Indicados ao Leão de Ouro 2014 não apresentam favoritos

Pôster oficial do 71º Festival de Veneza, que faz alusão ao momento culminante do clássico francês Os Incompreendidos (photo by primetv.pt - image by biennale di Venezia)

Pôster oficial do 71º Festival de Veneza, que faz alusão ao momento culminante do clássico francês Os Incompreendidos (photo by primetv.pt – image by biennale di Venezia)

EMBORA HAJA NOMES EM POTENCIAL, A DISPUTA PELO PRÊMIO ESTÁ BASTANTE EQUILIBRADA

Apesar do resultado do ano passado ter sido quase motivo de uma CPI (o documentário italiano Sacro GRA foi eleito o vencedor do Leão de Ouro pelo presidente do júri conterrâneo Bernardo Bertolucci), o Festival de Veneza é um dos mais prestigiosos do mundo, além de ser o mais antigo. Ao contrário da veia mais comercial de Cannes, Veneza não tem o costume de se limitar a nomes consagrados para compor suas seleções de filmes.

Contudo, em entrevista, o diretor artístico Alberto Barbera revelou um fracasso para esta edição. Tentou trazer duas produções norte-americanas, cujos diretores são ninguém menos que David Fincher e Paul Thomas Anderson, que levou o Leão de Prata de Melhor Diretor em 2012 por O Mestre. Os dois viriam com Garota Exemplar (Gone Girl) e Inherent Vice, respectivamente, mas as distribuidoras recusaram a proposta para lançá-los no New York Film Festival. Tanto a 20th Century Fox como a Warner alegam que o evento americano ganha a briga por acontecer mais próximo do fim do ano, quando começa a temporada de premiações que culmina com o Oscar, e também por darem valor ao público do próprio país.

Cena com Ben Affleck de Garota Exemplar: preferência por NY a Veneza. (photo by www.outnow.ch)

Cena com Ben Affleck de Garota Exemplar: preferência por NY a Veneza. (photo by http://www.outnow.ch)

As desculpas são válidas, mas a verdade que li no site The Playlist é que as distribuidoras estão pensando duas vezes antes de mandar elenco e equipe de seus filmes para divulgação internacional para evitar gastos. Simples assim. Pagar passagens aéreas e estadias em hotéis luxuosos nem sempre representam números maiores nas bilheterias; a menos que ganhe um prêmio importante e olhe lá!

Dito isso, a missão de Barbera não foi fácil. Assistiu a 1500 filmes para peneirar 55 sobreviventes, distribuídos em três listas (Competição Oficial, Fora de Competição e Horizontes). “É um trabalho mais complexo, mais doloroso porque tem de deixar de fora alguns filmes muito bons”, afirmou Barbera em comparação a outros festivais de filmes como Toronto, que não apresenta competição e por isso mesmo não há limites de quantidade. Sem Fincher e Anderson, Veneza ainda oferece nomes conhecidos como o do alemão Fatih Akin e do mexicano Alejandro González Iñárritu.

Aliás, o novo filme de Iñárritu, Birdman, abrirá a competição oficial por trazer mais atores mundialmente conhecidos ao tapete vermelho como Michael Keaton, Edward Norton, Naomi Watts e Emma Stone. Por se tratar de uma comédia de humor negro, dificilmente deve levar o Leão de Ouro. Outras presenças ilustres são aguardadas para o evento, casos de Al Pacino e Holly Hunter (ambos por Manglehorn), Ethan Hawke e January Jones (ambos por Good Kill) e Willem Dafoe (Pasolini). Pacino e Dafoe já largam como franco-favoritos na corrida pelo prêmio de interpretação masculina, especialmente Pacino que terá mais um filme (The Humbling) exibido fora de competição.

BIRDMAN

Cena de Birdman entre Michael Keaton e Edward Norton: comédia de humor negro com clima de Queime Depois de Ler (photo by outnow.ch)

Quanto à seleção oficial, existem nomes interessantes como o do francês Xavier Beauvois que dirigiu o bom Homens e Deuses, que faturou o Grande Prêmio do Júri em Cannes 2010; e o japonês Shin’ya Tsukamoto, que tem uma linguagem visual bem peculiar, especialmente no gênero ficção científica. Mas um dos nomes que podem surpreender é o do norte-americano Joshua Oppenheimer, que este ano foi indicado para Melhor Documentário no Oscar por O Ato de Matar e pode sair do festival com o Leão de Ouro por The Look of Silence.

Já na mostra fora de competição, vale a pena destacar os retornos de dois grandes diretores. Peter Bogdanovich, que estava sumido desde O Miado do Gato (2001), volta com She’s Funny That Way, uma comédia sobre Broadway com Owen Wilson, Jennfer Aniston e Imogen Poots. E Joe Dante, que ficou conhecido por suas doideiras como Gremlins, Piranha e Viagem Insólita, faz sua versão de filme de zumbi, Burying the Ex, focado num casal de namorados formado por Anton Yelchin e Ashley Greene. E também se mostra interessante a reunião de diretores para fazer o filme mosaico Words With Gods, com tema voltado à religião. Nomes como Emir Kusturica, Mira Nair, Hideo Nakata e Hector Babenco já garantem maior atenção da mídia e do público.

INDICADOS AO LEÃO DE OURO

The Cut
Dir: Fatih Akin (Alemanha, França, Itália, Rússia, Canadá, Polônia, Turquia)
• A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence
Dir: Roy Andersson (Suécia, Alemanha, Noruega, França)
• 99 Homes
Dir: Ramin Bahrani (U.S.)
• Tales
Dir: Rakhshan Bani E’temad (Irã)
• La rancon de la gloire
Dir: Xavier Beauvois (França)
• Hungry Hearts
Dir: Saverio Costanzo (Itália)
• Le dernier coup de marteau
Dir: Alix Delaporte (França)
• Manglehorn
Dir: David Gordon Green (EUA)
• Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance)
Dir: Alejandro Gonzáles Iñárritu (EUA)
• Three Hearts
Dir: Benoit Jacquot (France)
• The Postman’s White Nights
Dir: Andrei Konchalovsky (Rússia)
•  Il Giovane Favoloso
Dir: Mario Martone (Itália)
• Sivas
Dir: Kaan Mujdeci (Turquia)
• Anime Nere
Dir: Francesco Munzi (Itália, França)
• Good Kill
Dir: Andrew Niccol (EUA)
• Loin des Hommes
Dir: David Oelhoffen (França)
• The Look of Silence
Dir: Joshua Oppenheimer (Dinamarca, Finlândia, Indonésia, Noruega, Reino Unido)
• Nobi
Dir: Shin’ya Tsukamoto (Japão)
• Red Amnesia
Dir: Wang Xiaoshuai (China)

FORA DE COMPETIÇÃO

• Words with Gods
Dir: Guillermo Arriaga, Emir Kusturica, Amos Gitai. Mira Nair, Warwick Thornton, Hector Babenco, Bahman Ghobadi, Hideo Nakata, Alex de la Iglesia (México, EUA)
• She’s Funny That Way
Dir: Peter Bogdanovich (EUA)
• Dearest
Dir: Peter Ho-sun Chan (Hong Kong, China)
• Olive Kitteridge
Dir: Lisa Cholodenko (EUA)
• Burying the Ex
Dir: Joe Dante (EUA)
• Perez
Dir: Edoardo De Angelis (Itália)
• La zuppa del demonio
Dir: Davide Ferrario (Itália)
• Tsili
Dir: Amos Gitai (Israel, Rússia, Itália, França)
• La trattativa
Dir: Sabina Guzzanti (Itália)
• The Golden Era
Dir: Ann Hui (China, Hong Kong)
• Make Up
Dir: Im Kwontaek (Coréia do Sul)
• The Humbling
Dir: Barry Levinson (EUA)
• The Old Man of Belem
Dir: Manoel de Oliveira (Portugal, França)
• Italy in a Day
Dir: Gabriele Salvatores (Itália, Reino Unido)
• In the Basement
Dir: Ulrich Seidl (Áustria)
• The Boxtrolls
Dir: Anthony Stacchi, Annable Graham (U.K)
• Ninfomaníaca: Volume II (versão longa) Director’s Cut
Dir: Lars Von Trier (Dinamarca, Alemanha, França, Bélgica)

HORIZONTES

• Theeb
Dir: Naji Abu Nowar (Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Catar, Reino Unido)
• Line of Credit
Dir: Salome Alexi (Georgia, Alemanha, França)
• Cymbeline
Dir: Michael Almereyda (EUA)
• Senza Nessuna Pieta
Dir: Michele Alhaique (Itália)
• Near Death Experience
Dir: Benoit Delepine, Gustave Kervern (França)
• Le Vita Oscena
Dir: Renato De Maria (Itália)
• Realite
Dir: Quentin Dupieux (França, Bélgica)
• I Spy/I Spy
Dir: Veronika Franz, Severin Fiala (Áustria)
• Hill of Freedom
Dir: Hong Sangsoo (Coréia do Sul)
• Bypass
Dir: Duane Hopkins (Reino Unido)
• The President
Dir: Moshen Makhmalbaf (Georgia, França, Reino Unido, Alemanha)
• Your Right Mind
Dir: Ami Canaan Mann (EUA)
• Belluscone, una storia siciliana
Dir: Franco Maresco (Itália)
• Nabat
Dir: Elchin Musaoglu (Azerbaijão)
• Heaven Knows What
Dir: Josh Safdie, Ben Safdie (EUA, França)
• These Are the Rules
Dir: Ognjen Svilicic (Croatia, France, Serbia, Macedonia)
• Court
Dir: Chaitanya Tamhane (Índia)

Anúncios

Festival de Sundance 2013

Festival de Sundance 2013 (photo by moviewiseguys.com)

Festival de Sundance 2013 (photo by moviewiseguys.com)

Peço perdão aos cinéfilos que buscavam notícias do último Festival de Sundance. Infelizmente, assim como o Festival de Berlim, o evento ocorre no mesmo conturbado período do Globo de Ouro e Oscar. Além disso, como se trata de um festival de cinema independente americano, as notícias aqui no Brasil são bem mais escassas. Se alguns filmes de estúdio já demoram um pouco para chegar em telas brasileiras, imaginem os independentes…

Fundado pelo diretor, ator e produtor Robert Redford, o Instituto Sundance é uma organização sem fins lucrativos que provém espaço para artistas independentes que almejam contar histórias desprovidos de pressões comerciais e/ou políticas desde 1981. Muitas dessas produções apoiadas financeiramente se tornaram sucesso como Pulp Fiction – Tempo de Violência, de Quentin Tarantino, Os Suspeitos, de Bryan Singer, e o brasileiro Central do Brasil, de Walter Salles.

Já em sua quarta década de avanços, o Festival de Sundance deixou de ser um nicho para abraçar o mundo e até a premiação da indústria: o Oscar. Indomável Sonhadora, o grande vencedor de 2012 de Sundance, recebeu quatro indicações: Melhor Filme, Diretor, Atriz e Trilha Musical.

Esse percurso vitorioso feito pelo filme de Benh Zeitlin acarreta maior atenção ao Festival de Sundance, e denota um olhar mais carinhoso por parte da Academia por um cinema mais criativo e ousado, que predomina em Sundance. Aliás, há muito tempo o Oscar deixou de ser uma premiação de filmes de grandes estúdios.

Este ano, Fruitvale Station foi o vencedor do U.S. Grand Jury Prize – Dramatic. O filme conta a história do rapaz Oscar, de 22 anos, que retorna à sua cidade natal para morrer baleado na noite de ano novo de 2009. A estréia do diretor Ryan Coogler comoveu o público e foi aplaudida de pé após a exibição, levando também o Audience Award, eleito pelos espectadores.

Fruitvale, filme de estréia de Ryan Coogler, foi o grande vencedor de Sundance (photo by filmguide.sundance.org)

Fruitvale Station, filme de estréia de Ryan Coogler, foi o grande vencedor de Sundance (photo by filmguide.sundance.org)

Apesar de contar com Chad Michael Murray (série One Tree Hill) e a última vencedora do Oscar de coadjuvante, Octavia Spencer (Histórias Cruzadas), foram as performance dos novatos Michael B. Jordan e Melonie Diaz que mais chamaram a atenção da crítica.

Já na categoria Documentário, Blood Brother conquistou a crítica ao acompanhar a história de Rocky Braat, um rapaz americano que, insatisfeito com sua vida, decide se mudar para a Índia para cuidar de crianças pobres e portadoras do vírus HIV. Através de sua jornada, ele busca superar sua crise existencial. A produção foi coroada como U.S. Grand Jury Prize – Documentary e Audience Award.

Em discurso de agradecimento, o próprio Rocky subiu ao palco: “Isto é tão encorajador. Para as crianças, isto é maravilhoso, porque a vida delas são tão desafiadoras. E ninguém se lembra do nome delas. Para pegar a história delas para que todos possam ver.”

O documentário Blood Brother, que acompanha Rocky Braat (à esq.) na Índia (photo by filmguide.sundance.org)

O documentário Blood Brother, que acompanha Rocky Braat (à esq.) na Índia (photo by filmguide.sundance.org)

Vale lembrar que o prêmio Waldo Salt de Melhor Roteiro é um importante reconhecimento entre os escritores, tanto que foi batizado sob o nome do roteirista do clássico cult Perdidos na Noite (1969). Vencedores passados incluem Debra Granik, Anne Rosselini (Inverno da Alma), Noah Baumbach (A Lula e a Baleia) e Kenneth Lonnergan (Conte Comigo), todos indicados ao Oscar.

Com a globalização e a falta de criatividade e originalidade dos grandes estúdios, Hollywood e o Oscar têm se rendido cada vez mais ao poder dos filmes de baixo orçamento. Claro que as produções independentes precisam de uma mãozinha de uma Weinstein Company que possa distribuir e fazer lobby, mas já fico feliz que Sundance já tenha saído daquele cantinho escuro dos EUA para abraçar o mundo, dando oportunidades para jovens e talentosos artistas do mundo todo.

Esperamos também que esses filmes possam aterrissar no Brasil, nem que demore um ano ou mais, mas que fiquem disponíveis para espectadores curiosos.

Shailene Woodley e Mike Teller: vencedores do prêmio de atuação em Sundance por The Spectacular Now (photo by filmguide.sundance.org)

Shailene Woodley e Mike Teller: vencedores do prêmio de atuação em Sundance por The Spectacular Now (photo by filmguide.sundance.org)

Segue lista completa dos vencedores do Festival de Sundance:

U.S. Grand Jury Prize – Dramatic: Fruitvale Station, de Ryan Coogler
U.S: Grand Jury Prize – Documentary: Blood Brother, de Steve Hoover
World Cinema Grand Jury Prize – Dramatic: Jiseul, de Muel O
World Cinema Grand Jury Prize – Documentary: A River Changes Course, de Kalyanee Mam

Audience Award: U.S. Dramatic: Fruitvale Station, de Ryan Coogler
Audience Award: U.S. Documentary: Blood Brother, de Steve Hoover
Audience Award: World Cinema Dramatic: Metro Manila, de Sean Ellis
Audience Award: World Cinema: Documentary: The Square, de Jehane Noujaim
Audience Award: Best of NEXT: This is Martin Bonner, de Chad Hartigan

Directing Award: U.S. Dramatic: Afternoon Delight, de Jill Soloway
Directing Award: U.S. Documentary: Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling
Directing Award: World Cinema Dramatic: Crystal Fairy, de Sebastián Silva
Directing Award: World Cinema Documentary: The Machine Which Make Everything Disappear, de Tinatin Gurchiani

Cinematography Award: U.S. Dramatic: Ain’t Them Bodies Saints, de David Lowery
Cinematography Award: U.S. Dramatic: Mother of George, de Andrew Dosunmu
Cinematography Award: U.S. Documentary: Dirty Wars, de Richard Rowley
Cinematography Award: World Cinema Dramatic: Lasting, de Jacek Borcuch
Cinematography Award: World Cinema Documentary: Who is Dayani Cristal?, de Marc Silver

U.S. Documentary Special Jury Award for Achievement in Filmmaking: Inequality for All, de Jacob Kornbluth
U.S. Documentary Special Jury Award for Achievement in Filmmaking: American Promise, de Joe Brewster, Michèle Stephenson
U.S. Dramatic Special Jury Award for Acting: Miles Teller & Shailene Woodley (The Spectacular Now)
U.S. Dramatic Special Jury Award for Sound Design: Shane Carruth & Johnny Marshall (Upstream Color)
World Cinema Dramatic Special Jury Award: Circles, de Srdan Golubovic
World Cinema Documentary Special Jury Award for Punk Spirit: Pussy Riot – A Punk Prayer, de Mike Lerner, Maxim Pozdorovkin

Editing Award: U.S. Documentary: Gideon’s Army, de Dawn Porter
Editing Award: World Cinema Documentary: The Summit, de Nick Ryan

Waldo Salt Screenwriting Award: U.S. Dramatic: In a World…, de Lake Bell
Screenwriting Award: World Cinema Dramatic: Wajma (An Afghan Love Story), de Barmak Akram
Alfred P. Sloan Feature Film Prize: Computer Chess, de Andrew Bujalski

Short Film Grand Jury Prize: The Whistle, de Grzegorz Zariczny
Short Film Jury Award: US Fiction: Whiplash, de Damien Chazelle
Short Film Jury Award: International Fiction: The Date, de Jenni Toivoniemi
Short Film Jury Award: Non-fiction: Skinningrove, de Michael Almereyda
Short Film Jury Award: Animation: Irish Folk Furniture, de Tony Donoghue
Short Film Special Jury Award for Acting: Joel Nagle (Palimpsest)
Short Film Special Jury Award: Kahlil Joseph (Until the Quiet Comes)
Short Film Audience Award, Presented by YouTube: Catnip: Egress to Oblivion, de Jason Willis

Metro Manila, de Sean Ellis. O diretor já ganhou um Oscar por seu curta Cashback (photo by filmguide.sundance.org)

Metro Manila, de Sean Ellis. O diretor já foi indicado ao Oscar por seu curta Cashback em 2006 (photo by filmguide.sundance.org)