‘PARASITA’ É O MELHOR FILME pelos CRÍTICOS de LOS ANGELES

MELHOR FILME: Parasita

ASSOCIAÇÃO TEM UMA QUEDA TRADICIONAL POR FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Apesar de ter o costume maior de premiar atores estrangeiros, a associação de críticos de Los Angeles elegeu como Melhor Filme pela segunda vez consecutiva uma produção de língua estrangeira após o mexicano Roma. E em 2012, elegeu o europeu Amor, de Michael Haneke.

Além de ser reconhecido como Melhor Filme, Parasita foi premiado nas categorias de Direção para Bong Joon-Ho e Ator Coadjuvante para Song Kang Ho, que interpreta o pai da família Kim. O filme sul-coreano também conquistou o segundo lugar nas categorias de Roteiro e Design de Produção (por aquela belíssima e funcional mansão da família Park).

ATOR COADJUVANTE: Song Kang-Ho (Parasita)

“Nossos estimados vencedores deste ano dão seguimento à tendência da nossa associação de defender um quadro diverso e inclusivo de filmes extraordinários. Cineastas vencedores são saudados ao redor do globo, incluindo Coréia do Sul, Espanha e França, enfatizando como filme transcende as fronteiras geográficas e dialoga com nossa experiência emocional compartilhada” declarou a presidente Claudia Puig.

Nos últimos anos, a LAFCA elegeu Moonlight e Spotlight como Melhor Filme, que acabaram levando o Oscar também. Em outros anos, seus vencedores estavam na lista de indicados a Melhor Filme: Roma, Me Chame Pelo Seu Nome, Boyhood e Gravidade e Ela, que dividiram o prêmio em 2013.

ATOR: Antonio Banderas (Dor e Glória)

SOBRE OS VENCEDORES

Além do ótimo desempenho de Parasita, que certamente melhora ainda mais a campanha do filme na temporada, a premiação também dá aquele up para o espanhol Dor e Glória, que venceu como Filme em Língua Estrangeira, e para o francês Retrato de uma Jovem em Chamas, que além de ter ficado com o 2° lugar, ainda levou o prêmio de Fotografia, dando um apoio importante ao filme de Céline Sciamma, que foi preterido pela comissão francesa que optou por Les Miserábles para representar o país no Oscar. A diretora de fotografia Claire Mathon venceu por dois trabalhos: Retrato e Atlantique (que está na Netflix). Caso sua campanha continue avançando, ela pode se tornar a segunda mulher indicada ao Oscar de Fotografia depois de Rachel Morrison (Mudbound).

ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lopez (As Golpistas)

Na categoria de Longa de Animação, o francês Perdi Meu Corpo bateu os grandes da Pixar (Toy Story 4 ficou com o 2º lugar), da Disney (Frozen 2) e Dreamworks (Como Treinar o Seu Dragão 3), levando ainda o prêmio de Trilha Musical, e com essas vitórias praticamente crava sua indicação ao Oscar, até mesmo porque sua disponibilidade no acervo da Netflix ajuda bastante a conquistar votos.

Pelas categorias de atuação, Mary Kay Place (A Vida de Diane) ganha uma sobrevida diante da campanha quase imbatível de Renée Zellwegger por Judy, assim como Jennifer Lopez (As Golpistas) contra Laura Dern (História de um Casamento). Na ala masculina,os estrangeiros Antonio Banderas e Song Kang-Ho reforçam suas campanhas na tentativa de conquistar suas primeiras indicações ao Oscar num ano bastante disputado.

ATRIZ: Mary Kay Place (A Vida de Diane)

VENCEDORES DO LAFCA 2019:

MELHOR FILME: Parasita
2° lugar: O Irlandês

MELHOR DIRETOR: Bong Joon-Ho (Parasita)
2° lugar: Martin Scorsese (O Irlandês)

MELHOR ATRIZ: Mary Kay Place (A Vida de Diane)
2° lugar: Lupita Nyong’o (Nós)

MELHOR ATOR: Antonio Banderas (Dor e Glória)
2° lugar: Adam Driver (História de um Casamento)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lopez (As Golpistas)
2° lugar: Shuzhen Zhao (The Farewell)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Song Kang Ho (Parasita)
2° lugar: Joe Pesci (O Irlandês)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: American Factory
2° lugar: Apollo 11

MELHOR ROTEIRO: Noah Baumbach (História de um Casamento)
2° lugar: Bong Joon-Ho e Han Jin Won (Parasita)

MELHOR FOTOGRAFIA: Claire Mathon (Retrato de uma Jovem em Chamas) (Atlantique)
2° lugar: Roger Deakins (1917)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: Barbara Ling (Era uma Vez em… Hollywood)
2° lugar: Ha Jun Lee (Parasita)

MELHOR MONTAGEM: Todd Douglas Miller (Apollo 11)
2° lugar: Ronald Bronstein & Benny Safdie (Uncut Gems)

MELHOR TRILHA: Dan Levy (Perdi Meu Corpo)
2° lugar: Thomas Newman (1917)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Dor e Glória
2° lugar: Retrato de uma Jovem em Chamas

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO: Perdi Meu Corpo
2° lugar: Toy Story 4

New Generation Prize: Joe Talbot, Jimmie Fails e Jonathan Majors (The Last Black Man in San Francisco)

Douglas Edwards Experimental Film Award: The Giverny Document

NETFLIX PREDOMINA GOTHAM AWARDS COM ‘HISTÓRIA DE UM CASAMENTO’

Marriage.jpg

Diretor e roteirista Noah Baumbach recebe prêmio de Melhor Filme por História de um Casamento. Ao fundo, os atores Adam Driver e Laura Dern. (pic by Deadline)

PLATAFORMA DE STREAMING CONQUISTA 6 PRÊMIOS, SENDO 4 POR DRAMA DE NOAH BAUMBACH

Pra quem não está muito familiarizado com o Gotham Awards, ele está apenas em sua 29ª edição, porém nos últimos anos vem conquistando prestígio em Hollywood ao premiar com antecedência produções independentes com forte potencial para a temporada de premiações. Acabou se tornando uma espécie de Independent Spirit Award de fim de ano. Spotlight e Moonlight foram os dois últimos vencedores do Gotham de Melhor Filme que acabaram levando o Oscar de Melhor Filme.

Apesar de não ter uma categoria de Melhor Direção, eles preferem premiar diretores novatos com  sangue novo em Direção Revelação, que este ano foi vencido por Laure De Clermont-Tonnerre por The Mustang, um drama sobre um detento que ganha a chance de participar de um programa de reabilitação envolvendo treinamento de cavalos. Já pela categoria de Ator ou Atriz Revelação, o Gotham recoheceu a performance da jovem Taylor Russell no drama famliar Waves.

The Mustang

Cena de The Mustang, que levou o prêmio de Diretora Revelação (pic by IMDb)

O grande vencedor da noite foi História de um Casamento, que levou Melhor Filme, Roteiro, Ator (Adam Driver), além do prêmio do público, votado pelos membros do Independent Filmmakers Project. Essa vitória maiúscula do drama conjugal alavanca a campanha do filme rumo ao Oscar, já que no Independent Spirit, o filme teve suas expectativas frustradas com apenas as indicações de Filme e Roteiro, e o prêmio especial para o elenco. Caso o filme conquiste uma indicação para o Oscar de Melhor Filme, será a segunda da Netflix depois de Roma.

Ciente da importância do papel da Netflix nesta vitória, Noah Baumbach, que subiu ao palco duas vezes, ressaltou sua gratidão ao chefe da Netflix, Ted Sarandos, que estava presente, por ele financiar seu filme, e por salvar a histórica sala de cinema Paris Theater em Nova York de uma falência e fechamento. O plano da Netflix é utilizar a sala como ponto de referência para encontros de campanhas e, claro, para as projeções de seus filmes, já que é uma regra obrigatória para concorrer aos prêmios. Aliás, cantamos essa bola aqui mesmo no blog há um ano, que a empresa deveria ter suas próprias salas de cinema para promover suas produções, suas campanhas e agradar ao público, que muitas vezes deseja assistir a alguns filmes deles numa tela grande. Além de História de um Casamento, a Netflix ainda tem O Irlandês, Dois Papas e Meu Nome é Dolemite para promover nesta temporada.

Design sem nome.jpg

Awkwafina e Adam Driver vencem os prêmios de atuação no Gotham Awards (pic by Just Jared)

Pela categoria de Melhor Atriz, Awkwafina levou a melhor por The Farewell, sobre uma neta americana que precisa retornar à China para cuidar de sua avó adoentada. “Meu Deus! Nunca ganhei nada. Não consigo nem ganhar em discussões de comentários do Instagram!”, discursou com seu bom humor característico. Esnobada no Independent Spirit, a atriz ganha novo fôlego para os prêmios da crítica e para as indicações do Globo de Ouro que estão por vir. Contudo, vale lembrar que ela não concorreu aqui contra a favorita até o momento, Renée Zellwegger por Judy.

Pelas categorias televisivas, a série When They See Us conquistou o prêmio de formato longo (outra conquista da Netflix), enquanto PEN15 levou o de formato curto.

VENCEDORES DO GOTHAM AWARDS:

MELHOR FILME
– The Farewell
-As Golpistas (Hustlers) (STXfilms)
– História de um Casamento (Netflix)
– Uncut Gems (A24)
– Waves (A24)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– Indústria Americana (American Factory)
– Apollo 11
– Democracia em Vertigem (The Edge of Democracy)
– Midnight Traveler
– One Child Nation

American Factory.jpg

Cena do documentário Indústria Americana, que levou o Gotham da categoria. Pic by IMDb

DIRETOR REVELAÇÃO
– Laure De Clermont-Tonnerre (The Mustang)
– Kent Jones (A Vida de Diane)
– Joe Talbot (The Last Black Man in San Francisco)
– Olivia Wilde (Fora de Série)
– Phillip Youmans (Burning Cane)

MELHOR ROTEIRO

– Lulu Wang (The Farewell)
– Tarell Alvin McCraney (High Flying Bird)
– Jimmie Fails, Joe Talbot, Rob Richert (The Last Black Man in San Francisco)
– Noah Baumbach (História de um Casamento)
– Ari Aster (Midsommar)

MELHOR ATOR
– Willem Dafoe (O Farol)
– Adam Driver (História de um Casamento)
– Aldis Hodge (Clemency)
– André Holland (High Flying Bird)
– Adam Sandler (Uncut Gems)

MELHOR ATRIZ
– Awkwafina (The Farewell)

– Elisabeth Moss (Her Smell)
– Mary Kay Place (A Vida de Diane)
– Florence Pugh (Midsommar)
– Alfre Woodard (Clemency)

ATOR OU ATRIZ REVELAÇÃO
– Julia Fox (Uncut Gems)
– Aisling Franciosi (The Nightingale)
– Chris Galust (Give Me Liberty)
– Noah Jupe (Honey Boy)
– Jonathan Majors (The Last Black Man in San Francisco)
– Taylor Russell (Waves)

SÉRIE – LONGO FORMATO REVELAÇÃO (acima de 40 minutos)
– Chernobyl (HBO)
– David Makes Man (OWN: Oprah Winfrey Network)
– My Brilliant Friend (HBO)
– Unbelievable (Netflix)
– When They See Us (Netflix) 

SÉRIE – FORMATO CURTO (ABAIXO DE 40 MINUTOS)
– PEN15 (Hulu)
– Ramy (Hulu)
– Russian Doll (Netflix)
– Tuca & Bertie (Netflix)
– Undone (Amazon Prime Video)

AUDIENCE AWARD
História de um Casamento (Marriage Story)

TRIBUTE AWARD
– Laura Dern
– Sam Rockwell
– Ava DuVernay
– Glen Basner

‘O FAROL’ e ‘UNCUT GEMS’ LIDERAM o INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

The Lighthouse

Cena de O Farol, indicado a 5 Independent Spirit Awards (pic by IMDb)

PRODUTORA A24 IMPERA NUMA EDIÇÃO MARCADA POR INCOERÊNCIAS 

Conforme anunciado, as atrizes Zazie Beetz e Natasha Lyonne apresentaram o anúncio das indicações ao 35º Independent Spirit Awards, no qual apenas produções com orçamento abaixo de 20 milhões podem competir.

Desta forma, produções favoritas da temporada porém mais caras ficaram de fora, como O Irlandês e Era uma Vez em… Hollywood. Além disso, produções estrangeiras competem apenas na respectiva categoria, portanto o aclamado sul-coreano Parasita foi reconhecido apenas com esta indicação. Curiosamente, o espanhol Dor e Glória, que estava cotado inclusive ao Oscar de Direção para Pedro Almodóvar, foi esnobado na categoria. Ainda sobre o Melhor Filme Internacional, o Brasil está no páreo com A Vida Invisível, de Karim Aïnouz. É a primeira indicação do nosso cinema desde Aquarius em 2017.

A VIda Invisível.jpg

Cena de A Vida Invisível, indicado a Melhor Filme Internacional, pelo Brasil (pic by IMDb)

A24 NO TOPO DA CADEIA

A produtora, que tem se especializado em filmes de temática humanista e alternativa, tem nada mais, nada menos do que SETE títulos em disputa nesta edição do Independent Spirit Awards:

– Uncut Gems
– The Farewell
– O Farol (The Lighthouse)
– Waves
– The Last Black Man in San Francisco
– Midsommar
– The Souvenir

Que essa merecida conquista e crescimento no mercado sirva de bom exemplo para demais produtoras e estúdios a fazerem filmes diferentes e inteligentes.

The Souvenir.jpg

Cena de The Souvenir, que concorre como Melhor Filme Internacional (pic by IMDb)

VAMOS ÀS INCOERÊNCIAS

Claro que quanto mais filmes reconhecidos, melhor para o cinema, o cineasta e o cinéfilo. Contudo, quando vemos a lista de indicados do Independent Spirit, parece que escolheram os indicados nos dados ou sorteio.

História de um Casamento está indicado a Melhor Filme, porém seus atores e diretor não aparecem nas respectivas categorias. Noah Baumbach foi indicado a Roteiro, e o elenco do filme ganhou o prêmio Robert Altman de melhor elenco, assim, além de Adam Driver e Scarlett Johansson, Alan Alda, Laura Dern, Ray Liotta, Douglas Aibel, Francine Maisler, Julie Hagerty, Azhy Robertson e Merritt Wever venceram coletivamente. Contudo, os bem cotados para o Oscar perdem pontos, especialmente Scarlett Johansson e Alan Alda.

Marriage Story.jpg

Cena de História de um Casamento, com Adam Driver e Scarlett Johansson, vencedor do prêmio Robert Altman (pic by IMDb)

Apesar de indicado a Direção, Ator, Ator Coadjuvante, Fotografia e Montagem, O Farol misteriosamente ficou de fora da categoria de Melhor Filme. Como assim? Um dos filmes mais elogiados desde sua passagem em Cannes foi esnobado na principal categoria? Pattinson e Dafoe, que concorrem como Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente, somam pontos com o Independent Spirit para a temporada.

Por outro lado, o drama The Farewell foi indicado a Melhor Filme e Atriz Coadjuvante para a simpática velhinha Zhao Shuzhen, mas Awkwafina, que vinha recebendo reconhecimento até então, ficou de fora de Melhor Atriz. Não que ela seja uma unanimidade, mas para uma categoria que tem SEIS atrizes indicadas, é estranho vê-la de fora.

No caso do filme autobiográfico de Shia Labeouf, Honey Boy, recebeu importantes indicações de Direção, Fotografia e duas de Ator Coadjuvante (Noah Jupe e o próprio Shia Labeouf, que interpreta seu pai), porém não foi indicado a Melhor Filme.

E o que dizer de A Hidden Life? Foi indicado a Melhor Filme e… só! O filme de Terrence Malick foi lembrado apenas nesta categoria, como se fosse uma espécie de prêmio de consolação. Aí perguntamos: “Se tem quase zero de chances de ganhar, por que indicá-lo?”

No meio dessa bagunça toda, o filme que saiu íntegro foi Uncut Gems. O novo trabalho dos irmãos Benny e Josh Safdie foi indicado a Melhor Filme, Direção, Ator (para Adam Sandler), Roteiro e Montagem. Alguns defendem uma indicação para Julia Fox, que tem recebido reconhecimento como atriz estreante, mas acabou ficando de fora.

Uncut Gems.png

Adam Sandler em cena de Uncut Gems, indicado a 5 Independent Spirit Awards

Indicados ao 35º Independent Spirit Awards :

MELHOR FILME
* A HIDDEN LIFE
* CLEMENCY
* THE FAREWELL
* HISTÓRIA DE UM CASAMENTO (MARRIAGE STORY)
* UNCUT GEMS

MELHOR DIREÇÃO
* Robert Eggers – O FAROL
* Alma Har’el – HONEY BOY
* Julius Onah – LUCE
* Benny Safdie, Josh Safdie – UNCUT GEMS
* Lorene Scafaria – HUSTLERS

MELHOR ATOR
* Chris Galust – GIVE ME LIBERTY
* Kelvin Harrison – Jr., LUCE
* Robert Pattinson – O FAROL
* Adam Sandler – UNCUT GEMS
* Matthias Schoenaerts – THE MUSTANG

MELHOR ATRIZ
* Karen Allen – COLEWELL
* Hong Chau – DRIVEWAYS
* Elisabeth Moss – HER SMELL
* Mary Kay Place – A VIDA DE DIANE
* Alfre Woodard – CLEMENCY
* Renée Zellweger – JUDY

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Willem Dafoe – O FAROL
* Noah Jupe – HONEY BOY
* Shia Labeouf – HONEY BOY
* Jonathan Majors – THE LAST BLACK MAN IN SAN FRANCISCO
* Wendell Pierce – BURNING CANE

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Jennifer Lopez – AS GOLPISTAS
* Taylor Russell – WAVES
* Zhao Shuzhen – THE FAREWELL
* Lauren “Lolo” Spencer – GIVE ME LIBERTY
* Octavia Spencer – LUCE

MELHOR ROTEIRO
* Noah Baumbach – HISTÓRIA DE UM CASAMENTO
* Jason Begue, Shawn Snyder – TO DUST
* Ronald Bronstein, Benny Safdie, Josh Safdie – UNCUT GEMS
* Chinonye Chukwu – CLEMENCY
* Tarell Alvin Mccraney – HIGH FLYING BIRD

MELHOR FOTOGRAFIA
* Todd Banhazl – AS GOLPISTAS
* Jarin Blaschke – O FAROL
* Natasha Braier – HONEY BOY
* Chananun Chotrungroj – THE THIRD WIFE
* Pawel Pogorzelski – MIDSOMMAR

MELHOR MONTAGEM
* Julie Béziau – THE THIRD WIFE
* Ronald Bronstein, Benny Safdie – UNCUT GEMS
* Tyler L. Cook – SWORD OF TRUST
* Louise Ford – O FAROL
* Kirill Mikhanovsky – GIVE ME LIBERTY

MELHOR FILME INTERNACIONAL
* A VIDA INVISÍVEL, Brasil
* LES MISERÁBLES, França
* PARASITA, Coréia do Sul
* RETRATO DE UMA JOVEM EM CHAMAS, França
* RETABLO, Peru
* THE SOUVENIR, Reino Unido

MELHOR FILME DE ESTREANTE
* FORA DE SÉRIE (BOOKSMART)
* THE CLIMB
* A VIDA DE DIANE
* THE LAST BLACK MAN IN SAN FRANCISCO
* THE MUSTANG
* SEE YOU YESTERDAY

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE
* Fredrica Bailey, Stefon Bristol – SEE YOU YESTERDAY
* Hannah Bos, Paul Thureen – DRIVEWAYS
* Bridget Savage Cole, Danielle Krudy – BLOW THE MAN DOWN
* Jocelyn Deboer, Dawn Luebbe – GREENER GRASS
* James Montague, Craig W. Sanger – THE VAST OF NIGHT

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* AMERICAN FACTORY
* APOLLO 11
* FOR SAMA
* HONEYLAND
* ISLAND OF THE HUNGRY GHOSTS

PRÊMIO JOHN CASSAVETES (para produções abaixo de 500 mil dólares)
* BURNING CANE
* COLEWELL
* GIVE ME LIBERTY
* PREMATURE
* WILD NIGHTS WITH EMILY

PRÊMIO SOMEONE TO WATCH
* Rashaad Ernesto Green – PREMATURE
* Ash Mayfair – THE THIRD WIFE
* Joe Talbot – THE LAST BLACK MAN IN SAN FRANCISCO

PRÊMIO TRUER THAN FICTION
* Khalik Allah – BLACK MOTHER
* Davy Rothbart – 17 BLOCKS
* Nadia Shihab – JADDOLAND
* Erick Stoll & Chase Whiteside – AMÉRICA

PRÊMIO ROBERT ALTMAN
HISTÓRIA DE UM CASAMENTO – Noah Baumbach, Douglas Aibel, Francine Maisler, Alan Alda, Laura Dern, Adam Driver, Julie Hagerty, Scarlett Johansson, Ray Liotta, Azhy Robertson, Merritt Wever

***

Como de costume, a cerimônia do Independent Spirit Awards está marcada para o dia anterior ao Oscar, no caso, dia 08 de Fevereiro.

%d blogueiros gostam disto: