Academy Awards History: A História do Oscar (1929 a 1940)

Vencedores do 1º Oscar. No centro: o casal de atores Douglas Fairbanks e Janet Gaynor (photo by www.oscars.org)

No centro: o casal de atores Douglas Fairbanks e Janet Gaynor (photo by http://www.oscars.org)

Como se trata de um blog sobre premiação, nada mais natural do que postar os indicados e vencedores do mais cobiçado deles: o Oscar. Incontáveis vezes, várias pessoas se perguntam: “Esse filme ganhou algum Oscar? E aquele ator? Já foi indicado? Perdeu pra quem? E em qual ano isso aconteceu?”

Para quem curte recordes, vale a pena acompanhar as 22 vitórias de Walt Disney (em sua grande maioria pelas categorias de curta de animação), assim como as 20 indicações e derrotas do técnico de som Kevin O’Connell. Claro que as injustiças fazem parte da história da premiação. Só para citar duas: Alfred Hitchcock fora indicado 5 vezes como diretor, inclusive por obras-primas como Janela Indiscreta e Psicose, mas nunca levou a estatueta; Stanley Kubrick, um dos cineastas mais visionários de todos os tempos, foi indicado em 13 oportunidades como diretor, roteirista e produtor, mas acabou levando seu único Oscar justamente pelos efeitos visuais de 2001: Uma Odisséia no Espaço, o que acabou não compensando os vários anos de mega injustiça.

Inicialmente, o propósito da Academia era unicamente premiar os melhores do ano. Caso houvesse alguma injustiça, eles concediam os prêmios especiais. Contudo, em 1940, teve início um dos maiores problemas no sistema de votação: o voto por compensação. James Stewart nitidamente era o melhor ator por sua perfomance visceral em A Mulher Faz o Homem, mas resolveram premiar Robert Donat. No ano seguinte, tentaram compensar Stewart e lhe entregaram o Oscar por um papel menor na comédia Núpcias de Escândalo, entretanto, sua vitória acabou causando outra injustiça: a derrota de Henry Fonda (As Vinhas da Ira), Charles Chaplin (O Grande Ditador) e Laurence Olivier (Rebecca, a Mulher Inesquecível), criando uma bola de neve de compensações por derrotas anteriores que até hoje persiste na cabeça dos votantes.

Em 1999, Dame Judi Dench levou o Oscar de coadjuvante por sua reduzida atuação de 8 minutos em Shakespeare Apaixonado, já que perdeu injustamente no ano anterior para Helen Hunt (Melhor é Impossível) por seu estupendo trabalho em Sua Majestade Mrs. Brown. Mas essa vitória acabou causando a derrota da ótima interpretação de Lynn Redgrave em Deuses e Monstros. Embora a Arte seja subjetiva em termos de avaliação, algumas injustiças não escapam de uma análise mais crítica.

Enfim, a idéia aqui seria reunir todos os dados de cada cerimônia para que os cinéfilos possam saciar suas curiosidades sobre o Oscar. Para facilitar, os posts serão divididos por décadas, exceto pelo primeiro que abrange 1929 até 1940. Nesses primeiros anos, como a Academia ainda estava em formação, é possível detectar algumas curiosidades como as extintas categorias Melhor Diretor de Comédia (que só existiu no primeiro ano), Direção de Dança e Assistente de Direção. As categorias de ator e atriz coadjuvantes só começaram a existir a partir de 1937. Os vencedores dessas categorias só recebiam placas da Academia com seus nomes até 1944, quando passaram a receber as estatuetas como os atores principais. Aliás, muitos vencedores das categorias técnicas como Montagem só receberam estatuetas do Oscar a partir dos anos 40, época em que houve a padronização da Academia.

Além da Quebra da Bolsa de Nova York, 1929 foi um ano marcado pela integração do som no cinema. A Academia concedeu o prêmio honorário à produção pioneira no uso do som: O Cantor de Jazz. O som nos filmes só passou a ser reconhecido através de uma categoria competitiva a partir do 3º ano, em 1930, pois os profissionais ainda não sabiam avaliar corretamente a qualidade de uma tecnologia tão recente.

Quanto à origem do nome “Oscar”, que substituiu o formal “Academy Award statuette (estatueta do prêmio da Academia)”, existem umas três versões, sendo a mais famosa oriunda da bibliotecária e secretária-executiva da Academia, Margareth Herrick, que associou a figura da estatueta ao seu tio Oscar em 1931. Já a atriz Bette Davis teria alegado que a estatueta lhe lembrava seu marido Harmon Oscar Nelson. E em 1934, o jornalista Sidney Skolsky atribuiu o nome Oscar ao reportar a vitória de Katharine Hepburn.

THE 12nd ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1940

29 de Fevereiro de 1940

... E o Vento Levou, de Victor Fleming

… E o Vento Levou, de Victor Fleming

MELHOR FILME
– Vitória Amarga (Dark Victory)
– Adeus, Mr. Chips (Goodbye, Mr. Chips)
• … E o Vento Levou (Gone With the Wind)
– Duas Vidas (Love Affair)
– A Mulher Faz o Homem (Mr. Smith Goes to Washington)
– Ninotchka (Ninotchka)
– Carícia Fatal (Of Mice and Men)
– No Tempo das Diligências (Stagecoach)
– O Mágico de Oz (The Wizard of Oz)
– O Morro dos Ventos Uivantes (Wuthering Heights)

MELHOR DIRETOR
• Victor Fleming (… E o Vento Levou)
– Sam Wood (Adeus, Mr. Chips)
– Frank Capra (A Mulher Faz o Homem)
– John Ford (No Tempo das Diligências)
– William Wyler (O Morro dos Ventos Uivantes)

MELHOR ATOR
Robert Donat (Adeus, Mr. Chips)
– Clark Gable (… E o Vento Levou)
– Laurence Olivier (O Morro dos Ventos Uivantes)
– Mickey Rooney (Sangue de Artista)
– James Stewart (A Mulher Faz o Homem)

MELHOR ATRIZ
– Bette Davis (Vitória Amarga)
– Irene Dunne (Duas Vidas)
– Greta Garbo (Ninotchka)
– Greer Garson (Adeus, Mr. Chips)
• Vivien Leigh (… E o Vento Levou)


Vivien Leigh agradece o reconhecimento

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Brian Aherne (Juarez)
– Harry Carey (A Mulher Faz o Homem)
– Brian Donlevy (Beau Geste)
Thomas Mitchell (No Tempo das Diligências)
– Claude Rains (A Mulher Faz o Homem)

Thomas Mitchell: Vencedor do Oscar de coadjuvante por No Tempo das Diligências (photo by theacademy.tumblr.com)

Thomas Mitchell: Vencedor do Oscar de coadjuvante por No Tempo das Diligências (photo by theacademy.tumblr.com)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Olivia de Havilland (… E o Vento Levou)
– Geraldine Fitzgerald (O Morro dos Ventos Uivantes)
• Hattie McDaniel (… E o Vento Levou) – Tornou-se a primeira afro-americana a ser indicada e ganhar um Oscar
– Edna May Oliver (Ao Rufar dos Tambores)
– Maria Ouspenskaya (Duas Vidas)


Comovida, Hattie McDaniel agradece o reconhecimento

MELHOR HISTÓRIA ORIGINAL
– Felix Jackson (Mãe por Acaso)
– Mildred Cram, Leo McCarey (Duas Vidas)
• Lewis R. Foster (A Mulher Faz o Homem)
– Melchior Lengyel (Ninotchka)
– Lamar Trotti (A Mocidade de Lincoln)

MELHOR ROTEIRO
• Sidney Howard (… E o Vento Levou) – Postumamente. O sr. Howard se tornou o primeiro caso de Oscar póstumo.
– Eric Maschwitz, R.C. Sheriff, Claudine West (Adeus, Mr. Chips)
– Sidney Buchman (A Mulher Faz o Homem)
– Charles Brackett, Walter Reisch, Billy Wilder (Ninotchka)
– Ben Hecht, Charles MacArthur (O Morro dos Ventos Uivantes)

MELHOR FOTOGRAFIA – COLORIDA
– Ray Rennahan, Bert Glennon (Ao Rufar dos Tambores)
– Georges Périnal, Osmond Borradaile (As Quatro Penas Brancas)
• Ernest Haller, Ray Rennahan (… E o Vento Levou)
– William V. Skall (O Mikado)
– Sol Polito, W. Howard Greene (Meu Reino por um Amor)
– Harold Rosson (O Mágico de Oz)

MELHOR FOTOGRAFIA – PRETO E BRANCO
– Joseph A. Valentine (O Primeiro Amor)
– Victor Milner (Sonho Maravilhoso)
– Joseph H. August (Gunga Din)
– Gregg Toland (Intermezzo: Uma História de Amor)
– Tony Gaudio (Juarez)
– Norbert Brodine (Flor dos Trópicos)
– Joseph Walker (O Paraíso Infernal)
– Arthur C. Miller (E as Chuvas Chegaram)
– Bert Glennon (No Tempo das Diligências)
• Gregg Toland (O Morro dos Ventos Uivantes)

MELHOR MONTAGEM
Hal C. Kern, James E. Newcom (… E o Vento Levou)
– Charles Frend (Adeus, Mr. Chips)
– Gene Havlick, Al Clark (A Mulher Faz o Homem)
– Barbara McLean (E as Chuvas Chegaram)
– Otho Lovering, Dorothy Spencer (No Tempo das Diligências)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Hans Dreier, Robert Odell (Beau Geste)
– Charles D. Hall (Capitão Fúria)
– Jack Otterson, Martin Obzina (O Primeiro Amor)
• Lyle R. Wheeler (… E o Vento Levou)
– Van Nest Polglase, Alfred Herman (Duas Vidas)
– John Victor Mackay (A Grande Conquista)
– Lionel Banks (A Mulher Faz o Homem)
– Anton Grot (Meu Reino por um Amor)
– William S. Darling , George Dudley (E as Chuvas Chegaram)
– Alexander Toluboff (No Tempo das Diligências)
– Cedric Gibbons, William A. Horning (O Mágico de Oz)
– James Basevi (O Morro dos Ventos Uivantes)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
– Max Steiner (Vitória Amarga)
– Werner Janssen (Eternamente Tua)
– Victor Young (Conflitos de Duas Almas)
– Max Steiner (… E o Vento Levou)
– Victor Young (As Viagens de Gulliver)
– Lud Gluskin, Lucien Moraweck (O Máscara de Ferro)
– Victor Young (A Grande Conquista)
– Anthony Collins (A Enfermeira Edith Cavell)
– Aaron Copland (Carícia Fatal)
– Alfred Newman (E as Chuvas Chegaram)
• Herbert Stothart (O Mágico de Oz)
– Alfred Newman (O Morro dos Ventos Uivantes)

MELHOR CONDUÇÃO
– Roger Edens, George Stoll (Sangue de Artista)
– Charles Previn (O Primeiro Amor)
– Phil Boutelje, Arthur Lange (Sonho Maravilhoso)
– Alfred Newman (O Corcunda de Notre Dame)
– Louis Forbes (Intermezzo: Uma História de Amor)
– Dimitri Tiomkin (A Mulher Faz o Homem)
– Aaron Copland (Carícia Fatal)
– Erich Wolfgang Korngold (Meu Reino por um Amor)
– Cy Feuer (She Married a Cop)
• Richard Hageman, W. Franke Harling, John Leipold, Leo Shuken (No Tempo das Diligências)
– Louis Silvers (O Coração de um Trovador)
– Alfred Newman (Música, Divina Música!)
– Victor Young (Terra Abençoada)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Faithful Forever”, de Ralph Rainger, Leo Robin (As Viagens de Gulliver)
“I Poured My Heart Into a Song”, de Irving Berlin (Dúvidas de um Coração)
“Wishing”, de Buddy G. DeSylva (Duas Vidas)
“Over the Rainbow”, de Harold Arlen, E.Y. Harburg (O Mágico de Oz)

MELHOR SOM
– Douglas Shearer (Balalaika)
– Thomas T. Moulton (… E o Vento Levou)
– A.W. Watkins (Adeus, Mr. Chips)
– Loren L. Ryder (Sonho Maravilhoso)
– John Aalberg (O Corcunda de Notre Dame)
– Charles L. Lootens (A Grande Conquista)
– John P. Livadary (A Mulher Faz o Homem)
– Elmer Raguse (Carícia Fatal)
– Nathan Levinson (Meu Reino por um Amor)
– Edmund H. Hansen (E as Chuvas Chegaram)
• Bernard B. Brown (Noite de Pecado)

MELHORES EFEITOS ESPECIAIS
– Jack Cosgrove, Fred Albin, Arthur Johns (… E o Vento Levou)
– Roy Davidson, Edwin C. Hahn (O Paraíso Infernal)
– Byron Haskin, Nathan Levinson (Meu Reino por um Amor)
– Roy Seawright (Marido Mal Assombrado)
• Fred Sersen, Edmund H. Hansen (E as Chuvas Chegaram)
– Farciot Edouart, Gordon Jennings, Loren L. Ryder (Aliança de Aço)
– A. Arnold Gillespie, Douglas Shearer (O Mágico de Oz)

MELHOR CURTA-METRAGEM, DOIS ROLOS
– Drunk Driving
– Five Times Five
• Sons of Liberty

MELHOR CURTA-METRAGEM, UM ROLO
• Busy Little Bears
– Information Please: Series 1, No. 1
– Prophet Without Honor
– Sword Fishing

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Detouring America
– Peace on Earth
– Como Treinar um Pointer, de Walt Disney
• Ugly Duckling, de Walt Disney

OSCAR HONORÁRIO
Douglas Fairbanks
Jean Hersholt
William Cameron Menzies (… E o Vento Levou)

JUVENILE AWARD
Judy Garland

A jovem e bela Judy Garland recebe mini Oscar e beijo de seu companheiro de tela Mickey Rooney (photo by classicosnaoantigos.blogspot.com)

A jovem e bela Judy Garland recebe mini Oscar e beijo de seu companheiro de tela Mickey Rooney (photo by classicosnaoantigos.blogspot.com)

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
David O. Selznick

11st ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1939

23 de Fevereiro de 1939

Do Mundo Nada se Leva, de Frank Capra

Do Mundo Nada se Leva, de Frank Capra

MELHOR FILME
– As Aventuras de Robin Hood (The Adventures of Robin Hood)
– A Epopéia do Jazz (Alexander’s Ragtime Band)
– Com os Braços Abertos (Boys Town)
– A Cidadela (The Citadel)
– Quatro Filhas (Four Daughters)
– A Grande Ilusão (La Grande Illusion)
– Jezebel (Jezebel)
– Pigmalião (Pygmalion)
– Piloto de Provas (Test Pilot)
• Do Mundo Nada se Leva (You Can’t Take it With You)

MELHOR DIRETOR
– Michael Curtiz (Anjos de Cara Suja)
– Michael Curtiz (Quatro Filhas)
– Norman Taurog (Com os Braços Abertos)
– King Vidor (A Cidadela)
• Frank Capra (Do Mundo Nada se Leva)

MELHOR ATOR
– Charles Boyer (Argélia)
– James Cagney (Anjos de Cara Suja)
– Robert Donat (A Cidadela)
– Leslie Howard (Pigmalião)
• Spencer Tracy (Com os Braços Abertos) – Spencer Tracy não estava presente na cerimônia. Sua esposa Louise Treadwell aceitou o prêmio por ele.

MELHOR ATRIZ
– Fay Bainter (Novos Horizontes)
• Bette Davis (Jezebel)
– Wendy Hiller (Pigmalião)
– Norma Shearer (Maria Antonieta)
– Margaret Sullavan (Três Camaradas)

Spencer Tracy e Bette Davis venceram por Com os Braços Abertos e Jezebel, respectivamente (photo by acertaincinema.com)

Spencer Tracy e Bette Davis venceram por Com os Braços Abertos e Jezebel, respectivamente (photo by acertaincinema.com)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Walter Brennan (Romance do Sul)
– John Garfield (Quatro Filhas)
– Gene Lockhart (Argélia)
– Robert Morley (Maria Antonieta)
– Basil Rathbone (Se Eu Fora Rei)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
• Fay Bainter (Jezebel)
– Beulah Bondi (Ingratidão)
– Billie Burke (Sua Excelência, O Chofer)
– Spring Byington (Do Mundo Nada se Leva)
– Miliza Korjus (A Grande Valsa)

MELHOR HISTÓRIA ORIGINAL
– Irving Berlin (A Epopéia do Jazz)
– Rowland Brown (Anjos de Cara Suja)
– John Howard Lawson (Bloqueio)
• Eleanore Griffin, Dore Schary (Com os Braços Abertos)
– Marcella Burke, Frederick Kohner (Louca por Música)
– Frank Wead (Piloto de Provas)

MELHOR ROTEIRO
– John Meehan, Dore Schary (Com os Braços Abertos)
– Ian Dalrymple, Elizabeth Hill, Frank Wead (A Cidadela)
– Lenore J. Coffee, Julius J. Epstein (Quatro Filhas)
• George Bernard Shaw, Ian Dalrymple, Cecil Lewis, W.P. Lipscomb (Pigmalião)
– Robert Riskin (Do Mundo Nada se Leva)

MELHOR FOTOGRAFIA
– James Wong Howe (Argélia)
– Ernest Miller, Harry J. Wild (A Pequena do Exército)
– Victor Millner (Lafitte, o Corsário)
• Joseph Ruttenberg (A Grande Valsa)
– Ernest Haller (Jezebel)
– Joseph A. Valentine (Louca por Música)
– Norbert Brodine (Sua Exceleância, o Chofer)
– J. Peverell Marley (Suez)
– Robert De Grasse (Que Papai Não Saiba)
– Joseph Walker (Do Mundo Nada se Leva)
-Leon Shamroy (Jovem no Coração)

MELHOR MONTAGEM
• Ralph Dawson (As Aventuras de Robin Hood)
– Barbara McLean (A Epopéia do Jazz)
– Tom Held (A Grande Valsa)
– Tom Held (Piloto de Provas)
– Gene Havlick (Do Mundo Nada se Leva)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• Carl Jules Weyl (As Aventuras de Robin Hood)
– Lyle R. Wheeler (As Aventuras de Tom Sawyer)
– Bernard Herzbrun, Boris Leven (Epopéia do Jazz)
– Alexander Toluboff (Argélia)
– Van Nest Polglase (Dance Comigo)
– Richard Day (Goldwyn Follies)
– Stephen Goosson, Lionel Banks (Boêmio Encantador)
– Hans Dreier, John B. Goodman (Se Eu Fora Rei)
– Jack Otterson (Louca por Música)
– Cedric Gibbons (Maria Antonieta)
– Charles D. Hall (Sua Excelência, o Chofer)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
• Erich Wolfgang Korngold (As Aventuras de Robin Hood)
– Victor Young (A Pequena do Exército)
– Werner Janssen (Bloqueio)
– Marvin Hatley (A Ceia dos Veteranos)
– Victor Young (Piruetas do Destino)
– Alfred Newman (O Cowboy e a Granfina)
– Richard Hageman (Se Eu Fora Rei)
– Herbert Stothart (Maria Antonieta)
– Robert Russell Bennett (Transpacífico)
– Louis Silvers (Suez)
– Franz Waxman (Jovem no Coração)

MELHOR CONDUÇÃO
• Alfred Newman (A Epopéia do Jazz)
– Victor Baravalle (Dance Comigo)
– Morris Stoloff, Gregory Stone (Flores da Primavera)
– Alfred Newman (Goldwyn Follies)
– Max Steiner (Jezebel)
– Charles Previn, Frank Skinner (Louca por Música)
– Cy Feuer (Tempestade Sobre Bengala)
– Herbert Stothart (Canção de Amor)
– Marvin Hatley (Aí Vai Meu Coração)
– Boris Morros (Feitiço do Trópico)
– Franz Waxman (Jovem no Coração)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Always and Always”, de Edward Ward, Chet Forrest, Bob Wright (Manequim)
“Change Partners and Dance With Me”, de Irving Berlin (Dance Comigo)
“The Cowboy and the Lady”, de Lionel Newman, Arthur Quenzer (O Cowboy e a Granfina)
“Dust”, de Johnny Marvin (Sob as Estrelas do Oeste)
“Jeepers Creepers”, de Harry Warren, Johnny Mercer (Coragem a Muque)
“Merrily We Live”, de Phil Charig, Arthur Quenzer (Sua Excelência, o Chofer)
“A Mist Over the Moon”, de Oscar Hammerstein II (The Lady Objects)
“My Own”, de Jimmy McHugh, Harold Adamson (Idade Perigosa)
“Now it Can be Told”, de Irving Berlin (A Epopéia do Jazz)
“Thanks for the Memory”, de Ralph Rainger, Leo Robin (Folia a Bordo)

MELHOR SOM
– Charles L. Lootens (A Pequena do Exército)
• Thomas T. Moulton (O Cowboy e a Granfina)
– Nathan Levinson (Quatro Filhas)
– Loren L. Ryder (Se Eu Fora Rei)
– Elmer Raguse (Sua Excelência, o Chofer)
– Douglas Shearer (Canção de Amor)
– Edmund H. Hansen (Suez)
– Bernard B. Brown (Idade Perigosa)
– James Wilkinson (Que Papai Não Saiba)
– John P. Livadary (Do Mundo Nada se Leva)

MELHOR CURTA-METRAGEM, DOIS ROLOS
• The Declaration of Independence
– Swingtime in the Movies
– A Crime Does Not Pay Subject: They’re Always Caught

MELHOR CURTA-METRAGEM, UM ROLO
• That Mothers Might Live
– The Great Heart
– Timber Toppers

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
• Ferdinando, o Touro, de Walt Disney
– O Alfaiatezinho Valente, de Walt Disney
– Mother Goose Goes Hollywood, de Walt Disney
– Good Scouts, de Walt Disney
– Hunky and Spunky

OSCAR HONORÁRIO
Harry M. Warner
Arthur Ball

Branca de Neve e os Sete Anões, de Walt Disney
– pela inovação e pioneirismo no campo do entretenimento
• Lobos do Norte
– pelos efeitos especiais
Canção de Amor
– pela fotografia colorida

JUVENILE AWARD

Mickey Rooney e seu Juvenile Award (photo by lunaticoutpost.com)

Mickey Rooney e seu Juvenile Award (photo by lunaticoutpost.com)

Deanna Durbin
Mickey Rooney

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
Hal B. Wallis

THE 10th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1938

10 de Março de 1938

A Vida de Emile Zola, de William Dieterle

A Vida de Emile Zola, de William Dieterle

MELHOR FILME
– Cupido é Moleque Teimoso (The Awful Truth)
Marujo Intrépido (Captain Courageous)
– Beco Sem Saída (Dead End)
• A Vida de Emile Zola (The Life of Emile Zola)
– Terra dos Deuses (The Good Earth)
– No Velho Chicago (In Old Chicago)
– Horizonte Perdido (Lost Horizon)
– 100 Homens e uma Menina (One Hundred Men and a Girl)
– No Teatro da Vida (Stage Door)
– Nasce uma Estrela (A Star is Born)

MELHOR DIRETOR
– William Dieterle (A Vida de Emile Zola)
– Sidney Franklin (Terra dos Deuses)
– Gregory La Cava (No Teatro da Vida)
Leo McCarey (Cupido é Moleque Teimoso)
– William A. Wellman (Nasce uma Estrela)

MELHOR ASSISTENTE DE DIREÇÃO
– Charles C. Coleman (No Velho Chicago)
– Russell Saunders (A Vida de Emile Zola)
– Eric Stacey (Nasce uma Estrela)
– Hal Walker (Almas no Mar)
Robert D. Webb (No Velho Chicago)

MELHOR ATOR
Charles Boyer (O Romance de Madame Walewska)
– Fredric March (Nasce uma Estrela)
– Robert Montgomery (A Noite Tudo Encobre)
– Paul Muni (A Vida de Emile Zola)
Spencer Tracy (Marujo Intrépido)

MELHOR ATRIZ
– Irenne Dunne (Cupido é Moleque Teimoso)
– Greta Garbo (A Dama das Camélias)
– Janet Gaynor (Nasce uma Estrela)
Luise Rainer (Terra dos Deuses)
– Luise Rainer se tornou a primeira atriz a vencer duas vezes consecutivas
– Barbara Stanwyck (Stella Dallas, Mãe Redentora)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Ralph Bellamy (Cupido é Moleque Teimoso)
– Thomas Mitchell (O Furacão)
Joseph Schildkraut (A Vida de Emile Zola)
– H.B. Warner (Horizonte Perdido)
– Roland Young (A Dupla do Outro Mundo)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Alice Brady (No Velho Chicago) – Na ausência da atriz, um impostor recebeu o prêmio em seu nome. O impostor nunca foi encontrado e antes da Academia fazer justiça e entregar uma nova estatueta, Alice Brady faleceu
– Andrea Leeds (No Teatro da Vida)
– Anne Shirley (Stella Dallas, Mãe Redentora)
– Claire Trevor (Beco Sem Saída)
– Dame May Whitty (A Noite Tudo Encobre)

MELHOR HISTÓRIA ORIGINAL
– Robert Lord (Legião Negra)
– Niven Busch (No Velho Chicago)
– Heinz Herald, Geza Herczeg (A Vida de Emile Zola)
– Hanns Kräly (100 Homens e uma Menina)
• William A. Wellman, Robert Carson (Nasce uma Estrela)

MELHOR ROTEIRO
– Viña Delmar (Cupido é Moleque Teimoso)
– Marc Connelly, John Lee Mahin, Dale Van Every (Marujo Intrépido)
• Heinz Herald, Geza Herczeg, Norman Reilly Raine (A Vida de Emile Zola)
– Morrie Ryskind, Anthony Veiller (No Teatro da Vida)
– Alan Campbell, Robert Carson, Dorothy Parker (Nasce uma Estrela)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Gregg Toland (Beco Sem Saída)
• Karl Freund (Terra dos Deuses)
– Joseph A. Valentine (Asas Sobre Honolulu)

MELHOR MONTAGEM
– Al Clark (Cupido é Moleque Teimoso)
– Elmo Veron (Marujo Intrépido)
– Basil Wrangell (Terra dos Deuses)
• Gene Havlick, Gene Milford (Horizonte Perdido)
– Bernard W. Burton (100 Homens e uma Menina)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Cedric Gibbons, William A. Horning (O Romance de Madame Walewska)
– Carroll Clark (Cativa e Cativante)
– Richard Day (Beco Sem Saída)
– Wiard Ihnen (A Vida é uma Festa)
– Anton Grot (A Vida de Emile Zola)
• Stephen Goosson (Horizonte Perdido)
– John Victor Mackay (Artistas em Folia)
– Lyle R. Wheeler (O Prisioneiro de Zenda)
– Hans Dreier, Roland Anderson (Almas no Mar)
– Alexander Toluboff (Vogas de New York)
– William S. Darling, David S. Hall (Queridinha do Vovô)
– Jack Otterson (O Amor é uma Delícia)

MELHOR SOM
– A.E. Kaye (Ela Deu o Contra)
• Thomas T. Moulton (O Furacão)
– John Aalberg (Nas Asas da Fama)
– Nathan Levinson (A Vida de Emile Zola)
– John P. Livadary (Horizonte Perdido)
– Douglas Shearer (Primavera)
– Homer G. Tasker (100 Homens e uma Menina)
– Elmer Raguse (A Dupla do Outro Mundo)
– Loren L. Ryder (Uma Nação em Marcha)

MELHOR TRILHA MUSICAL
– Frank Churchill, Leigh Harline, Paul J. Smith (Branca de Neve e os Sete Anões)
– Alfred Newman (O Furacão)
– Louis Silvers (No Velho Chicago)
– Leo F. Forbstein (A Vida de Emile Zola)
– Morris Stoloff (Horizonte Perdido)
– Hugo Riesenfeld (Música do Coração)
Charles Previn (100 Homens e uma Menina)
– Nat W. Finston (Primavera)
– Alberto Colombo (Defesa de Mãe)
– Alfred Newman (O Prisioneiro de Zenda)
– Roy Webb (Rua da Vaidade)
– C. Bakaleinikoff (Um Motivo Para Cantar)
– Borris Morros (Almas no Mar)
– Marvin Hatley (Dois Caipiras Ladinos)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Remember Me”, de Harry Warren, Al Dublin (O Preço da Fama)
“The Old Feeling”, de Sammy Fain, Lew Brown (Vogas de New York)
“They Can’t Take That Away from Me”, de George Gershwin, Ira Gershwin (Vamos Dançar?)
“Whispers in the Dark”, de Friedrich Hollaender (Artistas e Modelos)
“Sweet Leilani”, de Harry Owens (Amor Havaiano)

MELHOR CURTA-METRAGEM, DOIS ROLOS
– Deep South
– Should Wives Work?
• Torture Money

MELHOR CURTA-METRAGEM, UM ROLO
– A Night at the Movies
The Private Life of the Gannets
– Romance of Radium

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
• O Velho Moinho, de Walt Disney
– Peixe Educado
– The Little Match Girl, de Charles Mintz

MELHOR CURTA-METRAGEM, COLORIDO
– The Man Without a Country
Penny Wisdom, de Pete Smith
– Popular Science

MELHOR DIREÇÃO DE DANÇA
“Fun House”, de Hermes Pan (Cativa e Cativante)

“The Finale”, de Busby Berkley (Aprenda a Sorrir)
“Too Marvelous for Words“, de Bobby Connolly (Amores de Opereta)
“All God’s Children Got Rhythm”, de Dave Gould (Um Dia nas Corridas)
“Swing Is Here to Stay”, de Sammy Lee (Ali Babá é Boa Bola)
“Prince Igor Suite”, de Harry Losee (Ela e o Príncipe)
“Luau”, de LeRoy Prinz (Amor Havaiano)

OSCAR HONORÁRIO
Mack Sennett
Edgar Bergen
(Museum of Modern Art Film Library)
W. Howard Greene (Nasce uma Estrela)

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
Darryl F. Zanuck

THE 9th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1937

04 de Março de 1937

Ziegfeld, o Criador de Estrelas, de Robert Z. Leonard

Ziegfeld, o Criador de Estrelas, de Robert Z. Leonard

MELHOR FILME
– Adversidade (Anthony Adverse)
– Fogo de Outono (Dodsworth)
– Casado com Minha Noiva (Libeled Lady)
– O Galante Mr. Deeds (Mr. Deeds Goes to Town)
– Romeu e Julieta (Romeo and Juliet)
– A Cidade do Pecado (San Francisco)
– A História de Louis Pasteur (The Story of Louis Pasteur)
-A Queda da Bastilha (A Tale of Two Cities)
– Três Pequenas do Barulho (Three Smart Girls)
• Ziegfeld – O Criador de Estrelas (The Great Ziegfeld)

MELHOR DIRETOR
• Frank Capra (O Galante Mr. Deeds)
– Gregory La Cava (Irene, a Teimosa)
– Robert Z. Leonard (Ziegfeld – O Criador de Estrelas)
– W.S. Van Dyke (A Cidade do Pecado)
– William Wyler (Fogo de Outono)

MELHOR ASSISTENTE DE DIREÇÃO
– Clem Beauchamp (O Último dos Moicanos)
– William H. Cannon (Adversidade)
– Joseph M. Newman (A Cidade do Pecado)
– Eric Stacey (O Jardim de Allah)
Jack Sullivan (A Carga da Brigada Ligeira)

MELHOR ATOR
– Gary Cooper (O Galante Mr. Deeds)
– Walter Huston (Fogo de Outono)
Paul Muni (A História de Louis Pasteur)
– William Powell (Irene, a Teimosa)
– Spencer Tracy (A Cidade do Pecado)

MELHOR ATRIZ
– Irene Dunne (Os Pecados de Theodora)
– Gladys George (O Crime de Ser Boa)
– Carole Lombard (Irene, a Teimosa)
Luise Rainer (Ziegfeld – O Criador de Estrelas)
– Norma Shearer (Romeu e Julieta)

Da esquerda para direita: Melhor Ator Paul Muni, Melhor Atriz Luise Rainer e Melhor Diretor Frank Capra (photo by acertaincinema.com)

Da esquerda para direita: Melhor Ator Paul Muni, Melhor Atriz Luise Rainer e Melhor Diretor Frank Capra (photo by http://www.acertaincinema.com)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Mischa Auer (Irene, a Teimosa)
• Walter Brennan (Meu Filho é Meu Rival)
– Stuart Erwin (Loucuras de Estudantes)
– Basil Rathbone (Romeu e Julieta)
– Akim Tamiroff (O General Morreu ao Amanhecer)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Beulah Bondi (Mulher Sublime)
– Alice Brady (Irene, a Teimosa)
– Bonita Granville (Infâmia)
– Maria Ouspenskaya (Fogo de Outono)
• Gale Sondergaard (Adversidade)

MELHOR HISTÓRIA ORIGINAL
– Norman Krasna (Fúria)
– Robert E. Hopkins (A Cidade do Pecado)
Pierre Collings, Sheridan Gibney (A História de Louis Pasteur)
– Adele Comandini (Três Pequenas do Barulho)
– William Anthony McGuire (Ziegfeld – O Criador de Estrelas)

MELHOR ROTEIRO
– Frances Goodrich, Albert Hackett (A Comédia dos Acusados)
– Sidney Howard (Fogo de Outono)
– Robert Riskin (O Galante Mr. Deeds)
Pierre Collings, Sheridan Gibney (A História de Louis Pasteur)
– Eric Hatch, Morrie Ryskind (Irene, a Teimosa)

MELHOR FOTOGRAFIA
Tony Gaudio (Adversidade)
– Victor Milner (O General Morreu ao Amanhecer)
– George J. Folsey (Mulher Sublime)

MELHOR MONTAGEM
• Ralph Dawson (Adversidade)
– Barbara McLean (Lloyd’s de Londres)
– Edward Curtiss (Meu Filho é Meu Rival)
– Otto Meyer (Os Pecados de Theodora)
– Conrad A. Nervig (A Queda da Bastilha)
– William S. Gray (Ziegfeld – O Criador de Estrelas)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Anton Grot (Adversidade)
Richard Day (Fogo de Outono)
– Albert S. D’Agostino, Jack Otterson (O Grande Bruto)
– William S. Darling (Lloyd’s de Londres)
– Perry Ferguson (Os Predestinados)
– Cedric Gibbons, Fredric Hope, Edwin B. Willis (Romeu e Julieta)
– Cedric Gibbons, Eddie Imazu, Edwin B. Willis (Ziegfeld – O Criador de Estrelas)

MELHOR TRILHA MUSICAL
• Leo F. Forbstein (Adversidade) – composição de Erich Wolfgang Korngold
– Leo F. Forbstein (A Carga da Brigada Ligeira) – composição de Max Steiner
– Max Steiner (O Jardim de Allah) – composição de Max Steiner
– Boris Morros (O General Morreu ao Amanhecer) – composição de Werner Janssen
– Nathaniel Shilkret (Os Predestinados) – composição de Nathaniel Shilkret

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
– “A Melody from the Sky”, de Louis Alter, Sidney D. Mitchell (Amor e Ódio na Floresta)
– “Pennies from Heaven”, de Arthur Johnston, Johnny Burke (Dinheiro do Céu)
– “I’ve Got You Under My Skin”, de Cole Porter (Nasci Para Dançar)
– “When Did You Leave Heaven”, de Richard A. Whiting, Walter Bullock (Novos Ecos da Broadway)
“The Way You Look Tonight”, de Jerome Kern, Dorothy Fields (Ritmo Louco)
– “Did I Remember”, de Walter Donaldson, Harold Adamson (Suzy)

MELHOR SOM
– Framklin Hansen (Atiradores do Texas)
– Nathan Levinson (A Carga da Brigada Ligeira)
• Douglas Shearer (A Cidade do Pecado)
– Oscar Lagerstrom (Fogo de Outono)
– John P. Livadary (O Galante Mr. Deeds)
– Elmer Raguse (General Spanky)
– John Aalberg (A Parisiense)
– Edmund H. Hansen (Um Romance no Mississipi)
– Homer G. Tasker (Três Pequenas do Barulho)

MELHOR CURTA-METRAGEM, DOIS ROLOS
– Double or Nothing
– Dummy Ache
The Public Pays

MELHOR CURTA-METRAGEM, UM ROLO
• Bored of Education, de Hal Roach
– Moscow Moods
– Wanted — A Master, de Pete Smith

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– The Old Mill Pond, de Hugh Harman, Rudolf Ising
– Popeye the Sailor Meets Sindbad the Sailor, de Max Fleischer
Primo da Roça, de Walt Disney

MELHOR CURTA-METRAGEM, COLORIDO
Give Me Liberty
– La Fiesta de Santa Barbara
– Popular Science

MELHOR DIREÇÃO DE DANÇA
– “1000 Love Songs”, de Bobby Connolly (Cain e Mabel)
– “Bojangles of Harlem”, de Hermes Pan (Ritmo Louco)
– “The Finale”, de Russell Lewis (O Pirata Dançarino)
– “Love and War”, de Busby Berkeley (Cavadoras de Ouro de 1937)
“A Pretty Girl is Like a Melody”, de Seymour Felix (Ziegfeld – O Criador de Estrelas)
– “Skating Ensemble”, de Jack Haskell (A Rainha do Patim)
– “Swingin’ the Jinx”, de Dave Gould (Nasci Para Dançar)

OSCAR HONORÁRIO
W. Howard Greene, Harold Rosson (O Jardim de Allah)
– pela fotografia

8th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1936

05 de Março de 1936

O Grande Motim, de Frank Lloyd

O Grande Motim, de Frank Lloyd

MELHOR FILME
– A Mulher que Soube Amar (Alice Adams)
– Melodia da Broadway de 1936 (Broadway Melody of 1936)
– O Capitão Blood (Captain Blood)
– David Copperfield (Personal History, Adventures, Experience, & Observation of David Copperfield the Younger)
– O Delator (The Informer)
– Os Miseráveis (Les Misérables)
– Lanceiros da Índia (The Lives of a Bengal Lancer)
• O Grande Motim (Mutiny on the Bounty)
– Sonho de uma Noite de Verão (A Midsummer Night’s Dream)
– Oh, Marieta! (Naughty Marietta)
– Vamos à América (Ruggles of Red Gap)
– O Picolino (Top Hat)

MELHOR DIRETOR
John Ford (O Delator)
– Henry Hathaway (Lanceiros da Índia)
– Frank Lloyd (O Grande Motim)
– Michael Curtiz (Capitão Blood) – Esta foi uma inclusão votada. Não se trata de uma indicação oficial

MELHOR ASSISTENTE DE DIREÇÃO
Clem Beauchamp, Paul Wing (Lanceiros da Índia)
– Joseph M. Newman (David Copperfield)
– Eric Stacey (Os Miseráveis)
– Sherry Shourds (Sonho de uma Noite de Verão)

MELHOR ATOR
– Clark Gable (O Grande Motim)
– Charles Laughton (O Grande Motim)
Victor McLaglen (O Delator)
– Franchot Tone (O Grande Motim)
– Paul Muni (Inferno Negro) – Esta foi uma inclusão votada. Não se trata de uma indicação oficial

MELHOR ATRIZ
– Elisabeth Bergner (Contudo és Meu)
– Claudette Colbert (Mundos Íntimos)
Bette Davis (Perigosa)
– Em dezembro de 2002, Steven Spielberg anonimamente comprou o Oscar de Davis num leilão e o devolveu à Academia. A estatueta estava entre os pertences da cadeia de restaurantes Planet Hollywood que havia falido.
– Katharine Hepburn (A Mulher que Soube Amar)
– Miriam Hopkins (Vaidade e Beleza)
– Merle Oberon (O Anjo das Trevas)

Os vencedores da noite, Victor McLaglen e Bette Davis, recebem a estatueta do diretor que revolucionou o cinema, D.W. Griffith (photo by timelines.latimes.com)

Os vencedores da noite, Victor McLaglen e Bette Davis, recebem a estatueta do diretor que revolucionou o cinema, D.W. Griffith (photo by timelines.latimes.com)

MELHOR HISTÓRIA ORIGINAL
– Moss Hart (Melodia da Broadway de 1936)
Ben Hetch, Charles MacArthur (O Energúmeno)
– Don Hartman, Stephen Morehouse Avery (Sua Alteza o Garçon)
– Darryl F. Zanuck (Contra o Império do Crime) – Esta foi uma inclusão votada. Não se trata de uma indicação oficial

MELHOR ROTEIRO
Dudley Nichols (O Delator) – Recusou o Oscar devido ao antagonismo entre vários sindicatos da indústria e a Academia sobre problemas sindicais. Esta foi a primeira vez que o Oscar foi recusado. Contudo, em 1949, foi constatado que Nichols estava com o Oscar uma estatueta.
– Achmed Abdullah, John L. Balderston, Grover Jones, William Slavens McNutt, Waldemar Young (Lanceiros da Índia)
– Jules Furthman, Talbot Jennings, Carey Wilson (O Grande Motim)
– Casey Robinson (O Capitão Blood) – Esta foi uma inclusão votada. Não se trata de uma indicação oficial

MELHOR FOTOGRAFIA
– Ray June (Duas Almas se Encontram)
– Victor Milner (As Cruzadas)
– Gregg Toland (Os Miseráveis)
Hal Mohr (Sonho de uma Noite de Verão) – Primeira e única inclusão votada a ganhar o Oscar.

MELHOR MONTAGEM
– Robert Kern (David Copperfield)
– George Hively (O Delator)
– Barbara McLean (Os Miseráveis)
– Ellsworth Hoagland (Lanceiros da Índia)
Ralph Dawson (Sonho de uma Noite de Verão)
– Margaret Booth (O Grande Motim)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Richard Day (O Anjo das Trevas)
– Hans Dreier, Roland Anderson (Lanceiros da Índia)
– Carroll Clark, Van Nest Polglase (O Picolino)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Max Steiner (O Delator)
– Nat W. Finston (O Grande Motim) – composição de Herbert Stothart
– Irvin Talbot (Amor Sem Fim) – composição de Ernst Toch
– Leo F. Forbstein (O Capitão Blood) – composição de Erich Wolfgang Korngold Esta foi uma inclusão votada. Não se trata de uma indicação oficial

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Cheek to Cheek”, de Irving Berlin (O Picolino)
“Lovely to Look at”, de Jerome Kern, Dorothy Fields, Jimmy McHugh (Roberta)
“Lullaby of Broadway”, de Harry Warren, Al Dublin (Mordedoras de 1935)

MELHOR SOM
– John P. Livadary (Ama-me Sempre)
– Thomas T. Moulton (O Anjo das Trevas)
– Nathan Levinson (O Capitão Blood)
– Franklin Hansen (Lanceiros da Índia)
– Mil Dólares por Minuto
– Edmund H. Hansen (Mil Vezes Obrigado!)
– Gilbert Kurland (A Noiva de Frankenstein)
Douglas Shearer (Oh, Marieta!)
– Carl Dreher (Vivo Sonhando)

MELHOR CURTA-METRAGEM – COMÉDIA
– Dente por Dente, de Hal Roach
How to Sleep, de Jack Chertok
– Oh, My Nerves, de Jules White

MELHOR CURTA-METRAGEM – DRAMA
– Audioscopiks, de Pete Smith
– Camera Thrills
Wings Over Everest

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– O Dragão de Chita, de Rudolf Ising, Hugh Harman
– A Flecha do Amor, de Walt Disney
Três Gatinhos Órfãos, de Walt Disney

MELHOR DIREÇÃO DE DANÇA
“Viennese Waltz”, de LeRoy Prinz (Os Cavaleiros do Rei)
“Elephant – It’s the Animal in Me”, de LeRoy Prinz (Ondas Musicais de 1936)
“Playboy of Paree”, de Bobby Connolly (Esperanças Perdidas)
“Latin from Manhattan”, de Bobby Connolly (Casino de Paris)
“I’ve got a Feeling You’re Fooling”, de Dave Gould (Melodia da Broadway de 1936)
“Lullaby of Broadway” e “The Words are in my Heart”, de Busby Berkeley (Mordedoras de 1935)
“Lovely Lady” e “Too Good to Be True”, de Sammy Lee (O Rei dos Empresários)
“Hall of Kings”, de Benjamin Zemach (Ella – A Feiticeira)
“Piccolino” e “Top Hat”, de Hermes Pan (O Picolino)
“Straw Hat“, de Dave Gould (Folies Bergère de Paris)

OSCAR HONORÁRIO
D.W. Griffith

THE 7th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1935

27 de Fevereiro de 1935

Aconteceu Naquela Noite, de Frank Capra

Aconteceu Naquela Noite, de Frank Capra

MELHOR FILME
• Aconteceu Naquela Noite (It Happened One Night)
– A Família Barrett (The Barretts of Wimpole Street)
– Cleópatra (Cleopatra)
– Miss Generala (Flirtation Walk)
– A Alegre Divorciada (The Gay Divorcee)
– Aí Vem a Marinha! (Here Comes the Navy)
– A Casa de Rothschild (The House of Rothschild)
– Imitação da Vida (Imitation of Life)
– Uma Noite de Amor (One Night of Love)
– A Ceia dos Acusados (The Thin Man)
– Viva Villa! (Viva Villa!)
– Legião das Abnegadas (The White Parade)

MELHOR DIRETOR
• Frank Capra (Aconteceu Naquela Noite)
– W.S. Van Dyke (A Ceia dos Acusados)
– Victor Schertzinger (Uma Noite de Amor)

MELHOR ASSISTENTE DE DIREÇÃO
– Scott R. Beal (Imitação da Vida)
– Cullen Tate (Cleópatra)
• John Waters (Viva Villa!)

MELHOR ATOR
• Clark Gable (Aconteceu Naquela Noite)
– Frank Morgan (As Aventuras de Cellini)
– William Powell (A Ceia dos Acusados)

O lendário Clark Gable vence seu único Oscar por Aconteceu Naquela Noite (photo by misfitstoys.net)

O lendário Clark Gable vence seu único Oscar por Aconteceu Naquela Noite (photo by misfitstoys.net)

MELHOR ATRIZ
• Claudette Colbert (Aconteceu Naquela Noite)
– Bette Davis (Escravos do Desejo) – Esta foi uma inclusão votada. Não se trata de uma indicação oficial
– Grace Moore (Uma Noite de Amor)
– Norma Shearer (A Família Barrett)

Shirley Temple entrega o Oscar para a francesa Claudette Colbert (photo by telegraph.co.uk)

Shirley Temple entrega o Oscar para a francesa Claudette Colbert (photo by telegraph.co.uk)

MELHOR ROTEIRO – HISTÓRIA ORIGINAL
– Mauri Grashin (Amor que Regenera)
– Norman Krasna (A Pequena Mais Rica do Mundo)
Arthur Caesar (Vencido Pela Lei)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
• Robert Riskin (Aconteceu Naquela Noite)
– Frances Goodrich, Albert Hackett (A Ceia dos Acusados)
– Ben Hecht (Viva Villa!)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Charles Rosher (As Aventuras de Cellini)
Victor Milner (Cleópatra)
– George J. Folsey (A Espiã 13)

MELHOR MONTAGEM
– Anne Bauchens (Cleópatra)
• Conrad A. Nervig (Esquimó)
– Gene Milford (Uma Noite de Amor)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Van Nest Polglase, Carroll Clark (A Alegre Divorciada)
– Richard Day (As Aventuras de Cellini)
Cedric Gibbons, Fredric Hope (A Viúva Alegre)

MELHOR TRILHA MUSICAL
– Max Steiner (A Alegre Divorciada)
– Max Steiner (A Patrulha Perdida)
• Louis Silvers (Uma Noite de Amor)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
• “The Continental”, de Con Conrad, Herb Magodson (A Alegre Divorciada)
– “Love in Bloom”, de Ralph Rainger, Leo Robin (Demônio Louro)
– “Carioca”, de Vincent Youmans, Edward Eliscu, Gus Kahn (Voando Para o Rio)

MELHOR SOM
– Carl Dreher (A Alegre Divorciada)
– Thomas T. Moulton (As Aventuras de Cellini)
– Franklin Hansen (Cleópatra)
– Theodore Soderberg (Imitação da Vida)
– Edmund H. Hansen (Legião das Abnegadas)
– Nathan Levinson (Miss Generala)
John P. Livadary (Uma Noite de Amor)
– Douglas Shearer (Viva Villa!)

MELHOR CURTA-METRAGEM – COMÉDIA
– As Coisas Estão Pretas, de Jules White
• La Cucaracha, de Kenneth Macgowan
– What, No Men?

MELHOR CURTA-METRAGEM – DRAMA
– Bosom Friends
City of Wax, de Horace Woodard, Stacy Woodard
– Strikes and Spares, de Pete Smith

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
A Tartaruga e a Lebre, de Walt Disney
– Holiday Land, de Charles Mintz
– No Reino dos Anões, de Walter Lantz

JUVENILE AWARD
• Shirley Temple – Em reconhecimento à sua contribuição para o entretenimento cinematográfico durante o ano de 1934.

A estrela mirim que buscava derrotar as consequências econômicas da Queda da Bolsa de 1929: Shirley Temple (photo by highlighthollywood.com)

A estrela mirim que buscava derrotar as consequências econômicas da Queda da Bolsa de 1929: Shirley Temple (photo by highlighthollywood.com)

THE 6th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1934

16 de Março de 1934

Cavalgada, de Frank Lloyd

Cavalgada, de Frank Lloyd

MELHOR FILME
– Rua 42 (42nd Street)
– Adeus às Armas (A Farewell to Arms)
• Cavalgada (Cavalcade)
– O Fugitivo (I Am a Fugitive from a Chain Gang)
– Dama por um Dia (Lady for a Day)
– As Quatro Irmãs (Little Women)
– Os Amores de Henrique VIII (The Private Life of Henry VIII)
– Uma Loira Para Três (She Done Him Wrong)
– O Amor que Não Morreu (Smilin’ Through)
– Feira de Amostras (State Fair)

MELHOR DIRETOR
• Frank Lloyd (Cavalgada)
– Frank Capra (Dama por um Dia)
– George Cukor (As Quatro Irmãs)

MELHOR ASSISTENTE DE DIREÇÃO
• Charles Barton (Paramount)
• Scott R. Beal (Universal)
• Charles Dorian (MGM)
• Fred Fox (UA)
• Gordon Hollingshead (Warner Bros.)
• Dewey Starkey (RKO Radio)
• William Tummel (Fox)
– Al Alleborn (Warner Bros.)
– Sid Brod (Paramount)
– Orville O. Dull (MGM)
– Percy Ikerd (Fox)
– Arthur Jacobson (Paramount)
– Edward Killy (RKO Radio)
– Joseph A. McDonough (Universal)- William J. Reiter (Universal)
– Frank Shaw (Warner Bros.)
– Ben Silvey (UA)
– John Waters (MGM)

MELHOR ATOR
– Leslie Howard (Romance Antigo)
• Charles Laughton (Os Amores de Henrique VIII) – Charles Laughton não estava presente na cerimônia. O colega indicado Leslie Howard aceitou o prêmio em seu nome
 – Paul Muni (O Fugitivo)

MELHOR ATRIZ
• Katharine Hepburn (Manhã de Glória) – Katharine Hepburn não estava presente na cerimônia
– May Robson (Dama por um Dia)
– Diana Wynyard (Cavalgada)

MELHOR ROTEIRO, HISTÓRIA ORIGINAL
•  Robert Lord (A Única Solução)
– Frances Marion (O Pugilista e a Favorita)
– Charles MacArthur (Rasputin e a Imperatriz)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Robert Riskin (Dama por um Dia)
• Victor Heerman, Sarah Y. Mason (As Quatro Irmãs)
– Paul Green, Sonya Levien (Feira de Amostras)

MELHOR FOTOGRAFIA
• Charles Lang (Adeus às Armas)
– George J. Folsey (Reunião em Vienna)
– Karl Struss (O Sinal da Cruz)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• William S. Darling (Cavalgada)
– Hans Dreier, Roland Anderson (Adeus às Armas)
– Cedric Gibbons (A Rival da Esposa)

MELHOR SOM
– Nathan Levinson (Rua 42)
• Franklin Hansen (Adeus às Armas)
– Nathan Levinson (Cavadoras de Ouro)
– Nathan Levinson (O Fugitivo)

MELHOR CURTA-METRAGEM – COMÉDIA
• So This is Harris!, de Lou Brock
– Mister Mugg, de Warren Doane
– A Preferred List, de Lou Brock

MELHOR CURTA-METRAGEM – DRAMA
• Krakatoa, de Joe Rock
– Menu, de Pete Smith
– Morze

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
• Os Três Porquinhos, de Walt Disney
– Arranhando o Céu, de Walt Disney
– The Merry Old Soul, de Walter Lantz

THE 5th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1932

18 de Novembro de 1932

Grande Hotel, de Edmund Goulding

Grande Hotel, de Edmund Goulding

MELHOR FILME
– Médico e Amante (Arrowsmith)
– Depois do Casamento (Bad Girl)
– O Campeão (The Champ)
– Sede de Escândalo (Five Star Final)
• Grande Hotel (Grand Hotel)
– Uma Hora Contigo (One Hour With You)
– O Expresso de Shanghai (The Shanghai Express)
– O Tenente Sedutor (The Smiling Lieutenant)

MELHOR ATOR
• Wallace Beery (O Campeão)
• Fredric March (O Médico e o Monstro)
– Alfred Lunt (Só Ela Sabe)

Wallace Beery (à esquerda) e Fredric March (à direita) formam o primeiro empate da Academia. Entre eles: os atores Lionel Barrymore e Conrad Nagel (photo by acertaincinema.com)

Wallace Beery (à esquerda) e Fredric March (à direita) formam o primeiro empate da Academia. Entre eles: os atores Lionel Barrymore e Conrad Nagel (photo by http://www.acertaincinema.com)

MELHOR ATRIZ
• Helen Hayes (O Pecado de Madelon Claudet)
– Marie Dressler (Emma)
– Lynn Fontanne (Só Ela Sabe)

MELHOR DIRETOR
• Frank Borzage (Depois do Casamento)
– King Vidor (O Campeão)
– Josef von Sternberg (O Expresso de Shanghai)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
•  Frances Marion (O Campeão)
– Grover Jones, William Slavens McNutt (Homem de Peso)
– Lucien Hubbard (O Preço do Dever)
– Adela Rogers St. Johns, Jane Murfin (Hollywood)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Sidney Howard (Médico e Amante)
•  Edwin J. Burke (Depois do Casamento)
– Percy Heath, Samuel Hoffenstein (O Médico e o Monstro)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Ray June (Médico e Amante)
– Karl Struss (O Médico e o Monstro)
• Lee Garmes (O Expresso de Shanghai)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Lazare Meerson (A Nós a Liberdade)
– Richard Day (Médico e Amante)
• Gordon Wiles (Transatlântico)

MELHOR SOM
• Paramount Publix Studio Sound Department
– MGM Studio Sound Department
– RKO Radio Studio Sound Department
– Warner Bros. – First National Studio Sound Department
– Walt Disney

MELHOR CURTA – COMÉDIA
• Caixa de Música, de Hal Roach
– The Loud Mouth, de Mack Sennett
– Stout Hearts and Willing Hands
– Scratch-As-Catch-Can

MELHOR CURTA-METRAGEM – DRAMA
• Wrestling Swordfish, de Mack Sennett
– Screen Souvenirs
– Swing High

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

Walt Disney recebe reconhecimento por sua criação: Mickey Mouse (photo by oscars.org)

Walt Disney recebe reconhecimento por sua criação: Mickey Mouse (photo by oscars.org)

• Flores e Árvores, de Walt Disney
– It’s Got Me Again!, de Leon Schlesinger
– Pai de Órfãos, de Walt Disney

OSCAR HONORÁRIO
Walt Disney – pela criação de Mickey Mouse

THE 4th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1931

10 de Novembro de 1931

Cimarron, de Wesley Ruggles

Cimarron, de Wesley Ruggles

MELHOR FILME
• Cimarron (Cimarron)
– Lágrimas de Amor (East Lyne)
– A Primeira Página (The Front Page)
– Skippy (Skippy)
– Mercador das Selvas (Trader Horn)

MELHOR ATOR
Lionel Barrymore (Uma Alma Livre)
– Jackie Cooper (Skippy)
– Richard Dix (Cimarron)
– Fredric March (The Royal Family of Broadway)
– Adolphe Menjou (A Primeira Página)

MELHOR ATRIZ
– Marlene Dietrich (Marrocos)
Marie Dressler (O Lírio do Lodo)
– Irene Dunne (Cimarron)
– Ann Harding (Holiday)
– Norma Shearer (Uma Alma Livre)

Vencedores Marie Dressler e Lionel Barrymore posam para as fotos (photo by albayark.net)

Vencedores Marie Dressler e Lionel Barrymore posam para as fotos (photo by albayark.net)

MELHOR DIRETOR
– Clarence Brown (Uma Alma Livre)
– Wesley Ruggles (Cimarron)
– Lewis Milestone (A Primeira Página)
– Josef von Sternberg (Marrocos)
•  Norman Taurog (Skippy)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
•  John Monk Saunders (A Patrulha da Madrugada)
– Rowland Brown (Caminhos do Inferno)
– Harry d’Abbadie d’Arrast, Douglas Z. Doty, Donald Ogden Stewart (O Melhor da Vida)
– John Bright, Kubec Glasmon (Inimigo Público)
– Lucien Hubbard, Joseph Jackson (As Mulheres Enganam Sempre)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
•  Howard Estabrook (Cimarron)
– Seton I. Miller, Fred Niblo Jr. (O Código Penal)
– Horace Jackson (Holiday)
– Francis Edward Faragoh, Robert N. Lee (Alma no Lodo)
– Joseph L. Mankiewicz, Sam Mintz (Skippy)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Edward Cronjager (Cimarron)
– Lee Garmes (Marrocos)
– Charles Lang (O Direito de Amar)
– Barney McGill (Svengali)
• Floyd Crosby (Tabu)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• Max Rée (Cimarron)
– Stephen Gooson, Ralph Hammeras (Fantasias de 1980)
– Hans Dreier (Marrocos)
– Anton Grot (Svengali)
– Richard Day (Whoopee!)

MELHOR SOM
• Paramount Publix Studio Sound Department
– MGM Studio Sound Department

– RKO Radio Sound Department
– Samuel Goldwyn-United Artists Studio Sound Department

THE 3rd ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1930 – 2

05 de Novembro de 1930

Sem Novidade no Front, de Lewis Milestone

Sem Novidade no Front, de Lewis Milestone

MELHOR FILME
•  Sem Novidade no Front (All Quiet on the Western Front)
– O Presídio (The Big House)
– Disraeli (Disraeli)
– A Divorciada (The Divorcee)
– Alvorada do Amor (The Love Parade)

MELHOR ATOR
•  George Arliss (Disraeli)
– George Arliss (A Deusa Verde)
– Wallace Beery (O Presídio)
– Maurice Chevalier (Um Romance em Veneza)
– Maurice Chevalier (Alvorada do Amor)
– Ronald Colman (Condenados)
– Lawrence Tibbett (Amor de Zíngaro)

MELHOR ATRIZ
– Nancy Carroll (Noivado de Ambição)
– Ruth Chatterton (Sarah e seu Filho)
– Greta Garbo (Anna Christie)
– Greta Garbo (Romance)
• Norma Shearer (A Divorciada)
 – Norma Shearer (Ébrios de Amor)
– Gloria Swanson (Tudo por Amor)

Vencedora por , Norma Shearer posa com seu Oscar (photo by oscars.org)

Vencedora por A Divorciada, Norma Shearer posa com seu Oscar (photo by oscars.org)

MELHOR DIRETOR
– Clarence Brown (Anna Christie)
– Clarence Brown (Romance)
– Robert Z. Leonard (A Divorciada)
– Ernst Lubitsch (Alvorada do Amor)
• Lewis Milestone (Sem Novidade no Front)
– King Vidor (Aleluia)

MELHOR ROTEIRO
– George Abbott, Maxwell Anderson, Del Andrews (Sem Novidade no Front)
• Frances Marion (O Presídio)
– Julien Josephson (Disraeli)
– John Meehan (A Divorciada)
– Howard Estabrook (Caminhos da Sorte)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Arthur Edeson (Sem Novidade no Front)
– William H. Daniels (Anna Christie)
– Tony Gaudio, Harry Perry (Anjos do Inferno)
•  Joseph T. Rucker, Willard Van der Veer (Com Byrd no Pólo Sul)
– Victor Milner (Alvorada do Amor)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– William Cameron Menzies (Amante de Emoções)
• Herman Rosse (King of Jazz)
– Hans Dreier (Alvorada do Amor)
– Jack Okey (Sally)
– Hans Dreier (O Rei Vagabundo)

MELHOR SOM
• Douglas Shearer (O Presídio)
– John E. Tribby (O Estranho Caso do Sargento Grischa)
– Franklin Hansen (Alvorada do Amor)
– Oscar Lagerstrom (Raffles)
– George Groves (A Flama)

2nd ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1930-1

03 de Abril de 1930

Melodia da Broadway, de Harry Beaumont

Melodia da Broadway, de Harry Beaumont

MELHOR FILME
– O Peso da Lei (Alibi)
• Melodia da Broadway (The Broadway Melody)
– Hollywood Revue (The Hollywood Revue of 1929)
– No Velho Arizona (In Old Arizona)
– Alta Traição (The Patriot)

MELHOR ATOR
– George Bancroft (O Homem de Mármore)
• Warner Baxter (No Velho Arizona)
– Chester Morris (O Peso da Lei)
– Paul Muni (The Valiant)
– Lewis Stone (Alta Traição)

MELHOR ATRIZ
– Ruth Chatterton (Madame X)
– Betty Compson (Sangue de Boêmio)
– Jeanne Eagels (A Carta)
– Corinne Griffith (A Dama Divina)
– Bessie Love (Melodia da Broadway)
• Mary Pickford (Coquete)

Vencedora por Coquete, Mary Pickford posa elegantemente (photo by goldderby.latimes.com)

Vencedora por Coquete, Mary Pickford posa elegantemente (photo by goldderby.latimes.com)

MELHOR DIRETOR
– Lionel Barrymore (Madame X)
– Harry Beaumont (Melodia da Broadway)
– Ernst Lubitsch (Alta Traição)
• Frank Lloyd (A Dama Divina)
– Frank Lloyd (Drag)
– Frank Lloyd (Regeneração)

MELHOR ROTEIRO
– Elliott J. Clawson (O Polícia)
– Tom Barry (No Velho Arizona)
– Hanns Kräly (A Cativante Viuvinha)
– Elliott J. Clawson (O Laço de Amizade)
– Josephine Lovett (Garotas Modernas)
• Hanns Kräly (Alta Traição)
– Elliott J. Clawson (Obrigado a Casar)
– Elliott J. Clawson (Hércules do Arranha-Céu)
– Tom Barry (The Valiant)
– Bess Meredyth (Mulher de Brio)
– Bess Meredyth (Prodígio das Mulheres)

MELHOR FOTOGRAFIA
– John F. Seitz (A Dama Divina)
– Ernest Palmer (Os Quatro Diabos)
– Arthur Edeson (No Velho Arizona)
– George Barnes (Garotas Modernas)
– Ernest Palmer (O Anjo das Ruas)
• Clyde De Vinna (Deus Branco)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– William Cameron Menzies (O Peso da Lei)
– William Cameron Menzies (O Despertar de uma Mulher)
• Cedric Gibbons (A Ponte de San Luis Rey)
– Mitchell Leisen (Dinamite)
– Hans Dreier (Alta Traição)
– Harry Oliver (O Anjo das Ruas)

THE 1st ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1929

16 de Maio de 1929

Asas, de William A. Wellman: o primeiro vencedor de Melhor Filme

Asas, de William A. Wellman: o primeiro vencedor de Melhor Filme

MELHOR FILME – PRODUÇÃO
• Asas (Wings)
– A Lei dos Fortes (The Racket)
– Sétimo Céu (Seventh Heaven)

MELHOR FILME – PRODUÇÃO ARTÍSTICA
• Aurora (Sunrise: A Song of Two Humans)
– Chang: A Drama of the Wilderness
– A Turba (The Crowd)

MELHOR DIRETOR – COMÉDIA
• Lewis Milestone (Dois Cavaleiros Árabes)
– Ted Wilde (O Ás da Velocidade)

MELHOR DIRETOR – DRAMA
• Frank Borzage (Sétimo Céu)
– Herbert Brenon (Lágrimas de Homem)
– King Vidor (A Turba)

MELHOR ATOR
– Richard Barthelmess (Segredo da Morte)
– Richard Barthelmess (Entre Luvas e Baionetas)
• Emil Jannings (A Última Ordem) (Tentação da Carne)

O primeiro Melhor Ator do Oscar, Emmil Jannings, também foi o primeiro ausente na cerimônia. Recebeu o prêmio já na Europa. (photo by larevista.mx)

O primeiro Melhor Ator do Oscar, Emil Jannings, também foi o primeiro ausente na cerimônia. Recebeu o prêmio já na Europa. (photo by larevista.mx)

MELHOR ATRIZ
– Louise Dresser (A Outra Pátria)
• Janet Gaynor (Aurora) (Sétimo Céu) (Anjo das Ruas)
– Gloria Swanson (Sedução do Pecado)

A bela Janet Gaynor: a primeira melhor atriz do Oscar (photo by ssasdiary.blogspot.com)

A bela Janet Gaynor: a primeira melhor atriz do Oscar (photo by ssasdiary.blogspot.com)

MELHOR ROTEIRO – HISTÓRIA ORIGINAL
– Lajos Biró (A Última Ordem)
• Ben Hecht (Paixão e Sangue)

MELHOR ROTEIRO – ADAPTAÇÃO
– Anthony Coldeway (Primavera de Espinhos)
– Alfred A. Cohn (O Cantor de Jazz)
• Benjamin Glazer (Sétimo Céu)

MELHORES LETREIROS, CRÉDITOS
Joseph Farnham
– George Marion Jr.
– Gerald C. Duffy (A Vida Privada de Helena de Tróia)

MELHOR FOTOGRAFIA
– George Barnes (A Bailarina Diabólica)
– George Barnes (A Chama do Amor)
– George Barnes (Sedução do Pecado)
• Charles Rosher, Karl Struss (Aurora)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• William Cameron Menzies (Mulher Cobiçada)
William Cameron Menzies (A Tempestade)
– Harry Oliver (Sétimo Céu)
– Rochus Gliese (Aurora)

MELHORES EFEITOS
• Roy Pomeroy (Asas)
– Nugent Slaughter
– Ralph Hammeras

OSCAR HONORÁRIO
• Cantor de Jazz, de Alan Crosland: o primeiro filme com som que revolucionou a indústria
• O Circo, de Charles Chaplin

Cena de O Cantor de Jazz: Al Jolson foi o primeiro a falar num filme (photo by billdesowitz.com)

Cena de O Cantor de Jazz: Al Jolson foi o primeiro a falar num filme (photo by billdesowitz.com)

Charles Chaplin em cena de O Circo (photo by telecinebrasil.blogspot.com)

Charles Chaplin em cena de O Circo (photo by telecinebrasil.blogspot.com)

Anúncios

Rapidinhas de Cannes 2013

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

Nada como um tapete vermelho para promover os filmes em exibição em Cannes. Mesmo não se tratando de um candidato ao prêmio máximo, a Palma de Ouro, o novo filme de Sofia Coppola, Bling Ring: A Gangue de Hollywood, encarregou-se de atrair os holofotes da mídia, uma vez que sua atriz principal é ninguém menos que a jovem Emma Watson, a Hermione da série Harry Potter. Vista como talento promissor, Watson interpreta um membro de uma gangue de adolescentes que assalta casas e mansões de celebridades de Hollywood depois de obter informações pela internet.

Certa vez li numa publicação nacional que Sofia Coppola, filha do lendário diretor Francis Ford Coppola, só fazia filmes sobre patologias da burguesia atual, tais como melancolia e vazio existencial. Claro que As Virgens Suicidas (1999), Encontros e Desencontros (2003) e Maria Antonieta (2006) dialogam com essa temática, mas nem por isso deixam de apresentar perspectivas interessantes. Neste novo trabalho, ela procura destrinchar o universo adolescente de hoje através dessa obsessão quase doentia de transpôr a vida pessoal nas redes sociais. Os ladrões da gangue não precisam necessariamente do dinheiro, mas buscam o glamour das estrelas através de jóias e roupas caras e postar as fotos para os amigos e seguidores virtuais apreciarem. Novos tempos.

Em entrevista no festival, a diretora e roteirista, Sofia Coppola, brincou: “Sou tão feliz por não ter tido Facebook quando eu era adolescente!”. Claire Julien, outra atriz do filme, declarou: “Facebook hoje é quase uma obrigação, porque todo mundo tem e você acha que vai ficar pra trás se não tiver”.

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Apesar de todo o burburinho em volta de Bling Ring: A Gangue de Hollywood, o filme que acabou se destacando mais na competição Un Certain Regard até o momento foi o drama independente americano Fruitvale Station. Baseado em fatos verídicos, o longa conta a história do jovem negro que foi assassinado por policiais brancos em 2008.

Após sua exibição, o longa foi aplaudido de pé por cinco minutos. Muitos da mídia apostam que o primeiro longa de Coogler tem grandes chances de repetir o feito de outra produção independente: Indomável Sonhadora, pois igualmente conquistou o Grande Prêmio de Sundance esse ano, tem ótimas possibilidades de conquistar um prêmio em Cannes e poderá concorrer em principais categorias do Oscar 2014, inclusive como Melhor Ator (Michael B. Jordan), que arrancou críticas excepcionais. Aliás, o Oscar deve se tornar realidade, pois a Weinstein Company, que costuma fazer lobbys bem fortes, comprou os direitos do filme.

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

Já pela competição oficial, o novo filme do conceituado diretor François Ozon também busca destrinchar esse vazio da juventude atual em Jeune et Jolie. Logo tachado como o novo A Bela da Tarde pela imprensa internacional, o filme acompanha a trajetória da jovem de 17 anos que procura sexo por puro prazer, sem necessidades financeiras ou mesmo culpa. A semelhança com a história da brasileira Bruna Surfistinha é nítida, mas digamos que Ozon oferece um olhar mais intimista e delicado, a começar pela escolha da protagonista.

Descoberta aos 17 anos como modelo, Marine Vacth, impressionou a todos com sua beleza exuberante. Porém, o diretor não buscava apenas beleza: “Em seus olhos, eu podia ver que havia um mundo inteiro ali. Um mistério e uma tristeza que eram exatamente o que procurava no meu filme”.

Assim como o filme foi comparado ao de Luís Buñuel, obviamente ela também foi comparada à musa Catherine Deneuve. Em resposta, Marine foi sucinta e profissional: “Não sou Catherine Deneuve. Quero ser eu mesma e não seguir os passos dos outros”. Se ela e o agente souberem escolher sabiamente futuros projetos, a atriz tem tudo para conquistar novos horizontes, como fez a francesa Eva Green, por exemplo.

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, Johnn Goodman e o músico T-Bone Burnett

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, John Goodman e o músico T-Bone Burnett

Já considerado favorito à Palma de Ouro, o novo trabalho dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, apresenta o protagonista-título como um cantor folk no cenário musical da Nova York de 1961. Apesar de fictício, o personagem seria uma mistura de vários artistas musicais da época, inclusive de Bob Dylan, que o filme tem ligação quase direta.

Inside Llewyn Davis seria um road movie, com direito a um gato chamado Ulisses (referência direta de Homero, cuja obra “A Odisséia” foi adaptado pelos irmãos Coen em E Aí, Irmão, Cadê Você? em 2000) e o mesmo ator do road movie de Walter Salles, Na Estrada, Garrett Hedlund. Entretanto, o maior elogio foi para a atuação do protagonista, Oscar Isaac, pois além de sua interpretação, canta as composições do músico T-Bone Burnett. Seria mais um fortíssimo candidato ao Oscar de Melhor Ator de 2014.

Trata-se da oitava indicação de Joel Coen e Ethan Coen à Palma de Ouro, tendo levado apenas uma em 1991 pelo drama Barton Fink – Delírios de Hollywood. Mas já conquistaram outros prêmios como direção pelo mesmo filme, Fargo em 1996, e por O Homem que Não Estava Lá em 2001, comprovando que os diretores são mesmo queridinhos em Cannes.

Nova geração de atores

James Dean

Marlon Brando, James Dean, Bette Davis…

Jack Nicholson, Meryl Streep, Paul Newman…

Sean Penn, Daniel Day-Lewis, Cate Blanchett…

Quais atores podem preencher seus lugares? Ou melhor: Existe esperança para o futuro? Particularmente, tenho uma visão apocalíptica, pois toda vez que um ator de qualidade nos abandona, bate logo um desânimo em mim: “Paul Newman nos deixa e sobra um Orlando Bloom…”

Mas é por causa desse pessimismo que resolvi escrever este post na tentativa de me convencer de que pode haver talento para as próximas gerações de cinéfilos admirarem. Claro que ninguém vai conseguir se equiparar a um Marlon Brando ou James Dean, mas ao analisar o trabalho de atores mais jovens, é possível perceber que há semelhanças que, se bem desenvolvidas, podem amadurecer o profissional.

Além disso, para classificar bem um ator, não basta conferir suas habilidades de interpretação ou se ele manda bem no método Stanislávski. Ele precisa saber escolher bem seus papéis em busca de novos desafios, afinal o ator que opta sempre pelos mesmos tipos de papéis acaba rotulado e limitado. É claro que vez ou outra, o ator pode (e deve) assinar um contrato milionário para pagar as contas (ainda mais se ganhou ou foi indicado ao Oscar recentemente), mas sua ânsia e ambição como intérprete deve ser sua prioridade.

Obviamente, essas “regras” que mencionei acima valem para o ator ideal, que sabe equilibrar trabalhos mais autorais com comerciais. A alternância entre ambos se mostra bastante saudável, pois em muitos trabalhos autorais, o ator esgota suas forças em nome de um personagem mais intenso, e um filme comercial em seguida tende a aliviar a pressão.

Heath Ledger (by Wireimage)

Minha melhor aposta dessa geração era Heath Ledger. Com seu constante progresso, acreditava que ele poderia ser o James Dean do século XXI, mas assim como o ídolo, acabou partindo cedo demais. Ledger alternava trabalhos comerciais com autoriais: fazia comédias comerciais como 10 Coisas que Eu Odeio em Você (1999) e Coração de Cavaleiro (2001) e dramas autorais como O Segredo de Brokeback Mountain (2005), Candy (2006) e Não Estou Lá (2007). Contudo, tratava qualquer trabalho com muita seriedade, mesmo se tratando de um blockbuster como O Patriota (2000) ou tendo um papel menor como em A Última Ceia (2001). Infelizmente, teve seu maior reconhecimento postumamente por sua incrível atuação como Coringa em Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) pelo qual ganhou o Oscar.

A lista a seguir não está em ordem de qualidade ou preferência, mas Michael Fassbender merecia estar no topo por tratar a profissão de forma mais séria.

Michael Fassbender

MICHAEL FASSBENDER

Nascido em 02 de abril de 1977 – Baden-Württemberg, Alemanha

Melhores performances: Fome (2008), X-Men: Primeira Classe (2011), Shame (2011) e Prometheus (2012)

O ator alemão tem se tornado o talento mais almejado por diretores renomados como Ridley Scott e Steven Soderbergh. Apesar do currículo ainda ser pequeno, Fassbender tem procurado selecionar papéis mais densos que possa explorar seus limites como ator.

Em seu primeiro papel de destaque no filme independente Hunger, ele vive o ativista político Bobby Sands que faz greve de fome na prisão. Assim como fez Christian Bale no thriller O Operário, Fassbender perdeu muito peso para dar mais verossimilhança ao personagem. Ele chegou a perder 14 quilos, ficando com 59kg, ou seja, dedicação do nível de Robert De Niro.

Depois de ser descoberto, preferiu ser eclético em suas escolhas. No filme britânico Fish Tank (2009), interpretou Connor, um homem que tem um relacionamento com uma mãe solteira e com a filha adolescente dela. Já no cult de Tarantino, Bastardos Inglórios, dá vida ao Tenente Archie Hicox numa das melhores cenas do filme que se passa num bar.

E mesmo aceitando uma proposta alta para um blockbuster como X-Men: Primeira Classe, Michael Fassbender não desaponta. Ele encarna Erik Lensherr, o mutante Magneto, com muita propriedade e seriedade (que muitas vezes faltam a atores que consideram histórias em quadrinhos algo infantil). A atuação dele como Magneto em nada perde para a interpretação do veterano Ian McKellen na trilogia anterior dos X-Men e ainda lhe serve de complemento. Toda a dor e angústia do personagem que teve seus pais mortos no campo de concentração transborda em seu olhar do início ao fim do filme.

Em 2011, foi bastante elogiado por sua coragem e atuação em sua segunda parceria com o diretor Steve McQueen, Shame. Nele, Fassbender faz um viciado em sexo (paquera no metrô, pornografia na internet, prostitutas) que vê sua rotina interrompida quando sua irmã mais nova passa uns dias em seu apartamento. Shame se mostra um ótimo estudo de personagem e possibilita o público de acompanhar sua degradação até o fundo do poço, e felizmente, não tem a intenção de julgar e dar lição de moral. Como um solitário numa metrópole como Nova York, o ator explora a linguagem corporal e de olhares, tendo que abdicar de diálogos.

Recentemente, foi escolhido para dar vida ao ciborgue David em Prometheus (2012), considerado um prequel de Alien – O Oitavo Passageiro (1979), do mesmo Ridley Scott. Seguindo uma tradição de ciborgues na série Alien, Fassbender consegue apresentar algumas sutilezas que o tornam no melhor personagem do filme. Seu lado mecânico é quase imperceptível, seja através do tom de voz, pelas pausas entre as frases, por algum movimento de sua cabeça e em seu cabelo arrumadinho (!).

Fique de olho em: 12 Years a Slave (2013) e O Conselheiro do Crime (2013).

BEN FOSTER

Nascido em 29 de outubro de 1980 – Massachusetts, EUA

Melhores performances:Os Indomáveis (2007), O Mensageiro (2009)

Para o grande público, talvez a participação mais destacada dele seja como o mutante Anjo em X-Men 3 – O Confronto Final, mas para quem conferiu o bom western Os Indomáveis, sabe que ele está longe de ser um ator de rostinho bonito. Foster, assim como o grande ator Daniel Day-Lewis, abre mão de sua imagem para construir a do personagem. Com dois bons atores como Russell Crowe e Christian Bale, ele consegue roubar a cena ao viver o pistoleiro letal Charlie Prince. Para incrementar sua performance, foi treinado por um renomado especialista em armas de Hollywood.

Mas para chegar ao patamar das estrelas, Ben Foster teve um longo caminho desde o final dos anos 90, quando começou a atuar em filmes, vivendo o irmão do então desconhecido Adrien Brody em Ruas da Liberdade (1999) e conquistando seu papel de protagonista no drama Bang, Bang! Você Morreu! (2002), cujo personagem é um estudante que sofre de bullying.

Porém, o filme que lhe trouxe certa projeção foi em Refém (2005), estrelado por Bruce Willis. Ben Foster não fazia o tipo físico que o papel exigia (era bem forte e pesado), mas ele decidiu compensar a aparência seguindo uma outra direção. Baseou seu personagem num assassino real que viu seus pais morrerem e passou a ter um fetiche por meninas e observar pessoas morrerem.

Em 2009, já mais experiente, no drama de guerra O Mensageiro, o ator impressiona pela economia e as nuances. Seu personagem, o sargento Will Montgomery, é incumbido da ingrata tarefa de informar aos familiares a morte de soldados na guerra. Como o protocolo manda, não deve haver sentimento ou qualquer contato físico no momento do aviso, mas ele acaba se envolvendo com a viúva interpretada por Samantha Morton. Ambos juntamente com Woody Harrelson formam uma fortíssima trinca de atores, o que acabou valorizando ainda mais Ben Foster.

Recentemente, fez dois filmes de ação. Um ao lado do veterano cara-de-pedra Jason Statham em Assassino a Preço Fixo (2011) e outro com Mark Whalberg em Contrabando (2012), nos quais deve aprimorar sua técnica com armas de fogo e forma física (pra não se limitar aos papéis de homens magrelos!). Também trabalhou sob o comando de Fernando Meirelles no inédito por aqui 360, que contou com Anthony Hopkins, Jude Law e Rachel Weisz.

Fique de olho em: Kill Your Darlings (2013), Ain’t Them Bodies Saints (2013)

James Franco

JAMES FRANCO

Nascido em 19 de abril de 1978 – Califórnia, EUA

Melhores performances: Trilogia de Homem-Aranha (2002/2004/2007), Segurando as Pontas (2008), Milk – A Voz da Igualdade (2008) e 127 Horas (2010)

A primeira vez que vi James Franco, ele estava subindo ao palco do Globo de Ouro para receber o prêmio de melhor ator em minissérie. Ele interpretou a lenda James Dean (que aliás tem uma aparência bem semelhante) na série James Dean e ganhou notoriedade juntamente com o sucesso da série Freaks & Geeks, sobre a vida colegial. Atualmente, faz sucesso com sua participação em General Hospital.

Já no cinema, aceitou o papel de Norman Osborn, melhor amigo de Peter Parker, nos 3 filmes do Homem-Aranha e sua carreira decolou. Dirigido por Sam Raimi, seu personagem foi se tornando mais denso até o terceiro filme, quando tem de confrontar o fantasma de seu pai, o Duende Verde, e destruir seu outrora melhor amigo, Peter Parker (Tobey Maguire).

Mais recentemente, foi indicado ao Oscar pelo ciclista aventureiro de 127 Horas, Aaron Ralston. Foi um grande teste de fogo para o talento de Franco, que segurou praticamente o filme todo sozinho, uma vez que seu personagem (verídico) fica preso a uma rocha nos Canyons em Utah.

Sua escolha de papéis tem sido bem eclética. Além de Franco ter feito comédias como Segurando as Pontas e Sua Alteza?, foi bastante elogiado pelo papel do ativista homossexual Scott Smith de Milk – A Voz da Igualdade e provou ter carisma necessário para estrelar o Planeta dos Macacos: A Origem.

Talvez sua melhor qualidade seja seu lado eclético em relação a gêneros (dramas, comédias, romances, ficção científica) e linguagem (cinema, TV e minissérie).

Fique de olho em: Spring Breakers: Garotas Perigosas (2013), Lovelace (2013) e Oz: Mágico e Poderoso (2013)

RYAN GOSLING

Nascido em 12 de novembro de 1980 – Ontário, Canadá

Ryan Gosling

Melhores performances: Half Nelson (2006), A Garota Ideal (2007), Tudo Pelo Poder (2011), Drive (2011)

Para quem conheceu este ator canadense pelo filme romântico Diário de uma Paixão (2004), pode ter se levado pelas aparências. “Lá vem mais um galã sem talento de Hollywood”. Ledo engano. Gosling é o ator mais preciso de sua geração. Cada gesto, cada olhar, cada movimento tem um peso significante para a cena. Se você piscar, pode perder muita coisa.

Isso certamente se reflete em suas escolhas. A maioria de seus personagens possui um comportamento mais introspectivo. O motorista-dublê de Drive, o assessor político Stephen Meyers de Tudo Pelo Poder e obviamente, o tímido Lars que encontra sua paixão numa boneca inflável em A Garota Ideal apresentam essa característica em comum. O silêncio, assim como a distância emocional, costuma ser um item relevante para  a escolha do próximo trabalho de Gosling, que faz valer aquele velho ditado: “Menos é mais”. Enquanto tem ator “se esgoelando e se esperneando” sem necessidade, ele resolve com minúcias.

Foi indicado ao Oscar em 2007 pela interpretação do professor de colégio Dan Dunne que tem o hábito de se drogar de Half Nelson – Encurralados.

Fique de olho em: Caça aos Gângsteres (2012), Only God Forgives (2012)

Carey Mulligan

CAREY MULLIGAN

Nascida em 28 de maio de 1985 – Londres, Inglaterra

Melhores performances: Educação (2009), Não me Abandone Jamais (2010), Shame (2011), Drive (2011)

Esta jovem inglesa começou no cinema sem grande alarde num papel menor em Orgulho e Preconceito (2005). Seus traços de menina ajudaram a conquistar a vaga da protagonista Jenny de Educação, mas foi graças ao seu talento que pôde interpretar o momento de amadurecimento de sua personagem e consequentemente ter sido reconhecida com uma indicação ao Oscar.

Em seguida, foi escalada pelo veterano Oliver Stone para atuar na sequência de Wall Street como a filha de Michael Douglas. Muita gente fala do Shia LaBeouf, protagonista dessa sequência, mas sinceramente vejo Mulligan como uma das grandes descobertas dos últimos anos.

Como seu parceiro de tela Ryan Gosling, Carey soube trabalhar nuances com sua personagem quieta e acanhada de Drive, como já fizera no drama futurista de Mark Romanek, Não me Abandone Jamais. E já em Shame, foi a falastrona e carente irmã do personagem de Michael Fassbender. Esse trabalho pôde comprovar a consistência do talento de Mulligan. Voltar a ser indicada e ganhar o Oscar é mera questão de tempo.

Fique de olho em: O Grande Gatsby (2012) e Inside Llewyn Davis (2013)

CHLOE GRACE MORETZ

Nascida em 10 de fevereiro de 1997 – Georgia, EUA

Chloë Grace-Moretz

Melhores performances: Kick-Ass – Quebrando Tudo (2010), Deixe-me Entrar (2010), A Invenção de Hugo Cabret (2011)

Eu sei que ainda pode ser cedo demais para incluir uma menina como Moretz aqui, mas ela muito me lembra Jodie Foster, que foi um prodígio aos 12 anos trabalhando com Martin Scorsese em Alice Não Mora Mais Aqui (1974) e em Taxi Driver (1976), que surpreendeu a todos como a prostituta Iris.

Apesar de ainda não ter vivido uma prostituta, Moretz costuma escolher papéis adultos para crianças. A postura de suas personagens têm maturidade avançada que lhe cai como uma luva. Mesmo em sua curta participação na comédia romântica (500) Dias com Ela, sua jovem Rachel parece bem mais preparada para o romance do que Tom, o protagonista adulto vivido por Joseph Gordon-Levitt.

Na refilmagem do sueco Let the Right One In, intitulado Deixe-me Entrar, ela vive uma vampira de 12 anos, cuja idade real supera os 60 anos. Sua interpretação foi elogiada pela crítica e graças a ela, ofereceram o papel da problemática Carrie White da refilmagem Carrie (1976).

Seu trabalho tem atraído a atenção de diretores renomados como Tim Burton, que a chamou para viver Carolyn Stoddard em Sombras da Noite. A trajetória de sucesso de Chloë Grace Moretz parece bem traçada, mas como se trata de uma garota, precisa ser bem amparada pelos pais e agente para que não tome rumos obscuros como o de Macaulay Culkin ou Edward Furlong.

Fique de olho em: Carrie – A Estranha (2013), The Drummer (2013)

Jennifer Lawrence

JENNIFER LAWRENCE

Nascida em 15 de Agosto de 1990 – Kentucky, EUA

Melhores performances: Inverno da Alma (2010), X-Men: Primeira Classe (2011)

Um dos primeiros trabalhos de Jennifer no cinema foi com o roteirista mexicano Guillermo Arriaga no drama Vidas que se Cruzam (2008). Apesar de ter atuado ao lado de atrizes experientes como Charlize Theron e Kim Basinger, ela só conseguiu se destacar com o drama independente Inverno da Alma (2010), no qual interpretou uma jovem em busca do pai traficante em terrenos perigosos a fim de tentar manter a casa de sua família. Para viver Ree Dolly, Lawrence abdicou de qualquer beleza e glamour (filmado no estilo documentário), reforçando seu comprometimento com a personagem. Além disso, mesmo sua atuação sendo bastante contida, consegue demonstrar a frieza e determinação que o papel exigia. Acabou indicada para o Oscar de melhor atriz, que a levaria a assinar contratos milionários com a série nova dos X-Men e a adaptação dos best-sellers Jogos Vorazes.

Como a substituta de Rebecca Romjin-Stamos, trouxe a instabilidade e insegurança da mutante Mística na juventude, especialmente em relação à sua aparência física. Era possível enxergar a personagem imatura e indecisa sobre que lado ela defenderia com seus poderes. Recentemente, assinou para a sequência de X-Men: Primeira Classe, previsto para 2014.

E em outras produções, mesmo atuando como coadjuvante, Jennifer Lawrence rouba suas cenas. Em Like Crazy (2011), como a namorada preterida de Jacob, que encara os sentimentos de forma silenciosa. Ou em Um Novo Despertar (2011), onde vive a líder de torcida Norah, que não consegue digerir a morte de seu irmão. Numa entrevista de making of, a atriz e diretora do filme, Jodie Foster, confessa que gostaria de ter descoberto o talento de Jennifer, mas que sua escolha para o papel foi mais do que acertada.

Fique de olho em: Serena (2013), Jogos Vorazes: Em Chamas (2013), Trapaça (2013)

EMMA STONE

Emma Stone

Nascida em 06 de novembro de 1988 – Arizona, EUA

Melhores performances: A Mentira (2010), Histórias Cruzadas (2012)

Apesar de ter feito trabalhos mais dramáticos, Emma Stone claramente tem uma veia cômica que deve ser melhor explorada. Mesmo em meio ao clima tenso de racismo do Mississipi no drama Histórias Cruzadas, sua personagem Skeeter consegue aliviar e divertir com seus modismos fora dos padrões da sociedade e consegue conquistar o público.

Mas o forte mesmo de Emma Stone são as comédias, tanto que seu histórico não nega: Superbad – É Hoje (2007), O Roqueiro (2008), A Casa das Coelhinhas (2008), Minhas Adoráveis Ex-Namoradas (2009) e Zumbilândia (2009). Desde sua estréia em Superbad, ela se mostra mais inclinada para o gênero, pois é bastante desinibida e como muitos atores que marcaram pela comédia, a ruiva não se importa em se expôr ao rídiculo.

Emma conquistou muitos fãs depois que atuou na comédia teen A Mentira (2010). Com muitas caras e bocas, a atriz gera o carisma necessário para que o público apoie sua personagem em suas boas intenções e mentiras brancas. Stone assume a visão divertida da história, possibilitando que a comédia dê certo. E a Associação de Imprensa Estrangeira viu esse dom da atriz e reconheceu seu trabalho com uma indicação ao Globo de Ouro.

No blockbuster deste ano, O Espetacular Homem-Aranha, apesar de não haver muito espaço, ela se desdobra numa sequência aparentemente simples para esconder Peter de seu pai que está escondido em seu quarto. Também apresentou boa química com Andrew Garfield e deve estar na sequência.

Fique de olho em: Caça aos Gângsteres (2012), Os Croods (2013)

Jeremy Renner

JEREMY RENNER

Nascido em 07 de janeiro de 1971 – Califórnia, EUA

Melhores performances: Guerra ao Terror (2008), Atração Perigosa (2010), Os Vingadores (2012)

Curiosamente, desde a época da escola, Renner gostava de atuar como policial em peças de teatro, pois estava dividido entre seguir a carreira de ator e agente da lei. Desde meados dos anos 90, o ator participou de produções menores como a comédia Senior Trip (1995), mas só captou a atenção dos críticos como o serial killer Jeffrey Dahmer em Dahmer (2002), que lhe rendeu uma indicação no Independent Spirit Award.

Cansado da época das vacas magras, Jeremy aceitou atuar na adaptação da série de TV da década de 70, S.W.A.T. – Comando Especial (2003) ao lado de um ascendente Colin Farrell e experiente Samuel L. Jackson. Seguindo seu treinamento (e provavelemente sede) por armas de fogo, viveu o atirador de elite de zumbis Doyle em Extermínio 2 (2007) e como coadjuvante no faroeste O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford (2007).

Apesar de suas habilidades policiais e bélicas, a diretora Kathryn Bigelow ficou impressionada com a interpretação humanista dele como serial killer no independente Dahmer e ofereceu o papel que mudou sua carreira: o sargento William James de Guerra ao Terror (2008). Ao dar profundidade ao especialista em desarme de bombas, Jeremy Renner foi indicado ao Oscar de melhor ator e felizmente, esse reconhecimento lhe trouxe melhores oportunidades que logo abraçou.

Aceitou participar do segundo filme dirigido por Ben Affleck, Atração Perigosa (2010), mas desta vez num papel do outro lado da lei: um assaltante de bancos. De volta a um personagem coadjuvante, Jeremy imprime tridimensionalidade ao seu personagem em poucas cenas, trabalhando como ninguém o comportamento violento e instável. Novamente foi indicado ao Oscar.

Agora, com seu talento mais do que provado, o ator passa a colher frutos. Nesse ano, viveu o herói Gavião Arqueiro no mega-sucesso Os Vingadores – The Avengers, demonstrando segurança e a frieza necessárias para um arqueiro, e neste segundo semestre, ele assume o papel de protagonista nos filmes do agente Jason Bourne em O Legado Bourne. Não, ele não toma o papel que era de Matt Damon, mas um outro agente que participou do mesmo programa do governo. À princípio, fiquei meio receoso por achar que se tratava apenas de uma produção que se aproveitaria da fama do personagem, mas se você conferir o trailer, deve mudar de idéia.

Fique de olho em: O Legado Bourne (2012), Hansel e Gretel: Caçadores de Bruxas (2013), Trapaça (2013)

MARK RUFFALO 

Mark Ruffalo

Nascido em 22 de novembro de 1967 – Wisconsin, EUA

Melhores performances: Conte Comigo (2000), Colateral (2004), Zodíaco (2007), Minhas Mães e Meu Pai (2010)

No meio de tantos jovens, Mark já parece um veterano. Começou a atuar em filmes desde 1993, mas foi só em 200o que passou a chamar a atenção. Sua atuação como Terry, um irmão há muito sumido que aparece para pedir dinheiro emprestado da irmã (Laura Linney) em Conte Comigo mostrou que uma nova face de atores contidos estava surgindo no horizonte. Ruffalo conquistou alguns prêmios na época como coadjuvante e inclusive o New Generation Award da Associação de Críticos de Los Angeles.

Em seus próximos trabalhos, ele continuou atuando como coadjuvante em bons dramas como Minha Vida Sem Mim (2003) da diretora espanhola Isabel Coixet, no polêmico Em Carne Viva (2005) de Jane Campion e até em filmes de ação como A Última Fortaleza (2001) e Códigos de Guerra (2002).

Felizmente, novas oportunidades surgiram para que Mark Ruffalo pudesse mostrar seu talento. Tornou-se aquilo que os diretores chamam de “coadjuvante de luxo”, ou seja, ótimo ator para servir de apoio para o protagonista. E foi exatamente isso que ele fez com maestria em: Colateral, vivendo um policial mais malandro que investiga os crimes de Vincent (Tom Cruise); Em Zodíaco, vive o inspetor Toschi que está obstinado pela busca do serial killer Zodíaco por décadas (particularmente, considero esta sua melhor atuação); E no drama familiar Minhas Mães e Meu Pai, interpretando o solteirão Paul que enfrenta a paternidade de forma inusitada. Por este papel, Ruffalo finalmente recebeu uma indicação ao Oscar.

Também vale ressaltar que, apesar de Mark parecer estar sempre aguardando uma oportunidade para ser um ator-protagonista, tem um imenso carisma que pode ser conferido nas comédias De Repente 30 (2004) e E se Fosse Verdade… (2005). E agora que roubou a cena no blockbuster de 2012, Os Vingadores, vivendo Bruce Banner, poderiam finalmente produzir um filme solo do Hulk para ele, certo?

Fique de olho em: Thanks for Sharing (2012), Now You See Me (2013), The Normal Heart (2014)

Saoirse Ronan

SAOIRSE RONAN (pronuncia-se “Sãr-shã”)

Nascida em 12 de abril de 1994 – Nova York, EUA

Melhores performances: Desejo e Reparação (2007), Um Olhar do Paraíso (2009), Hanna (2011)

Aos 13 anos, Saoirse Ronan abraçou sua personagem dedo-duro Briony Tallis do drama Desejo e Reparação, baseado no ótimo romance de Ian McEwan, Atonement, e deixou de ser mais uma atriz-mirim para alcançar o estrelato com uma merecida indicação ao Oscar de atriz coadjuvante. Ao contrário da maioria dos jovens talentos, ela não partiu para os papéis destinados a crianças e pré-adolescentes. Não. Saoirse tinha fome de desafios e foi o que Peter Jackson lhe propôs no drama extraordinário Um Olhar do Paraíso, uma vez que interpreta uma jovem assassinada, que assiste do céu à degradação de sua família após seu assassinato. Curiosamente, ainda desconhecida na época, ela enviou uma fita de teste da Irlanda (país que morou desde os 3 anos). Todos ficaram tão impressionados que ela foi escolhida sem ter que encontrá-la antes.

Continuando sua escalada de desafios, foi chamada novamente pelo diretor Joe Wright (de Desejo e Reparação) para ser a protagonista de Hanna. No filme, Saoirse é uma jovem de 16 anos treinada pelo pai para ser a assassina perfeita para cumprir uma missão na Europa. Ela é perseguida incansavelmente pela agente Marissa (Cate Blanchett) e busca sua sobrevivência do início ao fim. Devido ao alto nível de exigência física, a atriz se submeteu a um rigoroso treinamento de 4 horas diárias por 2 meses para alcançar o patamar necessário da personagem. Saoirse Ronan não decepciona, sendo um equilíbrio de frieza e delicadeza que a história precisava.

Também se mostra bem dedicada ao ofício em se tratando de idiomas. Pelo filme de fuga e guerra de Peter Weir, Caminho da Liberdade (2010), ela aprendeu a falar russo e comprovou seu dom para sotaques.

Nesses aspectos, ela lembra bastante uma jovem Cate Blanchett que, além do forte comprometimento para viver as personagens, seja através de pesquisa e/ou mudanças físicas, busca papéis sérios de mulheres fortes e seguras. Podem anotar: Saoirse Ronan tem um futuro brilhante pela frente.

Fique de olho em: Byzantium (2012), A Hospedeira (2013), Noah (2014)

ROONEY MARA

Rooney Mara

Nascida em 17 de abril de 1985 – Nova York, EUA

Melhores performances: A Rede Social (2010), Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011)

Apesar da família da jovem Rooney Mara ser envolvida com time de futebol americano (seu pai é executivo do New York Giants), ela seguiu carreira de atriz como sua irmã, Kate Mara, tanto que ambas estrelaram o filme Lenda Urbana 3 – A Vingança de Mary (2005). Porém, foi só 2 anos depois que ganhou o papel principal no drama Tanner Hall (2009). Originalmente, ela seria escalada para um personagem coadjuvante, mas a diretora ficou impressionada e a tornou protagonista. E, de degrau em degrau, Rooney finalmente conseguiu estrelar uma grande produção: a refilmagem do clássico de terror A Hora do Pesadelo (2010).

Como em 90% das refilmagens, o filme do novo Freddy Kruger desapontou o público. Contudo, a culpa do fracasso passou longe do trabalho de Rooney Mara. Ela faz o que pode com o papel, tentando atualizar e criar novas dificuldades. Felizmente, alguns críticos enxergaram isso e ela acabou escolhida para viver a universitária Erica Albright que dá um pé na bunda do criador do Facebook, Mark Zuckerberg, no filme que definiu uma geração: A Rede Social (2010).

Sua personagem tem apenas 2 cenas chaves: o diálogo rápido sobre classes sociais no começo do filme e a discussão fria num bar com o mesmo Zuckerberg. Pouco tempo em cena, mas suficiente para comprovar o talento da moça que ficou com o tão almejado papel da hacker Lisbeth Salander em outra refilmagem (desta vez do sueco) Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011). Pra se ter uma idéia da briga por esse papel, pelo menos 17 atrizes famosas tiveram seus nomes relacionados, sendo alguns de destaque: Carey Mulligan, Ellen Page, Eva Green, Kristen Stewart, Natalie Portman, Scarlett Johansson, Anne Hathaway e até da própria atriz sueca Noomi Rapace, que atuou na trilogia original.

Para quem viu a atuação de Rapace, fica difícil não comparar com Rooney Mara, mas a americana reproduz a face sem expressão da personagem e um pouco também da aparência andrógina, mantendo uma aura de mistério importante para o andamento da trama. E de forma geral, Rooney costuma emprestar uma forte intensidade muito característica sua em cada personagem que vive, me fazendo lembrar de Gena Rowlands.

Fique de olho em: The Bittel Pill (2013), Ain’t them Bodies Saints (2013), Brooklyn (2014).

Tom Hardy

TOM HARDY

Nascido em 15 de setembro de 1977 – Londres, Inglaterra

Melhores performances: Bronson (2008), A Origem (2010), Guerreiro (2011)

Hardy começou no cinema com alguns papéis menores em filmes de relevância como Falcão Negro em Perigo (2001), Maria Antonieta (2006) e até viveu o vilão Shinzon de Star Trek: Nêmesis (2002). Após essas conquistas, ele passou a ter problemas de alcoolismo e drogas, tendo como consequência o término de um casamento de 5 anos. Mas esses tempos chuvosos não impediram Tom Hardy de voltar a exercer a profissão; pelo contrário, fortaleceram suas energias e inspirações.

Em 2003, já voltou aos palcos londrinos e nos 5 anos seguintes, participou de algumas séries televisivas como Elizabeth I: A Rainha Virgem (2005) e Oliver Twist (2007). Seu retorno ao cinema ficou marcado por dois personagens que comprovaram seu alcance físico e psicológico como profissional: o gay Handsom Bob do badalado filme de Guy Ritchie, Rock’n Rolla – A Grande Roubada (2008) e o lutador careca e bigodudo Charles Bronson de Bronson (2008. Em ambos os filmes, o ator se mostra irreconhecível, o que inevitavelmente chama a atenção de críticos e diretores de cinema.

Entre esse grupo de interessados no talento dele, felizmente, estava um dos melhores diretores e roteiristas da atualidade: Christopher Nolan, que o chamou para ingressar a trupe de atores de A Origem (2010). Apesar de contar com inúmeras estrelas como Leonardo DiCaprio, Michael Caine e Marion Cotillard, foi Tom Hardy que mais chamou a atenção nesse blockbuster com neurônios e isso já lhe rendeu um excelente reconhecimento: foi escalado novamente por Nolan para dar vida ao vilão Bane no terceiro filme do Homem-Morcego: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), que estréia neste dia 27 de julho por aqui.

Com certeza, sua atuação deve receber incontáveis e merecidos elogios, até mesmo pela repercussão mundial que a tão aguardada sequência de Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) terá, o que certamente colaborará para que o público se interesse por seus trabalhos anteriores como no bom filme de luta Guerreiro (2011). Mesmo intepretando um anti-herói, ele conquista o espectador com sua postura quieta e introspectiva, ganhando torcedores até a luta final da trama. E tais características são perfeitas para sua nova performance no filme Mad Max: Fury Road, dirigido pelo mesmo George Miller dos filmes anteriores da série protagonizada por Mel Gibson.

Só uma observação: é impressão minha ou ele tem um olhar meio Marlon Brando?

Fique de olho em: Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), Mad Max: Fury Road (2013)

***

Obviamente, ainda existem inúmeros novos talentos surgindo no âmbito do Cinema e com certeza absoluta, serei crucificado aqui por ter me esquecido de fulano e ciclano, e ainda posso ser acusado de ter dado preferência aos americanos. Mas em minha defesa, queria dizer que escolhi esses treze atores porque acredito que todos já apresentaram trabalhos de alto nível e têm potencial enorme para assumir postos de astros de Hollywood dessa geração. Se o ator ou atriz que você realmente admira não consta na lista, provavelmente significa que não conferi trabalhos suficientes para inclui-lo(a).

Inicialmente, alguns nomes como Ellen Page, Andrew Garfield, Elle Fanning, Hailee Steinfeld, Shailene Woodley, Jesse Eisenberg, Rebecca Hall, Sam Riley e Abigail Breslin foram lembrados com carinho, mas não passaram da peneira por talvez ser um pouco cedo pra apostar. Frequentemente, muitos começam com o pé direito, mas se revelam atores de um papel só. Os 13 selecionados já mataram essa dúvida.

É claro que tem aqueles que (ainda) não acho nada e são tratados como grandes esperanças, tipo um tal de Shia LaBeouf…

Espero que tenham gostado do post e gostaria de fazer novas listas promissoras num futuro não tão distante. Aguardo comentários e não esqueça de votar na enquete abaixo!