Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2014

Marcello Mastroianni em pôster oficial do Festival de Cannes (photo by http://www.filmindustrynetwork.biz/cannes-film-festival-gives-homage-italian-actor/23599)

Marcello Mastroianni em pôster oficial do Festival de Cannes (photo by http://www.filmindustrynetwork.biz/cannes-film-festival-gives-homage-italian-actor/23599)

FESTIVAL CONSEGUE BOM EQUILÍBRIO ENTRE LENDAS COMO JEAN-LUC GODARD E JOVENS CINEASTAS COMO ALICE ROHRWACHER

Com o anúncio dos filmes indicados à Palma de Ouro, o 67º Festival de Cannes oficialmente começa sua corrida. Como feito no ano passado, quando os atores Paul Newman e Joanne Woodward estamparam o pôster do evento, este ano outra lenda do cinema empresta sua imagem: o ator italiano Marcello Mastroianni. Vencedor do prêmio de interpretação masculina duas vezes por Ciúme à Italiana (1970) e Olhos Negros (1987), ele ficou mundialmente conhecido por sua parceria com o diretor Federico Fellini em produções como A Doce Vida e 8½.

Jane Campion (photo by festival-cannes.fr)

Jane Campion (photo by festival-cannes.fr)

Para presidir o júri, os organizadores do festival chamaram a cineasta neozelandesa Jane Campion, a única mulher a conquistar a Palma de Ouro com O Piano em 1993. Ela também conseguiu a proeza de ganhar a Palma de Ouro de Melhor Curta com An Exercise in Discipline – Peel em 1986. Entre outros filmes, Campion dirigiu Retratos de uma Mulher (1996), Fogo Sagrado! (1999), O Brilho de uma Paixão (2009) e recentemente dirigiu episódios da minissérie Top of the Lake.

Quanto à seleção oficial, o destaque fica para a presença da trinca de cinestas canadenses: David Cronenberg, Atom Egoyan e Xavier Dolan. Nenhum deles ganhou o prêmio máximo de Cannes, então esta pode ser uma oportunidade única. Mais conhecido por suas bizarrices dos anos 80 e 90 como A Mosca, ExistenZ e Crash – Estranhos Prazeres, Cronenberg vem buscando um amadurecimento de seu trabalho desde Marcas da Violência (2005), quando ele passou a priorizar uma economia de linguagem ou o famoso “menos é mais”. Particularmente, considero seus filmes indispensáveis, seja das décadas anteriores como os mais recentes, porque ele está sempre em busca de algo inovador, independente do resultado final. Espero que seu novo trabalho, Maps to the Stars, seja bem recebido em Cannes e que ele consiga um lugar na premiação.

À direita, David Cronenberg dirige Olivia Williams no set de Map to the Stars. Ao lado dele, o ator John Cusack. (photo by outnow.ch)

À direita, David Cronenberg dirige Olivia Williams no set de Maps to the Stars. Ao lado dele, o ator John Cusack. (photo by outnow.ch)

Seu conterrâneo, Atom Egoyan, já bateu na trave quando seu O Doce Amanhã faturou o Grande Prêmio do Júri em 1997. Ele já concorreu vezes à Palma, e esta é sua sexta chance com The Captive, um drama sobre seqüestro estrelado por Ryan Reynolds, Rosario Dawson e Bruce Greenwood. Curiosamente, Egoyan vai na cola de outro diretor canadense Denis Villeneuve, que dirigiu uma história de seqüestro em Os Suspeitos. E, aos 25 anos de idade, Xavier Dolan volta à Cannes pela quarta vez, mas a primeira em que concorre à Palma com seu drama de relacionamento Mommy.

Em se tratando de Cannes, obviamente os cineastas consagrados têm as melhores chances. Este ano, temos a ilustre presença de um dos maiores diretores de todos os tempos: Jean-Luc Godard. Ao contrário da onda comercial, Godard explora a linguagem do 3D em seu novo Goodbye to Language. Acredito que o diretor francês deverá ir além da profundidade de campo do uso tridimensional como fez alguns diretores renomados como Martin Scorsese. Aos 83 anos, Godard ainda atua como um incansável experimentalista. Seu filme anterior, Filme Socialismo, combina inúmeras idiomas em inúmeras conversações, usando várias linguagens em vários locais de filmagem. Ele foi indicado seis vezes, mas nunca ganhou em Cannes.

Já os laureados previamente Ken Loach, Mike Leigh e os irmãos Jean-Pierre e Luc Dardenne voltam a concorrer. Loach, vencedor por Ventos da Liberdade em 2006, traz uma espécie de biografia do líder comunista irlandês James Gralton em Jimmy’s Hall, enquanto Mike Leigh, vencedor por Segredos e Mentiras (1996), trata da vida do pintor J.M.W. Turner do século XIX. Ele retoma sua parceria com os atores Timothy Spall e Lesley Manville.Considerados sempre favoritos, os irmãos belgas Dardenne exploram temática trabalhista no drama Two Days, One Night, com uma ótima candidata a Melhor Atriz, Marion Cotillard. Os diretores já venceram a Palma de Ouro duas vezes: em 1999 com Rosetta, e em 2005 por A Criança.

CELEBRIDADES NA CROISETTE

Elogiado por seu equilíbrio entre cinema de autor e comercial pela presidente do júri, Jane Campion, o Festival de Cannes não poderia dispensar a presença de algumas celebridades no glamoroso tapete vermelho da Croisette. Pelo novo filme dirigido pelo ator Tommy Lee Jones, a atriz vencedora de dois Oscars, Hilary Swank, deve marcar presença por The Homesman, um western sobre a escota de três criminosas. Além dela, outros atores que participaram do filme podem visitar o festival como Meryl Streep, James Spader, John Lithgow e Miranda Otto.

Tommy Lee Jones e Hilary Swank em cena de The Homesman (photo by cine.gr)

Tommy Lee Jones e Hilary Swank em cena de The Homesman (photo by cine.gr)

Foxcatcher, novo filme de Bennett Miller, diretor de Capote e O Homem que Mudou o Jogo, também pode chamar seus atores para o tapete vermelho. Além do jovem promissor Channing Tatum, os atores Steve Carell e Mark Ruffalo devem comparecer para prestigiar o trabalho. Curiosamente, o filme estava previsto para estrear no final de 2013 a fim de concorrer às indicações ao Oscar, mas o estúdio responsável preferiu adiar o lançamento, pois considerava a competição acirrada demais. Antes dessa mudança, Ruffallo e Carell estavam bem cotados para indicações de coadjuvante no prêmio da Academia. Foxcatcher reconstrói o período em que ocorreu o assassinato do campeão olímpico Dave Schultz.

Channing Tatum e Mark Ruffallo trabalham no novo filme de Bennett Miller (photo by outnow.ch)

Channing Tatum e Mark Ruffallo trabalham no novo filme de Bennett Miller (photo by outnow.ch)

Embora não se trate de uma produção hollywoodiana, Clouds of Sils Maria, do diretor Olivier Assayas, também trará artistas famosos: vencedora do Oscar por O Paciente Inglês, a francesa Juliette Binoche, sempre figura como favorita nas premiações, e a jovem Chloë Grace Moretz, que recentemente estrelou a refilmagem de Carrie, a Estranha. Vale ressaltar que Kristen Stewart, da cinessérie Saga Crepúsculo, poderá comparecer e acabar cruzando com seu ex, o ator Robert Pattison, que está no filme de David Cronenberg.

Da esquerda pra direita: Brady Corbet, Chloe Grace Moretz e Juliette Binoche em cena de Clouds of Sil Maria (photo by cine.gr)

Da esquerda pra direita: Brady Corbet, Chloë Grace Moretz e Juliette Binoche em cena de Clouds of Sils Maria (photo by cine.gr)

Vencedor do Oscar pelo adorado O Artista, o diretor francês Michel Hazanavicius volta a dirigir e decidiu optar por uma refilmagem de Perdidos na Tormenta (The Search), de Fred Zinnemann. A trama envolve a curiosa relação entre uma trabalhadora de uma ONG e um menino de uma devastada pela guerra Chechênia. Além de sua esposa, a atriz Bérénice Bejo, o filme também traz a indicada ao Oscar 4 vezes, Annette Bening.

Ainda sobre celebridades, o filme de abertura também trará uma: Nicole Kidman, no papel da atriz e princesa Grace Kelly, em Grace: A Princesa de Mônaco, do diretor Olivier Dahan, conhecido por Piaf – Um Hino ao Amor. Assim como Foxcatcher, esta produção estava prevista para estréia em 2013, mas acabou sendo adiada. Talvez o convite de abertura do festival de Cannes tenha pesado no planejamento… Mesmo assumindo a tarefa ingrata de personificar a beleza de Grace Kelly, Kidman vinha sendo bem cotada para Melhor Atriz no Oscar. Se o filme for bem recebido, sua indicação já estaria bem encaminhada para 2015.

Nicole Kidman como Grace Kelly em Grace of Monaco (photo by elfilm.com)

Nicole Kidman como Grace Kelly em Grace: A Princesa de Mônaco (photo by elfilm.com)

AUSÊNCIAS CRITICADAS

Assim como no Oscar, é muito difícil de agradar gregos e troianos. Se incluem os Dardenne, Godard, Loach, Mike Leigh e Cronenberg, muitos cinéfilos e críticos reclamam que os organizadores tomaram uma decisão segura e deixaram de apostar em nomes mais contemporâneos. O crítico Justin Chang da Variety citou alguns trabalhos que não foram lembrados por Cannes:

Inherent Vice, de Paul Thomas Anderson; Knight of Cups, de Terrence Malick; Big Eyes, de Tim Burton; The Assassin, de Hou Hsiao Hsien; Jersey Boys, de Clint Eastwood; Magic in the Moonlight, de Woody Allen; Edge of Tomorrow, de Doug Liman; Far from the Madding Crowd, de Thomas Vinterberg; Birdman, de Alejandro González Iñárritu; e a biografia sem título sobre Lance Armstrong, de Stephen Frears.

Sem querer defender nenhum lado, acredito que se esses nomes acima estivessem competindo, os que foram indicados de fato teriam suas ausências igualmente questionadas. Teríamos que ter uma seleção oficial de uns 50 nomes para tentar atender a todos os pedidos, mas certamente haveria filmes de qualidade duvidosa. É preciso dar crédito aos profissionais que fazem a seleção dos filmes, uma vez que o Festival de Cannes tem como marca registrada a busca por um cinema de autor contemporâneo.

O único argumento que concordei com Justin Chang foi em relação à baixa presença de autoras femininas entre os indicados. Como lembrado anteriormente, Jane Campion foi a única mulher que venceu a Palma de Ouro. Talvez sua escolha como presidente do júri deste ano seja uma tentativa de amenizar essa estatística. Contudo, espero que não resolvam premiar um filme simplesmente por haver uma mulher atrás da câmera (duas diretoras competem: Naomi Kawase e Alice Rohrwacher), pois seria uma idéia estúpida, mas sim, por sua qualidade cinematográfica.

INDICADOS A PALMA DE OURO 2014:

– The Captive
Dir: Atom Egoyan

Palma de Ouro

Palma de Ouro

– Clouds of Sils Maria
Dir: Olivier Assayas

– Foxcatcher
Dir: Bennett Miller

– Goodbye to Language (Adieu au Langage)
Dir: Jean-Luc Godard

– The Homesman
Dir: Tommy Lee Jones

– Jimmy’s Hall
Dir: Ken Loach

– Leviathan
Dir: Andrei Zvyagintsev

– Le Meraviglie
Dir: Alice Rohrwacher

– Maps to the Stars
Dir: David Cronenberg

– Mommy
Dir: Xavier Dolan

– Saint Laurent
Dir: Bertrand Bonello

– The Search
Dir: Michel Hazanavicius

– Still the Water
Dir: Naomi Kawase

– Mr. Turner
Dir: Mike Leigh

– Timbuktu
Dir: Abderrahmane Sissako

– Two Days, One Night
Dir: Jean-Pierre e Luc Dardenne

– Wild Tales
Dir: Damian Szifron

– Winter Sleep
Dir: Nuri Bilge Ceylan

Da esquerda para a direita:

Da esquerda para a direita: Juliano Ribeiro Salgado, Sebastião Salgado e Wim Wenders. (photo by Thierry Poufarry in http://www.dw.de)

Ausente da competição à Palma de Ouro, o Brasil está representado pelo documentário The Salt of the Earth, sobre o fotógrafo breasileiro Sebastião Salgado. A direção é assinada pelo alemão Wim Wenders (Buena Vista Social Club) e por Juliano Ribeiro Salgado, filho do fotógrafo. Outros destaques da Un Certain Regard incluem Incompresa, o novo filme de Asia Argento, que foi elogiado pelo diretor do festival Thierry Frémaux como sendo “extremamente pessoal”, e também justificou a escolha de Party Girl como filme de abertura “porque notamos que o novo cinema francês está em estado de fervor e vitalidade, e precisamos encorajar isso”. E Bird People, de Pascale Ferran, foi considerado inovador por sua trama envolvendo elementos sobrenaturais.

Vale ressaltar a estréia na direção do ator Ryan Gosling com Lost River, um drama de fantasia que se passa em Detroit. Ele contou com as atrizes Eva Mendes, Christina Hendricks e Saoirse Ronan.

SELEÇÃO UN CERTAIN REGARD:

– Party Girl
Dir: Marie Amachoukeli, Claire Burger e Samuel Theis

Seleção Un Certain Regard

Seleção Un Certain Regard

– Amour fou
Dir: Jessica Hausner

– Away From His Absence
Dir: Keren Yedaya

– Bird People
Dir: Pascale Ferran

– The Blue Room
Dir: Mathieu Amalric

– Charlie’s Country
Dir: Rolf de Heer

– Eleanor Rigby
Dir: Ned Benson

– Fantasia
Dir: Wang Chao

– Force Majeure
Dir: Ruben Ostlund

– A Girl at My Door
Dir: July Jung

– Hermosa juventud
Dir: Jaime Rosales

– Incompresa
Dir: Asia Argento

– Lost River
Dir: Ryan Gosling

– Run
Dir: Philippe Lacote

– Salt of the Earth
Dir: Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado

– Snow in Paradise
Dir: Andrew Hulme

– Titli
Dir: Kanu Behl

– Untitled
Dir: Lisandro Alonso

– Xenia
Dir: Panos Koutras

SPECIAL SCREENINGS

* Bridges of Sarajevo
Dir: Aida Begic, Isild le Besco, Leonardo di Constanzo, Jean-Luc Godard, Kamen Kalev, Sergei Loznitsa, Vincenzo Marra, Ursula Meier, Vladimir Perisic, Cristi Puiu, Marc Recha, Angela Schanelec, Teresa Villaverde

* Caricaturistes: Fantassins de la democratie
Dir: Stephanie Valloatto

* Maidan
Dir: Sergei Loznitsa

* Red Army
Dir: Gabe Polsky

* Silvered Water
Dir: Mohammed Oussama e Wiam Bedirxan

MIDNIGHT SCREENINGS

* The Rover
Dir: David Michod

* The Salvation
Dir: Kristian Levring

* The Target
Dir: Yoon Hong-seung

CELEBRATION OF THE 70TH ANNIVERSARY OF LE MONDE

* Les Gens du Monde
Dir: Yves Jeuland

A edição do Festival de Cannes acontece entre os dias 14 a 25 de maio de 2014.

Cena de Le Meraviglie, de Alice Rohrwacher, uma das duas mulheres presente na seleção oficial de Cannes (photo by cine.gr)

Cena de Le Meraviglie, de Alice Rohrwacher, uma das duas mulheres presente na seleção oficial de Cannes (photo by cine.gr)

Anúncios

Alfonso Cuarón vence o DGA e fortalece chances de ‘Gravidade’

Alfonso Cuarón recebe o DGA das mãos do vencedor de 2013, Ben Affleck, tornando-se o primeiro hispânico a ganhar o DGA (photo by zimbio.com)

Alfonso Cuarón recebe o DGA das mãos do vencedor de 2013, Ben Affleck, tornando-se o primeiro hispânico a ganhar o DGA (photo by zimbio.com)

COM VITÓRIA NO DGA, GRAVIDADE ENTRA DE VEZ NA COMPETIÇÃO DO OSCAR DE MELHOR FILME

Para quem está acompanhando a corrida para o Oscar 2014, percebe que a briga para o prêmio de Melhor Filme está cada vez mais acirrada. Nas últimas semanas, Trapaça venceu o SAG de Melhor Elenco e conquistou o Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical. Já 12 Anos de Escravidão e Gravidade empataram como Melhor Filme no PGA, sendo que o primeiro também venceu o Critics’ Choice Awards e o Globo de Ouro de Melhor Filme – Drama.

Com a vitória do mexicano Alfonso Cuarón no Directors Guild (DGA), Gravidade tem suas chances elevadas consideravelmente, pois em 65 anos de DGA, apenas 7 diretores não repetiram a façanha no Oscar, e no mesmo período, apenas 13 diretores não tiveram seus filmes vencedores do Oscar de Melhor Filme. Já nos 85 anos do Oscar, houve 23 ocasiões.

Cuarón se tornou o primeiro diretor hispânico a ganhar o DGA, o que reforça uma certa tendência de diretores estrangeiros. Só para constar, nos últimos anos, Ang Lee (Taiwan), Michel Hazanavicius (França) e Tom Hooper (Inglaterra) ganharam o Oscar. O maior concorrente de Alfonso Cuarón era Steve McQueen (Inglaterra), que poderia se tornar o primeiro diretor negro a ganhar o DGA. As chances de Cuarón se mantêm altas no Oscar também, uma vez que os concorrentes são praticamente os mesmos, excetuando Alexander Payne (Nebraska), que tomou a vaga de Paul Greengrass (Capitão Phillips).

Enquanto o primeiro teve de inventar a tecnologia necessária para filmar as cenas espaciais juntamente com seu diretor de fotografia Emmanuel Lubezki e o supervisor de efeitos digitais Tim Webber, o segundo enfrentou um desafio típico de maratonas telvisivas: filmou 12 Anos de Escravidão em 35 dias com apenas uma câmera. Vale ressaltar aqui também que Gravidade representa o sucesso de público (mais de 600 milhões de dólares) e 12 Anos de Escravidão representa a unanimidade da crítica.

Alfonso Cuarón dirige cena com Sandra Bullock (photo by www.thehollywoodreporter.com)

Alfonso Cuarón (centro) dirige cena com Sandra Bullock (photo by http://www.thehollywoodreporter.com)

É um duelo tão interessante e extremamente competitivo que pode favorecer um terceiro filme na briga, no caso, Trapaça, um filme bem escrito e muito bem dirigido por David O. Russell, que encaminhou mais uma vez seus atores para as quatro categorias de atuação: Christian Bale (Ator), Amy Adams (Atriz), Bradley Cooper (Ator Coadjuvante) e Jennifer Lawrence (Atriz Coadjuvante). Ele já havia conseguido essa proeza com seu filme anterior, O Lado Bom da Vida. Na História do Oscar, esta é apenas a 15ª vez que as quatro categorias são preenchidas pelo mesmo filme, sendo Reds (1981) e Rede de Intrigas (1976) exemplos mais recentes.

Os indicados ao DGA este ano, da esquerda para a direita: (photo by thehollywoodreporter.com)

Os indicados ao DGA este ano, da esquerda para a direita: Alfonso Cuarón, Steve McQueen, Martin Scorsese, David O. Russell e Paul Greengrass (photo by thehollywoodreporter.com)

Já na categoria de direção para Documentários, a vitória da egípcia Jehane Noujaim por The Square foi uma surpresa, já que bateu o favorito Joshua Oppenheimer (O Ato de Matar), que também concorre ao Oscar. Trata-se da primeira grande vitória em Cinema para o Netflix. Na TV, já ganhou o Emmy e o Globo de Ouro pela série House of Cards. A diretora Jehane Noujaim já havia ganhado o DGA em 2001 pelo documentário Startup.com (com Chris Hegedus) e foi indicada anteriormente por Control Room em 2004.

A diretora egípcia Jehane Noujaim (photo by Matt Furman)

A diretora egípcia Jehane Noujaim (photo by Matt Furman)

Na categoria Direção para Minisséries ou Filmes para TV, Steven Soderbergh subiu ao palco por Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra), que já havia vencido o Globo de Ouro e o Emmy. Emocionado, ele também recebeu o prêmio especial Robert B. Aldrich, concedido pelo reconhecimento pelo extraordinário serviço ao Directors Guild of America e seus membros.

O presidente do DGA, Paris Barclay agradeceu Soderbergh por sua devoção ao sindicato, especialmente seu trabalho em proteger e extender os direitos criativos dos diretores, algo extremamente importante nos dias atuais em que produtores mandam mais do que o diretores, gerando filmes nitidamente feitos para arrecadar dinheiro. Soderbergh foi presidente do DGA por nove anos, e foi indicado duas vezes em 2000 por Traffic e Erin Brockovich: Uma Mulher de Talento.

Steven Soderbergh dirige Michael Douglas em cena de Minha Vida com Liberace (photo by cineplex.com)

Steven Soderbergh dirige Michael Douglas em cena de Minha Vida com Liberace (photo by cineplex.com)

Confira todos os vencedores desta edição:

Feature Film: Alfonso Cuarón (Gravidade)
Documentary Feature: Jehane Noujaim (The Square)
Dramatic Series: Vince Gilligan (Breaking Bad – episódio: Felina)
Comedy Series: Beth McCarthy-Miller (30 Rock – episódio: Hogcock!/Last Lunch)
Movie for Television or Mini-Series: Steven Soderbergh (Minha Vida com Liberace)
Variety/Talk/News/Sports – Series: Don Roy King (Saturday Night Live – with the host Justin Timberlake)
Variety/Talk/News/Sports – Specials: Glenn Weiss (The 67th Annual Tony Awards)
Reality Programs: Neil P. DeGroot (72 Hours – episódio: The Lost Coast)
Children’s Program: Amy Schatz (An Apology to Elephants)
Commercial: Martin de Thurah (Epoch Films)

Robert B. Aldrich Award: Steven Soderbergh
DGA Diversity Award: Shonda Rhimes e Betsy Beers
Frank Capra Achievement Award: Lee Blaine
Franklin J. Schaffner Achievement Award: Vincent DeDario

‘O Lado Bom da Vida’ domina o Independent Spirit Awards 2013

David O. Russell, vencedor de Melhor Diretor e Roteiro por O Lado Bom da Vida, no Independent Spirit Awards

David O. Russell, vencedor de Melhor Diretor e Roteiro por O Lado Bom da Vida, no Independent Spirit Awards (photo by latimes.com)

Um dia antes de concorrer em oito categorias no Oscar, a comédia O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook) se tornou a grande vitoriosa do prêmio que prestigia o cinema mais independente. Além de Melhor Filme, o filme de David O. Russell levou Direção, Roteiro e Atriz para Jennifer Lawrence.

Curiosamente, o orçamento de produção do vencedor ultrapassa em 1 milhão de dólares do limite estipulado pela premiação para poder concorrer, mas parece que o lobby da distribuidora Weinstein Company falou mais alto. Aliás, esta é a segunda produção consecutiva da Weinstein a ganhar o Independent Spirit Awards depois de O Artista.

Jennifer Lawrence aceitando prêmio de Melhor Atriz por O Lado Bom da Vida (photo by movies.yahoo.com)

Jennifer Lawrence aceitando prêmio de Melhor Atriz por O Lado Bom da Vida (photo by movies.yahoo.com)

Em 2012, havia uma discussão sobre a eligibilidade de O Artista nas principais categorias. Como ambos os atores principais (Jean Dujardin e Bérènice Bejo) e o diretor Michel Hazanavicius são franceses, o filme deveria ter competido apenas como produção estrangeira. Acabou também limpando a premiação com Melhor Filme, Diretor, Fotografia e Ator.

Com o domínio de O Lado Bom da Vida, um dos principais concorrentes ficou praticamente esquecido: Indomável Sonhadora. Apesar de terem tentado compensar o pequeno filme apenas com o prêmio de Fotografia para Ben Richardson, o público ficou com a sensação de injustiça, afinal, terá poucas chances nas quatro categorias que está indicado no Oscar ao contrário do filme vencedor.

Pelo histórico do Independent Spirit Awards, surgiu uma famosa frase: “Ganhe no sábado e perca no domingo”. Normalmente o filme vencedor perde no Oscar no dia seguinte. Casos mais recentes incluem Cisne Negro, Preciosa – Uma História de Esperança e O Lutador. O único a quebrar esta escrita foi justamente O Artista, que levou ambos o Independent e o Oscar.

Contudo, essa aliança tende a ficar mais recorrente. Desde 2000, 10 dos 13 vencedores de Melhor Filme foram também indicados a Melhor Filme no Oscar. Sem contar os atores que ganharam os dois prêmios: Jean Dujardin (O Artista), Christopher Plummer (Toda Forma de Amor), Natalie Portman (Cisne Negro), Mo’Nique (Preciosa – Uma História de Esperança) e Jeff Bridges (Coração Louco).

Ainda sobre os vencedores nas categorias de atuação, o Independent Spirit Awards salvou o ano dos atores John Hawkes e Matthew McConaughey. Ambos tiveram suas interpretações muito elogiadas pela crítica no final de 2012, mas viram suas boas campanhas naufragarem com a ausência na lista do Oscar. Em seu discurso de agradecimento, McConaughey, que venceu pelo papel de um dono de clube de striptease em Magic Mike, soltou um desabafo: “Tive que tirar minhas calças pra ganhar um troféu!”. E com a ausência da favorita Anne Hathaway, Helen Hunt acabou levando a melhor na categoria de atriz coadjuvante por As Sessões.

John Hawkes recebe prêmio de Melhor Ator por As Sessões das mãos de Salma Hayek (photo by sfgate.com)

John Hawkes recebe prêmio de Melhor Ator por As Sessões das mãos de Salma Hayek (photo by sfgate.com)

Amor, de Michael Haneke, confirmou seu favoritismo e deve chegar com força total para o Oscar, mesmo que seus concorrentes diretos (o chileno No e o norueguês Expedição Kon-Tiki) não tenham sido sequer indicados ao Independent Spirit.

Acompanhe novamente os indicados e os vencedores (assinalados em negrito):

MELHOR FILME
Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)
Bernie
Deixe a Luz Acesa (Keep the Lights On)
Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)
• O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

MELHOR DIRETOR
Wes Anderson, Moonrise Kingdom
Julia Loktev, The Loneliest Planet
• David O. Russell, O Lado Bom da Vida
Ira Sachs, Deixe a Luz Acesa
Benh Zeitlin, Indomável Sonhadora

MELHOR ROTEIRO
Wes Anderson & Roman Coppola, Moonrise Kingdom
Zoe Kazan, Ruby Sparks – A Namorada Perfeita
Martin McDonagh, Sete Psicopatas e um Shih Tzu
• David O. Russell, O Lado Bom da Vida
Ira Sachs, Deixe a Luz Acesa

MELHOR FILME DE ESTREANTE
Fill the Void
Gimme the Loot
Sem Segurança Nenhuma (Safety Not Guaranteed)
Sound of My Voice
• As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE
Rama Burshtein, Fill the Void
• Derek Connolly, Sem Segurança Nenhuma
Christopher Ford, Frank e o Robô
Rashida Jones & Will McCormack, Celeste e Jesse Para Sempre
Jonathan Lisecki, Gayby

JOHN CASSAVETES AWARD – (para produções abaixo de 500 mil dólares)
Breakfast with Curtis
• Middle of Nowhere
Mosquita y Mari
Starlet
The Color Wheel

MELHOR ATRIZ
Linda Cardellini, Return
Emayatzy Corinealdi, Middle of Nowhere
• Jennifer Lawrence, O Lado Bom da Vida
Quvenzhané Wallis, Indomável Sonhadora
Mary Elizabeth Winstead, Smashed

MELHOR ATOR
Jack Black, Bernie
Bradley Cooper, O Lado Bom da Vida
• John Hawkes, As Sessões
Thure Lindhardt, Deixe a Luz Acesa
Matthew McConaughey, Killer Joe – Matador de Aluguel
Wendell Pierce, Four

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Rosemarie DeWitt, Your Sister’s Sister
Ann Dowd, Compliance
• Helen Hunt, As Sessões
Brit Marling, Sound of My Voice
Lorraine Toussaint, Middle of Nowhere

MELHOR ATOR COADJUVANTE
• Matthew McConaughey, Magic Mike
David Oyelowo, Middle of Nowhere
Michael Péna, Marcados Para Morrer
Sam Rockwell, Sete Psicopatas e um Shih Tzu
Bruce Willis, Moonrise Kingdom

MELHOR FOTOGRAFIA
Yoni Brook, Valley of Saints
Lol Crawley, Here
• Ben Richardson, Indomável Sonhadora
Roman Vasyanov, Marcados Para Morrer
Robert Yeoman, Moonrise Kingdom

MELHOR DOCUMENTÁRIO
How to Survive a Plague
Marina Abramović: The Artist is Present
The Central Park Five
• The Invisible War
The Waiting Room

MELHOR FILME INTERNACIONAL
Amor (França) de Michael Haneke
Once Upon A Time in Anatolia (Turquia), de Nuri Bilge Ceylan
Ferrugem e Osso (França/Bélgica), de Jacques Audiard
Sister (Suíça), de Ursula Meier
A Feiticeira da Guerra (República Democrática do Congo), de Kim Nguyen

PIAGET PRODUCERS AWARD
Nobody Walks, Alicia Van Couvering
Prince Avalanche, Derrick Tseng
Stones in the Sun, Mynette Louie

SOMEONE TO WATCH AWARD
Pincus, diretor David Fenster
Gimme the Loot, diretor Adam Leon
Electrick Children, diretora Rebecca Thomas

TRUER THAN FICTION AWARD (dado para documentaristas emergentes)
Leviathan, diretores Lucien Castaing-Taylor and Véréna Paravel
The Waiting Room, diretor Peter Nicks
Only the Young, diretores Jason Tippet & Elizabeth Mims

ROBERT ALTMAN AWARD (pelo elenco)
Starlet
Diretor: Sean Baker
Diretor de Casting: Julia Kim
Elenco: Dree Hemingway, Besedka Johnson, Karren Karagulian, Stella Maeve, James Ransone.

FIND Your Audience Award
Breakfast With Curtis, de Laura Colella
The History of Future Folk, de John Mitchell, Jeremy Kipp Walker

Matthew McConaughey com o prêmio de coadjuvante por Magic Mike (photo by beaumontenterprise.com)

Matthew McConaughey com o prêmio de coadjuvante por Magic Mike (photo by beaumontenterprise.com)

Vencedores do New York Film Critic’s Circle Awards 2012

NYFCC Awards 2012

NYFCC Awards 2012

Nesta 78ª edição, as atenções ficaram divididas entre dois filmes. Por um lado, Zero Dark Thirty, o drama de guerra sobre a caçada de Osama Bin Laden, levou três prêmios: Melhor Filme, Melhor Diretora e Melhor Fotografia. Do outro, Lincoln, filme de época sobre os últimos anos da vida do presidente americano, ficou com Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Roteiro.

Zero Dark Thirty, de Kathryn Bigelow

Zero Dark Thirty, de Kathryn Bigelow

Claro que se medirmos na balança, Zero Dark Thirty sai na frente pelo peso de ganhar os dois principais prêmios da edição. Vale lembrar que o lançamento do filme, que estava previsto para novembro, sofreu um adiamento devido a protestos republicanos que temiam queda de intenção de votos na eleição nos EUA, ficando para dezembro. A produção do longa também ficou marcada pelo acesso exclusivo aos arquivos da CIA da operação de captura do líder terrorista.

Kathryn Bigelow no set de filmagem

Kathryn Bigelow no set de filmagem

A diretora Kathryn Bigelow, que fez história ao ser a primeira mulher a ganhar Melhor Direção no Oscar por Guerra ao Terror, voltou a ganhar o prêmio de direção do NYFCC. Havia uma certa expectativa de que Paul Thomas Anderson, David O. Russell ou até mesmo Steven Spielberg pudessem figurar nessa categoria, mas Bigelow comprova que sua vitória anterior não foi mera sorte. E esta nova parceria com o roteirista Mark Boal parece render bons frutos, uma vez que o projeto do longa se tratava originalmente da década perdida caçando o terrorista. Com a morte de Bin Laden, toda a idéia do filme foi alterada e pelo visto, para melhor.

Como era de se esperar, Daniel Day -Lewis levou Melhor Ator. Quando confirmaram que ele viveria o presidente americano, os holofotes já estavam sobre ele. Logo que saíram as primeiras imagens do ator transformado com um belo trabalho de maquiagem, muitos críticos já o colocavam nas listas de indicação ao Oscar. Com essa vitória em Nova York, Day-Lewis já acumula quatro prêmios do NYFCC: Melhor Ator por Meu Pé Esquerdo (1989), Gangues de Nova York (2002) e Sangue Negro (2007), e Coadjuvante por Uma Janela Para o Amor (1986) e Minha Adorável Lavanderia (1985). Além disso, já se garante entre os cinco indicados ao Oscar, mas pode perder espaço para Joaquin Phoenix por The Master. Ainda pelo filme Lincoln, Sally Field ganhou o prêmio de atriz coadjuvante. A atriz que não vencia há 33 anos (em 1979, por Norma Rae), volta a ser destaque. E o dramaturgo Tony Kushner, que já venceu o Emmy pela série Angels in America, faz seu segundo trabalho com Steven Spielberg (o primeiro foi Munique em 2005) e leva Melhor Roteiro.

Rachel Weisz como Hester Collyer em The Deep Blue Sea (photo by outnow.ch)

Rachel Weisz como Hester Collyer em The Deep Blue Sea (photo by outnow.ch)

Talvez a maior surpresa tenha sido a vitória da britânica Rachel Weisz por The Deep Blue Sea. Esperava-se que a jovem Jennifer Lawrence saísse vitoriosa pelo drama O Lado Bom da Vida ou Jessica Chastain por Zero Dark Thirty. Mas Weisz é uma boa atriz e encara a personagem Hester Collyer, mulher de um juiz que tem um caso amoroso com um piloto da Força Aérea. Vale ressaltar que esse papel foi interpretado por Vivien Leigh no filme original de 1955.

E 2012 parece ser o ano de Matthew McConaughey. Depois de ganhar uma dupla indicação no Independent Spirit Awards (Ator por Killer Joe, e Coadjuvante por Magic Mike), ele ganha o prêmio NYFCC de coadjuvante por Magic Mike e por Bernie. Curiosamente, o primeiro filme é um drama focado no mundo do striptease e clube das mulheres, e o segundo é uma comédia de humor negro sobre como aplicar uma rasteira numa viúva idosa.

A vitória do NYFCC também ajuda bastante na campanha de Tim Burton e seu Frankenweenie. A animação em preto-e-branco sobre um garoto que ressuscita seu cachorrinho Sparky pode render o primeiro Oscar na carreira do renomado diretor gótico. E praticamente carimba a passagem de Michael Haneke para a cerimônia do Oscar para concorrer para Melhor Filme Estrangeiro com Amour, que já ganhou a Palma de Ouro em Cannes e recentemente levou quatro prêmios no European Film Awards: Filme, Ator, Atriz e Diretor.

A corrida para Melhor Documentário também esquenta com a vitória de Central Park Five, que trata do polêmico caso de cinco jovens (negros e latinos) que foram condenados pelo estupro de uma mulher branca no Central Park em 1989. Depois de passarem de 6 a 13 anos na prisão, um estuprador em série confessou o crime, e a sentença se mostra uma combinação trágica entre tensão racial, a polícia querendo mostrar serviço e a cobertura sensacionalista da mídia.

Central Park Five, documentário do trio Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon.

Central Park Five, documentário do trio Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon.

Vencedor como filme estreante, o engajado How to Survive a Plague, de David France, que facilmente seria título de uma comédia sobre zumbis, também pode ficar entre os finalistas do Oscar de Melhor Documentário. O filme de David France relata os esforços de ativistas que queriam provar para o mundo que a AIDS não era uma sentença de morte ao buscar alternativas com a indústria farmacêutica e o governo para salvar a vida de inúmeros infectados.

Pelo histórico recente, talvez o NYFCC Awards não seja um ótimo parâmetro para o Oscar, mas no ano passado, os críticos elegeram O Artista como Melhor Filme, e Michel Hazanavicius como Melhor Diretor, combinação também vitoriosa no Oscar deste ano.

Confira lista completa dos vencedores:

MELHOR FILME: Zero Dark Thirty

MELHOR DIRETOR: Kathryn Bigelow (Zero Dark Thirty)

MELHOR ROTEIRO: Tony Kushner (Lincoln)

MELHOR ATRIZ: Rachel Weisz (The Deep Blue Sea)

MELHOR ATOR: Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Sally Field (Lincoln)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Matthew McConaughey (Magic Mike) (Bernie)

MELHOR FOTOGRAFIA: Greig Fraser (Zero Dark Thirty)

MELHOR FILME DE NÃO-FICÇÃO: Central Park Five, de Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Amour, de Michael Haneke

MELHOR ANIMAÇÃO: Frankenweenie, de Tim Burton

MELHOR FILME DE ESTREANTE: How to Survive a Plague, de David France

Documentário, que traduzido ao pé da letra: "Como Sobreviver a uma Praga", discute a questão da AIDS e os esforços coletivos para procurar alternativas de cura.

Documentário How to Survive a Plague, que traduzido ao pé da letra: “Como Sobreviver a uma Praga”, discute a questão da AIDS e os esforços coletivos para procurar alternativas de cura.

Top 10 dos diretores

Touro Indomável, de Martin Scorsese: praticamente uma unanimidade entre os diretores

Depois da repercussão da lista dos 50 melhores filmes de todos os tempos eleita pela publicação britânica Sight & Sound (postada aqui anteriormente: https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/08/03/vertigo-quebra-hegemonia-de-cidadao-kane/), foram divulgadas algumas listas individuais por diretor, que originaram a lista final dos 50 longas.

Para quem detesta esse lance de listas de melhores e piores, bom… depois que parar de xingar o blog e o autor, gostaria que olhasse essas listas sob outra perspectiva. Por exemplo: Por quais motivos tal diretor escolheu esses 10 filmes? Que relação seus votos têm com sua filmografia? De que forma teria essa seleção influenciado em seu estilo? Se não sabe as respostas, vale a pena conferir os trabalhos eleitos de seus diretores favoritos a fim de compreendê-los melhor.

O mestre sueco Ingmar Bergman sempre serviu de inspiração para Woody Allen, tanto que seu filme Interiores (1978) é considerado seu trabalho mais bergmaniano, explorando personagens que adotam o silêncio como linguagem. Já o cineasta sul-coreano Bong Joon-Ho tem um interesse mórbido por crimes sem solução, portanto, nada mais natural que Zodíaco (2007), de David Fincher esteja em sua lista.

Apaixonado por criaturas bizarras, o mexicano Guillermo del Toro não poderia deixar de citar o clássico de Tod Browning, Os Monstros (1932), que conta com atores com deformidades de nascença. E o francês Michel Hazanavicius praticamente deve seu Oscar de melhor diretor desse ano aos filmes de Charles Chaplin, citando o belíssimo Luzes da Cidade (1931). Michael Mann pode ter se apaixonado pela violência cinematográfica ao assistir ao clássico western de Sam Peckinpah: Meu Ódio Será sua Herança (1969), cujos momentos de slow motion (câmera lenta) deve ter influenciado diretamente John Woo. E falando em western, o ex-atendente de videolocadora, Quentin Tarantino, deve muito de seu cinema ao mestre italiano Sergio Leone e seus western spaghettis. Três Homens em Conflito (1966) serviu como bíblia para Kill Bill: Volume 2 (2004) e para seu mais novo filme Django Livre (2012).

É a Arte influenciando a Arte. É uma corrente que não deve ter fim. E para isso, o Cinema não pode ficar à mercê apenas de lucro e produtores sem um pingo de coragem.

Woody Allen

Woody Allen

Nascido em dezembro de 1935 – Nova York, EUA

Trabalhos em destaque: Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), Manhattan (1979), Crimes e Pecados (1989), Ponto Final – Match Point (2005).

  • Ladrões de Bicicleta (1948, dir. Vittorio De Sica)
  • O Sétimo Selo (1957, dir. Ingmar Bergman)
  • Cidadão Kane (1941, dir. Orson Welles)
  • Amarcord (1973, dir. Federico Fellini)
  • 8 1/2 (1963, dir. Federico Fellini)
  • Os Incompreendidos (1959, dir. François Truffaut)
  • Rashomon (1950, dir. Akira Kurosawa)
  • A Grande Ilusão (1937, dir. Jean Renoir)
  • O Discreto Charme da Burguesia (1972, dir. Luis Bunuel)
  • Glória Feita de Sangue (1957, dir. Stanley Kubrick)

Bong Joon-Ho

Bong Joon-Ho

Nascido em setembro de 1969 – Coréia do Sul

Trabalhos em destaque: Memórias de um Assassino (2003), O Hospedeiro (2006), Mother – A Busca Pela Verdade (2009).

  • A City of Sadness (1989, dir. Hou Hsiao-hsien)
  • Cure (1997, dir. Kiyoshi Kurosawa)
  • Hanyo, a Empregada (1960, dir. Kim Ki-young)
  • Fargo (1996, dir. the Coen Brothers)
  • Psicose (1960, dir. Alfred Hitchcock)
  • Touro Indomável (1980, dir. Martin Scorsese)
  • A Marca da Maldade (1958, dir. Orson Welles)
  • Vengeance Is Mine (1973, dir. Shohei Imamura)
  • O Salário do Medo (1953, dir. Henri-Georges Clouzot)
  • Zodíaco (2007, dir. David Fincher)

Francis Ford Coppola

Francis Ford Coppola

Nascido em abril de 1939 – Michigan, EUA

Trabalhos em destaque: O Poderoso Chefão (1972), A Conversação (1974), O Poderoso Chefão – Parte II (1974), Apocalypse Now (1979).

  • Cinzas e Diamantes (1958, dir. Andrzej Wajda)
  • Os Melhores Anos de Nossas Vidas (1946, dir William Wyler)
  • Os Boas-Vidas (1953, dir. Federico Fellini)
  • Homem Mau Dorme Bem (1960, dir. Akira Kurosawa)
  • Yojimbo (1961, dir. Akira Kurosawa)
  • Cantando na Chuva (1952, dir. Stanley Donen and Gene Kelly)
  • O Rei da Comédia (1983, dir Martin Scorsese)
  • Touro Indomável (1980, dir. Martin Scorsese)
  • Se Meu Apartmento Falasse (1960s, dir. Billy Wilder)
  • Aurora (1927, dir. F.W. Murnau)

Guillermo Del Toro

Guillermo del Toro

Nascido em abril de 1964 – Jalisco, México

Trabalhos em destaque: Cronos (1993), A Espinha do Diabo (2001), Blade II – O Caçador de Vampiros (2002), Hellboy (2004), O Labirinto do Fauno (2006)

  • Frankenstein (1931, dir. James Whale)
  • Monstros (1932, dir. Todd Browning)
  • A Sombra de uma Dúvida (1943, dir. Alfred Hitchcock)
  • Greed (1925, dir. Erich Von Stroheim)
  • Tempos Modernos (1936, dir. Charlie Chaplin)
  • A Bela e a Fera (1946, dir. Jean Cocteau)
  • Os Bons Companheiros (1990, dir. Martin Scorsese)
  • Os Esquecidos (1950, dir. Luis Buñuel)
  • Nosferatu (1922, dir. F.W. Murnau)
  • 8 1/2 (1963, dir. Federico Fellini)

Jean-Pierre e Luc Dardenne

Jean-Pierre e Luc Dardenne

Nascido em abril de 1951 – Prov. Liège, Bélgica

Nascido em março de 1954 – Awirs, Bélgica

Trabalhos em destaque: Rosetta (1999), A Criança (2005), O Silêncio de Lorna (2008), O Garoto de Bicicleta (2011)

  • Accatone (1961, dir. Pier Paolo Pasolini)
  • Os Corruptos (1953, dir. Fritz Lang)
  • Dodes’ka-den (1970, dir. Akira Kurosawa)
  • Alemanha Ano Zero (1948, dir. Roberto Rossellini)
  • Loulou (1980, dir. Maurice Pialat)
  • Tempos Modernos (1936, dir. Charlie Chaplin)
  • Rastros de Ódio (1956, dir. John Ford)
  • Shoah (1985, dir. Claude Lanzmann)
  • Street of Shame (1956, dir. Kenji Mizoguchi)
  • Aurora (1927, dir. F.W. Murnau)

Michel Hazavanicius

Michel Hazanavicius

Nascido em março de 1967 – Paris, França

Trabalho em destaque: O Artista (2011)

  • City Girl (1930, dir. F.W. Murnau)
  • Luzes da Cidade (1931, dir. Charlie Chaplin)
  • To Be Or Not To Be (1942, dir. Ernst Lubitsch)
  • Cidadão Kane (1941, dir. Orson Welles)
  • Se Meu Apartmento Falasse (1960, dir. Billy Wilder)
  • O Iluminado (1980, dir. Stanley Kubrick)
  • Intriga Internacional (1959, dir. Alfred Hitchcock)
  • O Terceiro Homem (1949, dir. Carol Reed)
  • Touro Indomável (1980, dir. Martin Scorsese)
  • Branca de Neve e os Sete Anões (1937, dir. Walt Disney)

Mike Leigh

Mike Leigh

Nascido em fevereiro de 1943 – Greater Manchester, Reino Unido

Trabalhos em destaque: Segredos e Mentiras (1996), Topsy-Turvy (1999), O Segredo de Vera Drake (2004), Simplesmente Feliz (2008).

  • Loucura Americana (1932, dir. Frank Capra)
  • Andrei Rublev – O Artista Maldito (1966, dir. Andrei Tarkovsky)
  • Eu Sou Cuba (1964, dir. Mikhai Kalatozov)
  • Os Emigrantes (1971, dir. Jan Troell)
  • How a Mosquito Operates (1912, dir. Winsor McCay)
  • Jules E Jim – Uma Mulher Para Dois (1962, dir. Francois Truffaut)
  • A Era do Rádio (1987, dir. Woody Allen)
  • Songs From the Second Floor (2000, dir. Roy Andersson)
  • Era uma vez em Tóquio (1953, dir. Yasujiro Ozu)

Michael Mann

Michael Mann

Nascido em fevereiro de 1943 – Chicago, EUA

Trabalhos em destaque: Caçador de Assassinos (1986), O Último dos Moicanos (1992), Fogo Contra Fogo (1995), O Informante (1999), Inimigos Públicos (2009)

  • Apocalypse Now (1979, dir. Francis Ford Coppola)
  • O Encouraçado Potemkin (1925, dir. Sergei Eisenstein)
  • Cidadão Kane (1941, dir. Orson Welles)
  • Avatar (2009, dir. James Cameron)
  • Dr. Fantástico (1964, dir. Stanley Kubrick)
  • Biutiful (2010, dir. Alejandro Gonzalez Inarritu)
  • Paixão dos Fortes (1946, dir. John Ford)
  • A Paixão de Joana D’Arc (1928, dir. Carl theodor Dreyer)
  • Touro Indomável (1980, dir. Martin Scorsese)
  • Meu Ódio Será sua Herança (1969, dir. Sam Peckinpah)

Steve McQueen

Steve McQueen

Nascido em outubro de 1969 – Londres, Reino Unido

Trabalhos em destaque: Hunger (2008), Shame (2011)

  • A Batalha de Argel (1966, dir. Gillo Pontecorvo)
  • Zero de Conduite (1933, dir. Jean Vigo)
  • A Regra do Jogo (1939, dir. Jean Renoir)
  • Era uma Vez em Tóquio (1953, dir. Yasujiro Ozu)
  • Couch (1964, dir. Andy Warhol)
  • O Desprezo (1963, dir. Jean-Luc Godard)
  • Beau Travail (1998, dir. Claire Denis)
  • Era uma Vez na América (1984, dir. Sergio Leone)
  • O Salário do Medo (1953, dir. Henri-Georges Clouzot)
  • Faça a Coisa Certa (1989, dir. Spike Lee)

David O. Russell

David O. Russell

Nascido em agosto de 1958 – Nova York, EUA

Trabalhos em destaque: Três Reis (1999), Huckabees – A Vida é uma Comédia (2004), O Vencedor (2010)

  • A Felicidade Não se Compra (1946, dir. Frank Capra)
  • Chinatown (1974, dir. Roman Polanski)
  • Os Bons Companheiros (1990, dir. Martin Scorsese)
  • Vertigo – Um Corpo que Cai (1958, dir. Alfred Hitchcock)
  • Pulp Fiction – Tempos de Violência (1994, dir. Quentin Tarantino)
  • Touro Indomável (1980, dir. Martin Scorsese)
  • O Jovem Frankenstein (1974, dir. Mel Brooks)
  • O Discreto Charme da Burguesia (1972, dir. Luis Buñuel)
  • O Poderoso Chefão (1972, dir. Francis Ford Coppola)
  • Veludo Azul (1986, dir. David Lynch)
  • Feitiço do Tempo (1993, dir. Harold Ramis)

Martin Scorsese

Martin Scorsese

Nascido em novembro de 1942 – Nova York, EUA

Trabalhos em destaque: Taxi Driver (1976), Touro Indomável (1980), O Rei da Comédia (1983), Os Bons Companheiros (1990), Gangues de Nova York (2002), Os Infiltrados (2006)

  • 8 1/2 (1963, dir. Federico Fellini)
  • 2001: Uma Odisséia no Espaço (1968, dir. Stanley Kubrick)
  • Cinzas e Diamantes (1958, dir. Andrzej Wajda)
  • Cidadão Kane (1941, dir. Orson Welles)
  • O Leopardo (1963, dir. Luchino Visconti)
  • Paisà (1946, dir. Roberto Rossellini)
  • Sapatinhos Vermelhos (1948, dir. Michael Powell and Emeric Pressburger)
  • O Rio Sagrado (1951, dir. Jean Renoir)
  • Salvatore Giuliano (1962, dir. Francesco Rosi)
  • Rastros de Ódio (1956, dir. John Ford)
  • Contos da Lua Vaga (1953, dir. Kenji Mizoguchi)
  • Vertigo – Um Corpo que Cai (1958, dir. Alfred Hitchcock)

Quentin Tarantino

Quentin Tarantino

Nascido em março de 1963 – Tennessee, EUA

Trabalhos em destaque: Cães de Aluguel (1992), Pulp Fiction – Tempo de Violência (1994), Jackie Brown (1997), Kill Bill (2003/2004), Bastardos Inglórios (2009).

  • Três Homens em Conflito (1966, dir. Sergio Leone)
  • Apocalypse Now (1979, dir. Francis Ford Coppola)
  • Garotos em Ponto de Bala (1976, dir. Michael Ritchie)
  • Carrie, a Estranha (1976, dir. Brian DePalma)
  • Jovens, Loucos e Rebeldes (1993, dir. Richard Linklater)
  • Fugindo do Inferno (1963, dir. John Sturges)
  • Jejum de Amor (1940, dir. Howard Hawks)
  • Tubarão (1975, dir. Steven Spielberg)
  • Pretty Maids All in a Row (1971, dir. Roger Vadim)
  • Rolling Thunder (1977, dir. John Flynn)
  • Sorcerer (1977, dir. William Friedkin)
  • Taxi Driver (1976, dir. Martin Scorsese)

Edgar Wright

Edgar Wright

Nascido em abril de 1974 – Dorset, Reino Unido

Trabalhos em destaque: Todo Mundo Quase Morto (2004), Chumbo Grosso (2007), Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010)

  • 2001: Uma Odisséia no Espaço (1968, dir. Stanley Kubrick)
  • Um Lobisomem Americano em Londres (1981, dir. John Landis)
  • Carrie, a Estranha (1976, dir. Brian DePalma)
  • Dames (1934, dir. Ray Enright and Busby Berkeley)
  • Inverno de Sangue em Veneza (1973, dir. Nicolas Roeg)
  • O Diabo a Quatro (1933, dir. Leo McCarey)
  • Psicose (1960, dir. Alfred Hitchcock)
  • Arizona Nunca Mais (1987, dir. the Coen Brothers)
  • Taxi Driver (1976, dir. Martin Scorsese)
  • Meu Ódio Será sua Herança (1969, dir. Sam Peckinpah)

Quem vai ganhar o Oscar 2012?

Oscar 2012: Pronto para mais um Oscar?

Não, não tenho bola de cristal. Não sou membro da Academia. E sequer assisti a todos os filmes que estão concorrendo. Aliás, tarefa literalmente impossível para quem vive aqui no Brasil, pois algumas produções são absolutamente inalcançáveis. Alguém aí viu o documentário Undefeated? Não? Pois é, está concorrendo. E W.E. – O Romance do Século, filme dirigido pela Madonna? Não? Que azar o seu! Está concorrendo a melhor figurino! E o filme polonês In Darkness? Foi bom esse film… o quê?! Não viu? Não acredito! Vai ficar por fora da categoria de filme estrangeiro!

É, você e todo o Brasil vai ficar por fora, porque as distribuidoras, mesmo diante de uma indicação ao Oscar, parecem não se importar se você quer ver um filme com apenas uma indicação. Não tem pelo menos 5 indicações e não tem astros de Hollywood? Tá, depois eu te ligo…

Sou meio linha dura com esse negócio, mas por outro lado entendo os motivos comerciais das empresas que compram os direitos de exibir um filme aqui no Brasil. Mas peço (não tão gentilmente) para que tentem mudar esse panorama porque quanto menos oferta e diversidade houver, mais o público ficará estagnado na mesmice do cinema de blockbuster hollywoodiano. Eu mesmo conheço pessoas que já confessaram: “Estou cansado de ver essas tranqueiras do cinema. Onde posso ver filmes mais alternativos?” – Normalmente eu respondo um “Vá pra Europa ou Ásia!”. OK, eu sei, está fora de cogitação. Mas para finalizar meu conselho, costumo indicar mostras dedicadas a produções alternativas e independentes que cinemas de rua podem proporcionar (antes que acabem virando igrejas ou lojas de departamento).

Enfim, voltando à corrida do Oscar, a cada ano, os resultados parecem mais previsíveis, mas não são. A Academia adora lançar pelo menos algum favorito na fogueira, seja da categoria de atuação, filme estrangeiro ou até efeitos visuais. Vou citar exemplos recentes das 3 categorias que citei, respectivamente: Adrien Brody (nem ele acreditou que ganhou sobre 4 grandes favoritos), O Segredo dos seus Olhos (argentino que levou filme estrangeiro sobre o favorito alemão A Fita Branca) e os efeitos visuais de A Bússola de Ouro (reinando sobre o grande favorito Transformers). Então, refletindo a respeito disso, não me culpem quando houver uma bombástica surpresa. Não me responsabilizo pela saúde dos cardíacos mundo afora.

A fim de seguir um padrão, vou dar meu voto (lembrando que minhas escolhas independem da minha opinião pessoal, mas quem deve acabar levando de fato a estatueta) e por que votei nesse ou naquele filme. Não vou incluir as categorias de curtas e nem documentário. Se você está participando de um bolão, vá no bom e velho chutômetro!

MELHOR ANIMAÇÃO: Rango, de Gore Verbinski

Ok, se As Aventuras de Tintim estivesse concorrendo, poderíamos estar diante de uma briga feia, mas como não é o caso… I rest my case!

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

É uma das mais imprevisíveis categorias, pois como disse num post anterior, tem muito velhinho judeu desocupado votando. Mas eu vi o filme iraniano e ele é bom e tem uma linguagem bastante universal que deve agradar a gregos e troianos.

MELHOR SOM: A Invenção de Hugo Cabret

Diz a lenda que o filme mais barulhento ganha e talvez este filme fique entre Transformers 3 e Cavalo de Guerra, mas pensei comigo mesmo: Quem vai premiar um terceiro filme chato de robô? E não acredito que um filme do Spielberg vá sair do Oscar apenas com um Oscar de Melhor Som! Tá, tem boas chances na Fotografia, mas não creio muito…

MELHORES EFEITOS SONOROS: A Invenção de Hugo Cabret

Normalmente, esse prêmio vai para aquele filme que tem cenas mais fantasiosas e surreais em que o efeito sonoro (aquele criado em estúdio) tem mais importância. O pensamento da categoria de Som vale aqui também, pois Transformers 3 e Cavalo de Guerra são fortes candidatos, mas só aquela sequência do trem na estação de A Invenção de Hugo Cabret já vale meu voto.

MELHORES EFEITOS VISUAIS: Planeta dos Macacos: A Origem

Eu sei que a artilharia tá pesada, ainda mais que um tal de Harry Potter está na área, mas os efeitos do novo mago dos efeitos digitais Joe Letteri são praticamente uma unanimidade hoje. Veja seus trabalhos anteriores que, aliás, ganharam Oscars. Sente o calibre: O Senhor dos Anéis: As Duas Torres, O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei e King Kong. Só não citei o primeiro filme do Senhor dos Anéis porque não foi ele que fez, mas também ganhou Oscar…

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL: “Real in Rio” (Rio)

Muita gente pode pensar que eu estaria pensando com o coração neste voto, mas eu vi a animação Rio e acredito que a música é realmente a alma do filme. Tá, eu não vi o filme dos Muppets, mas a canção indicada em si é meio deprê…

MELHOR TRILHA MUSICAL: Ludovic Bource (O Artista)

Não que eu ache que Ludovic Bource seja melhor que John Williams ou mesmo Alberto Iglesias, mas a trilha musical de O Artista acaba chamando mais a atenção por se tratar de um filme mudo. É praticamente como ver um quadro repleto de homens em preto-e-branco com uma mulher de vermelho no centro.

MELHOR MAQUIAGEM: Harry Potter e as Relíquias da Morte

Lembra quando o último filme do Star Wars foi indicado e todo mundo achou que levaria porque a nova trilogia do titio George Lucas não ganhou nadica de nada? Pois é, na ocasião, o filme perdeu para o primeiro filme da série As Crônicas da Nárnia. Este ano, os 3 indicados têm um trabalho de maquiagem razoável. Não tem nenhum trabalho marcante e excepcional de um Rick Baker, então nesse caso, acredito que a maquiagem do sem nariz Valdemort possa contar alguns pontinhos. Ah sim, e aquela sujeirinha na cara dos atores principais pra dar aquele ar de heróis contemporâneos…

MELHOR FIGURINO: Arianne Phillips (W.E. O Romance do Século)

Talvez seja a minha escolha mais suicida, mas se você olhar bem pra categoria, verá que os figurinos são fracos. Pensei em votar na queridinha da Academia, Sandy Powell, mas os figurinos de A Invenção de Hugo Cabret não mudam quase nada e não têm tamanha importância quanto um filme de época.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Dante Ferretti e Francesca LoSchiavo (A Invenção de Hugo Cabret)

Esse foi meu primeiro voto de 100% de certeza. O trabalho de cenografia de mestre Ferretti é estupendo e se mostra a alma do filme. A estação de trem em Paris dos anos 30 e os próprios cenários recriados de Georges Méliès são um deleite para o público.

MELHOR FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki (A Árvore da Vida)

Quando resolveram indicar A Árvore da Vida para Melhor Filme e Diretor, pensei: Alguém aí vai ganhar. Ok, talvez seja Terrence Malick, mas é quase impossível ignorar o trabalho de iluminação e fotografia de Lubezki. O que seria da história, atores e diretor se não fossem as belas imagens paradisíacas criadas por Emmanuel Lubezki? Tudo bem que eu já vi trabalhos tão bons quanto esse serem roubados como o de Eduardo Serra em Moça com Brinco de Pérola, mas acredito que a Academia não cometerá este mesmo erro… não neste ano!

MELHOR MONTAGEM: Kevin Tent (Os Descendentes)

Nesta categoria, a regra parece dizer que o filme com mais cortes típicos de filmes de ação deve ganhar, vide filmes vencedores como Rocky – Um Lutador, Bullitt e mais recentemente O Ultimato Bourne. O filme mais bem montado nesse sentido seria Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres, mas os mesmos montadores ganharam ano passado pelo ótimo A Rede Social. Ou poderia ir para A Invenção de Hugo Cabret, mas a montadora Thelma Schoonmaker levaria seu 4º Oscar. Então, meu voto vai para a eficiente montagem de Kevin Tent, grande colaborador dos filmes de Alexander Payne, que privilegia o timing cômico de cada cena do filme Os Descendentes.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Michel Hazanavicius (O Artista)

Apesar da história ser bastante simples, O Artista soube trabalhar algumas minúcias dos efeitos da chegada do som nos astros do cinema mudo como aquele sonho sonoro de Valentine e aquele diálogo entre ele e Peppy Miller em que ela está dando entrevistas no restaurante. Infelizmente não vi o Margin Call, mas meu favorito seria o Woody Allen por Meia-Noite em Paris pelo misto de fantasia e filosofia que há muito não vi num filme. Mas como Woody é um outsider de premiações, não acredito que deva levar… Nessa eu até preferia estar errado. Seria a melhor surpresa da noite!

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash (Os Descendentes)

Alguns meses atrás, muito se falou que Os Descendentes venceria melhor filme. Mas, como se pode ver, recebeu “apenas” 5 indicações e tem chances remotas de ganhar nessa categoria. Por isso, deve ser compensado em outras. Talvez eu até esteja exagerando um pouco dando montagem, ator e roteiro adaptado, mas são as melhores coisas do filme de Alexander Payne. Eu também indicaria o belo trabalho de Shailene Woodley, pois a química dela com Clooney move o filme pra frente.

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Com a exclusão de Albert Brooks por Drive, o caminho fica praticamente livre para Plummer levar seu primeiro Oscar. O veterano só deve ficar preocupado com outro veterano, que já trabalhou com Ingmar Bergman incontáveis vezes, já foi exorcista e parece que é velho há 50 anos. Sim, o sueco Max von Sydow concorre pelo papel do Inquilino de Tão Forte e Tão Perto. Ele rouba a cena o filme de Stephen Daldry e pode roubar o Oscar de Plummer. Cuidado…

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)
Se o filme tivesse que sair com um Oscar na noite, este seria o de atriz coadjuvante, pois já abocanhou quase todos os prêmios da categoria na temporada 2012. É claro que a bela Bérènice Bejo seria uma baita (e merecida) surpresa se ganhasse. Ainda mais se seu companheiro de tela, Jean Dujardin, não ganhasse, a Academia tentaria recompensar as performances com um prêmio de “consolação”.

MELHOR ATOR: George Clooney (Os Descendentes)

Talvez esta seja a categoria mais disputada, pois todos têm chances reais de ganhar. Sim, até mesmo o mexicano Demián Bichir, pois no quesito “para que vamos dar um Oscar para um ator já consagrado?”, ele seria o mais bem recompensado e sua carreira deslancharia de vez em Hollywood. Mas será que é isso que eles querem este ano? Premiar outro “underdog” como Adrien Brody? Acredito na figura de George Clooney como ator carismático que aceitou um papel que poderia torná-lo ridículo e, também, pela pessoa solidária que demonstra fora das telas, participando de inúmeras campanhas de caridade. E não, não porque vende mais máquinas da Nespresso…

MELHOR ATRIZ: Viola Davis (Histórias Cruzadas)

Como os americanos dizem: “It’s a tough call” – É uma decisão difícil. Finalmente dar o 3º Oscar a Meryl Streep seria algo tão difícil assim? Sim. Se olharmos para seu retrospecto de indicações ao Oscar, Meryl deu azar mesmo na maioria, pois suas concorrentes acabaram oferecendo performances mais concretas e mais laureadas por isso. Aí, quando foram ver a situação, já era meio tarde para premiá-la de qualquer maneira. Para entregar um 3º Oscar para Meryl, teria que ser um papel de enorme importância em que ela não só demonstre seu talento na dicção e pronúncia, mas na arte de virar um camaleão dentro da personagem. Seria ela Margareth Thatcher? Importância e sotaque britânico: checked! MAS a ex-Primeira Ministra nunca foi uma unanimidade e, por mais que o filme tenta buscar humanidade em sua figura fria, talvez o Oscar vá para Viola Davis… Seu papel em Histórias Cruzadas tem consistência e a cada expressão da atriz temos a impressão de que estamos vendo uma mulher verdadeira.

MELHOR DIRETOR: Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Se já premiaram mais de uma vez diretores como John Ford, William Wyler, Billy Wilder, George Stevens e Steven Spielberg por que não Scorsese?  Ele fez obras-primas ao longo de sua carreira e tem um importante papel na restauração de filmes antigos que merece ser mais uma vez reconhecida. É claro que o Oscar pode ir para Michel Hazanavicius, pois ele ganhou o prêmio do sindicato dos diretores, mas ele ainda é jovem e certamente, se fizer as escolhas certas, terá um caminho bastante promissor.

MELHOR FILME: A Invenção de Hugo Cabret

Ok, muitos falaram que O Artista era barbada. Mas tenho que tentar ser coerente aqui. Se O Artista ganha, terminaria com 3 Oscars. E Se o filme de Scorsese ganhar, termina com 4. Além disso, A Invenção de Hugo Cabret é um filme bem mais completo do que o francês em praticamente todos os departamentos. Muito bem produzido e com uma alma que tem a cara de Scorsese e sua paixão pelo Cinema. Merece ser laureado!

Gente, bom Oscar 2012 para todos! Aconselho assistirem à cerimônia, obviamente, pelo TNT, porque, como todos sabem, a Globo prefere passar essa tranqueira de Big Brother. Aliás, só comprou os direitos do Oscar para que o SBT ou qualquer outra emissora não passe. Ditadura na TV é uma m****.

Enquanto isso, assistam a esse engraçado vídeo intitulado: Kids Predict the 2012 Oscars, que prova que não sabemos de nada mesmo…

O Artista (The Artist), de Michel Hazanavicius (2011)

O Artista, de Michel Hazanavicius

A essência do Cinema em O Artista reconquista o público da era 3D

Não resisti aguardar até a estréia do filme e fui conferir o tão comentado trabalho de Michel Hazanavicius em pré-estréia. Talvez com receio da típica “recepção calorosa” do público da rede Cinemark dos shoppings com filmes alternativos, resolvi ver o filme num complexo de rua. Felizmente, a escolha surtiu efeito. A sala estava lotada e toda calada de seres humanos (não os animais que costumo criticar). Parecia um sonho! Ok, como nem tudo é perfeito, tinha que ter um gordinho do meu lado respirando ofegante como Darth Vader…

Não é muito curioso um filme mudo calar o espectador numa era repleta de efeitos visuais e de 3D? Fiquei estupefato. Se todos na sala estivessem trajados socialmente, poderia apostar que estávamos no túnel do tempo. À princípio, muita gente pode achar que se trata apenas de uma obra saudosista (o que não deixa de ser verdade também), mas O Artista resgata valores básicos que o Cinema proporciona desde o início do século XX. Não importa qual o orçamento milionário de uma produção, elenco de celebridades e a tecnologia aplicada, um bom filme sempre tem como base uma história bem contada (infelizmente, com tantas cifras a cuidar, muitos produtores atuais ainda se esquecem desse detalhe primário).

George Valentin passando a tocha para Peppy Miller

À respeito da história em si, O Artista reconta o momento em que o som chegou às produções hollywoodianas no final dos anos 20, e como esse fato alterou a vida do protagonista, o ator e astro do cinema mudo, George Valentin (uma óbvia referência ao jovem Rodolfo Valentin), vivido pelo ótimo Jean Dujardin. Ainda em seu auge, ele dá uma oportunidade para a desconhecida Peppy Miller (a bela Bérènice Bejo) estrelar ao seu lado. Contudo, com a revolução sonora, Valentin abraça seu orgulho e afunda juntamente com o cinema mudo, enquanto Peppy decola em Hollywood com os chamados talkies (filmes falados). O único laço que os mantêm unidos é uma paixão secreta. Pra ser bem sincero, a trama lembra bastante o musical Cantando na Chuva, de Gene Kelly e Stanley Donen, mas no lugar da música e das coreografias, Hazanavicius usufruiu da ausência de som e de cor pra contar sua história.

Apesar da história ser bastante simples, bem na base do “boy meets girl”, o roteiro consegue sustentar o filme mudo. Já que não podia contar com o som, o diretor explora com precisão suas demais ferramentas, evitando até o excesso das placas com diálogos, pois conta com as expressões faciais e corporais de seus atores centrais. Particularmente, Dujardin é dono de um timing cômico impecável. Como se não bastasse, a trilha musical de Ludovic Bource consegue a proeza de substituir as próprias vozes das personagens.

Jean Dujardin e Bérènice Bejo: química perfeita

Entretanto, apesar de tantas qualidades, não foi um caminho fácil para O Artista. Logo em sua estréia no último Festival de Cannes, muitos jornalistas torceram o nariz antes da sessão por se tratar de um filme mudo e em preto-e-branco, mas bastaram 10 minutos de projeção para mudar a opinião de muitos, tanto que Dujardin saiu premiado como melhor ator. Mais recentemente, em Janeiro, o filme levou 3 Globos de Ouro: filme, ator e trilha musical e pelo SAG Awards, levou melhor ator para Jean Dujardin, que conquistou público e crítica em parceria também com o seu cãozinho Uggie.

Uggie posando com o Globo de Ouro de Melhor Filme (by Kevin Winter)

Agora o filme caminha como um favorito com 10 indicações ao Oscar. Muitos podem não crer numa vitória de Melhor Filme por se tratar de uma produção francesa, mas 2 fatores de peso podem fazer a diferença: 1. A distribuidora nos EUA é a Weinstein Company, cujos produtores foram responsáveis pelas vitórias de Shakespeare Apaixonado e O Paciente Inglês no Oscar. 2. O filme é mudo e as placas de diálogo são em Inglês, ou seja, não há aquela barreira da legenda que os norte-americanos odeiam (porque ver um filme e ler legendas atrapalha e cansa).

E outro adendo em relação ao Oscar: Particularmente, acredito que Bérènice deveria ter sido indicada como Melhor Atriz pela importância de sua personagem na trama, mas concorre como coadjuvante porque os produtores acreditam que suas chances seriam maiores dessa maneira. Sim, estratégias mirabolantes para ganhar mais um prêmio e alavancar as cifras.

A estonteante Bérènice Bejo preenche a tela

Mas por que tanto alarde por um filme mudo? Seria apenas por esse paradoxo do antigo com o muito novo das salas de cinema? Não. O filme francês carrega o grande mérito de provar ao grande público que ainda é possível se emocionar sem som, transformando o próprio Cinema numa linguagem universal. Obviamente, não se trata de uma tarefa fácil. Não é apenas tirando o som e a cor que o mundo vai encher seu filme de prêmios. Michel Hazanavicius confessa que estudou detalhadamente os filmes de John Ford, Fritz Lang e Tod Browning a fim de trabalhar a metalinguagem de forma que respeite a linguagem desse cinema. E para aquele espectador que nunca teve a oportunidade de assistir a um bom filme mudo de Charles Chaplin na tela do cinema através de uma mostra especial, esta pode ser uma oportunidade única de viajar no tempo e se encantar com a fábula como uma criança.

Michel Hazanavicius ganha o DGA Award

Michel Hazanavicius recebe a honraria das mãos de Tom Hooper, vencedor do ano anterior

 

Ao que parece, já temos um diretor com uma mão no Oscar de Melhor Diretor! Michel Hazanavicius pode não ter levado o Globo de Ouro da categoria, mas o DGA Award já o encaminha para a estaueta do Oscar. Como já dito num post anterior, apenas em 6 ocasiões o vencedor do DGA não saiu com o Oscar. Não sei se é mau agouro, mas dessas 6 diferenças, 2 aconteceram ns últimos 11 anos. Em 2001, Ang Lee perdeu para Steven Soderbergh, e em 2003, Rob Marshal cedeu seu lugar para Roman Polanski.

Se há alguma chance disso acontecer este ano? Claro que existe! Vamos relembrar os concorrentes do Sr. Hazanavicius:

– Alexander Payne (Os Descendentes)

– Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

– Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

– Terrence Malick (A Árvore da Vida)
Desses quatro, 2 diretores já ganharam o Oscar: Woody Allen em 1978, por Noivo Neurótico Noiva Nervosa, e mais recentemente, Martin Scorsese por Os Infiltrados em 2007. Já Alexander Payne e Terrence Malick conquistaram suas segundas indicações nessa categoria. Seria uma competição bem árdua para Hazanavicius em sua primeira indicação, mas ele tem a seu favor os diversos prêmios da crítica americana e internacional, como a de Cannes. Além disso, como O Artista não foi selecionado para representar a França na categoria de Filme Estrangeiro, suas chances aumentam.

Infelizmente O Artista só deve estrear por aqui no dia 10 de fevereiro, mas trata-se de um trabalho muito bem realizado técnica e artisticamente (repare na fotografia PB e na direção de arte que homenageia Hollywood na década de 20). Em entrevistas, Michel Hazanavicius admite que estudou bastante os filmes dessa época e a importância de uma iluminação, trilha musical e atuação para compensar a falta de som como forma de expressão. E convenhamos: precisa ter muita coragem para ir na contramão dos filmes em 3D de hoje ao realizar um filme preto-e-branco e mudo. Resta saber se o Oscar vai se render à essa coragem.

Indicações ao Oscar 2012!

Jennifer Lawrence e Tom Sherak anunciam os Indicados

As indicações ao Oscar foram anunciadas esta manhã, com um ligeiro atraso. Aqui no Brasil, o anúncio foi transmitido pelo canal Globo News. Mas para quem piscou e perdeu, confira no youtube pelo canal oficial da Academia:

http://www.youtube.com/watch?v=ODy4Z2Lp_jE&feature=g-all-u&context=G22f03c4FAAAAAAAAAAA

Infelizmente, Jennifer Lawrence não contribuiu muito para os americanos acordarem melhor. Sua roupa não favoreceu muito… E o presidente da Academia, Tom Sherak, se enrolou na pronúncia do nome de Michel Hazanavicius.

MELHOR FILME (Best Motion Picture of the Year)

– O Artista (The Artist)

– Os Descendentes (The Descendants)

– Tão Forte e Tão Perto (Extremely Loud & Incredibly Close)

– Histórias Cruzadas (The Help)

– A Invenção de Hugo Cabret (Hugo)

– Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris)

– O Homem que Mudou o Jogo (Moneyball)

– A Árvore da Vida (The Tree of Life)

– Cavalo de Guerra (War Horse)

MELHOR DIRETOR (Achievement in Directing)

– Michel Hazanavicius (O Artista)

– Alexander Payne (Os Descendentes)

– Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

– Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

– Terrence Malick (A Árvore da Vida)

MELHOR ATOR (Performance by an Actor in a Leading Role)

– Demián Bichir (A Better Life)

– George Clooney (Os Descendentes)

– Jean Dujardin (O Artista)

– Gary Oldman (O Espião que Sabia Demais)

– Brad Pitt (O Homem que Mudou o Jogo)

MELHOR ATRIZ (Performance by an Actress in a Leading Role)

Glenn Close (Albert Nobbs)

– Viola Davis (Histórias Cruzadas)

– Rooney Mara (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

– Meryl Streep (A Dama de Ferro)

– Michelle Williams (Sete Dias com Marilyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (Performance by an Actor in a Supporting Role)

Kenneth Branagh (Sete Dias com Marilyn)

– Jonah Hill (O Homem que Mudou o Jogo)

– Nick Nolte (Guerreiro)

– Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

– Max Von Sydow (Tão Forte e Tão Perto)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (Performance by an Actress in a Supporting Role)

– Bérénice Bejo (O Artista)

– Jessica Chastain (Histórias Cruzadas)

– Melissa McCarthy (Missão Madrinha de Casamento)

– Janet McTeer (Albert Nobbs)

– Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL (Screenplay Written Directly for the Screen)

– Michel Hazanavicius (O Artista)

– Kristen Wiig, Annie Mumolo (Missão Madrinha de Casamento)

– J. C. Chandor (Margin Call – O Dia Antes do Fim)

– Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

– Asghar Farhadi (A Separação)

ROTEIRO ADAPTADO (Screenplay Based on Material Previously Produced or Published)

– Alexander Payne, Nat Faxon, Jim Rash (Os Descendentes)

– John Logan (A Invenção de Hugo Cabret)

– George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon (Tudo Pelo Poder)

– Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin (O Homem que Mudou o Jogo)

– Bridget O’Connor, Peter Straughan (O Espião que Sabia Demais)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO (Best Animated Feature Film of the Year)
– Um Gato em Paris, de Alain Gagnol e Jean-Loup Felicioli
– Chico & Rita, de Fernando Trueba, Javier Mariscal
– Kung Fu Panda 2, de Jennifer Yuh
– Gato de Botas, de Chris Miller
– Rango, de Gore Verbinski
MELHOR FILME ESTRANGEIRO (Best Foreign Language Film of the Year)
– Bullhead, de Michael R. Roskan (Bélgica)
– Footnote, de Joseph Cedar (Israel)
– In Darkness, de Agnieszka Holland (Polônia)
– Monsieur Lazhar, de Philippe Falardeau (Canadá)
– A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)
MELHOR FOTOGRAFIA (Best Achievement in Cinematography) 
– Guillaume Schiffman (O Artista)
– Jeff Cronenweth (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Robert Richardson (A Invenção de Hugo Cabret)
– Emmanuel Lubezki (A Árvore da Vida)
– Janusz Kaminski (Cavalo de Guerra)
MELHOR MONTAGEM (Best Achievement in Editing)
– Anne-Sophie Bion, Michel Hazanavicius (O Artista)
– Kevin Tent (Os Descendentes)
– Angus Wall, Kirk Baxter (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Thelma Schoonmaker (A Invenção de Hugo Cabret)
– Christopher Tellefsen (O Homem que Mudou o Jogo)
MELHOR DIREÇÃO DE ARTE (Best Achievement in Art Direction)
– Laurence Bennett, Robert Gould (O Artista)
– Stuart Craig, Stephenie McMillan (Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2)
– Dante Ferretti, Francesca LoSchiavo (A Invenção de Hugo Cabret)
– Anne Seibel, Hélène Dubreuil (Meia-Noite em Paris)
– Rick Carter, Lee Sandales (Cavalo de Guerra)
MELHOR FIGURINO (Best Achievement in Costume Design)
– Lisy Christl (Anonymous)
– Mark Bridges (O Artista)
– Sandy Powell (A Invenção de Hugo Cabret)
– Michael O’Connor (Jane Eyre)
– Arianne Phillips (W.E. – O Romance do Século)
MELHOR MAQUIAGEM (Best Achievement in Makeup)
– Martial Corneville, Lynn Johnson, Matthew W. Mungle (Albert Nobbs)
– Nick Dudman, Amanda Knight, Lisa Tomblin (Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2)
– Mark Coulier, J. Roy Helland (A Dama de Ferro)
MELHOR TRILHA MUSICAL (Best Achievement in Music Written for Motion Pictures, Original Score)
– John Williams (As Aventuras de Tintim)
– Ludovic Bource (O Artista)
– Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)
– Alberto Iglesias (O Espião que Sabia Demais)
– John Williams (Cavalo de Guerra)
MELHOR CANÇÃO ORIGINAL (Best Achievement in Music Written for Motion Pictures, Original Song)
– “Man or Muppet”, de Bret McKenzie (Os Muppets)
– “Real in Rio”, de Sergio Mendes, Carlinhos Brown, Siedah Garrett (Rio)
MELHOR SOM (Best Achievement in Sound Mixing)
– David Parker, Michael Semanick, Ren Klyce, Bo Persson (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Tom Fleischman, John Midgley (A Invenção de Hugo Cabret)
– Deb Adair, Ron Bochar, David Giammarco, Ed Novick (O Homem que Mudou o Jogo)
– Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush, Peter J. Devlin (Transformers: O Lado Oculto da Lua)
– Gary Rydstrom, Andy Nelson, Tom Johnson, Stuart Wilson (Cavalo de Guerra)
MELHORES EFEITOS SONOROS (Best Achievement in Sound Editing)
– Lon Bender, Victor Ray Ennis (Drive)
– Ren Klyce (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Philip Stockton, Eugene Gearty (A Invenção de Hugo Cabret)
– Ethan Van der Ryn, Erik Aadahl (Transformers: O Lado Oculto da Lua)
– Richard Hymns, Gary Rydstrom (Cavalo de Guerra)
MELHORES EFEITOS VISUAIS (Best Achievement in Visual Effects)
– Tim Burke, David Vickery, Greg Butler, John Richardson (Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2)
– Robert Legato, Joss Williams, Ben Grossmann, Alex Henning (A Invenção de Hugo Cabret)
– Erik Nash, John Rosengrant, Danny Gordon Taylor, Swen Gillberg (Gigantes de Aço)
– Joe Letteri, Dan Lemmon, R. Christopher White, Daniel Barrett (Planeta dos Macacos: A Origem)
– Scott Farrar, Scott Benza, Matthew E. Butler, John Frazier (Transformers: O Lado Oculto da Lua)
MELHOR DOCUMENTÁRIO (Best Documentary, Features)
– Hell and Back Again, de Danfung Dennis, Mike Lerner
– If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front, de Marshall Curry, Sam Cullman
– Paradise Lost 3: Purgatory, de Joe Berlinger, Bruce Sinofsky
– Pina, de Wim Wenders, Gian-Piero Ringel
– Undefeated, de Daniel Lindsay, T. J. Martin, Rich Middlemas
MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA (Best Documentary, Short Subjects)
– The Barber of Birmingham: Foot Soldier of the Civil Rights Movement, de Robin Fryday, Gail Dolgin
– God is the Bigger Elvis, de Rebecca Cammisa, Julie Anderson
– Incident in New Baghdad, de James Spione
– Saving Face, de Daniel Junge, Sharmeen Obaid-Chinoy
– The Tsunami and the Cherry Blossom, de Lucy Walker, Kira Cartensen
MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO (Best Short Film, Animated)
– Dimanche, de Patrick Doyon
– The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, de William Joyce, Brandon Oldenburg
– La Luna, de Enrico Casarosa
– A Morning Stroll, de Grant Orchard, Sue Goffe
– Wild Life, de Amanda Forbis, Wendy Tilby
MELHOR CURTA-METRAGEM (Best Short Film, Live Action)
– Pentecost, de Peter McDonald
– Raju, de MaxZähle, Stefan Gieren
– The Shore, de Terry George, Oorlagh George
– Time Freak, de Andrew Bowler, Gigi Causey
– Tuba Atlantic, de Hallvar Witzø
Nove para Melhor Filme? No post anterior, comentei a forte possibilidade de indicarem um número incomum como 7 ou 9. Dito e feito. Foram nove filmes que passaram da nova nota de corte do Oscar. O filme de Stephen Daldry, Tão Forte e Tão Perto conseguiu uma vaga e só mais uma outra indicação: ator coadjuvante. Curiosamente, no anúncio dos indicados, o filme foi deixado propositadamente por último, realçando que se tratava do nono filme.
Agora, se a Academia resolvesse arredondar para 10 filmes, provavelmente a comédia Missão Madrinha de Casamento teria entrado na briga.

Tão Forte e Tão Perto: O nono filme

Recordista de Indicações: Como previsto, o filme de Martin Scorsese, A Invenção de Hugo Cabret, levou 11 indicações e foi o recordista, o que aumenta muito suas chances de ganhar Melhor Filme. Logo em seguida, vem O Artista com 10 indicações. Nesse quesito de número de indicações, Os Descendentes sai um pouco atrás porque levou apenas 5.
Atores na Lista e Outros Esquecidos: Nunca é possível agradar a todos nas categorias de atuação. Sempre fica faltando alguém que acaba se juntando ao grupo “Os injustiçados do Oscar”.  Talvez a maior surpresa tenha ficado por conta do veterano Max von Sydow, que foi indicado para ator coadjuvante, batendo nomes como Albert Brooks, Viggo Mortensen e Armie Hammer. Sydow ficou mundialmente conhecido pelo papel de Padre Merrin em O Exorcista e foi parceiro fiel do diretor Ingmar Bergman nas produções suecas. O mexicano Démian Bichir também pode ser considerado uma surpresa na categoria de Melhor Ator, mesmo tendo sido indicado pelo SAG Awards.

Max von Sydow: já era idoso desde 1973 em O Exorcista

A ausência que mais senti foi do ator Michael Fassbender pelo drama Shame. O ator alemão vem conquistando público e crítica desde seu trabalho no filme independente Hunger e mais recentemente em Um Método Perigoso e no blockbuster X-Men: Primeira Classe. Merecia uma indicação, mas talvez o fato de seu filme apresentar cenas de nudez frontal tenha assustado os membros mais reservados da Academia. Uma pena…
Pelo lado feminino, senti a falta da Tilda Swinton pelo drama Precisamos Falar Sobre o Kevin. Sua atuação foi bastante elogiada e vem conquistando alguns prêmios importantes, mas provavelmente pelo fato do filme tratar de um tema forte (Kevin é um jovem que matou colegas na escola), Swinton tenha perdido sua chance mais pelo conservadorismo. Outro erro da Academia…
Dos nomes mais frequentes em premiações, a jovem Shailene Woodley pelo filme Os Descendentes também ficou de fora na disputa de atriz coadjuvante. Melissa McCarthy roubou a cena na comédia Missão Madrinha de Casamento e sua vaga, aparentemente. Mas Shailene é um rosto jovem e novo no mercado e acredito que terá muitas oportunidades. Só espero que ela não desande em refilmagens de terror teenagers.

Shailene Woodley: Que seu talento não seja desperdiçado em tranqueiras

Ryan Gosling foi outro nome que apareceu bastante nas listas, mas não conseguiu chegar à final. Apesar de ter feito 3 trabalhos em 2011: Drive, Tudo Pelo Poder e Amor à Toda Prova, Gosling fica de mãos abanando. Mas se ele apresentar um bom trabalho em 2012, certamente ele voltará ao Oscar no ano que vem.
Pra não dizerem que só reclamo, gostei da indicação de Gary Oldman. O ator britânico já tem uma extensa filmagrafia e com essa nova ascensão, merecia um reconhecimento por parte da Academia. Espero que sua carreira decole ainda mais e papéis mais interessantes cheguem mais à sua mesa.
Dois Robôs nos Efeitos: Não botava fé que o terceiro filme do Transformers fosse conseguir uma vaga na categoria de efeitos visuais. OK, votei no quarto filme do Piratas do Caribe, mas pelo menos os efeitos sempre apresentam algo diferente, tipo criaturas feitas de vegetais ou com tentáculos como barba. E fizeram uma campanha tão forte para que o último filme do Harry Potter vingasse em categorias principais, mas não deu certo. Tiveram que se contentar com direção de arte, efeitos visuais e maquiagem. E deve ganhar pela maquiagem, mais como conjunto da obra dos 8 filmes.
Filmes Estrangeiros Estranhos: Cadê a França, Itália, Japão, Alemanha e Espanha? O representante alemão, Pina, de Wim Wenders foi compensando da eliminação pela indicação na categoria de documentário (sim, veja como a mágica do planejamento do Oscar funciona). Se em edições anteriores, o Oscar de Filme Estrangeiro foi uma surpresa, este ano não deve escapar do favorito: o iraniano A Separação.
Animações Estranhas: Lembram-se dos filmes franceses e espanhóis que faltaram na categoria de Filme Estrangeiro? Mudaram-se para a categoria de Melhor Animação! Um Gato em Paris e Chico & Rita. Conhecem? Prazer! Fiquei com a mesma cara de dúvida no anúncio dos indicados. “Que raio de animações são essas?” Mas não sei se é porque a categoria de animação é nova, mas o Oscar tem mantido uma tradição boa de trazer alguns trabalhos meio desconhecidos para o holofote e revelar novos talentos.

Chico & Rita: Trabalho mais da linha adulta

Um Gato em Paris: produção francesa com traços fortes

Vencedores do 69th Golden Globes

Ricky Gervais amordaçado

Eu sei, eu sei. I SUCK! Das 14 indicações para Cinema, acertei apenas 9! Que vergonha! Mesmo assim, devemos nos manter humildes. Em se tratando de premiações, que podem ser bem imprevisíveis às vezes, digo que em alguns casos seria melhor saber menos porque você acaba acertando mais nas apostas. Sim, eu já perdi no bolão pra gente que nem sabia quem era Roman Polanski…

No geral, os resultados foram bastante democráticos, tanto que o filme que mais ganhou, O Artista, levou apenas 3 Globos de Ouro, comprovando que não há grandes favoritos na corrida para o Oscar. Em 2º lugar, Os Descendentes levou Melhor Filme – Drama e Ator – Drama para George Clooney. Na briga por diretor, Martin Scorsese, que já havia vencido 2 vezes por Os InfiltradosGangues de Nova York, surpreendeu ao bater Michel Hazanavicius e Alexander Payne (talvez pelos votos terem se dividido entre ambos, Scorsese tenha vencido).

Enfim, a coisa que mais aguardei ansioso foi o host Ricky Gervais. Mas onde ele estava? Parecia que haviam colocado uma mordaça em sua boca (como no pôster da premiação)! Ele não estava tão diabólico como no ano passado, disparando os podres das celebridades e jogando m**** no ventilador. Ficou nítido que o senso de humor de Gervais não era mais o mesmo… parecia que tinha voltado de uma lobotomia! Ele pegou mais leve dessa vez e fica essa questão se ele realmente foi ou não pressionado pela Associação de Imprensa Estrangeira a tirar o pé do acelerador, provavelmente a pedido das celebridades, que suavam frio toda vez que ele abria a boca.

Curiosamente, ele comenta e até faz piada sobre o assunto quando retira de seu bolso uma lista das ofensas que ele estaria proibido de falar. “Sem profanidade, tudo bem, eu tenho um amplo vocabulário”, ele diz. “E não mencione nada de Mel Gibson, e especialmente o Beaver (castor) da Jodie Foster” – fazendo alusão ao filme dirigido por Foster intitulado The Beaver, e traduzido aqui como Um Novo Despertar. As piadas sobre Mel Gibson eram as melhores, pois como anti-semita assumido, Ricky adorava cutucar.

Apesar do humor ácido ter reduzido drasticamente, Gervais conseguiu algumas pérolas como essa: “O Globo de Ouro está para o Oscar como Kim Kardashian está para Kate Middleton, mas um pouco mais escandalosa, um pouco mais trash e mais facilmente subornável”. Ou no começo da cerimônia, quando ele introduz Johnny Depp e pergunta ao ator: “Johnny, você viu O Turista?”, deixando Depp numa saia curta. Achei que ele estava apenas esquentando, mas ficou meio morno a cerimônia toda, tendo picos leves como quando introduziu a Madonna:

“Nossa próxima apresentadora é a Rainha do Pop – senta aí, Elton (John), não você. Ela é quase como uma virgem (fazendo referência ao sucesso da música dela Like a Virgin): Madonna!” 

Madonna, que não é flor que se cheire retrucou ao alcançar o microfone: “Se eu ainda sou como uma virgem, Ricky, por que você não vem aqui e  faz algo a respeito? Eu não beijo uma garota há anos… na TV!” – Em seguida, ao fundo, Ricky Gervais corre de um lado para o outro do palco, arrancando risadas da platéia.

A parte mais chata de assistir a essas premiações são as propagandas da TNT. Como a maioria dos blocos só cabia 2 prêmios, então havia muitos intervalos e já no segundo, você já cansa de ver as chamadas dos filmes Entre Irmãos, Operação Babá, Sex and the City – O Filme,  o trailer do Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres. E sem contar que tava quase comprando o carro novo da Fiat, o Bravo.

Quanto aos resultados, o Estado de S. Paulo deu o título de Divisão Amigável, pois os prêmios foram tão bem-divididos que dá a impressão de que foi tudo planejado, e não votado.

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

ATOR COADJUVANTE: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

A briga estava entre Plummer e Albert Brooks, uma vez que ambos ganharam boa parte dos prêmios da crítica, mas o veterano saiu vitorioso. Fiquei com a pulga atrás da orelha se foi um prêmio pela carreira ou pela performance e loquei o filme. Como eu disse um post anterior, o papel dele nesse filme tem todo o jeito de prêmio. Acompanhe: idoso, recém-viúvo, assume homossexualidade aos 75 anos e em seguida, descobre ter câncer. Chamam um ator de renome e pronto! Aí está a receita do Oscar. Não obstante, Plummer consegue humanizar bastante seu personagem e tenta fugir a todo custo do rótulo do gay idoso. Ele consegue cativar seu filho (Ewan McGregor) e o público sem grande esforço. Se está melhor que Albert Brooks? Quando estrear o Drive por aqui, eu confirmo em seguida, mas até lá, Plummer tem o direito de ficar com seu Globo de Ouro.

TRILHA MUSICAL: Ludovic Bource (The Artist)

Como descrevi no post anterior, quando se trata de um filme mudo, a trilha musical ganha importância desproporcional. A música passa a ocupar um espaço de um personagem. E acredito que as chances de Ludovic no Oscar só aumentaram com esse Globo de Ouro.

CANÇÃO: Masterpiece, de Madonna (W.E. – O Romance do Século)

Talvez tenha sido a maior surpresa da noite. Não que Madonna não seja um nome de peso numa categoria de canção, mas como seu filme não foi tão bem divulgado e provavelmente já deve ter sido criticado, um prêmio estaria fora de cogitação, ainda mais com concorrentes de renome como Elton John e Mary J. Blige. Aliás, esta última era considerada a favorita pela tocante canção de Histórias Cruzadas. No Oscar, como os últimos vencedores não foram favoritos, a corrida está bem aberta.

Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

ATRIZ – COMÉDIA/MUSICAL: Michelle Willams (Sete Dias com Marylin)

Desde que vi a primeira foto de Michelle Williams como a diva Marylin Monroe, eu sabia que ela estaria nessa temporada de prêmios. Além de ela ter ficado bem parecida (sim, isso inclui artefatos no bumbum), Michelle está em plena ascensão na carreira e deixou de ser a ex-esposa de Heath Ledger. Nesse Sete Dias com Marylin, não deve ter sido uma tarefa fácil copiar o jeito meigo da loira de O Pecado Mora ao Lado.

ANIMAÇÃO: As Aventuras de Tintim, de Steven Spielberg

Por mais que não tenha visto o filme ainda, confesso que na hora fiquei um pouco indignado que Rango perdeu. Quero dizer, parece que a Associação de Imprensa Estrangeira queria apenas agradar o Sr. Spielberg e não deixá-lo sair de mãos abanando. Sei que As Aventuras de Tintim deve ser praticamente perfeito tecnicamente, mas fiquei decepcionado que Rango não foi reconhecido porque merecia. Enfim, só me resta torcer para que esse prêmio tenha sido justo.

ROTEIRO: Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Sim, Woody Allen ainda sabe escrever muito bem. O que ele ainda não sabe é receber prêmios! Ele não compareceu à festa e perdeu a oportunidade de agradecer o reconhecimento. Meia-Noite em Paris merecia pelo menos um prêmio e acho que roteiro seria o mais justo de fato. O trabalho novo de Allen é maduro, mas sem esquecer suas raízes lúdicas e humorísticas. Todos na sala sabiam disso, tanto que aplaudiram fervorosamente.

FILME ESTRANGEIRO: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

O filme iraniano conseguiu um grande feito de bater Almodóvar e Angelina Jolie que, por mais que não tenha prestígio como diretora, é muito querida pela imprensa. Pelos comentários de alguns críticos, o filme consegue sintetizar a História do próprio Irã

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

numa trama sobre relacionamentos e família. Talvez por isso também concorra a Melhor Roteiro Original no Oscar.

ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Octavia Spencer bate a colega Chastain. Seu papel em Histórias Cruzadas já vinha sendo comentado antes mesmo da temporada de premiação. Na hora de seu discurso, ela me lembrou a Hattie McDaniel, por ser negra e também por interpretar uma doméstica em …E o Vento Levou.

DIRETOR: Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Uma surpresa, mas uma grata surpresa. Martin é um grande diretor e grande amante do Cinema. Ele restaura e cuida de filmes antigos, preservando a História do Cinema. Além disso, é muito querido de atores, cineastas e equipes. Seu novo filme parece carregar toda essa paixão que Scorsese tem pelo Cinema, escalando ninguém menos que Georges Méliès, o inventor de efeitos especiais no Cinema. Michel Hazanavicius era forte candidato ao prêmio, mas como seu filme The Artist levou Melhor Filme – Comédia ou Musical, ficou tudo certo. Outra fato que é importante comentar aqui é que a vitória de Scorsese e Spielberg (animação), reconhece a qualidade do trabalho desses veteranos do Cinema em sua primeira experiência no formato 3D.

ATOR – COMÉDIA/MUSICAL: Jean Dujardin (The Artist)

Jean Dujardin (The Artist)


Os trejeitos e expressões de Jean Dujardin me lembram Gene Kelly em Cantando na Chuva. Aliás, The Artist lembra bastante a história de Cantando na Chuva ao falar sobre cinema mudo. Com essa vitória, Dujardin está garantido na categoria do Oscar.

ATRIZ – DRAMA: Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Meryl Streep ou Viola Davis? O Globo de Ouro escolheu a veterana atriz que, este ano, apostou num papel inconvencional e difícil, pois Margaret Thatcher foi uma figura política bastante controversa na base do “ame ou odeie”. Pelo que li, A Dama de Ferro foca mais nos últimos anos da vida dela, quando ela luta contra a demência, tentando dessa forma cativar mais o público ao transformá-la numa mulher comum e frágil. A atuação de Streep tem sido bastante elogiada por ela conseguir reproduzir o sorriso, a entonação e as posturas de Thatcher. Vem aí seu 3º Oscar?

FILME – COMÉDIA/MUSICAL: The Artist, de Michel Hazanavicius

Prêmio merecido. Quem faria um filme preto-e-branco, mudo, sobre Hollywoodland nos anos 20 com elenco desconhecido e francês? Uma vitória pela ousadia acima de tudo. Quando o filme estrear, veremos sua consistência.

George Clooney (Os Descendentes)

ATOR – DRAMA: George Clooney (Os Descendentes)

Quem não gosta do George? Ele é carismático, charmoso, bem-humorado e defende causas nobres. Ok, eu sei, o prêmio não reconhece características pessoais. Eu vi alguns trailers de Os Descendentes e estou bastante ansioso pra ver. Muitos estão dizendo que se trata do melhor trabalho de Clooney como ator. Deve ser mesmo, porque Alexander Payne é um diretor que sabe explorar seu elenco até o máximo. Jack Nicholson (As Confissões de Schmidt), Reese Witherspoon (Eleição) e Paul Giamatti (Sideways) que o digam. Admito que Clooney nunca teve um grande desafio como ator, mas se ele aceitou fazer esse filme com Payne e foi elogiado significa que ele reconhece suas limitações e está procurando melhorar. Ah, se todos os atores medíocres fizessem o mesmo…

FILME – DRAMA: Os Descendentes, de Alexander Payne

Se não ganhou Melhor Diretor e Melhor Roteiro, tem que ganhar Melhor Filme! Mas numa temporada sem grandes favoritos, Os Descendentes não tem nada garantido no Oscar. Será indicado? Sem sombra de dúvida. Ganhará um Oscar? Certeza 99%. Ganhará Melhor Filme? Putz, me pergunte daqui a um mês.

Dos demais resultados referentes a TV, desconheço muitas das séries indicadas e premiadas, mas fiquei feliz com a premiação da Laura Dern (que estava com a mãe Diane Ladd na platéia!), Kate Winslet pelo Mildred Pierce (parece bom, considerando também o diretor Todd Haynes) e Jessica Lange, como coadjuvante na nova série American Horror Story. Em seu discurso, ela agradece os roteiristas por criaram bom material para atores buscarem inspiração todo dia.