‘PANTERA NEGRA’, ‘BOHEMIAN RHAPSODY’ e ‘PODRES DE RICOS’ são INDICADOS ao PGA

crazy rich asians

Michelle Yeoh, Henry Golding e Constance Wu em cena de Podres de Ricos (pic by Warner Bros)

Olá! Feliz Ano Novo! Primeiras saudações de 2019!

O blog começa com a divulgação dos indicados ao 30º Producers Guild of America (PGA), prêmio do sindicato de produtores. Pelo histórico, três quartos dos indicados costumam ser lembrados pela Academia na categoria de Melhor Filme. O outro quarto costuma ser aquele sucesso comercial que o Oscar tende a trocar por filmes mais conceituados.

MELHOR PRODUÇÃO DE CINEMA:

  • BOHEMIAN RHAPSODY (Bohemian Rhapsody)
    Produtor: Graham King
  • A FAVORITA (The Favourite)
    Produtores: Ceci Dempsey, Ed Guiney, Lee Magiday, Yorgos Lanthimos
  • GREEN BOOK: O GUIA (Green Book)
    Produtores: Jim Burke, Charles B. Wessler, Brian Currie, Peter Farrelly, Nick Vallelonga
  • INFILTRADO NA KLAN (BlacKkKlansman)
    Produtores: Sean McKittrick, Jason Blum, Raymond Mansfield, Jordan Peele, Spike Lee
  • UM LUGAR SILENCIOSO (A Quiet Place)
    Produtores: Michael Bay, Andrew Form, Brad Fuller
  • NASCE UMA ESTRELA (A Star is Born)
    Produtores: Bill Gerber, Bradley Cooper, Lynette Howell Taylor
  • PANTERA NEGRA (Black Panther)
    Produtor: Kevin Feige
  • PODRES DE RICOS (Crazy Rich Asians)
    Produtores: Nina Jacobson, Brad Simpson, John Penotti
  • ROMA (Roma)
    Produtores: Gabriela Rodríguez, Alfonso Cuarón
  • VICE
    Produtores: Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Kevin Messick, Adam McKay

E no caso, acho que a exceção para o Oscar será Um Lugar Silencioso, que deve ser substituído por um Se a Rua Beale Falasse ou mesmo O Retorno de Mary Poppins, por exemplo, que foram esnobados aqui.

Dessa lista de 10, assisti a sete filmes. E honestamente, não sei se estou muito chato, mas não acho que esta lista representa uma boa seleção de filmes de 2018. Jamais colocaria Um Lugar Silencioso. Tem gente que adorou esse filme, mas achei tão bobo e genérico. Pegue até o Fim dos Tempos, do M. Night Shyamalan, e teremos um exemplo melhor de filme pós-apocalíptico do que este dirigido por John Krasinski, que foi elevado ao patamar de novo mestre do terror da noite para o dia. Shyamalan pode ter seus defeitos, mas é inegável que sabe filmar e aproveitar melhor o material que tem nas mãos. Apesar de nitidamente a sua seleção ter sido embasada nos números das bilheterias, pelo menos se trata de um filme de terror, que sempre foi um gênero excluído da cerimônia.

a quiet place 001

Emily Blunt em cena de Um Lugar Silencioso (pic by Columbia Pictures)

Contudo, a grande discussão que podemos abordar aqui é: O que realmente está em análise para a escolha de um filme? Se for apenas por qualidade fílmica, as escolhas estão bem medianas. Se for considerar o sucesso comercial, indo na onda do suspenso Oscar de Filme Popular, está melhor balanceado com Pantera Negra (o recordista entre os indicados com 1.3 bilhão de dólares arrecadados), Bohemian Rhapsody (cerca de 700 milhões), Nasce uma Estrela (cerca de 380 milhões) e Podres de Ricos (cerca de 240 milhões), faltando Vingadores: Guerra Infinita (mais de 2 bilhões).

Porém o que parece realmente importar para a comissão votante é a importância do filme no cenário politicamente correto. E nesse quesito, os maiores beneficiados foram Pantera Negra, que definitivamente foi um fenômeno cultural e foi motivo de orgulho de toda a raça negra), e Podres de Ricos, com seu elenco formado exclusivamente por asiáticos, que sempre foram coadjuvantes em produções americanas.

black panther 015

Lupita Nyong’o, Chadwick Boseman e Danai Gurira em cena de Pantera Negra (pic by Marvel Studios)

Como estamos vivendo novos tempos de caça às bruxas na internet, preciso ressaltar que não crucifico esses filmes por serem direcionados de forma política, pois são um reflexo dos novos tempos, mas a pergunta que faço é: Se os analisarmos apenas como cinema, são realmente bons filmes? É como se tirássemos os óculos 3D de Avatar, o filme continua ótimo e memorável?

Deixando de lado a polêmica, a indicação de Pantera Negra recompensa os esforços descomunais do produtor Kevin Feige, o homem por trás de todo o incrível planejamento dos filmes da Marvel Studios, que completou 10 anos em 2018 com o lançamento do fenomenal Vingadores: Guerra Infinita.

Entre os excluídos, além de Se a Rua Beale Falasse, temos O Primeiro Homem (filme que despencou na temporada de premiações), Oitava Série, No Coração da Escuridão e Poderia Me Perdoar?.

Pra quem fica antenado em estatísticas, o PGA acertou 20 dos últimos 29. E a última vez que houve divergência foi quando o PGA premiou La La Land, e o Oscar preferiu Moonlight.

MELHOR PRODUÇÃO DE ANIMAÇÃO

  • O GRINCH (Dr. Seuss’ The Grinch)
    Produtores: Chris Meledandri, Janet Healy
  • OS INCRÍVEIS 2 (Incredibles 2)
    Produtores: John Walker, Nicole Grindle
  • ILHA DOS CACHORROS (Isle of Dogs)
    Produtores: Ainda não determinados*
  • WIFI RALPH: QUEBRANDO A INTERNET (Ralph Breaks the Internet)
    Produtor: Clark Spencer
  • HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO (Spider-Man: Into the Spider-Verse)
    Produtores: Avi Arad, Phil Lord, Christopher Miller, Amy Pascal, Christina Steinberg

Pela categoria de animações, quatro dos cinco indicados estão presentes em praticamente todas as listas até o momento. A única variável é O Grinch, que já foi substituído pelo japonês Mirai em ocasiões anteriores.

SpiderMan into the Spiderverse008.jpg

Homem-Aranha no Aranhaverso (pic by Sony Pictures)

Já entre os cinco, o que mais tem crescido nas últimas semanas é Homem-Aranha no Aranhaverso. Além de super bem recebido pela crítica especializada, apresenta inovações nas técnicas de animação, misturando vários estilos de traços, com o grand finale do bilheteria engordando a cada semana pelo mundo.

MELHOR PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIO

  • THE DAWN WALL
    Produtores: Josh Lowell, Peter Mortimer, Philipp Manderla
  • FREE SOLO
    Produtores: Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin, Evan Hayes, Shannon Dill
  • HAL
    Produtores: Christine Beebe, Jonathan Lynch, Brian Morrow
  • INTO THE OKAVANGO
    Produtor: Neil Gelinas
  • RBG
    Produtores: Betsy West, Julie Cohen
  • TRÊS ESTRANHOS IDÊNTICOS (Three Identical Strangers)
    Produtores: Becky Read, Grace Hughes-Hallett
  • WON’T YOU BE MY NEIGHBOR?
    Produtores: Morgan Neville, Nicholas Ma, Caryn Capotosto

Este ano, o PGA resolveu ser mais generoso na categoria de documentário, indicando sete filmes. Quatro deles: Free Solo, RBG, Três Estranhos Idênticos e Won’t You Be My Neighbor estão entre os mais citados nos prêmios anteriores. Talvez a ausência mais sentida aqui seja Minding the Gap.

hal ashby

Imagens de arquivo do diretor Hal Ashby do documentário Hal (pic by Oscilloscope)

Curiosamente, Hal, que achei que era sobre a criação do personagem HAL 9000 de 2001: Uma Odisséia no Espaço, é um documentário sobre o cineasta americano Hal Ashby, responsável por pérolas do cinema alternativo como Ensina-me a Viver (1971), Shampoo (1975), Amargo Regresso (1978) e Muito Além do Jardim (1979).

***

Os vencedores do PGA serão anunciados já no dia 19 de janeiro no Hotel Beverly Hilton.

Anúncios

‘EMOJI: O FILME’ se TORNA a PRIMEIRA ANIMAÇÃO a VENCER o FRAMBOESA DE OURO

Emoji O Filme Framboesa.jpeg

Cena de Emoji: O Filme, primeira animação a a ganhar o prêmio Framboesa de Ouro de Pior Filme

TOM CRUISE, MEL GIBSON E KIM BASINGER, INDICADOS E VENCEDORES DO OSCAR, TAMBÉM FORAM LEMBRADOS COMO PIORES DO ANO

Tradicionalmente, o Framboesa de Ouro (ou Razzie Awards) premia os piores do ano um dia antes da cerimônia do Oscar. Curiosamente, houve casos em que o vencedor do Framboesa levou um prêmio e no dia seguinte, ganhou o Oscar, obviamente não pelo mesmo trabalho, como foi o caso de Sandra Bullock.

E o mais curioso é que ela compareceu ao evento e recebeu o prêmio com muito bom humor, levando um carrinho repleto de cópias do roteiro do filme Maluca Paixão. “Trouxe várias cópias para que vocês leiam e vejam que eu não poderia fazer muita coisa”, discursou Bullock naquele ano de 2010.

Este ano, os filmes indicados devem agradecer aos céus pela presença ilustre da animação Emoji: O Filme, que conquistou todos os quatro prêmios a que estava concorrendo: Filme, Combo, Roteiro e Diretor, livrando a cara de alguns nomes mais famosos como os diretores Darren Aronofsky, que concorria por Mãe!, e Michael Bay, que concorria por Transformers: O Último Cavaleiro.

Nas categorias de atuação, temos dois vencedores do Oscar: Kim Basinger conquistou como Pior Atriz Coadjuvante por Cinquenta Tons Mais Escuros, e Mel Gibson levou Pior Ator Coadjuvante pela comédia Pai em Dose Dupla 2. Contudo, o prêmio que mais me agradou foi de Pior Ator para Tom Cruise em A Múmia. Lembro que enquanto assistia a essa obra-prima no cinema, pensava: “Esse Tom Cruise acha que qualquer porcaria que ele fizer vai ser um sucesso!”. Ah! E que eu queria meu dinheiro do ingresso e minhas duas horas de vida de volta.

Tom Cruise the Mummy.jpg

Química zero: Tom Cruise e Annabelle Wallis em cena de A Múmia (pic by cine.gr)

E o que dizer de Cinquenta Tons Mais Escuros? O primeiro filme foi o grande vencedor do Framboesa de 2016, com cinco prêmios. Aí, esta sequência leva mais dois prêmios. E ainda teremos o terceiro (!) neste ano, que pode e deve resultar em mais alguns prêmios no Framboesa pra fechar bem a trilogia trágica de E.L. James. Eu queria tentar entender o sucesso desses filmes, porque o sexo é pobremente retratado, os atores são péssimos, e talvez o pior: não existe uma química boa entre o casal central. Tanto Dakota Johnson quanto Jamie Dornan são totalmente sem sal.

cINQUENTA tONS mAIS eSCUROS

Casal sem sal do ano: Dakota Johnson e Jamie Dornan em Cinquenta Tons Mais Escuros (pic by cine.gr)

Também queria que aquela Katherine Heigl ganhasse o prêmio de atriz por Paixão Obsessiva, no qual ela faz uma versão tosca de Glenn Close em Atração Fatal. Nessas horas, queria perguntar: “Quem te falou que você sabe atuar?”. O vencedor da categoria foi Tyler Perry, o cara que se veste de mulher pra fazer comédias bobas. Honestamente, pelo menos Perry sabe que está fazendo algo ruim e tem um público bem específico que gosta de seus filmes nos EUA. Já o problema de Heigl é que ela acha que está fazendo uma interpretação pra ganhar o Oscar. Um Framboesa de Ouro na carreira dela poderia fazê-la repensar na carreira ou pelo menos, fazer um curso de atuação de maior prestígio.

Infelizmente, 95% dos vencedores do Framboesa não comparecem ao evento como fizeram Paul Verhoeven, Halle Berry e Sandra Bullock. Não… eles preferem simplesmente esquecer, como se os filmes fossem sumir com num passe de mágica. Acho importante esses vencedores comparecerem ao evento, receber o prêmio e saber tirar sarro de si mesmo, sabe? “Ok, fiz um péssimo filme, mas obrigado por lembrarem do meu trabalho! Vou me esforçar pra não voltar mais aqui!”

Particularmente, acho o Framboesa muito mais importante do que muito prêmio de cinema, pois ele faz uma análise dos erros e permite que os artistas reflitam melhor sobre seus trabalhos e procurem não repetir os mesmos enganos. Como todos sabem, o cinema de hoje é produzido por muitas pessoas que se dizem artistas, mas visam apenas os lucros, por isso, geram tantas sequências e refilmagens desnecessárias. Quer lucrar com cinema? Não há nada de errado nisso, mas pelo menos, procure bons motivos além do dinheiro para filmar.

VENCEDORES DO 38º FRAMBOESA DE OURO

PIOR FILME
Emoji: O Filme (The Emoji Movie)

PIOR ATRIZ
Tyler Perry (BOO! 2: A Medea Halloween)

PIOR ATOR
Tom Cruise (A Múmia)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Mel Gibson (Pai em Dose Dupla 2)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Kim Basinger (Cinquenta Tons Mais Escuros)

PIOR COMBO
Qualquer encontro de dois emojis (Emoji: O Filme)

PIOR REFILMAGEM, CÓPIA OU SEQUÊNCIA
Cinquenta Tons Mais Escuros

PIOR DIRETOR
Anthony (Tony) Leonidis (Emoji: O Filme)

PIOR ROTEIRO
Emoji: O Filme

ROTTEN TOMATO AWARDS
Baywatch

‘TRANSFORMERS’ LIDERA as INDICAÇÕES ao FRAMBOESA DE OURO. SOBRA até para ‘MÃE!’, de DARREN ARONOFSKY

razzie transformers_mummy_and_pirates_of_the_caribbean_still_-_split_-_photofest_-_h_2018.jpg

Da esquerda para a direita: Transformers: O Último Cavaleiro, A Múmia e Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar formam a nata do Framboesa de Ouro (montage by The Hollywood Reporter)

QUINTO FILME DE TRANSFORMERS SE JUNTA A OUTRAS PÉROLAS DO CINEMA AMERICANO

Aah… o que seria dos bons filmes se não fossem os ruins? Se tem uma coisa que admiro da indústria de cinema americana é que ela sabe rir de si mesma, seja fazendo sátiras de sucessos comerciais como os filmes da franquia Todo Mundo em Pânico, seja através do Framboesa de Ouro, que coroa os piores do ano de forma bastante irônica e necessária.

Nesta 38ª edição, o Framboesa temos o chorume do lixo americano como as refilmagens de A Múmia, a quinta parte de Transformers (que lidera com nove indicações!), a continuação Cinquenta Tons Mais Escuros, a refilmagem da série de TV Baywatch (que já era ruim) e a animação bem desnecessária Emoji: O Filme. Todas as inclusões indiscutíveis.

O único porém aqui, na minha humilde opinião, foi a inclusão do diretor Darren Aronofsky por Mãe!. Eu sei que tem muita gente que odeia o filme mega metafórico com significados bíblicos, e eu entendo as razões, mas temos que dar o braço a torcer porque pelo menos o diretor tentou e conseguiu fazer algo diferente. Quantas vezes você não cansou daqueles mesmos filmes com as mesmas fórmulas de sempre? É graças a inovadores como Aronofsky, que dão a cara para bater, que o cinema hoje ainda é uma Arte respeitada. Se não houvesse artistas buscando mudanças, o Cinema hoje não passaria de entretenimento sem conteúdo.

Mother!_.jpg

Jennifer Lawrence e Javier Bardem disputam o Framboesa de Ouro por Mãe! (pic by imdb.com)

Mas aí outro pode reclamar: “Mas Jennifer Lawrence e Javier Bardem estavam péssimos e mereciam indicações ao Framboesa”. Ok, suas performances não eram mesmo dignas de nota, mas temos que levar em conta que são personagens e situações bastante incomuns, quase como um teatro non-sense, e que mesmo se fossem Meryl Streep e Daniel Day-Lewis no lugar deles, não seriam interpretações bem aceitas pelo público.

Em relação a Jennifer Lawrence, vejo a indicação dela do mesmo modo que os organizadores devem ter pensado: “Vamos inclui-la para que ela se toque que está havendo um excesso de exposição”. Todo ano tem filme com J-Law, às vezes até mais, e isso desgasta a imagem do ator ou atriz, que nem sempre vai acertar nas suas escolhas de projetos e até mesmo nas atuações.

Falando ainda em excessos, dentre os indicados, já deu de filmes de Piratas do Caribe e de robôs gigantes de Transformers, né? Eles podem até continuar fazendo dinheiro nas bilheterias, mas a cada novo filme, as idéias ficam mais estapafúrdias. Daqui a pouco vão ter piratas transsexuais e robôs gigantes contra Godzilla.

Bom, se tem uma lista de filmes que não faço a mínima questão de assistir é a lista do Framboesa de Ouro! Como sempre digo para um amigo meu: “Se não me sobra nem tempo pra ver filmes bons, pra que vou gastá-lo com filmes que sei que são ruins?”. Claro que sei também que, como um bom cinéfilo, devo assistir de tudo sem preconceitos, portanto dos que assisti, posso concordar em absoluto com as indicações para A Múmia (já citei os motivos do filme ter naufragado no meu post de Retrospectiva 2017), mas honestamente, achei que a adaptação de Stephen King, A Torre Negra, também deveria bombar aqui. Assim como deveriam ter incluído na categoria de Pior Sequência O Chamado 3 e Alien: Covenant. Só não incluíram Ridley Scott na parada porque ele pode ter os genes suicidas do irmão…

Ah! E só mais uma coisa: Katherine Heigl é a pior atriz atualmente em Hollywood. Essa tentativa ridícula de ser Glenn Close em Atração Fatal é de doer.

katherine heigl razzie

Katherine Heigl em momento da atriz do método em Paixão Obsessiva (pic by imdb.com)

INDICADOS AO FRAMBOESA DE OURO:

PIOR FILME
Baywatch (Baywatch)
Emoji: O Filme (The Emoji Movie)
Cinquenta Tons Mais Escuros (Fifty Shades Darker)
A Múmia (The Mummy)
Transformers: O Último Cavaleiro (Transformers: The Last Knight)

PIOR ATRIZ
Katherine Heigl (Paixão Obsessiva)
Dakota Johnson (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Jennifer Lawrence (Mãe!)
Tyler Perry (BOO! 2: A Medea Halloween)
Emma Watson (O Círculo)

PIOR ATOR
Tom Cruise (A Múmia)
Johnny Depp (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar)
Jamie Dornan (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Zac Efron (Baywatch)
Mark Wahlberg (Pai em Dose Dupla 2) & (Transformers: O Último Cavaleiro)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Javier Bardem (Mãe!) & (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar)
Russell Crowe (A Múmia)
Josh Duhamel (Transformers: O Último Cavaleiro)
Mel Gibson (Pai em Dose Dupla 2)
Anthony Hopkins (Collide) & (Transformers: O Último Cavaleiro)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Kim Basinger (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Sofia Boutella (A Múmia)
Laura Haddock (Transformers: O Último Cavaleiro)
Goldie Hawn (Viagem das Loucas)
Susan Sarandon (Perfeita é a Mãe 2)

PIOR COMBO
* Qualquer combinação de dois personagens, brinquedos sexuais ou posições sexuais  (Cinquenta Tons Mais Escuros)
* Qualquer combinação entre dois humanos, dois robôs ou duas explosões (Transformers: O Último Cavaleiro)
* Qualquer encontro de dois emojis (Emoji: O Filme)
* Johnny Depp e seu estilo bêbado de atuar  (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar)
* Tyler Perry e qualquer vestido velho ou peruca ruim (BOO! 2: A Madea Halloween)

PIOR REFILMAGEM, CÓPIA OU SEQUÊNCIA
Baywatch
BOO 2: A Medea Halloween
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

PIOR DIRETOR
Darren Aronofsky (Mãe!)
Michael Bay (Transformers: O Último Cavaleiro)
James Foley (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Alex Kurtzman (A Múmia)
Anthony (Tony) Leonidis (Emoji: O Filme)

PIOR ROTEIRO
Baywatch
Emoji: O Filme
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

***

Como costumeiro, os vencedores serão anunciados um dia antes da cerimônia do Oscar, mais precisamente no dia 03 de março.

‘Saving Christmas’ é eleito o pior do ano no Framboesa de Ouro 2015

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

FRAMBOESA FINALMENTE CONTEMPLA TAMBÉM MICHAEL BAY E SEUS EXCESSOS

Quem diria que o Framboesa de Ouro já está completando 35 anos? Certamente, três décadas e meia da mais pura nata do cinema de qualidade! Um dos fundadores do evento, John Wilson, contou em entrevista: “Há 35 anos fazemos essa festa como contraponto ao Oscar”. E vem dando certo, pois antes a cerimônia ocupava uma salinha e hoje chega a alugar um teatro de médio porte e este ano passou a cobrar até ingressos que, segundo Wilson, venderam quase todos a 25 dólares cada.

Como de praxe, o prêmio possui as categorias de Pior Filme, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Diretor e Roteiro, mas este ano, lançou um prêmio especial intitulado The Razzie Redeemer Award (algo como Framboesa Redentora) para aqueles atores que persistem depois um mega fracasso e alcançam o sucesso comercial e de crítica. O primeiro contemplado foi Ben Affleck, que foi de Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopes para os sucessos Argo (2013) e Garota Exemplar (2014).

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

E hoje: Ben Affleck com seu segundo Oscar por Argo. O mundo realmente dá voltas. (photo by bostinno.com)

Infelizmente, Affleck não foi receber o prêmio como a maioria não costuma fazer por vergonha. Daria pra contar nos dedos os artistas que foram ao palco agradecer pela honraria: Sandra Bullock (por Maluca Paixão), Halle Berry (por Mulher-Gato) e o diretor holandês Paul Verhoeven (por Showgirls), que foi marcante por ter sido o primeiro artista a receber o prêmio em mãos em 1996.

Este ano, o grande vencedor (ou seria perdedor?) foi Saving Christmas, um filme evangélico classificado como de família e comédia. A produção foi contemplada como Pior Filme, Pior Ator, Pior Roteiro e Pior Combo.

Logo atrás, vem Transformers: A Era da Extinção com 2 Framboesas. Finalmente minhas preces foram atendidas e Michael Bay foi reconhecido por suas virtudes como diretor. Ok, não dá pra esperar muita coisa de Michael Bay, mas pelo menos antes ele se esforçava um pouco mais pra entregar um blockbuster mais razoável como A Rocha (1996) ou A Ilha (2005), cujos primeiros 20 minutos são bons, mas depois desanda de uma maneira que até hoje não consigo entender. Ele é uma espécie de Ed Wood com dinheiro. Acha que está fazendo obras-primas, mas não está. Mas a diferença é que Ed Wood não tinha um centavo no bolso e qualquer coisa na tela se tornava algo bonito. Por favor, amigos de Michael Bay, dêem um toque pra ele.

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

O Framboesa de Ouro não existe pra ficar dando lição de moral nos concorrentes, mas de uma certa forma, dar um leve puxão de orelha e dar um empurrãozinho para que esses artistas repensem melhor antes de levar adiante um projeto que visa apenas um lucro fácil. Tudo bem que às vezes, o ator ou atriz precisa pagar as contas ou fez um favor, como Charlize Theron deve ter feito ao amigo Seth MacFarlane naquela draga de comédia besteirol Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, que também deveria levar Pior Título em Português, porque o título original não é tão ruim assim: A Million Ways to Die in the West, mas certos tropeços poderiam ser facilmente evitados.

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Poxa, Charlize Theron ganhou o Oscar por Monster: Desejo Assassino, e hoje está na lista do Framboesa. Depois daquele baita esforço de transformação para viver a assassina Aileen Wuornos, fazer uma comédia imbecil foi uma decisão tomada à base de crack. Tem artistas que andam tão sem rumo que a gente nem liga mais, como Nicolas Cage, que tem feito uns três filmes ruins por ano, mas é triste noticiar a queda de alguns nomes.

Enfim, sem mais delongas, os grandes ganhadores do Framboesa 2015:

PIOR FILME
• Saving Christmas
– O Apocalipse
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR ATOR
Kirk Cameron (Saving Christmas)
– Nicolas Cage (O Apocalipse)
– Kellan Lutz (Hércules)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Adam Sandler (Juntos e Misturados)

PIOR ATRIZ
• Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque) e (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
– Melissa McCarthy (Tammy)
– Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Gaia Weiss (Hércules)

PIOR ATOR COADJUVANTE
• Kelsey Grammer (Os Mercenários 3), (A Lenda de Oz), (Elas Querem Pensar Como Eles!) e (Transformers: A Era da Extinção)
– Mel Gibson (Os Mercenários 3)
– Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
– Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
– Kiefer Sutherland (Pompeia)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
– Cameron Diaz (Annie)
– Nicola Peltz (Transformers: A Era da Extinção)
– Susan Sarandon (Tammy)
– Bridgette Cameron (Saving Christmas)

PIOR DIRETOR
Michael Bay (Transformers: A Era da Extinção)
– Darren Doane (Saving Christmas)
– Renny Harlin (Hércules)
– Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
Annie
– Atlas Shrugged: Part III
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR COMBO
Kirk Cameron e seu ego (Saving Christmas)
– Kellan Lutz e seus músculos (Hércules)
– Seth MacFarlane e Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Cameron Diaz, Jason Segel (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Qualquer dois robôs, atores (ou atores robóticos) (Transformers: A Era da Extinção)

PIOR ROTEIRO
Darren Doane, Cheston Hervey (Saving Christmas)
– Paul Lalonde, John Patus (O Apocalipse)
– Kate Angelo, Jason Segel, Nicholas Stoller (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção)
– Evan Daugherty, André Nemec, Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja)

FRAMBOESA REDENTORA
• Ben Affleck: de vencedor do Framboesa por Contato de Risco para vencedor do Oscar por Argo, e Garota Exemplar
– Jennifer Aniston: de 4 vezes indicada ao Framboesa para indicada ao SAG por Cake: Uma Razão Para Viver
– Mike Myers: de vencedor do Framboesa por O Guru do Amor para diretor de documentário Supermensch: The Legend of Shep Gordon
– Keanu Reeves: de seis vezes indicado ao Framboesa para o aclamado pela crítica De Volta ao Jogo
– Kristen Stewart: de vencedora do Framboesa por Crepúsculo para o filme de arte Camp X-Ray

Argo (Argo), de Ben Affleck (2012)

Argo, de Ben Affleck. Fortíssimo candidato ao Oscar 2013.

TERCEIRO FILME DE BEN AFFLECK RESGATA HUMOR POLÍTICO

Apesar de ser inspirada em fatos verídicos, a história de Argo contém elementos fictícios que simplificam o contexto de forma que qualquer espectador possa entender e embarcar na arriscada missão. Desde que estreou nos EUA em outubro, vem conquistando elogios da crítica e tem se tornado um dos fortes candidatos ao Oscar.

Logo no início, somos apresentados a uma breve história do Irã, passando pela desavença causada pelo exílio do Xá e a revolta do povo xiita liderado pelo aiatolá Khomeini para invadir a embaixada americana no Teerã com o objetivo de levar o líder político a julgamento. Nesse cenário de caos e barbárie, seis funcionários da embaixada conseguem escapar a tempo e se refugiam na casa do embaixador canadense. Com a pressão política devastando o país, a CIA se vê obrigada a retirá-los do solo iraniano antes que haja uma tragédia e comprometa o diplomata canadense.

Os seis americanos na casa do embaixador canadense.

Incontáveis idéias surgem das cabeças do alto escalão, sendo uma delas conseguir documentos de professores estrangeiros. Nesse momento conturbado, surge o agente Tony Mendez (Ben Affleck), especializado em exfiltração. Numa noite, ao falar com o filho que mora com a mãe por telefone, ele assiste a um dos filmes da série O Planeta dos Macacos e dali nasce o plano mirabolante. Mendez precisa convencer as autoridades do aeroporto do Irã que seus seis refugiados são parte de uma equipe de filmagem canadense para o falso filme de ficção científica intitulado Argo, que teria vindo ao país para pesquisar locações para os cenários de desertos.

Como o agente desconhece o universo fílmico, é enviado para Los Angeles, mais precisamente em Hollywood, onde conhece o maquiador John Chambers (artista verídico, falecido em 2001), vivido por John Goodman, e o produtor fictício Lester Siegel (Alan Arkin). Nessa parte que Argo mais cresce, pois explora o paralelo entre a vida e a arte, e a CIA e Hollywood. Chambers e Siegel brilham na tela ao criticar Hollywood e seu mercenarismo. São deles os melhores diálogos do roteiro de Chris Terrio, jovem escritor nova-iorquino que deve ter inúmeras oportunidades depois do sucesso de Argo.

Quando a idéia vira realidade. Chambers (Goodman), Siegel (Arkin) e Mendez (Affleck) se reunem para discutir a “Opção Hollywood”

Como se tratava de uma operação altamente confidencial, pela mídia, os refugiados conseguiram escapar graças aos esforços do Canadá, que ganharam o crédito do salvamento das vidas. Só depois de 17 anos que o então presidente americano Bill Clinton tornou público todo o planejamento originado na CIA, em parceria com Hollywood, e o cabeça Tony Mendez, que ganhou dinheiro depois ao publicar um livro. Mas ao contrário do que muitos pensam, o roteiro de Chris Terrio nada tem a ver com o livro de Mendez, pois é baseado no artigo de Joshuah Bearman, publicado na revista Wired.

Outra fato que parece ter alguma influência ou ligação com Argo seria o exílio do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres. O abrigo político de Assange, que se iniciou em junho deste ano, ainda continua sem solução. Infelizmente, com a popularidade do filme de Affleck, a estratégia de  sair disfarçado como membro de equipe de filmagem já está batida. Agora vai ter que ser bem mais criativo pra sair de lá…

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, exilado na embaixada do Equador. Devido ao vazamento de informações confidenciais de alguns governos, muitos querem entregá-lo às autoridades…

… já outros querem a sua liberdade. O protesto homenageia a graphic novel de Alan Moore, V de Vingança, protagonizada pelo anti-herói anarquista V.

Em seu terceiro longa como diretor, Ben Affleck confirma maturidade com uma trama política, pela qual consegue extrair críticas a Hollywood, aos governos americano e iraniano e ainda entregar um filme tenso do começo ao fim. Com o roteiro altamente abrangedor, ele desvia das armadilhas e salta com leveza entre os gêneros do drama, comédia e suspense, resultando num filme coerente, que agrada a todos os públicos. Sem contar que enquanto cuida desses aspectos, ainda dirige a si mesmo de forma convincente. Affleck queria Brad Pitt para o papel de Tony Mendez, mas como ele estava bastante atarefado, acabou protagonizando.

Em se tratando de atuação, depois de sua aclamada estréia na direção com Medo da Verdade (Gone Baby Gone), Ben Affleck voltou a surpreender os críticos com o drama policial Atração Perigosa (The Town, 2010). Além dos elogios, os filmes renderam duas indicações ao Oscar: Melhor Atriz Coadjuvante para Amy Ryan por Medo da Verdade, e Melhor Ator Coadjuvante para Jeremy Renner por Atração Perigosa.

Mesmo que tenha convencido a todos de suas qualidades no quesito direção de atores, Ben Affleck ainda permanece uma grata surpresa, afinal, ele mesmo nunca se firmou como um dos bons. Na carreira de atuação, Affleck teve algumas performances razoáveis nos filmes de Kevin Smith (Barrados no Shopping, Procura-se Amy e Dogma), participou de alguns filmes em destaque como Shakespeare Apaixonado (1998) e chegou a ganhar o Volpi Cup de Melhor Ator no Festival de Veneza por Hollywoodland – Bastidores da Fama (2006) ao interpretar o ator que foi o Super-Homem na TV, George Reeves. Contudo, a carreira de ator para Affleck não deslanchava porque tentaram vendê-lo como galã nos filmes Armageddon (1998), Pearl Harbor (2001), na refilmagem do sucesso estrelado por Harrison Ford, A Soma de Todos os Medos (2002) e até como o herói da Marvel no fracasso Demolidor – O Homem Sem Medo (2003).

Ben Affleck ao lado de Matt Damon (a esquerda). Vencedores do Oscar de Melhor Roteiro Original por Gênio Indomável (1997).

Embora a estratégia tenha fracassado, especialmente no filme Contato de Risco (2003) quando Ben atingiu o fundo do poço ao lado da então namorada Jennifer Lopez, ele aprendeu bastante com bons diretores. Além do já citado Kevin Smith, Ben Affleck pôde observar de camarote o método de trabalho de Gus Van Sant (Gênio Indomável, pelo qual ganhou o Oscar de Roteiro Original com Matt Damon), Michael Bay (sim, aprendeu como não fazer filmes com Armageddon e Pearl Harbor), John Madden (Shakespeare Apaixonado) e com o falecido John Frankenheimer (sequências de ação e tensão em Jogo Duro). Dessa diversidade de projetos e estilos, Affleck foi criando seu próprio métodos de trabalho que acaba sintetizando muitas das qualidades que ele presenciou nos sets de filmagem, além das suas próprias referências pessoais.

Vale ressaltar que nesses três primeiros filmes, ele soube escolher minuciosamente seu elenco, tarefa nada fácil para um diretor novato. Aí entra também seu trabalho como ator, pois ao longo de sua experiência, pôde ver e conhecer melhor os atores com quem poderia trabalhar no futuro. Logo em seu primeiro projeto, conseguiu escalar Morgan Freeman. Já no segundo, convenceu os veteranos Pete Postlethwaite e Chris Cooper a embarcar na história de ladrões de banco de Atração Perigosa. Em Argo, a façanha se repete devido ao seu alto comprometimento profissional. Alan Arkin, John Goodman e Bryan Cranston fazem parte de um forte grupo que tem grandes chances de ganhar o prêmio de Melhor Elenco (Ensemble Cast in a Movie) do SAG Awards em 2013.

Ben Affleck dirige John Goodman (a esquerda). O jovem diretor vem confirmando seu talento para trabalhar com atores.

O sucesso de Ben Affleck na cadeira de diretor também possibilita novas parcerias por trás das câmeras. Além da diretora de arte Sharon Seymour, que trabalhou nas três produções, Affleck conseguiu colaborações importantes como a do compositor Harry Gregson-Williams e agora com Alexandre Desplat, o montador William Goldenberg (que trabalha frequentemente com Michael Mann), os produtores George Clooney e Grant Heslov para dar mais tranquilidade ao diretor, e apesar de não ter repetido, conseguiu três excelentes diretores de fotografia na ordem: John Toll, Robert Elswitt e Rodrigo Prieto.

Curiosamente, Argo, antes intitulado Escape from Tehran (Fuga de Teerã) estava previsto para ser dirigido por George Clooney e co-escrito por Grant Heslov em 2007 devido ao sucesso de crítica que foi Boa Noite e Boa Sorte (2005). Mas algumas complicações surgiram e o projeto ficou encalhado até 2011, quando Ben Affleck foi apadrinhado por Clooney e desenvolveu o filme com a Warner Bros.

A aposta deu certo. Argo estreou em primeiro lugar nos EUA e se manteve na mesma posição por mais quatro semanas, tendo faturado até o momento, mais de 76 milhões de dólares só em solo americano, fato que só favorece indicações ao Oscar, pois a Academia costuma premiar produções que tiveram pelo menos um sucesso razoável nas bilheterias.

Ainda na questão do Oscar, Alan Arkin e John Goodman podem se tornar indicados na categoria de Melhor Ator Coadjuvante. Infelizmente, seus papéis têm pouco tempo na tela, o que pode atrapalhar no favoritismo, mas certamente ambos roubam a cena por seu lado cômico que satiriza Hollywood. Arkin já venceu na mesma categoria em 2007 pela comédia independente Pequena Miss Sunshine e Goodman pode finalmente ter sua primeira indicação por interpretar uma figura importante como John Chambers, que ficou mundialmente conhecido por ter criado as próteses dos macacos de O Planeta dos Macacos e ter ganhado um Oscar Honorário de Maquiagem em 1969 (a categoria de Melhor Maquiagem foi criada apenas em 1981, quando Rick Baker venceu pelo primoroso trabalho em Um Lobisomem Americano em Londres).

John Chambers (a esquerda) ao lado de sua criação de O Planeta dos Macacos, que lhe renderia um Oscar Honorário de Maquiagem.

Além de Melhor Filme, Argo pode conseguir a primeira indicação para Melhor Diretor para coroar a maturidade de Ben Affleck que, a esse ponto, não passa mais desapercebido pela temporada de premiações. Também deve obter indicações nas categorias Melhor Roteiro Original (Chris Terrio), Melhor Fotografia (Rodrigo Prieto), Melhor Montagem (William Goldenberg) e Melhor Trilha Musical (Alexandre Desplat), podendo totalizar oito indicações. Sem contar as chances no Globo de Ouro, que acontece no dia 13 de janeiro.

Argo é um filme bem dirigido, atuado e com qualidades técnicas, especialmente o roteiro e a montagem. Mas para a avaliação ainda conto o fato do filme trazer questões políticas de volta ao cenário hollywoodiano. E não se trata de mais um filme político chato e quadrado, senão não estaria fazendo o sucesso comercial que vem fazendo. E vem num momento curioso em que o vídeo Inocência dos Muçulmanos, que causou enorme rebuliço no Oriente Médio, ainda estremece a delicada relação entre os EUA e o Irã.

AVALIAÇÃO: MUITO BOM

Michael Clarke Duncan (1957 – 2012)

Michael Clarke Duncan

É com grande pesar que informo a morte de outro nome de Hollywood: o ator Michael Clarke Duncan, conhecido por seu papel em À Espera de um Milagre (1999). Não sei se a bruxa anda solta nos EUA, mas recentemente já reportei a morte de Nora Ephron, Marvin Hamlisch e Tony Scott. Segundo relatos de sua noiva, o ator faleceu nessa segunda, dia 03, no hospital Cedars Sinai Medical Center em Los Angeles. No dia 13 de julho, ele sofreu um infarto do qual nunca se recuperou. Passou os últimos 2 meses hospitalizado, mas não resistiu.

Michael nasceu em Chicago e queria ser jogador de futebol americano, mas sua mãe não permitiu com medo de que ele se ferisse. Então, passou a concentrar seus esforços na carreira de ator. Já em Hollywood, ele conseguiu alguns papéis de menor expressão, enquanto trabalhava como guarda-costas de atores famosos como Will Smith e Martin Lawrence, aproveitando-se de seu porte físico avantajado.

Em 1998, conseguiu seu primeiro papel numa grande produção através do diretor Michael Bay em Armageddon (1998). Ao lado de nomes consagrados como Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck e Bruce Willis. Aliás, este último foi quem o recomendou ao diretor Frank Darabont para o papel de sua vida: John Coffey. Para aqueles que viram À Espera de um Milagre, testemunharam um daqueles casos raros do ator nascer para viver aquele personagem. Michael Clarke Duncan criou uma aura de mistério através de expressões fechadas e frias, além de gestos e sotaque que indicavam algo diferente na vida daquele personagem, criado pelo escritor Stephen King, e que em algumas análises críticas, foi comparado a Jesus por sua jornada milagrosa. John Coffey poderia ser apenas uma figura estranha no filme, mas Duncan imprime carisma para que o público torça por ele enquanto aguarda por sua sentença de morte e isso faz toda a diferença. Seu personagem e sua interpretação são a alma do filme que conquistou inúmeros fãs mundo afora.

Michael Clarke Duncan como John Coffey em À Espera de um Milagre, ao lado de Tom Hanks. Atuação merecidamente indicada ao Oscar.

Felizmente, a Academia reconheceu seu talento e o indicou a Melhor Ator Coadjuvante: uma vitória descomunal em sua curta carreira. Dividiu a lista de indicados com nomes de peso: Tom Cruise (Magnólia), o menino Haley Joel Osment (O Sexto Sentido), Jude Law (O Talentoso Ripley) e Michael Caine (Regras da Vida), que saiu vencedor naquela noite com um belo e humilde discurso que elogia todos os atores de sua categoria com um refinado humor britânico. Por sua performance, Michael Clarke Duncan também foi indicado ao Globo de Ouro, SAG Award e até ator revelação no MTV Movie Award.

Depois do sucesso no Oscar, propostas não lhe faltaram. Voltou a atuar ao lado de Bruce Willis em mais 3 produções: À Beira da Loucura (Breakfast of Champions, 1999), Meu Vizinho Mafioso (The Whole Nine Yards, 2000) e Sin City – A Cidade do Pecado (Sin City, 2005). Atuou como vilão na refilmagem de Tim Burton de O Planeta dos Macacos (2001), na adaptação dos quadrinhos Demolidor – O Homem Sem Medo (2003) como o Rei do Crime, e em O Escorpião Rei (2002) ao lado de Dwayne Johnson (The Rock).

Dentre seus trabalhos mais destacados nos últimos anos, fez trabalho de dublagem em Cães e Gatos – A Vingança de Kitty Galore (2010) e Kung Fu Panda (2008).

Fora dos holofotes, Clarke servia como porta-voz de algumas causas nobres. No começo deste ano, ele apareceu num vídeo defendendo a PETA, organização dos direitos dos animais, relatando que se sentia bem melhor depois que se tornou vegetariano três anos antes.

Em depoimento, o diretor de À Espera de um Milagre, Frank Darabont, lembrou da experiência de trabalho e convivência: “Estou devastado com a perda de Michael Clarke Duncan, uma das melhores pessoas com quem tive o privilégio de trabalhar ou conhecer. Michael era a mais gentil das almas – um exemplo de decência, integridade e gentileza. Nossa experiência em fazer À Espera de um Milagre juntos foi imersiva e incrível, uma jornada única na vida. O que mais me recordo era a devoção ao seu ofício e os avanços que ele fez como artista durante aquele tempo, que era mais do que inspiradora para nós que compartilhamos a mesma jornada com ele. Michael nos deixou cedo demais. Perdemos um grande homem e um grande espírito hoje. Meus pensamentos e condolências vão para a noiva dele Omarosa e sua família”. 

Em inglês (In English):

It is with great sadness that I report the death of another Hollywood actor: Michael Clarke Duncan, known for his role in The Green Mile (1999). I don’t know if there’s something strange going on the U.S., but recently I have reported too many deaths: Nora Ephron, Marvin Hamlisch, Tony Scott and let’s not forget the Colorado movie theater tragedy. According to reports from his bride, the actor passed away on this monday, September the 3rd, at Cedars Sinai Medical Center in Los Angeles. On July 13, he suffered a stroke from which he never fully recovered. He spent the last two months in hospital but did not resist.

Michael was born in Chicago and wanted to be a football player, but his mother didn’t allow cause she was afraid that he could get injured. So, he began to concentrate his efforts on acting career. In Hollywood, he got some minor roles while working as a bodyguard for famous actors like Will Smith and Martin Lawrence.

In 1998, he got his first role in a major production by director Michael Bay on Armageddon (1998), alongside established names like Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck and Bruce Willis. Indeed, the latter was the one who recommended him to director Frank Darabont for the role of his life: John Coffey. For those who have seen The Green Mile, witnessed one of those rare cases of an actor born to live the character. Michael Clarke Duncan has created an aura of mystery through cold and closed expressions, and gestures and accent that indicated something different in the life of that character, created by writer Stephen King, and that in some critical analysis, was compared to Jesus for his miraculous journey . John Coffey could be just a strange figure in the film, but Duncan prints charisma to the audience to root for him as he awaits his death sentence and that makes all the difference. His character and his interpretation are the true soul of the film that won countless fans worldwide.

Fortunately, the Academy recognized his talent and nominated him as Best Supporting Actor: a huge victory in his short career. He shared the company of nominees: Tom Cruise (Magnolia), the kid Haley Joel Osment (The Sixth Sense), Jude Law (The Talented Mr. Ripley) and Michael Caine (The Cider House Rules), who won the award and made a beautiful and humble speech that praised all actors with a refined British humor. For her performance, Michael Clarke Duncan was also nominated for a Golden Globe, SAG Award and even breakthrough performance at the MTV Movie Award.

After the success at the Oscars, many roles were offered. He chose to return to star alongside Bruce Willis in 3 productions: Breakfast of Champions (1999), The Whole Nine Yards (2000) and Sin City (2005). Acted as a villain in Tim Burton’s remake of Planet of the Apes (2001), the adaptation of the comic Daredevil (2003) as the Kingpin, and The Scorpion King (2002) alongside Dwayne Johnson (The Rock).

Most recently, he did voice work in Cats and Dogs – The Revenge of Kitty Galore (2010) and Kung Fu Panda (2008).

Behind the spotlight, Clarke served as spokesman for some noble causes. Earlier this year, he appeared in a video defending PETA, the animal rights organization, reporting that he felt much better after he became vegetarian three years ago.

In a statement, the director of  The Green Mile, Frank Darabont, recalled the experience of working together: “I’m devastated at the loss of Michael Clarke Duncan, one of the finest people I’ve ever had the privilege to work with or know. Michael was the gentlest of souls—an exemplar of decency, integrity, and kindness. Our experience making The Green Mile together was immersive and incredible, a once-in-a-lifetime journey. What sticks most in my mind was his devotion to his craft and the strides he made as an artist during that time, which was beyond inspiring to those of us who took the journey with him. Michael has left us far, far too soon. We lost a great man and a great spirit today. My thoughts and condolences goout to his fiancée Omarosa and to his family”.