Vertigo quebra hegemonia de Cidadão Kane

Capa do mês de Agosto de 2012 da tradicional revista britânica Sight & Sound

Para quem não conhece a publicação mensal britânica da Sight & Sound, os editores têm essa tradição de eleger os melhores filmes de todos os tempos uma vez por década desde 1952, quando o clássico neo-realista italiano Ladrões de Bicicleta (1948), de Vittorio De Sica, ocupou a 1ª posição. Contudo, desde 1962, o filme revolucionário de Orson Welles, Cidadão Kane (1941), conquistou o caneco consecutiva e indiscutivelmente até 2002.

Este ano, com a colaboração de vários diretores renomados como Martin Scorsese e Quentin Tarantino, o vencedor finalmente mudou. Vertigo (1958), que aqui no Brasil, ganhou o sub-título Um Corpo que Cai, quebrou a hegemonia de cinco vitórias consecutivas de Cidadão Kane, e isso tem gerado um certo burburinho nos fóruns de discussão. Em sua maioria, o teor dessas discussões giram em torno da comparação da alta relevância das inovações estéticas e narrativas do filme de Welles com a trama mirabolante e de altas reviravoltas de Vertigo. Muitos cinéfilos e cineastas defendem uma espécie de hors concours (lugar cativo) para Cidadão Kane pela contribuição incomensurável para a história do Cinema.

Além disso, existiria uma outra discussão acalorada dentre os fãs do diretor britânico Alfred Hitchcock. Seria Vertigo o melhor trabalho dele? Por que não eleger outros excelentes trabalhos da vasta filmografia hitchcockiana? Por que não Psicose, pela construção da tensão constante? E Janela Indiscreta, que deixa o espectador como cúmplice? Por que deixar de lado o inovador Festim Diabólico com seus planos-sequência? Quando o diretor possui um talento incontestável e um ecleticismo de gêneros, como é o caso também de Stanley Kubrick, eleger apenas um trabalho passa a ser tarefa bastante ingrata.

Vertigo: o melhor filme de todos os tempos, segundo a Sight & Sound

Inúmeras vezes, já li na internet e já ouvi em conversas de bar a questão sobre o valor dessas listas. Seria realmente necessário reunir e classificar trabalhos ou obras? Por que isto ou aquilo ocupa a primeira colocação? Quem decide a sentença final? E, talvez, o mais importante: seria possível criar listas sem pressão e influências externas? Obviamente, as pessoas que estão por trás da lista que geram seu nível de relevância no cenário artístico. Há muitos cinéfilos que preferem a lista anual do escritor Stephen King à lista da Sight & Sound, por exemplo. E com isso, chegamos ao real valor dessas listas que é justamente gerar essas discussões saudáveis (se o ego não falar mais alto, claro!) a respeito das qualidades de um filme.

Mas voltando à eleição da Sight & Sound, os fãs de Orson Welles não devem arrancar os cabelos. Cidadão Kane caiu apenas uma posição e fica em 2º lugar até 2022! Além disso, acredito que essa lista consegue agradar de forma geral todos os admiradores da Sétima Arte, seja pela diversidade de países participantes, seja pelos diretores consagrados e até mesmo pelos anos de produção. É claro que a maioria dos filmes eleitos são mais antigos, concentrando-se nas décadas de 20 a 60, mas existem dois filmes bem mais recentes como Amor à Flor da Pele (2000), de Wong Kar-Wai, e Cidade dos Sonhos (2001), de David Lynch.

David Lynch dirige Naomi Watts em Cidade dos Sonhos (2001)

Para quem tem curiosidade de saber as razões de determinados filmes marcarem presença nessa lista, existe grande possibilidade de descobrir novas jóias e eleger como novos favoritos. É claro que as locadoras agradecem pela força e por retirarem o pó das capinhas dos DVDs encostados nas prateleiras, mas acho que os interessados não devem se limitar aos discos e procurar por mostras especiais de cinema de sua cidade, pois alguns dos filmes participantes batem ponto nesses eventos que muitas vezes são gratuitos.

Confiram a lista e façam seus comentários com possíveis injustiças e ausências mais sentidas.

 Top 50 dos Melhores Filmes de Todos os Tempos:

1. Vertigo – Um Corpo que Cai (Alfred Hitchcock, 1958)
2. Cidadão Kane (Orson Welles, 1941)
3. Era uma Vez em Tóquio (Yazujiro Ozu, 1953)
4. A Regra do Jogo (Jean Renoir, 1939)
5. Aurora (F.W. Murnau, 1927)
6. 2001: Uma Odisséia no Espaço (Stanley Kubrick, 1968)
7. Rastros de Ódio (John Ford, 1956)
8. O Homem da Câmera (Dziga Vertov, 1929)
9. A Paixão de Joana D’Arc (Carl Theodor Dreyer, 1927)
10. 8 ½ (Federico Fellini, 1963)
11. O Encouraçado Potemkin (Sergei Eisenstein, 1925)
12. O Atalante (Jean Vigo, 1934)
13. Acossado (Jean-Luc Godard, 1960)
14. Apocalypse Now (Francis Ford Coppola, 1979)
15. Pai e Filha (Yasujiro Ozu, 1949)
16. A Grande Testemunha (Robert Bresson, 1966)
17. Os Sete Samurais (Akira Kurosawa, 1954)
17. Persona – Quando Duas Mulheres Pecam (Ingmar Bergman, 1966)
19. Espelho (Andrei Tarkovsky, 1974)
19. Cantando na Chuva (Stanley Donen & Gene Kelly, 1951)
21. A Aventura (Michelangelo Antonioni, 1960)
21. O Desprezo (Jean-Luc Godard, 1963)
21. O Poderoso Chefão (Francis Ford Coppola, 1972)
24. A Palavra (Carl Theodor Dreyer, 1955)
24. Amor à Flor da Pele (Wong Kar-Wai, 2000)
26. Rashomon (Akira Kurosawa, 1950)
26. Andrei Rublev – O Artista Maldito (Andrei Tarkovsky, 1966)
28. Cidade dos Sonhos (David Lynch, 2001)
29. Stalker (Andrei Tarkovsky, 1979)
29. Shoah (Claude Lanzmann, 1985)
31. O Poderoso Chefão II (Francis Ford Coppola, 1974)
31. Taxi Driver (Martin Scorsese, 1976)
33. Ladrões de Bicicleta (Vittoria De Sica, 1948)
34. A General (Buster Keaton & Clyde Bruckman, 1926)
35. Metrópolis (Fritz Lang, 1927)
35. Psicose (Alfred Hitchcock, 1960)
35. Jeanne Dielman, 23 quai du Commerce 1080 Bruxelles (Chantal Akerman, 1975)
35. Sátántangó (Béla Tarr, 1994)
39. Os Incompreendidos (François Truffaut, 1959)
39. A Doce Vida (Federico Fellini, 1960)
41. Viagem Pela Itália (Roberto Rossellini, 1954)
42. A Canção da Estrada (Satyajit Ray, 1955)
42. Quanto Mais Quente Melhor (Billy Wilder, 1959)
42. Gertrud (Carl Theodor Dreyer, 1964)
42. O Demônio das Onze Horas Pierrot le fou (Jean-Luc Godard, 1965)
42. Play Time – Tempo de Diversão (Jacques Tati, 1967)
42. Close-Up (Abbas Kiarostami, 1990)
48. A Batalha de Argel (Gillo Pontecorvo, 1966)
48. Histoire(s) du cinéma (Jean-Luc Godard, 1998)
50. Luzes da Cidade (Charles Chaplin, 1931)
50. Contos da Lua Vaga (Mizoguchi Kenji, 1953)
50. La Jetée (Chris Marker, 1962)

Cena antológica da escadaria de Odessa em O Encouraçado Potemkin (1925). Filme soviético esteve presente nas primeiras posições em todas as listas da Sight & Sound.

Curiosamente, dessa lista, dois filmes estão em cartaz pela mostra Traffic – 1º Festival de Cinema e Cultura Asiática de São Paulo, exibidas no Cine Olido, no centro:

Era uma Vez em Tóquio, de Yazujiro Ozu

Contos da Lua Vaga, de Mizoguchi Kenji

Veja a programação completa pelo site: http://www.trafficfestival.com.br/

E o clássico Quanto Mais Quente Melhor, de Billy Wilder, volta à sala 3 do Espaço Unibanco Augusta, em homenagem aos 50 anos da morte da diva Marylin Monroe.

Quanto à seleção da Sight & Sound, particularmente, senti falta de alguns filmes:

M, O Vampiro de Dusseldorf, de Fritz Lang (1931)

Tempos Modernos, de Charles Chaplin (1936)

Casablanca, de Michael Curtiz (1942)

O Terceiro Homem, de Carol Reed (1949)

Doze Homens e uma Sentença, de Sidney Lumet (1957)

Hiroshima, meu Amor, de Alain Resnais (1959)

O Anjo Exterminador, de Luis Buñuel (1962)

O Bebê de Rosemary, de Roman Polanski (1968)

Era uma vez no Oeste, de Sergio Leone (1968)

Teorema, de Pier Paolo Pasolini (1968)

Morte em Veneza, de Luchino Visconti (1971)

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, de Woody Allen (1977)

Alien, o Oitavo Passageiro, de Ridley Scott (1979)

De Volta Para o Futuro, de Robert Zemeckis (1985)

O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme (1991)

Short Cuts – Cenas da Vida, de Robert Altman (1993)

Ed Wood, de Tim Burton (1994)

A Viagem de Chihiro, de Hayao Miyazaki (2001)

Fale com Ela, de Pedro Almodóvar (2002)

Zodíaco, de David Fincher (2007)

Retrato de uma obsessão em Morte em Veneza, de Luchino Visconti

Anúncios

Vencedores do 69th Golden Globes

Ricky Gervais amordaçado

Eu sei, eu sei. I SUCK! Das 14 indicações para Cinema, acertei apenas 9! Que vergonha! Mesmo assim, devemos nos manter humildes. Em se tratando de premiações, que podem ser bem imprevisíveis às vezes, digo que em alguns casos seria melhor saber menos porque você acaba acertando mais nas apostas. Sim, eu já perdi no bolão pra gente que nem sabia quem era Roman Polanski…

No geral, os resultados foram bastante democráticos, tanto que o filme que mais ganhou, O Artista, levou apenas 3 Globos de Ouro, comprovando que não há grandes favoritos na corrida para o Oscar. Em 2º lugar, Os Descendentes levou Melhor Filme – Drama e Ator – Drama para George Clooney. Na briga por diretor, Martin Scorsese, que já havia vencido 2 vezes por Os InfiltradosGangues de Nova York, surpreendeu ao bater Michel Hazanavicius e Alexander Payne (talvez pelos votos terem se dividido entre ambos, Scorsese tenha vencido).

Enfim, a coisa que mais aguardei ansioso foi o host Ricky Gervais. Mas onde ele estava? Parecia que haviam colocado uma mordaça em sua boca (como no pôster da premiação)! Ele não estava tão diabólico como no ano passado, disparando os podres das celebridades e jogando m**** no ventilador. Ficou nítido que o senso de humor de Gervais não era mais o mesmo… parecia que tinha voltado de uma lobotomia! Ele pegou mais leve dessa vez e fica essa questão se ele realmente foi ou não pressionado pela Associação de Imprensa Estrangeira a tirar o pé do acelerador, provavelmente a pedido das celebridades, que suavam frio toda vez que ele abria a boca.

Curiosamente, ele comenta e até faz piada sobre o assunto quando retira de seu bolso uma lista das ofensas que ele estaria proibido de falar. “Sem profanidade, tudo bem, eu tenho um amplo vocabulário”, ele diz. “E não mencione nada de Mel Gibson, e especialmente o Beaver (castor) da Jodie Foster” – fazendo alusão ao filme dirigido por Foster intitulado The Beaver, e traduzido aqui como Um Novo Despertar. As piadas sobre Mel Gibson eram as melhores, pois como anti-semita assumido, Ricky adorava cutucar.

Apesar do humor ácido ter reduzido drasticamente, Gervais conseguiu algumas pérolas como essa: “O Globo de Ouro está para o Oscar como Kim Kardashian está para Kate Middleton, mas um pouco mais escandalosa, um pouco mais trash e mais facilmente subornável”. Ou no começo da cerimônia, quando ele introduz Johnny Depp e pergunta ao ator: “Johnny, você viu O Turista?”, deixando Depp numa saia curta. Achei que ele estava apenas esquentando, mas ficou meio morno a cerimônia toda, tendo picos leves como quando introduziu a Madonna:

“Nossa próxima apresentadora é a Rainha do Pop – senta aí, Elton (John), não você. Ela é quase como uma virgem (fazendo referência ao sucesso da música dela Like a Virgin): Madonna!” 

Madonna, que não é flor que se cheire retrucou ao alcançar o microfone: “Se eu ainda sou como uma virgem, Ricky, por que você não vem aqui e  faz algo a respeito? Eu não beijo uma garota há anos… na TV!” – Em seguida, ao fundo, Ricky Gervais corre de um lado para o outro do palco, arrancando risadas da platéia.

A parte mais chata de assistir a essas premiações são as propagandas da TNT. Como a maioria dos blocos só cabia 2 prêmios, então havia muitos intervalos e já no segundo, você já cansa de ver as chamadas dos filmes Entre Irmãos, Operação Babá, Sex and the City – O Filme,  o trailer do Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres. E sem contar que tava quase comprando o carro novo da Fiat, o Bravo.

Quanto aos resultados, o Estado de S. Paulo deu o título de Divisão Amigável, pois os prêmios foram tão bem-divididos que dá a impressão de que foi tudo planejado, e não votado.

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

ATOR COADJUVANTE: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

A briga estava entre Plummer e Albert Brooks, uma vez que ambos ganharam boa parte dos prêmios da crítica, mas o veterano saiu vitorioso. Fiquei com a pulga atrás da orelha se foi um prêmio pela carreira ou pela performance e loquei o filme. Como eu disse um post anterior, o papel dele nesse filme tem todo o jeito de prêmio. Acompanhe: idoso, recém-viúvo, assume homossexualidade aos 75 anos e em seguida, descobre ter câncer. Chamam um ator de renome e pronto! Aí está a receita do Oscar. Não obstante, Plummer consegue humanizar bastante seu personagem e tenta fugir a todo custo do rótulo do gay idoso. Ele consegue cativar seu filho (Ewan McGregor) e o público sem grande esforço. Se está melhor que Albert Brooks? Quando estrear o Drive por aqui, eu confirmo em seguida, mas até lá, Plummer tem o direito de ficar com seu Globo de Ouro.

TRILHA MUSICAL: Ludovic Bource (The Artist)

Como descrevi no post anterior, quando se trata de um filme mudo, a trilha musical ganha importância desproporcional. A música passa a ocupar um espaço de um personagem. E acredito que as chances de Ludovic no Oscar só aumentaram com esse Globo de Ouro.

CANÇÃO: Masterpiece, de Madonna (W.E. – O Romance do Século)

Talvez tenha sido a maior surpresa da noite. Não que Madonna não seja um nome de peso numa categoria de canção, mas como seu filme não foi tão bem divulgado e provavelmente já deve ter sido criticado, um prêmio estaria fora de cogitação, ainda mais com concorrentes de renome como Elton John e Mary J. Blige. Aliás, esta última era considerada a favorita pela tocante canção de Histórias Cruzadas. No Oscar, como os últimos vencedores não foram favoritos, a corrida está bem aberta.

Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

ATRIZ – COMÉDIA/MUSICAL: Michelle Willams (Sete Dias com Marylin)

Desde que vi a primeira foto de Michelle Williams como a diva Marylin Monroe, eu sabia que ela estaria nessa temporada de prêmios. Além de ela ter ficado bem parecida (sim, isso inclui artefatos no bumbum), Michelle está em plena ascensão na carreira e deixou de ser a ex-esposa de Heath Ledger. Nesse Sete Dias com Marylin, não deve ter sido uma tarefa fácil copiar o jeito meigo da loira de O Pecado Mora ao Lado.

ANIMAÇÃO: As Aventuras de Tintim, de Steven Spielberg

Por mais que não tenha visto o filme ainda, confesso que na hora fiquei um pouco indignado que Rango perdeu. Quero dizer, parece que a Associação de Imprensa Estrangeira queria apenas agradar o Sr. Spielberg e não deixá-lo sair de mãos abanando. Sei que As Aventuras de Tintim deve ser praticamente perfeito tecnicamente, mas fiquei decepcionado que Rango não foi reconhecido porque merecia. Enfim, só me resta torcer para que esse prêmio tenha sido justo.

ROTEIRO: Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Sim, Woody Allen ainda sabe escrever muito bem. O que ele ainda não sabe é receber prêmios! Ele não compareceu à festa e perdeu a oportunidade de agradecer o reconhecimento. Meia-Noite em Paris merecia pelo menos um prêmio e acho que roteiro seria o mais justo de fato. O trabalho novo de Allen é maduro, mas sem esquecer suas raízes lúdicas e humorísticas. Todos na sala sabiam disso, tanto que aplaudiram fervorosamente.

FILME ESTRANGEIRO: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

O filme iraniano conseguiu um grande feito de bater Almodóvar e Angelina Jolie que, por mais que não tenha prestígio como diretora, é muito querida pela imprensa. Pelos comentários de alguns críticos, o filme consegue sintetizar a História do próprio Irã

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

numa trama sobre relacionamentos e família. Talvez por isso também concorra a Melhor Roteiro Original no Oscar.

ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Octavia Spencer bate a colega Chastain. Seu papel em Histórias Cruzadas já vinha sendo comentado antes mesmo da temporada de premiação. Na hora de seu discurso, ela me lembrou a Hattie McDaniel, por ser negra e também por interpretar uma doméstica em …E o Vento Levou.

DIRETOR: Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Uma surpresa, mas uma grata surpresa. Martin é um grande diretor e grande amante do Cinema. Ele restaura e cuida de filmes antigos, preservando a História do Cinema. Além disso, é muito querido de atores, cineastas e equipes. Seu novo filme parece carregar toda essa paixão que Scorsese tem pelo Cinema, escalando ninguém menos que Georges Méliès, o inventor de efeitos especiais no Cinema. Michel Hazanavicius era forte candidato ao prêmio, mas como seu filme The Artist levou Melhor Filme – Comédia ou Musical, ficou tudo certo. Outra fato que é importante comentar aqui é que a vitória de Scorsese e Spielberg (animação), reconhece a qualidade do trabalho desses veteranos do Cinema em sua primeira experiência no formato 3D.

ATOR – COMÉDIA/MUSICAL: Jean Dujardin (The Artist)

Jean Dujardin (The Artist)


Os trejeitos e expressões de Jean Dujardin me lembram Gene Kelly em Cantando na Chuva. Aliás, The Artist lembra bastante a história de Cantando na Chuva ao falar sobre cinema mudo. Com essa vitória, Dujardin está garantido na categoria do Oscar.

ATRIZ – DRAMA: Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Meryl Streep ou Viola Davis? O Globo de Ouro escolheu a veterana atriz que, este ano, apostou num papel inconvencional e difícil, pois Margaret Thatcher foi uma figura política bastante controversa na base do “ame ou odeie”. Pelo que li, A Dama de Ferro foca mais nos últimos anos da vida dela, quando ela luta contra a demência, tentando dessa forma cativar mais o público ao transformá-la numa mulher comum e frágil. A atuação de Streep tem sido bastante elogiada por ela conseguir reproduzir o sorriso, a entonação e as posturas de Thatcher. Vem aí seu 3º Oscar?

FILME – COMÉDIA/MUSICAL: The Artist, de Michel Hazanavicius

Prêmio merecido. Quem faria um filme preto-e-branco, mudo, sobre Hollywoodland nos anos 20 com elenco desconhecido e francês? Uma vitória pela ousadia acima de tudo. Quando o filme estrear, veremos sua consistência.

George Clooney (Os Descendentes)

ATOR – DRAMA: George Clooney (Os Descendentes)

Quem não gosta do George? Ele é carismático, charmoso, bem-humorado e defende causas nobres. Ok, eu sei, o prêmio não reconhece características pessoais. Eu vi alguns trailers de Os Descendentes e estou bastante ansioso pra ver. Muitos estão dizendo que se trata do melhor trabalho de Clooney como ator. Deve ser mesmo, porque Alexander Payne é um diretor que sabe explorar seu elenco até o máximo. Jack Nicholson (As Confissões de Schmidt), Reese Witherspoon (Eleição) e Paul Giamatti (Sideways) que o digam. Admito que Clooney nunca teve um grande desafio como ator, mas se ele aceitou fazer esse filme com Payne e foi elogiado significa que ele reconhece suas limitações e está procurando melhorar. Ah, se todos os atores medíocres fizessem o mesmo…

FILME – DRAMA: Os Descendentes, de Alexander Payne

Se não ganhou Melhor Diretor e Melhor Roteiro, tem que ganhar Melhor Filme! Mas numa temporada sem grandes favoritos, Os Descendentes não tem nada garantido no Oscar. Será indicado? Sem sombra de dúvida. Ganhará um Oscar? Certeza 99%. Ganhará Melhor Filme? Putz, me pergunte daqui a um mês.

Dos demais resultados referentes a TV, desconheço muitas das séries indicadas e premiadas, mas fiquei feliz com a premiação da Laura Dern (que estava com a mãe Diane Ladd na platéia!), Kate Winslet pelo Mildred Pierce (parece bom, considerando também o diretor Todd Haynes) e Jessica Lange, como coadjuvante na nova série American Horror Story. Em seu discurso, ela agradece os roteiristas por criaram bom material para atores buscarem inspiração todo dia.

Apostas para o Globo de Ouro

Antes de prosseguir com o texto, uma errata: A cerimônia do Globo de Ouro será transmitida pelo canal TNT este ano, e não pela Sony. E, de acordo com o anúncio no Guia da Folha de S. Paulo, a TNT também se encarregará da transmissão dos seguintes prêmios:

15/01: GLOBO DE OURO. Pré-show a partir das 22h. Comentários de Rubens Ewald Filho.

29/01: SAG Awards. A partir das 23h.

12/02: GRAMMY. A partir das 23h.

26/02: OSCAR. Pré-show a partir das 20h30.

Ricky Gervais, único host que bebe enquanto apresenta

Bom, dito isso, estou ansioso pela entrega dos Globos de Ouro neste domingo. Mas confesso que estou um pouco mais ansioso para ouvir as piadas ácidas do anfitrião da noite, o ator britânico Ricky Gervais (mais conhecido pela série original do The Office), do que os próprios resultados. Explico: Gervais deixou quase todos indignados com seu humor nas últimas 2 edições do prêmio. Ele foge daquelas piadinhas prontas de teleprompter que os apresentadores recitam como se fossem T. S. Elliott. Nessas circunstâncias, torna-se um deleite observar esse improviso todo num evento tão bem preparado e programado para ser perfeito. Além disso, vemos como alguns alvos de piadas reagem (quando a câmera os pegam) e/ou rebatem os insultos. Tem gente que encara de boa, mas outros levam a sério e mostram aquele sorrisão amarelo.

Eis algumas pérolas que ele soltou no palco:

* Comentando sobre o filme O Turista: “Foi um grande ano para os filmes em 3-D… Parece que tudo este ano foi tridimensional. Exceto pelos personagens de O Turista!”

* Sobre os shows de Cher: “Você quer ir e ver a Cher? Não! Por que não? Porque não é 1975.”

* Aconselhando Crystal Harris (de 24 anos), noiva de Hugh Hefner (de 85): “Apenas não olhe quando você tocar!” – fazendo gestos de masturbação e ânsia ao mesmo tempo.

* Introduzindo Bruce Willis: “Por favor, dêem boas-vindas ao pai de Ashton Kutcher!”

* Introduzindo o presidente da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, Philip Berk: “Eu o ajudei no banheiro a encaixar seus dentes!” – Quando Berk alcança o microfone, ele retruca: “Ricky, da próxima vez que você quiser ajuda para classificar seu filme, procure outra pessoa!”

Pode soar cruel demais, mas acredite: espanta o sono quando começa a ficar chato!

Ok, ok… vamos aos prêmios! Mas antes de continuar, já aviso que não é possível fazer uma análise completa, porque infelizmente as distribuidoras dos filmes querem aguardar as indicações ao Oscar para poder aproveitar a publicidade no lançamento. Tudo bem, atitude compreensível. Mas quem sai perdendo é o público que muitas vezes assiste ao Oscar sem ter conferido várias produções indicadas.

Bom, vou tentar simplificar, dividindo por categorias. Lembrando que o Globo de Ouro divide as categorias de filme, ator e atriz em duas sub-divisões: Drama e Comédia/Musical com o intuito de promover mais trabalhos.

 MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Jessica Chastain (que está a cara da Jessica Lange em Céu Azul)

Quem deve vencer: Jessica Chastain (A Árvore da Vida)

Meu voto: Shailene Woodley (Os Descendentes)

Pela quantidade de filmes que fez em 2011, Jessica Chastain já teria vitória garantida e isolada.  Apesar de seu reconhecimento ser maior pelo filme A Árvore da Vida, ela foi indicada pela dramédia Histórias Cruzadas. Seu trabalho no filme de Terrence Malick se resume à naturalidade de seus gestos. Ela compõe uma mãe submissa de família, que se vê dividida entre o amor do marido e de seus filhos. Apesar de seu papel ser menor, seu modo de atuação é conciso, semelhante ao de Benicio del Toro em Traffic. Mas enfim, Histórias Cruzadas só estréia por aqui no dia 3 de fevereiro. Meu voto vai para a jovem Shailene Woodley que, sob a firme direção de Alexander Payne, parece ter encontrado um ótimo ponto de equilíbrio com George Clooney. 

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christopher Plummer: prêmio por puro mérito ou conjunto da obra?

Quem deve vencer: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Quem deveria vencer: Albert Brooks (Drive)

Não menosprezando o trabalho de Plummer, mas quando se tem um papel de idoso com doença terminal e se descobre homossexual, parece mais fácil causar uma catarse no público e esconder mais a atuação. Além disso, Plummer já é uma figura conhecida e querida desde que interpretou o Capitão Von Trapp em A Noviça Rebelde e nunca levou o prêmio. Pelo trailer de Drive, é possível notar que o personagem de Brooks é mais contido e as nuances ficam mais em evidência. 

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

The Living Proof, de Mary J. Blige

Quem deve vencer: The Living Proof (Histórias Cruzadas)

Quem deveria vencer: The Living Proof (Histórias Cruzadas)

Como este ano não tem nenhum favorito como um My Heart Will Go On, provavelmente o prêmio deve ir para Histórias Cruzadas pelo tema de racismo e pela credibilidade de Mary J. Blige. A música apresenta uma letra bonita que ostenta a liberdade individual e coletiva.

 

MELHOR TRILHA MUSICAL

Quem deve vencer: Ludovic Bource (The Artist)

Quem deveria vencer: Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)

Ludovic Bource (The Artist)

Por se tratar de um filme mudo, a trilha de Ludovic Bource certamente fica mais em evidência do que qualquer outro trabalho. A música carrega mais o filme do que complementa como em outros casos, pois influi diretamente nas atuações do elenco. Mas não se deve deixar de lado o trabalho de Howard Shore, que é colaborador assíduo de David Cronenberg e Martin Scorsese. Já levou 3 Globos de Ouro e Oscars, sendo a maioria pela trilogia de O Senhor dos Anéis. Talvez por isso, não deve ganhar mais uma vez. 

MELHOR ROTEIRO

Alexander Payne, Jim Rash e Nat Faxon (Os Descendentes)

Quem deve vencer: Alexander Payne, Jim Rash e Nat Faxon (Os Descendentes)

Quem deveria vencer: Alexander Payne, Jim Rash e Nat Faxon (Os Descendentes)

Como no Globo de Ouro, a categoria de Roteiro não se divide em Original e Adaptado, a competição fica bem mais acirrada. E pela primeira vez, Alexander Payne está indicado como produtor, ou seja, está com 3 indicações este ano e não deve sair de mãos abanando, já que é muito bem reconhecido pela Associação de Imprensa Estrangeira (venceu por As Confissões de Schmidt e Sideways – Entre Umas e Outras). Sim, e eu sei que Woody Allen está competindo e tem grandes chances, mas por mais fantasioso e lúdico que seja seu Meia-Noite em Paris, ainda considerado um trabalho inferior à sua era de ouro da década de 70.

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

O filme iraniano A Separação

Quem deve ganhar: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

Quem deveria ganhar: A Pele que Habito, de Pedro Almodóvar (Espanha)

Se nos basearmos apenas nos prêmios da crítica, o filme iraniano já estaria com a mão na taça, mas como premiação às vezes é imprevisível, tudo pode acontecer. Estou apostando no iraniano pelo histórico do Globo de Ouro, que já premiou o cinema do oriente médio, do palestino Paradise Now ao afegão Osama. Já o cinema do espanhol Almodóvar sempre tem a sua cara, aderindo uma universalidade que conquista facilmente o público internacional.

MELHOR ANIMAÇÃO

Rango, de Gore Verbinski.

Quem deve ganhar: Rango, de Gore Verbinski

Quem deveria ganhar: Rango, de Gore Verbinski

Sou fã do personagem Tintim, mas tenho minhas dúvidas da adaptação feita por Spielberg e Peter Jackson. Visualmente, o motion capture parece muito bem feito, mas como fica preso à referência de Hergé, pode desapontar, e muito. Já Rango é uma história muito bem contada que se passa no deserto, protagonizada por um camaleão com todos os trejeitos de Johnny Depp. O diretor, Gore Verbinski, conhecido pela trilogia de Piratas do Caribe, teve a credibilidade de convencer Depp e criar essa ótima salada de referências do western, que vai dos filmes western spaghetti de Sergio Leone até a aparição do mito Clint Eastwood.

 MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Jean Dujardin (The Artist): sósia do Gene Kelly

Quem deve ganhar: Jean Dujardin (The Artist)

Quem deveria ganhar: Jean Dujardin (The Artist)

Confesso que nunca vi um filme com Jean Dujardin, uma vez que sua carreira sempre ficou limitada a produções francesas. Mas depois desse The Artist, certamente as opções de roteiro devem melhorar consideravelmente. Dujardin foi reconhecido em círculos de críticos americanos e lembra um pouco Gene Kelly em Cantando na Chuva, por isso, não deve ter grandes problemas para levar o ouro pra casa.

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Seria Michelle Williams (Sete Dias com Marylin) ou Miss Monroe?

Quem deve vencer: Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

Quem deveria vencer: Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

Assim como na ala masculina, a atriz Michelle Williams não tem uma competição tão acirrada na categoria. Ok, temos nomes de peso como Jodie Foster, Kate Winslet e Charlize Theron, mas os filmes pelos quais estas foram indicadas não foram tão bem recebidas pela crítica. Já Williams vem recebendo elogios pela semelhança que conseguiu alcançar com a diva Marylin Monroe. E dizem as más línguas que ela teria usado um acessório para aumentar o bumbum.

MELHOR ATOR – DRAMA

Geroge Clooney (Os Descendentes) em seu melhor papel?

Quem deve ganhar: George Clooney (Os Descendentes)

Quem deveria ganhar: Michael Fassbender (Shame)

Eu gosto do George. Mas por mais que falem que neste papel ele faz seu melhor trabalho, ainda o considero um pouco limitado. Por isso, meu voto vai para Fassbender, que já provou ser ótimo ator através do filme independente Fish Tank, de Andrea Arnold, e Hunger, de Steve McQueen. Também leva a sério produções de Hollywood como X-Men: Primeira Classe. Neste drama sobre vida sexual ativa, Shame, Fassbender conquistou a crítica de vez. Tem um futuro brilhante pela frente. 

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Meryl Streep como A Dama de Ferro

Quem deve vencer: Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Quem deveria vencer: Viola Davis (Histórias Cruzadas)

O fight da categoria deve ficar entre as duas atrizes acima. Meryl Streep dispensa qualquer apresentação. Esta é “apenas” sua 26ª indicação ao Globo de Ouro, sendo 25 em Cinema e 1 em TV, pela série Angels in America. Deve ganhar seu 8º Globo de Ouro e deixar pra Academia decidir se finalmente Streep leva seu terceiro Oscar, que está demorando quase 30 anos pra sair! Pra quem viu o trailer ou mesmo foto, percebeu que a atriz passou por um processo de maquiagem e pronúncia britânica característica da então primeira-ministra Margaret Thatcher. Mas não devemos esquecer que Viola Davis, que se destacou no filme Dúvida (2008), é uma grande atriz em ascensão. Ela pode roubar a cena por sua performance em Histórias Cruzadas

MELHOR DIRETOR

Michel Hazanavicius: primeira indicação e grandes chances por The Artist

Quem deve vencer: Michel Hazanavicius (The Artist)

Quem deveria vencer: Michel Hazanavicius (The Artist)

Não sei quanto à direção em si de Hazanavicius, mas ele deve ganhar só pela coragem de fazer um filme PB , mudo, sobre o cinema de Hollywood dos anos 20. Scorsese seria um excelente concorrente pela fábula metalinguística de A Invenção de Hugo Cabret, mas como ele ganhou recentemente por Os Infiltrados, o diretor francês deve levar a melhor.

 

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

The Artist, de Michel Hazanavicius

Quem deve vencer: The Artist, de Michel Hazanavicius

Quem deveria vencer: Meia-Noite em Paris, de Woody Allen

Se minhas previsões estão certas, The Artist deve sair da festa com 4 Globos de Ouro com este Melhor Filme – Comédia ou Musical. Mas seria muito interessante se o filme de Woody Allen levasse como prêmio de consolação (se é que “Melhor Filme” é consolação). Há muito tempo, o diretor nova-iorquino não acertava tão bem uma comédia inteligente com ótimos atores. Até de Owen Wilson ele conseguiu extrair uma boa atuação! Mas o que mais me chamou a atenção é a forma fantasiosa que Allen demonstra sua paixão pela Arte. Ele tira uma licença poética para criar viagens no tempo para analisar as gerações de autores, pintores, cineastas que já brilharam e deixaram sua marca eternamente. E levanta uma questão importantíssima: “Quando a Arte está em decadência, uma nova Arte está para surgir?”. Espero MUITO que sim. 

MELHOR FILME – DRAMA

Os Descendentes, de Alexander Payne

Quem deve vencer: Os Descendentes, de Alexander Payne

Quem deveria vencer:  Os Descendentes, de Alexander Payne

O filme de Martin Scorsese parece ser muito bom pelo conjunto. Tem um ótimo elenco, com nomes consagrados como Ben Kingsley e Jude Law, ótima direção de arte de Dante Ferretti, fotografia de Robert Richardson e mexe com um tema muito forte do Cinema: os efeitos especiais ainda na época do pioneiro Georges Méliès. Mas o filme de Alexander Payne tem conquistado muitos prêmios e não deve sair sem esse prêmio. Apesar do diretor ter levado 7 anos para dirigir outro filme depois do sucesso de Sideways – Entre Umas e Outras, suas escolhas de projetos são feitas a dedo. Ele busca algum tema que aborde a natureza humana, expondo seus personagens a momentos embaraçosos, deixando-os vulneráveis, e ainda conseguindo a proeza de extrair um humor refinado. Na minha opinião, esse é um dos fortes motivos do sucesso de Payne e seu Os Descendentes.