‘Argo’ resiste e vence o Oscar de Melhor Filme

O produtor e diretor Ben Affleck agradece seu Oscar, que tenta compensar sua ausência na lista de diretores (photo by dawn.com)

O produtor e diretor Ben Affleck agradece seu Oscar, que tenta compensar sua ausência na lista de diretores (photo by dawn.com)

Argo leva Melhor Filme. Ang Lee rouba o Oscar de direção. E Steven Spielberg tem seu primeiro ator vencedor do Oscar, o terceiro de Daniel Day-Lewis. A premiação do Oscar 2013 buscou ser o mais democrática possível, talvez na tentativa de compensar as ausências dos diretores Ben Affleck e Kathryn Bigelow numa noite de poucas surpresas.

Na tapete vermelho, as celebridades apostaram na simplicidade. Novamente a mais bem vestida é a atriz Jessica Chastain, desta vez num belo Giorgio Armani.

Novamente, Jessica Chastain se tornou a mais bem vestida no tapete vermelho. Trajado em Giorgio Armani, ela acerta no cabelo e no batom vermelho (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/6/)

Novamente, Jessica Chastain se tornou a mais bem vestida no tapete vermelho. Trajado em Giorgio Armani, ela acerta no cabelo e no batom vermelho (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/6/)

Mesmo não sendo uma indicada, Charlize Theron ainda fica no segundo lugar com seu vestido Dior (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Mesmo não sendo uma indicada, Charlize Theron ainda fica no segundo lugar com seu vestido Dior (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Em terceiro lugar, Jennifer Lawrence abusa um pouco também com Dior, mas ela pode (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Em terceiro lugar, Jennifer Lawrence abusa um pouco também com Dior, mas ela pode (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Com menção honrosa, incluo a modelo Miranda Kerr. Apesar do vestido Valentino estar um pouco longe de ser um dos melhores, ela valoriza a roupa na Vanity Fair party (photo by http://www.gotceleb.com)

Com menção honrosa, incluo a modelo Miranda Kerr. Apesar do vestido Valentino estar um pouco longe de ser um dos melhores, ela valoriza a roupa na Vanity Fair party (photo by http://www.gotceleb.com)

Mesmo seu usar sua arma mais poderosa, o comediante Seth MacFarlane conseguiu criar momentos de bom humor. Assim que entra, ele solta um “Senhoras e senhores, bem-vindos ao Oscar… E a busca para fazer Tommy Lee Jones rir começa, agora!”. Quando cortam para o ator, ele sorri!

Ele inicia seu monólogo com alfinetadas na própria Academia. Ele explica que Argo é baseado numa missão secreta da CIA no Irã. “O filme é tão secreto que até o diretor é desconhecido pela Academia”. (Ben Affleck se mostra pouco confortável pelos aplausos). Eles sabem que erraram”. E depois parte para as celebridades com forte sarcasmo: “Ganhar um Oscar garante uma longa carreira. Jean Dujardin ganhou ano passado e agora ele está em todo lugar”. E ao elogiar a profundidade do método de Daniel Day-Lewis, ele pergunta: “O que aconteceria se, durante as filmagens, ele visse um celular? Ou se visse Don Cheadle no estúdio, ele tentaria libertá-lo?”

Quando o telão desce, vemos William Shatner como o Capitão Kirk de Jornada nas Estrelas. No papel, ele avisa a Seth MacFarlane que viajou do futuro para tentar impedir um desastre, mostrando a manchete do jornal do dia seguinte: “Seth MacFarlane: Pior Host do Oscar de todos os tempos.” Supostamente ele teria cantado a canção “We Saw Your Boobs” (Nós vimos seus peitos):

“Helen Hunt, we saw them in The Sessions, Scarlett Johansson we saw them on your phone
Jessica Chastain we saw your boobs in Lawless, Jodie Foster in The Accused….
and Kate Winslet in Heavenly Creatures, and Jude, and Hamlet, and Titantic, and Iris, and Little Children and the Reader and whatever you’re shooting right now, we saw your boobs!” (Haja pesquisa de tantos peitos em filmes!)

Seth MacFarlane durante apresentação do Oscar (photo by thehothits.com)

Seth MacFarlane durante apresentação do Oscar (photo by thehothits.com)

Tentando reverter o futuro desastroso, MacFarlane tenta animar com música e dança, mas só melhora com a encenação do filme O Vôo com meias com olhos. Na cena do avião virando, inserem uma gravação de um monte de meias numa secadora.

Ele ainda soltaria outra pérola depois da apresentação do clipe de Lincoln. “Daniel Day-Lewis é o segundo ator a ser indicado por interpretar Lincoln. Contudo, eu diria que o ator que realmente entrou na cabeça de Lincoln foi John Wilkes Booth” (ele atirou no presidente durante peça de teatro). Depois que a platéia vaia, ele completa: “Sério? 150 anos e ainda é muito cedo, hein? Eu tenho umas piadas de Napoleão, vocês vão ficar malucos”.

Ok. Resultados do Oscar. 18 acertos de 24. Este foi meu bolão de 2013. Confesso que apostei em algumas surpresas, mas elas não vieram: David O. Russell como diretor e Robert De Niro como coadjuvante.

Se fosse apontar apenas uma surpresa do Oscar, esta seria Melhor Maquiagem para Os Miseráveis. Foi tamanha surpresa que até a maquiadora se surpreendeu. Ela foi vestida com uma calça legging rosa (e devia estar até descalça na hora do anúncio do vencedor) e com um visual “estou atrasada mas cheguei”. O musical ainda levou Melhor Som e Melhor Atriz Coadjuvante para Anne Hathaway, cujo discurso ficou muito politicamente correto, agradecendo às demais concorrentes.

Ang Lee com seu segundo Oscar de direção por As Aventuras de Pi (photo by digitalspy.com)

Ang Lee com seu segundo Oscar de direção por As Aventuras de Pi (photo by digitalspy.com)

A segunda surpresa ficaria com Ang Lee vencendo Melhor Diretor pela segunda vez (depois de O Segredo de Brokeback Mountain). Com as ausências de Ben Affleck e Kathryn Bigelow, a categoria ficou confusa e qualquer um poderia vencer. Muitos apontavam Steven Spielberg como favorito, mas como ele já tem 2 estatuetas e Lincoln é um filme de época quadrado, o desafio vencido por Ang Lee de realizar o tal “infilmável” projeto de As Aventuras de Pi prevaleceu na hora da votação. Este é seu segundo Oscar de direção, tendo vencido o primeiro pelo drama O Segredo de Brokeback Mountain em 2006.

Seu filme se tornou o recordista de prêmios da noite com 4: Melhor Diretor, Fotografia, Trilha Musical Original e Efeitos Visuais. Essas vitórias mais técnicas evidenciam maior privilégio de produções em que o 3D se sobressai. No caso de Fotografia, outros dois trabalhos de 3D foram recentemente premiados: Mauro Fiore por Avatar e Robert Richardson por A Invenção de Hugo Cabret.

Apesar de ter ganhado 4 estatuetas, As Aventuras de Pi viu sentado Argo levar Melhor Filme, terminando a noite com mais dois Oscars: Montagem e Roteiro Original. O filme de Ben Affleck havia ganhado todos os prêmios da indústria como o PGA, DGA e o Globo de Ouro, e não poderia ficar sem seu Oscar. Por um momento, por causa da presença da primeira-dama Michelle Obama no telão, imaginei que Lincoln poderia surpreender, já que se trata da vida de um ex-presidente dos EUA, mas felizmente, Argo prevaleceu. É o mais novo vencedor de Melhor Filme sem ter seu diretor sequer indicado.

Ao vivo da Casa Branca, Michelle Obama elogia o Cinema e apresenta o vencedor do Oscar de Melhor Filme (photo by Hollywoodreporter.com)

Ao vivo da Casa Branca, Michelle Obama elogia o Cinema e apresenta o vencedor do Oscar de Melhor Filme (photo by Hollywoodreporter.com)

Subiram ao palco os produtores George Clooney, Grant Heslov e Ben Affleck. Este último foi bastante humilde em seu discurso, elogiando Spielberg como gênio e que qualquer um dos outros oito filmes indicados poderiam estar recebendo tal honraria. O diretor reconheceu seu passado imaturo como ator, relembrando quando esteve no Oscar 15 anos atrás ao receber Melhor Roteiro Original por Gênio Indomável, pensando que nunca mais voltaria. Mas agradeceu as oportunidades que muitas pessoas presentes na cerimônia lhe deram para poder aprender e evoluir como profissional.

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

Ainda no campo da surpresa, a mais surpreendente em termos técnicos foi o empate inédito na categoria de Efeitos Sonoros, que ficou entre A Hora Mais Escura e 007 – Operação Skyfall. Este é o quarto empate na História do Oscar: O primeiro aconteceu em 1932, quando Fredric March (O Médico e o Monstro) e Wallace Beery (O Campeão) venceram como Melhor Ator, o segundo foi em 1969: Katharine Hepburn (O Leão no Inverno) e Barbra Streisand (Funny Girl – A Garota Genial) empataram como Melhor Atriz, e o terceiro foi Melhor Curta-Metragem de 1994, quando os trabalhos Franz Kafka’s It’s a Wonderful Life e Trevor dividiram a honraria.

E o Oscar de Efeitos Sonoros vai para: Paul N.J. Ottosson por A Hora Mais Escura... (photo by thespec.com)

E o Oscar de Efeitos Sonoros vai para: Paul N.J. Ottosson por A Hora Mais Escura… (photo by thespec.com)

...e Per Hallberg e Karen M. Baker por 007 - Operação Skyfall também (photo by muckrack.com)

…e Per Hallberg e Karen M. Baker por 007 – Operação Skyfall também (photo by muckrack.com)

Aliás, a atriz e cantora Barbra Streisand subiu ao palco para cantar o sucesso “The Way We Were” de Nosso Amor de Ontem (1973) em homenagem ao recém-falecido compositor Marvin Hamslich, com quem também trabalhou na canção “I’ve Finally Found Someone” de O Espelho Tem Duas Faces, de 1996.

Incluindo a performance musical de Streisand, o Oscar 2013 dedicou bastante de seu tempo no ar para os musicais. A homenagem cansativa apresentou canções dos filmes Chicago, Dreamgirls – Em Busca de um Sonho e Os Miseráveis. Ainda no âmbito da música, Norah Jones cantou a simpática canção indicada de Ted: “Everybody Needs a Best Friend”, enquanto a cantora Shirley Bassey fez sua primeira apresentação no Oscar, cantando a clássica “Goldfinger”. Mesmo sem o mesmo vigor, aos 76 anos, a diva ainda impressiona pelas cordas vocais. Curiosamente, apesar do estrondoso sucesso, a canção sequer foi indicada ao Oscar na época. Sua performance no Oscar salvou a homenagem chocha aos 50 anos de James Bond com um clipe com trechos de vários filmes do espião.

A diva Dame Shirley Bassey em sua primeira apresentação no Oscar aos 76 anos (photo by oglobo.globo.com)

A diva Dame Shirley Bassey em sua primeira apresentação no Oscar aos 76 anos (photo by oglobo.globo.com)

Obviamente, ficou faltando também a indispensável presença dos seis atores (todos vivos) que deram vida ao personagem de Ian Fleming no palco: Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig. Talvez os produtores tentaram, mas como Connery ainda guarda rancores idiotas dos produtores da série, a homenagem terminou enxuta. Uma pena.

Já a merecida vitória de “Skyfall” como Melhor Canção Original coroou uma das melhores cantoras em atividade, Adele, homenageou o sucesso das canções-tema de James Bond e se tornou a primeira canção oscarizada da franquia de 23 filmes. Em sua primeira apresentação no Oscar, Adele não sentiu a pressão e cantou belamente com ótimos back vocals.

Adele em ótima performance de "Skyfall"... (photo by huffingtonpost.com)

Adele em ótima performance de “Skyfall”… (photo at huffingtonpost.com by Getty Images)

Adele com seu primeiro Oscar e o primeiro da franquia 007 (photo by digitalspy.com)

Adele com seu primeiro Oscar e o primeiro da franquia 007 (photo by digitalspy.com)

A vitória de Lincoln na categoria de Direção de Arte também não deixa de ser uma surpresa. Enquanto todos apostavam em Anna Karenina e Os Miseráveis, este Oscar acabou sendo uma espécie de compensação pelas inúmeras derrotas para Spielberg. A recriação dos cenários dos EUA de 1865 impressiona, mas está longe de encher os olhos como o trabalho de Sarah Greenwood de Anna Karenina.

Já nas categorias de atuação, não houve nenhuma surpresa. Acreditava que haveria pelo menos uma e que estaria em Melhor Ator Coadjuvante, mas não foi desta vez que Robert De Niro levou seu terceiro Oscar. Christoph Waltz subiu pela segunda vez em 3 anos pra receber seu segundo Oscar de coadjuvante (o primeiro foi por Bastardos Inglórios). A vitória de Waltz serviu como representante de todo o elenco: Jamie Foxx, Leonardo DiCaprio e Samuel L. Jackson, juntamente com o prêmio de Roteiro Original, serviu para comprovar que Quentin Tarantino é um dos melhores roteiristas em atividade.

Daniel Day-Lewis se tornou o primeiro a receber 3 Oscars de Melhor Ator. Além dessa importante conquista, trata-se do primeiro Oscar de uma atuação sob o comando de Steven Spielberg. Ao receber o prêmio, o ator diz: “É uma coisa estranha porque três anos atrás, na verdade eu havia me comprometido a interpretar Margaret Thatcher e Meryl (Streep) foi a primeira escolha de Steven (Spielberg) para Lincoln, e eu queria ver essa versão”. Em agradecimento à sua mulher, Rebecca Miller, ele continua: “Desde que nos casamos há 16 anos, minha esposa Rebecca viveu com alguns homens muito estranhos. Eles eram estranhos como indivíduos e talvez ainda mais estranhos quando estavam em grupo. Por sorte, ela é bem versátil e tem sido a perfeita companhia para todos eles”.

Daniel Day-Lewis recebe o Oscar de Meryl Streep e entra para a História (photo by usatoday.com)

Daniel Day-Lewis recebe o Oscar de Meryl Streep e entra para a História (photo by usatoday.com)

Apesar dos dois Oscars, Lincoln foi um dos grandes perdedores da noite (venceu 2 em 12 indicações). Se o filme não tivesse naufragado, o prêmio de Ator poderia ter ido para Joaquin Phoenix por sua explosiva interpretação em O Mestre.

Na ala feminina, a jovem Jennifer Lawrence confirmou seu favoritismo por O Lado Bom da Vida. Apesar da gafe de ter caído nas escadas do palco, ela recebeu aplausos de pé da platéia: “Vocês estão de pé porque se sentiram mal por eu ter caído e isso é embaraçoso, mas obrigada”. Em seu discurso, ela desejou feliz aniversário para Emmanuelle Riva, que completa 86 anos. Espero muito que este Oscar não desande sua carreira como atriz em ascensão, mesmo que já tenha engatilhado bons projetos como Serena e a sequência de Jogos Vorazes. Jennifer Lawrence se tornou a segunda atriz mais jovem a vencer nessa categoria aos 22 anos (Marlee Matlin permanece na 1ª posição aos 21, por Filhos do Silêncio).

Também em sua segunda indicação, Jessica Chastain perdeu por A Hora Mais Escura (que teve que se contentar com o Oscar de Efeitos Sonoros), mas ainda tem muito tempo para conseguir seu reconhecimento. Sua versatilidade mais do que comprovada já atrai os olhares de diretores consagrados e ela deve retornar ao Oscar até 2015 pelo filme dirigido por Liv Ullman, Miss Julie.

Jennifer Lawrence é traída pelo seu vestido e cai nos degraus para receber seu Oscar. (photo by popwatch.ew.com)

Jennifer Lawrence é traída pelo seu vestido e cai nos degraus para receber seu Oscar. (photo by popwatch.ew.com)

Não concordei com a vitória do filme da Pixar, Valente, na categoria de Melhor Animação. Reconheço a qualidade técnica, tanto do design como da própria animação do cabelo ruivo enrolado da protagonista, mas em termos de história, trata-se de um típico roteiro da velha Disney, muito semelhante a Irmão Urso, lançado em 2003. Para uma produtora que prioriza a qualidade dos roteiros de seus filmes, a Pixar falhou em Valente e por isso, não deveria ser premiada. Embora o roteiro de Frankenweenie seja uma espécie de colagem de homenagens e baseado em seu curta-metragem dos anos 80, Tim Burton merecia o Oscar.

Uma das melhores coisas desse Oscar foi a forma como eles expulsavam os vencedores com seus discursos chatos e longos do palco: a trilha de Tubarão crescia ao fundo até cortarem o áudio do microfone. A tática deu certo: os discursos ficaram mais curtos e um ou outro vencedor ficou bem nervoso nos agradecimentos, como o roteirista Chris Terrio de Argo.

Outra novidade foi a escalação de seis estudantes de cinema nos EUA para ajudar na entrega dos prêmios. A atitude se mostra bastante nobre e coerente, mas confesso que senti falta das trophy girls. Não sei… elas tinham um “algo a mais”! Espero que esta tenha sido apenas uma exceção à regra!

Uma dos seis estudantes de Cinema aguarda o anúncio do vencedor para entrar com a estatueta (photo by latimes.com)

Uma dos seis estudantes de Cinema aguarda o anúncio do vencedor para entrar com a estatueta (photo by latimes.com)

Apesar de não ter muita relevância, vale destacar aqui a estranheza da atriz Renée Zellwegger. No começo da cerimônia, ela já tinha uma aparência bastante anêmica, não só pela ausência total de maquiagem e cabelo desarrumado, mas pela palidez. Ao entrar no palco para apresentar os Oscars de Trilha Musical e Canção ao lado dos atores Richard Gere, Queen Latifah e Catherine Zeta-Jones, ela estava nitidamente zonza e parecia se esforçar para manter-se em pé. Além disso, não sei se Zellwegger está filmando algo no momento, mas ela fica bem melhor mais cheinha como a Bridget Jones.

Na foto não parece tanto, mas Renée Zellwegger estava sob efeito de narcóticos (photo by arts.nationalpost.com)

Na foto não parece tanto, mas Renée Zellwegger estava sob efeito de narcóticos (photo by arts.nationalpost.com)

Finalizando, o balanço geral do Oscar 2013:

4 Oscars: As Aventuras de Pi

3 Oscars: Argo/ Os Miseráveis

2 Oscars: Lincoln/ Django Livre/ 007 – Operação Skyfall

1 Oscar: O Lado Bom da Vida/ Amor/ Anna Karenina/ A Hora Mais Escura/ Valente/ Searching for Sugar Man

Confira lista dos vencedores:

MELHOR FILME
ARGO (ARGO)

MELHOR DIRETOR
Ang Lee (As Aventuras de Pi)

MELHOR ATOR
Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ
Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Christoph Waltz (Django Livre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Anne Hathaway (Os Miseráveis)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Quentin Tarantino (Django Livre)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Chris Terrio (Argo)

MELHOR FOTOGRAFIA
Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)

MELHOR MONTAGEM
William Goldenberg (Argo)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Rick Carter e Jim Erickson (Lincoln)

MELHOR FIGURINO
Jacqueline Durran (Anna Karenina)

MELHOR MAQUIAGEM
• Lisa Westcott, Julie Dartnell (Os Miseráveis)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR SOM
Andy Nelson, Mark Paterson, Simon Hayes (Os Miseráveis)

MELHORES EFEITOS SONOROS (Empate)
Per Hallberg, Karen M. Baker (007 – Operação Skyfall)
Paul N.J.Ottosson (A Hora Mais Escura)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Bill Westenhofer, Gillaume Rocheron, Erik De Boer, Donald Elliott (As Aventuras de Pi)

MELHOR ANIMAÇÃO
Valente (Brave), de Mark Andrews e Brenda Chapman

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Amor, de Michael Haneke (Áustria)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Searching for Sugar Man, de Malik Benjelloul e Simon Chinn

MELHOR DOCUMENTÁRIO CURTA
Inocente, de Sean Fine e Andrea Nix

MELHOR CURTA-METRAGEM
Curfew, de Shawn Christensen

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
Paperman
, de John Kahrs

Christoph Waltz recebe seu segundo Oscar de coadjuvante sob a direção de Quentin Tarantino (photo by movies.yahoo.com)

Christoph Waltz recebe seu segundo Oscar de coadjuvante sob a direção de Quentin Tarantino (photo by movies.yahoo.com)

Anúncios

‘Argo’ vence o BAFTA 2013

Ben Affleck e seu BAFTA (photo insidemovies.ew.com by Stuart Wilson/ Getty Images)

Ben Affleck e seu BAFTA: “Argo Fuck Yourself!”  (photo insidemovies.ew.com by Stuart Wilson/ Getty Images)

Agora é oficial. Argo e Ben Affleck arrebataram todos os grandes prêmios da temporada: Globo de Ouro, SAG Awards, PGA Awards, DGA Awards e agora o BAFTA, o prêmio da Academia Britânica de Cinema. Levou Montagem, Diretor e Melhor Filme. Claro que também pode triunfar no Oscar no dia 24 de fevereiro, mas sem a mínima chance do diretor levar seu merecido prêmio de direção. Será Argo o novo Conduzindo Miss Daisy? Ou será que vão premiar Lincoln, O Lado Bom da Vida ou As Aventuras de Pi como Melhor Filme assumindo o lado imprevisível que começou com as indicações?

No geral, a premiação deste ano do BAFTA procurou ser bem democrática, com direito a algumas surpresas. 007 – Operação Skyfall bateu o franco-favorito Os Miseráveis como Melhor Filme Britânico do ano. Apesar da 23ª aventura de James Bond ter sido bem recebida pela crítica internacional, trata-se de um reconhecimento inusitado para um filme de ação e aventura. O filme de Sam Mendes ainda bateu Anna Karenina, O Exótico Hotel Marigold e Sete Psicopatas e um Shih Tzu, e ainda levou o prêmio Anthony Asquith de Trilha Musical para Thomas Newman, talvez como uma tentativa de compensar a ausência da categoria de Canção Original para Adele. Derrotado como Melhor Filme, o musical Os Miseráveis ainda conseguiu somar quatro BAFTAs: Atriz Coadjuvante (Anne Hathaway), Direção de Arte, Maquiagem e Som.

Anne Hathaway segue super favorita para o Oscar de coadjuvante com mais essa vitória (photo by empireonline.com)

Anne Hathaway segue super favorita para o Oscar de coadjuvante com mais essa vitória (photo by empireonline.com)

Na categoria de interpretação feminina, a surpresa ficou por conta da veterana Emmanuelle Riva, de 85 anos, que saiu vitoriosa entre as americanas Jennifer Lawrence e Jessica Chastain, ambas vencedoras do Globo de Ouro. Como previsto, seu filme Amor, dirigido por Michael Haneke, ganhou o prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira. Os dois prêmios devem fortalecer a campanha do filme nessa reta final do Oscar.

Django Livre confirmou seu favoritismo nas categorias de Roteiro Original para Quentin Tarantino, e Melhor Ator Coadjuvante para Christoph Waltz. O fato do ator austríaco já ter levado o mesmo prêmio há três anos por Bastardos Inglórios em nada interferiu nesse novo reconhecimento, o que pode se repetir na Academia. Outro que confirma seu favoritismo supremo é Daniel Day-Lewis em Lincoln. Apesar do filme ter recebido dez indicações, levou apenas Melhor Ator e Steven Spielberg sequer foi indicado em sua categoria. Talvez no Oscar, no qual soma doze indicações, tenha melhor sorte devido à patriotada americana em relação ao presidente Abraham Lincoln.

Christoph Waltz leva o BAFTA de Ator Coadjuvante por Django Livre (photo by digitalspy.co.uk)

Christoph Waltz leva o BAFTA de Ator Coadjuvante por Django Livre (photo by digitalspy.co.uk)

Outro grande concorrente no Oscar que teve que se contentar com um prêmio foi a comédia O Lado Bom da Vida. Seu diretor e roteirista David O. Russell saiu com o BAFTA de Roteiro Adaptado, batendo Tony Kushner (Lincoln) e Chris Terrio (Argo). Já nas categorias mais técnicas, As Aventuras de Pi saiu consagrado com Melhor Fotografia e Melhores Efeitos Visuais.

Na categoria de Animação, as preferências estão bastante divididas. O filme da Pixar, Valente, já tinha vencido o Globo de Ouro e agora coleta o BAFTA. Mas a animação mais premiada até o momento foi Detona Ralph, que sequer foi indicada no BAFTA. E tem ainda Frankenweenie, que embora não tenha recebido grandes honrarias, tem o nome forte de Tim Burton associado.

O prêmio EE Rising Star que se destina a novos talentos do cinema reconheceu a atriz Juno Temple. Até o momento, fez pequenos papéis em Desejo e Reparação e no blockbuster de 2012 Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Mas chamou a atenção em Killer Joe – Matador de Aluguel, e tem grandes chances de brilhar este ano em Lovelace, Malévola e Sin City: A Dame to Kill for.

Juno Temple começa bem 2013 com o prêmio EE Rising Star (photo by metro.co.uk)

Juno Temple começa bem 2013 com o prêmio EE Rising Star (photo by metro.co.uk)

Depois do anúcio dos vencedores do BAFTA, fica nítida a supremacia de Argo como Melhor Filme de 2012, assim como Ben Affleck na direção. Com apenas um prêmio, o recordista de indicações ao Oscar, Lincoln, fica mais enfraquecido e pode perecer diante da força do lobby de Harvey Weinstein para O Lado Bom da Vida. Claro que, por se tratar de uma premiação britânica, o musical Os Miseráveis foi o filme que mais recebeu prêmios, mas não deve repetir o feito no Oscar.

Segue lista completa dos vencedores:

FILME: Argo, de Ben Affleck

FILME BRITÂNICO: 007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes

DIRETOR: Ben Affleck (Argo)

ATOR: Daniel Day-Lewis (Lincoln)

ATRIZ: Emmanuelle Riva (Amor)

ATOR COADJUVANTE: Christoph Waltz (Django Livre)

ATRIZ COADJUVANTE: Anne Hathaway (Os Miseráveis)

ROTEIRO ORIGINAL: Quentin Tarantino (Django Livre)

ROTEIRO ADAPTADO: David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

FOTOGRAFIA: Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)

MONTAGEM: William Goldenberg (Argo)

DIREÇÃO DE ARTE: Eve Stewart, Anna Lynch-Robinson (Os Miseráveis)

FIGURINO: Jacqueline Durran (Anna Karenina)

MAQUIAGEM: Os Miseráveis

TRILHA MUSICAL: Thomas Newman (007 – Operação Skyfall)

SOM: Os Miseráveis

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Amor, de Michael Haneke

ANIMAÇÃO: Valente, de Mark Andrews, Brenda Chapman

DOCUMENTÁRIO: Searching for Sugar Man, de Malik Bendjelloul

EE RISING STAR AWARD: Juno Temple

ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO: Bart Layton, Dimitri Doganis (The Imposter)

CURTA DE ANIMAÇÃO: The Making of Longbird, de Will Anderson, Ainslie Henderson

CURTA-METRAGEM: Swimmer, de Lynne Ramsay, Peter Carlton, Diarmid Scrimshaw

De dourado, de verde, de vermelho e agora, de azul: de qualquer forma Jessica Chastain se destaca no tapete vermelho (photo by JustJared.com)

De dourado, de verde, de vermelho e agora, de azul: de qualquer forma Jessica Chastain se destaca no tapete vermelho (photo by JustJared.com)

 

Vencedores do Globo de Ouro 2013

Claro que, antes de escrever e analisar os vencedores, seria uma oportunidade propícia admirar as belas moças que desfilam pelo tapete vermelho. Sim, os hormônios masculinos ainda correm pela veia! Muita gente acha essa parte das premiações uma chatice sem fim e desnecessária. Eu discordo. Hollywood sempre foi um lugar de glamour, onde as estrelas podem caprichar no look (ou extrapolar um pouco em casos como de Jennifer Lopez) e estabelecer novos parâmetros para a indústria da moda. Como 99% dos homens se vestem como pinguins, vamos às moças!

AS MUSAS DO GLOBO DE OURO

Zooey Deschanel, que concorre pela série New Girl, veste Oscar de la Renta. Se ela vestisse um trapo, continuaria linda.

Zooey Deschanel, que concorre pela série New Girl, veste Oscar de la Renta. Se ela vestisse um trapo, continuaria linda. (photo by JustJared.com)

Jennifer Lawrence em seu belo Christian Dior coral. Não está deslumbrante como naquele vermelho do Oscar 2011, mas continua impressionando (photo by JustJared.com)

Jennifer Lawrence em seu belo Christian Dior coral. Não está deslumbrante como naquele vermelho do Oscar 2011, mas continua impressionando (photo by JustJared.com)

Jessica Alba consegue se destacar com esse laranja (photo by popsugar.com)

Jessica Alba consegue se destacar com esse tom de laranja de Oscar de la Renta (photo by popsugar.com)

A bela modelo da Victoria's Secret, Miranda Kerr. Ela passou desapercebida pelo tapete vermelho, mas na festa pós-Globo de Ouro, exibiu seu belo vestido com decotes e fendas provocantes. Mais um motivo para eu odiar o Orlando Bloom... (photo by lazygirls.com)

A bela modelo da Victoria’s Secret, Miranda Kerr, fica com meu 1º lugar. Ela passou desapercebida pelo tapete vermelho, mas na festa pós-Globo de Ouro, exibiu seu belo vestido com decotes e fendas provocantes. Orlando Bloom já estava na minha lista negra… (photo by lazygirls.com)

Ok. Desejo masculino saciado.

A 70ª cerimônia do Globo de Ouro ficou bem mais light com as anfitriãs Tina Fey e Amy Poehler. Claro que deram algumas cutucadas na ferida como a comparação da solidão e abandono da personagem de Anne Hathaway em Os Miseráveis com a própria sendo anfitriã ao lado de James Franco no Oscar 2011, ou quando Amy Poehler disse que a diretora Kathryn Bigelow entende de tortura para fazer A Hora Mais Escura, pois fora casada com James Cameron por três anos! (Sim, Cameron tem fama de ditador no set). Mas nada se comparado à acidez corrosiva de Ricky Gervais. Aliás, Ricky, sentimos sua falta!

Sobre os resultados, eu sabia que Argo sairia vitorioso no Globo de Ouro. Depois de tantas críticas positivas por parte da imprensa, o filme de Ben Affleck saiu com o prêmio principal e Melhor Diretor. Aliás, esse reconhecimento para Affleck foi merecido. Como diretor em ascensão, ele soube trabalhar as alterações de gêneros presente na trama baseada em fatos verídicos. Como profissional, ainda tem muita coisa a aprender, mas esse Globo de Ouro foi uma bela forma de incentivo a Affleck continuar crescendo atrás das câmeras (até mesmo porque como ator ele é limitado).

Mas e como fica Argo no Oscar depois dessa vitória? Poderia Argo se tornar um novo Conduzindo Miss Daisy? Explico: a última vez que o vencedor do Oscar de Melhor Filme ganhou sem ter seu diretor sequer indicado na categoria foi em 1990, quando Conduzindo Miss Daisy levou 4 Oscars. Este ano, na tentativa de surpreender, a Academia deixou de indicar Affleck e Kathryn Bigelow, enfraquecendo bastante as chances de Argo e A Hora Mais Escura, dois dos filmes mais elogiados pela crítica americana.

Os produtores de Argo, Ben Affleck (a esq., também diretor), Grant Heslov (centro) e George Clooney. (photo by latimes.com)

Os produtores de Argo, Ben Affleck (a esq., também diretor), Grant Heslov (centro) e George Clooney. (photo by latimes.com)

Ainda sobre o Globo de Ouro, fui bastante otimista, achando que Argo levaria ainda roteiro, mas Quentin Tarantino foi agraciado nessa categoria. Essa fama de roteirista excepcional já vem desde o primeiro filme de Tarantino, Cães de Aluguel (1992). Seu western Django Livre teve uma estréia tardia nos EUA, mas com tempo hábil suficiente para agradar a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood. O filme também conquistou Melhor Ator Coadjuvante para o poliglota Christoph Waltz, que já havia vencido o mesmo prêmio pelo filme anterior de Tarantino, Bastardos Inglórios. Com Leonardo DiCaprio fora da corrida do Oscar, suas chances aumentam consideravelmente.

Um dos melhores roteriristas em atividade em Hollywood, Quentin Tarantino, bateu Chris Terrio (Argo) por seu western Django Livre (photo by eonline.com)

Um dos melhores roteriristas em atividade em Hollywood, Quentin Tarantino, bateu Chris Terrio (Argo) por seu western Django Livre (photo by eonline.com)

Curiosamente, o filme que levou mais Globos de Ouro foi o musical Os Miseráveis: Melhor Filme – Comédia ou Musical, Melhor Ator – Comédia ou Musical (Hugh Jackman) e Melhor Atriz Coadjuvante (Anne Hathaway). Botei um pouco de fé excessiva no concorrente O Lado Bom da Vida, que levou apenas Melhor Atriz – Comédia ou Musical para Jennifer Lawrence, que se torna franco-favorita com essa vitória e, única, se levar o SAG também.

Ninguém tirava o prêmio de Melhor Ator – Drama de Daniel Day-Lewis por Lincoln. E a forma como sua atuação foi elogiada a noite toda só confirma que ele criou outra performance majestosa. Agora fica a questão: Estaria a Academia disposta a premiar o primeiro ator a ganhar três Oscars de Melhor Ator? Nos últimos anos, Jack Nicholson (As Confissões de Schmidt) e Tom Hanks (Náufrago) tiveram essa oportunidade e pareciam caminhar bem para esse feito, mas morreram na praia.

O mais elogiado na cerimônia, Daniel Day-Lewis, leva para casa seu terceiro Globo de Ouro. Vem aí o terceiro Oscar? (photo by thetimes.co.uk)

O mais elogiado na cerimônia, Daniel Day-Lewis, leva para casa seu segundo Globo de Ouro. Vem aí o terceiro Oscar? (photo by thetimes.co.uk)

Enquanto Amor, de Michael Haneke, e “Skyfall” confirmaram seus favoritismos, talvez uma das maiores surpresas seja a vitória da animação Valente, já que não vinha ganhando nada na temporada de premiação. Uma explicação plausível seria a divisão de votos entre os favoritos Detona Ralph e Frankenweenie, abrindo espaço para o trabalho da Pixar.

E… Jodie Foster. O que posso dizer? Ela ainda consegue tirar o meu fôlego aos 50 anos. Belíssimo discurso sobre a vida em show business, família, amigos, colegas de trabalho e um pedido por mais privacidade. Como muitos sabem, a srta. Foster tem dois filhos cujo pai é desconhecido. Seria ela homossexual? Bissexual? Tem filhos de proveta? Isso pouco importa. Jodie é uma profissional mais do que competente e de caráter, algo cada vez mais raro hoje em dia.

A homenageada da noite, Jodie Foster, dedica seu prêmio aos amigos, colegas, seus filhos e um recado especial para a mãe. Que comece uma nova fase em sua carreira! (photo by au.movies.yahoo.com)

A homenageada da noite, Jodie Foster, dedica seu prêmio aos amigos, colegas, seus filhos e um recado especial para a mãe. Que comece uma nova fase em sua carreira! (photo by au.movies.yahoo.com)

MELHOR FILME – DRAMA

Argo (Argo)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

Os Miseráveis (Les Misérables), de Tom Hooper

MELHOR ATOR – DRAMA

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Hugh Jackman (Os Miseráveis)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christoph Waltz (Django Livre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

MELHOR DIRETOR

Ben Affleck (Argo)

MELHOR ROTEIRO

Quentin Tarantino (Django Livre)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Skyfall”, de Adele, Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave), de Mark Andrews e Brenda Chapman

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amor, de Michael Haneke (Áustria)

PRÊMIOS DA TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DE TV – DRAMA

Homeland (Homeland)

MELHOR SÉRIE DE TV- COMÉDIA OU MUSICAL

Girls

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Virada no Jogo (Game Change)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV – DRAMA

Damian Lewis (Homeland)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE TV – DRAMA

Claire Danes (Homeland)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL

Don Cheadle (House of Lies)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL

Lena Dunham (Girls)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Kevin Costner (Hatfields & McCoys)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Julianne Moore (Virada no Jogo)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Ed Harris (Virada no Jogo)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Maggie Smith (Downton Abbey)

Indicações ao BAFTA 2013

BAFTA Awards 2013 (photo by telegraph.co.uk)

BAFTA Awards 2013 (photo by telegraph.co.uk)

Este ano, a Academia Britânica teve que apertar seu calendário para chegar pouco antes das indicações ao Oscar, que saem amanhã, dia 10.

Obviamente, por se tratar de um prêmio britânico, eles costumam dar um pouco mais de destaque às produções do Reino Unido, como são os casos de 007 – Operação Skyfall, que somou oito indicações, e O Exótico Hotel Marigold que, apesar de não ter conquistado nenhuma outra indicação, está concorrendo para Melhor Filme Britânico.

Como deve acontecer no Oscar, a mega-produção americana Lincoln foi a recordista de indicações com dez no total. Curiosamente, seu diretor Steven Spielberg não está indicado. Em seguida, Os Miseráveis e As Aventuras de Pi vêm logo em seguida com nove indicações cada. A adaptação musical de Tom Hooper não fez tanto sucesso no Globo de Ouro, mas o BAFTA não deixaria de reconhecer um trabalho com essência tão européia. O filme político de Ben Affleck, Argo, conquistou sete, inclusive uma um tanto questionável: Melhor Ator para Ben Affleck. Todos sabem que ele leva jeito para diretor, mas para ator?

Daniel Day-Lewis lidera em Lincoln (photo by BeyondHollywood.com)

Daniel Day-Lewis lidera em Lincoln (photo by BeyondHollywood.com)

Ainda nas categorias de atuação, algumas ausências foram notadas como a de Naomi Watts pelo filme-tragédia O Impossível, e Denzel Washington (Flight) e John Hawkes (The Sessions). Nas categorias de coadjuvantes, Leonardo DiCaprio (Django Livre) e Robert De Niro (O Lado Bom da Vida) ficaram de fora também, mas todos os atores acima ainda têm grandes chances de indicação no Oscar.

Apesar de ainda não ter estreado aqui no Brasil, fiquei feliz com a indicação de Sete Psicopatas e um Shih Tzu (Seven Psychopaths) para Melhor Filme Britânico. Alguns rotulam Martin McDonagh como o novo Guy Richie, mas acho que ele tem um humor negro muito peculiar para limitá-lo em comparações.

Christopher Walken e o Shih Tzu em Sete Psicopatas e um Shih Tzu (photo by OutNow.CH)

Christopher Walken e o Shih Tzu em Sete Psicopatas e um Shih Tzu (photo by OutNow.CH)

Também gostei da presença do filme dinamarquês A Caça, de Thomas Vinterberg, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Aliás, Mads Mikkelsen deveria substituir Ben Affleck como Melhor Ator.

MELHOR FILME
ARGO (ARGO) Grant Heslov, Ben Affleck, George Clooney
OS MISERÁVEIS (LES MISÉRABLES) Tim Bevan, Eric Fellner, Debra Hayward, Cameron Mackintosh
AS AVENTURAS DE PI (LIFE OF PI) Gil Netter, Ang Lee, David Womark
LINCOLN (LINCOLN) Steven Spielberg, Kathleen Kennedy
A HORA MAIS ESCURA (ZERO DARK THIRTY) Mark Boal, Kathryn Bigelow, Megan Ellison

MELHOR FILME BRITÂNICO
ANNA KARENINA Joe Wright, Tim Bevan, Eric Fellner, Paul Webster, Tom Stoppard
O EXÓTICO HOTEL MARIGOLD (THE BEST EXOTIC MARIGOLD HOTEL) John Madden, Graham Broadbent, Pete Czernin, Ol Parker
OS MISERÁVEIS (LES MISÉRABLES) Tom Hooper, Tim Bevan, Eric Fellner, Debra Hayward, Cameron Mackintosh, William Nicholson, Alain Boublil, Claude-Michel Schönberg, Herbert Kretzmer
SETE PSICOPATAS E UM SHIH TZU (SEVEN PSYCHOPATHS) Martin McDonagh, Graham Broadbent, Pete Czernin
007 – OPERAÇÃO SKYFALL (SKYFALL) Sam Mendes, Michael G. Wilson, Barbara Broccoli, Neal Purvis, Robert Wade, John Logan

ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
BART LAYTON (Diretor), DIMITRI DOGANIS (Produtor) The Imposter
DAVID MORRIS (Diretor), JACQUI MORRIS (Diretor/Produtor) McCullin
DEXTER FLETCHER (Diretor/Roteirista), DANNY KING (Writer) Wild Bill
JAMES BOBIN (Diretor) The Muppets
TINA GHARAVI (Diretor/Roteirista) I Am Nasrine

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
AMOUR Michael Haneke, Margaret Ménégoz
HEADHUNTERS Morten Tyldum, Marianne Gray, Asle Vatn
A CAÇA (THE HUNT) Thomas Vinterberg, Sisse Graum Jørgensen, Morten Kaufmann
FERRUGEM E OSSO (RUST AND BONE) Jacques Audiard, Pascal Caucheteux
INTOCÁVEIS (INTOUCHABLES) Eric Toledano, Olivier Nakache, Nicolas Duval Adassovsky, Yann Zenou, Laurent Zeitoun

DOCUMENTÁRIO
THE IMPOSTER Bart Layton, Dimitri Doganis
MARLEY Kevin Macdonald, Steve Bing, Charles Steel
McCULLIN David Morris, Jacqui Morris
SEARCHING FOR SUGAR MAN Malik Bendjelloul, Simon Chinn
WEST OF MEMPHIS Amy Berg

ANIMAÇÃO
VALENTE (BRAVE) Mark Andrews, Brenda Chapman
FRANKENWEENIE (FRANKENWEENIE) Tim Burton
PARANORMAN (PARANORMAN) Sam Fell, Chris Butler

DIRETOR
AMOUR Michael Haneke
ARGO Ben Affleck
DJANGO LIVRE Quentin Tarantino
AS AVENTURAS DE PI Ang Lee
A HORA MAIS ESCURA Kathryn Bigelow

ROTEIRO ORIGINAL
AMOUR Michael Haneke
DJANGO LIVRE Quentin Tarantino
THE MASTER Paul Thomas Anderson
MOONRISE KINGDOM Wes Anderson, Roman Coppola
A HORA MAIS ESCURA Mark Boal

ROTEIRO ADAPTADO
ARGO Chris Terrio
INDOMÁVEL SONHADORA Lucy Alibar, Benh Zeitlin
AS AVENTURAS DE PI David Magee
LINCOLN Tony Kushner
O LADO BOM DA VIDA David O. Russell

ATOR
BEN AFFLECK Argo
BRADLEY COOPER O Lado Bom da Vida
DANIEL DAY-LEWIS Lincoln
HUGH JACKMAN Os Miseráveis
JOAQUIN PHOENIX The Master

ATRIZ
EMMANUELLE RIVA Amour
HELEN MIRREN Hitchcock
JENNIFER LAWRENCE O Lado Bom da Vida
JESSICA CHASTAIN A Hora Mais Escura
MARION COTILLARD Ferrugem e Osso

ATOR COADJUVANTE
ALAN ARKIN Argo
CHRISTOPH WALTZ Django Livre
JAVIER BARDEM 007 – Operação Skyfall
PHILIP SEYMOUR HOFFMAN The Master
TOMMY LEE JONES Lincoln

ATRIZ COADJUVANTE
AMY ADAMS The Master
ANNE HATHAWAY Os Miseráveis
HELEN HUNT The Sessions
JUDI DENCH 007 –  Operação Skyfall
SALLY FIELD Lincoln

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
ANNA KARENINA Dario Marianelli
ARGO Alexandre Desplat
AS AVENTURAS DE PI Mychael Danna
LINCOLN John Williams
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Thomas Newman

CINEMATOGRAPHY
ANNA KARENINA Seamus McGarvey
OS MISERÁVEIS Danny Cohen
AS AVENTURAS DE PI Claudio Miranda
LINCOLN Janusz Kaminski
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Roger Deakins

MONTAGEM
ARGO William Goldenberg
DJANGO LIVRE Fred Raskin
AS AVENTURAS DE PI Tim Squyres
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Stuart Baird
A HORA MAIS ESCURA Dylan Tichenor, William Goldenberg

DIREÇÃO DE ARTE
ANNA KARENINA Sarah Greenwood, Katie Spencer
OS MISERÁVEIS Eve Stewart, Anna Lynch-Robinson
AS AVENTURAS DE PI David Gropman, Anna Pinnock
LINCOLN Rick Carter, Jim Erickson
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Dennis Gassner, Anna Pinnock

FIGURINO
ANNA KARENINA Jacqueline Durran
GREAT EXPECTATIONS Beatrix Aruna Pasztor
OS MISERÁVEIS Paco Delgado
LINCOLN Joanna Johnston
BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR Colleen Atwood

MAQUIAGEM E CABELO
ANNA KARENINA Ivana Primorac
HITCHCOCK Julie Hewett, Martin Samuel, Howard Berger
O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Peter Swords King, Richard Taylor, Rick Findlater
OS MISERÁVEIS Lisa Westcott
LINCOLN Lois Burwell, Kay Georgiou

SOM
DJANGO LIVRE Mark Ulano, Michael Minkler, Tony Lamberti, Wylie Stateman
O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Tony Johnson, Christopher Boyes, Michael Hedges, Michael Semanick, Brent Burge, Chris Ward
OS MISERÁVEIS Simon Hayes, Andy Nelson, Mark Paterson, Jonathan Allen, Lee Walpole, John Warhurst
AS AVENTURAS DE PI Drew Kunin, Eugene Gearty, Philip Stockton, Ron Bartlett, D. M. Hemphill
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Stuart Wilson, Scott Millan, Greg P. Russell, Per Hallberg, Karen Baker Landers

EFEITOS VISUAIS
BATMAN: O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE Paul Franklin, Chris Corbould, Peter Bebb, Andrew Lockley
O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton, R. Christopher White
AS AVENTURAS DE PI Bill Westenhofer, Guillaume Rocheron, Erik-Jan De Boer
OS VINGADORES Indicados ainda não definidos
PROMETHEUS Richard Stammers, Charley Henley, Trevor Wood, Paul Butterworth

CURTA DE ANIMAÇÃO
HERE TO FALL Kris Kelly, Evelyn McGrath
I’M FINE THANKS Eamonn O’Neill
THE MAKING OF LONGBIRD Will Anderson, Ainslie Henderson

CURTA-METRAGEM
THE CURSE Fyzal Boulifa, Gavin Humphries
GOOD NIGHT Muriel d’Ansembourg, Eva Sigurdardottir
SWIMMER Lynne Ramsay, Peter Carlton, Diarmid Scrimshaw
TUMULT Johnny Barrington, Rhianna Andrews
THE VOORMAN PROBLEM Mark Gill, Baldwin Li

THE EE RISING STAR AWARD (eleito pelo público)
ELIZABETH OLSEN
ANDREA RISEBOROUGH
SURAJ SHARMA
JUNO TEMPLE
ALICIA VIKANDER

O jovem talento Juno Temple, que participou de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, concorre como uma Rising Star

O jovem talento Juno Temple, que participou de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, concorre como uma Rising Star

21 Animações inscritas para o Oscar 2013

O diretor Tim Burton trabalhando num dos moldes da animação Franknweenie, provável candidato a favorito ao Oscar 2013 (photo by Enterntainment Weekly)

Inscrições encerradas. O Oscar 2013 já fechou com 21 animações que se tornarão cinco finalistas. Vendo os concorrentes, dá pra fazer uma breve análise de quem tem maiores chances de chegar ao tapete vermelho. Apesar da categoria de Melhor Animação ser a mais nova da premiação com seus 11 aninhos, é possível distinguir um certo padrão nos indicados.

Regrinha número 1: Reserve uma das vagas para a PIXAR. Se lançaram um filme produzido pela Pixar, pode incluí-lo na lista. E os números são impressionantes. Dos dez vencedores do Oscar de animação, a Pixar levou o ouro seis vezes! Concorreu em oito oportunidades e perdeu em apenas duas ocasiões: Em 2002, Monstros S.A. para o imbatível Shrek. E em 2007, Carros foi batido por Happy Feet – O Pinguim. A Pixar só não chegou na reta final em uma única vez, este ano, porque Carros 2 foi nitidamente feito pra ganhar dinheiro e agradar um dos chefes da produtora e diretor do próprio filme: John Lasseter.

Procurando Nemo (2003), de Andrew Stanton. Vencedor pela Pixar em 2004 foi relançado nas salas de cinema este ano no formato 3D.

Em 2013, a Pixar deve voltar a concorrer pelo novo trabalho Valente, de Mark Andrews e Brenda Chapman. Não sei se tentaram ir na onda do sucesso de Como Treinar Seu Dragão, mas a temática viking não fez o sucesso que se esperava. Por se tratar de uma animação com o selo da Pixar, a bilheteria costuma ficar garantida e a vaga no Oscar também, mas deve se tornar a terceira derrota da produtora.

Regrinha número 2: Traga material estrangeiro para a categoria. O segundo Oscar de animação foi para o pioneiro Hayao Miyazaki e seu belíssimo filme A Viagem de Chihiro. Nos anos seguintes, a Academia pegou esse costume de tentar trazer sempre produções internacionais, valorizando a categoria, os artistas responsáveis e a audiência na TV. Além do Japão de Miyazaki, que voltou a concorrer em 2006 com O Castelo Animado, a França se destacou com As Bicicletas de Belleville e O Mágico, ambos de Sylvain Chomet, com Persepolis, de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, e este ano com o espanhol Chico & Rita, de Tono Errando, Javier Mariscal e Fernando Trueba, e o francês Um Gato em Paris, de Jean-Loup Felicioli e Alain Gagnol.

As Bicicletas de Belleville (2003), de Sylvain Chomet, marcou a estréia da França na categoria. Merecia o Oscar.

Independente dos motivos comerciais e de audiência do Oscar, a presença da diversidade internacional ressalta a qualidade de trabalhos feitos fora do território americano, dominado pela técnica de 3D (animações tridimensionais como as da Pixar). As animações cresceram bastante com o 3D, mas pra mim, o 2D tem muito mais charme.

Regrinha número 3: Não se trata exatamente de um regra, mas uma tendência. Nos últimos anos, alguns diretores de filmes com atores vêm se aventurando no gênero da animação. O primeiro diretor sem tradição com desenho a ganhar o Oscar da categoria foi George Miller com Happy Feet – O Pinguim em 2007. Miller ficou mais conhecido pela trilogia do violento Mad Max, estrelada pelo jovem Mel Gibson. Este ano, o vencedor Rango foi dirigido por Gore Verbinski, cuja filmografia inclui Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra e O Chamado.

Quando as pessoas ainda estavam na onda “fofa” dos pinguins de A Marcha dos Pinguins, Happy Feet – O Pinguim (2006), de George Miller, foi o vencedor da categoria por causa de sua alta bilheteria. Mas quem realmente merecia era A Casa Monstro, de Gil Kenan.

Em 2013, Tim Burton pode se juntar a essa tendência. Embora tenha realizado alguns curtas de animação (como o próprio curta Frankenweenie, de 1984, que dá origem ao longa) e o longa Noiva-Cadáver (2005), que lhe rendeu a primeira e única indicação ao Oscar, o diretor ficou bem mais marcado por trabalhos com atores como Edward Mãos-de-Tesoura (1990), Ed Wood (1994) e A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (1999).

DOS CONCORRENTES DE 2013

Como a Academia fez a pré-seleção com 21 candidatos, isso significa que haverão cinco finalistas. Para que isso aconteça, é necessário o mínimo de 16 produções. Abaixo disso, a categoria teria apenas 3 finalistas.

Obviamente, não conferi todos os 21 filmes, mas dei uma olhada em cada um e cheguei a algumas conclusões. Primeiro, vamos conferir a lista das 21 animações, em ordem alfabética:

Frankenweenie, de Tim Burton: Favorito ao Oscar 2013.

Delhi Safari, de Nikhil Advani (Índia)

Detona Ralph (Wreck-It Ralph), de Rich Moore (EUA)

A Era do Gelo 4 (Ice Age Continental Drift), de Steve Martino e Mike Thurmeier (EUA)

Frankenweenie (Frankenweenie), de Tim Burton (EUA)

From Up on Poppy Hill (Kokuriko-zaka Kara), de Goro Miyazaki (Japão)

O Gato do Rabino (Le Chat du Rabbin), de Antoine Delesvaux e Joann Sfar (França/ Áustria)

Hey Krishna (Krishna Aur Kans), de Vikram Veturi (Índia)

Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania), de Genndy Tartakovsky (EUA)

A Liar’s Autobiography: The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman, de Bill Jones, Jeff Simpson e Ben Timlett (Reino Unido)

O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida (Dr. Seuss’ The Lorax), de Chris Renauld (EUA)

Madagascar 3: Os Procurados (Madagascar 3: Europe’s Most Wanted), de Eric Darnell, Tom McGrath e Conrad Vernon (EUA)

The Mystical Laws (Shinpi no hô), de Isamu Imakake (Japão)

A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians), de Peter Ramsey (EUA)

The Painting (Le Tableau), de Jean-François Laguionie (França)

ParaNorman (ParaNorman), de Chris Butler e Sam Fell (EUA)

Piratas Pirados! (The Pirates! Band of Misfits), de Peter Lord (Reino Unido/ EUA)

Tinker Bell: O Segredo das Fadas (Secret of the Wings), de Roberts Gannaway e Peggy Holmes (EUA)

Valente (Brave), de Mark Andrews e Brenda Chapman (EUA)

Walter & Tandoori’s Christmas (Le Noël de Walter et Tandoori), de Sylvain Viau (Canadá)

Zambezia, de Wayne Thornley (África do Sul)

Zarafa, de Rémi Bezançon e Jean-Christophe Lie (França/ Bélgica)

Piratas Pirados!, de Peter Lord: animação de massinha muito bem representado.

Como realizador, só o fato de ter seu filme lançado numa sala de cinema já seria motivo de orgulho. Imagine então tê-lo nessa lista! Apesar da quantidade de animações lançadas em um ano ser bem inferior ao de filmes com atores (live-action), ainda assim, trata-se de uma seleção oficial da Academia. Contudo, alguns desses trabalhos não devem seguir adiante na classificação como são os casos de Tinker Bell: O Segredo das Fadas e Walter & Tandoori’s Christmas, por se tratarem de filmes mais comuns.

Voltando ao tema da diversidade internacional, acho muito bacana ver uma produção sul-africana na lista. Apesar de Zambezia parecer um clone genérico de Madagascar, vale pelo incentivo aos artistas do continente africano, que têm orçamento bastante reduzido. As animações indianas Delhi Safari e Hey Krishna também não vão muito longe no âmbito visual, mas para quem achava que a Índia só tinha musicais à la Bollywood, aí está a prova de que existe diversidade em todos os países.

Tirando Frankenweenie e Valente, que já são presença certa entre os indicados pelos motivos citados no início do post, não existem mais favoritismos. Porém, por se tratar da única animação feita com massinha, Piratas Pirados! tem boas chances de concorrer. Além de reforçar a diversidade, a Academia já comprovou que gosta dessa técnica de stop-motion ao premiar Wallace & Grommit – A Batalha dos Vegetais, de Steve Box e Nick Park, em 2006.

Detona Ralph pode se tornar uma grata surpresa na lista pelo sucesso de público.

Outro detalhe que faz diferença é a bilheteria da animação. Nesse quesito, Detona Ralph, que conta com vários personagens do universo do video-game, estreou semana passada em primeiro lugar nos EUA, com 49 milhões de dólares. É lógico que os números não se comparam a uma estréia da Pixar, que costuma superar os 100 milhões, mas devemos considerar como um sucesso grande nessa reta final. Vale lembrar que o simpático Hotel Transilvânia está na sua sexta semana em cartaz e já faturou 137 milhões.

Não acredito que a Academia vá compensar com uma indicação as sequências A Era do Gelo 4 e Madagascar 3 – Os Procurados, mas não podemos ignorar que Shrek 2 e Kung Fu Panda 2 já foram finalistas. Isso acabaria abrindo uma bela brecha para que a produção com visual mais caprichado entre na roda: o francês The Painting (Le Tableau), que mexe com pinturas e surrealismo. Por mais que não agrade alguns votantes, é inegável a qualidade estética da animação de Jean-François Laguionie, um veterano que já dirigiu sete curtas e quatro longas. Deve e merece ser indicado. Veja a foto abaixo e tente discordar:

The Painting (Le Tableau): um espetáculo visual que merece maior exposição internacional

Ainda vale citar alguns trabalhos que podem surpreender como o japonês From Up on Poppy Hill, dirigido pelo filho de Hayao Miyazaki, Goro Miyazaki. O Gato do Rabino seria uma segunda opção para a França, caso The Painting não passe, ainda mais que contém elementos da religião judaica, muito forte entre os votantes da Academia. Eu também citaria ParaNorman pelo sucesso que fez em solo americano, mas talvez o fato de ter algumas semelhanças mórbidas com Frankenweenie atrapalhe na seleção.

E pra fechar, gostaria muito de ver o alternativo britânico A Liar’s Autobiography: The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman entre os indicados. A animação que mistura várias técnicas diferentes como 2D, 3D, pintura e colagem pra contar a história de Graham Chapman, criador do grupo de humor Monty Phyton já vale pela idéia genial. Resta saber se os votantes têm a cabeça aberta para algo mais incomum, pois infelizmente, a maioria ainda acredita que animação é obrigatoriamente material infanto-juvenil. Vamos crescer, né?

A Liar’s Autobiography: The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman: uma das cenas que contém colagem. Será que cola na Academia?

Então, sem mais delongas, minha lista de palpites ficaria assim: (Seria uma mistura das minhas apostas com o que gostaria de ver na categoria)

Detona Ralph

Frankenweenie

The Painting

Piratas Pirados!

Valente

Valente: aposta certa da Pixar, mas não detém o favoritismo desta vez