Academy Awards History: A História do Oscar (1961 a 1970)

Fachada do Santa Monica Civic Auditorium para o 38º Annual Academy Awards, onde ocorreu a primeira transmissão em cores para a TV (photo by twitter.com)

Fachada do Santa Monica Civic Auditorium para o 38º Annual Academy Awards, onde ocorreu a primeira transmissão em cores para a TV (photo by twitter.com)

QUAL MERECE MAIS?

Quando cinéfilos mundo afora discutem sobre os vencedores do Oscar, é muito comum ouvirmos “Deram o Oscar pro filme errado” ou “Deveriam ter premiado o outro filme”. Quem nunca soltou uma dessas numa rodinha de cinema? A verdade é que só sabemos se foi um “erro” mesmo com o passar do tempo. Acredito que a Academia e seus membros votaram naqueles que consideraram os melhores do ano. Se o filme ou a performance vencedores vão crescer ou cair no esquecimento, só dá pra ter certeza absoluta depois.

Nos anos 60, o Oscar ainda estava naquele hype de filmes musicais, tanto que premiou quatro como Melhor Filme: Amor Sublime Amor,  Minha Bela Dama, A Noviça Rebelde e Oliver!, que foi o último antes de Chicago vencer em 2003. Sim, premiaram filmes bobos como As Aventuras de Tom Jones (que hoje poucos sabem que filme é), mas a Academia demonstrou que buscava qualidade com maturidade ao reconhecer filmes polêmicos como No Calor da Noite (pela importância da questão racial e Sidney Poitier num papel marcante) e Perdidos na Noite (pela poesia encontrada no universo underground de Nova York). Toda vez que me perguntam quais filmes realmente mereceram o Oscar de Melhor Filme, sempre cito Perdidos na Noite, de John Schlesinger.

Jon Voight como Joe Buck em cena de Perdidos na Noite, de John Schlesinger (photo by metropolisvintageonline.com)

Jon Voight como Joe Buck em cena de Perdidos na Noite, de John Schlesinger (photo by metropolisvintageonline.com)

Pena que faltou essa ousadia no ano anterior, quando resolveram premiar Oliver! no lugar do revolucionário 2001: Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick, que levou seu único Oscar por Efeitos Especiais. Mas esse “deslize” é mais do que compreensível, já que 2001 seria ousado mesmo se tivesse sido lançado nos dias de hoje. Uma vez ouvi um boato de que o ator Rock Hudson teria saído no meio da sessão aos berros de reclamação de ‘que porcaria é essa?’. Não que Hudson fosse lá um expert em linguagem cinematográfica, ainda mais de ficção científica e Arthur C. Clarke, mas não é um filme fácil de digerir.

FATOS HISTÓRICOS

A partir do 33º ano, em 1961, a cerimônia do Oscar mudou de endereço. Passou da RKO Pantages Theatre para o Santa Monica Civic Auditorium para poder comportar melhor a expansão de seus membros acadêmicos, convidados e apoiadores. Foi também nesta importante década que a apresentação foi transmitida em cores pela primeira vez na História, mais precisamente em 18 de abril de 1966, ano em que o musical A Noviça Rebelde levou Melhor Filme.

Dois anos após o advento da cor na transmissão do Oscar, a Academia decidiu unificar as categorias técnicas, antes divididas em Cores e Preto-e-Branco. Assim, as categorias de Fotografia, Direção de Arte e Figurino passaram a ser únicas.

Em 1967, a cerimônia foi quase cancelada devido a uma greve do sindicato da American Federation of Television and Radio Artists (AFTRA), mas apenas três horas antes foi acalmada e o show continuou. Mas no ano seguinte, a cerimônia do Oscar sofreu novo problema no calendário. Com o assassinato de Martin Luther King Jr., o evento foi adiado em dois dias em respeito, assim como a festa do Governor’s Ball foi cancelada naquele ano. Em 1963, ano seguinte ao assassinato do presidente John F. Kennedy, talvez a Academia tenha buscado alívio e conforto ao premiar a comédia britânica As Aventuras de Tom Jones, no lugar do drama imigrante de Elia Kazan, Terra de um Sonho Distante.

Vale destacar aqui que o mestre do suspense, Alfred Hitchcock, que acumulava 5 indicações como Melhor Diretor sem vitórias, foi lembrado pela Academia em 1967, quando lhe homenagearam com o prêmio Irving G. Thalberg, concedido pela “alta qualidade de suas produções ao longo de sua incrível carreira”. Indignado, como seus inúmeros fãs, o diretor subiu ao palco, recebeu o prêmio das mãos de Robert Wise, e foi amargamente sucinto com um “Thank you” para então sair de cena. (Veja vídeo no ano respectivo abaixo)

Alfred Hitchcock (à esq) posa com o prêmio Irving G. Thalberg ao lado de Robert Wise (photo by the.hitchcock.zone)

Alfred Hitchcock (à esq) posa com o prêmio Irving G. Thalberg ao lado de Robert Wise (photo by the.hitchcock.zone)

E por que não lembrar aqui da bela homenagem a um dos atores mais carismáticos que o Cinema já teve? Indicado duas vezes como Melhor Ator na década de 40, Cary Grant recebeu o Oscar Honorário em 1970 das mãos de Frank Sinatra após um vídeo com montagem de seus trabalhos em 34 anos de carreira. Ele foi aplaudido de pé por todos os presentes na cerimônia.

CAMPANHAS APELATIVAS

Para quem acha que a Academia sofre tentativas de suborno hoje com campanhas descaradas de Harvey Weinstein e companhia, mal sabe que estes fatos já vêm ocorrendo desde essa década de 60. Os estúdios lançaram campanhas ferozes chegando ao seu ápice com o nome de Chill Wills para uma indicação como Ator Coadjuvante em 1961, tanto que a Academia sentiu a necessidade inadiável de emitir um comunicado sobre a questão: “Sentimos que devemos declarar nossa posição sobre todos os indicados em potencial. Estamos cientes de que, ao longo dos anos, a grande maioria daqueles que foram indicados ou estavam buscando indicação exerceram retenção para lembrar os membros votantes de suas realizações. Lamentavelmente, contudo, ano passado alguns recorreram a uma excessiva e vulgar solicitação de votos. Isto se tornou um sério embaraço para a Academia e para nossa indústria. Somos hesitantes em definir regras específicas quanto às propagandas e deixaremos a decisão este ano para a boa consciência dos indicados.” – O ator Chill Wills foi indicado como Coadjuvante por O Álamo, mas perdeu para Peter Ustinov (Spartacus). Não se sabe a contagem dos votos, mas muitas vezes, a publicidade excessiva pode arruinar uma performance vitoriosa.

PRIMEIROS

Em 1962, a atriz italiana Sophia Loren foi responsável pela primeira indicação e vitória de uma performance estrangeira no Oscar. Ela interpretou uma mãe viúva que é vítima de estupro com a filha por soldados marroquinos no filme Duas Mulheres, de Vittorio De Sica. Esse marca só foi alcançada novamente em 1998, quando seu compatriota Roberto Benigni levou Melhor Ator por A Vida é Bela. Já pela categoria de Atriz, apenas em 2008, com a vitória arrasadora de Marion Cotillard por Piaf – Um Hino ao Amor.

Sophia Loren em cena de Duas Mulheres, de Vittorio De Sica (photo by mubi.com)

Sophia Loren em cena de Duas Mulheres, de Vittorio De Sica (photo by mubi.com)

Foi nesse mesmo ano em que vimos pela primeira vez um ator declinando sua indicação. Sim, George C. Scott foi o primeiro dos rebeldes. Apesar de sua recusa, ele permaneceu indicado como Ator Coadjuvante por Desafio à Corrupção, mas perdeu para George Chakiris por Amor, Sublime Amor. Scott venceu seu Oscar em 1971 por Patton – Rebelde ou Herói? e, claro, recusou o prêmio. Outro grande ator, Marlon Brando, que já havia vencido em 1955 por Sindicato de Ladrões, deve ter se inspirado no colega e também recusou o prêmio por O Poderoso Chefão em 1973.

Ainda em 62, ocorreu a primeira vitória de uma dupla de diretores na categoria. O veterano Robert Wise fez uma parceria com o coreógrafo Jerome Robbins, resultando no belíssimo trabalho visual do musical Amor, Sublime Amor. A única vitória de dupla só voltaria a acontecer 46 anos depois, com a consagração dos irmãos Joel e Ethan Coen por Onde os Fracos Não Têm Vez.

E, obviamente, esta foi também a primeira década, mais precisamente em 1964, em que um ator negro ganhou como Melhor Ator. É curioso saber que mesmo tendo interpretado personagens tão fortes em relação às questões raciais como em Acorrentados (1958), Adivinhe Quem Vem Para Jantar (1967) e No Calor da Noite (1967), Sidney Poitier tenha vencido justamente por um papel mais light: um carpinteiro que ajuda cinco freiras a construir uma capela no deserto em Uma Voz nas Sombras (1962). Aliás, o segundo ator negro a ganhar na mesma categoria também levou o Oscar pela performance “errada”: Denzel Washington por Dia de Treinamento, em 2002, quando deveria ter levado por Malcolm X ou Hurricane – O Furacão. Premiar pelo filme errado parece ser a tônica do Oscar.

Sidney Poitier (actor), Sidney Skolsky1963 (36th)

Sidney Poitier conversando com Sidney Skolsky na cerimônia do Oscar.

Só fazendo um adendo pessoal, felizmente esta foi a última década em que o anúncio dos atores indicados era sob um silêncio fúnebre. Não rolava clipes das performances dos atores, ninguém batia palmas e os indicados ficavam com aquela cara fechada de poucos amigos, que dizia “Eu sou bom, mas eu não ligo! Anuncia logo que sou vencedor pra eu ir pra casa!”, sendo que na verdade, estavam mega apreensivos em suas poltronas, ou seja, os atores não estavam atuando bem!

THE 42nd ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1970

07 de Abril de 1970

Perdidos na Noite, de John Schlesinger

Perdidos na Noite, de John Schlesinger

MELHOR FILME
– Ana dos Mil Dias (Anne of the Thousand Days)
Produtor: Hal B. Wallis
– Butch Cassidy (Butch Cassidy and the Sundance Kid)
Produtor: John Foreman
– Alô, Dolly! (Hello, Dolly!)
Produtor: Ernest Lehman
• Perdidos na Noite (Midnight Cowboy)
Produtor: Jerome Hellman

– Z (Z)
Produtores: Jacques Perrin, Ahmed Rachedi


Uma bronzeada Elizabeth Taylor apresenta o Oscar de Melhor Filme para Perdidos na Noite

MELHOR DIRETOR
– Costa-Gavras (Z)
– George Roy Hill (Butch Cassidy)
– Arthur Penn (Deixem-nos Viver)
– Sydney Pollack (A Noite dos Desesperados)
• John Schlesinger (Perdidos na Noite) – John Schlesinger não estava presente. Jon Voight aceitou o prêmio em seu nome.


Myrna Loy cita todos os diretores antes que revelar o vencedor John Schlesinger, aceito por Jon Voight

MELHOR ATOR
– Richard Burton (Ana dos Mil Dias)
– Dustin Hoffman (Perdidos na Noite)
– Peter O’Toole (Adeus, Mr. Chips)
– Jon Voight (Perdidos na Noite)
• John Wayne (Bravura Indômita)

https://www.youtube.com/watch?v=7qQhODwivLU
Barbra Streisand concede o Oscar a John Wayne

MELHOR ATRIZ
– Geneviève Bujold (Ana dos Mil Dias)
– Jane Fonda (A Noite dos Desesperados)
– Liza Minnelli (Os Anos Verdes)
– Jean Simmons (Tempo Para Amar, Tempo Para Esquecer)
• Maggie Smith (A Primavera de uma Solteirona) – Maggie Smith não estava presente. Alice Ghostley aceitou em seu nome.


Cliff Robertson apresenta o Oscar para Maggie Smith, aceito por Alice Ghostley

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Rupert Crosse (Os Rebeldes)
– Elliott Gould (Bob, Carol, Ted e Alice)
– Jack Nicholson (Sem Destino)
– Anthony Quayle (Ana dos Mil Dias)
• Gig Young (A Noite dos Desesperados)


A bela Katharine Ross apresenta o Oscar para Gig Young

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Catherine Burns (O Último Verão)
– Dyan Cannon (Bob, Carol, Ted e Alice)
• Goldie Hawn (Flor de Cacto) – Goldie Hawn não estava presente. Raquel Welch aceitou o prêmio em seu nome.
– Sylvia Miles (Perdidos na Noite)
– Susannah York (A Noite dos Desesperados)


O grande Fred Astaire apresenta o Oscar de coadjuvante.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Paul Mazursky, Larry Tucker (Bob, Carol, Ted e Alice)
William Goldman (Butch Cassidy)
– William Goldman não estava presente. Katharine Ross aceitou o prêmio em seu nome.
– Nicola Badalucco, Enrico Medioli, Luchino Visconti (Os Deuses Malditos)
– Peter Fonda, Dennis Hopper, Terry Southern (Sem Destino)
– Walon Green, Roy N. Sickner, Sam Peckinpah (Meu Ódio Será Sua Herança)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– John Hale, Bridget Boland, Richard Sokolove (Ana dos Mil Dias)
– Arnold Schulman (Paixão de Primavera)
Waldo Salt (Perdidos na Noite)
– James Poe, Robert E. Thompson (A Noite dos Desesperados)
– Jorge Semprún, Costa-Gavras (Z)

Enquanto Katharine Ross e Jon Voight apresentam Roteiro Adaptado para Waldo Salt, James Earl Jones e Ali MacGraw entregam Roteiro Original para William Goldman. MacGraw veio com um visual à la Cruela…

MELHOR FOTOGRAFIA
– Arthur Ibbetson (Ana dos Mil Dias)
– Charles Lang (Bob, Carol, Ted e Alice)
Conrad L. Hall (Butch Cassidy)
– Harry Stradling Sr. (Alô, Dolly!)
– Daniel L. Fapp (Sem Rumo no Espaço)


O grande John Wayne elogia os diretores de fotografia antes de premiar Conrad L. Hall

MELHOR MONTAGEM
– William Reynolds (Alô, Dolly!)
– Hugh A. Robertson (Perdidos na Noite)
– William A. Lyon, Earle Herdan (O Segredo de Santa Vitória)
– Fredric Steinkamp (A Noite dos Desesperados)
Françoise Bonnot (Z)


Claudia Cardinale e James Earl Jones apresentam o Oscar de Montagem para a montadora Françoise Bonnot.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
John DeCuir, Jack Martin Smith, Herman A. Blumenthal, Walter M. Scott, George James Jopkins, Raphael Bretton (Alô, Dolly!)
– Maurice Carter, Lionel Couch, Patrick McLoughlin (Ana dos Mil Dias)
– Robert F. Boyle, George B. Chan, Edward G. Boyle, Carl Biddiscombe (Uma Certa Casa em Chicago)
– Alexander Golitzen, George C. Webb, Jack D. Moore (Charity, Meu Amor)
– Harry Horner, Frank R. McKelvy (A Noite dos Desesperados)

MELHOR FIGURINO
– Irene Sharaff (Alô, Dolly!)
Margaret Furse (Ana dos Mil Dias)
– Ray Aghayan (Uma Certa Casa em Chicago)
– Edith Head (Charity, Meu Amor)
– Donfeld (A Noite dos Desesperados)

MELHOR TRILHA MUSICAL (ORIGINAL OU ADAPTADA)
– Leslie Bricusse, John Williams (Adeus, Mr. Chips)
Lennie Hayton, Lionel Newman (Alô, Dolly!)
– Nelson Riddle (Os Aventureiros do Ouro)
– Cy Coleman (Charity, Meu Amor)
– Johnny Green, Albert Woodbury (A Noite dos Desesperados)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL (NÃO FILME MUSICAL)
– Georges Delerue (Ana dos Mil Dias)
• Burt Bacharach (Butch Cassidy)
– John Williams (Os Rebeldes)
– Ernest Gold (O Segredo de Santa Vitória)
– Jerry Fielding (Meu Ódio Será Sua Herança)


A dupla Cliff Robertson e Barbara McNair apresenta o Oscar de trilha para o grande músico Burt Bacharach, que também leva o Oscar de Canção pelas mãos de Candice Bergen

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Come Saturday Morning”, de Fred Karlin, Dory Previn (Os Anos Verdes)
“Raindrops Keep Fallin’ on my Head”, de Burt Bacharach, Hal David (Butch Cassidy)
“Jean”, de Rod McKuen (A Primavera de uma Solteirona)
“True Grit”, de Elmer Bernstein, Don Black (Bravura Indômita)
“What Are You Doing for the Rest of Your Life?”, de Michel Legrand, Alan Bergman, Marilyn Bergman (Tempo Para Amar, Tempo Para Esquecer)

MELHOR SOM
Jack Solomon, Murray Spivack (Alô, Dolly!)
– John Aldred (Ana dos Mil Dias)
– Bill Edmondson, David Dockendorf (Butch Cassidy)
– Robert Martin, Clem Portman (Uma Certa Casa em Chicago)
– Les Fresholtz, Arthur Piantadosi (Sem Rumo no Espaço)

Elliott Gould e Candice Bergen apresentam Melhor Som para o musical favorito de Wall-E, Alô, Dolly!

MELHORES EFEITOS VISUAIS ESPECIAIS
– Eugène Lourié, Alex Weldon (Krakatoa, O Inferno de Java)
Robie Robinson (Sem Rumo no Espaço)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Blake, de Douglas Jackson
• The Magic Machines, de Joan Keller Stern
– People Soup, de Marc Merson

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– En Marchant, de Ryan Larkin
It’s Tough to be a Bird, de Ward Kimball
– Of Men and Demons, de John Hubley, Faith Hubley

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– An Impression of John Steinbeck: Writer, de Donald Wrye
• Czechoslovakia 1968, de Denis Sanders, Robert M. Fresco
– Jenny is a Good Thing, de Joan Horvath
– Leo Beuerman, de Arthur H. Wolf, Russell A. Mosser
– The Magic Machines, de Joan Keller Stern

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– Before the Mountain Was Moved, de Robert K. Sharpe
– No Ano do Porco, de Emile de Antonio
• L’Amour de la Vie – Artur Rubinstein, de Bernard Chevry
– Olimpiada en México (Film Section of the Organizing Committee for the XIX Olympic Games)
– The Wolf Men, de Irwin Rosten

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– Ådalen, de Bo Widerberg – SUÉCIA
– A Batalha do Neretva (Bitka na Neretvi), de Veljko Bulajic – IUGOSLÁVIA
– Os Irmãos Karamazov (Bratya Karamazovy), de Kirill Lavrov, Ivan Pyryev, Mikhail Ulyanov – UNIÃO SOVIÉTICA
– Minha Noite com Ela (Ma nuit chez Maud), de Eric Rohmer – FRANÇA
Z (Z), de Costa-Gavras – ARGÉLIA


Claudia Cardinale e Clint Eastwood concedem as honras para a Argélia

OSCAR HONORÁRIO
• Cary Grant

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• George Jessel

THE 41st ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1969

14 de Abril de 1969

Oliver!, de Carol Reed

Oliver!, de Carol Reed

MELHOR FILME
– Funny Girl – A Garota Genial (Funny Girl)
Produtor: Ray Stark
– O Leão no Inverno (The Lion in Winter)
Produtor: Martin Poll
• Oliver! (Oliver!)
Produtor: John Woolf
– Rachel, Rachel (Rachel, Rachel)
Produtor: Paul Newman
– Romeu & Julieta (Romeo and Juliet)
Produtores: Anthony Havelock-Allan, John Brabourne

MELHOR DIRETOR
– Anthony Harvey (O Leão no Inverno)
– Stanley Kubrick (2001: Uma Odisséia no Espaço)
– Gillo Pontecorvo (A Batalha de Argel)
• Carol Reed (Oliver!)
– Franco Zeffirelli (Romeu & Julieta)


Um quinteto maravilhoso anuncia os diretores indicados: Natalie Wood, Ingrid Bergman, Jane Fonda, Diahann Carroll e Rosalind Russell. Em seguida, Sidney Poitier introduz os cinco indicados a Melhor Filme.

MELHOR ATOR
– Alan Arkin (Por que tem de ser Assim?)
– Alan Bates (O Homem de Kiev)
– Ron Moody (Oliver!)
– Peter O’Toole (O Leão no Inverno)
• Cliff Robertson (Os Dois Mundos de Charly) – Cliff Robertson não estava presente na cerimônia. Frank Sinatara aceitou o prêmio em seu nome.


Burt Lancaster apresenta o Oscar de Melhor Ator, aceito por Frank Sinatra.

MELHOR ATRIZ
• Katharine Hepburn (O Leão no Inverno) – Empate com Barbra Streisand. Katharine Hepburn se tornou a primeira atriz a ganhar duas vezes consecutivas e a primeira a vencer três vezes como Melhor Atriz. Hepburn não estava presente na cerimônia. O diretor Anthony Harvey aceitou o prêmio em seu nome.
– Patricial Neal (A História de Três Estranhos)
– Vanessa Redgrave (Isadora)
• Barbra Streisand (Funny Girl – A Garota Genial) – Empate com Katharine Hepburn.
– Joanne Woodward (Rachel, Rachel)


Ingrid Bergman revela empate inédito na categoria entre Katharine Hepburn e Barbra Streisand

MELHOR ATOR COADJUVANTE
• Jack Albertson (A História de Três Estranhos)
– Seymour Cassel (Faces)
– Daniel Massey (A Estrela)
– Jack Wild (Oliver!)
– Gene Wilder (Primavera Para Hitler)


Frank Sinatra apresenta o Oscar para Jack Albertson

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Lynn Carlin (Faces)
• Ruth Gordon (O Bebê de Rosemary)
– Sondra Locke (Por que tem de ser Assim?)
– Kay Medford (Funny Girl – A Garota Genial)
– Estelle Parsons (Rachel, Rachel)


Tony Curtis acaba com o nervosismo das indicadas ao anunciar Ruth Gordon, a única a soltar um sorrisinho!

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Franco Solinas, Gillo Pontecorvo (A Batalha de Argel)
– John Cassavetes (Faces)
– Ira Wallach, Peter Ustinov (A Máquina de Fazer Milhões)
– Stanley Kubrick, Arthur C. Clarke (2001: Uma Odisséia no Espaço)
Mel Brooks (Primavera Para Hitler)


A dupla Frank Sinatra e Don Rickles apresentam Roteiro Original com muito humor

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Neil Simon (Um Estranho Casal)
• James Goldman (O Leão no Inverno)
– Vernon Harris (Oliver!)
– Stewart Stern (Rachel, Rachel)
– Roman Polanski (O Bebê de Rosemary)


Rosalind Russell apresenta Roteiro Adaptado com Frank Sinatra

MELHOR FOTOGRAFIA
– Harry Stradling Sr. (Funny Girl – A Garota Genial)
– Daniel L. Fapp (Estação Polar Zebra)
– Oswald Morris (Oliver!)
• Pasqualino De Santis (Romeu & Julieta)
– Ernest Laszlo (A Estrela)

MELHOR MONTAGEM
• Frank P. Keller (Bullitt)
– Robert Swink, Maury Winetrobe, William Sands (Funny Girl – A Garota Genial)
– Frank Bracht (Um Estranho Casal)
– Ralph Kemplen (Oliver!)
– Fred R. Feitshans Jr., Eve Newman (Violência nas Ruas)


Walter Matthau usa luvas brancas para apresentar o Oscar de Montagem

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• John Box, Terence Marsh, Vernon Dixon, Ken Muggleston (Oliver!)
– George W. Davis, Edward C. Carfagno (As Sandálias do Pescador)
– Boris Leven, Walter M. Scott, Howard Bristol (A Estrela)
– Anthony Masters, Harry Lange, Ernest Archer (2001: Uma Odisséia no Espaço)
– Mikhail Bogdanov, Gennadi Myasnikov, Georgi Koshelev, V. Uvarov (Guerra e Paz)


A princesa sexy Natalie Wood apresenta o Oscar de Direção de Arte

MELHOR FIGURINO
– Margaret Furse (O Leão no Inverno)
– Phyllis Dalton (Oliver!)
– Morton Haack (O Planeta dos Macacos)
• Danilo Donati (Romeu & Julieta)
– Donald Brooks (A Estrela)

MELHOR TRILHA MUSICAL (ORIGINAL OU ADAPTADO)
– Ray Heindorf (O Caminho do Arco-Íris)
– Walter Scharf (Funny Girl – A Garota Genial)
• Johnny Green (Oliver!)
– Lennie Hayton (A Estrela)
– Michel Legrand, Jacques Demy (Duas Garotas Românticas)


Marni Nixon e Henry Mancini fazem uma criativa apresentação musical para apresentar Trilha Musical

MELHOR TRILHA MUSICAL (FILME NÃO MUSICAL)
– Lalo Schifrin (Apenas uma Mulher)
• John Barry (O Leão no Inverno)
– Jerry Goldsmith (O Planeta dos Macacos)
– Alex North (As Sandálias do Pescador)
– Michel Legrand (Crown, o Magnífico)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Chitty Chitty Bang Bang”, de Richard M. Sherman, Robert B. Sherman (O Calhambeque Mágico)
“The Windmills of Your Mind”, de Michel Legrand, Alan Bergman, Marilyn Bergman (Crown, O Magnífico)
“For Love of Ivy”, de Quincy Jones, Bob Russell (Um Homem Para Ivy)
“Funny Girl”, de Julie Styne, Bob Merrill (Funny Girl – A Garota Genial)
“Star!”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (A Estrela)

MELHOR SOM
– Bullitt
– O Caminho do Arco-Íris
– Funny Girl – A Garota Genial
• Oliver!
– A Estrela

MELHORES EFEITOS VISUAIS
• Stanley Kubrick (2001: Uma Odisséia no Espaço) – Stanley Kubrick não estava presente na cerimônia. Diahann Carroll e Burt Lancaster aceitaram o prêmio em seu nome.
– Hal Millar, H. McMillan Johnson (Estação Polar Zebra)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– De Düva: The Dove, de George Coe, Sidney Davis, Anthony Lover
– Pas de deux
– Prelude, de John Astin
Robert Kennedy Remembered, de Charles Guggenheim

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– La Maison de Jean-Jacques, de Wolf Koenig, Jim Mackay
– The Magic Pear Tree, de Jimmy T. Murakami
– Windy Day, de John Hubley, Faith Hubley
Ursinho Puff e o Dia Chuvoso, de Walt Disney – Prêmio póstumo

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– The House That Ananda Built, de Fali Bilimoria
– The Revolving Door, de Lee R. Bobker
– A Space to Grow, de Thomas P. Kelly Jr.
– A Way Out of the Wilderness, de Dan E. Weisburd
Why Man Creates, de Saul Bass

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– A Few Notes on Our Food Problem, de James Blue
• Journey Into Self, de Bill McGaw – Foi premiado no mês seguinte à cerimônia depois que o Board of Governs determinou que “Young Americans” era inelegível.
– Legendary Champions, de William Cayton
– Other Voices, de David H. Sawyer
– Young Americans, de Robert Cohn, Alexander Grasshoff – A Academia anulou a vitória de “Young Americans” após descobrirem que o documentário havia sido lançado no ano anterior.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– Esta Rua é Nossa (A Pál utcai fiúk), de Zoltán Fábri – HUNGRIA
– O Baile dos Bombeiros (Horí, má panenko), de Milos Forman – TCHECOSLOVÁQUIA
– A Garota com a Pistola (La ragazza con la pistola), de Mario Monicelli – ITÁLIA
– Beijos Proibidos (Baisers volés), de François Truffaut – FRANÇA
• Guerra e Paz (Voyna i mir), de Sergey Bondarchuk – RÚSSIA

OSCAR HONORÁRIO
• John Chambers (O Planeta dos Macacos) – pelo trabalho de maquiagem
• Onna White (Oliver!) – pelo trabalho de coreografia

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• Martha Raye

THE 40th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1968

10 de Abril de 1968

No Calor da Noite, de Norman Jewison

No Calor da Noite, de Norman Jewison

MELHOR FILME
– Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas (Bonnie and Clyde)
Produtor: Warren Beatty
– O Fabuloso Doutor Dolittle (Dr. Dolittle)
Produtor: Arthur P. Jacobs
– A Primeira Noite de um Homem (The Graduate)
Produtor: Lawrence Turman
– Adivinhe Quem Vem Para Jantar (Guess Who’s Coming to Dinner)
Produtor: Stanley Kramer
No Calor da Noite (In the Heat of the Night)
Produtor: Walter Mirisch

Julie Andres apresenta o principal prêmio da noite para No Calor da Noite

MELHOR DIRETOR
– Richard Brooks (A Sangue Frio)
– Norman Jewison (No Calor da Noite)
– Stanley Kramer (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
Mike Nichols (A Primeira Noite de um Homem)
– Arthur Penn (Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas)


A bela Leslie Caron apresenta o Oscar para o jovem diretor Mike Nichols

MELHOR ATOR
– Warren Beatty (Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas)
– Dustin Hoffman (A Primeira Noite de um Homem)
– Paul Newman (Rebeldia Indomável)
Rod Steiger (No Calor da Noite)
– Spencer Tracy (Adivinhe Quem Vem Para Jantar) – Indicação póstuma


Audrey Hepburn apresenta o Oscar de Melhor Ator para Rod Steiger.

MELHOR ATRIZ
– Anne Bancroft (A Primeira Noite de um Homem)
– Faye Dunaway (Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas)
– Edith Evans (The Whisperers)
– Audrey Hepburn (Um Clarão nas Trevas)
Katharine Hepburn (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
– Katharine Hepburn não estava presente na cerimônia. O diretor George Cukor aceitou o prêmio em seu nome.


Sidney Poitier apresenta o segundo Oscar para Katharine Hepburn, aceito pelo diretor George Cukor

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– John Cassavetes (Os Doze Condenados)
– Gene Hackman (Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas)
– Cecil Kellaway (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
George Kennedy (Rebeldia Indomável)
– Michael J. Polard (Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas)


A fofa Patty Duke apresenta o Oscar para George Kennedy

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Carol Channing (Positivamente Millie)
– Mildred Natwick (Descalços no Parque)
Estelle Parsons (Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas)
– Beah Richards (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
– Katharine Ross (A Primeira Noite de um Homem)


Walter Matthau entrega o Oscar para Estelle Parsons, bastante aplaudida por seu colega de filme, Warren Beatty.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– David Newman, Robert Benton (Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas)
– Robert Kaufman, Norman Lear (Divórcio à Americana)
William Rose (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
– Jorge Semprún (A Guerra Acabou)
– Frederic Raphael (Um Caminho Para Dois)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Donn Pearce, Frank Pierson (Rebeldia Indomável)
– Calder Willingham, Buck Henry (A Primeira Noite de um Homem)
– Richard Brooks (A Sangue Frio)
Stirling Silliphant (No Calor da Noite)
– Joseph Strick, Fred Haines (Alucinação de Ulisses)

O casal na vida real, Claire Bloom e Rod Steiger, apresenta os prêmios de roteiro

MELHOR FOTOGRAFIA
• Burnett Guffey (Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas)
– Richard H. Kline (Camelot)
– Robert Surtees (O Fabuloso Doutor Dolittle)
– Robert Surtees (A Primeira Noite de um Homem)
– Conrad L. Hall (A Sangue Frio)


O casal de ‘A Primeira Noite de um Homem’, Katharine Ross e Dustin Hoffman, apresenta o Oscar de Fotografia

MELHOR MONTAGEM
– Frank P. Keller (Desembarque Sangrento)
– Michael Luciano (Os Doze Condenados)
– Samuel E. Beetley, Marjorie Fowler (O Fabuloso Doutor Dolittle)
– Robert C. Jones (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
• Hal Ashby (No Calor da Noite)


Dame Edith Evans apresenta os indicados com aquele sotaque clássico britânico e o Oscar para Hal Ashby

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• John Truscott, Edward Carrere, John Brown (Camelot)
– Mario Chiari, Jack Martin Smith, Ed Graves, Walter M. Scott, Stuart A. Reiss (O Fabuloso Doutor Dolittle)
– Robert Clatworthy, Frank Tuttle (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
– Lorenzo Mongiardino, John DeCuir, Elven Webb, Giuseppe Mariani, Dario Simoni, Luigi Gervasi (A Megera Domada)
– Alexander Golitzen, George C. Webb, Howard Bristol (Positivamente Millie)

MELHOR FIGURINO
– Theodora Van Runkle (Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas)
John Truscott (Camelot)
– Bill Thomas (Quando o Coração Não Envelhece)
– Irene Sharaff, Danilo Donati (A Megera Domada)
– Jean Louis (Positivamente Millie)


Eva Marie Saint concede a estatueta de Figurino para ‘Camelot’.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
– Lalo Schifrin (Rebeldia Indomável)
– Leslie Bricusse (O Fabuloso Doutor Dolittle)
– Richard Rodney Bennett (Longe Deste Insensato Mundo)
– Quincy Jones (A Sangue Frio)
• Elmer Bernstein (Positivamente Millie)

MELHOR TRILHA MUSICAL, ADAPTAÇÃO OU TRATAMENTO
• Alfred Newman, Ken Darby (Camelot)
– Lionel Newman, Alexander Courage (O Fabuloso Doutor Dolittle)
– Frank De Vol (Adivinhe Quem Vem Para Jantar)
– André Previn, Joseph Gershenson (Positivamente Millie)
– John Williams (O Vale das Bonecas)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“The Bare Necessities”, de Terry Gilkyson (Mogli – O Menino Lobo)
“The Eyes of Love”, de Quincy Jones, Bob Russell (Um Homem em Leilão)
“The Look of Love”, de Burt Bacharach, Hal David (Casino Royale)
“Talk to the Animals”, de Leslie Bricusse (O Fabuloso Doutor Dolittle) – Leslie Bricusse não estava presente na cerimônia. Sammy Davis Jr. aceitou o prêmio em seu nome.
“Thoroughly Modern Millie”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (Positivamente Millie)

MELHOR SOM
– Camelot
– Os Doze Condenados
– O Fabuloso Doutor Dolittle
• No Calor da Noite
– Positivamente Millie

MELHORES EFEITOS VISUAIS
• L.B. Abbott (O Fabuloso Doutor Dolittle)
– Howard A. Anderson, Albert Whitlock (Tobruk)

MELHORES EFEITOS SONOROS
• John Poyner (Os Doze Condenados)
– James Richard (No Calor da Noite)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Paddle to the Sea, de Julian Biggs
• A Place to Stand, de Christopher Chapman
– Sky Over Holland, de John Fernhout
– Stop Look and Listen, de Len Janson, Chuck Menville

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
• The Box, de Fred Wolf
– Hypothèse Beta, de Jean-Charles Meunier
– What on Earth!, de Robert Verrall, Wolf Koenig

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– Monument to the Dream, de Charles Guggenheim
– A Place to Stand, de Christopher Chapman
• The Redwoods, de Mark Jonathan Harris, Trevor Greenwood
– See You at the Pillar, de Robert Fitchet
– While I Run This Race, de Carl V. Ragsdale

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– Festival, de Murray Lerner
– Harvest, de Carroll Ballard
– A King’s Story, de Jack Levin
• La Section Anderson, de Pierre Schoendoerffer
– A Time for Burning, de Bill Jersey

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– El Amor Brujo, de Francisco Rovira Beleta – ESPANHA
– Skupljaci Perja, de Aleksandr Petrovic – IUGOSLÁVIA
• Trens Estreitamente Vigiados (Ostre sledované vlaky), de Jirí Menzel – TCHECOSLOVÁQUIA
– Viver por Viver (Vivre pour vivre), de Claude Lelouch – FRANÇA
– Chieko-sho, de Noburo Nakamura – JAPÃO


Danny Kaye apresenta o prêmio de Filme em Língua para a Tchecoslováquia. No momento em que o vencedor foi ao palco, o locutor se confundiu e anunciou o prêmio para a Iugoslávia.

OSCAR HONORÁRIO
• Arthur Freed

IRVING G. THALBERG AWARD
• Alfred Hitchcock


Bob Hope introduz Robert Wise, que faz um breve resumo da carreira e reconhece a qualidade do homenageado Alfred Hitchcock. Por nunca ter ganhado o Oscar, ele faz o discurso mais curto da história do Thalberg: “Thank you”. 

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• Gregory Peck

THE 39th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1967

10 de abril de 1967

 

O Homem que Não Vendeu Sua Alma (A Man for All Seasons): 6 Oscars

O Homem que Não Vendeu Sua Alma (A Man for All Seasons): 6 Oscars

MELHOR FILME
– Como Conquistar as Mulheres (Alfie)
Produtor: Lewis Gilbert
• O Homem que Não Vendeu Sua Alma (A Man for All Seasons)
Produtor: Fred Zinnemann
– Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando! (The Russians Are Coming the Russians Are Coming)
Produtor: Norman Jewison
– O Canhoneiro do Yang-Tsé (The Sand Pebbles)
Produtor: Robert Wise
– Quem Tem Medo de Virginia Woolf
? (Who’s Afraid of Virginia Woolf?)
Produtor: Ernest Lehman


Audrey Hepburn fecha com chave de ouro com o Oscar de Melhor Filme

MELHOR DIRETOR
– Michelangelo Antonioni (Blow-Up – Depois Daquele Beijo)
– Richard Brooks (Os Profissionais)
– Claude Lelouch (Um Homem, Uma Mulher)
– Mike Nichols (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)
Fred Zinnemann (O Homem que Não Vendeu Sua Alma)


Rosalind Russell apresenta o Oscar para Zinnemann, enquanto Julie Christie concede a estatueta para Paul Scofield, recebido por Wendy Hiller.

MELHOR ATOR
– Alan Arkin (Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando!)
– Richard Burton (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)
-Michael Caine (Como Conquistar as Mulheres)
– Steve McQueen (O Canhoneiro do Yang-Tsé)
• Paul Scofield (O Homem que Não Vendeu Sua Alma) – Paul Scofield não estava presente na cerimônia. Wendy Hiller aceitou o prêmio em seu nome.

MELHOR ATRIZ
– Anouk Aimée (Um Homem, Uma Mulher)
– Ida Kaminska (A Pequena Loja da Rua Principal)
– Lynn Redgrave (Georgy, a Feiticeira)
– Vanessa Redgrave (Deliciosas Loucuras de Amor)
• Elizabeth Taylor (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?) – Elizabeth Taylor não estava presente na cerimônia. Anne Bancroft aceitou o prêmio em seu nome.


Lee Marvin apresenta o Oscar de Atriz, aceito por Anne Bancroft.

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Mako (O Canhoneiro do Yang-Tsé)
– James Mason (Georgy, a Feiticeira)
• Walter Matthau (Uma Loura por Um Milhão)
– George Segal (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)
– Robert Shaw (O Homem que Não Vendeu Sua Alma)


Mesmo com o braço quebrado, Walther Matthau compareceu à cerimônia pra receber seu Oscar das mãos de Shelley Winters, numa época em que poucos indicados marcavam presença.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
• Sandy Dennis (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)
– Sandy Dennis não estava presente na cerimônia.
– Wendy Hiller (O Homem que Não Vendeu Sua Alma)
– Jocelyne LaGarde (Havaí)
– Vivien Merchant (Como Conquistar as Mulheres)
– Geraldine Page (Agora Você é um Homem)


Sidney Poitier entrega o Oscar para o diretor Mike Nichols na ausência de Sandy Dennis.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Michelangelo Antonioni, Tonino Guerra, Edward Bond (Blow-Up – Depois Daquele Beijo)
– Billy Wilder, I.A.L. Diamond (Uma Loura por um Milhão)
– Robert Ardrey (Khartoum)
– Clint Johnston, Don Peters (A Prova do Leão)
• Claude Lelouch, Pierre Uytterhoeven (Um Homem, Uma Mulher)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Bill Naughton (Como Conquistar as Mulheres)
• Robert Bolt (O Homem que Não Vendeu Sua Alma)
– Richard Brooks (Os Profissionais)
– William Rose (Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando!)
– Ernest Lehman (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

Que dupla clássica do cinema: Fred Astaire e Ginger Rogers! Eles apresentam os dois prêmios de roteiro.

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– Ernest Laszlo (Viagem Fantástica)
– Russell Harlan (Havaí)
Ted Moore (O Homem que Não Vendeu Sua Alma)
– Conrad L. Hall (Os Profissionais)
– Joseph MacDonald (O Canhoneiro do Yang-Tsé)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– Joseph LaShelle (Uma Loura por Um Milhão)
– Kenneth Higgins (Georgy, a Feiticeira)
– Marcel Grignon (Paris Está em Chamas?)
– James Wong Howe (O Segundo Rosto)
Haskel Wexler (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

A sueca Ann-Margret e o egípcio Omar Sharif apresentam os dois prêmios de Fotografia

MELHOR MONTAGEM
– William B. Murphy (Viagem Fantástica)
• Fredric Steinkamp, Henry Berman, Stu Linder, Frank Santillo (Grand Prix)
Hal Ashby, J. Terry Williams (Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando!)
– William Reynolds (O Canhoneiro do Yang-Tsé)
– Sam O’Steen (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
Jack Martin Smith, Dale Hennesy, Walter M. Scott, Stuart A. Reiss (Viagem Fantástica)
– Alexander Golitzen, George C. Webb, John McCarthy Jr., John P. Austin (Como Possuir Lissu)
– Piero Gherardi (Julieta dos Espíritos)
– Hal Pereira, Arthur Lonergan, Robert R. Benton, James W. Payne (Confidências de Hollywood)
– Boris Leven, Walter M. Scott, John Sturtevant, William Kiernan (O Canhoneiro de Yang-Tsé)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
– Robert Luthardt, Edward G. Boyle (Uma Loura por Um Milhão)
– Luigi Scaccianoce (O Evangelho Segundo São Mateus)
– Willy Holt, Marc Frédérix, Pierre Guffroy (Paris Está em Chamas?)
– George W. Davis, Paul Groesse, Henry Grace, Hugh Hunt (A Mulher Sem Rosto)
Richard Sylbert, George James Hopkins (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Jean Louis (Como Possuir Lissu)
– Dorothy Jeakins (Havaí)
– Piero Gherardi (Julieta dos Espíritos)
– Edith Head (Confidências de Hollywood)
Elizabeth Haffenden, Joan Bridge (O Homem que Não Vendeu Sua Alma)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
– Danilo Donati (O Evangelho Segundo São Mateus)
– Danilo Donati (A Mandragora)- Helen Rose (A Mulher Sem Rosto)
– Jocelyn Rickards (Deliciosas Loucuras de Amor)
Irene Sharaff (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
– Toshirô Mayuzumi (A Bíblia)
John Barry (A História de Elsa)
– Elmer Bernstein (Havaí)
– Jerry Goldsmith (O Canhoneiro do Yang-Tsé)
– Alex North (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

MELHOR TRILHA MUSICAL, ADAPTAÇÃO OU TRATAMENTO
Ken Thorne (Um Escravo das Arábias em Roma)
– Luis Bacalov (O Evangelho Segundo São Mateus)
– Elmer Bernstein (A Volta dos Sete Homens)
– Harry Sukman (Dominique)
– Al Ham (Stop the World: I Want to Get Off)

Mary Tyler Moore e Dick Van Dyke fazem a duplinha pra entregar os prêmios de música. E em seguida, Dean Martin apresenta Melhor Canção

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Alfie”, de Burt Bacharach, Hal David (Como Conquistar as Mulheres)
“Born Free”, de John Barry, Don Black (A História de Elsa)
“Georgy Girl”, de Tom Springfield, Jim Dale (Georgy, a Feiticeira)
“My Wishing Doll”, de Elmer Bernstein, Mack David (Havaí)
“A Time for Love”, de Johnny Mandel, Paul Francis Webster (Eu Te Verei no Inferno, Querida)

MELHOR SOM
– Waldon O. Watson (Como Possuir Lissu)
Franklin Milton (Grand Prix)
– Gordon Sawyer (Havaí)
– James Corcoran (O Canhoneiro do Yang-Tsé)
– George Groves (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Art Cruickshank (Viagem Fantástica)
– Linwood G. Dunn (Havaí)

MELHORES EFEITOS SONOROS
– Walter Rossi (Viagem Fantástica)
Gordon Daniel (Grand Prix)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Turkey the Birdge, de Derek Williams
Wild Wings, de Edgar Anstey
– The Winning Strain, de Leslie Winik

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Wolf Koenig, Robert Verrall (The Drag)
A Herb Alpert & The Tijuana Brass Double Feature, de John Hubley, Faith Hubley
– The Pink Blueprint, de David H. DePatie, Friz Freleng

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– Adolescence, de Marin Karmitz, Vladimir Forgency
– Cowboy, de Michael Ahnemann, Gary Schlosser
– The Odds Against, de Lee R. Bobker, Helen Kristt Radin
– Részletek J.S. Bach Máté passiójából
A Year Toward Tomorrow, de Edmond Levy

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– The Face of a Genius, de Alfred R. Kelman
– Helicopter Canada, de Peter Jones, Tom Daly
O Jogo da Guerra, de Peter Watkins
– Le Volcan Interdit, de Haroun Tazieff
– The Really Big Family, de Alexander Grasshoff

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– A Batalha de Argel (La Battaglia di Algeri), de Gillo Pontecorvo – ITÁLIA
Um Homem, Uma Mulher (Un Homme et une Femme), de Claude Lelouch – FRANÇA
– Os Amores de uma Loira (Lásky Jedné Plavovlásky), de Milos Forman – TCHECOSLOVÁQUIA
– Faraó (Faraon), de Jerzy Kawalerowicz – POLÔNIA
– Tri, de Aleksandar Petrovic – IUGOSLÁVIA

Patricia Neal apresenta o prêmio para o Filme em Língua Estrangeira 

OSCAR HONORÁRIO
• Y. Frank Freeman
• Yakima Canutt – Pelas conquistas como dublê e desenvolvimento de dispositivos de segurança para proteger dublês

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
• Robert Wise

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• George Bagnall

THE 38th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1966

18 de Abril de 1966

A Noviça Rebelde (The Sound of Music), de Robert Wise: 5 Oscars

A Noviça Rebelde (The Sound of Music), de Robert Wise: 5 Oscars

MELHOR FILME
– Darling – A Que Amou Demais (Darling)
Produtor: Joseph Janni
– Doutor Jivago (Doctor Zhivago)
Produtor: Carlo Ponti
– A Nau dos Insensatos (Ship of Fools)
Produtor: Stanley Kramer
• A Noviça Rebelde (The Sound of Music) – Robert Wise não estava presente na cerimônia. Saul Chaplin aceitou o prêmio em seu nome.
Produtor: Robert Wise
– Mil Palhaços (A Thousand Clowns)
Produtor: Fred Coe

Jack Lemmon encerra a noite com os indicados a Melhor Filme

MELHOR DIRETOR
– David Lean (Doutor Jivago)
– John Schlesinger (Darling – A Que Amou Demais)
– Hiroshi Teshigahara (A Mulher da Areia)
– William Wyler (O Colecionador)
• Robert Wise (A Noviça Rebelde) – Robert Wise não estava presente na cerimônia. Julie Andrews aceitou o prêmio em seu nome.

Shirley MacLaine apresenta o Oscar de Direção. Na ausência de Robert Wise, Julie Andrews aceita no palco.

MELHOR ATOR
– Richard Burton (O Espião que Veio do Frio)
• Lee Marvin (Dívida de Sangue)
– Laurence Olivier (Othello)
– Rod Steiger (O Homem do Prego)
– Oskar Werner (A Nau dos Insensatos)

Bastante ovacionado, Lee Marvin agradece ao cavalo do filme Dívida de Sangue

MELHOR ATRIZ
– Julie Christie (A Noviça Rebelde)
• Julie Christie (Darling – A Que Amou Demais)
– Samantha Eggar (O Colecionador)
– Elizabeth Hartman (Quando Só o Coração Vê)
– Simone Signoret (A Nau dos Insensatos)

Uma radiante e dourada Julie Christie mal se contém em seu breve discurso de agradecimento

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Martin Balsam (Mil Palhaços)
– Ian Bannen (O Vôo da Fênix)
– Tom Courtenay (Doutor Jivago)
– Michael Dunn (A Nau dos Insensatos)
– Frank Finlay (Othello)

A encantadora Lila Kedrova concede a estatueta a Martin Balsam

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Ruth Gordon (À Procura do Destino)
– Joyce Redman (Othello)
– Maggie Smith (Othello)
• Shelley Winters (Quando Só o Coração Vê)
– Peggy Wood (A Noviça Rebelde)

Apesar do vestido horrível (que muito se deve ao babado circense), Shelley Winters leva seu segundo Oscar e faz um discurso simpático.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Agenore Incrocci, Furio Scarpelli, Mario Monicelli, Tonino Guerra, Giorgio Salvioni, Suso Cecchi D’Amico (Casanova 70)
• Frederic Raphael (Darling – A Que Amou Demais)
– Jack Davies, Ken Annakin (Esses Homens Maravilhosos e Suas Máquinas Voadoras)
– Franklin Coen, Frank Davis (O Trem)
– Jacques Demy (Os Guarda-Chuvas do Amor)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Walter Newman, Frank Pierson (Dívida de Sangue)
– Stanley Mann, John Kohn (O Colecionador)
• Robert Bolt (Doutor Jivago)
– Abby Mann (A Nau dos Insensatos)
– Herb Gardner (Mil Palhaços)

Joanne Woodward e George Peppard anunciam os roteiristas vencedores.

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– Leon Shamroy (Agonia e Êxtase)
– Russell Harlan (A Corrida do Século)
Freddie Young (Doutor Jivago)
– William C. Mellor, Loyal Griggs (A Maior História de Todos os Tempos) – A indicação de William C. Mellor é póstuma. Ele morreu de ataque cardíaco durante as filmagens. Loyal Griggs foi contratado para terminar as filmagens.
– Ted D. McCord (A Noviça Rebelde)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– Loyal Griggs (A Primeira Vitória)
– Burnett Guffey (Rei de um Inferno)
– Robert Burks (Quando Só o Coração Vê)
– Conrad L. Hall (Morituri)
• Ernest Laszlo (A Nau dos Insensatos)

Kim Novak e Richard Johnson são chamados por Bob Hope para conceder os prêmios de Fotografia

MELHOR MONTAGEM
– Charles Nelson (Dívida de Sangue)
– Norman Savage (Doutor Jivago)
William Reynolds (A Noviça Rebelde)
– Michael Luciano (O Vôo da Fênix)
– Ralph E. Winters (A Corrida do Século)

Um jovem porém já grisalho Jason Robards apresenta o Oscar de montagem.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
– John DeCuir, Jack Martin Smith, Dario Simoni (Agonia e Êxtase)
John Box, Terence Marsh, Dario Simoni (Doutor Jivago)
– Richard Day, William J. Creber, David S. Hall, Ray Moyer, Fred M. MacLean, Norman Rockett (A Maior História de Todos os Tempos)
– Robert Clatworthy, George James Hopkins (À Procura do Destino)
– Boris Leven, Walter M. Scott, Ruby R. Levitt (A Noviça Rebelde)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
– Robert Emmet Smith, Frank Tuttle (Rei de um Inferno)
– George W. Davis, Urie McCleary, Henry Grace, Charles S. Thompson (Quando Só o Coração Vê)
– Hal Pereira, Jack Poplin, Robert R. Benton, Joseph Kish (Uma Vida em Suspense)
Robert Clatworthy, Joseph Kish (A Nau dos Insensatos)
– Hal Pereira, Tambi Larsen, Ted Marshall, Josie MacAvin (O Espião que Veio do Frio)

O brotinho Warren Beatty e Debbie Reynolds se juntam para apresentar os Oscars de Direção de Arte.

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Vittorio Nino Novarese (Agonia e Êxtase)
Phyllis Dalton (Doutor Jivago)
– Vittorio Nino Novarese, Marjorie Best (A Maior História de Todos os Tempos)
– Edith Head, Bill Thomas (À Procura do Destino)
– Dorothy Jeakins (A Noviça Rebelde)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
• Julie Harris (Darling – A Que Amou Demais)
– Moss Mabry (Morituri)
– Howard Shoup (Obsessão de Amar)
– Bill Thomas, Jean Louis (A Nau dos Insensatos)
– Edith Head (Uma Vida em Suspense)

Um novinho James Garner com a bela Lana Turner apresentam os prêmios de Figurino

MELHOR TRILHA MUSICAL – SUBSTANCIALMENTE ORIGINAL
• Maurice Jarre (Doutor Jivago)
– Alex North (Agonia e Êxtase)
– Alfred Newman (A Maior História de Todos os Tempos)
– Jerry Goldsmith (Quando Só o Coração Vê)
– Michel Legrand, Jacques Demy (Os Guarda-Chuvas do Amor)

MELHOR TRILHA MUSICAL – ADAPTADA OU TRATAMENTO
– Frank De Vol (Dívida de Sangue)
– Lionel Newman, Alexander Courage (Em Busca do Prazer)
Irwin Kostal (A Noviça Rebelde)
– Don Walker (Mil Palhaços)
– Michel Legrand (Os Guarda-Chuvas do Amor)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“The Ballad of Cat Ballou”, de Jerry Levingston, Mack David (Dívida de Sangue)
“I Will Wait for You”, de Michel Legrand, Jacques Demy (Os Guarda-Chuvas do Amor)
“The Shadow of Your Smile”, de Johnny Mandel, Paul Francis Webster (Adeus às Ilusões)
“The Sweetheart Tree”, de Henry Mancini, Johnny Mercer (A Corrida do Século)
“What’s New, Pussycat?”, de Burt Bacharach, Hal David (Que é que Há, Gatinha?)

Natalie Wood desfilando com seu belo decote antes de apresentar Melhor Canção

MELHOR SOM
– James Corcoran (Agonia e Êxtase)
– A.W. Watkins, Franklin Milton (Doutor Jivago)
– George Groves (A Corrida do Século)
– Waldon O. Watson (Shenandoah)
James Corcoran, Fred Hynes (A Noviça Rebelde)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
– J. McMillan Johnson (A Maior História de Todos os Tempos)
John Stears (007 Contra a Chantagem Atômica)

Dorothy Malone apresenta o segundo Oscar para a franquia James Bond

MELHORES EFEITOS SONOROS
Treg Brown (A Corrida do Século)
– Walter Rossi (O Expresso de Von Ryan)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Fortress of Peace, de Lothar Wolff
Le Poulet, de Claude Berri
– Skaterdater, de Marshall Backlar, Noel Black
– Snow, de Edgar Anstey
– Time Piece, de Jim Henson

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Clay or the Origin of Species, de Eli Noyes
The Dot and the Line: A Romance in Lower Mathematics, de Chuck Jones, Les Goldman
– La Gazza Ladra, de Emmanuelle Luzzatti

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– Mural on Our Street, de Kirk Smallman
– Nyitany
– Point of View
To Be Alive!, de Francis Thompson
– Yeats Country, de Patrick Carey, Joe Mendoza

MELHOR DOCUMENTÁRIO
The Eleanor Roosevelt Story, de Sidney Glazier
– The Forth Road Bridge, de Peter Mills
– The Battle of the Bulge… The Brave Rifles, de Laurence E. Mascott
– Let My People Go: The Story of Israel, de Marshall Flaum
– Mourir à Madrid, de Frédéric Rossif

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– As 4 Faces do Medo (Kaidan), de Masaki Kobayashi – JAPÃO
– Adorado John (Käre John), de Lars-Magnus Lindgren – SUÉCIA
A Pequena Loja da Rua Principal (Obchod na Korze), de Ján Kadár, Elmar Klos – TCHECOSLOVÁQUIA
– To Homa Vaftike Kokkino, de Vasilis Georgiadis – GRÉCIA
– Matrimônio à Italiana (Matrimonio all’italiana), de Vittorio De Sica – ITÁLIA

Gregory Peck dá um ar mais clássico ao Oscar de Filme Estrangeiro.

OSCAR HONORÁRIO
• Bob Hope – Pelos únicos e distintos serviços prestados à indústria e à Academia.

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
• William Wyler

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• Edmond L. DePatie

THE 37th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1965

05 de Abril de 1965

Minha Bela Dama (My Fair Lady), de George Cukor: 8 Oscars

Minha Bela Dama (My Fair Lady), de George Cukor: 8 Oscars

MELHOR FILME
– Zorba, o Grego (Alexis Zorba)
Produtor: Mihalis Kakogiannis
– Becket, o Favorito do Rei (Becket)
Produtor: Hal B. Wallis
– Dr. Fantástico (Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb)
Produtor: Stanley Kubrick
– Mary Poppins (Mary Poppins)
Produtores: Walt Disney, Bill Walsh
• Minha Bela Dama (My Fair Lady)
Produtor: Jack L. Warner

MELHOR DIRETOR
• George Cukor (Minha Bela Dama)
– Mihalis Kakogiannis (Zorba, o Grego)
– Peter Glenville (Becket, o Favorito do Rei)
– Stanley Kubrick (Dr. Fantástico)
– Robert Stevenson (Mary Poppins)

Enquanto Joan Crawford apresenta Diretor para George Cukor, Gregory Peck apresenta Melhor Filme.

MELHOR ATOR
– Richard Burton (Becket, o Favorito do Rei)
• Rex Harrison (Minha Bela Dama)
– Peter O’Toole (Becket, o Favorito do Rei)
– Anthony Quinn (Zorba, o Grego)
– Peter Sellers (Dr. Fantástico)

A jovem Audrey Hepburn apresenta Melhor Ator para Rex Harrison.

MELHOR ATRIZ
• Julie Andrews (Mary Poppins)
– Anne Bancroft (Crescei e Multiplicai-vos)
– Sophia Loren (Matrimônia à Italiana)
– Debbie Reynolds (A Inconquistável Molly)
– Kim Stanley (Farsa Diabólica)

Sidney Poitier entrega o Oscar para uma encantadora Julie Andrews.

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– John Gielgud (Becket, o Favorito do Rei)
– Stanley Holloway (Minha Bela Dama)
– Edmond O’Brien (Sete Dias de Maio)
– Lee Tracy (Vassalos da Ambição)
• Peter Ustinov (Topkapi) – Peter Ustinov não estava presente na cerimônia. Jonathan Winters aceitou o prêmio em seu nome.

 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Gladys Cooper (Minha Bela Dama)
– Edith Evans (Corações Feridos)
– Grayson Hall (A Noite do Iguana)
• Lila Kedrova (Zorba, o Grego)
– Agnes Moorehead (Com a Maldade na Alma)

Lila Kedrova abraça seu parceiro de set, Anthony Quinn, antes de receber a estatueta de Karl Malden.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Alun Owen (Os Reis do Ié-Ié-Ié)
• S. H. Barnett, Peter Stone, Frank Tarloff (Papai Ganso)
– Orville H. Hampton, Rapahel Hayes (One Potato, Two Potato)
– Agenore Incrocci, Furio Scarpelli, Mario Monicelli (Os Companheiros)
– Jean-Paul Rappeneau, Ariane Mnouchkine, Daniel Boulanger, Philippe de Broca (O Homem do Rio)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
• Edward Anhalt (Becket, o Favorito do Rei)
– Stanley Kubrick, Peter George, Terry Southern (Dr. Fantástico)
– Bill Walsh, Don DaGradi (Mary Poppins)
– Alan Jay Lerner (Minha Bela Dama)
– Mihalis Kakogiannis (Zorba, o Grego)

A classuda Deborah Kerr apresenta os dois prêmios de Roteiro.

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– Geoffrey Unsworth (Becket, o Favorito do Rei)
– William H. Clothier (Crepúsculo de uma Raça)
– Edward Colman (Mary Poppins)
• Harry Stradling Sr. (Minha Bela Dama)
– Daniel L. Fapp (A Inconquistável Molly)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– Philip H. Lathrop (Não Podes Comprar Meu Amor)
– Milton R. Krasner (O Destino é o Caçador)
– Joseph F. Biroc (Com a Maldade na Alma)
– Gabriel Figueroa (A Noite do Iguana)
• Walter Lassally (Zorba, o Grego)

Rock Hudson e Jean Simmons apresentam os prêmios de fotografia.

MELHOR MONTAGEM
– Anne V. Coates (Becket, o Favorito do Rei)
– Ted J. Kent (Papai Ganso)
– Michael Luciano (Com a Maldade na Alma)
• Cotton Warburton (Mary Poppins)
– William H. Ziegler (Minha Bela Dama)

Vince Edwards e um novinho Richard Chamberlain apresentam Melhor Montagem.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
– John Bryan, Maurice Carter, Patrick McLoughlin, Robert Cartwright (Becket, o Favorito do Rei)
– Carroll Clark, William H. Tuntke, Emile Kuri, Hal Gausman (Mary Poppins)
• Gene Allen, Cecil Beaton, George James (Minha Bela Dama)
– George W. Davis, E. Preston Ames, Henry Grace, Hugh Hunt (A Inconquistável Molly)
– Jack Martin Smith, Ted Haworth, Walter M. Scott, Stuart A. Reiss (A Senhora e Seus Maridos)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
– George W. Davis, Hans Peter, Elliot Scott, Henry Grace, Robert R. Benton (Não Podes Comprar Meu Amor)
– William Glasgow, Rapahel Bretton (Com a Maldade na Alma)
– Stephen B. Grimes (A Noite do Iguana)
– Cary Odell, Edward G. Boyle (Sete Dias de Maio)
• Vassilis Photopoulos (Zorba, o Grego)

Elizabeth Ashley e Macdonald Carey se encarregam das categorias de direção de arte.

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Margaret Furse (Becket, o Favorito do Rei)
– Tony Walton (Mary Poppins)
• Cecil Beaton (Minha Bela Dama)
– Morton Haack (A Inconquistável Molly)
– Edith Head, Moss Mabry (A Senhora e Seus Maridos)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
– Edith Head (Uma Certa Casa Suspeita)
– Norma Koch (Com a Maldade na Alma)
– Howard Shoup (Aluga-se a Casa Branca)
• Dorothy Jeakins (A Noite do Iguana)
– René Hubert (A Visita)

Greer Garson e Dick Van Dyke apresentam os prêmios de figurino.

MELHOR TRILHA MUSICAL, SUBSTANCIALMENTE ORIGINAL
– Laurence Rosenthal (Becket, o Favorito do Rei)
– Dimitri Tiomkin (A Queda do Império Romano)
– Frank De Vol (Com a Maldade na Alma)
• Richard M. Sherman, Robert B. Sherman (Mary Poppins)
– Henry Mancini (A Pantera Cor-de-Rosa)

Os irmãos Sherman recebem o Oscar por Mary Poppins.

MELHOR TRILHA MUSICAL, ADAPTADA OU TRATAMENTO
– George Martin (Os Reis do Ié-Ié-Ié)
– Irwin Kostal (Mary Poppins)
• André Previn (Minha Bela Dama)
– Nelson Riddle (Robin Hood de Chicago)
– Robert Armbruster, Leo Arnaud, Jack Elliot, Jack Hayes, Calvin Jackson, Leo Shuken (A Inconquistável Molly)

A adorável Debbie Reynolds apresenta o Oscar de Trilha Adaptada. Ela ficou na expectativa de seu filme vencer…

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Chim Chim Cher-ee”, de Richard M. Sherman, Robert B. Sherman (Mary Poppins)
“Dear Heart”, de Henry Mancini, Jay Livingston (Coração Querido)
“Hush… Hush, Sweet Charlotte”, de Frank De Vol, Mack David (Com a Maldade na Alma)
“My Kind of Town”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (Robin Hood de Chicago)
“Where Love Has Gone”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (Escândalo na Sociedade)

…e os irmãos Sherman retornam para levar o Oscar de Canção Original também.

MELHOR SOM
– John Cox (Becket, o Favorito do Rei)
– Waldon O. Watson (Papai Ganso)
– Robert O. Cook (Mary Poppins)
• George Groves (Minha Bela Dama)
– Franklin Milton (A Inconquistável Molly)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
• Peter Ellenshaw, Hamilton Luske, Eustace Lycett (Mary Poppins)
– Jim Danforth (As 7 Faces do Dr. Lao)

O jovem astro francês Alain Delon apresenta Efeitos Visuais para Mary Poppins.

MELHORES EFEITOS SONOROS
– Robert L. Bratton (Demônios da Pista)
• Norman Wanstall (007 Contra Goldfinger)

Angie Dickinson concede o primeiro Oscar para a franquia de James Bond.

MELHOR CURTA-METRAGEM
• Casals Conducts: 1964, de Edward Schreiber
– Help! My Snowman’s Burning Down, de Carson Davidson
– The Legend of Jimmy Blue Eyes, de Robert Clouse

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Christmas Cracker
– How to Avoid Friendship, de William L. Snyder
– Nudnik #2, de William L. Snyder
• A Pantera Pinta o Sete, de David H. DePatie, Friz Freleng

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– Breaking the Habit, de Henry Jacobs, John Korty
– Children Without
– Eskimo Artist: Kenojuak
– 140 Days Under the World, de Geoffrey Scott, Oxley Hughan
• Nine from Little Rock

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– The Finest Hours, de Jack Levin
• Mundo Sem Sol, de Jacques-Yves Cousteau
– Quatro Dias em Novembro, de Mel Stuart
– Alleman, de Bert Haanstra
– 14-18, de Jean Aureal

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
• Ontem, Hoje e Amanhã (Ieri, Oggi, Domani), de Vittorio De Sica – ITÁLIA
– Kvarteret Korpen, de Bo Widerberg – SUÉCIA
– Sallah Shabati, de Ephraim Kishon – ISRAEL
– Os Guarda-Chuvas do Amor (Les Parapluis de Cherbourg), de Jacques Demy – FRANÇA
– A Mulher da Areia (Suna no Onna), de Hiroshi Teshigahara – JAPÃO

O filme italiano leva o Oscar com filme de Vittorio De Sica. Com ele ausente, Joseph E. Levine recebe o prêmio.

OSCAR HONORÁRIO
• William Tuttle (As 7 Faces do Dr. Lao) – Por suas conquistas na maquiagem

THE 36th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1964

13 de Abril de 1964

As Aventuras de Tom Jones (Tom Jones), de Tony Richardson: 4 Oscars

As Aventuras de Tom Jones (Tom Jones), de Tony Richardson: 4 Oscars

MELHOR FILME
– Terra do Sonho Distante (America America)
Produtor: Elia Kazan
– Cleópatra (Cleopatra)
Produtor: Walter Wanger
– A Conquista do Oeste (How the West Was Won)
Produtor: Bernard Smith
– Uma Voz nas Sombras (Lilies of the Field)
Produtor: Ralph Nelson
• As Aventuras de Tom Jones (Tom Jones)
Produtor: Tony Richardson – Tony Richardson não estava presente na cerimônia. David V. Picker aceitou  prêmio em seu nome.

MELHOR DIRETOR
– Federico Fellini (8½)
– Elia Kazan (Terra do Sonho Distante)
– Otto Preminger (O Cardeal)
• Tony Richardson (As Aventuras de Tom Jones) – Tony Richardson não estava presente na cerimônia. Edith Evans aceitou o prêmio em seu nome.
– Martin Ritt (O Indomado)


Tony Richardson perdeu sua oportunidade única de receber a estatueta do Oscar das mãos da musa Rita Hayworth

MELHOR ATOR
– Albert Finney (As Aventuras de Tom Jones)
– Richard Harris (O Pranto de um Ídolo)
– Rex Harrison (Cleópatra)
– Paul Newman (O Indomado)
• Sidney Poitier (Uma Voz nas Sombras) – Sidney Poitier se tornou o primeiro afro-americano a ganhar o Oscar de Melhor Ator

MELHOR ATRIZ
– Leslie Caron (A Mulher que Pecou)
– Shirley MacLaine (Irma La Douce)
• Patricia Neal (O Indomado) – Patricia Neal não estava presente na cerimônia. Annabella aceitou o prêmio em seu nome.
– Rachel Roberts (O Pranto de um Ídolo)
– Natalie Wood (O Preço de um Prazer)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Nick Adams (O Crime é Homicídio)
– Bobby Darin (Pavilhão 7)
• Melvyn Douglas (O Indomado) – Melvyn Douglas não estava presente na cerimônia. Brandon De Wilde aceitou o prêmio em seu nome.
– Hugh Griffith (As Aventuras de Tom Jones)
– John Huston (O Cardeal)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Diane Cilento (As Aventuras de Tom Jones)
– Edith Evans (As Aventuras de Tom Jones)
– Joyce Redman (As Aventuras de Tom Jones)
• Margaret Rutherford (Gente Muito Importante) – Margaret Rutherford não estava presente na cerimônia. Peter Ustinov aceitou o prêmio em seu nome.
– Lilia Skala (Uma Voz nas Sombras)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Elia Kazan (Terra do Sonho Distante)
– Federico Fellini (8½)
– Pasquale Festa Campanille, Massimo Franciosa, Nanni Loy, Vasco Pratolini, Carlo Bernari (4 Dias de Rebelião)
• James R. Webb (A Conquista do Oeste)
– Arnold Schulman (O Preço de um Prazer)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Richard L. Breen, Phoebe Ephron, Henry Ephron (Pavilhão 7)
– Irving Ravetch, Harriet Frank Jr. (O Indomado)
– James Poe (Uma Voz nas Sombras)
John Osborne (As Aventuras de Tom Jones)
– Serge Bourguignon, Antoine Tudal (Sempre aos Domingos)

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– Leon Shamroy (O Cardeal)
Leon Shamroy (Cleópatra)
– William H. Daniels, Milton R. Krasner, Charles Lang, Joseph LaShelle (A Conquista do Oeste)
– Joseph LaShelle (Irma La Douce)
– Ernest Laszlo (Deu a Louca no Mundo)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– George J. Folsey (O Balcão)
– Lucien Ballard (Almas nas Trevas)
James Wong Howe (O Indomado)
– Ernest Haller (Uma Voz nas Sombras)
– Milton R. Krasner (O Preço de um Prazer)

MELHOR MONTAGEM
– Louis R. Loeffler (O Cardeal)
– Dorothy Spencer (Cleópatra)
Harold F. Kress (A Conquista do Oeste)
– Ferris Webster (Fugindo do Inferno)
– Frederic Knudtson, Robert C. Jones, Gene Fowler Jr. (Deu a Louca no Mundo)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
– Lyle R. Wheeler, Gene Callahan (O Cardeal)
– Hal Pereira, Roland Anderson, Sam Comer, James W. Payne (O Bem Amado)
John DeCuir, Jack Martin Smith, Hilyard M. Brown, Herman A. Blumenthal, Elven Webb, Maurice Pelling, Boris Juraga, Walter M. Scott, Paul S. Fox, Ray Moyer (Cleópatra)
– George W. Davis, William Ferrari, Addison Hehr, Henry Grace, Don Greenwood Jr., Jack Mills (A Conquista do Oeste)
– Ralph W. Brinton, Ted Marshall, Jocelyn Herbert, Josie MacAvin (As Aventuras de Tom Jones)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
Gene Callahan (Terra do Sonhos Distante)
– Piero Gherardi (8½)
– Hal Pereira, Tambi Larsen, Sam Comer, Robert R. Benton (O Indomado)
– Hal Pereira, Roland Anderson, Sam Comer, Grace Gregory (O Preço de um Prazer)
– George W. Davis, Paul Groesse, Henry Grace, Hugh Hunt (O Crime é Homicídio)

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Donald Brooks (O Cardeal)
Irene Sharaff, Vittorio Nino Novarese, Renié (Cleópatra)
– Walter Plunkett (A Conquista do Oeste)
– Piero Tosi (O Leopardo)
– Edith Head (Amor Daquele Jeito)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
Piero Gherardi (8½)
Edith Head (O Preço de um Prazer)
– Travilla (Venus à Venda)
– Bill Thomas (Na Voragem das Paixões)
– Edith Head (Esposas e Amantes)

MELHOR TRILHA MUSICAL – SUBSTANCIALMENTE ORIGINAL
– Alex North (Cleópatra)
– Dimitri Tiomkin (55 Dias em Peking)
– Alfred Newman, Ken Darby (A Conquista do Oeste)
– Ernest Gold (Deu a Louca no Mundo)
John Addison (As Aventuras de Tom Jones) – John Addison não estava presente na cerimônia. Elmer Bernstein aceitou o prêmio em seu nome.

MELHOR TRILHA MUSICAL – ADAPTADA OU TRATAMENTO
– Johnny Green (Adeus, Amor)
– Leith Stevens (Amor Daquele Jeito)
André Previn (Irma La Douce)
– Maurice Jarre (Sempre aos Domingos)
– George Burns (A Espada Era a Lei)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Call me Irresponsible”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (O Estado Interessante de Papai)
“Charade”, de Henry Mancini, Johnny Mercer (Charada)
“It’s a Mad Mad Mad Mad World”, de Ernest Gold, Mack David (Deu a Louca no Mundo)
“More”, de Riz Ortolani, Nino Oliviero, Norman Newell (Mundo Cão)
“So Little Time”, de Dimitri Tiomkin, Paul Francis Webster (55 Dias em Peking)

MELHOR SOM
– Charles Rice (Adeus, Amor)
– Waldon O. Watson (Pavilhão 7)
– James Corcoran (Cleópatra)
Franklin Milton (A Conquista do Oeste)
– Gordon Sawyer (Deu a Louca no Mundo)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
– Ub Iwerks (Os Pássaros)
Emil Kosa Jr. (Cleópatra)

MELHORES EFEITOS SONOROS
– Robert L. Bratton (Águias em Alerta)
Walter Elliott (Deu a Louca no Mundo)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Koncert, de Ezra R. Baker
– The Home-Made Car, de James Hill
La Rivière du Hibou, de Paul de Roubaix, Marcel Ichac
– The Six-Sided Triangle, de Christopher Miles
– Thta’s Me, de Walker Stuart

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Automania 2000, de John Halas
The Critic, de Ernest Pintoff
– Igra, de Dusan Vukotic
– My Financial Career, de Colin Low, Tom Daly
– Pianissimo, de Carmen D’Avino

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
Chagall, de Simon Schiffrin
– The Five Cities of June, de George Stevens Jr.
– The Spirit of America, de Algernon G. Walker
– Thirty Million Letters, de Edgar Anstey
– To Live Again, de Mel London

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– Le Maillon et la Chaîne, de Paul de Roubaix
Robert Frost: A Lover’s Quarrel with the World, de Robert Hughes
– The Yanks Are Coming, de Marshall Flaum

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
8½ (8½), de Federico Fellini – ITÁLIA
– A Faca na Água (Nóz w Wodzie), de Roman Polanski – POLÔNIA
– Los Tarantos, de Francisco Rovira Beleta – ESPANHA
– Ta Kokkina Fanaria, de Vasilis Georgiadis – GRÉCIA
– Koto, de Noboru Nakamura – JAPÃO

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
• Sam Spiegel

THE 35th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1963

08 de Abril de 1963

Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia), de David Lean: 7 Oscars

Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia), de David Lean: 7 Oscars

MELHOR FILME
• Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia)
Produtor: Sam Spiegel
– O Mais Longo dos Dias (The Longest Day)
Produtor: Darryl F. Zanuck
– O Vendedor de Ilusões (The Music Man)
Produtor: Morton DaCosta
– O Grande Motim (Mutiny on the Bounty)
Produtor: Aaron Rosenberg
– O Sol é Para Todos (To Kill a Mockingbird)
Produtor: Alan J. Pakula

Vencedora de dois Oscars de Melhor Atriz, Olivia De Havilland apresenta o principal prêmio da noite.

MELHOR DIRETOR
– Pietro Germi (Divórcio à Italiana)
• David Lean (Lawrence da Arábia)
– Robert Mulligan (O Sol é Para Todos)
– Arthur Penn (O Milagre de Anne Sullivan)
– Frank Perry (David e Lisa)

Joan Crawford concede o segundo Oscar de David Lean.

MELHOR ATOR
– Burt Lancaster (O Homem de Alcatraz)
– Jack Lemmon (Vício Maldito)
– Marcello Mastroianni (Divórcio à Italiana)
– Peter O’Toole (Lawrence da Arábia)
• Gregory Peck (O Sol é Para Todos)

MELHOR ATRIZ
• Anne Bancroft (O Milagre de Anne Sullivan) – Anne Bancroft não estava presente na cerimônia. Joan Crawford aceitou o prêmio em seu nome.
– Bette Davis (O Que Aconteceu com Baby Jane?)
– Katharine Hepburn (Longa Jornada Noite Adentro)
– Geraldine Page (Doce Pássaro da Juventude)
– Lee Remick (Vício Maldito)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Ed Begley (Doce Pássaro da Juventude)
– Victor Buono (O Que Aconteceu com Baby Jane?)
– Telly Savalas (O Homem de Alcatraz)
– Omar Sharif (Lawrence da Arábia)
– Terence Stamp (O Vingador dos Mares)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Mary Badham (O Sol é Para Todos)
• Patty Duke (O Milagre de Anne Sullivan)
– Shirley Knight (Doce Pássaro da Juventude)
– Angela Lansbury (Sob o Domínio do Mal)
– Thelma Ritter (O Homem de Alcatraz)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
• Ennio De Concini, Alfredo Giannetti, Pietro Germi (Divórcio à Italiana)
– Charles Kaufman, Wolfgang Reinhardt (Freud – Além da Alma)
– Alain Robbe-Grillet (O Ano Passado em Marienbad)
– Stanley Shapiro, Nate Monaster (Carícios de Luxo)
– Ingmar Bergman (Através de um Espelho)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Eleanor Parker (David e Lisa)
– Robert Bolt, Michael Wilson (Lawrence da Arábia) – A indicação de Wilson foi confrmada apenas em 26 de setembro de 1995, uma vez que ele estava na lista negra de Hollywood na época.
– Vladimir Nabokov (Lolita)
– William Gibson (O Milagre de Anne Sullivan)
• Horton Foote (O Sol é Para Todos) – Horton Foote não estav presente na cerimônia. Alan J. Pakula aceitou o prêmio em seu nome.

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– Harry Stradling Sr. (Em Busca de um Sonho)
Freddie Young (Lawrence da Arábia)
– Russell Harlan (Hatari!)
– Robert Surtees (O Grande Motim)
– Paul Vogel (O Mundo Maravilhoso dos Irmãos Grimm)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– Burnett Guffey (O Homem de Alcatraz)
Jean Bourgoin, Walter Wottitz (O Mais Longo dos Dias)
– Russell Harlan (O Sol é Para Todos)
– Ted D. McCord (Dois na Gangorra)
– Ernest Haller (O Que Aconteceu com Baby Jane?)

MELHOR MONTAGEM
Anne V. Coates (Lawrence da Arábia)
– Samuel E. Beetley (O Mais Longo dos Dias)
– Ferris Webster (Sob o Domínio do Mal)
– William H. Ziegler (Vendedor de Ilusões)
– John McSweeney Jr. (O Grande Motim)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
John Box, John Stoll, Dario Simoni (Lawrence da Arábia)
– Paul Groesse, George James Hopkins (Vendedor de Ilusões)
– George W. Davis, J. McMillan Johnson, Henry Grace, Hugh Hunt (O Grande Motim)
– Alexander Golitzen, Robert Clatworthy, George Milo (Carícias de Luxo)
– George W. Davis, Edward C. Carfagno, Henry Grace, Richard Pefferle (O Mundo Maravilhoso dos Irmãos Grimm)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
– Joseph C. Wright, George James Hopkins (Vício Maldito)
– Ted Haworth, Léon Barsacq, Vincent Korda, Gabriel Béchir (O Mais Longo dos Dias)
– George W. Davis, Edward C. Carfagno, Henry Grace, Richard Pefferle (Contramarcha Nupcial)
– Hal Pereira, Roland Anderson, Sam Comer, Frank R. McKelvy (O Pombo que Conquistou Roma)
• Alexander Golitzen, Henry Bumstead, Oliver Emert (O Sol é Para Todos)

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Bill Thomas (Bon Voyage, Enfim Paris!)
– Orry-Kelly (Em Busca de um Sonho)
– Dorothy Jeakins (Vendedor de Ilusões)
– Edith Head (Minha Doce Gueixa)
Mary Wills (O Mundo Maravilhoso dos Irmãos Grimm)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
– Donfeld (Vício Maldito)
– Edith Head (O Homem que Matou o Facínora)
– Ruth Morley (O Milagre de Anne Sullivan)
– Theoni V. Aldredge (Profanação)
Norma Koch (O Que Aconteceu com Baby Jane?)

MELHOR TRILHA MUSICAL – SUBSTANCIALMENTE ORIGINAL
– Jerry Goldsmith (Freud – Além da Alma)
Maurice Jarre (Lawrence da Arábia)
– Bronislau Kaper (O Grande Motim)
– Franz Waxman (Taras Bulba)
– Elmer Bernstein (O Sol é Para Todos)

MELHOR TRILHA MUSICAL – ADAPTAÇÃO OU TRATAMENTO
– George Stoll (A Mais Querida do Mundo)
– Michel Magne (Gigot)
– Frank Perkins (Em Busca de um Sonho)
Ray Heindorf (Vendedor de Ilusões)
– Leigh Harline (O Mundo Maravilhoso dos Irmãos Grimm)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Days of Wine and Roses”, de Henry Mancini, Johnny Mercer (Vício Maldito)
“Love Song from Mutiny on the Bounty (Follow Me)”, de Bronislau Kaper, Paul Francis Webster (O Grande Motim)
“Song from Two for the Seesaw (Second Chance)”, de André Previn, Dory Previn (Dois na Gangorra)
“Tender is the Night (1962)”, de Sammy Fain, Paul Francis Webster (Suave é a Noite)
“Walk on the Wild Side”, de Elmer Bernstein, Mack Davis (Pelos Bairros do Vício)

MELHOR SOM
– Robert O. Cook (Bon Voyage, Enfim Paris!)
John Cox (Lawrence da Arábia)
– George Groves (Vendedor de Ilusões)
– Waldon O. Watson (Carícias de Luxo)
– Joseph D. Kelly (O Que Aconteceu com Baby Jane?)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
• Robert MacDonald, Jacques Maumont (O Mais Longo dos Dias)
– A. Arnold Gillespie, Milo B. Lory (O Grande Motim)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Big City Blues, de Martina Huguenot van der Linden, Charles Huguenot van der Linden
– The Cadillac, de Robert Clouse
– The Cliff Dwellers, de Hayward Anderson
Heureux Anniversaire, de Pierre Étaix, Jean-Claude Carrière
– Pan, de Herman van der Horst

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
The Hole, de John Hubley, Faith Hubley
– Icarus Montgolfier Wright, de Jules Engel
– Now Hear This
– Self Defense… for Cowards, de William L. Snyder
– A Symposium on Popular Songs, de Walt Disney

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
Dylan Thomas, de Jack Howells
– The John Glenn Story, de William L. Hendricks
– The Road to the Wall, de Robert Saudek

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– Alvorada, de Hugo Niebeling
A Raposa Negra, de Louis Clyde Stoumen

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Sempre aos Domingos (Les Dimanches de Ville d’Avray), de Serge Bourguignon – FRANÇA
– Electra, a Vingadora (Ilektra), de Mihalis Kakogiannis – GRÉCIA
– 4 Dias de Rebelião (Le Quattro Giornate di Napoli), de Nanni Loy – ITÁLIA
– O Pagador de Promessas, de Anselmo Duarte – BRASIL
– Tlayucan, de Luis Alcoriza – MÉXICO

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• Steve Broidy

THE 34th ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1962

09 de Abril de 1962

Amor, Sublime Amor (West Side Story), de Robert Wise e Jerome Robbins: 10 Oscars

Amor, Sublime Amor (West Side Story), de Robert Wise e Jerome Robbins: 10 Oscars

MELHOR FILME
– Fanny (Fanny)
Produtor: Joshua Logan
– Os Canhões de Navarone (The Guns of Navarone)
Produtor: Carl Foreman
– Desafio à Corrupção (The Hustler)
Produtor: Robert Rossen
– Julgamento em Nuremberg (Judgment at Nuremberg)
Produtor: Stanley Kramer
• Amor, Sublime Amor (West Side Story)
Produtor: Robert Wise


O grande mestre do sapateado, Fred Astaire, apresenta o Oscar de Melhor Filme

MELHOR DIRETOR
– Federico Fellini (A Doce Vida)
– Stanley Kramer (Julgamento em Nuremberg)
– Robert Rossen (Desafio à Corrupção)
– J. Lee Thompson (Os Canhões de Navarone)
• Robert Wise & Jerome Robbins (Amor, Sublime Amor) – Pela primeira vez, o prêmio é compartilhado


Rosalind Russell apresenta com bastante entusiasmo o primeiro Oscar de direção para dois diretores.

MELHOR ATOR
– Charles Boyer (Fanny)
– Paul Newman (Desafio à Corrupção)
• Maximillian Schell (Julgamento em Nuremberg)
– Spencer Tracy (Julgamento em Nuremberg)
– Stuart Whitman (A Marca do Cárcere)


Joan Crawford apresenta o Oscar de Ator para Maximillian Schell

MELHOR ATRIZ
– Audrey Hepburn (Bonequinha de Luxo)
– Piper Laurie (Desafio à Corrupção)
• Sophia Loren (Duas Mulheres) – Sophia Loren não estava presente na cerimônia. Greer Garson aceitou o prêmio em seu nome.
– Geraldine Page (O Anjo de Pedra)
– Natalie Wood (Clamor do Sexo)


Burt Lancaster anuncia o nome da primeira italiana e estrangeira a ganhar o Oscar de atriz em sua própria língua. Pena que a vencedora não estava presente na cerimônia.

MELHOR ATOR COADJUVANTE
• George Chakiris (Amor, Sublime Amor)
– Montgomery Clift (Julgamento em Nuremberg)
– Peter Falk (Dama por um Dia)
– Jackie Gleason (Desafio à Corrupção)
– George C. Scott (Desafio à Corrupção) – Recusou-se a ser indicado. Foi o primeiro caso na História da Academia.


A vencedora do ano anterior, Shirley Jones, apresenta o Oscar para George Chakiris

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Fay Bainter (Infâmia)
– Judy Garland (Julgamento em Nuremberg)
– Lotte Lenya (Em Roma na Primavera)
– Una Merkel (O Anjo de Pedra)
• Rita Moreno (Amor, Sublime Amor)


Rock Hudson assume o posto de apresentador na ausência de Peter Ustinov para apresentar Melhor Atriz Coadjuvante. Rita Moreno agradece apenas com um “I can’t believe that!”

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Valentin Ezhov, Grigoriy Chukhray (A Balada do Soldado)
– Sergio Amidei, Diego Fabbri, Indro Montanelli (De Crápula a Herói)
– Federico Fellini, Tullio Pinelli, Ennio Flaiano, Brunello Rondi (A Doce Vida)
• William Inge (Clamor do Sexo)
– Stanley Shapiro, Paul Henning (Volta Meu Amor)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– George Axelrod (Bonequinha de Luxo)
– Carl Foreman (Os Canhões de Navarone)
– Sidney Carroll, Robert Rossen (Desafio à Corrupção)
• Abby Mann (Julgamento em Nuremberg)
– Ernest Lehman (Amor, Sublime Amor)

https://www.youtube.com/watch?v=Oxy8qfaNNyA
O casal do filme Vício Maldito, Lee Remick e Jack Lemmon, apresenta os dois Oscars de Roteiro 

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– Jack Cardiff (Fanny)
– Russell Metty (Flor de Lotus)
– Harry Stradling Sr. (Do Outro Lado da Ponte)
– Charles Lang (A Face Oculta)
Daniel L. Fapp (Amor, Sublime Amor)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– Edward Colman (O Fantástico Super-Homem)
– Franz Planer (Infâmia)
Eugen Schüfftan (Desafio à Corrupção)
– Ernest Laszlo (Julgamento em Nuremberg)
– Daniel L. Fapp (Cupido Não Tem Bandeira)

MELHOR MONTAGEM
– William Reynolds (Fanny)
– Alan Osbiston (Os Canhões de Navarone)
– Frederic Knudtson (Julgamento em Nuremberg)
– Philip W. Anderson (O Grande Amor de Nossas Vidas)
Thomas Stanford (Amor, Sublime Amor)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
– Hal Pereira, Roland Anderson, Sam Comer, Ray Moyer (Bonequinha de Luxo)
– Veniero Colasanti, John Moore (El Cid)
– Alexander Golitzen, Joseph C. Wright, Howard Bristol (Flor de Lotus)
– Hal Pereira, Walter H. Tyler, Sam Comer, Arthur Krams (O Anjo de Pedra)
Boris Leven, Victor A. Gangelin (Amor, Sublime Amor)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
– Carroll Clark, Emile Kuri, Hal Gausman (O Fantástico Super-Homem)
– Fernando Carrere, Edward G. Boyle (Infâmia)
Harry Horner, Gene Callahan (Desafio à Corrupção)
– Rudolph Sternad, George Milo (Julgamento em Nuremberg)
– Piero Gherardi (A Doce Vida)

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Bill Thomas (O Mundo Encantado dos Brinquedos)
– Jean Louis (Esquina do Pecado)
– Irene Sharaff (Flor de Lotus)
– Edith Head, Walter Plunkett (Dama por um Dia)
Irene Sharaff (Amor, Sublime Amor)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
– Dorothy Jeakins (Infâmia)
– Howard Shoup (Com Pecado no Sangue)
– Jean Louis (Julgamento em Nuremberg)
Piero Gherardi (A Doce Vida)
– Yoshirô Muraki (Yojimbo – O Guarda-Costas)


Dina Merrill e Eddie Albert apresentam Figurino com direito a desfile dos figurinos indicados no palco.

MELHOR TRILHA MUSICAL – MUSICAL
– George Bruns (O Mundo Encantado dos Brinquedos)
– Alfred Newman, Ken Darby (Flor de Lotus)
– Dmitri Shostakovich (Khovanshchina)
– Duke Ellington (Paris Vive à Noite)
Saul Chaplin, Johnny Green, Sid Ramin, Irwin Kostal (Amor, Sublime Amor)

MELHOR TRILHA MUSICAL – DRAMA OU COMÉDIA
Henry Mancini (Bonequinha de Luxo)
– Miklós Rósza (El Cid)
– Morris Stoloff, Harry Sukman (Fanny)
– Dimitri Tiomkin (Os Canhões de Navarone)
– Elmer Bernstein (O Anjo de Pedra)


Tony Martin e a bela Cyd Charisse apresentam os dois Oscars de trilha musical.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Bachelor in Paradise”, de Henry Mancini, Mack David (Solteiro no Paraíso)
“Love Theme from El Cid (The Falcon and the Dove)”, de Miklós Rózsa, Paul Francis Webster (El Cid)
“Moon River”, de Henry Mancini, Johnny Mercer (Bonequinha de Luxo)
“Pocketful of Miracles”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (Dam por um Dia)
“Town Without Pity”, de Dimitri Tiomkin, Ned Washington (Cidade Sem Compaixão)


Debbie Reynolds concede o Oscar para a dupla Mancini e Mercer

MELHOR SOM
– Gordon Sawyer (Infâmia)
– Waldon O. Watson (Flor de Lotus)
– John Cox (Os Canhões de Navarone)
– Robert O. Cook (O Grande Amor de Nossas Vidas)
Fred Hynes, Gordon Sawyer (Amor, Sublime Amor)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
• Bill Warrington, Chris Greenham (Os Canhões de Navarone)
– Robert A. Mattey, Eustace Lycett (O Fantástico Super-Homem)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Ballon Vole
– The Face of Jesus, de John D. Jennings
– Rooftops of New York
Seawards the Great Ships
– Very Nice, Very Nice

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Aquamania, de Walt Disney
– Beep Prepared, de Chuck Jones
– Nelly’s Folly, de Chuck Jones
– The Pied Piper of Guadalupe, de Friz Freleng
Surogat

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– Breaking the Language Barrier
– Cradle of Genius, de Jim O’Connor, Tom Hayes
– Kahi
– L’Uomo in Grigio, de Benedetto Benedetti
Project Hope, de Frank P. Bibas

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– La Grande Olimpiade
Le Ciel et la Boue, de Arthur Cohn, René Lafuite

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– Harry og Kammerjeneren, de Bent Christensen – DINAMARCA
– O Inesquecível (Eien no Hito), de Keisuke Kinoshita – JAPÃO
– Ánimas Trujano (El Hombre Importante), de Ismael Rodríguez – MÉXICO
– Plácido, de Luis García Berlanga – ESPANHA
Através de um Espelho (Såsomi i en Spegel), de Ingmar Bergman – SUÉCIA


O presidente da Warner Bros., Jack L. Warner, introduz Eric Johnston para apresentar o Oscar de Filme em Língua Estrangeira novamente para a Suécia de Ingmar Bergman. Desta vez, a atriz Harriet Andersson aceita o prêmio.

OSCAR HONORÁRIO
• William L. Hendricks (A Force in Readiness)
• Fred L. Metzler
• Jerome Robbins

IRVING G. THALBERG MEMORIAL AWARD
• Stanley Kramer

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• George Seaton

THE 33rd ANNUAL ACADEMY AWARDS – OSCAR 1961

17 de Abril de 1961

Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment), de Billy Wilder: 6 Oscars

Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment), de Billy Wilder: 5 Oscars

MELHOR FILME
– O Álamo (The Alamo)
Produtor: John Wayne
• Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment)
Produtor: Billy Wilder
– Entre Deus e o Pecado (Elmer Gantry)
Produtor: Bernard Smith
– Filhos e Amantes (Sons and Lovers)
Produtor: Jerry Wald
– Peregrino da Esperança (The Sundowners)
Produtor: Fred Zinnemann


Audrey Hepburn apresenta o Oscar de Filme para Se Meu Apartamento Falasse

MELHOR DIRETOR
– Jack Cardiff (Filhos e Amantes)
– Jules Dassin (Nunca aos Domingos)
– Alfred Hitchcock (Psicose)
• Billy Wilder (Se Meu Apartamento Falasse)
– Fred Zinnemann (Peregrino da Esperança)


Gina Lollobrigida entrega o Oscar para Billy Wilder. E lá se vai a última chance de Alfred Hitchcock…

MELHOR ATOR
– Trevor Howard (Filhos e Amantes)
• Burt Lancaster (Entre Deus e o Pecado)
– Jack Lemmon (Se Meu Apartamento Falasse)
– Laurence Olivier (Vida de Solteiro)
– Spencer Tracy (O Vento Será Tua Herança)


Greer Garson apresenta o Oscar para Burt Lancaster, que estava comovido com a honraria

MELHOR ATRIZ
– Greer Garson (Dez Passos Imortais)
– Deborah Kerr (Peregrino da Esperança)
– Shirley MacLaine (Se Meu Apartamento Falasse)
– Melina Mercouri (Nunca aos Domingos)
• Elizabeth Taylor (Disque Butterfield 8)


Elizabeth Taylor aceita seu primeiro Oscar das mãos de Yul Brynner. Bastante emocionada, ela apenas agradece de todo o coração. 

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Peter Falk (Assassinato S.A.)
– Jack Kruschen (Se Meu Apartamento Falasse)
– Sal Mineo (Exodus)
• Peter Ustinov (Spartacus)
– Chill Wills (O Álamo)


Peter Ustinov se torna o único ator a ganhar o Oscar sob a direção do mestre Stanley Kubrick

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Glynis Johns (Peregrino da Esperança)
• Shirley Jones (Entre Deus e o Pecado)
– Shirley Knight (Sombras no Fim da Escada)
– Janet Leigh (Psicose)
– Mary Ure (Filhos e Amantes)


Hugh Griffith aproveita a deixa para agradecer o Oscar que ganhou no ano anterior, já que estava ausente, antes de apresentar para a bela Shirley Jones

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
• Billy Wilder, I.A.L. Diamond (Se Meu Apartamento Falasse)
– Richard Gregson, Michael Craig, Bryan Forbes (Momentos de Angústia)
– Norman Panama, Melvin Frank (O Jogo Proibido do Amor)
– Marguerite Duras (Hiroshima Meu Amor)
– Jules Dassin (Nunca aos Domingos)


Kitty Carlisle e Moss Hart entregam o Oscar para a dupla Wilder e Diamond

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– Nedrick Young, Harold Jacob Smith (O Vento Será Tua Herança)
• Richard Brooks (Entre Deus e o Pecado)
– Gavin Lambert, T.E.B. Clarke (Filhos e Amantes)
– Isobel Lennart (Peregrino da Esperança)
– James Kennaway (Glória Sem Mácula)

MELHOR FOTOGRAFIA COLORIDA
– William H. Clothier (O Álamo)
– Joseph Ruttenberg, Charles Harten (Disque Butterfield 8)
– Sam Leavitt (Exodus)
– Joseph MacDonald (Pepe)
Russell Metty (Spartacus)

MELHOR FOTOGRAFIA PRETO-E-BRANCO
– Joseph LaShelle (Se Meu Apartamento Falasse)
– Charles Lang (O Jogo Proibido do Amor)
– Ernest Laszlo (O Vento Será Tua Herança)
– John L. Russell (Piscose)
Freddie Francis (Filhos e Amantes)

MELHOR MONTAGEM
– Stuart Gilmore (O Álamo)
Daniel Mandell (Se Meu Apartamento Falasse)
– Frederic Knudtson (O Vento Será Tua Herança)
– Viola Lawrence, Al Clark (Pepe)
– Robert Lawrence (Spartacus)


Betty Comden e Adolph Green ressaltam a importância dos montadores antes de entregar o Oscar para Daniel Mandell

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE COLORIDA
– George W. Davis, Addison Hehr, Henry Grace, Hugh Hunt, Otto Siegel (Cimarron)
– Hal Pereira, Roland Anderson, Sam Comer, Arrigo Breschi (Começou em Nápoles)
– Ted Haworth, William Kiernan (Pepe)
Alexander Golitzen, Eric Orbom, Russell A. Gausman, Julia Heron (Spartacus)
– Edward Carrere, George James Hopkins (Dez Passos Imortais)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE PRETO-E-BRANCO
Alexandre Trauner, Edward G. Boyle (Se Meu Apartamento Falasse)
– J. McMillan Johnson, Kenneth A. Reid, Ross Dowd (O Jogo Proibido do Amor)
– Joseph Hurley, Robert Clatworthy, George Milo (Psicose)
– Thomas N. Morahan, Lionel Couch (Filhos e Amantes)
– Hal Pereira, Walter H. Tyler, Sam Comer, Arthur Krams (Rabo de Foguete)


Tony Randall e Tina Louise apresentam a categoria de Direção de Arte PB e em seguida Colorida

MELHOR FIGURINO COLORIDO
– Irene Sharaff (Can-Can)
– Irene (A Teia de Renda Negra)
– Edith Head (Pepe)
Valles, Bill Thomas (Spartacus)
– Marjorie Best (Dez Passos Imortais)

MELHOR FIGURINO PRETO-E-BRANCO
Edith Head, Edward Stevenson (O Jogo Proibido do Amor)
– Theoni V. Aldredge (Nunca aos Domingos)
– Howard Shoup (O Rei dos Facínoras)
– Bill Thomas (Sete Ladrões)
– Marik Vos-Lundh (A Fonte da Donzela)


Robert Stack e Barbara Rush apresentam os prêmios de figurino

MELHOR TRILHA MUSICAL – MUSICAL
– André Previn (Essa Loira Vale um Milhão)
– Nelson Riddle (Can-Can)
– Lionel Newman, Earle Hagen (Adorável Pecadora)
– Johnny Green (Pepe)
Morris Stoloff, Harry Sukman (Sonho de Amor)

MELHOR TRILHA MUSICAL – DRAMA OU COMÉDIA
– Dimitri Tiomkin (O Álamo)
– André Previn (Entre Deus e o Pecado)
Ernest Gold (Exodus)
– Elmer Bernstein (Sete Homens e um Destino)
– Alex North (Spartacus)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“The Facts of Life”, de Johnny Mercer (O Jogo Proibido do Amor)
“Faraway Part of Town”, de André Previn, Dory Previn (Pepe)
“The Green Leaves of Summer”, de Dimitri Tiomkin, Paul Francis Webster (O Álamo)
“The Second Time Around”, de Jimmy Van Heusen, Sammy Cahn (Dizem que é Amor)
“Ta Paidia tou Peiraia (Never on Sunday)”, de Manos Hatzidakis (Nunca aos Domingos) – Pela primeira vez na História da Academia, vence uma canção oriunda de filme em língua estrangeira.

MELHOR SOM
Gordon Sawyer, Fred Hynes (O Álamo)
– Gordon Sawyer (Se Meu Apartamento Falasse)
– Franklin Milton (Cimarron)
– Charles Rice (Pepe)
– George Groves (Dez Passos Imortais)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Gene Warren, Tim Baar (A Máquina do Tempo)
– Augie Lohman (A Última Viagem)

MELHOR CURTA-METRAGEM
– The Creation of Woman, de Charles F. Schwep, Ismail Merchant
Day of the Painter, de Robert P. Davis
– Islands of the Sea, de Walt Disney
– A Sport is Born, de Leslie Wink

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Goliath II, de Walt Disney
– High Note
– Mouse and Garden
– O Místo na Slunci, de Frantisek Vystrcil
Munro, de William L. Snyder

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– Beyond Silence
– En by Ved Navn København
Giuseppina, de James Hill
– George Grosz’ Interregnum, de Charles Carey, Altina Carey
– Universe, de Colin Low

MELHOR DOCUMENTÁRIO
The Horse with the Flying Tail, de Larry Lansburgh
– Rebel in Paradise, de Robert D. Fraser

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
A Fonte da Donzela (Jungfrukälan), de Ingmar Bergman – SUÉCIA
– Kapò, de Gillo Pontecorvo – ITÁLIA
– A Verdade (La Vérité), de Henri-Georges Clouzot – FRANÇA
– Macario, de Roberto Gavaldón – MÉXICO
– Deveti Krug, de France Stiglic – IUGOSLÁVIA


Eric Johnston apresenta o prêmio internacional, que é aceito por Cyrus J. Harvey.

JUVENILE AWARD
• Hayley Mills (Pollyanna)

OSCAR HONORÁRIO
• Gary Cooper – O ator estava ausente da cerimônia. James Stewart aceitou o honraria em seu nome, fez um belo discurso emocional que causou especulação de que Cooper estaria doente. E estava. Faleceu dali a um mês em 31 de Maio de 1961.
• Stan Laurel

JEAN HERSHOLT HUMANITARIAN AWARD
• Sol Lesser

Anúncios

‘Perdido em Marte’ conquista Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2015

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

PRIMEIRO PRÊMIO HOLLYWOODIANO APONTA FORTES CANDIDATOS AO OSCAR

Nesse último dia 1º de novembro, segundo o próprio Hollywood Film Awards, “a temporada de premiações foi oficialmente aberta”. Trata-se realmente do primeiro reconhecimento aos filmes com potencial para Oscar: em Outubro! Em sua 19ª edição (um prêmio relativamente novo no cenário), esta foi a forma que o HFA arranjou para obter algum destaque na concorridíssima temporada de premiações Daqui a pouco, vão ter prêmios de cinema a partir de agosto!

Claro que é muito cedo para dar alguma vantagem aos premiados do HFA, mas certamente já ajuda a esquentar a campanha dos filmes concorrentes. No ano passado, o prêmio conseguiu prever as vitórias de Julianne Moore (Para Sempre Alice) como Melhor Atriz, Emmanuel Lubezki (Birdman) como Melhor Fotografia e Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste) como Melhor Figurino no Oscar. Não é lá das melhores estatísticas em termos de coincidir com o prêmio da Academia, mas talvez nem seja esse o propósito aqui. O melhor filme do ano passado foi Garota Exemplar, que sequer figurou na lista do Oscar, ficando apenas com a indicação de Melhor Atriz para Rosamund Pike.

Este ano, o vencedor de Melhor Filme foi a ficção científica de Ridley Scott, Perdido em Marte. Além de ter recebido elogios da crítica, a bilheteria do filme ultrapassou os 100 milhões de dólares só nos EUA, e ao contrário do filme sociopata Garota Exemplar, tem uma mensagem muito otimista, mesmo se tratando de uma ficção científica. Isso conquista pontos com os votantes da Academia, vide a vitória de O Discurso do Rei sobre A Rede Social em 2011, por exemplo. Perdido em Marte deve conquistar muitas indicações técnicas como Som, Efeitos Sonoros, Efeitos Visuais, além de Direção de Arte e Fotografia. Agora, se Ridley Scott for indicado pra Diretor, prepare-se para cenas de cara fechada dele. Lembro quando ele perdeu o Oscar de direção por Gladiador em 2001 para Steven Soderbergh (Traffic). Foi por muito pouco que ele não foi embora no discurso de agradecimento do concorrente. O desconforto foi tanto que a Academia resolveu lhe compensar ao indicá-lo no ano seguinte para o regular Falcão Negro em Perigo. Infelizmente foi uma ação que coroou um mau perdedor.

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Falando em diretor, o vencedor da categoria foi o inglês Tom Hooper. Conhecido por O Discurso do Rei e o musical Os Miseráveis, ele retorna com um drama sobre identidade sexual em A Garota Dinamarquesa. Apesar de considerá-lo um bom profissional, acreditava que se alguém fosse ganhar um prêmio pelo filme, este seria o ator Eddie Redmayne por viver a personagem central. É daqueles papéis que já nascem com peso de ouro como o aidético vivido por Tom Hanks em Filadélfia.

Entre os atores, a maior surpresa foi a vitória de Jane Fonda pelo filme Youth, do italiano Paolo Sorrentino. Muito se falava da boa campanha de Melhor Ator Coadjuvante para Michael Caine, que acabou não sobrando espaço para a atriz veterana. Os demais vencedores: Benicio Del Toro, Carey Mulligan e Will Smith já tinham boas chances na temporada, mas Smith certamente conta com um ótimo trunfo: seu papel em Concussion é do tipo Davi vs. Golias, do mesmo naipe de Erin Brokovich – Uma Mulher de Talento, que rendeu o Oscar para Julia Roberts. Ele interpreta um médico neuropatologista que descobre um trauma cerebral pela primeira vez num jogador de futebol americano. Se for indicado, será a terceira indicação de Will Smith.

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Com exceção dos filmes Velozes & Furiosos 7, Straight Outta Compton: A História do N.W.A. e A Descompensada, todos os demais têm chances bem reais de avançar na temporada de premiações rumo à lista de indicações da Academia. Mad Max: Estrada da Fúria deve dominar as categorias técnicas, e filmes com potencial de Melhor Filme como Spotlight, Ponte dos Espiões, As Sufragistas, A Garota Dinamarquesa e o próprio Perdido em Marte já têm presença praticamente garantida no tapete vermelho. Portanto, se a intenção do Hollywood Film Awards era dar o pontapé inicial, foi muito bem sucedido.

Seguem os vencedores da 19ª edição do HFA:

MELHOR FILME
Perdido em Marte (The Martian), de Ridley Scott

MELHOR DIRETOR
Tom Hooper (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR
Will Smith (Concussion)

MELHOR ATRIZ
Carey Mulligan (As Sufragistas)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benicio Del Toro (Sicario: Terra de Ninguém)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)

MELHOR ELENCO
Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh, Channing Tatum, Bruce Dern, Tim Roth, Michael Madsen, Walton Goggins, Demian Bichir (Os 8 Odiados)

MELHOR ROTEIRO
Tom McCarthy, Josh Singer (Spotlight)

MELHOR FOTOGRAFIA
Janusz Kaminski (Ponte dos Espiões)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MONTAGEM
David Rosenbloom (Aliança do Crime)

MELHOR FIGURINO
Sandy Powell (Cinderela)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa) (As Sufragistas)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“See You Again”, de Wiz Khalifa, Charlie Puth (Velozes & Furiosos 7)


Confira videoclipe de Wiz Khalifa 

MELHOR SOM
Gary Rydstrom (Ponte dos Espiões)

MELHOR MAQUIAGEM
Lesley Vanderwalt (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Tim Alexander (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

MELHOR ANIMAÇÃO
Divertida Mente (Inside Out), de Pete Docter

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy, de Asif Kapadia

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Joel Edgerton (Aliança do Crime)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Adam McKay (The Big Short)

MELHOR ELENCO REVELAÇÃO
Corey Hawkins, O’Shea Jackson Jr. e Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Saoirse Ronan (Brooklyn)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Velozes & Furiosos 7, de James Wan

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Amy Schumer (Descompensada)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Robert De Niro

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

Thriller francês ‘Dheepan’, de Jacques Audiard, leva a Palma de Ouro 2015

Jacques Audiard (centro) recebe a Palma de Ouro ao lado dos atores do filme Dheepan: Jesuthasan Antonythsan e Kalieaswari Srinivasan. Ao fundo, o presidente do júri, Ethan Coen (photo by theguardian.com)

Jacques Audiard (centro) recebe a Palma de Ouro ao lado dos atores do filme Dheepan: Jesuthasan Antonythsan e Kalieaswari Srinivasan. Ao fundo, o presidente do júri, Ethan Coen (photo by theguardian.com)

IMPRENSA ESTRANGEIRA QUESTIONA FORTE PRESENÇA FRANCESA E SAI INSATISFEITA COM PREMIAÇÃO

Após concorrer por três vezes à Palma de Ouro em Cannes (em 1996 com Um Herói Muito Discreto, em 2009 com O Profeta, e em 2012 com Ferrugem e Osso), o autor francês Jacques Audiard finalmente levou o prêmio máximo do festival de cinema. Bastante humorado, o cineasta disparou em seu discurso de agradecimento: “Obrigado, Michael Haneke, por não ter feito nenhum filme este ano” – ele perdeu a Palma para Haneke na últimas duas oportunidades. Considerado por muitos críticos e cinéfilos como um dos grandes cineastas franceses da atualidade, sua consagração não soa mal, porém a premiação não agradou à maioria dos jornalistas e críticos presente.

Para muitos, além do prestígio do diretor, o tema da imigração na Europa, uma questão muito atual e polêmica, colaborou bastante na escolha do longa como o melhor do evento. Dheepan apresenta elementos do seu trabalho anterior O Profeta, como as gangues violentas e a busca pela desestruturação do poder, mas desta vez seu protagonista é um membro do grupo separatista Tamil Tigers do Sri Lanka. Planejando pedir asilo político na França, ele leva consigo duas estranhas (uma mulher e uma garota de 9 anos) com documentos falsos na tentativa de facilitar sua entrada no país. Lá, ele consegue um emprego e um lar, mas acaba se envolvendo com traficantes do condomínio onde mora, reabrindo suas feridas de guerra.

Claudine Vinasithamby e Jesuthasan Antonythasan em cena de Dheepan, de Jacques Audiard (Photo by outnow.ch)

Claudine Vinasithamby e Jesuthasan Antonythasan em cena de Dheepan, de Jacques Audiard (Photo by outnow.ch)

Honestamente, a sinopse não é novidade nenhuma. Aliás, ela lembra a sinopse de Rambo – Programado Para Matar (1982) e outros filmes dos anos 80 por sua vertente das feridas de guerra. Mas Audiard filma de um modo mais europeu, valorizando mais essa questão da imigração e dissecando os dilemas morais que envolvem o personagem e a situação.

Questionados sobre a escolha de Deephan, os presidentes do júri, os irmãos Coen, não gostaram e replicaram cada um a seu modo. Enquanto Ethan Coen foi mais complacente soltando a sentença: “Todos nós ficamos entusiasmados com detalhes de vários filmes, mas esse foi uma escolha unânime.”, Joel Coen preferiu ser mais enfático sobre a liberdade de escolha: “É um prêmio, de certa forma, estético. O júri não é formado por críticos de cinema, mas por um grupo de artistas.” – o que não deixa de ser verdade.

Joel Coen e Ethan Coen na cerimônia de premiação em Cannes: escolha unânime. Será? (photo by abcnews.go.com)

Joel Coen e Ethan Coen na cerimônia de premiação em Cannes: escolha unânime. Será? (photo by abcnews.go.com)

O mais importante em premiações é saber separar o profissional do pessoal. Por exemplo, em 2010, selecionaram Quentin Tarantino para ser presidente do júri do Festival de Veneza, e ele foi lá e premiou sua ex-namorada Sofia Coppola por Um Lugar Qualquer. Mérito ou presente? Em 2009, nomearam a atriz Isabelle Huppert pra ser presidente do júri, e ela concede a Palma de Ouro para Michael Haneke por A Fita Branca. Pode até ser por méritos próprios, mas fica aquela sensação de que ela teria presenteado seu colaborador de tantos filmes como A Professora de Piano (2001), que curiosamente lhe rendeu o prêmio de interpretação feminina em Cannes. Essas situações podem e devem ser evitadas pelos

Mas enfim, muitos queriam o filme húngaro Son of Saul (Saul Fia), de László Nemes, levasse o prêmio máximo do festival, mas acabou levando o Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo lugar. Considerado um filme forte sobre o Holocausto, a produção foca na vida do prisioneiro húngaro Saul, que tem a tarefa de queimar os corpos dos demais prisioneiros no campo de concentração, inclusive o de seu filho. Se selecionado pela Hungria para representar o país no Oscar, Son of Saul tem grandes chances de vencer o prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira de 2016. Além de apresentar essa temática de campos de concentração que os membros mais idosos da Academia adoram, o filme será distribuído pela forte Sony Pictures Classics.

Géza Rohrig é Saul, o prisioneiro húngaro do campo de concentração de Son of Saul, de László Nemes (photo by outnow.ch)

Géza Röhrig é Saul, o prisioneiro húngaro do campo de concentração de Son of Saul, de László Nemes (photo by outnow.ch)

Contudo, a imprensa estrangeira no geral não estava criticando apenas a escolha de Dheepan, mas a forte presença de conterrâneos. Das 19 produções indicadas à Palma de Ouro, 5 são francesas e mais 4 são co-produções da França. Além disso, dos sete prêmios da competição oficial, três foram para a França: a Palma para Dheepan, Melhor Ator para Vincent Lindon por The Measure of a Man, e Melhor Atriz para Emmanuelle Bercot por Mon Roi.

Vencedor do prêmio de interpretação masculina, o ator francês Vincent Lindon posa com o prêmio por The Measure of a Man (photo by news.yahoo.com)

Vencedor do prêmio de interpretação masculina, o ator francês Vincent Lindon posa com o prêmio por The Measure of a Man (photo by news.yahoo.com)

Aliás, o prêmio de interpretação feminina por si já foi uma polêmica à parte, pois além de terem selecionado a francesa Bercot por um filme bastante criticado, o prêmio foi dividido com a americana Rooney Mara pelo drama lésbico Carol, de Todd Haynes, que aceitou o prêmio em sua ausência. A crítica dava como certa a consagração de Cate Blanchett (que contracena com Rooney Mara em Carol) e consequentemente sua indicação ao Oscar 2016, mas não foi bem isso que aconteceu.

Emmanuelle Bercot posa ao lado dos dois prêmios de interpretação feminina. Rooney Mara não esteve presente. Bercot ganha por Mon Roi (photo by news.yahoo.com)

Emmanuelle Bercot posa ao lado dos dois prêmios de interpretação feminina. Rooney Mara não esteve presente. Bercot ganha por Mon Roi (photo by news.yahoo.com)

Recompensado por seu visual deslumbrante em The Assassin, um filme com artes marciais, o cineasta chinês Hou Hsiao-Hsien levou o prêmio de Direção. Esta foi sua sétima indicação à Palma de Ouro, e seu segundo prêmio em Cannes. Em 1993, ele havia ganhado o Prêmio do Júri por Mestre das Marionetes. Membro do júri, o diretor mexicano Guillermo Del Toro, também muito elogiado por seus recursos visuais, elogiou o trabalho de Hsiao-Hsien: “Por falar numa linguagem, uma claridade e uma poesia que era excessivamente forte.”

O consagrado diretor Hou Hsiao Hsien recebe o prêmio de direção por The Assassin (photo by china.org.cn)

O consagrado diretor Hou Hsiao Hsien recebe o prêmio de direção por The Assassin (photo by china.org.cn)

Já o Prêmio do Júri, que seria o terceiro lugar, ficou com o primeiro filme em língua inglesa do diretor grego Yorgos Lanthimos, conhecido pelo bizarro Dente Canino (2009). The Lobster certamente apresenta a trama mais estranha de todos os concorrentes: Num futuro fictício, as pessoas solteiras são obrigadas a encontrar seus pares em até 45 dias, caso contrário se transformam em animais e são soltos nas florestas. Essa sinopse já seria um prato cheio para o gosto bizarro dos irmãos Coen, mas segundo as críticas, o filme perde sua força depois da metade.

O diretor grego Yorgos Lanthimos recebe o Prêmio do Júri por The Lobster (photo by lemonde.fr)

O diretor grego Yorgos Lanthimos recebe o Prêmio do Júri por The Lobster (photo by lemonde.fr)

Outro cineasta estrangeiro que fez sua estréia na língua inglesa foi o mexicano Michel Franco. Com duas produções boas e polêmicas na bagagem (Daniel & Ana, e Depois de Lúcia), o diretor aborda o tema dos doentes terminais ao focar no trabalho de um enfermeiro, interpretado por Tim Roth, que lhe entregou o prêmio de Roteiro. Em seu discurso, Franco revelou que o filme nasceu em Cannes, depois que seu filme Depois de Lúcia venceu o prêmio Un Certain Regard em 2012, concedido pelo então presidente Tim Roth. A conversa fluiu e se tornou um projeto.

O cineasta mexicano Michel Franco recebe o prêmio de roteiro por Chronic das mãos do ator Tim Roth (photo by cinema.uol.com.br)

O cineasta mexicano Michel Franco recebe o prêmio de roteiro por Chronic das mãos do ator Tim Roth (photo by cinema.uol.com.br)

Já os grandes perdedores do festival foram os italianos Paolo Sorrentino, Nanni Moretti e Matteo Garrone. Youth, My Mother e Tale of Tales, respectivamente, não levaram nenhum dos prêmios principais. Havia uma expectativa de que Michael Caine pudesse levar o prêmio de interpretação masculina por Youth, o que acabou não acontecendo, mas com tantas críticas positivas sobre sua performance, por que não pensar no Oscar 2016? A última indicação de Caine foi em 2003 por O Americano Tranquilo. Faz tempo…

VENCEDORES DE CANNES 2015:

COMPETIÇÃO

PALMA DE OURO: Dheepan, de Jacques Audiard

Grande Prêmio do Júri: Son of Saul, de Laszlo Nemes

Diretor: Hou Hsiao-hsien (The Assassin)

Ator: Vincent Lindon (The Measure of a Man)

Atriz (EMPATE): Emmanuelle Bercot (Mon roi), e Rooney Mara (Carol)

Prêmio do Júri: The Lobster, de Yorgos Lanthimos

Roteiro: Chronic, de Michel Franco

OUTROS PRÊMIOS

Palma Honorária: Agnes Varda

Camera d’Or: Land and Shade, de Cesar Augusto Acevedo

Palma de Ouro de Curta-Metragem: Waves ’98, de Ely Dagher

Ecumenical Jury Prize: My Mother, de Nanni Moretti

UN CERTAIN REGARD

Un Certain Regard: Rams, de Grimur Hakonarson

Jury prize: The High Sun, de Dalibor Matanic

Diretor: Kiyoshi Kurosawa (Journey to the Shore)

Un Certain Talent Prize: Corneliu Porumboiu (The Treasure)

Special Prize para Talentos Promissores (empate): Nahid, de Ida Panahandeh E Masaan, de Neeraj Ghaywan

DIRECTORS’ FORTNIGHT

Art Cinema Award: The Embrace of the Serpent, de Ciro Guerra

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: My Golden Days, de Arnaud Desplechin

Europa Cinemas Label: Mustang, de Deniz Gamze Erguven

CRITICS’ WEEK

Grand Prize: Paulina, de Santiago Mitre

Visionary Prize: Land and Shade

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: Land and Shade

FIPRESCI

Competition: Son of Saul, de László Nemes

Un Certain Regard: Masaan

Critics’ Week: Paulina

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2015

Pôster oficial do 68º Festival de Cannes, estrelado por Ingrid Bergman

Pôster oficial do 68º Festival de Cannes, estrelado por Ingrid Bergman

COM IRMÃOS COEN PRESIDENTES DO JÚRI, CANNES APRESENTA NOMES CONSAGRADOS COM POUCAS APOSTAS

Na última quinta-feira, dia 16, o diretor Thierry Frémaux anunciou a seleção oficial de filmes, dando início ao 68º Festival de Cannes, que tem início no dia 13 de maio e vai até o dia 24. Como tem sido tradição nos últimos anos, o pôster do evento foi preenchido por uma estrela de cinema internacional, e este ano, devido ao seu centenário, a escolhida foi a bela e talentosa Ingrid Bergman. Como sua filha Isabella Rossellini (que será presidente da seleção Un Certain Regard) destacou, ela atuou em produções européias modestas como Stromboli (1950) até produções oscarizadas de estúdios hollywoodianos como Casablanca (1943) e Anastácia, a Princesa Esquecida (1956), pelo qual ganhou seu segundo Oscar de Melhor Atriz.

Com esse start clássico, o festival se mostra promissor também pela escolha de seu presidente do júri, ou melhor, dos presidentes: Joel Coen e Ethan Coen. Os irmãos já levaram a Palma de Ouro em 1991 com Barton Fink – Delírios de Hollywood, mais três prêmios de Direção pelo mesmo Barton FinkFargo (1996) e O Homem que Não Estava Lá (2001), além do Grande Prêmio do Júri conquistado ano passado com Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum. Vale lembrar que os irmãos também já levaram o Oscar de Roteiro Original por Fargo, e a trinca de Oscars (Filme, Direção e Roteiro Adaptado) por Onde os Fracos Não Têm Vez em 2008, sendo responsáveis pelos Oscars de atuação de Frances McDormand e Javier Bardem.

Joel Coen e Ethan Coen formam a primeira dupla de presidentes da História de Cannes (photo by Alison Cohen Rosa/ Universal Pictures)

Joel Coen e Ethan Coen formam a primeira dupla de presidentes da História de Cannes (photo by Alison Cohen Rosa/ Universal Pictures)

AUTORES EM ALTA PREENCHEM AS VAGAS, MAS NÃO HÁ LATINO-AMERICANOS

A dupla americana terá prato cheio este ano para eleger os melhores. Dentre os selecionados renomados estão Gus Van Sant (vencedor da Palma de Ouro com Elefante em 2003), o canadense Denis Villeneuve (Os Suspeitos), Todd Haynes (indicado à Palma com Velvet Goldmine em 1998), o italiano Nanni Moretti (vencedor da Palma de Ouro com O Quarto do Filho em 2001), Paolo Sorrentino (vencedor do Oscar de Filme em Língua Estrangeira por A Grande Beleza, esta é sua sexta indicação sem vitória) e o também italiano Matteo Garrone, que já levou o Grande Prêmio do Júri em duas oportunidades com Gomorra (2008) e Reality – A Grande Ilusão (2012).

Matthew McConaughey e Ken Watanabe formam uma dupla nessa história de suicídio em The Sea of Trees, de Gus Van Sant (photo by filmserver.cz)

Matthew McConaughey e Ken Watanabe formam uma dupla nessa história de suicídio em The Sea of Trees, de Gus Van Sant (photo by filmserver.cz)

Neste mundo globalizado, vale destacar também a estréia de dois diretores em produções de língua inglesa. O grego Yorgos Lanthimos, que ficou conhecido pelo estranho Dente Canino (que chegou a concorrer ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2010), conta uma história futurista em que todos os solteiros são obrigados a encontrar um par em 45 dias, caso contrário, serão soltos nas florestas como animais. Para ajudar a contar essa ficção científica, The Lobster, ele terá a colaboração de um elenco hollywoodiano formado por Colin Farrell, Rachel Weisz, John C. Reilly, Ben Wishaw e Léa Seydoux. Em termos de elenco, o norueguês Joachim Trier não fica muito atrás. No drama Louder than Bombs, ele contará com Isabelle Huppert, Gabriel Byrne, David Strathairn, Amy Ryan e Jesse Eisenberg.

Da esquerda para a direita: John C. Reilly, Ben Wishaw e Colin Farrell em The Lobster (photo by indiewire.com)

Da esquerda para a direita: John C. Reilly, Ben Wishaw e Colin Farrell em The Lobster (photo by indiewire.com)

Os asiáticos também estão bem representados com o chinês Jia Zhangke, que levou o prêmio de roteiro por Um Toque de Pecado em 2013; o japonês Hirokazu Koreeda retorna com o prêmio do Júri por Pais e Filhos (2013) no currículo; e indicado seis vezes à Palma de Ouro, o taiwanês Hou Hsiao-Hsien, que conquistou o prêmio do Júri em 1993 por Mestre das Marionetes, volta depois de um hiato de 8 anos para tentar sua primeira grande vitória.

Infelizmente, não há representantes latino-americanos na seleção. Normalmente, existe uma produção argentina ou chilena concorrendo, mas essa ausência total acende um alerta para a produção cinematográfica latina e a fragilidade dos incentivos culturais de seus governos, porque alguém aí está devendo. A própria produção brasileira está sumida de Cannes, pois as últimas participações brasileiras foram com o diretor Walter Salles e seu Na Estrada, uma co-produção com a França, em 2012; e com Fernando Meirelles e seu Ensaio Sobre a Cegueira, uma co-produção com Canadá e Japão, em 2008. O último filme brasileiro de fato indicado à Palma de Ouro foi Linha de Passe (2008), de Walter Salles, que levou o prêmio de interpretação feminina para Sandra Corveloni. Se o Cinema brasileiro não estivesse tão “padrão Globo” com comédias bobas que nada têm a dizer, poderia haver mais projeção internacional.

ATORES CANDIDATOS AOS PRÊMIOS DE INTERPRETAÇÃO

Se entre os diretores, a competição já está acirrada, o mesmo pode se dizer dos atores que estão concorrendo aos prêmios de interpretação. Uma das atrizes mais prolixas da atualidade que nunca venceu em Cannes é a australiana Cate Blanchett. Ela larga na frente por sua performance no drama Carol, um romance lésbico ao lado da atriz Rooney Mara que se passa na década de 50 em Nova York. Dependendo do júri, se for do seu agrado, o prêmio pode ser dividido entre as duas, já que não existem regras rígidas como no Oscar.

Cate Blanchett em Carol, de Todd Haynes. (photo by Weinstein Co. through variety.com)

Cate Blanchett em Carol, de Todd Haynes. (photo by Weinstein Co. through variety.com)

Pela adaptação de Shakespeare, Macbeth, pode vir outra forte candidata feminina: a francesa Marion Cotillard. Ela já havia batido na trave duas vezes com Ferrugem e Osso em 2012, e com Dois Dias, Uma Noite em 2014, mas nunca levou o prêmio também. Pelo mesmo MacBeth, o alemão Michael Fassbender deve figurar entre os favoritos entre as performances masculinas, assim como a dupla Matthew McConaughey e Ken Watanabe por The Sea of Trees, de Gus Van Sant. Por Youth, de Paolo Sorrentino,  nomes de peso também chamam atenção: Michael Caine, Harvey Keitel e Jane Fonda. Já pelo filme de Garrone, The Tale of Tales, Salma Hayek e Vincent Cassel são as grandes estrelas. Enfim, será um prato cheio também para os papparazzis do tapete vermelho da Croisette.

Marion Cottilard e Michael Fassbender formam o casal MacBeth no filme homônimo. (photo by vaiety.com)

Marion Cotillard e Michael Fassbender formam o casal Macbeth no filme homônimo. (photo by vaiety.com)

VITRINE FORA DA COMPETIÇÃO

Houve o tempo em que os filmes que não concorriam à Palma de Ouro eram considerados fracos. Hoje, além da forte criatividade da seleção Un Certain Regard (Um Certo Olhar), que visa justamente trazer novo fôlego à linguagem do cinema, existem produções que simplesmente reforçam a importância do Festival de Cannes só por sua participação.

Assim, o novo filme de Woody Allen, a “dramédia” romântica Irrational Man, estrelado por Joaquin Phoenix e Emma Stone, está programado para ser exibido fora da competição. Como Cannes é também uma excelente vitrine de vendas, estão previstas as estréias da refilmagem de George Miller, Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road), estrelado por Tom Hardy e Charlize Theron; a mais nova animação da Pixar, Divertida Mente (Inside Out), com as vozes de Diane Lane, Amy Poehler e Bill Hader; e a mais nova adaptação do clássico infantil de Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe, uma animação que conta com as vozes de Rachel McAdams, Jeff Bridges, Benicio Del Toro, James Franco e Marion Cotillard.

Tom Hardy, no papel que revelou Mel Gibson, em Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Tom Hardy, no papel que revelou Mel Gibson, em Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Tem se tornado tradição também Cannes abrir espaço para filmes de estréia de atores conhecidos. Ano passado, Ryan Gosling teve seu filme como diretor-estreante, Rio Perdido, exibido na Mostra Camera D’Or. Este ano, a estrela da vez é a israelense Natalie Portman, vencedora do Oscar por Cisne Negro. Ela dirigiu A Tale of Love and Darkness, adaptação de um livro autobiográfico de seu conterrâneo Amos Oz. sobre as décadas de 40 e 50 que ele viveu em Jerusalém. A atriz interpreta a mãe do protagonista.

Natalie Portman em seu primeiro filme como diretora em A Tale of Love and Darkness (photo by celebmafia.com)

Natalie Portman em seu primeiro filme como diretora em A Tale of Love and Darkness (photo by celebmafia.com)

INDICADOS À PALMA DE OURO 2015:

• Standing Tall – FILME DE ABERTURA
Dir: Emmanuelle Bercot

Palma de Ouro

Palma de Ouro

• The Assassin (Nie yin niang)
Dir: Hou Hsiao-Hsien

• Carol (Carol)
Dir: Todd Haynes

• Erran (Deephan)
Dir: Jacques Audiard

• The Lobster
Dir: Yorgos Lanthimos

• Louder Than Bombs
Dir: Joachim Trier

• Macbeth
Dir: Justin Kurzel

• Marguerite and Julien (Marguerite et Julien)
Dir: Valérie Donzelli

• Mon roi
Dir: Maïwenn

• Mountains May Depart (Shan He Gu Ren)
Dir: Jia Zhangke

• My Mother (Mia Madre)
Dir: Nanni Moretti

• Our Little Sister (Umimachi Diary)
Dir: Hirokazu Koreeda

• The Sea of Trees
Dir: Gus Van Sant

• Sicario
Dir: Denis Villeneuve

• A Simple Man (La loi du marché)
Dir: Stéphane Brizé

• Son of Saul (Saul Fia)
Dir: Laszlo Nemes

• The Tale of Tales (Il racconto dei racconti)
Dir: Matteo Garrone

• Youth (La Giovinezza)
Dir: Paolo Sorrentino

Cena de The Assassin, de Hsiao-Hsien Hou (photo by cine.gr)

Cena de The Assassin, de Hou Hsiao-Hsien (photo by cine.gr)

SELEÇÃO UN CERTAIN REGARD 2015:

Seleção Un Certain Regard

Seleção Un Certain Regard

♦ The Chosen Ones
Dir: David Pablos

♦ Fly Away Solo
Dir: Neeraj Ghaywan

♦ The Fourth Direction
Dir: Gurvinder Singh

♦ The High Sun
Dir: Dalibor Matanic

♦ I Am a Soldier
Dir: Laurent Lariviere

♦ Journey to the Shore (Kishibe no Tabi)
Dir: Kiyoshi Kurosawa

♦ Madonna
Dir: Shin Su-won

♦ Maryland
Dir: Alice Winocour

♦ Nahid
Dir: Ida Panahandeh

♦ One Floor Below
Dir: Radu Muntean

♦ The Other Side
Dir: Roberto Minervini

♦ Rams
Dir: Grimur Hakonarson

♦ The Shameless
Dir: Oh Seung-euk

♦ The Treasure
Dir: Corneliu Porumboiu

Cena de Journey to the Shore, de Kyoshi Kurosawa (phot by cine.gr)

Cena de Journey to the Shore, de Kyoshi Kurosawa (phot by cine.gr)

MIDNIGHT SCREENINGS

♠ Amy
Dir: Asif Kapadia

♠ Office
Dir: Hong Won-chan

Cena do documentário sobre a cantora Amy Winehouse, morta em 2011. (photo by cine.gr)

Cena do documentário sobre a cantora Amy Winehouse, morta em 2011. (photo by cine.gr)

SPECIAL SCREENINGS

♣ Amnesia
Dir: Barbet Schroeder

♣ Asphalte
Dir: Samuel Benchetrit

♣ Hayored lema’ala
Dir: Elad Keidan

♣ Oka
Dir: Souleymane Cisse

♣ Panama
Dir: Pavle Vuckovic

♣ A Tale of Love and Darkness
Dir: Natalie Portman

FORA DE COMPETIÇÃO

– Irrational Man
Dir: Woody Allen

– O Pequeno Príncipe (The Little Prince)
Dir: Mark Osborne

– Divertida Mente (Inside Out)
Dir: Pete Docter

– Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Dir: George Miller

Cena da nova animação da Pixar, Divertida Mente, de Pete Docter (photo by cine.gr)

Cena da nova animação da Pixar, Divertida Mente, de Pete Docter (photo by cine.gr)

George Clooney receberá o prêmio Cecil B. DeMille no Globo de Ouro 2015

George Clooney: homenageado aos 53 anos com Cecil B. DeMille award (photo by www.goldenglobes.com)

George Clooney: homenageado aos 53 anos com Cecil B. DeMille award (photo by http://www.goldenglobes.com)

Todo mundo tá careca de saber que prêmios pelo conjunto da obra são destinados a profissionais em fim de carreira, certo? Então por que raios estão premiando George Clooney??? Só porque o cabelo dele é grisalho não significa que ele está em fim de carreira!

Vamos analisar friamente: George está com seus 53 aninhos. Se estivéssemos no século XIX, ele estaria na taxa de mortalidade e mereceria tal prêmio. Mas aí você vai dizer: “Mas Jodie Foster recebeu o prêmio Cecil B. DeMille aos 50 anos!”. Pois é, mas ela começou a trabalhar quando ainda estava na barriga da mãe! Ela fazia propagandas aos 3 anos! Então, nesse quesito de tempo de trabalho, Georgie também não se encaixaria. Mas afinal, por que ele está recebendo esta homenagem?

Para bem ou para mal, o Globo de Ouro ficou marcado por seu lado bajulador em relação às celebridades. Só pra citar um exemplo bem recente, alguns especialistas defenderam essa característica da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood quando preferiram Jennifer Lawrence (a estrela do momento) a Lupita Nyong’o como Melhor Atriz Coadjuvante este ano.

Aliás, desde a época que acompanho a cerimônia do Globo de Ouro, ouço o crítico Rubens Ewald Filho falando: “O George Clooney é muito querido pela imprensa estrangeira, então eles gostam de retribuir dando prêmios”. Prova disso são os 4 Globos de Ouro que ele ganhou. Claro que não tenho absolutamente NADA contra George Clooney. Na verdade, considero-o um ator de ótimo carisma e homem de classe, mas também considero prematuro esse prêmio pelo conjunto da obra, pois está em pleno auge em Hollywood, tanto como ator como diretor.

George Clooney com um de seus Globos de Ouro (photo by latimesblogs.latimes.com)

George Clooney com um de seus Globos de Ouro (photo by latimesblogs.latimes.com)

Só para citar alguns nomes que ainda não ganharam o Cecil B. De Mille e que poderiam facilmente tomar o lugar de Clooney: os atores Julie Andrews, Julie Christie, Maggie Smith, Jane Fonda, Ellen Burstyn, Sally Field, Robert Duvall, Michael Caine e os diretores Mike Nichols, William Friedkin e Milos Forman. São artistas cujas carreiras já atingiram o ápice há algumas décadas e que mereceriam reconhecimento pelo histórico, fato que poderia incentivar uma nova alta na carreira como um papel coadjuvante importante num blockbuster como um filme da Marvel ou da série Jogos Vorazes.

Mas George é a bola da vez. No início, ficou conhecido como o pediatra Ace da série de TV E.R. (Plantão Médico), mas resolveu seguir carreira no cinema com filmes menores como o terror Um Drink no Inferno (1996) e a comédia romântica Um Dia Especial (1996) ao lado da musa Michelle Pfeiffer (que também poderia receber o Cecil B. De Mille!). No ano seguinte, vestiu o manto com mamilos do Homem-Morcego no vergonhoso Batman & Robin. Embora tenha sido um fracasso unânime, o ator saiu ileso das críticas, pois foi considerado melhor Bruce Wayne do que seu antecessor Val Kilmer.

Michelle Pfeiffer e George Clooney em Um Dia Especial (photo by free-movies.me)

Michelle Pfeiffer e George Clooney em Um Dia Especial (photo by free-movies.me)

Sua fama de galã foi crescendo nos anos seguintes, atingindo o auge na trilogia Onze Homens e um Segredo (2001). Embora tenha interpretado o mesmo papel de Frank Sinatra do original homônimo de 1960, George Clooney ganhou maiores comparações com Cary Grant. Como se não bastasse, passou a ganhar notoriedade como diretor, entregando títulos elogiados pela crítica e público como Confissões de uma Mente Perigosa (2002), Boa Noite e Boa Sorte (2005) e Tudo Pelo Poder (2011). Particularmente, em se tratando de atuação, voto na performance de Os Descendentes como sua melhor, por sair da sua zona de conforto, abdicando de seu posto de galã e se entregando aos sentimentos pela esposa em coma. Por esse trabalho, Clooney ganhou seu terceiro Globo de Ouro. Os anteriores foram por E Aí, Meu Irmão, Cadê Você? (2000) e Syriana – A Indústria do Petróleo (2005), além do 4º como produtor por Argo.

Definido Clooney como homenageado, pelo menos teremos garantia de um excelente discurso de agradecimento, repleto de humor e tons humanistas como aquele ótimo quando ganhou o Oscar de coadjuvante em 2006. Veja vídeo abaixo:

GEORGE CLOONEY E O GLOBO DE OURO

1996: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
1997: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
1998: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
2001: Vencedor de Melhor Ator – Comédia ou Musical (E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?)
2006: Indicado a Melhor Diretor (Syriana – A Indústria do Petróleo)
Indicado a Melhor Roteiro (Syriana – A Indústria do Petróleo)
2008: Indicado a Melhor Ator – Drama (Conduta de Risco)
2010: Indicado a Melhor Ator – Drama (Amor Sem Escalas)
2012: Vencedor de Melhor Ator – Drama (Os Descendentes)
Indicado a Melhor Diretor (Tudo Pelo Poder)
Indicado a Melhor Roteiro (Tudo Pelo Poder)
2013: Vencedor de Melhor Filme – Drama (Argo)

A cerimônia do 72º Globo de Ouro está marcada para 11 de janeiro de 2015, provavelmente pelo canal pago TNT. O evento terá o retorno das hostesses Tina Fey e Amy Poehler, que nesse ano, soltaram uma piada ácida: “Gravidade era “a história de como George Clooney prefere flutuar no espaço e morrer do que passar um minuto a mais com uma mulher com a sua idade”. Com certeza, terá uma réplica de Clooney…

Peter O’Toole (1932 – 2013)

Peter O'Toole

Peter O’Toole (photo by uproarcomics.co.uk)

PROTAGONISTA DE LAWRENCE DA ARÁBIA MORRE AOS 81 ANOS

A primeira vez que ouvi falar no nome Peter O’Toole foi no final dos anos 90, quando eu pesquisava a história do Oscar. Na época, não tinha computador, muito menos internet em casa, então eu aproveitava meus longos intervalos escolares pra pesquisar no laboratório de informática do colégio. Foi aí que descobri o clássico de David Lean, Lawrence da Arábia, e seu protagonista, um ator loiro de aparência enigmática e olhos azuis hipnotizantes. Quem era aquele ator e por que ele perdeu sete vezes o Oscar?

Conhecendo o sistema da Academia ao longo dos anos, decidi que Peter O’Toole foi apenas azarado. Em sua primeira indicação, justamente por Lawrence da Arábia, em 1963, era ainda um rosto novo em Hollywood, que não tinha como competir com a grandeza de Gregory Peck. “Teremos muitas chances de premiá-lo”, devem ter pensado os membros da Academia. E realmente tiveram, mas sempre havia uma desculpa como a divisão de votos entre Burton e ele por Becket, o Favorito do Rei, ou simplesmente alguém favorito no caminho de O’Toole. Ao todo, foi indicado oito vezes, sempre como Melhor Ator, mas sem nenhuma vitória. Acompanhe os concorrentes dele em cada edição do prêmio:

OSCAR 1963
– Burt Lancaster (O Homem de Alcatraz)
– Jack Lemmon (Vício Maldito)
– Marcello Mastroianni (Divórcio à Italiana)
• Gregory Peck (O Sol é Para Todos)
– Peter O’Toole (Lawrence da Arábia)


Sophia Loren anuncia os indicados e o vencedor, Gregory Peck

OSCAR 1965
– Richard Burton (Becket, o Favorito do Rei)
• Rex Harrison (Minha Bela Dama)
– Peter O’Toole (Becket, o Favorito do Rei)
– Anthony Quinn (Zorba, o Grego)
– Peter Sellers (Doutor Fantástico)

OSCAR 1969
– Alan Arkin (Por que Tem de ser Assim?)
– Alan Bates (O Homem de Kiev)
– Ron Moody (Oliver!)
– Peter O’Toole (O Leão no Inverno)
• Cliff Robertson (Os Dois Mundos de Charly)

OSCAR 1970
– Richard Burton (Ana dos Mil Dias)
– Dustin Hoffman (Perdidos na Noite)
– Peter O’Toole (Adeus, Mr. Chips)
– Jon Voight (Perdidos na Noite)
• John Wayne (Bravura Indômita)

OSCAR 1973
– Marlon Brando (O Poderoso Chefão)
– Michael Caine (Jogo Mortal)
– Laurence Olivier (Jogo Mortal)
– Peter O’Toole (A Classe Governante)
– Paul Winfield (Lágrimas da Esperança)

OSCAR 1981
• Robert De Niro (Touro Indomável)
– Robert Duvall (O Grande Santini – O Dom da Fúria)
– John Hurt (O Homem Elefante)
– Jack Lemmon (Tributo)
– Peter O’Toole (O Substituto)

OSCAR 1983
– Dustin Hoffman (Tootsie)
• Ben Kingsley (Gandhi)
– Jack Lemmon (Desaparecido – Um Grande Mistério)
– Paul Newman (O Veredicto)
– Peter O’Toole (Um Cara Muito Baratinado)

OSCAR 2007
– Leonardo DiCaprio (Diamante de Sangue)
– Ryan Gosling (Half Nelson – Encurralados)
– Peter O’Toole (Venus)
– Will Smith (À Procura da Felicidade)
• Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia)

No Globo de Ouro, ele teve mais sorte. Ganhou por Becket, o Favorito do Rei, O Leão no Inverno e Adeus, Mr. Chips, além de um extinto Most Promising Newcomer por Lawrence da Arábia, pelo qual também levou o BAFTA de Melhor Ator Britânico. Apesar de indicado duas vezes ao Framboesa de Ouro já no início da sua fase em decadência, em 1985 por Supergirl e em 1987 por Clube Paraíso, felizmente nunca foi coroado.

Formado pela escola britânica Royal Academy of Dramatic Arts, onde estudou com Albert Finney, Alan Bates e Richard Harris, Peter O’Toole ainda atuaria vários anos no palco pela prestigiosa companhia de teatro Bristol Old Vic e em programas televisivos nos anos 50 até ser escalado pelo diretor David Lean para estrelar sua mega-produção no deserto que o transformaria numa celebridade internacional. Apesar de historicamente incorreto, Lawrence da Arábia foi um grande sucesso por abranger política e sexualidade.

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by www.britannica.com)

Peter O’Toole como T.E. Lawrence ao lado de Omar Shariff em Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by http://www.britannica.com)

O ano era 1962 e os realizadores tinham de ter extrema cautela para abordar o sexo a fim de evitar a censura. Baseado na vida real do herói nada convencional T.E. Lawrence, o filme poderia se tornar mais um épico nos moldes hollywoodianos, mas nas mãos de David Lean, tornou-se um dos mais belos filmes do cinema mantendo algumas brechas para interpretação e ambigüidades. Bastava procurar que era possível conferir os trejeitos afeminados do protagonista, tanto que numa comversa, o dramaturgo Noël Coward disse a Peter O’Toole: “If you’d been any prettier, it would have been Florence of Arabia (Se você tivesse sido mais bonito, teria sido Florence da Arábia)”. Indo mais à fundo na questão sexual, a seqüência em que Lawrence é torturado pelos turcos revelaria suas tendências sadomasoquistas (!). Com cortes na versão original de 1962, a seqüência foi restaurada na versão de 1989.

Certamente, foi a melhor performance do ator, que soube explorar esse lado mais dúbio de seu personagem militar. Com ampla experiência nos palcos, foi inúmeras vezes escalado para viver nobres como o Rei Henrique II nos filmes Becket, o Favorito do Rei (1964) e O Leão no Inverno (1968), e tinha queda por papéis de pessoas sonhadoras como Don Quixote em O Homem de La Mancha (1972), um fugitivo que quer ser dublê em O Substituto (1980) e um ator à la Errol Flynn que tem espírito de grandeza em Um Cara Muito Baratinado (1982).

Peter O'Toole como o personagem de Miguel de Cervantes ao lado de James Coco como Sancho Panza em O Homem de La Mancha (photo by http://v-effekt.blogspot.com.br/2013/02/a-historia-de-estoria-o-homem-de-la.html)

Peter O’Toole como o personagem de Miguel de Cervantes ao lado de James Coco como Sancho Panza em O Homem de La Mancha (photo by http://v-effekt.blogspot.com.br/2013/02/a-historia-de-estoria-o-homem-de-la.html)

Em 2003, o então presidente da Academia, Frank Pierson, selecionou-o como homenageado pelo Oscar Honorário. Segundo seu discurso, Pierson fez questão de premiá-lo por ser a única pessoa que o demitiu como roteirista. Embora lisonjeado, o ator recusou a oferta por acreditar que ainda conseguiria a tão cobiçada estaueta numa competição oficial. Contudo, numa justificativa apoiativa, o presidente citou Paul Newman como exemplo, que havia recebido o Honorário em 1986 e logo no ano seguinte, o Oscar de Melhor Ator por A Cor do Dinheiro. Funcionou. Depois de 3 meses, ele aceitou a homenagem, apresentada por Meryl Streep e aplaudido de pé por mais de um minuto.


“Always a bridesmaid never a bride (Sempre madrinha de casamento, nunca a noiva)” – humor britânico de Peter O’Toole encanta pela cutucada gentil

As palavras de Frank Pierson surtiram efeito. Seu Oscar Honorário o colocou de volta à frente dos holofotes. Atuou no blockbuster Tróia (2004), Stardust: O Mistério da Estrela (2007), na animação vencedora do Oscar da Pixar Ratatouille (numa excepcional dublagem do crítico gastronômico Anton Ego), na série de TV Os Tudors, e claro, na comédia dramática Venus, pela qual recebeu sua oitava e última indicação ao Oscar.

Peter O'Toole como Maurice, um idoso de aparência frágil que ainda curte farrear ao lado de moças jovens em Venus (2006) - photo by www.outnow.ch

Peter O’Toole como Maurice, um idoso de aparência frágil que ainda curte farrear ao lado de moças jovens em Venus (2006) – photo by http://www.outnow.ch

Durante as filmagens de Venus, o ator quebrou seu quadril e teve que passar por uma cirurgia delicada. Impressionado com seu retorno após três semanas, o diretor Roger Michell destacou sua dedicação exemplar ao filme perante sofrimento de dores diárias no set. Muitos apostavam que a Academia finalmente faria justiça quando ele foi indicado, mas sua derrota teve como uma das razões seu recente Oscar Honorário, o que nos coloca diante da questão: “Se O’Toole não recebesse o Oscar Honorário, teria obtido o papel e a consagração de Venus?”


É possível ver um longo suspiro de Peter O’Toole no momento do anúncio do vencedor. Mesmo após décadas ausente, ele nunca perdeu as esperanças.

Peter O’Toole nos deixou no último dia 14 de dezembro em Londres aos 81 anos. A causa de sua morte não foi divulgada até o momento, porém o ator já havia sofrido com um câncer de estômago nos anos 70. Embora não tenha conseguido seu Oscar competitivo, o fato de ser o recordista de derrotas fez com que milhares de pessoas o conhecessem e apreciassem seu trabalho memorável. Dencanse em paz, Peter O’Toole.

Os 49 Melhores Filmes Britânicos de todos os tempos

BAFTA: British Academy of Film and Television Arts

“O Oscar Britânico”: BAFTA – British Academy of Film and Television Arts

Para celebrar o prêmio da Academia Britânica de Filmes, BAFTA, o crítico de cinema Barry Norman fez uma seleção dos 49 melhores filmes de todos os tempos. O 50º seria eleito pelos leitores da publicação mensal sobre cinema, tv e rádio: Radio Times. Contudo, ao contrário do que costuma ocorrer em listas de filmes, Barry não estipulou uma ordem de qualidade. Os selecionados foram postados em ordem alfabética dos títulos originais no site do jornal The Telegraph.

O crítico de cinema Barry Norman

O crítico de cinema Barry Norman

Sua lista abrange 75 anos de cinema britânico, relembrando consagrados cineastas como Alfred Hitchcock e Stanley Kubrick até talentos mais contemporâneos como Sam Mendes e Tom Hooper.

Contudo, dependendo da escolha, sua seleção pode indicar que a relevância no cenário fílmico pode ser maior do que a própria qualidade do filme, como foi o caso de 007 – Operação Skyfall.

Não me entendam mal. Gosto do 23º filme da franquia de James Bond, mas seria injusto posicioná-lo no mesmo patamar de um Laranja Mecânica, de Kubrick. Se a lista fosse sobre os filmes de maior relevância na história do cinema britânico, a inclusão do filme seria mais pertinente, uma vez que resgatou o respeito da série do espião mundialmente.

Com essa seleção, também é possível confirmar como a Academia (Oscar) tem forte preferência pelo cinema britânico. Dessas 49 produções, sete ganharam o Oscar de Melhor Filme: A Ponte do Rio Kwai, Lawrence da Arábia, Carruagens de Fogo, Gandhi, Shakespeare Apaixonado, Gladiador e O Discurso do Rei. Sem contar as performances premiadas de atores britânicos como Alec Guinness, Ben Kingsley e Colin Firth.

Curiosamente, os diretores mais presentes nessa lista de Barry Norman com cinco inclusões, Michael Powell e Emeric Pressburger (Narciso Negro, Coronel Blimp – Vida e Morte, ‘I Know Where I’m Going’, Neste Mundo e no Outro e Sapatinhos Vermelhos), nunca levaram o Oscar. Ambos receberam uma única indicação como roteiristas pelo filme E… um Avião Não Regressou (One of Our Aircraft is Missing/ 1942). Powell, que firmou uma parceria com o imigrante húngaro Pressburger para uma série de filmes, foi pouco valorizado em sua época, só ganhando maior notoriedade quando os diretores americanos Francis Ford Coppola e Martin Scorsese o redescobriram e ofereceram propostas para novos projetos no final dos anos 60. Scorsese foi além e apresentou sua editora Thelma Schoonmaker, que se tornou sua terceira esposa até sua morte em 1990 de câncer.

À esquerda, Michael Powell ao lado de seu colaborador assíduo Emeric Pressburger (photo by www.filmreference.com)

À esquerda, Michael Powell ao lado de seu colaborador assíduo Emeric Pressburger (photo by http://www.filmreference.com)

Outros esnobados pela Academia, Alfred Hitchcock (5 indicações, nenhuma vitória) e Stanley Kubrick (13 indicações e um único Oscar por Efeitos Visuais!), têm dois filmes na lista cada. Mike Leigh, reconhecido por seu talento singular na direção de atores, já foi indicado sete vezes, mas em todas as vezes permaneceu sentado na cerimônia da entrega do Oscar.

Na contramão, o segundo nome mais presente nessa lista é de David Lean, que conquistou 2 Oscars de direção no total de 11 indicações (como diretor, roteirista e até montador). Lean foi consagrado pela Academia com grandes produções como A Ponte do Rio Kwai e Lawrence da Arábia entre as décadas de 50 e 60.

Apesar do atual cenário do cinema britânico ter decaído nas últimas décadas, é possível perceber que as produções estão tentando resgatar o brilho das décadas de ouro. Por mais que não ganhem mais a notoriedade de antes no Oscar, filmes mais alternativos são devidamente reconhecidos pela Academia Britânica através da categoria MELHOR FILME BRITÂNICO, o que certamente incentiva e aquece a indústria cultural do país.

Vencedor do BAFTA de Melhor Filme Britânico e Melhor Trilha Musical por 007 - Operação Skyfall. Na primeira foto, da esquerda para a direita: o roteirista Robert Wade, o diretor Sam Mendes, os produtores Barbra Broccoli e Michael G. Wilson, e o roteirista Neal Purvis. Na segunda foto, o compositor Thomas Newman (photo by www.007magazine.co.uk)

Vencedores do BAFTA de Melhor Filme Britânico e Melhor Trilha Musical por 007 – Operação Skyfall. Na primeira foto, da esquerda para a direita: o roteirista Robert Wade, o diretor Sam Mendes, os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson, e o roteirista Neal Purvis. Na segunda foto, o compositor Thomas Newman (photo by http://www.007magazine.co.uk)

Nas últimas edições do BAFTA, os vencedores foram:

2013: 007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes
2012: O Espião que Sabia Demais, de Tomas Alfredson
2011: O Discurso do Rei, de Tom Hooper
2010: Fish Tank, de Andrea Arnold
2009: O Equilibrista, de James Marsh
2008: This is England, de Shane Meadows
2007: O Último Rei da Escócia, de Kevin Macdonald
2006: Wallace & Gromit – A Batalha dos Vegetais, de Steve Box e Nick Park
2005: Meu Amor de Verão, de Pawel Pawlikowski
2004: Tocando o Vazio, de Kevin Macdonald

E você? Algum palpite ou sugestão para o 50º filme britânico para essa lista?

Barry Lyndon (1975), de Stanley Kubrick

Barry Lyndon, de Stanley Kubrick (photo by Moviestore Collection/ Rex Feature)

Barry Lyndon (1975). Dir: Stanley Kubrick. Com Ryan O’Neal e Marisa Berenson.

BaftaVencedor do BAFTA de Direção e Fotografia
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção de Arte e Figurino

Narciso Negro (1947), de Michael Powell e

Narciso Negro, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Narciso Negro (Black Narcissus/1947). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Deborah Kerr e Jean Simmons.

A Ponte do Rio Kwai (The Bridge on the River Kwai/ 1957), de David Lean

A Ponte do Rio Kwai, de David Lean (photo by Everett Collection/ Rex Features)

A Ponte do Rio Kwai (The Bridge on the River Kwai/1957). Dir: David Lean. Com William Holden, Alec Guinness e Jack Hawkins.

BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator Britânico (Alec Guinness) e Roteiro Britânico.

Desencanto (Brief Encounter/ 1945), de David Lean

Desencanto, de David Lean (photo by ITV Global Entertainment Ltda/ Rex Features)

Desencanto (Brief Encounter/1945). Dir: David Lean. Com Celia Johnson e Trevor Howard.

Carruagens de Fogo (Chariots of Fire/ 1981), de Hugh Hudson

Carruagens de Fogo, de Hugh Hudson (photo by 20th Century Fox/ Everett/ Rex Features)

Carruagens de Fogo (Chariots of Fire/ 1981). Dir: Hugh Hudson. Com Ben Cross, Ian Charleson , Ian Holm e Nigel Havers.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Ator Coadjuvante (Ian Holm) e Figurino.
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator Coadjuvante (Nigel Havers), Roteiro, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Trilha Musical e Som.

Laranja Mecânica (A Clockwork Orange/1971), de Stanley Kubrick

Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Laranja Mecânica (A Clockwork Orange/ 1971). Dir: Stanley Kubrick. Com Malcolm McDowell e Patrick Magee.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Direção, Roteiro, Fotografia, Montagem, Direção de Arte e Trilha Musical.

Coronel Blimp - Vida e Morte, de Michael Powell e Emeric Pressburger

Coronel Blimp – Vida e Morte, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Coronel Blimp – Vida e Morte (The Life and Death of Colonel Blimp/ 1947). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Roger Livesey, Anton Walbrook e Deborah Kerr.

Mar Cruel (The Cruel Sea/ 1953), de Charles Frend

Mar Cruel, de Charles Frend (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Mar Cruel (The Cruel Sea/ 1953). Dir: Charles Frend. Com Jack Hawkins, Donald Sinden e Virginia McKenna.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico e Ator Britânico (Jack Hawkins)

Labaredas de Fogo

Labaredas de Fogo, de Michael Anderson (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Labaredas do Inferno (The Dam Busters/ 1955). Dir: Michael Anderson. Com Richard Todd e Michael Redgrave.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico e Roteiro Britânico

Inverno de Sangue em Veneza, de Nicolas Roeg

Inverno de Sangue em Veneza, de Nicolas Roeg (photo by Moviestore Collection/ Rex Features)

Inverno de Sangue em Veneza (Don’t Look Now/ 1973). Dir: Nicolas Roeg. Com Julie Christie e Donald Sutherland.
BaftaVencedor do BAFTA de Fotografia
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção, Ator (Donald Sutherland), Atriz (Julie Christie), Montagem e Trilha Musical

007 Contra o Satânico Dr. No, de Terence Young

007 Contra o Satânico Dr. No, de Terence Young (photo by Everett Collection/ Rex Features)

007 Contra o Satânico Dr. No (Dr. No/ 1962). Dir: Terence Young. Com Sean Connery e Ursula Andress.

O Vampiro da Noite, de

O Vampiro da Noite, de Terence Fisher (photo by Everett Collection/ Rex Features)

O Vampiro da Noite (Dracula/ 1958). Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee e Peter Cushing.

Quatro Casamentos e um Funeral, de Mike Newell (photo by

Quatro Casamentos e um Funeral, de Mike Newell (photo by Polygram)

Quatro Casamentos e um Funeral (Four Weddings and a Funeral/ 1994). Dir: Mike Newell. Com Hugh Grant e Andie MacDowell.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Direção, Ator (Hugh Grant) e Atriz Coadjuvante (Kristin Scott Thomas)
Indicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Simon Callow), Ator Coadjuvante (John Hannah), Atriz Coadjuvante (Charlotte Coleman), Roteiro Original, Montagem, Trilha Musical e Figurino

Ou Tudo ou Nada, de Peter Cattaneo (photo by

Ou Tudo ou Nada, de Peter Cattaneo (photo by Channel Four Films)

Ou Tudo ou Nada (The Full Monty/ 1997). Dir: Peter Cattaneo. Com Robert Carlyle, Mark Addy e Tom Wilkinson.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Ator (Robert Carlyle) e Ator Coadjuvante (Tom Wilkinson)
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator Coadjuvante (MArk Addy), Atriz Coadjuvante (Lesley Sharp), Roteiro Original, Montagem, Trilha Musical e Som

Gandhi, de Richard Attenborough (photo by

Gandhi, de Richard Attenborough (photo by Columbia Pictures)

Gandhi (1982). Dir: Richard Attenborough. Com Ben Kingsley, John Gielgud e Candice Bergen.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Direção, Ator (Ben Kingsley), Atriz Coadjuvante (Rohini Hattangadi) e Revelação (Ben Kingsley)
Indicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Edward Fox), Ator Coadjuvante (Roshan Seth), Atriz Coadjuvante (Candice Bergen), Fotografia, Roteiro, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical, Som e Maquiagem

Carter - O Vingador, de

Carter – O Vingador, de Mike Hodges (photo by SNAP/ Rex Features)

Carter – O Vingador (Get Carter/ 1971). Dir: Mike Hodges. Com Michael Caine.
BaftaIndicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Ian Hendry)

Gladiador, de Ridley Scott (photo by

Gladiador, de Ridley Scott (photo by Dreamworks)

Gladiador (Gladiator/ 2000). Dir: Ridley Scott. Com Russell Crowe, Joaquin Phoenix, Oliver Reed e Djimon Hounsou.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Fotografia, Montagem e Direção de Arte
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator (Russell Crowe), Ator Coadjuvante (Joaquin Phoenix), Ator Coadjuvante (Oliver Reed), Roteiro Original, Trilha Musical, Figurino, Som, Efeitos Visuais e Maquiagem

Grandes Esperanças, de David Lean (photo by

Grandes Esperanças, de David Lean (photo by ITV/ Rex Features)

Grandes Esperanças (Great Expectations/ 1946). Dir: David Lean. Com John Mills, Jean Simmons e Martita Hunt.

A Paixão de Gregory, de

A Paixão de Gregory, de Bill Forsyth (photo by SGoldwyn)

A Paixão de Gregory (Gregory’s Girl/ 1981). Dir: Bill Forsyth. Com John Gordon Sinclair e Dee Hepburn.
BaftaVencedor do BAFTA de Roteiro
Indicado ao BAFTA de Filme e Direção

Henrique V, de Laurence Olivier (photo by

Henrique V, de Laurence Olivier (photo by ITV/ Rex Features)

Henrique V (Henry V/ 1944). Dir: Laurence Olivier. Com Laurence Olivier.

'I Know Where I'm Going

‘I Know Where I’m Going!’, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by ITV/ Rex Features)

‘I Know Where I’m Going!’ (1945). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Wendy Hiller e Roger Livesey.

Se..., de Lindsay

Se…, de Lindsay Anderson (photo by http://www.cineol.net)

Se… (If…/ 1968). Dir: Lindsay Anderson. Com Malcolm McDowell.
BaftaIndicado ao BAFTA de Direção e Roteiro

Ipcress

Ipcress: Arquivo Confidencial, de Sidney J. Furie (photo by ITV/ Rex Features)

Ipcress: Arquivo Confidencial (The Ipcress File/ 1965). Dir: Sidney J Furie. Com Michael Caine.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico, Fotografia Britânica e Direção de Arte Britânica
Indicado ao BAFTA de Ator Britânico (Michael Caine) e Roteiro Britânico

Kes, de Ken Loach (photo by

Kes, de Ken Loach (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Kes (1969). Dir: Ken Loach. Com David Bradley e Colin Welland.
BaftaVencedor do BAFTA de Ator Coadjuvante (Colin Welland) e Revelação (David Bradley)
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção e Roteiro

As Oito Vítimas, de

As Oito Vítimas, de Robert Hamer (photo by http://www.cinemotions.com)

As Oito Vítimas (Kind Hearts and Coronets/ 1949). Dir: Robert Hamer. Com Alec Guinness como os oito membros da família D’Ascoyne.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

O Discurso do Rei, de Tom Hooper (photo by

O Discurso do Rei, de Tom Hooper (photo by The Weinstein Company)

O Discurso do Rei (The King’s Speech/ 2010). Dir: Tom Hooper. Com Colin Firth, Geoffrey Rush e Helena Bonham Carter.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator (Colin Firth), Ator Coadjuvante (Geoffrey Rush), Atriz Coadjuvante (Helena Bonham Carter), Roteiro Original e Trilha Musical
Indicado ao BAFTA de Direção, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Som e Maquiagem

Quinteto da Morte, de

Quinteto da Morte, de Alexander Mackendrick (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Quinteto da Morte (The Ladykillers/ 1955). Dir: Alexander Mackendrick. Com Alec Guinness, Peter Sellers e Herbert Lom.
BaftaVencedor do BAFTA de Atriz Britânica (Katie Johnson) e Roteiro Britânico
Indicado ao BAFTA de Filme e Filme Britânico

A Dama Oculta, de Alfred Hitchcock (photo by

A Dama Oculta, de Alfred Hitchcock (photo by Moviestore Collection/ Rex Features)

A Dama Oculta (The Lady Vanishes/ 1938). Dir: Alfred Hitchcock. Com Margaret Lockwood, Michael Redgrave e Dame May Whitty.

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by www.britannica.com)

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by http://www.britannica.com)

Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia/ 1962). Dir: David Lean. Com Peter O’Toole, Alec Guinness, Anthony Quinn e Omar Sharif.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator Britânico (Peter O’Toole) e Roteiro Britânico
Indicado ao BAFTA de Ator Estrangeiro (Anthony Quinn)

Momento Inesquecível, de

Momento Inesquecível, de Bill Forsyth (photo by Moviestore/ Rex Features)

Momento Inesquecível (Local Hero/ 1983). Dir: Bill Forsyth. Com Peter Riegert, Burt Lancaster e Chris Rozycki.
BaftaVencedor do BAFTA de Direção
Indicado ao BAFTA de Film, Ator Coadjuvante (Burt Lancaster), Roteiro Original, Fotografia, Montagem e Trilha Musical

Caçada

Caçada na Noite, de John Mackenzie (photo by http://www.outnow.ch)

Caçada na Noite (The Long Good Friday/ 1980). Dir: John Mackenzie. Com Bob Hoskins e Helen Mirren.
BaftaIndicado ao BAFTA de Ator (Bob Hoskins)

Neste Mundo e no Outro, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by www.guardian.co.uk)

Neste Mundo e no Outro, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by http://www.guardian.co.uk)

Neste Mundo e no Outro (A Matter of Life and Death/ 1946). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com David Niven e Kim Hunter.

A Vida de Brian, de Terry Jones (photo by www.moviepilot.de)

A Vida de Brian, de Terry Jones (photo by http://www.moviepilot.de)

A Vida de Brian (Life of Brian/ 1979). Dir: Terry Jones. Com Graham Chapman, John Cleese, Michael Palin, Eric Idle, Terry Gilliam e Terry Jones.

Naked, de Mike Leigh (photo by www.criterion.com)

Naked, de Mike Leigh (photo by http://www.criterion.com)

Naked (1993). Dir: Mike Leigh. Com David Thewlis, Katrin Cartlidge, Greg Cruttwell e Lesley Sharp.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

Quando o Coração Bate Mais Forte, de (photo by www.flickeringmyth.com)

Quando o Coração Bate Mais Forte, de Lionel Jeffries (photo by http://www.flickeringmyth.com)

Quando o Coração Bate Mais Forte (The Railway Children/ 1970). Dir: Lionel Jeffries. Com Dinah Sheridan, Bernard Cribbins, Gary Warren, Sally Thomsett e Jenny Agutter.
BaftaIndicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Bernard Cribbins), Revelação (Sally Thomsett) e Trilha Musical

Sapatinhos Vermelhos, de Michael Powell e Emeric Pressburger

Sapatinhos Vermelhos, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by Granada International/ Rex Features)

Sapatinhos Vermelhos (The Red Shoes/ 1948). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Anton Walbrook, Marius Goring e Moira Shearer.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

Vestígios do Dia, de James Ivory

Vestígios do Dia, de James Ivory (photo by SNAP/ Rex features)

Vestígios do Dia (The Remains of the Day/ 1993). Dir: James Ivory. Com Anthony Hopkins e Emma Thompson.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Direção, Ator (Anthony Hopkins), Atriz (Emma Thompson), Roteiro Adaptado e Fotografia

Tudo Começou num Sábado, de

Tudo Começou num Sábado, de Karel Reisz (photo by Moviestore/ Rex Features)

Tudo Começou num Sábado (Saturday Night And Sunday Morning/ 1960). Dir: Karel Reisz. Com Albert Finney e Shirley Anne Field.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico, Atriz Britânica (Rachel Roberts) e Revelação (Albert Finney)
Indicado ao BAFTA de Filme, Ator Britânico (Albert Finney) e Roteiro Britânico

Segredos e Mentiras, de Mike Leigh (photo by www.screenfanatic.com)

Segredos e Mentiras, de Mike Leigh (photo by http://www.screenfanatic.com)

Segredos e Mentiras (Secrets & Lies/ 1996). Dir: Mike Leigh. Com Timothy Spall e Brenda Blethyn.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico, Atriz (Brenda Blethyn) e Roteiro Original
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção, Ator (Timothy Spall), Atriz Coadjuvante (Marianne Jean-Baptiste)

Razão e Sensibilidade, de Ang Lee (photo by

Razão e Sensibilidade, de Ang Lee (photo by Columbia Pictures/ Everett/ Rex Features)

Razão e Sensibilidade (Sense and Sensibility/ 1995). Dir: Ang Lee. Com Emma Thompson, Kate Winslet, James Fleet e Greg Wise.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Atriz (Emma Thompson) e Atriz Coadjuvante (Kate Winslet)
Indicado ao BAFTA de Direção (Ang Lee), Ator Coadjuvante (Alan Rickman), Atriz Coadjuvante (Elizabeth Spriggs), Roteiro Adaptado, Fotografia, Direção de Arte, Figurino e Trilha Musical

O Criado, de

O Criado, de Joseph Losey (photo by Studio Canal Films/ Rex Features)

O Criado (The Servant/ 1963). Dir: Joseph Losey. Com Dirk Bogarde, Sarah Miles e James Fox.
BaftaVencedor do BAFTA de Ator Britânico (Dick Bogarde), Fotografia Britânica (PB) e Revelação (James Fox)
Indicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico, Atriz Britânica (Sarah Miles), Revelação (Wendy Craig), Roteiro Britânico

Shakespeare Apaixonado, de John Madden

Shakespeare Apaixonado, de John Madden (nansaawebs.blogspot.com)

Shakespeare Apaixonado (Shakespeare in Love/ 1998). Dir: John Madden. Com Gwyneth Paltrow, Joseph Fiennes, Geoffrey Rush e Judi Dench.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Atriz Coadjuvante (Judi Dench) e Montagem
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator (Joseph Fiennes), Atriz (Gwyneth Paltrow), Ator Coadjuvante (Geoffrey Rush), Ator Coadjuvante (Tom Wilkinson), Roteiro Original, Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical, Som e Maquiagem

007 - Operação Skyfall, de Sam Mendes (photo by www.beyondhollywood.com)

007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes (photo by http://www.beyondhollywood.com)

007 – Operação Skyfall (Skyfall/ 2012). Dir: Sam Mendes. Com Daniel Craig, Javier Bardem, Judi Dench, Ralph Fiennes e Albert Finney.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico e Trilha Musical Original
Indicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Javier Bardem), Atriz Coadjuvante (Judi Dench), Fotografia, Montagem, Direção de Arte e Som

O Terceiro Homem, de Carol Reed

O Terceiro Homem, de Carol Reed (photo by Rex Features)

O Terceiro Homem (The Third Man/ 1949). Dir: Carol Reed. Com Orson Welles e Joseph Cotten.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico
Indicado ao BAFTA de Filme

Os 39 Degraus, de Alfred Hitchcock (photo by

Os 39 Degraus, de Alfred Hitchcock (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Os 39 Degraus (The 39 Steps/ 1935). Dir: Alfred Hitchcock. Com Robert Donat e Madeleine Carroll.

O Pranto de um Ídolo, de

O Pranto de um Ídolo, de Lindsay Anderson (photo by ITV/ Rex Features)

O Pranto de um Ídolo (This Sporting Life/ 1963). Dir: Lindsay Anderson. Com Richard Harris, Rachel Roberts e Colin Blakely.
BaftaVencedor do BAFTA de Atriz Britânica (Rachel Roberts)
Indicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator Britânico (Richard Harris) e Roteiro Britânico

Trainspotting - Sem Limites, de Danny Boyle (photo by www.outnow.ch)

Trainspotting – Sem Limites, de Danny Boyle (photo by http://www.outnow.ch)

Trainspotting – Sem Limites (Trainspotting/ 1996). Dir: Danny Boyle. Com Robert Carlyle, Kelly Macdonald, Jonny Lee Miller, Ewen Bremner e Ewan McGregor.
BaftaVencedor do BAFTA de Roteiro Adaptado
Indicado ao BAFTA de Filme Britânico

Whisky Galore!, de

Whisky Galore!, de Alexander Mackendrick

Whisky Galore! (1949). Dir: Alexander Mackendrick. Com Basil Radford, Joan Greenwood e Catherine Lacey.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

Zulu, de

Zulu, de Cy Endfield (photo by Allstar/ Cinetext/ Paramount)

Zulu (1964). Dir: Cy Endfield. Com Stanley Baker, Jack Hawkins e Michael Caine.
BaftaIndicado ao BAFTA de Direção de Arte Britânica

Um breve balanço do Oscar 2013

Atores oscarizados: Daniel Day-Lewis, Jennifer Lawrence, Anne Hathaway e Christoph Waltz

Atores oscarizados: Daniel Day-Lewis, Jennifer Lawrence, Anne Hathaway e Christoph Waltz

Passado o Oscar, vale a pena dar uma olhada nos vencedores da principais categorias e fazer algumas projeções. No geral, a premiação desse ano foi bastante democrática, tanto que o filme com mais Oscars foi a produção As Aventuras de Pi, tanto que sequer levou Melhor Filme. Provavelmente se Ben Affleck tivesse sido indicado como Diretor, Argo seria também o recordista da noite com 4 Oscars. O grande perdedor da noite acabou sendo o drama histórico Lincoln que, apesar de ter levado dois prêmios (Ator e Direção de Arte), perdeu em outras 10 categorias.

Excetuando Anne Hathaway, havia ressalvas para as vitórias de todos os outros três atores premiados. Daniel Day-Lewis seria o primeiro ator a receber 3 Oscars de Melhor Ator? Jennifer Lawrence não seria jovem demais para bater a veterana Emmanuelle Riva? Christoph Waltz ganharia seu segundo Oscar no intervalo de três anos?

Já nas categorias de Roteiro, o iniciante Chris Terrio bateu veteranos ao explorar um fato verídico em que Hollywood salvou vidas no Irã, enquanto Tarantino recebe seu segundo Oscar mesmo após controvérsias politicamente corretas. O que muda depois do Oscar? A temida maldição do Oscar pode voltar a atacar?

FUTURO DOS ATORES

Daniel Day-Lewis em seus três auges no Oscar: 1990, 2008 e 2013 (photo by nydailynews.com)

Daniel Day-Lewis em seus três auges no Oscar: 1990 (Meu Pé Esquerdo), 2013 (Lincoln)e 2008 (Sangue Negro) (photo by nydailynews.com)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

O que dizer do primeiro a ganhar três vezes o Oscar de Melhor Ator? O britânico Daniel Day-Lewis quebrou um recorde que atores consagrados como Sean Penn, Jack Nicholson e Tom Hanks vêm tentando há décadas. O que Day-Lewis tem que os outros não têm? Há duas grandes diferenças: 1. Escolha do projeto. Infelizmente, nem todo ator tem o privilégio de escolher apenas bons papéis em filmes menores, afinal, precisam do cachê para pagar as contas. Grandes atores já sucumbiram ao poder do dinheiro. Quem não se lembra de Marlon Brando naquele horrível A Ilha do Dr. Moreau (1996), ou mesmo aquele fato marcante do maior cachê da época por sua atuação de 10 minutos em Superman – O Filme (1978)? E como explicar Michael Caine em Tubarão 4 – A Vingança (1987)? Na filmografia de Daniel Day-Lewis, temos apenas 19 participações em filmes, um número pequeno para uma carreira que começou no início dos anos 80, mas não há uma bomba sequer a ser explorada pelos tablóides. Alguns até criticam esse exagero de seriedade na escolha de seus papéis, porque gostariam de vê-lo numa comédia ou num filme de terror, já outros buscam apenas algum defeito na figura imponente do ator.

2. Preparação e Método. Esse processo bastante exaustivo ganhou tanta fama nos bastidores que virou até piada para Seth MacFarlane no último Oscar. “E se você (ao interpretar Lincoln) visse um celular? Surtaria?”. Por isso que Daniel Day-Lewis se obriga a escolher bem seus projetos seguintes, pois ele exige demais de si mesmo numa extensa pesquisa sobre os costumes da época em que se passa o filme. Além disso, o ator reúne toda a informação para poder realmente vivenciar a experiência durante a filmagem. Dizem que enquanto filmava Gangues de Nova York, ele raramente saía do personagem Bill The Butcher e falava com sotaque nova-iorquino o dia todo, além de afiar as facas do personagem durante o almoço. Já em Lincoln, cientes dessa fama, todos no set o chamavam de “Mr. President”, inclusive o diretor Steven Spielberg, que pela primeira vez abdicou do tradicional boné para trajar terno do século XIX no set para manter o clima. Aliás, seu esforço valeu a pena. O 3º Oscar de Day-Lewis foi o primeiro de um ator sob a direção de Spielberg.

Independente dos meios, Daniel Day-Lewis consegue criar performances notáveis. Essa quebra de recorde da Academia não veio por acaso. Claro que o número de Oscars conquistados não necessariamente significa que ele é o melhor ator de todos os tempos, afinal existem profissionais renomados que nunca ganharam como Richard Burton, Cary Grant e Montogomery Clift, ou os que venceram uma vez como o grande Laurence Olivier.

Daniel Day-Lewis não tem nenhum projeto engatilhado. Ele deve repousar para abandonar a personagem, mas não deve ser fácil depois dessa declaração: “I never, ever felt that depth of love for another human being that I never met. And that’s, I think, probably the effect that Lincoln has on most people that take the time to discover him… I wish he had stayed [with me] forever. (Eu nunca na vida senti tamanha profundidade de amor por outro ser humano que nunca conheci. E isso, acredito que provavelmente seja o efeito que Lincoln causava na maioria das pessoas que levaram tempo para descobri-lo… Gostaria que ele continuasse [comigo] para sempre”.

Jean Dujardin ajuda Jennifer Lawrence com o vestido que lhe causou um tombo na escada para o palco do Oscar (photo by justjared.com)

Jean Dujardin ajuda Jennifer Lawrence com o vestido que lhe causou um tombo na escada para o palco do Oscar (photo by justjared.com)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

A pergunta que vem logo em seguida é: “Não seria cedo demais um Oscar para Jennifer Lawrence?” Não tanto pela idade (22 anos), afinal existem atores que começaram na infância, mas pela inexperiência. Seu primeiro papel num filme, Garden Party, foi lançado em 2008, quando ela tinha 18; são 4 anos de cinema e 1 Oscar. Nada mal.

Alguns cinéfilos também manifestaram protesto referente à sua vitória nas redes sociais, alegando que a francesa Emmanuelle Riva (86 anos) não deve ter outra chance de vencer o Oscar, enquanto Lawrence ainda teria muitas décadas a frente para conseguir o prêmio. Se analisarmos sob esse aspecto, realmente

Como muitos sabem, alguns atores mirins e jovens demais tomaram caminhos errados depois do sucesso invadir suas vidas (como nos infelizes casos de Macaulay Culkin e Edward Furlong). Felizmente, Lawrence parece ter o mesmo código genético de Jodie Foster, com quem trabalhou em Um Novo Despertar (2011), tornando-a uma jovem atriz prodígio focada em seus objetivos.

Sua grande sacada até o momento tem sido alternar projetos grandes como Jogos Vorazes com filmes independentes como Inverno da Alma e este O Lado Bom da Vida, criando uma diversidade de papéis num equilíbrio perfeito entre trabalho e diversão. Outro ator que abusa desse equilíbrio é o alemão Michael Fassbender, que fez o profundo Shame e o blockbuster Prometheus, mas atuando com a devida seriedade.

Se a atriz mantiver essa boa frequência, deve crescer bastante nos próximos anos. Jennifer Lawrence tem Serena, Jogos Vorazes: Em Chamas e um projeto sem título com o diretor David O. Russell a serem lançados este ano. Para 2014, ela já assinou contrato para reviver a mutante Mística na sequência X-Men: Dias de um Futuro Esquecido.

Christoph Waltz com seu segundo Oscar sob direção de Quentin Tarantino (photo by zimbio.com)

Christoph Waltz com seu segundo Oscar sob direção de Quentin Tarantino (photo by zimbio.com)

Christoph Waltz (Django Livre)

Esta descoberta austríaca feita por Quentin Tarantino recebeu seu segundo Oscar de coadjuvante e se junta aos atores Dianne Wiest e Jack Nicholson, que receberam dois Oscars sob o comando do mesmo diretor: Woody Allen e James L. Brooks, respectivamente. Particularmente, não acreditava que ele venceria por seu papel apresentar semelhanças com o Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios (o personagem Dr. Schultz seria a versão do bem), e principalmente por ter ganhado o mesmo Oscar de coadjuvante no curtíssimo período de 3 anos. Contudo, fico feliz que Waltz tenha vencido. Era a melhor atuação entre os concorrentes.

Seu personagem Dr. King Schultz, que anda numa carroça com um dente atado a uma mola, tem os diálogos mais bem humorados que, com a desenvoltura do ator, cresce absurdamente na tela. Waltz atua com uma naturalidade que impressiona e suas falas parecem cantadas como uma música. Infelizmente, a Academia não indicou Samuel L. Jackson pelo mesmo filme, porque poderia haver uma disputa mais acirrada ainda.

Depois que trabalhou com Tarantino pela primeira vez, Christoph topou participar de três filmes de cachê alto: Besouro Verde, Os Três Mosqueteiros e Água Para Elefantes, todos lançados em 2011, mas também estava em Deus da Carnificina sob a direção do brilhante Roman Polanski, que gerou um interessante embate entre atores como Jodie Foster e Kate Winslet. Como tarefa de casa para os próximos anos, ele deverá provar ao mundo que consegue atuações do mesmo nível ao colaborar com outros profissionais além de Quentin Tarantino, que escreve papéis sob medida para o ator.

Christoph Waltz empresta sua voz para a animação Epic, de Chris Wedge, e seu talento no drama The Zero Theorem, de Terry Gilliam para 2013. E preparem-se que Waltz interpretará o político russo Mikhail Gorbachev, contracenando com Michael Douglas como Ronald Reagan em Reykjavik, provável lançamento para 2014.

Anne Hathaway ostenta seu Oscar (photo by movies.yahoo.com)

Anne Hathaway ostenta seu Oscar (photo by movies.yahoo.com)

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

Num ano considerado fraco entre as atrizes coadjuvantes, a vitória de Anne Hathaway já estava prevista logo no começo de janeiro, quando ganhou o Globo de Ouro. A receita pode ser resumida em: a) Emagrecer mais de 10 quilos para o papel; b) Ter seu cabelo cortado em cena; c) Monólogo cantado dramaticamente em close-ups. Sua breve atuação como Fantine no musical Os Miseráveis poderia ter durado mais, pois oferece um respiro ao público que se cansa de cantorias que soam banais nos 160 minutos do filme.

Hathaway, que passou a chamar atenção através do filme da Disney, O Diário de uma Princesa (2001), teve uma virada na carreira a partir de 2005. Apesar de ter atuado num papel menor no drama O Segredo de Brokeback Mountain, ela conseguiu provar que tinha potencial a ser explorado, e logo no ano seguinte, ela estrelou o sucesso mundial O Diabo Veste Prada. Claro que ficou meio de canto por causa do brilho de Meryl Streep como a chefe Miranda Priestly, mas já deixava de ser uma aspirante a estrela de Hollywood. Seu talento foi finalmente reconhecido pela Academia em 2009, quando fora indicada pelo drama O Casamento de Rachel. O diretor Jonathan Demme conseguiu forte comprometimento da atriz, que pesquisou clínicas de reabilitação pra viver sua personagem Kym.

Para interpretar Fantine, Anne bateu inúmeras candidatas como Amy Adams, Jessica Biel, Kate Winslet e Marion Cotillard, ajudada pelo protagonista Hugh Jackman com quem cantou no monólogo do Oscar 2009 a sátira ao filme Frost/Nixon. O burburinho de uma possível premiação no Oscar começou quando espalharam a notícia de que logo em seu primeiro teste, ela já havia deixado todos aos prantos ao cantar “I Dreamed a Dream”. À princípio, ela não tem o perfil de quem será vítima da maldição do Oscar, contanto que saiba escolher bem seus próximos projetos.

Anne Hathaway atualmente está dublando novamente a voz de sua personagem Jewel na sequência da animação Rio 2 (2014), mas terá um filme lançado este ano: a comédia Don Jon’s Addiction, dirigida pelo ator Joseph Gordon-Levitt.

O ÚNICO DIRETOR ASIÁTICO AGORA COM 2 OSCARS  E UM SANDUÍCHE

Já tentou comer um lanche com uma mão? Ang Lee consegue essa proeza sem se desgrudar do seu Oscar (photo by inquisitr.com)

Já tentou comer um lanche com uma mão? Ang Lee consegue essa proeza sem se desgrudar do seu Oscar (photo by inquisitr.com)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Apesar de ter uma boa filmografia de Taiwan como Banquete de Casamento (1993), Ang Lee passou a trabalhar nos EUA a partir da adaptação de Jane Austen, Razão e Sensibilidade (1995), com o qual venceu o Globo de Ouro de Melhor Filme – Drama, o Urso de Ouro em Berlim e o National Board of Review. Com isso, dirigiu mais duas produções americanas: Tempestade de Gelo (1997) e Cavalgada com o Diabo (1999), mas preferiu voltar à sua terra natal para filmar O Tigre e o Dragão (2000), que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar de direção e ainda levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. Resultado: foi convidado a dirigir a adaptação da HQ do personagem verde da Marvel Comics.

Como Hulk (2003) foi considerado um fracasso principalmente pelo roteiro, Ang Lee pensou em se aposentar por acreditar que não tinha mais nada a acrescentar como artista. Ledo engano. Dois anos depois, quem diria que ele reencontraria o bom cinema numa história de homossexualismo no cenário americano de O Segredo de Brokeback Mountain? Primeiro Oscar de direção para um asiático. Mas desta vez, ele não caiu na mesma armadilha e logo retornou a Taiwan, onde filmou o drama de espionagem Desejo e Perigo, que venceu o Leão de Ouro em Veneza.

Quando o projeto de adaptar o romance Life of Pi, de Yann Martel foi considerado “infilmável” pelas recusas dos diretores M. Night Shyamalan, Jean-Pierre Jeunet e Alfonso Cuarón, o nome de Ang Lee surgiu por se tratar de um diretor que gosta de desafios. Trabalhando diretamente com efeitos de computação gráfica, as filmagens de As Aventuras de Pi se passaram muito em estúdios com green screen. O filme prima pelo aspecto técnico, que envolve desde os efeitos até a fotografia de Claudio Miranda, rendendo muitos elogios da crítica e finalizando com 11 indicações ao Oscar.

Com o deslize da Academia em ignorar Ben Affleck e Kathryn Bigelow na categoria de direção, Ang Lee acabou sendo o grande beneficiado, batendo o favoritismo de Steven Spielberg. O diretor que tem em seu currículo: 2 Globos de Ouro, 2 Ursos de Ouro (Festival de Berlim), 2 Leões de Ouro (Festival de Veneza) e agora, 2 Oscars. Fica faltando apenas a Palma de Ouro de Cannes entre os principais prêmios do cinema internacional.

Por enquanto, Ang Lee não está anexado a nenhum projeto, mas eu sugeriria um filme de terror ou filme de prisão que ainda faltam em sua carreira eclética.

ARGO FUCK YOURSELF!

Os produtores galãs de Argo (da esquerda para a direita): George Clooney (finjam que não conheçam), Ben Affeck e Grant Heslov (photo thefilmspy.tumblr.com)

Os produtores galãs de Argo (da esquerda para a direita): George Clooney (finjam que não conheçam), Ben Affeck e Grant Heslov (photo thefilmspy.tumblr.com)

George Clooney, Ben Affleck e Grant Heslov (Argo)

Depois de ser esnobado na categoria de direção, eu tinha certeza de que a Academia o compensaria com o prêmio de Melhor Filme, justamente por Ben Affleck também ter crédito como produtor ao lado de George Clooney e Grant Heslov. Nesse Oscar 2013, o nome mais comentado foi o de Ben Affleck. Como ignorar o diretor do filme mais premiado do ano? Ele também havia vencido o DGA (Directors Guild of America), que é o melhor parâmetro para o Oscar, com apenas sete divergências de vencedores. Mas já era tarde: Ben Affleck ficou de fora da disputa de direção, que ficou com Ang Lee.

Além de premiar o diretor de outra maneira, a Academia também reconhece a reviravolta vitoriosa dele. De roteirista premiado com o Oscar por Gênio Indomável em 1998 para ator-protagonista de filmes pouco expressivos nos anos seguintes até a consagração como diretor a partir do bom drama Medo da Verdade (2007). Apesar de ter desapontado como intérprete, Affleck estava aprendendo o ofício com diretores renomados como John Frankenheimer, Gus Van Sant e Kevin Smith. Recentemente, ele continuou sua aprendizado ao atuar sob o comando do veterano Terrence Malick em To the Wonder, que deve ser lançado este ano depois de passar em Veneza. Também atua no drama Runner, Runner, mas até o momento, sem projetos como diretor.

Quanto à dupla George Clooney e Grant Heslov, que começou a parceria de sucesso em 2005 com Boa Noite e Boa Sorte, está se especializando em projetos de cunho político. Em 2011, produziram Tudo Pelo Poder, sobre os bastidores de uma campanha política para presidente dos EUA, e agora com Argo, sobre o resgate de diplomatas políticos no Irã. George Clooney ainda atua este ano na ficção científica Gravidade e em seu drama sob sua direção, The Monuments Men. Ambos também produzem August: Osage County, que conta com Meryl Streep, Julia Roberts, Chris Cooper, Abigail Breslin e Benedict Cumberbatch.

INICIANTES E VETERANOS

Chris Terrio (Argo)

A vida de roteiristas já é mais complicada. Às vezes, um roteiro pode demorar mais de três anos por causa de pesquisas. O iniciante Chris Terrio acertou em cheio na escolha do projeto Argo, baseado num artigo da revista Wired. Ele pode não ter a mesma sorte no próximo roteiro, mas já demonstrou que pode transformar boas histórias em idéias que funcionam no universo mais visual do cinema. Numa das brigas mais acirradas da noite, Chris Terrio saiu vitorioso entre David O. Russell (O Lado Bom da Vida) e o dramaturgo Tony Kushner (Lincoln).

Chris Terrio segurando seu bebê (photo by theurbandaily.com)

Chris Terrio segurando seu bebê (photo by theurbandaily.com)

Quentin Tarantino (Django Livre)

Conhecido por seus personagens incomuns e diálogos brilhantes, Quentin Tarantino sai fortalecido com seu segundo Oscar por Django Livre, superando ainda uma controvérsia boba originada pelo diretor Spike Lee, que criticou o uso do termo “nigger” (crioulo). O cinema americano deve muito à criatividade de Tarantino, especialmente na reciclagem que faz do mundo da cultura pop. Django Livre poderia ser um ótimo final para a segunda fase de sua carreira, que começou com os dois volumes de Kill Bill, passando por À Prova de Morte (2007) e Bastardos Inglórios (2009), que exalta o intenso elemento da vingança. Mas talvez ele retorne desnecessariamente ao universo da Noiva (Beatrix Kiddo) em Kill Bill: Vol. 3. Não sei se trata de uma pressão do produtor ou do estúdio, mas acredito que não haja nada a acrescentar à história de vingança contra Bill. Mas como já queimei a língua ao ter o mesmo argumento quando retomaram Toy Story 3 onze anos depois de Toy Story 2, podemos esperar tudo de Tarantino…

Quentin Tarantino com seu segundo Oscar. O primeiro foi em 1995 por Pulp Fiction - Tempo de Violência (photo by womanandhome.com)

Quentin Tarantino com seu segundo Oscar. O primeiro foi em 1995 por Pulp Fiction – Tempo de Violência (photo by womanandhome.com)

MALDIÇÃO DUPLA

Adele (007 – Operação Skyfall)

Tenho uma teoria de que compôr a canção-tema de um filme da série de James Bond não é um bom negócio. Afinal, todos os cantores e bandas que contribuíram para os filmes acabaram no limbo, exceto os já consagrados Paul McCartney e Madonna.

Veja alguns exemplos de artistas que decaíram depois de 007: Carly Simon, Sheena Easton, Duran Duran, A-Ha, Tina Turner, Sheryl Crow, Garbage, Chris Cornell e apesar de ainda ser um pouco cedo pra declarar o limbo: Alicia Keys e Jack White, responsáveis pelo penúltimo filme 007 – Quantum of Solace.

Do outro lado, existe sempre a temerosa maldição do Oscar. Existem alguns vencedores que nunca mais fizeram nada de relevante, provavelmente por acreditarem que atingiram o ápice com o prêmio da Academia. Ainda na categoria de Canção Original, temos alguns nomes mais recentes que não vingaram mais depois do Oscar: Jorge Drexler, Annie Lennox, Eminem e Phil Collins.

Como a cantora Adele venceu finalmente o primeiro Oscar por uma canção de James Bond, a questão que fica é: uma maldição anularia a outra? Espero que resulte numa mistura positiva.

Adele foi a primeira a vencer um Oscar com uma canção-tema de James Bond (photo by gloss.abril.com.br)

Adele foi a primeira a vencer um Oscar com uma canção-tema de James Bond (photo by gloss.abril.com.br)

Apostas para o Oscar 2013

Pôster oficial do Oscar 2013 no tradicional preto e dourado (art by oscars.org)

Pôster oficial do Oscar 2013 no tradicional preto e dourado (art by oscars.org)

O Oscar 2013 pode entrar para a História. Como todos sabem, o mais importante prêmio da indústria cinematográfica tem sido cada vez mais tachado de previsível. Criado no final dos anos 20, o Oscar foi o primeiro a reconhecer talentos da Sétima Arte, criando uma competição saudável como pretexto para atrair mais público e novos artistas. No entanto, novos prêmios foram criados na década de 40 como o Globo de Ouro, concedido pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, e o BAFTA, outorgado pela Academia Britânica de Filmes e TV, acabando com o reinado supremo do Oscar.

Cientes da importância da estatueta da Academia, os prêmios criados posteriormente foram praticamente obrigados a divulgarem seus resultados antes, pois corriam sério risco de ficarem obsoletos. No cenário atual, como existem incontáveis prêmios e todos se apertam no calendário entre os meses de janeiro e fevereiro, quando chega a vez do Oscar, os vencedores já se tornaram previsíveis. Esse panorama claramente prejudicava o interesse do público em relação ao Oscar, fazendo com que os organizadores da Academia resolvessem adotar uma nova estratégia a partir deste ano.

Primeiramente, adeus aos votos impressos em papel. Além de ser ecologicamente melhor aceito e eliminar custos de envio, a votação por meio da internet possibilitaria adiantar a cerimônia do Oscar para mais cedo. Seguindo essa estratégia, conseguiram adiantar em três dias o anúncio dos indicações em relação à entrega dos Globos de Ouro, que era visto como parâmetro na escolha dos indicados. Se formos pensar em surpresa como objetivo, pode-se afirmar que o plano da Academia funcionou, pois além do vencedor do Globo de Ouro de direção Ben Affleck sequer ter sido indicado, apenas 14 dos 20 atores nomeados do SAG Awards (Screen Actors Guild) e apenas 2 dos 5 indicados ao DGA Awards (Directors Guild) passaram para a lista final do Oscar, contrariando as médias de 18 e 4 respectivamente.

Está vendo esses felizes funcionários? Estão todos no olho da rua (photo by npr.org)

Está vendo esses felizes funcionários? Estão todos no olho da rua (photo by npr.org)

Por outro lado, a ausência de alguns nomes consagrados de 2012 causaram enorme estardalhaço na mídia e entre cinéfilos revoltados ao redor do mundo. No topo, o fato de Ben Affleck ter ficado de fora da competição de diretores foi considerado um erro gritante. Alguns especialistas tentaram justificar sua exclusão por considerarem Affleck ainda muito imaturo para o cargo (Argo é seu terceiro filme na direção), já outros mais radicais acreditam que a ala conservadora da Academia estaria aplicando um castigo por erros passados como ator, especialmente em 2003 pelos fracassos de Demolidor – O Homem Sem Medo e Conduta de Risco. Por mais que a primeira dedução seja a mais plausível, o que dizer então da indicação do estreante Benh Zeitlin, de Indomável Sonhadora? Incoerência?

Ben Affleck dirigindo cena de Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Ben Affleck dirigindo cena de Argo (photo by BeyondHollywood.com)

A categoria de direção foi o grande alvo de controvérsias. Havia três diretores praticamente garantidos na corrida: Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura), Tom Hooper (Os Miseráveis) e Affleck por terem sido indicados ao DGA (Directors Guild of America, o melhor parâmetro do Oscar, com apenas seis divergências de vencedor desde 1949), mas foram ignorados e substituídos por nomes menos comentados e premiados: David O. Russell (O Lado Bom da Vida), Michael Haneke (Amor) e Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora). Assim como Ben Affleck, seu filme Argo também conquistou inúmeros prêmios da temporada, inclusive o PGA (Producers Guild of America), mas com a exclusão de seu diretor, as chances de vitória como Melhor Filme reduziram drasticamente, uma vez que a última produção a vencer o Oscar sem ter seu diretor indicado foi há 23 anos, quando Conduzindo Miss Daisy ganhou.

Nesse cenário polêmico, estariam os organizadores da Academia satisfeitos ou completamente arrependidos? Se realmente buscavam agitar os resultados e se desprenderem dos demais prêmios, a estratégia funcionou tão bem que pode se repetir nos anos seguintes, especialmente se esse burburinho refletir na audiência da cerimônia na TV, no dia 24 de fevereiro.

Particularmente, acredito que parte dos votantes da Academia vão tentar compensar essa mancada e eleger Argo como Melhor Filme, ainda mais que Ben Affleck receberia seu Oscar, mas como produtor do longa ao lado de George Clooney e Grant Heslov. Mas para isso acontecer, o filme precisa ganhar pelo menos mais dois prêmios, pois o último Melhor Filme com dois Oscars foi O Maior Espetáculo da Terra, de 1952. Montagem e Roteiro Adaptado são as melhores possibilidades para Argo.

Depois de se encantar com a história do rei britânico gago de O Discurso do Rei e de um ator fadado ao fracasso da era muda de Hollywood em O Artista, o Oscar volta a centrar suas atenções às sagas políticas americanas. Liderando com 12 indicações, o drama histórico sobre o presidente que aboliu a escravidão de Lincoln, junta-se ao resgate dos diplomatas americanos no Irã em 1980 de Argo e a busca por vingança pelos ataques terroristas do 11 de setembro de A Hora Mais Escura. Tematicamente, temos ligeira vantagem para Argo por mostrar Hollywood salvando vidas.

A Hora Mais Escura retrata a incansável caça ao líder terrorista Bin Laden (photo by BeyondHollywood.com)

A Hora Mais Escura retrata a incansável caça ao líder terrorista Bin Laden (photo by BeyondHollywood.com)

Além do aspecto da votação eletrônica inédita e da mudança de calendário, este Oscar 2013 apresenta dois novos recordes curiosamente na mesma categoria: Melhor Atriz. Enquanto a francesa Emmanuelle Riva (Amor) se torna a mais velha indicada aos 85 anos, a americana estreante Quvenzhané Wallis (Indomável Sonhadora) se torna a mais jovem aos 9.

Vale ressaltar a força do lobby da distribuidora Weinstein Company. Seu fundador, Harvey Weinstein, que já liderou a Miramax, foi responsável por vitórias recentes do Oscar de Melhor Filme: Chicago (2002), Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), O Discurso do Rei (2010) e O Artista (2011), sem contar com o escandaloso ano em que Shakespeare Apaixonado bateu o favorito O Resgate do Soldado Ryan, e Roberto Benigni levou Melhor Ator por A Vida é Bela.

O produtor Thomas Langmann beija Harvey Weinstein por ter feito impecável lobby na vitória de O Artista no Oscar: Filme, Diretor, Ator, Trilha Musical Original e Figurino (photo by Getty Images in http://blogs.forward.com/the-shmooze/152519/weinstein-awarded-french-legion-of-honor/)

O produtor Thomas Langmann beija Harvey Weinstein por ter feito impecável lobby na vitória de O Artista no Oscar: Filme, Diretor, Ator, Trilha Musical Original e Figurino (photo by Getty Images in http://blogs.forward.com/)

Este ano, a Weinstein Company soma 17 indicações através de O Lado Bom da Vida, Django Livre, O Mestre e o norueguês Expedição Kon-Tiki. Seu lobby funcionou tão bem para a comédia O Lado Bom da Vida, que catapultou a produção como uma das favoritas ao lado de Argo e Lincoln, podendo surpreender nas categorias de direção e ator coadjuvante.

Em relação à cerimônia em si, esta será a primeira vez de Seth MacFarlane como host. Criador da série animada Uma Família da Pesada e American Dad!, ele enfrentará um grande desafio na carreira de qualquer comediante: apresentar um evento ao vivo transmitido para vários países. Sua escolha foi considerada uma surpresa, pois não tem experiência nesse tipo de programa (talvez sua maior tenha sido o Saturday Night Live pela rede de TV americana) e sua marca registrada, a boca suja, não teria lugar no comedido Oscar. Apesar de torcer por MacFarlane, existe a forte possibilidade de frustrar seu público fiel por motivos de censura e, ao mesmo tempo, não ter o tipo de humor que a platéia da cerimônia espera. Vale lembrar que o comediante pode subir ao palco também para receber o Oscar de Melhor Canção Original por “Everybody Needs a Best Friend” de Ted, interpretada por Norah Jones.

Seth MacFarlane em foto promocional do Oscar 2013. Ele também concorre em Melhor Canção Original (photo by filmequals.com)

Seth MacFarlane em foto promocional do Oscar 2013. Ele também concorre em Melhor Canção Original (photo by filmequals.com)

Apesar de favoritismos e zebras, as apostas para o Oscar costumam criar momentos imprevisíveis, mas que vençam os melhores!

MELHOR FILME

Indicados:

– Amor (Amour)
– Argo (Argo)
– As Aventuras de Pi (Life of Pi)
– Django Livre (Django Unchained)
– A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)
– Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)
– O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)
– Lincoln (Lincoln)
– Os Miseráveis (Les Misérables)

DEVE GANHAR: Argo
DEVERIA GANHAR: A Hora Mais Escura
ZEBRA: Amor

INJUSTIÇADOS: O Mestre e Moonrise Kingdom

Argo, de Ben Affleck

Argo, de Ben Affleck

Amor

5 indicações: Filme, Diretor, Atriz (Emmanuelle Riva), Roteiro Original e Filme Estrangeiro

Amor, de Michael Haneke

Amor, de Michael Haneke

Desde que venceu a Palma de Ouro em Cannes, Amor, uma co-produção entre França, Alemanha e Áustria, foi conquistando toda uma legião de críticos internacionais e acabou surpreendendo ao receber cinco indicações ao Oscar, inclusive para Filme e Diretor. O filme acompanha o casal de professores de música octagenários, cujos laços são postos à prova quando a mulher sofre um derrame. Trata-se de um belo porém doloroso retrato do amor no fim da vida. A veterana Emmanuelle Riva recebeu sua primeira indicação, tornando-se a atriz mais velha a concorrer aos 85 anos, porém a melhor aposta seria como Melhor Filme Estrangeiro por também disputar como Melhor Filme.

Argo

7 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Alan Arkin), Roteiro Adaptado, Montagem, Trilha Musical Original, Som e Efeitos Sonoros

Argo, de Ben Affleck

Argo, de Ben Affleck

O terceiro longa dirigido pelo ator Ben Affleck se beneficiou da escolha de uma ótima história verídica. Quando seis diplomatas americanos ficam presos no Irã em plena revolução, um agente da CIA bola um plano que envolve a criação de um filme hollywoodiano falso para resgatá-los como uma equipe de filmagem. A grande credibilidade do trabalho de direção de Ben Affleck é a passagem imperceptível de gêneros. Começamos com um filme político, passando por uma comédia satírica, terminando com um thriller. Argo recebeu todos os prêmios possíveis da indústria cinematográfica: Globo de Ouro, SAG (Screen Actors Guild), PGA (Producers Guild), DGA (Directors Guild) e o BAFTA. Contudo, a Academia resolveu deixar Affleck de lado na categoria de direção, o que comprometeria suas chances como Melhor Filme, afinal, a última produção premiada sem ter seu diretor sequer indicado foi Conduzindo Miss Daisy em 1990.

As Aventuras de Pi

11 indicações: Filme, Diretor, Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Trilha Musical Original, Canção Original, Som, Efeitos Visuais e Efeitos Sonoros

As Aventuras de Pi, de Ang Lee

As Aventuras de Pi, de Ang Lee

A adaptação do livro de Yann Martel era considerada “infilmável” por muitos realizadores, mas felizmente, o diretor Ang Lee adora um bom desafio. As Aventuras de Pi narra a história de um rapaz indiano que perde toda sua família num naufrágio e se vê obrigado a dividir o bote salva-vidas com um tigre de bengala chamado Richard Parker. Visualmente, Ang Lee entrega um filme muito bonito, que se apoia em efeitos de computação gráfica imperceptíveis. E procura se aprofundar em questões filosóficas aproveitando-se de que o protagonista segue três religiões: hinduísta, católica e muçulmana. Contudo, o filme suaviza a importância da religião em relação à obra original de Martel, provavelmente, visando uma censura bem mais light: PG (a partir de 10 anos). Embora não tenha estatísticas de favorito, o filme conseguiu 11 indicações, ficando atrás apenas de Lincoln. A produção deve faturar alguns prêmios técnicos como Efeitos Visuais.

Django Livre

5 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Christoph Waltz), Roteiro Original, Fotografia e Efeitos Sonoros

Django Livre, de Quentin Tarantino

Django Livre, de Quentin Tarantino

Ao lado de A Hora Mais Escura, Django Livre é um dos filmes mais comentados pelas polêmicas. O cineasta Spike Lee, muito conhecido por realizar filmes com tema ético e étnico, criticou diretamente Quentin Tarantino por usar o “termo racista” nigger (crioulo), o que estaria desrespeitando seus antepassados de escravos provindos do continente africano. O mais inacreditável dessa crítica é que Spike Lee nem se deu ao trabalho de ver Django Livre! Como fazer um filme sobre esse período sem utilizar o “termo racista” utilizado pelos senhores para se referirem a seus escravos? A sociedade americana atual, mergulhada no sistema politicamente correto, ignora o fato de que cinema de ficção não precisa se apoiar em valores éticos e na veracidade dos fatos históricos. Se nem alguns documentários ficam presos a essa meta, por que deveriam as ficções? Além disso, Django Livre repete o mesmo feito de Bastardos Inglórios, ao dar uma chance às vítimas do passado se vingarem de seus carrascos. Porém, quando se tratam de judeus castigando os nazistas, aí não tem problema nenhum. Falta de critério também pesa nessa polêmica. Infelizmente, Quentin Tarantino também não foi indicado como Melhor Diretor, mas tem boas chances como Melhor Roteiro Original.

A Hora Mais Escura

5 indicações: Filme, Roteiro Original, Montagem, Som e Efeitos Sonoros

A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow

A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow

O novo filme de Kathryn Bigelow sobre a caça a Bin Laden começou bem a temporada de premiações, vencendo o National Board of Review e o New York Film Critics Circle, mas então começou a controvérsia da tortura. Um membro da Academia chamado David Clennon alegou em carta aberta que não votaria no filme porque faz apologia à tortura, em seguida, foi a vez dos senadores John McCain e Dianne Feinstein apoiarem a mesma causa. Com receio de que esses boatos pudessem acarretar em desentendimentos e processos, Bigelow e o roteirista Mark Boal contestaram pela mídia, sustentando que a tortura fez parte da busca e que não poderia ser ignorada no filme. O documentarista Michael Moore defendeu o filme ao dizer que causa justamente o efeito contrário: “faz você odiar a tortura”. Toda essa controvérsia talvez tenha explicação: o acesso exclusivo e “supostamente proibido” aos arquivos da operação da CIA da caça a Bin Laden revoltou o partido Republicano, que também acreditava em conspiração devido a estréia do filme coincidir com as eleições americanas em novembro, servindo como propaganda dos adversários Democratas. Por causa dessa briga, o lançamento teve de ser adiado para dezembro. Definitivamente, A Hora Mais Escura não é para o público comum, porque cuida de verdades que não são fáceis de digerir, especialmente para americanos republicanos e patriotas. Obviamente, a tortura aplicada por autoridades americanas foi varrida para debaixo do tapete, afinal qual governo se orgulharia disso? E como a Academia costuma fugir de polêmicas (lembrando aqui o apelativo Crash – No Limite batendo o franco-favorito O Segredo de Brokeback Mountain sobre cowboys homossexuais), A Hora Mais Escura deve permanecer no escuro.

Indomável Sonhadora

4 indicações: Filme, Diretor, Atriz (Quvenzhané Wallis) e Roteiro Adaptado

Indomável Sonhadora, de Benh Zeitlin

Indomável Sonhadora, de Benh Zeitlin

Que trajetória fenomenal de Indomável Sonhadora! Um filme com baixíssimo orçamento, mesmo para uma produção independente, conquista o prêmio máximo do Festival de Sundance e o Camera d’Or (reconhecimento técnico de Cannes) e termina com quatro indicações ao Oscar. Para criar o universo de seu filme, o jovem diretor Benh Zeitlin tomou a cidade de New Orleans como cenário depois que o furacão Katrina devastou o local. A pequena Quvenzhané Wallis, descoberta entre mais de quatro mil candidatas, dá vida à protagonista Hushpuppy como uma força da natureza. Coerente com a humildade do projeto, escalaram Dwight Henry para interpretar seu pai Wink. Ele fora descoberto por ser dono de uma padaria próxima às locações, entretanto, como não tinha nenhuma ambição em atuar, só aceitou depois que o diretor se comprometeu a realizar os ensaios nos horários de madrugada enquanto fazia os pães. Indomável Sonhadora explora a imaginação fértil de uma criança para encarar a dura realidade e a ausência da mãe. Embora seja muito nova, Wallis pode ser uma grande surpresa se os votos se dividirem na categoria.

O Lado Bom da Vida

8 indicações: Filme, Diretor, Ator (Bradley Cooper), Atriz (Jennifer Lawrence), Ator Coadjuvante (Robert De Niro), Atriz Coadjuvante (Jacki Weaver), Roteiro Adaptado e Montagem.

O Lado Bom da Vida, de David O. Russell

O Lado Bom da Vida, de David O. Russell

Após o sucesso de crítica de O Vencedor (2010), David O. Russell decidiu adaptar o livro homônimo de Matthew Quick na tentativa de mostrar a seu filho, que sofre de transtorno bipolar como o protagonista Pat, que a doença não o torna menos humano. Muito semelhante à estrutura de uma comédia romântica, a história chega a ser igualmente previsível, mas a direção leve de Russell guia tão bem seus atores que a trama quase fica irrelevante. Para isso, começou usando outro de seus dons: escalar bem seu elenco. Apostou em Bradley Cooper para viver o personagem bipolar, Jennifer Lawrence para a viúva Tiffany, e resgatou Robert De Niro de sua zona de conforto. Com o poder do lobby da distribuidora Weinstein Company, o filme pode surpreender bastante, minando as chances de Lincoln e Argo. Vencedora do SAG, Jennifer Lawrence é a franco-favorita por sua versatilidade aos 22 anos.

Lincoln

12 indicações: Filme, Diretor, Ator (Daniel Day-Lewis), Ator Coadjuvante (Tommy Lee Jones), Atriz Coadjuvante (Sally Field), Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical Original e Som

Lincoln, de Steven Spielberg

Lincoln, de Steven Spielberg

Lincoln é uma aula de História americana, mas lecionada por um professor com pouca didática. Apesar de bem escrito, o roteiro de Tony Kushner presume que seu público conheça o histórico de todos os personagens e a importância de cada um na votação da 13ª emenda contra a escravidão. Spielberg também peca por levar o assunto de forma extremamente séria (apenas o personagem de Tommy Lee Jones consegue extrair um pouco de humor) e limitar o filme tecnicamente a planos e contra-planos infindáveis de diálogos. O trabalho de direção de Spielberg ficou pesado, faltando equilíbrio para relatar esse importante momento da História e, por isso, seu terceiro Oscar talvez fique para uma próxima oportunidade. Para quem gosta e conhece a filmografia do diretor, sofre sério risco de desapontamento. Provavelmente, a melhor e única chance esteja nas mãos do ator Daniel Day-Lewis que, como sempre, impressiona por viver a figura imponente do político Abraham Lincoln. Se ganhar, será o terceiro Oscar do ator e a primeira atuação oscarizada sob direção de Spielberg.

Os Miseráveis

8 indicações: Filme, Ator (Hugh Jackman), Atriz Coadjuvante (Anne Hathaway), Direção de Arte, Figurino, Maquiagem, Canção Original e Som

Os Miseráveis, de Tom Hooper

Os Miseráveis, de Tom Hooper

O romance de Victor Hugo é um clássico da Literatura. E as adaptações musicais vem conquistando o público desde os anos 80. Mas apesar de todo esse sucesso, essa adaptação ficou muito aquém do esperado. Só o fato do filme ser um musical não significa que todo e qualquer diálogo deva ser musicado. O tão importante elemento da música deveria elevar a cena, mas acaba se tornando num mero artifício banal utilizado à exaustão. Muito popular nos anos 50 e 60, o gênero musical ficou ultrapassado nas décadas seguintes, contudo, com a coragem de alguns cineastas como Baz Luhrmann, Lars von Trier e Rob Marshall, voltou a encantar platéias no início dos anos 2000. Felizmente, o filme de Tom Hooper tem Victor Hugo e as canções clássicas por trás, caso contrário, poderia ser um fracasso gritante. Do elenco, Hugh Jackman (Jean Valjean), Samantha Barks (Eponine), Daniel Huttlestone (Gavroche) e claro, Anne Hathaway (Fantine) se destacam através de suas cordas vocais. Hathaway cantou “I Dreamed a Dream” com o coração na mão e deve levar seu primeiro Oscar.

MELHOR DIRETOR

Indicados:

– Michael Haneke (Amor)
– Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)
– Ang Lee (As Aventuras de Pi)
– Steven Spielberg (Lincoln)
– David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

DEVE GANHAR: David O. Russell (O Lado Bom da Vida)
DEVERIA GANHAR: Ang Lee (As Aventuras de Pi)
ZEBRA: Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

INJUSTIÇADOS: Ben Affleck (Argo) e Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura)

David O. Russell (centro) dirige a cena na lanchonete (photo by indiewire.com)

David O. Russell (centro) dirige a cena de O Lado Bom da Vida na lanchonete (photo by indiewire.com)

Este ano, a categoria de Direção foi a mais discutida desde que foram anunciadas as indicações. Dois dos diretores mais premiados da temporada sequer figuraram na lista: Ben Affleck (Argo) e Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura). Ambos foram indicados pelo Directors Guild of America (Affleck ganhou), mas foram substituídos por Michael Haneke (Amor) e Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora).

Com suas exclusões dos favoritos, tudo indica que há uma espécie de complô para o terceiro Oscar para Spielberg. No papel, o retorno à glória do diretor soa muito bem, especialmente por se tratar de um filme sobre um dos presidentes mais queridos dos EUA, mas para quem viu Lincoln, sabe que não se trata de um dos seus melhores trabalhos. Temos uma série de discursos, reuniões e audiências em fóruns, mas sem o brilho de um Sidney Lumet de 12 Homens e uma Sentença, tanto que Spielberg sequer foi indicado ao BAFTA, prêmio da Academia Britânica. E como ele já tem dois Oscars na carreira (por A Lista de Schindler e O Resgate do Soldado Ryan), David O. Russell passa a ganhar força na campanha em sua segunda indicação.

Em O Lado Bom da Vida, ele consegue extrair boa atuação de Bradley Cooper, acredita na jovem Jennifer Lawrence para viver uma viúva, resgata um pouco do talento esquecido de Robert De Niro e explora o pouco tempo de tela de Jacki Weaver, tornando-se o primeiro filme depois de Reds (1981), de Warren Beatty, a ter seus atores indicados em todas as categorias de atuação. Seu filme anterior, O Vencedor, rendeu dois Oscars para Christian Bale e Melissa Leo, ambos coadjuvantes.

Com as ausências de Affleck e Bigelow, alguns especialistas não descartam um improvável triunfo do taiwanês Ang Lee. Primeiro diretor asiático a vencer o Oscar de direção por O Segredo de Brokeback Mountain, Lee também tem em seu currículo laureado um Urso de Ouro, dois Leões de Ouro, dois DGAs e dois Globos de Ouro. Tem como uma das grandes qualidades a versatilidade de temas: culinária, história em quadrinhos, kung fu, espionagem, western, Woodstock, famílias suburbanas entre outros. Seu grande mérito aqui é concretizar um projeto difícil que foi recusado por M. Night Shyamalan, Alfonso Cuarón e Jean-Pierre Jeunet, criando um visual arrebatador.

MELHOR ATOR

Indicados:

– Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)
– Daniel Day-Lewis (Lincoln)
– Hugh Jackman (Os Miseráveis)
– Joaquin Phoenix (O Mestre)
– Denzel Washington (O Vôo)

DEVE GANHAR: Daniel Day-Lewis (Lincoln)
DEVERIA GANHAR: Joaquin Phoenix (O Mestre)
ZEBRA: Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

INJUSTIÇADOS: John Hawkes (As Sessões) e Denis Lavant (Holy Motors)

Daniel Day-Lewis em Lincoln (photo by theartsdesk.com)

Daniel Day-Lewis em Lincoln (photo by theartsdesk.com)

95% da população cinéfila deve votar em Daniel Day-Lewis, afinal, é um dos melhores atores de sua geração e venceu o SAG por incorporar o presidente Abraham Lincoln num momento crucial da História americana. Seus métodos de interpretação são tão profundos e rigorosos que ele permanece no personagem entre um take e outro. No set de Lincoln, era chamado de “Mr. President”. Quais as chances de ele não ganhar?

Bem, se Day-Lewis confirmar seu favoritismo, este será seu terceiro Oscar de Melhor Ator (principal). E NENHUM ator conseguiu tamanha proeza. Só para citar profissionais mais recentes: Tom Hanks, Jack Nicholson e Sean Penn têm dois. E para a Academia quebrar um novo recorde, seria necessário um milagre.

O único que pode realmente derrubar o favoritismo de Daniel Day-Lewis é Joaquin Phoenix. Sim, o mesmo ator que anunciara aposentadoria em 2008 para se tornar um rapper! Felizmente, mudou de idéia e construiu esse ótimo personagem veterano de guerra, alcóolatra e de comportamento explosivo de O Mestre. Sua performance impressiona pelo esforço físico e uma sensação de completa desordem, fazendo com que seja o oposto necessário para contrabalancear a serenidade do líder da Cientologia, vivido por Philip Seymour Hoffman. Sua vitória seria uma grata surpresa, ainda mais porque Phoenix teve um momento de rebeldia à la Marlon Brando e George C. Scott ao dizer para a mídia: “O Oscar é uma besteira. Nunca mais quero passar por aquela experiência de novo”. A tática já funcionou antes: tanto Brando como Scott ganharam o Oscar sem marcarem presença na cerimônia.

Apesar da competição estar acirrada, John Hawkes poderia ser um dos indicados. Ele interpreta um homem com seus dias contados e que busca perder sua virgindade com uma terapeuta do sexo (Helen Hunt) em As Sessões. Praticamente se valendo apenas das expressões faciais, ele consegue demonstrar extrema fragilidade física, inclusive pela voz mais quebradiça. Infelizmente, os votantes da ala conservadora da Academia não apoiaram o sexo casual que o filme levanta, assim como a cota de atores franceses ser superior a um (Emmanuelle Riva), pois Denis Lavant merecia reconhecimento pelo ótimo Holy Motors. No filme de Leos Carax, que esteve presente em Cannes, ele interpreta nada menos que onze personagens diferentes em situações que beiram o absurdo, mas com muita propriedade e criatividade.

MELHOR ATRIZ

Indicadas:

– Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)
– Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)
– Emmanuelle Riva (Amor)
– Quvenzhané Wallis (Indomável Sonhadora)
– Naomi Watts (O Impossível)

DEVE GANHAR: Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)
DEVERIA GANHAR: Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)
ZEBRA: Naomi Watts (O Impossível)

INJUSTIÇADA: Marion Cottilard (Ferrugem e Osso)

Jennifer Lawrence em O Lado Bom da Vida (photo by CineMagia.ro)

Jennifer Lawrence em O Lado Bom da Vida (photo by CineMagia.ro)

Nesta categoria, temos duas atrizes americanas em extrema ascensão. Jennifer Lawrence ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz – Musical ou Comédia e o SAG Award, enquanto Jessica Chastain levou o Globo de Ouro de Melhor Atriz – Drama. Ambas estão em sua segunda indicação ao Oscar e têm grandes chances de vitória. Porém Lawrence tem ligeira vantagem por seu papel em O Lado Bom da Vida ser bem cativante. Tiffany, a personagem que ela defende, tem forte personalidade e ganha ares excêntricos por seu passado recente com medicamentos de depressão por causa da morte do marido. Provavelmente, a maioria dos diretores não conseguiriam enxergar a jovem atriz como uma viúva, mas ela convence com bastante naturalidade. Além disso, Jennifer Lawrence estrela a nova franquia de sucesso Jogos Vorazes, tornando-se uma figura muito querida pela indústria e fãs da série.

Justamente o oposto, Jessica Chastain interpreta uma personagem cujas emoções precisam ser escondidas por ser uma agente de operações da CIA em A Hora Mais Escura. Sua personagem Maya sente-se predestinada a encontrar Bin Laden nos mais de 10 anos de busca incansável, o que lhe traz muito sofrimento ao testemunhar sessões de tortura e muita solidão por excesso de trabalho. Esse papel poderia ser facilmente masculinizado, mas Chastain consegue dar um toque de feminilidade sem perder a compostura da agente.

Com tamanha competitividade, os votos podem se dividir, permitindo que uma terceira candidata chegue atropelando. Esta poderia ser a atriz mais velha a ser indicada, a veterana francesa Emmanuelle Riva (Amor), seguida de perto pela mais jovem, a pequena Quvenzhané Wallis (Indomável Sonhadora). Recentemente, Riva ganhou o prêmio BAFTA, enquanto Wallis recebeu incontáveis prêmios de Revelação, podendo ser o único Oscar do filme independente.

Com a presença de Emmanuelle Riva na categoria, a conterrânea Marion Cottilard perdeu espaço. Sua performance dramática em Ferrugem e Osso vinha sendo bem recebida desde Cannes, mas preferiram a fraca atuação de Naomi Watts em O Impossível.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Indicados:

– Alan Arkin (Argo)
– Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)
– Philip Seymour Hoffman (O Mestre)
– Tommy Lee Jones (Lincoln)
– Christoph Waltz (Django Livre)

DEVE GANHAR: Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)
DEVERIA GANHAR: Christoph Waltz (Django Livre)
ZEBRA: Alan Arkin (Argo)

INJUSTIÇADO: Samuel L. Jackson (Django Livre)

Robert De Niro em O Lado Bom da Vida (photo by CineMagia.ro)

Robert De Niro (centro) em O Lado Bom da Vida (photo by CineMagia.ro)

Fato número 1: Todos os cinco indicados desta categoria já ganharam o Oscar anteriormente. Nesse sentido, o ator que mais leva desvantagem é o austríaco Christoph Waltz (Django Livre), pois vencera há três anos por Bastardos Inglórios. E, discordem ou não, apesar de sua performance ser excelente, lembra o jeito culto e a excelente dicção do Coronel Hans Landa. Waltz levou o Globo de Ouro em janeiro, mas foi Tommy Lee Jones quem levou o SAG por Lincoln. Seu personagem serve como ótimo alívio cômico para os 160 minutos de pura politicagem burocrática do filme de Steven Spielberg.

Contudo, como Hollywood adora resgatar grandes nomes do passado e Robert De Niro não recebe uma indicação há 20 anos, ele pode se tornar a grande surpresa da noite. Em O Lado Bom da Vida, ele interpreta Pat Sr., que é viciado em jogos, prende-se demais às superstições e se arrepende por ter deixado seu filho mais novo de lado. Existe uma cena, que deve passar como clipe de sua atuação, em que seu personagem chora umas lágrimas de forma tímida. E isso deve bastar para a Academia lhe conceder seu terceiro Oscar (coadjuvante por O Poderoso Chefão – Parte II em 1975, e ator por Touro Indomável em 1981) a fim de incentivá-lo a buscar projetos mais ambiciosos como ator. Por muito tempo, De Niro ficou preso e limitado a caricaturas de si mesmo como na trilogia Entrando Numa Fria. Vale lembrar que a categoria costuma render prêmios para atores consagrados como James Coburn, Michael Caine e Christopher Plummer.

Se não vivêssemos em tempos tão politicamente corretos, Samuel L. Jackson estaria indicado por Django Livre e com as melhores chances de ganhar, mas seu personagem é um negro extremamente racista com os demais negros na era escravista dos EUA. Talvez seja sua melhor interpretação da carreira, mas as questões “éticas” atrapalharam sua campanha para o Oscar.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Indicadas:

– Amy Adams (O Mestre)
– Sally Field (Lincoln)
– Anne Hathaway (Os Miseráveis)
– Helen Hunt (As Sessões)
– Jacki Weaver (O Lado Bom da Vida)

DEVE GANHAR: Anne Hathaway (Os Miseráveis)
DEVERIA GANHAR: Anne Hathaway (Os Miseráveis)
ZEBRA: Helen Hunt (As Sessões)

INJUSTIÇADA: Ann Dowd (Compliance)

Anne Hathaway em Os Miseráveis (photo by BeyondHollywood.com)

Anne Hathaway em Os Miseráveis (photo by BeyondHollywood.com)

Logo depois que as indicações foram anunciadas, parecia que o duelo final seria entre Anne Hathaway e Sally Field. Mas Hathaway se tornou uma unanimidade na temporada: vencedora do Globo de Ouro, SAG e BAFTA. Mesmo com pouco tempo de tela, sua performance como Fantine praticamente se resume à cena em que canta aos prantos “I Dreamed a Dream”, conseguindo comover o público.

Além de demonstrar talento através de suas cordas vocais, Anne Hathaway perdeu mais de dez quilos para o papel. Sem contar que cortaram seu cabelo em cena, pois sua personagem vende seu cabelo. Tamanho esforço para um papel menor que valorizou bastante sua participação deve lhe render uma estatueta do Oscar. Outro fator curioso que colabora para sua vitória é que sua mãe interpretou a mesma Fantine no musical da Broadway.

E o retorno de Helen Hunt pode ser interpretado como uma segunda chance na carreira. Depois de ganhar como Melhor Atriz em 1998 por Melhor é Impossível, nunca mais escolheu projetos que pudessem mantê-la em destaque. Em As Sessões, ela interpreta uma terapeuta do sexo e aparece nua, coragem que pode já ter sido recompensada pela indicação, mas que pode ter maquiado a real intenção da Academia de desfazer outra maldição do Oscar.

Uma reclamação muito pertinente neste Oscar é a falta de atores mais desconhecidos. Tradicionalmente, a Academia “planta” um candidato que não esteve presente nas listas das demais premiações como a própria Jacki Weaver em 2011. Este ano, essa vaga poderia ter sido preenchida por Ann Dowd por sua ótima performance no independente Compliance, no qual faz uma gerente de fast-food que se vê obrigada a interrogar uma de suas funcionárias devido a uma denúncia anônima.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Indicados:

– Michael Haneke (Amor)
– Quentin Tarantino (Django Livre)
– John Gatlins (O Vôo)
– Wes Anderson, Roman Coppola (Moonrise Kingdom)
– Mark Boal (A Hora Mais Escura)

DEVE GANHAR: Quentin Tarantino (Django Livre)
DEVERIA GANHAR: Mark Boal (A Hora Mais Escura)
ZEBRA: Wes Anderson e Roman Coppola (Moonrise Kingdom)

INJUSTIÇADO: Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro)

Quentin Tarantino no set de Django Livre (photo by filmstage.com)

Quentin Tarantino no set de Django Livre (photo by filmstage.com)

Embora tenha sido alvo dos comentários de preconceito racial do diretor Spike Lee, o roteiro de Quentin Tarantino consegue extrair excelente humor negro (sem trocadilhos) da época escravista dos EUA como a sequência hilária da Ku Klux Klan. Como de costume, seus personagens possuem diálogos memoráveis e em situações inusitadas. Como tem poucas chances de levar Melhor Filme, Tarantino deve levar o Oscar de Roteiro Original, o segundo de sua carreira.

Trancado a sete chaves, o roteiro de A Hora Mais Escura sofreu alterações drásticas, pois o objetivo inicial era questionar o sumiço do líder terrorista Bin Laden, mas depois que ele foi encontrado e eliminado, o roteirista Mark Boal reescreveu praticamente outro filme com novos questionamentos. Valendo-se também de consulta dos arquivos secretos da CIA sobre a operação, o filme sofreu duras críticas de americanos politicamente corretos por expôr a tortura para conseguir pistas sobre o paradeiro de Bin Laden. Como a Academia evita esse tipo de polêmica mais dura e Mark Boal ganhou recentemente por Guerra ao Terror, suas chances caem um pouco.

Infelizmente, o romance Moonrise Kingdom ficou limitado a essa única categoria. Poderia ter sido reconhecido também em Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical, Montagem e Filme. Porém o filme tem grandes chances no Independent Spirit Awards, que premia filmes independentes. E embora o roteiro de Looper: Assassinos do Futuro tenha vencido o National Board of Review, o gênero de ficção científica que envolve viagens no tempo não costuma ser unanimidade nesta categoria.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Indicados:

– Chris Terrio (Argo)
– Benh Zeitlin, Lucy Alibar (Indomável Sonhadora)
– David Magee (As Aventuras de Pi)
– Tony Kushner (Lincoln)
– David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

DEVE GANHAR: Chris Terrio (Argo)
DEVERIA GANHAR: Chris Terrio (Argo)
ZEBRA: David Magee (As Aventuras de Pi)

INJUSTIÇADO: Stephen Chbosky (As Vantagens de ser Invisível)

Chris Terrio em lançamento de Argo (photo by zimbio.com)

Chris Terrio em lançamento de Argo (photo by zimbio.com)

Como a briga de Roteiro Adaptado inclui os principais concorrentes do Oscar, o vencedor daqui pode definir o Melhor Filme do ano. À princípio, o dramaturgo Tony Kushner levaria vantagem por concorrer pelo drama histórico Lincoln e ser um prestigioso vencedor do prêmio Pulitzer pela peça Angels in America que foi adaptada para a TV em 2003, afinal o Oscar premiaria um consagrado autor. Contudo, nessa reta final, um democrata americano expôs um erro histórico em seu roteiro. No filme, dois representantes de seu Estado, Connecticut, votam contra a abolição da escravidão em 1865, sendo que foram à favor da emenda. Apesar de Kushner admitir o erro e pedir desculpas publicamente, esse erro pode ter minado suas chances, ainda mais agora que o filme de Spielberg está em queda.

Assim, a vitória do estreante Chris Terrio pode ajudar Argo a ter mais sustentação como Melhor Filme (já que seu diretor sequer foi indicado), ao lado do prêmio de Montagem. Contudo, se Spielberg levar Melhor Diretor, David O. Russell deve levar o Oscar de consolação por O Lado Bom da Vida.

Muito elogiado pela crítica, o drama juvenil sobre um universitário acolhido por dois veteranos de As Vantagens de ser Invisível só ficou de fora porque a categoria estava sobrecarregada de fortes concorrentes.

MELHOR FOTOGRAFIA

Indicados:

– Seamus McGarvey (Anna Karenina)
– Robert Richardson (Django Livre)
– Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)
– Janusz Kaminski (Lincoln)
– Roger Deakins (007 – Operação Skyfall)

DEVE GANHAR: Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)
DEVERIA GANHAR: Roger Deakins (007 – Operação Skyfall)
ZEBRA: Seamus McGarvey (Anna Karenina)

INJUSTIÇADO: Mihai Malaimare Jr. (O Mestre)

Visual exuberante gerado pela fotografia de Claudio Miranda com CG (photo by cinemagia.ro)

Visual exuberante de As Aventuras de Pi gerado pela fotografia de Claudio Miranda com CG (photo by cinemagia.ro)

O diretor de fotgrafia Claudio Miranda, que concorre por As Aventuras de Pi (photo by arri.com)

O diretor de fotografia Claudio Miranda (photo by arri.com)

Apesar do chileno Claudio Miranda ser relativamente novo na indústria do cinema (passou a trabalhar com cinema desde 2005), sua fotografia ficou marcada pelo equilíbrio do bom uso de efeitos de computação gráfica em O Curioso Caso de Benjamin Button e Tron: O Legado. Em As Aventuras de Pi, essa característica de seu trabalho atinge seu ápice, pois cerca de 70% do filme é filmado em green screen (fundo verde a serem inseridos os efeitos em pós-produção). Casos mais recentes que continham muitos efeitos e que ganharam o Oscar, A Origem e Avatar, sustentam seu favoritismo.

A fotografia de Robert Richardson também imprime visual exuberante ao western Django Livre, porém como já tem três Oscars e o último ganhou no ano anterior por A Invenção de Hugo Cabret, suas chances reduzem bastante. Do outro lado, o inglês Roger Deakins já foi indicado 10 vezes e nunca ganhou. Seu trabalho em 007 – Operação Skyfall eleva o filme de ação a um nível artístico. A beleza das cenas do cassino de Shangai e da mansão da Escócia em chamas já valem o ingresso.

Incluiria a fotografia de Mihai Malaimare Jr. de O Mestre na competição. Utilizando-se de filme 65mm, ele consegue passar uma sensação de irreal pertinente ao mundo fora de controle de Freddie Quell, assim como as idéias surreais de Lancaster Dodd. Mihai tem sido o braço direito dos últimos filmes de Francis Ford Coppola como Tetro.

MELHOR MONTAGEM

Indicados:

– William Goldenberg (Argo)
– Tim Squyres (As Aventuras de Pi)
– Michael Khan (Lincoln)
– Jay Cassidy, Crispin Struthers (O Lado Bom da Vida)
– William Goldenberg, Dylan Tichenor (A Hora Mais Escura)

DEVE GANHAR: William Goldenberg (Argo)
DEVERIA GANHAR: William Goldenberg (Argo)
ZEBRA: Jay Cassidy, Crispin Struthers (O Lado Bom da Vida)

INJUSTIÇADO: Andrew Weisblum (Moonrise Kingdom)

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

William Goldenberg, recebendo seu BAFTA por Argo (photo by latinospost.com)

William Goldenberg, recebendo seu BAFTA por Argo (photo by latinospost.com)

Normalmente, o prêmio de montagem é concedido a filmes de ação como Bullitt, Rocky – Um Lutador e o recente O Ultimato Bourne por conseguirem criar tensão no uso eficiente de cortes. Em outros casos, a montagem premiada vem de histórias interligadas que criam um senso de unidade como em Traffic e Crash – No Limite. Em Argo, temos bons exemplos das duas situações, pois lida com vários personagens, costurando suas cenas e oferecendo tensão na parte final do longa. Além disso, William Goldenberg também concorre por A Hora Mais Escura, o que poderia ser interpretado como um prêmio para dois filmes.

Muito do humor ácido de Wes Anderson provém da montagem de Andrew Weisblum em Moonrise Kingdom. Seus cortes secos chegam em ótimo timing e ditam o tom desta fábula sobre duas crianças apaixonadas. Se fosse para optar por uma comédia, poderiam incluir esta montagem e deixar O Lado Bom da Vida de lado.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Indicados:

– Sarah Greenwood, Katie Spencer (Anna Karenina)
Dan Hennah, Ra Vincent, Simon Bright (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)
– Eve Stewart, Anna Lynch-Robinson (Os Miseráveis)
David Gropman, Anna Pinnock (As Aventuras de Pi)
Rick Carter, Jim Erickson (Lincoln)

DEVE GANHAR: Sarah Greenwood, Kate Spencer (Anna Karenina)
DEVERIA GANHAR: Sarah Greenwood, Kate Spencer (Anna Karenina)
ZEBRA: Dan Hennah, Ra Vincent, Simon Bright (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)

INJUSTIÇADO: Hugh Bateup, Uli Hanisch (A Viagem)

A direção de arte de Anna Karenina recria a Rússia do século XIX: precisão nas paredes e chão (photo by cinemagia.ro)

A direção de arte de Anna Karenina recria a Rússia do século XIX: precisão nas paredes e chão (photo by cinemagia.ro)

Sarah Greenwood no set de Anna Karenina (photo by btlnews.com)

Sarah Greenwood no set de Anna Karenina (photo by btlnews.com)

Nos últimos anos, o prêmio de Direção de Arte tem destoado do vencedor do Melhor Filme e costuma valorizar filmes de temática fantasiosa como Avatar e Alice no País das Maravilhas. Entretanto, como a direção de arte do representante de fantasia O Hobbit: Uma Jornada Inesperada praticamente recicla o design da trilogia de O Senhor dos Anéis, o Oscar pode recompensar o belo trabalho de recriação da Rússia do século XIX de Anna Karenina. Trata-se da quinta colaboração de Sarah Greenwood com o diretor Joe Wright, desde Orgulho & Preconceito (2005), e sua quarta indicação ao Oscar sem vitórias até o momento.

Negligenciado em excesso pela crítica americana, a ficção científica A Viagem que busca algum sentido para a vida acabou excluída de quase todas as premiações, contudo o design de produção chama a atenção por conseguir cobrir passado, presente e futuro com cenários convincentes e inovadores. Mesmo com chances quase nulas de vitória, já serviria como um sopro de criatividade nesta categoria de muitas recriações e reformulações.

MELHOR FIGURINO

Indicados:

Jacqueline Durran (Anna Karenina)
Paco Delgado (Os Miseráveis)
Joanna Johnston (Lincoln)
Eiko Ishioka (Espelho, Espelho Meu)
Colleen Atwood (Branca de Neve e o Caçador)

DEVE GANHAR: Jacqueline Durran (Anna Karenina)
DEVERIA GANHAR: Eiko Ishioka (Espelho, Espelho Meu)
ZEBRA: Joanna Johnston (Lincoln)

INJUSTIÇADO: Kym Barrett, Pierre-Yves Gayraud (A Viagem)

Um dos belos figurinos de Anna Karenina (photo by cinemagia.ro)

Um dos belos figurinos de Anna Karenina (photo by cinemagia.ro)

A figurinista Jacqueline Durran (à dir) ao lado da atriz Keira Knightley com figurino de Anna Karenina (photo by elle.com)

A figurinista Jacqueline Durran (à dir) ao lado da atriz Keira Knightley com figurino de Anna Karenina (photo by elle.com)

Muitas vezes, a categoria de figurino se tornou apenas uma contribuição no número de Oscars do Melhor Filme do ano, o que beneficiaria Joanna Johnston por Lincoln, mas como a competição está bem acirrada, a qualidade deve falar mais alto. Assim, Jacqueline Durran tem leve vantagem também por ter sido indicada em outras duas oportunidades por colaborações com o diretor Joe Wright em Orgulho & Preconceito e Desejo e Reparação, mas nunca ter levado.

Contudo, não será surpresa se Eiko Ishioka for anunciada vencedora, pois seus figurinos brilham muito mais do que os atores na adaptação dos Irmãos Grimm de Branca de Neve e os Sete Anões, o fraco Espelho, Espelho Meu, e este seria seu segundo e último Oscar, pois morreu em janeiro desse ano. Ela venceu em 1993 por Drácula de Bram Stoker.

Abrangendo figurinos de eras diferentes e criando roupas inovadoras futurísticas, o trabalho dos figurinistas Kym Barrett e Pierre-Yves Gayraud em A Viagem poderiam preencher a vaga do razoável figurino de Lincoln.

MELHOR MAQUIAGEM

Indicados:

Howard Berger, Peter Montagna, Martin Samuel (Hitchcock)
– Peter King, Rick Findlater, Tami Lane (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)
Lisa Westcott, Julie Dartnell (Os Miseráveis)

DEVE GANHAR: O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
DEVERIA GANHAR: O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
ZEBRA: Hitchcock

INJUSTIÇADO: Homens de Preto 3

Novos personagens do universo de J.R.R. Tolkien permitiram trabalho novo de maquiagem (photo by cinemagia.ro)

Novos personagens do universo de J.R.R. Tolkien permitiram trabalho novo de maquiagem (photo by cinemagia.ro)

Um dos milhares trabalhos de maquiagem de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (photo by digititles.com)

Um dos milhares trabalhos de maquiagem de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (photo by digititles.com)

Sem a presença do mestre Rick Baker, responsável por criações como Um Lobisomem Americano em Londres e O Grinch, a competição perde muito de seu prestígio. Com uma penca de anões para colocar barbas, bigodes e narigões, o trabalho de maquiagem de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada claramente é o melhor e mais trabalhoso dos três indicados. Talvez o pobre trabalho de maquiagem de Os Miseráveis ganhe para elevar o número de Oscars, mas não por méritos próprios.

Provavelmente por se tratar de uma sequência com poucas chances de vitória, o terceiro filme sobre os Homens de Preto acabou sendo ignorado pela comissão. Só a criação do vilão grotesco Boris the Animal já valeria uma indicação na categoria.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Indicados:

Dario Marianelli (Anna Karenina)
– Alexandre Desplat (Argo)
– Mychael Danna (As Aventuras de Pi)
John Williams (Lincoln)
Thomas Newman (007 – Operação Skyfall)

DEVE GANHAR: Mychael Danna (As Aventuras de Pi)
DEVERIA GANHAR: Mychael Danna (As Aventuras de Pi)
ZEBRA: Dario Marianelli (Anna Karenina)

INJUSTIÇADO: Jonny Greenwood (O Mestre)

Mychael Danna trabalhando na trilha de As Aventuras de Pi com o diretor Ang Lee (photo by deadline.com)

Mychael Danna trabalhando na trilha de As Aventuras de Pi com o diretor Ang Lee (photo by deadline.com)

Nos últimos anos, os vencedores desta categoria trabalharam com algum instrumento diferente ou inusitado. Por exemplo, o compositor A. R. Rahman utilizou a cítara indiana para criar a trilha romântica de Quem Quer Ser um Milionário?, e Dario Marianelli explorou pertinentemente o som das teclas de uma máquina escrever para formar o ritmo agitado de Desejo e Reparação. Este ano, a trilha mais inusitada entre os indicados pertence a Mychael Danna. Ele explora alguns instrumentos indianos como o Santoor de 108 cordas e o Sarangi, que originou o violino, além de acordões franceses e mandolins para contar essa jornada fantástica de Pi.

Não que a música erudita de Anna Karenina seja inferior – muito pelo contrário! – mas como o compositor ganhou recentemente, suas chances devem ser mínimas. Seguindo esta lógica, se a Academia quiser terminar o jejum de vitórias, Alexandre Desplat (Argo) acumula 5 indicações e Thomas Newman (007 – Operação Skyfall) está em sua 11ª indicação sem nunca ter ganhado.

E esta é a segunda vez que Jonny Greenwood acaba ignorado pela Academia. Em O Mestre, sua segunda colaboração com o diretor Paul Thomas Anderson, ele cria uma trilha estranha que dita o tom do filme. Sua música parece dizer ao espectador que nada daquilo que estamos vendo é, de fato, real, sensação reforçada pela alternância de filmes 35mm para 65mm que o diretor aplica.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

Indicados:

“Before My Time”, de J. Ralph (Chasing Ice)
– “Suddenly”, de Alain Boublil, Claude-Michel Schönberg e Herbert Kretzmer (Os Miseráveis)
– “Pi’s Lullaby”, de Mychael Danna e Bombay Jayshri (As Aventuras de Pi)
– “Everybody Needs a Best Friend”, de Walter Murphy e Seth MacFarlane (Ted)
– “Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

DEVE GANHAR: “Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)
DEVERIA GANHAR: “Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)
ZEBRA: “Before my Time”, de J. Ralph (Chasing Ice)

INJUSTIÇADO: “Dull Tool”, de Fiona Apple (Bem-vindo aos 40)

Adele e 007 - Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

Adele e 007 – Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

Se a canção de Adele já era favorita antes, agora com o anúncio de que haverá uma homenagem aos 50 anos de James Bond e que Shirley Bassey, a diva que cantou três temas de Bond: “Goldfinger”, “Diamonds Are Forever” e “Moonraker” se apresentará no palco pela primeira vez, então pode-se considerar certo este Oscar para 007 – Operação Skyfall. Existiria uma ligeira possibilidade da música de Ted, “Everybody Needs a Best Friend”, ganhar por ser interpretada pela talentosa Norah Jones, mas após ganhar todos os prêmios da categoria, incluindo o Globo de Ouro, ninguém tira o reconhecimento merecido de Adele. Esta é apenas a quarta canção indicada ao Oscar de toda a franquia de sucesso de 007. As anteriores foram “Live and Let Die”, por Paul McCartney (007 – Viva e Deixe Morrer), “Nobody Does it Better”, por Carly Simon (007 – O Espião que me Amava), e “For Your Eyes Only”, por Sheena Easton (007 – Somente Para Seus Olhos).

Com uma canção que destrincha os problemas de um relacionamento através da letra, mas mantendo o estilo musical de Fiona Apple, a canção “Dull Tool” da comédia Bem-vindo aos 40 seria uma boa pedida para incluir um nome de peso à lista de apresentações, mas a palavra “fuck” usada na canção seria um empecilho na transmissão ao vivo.

MELHOR SOM

Indicados:

John T. Reitz, Gregg Rudloff, José Antonio García (Argo)
– Andy Nelson, Mark Paterson, Simon Hayes (Os Miseráveis)
Ron Bartlett, Doug Hemphill, Drew Kunin (As Aventuras de Pi)
Andy Nelson, Gary Rydstrom, Ron Judkins (Lincoln)
Scott Millan, Greg P. Russell, Stuart Wilson (007 – Operação Skyfall)

DEVE GANHAR: Os Miseráveis
DEVERIA GANHAR: 007 – Operação Skyfall
ZEBRA: Lincoln

INJUSTIÇADO: A Hora Mais Escura

Além do som das armas e canhões, o som de Os Miseráveis se vale pela captação da cantoria do elenco no set de filmagem (photo by BeyondHollywood.com)

Além do som das armas e canhões, o som de Os Miseráveis se vale pela captação da cantoria do elenco no set de filmagem (photo by BeyondHollywood.com)

A inédita técnica de gravação de som para musicais de Os Miseráveis deve ser recompensada. Contrariando o sistema de playback, toda a cantoria dos atores foi gravada em set de filmagem e mesmo vulnerável a ruídos externos de cenários e locações, o resultado ficou muito bom. Claro que se a voz de Russell Crowe colaborasse, o som seria mais agradável aos ouvidos.

Normalmente, o que dita a regra desta categoria é saber qual o filme mais barulhento do ano. Pela obviedade, 007 – Operação Skyfall seria o eleito, e o trabalho de mixagem de som de A Hora Mais Escura certamente estaria indicado.

MELHORES EFEITOS SONOROS

Indicados:

– Erik Aadahl, Ethan Van der Ryn (Argo)
– Wylie Stateman (Django Livre)
– Eugene Gearty, Philip Stockton (As Aventuras de Pi)
– Per Hallberg, Karen M. Baker (007 – Operação Skyfall)
– Paul N.J. Ottosson (A Hora Mais Escura)

DEVE GANHAR: A Hora Mais Escura
DEVERIA GANHAR: 007 – Operação Skyfall
ZEBRA: Argo

INJUSTIÇADO: Os Vingadores

Efeitos sonoros de A Hora Mais Escura são compostos de tiros, explosões e queda de helicóptero (photo by BeyondHollywood.com)

Efeitos sonoros de A Hora Mais Escura são compostos de tiros, explosões e queda de helicóptero (photo by BeyondHollywood.com)

Só a sequência da destruição da mansão Skyfall de 007 – Operação Skyfall com granadas já deveria render um Oscar de efeitos sonoros, mas talvez a Academia se sinta na obrigação de compensar A Hora Mais Escura. Em 2007, o filme de Clint Eastwood, Cartas de Iwo Jima, estava indicado a Melhor Filme e Diretor, mas acabou levando apenas Efeitos Sonoros. Acontece.

Na questão de criação de sons, o blockbuster Os Vingadores já seria candidato pela sequência de destruição de Nova York pela invasão alienígena. Pelo visto, o sucesso nas bilheterias não assegurou mais de uma indicação ao filme.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

Indicados:

– Janek Sirrs, Jeff White, Guy Williams, Daniel Sudick (Os Vingadores)
– Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton, R. Christopher White (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)
– Bill Westenhofer, Guillaume Rocheron, Erik De Boer, Donald Elliott (As Aventuras de Pi)
– Richard Stammers, Trevor Wood, Charley Henley, Martin Hill (Prometheus)
– Cedric Nicolas-Troyan, Phil Brennan, Neil Corbould, Michael Dawson (Branca de Neve e o Caçador)

DEVE GANHAR: As Aventuras de Pi
DEVERIA GANHAR: As Aventuras de Pi
ZEBRA: Prometheus

INJUSTIÇADO: John Carter – Entre Dois Mundos

O tigre de bengala Richard Parker é um dos feitos por computação gráfica (photo by OutNow.CH)

O tigre de bengala Richard Parker de As Aventuras de Pi é um dos feitos por computação gráfica (photo by OutNow.CH)

Antes rotulado como “infilmável”, os efeitos visuais possibilitaram a própria existência de As Aventuras de Pi. Além de boa parte do roteiro se passar num bote salva-vidas, temos animais que alternam entre reais e feitos por computação gráfica. O tigre de bengala Richard Parker impressiona pelos movimentos e o brilho dos olhos do animal.

O fracasso nas bilheterias e com a crítica esgotou qualquer possibilidade dos efeitos visuais de John Carter – Entre Dois Mundos figurar nessa lista. Por outro lado, os cinco finalistas representam bem os melhores efeitos de 2012.

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Indicados:

Amor, de Michael Haneke (Áustria)
– War Witch, de Kim Nguyen (Canadá)
– No, de Pablo Larraín (Chile)
O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)
Expedição Kon-Tiki, de Joachim Rønning e Espen Sandberg (Noruega)

DEVE GANHAR: Amor, de Michael Haneke (Áustria)
DEVERIA GANHAR: Amor, de Michael Haneke (Áustria)
ZEBRA: Expedição Kon-Tiki, de Joachim Rønning, Espen Sandberg (Noruega)

INJUSTIÇADO: Holy Motors, de Leos Carax (França)

Michael Haneke dirige lendas do cinema francês em Amor (photo by OutNow.CH)

Michael Haneke dirige lendas do cinema francês em Amor (photo by OutNow.CH)

Depois que o sucesso francês Intocáveis caiu fora da disputa, ficou muito mais fácil o representante austríaco Amor levar o prêmio. Além disso, tem se tornado uma regra constante o filme estrangeiro que for indicado a Melhor Filme acabar levando Melhor Filme Estrangeiro. Aconteceu com A Vida é Bela e O Tigre e o Dragão. Embora a categoria seja imprevisível às vezes, Amor não deve perder esse prêmio.

Infelizmente, a França optou por Intocáveis. Se tivesse escolhido Holy Motors para ser o filme representante, a crítica americana poderia apoiar sua indicação. Por se tratar de um filme inovador que abusa do non-sense, suas chances de vitória seriam baixas, mas a imprevisibilidade da categoria poderia atuar novamente a seu favor.

MELHOR ANIMAÇÃO

Indicados:

Valente (Brave)
– Frankenweenie (Frankenweenie)
– ParaNorman (ParaNorman)
Piratas Pirados! (The Pirates! In an Adventure with Scientists!)
Detona Ralph (Wreck-it Ralph)

DEVE GANHAR: Frankenweenie
DEVERIA GANHAR: Frankenweenie
ZEBRA: Piratas Pirados!

INJUSTIÇADO: The Painting (Le Tableau)

Como a criatura Frankenstein, a animação Frankenweenie é um bom misto de homenagens a filmes clássicos (photo by OutNow.CH)

Como a criatura Frankenstein, a animação Frankenweenie é um bom misto de homenagens a filmes clássicos (photo by OutNow.CH)

Se formos levantar a contagem de prêmios da categoria, Detona Ralph sai na frente com sua história metalinguística sobre personagens de video-game, mas como não se trata de uma unanimidade, o nome de Tim Burton pode dar a vitória para Frankenweenie. A animação em preto-e-branco revisita o passado do diretor ao retomar o roteiro de um curta-metragem de mesmo nome de 1984, produzido pela mesma produtora Disney. Burton concorre pela segunda vez como Melhor Animação. Em 2006, foi indicado por A Noiva Cadáver, mas perdeu para Wallace & Gromit: A Batalha dos Vegetais. Esta pode ser sua chance de ouro para ser aplaudido e ovacionado por vários colaboradores presentes na cerimônia.

Ao contrário dos outros anos, as animações européias (excluindo o Reino Unido) e asiáticas ficaram de fora. O francês The Painting tem um visual magnífico com bela palheta de cores, que traria um frescor artístico à predominância de animações da Disney e Pixar.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Indicados:

– 5 Broken Cameras
– The Gatekeepers
How to Survive a Plague
The Invisible War
Searching for Sugar Man

DEVE GANHAR: Searching for Sugar Man
DEVERIA GANHAR: The Gatekeepers
ZEBRA: The Invisible War

INJUSTIÇADO: Central Park Five

Documentário sobre o músico Rodriguez, Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

Documentário sobre o músico Rodriguez, Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

O documentário Searching for Sugar Man levou os principais prêmios da temporada e não deve ficar sem o Oscar, já que aborda um tema tocante e simples. No filme, dois fãs da música dos anos 70 procuram saber o paradeiro do artista musical Rodriguez na África do Sul. Foi premiado com o BAFTA, National Board of Review, DGA e PGA, e recentemente levou o WGA e o Eddie award, reconhecimentos de roteiro e montagem, respectivamente.

Já o polêmico The Invisible War vai na direção oposta ao tocar num assunto tabu: o estupro de militares femininas por seus colegas de profissão. Igualmente controverso, o também investigativo documentário Central Park Five seria um importante indicado nesta competição. O caso verídico aconteceu em 1989, quando cinco jovens (negros e latinos) foram condenados pelo estupro de uma mulher branca no Central Park. Depois de passarem de 6 a 13 anos na prisão, um estuprador em série confessou o crime, confirmando que a sentença se mostrou uma combinação trágica entre tensão racial, a polícia querendo mostrar serviço e a cobertura sensacionalista da mídia.

MELHOR CURTA-DOCUMENTÁRIO

Indicados:

Inocente
– Kings Point
Mondays at Racine
Open Heart
– Redemption

DEVE GANHAR: Mondays at Racine
DEVERIA GANHAR: Mondays at Racine
ZEBRA: Inocente

Mondays at Racine: comovente história sobre câncer (photo by andsoitbeginsfilms.com)

Mondays at Racine: comovente história sobre câncer (photo by andsoitbeginsfilms.com)

O premiado curta Mondays at Racine já conquista pelo tema: Toda terceira segunda-feira do mês, duas irmãs carecas abrem seu salão para atenderem vítimas diagnosticadas com câncer.

MELHOR CURTA-METRAGEM

Indicados:

Asad
– Buzkashi Boys
Curfew
Dood van een Schaduw
Henry

DEVE GANHAR: Curfew
DEVERIA GANHAR: Curfew
ZEBRA: Henry

Curfew: curta premiado com história de descobertas

Curfew: curta premiado com história de descobertas

Entre os indicados, Curfew é o mais premiado até o momento. Num momento muito delicado de sua vida, Richie recebe uma ligação da irmã para cuidar de sua sobrinha por algumas horas.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

Indicados:

Adam and Dog
– Fresh Guacamole
Head Over Heels
Paperman
The Simpsons: The Longest Daycare

DEVE GANHAR: Paperman
DEVERIA GANHAR: Fresh Guacamole
ZEBRA TOTAL: The Simpsons: The Logest Daycare

Paperman: uma bela e mágica história de amor à primeira vista (photo by cineol.net)

Paperman: uma bela e mágica história de amor à primeira vista (photo by cineol.net)

Paperman tem todos os méritos de ganhar o Oscar, pois oferece uma história muito simples e ingênua sobre amor à primeira vista. Além disso, por ter sido produzido pela Disney, o curta teve muito mais exposição ao público por ter sido exibido antes da animação Detona Ralph nos cinemas. Já Fresh Guacamole ensina a receita do típico prato mexicano através da técnica do stop-motion de forma muito criativa. Vale a pena conferir todos os cinco indicados nessa categoria pelo link abaixo:

http://www.thehollywoodnews.com/2013/02/12/watch-all-five-oscar-nominated-animation-shorts-here/

Acompanhe o artigo também pelo site da Revista O Grito! nos links abaixo

Acompanhe o artigo também pelo site da Revista O Grito! nos links abaixo

* Em convite especial, este artigo foi escrito juntamente para o site Revista O Grito!, parceiro do UOL e o portal NE10. Agradecimentos especiais a Paulo Floro. Confira nos links abaixo:

http://revistaogrito.ne10.uol.com.br/page/blog/2013/02/15/oscar-2013-o-que-esperar-da-premiacao-este-ano/

http://revistaogrito.ne10.uol.com.br/page/blog/2013/02/18/oscar-2013-quem-ganha-quem-deveria-e-as-zebras/

Michael Clarke Duncan (1957 – 2012)

Michael Clarke Duncan

É com grande pesar que informo a morte de outro nome de Hollywood: o ator Michael Clarke Duncan, conhecido por seu papel em À Espera de um Milagre (1999). Não sei se a bruxa anda solta nos EUA, mas recentemente já reportei a morte de Nora Ephron, Marvin Hamlisch e Tony Scott. Segundo relatos de sua noiva, o ator faleceu nessa segunda, dia 03, no hospital Cedars Sinai Medical Center em Los Angeles. No dia 13 de julho, ele sofreu um infarto do qual nunca se recuperou. Passou os últimos 2 meses hospitalizado, mas não resistiu.

Michael nasceu em Chicago e queria ser jogador de futebol americano, mas sua mãe não permitiu com medo de que ele se ferisse. Então, passou a concentrar seus esforços na carreira de ator. Já em Hollywood, ele conseguiu alguns papéis de menor expressão, enquanto trabalhava como guarda-costas de atores famosos como Will Smith e Martin Lawrence, aproveitando-se de seu porte físico avantajado.

Em 1998, conseguiu seu primeiro papel numa grande produção através do diretor Michael Bay em Armageddon (1998). Ao lado de nomes consagrados como Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck e Bruce Willis. Aliás, este último foi quem o recomendou ao diretor Frank Darabont para o papel de sua vida: John Coffey. Para aqueles que viram À Espera de um Milagre, testemunharam um daqueles casos raros do ator nascer para viver aquele personagem. Michael Clarke Duncan criou uma aura de mistério através de expressões fechadas e frias, além de gestos e sotaque que indicavam algo diferente na vida daquele personagem, criado pelo escritor Stephen King, e que em algumas análises críticas, foi comparado a Jesus por sua jornada milagrosa. John Coffey poderia ser apenas uma figura estranha no filme, mas Duncan imprime carisma para que o público torça por ele enquanto aguarda por sua sentença de morte e isso faz toda a diferença. Seu personagem e sua interpretação são a alma do filme que conquistou inúmeros fãs mundo afora.

Michael Clarke Duncan como John Coffey em À Espera de um Milagre, ao lado de Tom Hanks. Atuação merecidamente indicada ao Oscar.

Felizmente, a Academia reconheceu seu talento e o indicou a Melhor Ator Coadjuvante: uma vitória descomunal em sua curta carreira. Dividiu a lista de indicados com nomes de peso: Tom Cruise (Magnólia), o menino Haley Joel Osment (O Sexto Sentido), Jude Law (O Talentoso Ripley) e Michael Caine (Regras da Vida), que saiu vencedor naquela noite com um belo e humilde discurso que elogia todos os atores de sua categoria com um refinado humor britânico. Por sua performance, Michael Clarke Duncan também foi indicado ao Globo de Ouro, SAG Award e até ator revelação no MTV Movie Award.

Depois do sucesso no Oscar, propostas não lhe faltaram. Voltou a atuar ao lado de Bruce Willis em mais 3 produções: À Beira da Loucura (Breakfast of Champions, 1999), Meu Vizinho Mafioso (The Whole Nine Yards, 2000) e Sin City – A Cidade do Pecado (Sin City, 2005). Atuou como vilão na refilmagem de Tim Burton de O Planeta dos Macacos (2001), na adaptação dos quadrinhos Demolidor – O Homem Sem Medo (2003) como o Rei do Crime, e em O Escorpião Rei (2002) ao lado de Dwayne Johnson (The Rock).

Dentre seus trabalhos mais destacados nos últimos anos, fez trabalho de dublagem em Cães e Gatos – A Vingança de Kitty Galore (2010) e Kung Fu Panda (2008).

Fora dos holofotes, Clarke servia como porta-voz de algumas causas nobres. No começo deste ano, ele apareceu num vídeo defendendo a PETA, organização dos direitos dos animais, relatando que se sentia bem melhor depois que se tornou vegetariano três anos antes.

Em depoimento, o diretor de À Espera de um Milagre, Frank Darabont, lembrou da experiência de trabalho e convivência: “Estou devastado com a perda de Michael Clarke Duncan, uma das melhores pessoas com quem tive o privilégio de trabalhar ou conhecer. Michael era a mais gentil das almas – um exemplo de decência, integridade e gentileza. Nossa experiência em fazer À Espera de um Milagre juntos foi imersiva e incrível, uma jornada única na vida. O que mais me recordo era a devoção ao seu ofício e os avanços que ele fez como artista durante aquele tempo, que era mais do que inspiradora para nós que compartilhamos a mesma jornada com ele. Michael nos deixou cedo demais. Perdemos um grande homem e um grande espírito hoje. Meus pensamentos e condolências vão para a noiva dele Omarosa e sua família”. 

Em inglês (In English):

It is with great sadness that I report the death of another Hollywood actor: Michael Clarke Duncan, known for his role in The Green Mile (1999). I don’t know if there’s something strange going on the U.S., but recently I have reported too many deaths: Nora Ephron, Marvin Hamlisch, Tony Scott and let’s not forget the Colorado movie theater tragedy. According to reports from his bride, the actor passed away on this monday, September the 3rd, at Cedars Sinai Medical Center in Los Angeles. On July 13, he suffered a stroke from which he never fully recovered. He spent the last two months in hospital but did not resist.

Michael was born in Chicago and wanted to be a football player, but his mother didn’t allow cause she was afraid that he could get injured. So, he began to concentrate his efforts on acting career. In Hollywood, he got some minor roles while working as a bodyguard for famous actors like Will Smith and Martin Lawrence.

In 1998, he got his first role in a major production by director Michael Bay on Armageddon (1998), alongside established names like Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Ben Affleck and Bruce Willis. Indeed, the latter was the one who recommended him to director Frank Darabont for the role of his life: John Coffey. For those who have seen The Green Mile, witnessed one of those rare cases of an actor born to live the character. Michael Clarke Duncan has created an aura of mystery through cold and closed expressions, and gestures and accent that indicated something different in the life of that character, created by writer Stephen King, and that in some critical analysis, was compared to Jesus for his miraculous journey . John Coffey could be just a strange figure in the film, but Duncan prints charisma to the audience to root for him as he awaits his death sentence and that makes all the difference. His character and his interpretation are the true soul of the film that won countless fans worldwide.

Fortunately, the Academy recognized his talent and nominated him as Best Supporting Actor: a huge victory in his short career. He shared the company of nominees: Tom Cruise (Magnolia), the kid Haley Joel Osment (The Sixth Sense), Jude Law (The Talented Mr. Ripley) and Michael Caine (The Cider House Rules), who won the award and made a beautiful and humble speech that praised all actors with a refined British humor. For her performance, Michael Clarke Duncan was also nominated for a Golden Globe, SAG Award and even breakthrough performance at the MTV Movie Award.

After the success at the Oscars, many roles were offered. He chose to return to star alongside Bruce Willis in 3 productions: Breakfast of Champions (1999), The Whole Nine Yards (2000) and Sin City (2005). Acted as a villain in Tim Burton’s remake of Planet of the Apes (2001), the adaptation of the comic Daredevil (2003) as the Kingpin, and The Scorpion King (2002) alongside Dwayne Johnson (The Rock).

Most recently, he did voice work in Cats and Dogs – The Revenge of Kitty Galore (2010) and Kung Fu Panda (2008).

Behind the spotlight, Clarke served as spokesman for some noble causes. Earlier this year, he appeared in a video defending PETA, the animal rights organization, reporting that he felt much better after he became vegetarian three years ago.

In a statement, the director of  The Green Mile, Frank Darabont, recalled the experience of working together: “I’m devastated at the loss of Michael Clarke Duncan, one of the finest people I’ve ever had the privilege to work with or know. Michael was the gentlest of souls—an exemplar of decency, integrity, and kindness. Our experience making The Green Mile together was immersive and incredible, a once-in-a-lifetime journey. What sticks most in my mind was his devotion to his craft and the strides he made as an artist during that time, which was beyond inspiring to those of us who took the journey with him. Michael has left us far, far too soon. We lost a great man and a great spirit today. My thoughts and condolences goout to his fiancée Omarosa and to his family”.