92 Países Concorrem às 5 Indicações ao OSCAR de Filme em Língua Estrangeira

Loveless

Cena do representante da Rússia, Loveless, de Andrey Zvyangitsev (pic by cine.gr)

NÚMERO CRESCENTE BATE NOVO RECORDE DA ACADEMIA

Na última quinta, dia 05, a Academia anunciou a seleção de 92 produções internacionais que concorrerão às 5 vagas da categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira. Trata-se de um novo recorde de inscritos, que teve a colaboração de países inéditos na lista como Haiti, Honduras, Laos, Moçambique, Senegal e Síria.

Apesar de já haver alguns favoritos às vagas como o austríaco Happy End, de Michael Haneke, e o sueco The Square, de Ruben Östlund, que venceu a Palma de Ouro em Cannes, não é possível cravar nenhum filme no Oscar como antes. Nos últimos anos, a Academia se tornou mais abrangente em suas escolhas, passando a olhar com mais carinho e indicando produções alternativas de países como Camboja, Estônia, Mauritânia e Jordânia. Por isso, candidatos a favoritos e premiados em festivais nem sempre têm lugar cativo na lista, podendo ceder lugar a Bingo: O Rei das Manhãs, por exemplo! Por que não?

Aliás, vi muitos críticos, jornalistas e até youtubers já descartando qualquer chance do Brasil no Oscar. Claro que Bingo não é o típico material de Oscar, mas como citei no parágrafo anterior, a Academia está passando por algumas mudanças que podem beneficiar produções estrangeiras que não tenham a 2ª Guerra Mundial e Holocausto como temas centrais. Além disso, temos Daniel Rezende como diretor, que já foi indicado ao Oscar de Montagem em 2004 por Cidade de Deus. Enfim, como se trata de uma caixinha de surpresas, não tiraria as chances do cinema nacional ainda.

BPM.jpg

Cena do representante da França, BPM (Beats Per Minute), de Robin Campillo (pic by cine.gr)

Por enquanto, além do filme de Haneke e Östlund, entre os favoritos de vários especialistas estão o francês BPM (Beats Per Minute), de Robin Campillo (venceu o Grande Prêmio do Júri em Cannes e fala sobre a luta contra a discriminação da Aids); o israelense Foxtrot, de Samuel Maoz (levou o Grande Prêmio do Júri em Veneza e funciona como crítica às guerras); o chileno Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio (ganhou Melhor Roteiro em Berlim, mas tem temática transsexual que acadêmicos evitam); o russo Loveless, de Andrey Zvyangintsev (venceu o Prêmio do Júri em Cannes e foi muito bem acolhido pela abordagem intimista de um divórcio e as consequências para os filhos) e o cambojano First They Killed My Father, dirigido por ninguém menos do que a atriz Angelina Jolie.

first-they-killed-my-father2

Angelina Jolie dirige atriz mirim de seu quarto filme como diretora First They Killed my Father, disponível no Netflix (pic by Variety)

Vale lembrar que o filme de Jolie está disponível no Netflix (sim, a empresa de streaming co-produziu o longa),  fato que ajuda a popularizá-lo na campanha do Oscar. A produção é um drama autobiográfico sobre a infância dura da ativista de direitos humanos Loung Ung quando o Camboja era dominado pelo regime comunista do Khmer Vermelho. Honestamente falando, acredito que Angelina Jolie estará entre os cinco indicados na categoria. Além de contar com o apoio de vários membros da Academia, esta é a quarta incursão dela como diretora, e desde seu primeiro trabalho, existe um burburinho de sua indicação ao Oscar de direção, fato que não aconteceu até o momento. Portanto, em tempos politicamente corretos que demandam mais igualdade entre gêneros, Angelina pode despontar nesta categoria, e até quem sabe, no Oscar de direção finalmente.

Bom, é difícil torcer pra filmes que não vimos, mas gostaria de ver Lucrecia Martel indicada, pois é uma das diretoras mais relevantes do cinema argentino que admiro muito. E gostaria de ver também o chileno Uma Mulher Fantástica e o russo Loveless na lista final pelas temáticas e pelos históricos dos diretores. Torceria pelo México, mas a comissão escolheu Tempestad, ao invés de Las Hijas de Abril, de Michel Franco, cujo trabalho sou fã.

Segue a lista das 92 produções inscritas para o Oscar 2018:

PAÍS FILME DIRETOR(A)
Afeganistão A Letter to the President Roya Sadat
África do Sul The Wound John Trengove
Albânia Daybreak Gentian Koçi
Alemanha In the Fade Fatih Akin
Argélia Road to Istanbul Rachid Bouchareb
Argentina Zama Lucrecia Martel
Armênia Yeva Anahit Abad
Austrália The Space Between Ruth Borgobello
Áustria Happy End Michael Haneke
Azerbaijão Pomegranate Orchard Ilgar Najaf
Bangladesh The Cage Akram Khan
Bélgica Racer and the Jailbird Michaël R. Roskam
Bolívia Dark Skull Kiro Russo
Bósnia e Herzegovina Men Don’t Cry Alen Drljević
Brasil Bingo – O Rei das Manhãs Daniel Rezende
Bulgária Glory Petar Valchanov, Kristina Grozeva
Camboja First They Killed my Father Angelina Jolie
Canadá Hochelaga, Land of Souls François Girard
Cazaquistão The Road to Mother Akhan Satayev
Chile Uma Mulher Fantástica Sebastián Lelio
China Wolf Warrior 2 Wu Jing
Colômbia Guilty Men Iván D. Gaona
Coréia do Sul A Taxi Driver Jang Hoon
Costa Rica The Sound of Things Ariel Escalante
Croácia Quit Staring at my Plate Hana Jušić
Dinamarca You Disappear Peter Schønau Fog
Egito Sheikh Jackson Amr Salama
Equador Alba Ana Cristina Barragán
Eslováquia The Line Peter Bebjak
Eslovênia The Miner Hanna A. W. Slak
Espanha Summer 1993 Carla Simón
Estônia November Rainer Sarnet
Filipinas Birdshot Mikhail Red
Finlândia Tom of Finland Dome Karukoski
França BPM (Beats per Minute) Robin Campillo
Georgia Scary Mother Ana Urushadze
Grécia Amerika Square Yannis Sakaridis
Haiti Ayiti Mon Amour Guetty Felin
Holanda Layla M. Mijke de Jong
Honduras Morazán Hispano Durón
Hong Kong Mad World Wong Chun
Hungria On Body and Soul Ildikó Enyedi
Índia Newton Amit V Masurkar
Indonésia Turah Wicaksono Wisnu Legowo
Irã Breath Narges Abyar
Iraque Reseba – The Dark Wind Hussein Hassan
Irlanda Song of Granite Pat Collins
Islândia Under the Tree Hafsteinn Gunnar Sigurðsson
Israel Foxtrot Samuel Maoz
Itália A Ciambra Jonas Carpignano
Japão Her Love Boils Bathwater Ryota Nakano
Kosovo Unwanted Edon Rizvanolli
Laos Dearest Sister Mattie Do
Letônia The Chronicles of Melanie Viestur Kairish
Líbano The Insult Ziad Doueiri
Lituânia Frost Sharunas Bartas
Luxemburgo Barrage Laura Schroeder
Marrocos Razzia Nabil Ayouch
México Tempestad Tatiana Huezo
Moçambique The Train of Salt and Sugar Licinio Azevedo
Mongólia The Children of Genghis Zolbayar Dorj
Nepal White Sun Deepak Rauniyar
Noruega Thelma Joachim Trier
Nova Zelândia One Thousand Ropes Tusi Tamasese
Palestina Wajib Annemarie Jacir
Panamá Beyond Brotherhood Arianne Benedetti
Paquistão Saawan Farhan Alam
Paraguai Los Buscadores Juan Carlos Maneglia, Tana Schembori
Peru Rosa Chumbe Jonatan Relayze
Polônia Spoor Agnieszka Holland, Kasia Adamik
Portugal Saint George Marco Martins
Quênia Kati Kati Mbithi Masya
Quirguistão Centaur Aktan Arym Kubat
Reino Unido My Pure Land Sarmad Masud
República Dominicana Woodpeckers Jose Maria Cabral
República Tcheca Ice Mother Bohdan Sláma
Romênia Fixeur Adrian Sitaru
Rússia Loveless Andrey Zvyagintsev
Senegal Félicité Alain Gomis
Sérvia Requiem for Mrs. J. Bojan Vuletic
Singapura Pop Aye Kirsten Tan
Síria Little Gandhi Sam Kadi
Suécia The Square Ruben Östlund
Suíça The Divine Order Petra Volpe
Tailândia By the Time It Gets Dark Anocha Suwichakornpong
Taiwan Small Talk Hui-Chen Huang
Tunísia The Last of Us Ala Eddine Slim
Turquia Ayla: The Daughter of War Can Ulkay
Ucrânia Black Level Valentyn Vasyanovych
Uruguai Another Story of the World Guillermo Casanova
Venezuela El Inca Ignacio Castillo Cottin
Vietnã Father and Son Luong Dinh Dung
Anúncios

‘THE SQUARE’, do sueco Ruben Östlund, vence a Palma de Ouro em Cannes 2017. NETFLIX sai de mãos abanando.

170528-cannes-312p-rs_8471f0095981e1aaf0639c5a54ae25dd.nbcnews-ux-2880-1000.jpg

No centro, o diretor Ruben Ostlund comemora sua vitória como se fosse um gol de final de campeonato. Ao fundo, o presidente do júri Pedro Almodóvar. Pic by NBC News

NO ANIVERSÁRIO DE 70 ANOS, CANNES PREMIA JOVEM DIRETOR QUE JÁ HAVIA SE DESTACADO POR FORÇA MAIOR

Após uma forte expectativa de que o festival iria conceder sua segunda Palma de Ouro para uma mulher, o prêmio máximo ficou com o diretor sueco Ruben Östlund, mantendo a neozelandesa Jane Campion como a única vencedora feminina da história do festival.

Apesar de não ter sido o filme da competição mais elogiado pela imprensa estrangeira, The Square ganhou pontos com os membros do júri ao apresentar uma sátira do mundo das Artes, em que o protagonista é um diretor de um museu, que está desesperado para fazer sucesso e pra isso, recebe uma nova instalação chamada “The Square” para promovê-lo.

170521123541-the-square-film-still-5-exlarge-169.jpg

Cena de The Square, de Ruben Ostlund.

O presidente do júri Almodóvar explicou sua escolha após a entrega dos prêmios: “É contemporâneo, é sobre a ditadura de ser politicamente correto. Eles vivem num inferno paranormal por causa disso.” Essa justificativa me atiçou um pouco a curiosidade para conferir o filme, já que sou crítico desses tempos politicamente corretos em que vivemos. Mas independente de ter sido premiado ou não, a voz do diretor Robert Östlund é uma das mais originais dos últimos tempos. Quem viu seu último filme, Força Maior, sobre uma tragédia natural que afeta uma família, sabe do que estou falando. Ele tem um humor bastante peculiar.

As fortes concorrentes femininas, a americana Sofia Coppola e a escocesa Lynne Ramsay, ficaram com os prêmios de Direção e Roteiro, respectivamente. Coppola se torna a segunda diretora a vencer esse prêmio depois da russa Yuliya Solntseva com A Epopéia dos Anos de Fogo, de 1961. “Agradeço ao júri por esta honra… Agradeço ao meu pai, que me ensinou a escrever e dirigir e por compartilhar seu amor por cinema, e para minha mãe por me encorajar a ser uma artista,” agradeceu Coppola através de nota lida pela diretora Maren Ade, já que não estava presente na cerimônia de premiação. Ade, que é membro do júri, aproveitou para “agradecer a Jane Campion por ser uma modelo e por apoiar as cineastas mulheres.”

PRÊMIOS DE INTERPRETAÇÃO

Ao contrário de Sofia, os atores Diane Kruger e Joaquin Phoenix, que ganharam os prêmios de interpretação, estiveram na cerimônia de apresentação e foram bastante aplaudidos. Em In the Fade, a atriz alemã interpreta uma mulher que, depois de ter seu marido e filho mortos num ataque de bomba terrorista, planeja uma vingança. Muito comovida, a atriz alemã subiu ao palco e fez seu discurso: “Fatih [Akin], meu irmão, obrigada por me dar essa chance… você me deu a força que eu não sabia que tinha em mim. Eu não posso aceitar este prêmio sem pensar em ninguém que já foi impactado por um ato de terrorismo, pessoas que estão tentando colher os cacos e continuar suas vidas. Por favor, saibam que vocês não estão esquecidos. Obrigada.”

Diane Kruger gettyimages-689411410.jpg

Diane Kruger agradece pelo prêmio de interpretação feminina em ‘In the Fade’ (pic by Alberto Pizzoli/ Getty Images)

Já pelo prêmio de interpretação masculina, o sempre controverso Joaquin Phoenix veio até Cannes para receber a honraria. Nada contra o ator, que aliás sou fã de seu trabalho, mas ele deveria se decidir de vez se gosta ou não de premiações. Ou ele vai para sorrir e ser agradecido, ou fica em casa com a cara emburrada, e não o contrário! Desse jeito, fica a impressão de que ele atua como ‘bad boy’ para impulsionar sua imagem de durão e psicótico.

DA7pv-QV0AABrSi

Mas enfim, no filme You Were Never Really Here, ele faz uma espécie veterano de guerra à la Taxi Driver, que tenta a todo custo salvar uma menina do tráfico de sexo. À princípio, parece um papel de alguém bastante perturbado, o que se encaixa perfeitamente no rótulo que Hollywood adora botar nos atores. Tem seu lado positivo, já que o ator domina o tipo de personagem e pode elevá-lo ainda mais, porém tem seu lado negativo, pois existe uma iminente ameaça do ator ficar limitado demais.

You Were Never Really Here.jpg

Joaquin Phoenix com a jovem Ekaterina Samsonov em cena de You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay (pic by cine.gr)

Em relação ao Oscar, vale lembrar que desde 2007, 22 performances que tiveram sua estréia em Cannes acabaram sendo indicadas ou premiadas pela Academia no ano seguinte. Dando maior precisão aos dados estatísticos, desses 22 atores, treze foram mulheres e nove foram homens, contudo, apenas Rooney Mara (por Carol) transformou seu prêmio de atriz em indicação ao Oscar, enquanto 4 vencedores de Ator em Cannes foram ao Oscar: Christoph Waltz (Bastardos Inglórios), Javier Bardem (Biutiful), Jean Dujardin (O Artista), e Bruce Dern (Nebraska).

PRÊMIO DE 70º ANIVERSÁRIO

A cada década, o festival tem a liberdade de criar um prêmio especial. Este ano, eles prestigiaram a atriz Nicole Kidman, já que ela participa de quatro projetos distintos em Cannes: os filmes O Estranho que Nós Amamos, The Killing of a Sacred Deer, How to Talk to Girls at Parties e a série Top of the Lake, que está na segunda temporada, reconhecendo assim sua versatilidade.

SURPRESAS E DECEPÇÕES

Dentre os nomes mais citados pela imprensa estrangeira e pela crítica que mereceria o prêmio de ator estava o de Robert Pattison. Sim, aquele rapaz que já foi um vampiro que brilhava no sol naquela saga politicamente correta de Stephenie Meyer. Parece que ele está buscando novos desafios depois de ter trabalhado com o diretor David Cronenberg em Cosmópolis em 2012. Sua atuação foi bastante elogiada no drama sobre roubo de bancos intitulado Good Time. Acabou perdendo o prêmio para Joaquin Phoenix, mas pode se tornar um nome forte para a próxima temporada de premiações.

good-time-mit-robert-pattinson

Robert Pattison em Good Time, dos irmãos Safdie (pic by moviepilot.de)

Outro que está tentando (com bem menos afinco) mudar sua imagem é Adam Sandler. Esse comediante americano que estrela trocentos filmes do Netflix está em The Meyerowitz Stories: New and Selected, do diretor Noah Baumbach, que inclusive já tentou fazer um filme mais sério com o comediante Ben Stiller em O Solteirão (2010). Este novo trabalho é uma comédia de família disfuncional, mas com nomes de peso como Dustin Hoffman e Emma Thompson. A atuação deles foi elogiada, mas a de Sandler acabou sendo mais comentada e por isso mesmo, estava entre os candidatos ao prêmio. Pode soar radical demais, mas a única performance interessante que vi de Sandler foi em Embriagados de Amor (2002), quando foi dirigido por Paul Thomas Anderson. Naquele papel, ele apresentava uns tiques nervosos de uma pessoa extremamente perturbada pelas irmãs mais velhas. Mas depois ele fez apenas comédias do tipo besteirol que deixavam de explorar esse seu lado. De qualquer forma, acredito na redenção de qualquer ator, contanto que ele ou ela busquem se desafiar. E se diretores do calibre de Cronenberg e P.T. Anderson viram algo de bom nesses atores, significa que devemos olhar com mais atenção.

No campo das surpresas, a própria Palma de Ouro não deixa de ser uma. The Square estava entre os mais elogiados, mas estava meio longe de ser uma unanimidade. Entre os mais bem cotados estavam Happy End, de Michael Haneke; Loveless, de Andrey Zvyagintsev; The Killing of a Sacred Deer, de Yorgos Lanthimos; 120 battements par minute, de Robin Campillo; e You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay. Excetuando o primeiro, todos os demais foram reconhecidos com prêmios, o que mostra certa sintonia do júri em relação à crítica.

NETFLIX E A DIFICULDADE DE ACEITAÇÃO

Após receber inúmeras vaias nas sessões de Okja e Wonderstruck, ambas produções da Netflix, era esperado que a plataforma de streaming mais conhecida no mundo fosse sair sem nenhum prêmio do evento. O próprio presidente do júri, Pedro Almodóvar, havia afirmado que “não premiaria um filme que não vai ser exibido na tela grande”. O Festival de Cannes completou 70 anos de existência, e com isso, há muita tradição envolvida que não se muda da noite para o dia. Inicialmente surpresa pelo convite, a Netflix sofreu um um cerco ferrenho por parte dos exibidores franceses, já que perderiam dinheiro com a não-exibição dos filmes em salas de cinema. Essa discussão está apenas no começo e deve ser assunto para as próximas edições, não só de Cannes, mas de outros grandes festivais, que terão que lidar com a produção de conteúdo da Netflix.

Adam-Sandler.jpg

À direita, o diretor Noah Baumbach com os atores Adam Sandler e Dustin Hoffman no set de The Meyerowitz Stories

VITÓRIA BRASILEIRA EM CANNES

Embora o Brasil não tivesse representantes na competição oficial, por outro lado, participou da mostra da Semana da Crítica e saiu com dois prêmios. Gabriel e a Montanha, do jovem Fellipe Gamarano Barbosa, levou o Prêmio Visionário e o Gan Foundation que fornecerá um apoio enorme para a distribuição na França. O prêmio foi concedido pelo presidente do júri da Semana da Crítica, o conterrâneo Kléber Mendonça Filho. Parabéns à equipe do filme!

Gabriel e a Montanha.jpg

Os atores Caroline Abras e João Pedro Zappa em cena de Gabriel e a Montanha, de Fellipe Gamarano Barbosa. Pic by cineuropa.org

NOTAS PESSOAIS

Fiquei bastante feliz que Taylor Sheridan, que ficou conhecido por roteirizar o western moderno A Qualquer Custo (Hell or High Water), foi premiado como Melhor Diretor da mostra Un Certain Regard logo em sua primeira investida na cadeira de diretor em Wind River. O filme centra num assassinato que ocorreu numa reserva indígena, e é estrelado por Jeremy Renner e Elisabeth Olsen.

Também dos filmes premiados em Cannes, estou ansioso pra conferir os novos trabalhos de Andrey Zvyagintsev (ele tem uma visão bastante dura, porém realista, vide O Retorno e Leviatã), Lynne Ramsay (é uma diretora extremamente detalhista, e que consegue enxergar poesia onde não há) e Yorgos Lanthimos (seu nome vem sendo atrelado a um cinema de conteúdo criativo que vem desde Dente Canino e que se consagrou com O Lagosta).

VENCEDORES DO 70º FESTIVAL DE CANNES

PALMA DE OURO
Ruben Östlund – The Square

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Robin Campillo – 120 Beats Per Minute

PRÊMIO DO JÚRI
Andrey Zvyagintsev – Loveless

DIRETOR
Sofia Coppola – O Estranho que Nós Amamos

ATOR
Joaquin Phoenix – You Were Never Really Here

ATRIZ
Diane Kruger – In the Fade

ROTEIRO
Yorgos Lanthimos – The Killing of a Sacred Deer
Lynne Ramsay – You Were Never Really Here

CAMERA D’OR
Léonor Sérraille – Jeune Femme

PALMA DE OURO PARA CURTA-METRAGEM
Qiu Yang – A Gentle Night

PRÊMIO ESPECIAL DE 70º ANIVERSÁRIO
Nicole Kidman

MOSTRA UN CERTAIN REGARD

UN CERTAIN REGARD
Mohammad Rasoulof – A Man of Integrity

ATRIZ
Jasmine Trinca – Fortunata

NARRATIVA POÉTICA
Mathieu Amalric – Barbara

DIRETOR
Taylor Sheridan – Wind River

PRÊMIO DO JÚRI
Michel Franco – April’s Daughter

MOSTRA SEMANA DA CRÍTICA

GRANDE PRÊMIO: Emmanuel Gras – Makala
PRÊMIO VISIONÁRIO: Fellipe Gamarano Barbosa – Gabriel and the Mountain
Leica Cine Discovery Prize for Short Film: Laura Ferrés – Los Desheredados
Gan Foundation Support for Distribution Award: Fellipe Gamarano Barbosa – Gabriel and the Mountain

SACD Award: Léa Mysius – Ava
Canal+ Award: Aleksandra Terpińska – The Best Fireworks

DIRECTOR’S FORTNIGHT

Art Cinema Award: Chloé Zhao – The Rider
SACD Award: Claire Denis – Let the Sunshine In, Philippe Garrel – Lover for a Day
Europa Cinemas Label Award: Jonas Carpignano – A Ciambra
Illy Prize for Short Film: Benoit Grimalt – Back to Genoa City

39ª Mostra Internacional de Cinema de SP exibe possíveis candidatos ao Oscar 2016

Cartaz oficial da 39ª Mostra Internacional de SP composta por storyboard do próximo filmes do diretor Martin Scorsese, Silêncio. (photo by revistapreview.com)

Cartaz oficial da 39ª Mostra Internacional de SP composta por storyboard do próximo filmes do diretor Martin Scorsese, Silêncio. (photo by revistapreview.com)

MOSTRA DE CINEMA APRESENTA GRANDE MOSAICO DE FESTIVAIS INTERNACIONAIS

Todo mês de outubro é a mesma coisa. Aquelas filas extensas para comprar pacotes de filmes de 20, 40 e integral no Conjunto Nacional na Avenida Paulista, e depois mais filas para acompanhar os filmes mais badalados. A 39ª edição acontece entre os dia 22 de outubro a 04 de novembro, com direito a uns dias extras de repescagem de alguns títulos mais bem votados. Com a crise econômica, o número de produções exibidas reduziu um pouco para 312 títulos, mas que mesmo assim, abrange 62 países.

Para os aficcionados do cinema “oscarizável”, a Mostra tem em sua programação 15 representantes de países pré-selecionados para o Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, incluindo um dos grandes favoritos: o húngaro O Filho de Saul, sobre o Holocausto. Confira a lista dos 15 filmes:

Géza Rohrig é Saul, o prisioneiro húngaro do campo de concentração de Son of Saul, de László Nemes (photo by outnow.ch)

Géza Rohrig é Saul, o prisioneiro húngaro do campo de concentração de O Filho de Saul, de László Nemes (photo by outnow.ch)

  • Labirinto de Mentiras, de Giulio Ricciarelli – ALEMANHA
  • O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra – COLÔMBIA
  • Guerra, de Tobias Lindholm – DINAMARCA
  • Cordeiro, de Yared Zeleke – ETIÓPIA
  • O Esgrimista, de Klaus Härö – FINLÂNDIA
  • Ixcanul, de Jayro Bustamante – GUATEMALA
  • The Paradise Suite, de Joost van Ginkel – HOLANDA
  • O Filho de Saul, de László Nemes – HUNGRIA
  • A Ovelha Negra, de Grímur Hákonarson – ISLÂNDIA
  • Pai, de Visar Morina – KOSOVO
  • O Verão de Sangaile, de Alanté Kavaïté – LITUÂNIA
  • As Mil e uma Noites: Volume 2, O Desolado, de Miguel Gomes – PORTUGAL
  • Nômade Celestial, de Mirlan Abdykalykov – QUIRGUISTÃO
  • Aferim!, de Radu Jude – ROMÊNIA
  • Lo que Lleva el Río, de Mario Crespo – VENEZUELA

Além da categoria de estrangeiros, a Mostra tem em sua grade dois filmes que podem figurar na lista de indicações em janeiro. Aliança do Crime, de Scott Cooper, sobre um criminoso que se junta ao FBI, pode receber indicações até para Melhor Filme graças à força que Johnny Depp tem em Hollywood. Aliás, a grande chance que o filme tem é justamente na categoria de Melhor Ator, já que Depp está transformado com maquiagem e esta seria sua quarta indicação sem vitória.

À esquerda, Joel Edgerton atua com Johnny Depp em cena de Aliança do Crime (photo by cine.gr)

À esquerda, Joel Edgerton atua com Johnny Depp em cena de Aliança do Crime (photo by cine.gr)

E, em menor escala, a dramédia Mistress America, de Noah Baumbach, pode surpreender nas categorias de Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz para Greta Gerwig. A jovem atriz conseguiu alavancar devido ao sucesso da parceria anterior com o diretor Baumbach (que também é seu namorado) no divertido Frances Ha (2012).

Mas obviamente, a Mostra é muito mais do que candidatos ao prêmio da Academia. Existem vários títulos premiados e selecionados de festivais prestigiados como Cannes, Berlim e Veneza. Abaixo, a lista de títulos presentes em cada um deles que está na Mostra:

FESTIVAL DE CANNES 2015

  • Dheepan – O Refúgio, de Jacques Audiard
    Vencedor da Palma de Ouro
  • O Filho de Saul, de László Nemes
    Vencedor do Grande Prêmio do Júri
  • Chronic, de Michel Franco
    Vencedor de Melhor Roteiro
  • Para o Outro Lado, de Kiyoshi Kurosawa
    Vencedor do Prêmio de Direção do Un Certain Regard
  • A Terra e a Sombra, de César Augusto Acevedo
    Vencedor do Camera D’Or
  • A Ovelha Negra, de Grímur Hákonarson
    Vencedor do Un Certain Regard
  • Paulina, de Santiago Mitre
    Vencedor do Critics Week
Cena de Dheepan, de Jacques Audiard (photo by cine.gr)

Cena de Dheepan, de Jacques Audiard (photo by cine.gr)

FESTIVAL DE VENEZA 2015

  • Desde Allá, de Lorenzo Vigas
    Vencedor do Leão de Ouro
  • Coração de Cachorro, de Laurie Anderson
    Vencedor do prêmio Lina Mangiacapre
  • Boi Neon, de Gabriel Mascaro
    Vencedor do Prêmio do Júri da Mostra Horizontes
Cena do documentário Coração de Cachorro, de Laurie Anderson (photo by cine.gr)

Cena do documentário Coração de Cachorro, de Laurie Anderson (photo by cine.gr)

FESTIVAL DE BERLIM 2015

  • Aferim!, de Radu Jude
    Vencedor do Urso de Prata de Melhor Diretor
  • Body, de Malgorzata Szumowska
    Vencedor do Urso de Prata de Melhor Diretor
  • O Botão de Pérola, de Patricio Guzmán
    Vencedor de Melhor Roteiro
  • Ixcanul, de Jayro Bustamante
    Vencedor do prêmio Alfred Bauer
Cena de O Botão de Pérola, de (photo by cine.gr)

Cena de O Botão de Pérola, de Patricio Guzmán (photo by cine.gr)

Claro que muitos dos premiados nesses festivais estão ausentes, mas alguns se deve à imposição das próprias distribuidoras que almejam destaque maior em circuito comercial como Carol, de Todd Haynes, e Sicario: Terra de Ninguém, de Denis Villeneuve.

Vale ressaltar que a Mostra contará com homenagens ao mestre italiano Mario Monicelli ao projetar os seus filmes Filhas do Desejo, Os Eternos Desconhecidos, A Grande Guerra, Ladrão Apaixonado e Casanova 70; e ao brasileiro José Mojica Marins, o Zé do Caixão, com a exibição de seus clássicos À Meia-Noite Levarei sua Alma, Encarnação do Demônio e O Desperar da Besta.

E o bacana desse evento é poder ver ou rever pérolas clássicas nas sessões especiais. Este ano, teremos a sessão de O Inquilino (1926), filme mudo de Alfred Hitchcock; da última comédia romântica muda de Mary Pickford, Meu Único Amor (1927), de Sam Taylor; e Limite (1931), de Mário Peixoto, a grande obra-prima do cinema brasileiro.

Ivor Novello como O INquilino, de Alfred Hitchcock (photo by mostra.org)

Ivor Novello como O Inquilino, de Alfred Hitchcock (photo by mostra.org)

Cena com Mary Pickford de Meu Único Amor, de Sam Taylor (photo by mostra.org)

Cena com Mary Pickford de Meu Único Amor, de Sam Taylor (photo by mostra.org)

Cena da obra-prima brasileira Limite, de Mário Peixoto (photo by mostra.org)

Cena da obra-prima brasileira Limite, de Mário Peixoto (photo by mostra.org)

Confira a programação completa da 39ª Mostra Internacional de São Paulo e os locais de exibição em:

www.mostra.org

*** Para quem tem pouco tempo como eu, vale a pena comprar pelo site ou aplicativo ingresso.com , pois por lá é possível comprar com três dias de antecedência à sessão. Bons filmes a todos!

Thriller francês ‘Dheepan’, de Jacques Audiard, leva a Palma de Ouro 2015

Jacques Audiard (centro) recebe a Palma de Ouro ao lado dos atores do filme Dheepan: Jesuthasan Antonythsan e Kalieaswari Srinivasan. Ao fundo, o presidente do júri, Ethan Coen (photo by theguardian.com)

Jacques Audiard (centro) recebe a Palma de Ouro ao lado dos atores do filme Dheepan: Jesuthasan Antonythsan e Kalieaswari Srinivasan. Ao fundo, o presidente do júri, Ethan Coen (photo by theguardian.com)

IMPRENSA ESTRANGEIRA QUESTIONA FORTE PRESENÇA FRANCESA E SAI INSATISFEITA COM PREMIAÇÃO

Após concorrer por três vezes à Palma de Ouro em Cannes (em 1996 com Um Herói Muito Discreto, em 2009 com O Profeta, e em 2012 com Ferrugem e Osso), o autor francês Jacques Audiard finalmente levou o prêmio máximo do festival de cinema. Bastante humorado, o cineasta disparou em seu discurso de agradecimento: “Obrigado, Michael Haneke, por não ter feito nenhum filme este ano” – ele perdeu a Palma para Haneke na últimas duas oportunidades. Considerado por muitos críticos e cinéfilos como um dos grandes cineastas franceses da atualidade, sua consagração não soa mal, porém a premiação não agradou à maioria dos jornalistas e críticos presente.

Para muitos, além do prestígio do diretor, o tema da imigração na Europa, uma questão muito atual e polêmica, colaborou bastante na escolha do longa como o melhor do evento. Dheepan apresenta elementos do seu trabalho anterior O Profeta, como as gangues violentas e a busca pela desestruturação do poder, mas desta vez seu protagonista é um membro do grupo separatista Tamil Tigers do Sri Lanka. Planejando pedir asilo político na França, ele leva consigo duas estranhas (uma mulher e uma garota de 9 anos) com documentos falsos na tentativa de facilitar sua entrada no país. Lá, ele consegue um emprego e um lar, mas acaba se envolvendo com traficantes do condomínio onde mora, reabrindo suas feridas de guerra.

Claudine Vinasithamby e Jesuthasan Antonythasan em cena de Dheepan, de Jacques Audiard (Photo by outnow.ch)

Claudine Vinasithamby e Jesuthasan Antonythasan em cena de Dheepan, de Jacques Audiard (Photo by outnow.ch)

Honestamente, a sinopse não é novidade nenhuma. Aliás, ela lembra a sinopse de Rambo – Programado Para Matar (1982) e outros filmes dos anos 80 por sua vertente das feridas de guerra. Mas Audiard filma de um modo mais europeu, valorizando mais essa questão da imigração e dissecando os dilemas morais que envolvem o personagem e a situação.

Questionados sobre a escolha de Deephan, os presidentes do júri, os irmãos Coen, não gostaram e replicaram cada um a seu modo. Enquanto Ethan Coen foi mais complacente soltando a sentença: “Todos nós ficamos entusiasmados com detalhes de vários filmes, mas esse foi uma escolha unânime.”, Joel Coen preferiu ser mais enfático sobre a liberdade de escolha: “É um prêmio, de certa forma, estético. O júri não é formado por críticos de cinema, mas por um grupo de artistas.” – o que não deixa de ser verdade.

Joel Coen e Ethan Coen na cerimônia de premiação em Cannes: escolha unânime. Será? (photo by abcnews.go.com)

Joel Coen e Ethan Coen na cerimônia de premiação em Cannes: escolha unânime. Será? (photo by abcnews.go.com)

O mais importante em premiações é saber separar o profissional do pessoal. Por exemplo, em 2010, selecionaram Quentin Tarantino para ser presidente do júri do Festival de Veneza, e ele foi lá e premiou sua ex-namorada Sofia Coppola por Um Lugar Qualquer. Mérito ou presente? Em 2009, nomearam a atriz Isabelle Huppert pra ser presidente do júri, e ela concede a Palma de Ouro para Michael Haneke por A Fita Branca. Pode até ser por méritos próprios, mas fica aquela sensação de que ela teria presenteado seu colaborador de tantos filmes como A Professora de Piano (2001), que curiosamente lhe rendeu o prêmio de interpretação feminina em Cannes. Essas situações podem e devem ser evitadas pelos

Mas enfim, muitos queriam o filme húngaro Son of Saul (Saul Fia), de László Nemes, levasse o prêmio máximo do festival, mas acabou levando o Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo lugar. Considerado um filme forte sobre o Holocausto, a produção foca na vida do prisioneiro húngaro Saul, que tem a tarefa de queimar os corpos dos demais prisioneiros no campo de concentração, inclusive o de seu filho. Se selecionado pela Hungria para representar o país no Oscar, Son of Saul tem grandes chances de vencer o prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira de 2016. Além de apresentar essa temática de campos de concentração que os membros mais idosos da Academia adoram, o filme será distribuído pela forte Sony Pictures Classics.

Géza Rohrig é Saul, o prisioneiro húngaro do campo de concentração de Son of Saul, de László Nemes (photo by outnow.ch)

Géza Röhrig é Saul, o prisioneiro húngaro do campo de concentração de Son of Saul, de László Nemes (photo by outnow.ch)

Contudo, a imprensa estrangeira no geral não estava criticando apenas a escolha de Dheepan, mas a forte presença de conterrâneos. Das 19 produções indicadas à Palma de Ouro, 5 são francesas e mais 4 são co-produções da França. Além disso, dos sete prêmios da competição oficial, três foram para a França: a Palma para Dheepan, Melhor Ator para Vincent Lindon por The Measure of a Man, e Melhor Atriz para Emmanuelle Bercot por Mon Roi.

Vencedor do prêmio de interpretação masculina, o ator francês Vincent Lindon posa com o prêmio por The Measure of a Man (photo by news.yahoo.com)

Vencedor do prêmio de interpretação masculina, o ator francês Vincent Lindon posa com o prêmio por The Measure of a Man (photo by news.yahoo.com)

Aliás, o prêmio de interpretação feminina por si já foi uma polêmica à parte, pois além de terem selecionado a francesa Bercot por um filme bastante criticado, o prêmio foi dividido com a americana Rooney Mara pelo drama lésbico Carol, de Todd Haynes, que aceitou o prêmio em sua ausência. A crítica dava como certa a consagração de Cate Blanchett (que contracena com Rooney Mara em Carol) e consequentemente sua indicação ao Oscar 2016, mas não foi bem isso que aconteceu.

Emmanuelle Bercot posa ao lado dos dois prêmios de interpretação feminina. Rooney Mara não esteve presente. Bercot ganha por Mon Roi (photo by news.yahoo.com)

Emmanuelle Bercot posa ao lado dos dois prêmios de interpretação feminina. Rooney Mara não esteve presente. Bercot ganha por Mon Roi (photo by news.yahoo.com)

Recompensado por seu visual deslumbrante em The Assassin, um filme com artes marciais, o cineasta chinês Hou Hsiao-Hsien levou o prêmio de Direção. Esta foi sua sétima indicação à Palma de Ouro, e seu segundo prêmio em Cannes. Em 1993, ele havia ganhado o Prêmio do Júri por Mestre das Marionetes. Membro do júri, o diretor mexicano Guillermo Del Toro, também muito elogiado por seus recursos visuais, elogiou o trabalho de Hsiao-Hsien: “Por falar numa linguagem, uma claridade e uma poesia que era excessivamente forte.”

O consagrado diretor Hou Hsiao Hsien recebe o prêmio de direção por The Assassin (photo by china.org.cn)

O consagrado diretor Hou Hsiao Hsien recebe o prêmio de direção por The Assassin (photo by china.org.cn)

Já o Prêmio do Júri, que seria o terceiro lugar, ficou com o primeiro filme em língua inglesa do diretor grego Yorgos Lanthimos, conhecido pelo bizarro Dente Canino (2009). The Lobster certamente apresenta a trama mais estranha de todos os concorrentes: Num futuro fictício, as pessoas solteiras são obrigadas a encontrar seus pares em até 45 dias, caso contrário se transformam em animais e são soltos nas florestas. Essa sinopse já seria um prato cheio para o gosto bizarro dos irmãos Coen, mas segundo as críticas, o filme perde sua força depois da metade.

O diretor grego Yorgos Lanthimos recebe o Prêmio do Júri por The Lobster (photo by lemonde.fr)

O diretor grego Yorgos Lanthimos recebe o Prêmio do Júri por The Lobster (photo by lemonde.fr)

Outro cineasta estrangeiro que fez sua estréia na língua inglesa foi o mexicano Michel Franco. Com duas produções boas e polêmicas na bagagem (Daniel & Ana, e Depois de Lúcia), o diretor aborda o tema dos doentes terminais ao focar no trabalho de um enfermeiro, interpretado por Tim Roth, que lhe entregou o prêmio de Roteiro. Em seu discurso, Franco revelou que o filme nasceu em Cannes, depois que seu filme Depois de Lúcia venceu o prêmio Un Certain Regard em 2012, concedido pelo então presidente Tim Roth. A conversa fluiu e se tornou um projeto.

O cineasta mexicano Michel Franco recebe o prêmio de roteiro por Chronic das mãos do ator Tim Roth (photo by cinema.uol.com.br)

O cineasta mexicano Michel Franco recebe o prêmio de roteiro por Chronic das mãos do ator Tim Roth (photo by cinema.uol.com.br)

Já os grandes perdedores do festival foram os italianos Paolo Sorrentino, Nanni Moretti e Matteo Garrone. Youth, My Mother e Tale of Tales, respectivamente, não levaram nenhum dos prêmios principais. Havia uma expectativa de que Michael Caine pudesse levar o prêmio de interpretação masculina por Youth, o que acabou não acontecendo, mas com tantas críticas positivas sobre sua performance, por que não pensar no Oscar 2016? A última indicação de Caine foi em 2003 por O Americano Tranquilo. Faz tempo…

VENCEDORES DE CANNES 2015:

COMPETIÇÃO

PALMA DE OURO: Dheepan, de Jacques Audiard

Grande Prêmio do Júri: Son of Saul, de Laszlo Nemes

Diretor: Hou Hsiao-hsien (The Assassin)

Ator: Vincent Lindon (The Measure of a Man)

Atriz (EMPATE): Emmanuelle Bercot (Mon roi), e Rooney Mara (Carol)

Prêmio do Júri: The Lobster, de Yorgos Lanthimos

Roteiro: Chronic, de Michel Franco

OUTROS PRÊMIOS

Palma Honorária: Agnes Varda

Camera d’Or: Land and Shade, de Cesar Augusto Acevedo

Palma de Ouro de Curta-Metragem: Waves ’98, de Ely Dagher

Ecumenical Jury Prize: My Mother, de Nanni Moretti

UN CERTAIN REGARD

Un Certain Regard: Rams, de Grimur Hakonarson

Jury prize: The High Sun, de Dalibor Matanic

Diretor: Kiyoshi Kurosawa (Journey to the Shore)

Un Certain Talent Prize: Corneliu Porumboiu (The Treasure)

Special Prize para Talentos Promissores (empate): Nahid, de Ida Panahandeh E Masaan, de Neeraj Ghaywan

DIRECTORS’ FORTNIGHT

Art Cinema Award: The Embrace of the Serpent, de Ciro Guerra

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: My Golden Days, de Arnaud Desplechin

Europa Cinemas Label: Mustang, de Deniz Gamze Erguven

CRITICS’ WEEK

Grand Prize: Paulina, de Santiago Mitre

Visionary Prize: Land and Shade

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: Land and Shade

FIPRESCI

Competition: Son of Saul, de László Nemes

Un Certain Regard: Masaan

Critics’ Week: Paulina

Breve balanço de 2013 e Feliz Natal e Ano Novo!

Um dos logos do Oscar 2014: Here We Go! (photo by www.myfilm.gr)

Um dos logos do Oscar 2014: Here We Go! (photo by http://www.myfilm.gr)

Queridos leitores e amigos do Cinema, Oscar e Afins, este é meu último post de 2013. Retornarei às atividades a partir do dia 06 de janeiro. Gostaria de agradecer a vocês que acompanham o blog e sempre comentam os posts como o Hugo e a Layane. Espero que em 2014, eu consiga melhorar ainda mais as matérias e gerar ainda mais discussões, sempre com muito respeito, sobre os filmes que tanto amamos (e odiamos).

A temporada de premiação de 2014, assim como o Oscar, promete uma competição muito acirrada e rica. Há tempos não via um ano tão repleto de produções dignas de reconhecimento. Além dos favoritos 12 Years a Slave e Trapaça, que dominaram as indicações ao Globo de Ouro, SAG e Critics’ Choice Awards, temos Nebraska, Gravidade, Inside Llewyn Davis, Ela, Dallas Buyers Club, Philomena, Álbum de Família, Blue Jasmine, Capitão Phillips, Walt nos Bastidores de Mary Poppins e O Lobo de Wall Street.

Aliás, parece que logo depois da sessão de O Lobo de Wall Street para o Oscar, repleta de membros idosos da Academia, um roteirista teria insultado o diretor Martin Scorsese e o ator Leonardo DiCaprio quando eles se preparavam para as entrevistas pós-filme. A atriz Hope Holiday, membro da Academia, estava presente e atualizou em seu facebook:

“Ontem à noite foi tortura na Academia. O Lobo de Wall Street foi três horas de tortura. Mesma merda nojenta toda hora – depois do filme, tiveram uma discussão que muitos de nós não ficamos pra ver.”

“A porta do elevador se abriu e Leonardo DiCaprio e Martin Scorsese e alguns outros saíram. Então um roteirista correu até eles e começou a gritar: ‘Que vergonha. Nojento.’ (‘Shame on you’. Disgusting).”

A atriz Katarina Cas já desperta muitas coisas, inclusive a ira da 3ª idade (photo by www.elfilm.com)

A atriz Katarina Cas já desperta muitas coisas, inclusive a ira da 3ª idade (photo by http://www.elfilm.com)

As críticas teriam origem no conteúdo do filme, repleto de sexo e drogas. Se existia alguma chance de Oscar de Melhor Filme para O Lobo de Wall Street, agora não existe mais. Por outro lado, esse tipo de polêmica costuma alavancar as bilheterias do filme devido à curiosidade do público. Olha, os velhinhos e velhinhas que me perdoem, mas só essa cena da foto já me desperta a vontade de ver o filme.

Não se trata da primeira polêmica em relação aos filmes de Marty. Ele já enfrentou duras críticas com A Última Tentação de Cristo (1988), por motivos óbvios de religiosos xiitas, e pela suposta violência de Cassino (1995). Realmente existem cenas fortes como a da morte de dois personagens à pauladas e um enterrado vivo, mas trata-se do universo da história e não algo gratuito.

Podem Joaquin Phoenix e os demais atores salvar The Master do esquecimento? (foto por BeyondHollywood.com)

Indicado ao Oscar: Joaquin Phoenix em O Mestre (foto por BeyondHollywood.com)

Já a respeito dos filmes que vi em 2013, da temporada de premiações do começo do ano, gostei bastante de O Mestre, de Paul Thomas Anderson. Falaram muito sobre a crítica à Cientologia, mas procurei prestar mais atenção à linguagem que o diretor aplicou. Anderson sabe trabalhar com perfeição a união da fotografia com a direção de arte para criar um clima pertinente à história de mestre e pupilo. É curioso ver a relação dos dois personagens centrais através das atuações excepcionais de Joaquin Phoenix e Philip Seymour Hoffman, ambos indicados ao Oscar. Aliás, por mim, Phoenix teria levado o prêmio. Ele criou um personagem tão confuso, mas fisicamente forte e com energia tão pulsante que é difícil não se apegar. Ao lado da atuação contida de Hoffman, as performances geram um extremo contraste entre si. Só achei que a personagem de Amy Adams merecia mais tempo de tela.

Pôster original de Depois de Lúcia, de Michel Franco

Pôster original de Depois de Lúcia, de Michel Franco

Também recomendo o mexicano Depois de Lúcia, de Michel Franco. É uma bela análise da decadência do sistema educacional mexicano e do terceiro mundo. Apesar de ser apenas o segundo longa do diretor, ele conseguiu entregar um trabalho econômico na linguagem, mas rico em discussão. Assim como em seu filme de estréia, Daniel & Ana (2009), ele não abriu mão da violência para causar um choque no espectador, porém necessário à sua mensagem de alerta para os perigos do futuro dessa sociedade atual intolerante.

(photo by www.cine.gr)

María Renée Prudencio, Lucio Gimenéz Cacho e Danae Reynaud formam um belo trio em Club Sándwich (photo by http://www.cine.gr)

Mas o melhor filme que vi foi Club Sándwich, de Fernando Eimbcke. Conferi essa produção mexicana na Mostra de Cinema de São Paulo porque já havia gostado de um trabalho anterior do diretor chamado Temporada de Patos (2004). Com uma linguagem muito simples e com personagens quase mudos, que lembram os filmes do diretor Kim Ki-duk, Club Sándwich é sobre uma mãe e filho pré-adolescente que se hospedam num clube vazio por ser fora de temporada. Lá, eles passam o tempo e fazem tudo juntos, até o surgimento de uma menina que desperta o interesse do filho, causando a inveja materna. O filme faturou o prêmio de Melhor Diretor no Festival Internacional de San Sebástian, na Espanha, mas infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil.

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by www.elfilm.com)

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by http://www.elfilm.com)

Também gostei do vencedor da Palma de Ouro, Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche. Baseado na história em quadrinhos de jovem Julie Maroh (ela tinha apenas 19 anos na época da publicação!), o filme acompanha o amadurecimento da jovem Adèle (Adèle Exarchopoulos) em relação à sua sexualidade. Nos cabelos azuis de Emma (Léa Seydoux), ela se encontra tão apaixonada que ousa desafiar sua família, amigos e sociedade a fim de consumar esse sentimento tão intenso. Considerado perfeccionista pelos atores com quem trabalhou, Kechiche sofreu algumas críticas das atrizes, especialmente em relação às cenas de sexo, que duraram cerca de 10 dias. Em resposta à postura de Seydoux, o diretor retrucou numa entrevista que a atriz cuspiu no prato, mas fez questão de colher os frutos do trabalho como as altas publicidades das capas de revistas de moda. Discussões à parte, Azul é a Cor Mais Quente é um dos melhores filmes de 2013 e mereceu o prêmio máximo de Cannes. Ainda pode vencer o Globo de Ouro, mas por desrespeito às regras da Academia, não pode concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Uma lástima e tanto.

Lili Taylor em cena de Invocação do Mal, de James Wan, representando uma nova onda de cinema de terror (photo by www.elfilm.com)

Lili Taylor em cena de Invocação do Mal, de James Wan, representando uma nova onda de cinema de terror (photo by http://www.elfilm.com)

E não posso deixar de citar o terror Invocação do Mal. O filme em si poderia conter mais momentos de terror/susto, mas o diretor James Wan criou uma atmosfera tão perfeita de tensão, que fica difícil não incluí-lo na lista. Produto da escola do terror mais psicológico, o filme resgata cenas que exploram o invisível e o desconhecido, evitando também o desgaste dos efeitos gerados em computação gráfica. James Wan consegue agregar o terror moderno do estilo documental ao terror clássico mimeticamente pensado e planejado. Criador da série Jogos Mortais e dos filmes Sobrenatural (2010) e Sobrenatural: Capítulo 2 (2013), ele tem desfrutado do sucesso de público e de crítica, tanto que é considerado membro do “Splat Pack”, termo criado pelo historiador Alan Jones na revista Total Film para os diretores da onda moderna de filmes brutalmente violentos de terror. Outros membros incluem os diretores Alexandre Aja, Darren Lynn Bousman, Neil Marshall, Greg Mclean, Eli Roth, Leigh Whannell e Rob Zombie.

Kevin Costner como Jonathan Kent, servindo como base humanista para o protagonista e para o filme O Homem de Aço (photo by www.elfilm.com)

Kevin Costner como Jonathan Kent, servindo como base humanista para o protagonista e para o filme O Homem de Aço (photo by http://www.elfilm.com)

Quanto às decepções, a maior delas foi O Homem de Aço. Não que eu estivesse aguardando a melhor adaptação dos quadrinhos do Super-Homem, mas vi apenas uma tentativa de modernizar a saga do alienígena que se torna herói na Terra. Henry Cavill, Amy Adams, Laurence Fishburne, Russell Crowe e Michael Shannon não tiveram o carisma necessário para seus personagens ficarem interessantes. Os melhores atores com as melhores sequências foram dos pais de Clark, Jonathan e Martha Kent, intepretados por Kevin Costner e Diane Lane. Eles oferecem o fator humanista da história que torna esse universo mais palpável, mesmo para essa geração hi-tech de hoje. Às vezes soa saudosismo demais da minha parte, mas os filmes estrelados por Christopher Reeve ainda são melhores em tudo: direção, atores e, apesar dos defeitos técnicos da época, muito mais empolgante, e tinha um ar de ingenuidade que falta hoje.

Embora tenha gostado do resultado final de Além da Escuridão – Star Trek, confesso que esperei muito depois que vi o trailer em 3D no final do ano passado. Quero dizer, a sequência dirigida por J.J. Abrams é impecavelmente bem realizada, mas essas tramas mirabolantes de vilão mega-gênio e anárquico que tem tudo planejado, inclusive de se deixar prender pelos mocinhos, já tá saturado depois que o Coringa fez o mesmo em Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008).

Para aqueles que gostam de acompanhar as premiações, eis o calendário para 2014:

08/01: Indicações ao BAFTA
12/01: Globo de Ouro 2014
16/01: Indicações ao Oscar 2014
16/01: Critics’ Choice Awards 2014
18/01: SAG (Screen Actors Guild) Awards 2014
19/01: PGA (Producers Guild) Awards 2014
25/01: DGA (Directors Guild) Awards 2014
01/02: WGA (Writers Guild) Awards 2014
16/02: BAFTA Awards 2014
01/03: Independent Spirit Awards 2014
02/03: Oscar 2014

Vale lembrar que a hostess do Oscar será pela segunda vez a apresentadora, atriz e comediante Ellen DeGeneres. Enquanto a cerimônia não chega, confira o trailer promocional do Oscar:

Desejo a todos Feliz Natal e um 2014 repleto de bons filmes e menos espectadores atendendo celular nas salas!

Depois de Lúcia (Después de Lucía), de Michel Franco (2012)

Pôster original de Depois de Lúcia, de Michel Franco

Pôster original de Depois de Lúcia, de Michel Franco

Segundo filme de Michel Franco descrê na Educação

Qual seria a função do cinema? Muitos responderiam “entretenimento” e não estariam de todo errados. O cinema de hoje é fruto do boom blockbusteriano originado em 1975 com o sucesso de Tubarão, de Steven Spielberg. Antes disso, cinema era visto (apenas) como Sétima Arte, permeado por cineastas consagrados como Jean-Luc Godard, Michelangelo Antonioni, Federico Fellini e Jean Renoir. Nesses tempos, os filmes eram um dos melhores meios de analisarmos a sociedade e este é o motivo desses mesmos filmes continuarem sendo atemporais.

Hoje, a regra virou exceção. Quando encontramos um filme em cartaz que esteja disposto a colocar uma luz sobre os problemas da sociedade, deveria ser um convite irrecusável em meio a tantas produções vazias. Contudo, o mercado cinematográfico nacional, tendo em mãos as estatísticas e estudos da preferência do público brasileiro, parece não se importar com o poder crítico do cinema, uma vez que o filme mexicano Depois de Lúcia estreou nesse dia 22 de março em apenas três (três!) salas em São Paulo, o maior pólo cultural do país: Cine Sabesp, Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca e Reserva Cultural.

Claro que o segundo longa de Michel Franco não se encaixa nos moldes de sucesso, mesmo que alternativos, pois sequer tem nomes famosos. A única publicidade que poderia atrair mais espectadores seria o prêmio Un Certain Regard (Um Certo Olhar) recebido no último Festival de Cannes. Mas para quem resolver dar uma chance ao filme, descobrirá qualidades de observação da sociedade mexicana e os problemas educacionais enfrentados em escolas de todo o mundo.

Da esquerda para a direita: Os atores Hernan Mendoza e Tessa Ia ao lado do diretor Michel Franco no Festival de Cannes (photo by www.cinemagia.ro)

Da esquerda para a direita: Os atores Hernan Mendoza e Tessa Ia ao lado do diretor Michel Franco no Festival de Cannes (photo by http://www.cinemagia.ro)

Depois de Lúcia começa com a mudança de cidade, da costa do Pacífico (Puerto) para a Cidade do México, do chef de cozinha Roberto e sua filha adolescente Alejandra. Apesar de haver poucas explanações, a Lúcia do título é a mãe da família, morta recentemente em um acidente automobilístico, e isso basta para situar o espectador da situação de luto dos personagens. A jovem Alejandra mantém um relacionamento de cumplicidade com o pai, mas não há diálogo suficiente sobre como lidar com problemas da nova vida. Inicialmente aceita por um grupo de amigos da escola, ela acaba cometendo um deslize comum nessa idade. Porém, sem querer importunar o pai nesse momento delicado, ela resolve enfrentar calada a tortura física e psicológica que seus colegas de classe impõem nesse julgamento moral.

Obviamente, não há nada muito novo nesse tema tão na moda como o bullying, mas a abordagem de Franco deixa o público atônito com a realidade cruel do universo de filhos e alunos de hoje enquanto o mantém de mãos atadas sem qualquer poder de reação diante das imagens. Sem poder contar com o amparo das forças policiais e da política, o diretor faz com que o espectador se sinta inútil e ausente perante a decadência dos jovens de hoje. Já na tela, o pai de Alejandra, Roberto, até clama por justiça, mas não vê outro meio de fazer algo de concreto pela filha a não ser se despir dos pudores morais.

A atriz Tessa Ia dá vida à personagem Alejandra numa jornada de martírio silencioso (photo by OutNow.CH)

A atriz Tessa Ia dá vida à personagem Alejandra numa jornada de martírio silencioso (photo by OutNow.CH)

Apesar do cinema fazer algumas alterações ou mesmo exagerar em algumas situações para comprovar seu ponto de vista, este filme busca ser apenas um retrato fiel da sociedade mexicana atual. Num artigo do escritor David Toscana, publicado no Estado de S. Paulo no dia 11 de março de 2013, intitulado “O México parou de ler”, temos um relato chocante sobre a ineficiência do sistema educacional mexicano. Toscana afirma que, embora haja mais crianças matriculadas hoje, elas aprendem menos. Cita também a recente pesquisa de avaliação de hábitos de leitura feita pela Unesco com 108 países, na qual o México caiu para a vergonhosa penúltima colocação. As crianças mexicanas estão saindo das escolas praticamente como analfabetas.

Infelizmente, muito desse estudo se reflete no Brasil. Nessa semana, o MEC proibiu a criação de novos cursos de Direito simplesmente porque o nível de aprovação no exame da Ordem de Advogados do Brasil (OAB) era baixíssimo. O índice de reprovação foi de 93%! E o que dizer do último ENEM? Dois candidatos resolveram brincar na redação sobre imigração ao inserirem uma receita de miojo e trecho do hino do clube de futebol Palmeiras, conseguindo ainda pontuação média. Apesar da atitude ridícula dos estudantes, impressiona o método de avaliação aplicado. Vale ainda lembrar que há mais de um ano vemos nos noticiários mortes e acidentes graves causados por erros gritantes de enfermeiros e auxiliares de enfermagem nos hospitais públicos.

O colunista da Folha de S. Paulo, José Simão, até brincou com a situação degradante do ensino. “… enquanto aluno do Enem dá receita de Miojo, (Aloizio Mercadante – Ministro da Educação) se regala com macarronada em Roma (paparicando o novo Papa ao lado da Dilma)”. Enquanto não houver “A” reforma educacional, o Brasil permanecerá sendo mero candidato a país do futuro.

Atitudes infantis no ENEM desmascaram sistema de avaliação falho (foto por castrodigital.com.br)

Atitudes infantis no ENEM desmascaram sistema de avaliação falho (foto por castrodigital.com.br)

Claro que não se trata apenas da educação como formação acadêmica. Depois de Lúcia procura resgatar a educação politicamente incorreta que havia algumas décadas atrás, quando pais e professores aplicavam disciplina com rigor. Havia uma espécie de permissão dos pais para que castigos físicos pudessem fazer parte do método de ensino. Hoje, esse mesmo método é visto com maus olhos porque a sociedade acredita que punições físicas são coisas ultrapassadas e inadequadas, porém, tinha um objetivo muito definido: dignidade e respeito ao próximo. Muitos professores brasileiros que atuam no sistema público votariam a favor da volta da palmatória. Provavelmente, se a boa e velha palmatória permanecesse nos manuais escolares, hoje haveria menos Alejandras.

Depois de Lúcia, ou como os americanos dizem After Lucia, foi nomeado o representante do México na disputa pelo Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, mas como o número de indicados permanece cinco, e o longa apresenta sequências violentas, acabou ficando de fora. Felizmente estreou por aqui, mas corra esta semana para assistir antes que saia de cartaz para dar lugar a um filme vazio. E recomendo também o filme A Caça, de Thomas Vinterberg, outro tapa na cara do politicamente correto. Estreou apenas na sala Espaço Itaú de Cinema- Augusta.

AVALIAÇÃO: BOM

Oscar 2013: Recorde de 71 filmes estrangeiros inscritos

Federico Fellini recebendo Oscar Honorário em 1993. O diretor levou quatro vezes Melhor Filme Estrangeiro para a Itália, além de doze indicações.

Uma nova marca é adicionada à história do Oscar. Setenta e um países inscreveram filmes para representá-los na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. É claro que o fato de concorrer oficialmente ao prêmio já seria um prestígio enorme, mas talvez esse aumento de participantes se deva à vitória de A Separação, de Asghar Farhadi, um filme iraniano pequeno que não pertence ao círculo de países de primeiro mundo que costuma ganhar nessa categoria.

Desde que a Academia criou a categoria internacional em 1957 (de 1948 a 1956, os filmes estrangeiros eram reconhecidos com Oscars Honorários), Itália e França são os maiores vencedores com dez e nove vitórias respectivamente. Contudo, ambos não ganham há um bom tempo. A última produção francesa a ganhar foi Indochina, de Régis Wargnier, em 1993, enquanto a Itália tem um jejum de treze anos desde que A Vida é Bela, de Roberto Benigni levou três prêmios naquele ano de 1999.

César Deve Morrer, dos irmãos Taviani: vencedor do Urso de Ouro em Berlim, representando a Itália no Oscar

E se depender do burburinho, a Itália pode voltar ao páreo com o César Deve Morrer, dos irmãos Vittorio e Paolo Taviani (sem previsão de estréia aqui). O docu-drama que mostra presidiários reais encenando a peça Júlio César, de Shakespeare, levantou polêmica e levou o Urso de Ouro no Festival de Berlim desse ano. Não tem tanta cara de Oscar pelo lado polêmico, mas seria uma excelente oportunidade da Academia resgatar grandes nomes do cinema italiano.

Intocáveis, de Olivier Nakache e Eric Toledano: sucesso comercial e boas atuações garantem uma indicação ao Oscar

Maiores chances tem a França, pois conta com o sucesso comercial Intocáveis, de Olivier Nakache e Eric Toledano, que já consolidou a segunda melhor posição da bilheteria francesa de todos os tempos, faturando mais de US$ 300 milhões ao redor do mundo. A comédia dramática, ainda em cartaz nos cinemas de São Paulo, conta a história verídica de um aristocrata que ficou quadriplégico e contratou um jovem incomum para seus cuidados. Seu sucesso de público se deve à química dos atores principais, François Cluzet e Omar Sy, e pelo roteiro que explora muito bem as diferenças culturais dos dois personagens.

Amour, de Michael Haneke: diretor austríaco (à esq) dirige os veteranos Emmanuelle Riva e Jean-Louis Trintignant. A Palma de Ouro lhe deu a merecida notoriedade.

Entretanto, os franceses têm dura competição com o representante da Áustria: o drama Amour, de Michael Haneke, uma vez que arrebatou a última Palma de Ouro em Cannes e conta ainda com uma ótima dupla de atores, o casal Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva, ambos cotados para indicações nas categorias de atuação. Conta a favor também o fato de Michael Haneke ter a segunda chance na categoria depois que perdeu em 2010 pelo forte drama A Fita Branca, quando concorria pela Alemanha.

Em termos de favoritismo, parece claro que os três filmes citados acima estão com maiores chances. Porém, como se trata de uma categoria bastante imprevisível às vezes, vale a pena ressaltar alguns trabalhos bem comentados até o momento pela mídia e que não são necessariamente do mainstream, como é o caso do romeno Beyond the Hills, de Cristian Mungiu. Foi graças ao diretor que o cinema da Romênia voltou ao cenário internacional em 2007, quando seu filme anterior, o drama 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias foi reconhecido pela Palma de Ouro. O fato de Beyond the Hills ter saído com dois prêmios de Cannes esse ano: Melhor Atriz (recebido pela dupla de protagonistas Cosmina Stratan e Cristina Flutur) e Melhor Roteiro (Cristian Mungiu) certamente colabora na campanha, mas por se tratar de temática religiosa e sobrenatural envolvendo exorcismo verídico, os votantes velhinhos podem molhar suas fraldas geriátricas e nem terminar de ver o filme até o fim.

Beyond the Hills, de Cristian Mungiu: exorcismo na Academia? Só se for pra compensar O Exorcista (1973).

O mesmo asco deve acontecer entre os votantes ao ver o filme sul-coreano Pietá, de Kim Ki-duk, pois contém violência (apenas alguns membros decepados) e cenas de incesto (coisa mais light hoje em dia). Apesar de ter levado o Leão de Ouro em Veneza, as chances do filme ficar entre os cinco finalistas são as mesmas do mundo acabar em 2012.

Outros concorrentes apresentam alguns elementos que podem facilitar a indicação. No caso do israelense Fill the Void, o prêmio Volpi Cup de Melhor Atriz para Hadas Yaron seria um bom adendo, mas convenhamos que a maioria vontante judia também dá uma forcinha. Já o dinamarquês A Royal Affair, de Nikolaj Arcel, que ganhou Melhor Ator e Melhor Roteiro em Berlim, ganha pontos pela produção caprichada de filme de época, com figurinos e direção de arte vistosos, contando com Mads Mikkelsen, ator em ascensão internacional.

A Suécia pode conseguir grande ajuda pelo peso do nome Lasse Hallström. O diretor chegou a ser indicado ao Oscar de Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado pelo drama sueco Minha Vida de Cachorro em 1988 e novamente como Melhor Diretor pelo meloso Regras da Vida em 2000. Lasse Hallström conseguiu comandar bons projetos em Hollywood, resultando em Gilbert Grape – Aprendiz de um Sonhador (1993), Chocolate (2000), Chegadas e Partidas (2001), Sempre ao seu Lado (2009) e mais recentemente o drama baseado no best-seller de Nicholas Sparks, Querido John (2010). Ele pode voltar a competir com The Hypnotist, adaptação literária homônima da obra de Lars Kepler.

The Hypnotist, de Lasse Hallström. O diretor retorna à gélida Suécia e volta a ter boas chances no Oscar.

Se forçar um pouco a barra, dá pra incluir na briga o musical no melhor estilo Bollywood, Barfi!. A última indicação da Índia aconteceu em 2002 com outro musical Lagaan – Era Uma Vez na Índia, de Ashutosh Gowariker. Quem sabe não sai uma dobradinha musical com uma possível vitória de Les Miserábles, de Tom Hooper? OK, já seria muita ilusão de minha parte…

E o que dizer da primeira participação da Quênia no Oscar? Eles selecionaram o drama Nairobi Half Life, de David ‘Tosh’ Gitonga. Obviamente, trata-se de uma produção de baixo orçamento que acompanha a trajetória de um jovem aspirante a ator que se muda para a cidade grande (Nairobi) a fim de tentar a sorte na carreira. Talvez o filme tenha baixa qualidade técnica pelas dificuldades do país, mas se mandaram bem no lado emotivo da história, por que não teria chances reais? Se uma coisa eu aprendi nesses anos acompanhando o Oscar foi que a categoria de Filme Estrangeiro privilegia a boa e velha catarse. Histórias que mexem com elementos de superação são os favoritos.

Nairobi Half Life, de David ‘Tosh’ Gitonga: Primeiríssima participação do Quênia no Oscar. Motivo de orgulho e torcida.

E o Brasil? Quando vem o bendito primeiro Oscar para o nosso país? Teria O Palhaço, de Selton Mello, boas chances de ficar entre os finalistas? Particularmente, gostei da escolha entre os filmes nacionais, pois mostra um Brasil diferente dos últimos retratos de Cidade de Deus (2002) e Tropa de Elite (2007). Como já afirmei antes, a categoria diverge das demais em termos de votação. Já tentamos ganhar com Walter Salles (Central do Brasil) e Fernando Meirelles (Cidade de Deus) pelo prestígio internacional. Já apelamos pelos gostos dos votantes com Olga (2004), de Jayme Monjardim, e O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias (2006), de Cao Hamburger. Nada. Então, mesmo que O Palhaço sequer figure entre os finalistas, pelo menos estamos tentando com novas perspectivas. O filme possui temática universal do circo, boas atuações e qualidades técnicas como fotografia e trilha. Quem sabe?

Vale lembrar que lista dos 71 filmes que participam da maratona do Oscar poderia ser de 72 filmes. O governo (patético) do Irã resolveu chamar a atenção da mídia ao cancelar a participação do país no Oscar como forma de protesto pelo vídeo (ainda mais patético) Inocência dos Muçulmanos, que o Youtube foi obrigado a retirar do ar por ordem do governo brasileiro (muito mais patético) que mesmo tendo mais de vinte anos de ditadura na História, ainda não aprendeu que censura é uma atitude desprezível que vai contra a liberdade que foi conquistada com muito suor e sangue. Azar também do pobre filme iraniano A Cube of Sugar, de Seyyed Reza Mir-Karimi, que teve que pagar o pato com essa história ridícula de boicote…
Segue lista completa em ordem alfabética:

Afeganistão: The Patience Stone, de Atiq Rahimi

África do Sul: Little One, de Darrell James Roodt
Albânia: Pharmakon, de Joni Shanaj

Alemanha: Barbara, de Christian Petzold
Argélia: Zabana!, de Said Ould Khelifa
Argentina: Clandestine Childhood, de Benjamín Ávila
Armênia: If Only Everyone, de Natalia Belyauskene
Austrália: Lore, de Cate Shortland
Áustria: Amour, de Michael Haneke
Azerbaijão: Buta, de Ilgar Najaf
Bangladesh: Pleasure Boy Komola, de Humayun Ahmed
Bélgica: Our Children, de Joachim Lafosse
Bósnia e Herzegovina: Children of Sarajevo, de Aida Begic
Brasil: O Palhaço, de Selton Mello
Bulgária: Sneakers, de Valeri Yordanov e Ivan Vladimirov
Camboja: Lost Loves, de Chhay Bora
Canadá: War Witch, de Kim Nguyen

Cazaquistão: Myn Bala: Warriors of the Steppe, de Akan Satayev
Chile: No, de Pablo Larraín;
China: Caught in the Web, de Chen Kaige
Colômbia: The Snitch Cartel, de Carlos Moreno

Coréia do Sul: Pieta, de Kim Ki-duk
Croácia: Vegetarian Cannibal, de Branko Schmidt
Dinamarca: A Royal Affair, de Nikolaj Arcel

Eslováquia: Made in Ash, de Iveta Grófová
Eslovênia: A Trip, de Nejc Gazvoda
Espanha: Blancanieves, de Pablo Berger
Estônia: Mushrooming, de Toomas Hussar

Filipinas: Bwakaw, de Jun Robles Lana
Finlândia: Purge, de Antti J. Jokinen
França: Intocáveis, de Olivier Nakache e Eric Toledano
Georgia: Keep Smiling, de Rusudan Chkonia
Grécia: Unfair World, de Filippos Tsitos
Greenland: Inuk, de Mike Magidson

Holanda: Kauwboy, de Boudewijn Koole
Hong Kong: Life without Principle, de Johnnie To
Hungria: Just the Wind, de Bence Fliegauf
Índia: Barfi!, de Anurag Basu
Indonésia: The Dancer, de Ifa Isfansyah

Islândia: The Deep, de Baltasar Kormákur
Israel: Fill the Void, de Rama Burshtein
Itália: Caesar Must Die, de Paolo Taviani e Vittorio Taviani
Japão: Our Homeland, de Yang Yonghi
Letônia: Gulf Stream under the Iceberg, de Yevgeny Pashkevich
Lituânia: Ramin, de Audrius Stonys
Macedônia: The Third Half, de Darko Mitrevski
Malásia: Bunohan, de Dain Iskandar Said

Marrocos: Death for Sale, de Faouzi Bensaïdi
México: After Lucia, de Michel Franco
Noruega: Kon-Tiki, de Joachim Rønning e Espen Sandberg
Palestina: When I Saw You, de Annemarie Jacir
Peru: The Bad Intentions, de Rosario García-Montero
Polônia: 80 Million, de Waldemar Krzystek
Portugal: Blood of My Blood, de João Canijo

Quênia: Nairobi Half Life, de David ‘Tosh’ Gitonga

Quirguistão: The Empty Home, de Nurbek Egen

República Dominicana: Jaque Mate, de José María Cabral

República Tcheca: In the Shadow, de David Ondrícek
Romênia: Beyond the Hills, de Cristian Mungiu
Rússia: White Tiger, de Karen Shakhnazarov
Sérvia: When Day Breaks, de Goran Paskaljevic

Singapura: Already Famous, de Michelle Chong
Suécia: The Hypnotist, de Lasse Hallström
Suíça: Sister, de Ursula Meier
Tailândia: Headshot, de Pen-ek Ratanaruang

Taiwan: Touch of the Light, de Chang Jung-Chi
Turquia: Where the Fire Burns, de Ismail Gunes
Ucrânia: The Firecrosser, de Mykhailo Illienko
Uruguai: The Delay, de Rodrigo Plá
Venezuela: Rock, Paper, Scissors, de Hernán Jabes
Vietnã: The Scent of Burning Grass, de Nguyen Huu Muoi