ROTEIROS de ‘PARASITA’ e ‘JOJO RABBIT’ SÃO os VENCEDORES do WGA

 

IMG_3829

Taika Waititi e Bong Joon Ho com seus prêmios do WGA (pic by @neonrated)

FILMES GANHAM PRÊMIOS COM ASTERISCOS

Na noite deste sábado, dia 1º de fevereiro, o sindicato de roteiristas (WGA) entregou seus prêmios de Cinema e de TV.

Seguem os vencedores destacados na cor azul:

ROTEIRO ORIGINAL

  • 1917, de Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
  • Fora de Série (Booksmart), de Emily Halpern, Sarah Haskins, Susanna Fogel e Katie Silberman
  • Entre Facas e Segredos (Knives Out), de Rian Johnson
  • História de um Casamento (Marriage Story), de Noah Baumbach
  • Parasita (Parasite), de Bong Joon Ho e Han Jin Won

ROTEIRO ADAPTADO

  • Um Lindo Dia na Vizinhança (A Beautiful Day in the Neighborhood), de Micah Fitzerman-Blue e Noah Harpster – inspirado no artigo “Can You Say… Hero?”, por Tom Junod
  • O Irlandês (The Irishman), de Steven Zaillian – baseado no livro “I Heard You Paint Houses”, de Charles Brandt
  • Jojo Rabbit, de Taika Waititi – baseado no livro “Caging Skies”, de Christine Leunens
  • Coringa (Joker), de Todd Phillips e Scott Silver – baseado nos personagens da DC Comics
  • Adoráveis Mulheres (Little Women), de Greta Gerwig – baseado no romance de Louisa May Alcott

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

  • Citizen K, de Alex Gibney
  • Foster, de Mark Jonathan Harris
  • The Inventor: Out for Blood in Silicon Valley, de Alex Gibney
  • Joseph Pulitzer: Voice of the People, de Robert Seidman e Oren Rudavsky
  • The Kingmaker, de Lauren Greenfield
Design sem nome

Cenas de Parasita e Jojo Rabbit, que venceram os prêmios de roteiro

A vitória de Taika Waititi dá um novo fôlego para seu Jojo Rabbit, já que bateu três dos seus quatro concorrentes ao Oscar, faltando apenas Anthony McCarten de Dois Papas. Vencedor do prêmio do público no último Festival de Toronto, a sátira do Nazismo também levou os prêmios dos sindicatos de Montagem (Comédia ou Musical) e Figurino (de Época). Com essa campanha vitoriosa, é provável que Jojo Rabbit saia do Oscar com pelo menos uma estatueta… mas qual?

Até antes desta premiação, Greta Gerwig era a favorita por sua adaptação de Adoráveis Mulheres, mas Taika Waititi pode se tornar uma ameaça com o WGA vencido. Lembrando que a votação do Oscar se encerra apenas no dia 04 de Fevereiro (terça-feira), o que permite mudanças de escolhas de última hora.

lITTLE wOMEN

Cena de Adoráveis Mulheres, de Greta Gerwig (pic by IMDb)

Já na categoria de Roteiro Original, embora a premiação de Bong Joon Ho e Han Jin Won por Parasita ajude a manter o filme na mente dos votantes, é preciso se ater ao fato de que Quentin Tarantino não concorria com Era Uma Vez em… Hollywood, já que ele não é membro do sindicato. E mais importante: Tarantino já ganhou o Oscar (por Django Livre) mesmo nem concorrendo ao WGA. Será que a história de 2013 vai se repetir aqui? E se for o caso, Bong Joon Ho vai levar apenas o Oscar de Melhor Filme Internacional? Porque o DGA praticamente sacramentou a vitória de Sam Mendes como Melhor Diretor…

Once Upon 2

Cena de Era Uma Vez em… Hollywood (pic by IMDb)

Em seu discurso de agradecimento, o diretor e roteirista sul-coreano disse: “Vocês entenderam a estrutura e nossa história e as nuances de nossos diálogos. É surpreendente!”, e depois fechou com uma declaração anti-Trump: “Algumas pessoas constroem barreiras mais altas. Nós, escritores, nós amamos destrui-las.”

A categoria de Documentário acaba não interferindo na corrida pelo Oscar, pois nenhum dos indicados aqui estão na lista final da Academia. Mas vale lembrar que o vencedor Alex Gibney, já venceu o Oscar por Táxi Para a Escuridão em 2008.

Pra quem ficou curioso, segue a tabela dos últimos dez anos comparando o WGA e o Oscar:

ANO WGA ORIGINAL OSCAR ORIGINAL WGA ADAPTADO OSCAR ADAPTADO
2019 Oitava Série Green Book Poderia Me Perdoar? Infiltrado na Klan
2018 Corra! Corra! Me Chame Pelo seu Nome Me Chame Pelo seu Nome
2017 Moonlight Manchester à Beira-Mar A Chegada Moonlight
2016 Spotlight Spotlight A Grande Aposta A Grande Aposta
2015 O Grande Hotel Budapeste Birdman O Jogo da Imitação O Jogo da Imitação
2014 Ela Ela Capitão Phillips 12 Anos de Escravidão
2013 A Hora Mais Escura Django Livre Argo Argo
2012 Meia-Noite em Paris Meia-Noite em Paris Os Descendentes Os Descendentes
2011 A Origem O Discurso do Rei A Rede Social A Rede Social
2010 Guerra ao Terror Guerra ao Terror Amor Sem Escalas Preciosa

Normalmente, o WGA acerta pelo menos um dos vencedores do Oscar de Roteiro, mas por exemplo, no ano passado, tivemos duas divergências, algo que foi raro nos anos anteriores.

No final das contas, o resultado do WGA não ajuda em nada nas previsões, pois Era Uma Vez em… Hollywood não estava concorrendo, e na categoria de Roteiro Adaptado, é provável que muitos votantes (especialmente as mulheres) optem por Greta Gerwig como forma de protesto pela ausência de mulheres na categoria de Direção.

Succession

Cena da série Succession, da HBO (pic by IMDb)

Confira os vencedores das categorias de TV:

TELEVISION

Drama series
“Succession” (HBO)

Comedy series
“Barry,” written by Alec Berg, Duffy Boudreau, Bill Hader, Emily Heller, Jason Kim, Taofik Kolade, Elizabeth Sarnoff (HBO)

New Series
“Watchmen” (HBO)

Long Form Original
“Chernobyl,” written by Craig Mazin (HBO)

Long Form Adapted
“Fosse/Verdon” (FX)

Short Form New Media
“Special,” written by Ryan O’Connell (Netflix)

Animation
“Thanksgiving of Horror” (“The Simpsons”) (FOX)

Episodic Drama
“Tern Haven” (“Succession”), written by Will Tracy (HBO)

Episodic Comedy
“Pilot” (“Dead to Me”), written by Liz Feldman (Netflix)

Comedy/Variety Talk Series
“Last Week Tonight with John Oliver” (HBO)

Comedy/Variety Sketch Series
“Full Frontal with Samantha Bee Presents: Not the White House Correspondents’ Dinner Part 2” (TBS)

Comedy/Variety Specials
“I Think You Should Leave with Tim Robinson” (Netflix)

Daytime
“The Young and the Restless,” written by Amanda L. Beall, Jeff Beldner, Sara Bibel, Matt Clifford, Annie Compton, Christopher Dunn, Sara Endsley, Janice Ferri Esser, Mellinda Hensley, LynnMartin, Anne Schoettle, Natalie Minardi Slater, Teresa Zimmerman (CBS) WINNER

Documentary Script — Other than Current Events
“Right to Fail” (Frontline), written by Tom Jennings (PBS)

Documentary Script — Current Events
“Trump’s Trade War” (Frontline), written by Rick Young (PBS)

News Script — Analysis, Feature or Commentary
“Fly Like An Eagle” (60 Minutes), written by Katie Kerbstat Jacobson, Scott Pelley, Nicole Young (CBS)

News Script — Regularly Scheduled, Bulletin or Breaking Report
“Terror in America: The Massacres in El Paso and Dayton” (Special Edition of the CBS Evening News with Norah O’Donnell), written by Jerry Cipriano, Joe Clines, Bob Meyer (CBS)

Quiz and Audience Participation
“Are You Smarter Than a 5th Grader?,” head writer Bret Calvert, writers Seth Harrington, Rosemarie DiSalvo (Nickelodeon)

Children’s Episodic, Longform and Specials
“Remember Black Elvis?” (Family Reunion), written by Howard Jordan, Jr. (Netflix)


A 92ª cerimônia do Oscar acontece no dia 09 de Fevereiro. Não esqueça de participar de nosso Bolão do Oscar.

RETROSPECTIVA 2019: O Ano das Diretoras e da A24

RETROSPECTIVA 2019.jpg

Mais um ano se foi. Tradicionalmente, nessa época faço uma espécie de balanço sobre tudo relacionado a Cinema. Filmes vistos, amados e odiados, como foi o Oscar, o que mudou no cenário e as perdas que tivemos ao longo do ano. É um exercício bacana de ser feito, lido e relido para acompanhar as mudanças e adaptações que o Cinema sofre de tempos em tempos.

Sintam-se à vontade para postar nos comentários seus Tops 5 ou 10 dos melhores e piores. Se tem uma coisa bacana de listas é que eles sempre acrescentam novas opiniões e novas descobertas. Espero poder compartilhar um pouco disso tudo com vocês seguidores do blog, da página do Facebook e agora do nosso perfil no Instagram.

OSCAR 2019: ANO DOS BLOCKBUSTERS MAS SEM UM HOST!

Primeiramente, gosto da idéia de abrir a cerimônia com uma performance musical. Por mim, podia se tornar uma tradição, afinal, temos que ouvir as 5 canções indicadas de qualquer jeito, então por que não adiantar? Em 2017, Justin Timberlake logo cantou a canção de Trolls e logo animou o público.

Este ano, apesar de ter gostado de ver os integrantes do Queen ali no palco, não apreciei a performance vocal de Adam Lambert. E foi logo aí que senti falta de um host. Pra quem não se lembra do episódio, a Academia chamou Kevin Hart para ser o host, mas descobriram que ele não é uma figura politicamente correta, aí lançaram aquele ultimato ridículo do “Ou pede desculpas ou você cai fora!”. Felizmente Hart peitou a instituição e pediu demissão. Aí, vimos um cenário em Hollywood que ninguém estava disposto a ter a vida pessoal vasculhada para ocupar a vaga de Hart. Então, alguém da produção do evento teve a brilhante idéia: “Por que não fazer o show sem host? Vamos economizar uma hora!”. A verdade é que conseguiram eliminar alguns minutos do programa, mas o Oscar ficou sem graça. Se fosse só pra revelar os resultados, preferia um powerpoint.

Design sem nome (28).jpg

A cerimônia só melhorou depois de mais de uma hora com a apresentação de “Shallow” de Lady Gaga e Bradley Cooper. E teve o momento mais surpreendente e caloroso com a vitória de Olivia Colman para Melhor Atriz por A Favorita. A gente que é cinéfilo sente muito por mais uma derrota de Glenn Close, mas no fundo sabe que Colman entregou uma performance melhor e mais original.

Dentre as vitórias, também fiquei feliz por Ruth E. Carter, que venceu o Oscar de Figurino por Pantera Negra. Claro que a mídia a saudou como a primeira negra a ganhar o Oscar dessa categoria, o que é bastante válido para a história da premiação, mas o que me chama bastante a atenção é o capricho dela para que os figurinos revelem mais sobre a personalidade dos personagens. Embora seja baseado em material pré-existente dos quadrinhos da Marvel, toda a cultura afro ficou muito bem impressa e representada nos figurinos. E foi uma vitória diferenciada na categoria, que costuma premiar filmes de época praticamente todos os anos.

E pra fechar, a vitória de Homem-Aranha no Aranha-Verso pra mim foi um respiro pra fora da água dominada por Disney e Pixar. Não que eu morra de paixão pelo filme (considero a história relativamente fraca comparada à própria qualidade da animação e design), mas certamente foi uma grata surpresa da Sony, que explora bem a questão da diversidade na identidade do personagem. Aproveitando o assunto do Oscar de Longa de Animação, ficaria mais feliz se filmes mais alternativos ganhassem de vez em quando. Neste ano, por exemplo, Mirai e Ilha dos Cachorros eram trabalhos criativos que poderiam ter vencido também.

BALANÇO FEMININO

Depois dos movimentos feministas do Me Too e Time’s Up, Hollywood se sentiu acuada para se adaptar aos novos tempos. Felizmente, houve um crescimento considerável cerca de 33% de mulheres atrás das câmeras, tanto nas produções cinematográficas como nas televisivas. Claro que ainda há um longo caminho a percorrer, já que essas atividades eram exclusivamente predominadas por homens por mais de um século, mas os grandes estúdios estão enxergando essa mudança como benéfica, e não se limitar apenas a cumprir uma cota.

Uma das grandes mudanças foi que, antes, qualquer projeto poderia ser dirigido por homens. Hoje, existem alguns projetos, principalmente de temática feminina, que são praticamente impossíveis de contar com uma visão masculina. Por exemplo: a comédia Fora de Série (Booksmart), sobre duas meninas colegiais que buscam farrear antes da formatura, ou As Golpistas (Hustlers), que acompanham a volta por cima das strippers que perderam muito dinheiro por causa de Wall Street. Como em qualquer forma de arte, quanto maior o número de visões e perspectivas, melhor e mais completa fica a arte em si. Não deve se tratar apenas de porcentagens de mulheres empregadas, mas que suas vozes sejam trabalhadas em projetos que as façam ser ouvidas.

Dentre as diretoras de 2019, destacamos algumas mais relevantes:

  • Olivia Wilde (Fora de Série)
  • Mati Diop (Atlantique)
  • Céline Sciamma (Retrato de uma Jovem em Chamas)
  • Marielle Heller (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Greta Gerwig (Adoráveis Mulheres)
  • Lulu Wang (The Farewell)
  • Melina Matsoukas (Queen & Slim)
  • Lorene Scafaria (As Golpistas)
  • Alma Har’el (Honey Boy)
  • Kasi Lemmons (Harriet)
  • Elizabeth Banks (As Panteras)

Houve muita reclamação de cineastas sobre a exclusão de mulheres na categoria de Direção no Globo de Ouro 2020. Eles não indicam uma mulher desde 2015, quando Ava DuVernay foi reconhecida por Selma. Embora tenhamos maior número de mulheres nas cadeiras de direção, não significa necessariamente que as premiações precisam ou são obrigadas a indicar ou premiá-las. Calma! O reconhecimento vai vir, e muito em breve, mas ele tem de vir com o devido mérito para que entre na história. Esta é uma luta que precisa ser contínua para que possa colher os frutos, que certamente virão.

Greta Gerwig Little Women.jpg

Greta Gerwig dá orientações a Meryl Streep nas filmagens de Adoráveis Mulheres (pic by IMDb)

Honestamente, acredito que a Academia pode indicar uma diretora este ano, pois são milhares de membros votantes contra 90 jornalistas da HFPA. Contudo, mesmo que haja um esforço coletivo, não existe um consenso entre Greta Gerwig, Lulu Wang e Olivia Wilde. Se houvesse um foco como a própria Gerwig com Lady Bird há dois anos, seria mais fácil. Esse cenário pode e deve mudar com o anúncio do DGA, sindicato dos diretores, em 07 de Janeiro.

Falando em futuro, em 2020 estão previstos grandes projetos comandados por diretoras que prometem melhorar ainda mais o quadro feminino em Hollywood. Só para citar algumas: Niki Caro (Mulan), Chloé Zhao (Os Eternos), Cate Shortland (Viúva Negra), Patty Jenkins (Mulher-Maravilha 1984) e Lana Wachowski (Matrix 4).

MARTIN SCORSESE vs MARVEL STUDIOS

Já abordamos este assunto aqui antes, mas na área de cinema, foi um dos que mais repercutiu. E mal para Martin Scorsese. Apesar de entendermos o desabafo do cineasta ítalo-americano, a frase “Os filmes da Marvel não são cinema. São um parque temático” soou como  uma estratégia barata de desvalorizar o concorrente das bilheterias porque está morrendo de inveja, mas não pode demonstrar.

Como um diretor renomado dos anos 70, Scorsese poderia ter se aposentado como o colega Francis Ford Coppola, porque depois de Taxi Driver, O Rei da Comédia e Touro Indomável, ele não precisava provar mais nada pra ninguém, mas admiro muito a vontade criativa dele. Foi um dos poucos de sua geração que ainda busca fazer filmes bons e inventivos como O Lobo de Wall Street, A Invenção de Hugo Cabret e o recente O Irlandês. Então pra que expôr uma opinião fútil como essa?

A Marvel Studios e o produtor Kevin Feige estão colhendo os merecidos frutos de um planejamento muito bem feito que se iniciou lá em 2008. Vingadores: Ultimato se tornou a maior bilheteria de todos os tempos, conseguindo superar os dois filmes de James Cameron: Titanic e Avatar. Você pode não gostar dos filmes, mas eles têm uma boa carga de entretenimento que muitos apreciam (taí os números pra confirmar essa paixão). E as adaptações de histórias em quadrinhos começou há pouco tempo. São décadas e mais décadas de HQs repletas de material para o cinema, então essa onda não vai acabar tão cedo, a menos que o público decida que termine antes.

Irishman Scorsese

Scorsese entre Al Pacino e Robert De Niro na premiere de O Irlandês da Netflix (pic by IMDb)

Quanto a Scorsese, felizmente ele se encaixou bem no sistema da Netflix, que se tornou um oásis para diretores autores como ele. Cada cinema tem seu próprio espaço. Não precisa desmerecer os outros trabalhos para valorizar o seu próprio.

O ANO DA A24

Fundado em 2012, o estúdio nova-iorquino (que era apenas uma distribuidora no início) já vinha se destacando pelos seus títulos e suas passagens vitoriosas em premiações nos últimos anos. Ex-Machina, O Quarto de Jack, Moonlight, A Bruxa, Lady Bird e Projeto Flórida, só para citar alguns.

Este ano, foi um dos grandes destaques ao lado da Netflix (aliás, falando na plataforma de streaming, a partir de 2020, os filmes da A24 serão exibidos apenas na plataforma da concorrente Apple Plus TV devido a um acordo firmado). Embora ainda não tenha produções muito bem-sucedidas nas bilheterias, estão chamando atenção pelas apostas mais arriscadas em originalidade como Midsommar, um filme de terror psicológico que se passa na Suécia e dispensa a escuridão para assustar.

Midsommar.jpg

Muita luz do sol e cores: Florence Pugh em Midsommar (pic by IMDb)

Essa filosofia do estúdio tem atraído vários cineastas que também estão cansados das mesmices dos lançamentos de cinema e estão buscando novas temas e novas vozes. Enquanto a Netflix tem abrigado os diretores renomados que perderam espaço nos cinemas como Martin Scorsese, Noah Baumbach, Fernando Meirelles e até o falecido Orson Welles, a A24 tem apostado em novos talentos ou diretores em início de carreira. Entre os novatos estão Robert Eggers, Ari Aster, Lulu Wang, David Robert Mitchell, Trey Edward Shults e os irmãos Benny e Josh Safdie. Todos são nomes que você pode apostar em originalidade e personalidade.

Eis alguns destaques do estúdio lançados em 2019:

  • Jóias Brutas (Uncut Gems)
  • O Farol (The Lighthouse)
  • Midsommar
  • The Farewell
  • The Last Black Man in San Francisco
  • Waves
  • The Souvenir
  • Gloria Bell
  • Under the Silver Lake
Uncut Gems Adam Sandler.jpg

Adam Sandler como o dono de joalheria Howard Ratner em Uncut Gems (pic by IMDb)

CRÍTICAS

Bom, apesar de não ter conseguido conferir trabalhos badalados como Jojo Rabbit, O EscândaloDois Papas, procurei assistir ao maior número possível de potenciais da temporada de premiações e futuros indicados ao Oscar como O Irlandês, História de um Casamento, The Farewell, Dor e Glória, Coringa, Atlantique e Bacurau. A lista provavelmente seria um pouco diferente se eu apenas privilegiasse a qualidade artística, mas procurei valorizar a questão da originalidade e perspectiva.

Dentre alguns trabalhos que não estão na lista, destaco Atlantique e Bacurau. Ambos trabalham com elementos do cinema de gênero com a finalidade de reforçar uma mensagem sócio-econômica, embora suas metáforas ainda estejam aquém do nível de um John Carpenter, por exemplo. Fora de Série da diretora estreante Olivia Wilde também vale a citação. Não que seja um primor como filme, mas por ela conseguir fazer uma versão feminina daqueles típicos filmes de adolescente americano que pipocaram nos anos 80 e 90 imprimindo sua personalidade logo em seu primeiro filme.

Já o novo filme de Tarantino, Era uma Vez em… Hollywood, tem seus méritos principalmente no quesito da paixão que o diretor nutre pelo cinema como um escape da realidade cruel dos anos 70. Ele faz do filme uma espécie de carta de amor à poesia da arte. Como roteiro, deixou um pouco a desejar, principalmente por personagens secundários e por repetir a fórmula de mudar o curso da História como fez em Bastardos Inglórios com os nazistas, e Django Livre com os escravistas.

META 2019

Não tive exatamente uma meta estipulada em números, mas acho vergonhoso da minha parte assistir a menos de 100 filmes em um ano. Em 2019, consegui fazer as pazes com o tempo e consegui me dedicar mais aos filmes, resultando em 234 longas e 26 curtas até a presente data. Talvez ainda consiga ver mais um ou outro antes da virada do ano.

Além dos lançamentos, procurei assistir a alguns filmes que estavam na minha watchlist há um bom tempo como os clássicos A Montanha dos Sete Abutres (1951), Anatomia de um Crime (1959), Cléo das 5 às 7 (1962) e voltar a ter contato com os mestres Akira Kurosawa em Trono Manchado de Sangue (1957), Vittorio De Sica em Vítimas da Tormenta (1946), Jean Renoir em A Regra do Jogo (1939) e John Cassavettes em Amantes (1984), enquanto descobria filmes excepcionais como A Longa Caminhada (1971), O Espírito da Colméia (1973), Alambrista! (1977), El Norte (1983) e Tudo por Dinheiro (1982).

PIORES DO ANO

Não sei quanto a vocês, mas apesar de gostar de assistir de tudo, se possível prefiro economizar meu tempo e dinheiro com filmes que estão destinados a serem ruins, de gosto duvidoso ou com complicações na produção. Então, dificilmente assistirei a Playmobil: O Filme, por exemplo. Já há casos que até me interessei pelos diretores envolvidos, mas após conferir os trailers e ler as críticas, acabei desanimando como aconteceu com Projeto Gemini (Ang Lee), Hellboy (Neil Marshall) e Cadê Você, Bernadette? (Richard Linklater). Provavelmente vou conferir esses últimos filmes, mas quem sabe depois do Oscar?

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. DORA E A CIDADE PERDIDA (Dora and the Lost City of Gold)
Dir: James Bobin
Apesar de ser destinado a um público infantil, trata-se de uma adaptação com zero de imaginação, péssimos diálogos e personagens. E que ainda não dá pra ser sustentado por um carisma ainda meio verde de Isabela Moner. Se fosse lançado direto para home video, ainda estaria sendo privilegiado.

4. X:MEN: FÊNIX NEGRA (Dark Phoenix)
Dir: Simon Kinberg
Tudo bem que a Fox estava praticamente vendida para a Disney, mas quem teve a brilhante idéia de contratar um diretor estreante que ficou conhecido por ser produtor de algumas pérolas como X-Men: O Confronto Final, Jumper e Quarteto Fantástico (2015)? Desgastou uma das maiores sagas dos quadrinhos dos X-Men… mais uma vez.

3. A LAVANDERIA (The Laundromat)
Dir: Steven Soderbergh
É difícil acreditar que um cineasta criativo como Soderbergh, que já realizou Sexo, Mentiras e Videotape (1989) e Irresistível Paixão (1998) se tornou um Adam McKay genérico. Ele quis imitar o filme da crise econômica A Grande Aposta (2015), e acabou fazendo um vídeo institucional de 1 hora e meia.

2. O PINTASSILGO (The Goldfinch)
Dir: John Crowley
Esse filme é uma verdadeira aula de como NÃO adaptar um livro, ainda mais vencedor do Pulitzer, para o cinema. As cenas não têm carga emocional, e o péssimo trabalho de montagem só piora o material. O que mais dói é que Crowley tinha Roger Deakins como diretor de fotografia (não sabia que era possível fazer filme ruim com ele na câmera) e Nicole Kidman e Sarah Paulson no elenco. Um erro em todos os departamentos.

1. O REI LEÃO (The Lion King)
Dir: Jon Favreau
Pra quem acompanha o blog, sabe que sou contra essa onda de Live-Actions da Disney. Claro que eles estão na deles de querer lucrar com um material conhecido, mas essa falta de criatividade e falta de propósito nos remakes me assombra como cinema. E acredito (e espero) que este filme seja o ápice do vazio desses live-actions. Não se trata apenas de animais sem expressão humanizada, mas de uma história clássica recontada de forma praticamente idêntica, porém sem alma. Alguém lembra da versão colorida de Psicose de Gus Van Sant? Os atores que dublaram, com exceção óbvia de James Earl Jones, são infinitamente piores do que aqueles de 1994, o que elimina qualquer rastro de humanidade num filme que mais precisava dele. Os efeitos visuais são ótimos e merecem o Oscar da categoria, mas se quer reviver o Hamlet da Disney, reveja a animação.

The Lion King.jpg

Cena do live action O Rei Leão (pic by IMDb)

MELHORES DO ANO

TOP 5 MELHORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. O FAROL (The Lighthouse/ 2019)
Dir: Robert Eggers
Talvez a decisão mais difícil neste top 5. Havia colocado O Irlandês aqui, mas algumas coisas pesaram a favor de O Farol, começando pela incrível estética. Robert Eggers foi extremamente ousado ao decidir filmar em 35mm, em preto-e-branco e numa real locação, onde ficaram expostos a inúmeros contratempos. A fotografia de Jarin Blaschkin é primorosa, pois além do aspecto expressionista repleto de sombras, sua granulação permite uma vibe tátil e é quase possível sentir o cheiro do mar. Ótimas atuações, especialmente de Willem Dafoe, um ator versátil como poucos. Diria que é um filme perturbador pelo aspecto de isolamento.

4. LUCE (Luce/2019)
Dir: Julius Onah
Fui atrás desse filme depois das indicações ao Independent Spirit e me surpreendi pela evolução na temática racista. É como se o cinema já estivesse saturado da superficialidade da questão racial e decidisse se aprofundar com uma trama diferente com personagens mais densos e com backgrounds alternativos. O protagonista Luce é um aluno prodígio no colégio, mas com idéias um tanto radicais que podem ter explicação em seu passado. Grandes atuações, especialmente de Kelvin Harrison Jr. e Octavia Spencer.

3. NÓS (Us/ 2019)
Dir: Jordan Peele
No papel, é um filme inferior a Corra!, mas Jordan Peele fez o que se esperava dele: foi mais ambicioso, tanto na questão racial quanto na questão filosófica.  A primeira vez que se assiste a Nós, a ação e a tensão crescente nos entretém como um bom filme de terror psicológico. A partir da segunda vez, é possível analisar melhor os detalhes que perdemos para nos proporcionar uma reflexão maior sobre as metáforas e simbolismos. Lupita Nyong’o extraordinária em dois papéis.

2. JÓIAS BRUTAS (Uncut Gems/ 2019)
Dir: Benny Sadie e Josh Safdie
Depois de se encantar com o filme anterior dos irmãos Safdie, Bom Comportamento, havia altas expectativas em relação a este novo trabalho. Mesmo assim, Jóias Brutas consegue nos surpreender, principalmente pela fluidez de sua narrativa. Como uma marca dos diretores, a imprevisibilidade faz parte dos acontecimentos, o que reforça ainda mais as atuações de Julia Fox, e principalmente de Adam Sandler. Ótima combinação de montagem com a trilha de Daniel Lopatin. É aquele típico filme que não tem cara de Oscar, mas que depois a Academia vai se arrepender de não ter premiado ou sequer indicado.

1. PARASITA (Gisaengchung/ 2019)
Dir: Bong Joon-Ho
Parasita é aquele fruto perfeito que o diretor Bong Joon-Ho plantou lá atrás com os intrigantes Memórias de um Assassino (2003), O Hospedeiro (2006), Mother (2009), O Expresso do Amanhã (2013) e Okja (2017). Aqui ele volta a dialogar com vários temas que já tratou como a família, a luta de classes e até a questão da superpopulação, mas de uma forma completamente diferente. A mistura de gêneros é tamanha que dá a impressão de que o filme vai se perder a qualquer momento, mas a direção de Joon-Ho é tão segura do primeiro ao último minuto que é impossível não ficar impressionado pelo seu controle. Um filme pra se ver várias vezes, descobrir coisas novas e com chances mínimas de ficar datado. Um dos melhores filmes deste século XXI.

Parasite.jpg

Cena de Parasita (pic by OutNow.CH)

TOP 5 MELHORES em ACERVO MÍDIA DIGITAL ou STREAMING

5. OASIS (Oasiseu/ 2002)
Dir: Chang-dong Lee
Depois de me apaixonar por seus outros trabalhos posteriores: Poesia, Sol Secreto e Em Chamas, finalmente consegui conferir Oasis. Lee escolhe a dedo seu protagonista atrapalhado que consegue enxergar muito mais além da superfície de preconceitos e ir fundo na alma da debilitada Gong-ju (aliás, impressionante atuação de So-ri Moon, que deixa Eddie Redmayne no chão). Um filme extremamente poético que merece ser descoberto.

Oasis

4. WANDA (Wanda/ 1970)
Dir: Barbara Loden
Muito se fala hoje de mulheres no cinema, então ninguém melhor do que Barbara Loden para abrir a discussão. Ela teve a audácia de dirigir um filme escrito e atuado por ela no final dos anos 60, tornando-se a primeira mulher a fazê-lo com este belo e tocante Wanda. A protagonista de mesmo nome é uma ex-dona de casa, recém-divorciada em uma pequena cidade de mineração nos EUA que tem uma segunda chance na vida ao ser acolhida por um ladrão. A atriz pioneira morreu muito jovem, aos 48 anos, vítima de câncer de mama. 

Wanda.jpg

3. A MONTANHA DOS SETE ABUTRES (Ace in the Hole/ 1952)
Dir: Billy Wilder
Este filme é um TAPA enorme no sensacionalismo da mídia. Jornalista de NY explora o circo midiático de um acidente na montanha que deixa um homem soterrado por dias. Somente Billy Wilder, grande diretor dos clássicos Se Meu Apartamento Falasse, Testemunha de Acusação e Pacto de Sangue, poderia destrinchar a podridão do jornalismo nos anos 50. Confirmando que o mestre estava à frente de seu tempo, o filme foi um fracasso de crítica e de público, mas ainda permanece muito relevante nos dias de hoje, e sua qualidade inquestionável. Talvez o melhor papel de Kirk Douglas na carreira, e estupenda atuação de Jan Sterling.

Ace in the Hole

2. MARGARET (Margaret/ 2011)
Dir: Kenneth Lonergan
Fiquei com esse filme na cabeça por alguns dias por vários motivos. Margaret é um filme sobre uma moça (Anna Paquin) que testemunha um acidente de ônibus na cidade. Com enorme peso na consciência, ela busca respostas se realmente foi acidental ou um erro grave. Só a cena do acidente em si já te deixa baqueado por um bom tempo, depois essa questão ética te drena de uma forma contundente. Paquin entrega sua melhor performance, Jeannie Berlin rouba suas cenas e temos uma vibe mega ôrganica nesse filme que é difícil não ficar perdido. Originalmente, o filme estava previsto para lançamento em 2007, mas devido às brigas de corte final com a Fox Searchlight, Lonergan teve de aguardar QUATRO anos para seu filme ser descoberto.

Margaret.jpg

1. O REI DA COMÉDIA (The King of Comedy/ 1982)
Dir: Martin Scorsese
Dentre alguns filmes de Scorsese que deixei escapar, estava O Rei da Comédia. Yes, my bad!  O filme é focado na vida de Rupert Pupkin (Robert De Niro), um comediante amador que sonha em fazer sucesso no programa de TV de Jerry Langford (Jerry Lewis). Aproveitei a oportunidade do lançamento de Coringa para conferir este filme, para então descobrir que o diretor Todd Phillips praticamente copiou este filme e Taxi Driver para criar sua Gotham City dos anos 70. Não que copiar seja algo necessariamente inválido, mas o impacto que Coringa causou em muitos cinéfilos não se aplicava naqueles que já haviam visto os filmes de Scorsese. Honestamente, considero o Rupert Pupkin de De Niro e a Masha de Sandra Bernhard mais assustadores do que Joaquin Phoenix como Arthur Fleck. Pupkin tem uma imprevisibilidade deixariam muitos stalkers no chão. Filme perfeito de Scorsese, cujas cenas são inestimáveis, e ele pratica o humor negro que nunca imaginei que ele teria.

King of Comedy

Jerry Lewis e Robert De Niro em cena de O Rei da Comédia (pic by IMDb)

IN MEMORIAN

Foi triste acompanharmos a partida de atores muito jovens partindo como o nosso Caio Junqueira, que morreu num acidente de carro aos 42 anos, o ator americano Luke Perry aos 52 anos, e o diretor John Singleton aos 51, vítimas de AVC. Singleton foi o primeiro diretor negro a ser indicado ao Oscar de Direção e também o mais jovem aos 24 anos por Os Donos da Rua (1991).

Perdemos grandes mestres do cinema como a emblemática Agnès Varda, Franco Zeffirelli, Stanley Donen, e os diretores brasileiros Domingos de Oliveira e Fábio Barreto.

Dentre os atores, o britânico Albert Finney (indicado a 5 Oscars sem vitória), Doris Day (uma indicação por Confidências à Meia-Noite), Peter Fonda (2 indicações: uma por Roteiro Original e outra como Ator por O Ouro de Ulisses), Seymour Cassel (uma indicação por Faces), Robert Forster (uma indicação por Jackie Brown), Danny Aiello (uma indicação por Faça a Coisa Certa).

Outros atores que marcaram sua época estão Bibi Andersson (uma das favoritas de Ingmar Bergman), Rutger Hauer (Blade Runner), Bruno Ganz (que foi anjo em Asas do Desejo e Hitler em A Queda), Anna Karina (O Demônio das Onze Horas), Julie Adams (a moça que encantou o Monstro da Lagoa Negra) e Peter Mayhew, que foi o Chewbacca de Star Wars.

Também gostaríamos de destacar o grande compositor francês Michel Legrand, que venceu 2 Oscars de Trilha Musical (Houve uma Vez um Verão e Yentl) e 1 Oscar de Canção Original (Crown, o Magnífico).

Mais fora do âmbito do cinema, sentimos pela perda da cantora sueca Marie Fredriksson da banda Roxette (ela tinha câncer no cérebro), e dos brasileiros Gugu Liberato (que foi vítima de um acidente doméstico, e que participou de uns filmes brasileiros com a Xuxa e os Trapalhões) e o jornalista Ricardo Boechat (vítima de um acidente de helicóptero). Boechat era um dos raros âncoras de telejornal que expressava a nossa indignação com as notícias da política brasileira.

Ainda abro espaço para o crítico de cinema Rubens Ewald Filho, que nos deixou em junho. Apesar de ter trabalhos como ator e escritor, ficou conhecido por ser o “homem do Oscar”, que fez a conexão de incontáveis cinéfilos à Sétima Arte por seu vasto conhecimento sobre filmes e artistas. Trabalhou como apresentador de TV nas transmissões das cerimônias do Oscar pelo SBT, Globo e TNT, e foi autor de inúmeros guias de filmes. Em 1998, assisti à cerimônia em que Titanic venceu 11 Oscars e fiquei abismado com a memória cinematográfica dele, especialmente naquela bela homenagem intitulada “Álbum de Família do Oscar”, na qual vários atores que venceram a estatueta eram saudados no palco. Rubens sabia todos os atores e os filmes pelos quais eles ganharam seus prêmios. Eu tinha gravado o evento no meu velho aparelho de videocassete e assisti inúmeras vezes a este Oscar, decorando os nomes através da voz dele. Em 2009, fui a um evento na extinta videolocadora 2001 em São Paulo, onde tive o prazer de conhecê-lo. Tive o privilégio de declarar meu enorme respeito e carinho para aquele que me introduziu a este universo de premiações de cinema. Era um homem muito querido e de uma bondade tremenda com seus fãs. Que descanse em paz, Rubens!

IMG_0791.JPG

Encontro com Rubens Ewald Filho em evento do lançamento de mais um guia de filmes de sua autoria

VOTOS PARA 2020

Não sei como foi o ano para vocês, mas o meu foi uma montanha-russa de altos e baixos. E foram nos momentos baixos que o Cinema mais me serviu como alento e fuga. Porém, além dessa característica quase medicinal, os filmes vêm com um propósito pouco comentado mas essencial que é sua capacidade de promover a compreensão entre as pessoas, os povos, as raças e as religiões. Tudo o que as diferenças separam, o cinema tem a incrível capacidade de unir… talvez com raras exceções entre os fãs de Marvel e DC, ou de Star Wars.

Então, proponho um exercício para 2020. Você, que tem aquele preconceito sobre determinado assunto, determinado perfil de pessoas, determinado tipo de crença, assista a um filme sobre esses temas (claro, não sendo um filme supérfluo). Seja uma ficção, ou seja um documentário, o Cinema vai oferecer luz de conhecimento e empatia para aqueles cantos escuros da sua mente. Sinta na pele como é ser outra pessoa, entender seus problemas e refletir sobre seus dilemas. Na maioria das vezes, o cinema é somente associado a entretenimento porque é o grande chamariz que atrai o público, mas sempre foi e nunca deixará de ser uma forma de arte que busca entender o mundo e as pessoas que vivem nele. Dá pra aprender muito, principalmente se escolher aqueles filmes dos diretores que também têm essa missão.

Feliz Natal e Próspero Ano Novo para todos que acompanham o blog, Facebook e Instagram. Sigam as páginas, opinem, compartilhem. Obrigado a todos e que tenham um ano de muita paz, saúde, alegria e, claro, muitos bons filmes!

Macaulay Culkin Home Alone

Macaulay Culkin no eterno filme natalino Esqueceram de Mim (pic by eye-contact.tumblr.com)

‘PARASITA’ É O MELHOR FILME pelos CRÍTICOS de LOS ANGELES

MELHOR FILME: Parasita

ASSOCIAÇÃO TEM UMA QUEDA TRADICIONAL POR FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Apesar de ter o costume maior de premiar atores estrangeiros, a associação de críticos de Los Angeles elegeu como Melhor Filme pela segunda vez consecutiva uma produção de língua estrangeira após o mexicano Roma. E em 2012, elegeu o europeu Amor, de Michael Haneke.

Além de ser reconhecido como Melhor Filme, Parasita foi premiado nas categorias de Direção para Bong Joon-Ho e Ator Coadjuvante para Song Kang Ho, que interpreta o pai da família Kim. O filme sul-coreano também conquistou o segundo lugar nas categorias de Roteiro e Design de Produção (por aquela belíssima e funcional mansão da família Park).

ATOR COADJUVANTE: Song Kang-Ho (Parasita)

“Nossos estimados vencedores deste ano dão seguimento à tendência da nossa associação de defender um quadro diverso e inclusivo de filmes extraordinários. Cineastas vencedores são saudados ao redor do globo, incluindo Coréia do Sul, Espanha e França, enfatizando como filme transcende as fronteiras geográficas e dialoga com nossa experiência emocional compartilhada” declarou a presidente Claudia Puig.

Nos últimos anos, a LAFCA elegeu Moonlight e Spotlight como Melhor Filme, que acabaram levando o Oscar também. Em outros anos, seus vencedores estavam na lista de indicados a Melhor Filme: Roma, Me Chame Pelo Seu Nome, Boyhood e Gravidade e Ela, que dividiram o prêmio em 2013.

ATOR: Antonio Banderas (Dor e Glória)

SOBRE OS VENCEDORES

Além do ótimo desempenho de Parasita, que certamente melhora ainda mais a campanha do filme na temporada, a premiação também dá aquele up para o espanhol Dor e Glória, que venceu como Filme em Língua Estrangeira, e para o francês Retrato de uma Jovem em Chamas, que além de ter ficado com o 2° lugar, ainda levou o prêmio de Fotografia, dando um apoio importante ao filme de Céline Sciamma, que foi preterido pela comissão francesa que optou por Les Miserábles para representar o país no Oscar. A diretora de fotografia Claire Mathon venceu por dois trabalhos: Retrato e Atlantique (que está na Netflix). Caso sua campanha continue avançando, ela pode se tornar a segunda mulher indicada ao Oscar de Fotografia depois de Rachel Morrison (Mudbound).

ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lopez (As Golpistas)

Na categoria de Longa de Animação, o francês Perdi Meu Corpo bateu os grandes da Pixar (Toy Story 4 ficou com o 2º lugar), da Disney (Frozen 2) e Dreamworks (Como Treinar o Seu Dragão 3), levando ainda o prêmio de Trilha Musical, e com essas vitórias praticamente crava sua indicação ao Oscar, até mesmo porque sua disponibilidade no acervo da Netflix ajuda bastante a conquistar votos.

Pelas categorias de atuação, Mary Kay Place (A Vida de Diane) ganha uma sobrevida diante da campanha quase imbatível de Renée Zellwegger por Judy, assim como Jennifer Lopez (As Golpistas) contra Laura Dern (História de um Casamento). Na ala masculina,os estrangeiros Antonio Banderas e Song Kang-Ho reforçam suas campanhas na tentativa de conquistar suas primeiras indicações ao Oscar num ano bastante disputado.

ATRIZ: Mary Kay Place (A Vida de Diane)

VENCEDORES DO LAFCA 2019:

MELHOR FILME: Parasita
2° lugar: O Irlandês

MELHOR DIRETOR: Bong Joon-Ho (Parasita)
2° lugar: Martin Scorsese (O Irlandês)

MELHOR ATRIZ: Mary Kay Place (A Vida de Diane)
2° lugar: Lupita Nyong’o (Nós)

MELHOR ATOR: Antonio Banderas (Dor e Glória)
2° lugar: Adam Driver (História de um Casamento)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lopez (As Golpistas)
2° lugar: Shuzhen Zhao (The Farewell)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Song Kang Ho (Parasita)
2° lugar: Joe Pesci (O Irlandês)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: American Factory
2° lugar: Apollo 11

MELHOR ROTEIRO: Noah Baumbach (História de um Casamento)
2° lugar: Bong Joon-Ho e Han Jin Won (Parasita)

MELHOR FOTOGRAFIA: Claire Mathon (Retrato de uma Jovem em Chamas) (Atlantique)
2° lugar: Roger Deakins (1917)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: Barbara Ling (Era uma Vez em… Hollywood)
2° lugar: Ha Jun Lee (Parasita)

MELHOR MONTAGEM: Todd Douglas Miller (Apollo 11)
2° lugar: Ronald Bronstein & Benny Safdie (Uncut Gems)

MELHOR TRILHA: Dan Levy (Perdi Meu Corpo)
2° lugar: Thomas Newman (1917)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Dor e Glória
2° lugar: Retrato de uma Jovem em Chamas

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO: Perdi Meu Corpo
2° lugar: Toy Story 4

New Generation Prize: Joe Talbot, Jimmie Fails e Jonathan Majors (The Last Black Man in San Francisco)

Douglas Edwards Experimental Film Award: The Giverny Document

‘NASCE UMA ESTRELA’ é o DESTAQUE do DGA, WGA, ASC e EDDIE AWARDS

a quiet place 025

Indicado ao WGA: cena de Um Lugar Silencioso com John Krasinski (pic by outnow.ch)

Mal o ano começou, já tivemos as surpresas do Globo de Ouro, e agora temos o anúncios de três prêmios de sindicatos relevantes para a temporada e para a corrida do Oscar.

Vamos começar pelo mais chato e rígido de todos, o Writers Guild of America (WGA), do sindicato dos roteiristas. Pra quem está embarcando agora, o WGA é o mais complicado porque ele exige uma série de cumprimento de regras como filiação ao sindicato, e não reconhece roteiros de animações (com isso, quem sai perdendo é o próprio sindicato).

Os roteiros ausentes na lista do WGA não perdem muito, mas se forem lembrados, suas campanhas encorpam para o Oscar. Ano passado, os vencedores Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome repetiram suas vitórias no Oscar. Apesar de serem rígidos, na última década, 2/3 dos indicados do WGA foram indicados ao Oscar também.

Este ano, entre as ausências mais notáveis que foram desqualificadas pelas toneladas de regras estão: A Favorita, Não Deixe Rastros, Domando o Destino, A Morte de Stalin, Hereditário e Sorry to Bother You, além dos estrangeiros Guerra Fria e Capernaum, e as animações Os Incríveis 2 e Ilha dos Cachorros. Já os esnobados foram Paul Schrader (No Coração da Escuridão) e Josh Singer (O Primeiro Homem).

Entre os indicados, destaque para os sucessos comerciais de Um Lugar Silencioso, Nasce uma Estrela e Pantera Negra, que pode repetir o feito de Logan (2017), que foi indicado no WGA e Oscar, tornando-se o primeiro roteiro indicado ao Oscar baseado em quadrinhos de super-heróis.

black panther 056

Indicado ao WGA: Cena de Pantera Negra (pic by outnow.ch)

Pela categoria de Documentário, o curioso foi a total ausência de trabalhos reconhecidos em premiações anteriores como Won’t You Be My Neighbor, Free Solo e RBG, mas dá notoriedade para outros como o de Michael Moore, Fahrenheit 11/09.

ROTEIRO ORIGINAL
* Bo Burnham (Oitava Série)
* Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
* Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, história de Bryan Woods e Scott Beck (Um Lugar Silencioso)
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Adam McKay (Vice)

ROTEIRO ADAPTADO
Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee – Baseado no livro de Ron Stallworth (Infiltrado na Klan)
* Ryan Coogler, Joe Robert Cole – Baseado nos quadrinhos da Marvel Comics de Stan Lee e Jack Kirby (Pantera Negra)
* Nicole Holofcener e Jeff Whitty – Baseado no livro de Lee Israel (Poderia Me Perdoar?)
* Barry Jenkins – Baseado no romance de James Baldwin (Se a Rua Beale Falasse)
* Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters – Baseado no roteiro de 1954 de Moss Hart, no roteiro de 1976 de John Gregory Dunne, Joan Didion e Frank Pierson, baseado na história William Wellman e Robert Carson (Nasce uma Estrela)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Ozzy Inguanzo & Dava Whisenant (Bathtubs Over Broadway)
* Michael Moore (Fahrenheit 11/9)
* Lauren Greenfield (Generation Wealth)
* Gabe Polsky (In Search of Greatness)

***

O anúncio dos vencedores do WGA ocorre no dia 17 de fevereiro.

roma dp_

Cena dentro do cinema em Roma, de Alfonso Cuarón (pic by IMDb)

A Associação Americana de Diretores de Fotografia (ASC) também divulgou suas seleções de trabalhos. A lista demonstra diversidade técnica que vai da película de 65 mm de Roma, passando pela exploração das luzes de velas em A Favorita, até o multi-formato de O Primeiro Homem.

Felizmente, é daqueles ano em que podemos dizer “Qualquer um que ganhar merece”. Até o momento, o trabalho mais premiado foi de Alfonso Cuarón por Roma, aliás, ele se tornou o primeiro DP (director of photography) a ser indicado na categoria principal fotografando o próprio filme que dirigiu. Em 2016, Cary Joji Fukunaga conseguiu o mesmo feito por Beasts of No Nation, mas pela categoria  Spotlight Award.

Pelas estatísticas, 80% dos trabalhos nas listas do ASC vão parar na categoria de Fotografia do Oscar. Normalmente, quatro estão em ambas as listas, e um é substituído. À princípio, nessa dança das cadeiras, Matthew Libatique por Nasce uma Estrela pode perder seu lugar para um dos ausentes mais comentados: Rachel Morrison (que se tornou a primeira DP mulher indicada ao ASC e ao Oscar por Mudbound) por Pantera Negra, ou James Laxton por Se a Rua Beale Falasse.

MELHOR FOTOGRAFIA
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
* Robbie Ryan (A Favorita)
* Linus Sandgren (O Primeiro Homem)
* Łukasz Żal (Guerra Fria)

PRÊMIO SPOTLIGHT
* Joshua James Richards (Domando o Destino)
* Giorgi Shvelidze (Namme)
* Frank van den Eeden (Girl)

THE RIDER

Joshua James Richards conseguiu explorar o melhor no singelo Domando o Destino (pic by IMDb)

Pela categoria do prêmio Spotlight para filmes menos conhecidos, Joshua James Richards merece o destaque por explorar a beleza natural do cenário, identificando sua luz no protagonista e seu paixão pelo cavalo em Domando o Destino, que faturou o prêmio de Melhor Filme no último Gotham Award.

***

A cerimônia do 33º ASC Awards está marcado para o dia 09 de fevereiro.

blackkkansman8

John David Washington e Laura Harrier em cena de Infiltrado na Klan (pic by outnow.ch)

Com cerca de 1.000 membros, o sindicato de Montadores também anunciou seus indicados na última segunda. Aqui a porcentagem de acerto é um pouco melhor do que a de Fotografia com 88% considerando os últimos 25 anos.

Aqui, como no Globo de Ouro, o Eddie é dividido em duas categorias: Drama e Comédia, além das de Animação e Documentário, o que dificulta no esquecimento de alguns trabalhos mais fortes. No ano passado, Dunkirk levou Montagem – Drama e acabou ficando com o Oscar também. Normalmente, os filmes de ação e guerra têm boa vantagem em relação aos demais gêneros. E o prêmio costuma revelar o Melhor Filme. Dificilmente o filme que levar Melhor Filme não vai estar indicado ao Oscar de Montagem.

Achei curiosa a indicação de Infiltrado na Klan como Drama. Apesar do tema sério do racismo, fica nítido que Spike Lee dirigiu uma comédia. O resultado pode ser catastrófico como no Globo de Ouro, de onde saiu de mãos abanando.

MELHOR MONTAGEM (DRAMA)
* Barry Alexander Brown (Infiltrado na Klan)
* John Ottman (Bohemian Rhapsody)
* Tom Cross (O Primeiro Homem)
* Alfonso Cuarón & Adam Gough (Roma)
* Jay Cassidy (Nasce uma Estrela)

MELHOR MONTAGEM (COMÉDIA)
* Myron Kerstein (Podres de Ricos)
* Craig Alpert, Elísabet Ronaldsdóttir, Dirk Westervelt (Deadpool 2)
* Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)
* Patrick J. Don Vito (Green Book: O Guia)
* Hank Corwin (Vice)

MELHOR MONTAGEM DE ANIMAÇÃO
* Stephen Schaffer (Os Incríveis 2)
* Andrew Weisblum, Ralph Foster, Edward Bursch (Ilha dos Cachorros)
* Robert Fisher, Jr. (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO
* Bob Eisenhardt (Free Solo)
* Carla Gutierrez (RBG)
* Michael Harte (Três Estranhos Idênticos)
* Jeff Malmberg, Aaron Wickenden (Won’t You Be My Neighbor?)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO (FEITO PARA TV)
* Martin Singer (A Final Cut for Orson: 40 Years in the Making)
* Greg Finton, Poppy Das (Robin Williams: Come Inside My Mind)
* Neil Meiklejohn (Wild Wild Country, Part 3)
* Joe Beshenkovsky (The Zen Diaries of Garry Shandling)

***

A cerimônia do 69º Eddie Awards acontecerá no dia 1º de fevereiro.

'A Star Is Born' Film - 2018

Bradley Cooper explica cena para diretor de fotografia Matthew Libatique para Nasce uma Estrela (pic by Variety)

Entre todos os prêmios de sindicato, o Directors Guild of America (DGA) é o mais importante pelo seu histórico de ter apenas sete divergências entre ele e o Oscar, sendo a última em 2013, naquele episódio fatídico do Ben Affleck ficar de fora da categoria por Argo. As estatísticas, como citei, são as maiores: 90% de acerto em relação ao Oscar, ou seja, quem ganhar aqui, está com uma das mãos na estatueta dourada.

MELHOR DIREÇÃO

  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)

Apesar da vasta filmografia, Spike Lee é apenas o quinto diretor negro indicado ao DGA. O primeiro foi Lee Daniels (Preciosa) em 2010, Steve McQueen (12 Anos de Escravidão) em 2014, Barry Jenkins (Moonlight) em 2017 e Jordan Peele (Corra!) ano passado. Na verdade, esse é um dado estatístico que não costumo dar muita importância, porque parece que estou pedindo mais diretores negros indicados APENAS pela cor da pele. Gostaria de ver diretores negros mais reconhecidos apenas por seus trabalhos, assim como queria que Spike Lee tivesse sido indicado lá atrás em 1990 por Faça a Coisa Certa.

Ainda na temática politicamente correta, houve bons trabalhos de diretoras mulheres em 2018 como Poderia Me Perdoar?, da Marielle Heller, e Mais uma Chance, da Tamara Jenkins, mas particularmente, se fosse defender campanha feminina seria apenas da Chloé Zhao no independente Domando o Destino.

Voltando à lista do DGA, a inclusão de Peter Farrelly foi uma surpresa. Apesar da recente vitória de seu Green Book no Globo de Ouro ter ajudado bastante, o diretor nunca gozou de uma boa reputação como diretor em Hollywood, porque suas comédias escrachadas e politicamente incorretas sempre sofreram preconceito. Por isso, se alguém da lista não conseguir espaço no Oscar, acredito que será ele.

Por outro lado, se alguém conseguir surpreender, temos alguns nomes na fila de espera como o de Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse), Damien Chazelle (O Primeiro Homem), Yorgos Lanthimos (A Favorita) e até Ryan Coogler (Pantera Negra).

MELHOR DIRETOR ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Carlos Lopez Estrada (Ponto Cego)
  • Matthew Heineman (A Private War)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)

Na categoria de estreantes, Bradley Cooper aparece novamente e é o que mais tem chances de vitória, a menos que ganhe Direção e o prêmio de estreante vá para outro. Se for para Bo Burnham, seria um prêmio bem justo, pois ele trouxe muita energia e vibração desta nova geração de adolescentes em Oitava Série.

eighth-grade-bo-burnham

Bo Burnham dirige Elsie Fisher em cena de Oitava Série (pic by Vanity Fair)

Não vi os demais diretores indicados aqui, mas sem querer menosprezar esses trabalhos, ressalto aqui a estréia corajosa de Ari Aster em Hereditário, que mostrou muita personalidade na criação de atmosfera de terror psicológico, e Aneesh Chaganti por Buscando…, que teve ótimas sacadas para seu filme se apoiar exclusivamente de telas de celular, computador e TV.

Sobre Matthew Heineman, um fato curioso: ele foi indicado como estreante, mas já ganhou dois prêmios do DGA por Cartel Land e City Ghosts, mas como se tratam de documentários, eles consideram estréia na ficção.

***

A 71ª cerimônia de premiação do DGA está agendada para o dia 02 de fevereiro. 

‘BOHEMIAN RHAPSODY’ SURPREENDE e CONQUISTA 2 GLOBOS DE OURO, INCLUINDO MELHOR FILME – DRAMA, mas noite é da NETFLIX

andy samberg sandra oh globe

Andy Samberg e Sandra Oh apresentam o Globo de Ouro (pic by Variety)

Para você que achou que Vice levaria tudo nas categorias de comédia, e que Nasce uma Estrela surrupiaria tudo nas de drama, o pessoal do Globo de Ouro resolveu bagunçar as casas de apostas. A Hollywood Foreign Press Association (HFPA) é fã de Queen!

Na reta final da cerimônia, mais precisamente no último bloco, a cinebiografia chapa branca de Bohemian Rhapsody levou Melhor Ator – Drama para Rami Malek, e em seguida, a equipe subiu ao palco, juntamente com os integrantes da banda Queen, para receber Melhor Filme. Curiosamente, o filme sequer tinha seu diretor (ou melhor, diretores Bryan Singer e Dexter Fletcher indicados), mas o sucesso comercial de mais 700 milhões arrecadados fez a diferença. Malek sequer mencionou Singer no palco, já que eles brigaram durante as filmagens, quando o diretor não comparecia nos horários. Apesar da confusão dos bastidores, as músicas da banda tocadas no filme foram a verdadeira fórmula do sucesso.

rami_malek_0

Rami Malek agradece todos, exceto Bryan Singer, ao levar Melhor Ator por Bohemian Rhapsody.

Green Book: O Guia surpreendeu ao conquistar três prêmios, especialmente o de Roteiro e Filme – Comédia ou Musical. A premiação de Mahershala Ali como coadjuvante obviamente reforça sua campanha ao Oscar, mas é preciso lembrar duas coisas: Ele ganhou o Oscar há dois anos por Moonlight, e o Globo de Ouro não o premiou naquele ano, quando Aaron Taylor-Johnson levou por Animais Noturnos. O filme de Peter Farrelly, Green Book, é aquele típico de fórmula com história verídica de dois personagens de culturas diferentes, mas que ganha seu público com certa facilidade, tanto que levou o prestigiado prêmio de público do Festival de Toronto.

A grande produtora da noite acabou sendo a Netflix, que conquistou 5 Globos de Ouro: 2 pelo mexicano Roma,  2 pela série O Método Kominsky, e 1 pela série Bodyguard, todos disponíveis no catálogo do serviço de streaming. A vitória de Roma na categoria de Filme Estrangeiro era esperada, mas Melhor Direção ainda era incerta, já que Bradley Cooper era um candidato fortíssimo, mesmo sendo seu projeto de estréia. Acabou saindo de mãos abanando da cerimônia, apesar de ter visto Lady Gaga levando por Melhor Canção com “Shallow”. Outra que saiu sem prêmios apesar da dupla indicação foi Amy Adams, que perdeu como Coadjuvante por Vice, e como Atriz de série por Sharp Objects.

alfonso-cuaron-best-director-golden-globes

O diretor Alfonso Cuarón venceu por Filme Estrangeiro e Direção por Roma (pic by Vanity Fair)

Gostei da vitória de Glenn Close como Melhor Atriz por A Esposa (previsão de estréia aqui no dia 10 de janeiro). Com todo o hype em cima de Lady Gaga, até ela ficou surpresa quando anunciaram seu nome. O filme em si é meio fraquinho, mas a personagem dela é bem interessante e atual. Ela faz a esposa de um escritor que ganha o prêmio Nobel de Literatura, mas vamos descobrindo que ela abdicou sua vida profissional em prol do casamento e bons costumes da época. E no discurso de agradecimento, Glenn Close citou sua mãe, que passou pela mesma situação, concluindo que, apesar das dificuldades e da maternidade, “nós [as mulheres] temos que dizer ‘Eu posso fazer aquilo e eu deveria se permitir fazer aquilo”. O público presente ficou emocionado e a ovacionou. Certamente, um discurso que alavanca sua campanha rumo ao primeiro Oscar às alturas.

glenn close golden globe

Glenn Close aceita seu Globo de Ouro por A Esposa.

Muito boas as vitórias de Trilha Musical para Justin Hurwitz em O Primeiro Homem, e Melhor Longa de Animação para o fantástico Homem-Aranha no Aranhaverso. Não vi o filme Vice, mas só pelo discurso de Christian Bale agradecendo Satã pela inspiração para interpretar Dick Cheney é memorável! E adorei quando Olivia Colman chamou Emma Stone e Rachel Weisz de “my bitches” quando levou Melhor Atriz – Comédia ou Musical por A Favorita. A vitória de Regina King como Coadjuvante por Se a Rua Beale Falasse ajuda, mas não apaga o fato de ela estar ausente da lista no SAG Awards.

Sobre a apresentação dos hosts Andy Samberg e Sandra Oh, eu poderia dizer “nice try” (boa tentativa). Tiveram alguns momentos engraçados como a “expulsão” de Jim Carrey da seção dos artistas de cinema, mas o melhor momento mesmo foi quando Sandra Oh levou o prêmio de Atriz em série por Killing Eve. Ela agradeceu a equipe e aos pais presentes, dizendo “Pai, mãe, eu amo vocês” em coreano.

sandra oh gg

Sandra Oh posa com seu Globo de Ouro de Melhor Atriz pela série Killing Eve

Ainda aproveitando o momento emotivo, bela homenagem a Jeff Bridges que, só pela montagem de clipes, dá pra ver que ele fez muitos filmes bons com ótimos diretores. E também pela singela homenagem a Carol Burnett, que teve o prêmio para TV batizado com seu nome. “Isso significa que terei que aceitar o prêmio todo ano?”, brincou Burnett.

E só mais um adendo: equipe da TNT Brasil, pelamor, vamos melhorar essa transmissão! Inúmeros erros de datilografia na legenda das imagens do tipo “Golen Globe” e confundindo uma atriz com Constance Wu, sem contar ainda com as péssimas entrevistas no tapete vermelho que parecem aquelas de campo de futebol.

VENCEDORES DO 76º GLOBO DE OURO

MELHOR FILME – DRAMA
Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Glenn Close (A Esposa)

MELHOR ATOR – DRAMA
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Green Book: O Guia (Green Book)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Olivia Colman (A Favorita)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Christian Bale (Vice)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Green Book: O Guia)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Roma (Roma) – MÉXICO

MELHOR DIREÇÃO
Alfonso Cuarón (Roma)

MELHOR ROTEIRO
Peter Farrelly, Nick Vallelonga, Brian Currie (Green Book: O Guia)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Shallow” (Nasce uma Estrela)

MELHOR SÉRIE – DRAMA
The Americans

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Sandra Oh (Killing Eve)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Richard Madden (Bodyguard)

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
“The Kominsky Method” (Netflix)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
Michael Douglas (The Kominsky Method)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story (FX)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Patricia Arquette (Escape at Dannemora)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Patricia Clarkson (Sharp Objects)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Ben Whishaw (A Very English Scandal)

NATIONAL BOARD OF REVIEW premia ‘GREEN BOOK: O GUIA’ como MELHOR FILME

 

Film Title: Green Book

Viggo Mortensen contracena com Mahershala Ali em cena de Green Book: O Guia

FILME-FÓRMULA SOBRE RELAÇÃO INTER-RACIAL CONQUISTA O NBR

O National Board of Review divulgou sua seleção de 2018 hoje, dia 27 de novembro. De todos os prêmios da crítica, o NBR é o que mais perdeu credibilidade nos últimos anos. Não somente por não prever os filmes do Oscar, mas por reconhecer produções de qualidade meio duvidosa.

Em 2017, a organização composta por cineastas, profissionais e acadêmicos concedeu o prêmio de Melhor Filme para The Post: A Guerra Secreta. Fala sério! Até o Spielberg sabe que este foi um de seus piores trabalhos! Em 2015, deram os prêmios de Ator para Matt Damon e Diretor para Ridley Scott por Perdido em Marte. E em 2014, premiaram O Ano Mais Violento como Melhor Filme e seus atores Oscar Isaac e Jessica Chastain.

Este ano, o NBR premiou Green Book: O Guia como Melhor Filme, e reconheceram Viggo Mortensen como Melhor Ator. Até então, o filme dirigido por Peter Farrelly tinha como maior reconhecimento em seu currículo o prêmio do People’s Choice Award no Festival de Toronto. Pode ser um ótimo filme? Sim, claro. Mas pelas críticas até o momento, o filme seria uma versão masculina da fórmula batida de Estrelas Além do Tempo e Histórias Cruzadas, ambos indicados ao Oscar de Melhor Filme. A questão racial continua em alta em Hollywood e Green Book certamente fará a alegria da ideologia do politicamente correto.

A Star is Born

Vencedores do NBR, Lady Gaga e Bradley Cooper em cena de Nasce uma Estrela (pic by OutNow.CH)

Pelas categorias de atuação, o histórico dos últimos cinco anos não é nada bom. Três acertos em 20 possíveis em relação ao Oscar, ou seja, Viggo Mortensen, Lady Gaga, Sam Elliott e Regina King não se animem muito! Com exceção de Elliott, acredito que os outros três vencedores estarão entre os futuros indicados pela Academia, mas mesmo assim, as chances de vitória ainda são relativamente baixas.

Pelas categorias de Roteiro, tanto Paul Schrader, que acabou de levar o Gotham Awards por First Reformed, como Barry Jenkins por Se a Rua Beale Falasse, devem ser figuras presentes durante toda esta temporada. Por se tratar de um filme meio pesado pela temática e até filosófico demais para o Oscar, acreditava que Schrader morreria na praia, mas com esses prêmios recentes, sua campanha pode deslanchar de vez. Já Jenkins, já premiado por Moonlight, não deve encontrar dificuldades de ser indicado novamente.

Honestamente, fiquei um pouco surpreso com a vitória de Bradley Cooper como Diretor por Nasce uma Estrela. Não que não mereça tal honraria, mas por se tratar de uma estréia na direção, poderiam tê-lo premiado como Diretor Estreante, que foi para Bo Burnham, merecidamente, por Oitava Série.

Dentre os filmes totalmente ignorados pelo NBR estão A Favorita, do Yorgos Lanthimos (nenhuma das três atrizes deu as caras por aqui), O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, o Vice, de Adam McKay, e o Infiltrado na Klan, de Spike Lee.

Por preferência pessoal, votaria em Ilha dos Cachorros no lugar de Os Incríveis 2 como Melhor Longa de Animação, e votaria no sul-coreano Em Chamas no lugar do polonês Guerra Fria como Filme em Língua Estrangeira. Aliás, foi uma surpresa Roma, de Alfonso Cuarón, não ter sido o premiado aqui, mas ficou entre os cinco melhores.

Cold War 2

Joanna Kulig e Tomasz Kot em cena de Guerra Fria (pic by OutNow.CH)

Apesar da lista de vencedores já ter sido divulgada, a cerimônia de entrega dos prêmios só acontecerá no dia 08 de janeiro em Nova York.

Vencedores do National Board of Review 2018:

FILME
Green Book: O Guia (Green Book)

DIREÇÃO
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)

ATOR
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

ATRIZ
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

ATOR COADJUVANTE
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)

ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

ROTEIRO ORIGINAL
Paul Schrader (First Reformed)

ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)

LONGA DE ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2 (Incredibles 2)

REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)

DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Guerra Fria (Zimna wojna), de Pawel Pawlikowski

DOCUMENTÁRIO
RBG, de Julie Cohen e Betsy West

ELENCO
Podres de Ricos (Crazy Rich Asians)

WILLIAM K. EVERSON FILM HISTORY AWARD
O Outro Lado do Vento (The Other Side of the Wind), de Orson Welles

Serei Amado Quando Morrer (They’ll Love Me When I’m Dead), de Morgan Neville

NBR FREEDOM OF EXPRESSION AWARD
22 de Julho (22 July), de Paul Greengrass
On Her Shoulders, de Alexandria Bombach

TOP 10 FILMES (em ordem alfabética)
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra (Black Panther)
Poderia me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?)
Oitava Série (Eighth Grade)
First Reformed
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)
Roma
Nasce uma Estrela (A Star Is Born)

TOP 5 FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA (in alphabetical order)
Em Chamas (Beoning)
Custódia (Jusqu’à la garde)
A Culpa (Den skyldige)
Happy as Lazzaro (Lazzaro Felice)
Assunto de Família (Manbiki kazoku)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS (in alphabetical order)
Crime + Punishment
Free Solo
Minding the Gap
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES (in alphabetical order)
A Morte de Stalin (The Death of Stalin)
A Rota Selvagem (Lean on Pete)
Não Deixe Rastros (Leave No Trace)
Mid90s
The Old Man & the Gun
Domando o Destino (The Rider)
Buscando… (Searching)
Sorry to Bother You
We the Animals
Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

‘DOMANDO O DESTINO’ rouba a cena no GOTHAM AWARDS

THE RIDER

Brady Jandreau em cena do vencedor do Gotham Domando o Destino (pic by The Hollywood Reporter)

LANÇADO EM 2017, ‘DOMANDO O DESTINO’ CONTINUA CONQUISTANDO PRÊMIOS

Com três produções com chances no Oscar no páreo de Melhor Filme no Gotham, premiação do cinema independente, foi o humilde Domando o Destino (The Rider) que acabou conquistando o maior prêmio da noite.

Dirigido pela chinesa Chloé Zhao, o filme acompanha a recuperação do peão de rodeio Brady após um acidente com seu cavalo. Baseado na vida do peão Brady Jandreau, Domando o Destino foi uma forma ficcional da diretora recontar sua história. Curiosamente, o filme concorreu ao Independent Spirit Awards de 2017, mas volta agora à temporada de premiações pelo Gotham.

Em sua 34ª edição, o Gotham Awards elevou seu grau de importância no cenário quando coincidiu seus vencedores com os do Oscar de Melhor Filme em 3 oportunidades consecutivas com Moonlight, Spotlight e Birdman. Ano passado, o Gotham elegeu Me Chame Pelo seu Nome, mas deu A Forma da Água no Oscar.

Pelas categorias de atuação, o Gotham conquistou acertos bem esporádicos como Julianne Moore (Para Sempre Alice) e Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar). Assim sendo, os vencedores deste ano: Ethan Hawke (First Reformed) e Toni Collette (Hereditário) podem não ter grandes chances no Oscar, mas certamente são vitórias merecidas que precisam ser celebradas.

ethan hawke

Ethan Hawke aceita prêmio de Ator por First Reformed (pic by IMDb)

Excetuando o prêmio de Melhor Filme, o grande vencedor da edição foi o drama adolescente Oitava Série, que ganhou dois prêmios: de Atuação Revelação para Elsie Fisher, e de Direção Revelação para o jovem Bo Burnham. Trata-se de um retrato bem fresco dessa nova geração de jovens e como eles lidam com interação social e familiar com o suporte da tecnologia.

bo burnham

O diretor estreante Bo Burnham de Oitava Série discursa no palco do Gotham (pic by IMDb)

Apesar da categoria de Atuação Revelação ser unissex, este ano foi composta apenas por mulheres: além de Fisher, estavam indicadas a mexicana Yalitza Aparicio de Roma, Helena Howard de A Madeline de Madeline, KiKi Layne de Se a Rua Beale Falasse e Thomasin McKenzie de Não Deixe Rastros, atestando uma força feminina nos filmes.

Vale destacar os dois prêmios também para o drama existencial First Reformed, que além de levar o prêmio de Ator para Ethan Hawke, conquistou o de Roteiro para o veterano Paul Schrader. Também indicado ao Independent Spirit, Schrader está caminhando bem para sua possível primeira indicação ao Oscar. Seria uma ótima oportunidade de reconhecer o roteirista de Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980).

paul schrader

Diretor e roteirista Paul Schrader aceita o prêmio de Roteiro por First Reformed (pic by Arizona Daily Star)

Confira os vencedores do 34º Gotham Awards assinalados na cor laranja:

MELHOR FILME
First Reformed
A Favorita (The Favorite)
Madeline de Madeline (Madeline’s Madeline)
If Beale Street Could Talk
Domando o Destino (The Rider)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Bisbee ‘17
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Shirkers
Won’t You Be My Neighbor?

PRÊMIO BINGHAM RAY PARA DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)
Ari Aster (Hereditário)
Boots Riley (Sorry to Bother You)
Crystal Moselle (Skate Kitchen)
Jennifer Fox (O Conto)

MELHOR ROTEIRO
Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)
Cory Finley (Thoroughbreds)
Paul Schrader (First Reformed)
Tamara Jenkins (Mais uma Chance)
Andrew Bujalski (Support the Girls)

MELHOR ATOR
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Ben Foster (Não Deixe Rastros)
Richard E. Grant (Poderia me Perdoar?)
Ethan Hawke (First Reformed)
Lakeith Stanfield (Sorry to Bother You)

MELHOR ATRIZ
Glenn Close (A Esposa)
Toni Collette (Hereditário)
Kathryn Hahn (Mais uma Chance)
Regina Hall (Support the Girls)
Michelle Pfeiffer (Where is Kyra?)

ATOR OU ATRIZ REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)
Helena Howard (A Madeline de Madeline)
Kiki Layne (If Beale Street Could Talk)
Elsie Fisher (Oitava Série)
Yalitza Aparicio (Roma)

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS LONGOS
Alias Grace
Big Mouth
The End of the F***ing World
Killing Eve
Pose
Sharp Objects

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS CURTOS
195 Lewis
Cleaner Daze
Distance
The F Word
She’s the Ticket

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI PARA PERFORMANCE DE ELENCO
Olivia Colman, Emma Stone, Rachel Weisz (A Favorita)

‘OITAVA SÉRIE’, ‘FIRST REFORMED’ e ‘SE A RUA BEALE FALASSE’ DISPUTAM MELHOR FILME no INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

EIGHT GRADE

Elsie Fisher e Josh Hamilton em diálogo tocante em Oitava Série (pic by IMDb)

PREMIAÇÃO AMERICANA INDEPENDENTE ANUNCIA SUA SELEÇÃO COM FAVORITOS AUSENTES POR ELEGIBILIDADE

Há algumas semanas, o Gotham Awards foi o primeiro prêmio da temporada a revelar seus indicados, mas como ainda é tradição, a corrida pelo Oscar só começa oficialmente com os indicados ao Independent Spirit Awards!

Em sua 34ª edição, a premiação tem sido um dos principais parâmetros para o Oscar. Com exceção deste ano, quando Corra! levou Melhor Filme no Spirit, nos quatro anos anteriores, todas as produções que se consagraram com o Oscar de Melhor Filme, foi vencedor no Spirit antes:  Moonlight, Spotlight, Birdman, e 12 Anos de Escravidão. Tá bom pra você?

Porém, nesta edição, por causa das regras de elegibilidade, algumas produções consideradas favoritas para esta temporada não poderão competir aqui como o mexicano Roma, de Alfonso Cuarón, e A Favorita, de Yorgos Lanthimos, por serem produções estrangeiras (teriam de ser norte-americanas). Além, claro, de terem de respeitar o teto do orçamento que é de 20 milhões de dólares, o que desqualificou A Forma da Água no ano passado, e este ano barrou franco-favoritos como Nasce uma Estrela, O Primeiro Homem e Green Book – O Guia.

Curiosamente, o anúncio dos indicados estava previsto para o próximo dia 19, mas por algum motivo foi adiantado para hoje, dia 16. O evento contou com a colaboração das atrizes Gemma Chan (do mega sucesso Podres de Ricos – muito linda e com um belo sotaque britânico!) e Molly Shannon (vencedora do Independent Spirit em 2016 pelo drama Other People). Confira o vídeo do canal oficial do Film Independent:

NÚMEROS DO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

Um fato bem curioso: o recordista de indicações desta edição sequer foi indicado a Melhor Filme. We the Animals, de Jeremiah Zagar, conquistou o total de 5 indicações, mas não foi incluído na principal categoria. Este drama familiar foi lançado no último festival de Sundance e agora disputa em categorias importantes como Ator Coadjuvante (Raúl Castillo) e Fotografia.

Em segundo lugar, temos duas produções da A24 (uma das produtoras mais em evidência nos últimos anos): Oitava Série e First Reformed, ambos com 4 indicações cada. E também com 4, o drama Você Nunca Esteve Realmente Aqui, de Lynne Ramsay, que apesar de ter concorrido à Palma de Ouro em Cannes em 2017, conseguiu ser distribuído em solo americano somente neste ano.

Logo em seguida, com 3 indicações, vem um dos possíveis candidatos ao Oscar 2019: Se a Rua Beale Falasse, novo trabalho do diretor de Moonlight, Barry Jenkins. A adaptação de James Baldwin foi lembrada nas categorias Filme, Diretor e Atriz Coadjuvante para Regina King. Também indicados a 3 prêmios estão Mais Uma Chance, de Tamara Jenkins, e Não Deixe Rastros, de Debra Granik, ambas diretoras indicadas na categoria de Direção.

PRIVATE LIFE

No centro, Paul Giamatti, e à direita Kathryn Hahn, conversam com Kayli Carter em cena de Mais uma Chance (pic by IMDb)

COMENTÁRIOS

Como consegui assistir já a alguns filmes indicados, consigo dar algumas impressões. Primeiramente, fiquei super feliz pelas indicações de First Reformed e Oitava Série. Não haveria Independent Spirit sem essas duas produções.

A primeira é o novo trabalho do veterano Paul Schrader, mais conhecido por ser o roteirista de Taxi Driver e de ter dirigido Gigolô Americano e Temporada de Caça. Ele retorna com este profundo e poderoso estudo da religião frente às descrenças humanas na sociedade. Ultimamente, tem sido tão raro encontrar um filme estrelado por um padre sem envolver exorcismo, demônios ou pedofilia, que já se torna algo digno de nota. A direção de Schrader é nua e crua, mas com alguns requintes de surrealismo. E temos aqui uma ótima performance de Ethan Hawke, que merece ser lembrado nas próximas premiações.

first reformed

Ethan Hawke e Amanda Seyfried dialogam em cena de First Reformed (pic by IMDb)

Já a segunda é dirigida e escrita por um estreante com histórico youtuber Bo Burnham. Ele fez este singelo testamento da juventude e como ela lida com as relações sociais enquanto dialoga com a tecnologia. Apresenta cenas que vão do terror como a da piscina (com direito à trilha) até adoráveis como o diálogo entre pai e filha sentados em frente à fogueira. A indicação de Melhor Atriz para a jovem Elsie Fisher foi fantástica! Até então, ela era apenas conhecida por dublar uma menina na animação de Meu Malvado Favorito.

Falando em categoria de Atriz, temos uma exceção nesta edição com 6 indicadas. Além de Fisher, achei ótimas as inclusões de Helena Howard (esta menina está incrível em Madeline de Madeline, com um talento daqueles natos num filme que sobre a verdadeira natureza da atuação) e Toni Collette, que concorre pelo ótimo filme de gênero Hereditário. Também vale a pena destacar a indicação de Glenn Close por A Esposa, já que ela vem se tornando a franco-favorita para ganhar finalmente seu primeiro Oscar após 6 indicações.

MADELINE

Helena Howard é uma explosão de talento no experimental Madeline de Madeline (pic by IMDb)

Fiquei um pouco surpreso com a indicação de Melhor Ator para John Cho por Buscando…. Apesar de ele segurar a onda praticamente sozinho durante o filme todo, que se passa em telas de celular e computador, achei um pouco forçada esta indicação. E pela indicação de Adam Driver ser a única do novo filme de Spike Lee, Infiltrado na Klan, que vinha sendo bem cotado para o Oscar.

Destaque para as indicações brasileiras de Melhor Ator para Christian Malheiros e Someone to Watch Award para o diretor Alex Moratto por Sócrates. Malheiros interpreta um jovem que perde sua mãe, enquanto procura um jeito de se virar sozinho e descobre sua sexualidade. Confira o trailer:

Achei formidáveis as indicações de Fotografia para Suspiria (Sayombhu Mukdeeprom) e Mandy (Benjamin Loeb). São trabalhos bastante vistosos que mereciam esse destaque para permanecerem em alta na corrida para o Oscar. Também ressalto a indicação de Em Chamas, de Chang-dong Lee, pela Coréia do Sul na categoria de Filme Internacional. Caso avance para o Oscar, será a primeira indicação merecida para o cinema sul-coreano. Claro que a categoria de estrangeiros está bem representada também por Roma (México), Assunto de Família (Japão), A Favorita (Reino Unido) e Happy as Lazzaro (Itália).

BURNING

Cena do longa sul-coreano Em Chamas, baseado em conto do escritor Haruki Murakami (pic by IMDb)

AUSÊNCIAS

Entre as ausências mais sentidas foram de Melissa McCarthy por Poderia Me Perdoar?. Ela consegue balancear com muita graça seu lado dramático com seu conhecido timing cômico nesta cinebiografia de Lee Israel. Apesar de não ter aparecido aqui na lista, tem grandes chances de aparecer no Oscar e receber sua indicação. Curiosamente, seu colega de tela, Richard E. Grant, foi reconhecido como Ator Coadjuvante. Ainda na categoria de Atriz, Michelle Pfeiffer poderia ter sido lembrada por Where is Kyra?. Sua salvação pode ser os prêmios da crítica, o Critics’ Choice ou o Globo de Ouro.

Na categoria masculina, senti falta do Ben Foster pelo indicado Não Deixe Rastros, assim como Timothée Chalamet ou Lucas Hedges por Beautiful Boy e Boy Erased, respectivamente, na categoria de Ator Coadjuvante. E o já citado Spike Lee, pelo menos na categoria de Roteiro por Infiltrado na Klan.

INDICADOS AO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2019:

MELHOR FILME

  • Oitava Série (Eighth Grade)
  • First Reformed
  • Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
  • Não Deixe Rastros (Leave no Trace)
  • Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

MELHOR DIREÇÃO

  • Debra Granik (Não Deixe Rastros)
  • Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)
  • Tamara Jenkins (Mais Uma Chance)
  • Lynne Ramsay (Você Nunca Esteve Realmente Aqui)
  • Paul Schrader (First Reformed)

FILME DE ESTRÉIA

  • Hereditário (Hereditary)
  • Sorry to Bother You
  • O Conto (The Tale)
  • We the Animals
  • Vida Selvagem (Wildlife)

MELHOR ATOR

  • John Cho (Buscando…)
  • Daveed Diggs (Ponto Cego)
  • Ethan Hawke (First Reformed)
  • Christian Malheiros (Sócrates)
  • Joaquin Phoenix (Você Nunca Esteve Realmente Aqui)

MELHOR ATRIZ

  • Glenn Close (A Esposa)
  • Toni Collette (Hereditário)
  • Elsie Fisher (Oitava Série)
  • Regina Hall (Support the Girls)
  • Helena Howard (Madeline de Madeline)
  • Carey Mulligan (Vida Selvagem)
  • Kayli Carter (Mais Uma Chance)
  • Tyne Daly (A Bread Factory)
  • Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
  • Thomasin Harcourt McKenzie (Não Deixe Rastros)
  • J. Smith-Cameron (Nancy)
MELHOR ATOR COADJUVANTE
  • Raúl Castillo (We the Animals)
  • Adam Driver (Infiltrado na Klan)
  • Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
  • Josh Hamilton (Oitava Série)
  • John David Washington (Monsters and Men)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Ashley Connor (Madeline de Madeline)
  • Diego Garcia (Vida Selvagem)
  • Benjamin Loeb (Mandy)
  • Sayombhu Mukdeeprom (Suspiria)
  • Zak Mulligan (We the Animals)


MELHOR ROTEIRO

  • Richard Glatzer, Rebecca Lenkiewicz, Wash Westmoreland (Colette)
  • Nicole Holofcener & Jeff Whitty (Poderia Me Perdoar?)
  • Tamara Jenkins (Mais Uma Chance)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)
  • Paul Schrader (First Reformed)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Christina Choe (Nancy)
  • Cory Finley (Puro-Sangue)
  • Jennifer Fox (O Conto)
  • Quinn Shephard, Laurie Shephard (Blame)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Hale County this Morning, This Evening
  • Minding the Gap
  • Of Fathers and Sons
  • On Her Shoulders
  • Shirkers
  • Won’t You be my Neighbor?

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Em Chamas. Dir: Chang-dong Lee (Coréia do Sul)
  • A Favorita. Dir: Yorgos Lanthimos (Reino Unido)
  • Happy as Lazzaro. Dir: Alice Rohrwacher (Itália)
  • Roma. Dir: Alfonso Cuarón (México)
  • Assunto de Família. Dir: Hirokazu Koreeda (Japão)

TRUER THAN FICTION AWARD

  • Alexandria Bombach (On Her Shoulders)
  • Bing Liu (Minding the Gap)
  • RaMell Ross (Hale County This Morning, This Evening)

PRODUCERS AWARD

  • Jonathan Duffy, Kelly Williams
  • Gabrielle Nadig
  • Shrihari Sathe


THE SOMEONE TO WATCH AWARD

  • Alex Moratto (Sócrates)
  • Ioana Uricaru (Lemonade)
  • Jeremiah Zagar (We the Animals)

THE BONNIE AWARD

  • Debra Granik
  • Tamara Jenkins
  • Karyn Kusama
ROBERT ALTMAN AWARD
SUSPIRIA
Diretor: Luca Guadagnino
Diretores de Casting: Avy Kaufman, Stella Savino
Elenco: Malgosia Bela, Ingrid Caven, Lutz Ebersdorf, Elena Fokina, Mia Goth, Jessica Harper, Dakota Johnson, Gala Moody, Chloë Grace Moretz, Renée Soutendijk, Tilda Swinton, Sylvie Testud, Angela Winkler
***
A 34ª cerimônia do Independent Spirit Awards está marcada para o dia 23 de fevereiro, um dia antes do Oscar, na praia de Santa Monica.

EM VÉSPERA do OSCAR, ‘CORRA!’ LEVA MELHOR FILME e DIRETOR no INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

Get-out-spirit-awards-20180303.jpg

No centro, Jordan Peele levanta o prêmio de Melhor Filme do Independent Spirit Awards por Corra! (pic by latimes.com)

FILME DE TERROR PODE ENTRAR PARA O HALL DOS VENCEDORES DO INDEPENDENT E OSCAR

Os tempos mudaram no Independent Spirit… Antigamente, o vencedor do prêmio passava bem longe do Oscar que acontece sempre no dia seguinte. De alguns anos pra cá, tem rolado uma dobradinha Independent-Oscar. Foi assim com O Artista, 12 Anos de Escravidão, Birdman, Spotlight e Moonlight.

O fato é que a indústria de cinema mudou desde a crise econômica dos EUA (por volta de 2008), e desde então, os estúdios e as premiações têm preferido produções de menor orçamento, pensando tanto em margem de lucro quanto qualidade. E nesse aspecto, o Independent Spirit se consagrou o eleito da temporada de premiações como novo parâmetro, pois seu regulamento exige que os indicados tenham orçamento de até 20 milhões de dólares, caso contrário, não compete.

Essa regra fundamental do Independent excluiu este ano filmes do Oscar como O Destino de uma Nação, Dunkirk e The Post, abrindo caminho para outros artistas menos favoritos desta temporada como Timothée Chalamet, que venceu o prêmio de Melhor Ator, no lugar do vitorioso frequente Gary Oldman. É claro que a um dia da cerimônia do Oscar, os votos já foram computados e o resultado do Independent pouco vai influenciar, mas ele já costuma dar um forte indicativo das intenções de votos de muitos membros da Academia.

Timothée Chalamet Independent.JPG

Timothée Chalamet sobe eufórico para receber o prêmio de Melhor Ator por Me Chame Pelo Seu Nome (pic by Tommaso Boddi, Getty Images throught USA Today)

Infelizmente, Chalamet foi a única surpresa das categorias de atuação diante do predomínio do favoritismo de Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney. Já nas categorias principais, as vitórias de Corra! e seu diretor Jordan Peele podem significar que o filme não está descartado na corrida das apostas perante Três Anúncios Para um Crime e A Forma da Água. Aliás, a vitória de Greta Gerwig na categoria de Melhor Roteiro pode indicar a possibilidade de ela receber a estatueta no Oscar como forma de compensação por perder como Diretora por Lady Bird.

GretaGerwig_Independent Spirit.jpg

Greta Gerwig é ovacionada enquanto recebe o prêmio de roteiro por Lady Bird. Pic by filmindependent.com

Mas voltando à vitória de Corra!, foi bem interessante ver que as duas figuras que se encarregaram de apresentar os prêmios de Diretor e Filme foram dois artistas negros do passado e do presente: o diretor Spike Lee e o ator sensação de Pantera Negra, Chadwick Boseman, respectivamente.

Importante lembrar que outros indicados ao Oscar como o filme chileno Uma Mulher Fantástica e o documentário Visages Villages também saíram premiados no Independent Spirit como Filme em Língua Estrangeira e Documentário, respectivamente.

Vencedores do 33º INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

MELHOR FILME

  • CORRA! (Get Out)
    Produtores: Jason Blum, Edward H. Hamm Jr., Sean McKittrick, Jordan Peele

MELHOR FILME DE DIRETOR ESTREANTE

  • INGRID GOES WEST
    Diretor: Matt Spicer
    Produtores: Jared Ian Goldman, Adam Mirels, Robert Mirels, Aubrey Plaza, Tim White, Trevor White

PRÊMIO JOHN CASSAVETES – Concedido a uma produção com orçamento abaixo de 500 mil dólares.

  • Life and nothing more
    Roteirista/Diretor: Antonio Méndez Esparza
    Produtores: Amadeo Hernández Bueno, Alvaro Portanet Hernández, Pedro Hernández Santos

MELHOR DIRETOR

  • Jordan Peele (Corra!)

MELHOR ROTEIRO

  • Greta Gerwig (Lady Bird)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Emily V. Gordon, Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR MONTAGEM

  • Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)

MELHOR ATRIZ

  • Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ATOR

  • Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Allison Janney (Eu, Tonya)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

PRÊMIO ROBERT ALTMAN – Concedido ao diretor, diretor de casting e ao elenco

  • Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi (Mudbound)
    Diretor: Dee Rees
    Diretores de Casting: Billy Hopkins, Ashley Ingram
    Elenco: Jonathan Banks, Mary J. Blige, Jason Clarke, Garrett Hedlund, Jason Mitchell, Rob Morgan, Carey Mulligan

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Visages Villages
    Diretores: Agnés Varda, JR
    Produtora: Rosalie Varda

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
    Chile
    Dir: Sebastián Lelio

PRÊMIO BONNIE – Este prêmio inaugural reconhecerá uma diretora no meio de sua carreira com um prêmio de 50 mil dólares.

  • Chloé Zhao

PRÊMIO JEEP TRUER THAN FICTION – Concedido a um diretor emergente de não-ficção que ainda não recebeu nenhum reconhecimento significante.

  • Jonathan Olshefski
    Diretor de Quest

PRÊMIO KIEHL’S SOMEONE TO WATCH – Reconhece um cineasta talentoso de visão singular que ainda não recebeu nenhum reconhecimento apropriado.

  • Justin Chon
    Diretor de Gook

PRÊMIO PIAGET DE PRODUTORES – Honra produtores emergentes, que com poucos recursos, demonstram criatividade, tenacidade e visão necessários para produzir filmes independentes de qualidade.

  • Summer Shelton
Emily V Gordon Kumail Nanjiani Independent

O casal de roteiristas na vida real Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon recebem o prêmio de Roteiro Estreante por Doentes de Amor (pic by Film Independent)

A 90ª cerimônia do Oscar acontece hoje, dia 04 de março, e será transmitida pelo canal TNT a partir das 22h, com tapete vermelho a partir das 20h.

Com VITÓRIAS no WGA, ‘CORRA!’ e ‘ME CHAME PELO SEU NOME’ SAEM FORTALECIDOS na RETA FINAL do OSCAR

Jordan Peele WGA.png

Jordan Peele discursa por sua vitória no WGA por Corra! (pic by David Buchan/Variety/REX/Shutterstock)

FILMES, QUE COMEÇARAM BEM A TEMPORADA, GANHAM NOVO GÁS A POUCAS SEMANAS DO OSCAR

Quando postei sobre os indicados ao WGA no início de janeiro, eu escrevi: “De todos esses prêmios de sindicatos, o mais chato, rígido e insignificante é o dos roteiristas”. Sim, é verdade: o WGA é o mais chato e rígido, mas errei ao dizer que era “insignificante”.

As coisas mudaram a favor do prêmio do sindicato dos roteiristas. Ano passado, ele foi uma espécie de divisor de águas no caso de La La Land e Moonlight. O musical franco-favorito estava levando todos os prêmios, mas assistiu ao drama racial levar a estatueta de Roteiro e ganhar novo fôlego na reta final do Oscar, e deu no que deu.

Claro que isso não significa necessariamente que o WGA continuará como o elixir da temporada, mas que devemos subestimá-lo. É importante ressaltar também que o último filme que venceu o Oscar de Melhor Filme que não levou o WGA (quando elegível) foi Menina de Ouro, lá no longínquo ano de 2005. No caso, o filme de Clint Eastwood conseguiu um impulso enorme nas últimas semanas diante de favoritos O Aviador e Sideways.

A relevância do roteiro no Oscar permanece praticamente intocável. Tanto que o último filme a vencer o Oscar de Melhor Filme sem sequer ter indicação de Roteiro, seja Original ou Adaptado, continua sendo Titanic, em 1998.

Mas voltando ao WGA, os vencedores ganharam não apenas mais um prêmio na temporada, mas um grande impulso que podem garantir uma estatueta na cerimônia e ganhar pontos na categoria de Melhor Filme. No momento, o grande favorito é A Forma da Água por causa dos prêmios que levou até agora como o PGA e DGA, e logo em seguida, vem Três Anúncios Para um Crime que, por não contar com uma indicação para seu diretor, pode perder o posto para Lady Bird (como o maior representante do movimento feminista) ou para os vencedores do WGA: Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome.

Particularmente, acredito no potencial de Corra! no Oscar e na possibilidade de maiores surpresas. Nesse último domingo, dia 11, Jordan Peele subiu ao palco e declarou: “Este era um projeto passional. Foi algo que trabalhei com amor, com alma, então ser reconhecido aqui significa muito,” lembrando que começou a escrever o roteiro em 2008.

Embora Corra! tenha batido fortes concorrentes que também estão indicados ao Oscar: Lady Bird, A Forma da Água e Doentes de Amor, vale lembrar que não superou Martin McDonagh e seu Três Anúncios Para um Crime, que não estava concorrendo no WGA por ser inelegível, portanto a briga estará bem mais acirrada no Oscar.

Pela categoria de Roteiro Adaptado, o cineasta veterano James Ivory subiu ao palco emocionado para discursar por Me Chame Pelo Seu Nome“Estou atônito com tudo isso! Eu só queria fazer um filme na Itália novamente”. Curiosamente esta foi a primeira indicação dele ao WGA aos 89 anos de idade.

james-ivory-writers-guild-st-thg-180212_3x2_992

O cineasta britânico James Ivory aceita o prêmio de Roteiro Adaptado por Me Chame Pelo Seu Nome no WGA. (pic by abc news)

Se antes dessa vitória, ele já era o franco-favorito, agora o filme de Luca Guadagnino praticamente garante uma estatueta no Oscar. A Academia também se sentirá na obrigação de reconhecer Ivory, já que ele tem três indicações como Diretor e nunca venceu por Uma Janela Para o Amor (1985), Retorno a Howards End (1992) e Vestígios do Dia (1993).

Pela categoria de documentário, o roteirista Brett Morgen levou o prêmio por Jane. “Escrever ‘Jane’ foi estimulante porque me permitiu viver no mágico mundo de Jane Goodall por surpreendentes três anos”. Infelizmente, Jane não conseguiu indicação como Melhor Documentário no Oscar.

 

Seguem os vencedores (em laranja) da 70ª edição do WGA Awards:

ROTEIRO ORIGINAL
* Emily V. Gordon & Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
* Jordan Peele (Corra!)
* Steven Rogers (Eu, Tonya)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água)

ROTEIRO ADAPTADO
* James Ivory; Baseado no romance de André Aciman (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Scott Neustadter e Michael H. Weber; Baseado no livro “The Disaster Artist: My Life Inside the Room, the Greatest Bad Movie Ever Made” de Greg Sestero e Tom Bissell (O Artista do Desastre)
* Scott Frank, James Mangold e Michael Green; Baseado nos personagens dos quadrinhos de X-Men (Logan)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Molly Bloom (A Grande Jogada)
* Virgil Williams e Dee Rees; Baseado no romance de Hillary Jordan (Mudbound)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Theodore Braun (Betting on Zero)
* Brett Morgen (Jane)
* Alex Gibney (No Stone Unturned)
* Barak Goodman (Oklahoma City)

A 90ª cerimônia do Oscar acontece no dia 04 de março.

%d blogueiros gostam disto: