ACADEMIA ANUNCIA LISTA de ELEGÍVEIS para LONGA DE ANIMAÇÃO, DOCUMENTÁRIO e FILME INTERNACIONAL

APESAR DA CONTINUIDADE DA PANDEMIA, EDIÇÃO DE 2022 DEVE SER NOVAMENTE COMPETITIVA

Nessa última segunda-feira (07), a Academia anunciou sua lista de elegíveis nas categorias de Melhor Longa de Animação, Documentário e Filme Internacional. Você pode conferir a lista completa dos 93 filmes em língua estrangeira e palpites neste link. Vale lembrar que embora as listas tenham fechado, ainda pode haver candidatos desqualificados de acordo com o regulamento como o desrespeito à porcentagem mínima de diálogos em língua estrangeira, por exemplo.

LONGA DE ANIMAÇÃO

São 26 inscritos, um a menos do que a edição anterior, apresentando um bom equilíbrio entre filmes de grandes estúdios como Luca, da Pixar, Encanto, e Raya e o Dragão, ambos da Disney, com produções mais modestas como a tcheca My Sunny Maad. Aliás, a animação brasileira volta a garantir um espaço na lista com a inclusão de Bob Cuspe, Nós Não Gostamos de Gente, dirigido por Cesar Cabral. Esta animação stop-motion mistura documentário, comédia e road-movie, e acompanha a história do velho punk Bob Cuspe tentando escapar de um deserto pós-apocalíptico que é na verdade um purgatório dentro da mente de seu criador, Angeli, um cartunista passando por uma crise criativa.

Bob Cuspe

Segue a lista com as 26 animações que disputam uma indicação:

  • A Família Addams 2 (The Addams Family 2)
  • The Ape Star
  • Próxima Parada: Lar Doce Lar (Back to the Outback)
  • Belle
  • Bob Cuspe, Nós Não Gostamos de Gente (Bob Spit – We Do Not Like People)
  • O Poderoso Chefinho 2: Negócios da Família (The Boss Baby: Family Business)
  • Cryptozoo
  • Encanto (Encanto)
  • Fuga (Flee)
  • Fortune Favors Lady Nikuko
  • Josee, the Tiger and the Fish
  • The Laws of the Universe – The Age of Elohim
  • Luca (Luca)
  • A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas (The Mitchells vs. the Machines)
  • My Sunny Maad
  • Patrulha Canina: O Filme (Paw Patrol The Movie)
  • Pompo the Cinephile
  • Poupelle of Chimney Town
  • Raya e o Último Dragão (Raya and the Last Dragon)
  • Ron Bugado (Ron’s Gone Wrong)
  • Sing 2
  • The Spine of Night
  • Spirit: O Indomável (Spirit Untamed)
  • Viagem ao Topo da Terra (The Summit of the Gods)
  • A Jornada de Vivo (Vivo)
  • Din e o Dragão Genial (Wish Dragon)

É difícil dar palpites certeiros sem termos visto todos os trabalhos nesta lista, mas seguindo o histórico da categoria criada em 2001, dá pra garantir uma ou duas vagas para filmes da Disney/Pixar, outra para Dreamworks, outra para Sony e pelo menos uma para produção em língua estrangeira, concretizando uma característica bastante eclética na seleção das animações. Portanto, aí vão nossas apostas:

NOSSAS APOSTAS PARA O OSCAR
★ Encanto (Encanto)
★ A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas (The Mitchells vs. the Machines)
★ Fuga (Flee)
★ Luca (Luca)
★ Raya e o Último Dragão (Raya and the Last Dragon)

Gostaríamos de incluir Belle, nova animação do japonês Mamoru Hosoda, que foi indicado por Mirai em 2019, mas a vaga dos estrangeiros parece ter sido preenchida pelo dinamarquês Fuga. Em 2021, acertamos quatro de cinco palpites, errando apenas na indicação de Croods 2, que cedeu sua vaga para Shaun, o Carneiro: O Filme – A Fazenda Contra-Ataca.

DOCUMENTÁRIO

Houve uma queda vertiginosa do número de inscritos em relação ao ano passado, mais precisamente 100 a menos. De 238 documentários, temos 138 concorrendo para a edição 2022. Assim como a categoria de Filme Internacional, haverá uma pré-seleção com 15 documentários a ser divulgada no próximo dia 21 de Dezembro.

Segue a lista completa dos 138 documentários inscritos:

Ailey
All about My Sisters
All Light, Everywhere
The Alpinist
American 965
Ascension
Attica
Aulcie
Aware: Glimpses of Consciousness
Barbara Lee: Speaking Truth to Power
Becoming Cousteau
Beijing Spring
Bill Traylor: Chasing Ghosts
Billie Eilish: The World’s a Little Blurry
Boris Karloff: The Man behind the Monster
Brian Wilson: Long Promised Road
Bring Your Own Brigade
Can You Bring It: Bill T. Jones and D-Man in the Waters
The Capote Tapes
Captains of Za’atari
Children of the Enemy
Citizen Ashe
Convergence: Courage in a Crisis
A Cop Movie
Courage
A Crime on the Bayou
Cusp
Dave Chappelle Live in Real Life
The Deadliest Disease in America
Dying to Divorce
Enemies of the State
Ennio
The Faithful: The King, the Pope, the Princess
Far Eastern Golgotha
Fathom
Faya Dayi
Ferguson Rises
Final Account
Finding Kendrick Johnson
Fire Music
The First Wave
Five Years North
Fuga (Flee)
45 Days: The Fight for a Nation
Found
Francesco
Hell or High Seas
Homeroom
In the Same Breath
Introducing, Selma Blair
Iron Temple
Jacinta
The Jesus Music
Julia
The Jump
Karen Dalton: In My Own Time
Kill the Indian Save the Child
Kurt Vonnegut: Unstuck in Time
LFG
The Last Forest
The Last Shelter
Like a Rolling Stone: The Life & Times of Ben Fong-Torres
Lily Topples the World
Little Girl
The Loneliest Whale: The Search for 52
Los Hermanos/ The Brothers
The Lost Leonardo
Love It Was Not
Magaluf Ghost Town
Man in the Field: The Life and Art of Jim Denevan
Marx Can Wait
Mayor Pete
The Meaning of Hitler
Minnesota! The Modern Day Selma
Misha and the Wolves
Missing in Brooks County
Mr. Bachmann and His Class
Moby Doc
The Most Beautiful Boy in the World
The Mustangs: America’s Wild Horses
My Childhood, My Country: 20 Years in Afghanistan
My Name Is Pauli Murray
The Neutral Ground
A New Dawn
No Ordinary Man
No Straight Lines: The Rise of Queer Comics
Not Going Quietly
Nothing but the Sun
On Broadway
Operation Varsity Blues
Ostrov – Lost Island
Paper & Glue
The Paradigm of Money
The People vs. Agent Orange
The Phantom
Playing with Sharks
Pray Away
President
Procession
Qazaq History of the Golden Man
Quiet Explosions: Healing the Brain
The Race to Save the World
Radiograph of a Family
The Real Charlie Chaplin
Rebel Hearts
The Repentants
The Rescue
Revolution of Our Times
Rita Moreno: Just a Girl Who Decided to Go for It
Roadrunner: A Film about Anthony Bourdain
Ruth – Justice Ginsburg in Her Own Words
Sabaya
Seyran Ates: Sex, Revolution and Islam
Simple as Water
Sisters on Track
So Late So Soon
The Sparks Brothers
Speer Goes to Hollywood
Storm Lake
Street Gang: How We Got to Sesame Street
Summer Nights
Summer of Soul (…Or, When the Revolution Could Not Be Televised)
Tigre Gente
Tina
Torn
Truman & Tennessee: An Intimate Conversation
Truth to Power
Try Harder!
2020: The Dumpster Fire
Two Gods
Val
The Velvet Queen
The Velvet Underground
Whirlybird
Who We Are: A Chronicle of Racism in America
Wojnarowicz
Writing with Fire
Wuhan Wuhan

Se já é complicado dar palpites entre 26 animações, o que dirá de 138 documentários? Mas temos alguns palpites mais concretos e outros na base do chute. Ano passado, acertamos 3 de 5, até que não fomos mal. É preciso destacar uma estratégia que tem se tornado mais recorrente nos últimos anos: os comitês internacionais selecionam documentários e animações para disputar uma vaga na categoria de Filme Internacional, mas já mirando na disputa automática nas categorias de Documentário e Longa de Animação. Nos últimos anos, o romeno Collective foi duplamente indicado nas categorias de Filme Internacional e Documentário, o mesmo ocorreu com Honeyland, da Macedônia do Norte.

NOSSAS APOSTAS PARA DOCUMENTÁRIO:
★ Fuga (Flee)
★ Misha e os Lobos (Misha and the Wolves)
★ The Most Beautiful Boy in the World
★ Summer of Soul (…Or, When the Revolution Could Not Be Televised)
★ Val

‘HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO’ ACUMULA 7 PRÊMIOS no ANNIE AWARDS

SpiderMan into the Spiderverse 020.jpg

Sete Annies para Homem-Aranha no Aranhaverso: um prêmio para cada versão aracnídea (pic by OutNow.CH)

No último fim de semana, aconteceu o 46º Annie Awards, considerado o Oscar das animações. Apesar dos recordistas de indicações terem sido Os Incríveis 2 e WiFi Ralph: Quebrando a Internet, foi a surpreendente animação da Sony Homem-Aranha no Aranhaverso que levou a melhor, conquistando todos os sete Annies a que estava indicado!

A escalada da animação do personagem da Marvel começou no final do ano passado, quando as bilheterias estouraram, seguida pelas vitórias no Globo de Ouro e no Critics’ Choice Awards, e há poucos dias venceu o Eddie Awards de montagem. O Annie apenas confirmou seu favoritismo, concedendo o maior prêmio da noite para Homem-Aranha no Aranhaverso.

Isso significa que o filme já garantiu o Oscar? Se fosse ano passado, poderíamos praticamente garantir, mas as regras da categoria mudaram. A partir deste ano, para eleger o Melhor Longa de Animação, os votos serão preferenciais como na votação de Melhor Filme, ou seja, o trabalho que apresentar a melhor média de notas vencerá. E isso pode ser um baita revés para o aracnídeo, pois muitos votantes idosos devem preferir animações mais conservadoras como WiFi Ralph.

Pela categoria de Animação Independente, o vencedor foi o japonês Mirai, de Mamoru Hosoda, que recentemente foi indicado ao Oscar pela primeira vez. Apesar de não ser uma produção do Studio Ghibli de Hayao Miyazaki, as animações nipônicas costumam ter lugar cativo nesta categoria do Oscar. Só está faltando mesmo mais estatuetas, já que a única animação em língua estrangeira a vencer em 17 anos foi A Viagem de Chihiro em 2002. Mirai concorria com a animação brasileira intitulada Tito e os Pássaros, que já tem data de lançamento marcada para março em Portugal e abril na França, mas sequer tem previsão no Brasil. Que pena.

Mirai 002

Cena de Mirai, vencedor do Annie de Longa de Animação Independente (pic by OutNow.CH)

Vencedores do 46º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse), Sony Pictures Animation

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Mirai, Studio Chizu

MELHOR PRODUÇÃO ANIMADA ESPECIAL

  • O Retorno de Mary Poppins

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Weekends

MELHORES EFEITOS ANIMADOS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Cesar Velazquez, Marie Tollec, Alexander Moaveni, Peter DeMund, Ian J. Coony (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • David Han (Homem-Aranha no Aranhaverso), Personagens: múltiplos

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM FILME LIVE ACTION

  • Chris Sauve, James Baxter, Sandro Cleuzo (O Retorno de Mary Poppins)

MELHOR DESIGN DE PERSONAGENS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Shiyoon Kim (Homem-Aranha no Aranhaverso) Personagens: Uncle Aaron, Rio, Peter, Miles, King Pin, Gwen, Aunt May, Goblin, Jefferson

MELHOR DIREÇÃO DE LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Bob Persichetti, Rodney Rothman e Peter Ramsey (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR TRILHA MUSICAL EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Michael Giacchino (Os Incríveis 2)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Justin K. Thompson (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR STORYBOARD EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Dean Kelly (Os Incríveis 2)

MELHOR DUBLAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Bryan Cranston (Ilha de Cachorros) Personagem: Chief

MELHOR ROTEIRO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Phil Lord e Rodney Rothman (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Bob Fisher, Andrew Levinton, Vivek Sharma (Homem-Aranha no Aranhaverso)

bryan-craston-isle-of-dogs-social

Bryan Cranston venceu o Annie de Melhor Dublagem em Longa de Animação por Ilha dos Cachorros (pic by OutNow.CH)

***

A 91ª cerimônia do Oscar acontece no dia 24 de fevereiro.

 

16 animações disputam vaga no Oscar 2016

Cena de Hotel Transilvânia 2, uma das 16 animações inscritas para o Oscar de Melhor Longa de Animação (photo by cine.gr)

Cena de Hotel Transilvânia 2, uma das 16 animações inscritas para o Oscar de Melhor Longa de Animação (photo by cine.gr)

SE TODOS SE QUALIFICAREM, TEREMOS 5 INDICADOS NA CATEGORIA

As animações inscritas são:
  • Anomalisa
    Dir: Charlie Kaufman, Duke Johnson
  • The Boy and the Beast (Bakemono no ko)
    Dir: Mamoru Hosoda
  • O Menino e o Mundo
    Dir: Alê Abreu
  • O Bom Dinossauro (The Good Dinossaur)
    Dir: Peter Sohn
  • Cada um na Sua Casa (Home)
    Dir: Tim Johnson
  • Hotel Transilvânia 2 (Hotel Transylvania 2)
    Dir: Genndy Tartakovsky
  • Divertida Mente (Inside Out)
    Dir: Pete Docter
  • Kahlil Gibran’s The Prophet
    Dir: Roger Allers
  • The Laws of the Universe – Part 0 (UFO Gakuen no Himitsu)
    Dir: Isamu Imakake
  • Minions
    Dir: Kyle Balda, Pierre Coffin
  • Moomins on the Riviera (Muumit Rivieralla)
    Dir: Xavier Picard, Hanna Hemilä
  • Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
    Dir: Steve Martino
  • Apenas um Show: O Filme (Regular Show: The Movie)
    Dir: J.G. Quintel
  • Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)
    Dir: Mark Burton, Richard Starzak
  • Bob Esponja: Um Herói Fora d’Água (The SpongeBob Movie: Sponge out of Water)
    Dir: Paul Tibbitt, Mike Mitchell
  • Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî) 
    Dir: Hiromasa Yonebayashi

Dentre os trabalhos, certamente um dos mais interessantes é a primeira animação do diretor e roteirista Charlie Kaufman, conhecido por suas histórias criativas de Quero Ser John Malkovich e Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Neste trabalho de stop-motion, acompanhamos a vida de um homem aleijado por sua própria vida mundana. Pela sinopse, não se trata de um filme destinado ao público infantil, o que pode reduzir consideravelmente suas chances de vitória, mas sua indicação é dada como certa pela maioria dos críticos, afinal, tem a assinatura de Kaufman (que já ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original em 2005) e a categoria sempre apresenta nomes de diretores mais autorais como Tim Burton (A Noiva-Cadáver), Hayao Miyazaki (A Viagem de Chihiro) e Wes Anderson (O Fantástico Sr. Raposo). E é o único inscrito que concorreu ao Leão de Ouro em Veneza.

Cena de Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (photo by trailer.apple.com)

Cena de Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (photo by trailer.apple.com)

Este ano, temos uma curiosidade inédita. É a primeira vez que dois trabalhos da Pixar estão competindo: Divertida Mente e O Bom Dinossauro. Após um hiato raro de dois anos sem aparecer na categoria com filmes menos expressivos como Carros 2 e Universidade Monstros, a Pixar resolveu lançar dois filmes no mesmo ano para não ter erro. Entre os dois, Divertida Mente larga na frente por seu nível de criatividade ao criar personagens que representam as emoções, mas peca pela história fraca. Já O Bom Dinossauro tem uma premissa interessante de “E se o asteróide que extinguiu os dinossauros não tivesse acertado a Terra?”, possibilitando a convivência entre os dinossauros e os humanos.

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

Aproveitando o assunto da Pixar, o futuro da companhia preocupa um pouco. Outrora berço de filmes super criativos, o planejamento dos próximos anos inclui inúmeras sequências como Procurando Dory, Os Incríveis 2, Carros 3 e Toy Story 4! Claro que essas continuações devem ter suas qualidades e devem render rios de dinheiro, mas pra um estúdio que cresceu através de sua criatividade, o reinado pode estar ameaçado.

Cena de O Bom Dinossauro, de Peter Sohn (photo by outnow.ch)

Cena de O Bom Dinossauro, de Peter Sohn (photo by outnow.ch)

Vale ressaltar que todo ano, a Academia gosta de deixar pelo menos uma vaga para uma produção estrangeira. Parece até cota estrangeira, mas convenhamos que existem tantos trabalhos impecáveis fora do circuito americano que se fosse fazer justiça, teria pelo menos 3 animações estrangeiras todo ano na categoria! Então, nessa lógica, a animação japonesa Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî), de Hiromasa Yonebayashi, deve preencher a vaga praticamente cativa nipônica de Hayao Miyazaki e Isao Takahata. Trata-se de uma história bem emotiva de uma garota que se muda para uma casa no interior, onde fica obcecada por uma menina que vive numa mansão ao lado que pode ou não existir. E tem o selo de qualidade do Studio Ghibli, de Miyazaki.

Cena de Quando Estou com Marnie, de Hiromasa Yonebayashi (photo by cine.gr)

Cena de Quando Estou com Marnie, de Hiromasa Yonebayashi (photo by cine.gr)

Claro que a vaga estrangeira também pode ser ocupada por uma animação brasileira. Sim, brasileira! O Menino e o Mundo (The Boy and the World), de Alê Abreu, é a segunda animação nacional inscrita para o Oscar. Em 2014, Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi, estava entre os inscritos, mas não conseguiu conquistar a indicação. Quem sabe não é desta vez? O trabalho de Alê Abreu possui um estilo bastante gráfico que remete ao traço de lápis de cor para retratar a busca de um menino pelo pai.

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

E a Academia sempre gosta de reservar uma vaga para produções mais destinadas ao público infantil que foi bem nas bilheterias como Minions, Hotel Transilvânia 2 e Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (sim, com este título nacional apelativo!), afinal, animações assim garantem maior audiência para a Academia. Lembrando que o filme anterior da série Minions, Meu Malvado Favorito 2, foi indicado ao Oscar de Longa de Animação e de Melhor Canção Original por ‘Happy’.

Cena de Minions, de Kyle Balda e Pierre Coffin (photo by cine.gr)

Cena de Minions, de Kyle Balda e Pierre Coffin (photo by cine.gr)

Não querendo ser pessimista, nem julgar trabalhos sem conferir, acredito que um ou outro trabalho inscrito será desqualificado, o que acarretaria num total de 3 indicados em 2016 que, na minha opinião, seriam:

  • Divertida Mente (Inside Out)
  • Anomalisa
  • Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî)

As indicações ao Oscar 2016 serão anunciadas no dia 14 de janeiro.

%d blogueiros gostam disto: