‘ZOOLANDER 2’ e ‘BATMAN VS SUPERMAN’ lideram as indicações do FRAMBOESA DE OURO

batman-v-superman-dawn-of-justice-mit-henry-cavill

Ben Affleck e Henry Cavill em Batman vs Superman: A Origem da Justiça. Ambos foram indicados a Pior Ator: páreo duro. Pic by moviepilot.de

CONTINUAÇÕES E REFILMAGENS CONTINUAM SEU REINADO NO FRAMBOESA

Ok, primeiramente, peço desculpas pelo atraso neste post. O pessoal do Framboesa de Ouro anunciou seu indicados lá no dia 23 de janeiro, mas devido a alguns contratempos e maior urgência em outros posts como as indicações do Oscar, acabei dando prioridade.

Bom, estou postando sobre o Framboesa porque acho um prêmio super necessário. Hoje o cinema virou um mega parque de diversões para produtores que só pensam em refilmagens, sequências e efeitos especiais. Ninguém mais quer arriscar em inovações ou mesmo fazer cinema adulto (não, não pornôs, mas dramas sérios como Manchester à Beira-Mar, por exemplo).

Aí você pensa: “Mas Batman vs. Superman faturou não sei quantos milhões de dólares! Como o Framboesa de Ouro vai impedir novas catástrofes diante de tantas cifras?”. Sim, é verdade. Os verdadeiros responsáveis pelas bombas do cinema estão em suas jacuzzis, rodeados de modelos, tomando martinis. A premiação do Framboesa não vai ferir nem um pouco seus egos inflados. Eles só serão punidos quando seus filmes não faturarem alto nas bilheterias.

Assim aconteceu com Zoolander 2, a sequência que chegou quinze anos atrasada. Onde estava Ben Stiller com a cabeça? A produção sobre o universo da moda custou 50 milhões de dólares, e faturou apenas 28 nos EUA. Isso sim foi uma punição por se acomodar em continuações. Acho que a única sequência atrasada que deu certo foi Toy Story 3 (houve um hiato de 11 anos do segundo para o terceiro filme), porque a Pixar soube caprichar no roteiro.

zoolander-2

Ben Stiller, Penelope Cruz e Owen Wilson na sequência Zoolander 2, recordista de indicações no Framboesa de Ouro. Pic by moviepilot.de

Enquanto as outras premiações reconhecem os melhores e buscam estimular mais trabalhos interessantes e inovadores, o Framboesa tem a missão mais árdua de todas: escolher os piores e tentar evitar filmes catastróficos, e há 37 anos!

No caso do Framboesa de Ouro, vou parafrasear a atriz Glória Pires na transmissão do Oscar na Globo: “Não posso opinar”. Já me falta tempo para ver tantos bons filmes que acaba não sobrando tempo para ver os ruins. Entre todos os indicados aqui, assisti ao todo 3 filmes: Batman vs Superman, Deuses do Egito (um amigo meu me obrigou a acompanhá-lo porque é fã do diretor Alex Proyas) e Esquadrão Suicida, que vi em casa mesmo, depois de tanto falarem mal que acabei tendo curiosidade. E sim, é péssimo mesmo. Aliás, não sei como não está indicado a Pior Filme e em quase todas as categorias. Pegaram leve com essa adaptação da DC Comics, que errou em absolutamente tudo! Exceto o trailer, que vendeu um filme maravilhoso!

Também incluiria o novo Caça-Fantasmas (apesar do esforço por parte do elenco feminino, essa continuação está completamente deslocada para o público de hoje) e a sequência Bruxa de Blair. Pra que mexer no que já é bom? Embora haja trocentos críticos do primeiro A Bruxa de Blair (1999), considero um dos filmes de terror mais inovadores das últimas décadas. O estilo “mocumentary” (ou falso documentário) fez escola no gênero e até hoje se usa muita câmera na mão por causa do filme. Fazer um novo filme sobre o tema foi desnecessário. A única “inovação” à fórmula foi o uso de tecnologia por parte dos personagens perdidos na floresta: celulares e drones.

blair-witch-mit-james-allen-mccune-valorie-curry-callie-hernandez-corbin-reid-brandon-scott-und-wes-robinson.jpg

Bruxa de Blair: o legado se resume a um bando de jovens cuja morte não nos importamos (pic by moviepilot.de)

E por último, adorei a indicação para o elenco do filme Beleza Oculta. Pra quem acompanha o blog, sabe que peguei um bode tremendo do ator Will Smith depois que ele e sua querida esposa Jada Pinkett decidiram não ir ao Oscar por causa da “falta de diversidade”. Adorei quando o Chris Rock falou na cerimônia (não exatamente nessas palavras): “Estou cagando pra Jada Pinkett  não vir ao Oscar, porque ela nem foi convidada!”. Will Smith foi querer fazer filme pra ganhar Oscar e acabou parando no Framboesa. Ops! Pior que ele não foi pro fundo do poço sozinho. Conseguiu convencer e arrastar nomes de peso como Helen Mirren, Kate Winslet, Edward Norton, Keira Knightley e até a indicada ao Oscar este ano, Naomie Harris.

verborgene-schonheit-mit-will-smith.jpg

O tiro saiu pela culatra: Will Smith faz Beleza Colateral pensando em Oscar e acaba parando no Framboesa de Ouro, e acaba arrastando um monte de bons atores junto. Pic by moviepilot.de

INDICADOS AO 37º FRAMBOESA DE OURO (RAZZIE AWARDS):

PIOR FILME

  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça
  • Tirando o Atraso (Dirty Grandpa)
  • Deuses do Egito (Gods of Egypt)
  • Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
  • Independence Day: O Ressurgimento (Independence Day: Resurgence)
  • Zoolander 2 (Zoolander 2)

PIOR ATOR

  • Ben Affleck (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Gerard Butler (Deuses do Egito) (Invasão a Londres)
  • Henry Cavill (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Robert De Niro (Tirando o Atraso)
  • Dinesh D’Souza – como ele mesmo (Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party)
  • Ben Stiller (Zoolander 2)

PIOR ATRIZ

  • Megan Fox (As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras)
  • Tyler Perry – como Madea (Boo! A Madea Halloween)
  • Julia Roberts (O Maior Amor do Mundo)
  • Becky Turner – como Hillary Clinton (Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party)
  • Naomi Watts (A Série Divergente: Convergente) (Refém do Medo)
  • Shailene Woodley (A Série Divergente: Convergente)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Julianne Hough (Tirando o Atraso)
  • Kate Hudson (O Maior Amor do Mundo)
  • Aubrey Plaza (Tirando o Atraso)
  • Jane Seymour (Cinquenta Tons de Preto)
  • Sela Ward (Independence Day: O Ressurgimento)
  • Kristen Wiig (Zoolander 2)

PIOR ATOR COADJUVANTE

  • Nicolas Cage (Snowden: Herói ou Traidor)
  • Johnny Depp (Alice Através do Espelho)
  • Will Ferrell (Zoolander 2)
  • Jesse Eisenberg (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Jared Leto (Esquadrão Suicida)
  • Owen Wilson (Zoolander 2)

PIRO DIRETOR

  • Dinesh D’Souza (Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party)
  • Roland Emmerich (Independence Day: O Ressurgimento)
  • Tyler Perry (Boo! A Madea Halloween)
  • Alex Proyas (Deuses do Egito)
  • Zack Snyder  (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Ben Stiller (Zoolander 2)

PIOR ROTEIRO

  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça
  • Tirando o Atraso
  • Deuses do Egito
  • Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
  • Independence Day: O Ressurgimento
  • Esquadrão Suicida

PIOR REMAKE, ADAPTAÇÃO OU SEQUÊNCIA

  • Alice Através do Espelho
  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça
  • Cinquenta Tons de Preto
  • Independence Day: O Ressurgimento
  • As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras
  • Zoolander 2

PIOR COMBO EM TELA

  • Ben Affleck e seu pior inimigo para sempre Henry Cavill (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Qualquer deus egípcio ou mortal (Deuses do Egito)
  • Johnny Depp e seu visual vibrante e nauseante (Alice Através do Espelho)
  • O elenco inteiro de antes respeitáveis atores (Beleza Oculta)
  • Tyler Perry e sua velha peruca de sempre (Boo! A Madea Halloween)
  • Ben Stiller e seu amigo quase engraçado Owen Wilson (Zoolander 2)

***

Tradicionalmente, a cerimônia do Framboesa ocorre sempre um dia antes do Oscar. Neste ano, marcado para dia 25 de fevereiro.

‘Saving Christmas’ é eleito o pior do ano no Framboesa de Ouro 2015

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

FRAMBOESA FINALMENTE CONTEMPLA TAMBÉM MICHAEL BAY E SEUS EXCESSOS

Quem diria que o Framboesa de Ouro já está completando 35 anos? Certamente, três décadas e meia da mais pura nata do cinema de qualidade! Um dos fundadores do evento, John Wilson, contou em entrevista: “Há 35 anos fazemos essa festa como contraponto ao Oscar”. E vem dando certo, pois antes a cerimônia ocupava uma salinha e hoje chega a alugar um teatro de médio porte e este ano passou a cobrar até ingressos que, segundo Wilson, venderam quase todos a 25 dólares cada.

Como de praxe, o prêmio possui as categorias de Pior Filme, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Diretor e Roteiro, mas este ano, lançou um prêmio especial intitulado The Razzie Redeemer Award (algo como Framboesa Redentora) para aqueles atores que persistem depois um mega fracasso e alcançam o sucesso comercial e de crítica. O primeiro contemplado foi Ben Affleck, que foi de Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopes para os sucessos Argo (2013) e Garota Exemplar (2014).

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

E hoje: Ben Affleck com seu segundo Oscar por Argo. O mundo realmente dá voltas. (photo by bostinno.com)

Infelizmente, Affleck não foi receber o prêmio como a maioria não costuma fazer por vergonha. Daria pra contar nos dedos os artistas que foram ao palco agradecer pela honraria: Sandra Bullock (por Maluca Paixão), Halle Berry (por Mulher-Gato) e o diretor holandês Paul Verhoeven (por Showgirls), que foi marcante por ter sido o primeiro artista a receber o prêmio em mãos em 1996.

Este ano, o grande vencedor (ou seria perdedor?) foi Saving Christmas, um filme evangélico classificado como de família e comédia. A produção foi contemplada como Pior Filme, Pior Ator, Pior Roteiro e Pior Combo.

Logo atrás, vem Transformers: A Era da Extinção com 2 Framboesas. Finalmente minhas preces foram atendidas e Michael Bay foi reconhecido por suas virtudes como diretor. Ok, não dá pra esperar muita coisa de Michael Bay, mas pelo menos antes ele se esforçava um pouco mais pra entregar um blockbuster mais razoável como A Rocha (1996) ou A Ilha (2005), cujos primeiros 20 minutos são bons, mas depois desanda de uma maneira que até hoje não consigo entender. Ele é uma espécie de Ed Wood com dinheiro. Acha que está fazendo obras-primas, mas não está. Mas a diferença é que Ed Wood não tinha um centavo no bolso e qualquer coisa na tela se tornava algo bonito. Por favor, amigos de Michael Bay, dêem um toque pra ele.

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

O Framboesa de Ouro não existe pra ficar dando lição de moral nos concorrentes, mas de uma certa forma, dar um leve puxão de orelha e dar um empurrãozinho para que esses artistas repensem melhor antes de levar adiante um projeto que visa apenas um lucro fácil. Tudo bem que às vezes, o ator ou atriz precisa pagar as contas ou fez um favor, como Charlize Theron deve ter feito ao amigo Seth MacFarlane naquela draga de comédia besteirol Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, que também deveria levar Pior Título em Português, porque o título original não é tão ruim assim: A Million Ways to Die in the West, mas certos tropeços poderiam ser facilmente evitados.

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Poxa, Charlize Theron ganhou o Oscar por Monster: Desejo Assassino, e hoje está na lista do Framboesa. Depois daquele baita esforço de transformação para viver a assassina Aileen Wuornos, fazer uma comédia imbecil foi uma decisão tomada à base de crack. Tem artistas que andam tão sem rumo que a gente nem liga mais, como Nicolas Cage, que tem feito uns três filmes ruins por ano, mas é triste noticiar a queda de alguns nomes.

Enfim, sem mais delongas, os grandes ganhadores do Framboesa 2015:

PIOR FILME
• Saving Christmas
– O Apocalipse
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR ATOR
Kirk Cameron (Saving Christmas)
– Nicolas Cage (O Apocalipse)
– Kellan Lutz (Hércules)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Adam Sandler (Juntos e Misturados)

PIOR ATRIZ
• Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque) e (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
– Melissa McCarthy (Tammy)
– Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Gaia Weiss (Hércules)

PIOR ATOR COADJUVANTE
• Kelsey Grammer (Os Mercenários 3), (A Lenda de Oz), (Elas Querem Pensar Como Eles!) e (Transformers: A Era da Extinção)
– Mel Gibson (Os Mercenários 3)
– Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
– Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
– Kiefer Sutherland (Pompeia)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
– Cameron Diaz (Annie)
– Nicola Peltz (Transformers: A Era da Extinção)
– Susan Sarandon (Tammy)
– Bridgette Cameron (Saving Christmas)

PIOR DIRETOR
Michael Bay (Transformers: A Era da Extinção)
– Darren Doane (Saving Christmas)
– Renny Harlin (Hércules)
– Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
Annie
– Atlas Shrugged: Part III
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR COMBO
Kirk Cameron e seu ego (Saving Christmas)
– Kellan Lutz e seus músculos (Hércules)
– Seth MacFarlane e Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Cameron Diaz, Jason Segel (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Qualquer dois robôs, atores (ou atores robóticos) (Transformers: A Era da Extinção)

PIOR ROTEIRO
Darren Doane, Cheston Hervey (Saving Christmas)
– Paul Lalonde, John Patus (O Apocalipse)
– Kate Angelo, Jason Segel, Nicholas Stoller (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção)
– Evan Daugherty, André Nemec, Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja)

FRAMBOESA REDENTORA
• Ben Affleck: de vencedor do Framboesa por Contato de Risco para vencedor do Oscar por Argo, e Garota Exemplar
– Jennifer Aniston: de 4 vezes indicada ao Framboesa para indicada ao SAG por Cake: Uma Razão Para Viver
– Mike Myers: de vencedor do Framboesa por O Guru do Amor para diretor de documentário Supermensch: The Legend of Shep Gordon
– Keanu Reeves: de seis vezes indicado ao Framboesa para o aclamado pela crítica De Volta ao Jogo
– Kristen Stewart: de vencedora do Framboesa por Crepúsculo para o filme de arte Camp X-Ray

O Ditador (The Dictator), de Larry Charles (2012)

Pôster nacional da comédia O Ditador, de Larry Charles. A data de estréia me parece um pouco equivocada…

Responda rápido: Qual foi a última comédia em que você rachou o bico? – Pois é. Faz tempo que não tem um filme desses em cartaz. Se bobear, a última comédia em que ri tanto foi Borat – O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América (2006), estrelado pelo mesmo Sacha Baron Cohen. Seu novo trabalho, O Ditador, que estreou nesse dia 24 de agosto, pode não ter o mesmo frescor de Borat, mas se mostra uma comédia bastante corajosa e necessária para uma sociedade cada vez mais careta e politicamente correta.

O ex-presidente da Líbia, Muammar Khaddafi: inspiração direta para O Ditador

O Ditador apresenta uma trama bastante simples que mais serve de pretexto para as cenas cômicas do que impressionar pela qualidade. Ao ter de viajar aos EUA para fazer um discurso a ONU sobre armas nucleares, o general-almirante Aladeen, ditador da fictícia república de Wadiya, sofre um golpe armado por seu tio Tamir (que clama seu direito ao poder). Aladeen acaba substituído por um sósia e precisará se infiltrar no hotel para mudar o discurso feito por seu tio que transformará seu país numa democracia.

Para a construção de seu personagem, Sacha Baron Cohen estudou três tiranos de peso: o líder líbio Khaddafi (foto acima) pelo style: figurino impecável, óculos escuros e guarda pessoal feminina; o cubano Fidel Castro pela lendária barba e o modo de falar com o dedo indicador apontado para cima; e o recém-falecido norte-coreano Kim Jong-il por seus recordes esportivos de credibilidade um tanto duvidosa.

Ao contrário dos filmes anteriores, Sacha Baron Cohen e o diretor Larry Charles abandonaram o formato de falso documentário e pela primeira vez, apostam numa ficção. Embora O Ditador não ofereça aquela espontaneidade e veracidade das reações das vítimas das piadas, o diretor continua buscando esse tipo de humor através de choques culturais e uso de câmera na mão, mas com uma sutil diferença: saem as pessoas “reais” (que geraram incontáveis processos judiciais contra Cohen pelas brincadeiras em Borat e Brüno) e entram atores que se passam por vítimas do humor negro de seu personagem.

O diretor de Borat, Brüno e O Ditador: Larry Charles (à esquerda) ao lado de Sacha Baron Cohen, caracterizado como o repórter do Cazaquistão

E já que o formato narrativo ficou mais convencional, o comediante resolveu forçar mais a barra. O tom das piadas é mais agressivo por saírem da boca de um ditador. Em determinado momento, o protagonista diz a uma mulher: “Mulheres que vão à escola são como macacos andando de patins: significa muito para elas, mas são tão divertidas para nós”. O público feminino da minha sessão pode ter dado risada (pra aliviar a panela de pressão), mas deve ter sentido o tapa na cara! Mas por mais ofensivo que tenham achado, elas sabem que esses ditadores retrógrados pensam exatamente dessa maneira, mas talvez não esperavam que veriam uma comédia usando esse material politicamente incorreto… até hoje. Pra quem não conhece e foi pego de surpresa, essa é a marca registrada de Sacha Baron Cohen: deixar seu público completamente constrangido.

Se era apenas golpe de marketing ou não, fica a critério do público, mas para quem assistiu ao tapete vermelho do Oscar 2012, viu Sacha Baron Cohen trajado como seu personagem Aladeen, acompanhado de sua guarda feminina e portando um vaso com as supostas cinzas do recém-falecido Kim Jong-il. Chegou a haver uma polêmica pouco antes da cerimônia, quando os produtores do Oscar proibiram o comediante de acompanhar a premiação vestido como Ditador e promovendo seu filme. Ainda bastante relutante e conservadora, a Academia liberou a entrada de Cohen, mas apenas no tapete vermelho, onde mesmo assim, ele causou rebuliço espalhando as cinzas do ditador norte-coreano.

Sacha Baron Cohen chega muito bem acompanhado ao 84º Academy Awards em Los Angeles…

… e causando com o pobre segurança do Kodak Theater.

Apesar de todo burburinho e do ótimo trailer, o público americano não abraçou o filme. Orçado em 65 milhões de dólares, a produção sequer se pagou nos EUA, arrecadando cerca de 58 milhões. Mesmo contando com um bom elenco, formado por Sir Ben Kingsley, John C. Reilly, Anna Faris (a desinibida atriz da série Todo Mundo em Pânico) e das participações de Megan Fox e Edward Norton, o filme certamente sofreu para cobrir as altas expectativas criadas por aqueles que já conheciam o formato de falso-documentário que tanto agradou em Borat (sobre o modo de vida americano) e Brüno (sobre a indústria da moda). Embora esse novo trabalho tenha se tornado mais convencional e tenha reduzido seu lucro, seu maior mérito está no aspecto sócio-político.

Megan Fox interpretando a si mesma. Pelo menos embeleza o filme.

Meio sumido do cenário cinematográfico, o gênero da sátira política faz parte da História do Cinema. Aliás, um dos grandes filmes desse gênero que certamente teve grande influência em O Ditador foi a comédia anárquica dos Irmãos Marx: O Diabo a Quatro (Duck Soup), de Leo McCarey. Lançado em 1933, o  longa tem Groucho Marx interpretando o ditador da fictícia Freedonia, Rufus T. Firefly, declarando guerra a Sylvania por motivos pífios. Vale lembrar também de outra obra-prima do controverso diretor grego Costa-Gavras, responsável por Z (1969), que retrata com bastante ironia um polêmico atentado a um importante deputado. Felizmente, a Academia consagrou o filme, que venceu o Oscar de melhor Montagem e Filme Estrangeiro pela Algéria.

Em meio a tantas crises políticas, a presença de Sacha Baron Cohen se mostra uma ótima válvula de escape. Se fosse um comediante mediano, teria simplesmente criticado a ditadura de algumas nações, mas a parceria crítica do diretor Larry Charles e Cohen vai além disso. Desde Borat, eles resolveram fazer uma análise da sociedade americana do pós-11 de setembro. Certamente, uma das características mais bem exploradas continua sendo o preconceito contra o povo que tem raízes no Oriente Médio. Existe uma tensão muito crescente entre os americanos e qualquer etnia que apresente traços arábicos: barbudos e narigudos. Vide o recente atentado à comunidade religiosa dos Sikhs, oriunda da Índia e que prega justamente a tolerância.

Membros do templo religioso dos Sikhs: chocados após atentado que culminou na morte de 7 pessoas. Desde o 11/9, são confundidos com muçulmanos nos EUA.

O discurso final seria o ápice dessa auto-crítica e faz uma alusão ao inspirado discurso de Chaplin em O Grande Ditador (1940). Nele, Aladeen defende a ditadura  e crítica a democracia. Contudo, o que seria uma crítica à tirania, vira uma clara referência aos conceitos do ex-presidente republicano dos EUA: George W. Bush. “Imagine se os EUA fossem uma ditadura? Vocês poderiam mentir facilmente sobre as reais causas de se ir para a guerra”, afirma Aladeen.

Antológico discurso de Hynkel, o ditador de Tomania em O Grande Ditador. Ótima referência para Aladeen.

Quando você procura por uma imagem de George W. Bush, percebe-se que ele não precisa se esforçar muito para parecer ridículo. Aliás, ele NÃO começou uma guerra por causa de petróleo. Que isso fique BEM claro, hein?

Além dessa análise reflexiva da política adotada pelos EUA, existe uma crítica oculta por trás da própria produção de O Ditador. Numa entrevista ao Estado de São Paulo, Sacha Baron Cohen disse que só conseguiu ser “incorreto com judeus, negros e deficientes porque a única coisa que Hollywood preza mais que respeito é dinheiro. Enquanto seus filmes renderem nas bilheterias, ele terá total liberdade com os grandes estúdios”. Isso é mais do que um mero soco no estômago.

AVALIAÇÃO: BOM

Pôster de Os Candidatos

Para quem curtiu O Ditador, outra sátira política promete agitar o clima de eleições de novembro nos EUA: Os Candidatos (The Campaign), de Jay Roach, previsto para estrear por aqui no dia 19 de outubro, conta com Will Ferrell e Zach Galifianakis (de Se Beber, Não Case). Com a crescente manifestação contra a corrupção pelo Brasil, seria interessante a produção de um filme de comédia sobre a palhaçada que é a política no país.

Vale a pena conferir o trailer:

%d blogueiros gostam disto: