jennifer Lawrence (Trapaça)

MELHOR ROTEIRO
Spike Jonze (Ela)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Alex Ebert (All is Lost)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Ordinary Love”, de U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (Itália)

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante, de Chris Buck e Jennifer Lee

MELHOR SÉRIE DE TV – DRAMA
Breaking Bad

MELHOR ATOR – SÉRIE DE TV – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE TV – DRAMA
Robin Wright (House of Cards)

MELHOR SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL
Brooklyn Nine-Nine

MELHOR ATOR – SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL
Andy Samberg (Brooklyn Nine-Nine)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL
Amy Poehler (Parks and Recreation)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra)

MELHOR ATOR – MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Michael Douglas (Minha Vida com Liberace)

MELHOR ATRIZ – MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jon Voight (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jacqueline Bisset (Dancing on the Edge)

Num dos melhores momentos da noite, a grande atriz Emma Thompson subiu descalça ao palco já um pouco mais animada pelo álcool para apresentar um prêmio carregando seus sapatos de salto alto na mão direita e seu martini na esquerda. “Só quero que saibam que este vermelho (dos sapatos) é meu sangue”. Depois do anúncio dos indicados para Melhor Roteiro, ela perguntou: “Onde está o envelope?”. Quando a Miss Golden Globe o trouxe, Thompson, que estava com as mãos ocupadas, jogou para longe os sapatos para pegar o envelope, optando claramente pela bebida à finèse dos saltos. Uma grande figura!

Emma Thompson mantendo a classe

Emma Thompson mantendo a classe

‘Trapaça’ conquista 3 prêmios no NYFCC 2013

Vencedora do prêmio de coadjuvante, Jennifer Lawrence (à esquerda) divide cena com Amy Adams em Trapaça (photo by ww.elfilm.com)

Vencedora do prêmio de coadjuvante, Jennifer Lawrence (à esquerda) divide cena com Amy Adams em Trapaça (photo by ww.elfilm.com)

A New York Film Critics Circle, formada por críticos nova-iorquinos, divulgou sua lista anual de premiados:

FILME: Trapaça (American Hustle)
DIRETOR: Steve McQueen (12 Years a Slave)
ATOR: Robert Redford (All is Lost)
ATRIZ: Cate Blanchett (Blue Jasmine)
ATOR COADJUVANTE: Jared Leto (Dallas Buyers Club)
ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lawrence (Trapaça)
ROTEIRO: Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
FOTOGRAFIA: Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
FILME ESTRANGEIRO: Azul é a Cor Mais Quente (La Vie d’Adèle), de Abdellatif Kechiche (França)
DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley
ANIMAÇÃO: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki
PRIMEIRO FILME: Fruitvale Station: A Última Parada, de Ryan Coogler

Os três prêmios para Trapaça surpreendeu aqueles que acompanhavam a corrida do Oscar 2014, que tinha como favoritos 12 Years a Slave, de Steve McQueen, e Gravidade, de Alfonso Cuarón. Como o editor da Variety, Tim Gray, comentou: “…the critics prizes take the pressure off each of the films as the One To Beat (os prêmios dos críticos tiram a pressão dos filmes considerados favoritos)”.

No set de 12 Years a Slave, o diretor britânico Steve McQueen faturou o prêmio de Diretor (photo by www.collider.com)

No set de 12 Years a Slave, o diretor britânico Steve McQueen faturou o prêmio de Diretor (photo by http://www.collider.com)

Além dessa virtude, os críticos têm como objetivo lembrar a variedade de bons filmes que têm chances reais de chegar ao Oscar de Melhor Filme, principalmente com 10 indicados, evitando aqueles casos de franco-favoritismo que papa mais de 10 estatuetas como fizeram os recordistas Ben-Hur e Titanic. Além dos filmes já citados, temos Nebraska, de Alexander Payne, O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, Álbum de Família, de John Wells, Capitão Phillips, de Paul Greengrass, O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels, e Inside Llewyn Davis, de Joel e Ethan Coen, só para citar alguns.

Apesar da vitória no NYFCC significar pontuação na corrida para o Oscar, vale ressaltar que os críticos nova-iorquinos não estão tão em sintonia com a Academia. Nos últimos 10 anos, apenas em quatro vezes os Melhores Filmes coincidiram: em 2011 com O Artista, 2009: Guerra ao Terror, 2007: Onde os Fracos Não Têm Vez, e 2003: O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei. Sem contar os atores que nem chegam a ser indicados no Oscar como os vencedores do ano passado de Melhor Atriz e Ator Coadjuvante, respectivamente: Rachel Weisz (Amor Profundo) e Matthew McConaughey (Magic Mike).

Como Trapaça teve sua premiere agora nos EUA, (sim, o Brasil não tem pressa nenhuma. Estréia marcada para fevereiro de 2014!), alguns talvez façam a leitura de que o NYFCC estaria tentando compensar a ausência total de O Lado Bom da Vida, do mesmo diretor David O. Russell, da última edição. Em 2012, eles premiaram o polêmico A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow. Como o filme foi acusado erroneamente de fazer apologia à tortura e gerou uma série de discussões, talvez eles quiseram deixar polêmicas de lado e apostaram em David O. Russell, que sempre fez filmes mais light. Apesar de ter ter sido premiado como diretor, recebeu a honraria de Melhor Roteiro juntamente com o colaborador Eric Singer.

Embora a vitória de Jennifer Lawrence tenha possibilidade de também se encaixar na leitura de compensação por 2012, comprova que a jovem continua no topo de Hollywood aos 23 anos. Ela sabe aliar com maestria o sonho de todo ator: sucesso de crítica e público. Seu outro trabalho de 2013, a seqüência Jogos Vorazes: Em Chamas já conquistou 300 milhões de dólares apenas em sua segunda semana nos EUA. Como a corrida da categoria de coadjuvante está relativamente mais fraca, Lawrence deve figurar entre as indicadas do Oscar 2014, mas como já ganhou este ano, não deve ter muitas chances.

No geral, a premiação do NYFCC foi bastante democrática. Lembrou bons trabalhos de 2013 como a direção de Steve McQueen em 12 Years a Slave. Apesar deste ser apenas seu terceiro longa, o diretor britânico vem conquistando muito prestígio da ala artística americana depois dos aclamados Fome (2008) e Shame (2011). O NYFCC consagra o talento e a versatilidade de Cate Blanchett, que vive uma socialite falida no novo filme de Woody Allen, Blue Jasmine, e resgata o veterano da atuação e charme em pessoa Robert Redford, por sua interpretação em All is Lost, um drama de ação em que um marinheiro encara sua mortalidade após a colisão de seu barco em alto mar.

Aos 77 anos, Robert Redford é o único ator do segundo longa do jovem J.C. Chandor, All is Lost (photo by www.elfilm.com)

Aos 77 anos, Robert Redford é o único ator do segundo longa do jovem J.C. Chandor, All is Lost (photo by http://www.elfilm.com)

Assim como eles, o ator Jared Leto, que ficou conhecido por Réquiem Para um Sonho (2001) e retornou de um afastamento de quatro anos dos cinemas, deve conquistar uma indicação pela ousadia de seu papel em Dallas Buyers Club. Na produção independente, Leto dá vida a Rayon, um gay travesti que ajuda o protagonista Ron Woodroof (Matthew McConaughey) a encontrar uma cura para o HIV em meados da década de 80. Além do homossexualismo e do travestismo já chamarem atenção para o papel, o ator também perdeu cerca de 13 quilos para viver Rayon, o que deve lhe garantir auto-publicidade até março.

Já na categoria de Filme Estrangeiro, é uma pena que Azul é a Cor Mais Quente não possa disputar o Oscar. Infelizmente, as regras arcaicas da Academia desqualificaram o filme vencedor da Palma de Ouro por estrear na França após o prazo permitido. Assim, um dos filmes mais aclamados da temporada fica de fora da categoria, mas dependendo do lobby, talvez conquista uma indicação para Direção (Abdellatif Kechiche) e Atriz (Adèle Exarchopoulos).

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by www.elfilm.com)

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by http://www.elfilm.com)

O prêmio de Melhor Fotografia para Bruno Delbonnel deve reforçar a campanha para sua 4ª indicação ao Oscar. Após ter sido indicado por O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001), Eterno Amor (2004) e Harry Potter e o Enigma do Príncipe (2009), o diretor de fotografia francês pode vencer, caso o franco-favorito mexicano Emmanuel Lubezki não figurar na lista por Gravidade. E, espero que a vitória da animação japonesa O Vento Está Soprando também se transforme em indicação e segundo Oscar para o mestre Hayao Miyazaki. Considerado um ano fraco para animações dos grandes estúdios, Miyazaki e seu Studio Ghibli podem se consagrar mais uma vez na Academia.

O diretor de fotografia francês Bruno Delbonnel dá o toque artístico ao visual de Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen (photo by www.elfilm.com)

O diretor de fotografia francês Bruno Delbonnel dá o toque artístico ao visual de Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen (photo by http://www.elfilm.com)

O prêmio de Primeiro Filme acabou indo para Fruitvale Station: A Última Parada, que visa não apenas o merecimento do diretor Ryan Coogler, mas de todo o elenco formado por Michael B. Jordan, Melonie Diaz, Octavia Spencer e Chad Michael Murray. A produção independente foi bastante aplaudida no último Festival de Cannes, e mais recentemente, recebeu 3 indicações ao Independent Spirit Awards. Com a benção do lobby de Harvey Weinstein, o filme pode surpreender ainda mais espaço nessa corrida ao Oscar.

E como Melhor Documentário, um trabalho singelo da diretora e atriz canadense Sarah Polley intitulado Stories We Tell. Ao contrário da maioria dos documentários que visa temas polêmicos, ela opta por um trabalho mais intimista ao atuar como entrevistadora num experimento que busca identificar mitos e verdades sobre sua família. Aliás, o documentário foi pré-selecionado para competir no Oscar de Melhor Documentário.

A diretor e atriz canadense Sarah Polley foi premiada por seu documentário intimista (photo by www.outnow.ch)

A diretor e atriz canadense Sarah Polley foi premiada por seu documentário intimista (photo by http://www.elfilm.com)

Veja lista dos 15 semi-finalistas:

– O Ato de Matar (The Act of Killing), de Joshua Oppenheimer
– The Armstrong Lie, de Alex Gibney
– Blackfish, de Gabriela Cowperthwaite
– The Crash Reel, de Lucy Walker
– Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling
– Dirty Wars, de Rick Rowley
– First Cousin Once Removed, de Alan Berliner
– God Loves Uganda, de Roger Ross Williams
– Life According to Sam, de Sean Fine, Andrea Nix
– Pussy Riot: A Punk Prayer, de Mike Lerner, Maxim Pozdorovkin
– The Square, de Jehane Noujaim
– Stories We Tell, de Sarah Polley
– Tim’s Vermeer, de Teller
– 20 Feet from Stardom, de Morgan Neville
– Which Way Is the Front Line from Here? The Life and Time of Tim Hetherington, de Sebastian Junger

The Armstrong Lie, de Alex Gibney, destrincha os altos e baixos do campeão Lance Armstrong que venceu 7 Tour de France, mas perdeu após exame anti-dopping (photo by www.outnow.ch)

The Armstrong Lie, de Alex Gibney, destrincha os altos e baixos do campeão Lance Armstrong que venceu 7 Tour de France, mas perdeu após exame anti-dopping (photo by http://www.outnow.ch)

‘O Lado Bom da Vida’ domina o Independent Spirit Awards 2013

David O. Russell, vencedor de Melhor Diretor e Roteiro por O Lado Bom da Vida, no Independent Spirit Awards

David O. Russell, vencedor de Melhor Diretor e Roteiro por O Lado Bom da Vida, no Independent Spirit Awards (photo by latimes.com)

Um dia antes de concorrer em oito categorias no Oscar, a comédia O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook) se tornou a grande vitoriosa do prêmio que prestigia o cinema mais independente. Além de Melhor Filme, o filme de David O. Russell levou Direção, Roteiro e Atriz para Jennifer Lawrence.

Curiosamente, o orçamento de produção do vencedor ultrapassa em 1 milhão de dólares do limite estipulado pela premiação para poder concorrer, mas parece que o lobby da distribuidora Weinstein Company falou mais alto. Aliás, esta é a segunda produção consecutiva da Weinstein a ganhar o Independent Spirit Awards depois de O Artista.

Jennifer Lawrence aceitando prêmio de Melhor Atriz por O Lado Bom da Vida (photo by movies.yahoo.com)

Jennifer Lawrence aceitando prêmio de Melhor Atriz por O Lado Bom da Vida (photo by movies.yahoo.com)

Em 2012, havia uma discussão sobre a eligibilidade de O Artista nas principais categorias. Como ambos os atores principais (Jean Dujardin e Bérènice Bejo) e o diretor Michel Hazanavicius são franceses, o filme deveria ter competido apenas como produção estrangeira. Acabou também limpando a premiação com Melhor Filme, Diretor, Fotografia e Ator.

Com o domínio de O Lado Bom da Vida, um dos principais concorrentes ficou praticamente esquecido: Indomável Sonhadora. Apesar de terem tentado compensar o pequeno filme apenas com o prêmio de Fotografia para Ben Richardson, o público ficou com a sensação de injustiça, afinal, terá poucas chances nas quatro categorias que está indicado no Oscar ao contrário do filme vencedor.

Pelo histórico do Independent Spirit Awards, surgiu uma famosa frase: “Ganhe no sábado e perca no domingo”. Normalmente o filme vencedor perde no Oscar no dia seguinte. Casos mais recentes incluem Cisne Negro, Preciosa – Uma História de Esperança e O Lutador. O único a quebrar esta escrita foi justamente O Artista, que levou ambos o Independent e o Oscar.

Contudo, essa aliança tende a ficar mais recorrente. Desde 2000, 10 dos 13 vencedores de Melhor Filme foram também indicados a Melhor Filme no Oscar. Sem contar os atores que ganharam os dois prêmios: Jean Dujardin (O Artista), Christopher Plummer (Toda Forma de Amor), Natalie Portman (Cisne Negro), Mo’Nique (Preciosa – Uma História de Esperança) e Jeff Bridges (Coração Louco).

Ainda sobre os vencedores nas categorias de atuação, o Independent Spirit Awards salvou o ano dos atores John Hawkes e Matthew McConaughey. Ambos tiveram suas interpretações muito elogiadas pela crítica no final de 2012, mas viram suas boas campanhas naufragarem com a ausência na lista do Oscar. Em seu discurso de agradecimento, McConaughey, que venceu pelo papel de um dono de clube de striptease em Magic Mike, soltou um desabafo: “Tive que tirar minhas calças pra ganhar um troféu!”. E com a ausência da favorita Anne Hathaway, Helen Hunt acabou levando a melhor na categoria de atriz coadjuvante por As Sessões.

John Hawkes recebe prêmio de Melhor Ator por As Sessões das mãos de Salma Hayek (photo by sfgate.com)

John Hawkes recebe prêmio de Melhor Ator por As Sessões das mãos de Salma Hayek (photo by sfgate.com)

Amor, de Michael Haneke, confirmou seu favoritismo e deve chegar com força total para o Oscar, mesmo que seus concorrentes diretos (o chileno No e o norueguês Expedição Kon-Tiki) não tenham sido sequer indicados ao Independent Spirit.

Acompanhe novamente os indicados e os vencedores (assinalados em negrito):

MELHOR FILME
Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)
Bernie
Deixe a Luz Acesa (Keep the Lights On)
Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)
• O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

MELHOR DIRETOR
Wes Anderson, Moonrise Kingdom
Julia Loktev, The Loneliest Planet
• David O. Russell, O Lado Bom da Vida
Ira Sachs, Deixe a Luz Acesa
Benh Zeitlin, Indomável Sonhadora

MELHOR ROTEIRO
Wes Anderson & Roman Coppola, Moonrise Kingdom
Zoe Kazan, Ruby Sparks – A Namorada Perfeita
Martin McDonagh, Sete Psicopatas e um Shih Tzu
• David O. Russell, O Lado Bom da Vida
Ira Sachs, Deixe a Luz Acesa

MELHOR FILME DE ESTREANTE
Fill the Void
Gimme the Loot
Sem Segurança Nenhuma (Safety Not Guaranteed)
Sound of My Voice
• As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE
Rama Burshtein, Fill the Void
• Derek Connolly, Sem Segurança Nenhuma
Christopher Ford, Frank e o Robô
Rashida Jones & Will McCormack, Celeste e Jesse Para Sempre
Jonathan Lisecki, Gayby

JOHN CASSAVETES AWARD – (para produções abaixo de 500 mil dólares)
Breakfast with Curtis
• Middle of Nowhere
Mosquita y Mari
Starlet
The Color Wheel

MELHOR ATRIZ
Linda Cardellini, Return
Emayatzy Corinealdi, Middle of Nowhere
• Jennifer Lawrence, O Lado Bom da Vida
Quvenzhané Wallis, Indomável Sonhadora
Mary Elizabeth Winstead, Smashed

MELHOR ATOR
Jack Black, Bernie
Bradley Cooper, O Lado Bom da Vida
• John Hawkes, As Sessões
Thure Lindhardt, Deixe a Luz Acesa
Matthew McConaughey, Killer Joe – Matador de Aluguel
Wendell Pierce, Four

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Rosemarie DeWitt, Your Sister’s Sister
Ann Dowd, Compliance
• Helen Hunt, As Sessões
Brit Marling, Sound of My Voice
Lorraine Toussaint, Middle of Nowhere

MELHOR ATOR COADJUVANTE
• Matthew McConaughey, Magic Mike
David Oyelowo, Middle of Nowhere
Michael Péna, Marcados Para Morrer
Sam Rockwell, Sete Psicopatas e um Shih Tzu
Bruce Willis, Moonrise Kingdom

MELHOR FOTOGRAFIA
Yoni Brook, Valley of Saints
Lol Crawley, Here
• Ben Richardson, Indomável Sonhadora
Roman Vasyanov, Marcados Para Morrer
Robert Yeoman, Moonrise Kingdom

MELHOR DOCUMENTÁRIO
How to Survive a Plague
Marina Abramović: The Artist is Present
The Central Park Five
• The Invisible War
The Waiting Room

MELHOR FILME INTERNACIONAL
Amor (França) de Michael Haneke
Once Upon A Time in Anatolia (Turquia), de Nuri Bilge Ceylan
Ferrugem e Osso (França/Bélgica), de Jacques Audiard
Sister (Suíça), de Ursula Meier
A Feiticeira da Guerra (República Democrática do Congo), de Kim Nguyen

PIAGET PRODUCERS AWARD
Nobody Walks, Alicia Van Couvering
Prince Avalanche, Derrick Tseng
Stones in the Sun, Mynette Louie

SOMEONE TO WATCH AWARD
Pincus, diretor David Fenster
Gimme the Loot, diretor Adam Leon
Electrick Children, diretora Rebecca Thomas

TRUER THAN FICTION AWARD (dado para documentaristas emergentes)
Leviathan, diretores Lucien Castaing-Taylor and Véréna Paravel
The Waiting Room, diretor Peter Nicks
Only the Young, diretores Jason Tippet & Elizabeth Mims

ROBERT ALTMAN AWARD (pelo elenco)
Starlet
Diretor: Sean Baker
Diretor de Casting: Julia Kim
Elenco: Dree Hemingway, Besedka Johnson, Karren Karagulian, Stella Maeve, James Ransone.

FIND Your Audience Award
Breakfast With Curtis, de Laura Colella
The History of Future Folk, de John Mitchell, Jeremy Kipp Walker

Matthew McConaughey com o prêmio de coadjuvante por Magic Mike (photo by beaumontenterprise.com)

Matthew McConaughey com o prêmio de coadjuvante por Magic Mike (photo by beaumontenterprise.com)

Indicações ao Globo de Ouro 2013

Globo de Ouro 2013

Globo de Ouro 2013

As indicações foram anunciadas na manhã desta quinta-feira, dia 13 de dezembro. Este ano, o recordista de indicações é o novo trabalho de Steven Spielberg, Lincoln, com sete. Em seguida, Argo e Django Livre figuram com cinco cada.

Dentre os 10 filmes indicados nas categorias de Melhor Filme, a maior surpresa foi a inclusão de Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen), que ainda conta com as indicações de seus atores Ewan McGregor e Emily Blunt.

Seguem as indicações para cinema, e em seguida, uma análise por categoria:

MELHOR FILME – DRAMA

Argo (Argo)

Django Livre (Django Unchained)

As Aventuras de Pi (Life of Pi)

Lincoln

A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)

* A inclusão do western de Quentin Tarantino aconteceu por causa de uma exibição de última hora, mas mesmo assim conseguiu cinco indicações, entre elas a de Melhor Filme – Drama e Melhor Diretor. As ausências mais sentidas são de The Master, de Paul Thomas Anderson, e O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, de Peter Jackson. Enquanto o primeiro pode ter chateado alguns artistas seguidores da Cientologia, como Tom Cruise, o segundo apresenta uma nova tecnologia de 48 quadros por segundo que dá uma sensação de hiper-realidade, que pode ter desagradado alguns críticos. Pelo número de indicações, Lincoln parece ser o favorito, mas Argo e Django Livre podem surpreender.

Cena com Christoph Waltz e Jamie Foxx de Django Livre, de Quentin Tarantino.

Cena com Christoph Waltz e Jamie Foxx de Django Livre, de Quentin Tarantino (foto por beyondhollywood.com)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

O Exótico Hotel Marigold (The Best Exotic Marigold Hotel)

Les Misérables

Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)

Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen)

O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

* A briga está entre Moonrise Kingdom e O Lado Bom da Vida, com boa vantagem para o último por causa da direção de David O. Russell e o par central de atores, Bradley Cooper e Jennifer Lawrence. Moonrise Kingdom é um belo filme, mas como não emplacou nenhuma indicação nas categorias de atuação e seu diretor sequer foi reconhecido, sua vitória deve ficar mais improvável.

Emily Blunt e Ewan McGregor em cena romântica de Amor Impossível. Ambos foram indicados nas categorias de atuação (foto por OutNow.CH)

Emily Blunt e Ewan McGregor em cena romântica de Amor Impossível. Ambos foram indicados nas categorias de atuação (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR – DRAMA

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

Richard Gere (A Negociação)

John Hawkes (The Sessions)

Joaquin Phoenix (The Master)

Denzel Washington (Flight)

* Ao ver essa lista, quem tem jeito de que vai levar o Globo de Ouro? Se você apostou em Daniel Day-Lewis, já tem 50% de chance de acertar. Apesar da entrevista polêmica se desfazendo da temporada de premiação, Joaquin Phoenix seria o segundo nessa corrida. A indicação de Richard Gere é a grande novidade na categoria. Ele já havia ganhado um Globo de Ouro por Chicago em 2003.

Richard Gere em A Negociação (foto por OutNow.CH)

Richard Gere em A Negociação (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Marion Cotillard (Ferrugem e Osso)

Helen Mirren (Hitchcock)

Naomi Watts (O Impossível)

Rachel Weisz (The Deep Blue Sea)

* Sem a veterana Emmanuelle Riva, a revelação-mirim Quvenzhané Wallis e por pertencer à categoria de comédia Jennifer Lawrence, a disputa aqui parece estar mais aberta, com ligeira vantagem para Jessica Chastain (que venceu o National Board of Review) e Rachel Weisz (que levou o NYFCC).

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso. Sim, ela está sem a parte de baixo das pernas através de ótimo efeitos visuais.

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso. Sim, ela está sem a parte de baixo das pernas através de ótimo efeitos visuais (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Jack Black (Bernie)

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Hugh Jackman (Les Misérables)

Ewan McGregor (Amor Impossível)

Bill Murray (Hyde Park on Hudson)

* Não se espante ao ver Jack Black na categoria. Além de ser um bom ator-comediante quando ele quer, já foi indicado pelo mesmo prêmio em 2004 pelo filme Escola de Rock. Curiosamente, ele enfrenta Bill Murray novamente, que havia vencido então por Encontros e Desencontros. Mas a presença de Ewan McGregor também surpreendeu, ainda mais pelo filme pelo qual foi reconhecido, pois todos esperavam O Impossível. O vencedor deve ficar entre Bradley Cooper (venceu o National Board of Review) e Hugh Jackman… bem, porque os críticos gostam de musicais, ainda mais com esse one-man-show!

Jack Black, o catador de viúvas em Bernie (foto por Cinemagia.ro)

Jack Black, o catador de viúvas em Bernie (foto por Cinemagia.ro)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Emily Blunt (Amor Impossível)

Judi Dench (O Exótico Hotel Marigold)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Maggie Smith (Quartet)

Meryl Streep (Um Divã Para Dois)

* O que eu digo toda vez? Sobrou uma vaga? Coloquem a Meryl Streep pra concorrer! Mas brincadeiras à parte, Streep está fabulosa e carismática como sempre em Um Divã Para Dois, vivendo aquela mulher que, estagnada no casamento, decide tomar uma atitude para salvá-lo. Apesar da presença das veteranas como a própria Meryl, temos Judi Dench e Maggie Smith, a jovem Jennifer Lawrence deve ficar com o prêmio, que estaria inclusa sua participação em Jogos Vorazes. Como não faço idéia de como está Emily Blunt em Amor Impossível, considero sua indicação uma surpresa.

Meryl Streep e a banana em Um Divã Para Dois. O carisma da atriz fascina o público (foto por OutNow.CH)

Meryl Streep e a banana em Um Divã Para Dois. O carisma da atriz fascina o público (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Leonardo DiCaprio (Django Livre)

Philip Seymour Hoffman (The Master)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

Christoph Waltz (Django Livre)

* Com a exclusão de Matthew McConaughey, que estava ganhando quase todos os prêmios da crítica por Magic Mike, e Robert De Niro por O Lado Bom da Vida, Leonardo DiCaprio e Philip Seymour Hoffman saem na frente. Mas a briga esquentou depois que Christoph Waltz entrou. Em nova parceria de sucesso com o diretor Quentin Tarantino, o ator austríaco volta a se destacar em papel de coadjuvante. Outra ausência notada foi a de Javier Bardem por 007 – Operação Skyfall. A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood não foi tanto na onda de sucesso do filme de Bond.

Christoph Waltz em Django Livre. Supresa agradável. (foto por OutNow.CH)

Christoph Waltz em Django Livre. Supresa agradável. (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Amy Adams (The Master)

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Les Misérables)

Helen Hunt (The Sessions)

Nicole Kidman (The Paperboy)

* Nicole Kidman tem sido tratada como zebra total na categoria. Depois de roubar o lugar de Amy Adams no SAG Awards, ela descarta Ann Dowd por Compliance ou Maggie Smith em O Exótico Hotel Marigold. Não duvido nada ela subir o palco pra receber o prêmio! Mas por enquanto, a casa de apostas fica entre Sally Field, Anne Hathaway e Amy Adams.

De recatada na vida real para putinha na ficção, Nicole Kidman agrada a crítica em The Paperboy (foto por OutNow.CH)

De recatada na vida real para putinha na ficção, Nicole Kidman agrada a crítica em The Paperboy (foto por OutNow.CH)

MELHOR DIRETOR

Ben Affleck (Argo)

Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Steven Spileberg (Lincoln)

Quentin Tarantino (Django Livre)

* Curiosamente, todos os diretores indicados são os mesmos dos filmes indicados a Melhor Filme – Drama, ou seja, nada de comédia ou musical por aqui. Assim, Tom Hooper, que comandou o elaborado musical baseado em Victor Hugo, e David O. Russell, que vem coletando ótimos elogios pela direção de atores e ainda resgatou o brilho de Robert De Niro, ficaram de fora. Como vi em anos anteriores, os críticos poderiam abrir novas exceções e indicar pelo menos mais um diretor. Independente disso, a disputa aqui está bastante acirrada. Temos quatro diretores muito experientes, com destaque para Spielberg e Bigelow, que foi a primeira mulher a ganhar o Oscar de direção, com a revelação Ben Affleck, que em seu terceiro filme na cadeira de diretor, já conquistou a crítica e o público com Argo.

Ben Affleck na câmera e dirigindo seu terceiro filme, Argo (foto por beyondholywood.com)

Ben Affleck na câmera e dirigindo seu terceiro filme, Argo (foto por beyondholywood.com)

MELHOR ROTEIRO

Chris Terrio (Argo)

Quentin Tarantino (Django Livre)

Tony Kushner (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

Mark Boal (A Hora Mais Escura)

* Com sua ausência na categoria de diretor, David O. Russell deve figurar como franco-favorito por O Lado Bom da Vida. Mas Chris Terrio e Mark Boal fizeram um ótimo trabalho casos verídicos que se passaram no Oriente Médio, em épocas diferentes. Tarantino também entraria bem na briga na tentativa de compensá-lo numa possível derrota como diretor.

Chris Terrio na estréia de Argo (foto por zimbio.com)

Chris Terrio na estréia de Argo (foto por zimbio.com)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Dario Marianelli (Anna Karenina)

Alexandre Desplat (Argo)

Reinhold Heil, Johnny Klimek, Tom Tykwer (A Viagem)

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

John Williams (Lincoln)

* Como discutido no post anterior sobre as 104 trilhas musicais pré-selecionadas para o Oscar, Alexandre Desplat tinha três obras com possibilidade de indicação, então acredito que ele sai na frente por Argo. Mas quando se tem o veteraníssimo John Williams, o favorito tem que passar sobre ele primeiro. Fiquei feliz pela indicação de Mychael Danna, que vinha criando ótimos arranjos desde Pequena Miss Sunshine, mas nunca era lembrado pela crítica. Espero que ele tenha boas chances no Oscar também.

O compositor Mychael Danna, que concorre por As Aventuras de Pi (foto por celebslist.com)

O compositor Mychael Danna, que concorre por As Aventuras de Pi (foto por celebslist.com)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“For You“, de Monty Powell, Keith Urban (Ato de Valor)

“Safe and Sound”, de Taylor Swift, John Paul White, Joy Williams, T-Bone Burnett (Jogos Vorazes)

“Suddenly“, de Claude-Michel Schönberg, Alain Boublil, Herbert Kretzmer (Les Misérables)

“Skyfall”, de Adele, Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

“Not Running Anymore”, de Jon Bon Jovi (Stand Up Guys)

* Embora haja nomes conhecidos no cenário musical como Jon Bon Jovi, Keith Urban (marido de Nicole Kidman) e a princesinha do country Taylor Swift, o aniversário de 50 anos de James Bond + a nova diva Adele = Globo de Ouro. A música tema de 007 – Operação Skyfall já virou até hit nas paradas brasileiras! E que venha o primeiro Oscar da série na categoria!

Adele e 007 - Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

Adele e 007 – Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave)

Frankenweenie (Frankenweenie)

Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania)

A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians)

Detona Ralph (Wreck-It Ralph)

* Confesso que fiquei um pouco desapontado pela total ausência de trabalhos mais autorais e estrangeiros na categoria de animação. Só pra se ter uma idéia, três dos cinco indicados são da Disney: Valente, Frankenweenie e Detona Ralph. Claro que se a produtora fez por merecer, nada mais justo, mas aí vem a questão: “Será que não tinha nenhum outro trabalho melhor do que esses?” O Globo de Ouro deve ficar entre um dos três citados. Resta saber se será Frankenweenie, de Tim Burton, ou Detona Ralph, de Rich Moore.

Título de Detona Ralph, produto da Disney que vem agradando o público (foto por gentlemenbehold.wordpress.com)

Título de Detona Ralph, produto da Disney que vem agradando o público (foto por gentlemenbehold.wordpress.com)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amour, de Michael Haneke (Áustria)

Kon-Tiki, de Joachim Rønning, Espen Sandberg (Reino Unido/ Noruega/ Dinamarca)

Intocáveis, de Olivier Nakache, Eric Toledano (França)

O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)

Ferrugem e Osso, de Jacques Audiard (França)

* Mesmo que as regras do Globo de Ouro não sejam tão rígidas como as da Academia de poder haver apenas um representante por país, não houve surpresas este ano. Amour, de Michael Haneke, deve levar o prêmio, até mesmo para compensá-lo da exclusão total de outras categorias, como ator e atriz. Mas os franceses Intocáveis (a segunda maior bilheteria da França) e Ferrugem e Osso (que conta com o prestígio de Jacques Audiard e a atriz Marion Cotillard) vêm logo atrás, prontos para darem o bote.

Mesmo não sendo um dos favoritos, A Royal Affair é um belo filme e interessante. A imagem acima fala por si própria... (foto por OutNow.CH)

Mesmo não sendo um dos favoritos, O Amante da Rainha é um belo filme e interessante. A imagem acima fala por si própria… (foto por OutNow.CH)

A 70ª cerimônia do Globo de Ouro deve ser transmitida pelo canal TNT no dia 13 de janeiro de 2013, três dias após as indicações ao Oscar.

Indicações ao SAG Awards 2013

SAG Awards

SAG Awards

Depois de dois meses de especulações, a corrida para o Oscar 2013 nas categorias de atuação está finalmente se definindo. O prêmio do SAG (Screen Actors Guild), o sindicato dos atores, é o melhor parâmetro para o Oscar. Quem leva o prêmio, está com “uma mão na taça”.

Claro que, como as vagas são muito limitadas, muita gente que estava no meio do burburinho ficou de fora. Na ala masculina, o caso mais claro é a ausência de Joaquin Phoenix, que deve ter ficado de fora por causa de seu temperamento, pois sua atuação foi muito bem elogiada até agora. Numa entrevista, ele teria dito: “O Oscar é uma besteira… e não quero participar mais disso. Não acredito nisso. É uma cenoura, mas com o pior gosto que já provei em toda a minha vida. É totalmente subjetivo. Colocar as pessoas contra as outras… É a coisa mais estúpida do mundo.” Claro que isso repercutiu bastante em Hollywood e muitos já diziam que o ator teria cavado seu próprio túmulo.Phoenix, que já fora indicado em 2001 por Gladiador e em 2006 por Johnny e June, talvez tenha azedado por ter perdido nas duas oportunidads. Não sabemos se isso seria uma estratégia, mas se for, já funcionou. Sim, em 1971, George C. Scott veio com o mesmo discurso de bad boy e levou o Oscar por Patton – Rebelde ou Herói?. Não foi receber no palco pra ser coerente, mas levou!

Ou é muito louco ou é muito inteligente. Joaquin Phoenix faz pouco caso do Oscar em entrevista.

Ou é muito louco ou é muito inteligente. Joaquin Phoenix faz pouco caso do Oscar em entrevista.

E o Matthew McConaughey? Ele vinha ganhando importantes prêmios da crítica como coadjuvante por Magic Mike, mas a indicação ao SAG que carimbaria sua passagem para o tapete vermelho do Oscar não veio. Claro que as possibilidades ainda são boas, mas a vitória ficou bem mais longe, ainda mais que outros concorrentes cresceram como Robert De Niro e Javier Bardem.

Já na ala feminina, a veterana Emmanuelle Riva foi a ausência mais sentida. Apesar de não ser americana, nem inglesa, esta atriz francesa vinha chamando atenção pelo trabalho em Amour. Embora tenha sido ignorada pelo Screen Actors Guild, acredito bastante em sua indicação ao Oscar pelo prestígio que ela tem como artista. Sem contar que ela se tornaria a atriz mais velha a ser indicada ao prêmio.

Do lado totalmente oposto, a atriz-mirim Quvenzhané Wallis ficou de fora por motivos meio fúteis. Segundo as regras do SAG, apenas atores sindicalizados podem receber tal honraria, e Wallis e Dwight Henry, que contracena com ela, não eram filiados antes das filmagens de Indomável Sonhadora.

Quvenzhané Wallis: barrada por uma regra. O SAG Awards perde em qualidade.

Quvenzhané Wallis: barrada por uma regra. O SAG Awards perde em qualidade.

Na categoria de coadjuvante, Amy Adams foi substituída por Nicole Kidman. Digo isso porque Kidman nem vinha sendo tão cotada para premiações, ao contrário de Adams. Mas acredito que esse jogo vai virar, porque Amy Adams é muito querida pela Academia e há um bom tempo vem merecendo esse reconhecimento.

Particularmente, gostei das indicações de Jessica Chastain e Helen Mirren. Apesar de não ter visto ambas as performances, são dois talentos em extrema ascensão hoje. Chastain é uma gema novíssima em Hollywood. Em 2011, estrelou em vários filmes como A Árvore da Vida, Histórias Cruzadas e O Abrigo, confirmando a diversidade como um de seus talentos. E Dame Helen Mirren dispensa comentários. Cada papel seu ganha tridimensionalidade com seu trabalho, e ao viver a mulher de Alfred Hitchcock, Alma Reville, ela traz mais humor negro ao projeto biográfico do diretor.

Jessica Chastain em A Hora Mais Escura

Jessica Chastain em A Hora Mais Escura

MELHOR ATOR

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

John Hawkes (The Sessions)

Hugh Jackman (Les Misérables)

Denzel Washington (Flight)

MELHOR ATRIZ

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Marion Cotillard (Ferrugem e Osso)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Helen Mirren (Hitchcock)

Naomi Watts (O Impossível)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Javier Bardem (007 – Operação Skyfall)

Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)

Philip Seymour Hoffman (The Master)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Les Misérables)

Helen Hunt (The Sessions)

Nicole Kidman (The Paperboy)

Maggie Smith (O Exótico Hotel Marigold)

MELHOR ELENCO

Argo

O Exótico Hotel Marigold

Les Misérables

Lincoln

O Lado Bom da Vida

 

A cerimônia de entrega do SAG Awards será transmitida pelo canal TNT no dia 21 de janeiro de 2013.

O elenco senil de O Exótico Hotel Marigold

O elenco senil de O Exótico Hotel Marigold

Vencedores do New York Film Critic’s Circle Awards 2012

NYFCC Awards 2012

NYFCC Awards 2012

Nesta 78ª edição, as atenções ficaram divididas entre dois filmes. Por um lado, Zero Dark Thirty, o drama de guerra sobre a caçada de Osama Bin Laden, levou três prêmios: Melhor Filme, Melhor Diretora e Melhor Fotografia. Do outro, Lincoln, filme de época sobre os últimos anos da vida do presidente americano, ficou com Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Roteiro.

Zero Dark Thirty, de Kathryn Bigelow

Zero Dark Thirty, de Kathryn Bigelow

Claro que se medirmos na balança, Zero Dark Thirty sai na frente pelo peso de ganhar os dois principais prêmios da edição. Vale lembrar que o lançamento do filme, que estava previsto para novembro, sofreu um adiamento devido a protestos republicanos que temiam queda de intenção de votos na eleição nos EUA, ficando para dezembro. A produção do longa também ficou marcada pelo acesso exclusivo aos arquivos da CIA da operação de captura do líder terrorista.

Kathryn Bigelow no set de filmagem

Kathryn Bigelow no set de filmagem

A diretora Kathryn Bigelow, que fez história ao ser a primeira mulher a ganhar Melhor Direção no Oscar por Guerra ao Terror, voltou a ganhar o prêmio de direção do NYFCC. Havia uma certa expectativa de que Paul Thomas Anderson, David O. Russell ou até mesmo Steven Spielberg pudessem figurar nessa categoria, mas Bigelow comprova que sua vitória anterior não foi mera sorte. E esta nova parceria com o roteirista Mark Boal parece render bons frutos, uma vez que o projeto do longa se tratava originalmente da década perdida caçando o terrorista. Com a morte de Bin Laden, toda a idéia do filme foi alterada e pelo visto, para melhor.

Como era de se esperar, Daniel Day -Lewis levou Melhor Ator. Quando confirmaram que ele viveria o presidente americano, os holofotes já estavam sobre ele. Logo que saíram as primeiras imagens do ator transformado com um belo trabalho de maquiagem, muitos críticos já o colocavam nas listas de indicação ao Oscar. Com essa vitória em Nova York, Day-Lewis já acumula quatro prêmios do NYFCC: Melhor Ator por Meu Pé Esquerdo (1989), Gangues de Nova York (2002) e Sangue Negro (2007), e Coadjuvante por Uma Janela Para o Amor (1986) e Minha Adorável Lavanderia (1985). Além disso, já se garante entre os cinco indicados ao Oscar, mas pode perder espaço para Joaquin Phoenix por The Master. Ainda pelo filme Lincoln, Sally Field ganhou o prêmio de atriz coadjuvante. A atriz que não vencia há 33 anos (em 1979, por Norma Rae), volta a ser destaque. E o dramaturgo Tony Kushner, que já venceu o Emmy pela série Angels in America, faz seu segundo trabalho com Steven Spielberg (o primeiro foi Munique em 2005) e leva Melhor Roteiro.

Rachel Weisz como Hester Collyer em The Deep Blue Sea (photo by outnow.ch)

Rachel Weisz como Hester Collyer em The Deep Blue Sea (photo by outnow.ch)

Talvez a maior surpresa tenha sido a vitória da britânica Rachel Weisz por The Deep Blue Sea. Esperava-se que a jovem Jennifer Lawrence saísse vitoriosa pelo drama O Lado Bom da Vida ou Jessica Chastain por Zero Dark Thirty. Mas Weisz é uma boa atriz e encara a personagem Hester Collyer, mulher de um juiz que tem um caso amoroso com um piloto da Força Aérea. Vale ressaltar que esse papel foi interpretado por Vivien Leigh no filme original de 1955.

E 2012 parece ser o ano de Matthew McConaughey. Depois de ganhar uma dupla indicação no Independent Spirit Awards (Ator por Killer Joe, e Coadjuvante por Magic Mike), ele ganha o prêmio NYFCC de coadjuvante por Magic Mike e por Bernie. Curiosamente, o primeiro filme é um drama focado no mundo do striptease e clube das mulheres, e o segundo é uma comédia de humor negro sobre como aplicar uma rasteira numa viúva idosa.

A vitória do NYFCC também ajuda bastante na campanha de Tim Burton e seu Frankenweenie. A animação em preto-e-branco sobre um garoto que ressuscita seu cachorrinho Sparky pode render o primeiro Oscar na carreira do renomado diretor gótico. E praticamente carimba a passagem de Michael Haneke para a cerimônia do Oscar para concorrer para Melhor Filme Estrangeiro com Amour, que já ganhou a Palma de Ouro em Cannes e recentemente levou quatro prêmios no European Film Awards: Filme, Ator, Atriz e Diretor.

A corrida para Melhor Documentário também esquenta com a vitória de Central Park Five, que trata do polêmico caso de cinco jovens (negros e latinos) que foram condenados pelo estupro de uma mulher branca no Central Park em 1989. Depois de passarem de 6 a 13 anos na prisão, um estuprador em série confessou o crime, e a sentença se mostra uma combinação trágica entre tensão racial, a polícia querendo mostrar serviço e a cobertura sensacionalista da mídia.

Central Park Five, documentário do trio Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon.

Central Park Five, documentário do trio Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon.

Vencedor como filme estreante, o engajado How to Survive a Plague, de David France, que facilmente seria título de uma comédia sobre zumbis, também pode ficar entre os finalistas do Oscar de Melhor Documentário. O filme de David France relata os esforços de ativistas que queriam provar para o mundo que a AIDS não era uma sentença de morte ao buscar alternativas com a indústria farmacêutica e o governo para salvar a vida de inúmeros infectados.

Pelo histórico recente, talvez o NYFCC Awards não seja um ótimo parâmetro para o Oscar, mas no ano passado, os críticos elegeram O Artista como Melhor Filme, e Michel Hazanavicius como Melhor Diretor, combinação também vitoriosa no Oscar deste ano.

Confira lista completa dos vencedores:

MELHOR FILME: Zero Dark Thirty

MELHOR DIRETOR: Kathryn Bigelow (Zero Dark Thirty)

MELHOR ROTEIRO: Tony Kushner (Lincoln)

MELHOR ATRIZ: Rachel Weisz (The Deep Blue Sea)

MELHOR ATOR: Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Sally Field (Lincoln)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Matthew McConaughey (Magic Mike) (Bernie)

MELHOR FOTOGRAFIA: Greig Fraser (Zero Dark Thirty)

MELHOR FILME DE NÃO-FICÇÃO: Central Park Five, de Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Amour, de Michael Haneke

MELHOR ANIMAÇÃO: Frankenweenie, de Tim Burton

MELHOR FILME DE ESTREANTE: How to Survive a Plague, de David France

Documentário, que traduzido ao pé da letra: "Como Sobreviver a uma Praga", discute a questão da AIDS e os esforços coletivos para procurar alternativas de cura.

Documentário How to Survive a Plague, que traduzido ao pé da letra: “Como Sobreviver a uma Praga”, discute a questão da AIDS e os esforços coletivos para procurar alternativas de cura.

Indicados ao Independent Spirit Awards 2013

Independent Spirit Awards 2013

Moonrise Kingdom e O Lado Bom da Vida lideram as indicações desta 27ª edição

Apesar de ter pouco a ver com o Oscar por se tratar de uma premiação dedicada a filmes independentes, o Independent Spirit Awards costuma premiar trabalhos de muita qualidade e que a cada ano, coincide mais com os indicados e vencedores da Academia. Este ano, O Artista, produção francesa que levou 5 Oscars, foi também o grande vencedor do Independent, com os prêmios para Melhor Filme, Diretor, Ator e Fotografia.

Moonrise Kingdom, de Wes Anderson: 5 indicações

Seguindo essa crescente, para 2013, o romance Moonrise Kingdom e a dramédia O Lado Bom da Vida, líderes das indicações com cinco para cada, podem garantir vaga na categoria de Melhor Filme no Oscar. Enquanto o belo filme de Wes Anderson concorre para Melhor Filme, Diretor, Ator Coadjuvante (Bruce Willis), Roteiro e Fotografia, o novo filme de David O. Russell briga nas categorias de Filme, Diretor, Ator (Bradley Cooper), Atriz (Jennifer Lawrence) e Roteiro, ignorando o favoritismo de Robert De Niro na categoria de Ator Coadjuvante.

Jennifer Lawrence e Bradley Cooper em cena de O Lado Bom da Vida, de David O. Russell

Entre os atores, o norte-americano Matthew McConaughey se destaca pela dupla indicação: Melhor Ator por Killer Joe, e Coadjuvante por Magic Mike. Embora tenha mais chances de ganhar, nem sempre a sorte está do lado e pode acabar saindo da cerimônia sem nenhum dos prêmios. Entretanto, vale ressaltar que as duas indicações acabam reforçando a possível primeira indicação ao Oscar de McConaughey como coadjuvante.

Outro artista que pode tirar proveito do Independent Spirit é o diretor estreante Benh Zeitlin de Indomável Sonhadora. Está concorrendo como Melhor Filme, Diretor, Atriz (Quvenzhané Wallis) e Fotografia.

Vale comentar a inclusão de Keep the Lights on, de Ira Sachs, drama sobre relacionamento homossexual na Nova York dos anos 90, que teve passagem pelo Festival de Sundance e venceu o prêmio Teddy (que reconhece perspectivas sexuais) no Festival de Berlim.

Cena mais caliente de Keep the Lights On, de Ira Sachs

A comédia de humor negro de Richard Linklater, Bernie, conta a história de Bernie Tiede (Jack Black), um tenor de música gospel, que se relaciona uma senhora viúva (Shirley MacLaine). Quando ela passa a ficar possessiva, o clima esquenta e planos criminosos surgem na cabeça de Bernie.

Com as indicações, Jennifer Lawrence, Quvenzhané Wallis, John Hawkes, Helen Hunt e Mary Elizabeth Winstead saem mais fortalecidos para a corrida do Oscar 2013. Talvez seja a crise econômica, mas os filmes independentes (leia-se produções com orçamento reduzido) vêm ganhando mais espaço entre os melhores filmes do ano. Como cinéfilo, torço para que os produtores de Hollywood enxerguem nisso uma nova oportunidade de investimento em artistas que busquem inovações, deixando de lado projetos que visam apenas o lucro como as incontáveis refilmagens.

MELHOR FILME
Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)
Bernie
Keep the Lights On
Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)
O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

MELHOR DIRETOR
Wes Anderson, Moonrise Kingdom
Julia Loktev, The Loneliest Planet
David O. Russell, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)
Ira Sachs, Keep the Lights On
Benh Zeitlin, Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)

MELHOR ROTEIRO
Wes Anderson & Roman Coppola, Moonrise Kingdom
Zoe Kazan, Ruby Sparks – A Namorada Perfeita (Ruby Sparks)
Martin McDonagh, Seven Psychopaths
David O. Russell, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)
Ira Sachs, Keep the Lights On

MELHOR FILME DE ESTREANTE
Fill the Void
Gimme the Loot
Safety Not Guaranteed
Sound of My Voice
As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE
Rama Burshtein, Fill the Void
Derek Connolly, Safety Not Guaranteed
Christopher Ford, Robot & Frank
Rashida Jones & Will McCormack, Celeste and Jesse Forever
Jonathan Lisecki, Gayby

JOHN CASSAVETES AWARD – (para produções abaixo de 500 mil dólares)
Breakfast with Curtis
Middle of Nowhere
Mosquita y Mari
Starlet
The Color Wheel

MELHOR ATRIZ
Linda Cardellini, Return
Emayatzy Corinealdi, Middle of Nowhere
Jennifer Lawrence, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)
Quvenzhané Wallis, Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)
Mary Elizabeth Winstead, Smashed

MELHOR ATOR
Jack Black, Bernie
Bradley Cooper, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)
John Hawkes, The Sessions
Thure Lindhardt, Keep the Lights On
Matthew McConaughey, Killer Joe
Wendell Pierce, Four

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Rosemarie DeWitt, Your Sister’s Sister
Ann Dowd, Compliance
Helen Hunt, The Sessions
Brit Marling, Sound of My Voice
Lorraine Toussaint, Middle of Nowhere

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Matthew McConaughey, Magic Mike
David Oyelowo, Middle of Nowhere
Michael Péna, Marcados Para Morrer (End of Watch)
Sam Rockwell, Seven Psychopaths
Bruce Willis, Moonrise Kingdom

MELHOR FOTOGRAFIA
Yoni Brook, Valley of Saints
Lol Crawley, Here
Ben Richardson, Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)
Roman Vasyanov, Marcados Para Morrer (End of Watch)
Robert Yeoman, Moonrise Kingdom

MELHOR DOCUMENTÁRIO
How to Survive a Plague
Marina Abramović: The Artist is Present
The Central Park Five
The Invisible War
The Waiting Room

MELHOR FILME INTERNACIONAL
Amour (França), de Michael Haneke
Once Upon A Time in Anatolia (Turquia), de Nuri Bilge Ceylan
Ferrugem e Osso (Rust And Bone) (França/Bélgica), de Jacques Audiard
Sister (Suíça), de Ursula Meier
War Witch (República Democrática do Congo), de Kim Nguyen

PIAGET PRODUCERS AWARD
Nobody Walks, Alicia Van Couvering
Prince Avalanche, Derrick Tseng
Stones in the Sun, Mynette Louie

SOMEONE TO WATCH AWARD
Pincus, diretor David Fenster
Gimme the Loot, diretor Adam Leon
Electrick Children, diretora Rebecca Thomas

TRUER THAN FICTION AWARD (dado para documentaristas emergentes)
Leviathan, diretores Lucien Castaing-Taylor and Véréna Paravel
The Waiting Room, diretor Peter Nicks
Only the Young, diretores Jason Tippet & Elizabeth Mims

ROBERT ALTMAN AWARD (pelo elenco)
Starlet
Diretor: Sean Baker
Diretor de Casting: Julia Kim
Elenco: Dree Hemingway, Besedka Johnson, Karren Karagulian, Stella Maeve, James Ransone.

Colin Farrel e Sam Rockwell em cena do novo filme de Martin McDonagh, Seven Psycopaths.

Como de costume, a cerimônia de entrega dos prêmios do Independent Spirit Awards acontece um dia antes do Oscar. Nesse caso, no dia 23 de fevereiro de 2013.

 

Prévia do Oscar 2013: Ator Coadjuvante

O último vencedor da categoria, Christopher Plummer, por Toda Forma de Amor.

Criada em 1937, a categoria de Melhor Ator Coadjuvante passou a suprir a demanda de atores hollywoodianos que mereciam reconhecimento, mesmo não estrelando uma produção. O maior vencedor foi o americano Walter Brennan, que levou para casa três vezes o prêmio por Meu Filho é Meu Rival (1936), Kentucky (1938) e A Última Fronteira (1940). Normalmente, vence aquele que tem um papel que costuma roubar a cena, como aconteceu com Sean Connery em Os Intocáveis (1987) ou Christoph Waltz em Bastardos Inglórios (2009). A categoria, que antes era considerada menos importante, passou a ganhar relevância quando atores do quilate de Walter Huston (O Tesouro de Sierra Madre, 1948), George Sanders (A Malvada, 1950), Jack Lemmon (Mister Roberts, 1955) e Peter Ustinov (Spartacus, 1960) se sagraram vencedores.

Vencedor de três Oscars de coadjuvante: Walter Brennan. Além de ter atuado em muitos westerns, trabalhou com grandes atores como Humphrey Bogart, Lauren Bacall, Gary Cooper e John Wayne.

Nas últimas décadas, as categorias de coadjuvante serviram como reduto de atores renomados. Nos bastidores, a estratégia da Academia seria de compensar atores de peso que não ganharam em oportunidades prévias. Claro que oficialmente, ninguém vai confirmar essa informação, mas a vitória de Morgan Freeman por Menina de Ouro em 2005 é um exemplo disso, pois o ator fora indicado em outras três vezes, mas nunca levou a estatueta. Essa leitura da premiação acredita que as chances de ele levar Melhor Ator (principal) nos próximos anos seriam pequenas e que, por isso, sua vitória como coadjuvante seria uma forma de garantir que Freeman encerre sua carreira como vencedor do Oscar.

Morgan Freeman em Menina de Ouro: Oscar de coadjuvante. Antes tarde do que nunca?

Com certeza, muitos fãs de Morgan Freeman vão discordar dessa opinião, mas as mesmas pessoas sabem que ele mereceu mais por Conduzindo Miss Daisy ou Um Sonho de Liberdade. Particularmente, sou contra esse sistema de compensação, pois pode desbancar a melhor performance do ano que, nesse ano, deveria ter ido para Thomas Haden Church (Sideways – Entre Umas e Outras) ou Clive Owen (Closer – Perto Demais).

Claro que adoraria ver atores veteranos e consagrados ganhando o Oscar pela primeira vez como aconteceu com Christopher Plummer este ano, mas nem sempre a maré está a favor deles. Nesses casos, existe o Oscar Honorário, que costuma premiar profissionais do cinema que nunca tiveram a oportunidade de levar a estatueta pra casa. Vencedores recentes atestam: James Earl Jones, Eli Wallach, Lauren Bacall e o compositor italiano Ennio Morricone, todos foram previamente indicados mas nunca venceram nas respectivas categorias.

Este ano, temos fortes candidatos vencedores do Oscar. Alan Arkin, Robert De Niro, Philip Seymour Hoffman, Russell Crowe e Tommy Lee Jones podem voltar ao tapete vermelho como indicados. O retorno mais triunfal seria o de Robert De Niro, que teve sua época de glória nas décadas de 70, 80 e 90, mas que não figura na lista há vinte anos (!). Tem também indicados prévios, mas que nunca ganharam e agora podem ter a chance de ouro como Leonardo DiCaprio, que concorreu três vezes, e em 2013, pode finalmente passar para o time dos Academy Award Winners.

Apesar de ainda estar cedo para favoritismos, Robert De Niro está na frente pelo sucesso de Silver Linings Playbook. O filme de David O. Russell vem arrancando aplausos pelos festivais que passa, especialmente o de Toronto (Canadá), de onde saiu com o prêmio People’s Choice Award. Particularmente, mesmo que ainda não tenha conferido sua performance, gostaria que esse retorno de De Niro fosse coroado para que sirva de incentivo ao ator para escolher projetos mais ousados e não somente pelo alto cachê, como vinha fazendo nas últimas duas décadas. Contudo, Philip Seymour Hoffman pode ser a pedra no meio do caminho com sua presença magnética no novo filme de Paul Thomas Anderson, The Master, que já lhe rendeu o prêmio Volpi Cup de Melhor Ator (juntamente com Joaquin Phoenix) no último Festival de Veneza.

Alan Arkin em Argo

ALAN ARKIN (Argo)

Muita gente conhece Alan Arkin como o vovô maconheiro e tutor da pequena Olive de Pequena Miss Sunshine, papel pelo qual ele ganhou seu único Oscar em 2007, batendo o favorito Eddie Murphy de Dreamgirls, mas este ator americano de 78 anos é um veterano em Hollywood, tendo participado de alguns clássicos como a comédia de guerra de Norman Jewison, Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando! (1966) e no suspense Um Clarão nas Trevas (1967), ao lado de Audrey Hepburn. Chegou a atuar no filme brasileiro indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro, O que é isso, Companheiro? (1997), de Bruno Barreto.

Nessa idade e já com um Oscar em casa, alguns críticos já aposentavam Alan Arkin, mas com Argo, ele prova que tem muito ainda a ensinar e mostrar. Ele interpreta o produtor de Hollywood, Lester Siegel, que ajuda o maquiador John Chambers na missão de vender um filme fictício para encobrir a saída de seis americanos do Irã durante a Revolução Iraniana em 1980. Ao lado de John Goodman, que vive Chambers, Alan Arkin rouba a cena com seu humor escrachado repleto de palavrões, muito semelhante ao revoltado vovô de Miss Sunshine.

É claro que o fato de Arkin já ter ganhado o Oscar recentemente implica em perda de pontos na corrida, afinal os votantes certamente consideram o histórico do ator. Mas se os votos se dividirem entre Robert De Niro e Philip Seymour Hoffman, Alan Arkin viria logo em seguida para roubar a cena na cerimônia.

Russell Crowe em Les Misérables

RUSSELL CROWE (Les Miserábles)

Depois de um início fenomenal em seus primeiros anos de Hollywood com três indicações ao Oscar, Russell Crowe deu uma relaxada. Quer dizer, ainda trabalha em projetos ambiciosos e com diretores consagrados como Ridley Scott e Peter Weir, mas suas atuações deram uma estabilizada. Em O Informante, Crowe engordou para interpretar Jeffrey Wigand. Já em Gladiador, ganhou massa muscular e fez cara de mau. A Academia reconheceu oficialmente seu esforço, premiando-o com o Oscar de Melhor Ator em 2001 pelo épico Gladiador.

Talvez, com esta adaptação musical do clássico literário de Victor Hugo, Russell Crowe volte aos holofotes pelas performances na tela, e não pelos escândalos de porrada em papparazzi ou que bateu na pobre esposa. Na mega-produção, o ator neozelandês dá vida ao Inspetor Javert, que fica na cola do protagonista Jean Valjean (Hugh Jackman).

Particularmente, nunca ouvi nenhuma faixa da banda australiana de Russell Crowe, 30 Odd Foot of Grunts. Mas pelos comentários, vale aquele bom e velho ditado: “Como cantor, Russell Crowe é um ótimo ator”. E pelo que me informei, não há playbacks nas canções, tanto que os atores cantavam ao vivo no set usando um fone que tocava piano para manter o ritmo. A música era acrescentada na montagem final. Será que Crowe se saiu bem ou todo mundo aplaudia por educação e com medo de levar um soco? Só vendo mesmo, mas se ele não se saiu no mínimo bem, esquece a indicação…

Robert De Niro em cena de Silver Linings Playbook

ROBERT DE NIRO (Silver Linings Playbook)

Que Robert De Niro não precisa provar mais nada pra ninguém, isso todo mundo já sabe. Afinal, não é qualquer ator que fez Taxi Driver (1976), O Poderoso Chefão: Parte II (1974), Touro Indomável (1980), Os Bons Companheiros (1990) e aterrorizou como o presidiário Max Cady em Cabo do Medo (1991). Tem dois Oscars na bagagem, mas um terceiro pode estar por vir.

Com Silver Linings Playbook, o veterano de Hollywood pode ressuscitar na temporada de prêmios. Ele faz o pai protetor e conselheiro de Pat (Bradley Cooper), que acaba de sair de uma instituição psicológica depois de pegar sua mulher traindo. Pelo trailer, já é possível ver que De Niro já se desvencilha da típica atuação de mafioso ou gângster que praticamente impregnou sua pele, crédito do ótimo diretor de atores David O. Russell.

O retorno de Robert De Niro aos bons papéis era há muito aguardada, pois o ator passou por duas décadas de filmes medianos e alguns claramente para poder pagar as contas como a comédia As Aventuras de Rocky & Bullwinkle (podem falar o que quiser do filme, mas está nítido que o contrato foi gordo).

Aí você vai se perguntar: “Mas se o De Niro já tem dois Oscars, por que ele ganharia um terceiro?”. Realmente, se levarmos em consideração o histórico vitorioso, existem outros atores da nova geração que são tão merecedores quanto ele. Mas Hollywood e sua comunidade admiram Robert De Niro e gostariam de vê-lo no topo depois de tanto tempo. Muitos acreditam que o grande ator ainda existe, mas que não teve as devidas oportunidades nas últimas duas décadas. Infelizmente, só vamos poder comprovar o potencial do papel em fevereiro, quando está prevista a estréia no Brasil.

Leonardo DiCaprio em Django Livre

LEONARDO DiCAPRIO (Django Livre)

Desde que estrelou Titanic como o pobretão galã Jack e se tornou pôster de milhões de quartos de menininhas, Leo DiCaprio decidiu virar o disco e se tornar um ator de respeito. Sua tática era formar parcerias com profissionais consagrados como forma de aprendizado e se destacar como ator e não apenas ídolo teen. Como cinéfilo, admiro bastante sua disposição para mover montanhas, mas ainda não me convenci de que ele é um bom ator. DiCaprio é esforçado: aprendeu o sotaque sul-africano para filmar Diamante de Sangue, tomou uma nova aparência mais nojenta em O Aviador e mais velha em J. Edgar, mas ainda não apresenta algumas nuances e tonalidade de voz diferenciada. Ele precisa trabalhar mais o interior do que o exterior. Pode-se dizer que Leonardo DiCaprio é um diamante bruto que precisa ser esculpido.

Creio que o diretor Martin Scorsese também pensou o mesmo a respeito dele. Contratou-o para filmar Gangues de Nova York (2002), O Aviador (2004), Os Infiltrados (2006) e A Ilha do Medo (2010). Claro que depois do curso intensivo de Scorsese, Leo ficou melhor, tanto que conseguiu mais duas indicações ao Oscar (a primeira foi aos 19 anos como coadjuvante por Gilbert Grape – Aprendiz de um Sonhador) por O Aviador e Diamante de Sangue.

Agora, em sua primeira participação num filme de Quentin Tarantino, as esperanças se renovam, ainda mais que o diretor conseguiu um Oscar de coadjuvante para Christoph Waltz em Bastardos Inglórios há dois anos. No western Django Livre, Leonardo DiCaprio interpreta o vilão, no caso, o proprietário de terras brutal de Mississipi, Calvin Candie, que tem posse da mulher do herói Django (Jamie Foxx). As expectativas sempre são altas quando se fala de um filme de Tarantino. Espera-se que a performance de DiCaprio também esteja no mesmo nível.

John Goodman em Argo

JOHN GOODMAN (Argo)

Para o público brasileiro em geral, John Goodman ficou marcado por viver Fred Flinstone nos cinemas e dar sua voz ao personagem Sully na animação Monstros S.A.. Chegou a cantar a canção “If I Didn’t Have You”, que venceu o Oscar para Randy Newman em 2002. Mas para os cinéfilos de carteirinha, o ator robusto ficará marcado eternamente pelo papel de Walter Sobchak, o sem-noção traumatizado da Guerra do Vietnã na comédia de humor negro O Grande Lebowski (1998), dos irmãos Coen.

De lá pra cá, além das participações nos filmes dos Coen, Goodman tem sido escalado para papéis menores que exigem uma presença de tela. Foi assim no blockbuster Speedy Racer, na comédia Os Delírios de Consumo de Becky Bloom e no último vencedor do Oscar, O Artista. Com o sucesso de Argo, espera-se que ele finalmente consiga sua primeira indicação ao Oscar e consequentemente, melhores ofertas de papéis.

No filme de Ben Affleck, John Goodman se destaca em todas as cenas em que aparece como o maquiador de Hollywood, John Chambers. É realmente uma pena que seu personagem não tenha mais tempo de tela, porque sua atuação merecia mais alguns minutos. Apesar da curta duração, uma indicação a Goodman se mostra bastante plausível devido ao reconhecimento da figura de Chambers com um Oscar Honorário pelas próteses inovadoras de O Planeta dos Macacos (1968).

Philip Seymour Hoffman em The Master

PHILIP SEYMOUR HOFFMAN (The Master)

Philip Seymour Hoffman começou a atuar em filmes no começo dos anos 90. Felizmente, nunca foi do tipo galã, então teve que ralar bastante para conquistar seu lugar ao sol. Mesmo em papéis menores, teve oportunidade de conhecer e atuar com grandes atores como Paul Newman, Al Pacino, James Woods e Ellen Burstyn, buscando construir seu próprio estilo de interpretação. Na maioria de seus trabalhos, percebe-se que Hoffman prioriza a atuação mais contida, mesmo com seu trabalho premiado pela Academia em Capote (2005), em que teve que copiar alguns trejeitos típicos do romancista Truman Capote, ele procurou reprimir a sexualidade de seu personagem.

Além do aprendizado com referências de Hollywood, outro fator notável na carreira de Hoffman foi o início de uma parceria forte com o jovem cineasta norte-americano Paul Thomas Anderson que, aos 26 anos, realizou seu primeiro longa, Jogada de Risco (1996). Com o diretor, Philip Seymour Hoffman voltou a trabalhar em Boogie Nights – Prazer Sem Limites (1997), Magnólia (1999), Embriagado de Amor (2002) e agora no tão aguardado The Master, no qual dá vida ao filósofo carismático Lacaster Dodd, que seria baseado na figura do criador da Cientologia, L. Ron Hubbard.

Pelo filme, Philip Seymour Hoffman já ganhou o Volpi Cup de Melhor Ator (compartilhado com seu colega Joaquin Phoenix) no último Festival de Veneza, de onde Paul Thomas Anderson também saiu premiado como Melhor Diretor. Hoffman já foi indicado três vezes ao Oscar: Melhor Ator por Capote (2005), Melhor Ator Coadjuvante por Jogos do Poder (2007) e Dúvida (2008), tendo levado pelo primeiro.

Tommy Lee Jones em Lincoln

TOMMY LEE JONES (Lincoln)

Muita gente conhece Tommy Lee Jones como o agente K da trilogia de Homens de Preto, que com sua expressão de pedra, contrabalanceou muito bem com o humor mais extrovertido de Will Smith. Contudo, Jones já possui uma extensa filmografia, que começou lá em 1970 no bem-sucedido romance Love Story – Uma História de Amor, num papel menor. Apesar de ganhar notoriedade ao atuar ao lado de Sissy Spacek na biografia da cantora country Loretta Lynn em 1980, Tommy Lee Jones só teve seu talento reconhecido nos anos 90, quando trabalhou com Oliver Stone no aclamado JFK – A Pergunta que Não Quer Calar e no polêmico Assassinos por Natureza. Em 1995, ganhou seu único Oscar de coadjuvante pelo thriller policial O Fugitivo, no qual interpreta o agente do FBI Samuel Gerard que tem a missão de perseguir Kimble (Harrison Ford), acusado de matar sua própria esposa.

Como muitos atores, Tommy desfrutou de seu sucesso tardio em Hollywood e assinou contrato para alguns filmes blockbusters como o fraco Volcano (1997) e no carnavalesco Batman Eternamente (1995), em que deu vida ao vilão Duas-Caras. Mais recentemente, estrelou o western pós-moderno dos irmãos Coen, Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), foi indicado ao Oscar pela atuação no policial No Vale das Sombras (2007) e em 2005, ganhou o prêmio de ator no Festival de Cannes pelo ótimo Três Enterros, primeiro longa sob sua direção.

2012 foi um ano cheio para Tommy Lee Jones. Quatro produções em que participou estrearam este ano: Lincoln, Homens de Preto 3, Emperor e Um Divã Para Dois. Além do sucesso comercial de Homens de Preto 3, sua atuação na comédia romântica Um Divã Para Dois ao lado de Meryl Streep já havia chamado a atenção da crítica, o que certamente aumenta as chances de indicação pelo filme político de Steven Spielberg. Em Lincoln, ele interpreta o vice-presidente abolicionista Thadeus Stevens, que tem suma-importância como o braço direito do presidente. Na grande produção de época de Spielberg, existem vários bons atores em papéis secundários como David Strathairn, Jackie Earle Haley, John Hawkes, Joseph Gordon-Levitt, James Spader e Hal Holbrook, mas pelas críticas, Tommy Lee Jones deve representar todo o elenco secundário masculino no Oscar.

William H. Macy em The Sessions

WILLIAM H. MACY (The Sessions)

Este ator franzino norte-americano parece ter nascido para papéis secundários. Hollywood nunca lhe deu uma real oportunidade de protagonista, mas já trabalhou com diretores renomados como Woody Allen (A Era do Rádio e Neblina e Sombras), Rob Reiner (Fantasmas do Passado), Paul Thomas Anderson (Boogie Nights – Prazer Sem Limites e Magnólia), Barry Levinson (Mera Coincidência) e os irmãos Coen (Fargo), pelo qual conseguiu sua única indicação ao Oscar, como coadjuvante, claro. Na TV, William H. Macy teve mais sorte ao estrelar o filme televisivo De Porta em Porta, no qual se destaca como o vendedor ambulante com problemas mentais Bill Porter.

Casado com a atriz Felicity Huffman, da série de TV Desperate Housewives, William H. Macy tem enorme carinho por colegas de trabalho, pois costuma emprestar seu carisma para seus papéis. Desta vez, ele interpreta um padre, que enfrenta uma questão eticamente controversa. No filme independente The Sessions, seu amigo e fiel Mark O’Brien (John Hawkes) tem condições médicas delicadas e pouco tempo de vida, o que o leva a querer perder sua virgindade antes que o pior aconteça. Como padre e conselheiro, ele tenta guiar Mark pelo melhor caminho sem afetar sua fé.

No último Festival de Sundance, o filme ganhou o prêmio de público e um reconhecimento especial do júri pela atuação do elenco todo. Dependendo de como vai se sair entre os prêmios da crítica americana como o National Board of Review, New York Film Critics Circle e o Los Angeles Film Critics Association, William H. Macy tem boas chances de aparecer na lista de Melhor Ator Coadjuvante em 2013. Seria sua segunda indicação ao Oscar.

Matthew McConaughey em Magic Mike

MATTHEW McCONNAUGHEY (Magic Mike)

Galã de segunda linha, Matthew McConnaughey costuma estrelar comédias românticas com atrizes regulares como Sarah Jessica Parker e Kate Hudson, tanto que o público feminino o conhece como o conquistador de Como Perder um Homem em 10 Dias (2003). Mas de vez em quando, o ator decide participar de alguns projetos mais ambiciosos como a ficção científica Contato (1997), o filme de época de Spielberg, Amistad (1997) e ganhou certo prestígio ao interpretar advogados em Tempo de Matar (1996) e em O Poder e a Lei (2011).

Trabalhando com o diretor Steven Soderbergh (vencedor do Oscar por Traffic) em Magic Mike, McConnaughey faz o papel de Dallas, um veterano do mundo do striptease masculino no clube de mulheres. Ele rouba a cena ao passar seus ensinamentos eróticos para o jovem Mike (Channing Tatum) e, claro, em seus shows que levam as mulheres ao delírio.

Com tantas performances boas nessa categoria, McConnaughey corre por fora nessa competição. Contudo, como a maioria dos relacionados já foi indicada ou ganhou um Oscar, existe uma possibilidade do ator ser o único a conquistar a primeira indicação. A votantes femininas podem dar uma mãozinha.

 

POSSÍVEIS SURPRESAS

As categorias de coadjuvante costumam ser as mais imprevisíveis. Na reta final, surge alguém para roubar a vaga garantida de outro ator. Este ano, o veterano sueco Max von Sydow (Tão Forte e Tão Perto) foi a surpresa, passando uma rasteira em Albert Brooks (Drive) e Armie Hammer (J. Edgar), ambos indicados ao Globo de Ouro e SAG Awards, respectivamente. Alguns sites como IndieWire, colocaram alguns nomes que podem figurar como supresa na lista final. Confira:

– Javier Bardem (007 – Operação Skyfall)

– Don Cheadle (Flight)

– James D’Arcy (Hitchcock)

– Michael Fassbender (Prometheus)

– James Gandolfini (O Homem da Máfia)

– Dwight Henry (Indomável Sonhadora)

– Hal Holbrook (Promised Land)

– Ewan McGregor (O Impossível)

– Ian McKellen (O Hobbit – Uma Jornada Inesperada)

– Guy Pearce (Os Infratores)

Também considero baixas as possibilidades desses atores entrarem na lista, mas adoraria ver Michael Fassbender ser incluso de última hora por Prometheus, uma vez que o ator alemão já merecia uma indicação este ano pelo drama independente Shame. Além de seu ciborgue David ser muito convincente e deixar todo o resto do elenco no chão, ele demonstra a calma na fala mansa e pausada, e ainda empresta um carisma que às vezes se mostra mais humano do que os personagens humanos. Com certeza, um grande ator em extrema ascensão que merece ser reconhecido pela Academia, que só tem a ganhar com sua inclusão na categoria.

Michael Fassbender como o ciborgue David em Prometheus

Como fã de James Bond, seria uma grata surpresa ver Javier Bardem e seu vilão Raoul Silva de 007 – Operação Skyfall indicado ao Oscar, mas acho bastante improvável pelo papel ser parecido com o Coringa de Heath Ledger. Entretanto, o mega sucesso das bilheterias do 23º filme de Bond pode mexer na corrida.