‘Mad Max: Estrada da Fúria’ é eleito o Melhor Filme pelo National Board of Review 2015

mad max fury road

Tom Hardy e Charlize Theron em cena de Mad Max: Estrada da Fúria, de George Miller (photo by cine.gr)

SUCESSO DE CRÍTICA E PÚBLICO SE CONSAGRA NO NBR

É uma surpresa, e ao mesmo tempo, não é. Surpresa porque é um blockbuster sendo eleito o melhor filme do ano. Quando foi a última vez que isso aconteceu? Em 1997 com Titanic? Mas não seria surpresa se levarmos em conta a qualidade excepcional do trabalho de George Miller.

Exceto talvez pelo roteiro mais simples, Mad Max: Estrada da Fúria apresenta uma visão extraordinária fílmica que há muito não se via, ainda mais depois de décadas de um cinema politicamente correto (pra não dizer chato) e mega econômico. Apesar de já ter realizado outros três filmes da série Mad Max, aos 70 anos, Miller consegue oferecer um futuro apocalíptico riquíssimo de conceitos, que vão desde os desastres naturais como a escassez da água, até as bizarrices de reprodução humana em cativeiro.

Com as idéias fluindo e tudo funcionando em perfeita sincronia: fotografia, direção de arte, trilha musical, som e efeitos sonoros, as sequências são de encher os olhos do espectador. Como se não bastasse, ainda temos uma performance corajosa de Charlize Theron como Furiosa, a lacaia que rebela contra seu mestre.

Acredito que o filme recebeu esse reconhecimento incomensurável por quebrar essa barreira do cinema comercial. Mad Max nos prova que é muito possível lançar um trabalho de sucesso comercial com qualidade autoral repleta de criatividade e coragem. É como se fosse uma forma de protesto/incentivo por parte da National Board of Review a todos os produtores e estúdios, para que eles repensem o cinema como Arte. Como digo sempre: o Cinema é uma Arte que precisa de inovações e criatividade para sobreviver. Precisa de artistas e profissionais como George Miller, que buscam contar uma história sem medo ou amarras de produtores mesquinhos mais interessados em números.

Enfim, foi um desabafo. Mas aplaudo o NBR, que coloca mais uma importante marca na sua História, já que premiou Cidadão Kane, de Orson Welles, As Vinhas da Ira, de John Ford, Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder, e Um Lugar ao Sol, de George Stevens.

THE MARTIAN 2

Matt Damon como o botânico Mark Watney em Perdido em Marte, de Ridley Scott (photo by cine.gr)

De volta à edição deste ano, Perdido em Marte ficou com três prêmios: Melhor Diretor, Ator e Roteiro Adaptado. Assim que saí da sessão desse filme, pensei: “Que bacana que Ridley Scott está de volta!”. Após uma série de trabalhos inferiores, ele finalmente está se recuperando com uma ficção científica otimista (quem diria: o diretor de Alien!). A presidente da NBR, Annie Schulhof comentou: “2015 tem sido um ano de cinema mais popular. Estamos animados de premiar George Miller e Ridley Scott, dois cineastas icônicos em seus auges, enquanto celebramos também a próxima geração de talentos.” – Só quero abrir um pequeno parêntese: Mesmo assim, estou com medo desse boato de Blade Runner 2… Não mexe com o que já está perfeito!

room 2

Brie Larson e Jacob Tremblay em cena de O Quarto de Jack, de Lenny Abrahamson

Em relação às atrizes, Brie Larson e Jennifer Jason Leigh, ok! Elas estão no bolo de prováveis indicadas ao Oscar. Mas Matt Damon e Sylvester Stallone são surpresas pra mim. Gosto do Damon, e ele realmente está bem no papel do astronauta abandonado de Perdido em Marte, mas acho que ele demonstra mais carisma do que atua de fato. Lembra-me um pouco o caso de Tom Hanks em Capitão Phillips: apesar de ter interpretado um personagem, continua sendo Tom Hanks. E também estou levando em consideração a forte concorrência com nomes como Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa), Michael Fassbender (Steve Jobs) e Ian McKellen (Sr. Holmes). Quanto ao mito Stallone, ele deve ter apresentado uma faceta inédita do personagem Rocky que interpretou seis vezes. Confesso que meu interesse por Creed: Nascido Para Lutar era quase zero, mas depois dessa menção no NBR, estou bem curioso.

creed

Sylvester Stallone como Rocky Balboa e Michael B. Jordan como o filho de Apollo em Creed: Nascido Para Lutar (photo by cine.gr)

Entre os candidatos ao Oscar, o filme em língua estrangeira O Filho de Saul, a animação Divertida Mente e o documentário Amy venceram e dão mais um importante passo rumo ao prêmio da Academia, assim como Quentin Tarantino na categoria de Roteiro Original por seu novo western, Os 8 Odiados.

Já entre os mais prejudicados por não terem recebido nenhuma menção estão o drama Carol, As Sufragistas, Steve Jobs, A Garota Dinamarquesa, O Regresso e, por mais que estejam no Top 5, Spotlight e Ponte dos Espiões. Claro que ainda temos o NYFCC e o LAFCA dentro de poucos dias, mas ganhar aqui seria um belo início de temporada.

bridge of spies 2

Alan Alda em cena com Tom Hanks e Amy Ryan em Ponte dos Espiões (photo by cine.gr)

E a corrida pelo Oscar de Filme em Língua Estrangeira ficou mais interessante para o Brasil com Que Horas Ela Volta? no Top 5 da categoria. A ‘dramédia’ de Anna Muylaert estrelada por Regina Casé começa a temporada de premiações com o pé direito após conquistar reconhecimento em Berlim e Sundance no primeiro semestre. Claro que será bastante difícil bater o franco favorito húngaro O Filho de Saul, mas se conquistar uma das cinco vagas no Oscar, já será um feito tremendo para o cinema nacional.

Que Horas Ela Volta?

À esquerda, Camila Márdila contracena com Regina Casé. Elas interpretam filha e mãe, respectivamente, em Que Horas Ela Volta? (photo by outnow.ch)

Seguem todos os vencedores do NBR 2015:

MELHOR FILME:  Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
MELHOR DIRETOR:  Ridley Scott (Perdido em Marte)
MELHOR ATOR:  Matt Damon (Perdido em Marte)
MELHOR ATRIZ: Brie Larson (O Quarto de Jack)
MELHOR ATOR COADJUVANTE:  Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE:  Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL:  Quentin Tarantino (Os 8 Odiados)
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO:  Drew Goddard (Perdido em Marte)
MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO:  Divertida Mente (Inside Out)
MELHOR REVELAÇÃO:  Abraham Attah (Beasts of No Nation) & Jacob Tremblay (O Quarto de Jack)
MELHOR DIRETOR ESTREANTE:  Jonas Carpignano (Mediterranea)
MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA:  O Filho de Saul (Saul Fia)
MELHOR DOCUMENTÁRIO:  Amy (Amy)
MELHOR ELENCO:  A Grande Aposta (The Big Short)
Spotlight Award:  Sicario: Terra de Ninugém (Sicario) – pela incrível visão colaborativa
PRÊMIO NBR Freedom of Expression: Beasts of No Nation & Mustang
PRÊMIO William K. Everson Film History:  Cecilia DeMille Presley – Neta do lendário Cecil B. DeMille, pela preservação de filmes

Top Filmes
Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
Os 8 Odiados (The Hateful Eight)
Divertida Mente (Inside Out)
Spotlight
Perdido em Marte (The Martian)
O Quarto de Jack (Room)
Sicario: Terra de Ninguém (Sicario)
Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

Top 5 Filmes em Língua Estrangeira
Goodnight Mommy (Ich seh, Ich seh)
Mediterranea
Phoenix
Que Horas Ela Volta? (The Second Mother)
A Gangue (Plemya)

Top 5 Documentários
Best of Enemies
The Black Panthers: Vanguard of the Revolution
The Diplomat
Listen to Me Marlon
The Look of Silence

Top 10 Filmes Independentes
’71
45 Anos (45 Years)
Cop Car
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)
Grandma
Corrente do Mal (It Follows)
James White
Mississippi Grind
Welcome to Me
Enquanto Somos Jovens (While We’re Young)

A cerimônia de entrega dos prêmios será no dia 05 de janeiro em Nova York.

a gangue

Cena do filme ucraniano A Gangue, totalmente em língua de sinais (photo by outnow.ch)

‘Carol’ lidera as indicações do Independent Spirit Awards 2016

Carol

Rooney Mara e Cate Blanchett em cena de Carol, de Todd Haynes (photo by outnow.ch)

PREMIAÇÃO DOS INDEPENDENTES DESTACA OSCARIZÁVEIS

Antes de analisar esta edição, cabe aqui recordar o crescimento da importância do Independent Spirit em relação ao Oscar. Considerado como anti-Oscar até os anos 90, quando a Academia premiava grandes produções de estúdios em sua grande maioria como Coração Valente e Titanic, o prêmio singelo focado em filmes independentes ganhou muita força por sua veia mais artística e claro, por seus baixos orçamentos que animam qualquer produtor em anos de crise econômica.

Nos últimos anos, Birdman, 12 Anos de Escravidão e O Artista se sagraram Melhor Filme tanto no Independent como no Oscar, assim como vários atores, cujas performances foram reconhecidas em ambas as premiações como Julianne Moore (Para Sempre Alice), J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição), Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude), Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas), Cate Blanchett (Blue Jasmine), Jared Leto (Clube de Compras Dallas) e Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) só pra citar as duas últimas edições, ou seja, 7 vencedores coincididos em 8. Resumindo: O Independent Spirit só fica atrás do SAG Awards para garantir o Oscar de atuação. Portanto, nessa função de prévia do Oscar, o Independent Spirit tomou o lugar do Globo de Ouro há tempos.

Neste ano, os convidados para o anúncio das indicações foram os atores Elizabeth Olsen, a Feiticeira Escarlate de Vingadores: Era de Ultron, e John Boyega, que estrela o novo filme da saga: Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força. Eles revelaram os indicados na manhã desta última terça-feira, dia 24, e a transmissão segue em link do Youtube:

O recordista em indicações é o novo filme de Todd Haynes, conhecido por Longe do Paraíso e Velvet Goldmine, Carol. Rotulado como o romance lésbico, o longa conquistou seis indicações, incluindo para a dupla de protagonistas Cate Blanchett e Rooney Mara, que competirão na mesma categoria. Claro que isso não significa que Mara não possa concorrer por Coadjuvante no Oscar, pois dependerá de sua inscrição pela campanha, mas certamente sua inclusão como atriz principal aqui, juntamente com o prêmio de atuação feminina em Cannes, reforçam sua indicação ao Oscar.

Em seguida, com cinco indicações, vem Beasts of No Nation, de Cary Joji Fukunaga, que aborda o treinamento de crianças para se formarem soldados com o intuito de lutarem em guerras civis no continente africano. Curiosamente, é a primeira produção da Netflix a concorrer ao prêmio, comprovando que as plataformas de streaming não vão se limitar às séries.

Michael Keaton e Mark Ruffalo em cena de Spotlight (photo by cine.gr)

Michael Keaton e Mark Ruffalo em cena de Spotlight (photo by cine.gr)

Com quatro indicações, Spotlight, drama jornalístico sobre escândalos verídicos de abusos de padres católicos, ganhou mais impulso para a temporada. Havia um certo receio de que o conservadorismo da Academia pudesse barrar a produção, mas com a alta de seu reconhecimento, fica praticamente impossível ignorar o filme, que já conquistou o prêmio de Melhor Elenco pelas performances de Mark Ruffalo, Michael Keaton, Rachel McAdams, Liev Schreiber e Stanley Tucci.

Com o mesmo número de indicações, a animação Anomalisa surpreendeu ao conquistar espaço nas principais categorias como Filme, Diretor e Roteiro. Contudo, a maior surpresa aqui é a inclusão do trabalho de dublagem da atriz Jennifer Jason Leigh como Atriz Coadjuvante. Sem contar com a presença de tela, a dublagem normalmente passa desapercebida pela maioria dos prêmios, pois muitos acreditam ainda que se trata de uma performance menor, ou mesmo limitada. As últimas duas atuações vocais que causaram um hype foram a de Scarlett Johansson, que faz a voz do sistema operacional em Ela (2013), e Ellen DeGeneres como a personagem amnésica Dory de Procurando Nemo (2003). Infelizmente, nenhuma das duas atrizes foram indicadas ao Oscar, mas alguns críticos já estão fazendo campanha para Jennifer Jason Leigh, que ainda conta com sua participação em Os 8 Odiados.

À direita, a personagem Lisa, dublada pela atriz Jennifer Jason Leigh (photo by observatoriodocinema.com.br)

À direita, a personagem Lisa, dublada pela atriz Jennifer Jason Leigh em Anomalisa  (photo by observatoriodocinema.com.br)

De todas as indicações, a que mais gostei foi para o diretor David Robert Mitchell por seu trabalho em Corrente do Mal. Trata-se de um terror pós-moderno que faz uma bela analogia à liberdade sexual entre os jovens de hoje. Fazer um filme de terror com conteúdo como fazia John Carpenter nos anos 70 e 80 está cada vez mais raro, e por isso mesmo, merece tal reconhecimento.

Vale destacar também as quatro indicações para o drama Tangerina, sobre duas prostitutas transsexuais que buscam vingança com seu cafetão na época do Natal em Los Angeles. Com um orçamento irrisório de 100 mil dólares e câmeras de iPhones modificadas, está competindo com grandes favoritos ao Oscar. Além disso, está lançando duas atrizes transsexuais para competir nas categorias de Atriz e Atriz Coadjuvante: Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, respectivamente. Caso uma das duas seja indicada para o Oscar, será a primeira vez que um ator transgênero consegue o feito.

Da esquerda pra direita, as atrizes Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor em cena de Tangerina (photo by cine.gr)

Da esquerda pra direita, as atrizes Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor em cena de Tangerina (photo by cine.gr)

Ainda sobre a lista de indicados, muitos especialistas acreditam que o drama O Quarto de Jack, considerado um “Oscar lock”, ficou aquém das expectativas na premiação. Segundo as apostas, faltaram indicações para Melhor Filme, Diretor (Lenny Abrahamson), Atriz Coadjuvante para Joan Allen, e Ator Coadjuvante Para Jacob Tremblay. Nesse cenário, a protagonista Brie Larson continua firme e forte na disputa para o Oscar de Atriz.

Outras ausências sentidas foram das atrizes Blythe Danner (I’ll See You in My Dreams), Lily Tomlin (Grandma), Saoirse Ronan (Brooklyn) e Elizabeth Banks (Love & Mercy), confirmando que estamos diante de um ano excepcional para atrizes como há muito não se via.

Diante desses indicados, com mais “cara de independente”, com exceções de Spotlight e Carol, talvez seja um ano de ruptura entre o Independent Spirit e o Oscar.

Seguem as indicações do Independent Spirit Awards 2016:

MELHOR FILME
– Anomalisa
– Beasts of No Nation
– Carol
– Spotlight
– Tangerina (Tangerine)

MELHOR DIRETOR
– Sean Baker (Tangerina)
– Cary Joji Fukunaga (Beasts of No Nation)
– Todd Haynes (Carol)
– Charlie Kaufman & Duke Johnson (Anomalisa)
– Tom McCarthy (Spotlight)
– David Robert Mitchell (Corrente do Mal)

MELHOR ROTEIRO
– Charlie Kaufman (Anomalisa)
– Donald Margulies (O Fim da Turnê)
– Phyllis Nagy (Carol)
– Tom McCarthy & Josh Singer (Spotlight)
– S. Craig Zahler (Bone Tomahawk)

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
– The Diary of a Teenage Girl
– James White
– Manos Sucias
– Mediterranea
– Songs My Brothers Taught Me

MELHOR ROTEIRO ESTREANTE
– Jesse Andrews (Eu, Você e a Garota que Vai Morrer)
– Jonas Carpignano (Mediterranea)
– Emma Donoghue (O Quarto de Jack)
– Marielle Heller (The Diary of a Teenage Girl)
– John Magary, Russell Harbaugh, Myna Joseph (The Mend)

MELHOR ATOR
– Christopher Abbott (James White)
– Abraham Attah (Beasts of No Nation)
– Ben Mendelsohn (Mississippi Grind)
– Jason Segel (O Fim da Turnê)
– Koudous Seihon (Mediterranea)

MELHOR ATRIZ
– Cate Blanchett (Carol)
– Brie Larson (O Quarto de Jack)
– Rooney Mara (Carol)
– Bel Powley (The Diary of A Teenage Girl)
– Kitana Kiki Rodriguez (Tangerina)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Kevin Corrigan (Resultados)
– Paul Dano (Love & Mercy)
– Idris Elba (Beasts of No Nation)
– Richard Jenkins (Bone Tomahawk)
– Michael Shannon (99 Homes)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Robin Bartlett (H.)
– Marin Ireland (Glass Chin)
– Jennifer Jason Leigh (Anomalisa)
– Cynthia Nixon (James White)
– Mya Taylor (Tangerina)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– (T)error
– Best of Enemies
– Heart of a Dog
– The Look of Silence
– Meru
– The Russian Woodpecker

MELHOR FILME INTERNACIONAL
– Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência (En duva satt på en gren och funderade på tillvaron), de Roy Andersson
– Embrace of the Serpent (El Abrazo de la Serpiente), de Ciro Guerra
– Garotas (Bande de Filles), de Céline Sciamma
– Mustang, de Deniz Gamze Ergüven
– O Filho de Saul (Saul Fia), de László Nemes

MELHOR FOTOGRAFIA
– Beasts of No Nation
– Carol
– Corrente do Mal
– Meadlowland
– Songs My Brothers Taught Me

MELHOR MONTAGEM
– Heaven Knows What
– Corrente do Mal
– Manos Sucias
– O Quarto de Jack
– Spotlight

PRÊMIO JOHN CASSAVETES (Best Feature Under $500,000)
– Advantageous
– Christmas, Again
– Heaven Knows What
– Krisha
– Out of My Hand

PRÊMIO ROBERT ALTMAN (Best Ensemble)
* Spotlight

Kiehl’s Someone to Watch Award
– Chloé Zhao
– Felix Thompson
– Robert Machoian & Rodrigo Ojeda-Beck

PRÊMIO PIAGET DE PRODUTORES
– Darren Dean
– Mel Eslyn
– Rebecca Green and Laura D. Smith

A 31ª edição do Independent Spirit Awards acontece no dia 27 de fevereiro, como de costume, um dia antes da cerimônia do Oscar.

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation, de Cary Fukunaga (photo by cine.gr)

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation, de Cary Joji Fukunaga (photo by cine.gr)