Anúncios

Alfonso Cuarón vence o DGA e fortalece chances de ‘Gravidade’

Alfonso Cuarón recebe o DGA das mãos do vencedor de 2013, Ben Affleck, tornando-se o primeiro hispânico a ganhar o DGA (photo by zimbio.com)

Alfonso Cuarón recebe o DGA das mãos do vencedor de 2013, Ben Affleck, tornando-se o primeiro hispânico a ganhar o DGA (photo by zimbio.com)

COM VITÓRIA NO DGA, GRAVIDADE ENTRA DE VEZ NA COMPETIÇÃO DO OSCAR DE MELHOR FILME

Para quem está acompanhando a corrida para o Oscar 2014, percebe que a briga para o prêmio de Melhor Filme está cada vez mais acirrada. Nas últimas semanas, Trapaça venceu o SAG de Melhor Elenco e conquistou o Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical. Já 12 Anos de Escravidão e Gravidade empataram como Melhor Filme no PGA, sendo que o primeiro também venceu o Critics’ Choice Awards e o Globo de Ouro de Melhor Filme – Drama.

Com a vitória do mexicano Alfonso Cuarón no Directors Guild (DGA), Gravidade tem suas chances elevadas consideravelmente, pois em 65 anos de DGA, apenas 7 diretores não repetiram a façanha no Oscar, e no mesmo período, apenas 13 diretores não tiveram seus filmes vencedores do Oscar de Melhor Filme. Já nos 85 anos do Oscar, houve 23 ocasiões.

Cuarón se tornou o primeiro diretor hispânico a ganhar o DGA, o que reforça uma certa tendência de diretores estrangeiros. Só para constar, nos últimos anos, Ang Lee (Taiwan), Michel Hazanavicius (França) e Tom Hooper (Inglaterra) ganharam o Oscar. O maior concorrente de Alfonso Cuarón era Steve McQueen (Inglaterra), que poderia se tornar o primeiro diretor negro a ganhar o DGA. As chances de Cuarón se mantêm altas no Oscar também, uma vez que os concorrentes são praticamente os mesmos, excetuando Alexander Payne (Nebraska), que tomou a vaga de Paul Greengrass (Capitão Phillips).

Enquanto o primeiro teve de inventar a tecnologia necessária para filmar as cenas espaciais juntamente com seu diretor de fotografia Emmanuel Lubezki e o supervisor de efeitos digitais Tim Webber, o segundo enfrentou um desafio típico de maratonas telvisivas: filmou 12 Anos de Escravidão em 35 dias com apenas uma câmera. Vale ressaltar aqui também que Gravidade representa o sucesso de público (mais de 600 milhões de dólares) e 12 Anos de Escravidão representa a unanimidade da crítica.

Alfonso Cuarón dirige cena com Sandra Bullock (photo by www.thehollywoodreporter.com)

Alfonso Cuarón (centro) dirige cena com Sandra Bullock (photo by http://www.thehollywoodreporter.com)

É um duelo tão interessante e extremamente competitivo que pode favorecer um terceiro filme na briga, no caso, Trapaça, um filme bem escrito e muito bem dirigido por David O. Russell, que encaminhou mais uma vez seus atores para as quatro categorias de atuação: Christian Bale (Ator), Amy Adams (Atriz), Bradley Cooper (Ator Coadjuvante) e Jennifer Lawrence (Atriz Coadjuvante). Ele já havia conseguido essa proeza com seu filme anterior, O Lado Bom da Vida. Na História do Oscar, esta é apenas a 15ª vez que as quatro categorias são preenchidas pelo mesmo filme, sendo Reds (1981) e Rede de Intrigas (1976) exemplos mais recentes.

Os indicados ao DGA este ano, da esquerda para a direita: (photo by thehollywoodreporter.com)

Os indicados ao DGA este ano, da esquerda para a direita: Alfonso Cuarón, Steve McQueen, Martin Scorsese, David O. Russell e Paul Greengrass (photo by thehollywoodreporter.com)

Já na categoria de direção para Documentários, a vitória da egípcia Jehane Noujaim por The Square foi uma surpresa, já que bateu o favorito Joshua Oppenheimer (O Ato de Matar), que também concorre ao Oscar. Trata-se da primeira grande vitória em Cinema para o Netflix. Na TV, já ganhou o Emmy e o Globo de Ouro pela série House of Cards. A diretora Jehane Noujaim já havia ganhado o DGA em 2001 pelo documentário Startup.com (com Chris Hegedus) e foi indicada anteriormente por Control Room em 2004.

A diretora egípcia Jehane Noujaim (photo by Matt Furman)

A diretora egípcia Jehane Noujaim (photo by Matt Furman)

Na categoria Direção para Minisséries ou Filmes para TV, Steven Soderbergh subiu ao palco por Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra), que já havia vencido o Globo de Ouro e o Emmy. Emocionado, ele também recebeu o prêmio especial Robert B. Aldrich, concedido pelo reconhecimento pelo extraordinário serviço ao Directors Guild of America e seus membros.

O presidente do DGA, Paris Barclay agradeceu Soderbergh por sua devoção ao sindicato, especialmente seu trabalho em proteger e extender os direitos criativos dos diretores, algo extremamente importante nos dias atuais em que produtores mandam mais do que o diretores, gerando filmes nitidamente feitos para arrecadar dinheiro. Soderbergh foi presidente do DGA por nove anos, e foi indicado duas vezes em 2000 por Traffic e Erin Brockovich: Uma Mulher de Talento.

Steven Soderbergh dirige Michael Douglas em cena de Minha Vida com Liberace (photo by cineplex.com)

Steven Soderbergh dirige Michael Douglas em cena de Minha Vida com Liberace (photo by cineplex.com)

Confira todos os vencedores desta edição:

Feature Film: Alfonso Cuarón (Gravidade)
Documentary Feature: Jehane Noujaim (The Square)
Dramatic Series: Vince Gilligan (Breaking Bad – episódio: Felina)
Comedy Series: Beth McCarthy-Miller (30 Rock – episódio: Hogcock!/Last Lunch)
Movie for Television or Mini-Series: Steven Soderbergh (Minha Vida com Liberace)
Variety/Talk/News/Sports – Series: Don Roy King (Saturday Night Live – with the host Justin Timberlake)
Variety/Talk/News/Sports – Specials: Glenn Weiss (The 67th Annual Tony Awards)
Reality Programs: Neil P. DeGroot (72 Hours – episódio: The Lost Coast)
Children’s Program: Amy Schatz (An Apology to Elephants)
Commercial: Martin de Thurah (Epoch Films)

Robert B. Aldrich Award: Steven Soderbergh
DGA Diversity Award: Shonda Rhimes e Betsy Beers
Frank Capra Achievement Award: Lee Blaine
Franklin J. Schaffner Achievement Award: Vincent DeDario

Anúncios

‘Gravidade’ e ’12 Anos de Escravidão’ fazem o 1º empate na história do PGA Awards

Os produtores David Heyman (à esquerda) e Alfonso Cuarón recebem o PGA de Melhor Filme (photo by AFP in www.channelnewsasia.com)

Os produtores de Gravidade: David Heyman (à esquerda) e Alfonso Cuarón recebem o PGA de Melhor Filme (photo by AFP in http://www.channelnewsasia.com)

CONSIDERADO MELHOR PARÂMETRO PARA VENCEDOR DO OSCAR DE MELHOR FILME, O PGA FICA NO EMPATE HISTÓRICO

 

Pra quem acha que 12 Anos de Escravidão já garantiu seu Oscar de Melhor Filme, o PGA (Producers Guild of America) resolveu bagunçar essa previsibilidade. Pela primeira vez em 25 anos de história, o prêmio foi concedido a duas produções: Gravidade e 12 Anos de Escravidão.

 

Ao lado delas, concorriam Trapaça, Blue Jasmine, Capitão Phillips, Clube de Compras Dallas, Ela, Nebraska, Walt nos Bastidores de Mary Poppins e O Lobo de Wall Street. Exceto por Blue Jasmine e Walt nos Bastidores, todas as demais produções também competem pelo prêmio no Oscar, o que torna a vitória ainda mais importante.

Considerado o melhor parâmetro para prever qual filme ganhará o Oscar, o PGA acertou 17 vezes em 24 anos,  tendo previsto os últimos seis vencedores do Oscar.

Com o SAG de Melhor Elenco, concedido no último domingo para Trapaça, a corrida pelo Oscar de Melhor Filme pode trazer alguma surpresa, pois esse empate não define nada. 12 Anos de Escravidão tem sido ovacionado pela crítica e tem vencido mais prêmios até o momento, enquanto Gravidade possui a maior bilheteria mundial entre os indicados, com mais de 600 milhões de dólares, e o apoio popular que abraçou o filme espacial. Já Trapaça possui um elenco super qualificado e seu diretor David O. Russell já vem batendo na trave há alguns anos com O Vencedor (2010) e O Lado Bom da Vida (2012).

Brad Pitt recebe o prêmio PGA como produtor de 12 Anos de Escravidão (photo by www.abclocal.go.com)

Brad Pitt recebe o prêmio PGA como produtor de 12 Anos de Escravidão (photo by http://www.abclocal.go.com)

Ao contrário de toda essa briga, a categoria de Melhor Animação tem sido bem tranqüila. A super-produção da Disney, Frozen: Uma Aventura Congelante, venceu o PGA. Tirando um ou outro prêmio da crítica para o japonês Vidas ao Vento, a vitória de Frozen tem sido uma unanimidade até o momento.

E na categoria de documentário, ficou mais fácil para We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks, de Alex Gibney, ganhar o prêmio com as ausências dos maiores concorrentes: Histórias que Contamos e O Ato de Matar.

Já em televisão, Breaking Bad continua coletando todos os prêmios fechando com chave de ouro a série, e Modern Family foi reconhecida como Melhor Produção de Comédia. Veja lista completa abaixo:

 

MELHOR FILME (empate)
Gravidade (Gravity)
Produtores: Alfonso Cuarón, David Heyman

12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
Produtores: Anthony Katagas, Jeremy Kleiner, Steve McQueen, Brad Pitt, Dede Gardner

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Produtor: Peter Del Vecho

MELHOR DOCUMENTÁRIO
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks
Produtores: Alexis Bloom, Alex Gibney, Marc Shmuger

MELHOR SÉRIE DE TV Drama:
Breaking Bad
Produtores: Melissa Bernstein, Sam Catlin, Bryan Cranston, Vince Gilligan, Peter Gould, Mark Johnson, Stewart Lyons, Michelle MacLaren, George Mastras, Diane Mercer, Thomas Schnauz, Moira Walley-Beckett

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra)
Produtores: Susan Ekins, Gregory Jacobs, Michael Polaire, Jerry Weintraub

MELHOR SÉRIE DE TV Comédia:
Modern Family
Produtores: Paul Corrigan, Abraham Higginbotham, Ben Karlin, Elaine Ko, Steven Levitan, Christopher Lloyd, Jeffrey Morton, Dan O’Shannon, Jeffrey Richman, Chris Smirnoff, Brad Walsh, Bill Wrubel, Danny Zuker

MELHOR PROGRAMA DE TV NÃO-FICÇÃO:
Anthony Bourdain: Parts Unknown
Produtores: Anthony Bourdain, Christopher Collins, Lydia Tenaglia, Sandra Zweig

MELHOR PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTA:
The Colbert Report
Produtores: Meredith Bennett, Stephen T. Colbert, Richard Dahm, Paul Dinello, Barry Julien, Matt Lappin, Emily Lazar, Tanya Michnevich Bracco, Tom Purcell, Jon Stewart

MELHOR PROGRAMA DE COMPETIÇÃO:
The Voice
Produtores: Stijn Bakkers, Mark Burnett, John de Mol, Chad Hines, Lee Metzger, Audrey Morrissey, Jim Roush, Kyra Thompson, Nicolle Yaron, Mike Yurchuk, Amanda Zucker

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTE:
SportsCenter (ESPN)

MELHOR PROGRAMA INFANTIL:
Vila Sésamo (Sesame Street)

MELHOR SÉRIE DIGITAL:
Wired: What’s Inside

STANLEY KRAMER AWARD:
Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station)
Produtores: Ryan Coogler, Nina Yang Bongiovi, Forest Whitaker

‘Trapaça’ sai na frente com o SAG de Melhor Elenco rumo ao Oscar 2014

Bradley Cooper encabeça elenco de Trapaça e agradece David O. Russell (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

Bradley Cooper encabeça elenco de Trapaça e agradece David O. Russell (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

TRAPAÇA VENCE MELHOR ELENCO E 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO TEM SUA PRIMEIRA GRANDE DERROTA

OK. Se essa corrida de cavalos estava empatada entre 12 Anos de Escravidão e Trapaça, agora o segundo está um pouco na frente com a vitória do SAG Award de Melhor Elenco. Trata-se de uma vitória importante, principalmente para seu diretor David O. Russell, que vem perdendo em todos os prêmios para Alfonso Cuarón (Gravidade). O ator Bradley Cooper dedicou a estatueta ao ele num discurso bastante emotivo ao resgatar a vontade de ser ator sob sua direção. Claro que a vitória nessa categoria não significa garantia de Melhor Filme no Oscar, mas ajuda na campanha do filme até o dia 02 de Março, dia da cerimônia da Academia.

Analisando friamente, esse prêmio foi concedido de forma politicamente correta. Como nenhum dos atores (Christian Bale, Amy Adams e Jennifer Lawrence) ganhou o SAG individualmente, o prêmio de Melhor Elenco caiu como uma luva para recompensar as boas atuações. Enquanto isso, 12 Anos de Escravidão teve de se contentar com o prêmio de coadjuvante.

Essa rivalidade entre os filmes tem se mostrado acirrada na categoria de Atriz Coadjuvante entre Jennifer Lawrence e Lupita Nyong’o. Enquanto Lawrence ganhou o Globo de Ouro, Nyong’o virou o jogo com as vitórias no Critics’ Choice Awards e agora este SAG. Muito emocionada e humilde, ela agradeceu toda a equipe e familiares, fechando com um: “Pai, o senhor conhece Brad Pitt? Vou estar num filme com ele! – Não conheço pessoalmente, mas já fico feliz que você conseguiu um emprego”. E felizmente Lawrence escolhe um vestido bem mais apresentável do que aquele do Globo de Ouro…

Jennifer Lawrence e Lupita Nyong'o reforçam o fair play da categoria coadjuvante (photo by jenniferlawrencedailly.tumblr.com)

Jennifer Lawrence e Lupita Nyong’o reforçam o fair play da categoria coadjuvante. (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

Tem sido muito divertido acompanhar Jennifer Lawrence na temporada de premiação. As caras e bocas dela são tão espontâneas que fica impossível não rir

Tem sido muito divertido acompanhar Jennifer Lawrence na temporada de premiação. As caras e bocas dela são tão espontâneas que fica impossível não rir (gif by mattsgifs.tumblr.com)

Entre os homens, Jared Leto confirmou seu favoritismo como coadjuvante por Clube de Compras Dallas. Havia uma certa pressão na categoria devido à presença de James Gandolfini, indicado postumamente por À Procura do Amor, mas a coragem de Leto em encarnar um transexual num drama sobre Aids falou mais alto. É muito fácil cair no caricato quando se interpreta um personagem de sexo trocado como nas inúmeras comédias, então sua performance eleva a qualidade desses papéis.

Jared Leto e sua 1ª vitória por sua 1ª indicação no SAG (photo by nyongoss.tumblr.com)

Jared Leto e sua 1ª vitória por sua 1ª indicação no SAG (photo by nyongoss.tumblr.com)

Do mesmo nível de coragem, Matthew McConaughey estava nitidamente feliz com seu prêmio. A um passo do Oscar? A seu favor, além do Globo, SAG e Critics’ Choice, ele tem o ano de 2012, quando atuou em Magic Mike, Bernie – Quase um Anjo e Amor Bandido e sequer foi lembrado pela Academia. Sim, os votantes não se esquecem que esqueceram. McConaughey é um ator em extrema ascensão em Hollywood. Ele deixou as comédias românticas ralas e os altos salários de lado e procurou testar seus limites como ator. Foi buscar papéis melhores, e mesmo que menores, tratou-os como protagonistas. E foi assim que ele chegou ao papel de Clube de Compras Dallas e tem recebido tanto reconhecimento, batendo até o veterano Bruce Dern. Espero que ele não se acomode com os prêmios e continue sua busca por desafios, inclusive no próximo filme de Christopher Nolan, Interstellar, que estréia este ano.

Matthew McConaughey foi até Netuno para explicar a ótima sensação de conseguir um papel bom (photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Matthew McConaughey foi até Netuno para explicar a ótima sensação de conseguir um papel bom (photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Também coletando todos os prêmios, a australiana Cate Blanchett demonstrou bom humor: “Para aqueles que votaram em mim, obrigada! E para aqueles que não, melhor sorte no ano que vem!” Cate agradeceu a inspiração de seu diretor Woody Allen pela criação de personagens femininas excepcionais, não esquecendo de mencionar os atores com quem trabalhou: “Sally (Hawkins) estou sozinha aqui sem você. Metade desse prêmio é seu! A parte do pênis…” Apesar da categoria estar bem acirrada, Blanchett deve conquistar seu segundo Oscar, mas o primeiro como atriz principal. Seria a primeira a ganhar o Oscar de Melhor Atriz sob a direção de Woody Allen depois de Diane Keaton em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)!

Cate Blanchett depois de alguns drinques fez discurso bem humorado (Kevork Djansezian/Getty Images)

Cate Blanchett depois de alguns drinques fez discurso bem humorado (Kevork Djansezian/Getty Images)

Muito interessante a escolha de Rita Moreno como homenageada. Uma entre quatro personalidades que conquistou o Oscar, Grammy, Emmy e Tony Award. Nascida em Porto Rico, ela se mudou aos 5 anos para Nova York, onde anos mais tarde conseguiu pequenos papéis em produções independentes até as pontas em grandes produções como os musicais Cantando na Chuva e O Rei e Eu, até o papel de sua vida: a latina Anita no grande Amor Sublime Amor. Quebrou tabus como a primeira latina a ganhar o Oscar de atuação. Repleta de vitalidade aos 82 anos, ela comprova que a alegria faz parte de sua vida ao cantar em seu discurso de agradecimento: “So let the music play as long as there’s a song to sing and I will be younger than spring…” – uma artista completa que falta hoje em dia.

Sobre o clipe In Memorian, é triste lembrar que Peter O’Toole, Joan Fontaine, Richard Griffiths, Eleanor Parker, Eileen Brennan, James Gandolfini e Juanita Moore nos abandonaram.

Confira a lista completa dos vencedores:

PRÊMIOS DO CINEMA

MELHOR ELENCO (BEST FILM ENSEMBLE)
Trapaça (American Hustle)
Amy Adams, Christian Bale, Louis C.K., Bradley Cooper, Paul Herman, Jack Huston, Jennifer Lawrence, Alessandro Nivola, Michael Peña, Jeremy Renner, Elisabeth Röhm, Shea Whigham

MELHOR ATOR (BEST ACTOR)
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ (BEST ACTRESS)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTOR)
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTRESS)
Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS (BEST STUNT ENSEMBLE)
O Grande Herói (Lone Survivor)

PRÊMIOS DA TV

MELHOR ELENCO DE TV- DRAMA
Breaking Bad
Michael Bowen, Betsy Brandt, Bryan Cranston, Lavell Crawford, Tait Fletcher, Laura Fraser, Anna Gunn, Matthew T. Metzler, RJ Mitte, Dean Norris, Bob Odenkirk, Aaron Paul, Jesse Plemons, Steven Michael Quezada, Kevin Rankin, Patrick Sane

MELHOR ATOR DE TV – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)

MELHOR ATRIZ DE TV – DRAMA
Maggie Smith (Downton Abbey)

MELHOR ELENCO DE TV – COMÉDIA
Modern Family
Julie Bowen, Ty Burrell, Aubrey Anderson Emmons, Jesse Tyler Ferguson, Nolan Gould, Sarah Hyland, Ed O’Neill, Rico Rodriguez, Eric Stonestreet, Sofia Vergara, Ariel Winter

MELHOR ATOR DE TV – COMÉDIA
Ty Burrell (Modern Family)

MELHOR ATRIZ DE TV – COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

MELHOR ATOR  – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Michael Douglas (Minha Vida com Liberace)

MELHOR ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Helen Mirren (Phil Spector)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE TV
Game of Thrones

Num discurso que beira o "já sabia", Julia Louis-Dreyfus descontrai ao errar o discurso duas vezes, agradecendo o Globo de Ouro e o Oscar (photo by wool-grill.tumblr.com)

Num discurso que beira o “já sabia”, Julia Louis-Dreyfus descontrai ao errar o discurso duas vezes, agradecendo o Globo de Ouro e o Oscar (photo by wool-grill.tumblr.com)

“Trapaça” é o grande vencedor do Globo de Ouro 2014. “12 Anos de Escravidão” fica com prêmio de consolação

American Hustle

71ª EDIÇÃO DO GLOBO DE OURO BUSCA EQUILÍBRIO, MAS NÃO RESISTE À TRAPAÇA

MODA OU DESEJO MASCULINO?

Antes de começar a falar da premiação em si, gostaria de destacar alguns vestidos no tapete vermelho. Não sou entendedor de moda, mas se eu fosse fazer uma festa, com certeza convidaria estas moças…

Amy Adams continua deslumbrante aos 39 aninhos

Hórs-concours: Amy Adams em Valentino continua deslumbrante aos 39 aninhos

Amber Heard em Versace

Aqui o conteúdo do vestido fala mais alto: Amber Heard em Versace

Jessica Chastain: musa do tapete vermelho

Jessica Chastain num belo Givenchy: musa do tapete vermelho

Cate Blanchett em Armani Prive

Indicada por Blue Jasmine, Cate Blanchett em Armani Prive

E apesar dos deslizes, também convidaria:

Emma Watson tem um futuro brilhante, mas acho que precisa melhorar essa moda

Emma Watson tem um futuro brilhante, mas até lá, acho que precisa mudar de estilo

Adoro Jennifer Lawrence, mas esse Dior tá meio estranho. Na internet, alguns compararam ao...

Adoro Jennifer Lawrence, mas esse Dior tá meio estranho. Na internet, alguns compararam ao…

... modelito da Pequena Sereia

… modelito da Pequena Sereia.

TINA FEY E AMY POEHLER MANTÊM PIADAS AFIADAS

Agora, quanto à cerimônia, foi bom ter a dupla Tina Fey e Amy Poehler de volta. Mas acho que elas pegaram mais leve desta vez. Não houve pérolas do tipo “Em se tratando de tortura, confio na mulher que foi casada com James Cameron”, MAS ADOREI a piada do Mister Golden Globe: Randy, o filho bastardo de Tina Fey, interpretado por Poehler. Com visual à la Justin Bieber, bocudo e sem nenhuma vergonha, ele passa entre os convidados pra procurar o pai. Aponta para Idris Elba e pergunta: “É ele?” E em seguida para o produtor Harvey Weinstein: “É ele?”.

Mister Golden Globe "Randy" (Amy Poehler) ao lado de Sosie Bacon, filha de Kevin Bacon e Kyra Segdwick, a Miss Golden Globe (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Mister Golden Globe “Randy” (Amy Poehler) ao lado de Sosie Bacon, filha de Kevin Bacon e Kyra Segdwick, a Miss Golden Globe (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Claro que não são nenhum mestre do humor ácido corrosivo de Ricky Gervais, mas também não são flores que se cheirem. No início da festa, Fey explica que Gravidade era “a história de como George Clooney prefere flutuar no espaço e morrer do que passar um minuto a mais com uma mulher com a sua idade”. Quem viu o filme, entende a piada. George não estava na cerimônia. Se fosse Ricky, ele soltaria essa bomba na presença dele (por isso que não voltou mais como host).

Ao comentarem o nível das celebridades no local, elas listavam quem eram os tops. Então, quando mencionaram Matt Damon no contexto, sobrou pra ele: “Matt, em qualquer outra noite, em qualquer outro lugar, você seria grande coisa, mas – não interprete isso de forma errada – esta noite, você é basicamente o lixeiro (garbage person)”. Quando Damon subiu ao palco para apresentar um clipe de Capitão Phillips, ele começou com: “Sou eu Matt Damon, o lixeiro”. Haha

O humor que servia como elogio também tinha seu conteúdo impróprio. Ao introduzirem Leonardo DiCaprio, Tina Fey e Amy Poehler proferiram: “E agora, como uma vagina de uma super modelo, vamos todos dar calorosas (warm) boas-vindas a Leonardo DiCaprio.”

Tina Fey e Amy Poehler apresentam o Globo de Ouro pela segunda vez (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Tina Fey e Amy Poehler apresentam o Globo de Ouro pela segunda vez (photo by Paul Drinkwater/NBC)

E em tom irônico, criticam a atriz Julia Louis-Dreyfus, duplamente indicada por À Procura do Amor e pela série de TV Veep, por ter se sentado na ala das celebridades de cinema. “Interessantemente, Julia resolveu se sentar na seção do pessoal de cinema”. Quando Louis-Dreyfus havia perdido na sua categoria de filme, eis que Tina Fey volta a citá-la: “Ora, ora, ora… Veja quem voltou à ala das celebridades de TV”.

12 ANOS DE ESCRAVIDÃO QUASE PASSA A NOITE DESAPERCEBIDO

Equipe e elenco de 12 Anos de Escravidão. Ao centro, o diretor Steve McQueen segura o Globo de Ouro.

Equipe e elenco de 12 Anos de Escravidão. Ao centro, o diretor Steve McQueen segura o Globo de Ouro.

Foi estranho. 12 Anos de Escravidão estava perdendo em todas as categorias ao longo da noite. “Não vai rolar nenhum prêmio de consolação?”, pensei. Rolou. Justo o de Melhor Filme! Desde que acompanho o Globo de Ouro, nunca havia visto uma produção ganhar tal prêmio e nada mais. Mas justiça seja feita, afinal recebeu sete indicações. Infelizmente, o filme só estreará aqui no dia 28 de fevereiro, então estou pensando como a Layane e partir no meu barco Pérola Negra… hehe

O grande vencedor da noite foi Trapaça, de David O. Russell, com 3 Globos de Ouro: Melhor Filme – Comédia ou Musical, Atriz (Amy Adams) e Atriz Coadjuvante (Jennifer Lawrence). Ao contrário de anos anteriores em que sempre havia uma produção boba ou rala competindo, os candidatos a Comédia ou Musical eram de qualidade, então Trapaça já pode se sentir garantido no Oscar, cujas indicações saem no próximo dia 16. Aliás, a grande vencedora da noite foi a jovem produtora Megan Ellison, que venceu 4 Globos de Ouro (3 por Trapaça e 1 por Ela).

Equipe e elenco de Trapaça recebe o Globo de Ouro de Melhor Filme - Comédia ou Musical. A produtora Megan Ellison segura a estatueta (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Equipe e elenco de Trapaça recebe o Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical. A produtora Megan Ellison segura a estatueta (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Falando em Ela, foi uma bela vitória para o diretor e roteirista Spike Jonze por Melhor Roteiro. É realmente uma pena que ele não foi indicado para o DGA (Directors Guild), mas ele tem grandes chances de ser indicado ao Oscar de roteiro e até ganhar. Ela foi um dos filmes mais comentados e premiados nessa temporada e espero que se repita no anúncio dos indicados ao Oscar.

Na categoria de direção, o mexicano Alfonso Cuarón recebe a honraria e recorda uma situação engraçada com Sandra Bullock. “Obrigado por não desistir quando te disse ‘Sandra, vou te dar herpes’. Quando na verdade eu quis dizer ‘Sandra, vou te dar um earpiece’ (ponto eletrônico pra ouvido). É uma história verdadeira”.

Preterido ano passado por sua performance em Magic Mike, Matthew McConaughey deu a volta por seu trabalho em Clube de Compras Dallas, no qual perdeu mais de 17 quilos para interpretar o aidético Ron Woodroof. Até poucos anos atrás, sempre considerei McConaughey uma eterna promessa desde 1996 quando estrelou Tempo de Matar, pois parou nas comédias românticas ralas como Armações do Amor, Um Amor de Tesouro e Como Perder um Homem em Dez Dias. Felizmente, ele evoluiu bastante desde 2011, ao atuar em Killer Joe – Matador de Aluguel, de William Friedkin. Vale lembrar que ele está no novo filme de Christopher Nolan, a ficção científica Interstellar, que deve estrear em novembro.

Matthew McConaughey vence por Clube de Compras Dallas

Matthew McConaughey vence como Melhor Ator – Drama por Clube de Compras Dallas

Aparentmente existe na internet uma espécie de corrente alegando que Hollywood é racista porque preferiu premiar um ator branco (McConaughey) a um negro (Chiwetel Ejiofor ou Idris Elba). Para aqueles que acreditam nessa teoria, a única coisa que digo é: às vezes a internet tem suas desvantagens. Tem gente que nem merecia teclar num computador.

Atuando ao lado de McConaughey, o jovem Jared Leto também foi pra dieta para viver o transexual Rayon. Sua transformação foi bastante elogiada pela crítica e, apesar de não ter sido indicado ao BAFTA (por motivos de regulamento), sua presença no Oscar é vista como garantida. Como mencionado em seu discurso de agradecimento, sua premiação é uma ótima recepção de boas-vindas após um afastamento de 6 anos do cinema (embora a diferença entre o lançamento deste filme do último foi de 4 anos).

O Globo de Ouro para Leonardo DiCaprio pode ser interpretado como uma espécie de prêmio de consolo para a derrota de O Lobo de Wall Street como Melhor Filme – Comédia ou Musical. Eu disse “pode”. Ou pode ser por puro mérito, afinal DiCaprio é um ator em ascensão desde 2002, quando iniciou uma forte parceria com o diretor Martin Scorsese. Obviamente sua vitória alavancará sua campanha rumo à sua 4ª indicação ao Oscar, mas não acredito em seu 1º Oscar pelo alto nível de competição na categoria Melhor Ator que poderá enfrentar.

Leonardo DiCaprio vence seu segundo Globo de Ouro (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Leonardo DiCaprio vence seu segundo Globo de Ouro (photo by Paul Drinkwater/NBC)

Quanto às atrizes, Cate Blanchett mereceu vencer por sua performance em Blue Jasmine. Foi a maior homenagem que Woody Allen, diretor do filme, poderia ter recebido na noite. Apesar do encantador discurso de Diane Keaton, a ausência de Woody para receber o Cecil B. DeMille Award pelo conjunto da obra reduziu a grandeza do momento. Certamente, Woody daria o melhor discurso de todos. Várias atrizes com quem trabalhou estavam lá na esperança de que ele pudesse pegar o avião e vir pra Los Angeles: Dianne Wiest, Mariel Hemingway, Naomi Watts e as indicadas Julia Roberts e Meryl Streep. Como fã de Allen, confesso que fiquei decepcionado, pois o Cecil B. DeMille não é um mero prêmio, mas uma homenagem previamente aprovada pelo homenageado.

Mas enfim… Woody Allen é Woody Allen. Diane Keaton proferiu algumas frases dele, sendo uma delas a seguinte: “Uma das melhores coisas sobre escrever ou qualquer Arte é que se a coisa é real, ela vive. Todo o sucesso em cima ou a rejeição, nada disso realmente importa porque no fim, a coisa vai sobreviver ou não sobre seus próprios méritos. Imortalidade via Arte não é grande coisa. François Truffaut morreu. Seus filmes vivem, mas isso não ajuda muito François Truffaut. Como disse muitas vezes, em vez de viver nos corações e mentes de meu colega, prefiro viver no meu apartamento.”

Diane Keaton recebe o Cecil B. DeMille award por Woody Allen

Diane Keaton recebe o Cecil B. DeMille award por Woody Allen

E Amy Adams e Jennifer Lawrence venceram por Trapaça como Atriz – Comédia ou Musical e Coadjuvante, respectivamente. Confesso que, apesar de desejar a vitória de Lawrence, não esperava que ela ganharia o segundo Globo de Ouro de forma consecutiva (ano passado, ganhou por O Lado Bom da Vida, sob a direção do mesmo David O. Russell). E se ela vencer o SAG no próximo fim de semana, o segundo Oscar estará praticamente em suas mãos. Já Amy Adams, recebeu seu maior prêmio até agora, consolidando a forte possibilidade de ser finalmente indicada como Melhor Atriz após 4 indicações como coadjuvante. Sua vitória seria muito improvável levando em consideração suas competidoras, mas um passo de cada vez, certo?

Jennifer Lawrence com seu segundo Globo de Ouro

Jennifer Lawrence com seu segundo Globo de Ouro

Amy Adams ganha seu primeiro Globo de Ouro por Trapaça

Amy Adams ganha seu primeiro Globo de Ouro por Trapaça

SURPRESAS DA NOITE

A vitória da trilha musical de All is Lost, de Alex Ebert, não deixa de ser uma surpresa. Em sua primeira indicação, já leva o Globo de Ouro, batendo fortes concorrentes como John Williams e Hans Zimmer. Com visual meio hippie e abrindo o discurso com uma confissão de ter participado de uma festa num barco com o rapper Puff Daddy numa espécie de tour à base de erva, Ebert pode ter dado um passo importante ao Oscar.

A canção “Let it go” de Frozen: Uma Aventura Congelante era considerada favorita, mas “Ordinary Love” de Mandela: Long Walk to Freedom roubou o troféu, não apenas pelo prestígio da banda U2, mas a recente morte do líder sul-africano Nelson Mandela pesaram na decisão.

Contudo, acho que a maior surpresa foi a vitória do italiano A Grande Beleza, batendo o franco-favorito Azul é a Cor Mais Quente, que tem vencido quase todos os prêmios de Melhor Filme Estrangeiro desde que ganhou a Palma de Ouro. Com o candidato francês fora da corrida ao Oscar, o filme italiano de Paolo Sorrentino cresce nessa reta final e pode surpreender ainda mais se o dinamarquês A Caça assustar os votantes da Academia com seu tema de pedofilia.

Gostei bastante da vitória inesperada de Amy Poehler, a hostess da noite. Sempre a considerei uma boa comediante sem mesmo acompanhar sua série Parks and Recreation, mas já havia admirado seu timing cômico no filme Uma Mãe Para o Meu Bebê. Achava que ela não teria chances por ser uma das anfitriãs da noite e porque acreditava que Julia Louis-Dreyfus venceria por Veep. Quando seu nome é anunciado com as demais indicadas, ela aparece sentada no colo de Bono, recebendo uma massagem nos ombros. Ao ouvir seu nome como vencedora, ela não resiste e beija apaixonadamente o vocalista do U2. “Eu nunca ganho nada!”, desculpa-se Poehler pelo embaraço no discurso.

Confira todos os vencedores dessa 71ª edição do Globo de Ouro:

MELHOR FILME – DRAMA
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Trapaça (American Hustle)

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuarón (Gravidade)

MELHOR ATOR – DRAMA
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Amy Adams (Trapaça)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jennifer Lawrence (Trapaça)

MELHOR ROTEIRO
Spike Jonze (Ela)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Alex Ebert (All is Lost)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Ordinary Love”, de U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (Itália)

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante, de Chris Buck e Jennifer Lee

MELHOR SÉRIE DE TV – DRAMA
Breaking Bad

MELHOR ATOR – SÉRIE DE TV – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE TV – DRAMA
Robin Wright (House of Cards)

MELHOR SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL
Brooklyn Nine-Nine

MELHOR ATOR – SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL
Andy Samberg (Brooklyn Nine-Nine)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL
Amy Poehler (Parks and Recreation)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra)

MELHOR ATOR – MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Michael Douglas (Minha Vida com Liberace)

MELHOR ATRIZ – MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jon Voight (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jacqueline Bisset (Dancing on the Edge)

Num dos melhores momentos da noite, a grande atriz Emma Thompson subiu descalça ao palco já um pouco mais animada pelo álcool para apresentar um prêmio carregando seus sapatos de salto alto na mão direita e seu martini na esquerda. “Só quero que saibam que este vermelho (dos sapatos) é meu sangue”. Depois do anúncio dos indicados para Melhor Roteiro, ela perguntou: “Onde está o envelope?”. Quando a Miss Golden Globe o trouxe, Thompson, que estava com as mãos ocupadas, jogou para longe os sapatos para pegar o envelope, optando claramente pela bebida à finèse dos saltos. Uma grande figura!

Emma Thompson mantendo a classe

Emma Thompson mantendo a classe