‘NASCE UMA ESTRELA’ é o DESTAQUE do DGA, WGA, ASC e EDDIE AWARDS

a quiet place 025

Indicado ao WGA: cena de Um Lugar Silencioso com John Krasinski (pic by outnow.ch)

Mal o ano começou, já tivemos as surpresas do Globo de Ouro, e agora temos o anúncios de três prêmios de sindicatos relevantes para a temporada e para a corrida do Oscar.

Vamos começar pelo mais chato e rígido de todos, o Writers Guild of America (WGA), do sindicato dos roteiristas. Pra quem está embarcando agora, o WGA é o mais complicado porque ele exige uma série de cumprimento de regras como filiação ao sindicato, e não reconhece roteiros de animações (com isso, quem sai perdendo é o próprio sindicato).

Os roteiros ausentes na lista do WGA não perdem muito, mas se forem lembrados, suas campanhas encorpam para o Oscar. Ano passado, os vencedores Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome repetiram suas vitórias no Oscar. Apesar de serem rígidos, na última década, 2/3 dos indicados do WGA foram indicados ao Oscar também.

Este ano, entre as ausências mais notáveis que foram desqualificadas pelas toneladas de regras estão: A Favorita, Não Deixe Rastros, Domando o Destino, A Morte de Stalin, Hereditário e Sorry to Bother You, além dos estrangeiros Guerra Fria e Capernaum, e as animações Os Incríveis 2 e Ilha dos Cachorros. Já os esnobados foram Paul Schrader (No Coração da Escuridão) e Josh Singer (O Primeiro Homem).

Entre os indicados, destaque para os sucessos comerciais de Um Lugar Silencioso, Nasce uma Estrela e Pantera Negra, que pode repetir o feito de Logan (2017), que foi indicado no WGA e Oscar, tornando-se o primeiro roteiro indicado ao Oscar baseado em quadrinhos de super-heróis.

black panther 056

Indicado ao WGA: Cena de Pantera Negra (pic by outnow.ch)

Pela categoria de Documentário, o curioso foi a total ausência de trabalhos reconhecidos em premiações anteriores como Won’t You Be My Neighbor, Free Solo e RBG, mas dá notoriedade para outros como o de Michael Moore, Fahrenheit 11/09.

ROTEIRO ORIGINAL
* Bo Burnham (Oitava Série)
* Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
* Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, história de Bryan Woods e Scott Beck (Um Lugar Silencioso)
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Adam McKay (Vice)

ROTEIRO ADAPTADO
Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee – Baseado no livro de Ron Stallworth (Infiltrado na Klan)
* Ryan Coogler, Joe Robert Cole – Baseado nos quadrinhos da Marvel Comics de Stan Lee e Jack Kirby (Pantera Negra)
* Nicole Holofcener e Jeff Whitty – Baseado no livro de Lee Israel (Poderia Me Perdoar?)
* Barry Jenkins – Baseado no romance de James Baldwin (Se a Rua Beale Falasse)
* Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters – Baseado no roteiro de 1954 de Moss Hart, no roteiro de 1976 de John Gregory Dunne, Joan Didion e Frank Pierson, baseado na história William Wellman e Robert Carson (Nasce uma Estrela)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Ozzy Inguanzo & Dava Whisenant (Bathtubs Over Broadway)
* Michael Moore (Fahrenheit 11/9)
* Lauren Greenfield (Generation Wealth)
* Gabe Polsky (In Search of Greatness)

***

O anúncio dos vencedores do WGA ocorre no dia 17 de fevereiro.

roma dp_

Cena dentro do cinema em Roma, de Alfonso Cuarón (pic by IMDb)

A Associação Americana de Diretores de Fotografia (ASC) também divulgou suas seleções de trabalhos. A lista demonstra diversidade técnica que vai da película de 65 mm de Roma, passando pela exploração das luzes de velas em A Favorita, até o multi-formato de O Primeiro Homem.

Felizmente, é daqueles ano em que podemos dizer “Qualquer um que ganhar merece”. Até o momento, o trabalho mais premiado foi de Alfonso Cuarón por Roma, aliás, ele se tornou o primeiro DP (director of photography) a ser indicado na categoria principal fotografando o próprio filme que dirigiu. Em 2016, Cary Joji Fukunaga conseguiu o mesmo feito por Beasts of No Nation, mas pela categoria  Spotlight Award.

Pelas estatísticas, 80% dos trabalhos nas listas do ASC vão parar na categoria de Fotografia do Oscar. Normalmente, quatro estão em ambas as listas, e um é substituído. À princípio, nessa dança das cadeiras, Matthew Libatique por Nasce uma Estrela pode perder seu lugar para um dos ausentes mais comentados: Rachel Morrison (que se tornou a primeira DP mulher indicada ao ASC e ao Oscar por Mudbound) por Pantera Negra, ou James Laxton por Se a Rua Beale Falasse.

MELHOR FOTOGRAFIA
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
* Robbie Ryan (A Favorita)
* Linus Sandgren (O Primeiro Homem)
* Łukasz Żal (Guerra Fria)

PRÊMIO SPOTLIGHT
* Joshua James Richards (Domando o Destino)
* Giorgi Shvelidze (Namme)
* Frank van den Eeden (Girl)

THE RIDER

Joshua James Richards conseguiu explorar o melhor no singelo Domando o Destino (pic by IMDb)

Pela categoria do prêmio Spotlight para filmes menos conhecidos, Joshua James Richards merece o destaque por explorar a beleza natural do cenário, identificando sua luz no protagonista e seu paixão pelo cavalo em Domando o Destino, que faturou o prêmio de Melhor Filme no último Gotham Award.

***

A cerimônia do 33º ASC Awards está marcado para o dia 09 de fevereiro.

blackkkansman8

John David Washington e Laura Harrier em cena de Infiltrado na Klan (pic by outnow.ch)

Com cerca de 1.000 membros, o sindicato de Montadores também anunciou seus indicados na última segunda. Aqui a porcentagem de acerto é um pouco melhor do que a de Fotografia com 88% considerando os últimos 25 anos.

Aqui, como no Globo de Ouro, o Eddie é dividido em duas categorias: Drama e Comédia, além das de Animação e Documentário, o que dificulta no esquecimento de alguns trabalhos mais fortes. No ano passado, Dunkirk levou Montagem – Drama e acabou ficando com o Oscar também. Normalmente, os filmes de ação e guerra têm boa vantagem em relação aos demais gêneros. E o prêmio costuma revelar o Melhor Filme. Dificilmente o filme que levar Melhor Filme não vai estar indicado ao Oscar de Montagem.

Achei curiosa a indicação de Infiltrado na Klan como Drama. Apesar do tema sério do racismo, fica nítido que Spike Lee dirigiu uma comédia. O resultado pode ser catastrófico como no Globo de Ouro, de onde saiu de mãos abanando.

MELHOR MONTAGEM (DRAMA)
* Barry Alexander Brown (Infiltrado na Klan)
* John Ottman (Bohemian Rhapsody)
* Tom Cross (O Primeiro Homem)
* Alfonso Cuarón & Adam Gough (Roma)
* Jay Cassidy (Nasce uma Estrela)

MELHOR MONTAGEM (COMÉDIA)
* Myron Kerstein (Podres de Ricos)
* Craig Alpert, Elísabet Ronaldsdóttir, Dirk Westervelt (Deadpool 2)
* Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)
* Patrick J. Don Vito (Green Book: O Guia)
* Hank Corwin (Vice)

MELHOR MONTAGEM DE ANIMAÇÃO
* Stephen Schaffer (Os Incríveis 2)
* Andrew Weisblum, Ralph Foster, Edward Bursch (Ilha dos Cachorros)
* Robert Fisher, Jr. (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO
* Bob Eisenhardt (Free Solo)
* Carla Gutierrez (RBG)
* Michael Harte (Três Estranhos Idênticos)
* Jeff Malmberg, Aaron Wickenden (Won’t You Be My Neighbor?)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO (FEITO PARA TV)
* Martin Singer (A Final Cut for Orson: 40 Years in the Making)
* Greg Finton, Poppy Das (Robin Williams: Come Inside My Mind)
* Neil Meiklejohn (Wild Wild Country, Part 3)
* Joe Beshenkovsky (The Zen Diaries of Garry Shandling)

***

A cerimônia do 69º Eddie Awards acontecerá no dia 1º de fevereiro.

'A Star Is Born' Film - 2018

Bradley Cooper explica cena para diretor de fotografia Matthew Libatique para Nasce uma Estrela (pic by Variety)

Entre todos os prêmios de sindicato, o Directors Guild of America (DGA) é o mais importante pelo seu histórico de ter apenas sete divergências entre ele e o Oscar, sendo a última em 2013, naquele episódio fatídico do Ben Affleck ficar de fora da categoria por Argo. As estatísticas, como citei, são as maiores: 90% de acerto em relação ao Oscar, ou seja, quem ganhar aqui, está com uma das mãos na estatueta dourada.

MELHOR DIREÇÃO

  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)

Apesar da vasta filmografia, Spike Lee é apenas o quinto diretor negro indicado ao DGA. O primeiro foi Lee Daniels (Preciosa) em 2010, Steve McQueen (12 Anos de Escravidão) em 2014, Barry Jenkins (Moonlight) em 2017 e Jordan Peele (Corra!) ano passado. Na verdade, esse é um dado estatístico que não costumo dar muita importância, porque parece que estou pedindo mais diretores negros indicados APENAS pela cor da pele. Gostaria de ver diretores negros mais reconhecidos apenas por seus trabalhos, assim como queria que Spike Lee tivesse sido indicado lá atrás em 1990 por Faça a Coisa Certa.

Ainda na temática politicamente correta, houve bons trabalhos de diretoras mulheres em 2018 como Poderia Me Perdoar?, da Marielle Heller, e Mais uma Chance, da Tamara Jenkins, mas particularmente, se fosse defender campanha feminina seria apenas da Chloé Zhao no independente Domando o Destino.

Voltando à lista do DGA, a inclusão de Peter Farrelly foi uma surpresa. Apesar da recente vitória de seu Green Book no Globo de Ouro ter ajudado bastante, o diretor nunca gozou de uma boa reputação como diretor em Hollywood, porque suas comédias escrachadas e politicamente incorretas sempre sofreram preconceito. Por isso, se alguém da lista não conseguir espaço no Oscar, acredito que será ele.

Por outro lado, se alguém conseguir surpreender, temos alguns nomes na fila de espera como o de Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse), Damien Chazelle (O Primeiro Homem), Yorgos Lanthimos (A Favorita) e até Ryan Coogler (Pantera Negra).

MELHOR DIRETOR ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Carlos Lopez Estrada (Ponto Cego)
  • Matthew Heineman (A Private War)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)

Na categoria de estreantes, Bradley Cooper aparece novamente e é o que mais tem chances de vitória, a menos que ganhe Direção e o prêmio de estreante vá para outro. Se for para Bo Burnham, seria um prêmio bem justo, pois ele trouxe muita energia e vibração desta nova geração de adolescentes em Oitava Série.

eighth-grade-bo-burnham

Bo Burnham dirige Elsie Fisher em cena de Oitava Série (pic by Vanity Fair)

Não vi os demais diretores indicados aqui, mas sem querer menosprezar esses trabalhos, ressalto aqui a estréia corajosa de Ari Aster em Hereditário, que mostrou muita personalidade na criação de atmosfera de terror psicológico, e Aneesh Chaganti por Buscando…, que teve ótimas sacadas para seu filme se apoiar exclusivamente de telas de celular, computador e TV.

Sobre Matthew Heineman, um fato curioso: ele foi indicado como estreante, mas já ganhou dois prêmios do DGA por Cartel Land e City Ghosts, mas como se tratam de documentários, eles consideram estréia na ficção.

***

A 71ª cerimônia de premiação do DGA está agendada para o dia 02 de fevereiro. 

‘BOHEMIAN RHAPSODY’ SURPREENDE e CONQUISTA 2 GLOBOS DE OURO, INCLUINDO MELHOR FILME – DRAMA, mas noite é da NETFLIX

andy samberg sandra oh globe

Andy Samberg e Sandra Oh apresentam o Globo de Ouro (pic by Variety)

Para você que achou que Vice levaria tudo nas categorias de comédia, e que Nasce uma Estrela surrupiaria tudo nas de drama, o pessoal do Globo de Ouro resolveu bagunçar as casas de apostas. A Hollywood Foreign Press Association (HFPA) é fã de Queen!

Na reta final da cerimônia, mais precisamente no último bloco, a cinebiografia chapa branca de Bohemian Rhapsody levou Melhor Ator – Drama para Rami Malek, e em seguida, a equipe subiu ao palco, juntamente com os integrantes da banda Queen, para receber Melhor Filme. Curiosamente, o filme sequer tinha seu diretor (ou melhor, diretores Bryan Singer e Dexter Fletcher indicados), mas o sucesso comercial de mais 700 milhões arrecadados fez a diferença. Malek sequer mencionou Singer no palco, já que eles brigaram durante as filmagens, quando o diretor não comparecia nos horários. Apesar da confusão dos bastidores, as músicas da banda tocadas no filme foram a verdadeira fórmula do sucesso.

rami_malek_0

Rami Malek agradece todos, exceto Bryan Singer, ao levar Melhor Ator por Bohemian Rhapsody.

Green Book: O Guia surpreendeu ao conquistar três prêmios, especialmente o de Roteiro e Filme – Comédia ou Musical. A premiação de Mahershala Ali como coadjuvante obviamente reforça sua campanha ao Oscar, mas é preciso lembrar duas coisas: Ele ganhou o Oscar há dois anos por Moonlight, e o Globo de Ouro não o premiou naquele ano, quando Aaron Taylor-Johnson levou por Animais Noturnos. O filme de Peter Farrelly, Green Book, é aquele típico de fórmula com história verídica de dois personagens de culturas diferentes, mas que ganha seu público com certa facilidade, tanto que levou o prestigiado prêmio de público do Festival de Toronto.

A grande produtora da noite acabou sendo a Netflix, que conquistou 5 Globos de Ouro: 2 pelo mexicano Roma,  2 pela série O Método Kominsky, e 1 pela série Bodyguard, todos disponíveis no catálogo do serviço de streaming. A vitória de Roma na categoria de Filme Estrangeiro era esperada, mas Melhor Direção ainda era incerta, já que Bradley Cooper era um candidato fortíssimo, mesmo sendo seu projeto de estréia. Acabou saindo de mãos abanando da cerimônia, apesar de ter visto Lady Gaga levando por Melhor Canção com “Shallow”. Outra que saiu sem prêmios apesar da dupla indicação foi Amy Adams, que perdeu como Coadjuvante por Vice, e como Atriz de série por Sharp Objects.

alfonso-cuaron-best-director-golden-globes

O diretor Alfonso Cuarón venceu por Filme Estrangeiro e Direção por Roma (pic by Vanity Fair)

Gostei da vitória de Glenn Close como Melhor Atriz por A Esposa (previsão de estréia aqui no dia 10 de janeiro). Com todo o hype em cima de Lady Gaga, até ela ficou surpresa quando anunciaram seu nome. O filme em si é meio fraquinho, mas a personagem dela é bem interessante e atual. Ela faz a esposa de um escritor que ganha o prêmio Nobel de Literatura, mas vamos descobrindo que ela abdicou sua vida profissional em prol do casamento e bons costumes da época. E no discurso de agradecimento, Glenn Close citou sua mãe, que passou pela mesma situação, concluindo que, apesar das dificuldades e da maternidade, “nós [as mulheres] temos que dizer ‘Eu posso fazer aquilo e eu deveria se permitir fazer aquilo”. O público presente ficou emocionado e a ovacionou. Certamente, um discurso que alavanca sua campanha rumo ao primeiro Oscar às alturas.

glenn close golden globe

Glenn Close aceita seu Globo de Ouro por A Esposa.

Muito boas as vitórias de Trilha Musical para Justin Hurwitz em O Primeiro Homem, e Melhor Longa de Animação para o fantástico Homem-Aranha no Aranhaverso. Não vi o filme Vice, mas só pelo discurso de Christian Bale agradecendo Satã pela inspiração para interpretar Dick Cheney é memorável! E adorei quando Olivia Colman chamou Emma Stone e Rachel Weisz de “my bitches” quando levou Melhor Atriz – Comédia ou Musical por A Favorita. A vitória de Regina King como Coadjuvante por Se a Rua Beale Falasse ajuda, mas não apaga o fato de ela estar ausente da lista no SAG Awards.

Sobre a apresentação dos hosts Andy Samberg e Sandra Oh, eu poderia dizer “nice try” (boa tentativa). Tiveram alguns momentos engraçados como a “expulsão” de Jim Carrey da seção dos artistas de cinema, mas o melhor momento mesmo foi quando Sandra Oh levou o prêmio de Atriz em série por Killing Eve. Ela agradeceu a equipe e aos pais presentes, dizendo “Pai, mãe, eu amo vocês” em coreano.

sandra oh gg

Sandra Oh posa com seu Globo de Ouro de Melhor Atriz pela série Killing Eve

Ainda aproveitando o momento emotivo, bela homenagem a Jeff Bridges que, só pela montagem de clipes, dá pra ver que ele fez muitos filmes bons com ótimos diretores. E também pela singela homenagem a Carol Burnett, que teve o prêmio para TV batizado com seu nome. “Isso significa que terei que aceitar o prêmio todo ano?”, brincou Burnett.

E só mais um adendo: equipe da TNT Brasil, pelamor, vamos melhorar essa transmissão! Inúmeros erros de datilografia na legenda das imagens do tipo “Golen Globe” e confundindo uma atriz com Constance Wu, sem contar ainda com as péssimas entrevistas no tapete vermelho que parecem aquelas de campo de futebol.

VENCEDORES DO 76º GLOBO DE OURO

MELHOR FILME – DRAMA
Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Glenn Close (A Esposa)

MELHOR ATOR – DRAMA
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Green Book: O Guia (Green Book)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Olivia Colman (A Favorita)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Christian Bale (Vice)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Green Book: O Guia)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Roma (Roma) – MÉXICO

MELHOR DIREÇÃO
Alfonso Cuarón (Roma)

MELHOR ROTEIRO
Peter Farrelly, Nick Vallelonga, Brian Currie (Green Book: O Guia)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Shallow” (Nasce uma Estrela)

MELHOR SÉRIE – DRAMA
The Americans

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Sandra Oh (Killing Eve)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Richard Madden (Bodyguard)

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
“The Kominsky Method” (Netflix)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
Michael Douglas (The Kominsky Method)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story (FX)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Patricia Arquette (Escape at Dannemora)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Patricia Clarkson (Sharp Objects)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Ben Whishaw (A Very English Scandal)

NATIONAL BOARD OF REVIEW premia ‘GREEN BOOK: O GUIA’ como MELHOR FILME

 

Film Title: Green Book

Viggo Mortensen contracena com Mahershala Ali em cena de Green Book: O Guia

FILME-FÓRMULA SOBRE RELAÇÃO INTER-RACIAL CONQUISTA O NBR

O National Board of Review divulgou sua seleção de 2018 hoje, dia 27 de novembro. De todos os prêmios da crítica, o NBR é o que mais perdeu credibilidade nos últimos anos. Não somente por não prever os filmes do Oscar, mas por reconhecer produções de qualidade meio duvidosa.

Em 2017, a organização composta por cineastas, profissionais e acadêmicos concedeu o prêmio de Melhor Filme para The Post: A Guerra Secreta. Fala sério! Até o Spielberg sabe que este foi um de seus piores trabalhos! Em 2015, deram os prêmios de Ator para Matt Damon e Diretor para Ridley Scott por Perdido em Marte. E em 2014, premiaram O Ano Mais Violento como Melhor Filme e seus atores Oscar Isaac e Jessica Chastain.

Este ano, o NBR premiou Green Book: O Guia como Melhor Filme, e reconheceram Viggo Mortensen como Melhor Ator. Até então, o filme dirigido por Peter Farrelly tinha como maior reconhecimento em seu currículo o prêmio do People’s Choice Award no Festival de Toronto. Pode ser um ótimo filme? Sim, claro. Mas pelas críticas até o momento, o filme seria uma versão masculina da fórmula batida de Estrelas Além do Tempo e Histórias Cruzadas, ambos indicados ao Oscar de Melhor Filme. A questão racial continua em alta em Hollywood e Green Book certamente fará a alegria da ideologia do politicamente correto.

A Star is Born

Vencedores do NBR, Lady Gaga e Bradley Cooper em cena de Nasce uma Estrela (pic by OutNow.CH)

Pelas categorias de atuação, o histórico dos últimos cinco anos não é nada bom. Três acertos em 20 possíveis em relação ao Oscar, ou seja, Viggo Mortensen, Lady Gaga, Sam Elliott e Regina King não se animem muito! Com exceção de Elliott, acredito que os outros três vencedores estarão entre os futuros indicados pela Academia, mas mesmo assim, as chances de vitória ainda são relativamente baixas.

Pelas categorias de Roteiro, tanto Paul Schrader, que acabou de levar o Gotham Awards por First Reformed, como Barry Jenkins por Se a Rua Beale Falasse, devem ser figuras presentes durante toda esta temporada. Por se tratar de um filme meio pesado pela temática e até filosófico demais para o Oscar, acreditava que Schrader morreria na praia, mas com esses prêmios recentes, sua campanha pode deslanchar de vez. Já Jenkins, já premiado por Moonlight, não deve encontrar dificuldades de ser indicado novamente.

Honestamente, fiquei um pouco surpreso com a vitória de Bradley Cooper como Diretor por Nasce uma Estrela. Não que não mereça tal honraria, mas por se tratar de uma estréia na direção, poderiam tê-lo premiado como Diretor Estreante, que foi para Bo Burnham, merecidamente, por Oitava Série.

Dentre os filmes totalmente ignorados pelo NBR estão A Favorita, do Yorgos Lanthimos (nenhuma das três atrizes deu as caras por aqui), O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, o Vice, de Adam McKay, e o Infiltrado na Klan, de Spike Lee.

Por preferência pessoal, votaria em Ilha dos Cachorros no lugar de Os Incríveis 2 como Melhor Longa de Animação, e votaria no sul-coreano Em Chamas no lugar do polonês Guerra Fria como Filme em Língua Estrangeira. Aliás, foi uma surpresa Roma, de Alfonso Cuarón, não ter sido o premiado aqui, mas ficou entre os cinco melhores.

Cold War 2

Joanna Kulig e Tomasz Kot em cena de Guerra Fria (pic by OutNow.CH)

Apesar da lista de vencedores já ter sido divulgada, a cerimônia de entrega dos prêmios só acontecerá no dia 08 de janeiro em Nova York.

Vencedores do National Board of Review 2018:

FILME
Green Book: O Guia (Green Book)

DIREÇÃO
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)

ATOR
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

ATRIZ
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

ATOR COADJUVANTE
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)

ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

ROTEIRO ORIGINAL
Paul Schrader (First Reformed)

ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)

LONGA DE ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2 (Incredibles 2)

REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)

DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Guerra Fria (Zimna wojna), de Pawel Pawlikowski

DOCUMENTÁRIO
RBG, de Julie Cohen e Betsy West

ELENCO
Podres de Ricos (Crazy Rich Asians)

WILLIAM K. EVERSON FILM HISTORY AWARD
O Outro Lado do Vento (The Other Side of the Wind), de Orson Welles

Serei Amado Quando Morrer (They’ll Love Me When I’m Dead), de Morgan Neville

NBR FREEDOM OF EXPRESSION AWARD
22 de Julho (22 July), de Paul Greengrass
On Her Shoulders, de Alexandria Bombach

TOP 10 FILMES (em ordem alfabética)
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra (Black Panther)
Poderia me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?)
Oitava Série (Eighth Grade)
First Reformed
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)
Roma
Nasce uma Estrela (A Star Is Born)

TOP 5 FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA (in alphabetical order)
Em Chamas (Beoning)
Custódia (Jusqu’à la garde)
A Culpa (Den skyldige)
Happy as Lazzaro (Lazzaro Felice)
Assunto de Família (Manbiki kazoku)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS (in alphabetical order)
Crime + Punishment
Free Solo
Minding the Gap
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES (in alphabetical order)
A Morte de Stalin (The Death of Stalin)
A Rota Selvagem (Lean on Pete)
Não Deixe Rastros (Leave No Trace)
Mid90s
The Old Man & the Gun
Domando o Destino (The Rider)
Buscando… (Searching)
Sorry to Bother You
We the Animals
Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

‘DOMANDO O DESTINO’ rouba a cena no GOTHAM AWARDS

THE RIDER

Brady Jandreau em cena do vencedor do Gotham Domando o Destino (pic by The Hollywood Reporter)

LANÇADO EM 2017, ‘DOMANDO O DESTINO’ CONTINUA CONQUISTANDO PRÊMIOS

Com três produções com chances no Oscar no páreo de Melhor Filme no Gotham, premiação do cinema independente, foi o humilde Domando o Destino (The Rider) que acabou conquistando o maior prêmio da noite.

Dirigido pela chinesa Chloé Zhao, o filme acompanha a recuperação do peão de rodeio Brady após um acidente com seu cavalo. Baseado na vida do peão Brady Jandreau, Domando o Destino foi uma forma ficcional da diretora recontar sua história. Curiosamente, o filme concorreu ao Independent Spirit Awards de 2017, mas volta agora à temporada de premiações pelo Gotham.

Em sua 34ª edição, o Gotham Awards elevou seu grau de importância no cenário quando coincidiu seus vencedores com os do Oscar de Melhor Filme em 3 oportunidades consecutivas com Moonlight, Spotlight e Birdman. Ano passado, o Gotham elegeu Me Chame Pelo seu Nome, mas deu A Forma da Água no Oscar.

Pelas categorias de atuação, o Gotham conquistou acertos bem esporádicos como Julianne Moore (Para Sempre Alice) e Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar). Assim sendo, os vencedores deste ano: Ethan Hawke (First Reformed) e Toni Collette (Hereditário) podem não ter grandes chances no Oscar, mas certamente são vitórias merecidas que precisam ser celebradas.

ethan hawke

Ethan Hawke aceita prêmio de Ator por First Reformed (pic by IMDb)

Excetuando o prêmio de Melhor Filme, o grande vencedor da edição foi o drama adolescente Oitava Série, que ganhou dois prêmios: de Atuação Revelação para Elsie Fisher, e de Direção Revelação para o jovem Bo Burnham. Trata-se de um retrato bem fresco dessa nova geração de jovens e como eles lidam com interação social e familiar com o suporte da tecnologia.

bo burnham

O diretor estreante Bo Burnham de Oitava Série discursa no palco do Gotham (pic by IMDb)

Apesar da categoria de Atuação Revelação ser unissex, este ano foi composta apenas por mulheres: além de Fisher, estavam indicadas a mexicana Yalitza Aparicio de Roma, Helena Howard de A Madeline de Madeline, KiKi Layne de Se a Rua Beale Falasse e Thomasin McKenzie de Não Deixe Rastros, atestando uma força feminina nos filmes.

Vale destacar os dois prêmios também para o drama existencial First Reformed, que além de levar o prêmio de Ator para Ethan Hawke, conquistou o de Roteiro para o veterano Paul Schrader. Também indicado ao Independent Spirit, Schrader está caminhando bem para sua possível primeira indicação ao Oscar. Seria uma ótima oportunidade de reconhecer o roteirista de Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980).

paul schrader

Diretor e roteirista Paul Schrader aceita o prêmio de Roteiro por First Reformed (pic by Arizona Daily Star)

Confira os vencedores do 34º Gotham Awards assinalados na cor laranja:

MELHOR FILME
First Reformed
A Favorita (The Favorite)
Madeline de Madeline (Madeline’s Madeline)
If Beale Street Could Talk
Domando o Destino (The Rider)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Bisbee ‘17
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Shirkers
Won’t You Be My Neighbor?

PRÊMIO BINGHAM RAY PARA DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)
Ari Aster (Hereditário)
Boots Riley (Sorry to Bother You)
Crystal Moselle (Skate Kitchen)
Jennifer Fox (O Conto)

MELHOR ROTEIRO
Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)
Cory Finley (Thoroughbreds)
Paul Schrader (First Reformed)
Tamara Jenkins (Mais uma Chance)
Andrew Bujalski (Support the Girls)

MELHOR ATOR
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Ben Foster (Não Deixe Rastros)
Richard E. Grant (Poderia me Perdoar?)
Ethan Hawke (First Reformed)
Lakeith Stanfield (Sorry to Bother You)

MELHOR ATRIZ
Glenn Close (A Esposa)
Toni Collette (Hereditário)
Kathryn Hahn (Mais uma Chance)
Regina Hall (Support the Girls)
Michelle Pfeiffer (Where is Kyra?)

ATOR OU ATRIZ REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)
Helena Howard (A Madeline de Madeline)
Kiki Layne (If Beale Street Could Talk)
Elsie Fisher (Oitava Série)
Yalitza Aparicio (Roma)

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS LONGOS
Alias Grace
Big Mouth
The End of the F***ing World
Killing Eve
Pose
Sharp Objects

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS CURTOS
195 Lewis
Cleaner Daze
Distance
The F Word
She’s the Ticket

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI PARA PERFORMANCE DE ELENCO
Olivia Colman, Emma Stone, Rachel Weisz (A Favorita)

‘OITAVA SÉRIE’, ‘FIRST REFORMED’ e ‘SE A RUA BEALE FALASSE’ DISPUTAM MELHOR FILME no INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

EIGHT GRADE

Elsie Fisher e Josh Hamilton em diálogo tocante em Oitava Série (pic by IMDb)

PREMIAÇÃO AMERICANA INDEPENDENTE ANUNCIA SUA SELEÇÃO COM FAVORITOS AUSENTES POR ELEGIBILIDADE

Há algumas semanas, o Gotham Awards foi o primeiro prêmio da temporada a revelar seus indicados, mas como ainda é tradição, a corrida pelo Oscar só começa oficialmente com os indicados ao Independent Spirit Awards!

Em sua 34ª edição, a premiação tem sido um dos principais parâmetros para o Oscar. Com exceção deste ano, quando Corra! levou Melhor Filme no Spirit, nos quatro anos anteriores, todas as produções que se consagraram com o Oscar de Melhor Filme, foi vencedor no Spirit antes:  Moonlight, Spotlight, Birdman, e 12 Anos de Escravidão. Tá bom pra você?

Porém, nesta edição, por causa das regras de elegibilidade, algumas produções consideradas favoritas para esta temporada não poderão competir aqui como o mexicano Roma, de Alfonso Cuarón, e A Favorita, de Yorgos Lanthimos, por serem produções estrangeiras (teriam de ser norte-americanas). Além, claro, de terem de respeitar o teto do orçamento que é de 20 milhões de dólares, o que desqualificou A Forma da Água no ano passado, e este ano barrou franco-favoritos como Nasce uma Estrela, O Primeiro Homem e Green Book – O Guia.

Curiosamente, o anúncio dos indicados estava previsto para o próximo dia 19, mas por algum motivo foi adiantado para hoje, dia 16. O evento contou com a colaboração das atrizes Gemma Chan (do mega sucesso Podres de Ricos – muito linda e com um belo sotaque britânico!) e Molly Shannon (vencedora do Independent Spirit em 2016 pelo drama Other People). Confira o vídeo do canal oficial do Film Independent:

NÚMEROS DO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

Um fato bem curioso: o recordista de indicações desta edição sequer foi indicado a Melhor Filme. We the Animals, de Jeremiah Zagar, conquistou o total de 5 indicações, mas não foi incluído na principal categoria. Este drama familiar foi lançado no último festival de Sundance e agora disputa em categorias importantes como Ator Coadjuvante (Raúl Castillo) e Fotografia.

Em segundo lugar, temos duas produções da A24 (uma das produtoras mais em evidência nos últimos anos): Oitava Série e First Reformed, ambos com 4 indicações cada. E também com 4, o drama Você Nunca Esteve Realmente Aqui, de Lynne Ramsay, que apesar de ter concorrido à Palma de Ouro em Cannes em 2017, conseguiu ser distribuído em solo americano somente neste ano.

Logo em seguida, com 3 indicações, vem um dos possíveis candidatos ao Oscar 2019: Se a Rua Beale Falasse, novo trabalho do diretor de Moonlight, Barry Jenkins. A adaptação de James Baldwin foi lembrada nas categorias Filme, Diretor e Atriz Coadjuvante para Regina King. Também indicados a 3 prêmios estão Mais Uma Chance, de Tamara Jenkins, e Não Deixe Rastros, de Debra Granik, ambas diretoras indicadas na categoria de Direção.

PRIVATE LIFE

No centro, Paul Giamatti, e à direita Kathryn Hahn, conversam com Kayli Carter em cena de Mais uma Chance (pic by IMDb)

COMENTÁRIOS

Como consegui assistir já a alguns filmes indicados, consigo dar algumas impressões. Primeiramente, fiquei super feliz pelas indicações de First Reformed e Oitava Série. Não haveria Independent Spirit sem essas duas produções.

A primeira é o novo trabalho do veterano Paul Schrader, mais conhecido por ser o roteirista de Taxi Driver e de ter dirigido Gigolô Americano e Temporada de Caça. Ele retorna com este profundo e poderoso estudo da religião frente às descrenças humanas na sociedade. Ultimamente, tem sido tão raro encontrar um filme estrelado por um padre sem envolver exorcismo, demônios ou pedofilia, que já se torna algo digno de nota. A direção de Schrader é nua e crua, mas com alguns requintes de surrealismo. E temos aqui uma ótima performance de Ethan Hawke, que merece ser lembrado nas próximas premiações.

first reformed

Ethan Hawke e Amanda Seyfried dialogam em cena de First Reformed (pic by IMDb)

Já a segunda é dirigida e escrita por um estreante com histórico youtuber Bo Burnham. Ele fez este singelo testamento da juventude e como ela lida com as relações sociais enquanto dialoga com a tecnologia. Apresenta cenas que vão do terror como a da piscina (com direito à trilha) até adoráveis como o diálogo entre pai e filha sentados em frente à fogueira. A indicação de Melhor Atriz para a jovem Elsie Fisher foi fantástica! Até então, ela era apenas conhecida por dublar uma menina na animação de Meu Malvado Favorito.

Falando em categoria de Atriz, temos uma exceção nesta edição com 6 indicadas. Além de Fisher, achei ótimas as inclusões de Helena Howard (esta menina está incrível em Madeline de Madeline, com um talento daqueles natos num filme que sobre a verdadeira natureza da atuação) e Toni Collette, que concorre pelo ótimo filme de gênero Hereditário. Também vale a pena destacar a indicação de Glenn Close por A Esposa, já que ela vem se tornando a franco-favorita para ganhar finalmente seu primeiro Oscar após 6 indicações.

MADELINE

Helena Howard é uma explosão de talento no experimental Madeline de Madeline (pic by IMDb)

Fiquei um pouco surpreso com a indicação de Melhor Ator para John Cho por Buscando…. Apesar de ele segurar a onda praticamente sozinho durante o filme todo, que se passa em telas de celular e computador, achei um pouco forçada esta indicação. E pela indicação de Adam Driver ser a única do novo filme de Spike Lee, Infiltrado na Klan, que vinha sendo bem cotado para o Oscar.

Destaque para as indicações brasileiras de Melhor Ator para Christian Malheiros e Someone to Watch Award para o diretor Alex Moratto por Sócrates. Malheiros interpreta um jovem que perde sua mãe, enquanto procura um jeito de se virar sozinho e descobre sua sexualidade. Confira o trailer:

Achei formidáveis as indicações de Fotografia para Suspiria (Sayombhu Mukdeeprom) e Mandy (Benjamin Loeb). São trabalhos bastante vistosos que mereciam esse destaque para permanecerem em alta na corrida para o Oscar. Também ressalto a indicação de Em Chamas, de Chang-dong Lee, pela Coréia do Sul na categoria de Filme Internacional. Caso avance para o Oscar, será a primeira indicação merecida para o cinema sul-coreano. Claro que a categoria de estrangeiros está bem representada também por Roma (México), Assunto de Família (Japão), A Favorita (Reino Unido) e Happy as Lazzaro (Itália).

BURNING

Cena do longa sul-coreano Em Chamas, baseado em conto do escritor Haruki Murakami (pic by IMDb)

AUSÊNCIAS

Entre as ausências mais sentidas foram de Melissa McCarthy por Poderia Me Perdoar?. Ela consegue balancear com muita graça seu lado dramático com seu conhecido timing cômico nesta cinebiografia de Lee Israel. Apesar de não ter aparecido aqui na lista, tem grandes chances de aparecer no Oscar e receber sua indicação. Curiosamente, seu colega de tela, Richard E. Grant, foi reconhecido como Ator Coadjuvante. Ainda na categoria de Atriz, Michelle Pfeiffer poderia ter sido lembrada por Where is Kyra?. Sua salvação pode ser os prêmios da crítica, o Critics’ Choice ou o Globo de Ouro.

Na categoria masculina, senti falta do Ben Foster pelo indicado Não Deixe Rastros, assim como Timothée Chalamet ou Lucas Hedges por Beautiful Boy e Boy Erased, respectivamente, na categoria de Ator Coadjuvante. E o já citado Spike Lee, pelo menos na categoria de Roteiro por Infiltrado na Klan.

INDICADOS AO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2019:

MELHOR FILME

  • Oitava Série (Eighth Grade)
  • First Reformed
  • Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
  • Não Deixe Rastros (Leave no Trace)
  • Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

MELHOR DIREÇÃO

  • Debra Granik (Não Deixe Rastros)
  • Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)
  • Tamara Jenkins (Mais Uma Chance)
  • Lynne Ramsay (Você Nunca Esteve Realmente Aqui)
  • Paul Schrader (First Reformed)

FILME DE ESTRÉIA

  • Hereditário (Hereditary)
  • Sorry to Bother You
  • O Conto (The Tale)
  • We the Animals
  • Vida Selvagem (Wildlife)

MELHOR ATOR

  • John Cho (Buscando…)
  • Daveed Diggs (Ponto Cego)
  • Ethan Hawke (First Reformed)
  • Christian Malheiros (Sócrates)
  • Joaquin Phoenix (Você Nunca Esteve Realmente Aqui)

MELHOR ATRIZ

  • Glenn Close (A Esposa)
  • Toni Collette (Hereditário)
  • Elsie Fisher (Oitava Série)
  • Regina Hall (Support the Girls)
  • Helena Howard (Madeline de Madeline)
  • Carey Mulligan (Vida Selvagem)
  • Kayli Carter (Mais Uma Chance)
  • Tyne Daly (A Bread Factory)
  • Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
  • Thomasin Harcourt McKenzie (Não Deixe Rastros)
  • J. Smith-Cameron (Nancy)
MELHOR ATOR COADJUVANTE
  • Raúl Castillo (We the Animals)
  • Adam Driver (Infiltrado na Klan)
  • Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
  • Josh Hamilton (Oitava Série)
  • John David Washington (Monsters and Men)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Ashley Connor (Madeline de Madeline)
  • Diego Garcia (Vida Selvagem)
  • Benjamin Loeb (Mandy)
  • Sayombhu Mukdeeprom (Suspiria)
  • Zak Mulligan (We the Animals)


MELHOR ROTEIRO

  • Richard Glatzer, Rebecca Lenkiewicz, Wash Westmoreland (Colette)
  • Nicole Holofcener & Jeff Whitty (Poderia Me Perdoar?)
  • Tamara Jenkins (Mais Uma Chance)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)
  • Paul Schrader (First Reformed)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Christina Choe (Nancy)
  • Cory Finley (Puro-Sangue)
  • Jennifer Fox (O Conto)
  • Quinn Shephard, Laurie Shephard (Blame)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Hale County this Morning, This Evening
  • Minding the Gap
  • Of Fathers and Sons
  • On Her Shoulders
  • Shirkers
  • Won’t You be my Neighbor?

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Em Chamas. Dir: Chang-dong Lee (Coréia do Sul)
  • A Favorita. Dir: Yorgos Lanthimos (Reino Unido)
  • Happy as Lazzaro. Dir: Alice Rohrwacher (Itália)
  • Roma. Dir: Alfonso Cuarón (México)
  • Assunto de Família. Dir: Hirokazu Koreeda (Japão)

TRUER THAN FICTION AWARD

  • Alexandria Bombach (On Her Shoulders)
  • Bing Liu (Minding the Gap)
  • RaMell Ross (Hale County This Morning, This Evening)

PRODUCERS AWARD

  • Jonathan Duffy, Kelly Williams
  • Gabrielle Nadig
  • Shrihari Sathe


THE SOMEONE TO WATCH AWARD

  • Alex Moratto (Sócrates)
  • Ioana Uricaru (Lemonade)
  • Jeremiah Zagar (We the Animals)

THE BONNIE AWARD

  • Debra Granik
  • Tamara Jenkins
  • Karyn Kusama
ROBERT ALTMAN AWARD
SUSPIRIA
Diretor: Luca Guadagnino
Diretores de Casting: Avy Kaufman, Stella Savino
Elenco: Malgosia Bela, Ingrid Caven, Lutz Ebersdorf, Elena Fokina, Mia Goth, Jessica Harper, Dakota Johnson, Gala Moody, Chloë Grace Moretz, Renée Soutendijk, Tilda Swinton, Sylvie Testud, Angela Winkler
***
A 34ª cerimônia do Independent Spirit Awards está marcada para o dia 23 de fevereiro, um dia antes do Oscar, na praia de Santa Monica.

EM VÉSPERA do OSCAR, ‘CORRA!’ LEVA MELHOR FILME e DIRETOR no INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

Get-out-spirit-awards-20180303.jpg

No centro, Jordan Peele levanta o prêmio de Melhor Filme do Independent Spirit Awards por Corra! (pic by latimes.com)

FILME DE TERROR PODE ENTRAR PARA O HALL DOS VENCEDORES DO INDEPENDENT E OSCAR

Os tempos mudaram no Independent Spirit… Antigamente, o vencedor do prêmio passava bem longe do Oscar que acontece sempre no dia seguinte. De alguns anos pra cá, tem rolado uma dobradinha Independent-Oscar. Foi assim com O Artista, 12 Anos de Escravidão, Birdman, Spotlight e Moonlight.

O fato é que a indústria de cinema mudou desde a crise econômica dos EUA (por volta de 2008), e desde então, os estúdios e as premiações têm preferido produções de menor orçamento, pensando tanto em margem de lucro quanto qualidade. E nesse aspecto, o Independent Spirit se consagrou o eleito da temporada de premiações como novo parâmetro, pois seu regulamento exige que os indicados tenham orçamento de até 20 milhões de dólares, caso contrário, não compete.

Essa regra fundamental do Independent excluiu este ano filmes do Oscar como O Destino de uma Nação, Dunkirk e The Post, abrindo caminho para outros artistas menos favoritos desta temporada como Timothée Chalamet, que venceu o prêmio de Melhor Ator, no lugar do vitorioso frequente Gary Oldman. É claro que a um dia da cerimônia do Oscar, os votos já foram computados e o resultado do Independent pouco vai influenciar, mas ele já costuma dar um forte indicativo das intenções de votos de muitos membros da Academia.

Timothée Chalamet Independent.JPG

Timothée Chalamet sobe eufórico para receber o prêmio de Melhor Ator por Me Chame Pelo Seu Nome (pic by Tommaso Boddi, Getty Images throught USA Today)

Infelizmente, Chalamet foi a única surpresa das categorias de atuação diante do predomínio do favoritismo de Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney. Já nas categorias principais, as vitórias de Corra! e seu diretor Jordan Peele podem significar que o filme não está descartado na corrida das apostas perante Três Anúncios Para um Crime e A Forma da Água. Aliás, a vitória de Greta Gerwig na categoria de Melhor Roteiro pode indicar a possibilidade de ela receber a estatueta no Oscar como forma de compensação por perder como Diretora por Lady Bird.

GretaGerwig_Independent Spirit.jpg

Greta Gerwig é ovacionada enquanto recebe o prêmio de roteiro por Lady Bird. Pic by filmindependent.com

Mas voltando à vitória de Corra!, foi bem interessante ver que as duas figuras que se encarregaram de apresentar os prêmios de Diretor e Filme foram dois artistas negros do passado e do presente: o diretor Spike Lee e o ator sensação de Pantera Negra, Chadwick Boseman, respectivamente.

Importante lembrar que outros indicados ao Oscar como o filme chileno Uma Mulher Fantástica e o documentário Visages Villages também saíram premiados no Independent Spirit como Filme em Língua Estrangeira e Documentário, respectivamente.

Vencedores do 33º INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

MELHOR FILME

  • CORRA! (Get Out)
    Produtores: Jason Blum, Edward H. Hamm Jr., Sean McKittrick, Jordan Peele

MELHOR FILME DE DIRETOR ESTREANTE

  • INGRID GOES WEST
    Diretor: Matt Spicer
    Produtores: Jared Ian Goldman, Adam Mirels, Robert Mirels, Aubrey Plaza, Tim White, Trevor White

PRÊMIO JOHN CASSAVETES – Concedido a uma produção com orçamento abaixo de 500 mil dólares.

  • Life and nothing more
    Roteirista/Diretor: Antonio Méndez Esparza
    Produtores: Amadeo Hernández Bueno, Alvaro Portanet Hernández, Pedro Hernández Santos

MELHOR DIRETOR

  • Jordan Peele (Corra!)

MELHOR ROTEIRO

  • Greta Gerwig (Lady Bird)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Emily V. Gordon, Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR MONTAGEM

  • Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)

MELHOR ATRIZ

  • Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ATOR

  • Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Allison Janney (Eu, Tonya)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

PRÊMIO ROBERT ALTMAN – Concedido ao diretor, diretor de casting e ao elenco

  • Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi (Mudbound)
    Diretor: Dee Rees
    Diretores de Casting: Billy Hopkins, Ashley Ingram
    Elenco: Jonathan Banks, Mary J. Blige, Jason Clarke, Garrett Hedlund, Jason Mitchell, Rob Morgan, Carey Mulligan

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Visages Villages
    Diretores: Agnés Varda, JR
    Produtora: Rosalie Varda

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
    Chile
    Dir: Sebastián Lelio

PRÊMIO BONNIE – Este prêmio inaugural reconhecerá uma diretora no meio de sua carreira com um prêmio de 50 mil dólares.

  • Chloé Zhao

PRÊMIO JEEP TRUER THAN FICTION – Concedido a um diretor emergente de não-ficção que ainda não recebeu nenhum reconhecimento significante.

  • Jonathan Olshefski
    Diretor de Quest

PRÊMIO KIEHL’S SOMEONE TO WATCH – Reconhece um cineasta talentoso de visão singular que ainda não recebeu nenhum reconhecimento apropriado.

  • Justin Chon
    Diretor de Gook

PRÊMIO PIAGET DE PRODUTORES – Honra produtores emergentes, que com poucos recursos, demonstram criatividade, tenacidade e visão necessários para produzir filmes independentes de qualidade.

  • Summer Shelton
Emily V Gordon Kumail Nanjiani Independent

O casal de roteiristas na vida real Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon recebem o prêmio de Roteiro Estreante por Doentes de Amor (pic by Film Independent)

A 90ª cerimônia do Oscar acontece hoje, dia 04 de março, e será transmitida pelo canal TNT a partir das 22h, com tapete vermelho a partir das 20h.

Com VITÓRIAS no WGA, ‘CORRA!’ e ‘ME CHAME PELO SEU NOME’ SAEM FORTALECIDOS na RETA FINAL do OSCAR

Jordan Peele WGA.png

Jordan Peele discursa por sua vitória no WGA por Corra! (pic by David Buchan/Variety/REX/Shutterstock)

FILMES, QUE COMEÇARAM BEM A TEMPORADA, GANHAM NOVO GÁS A POUCAS SEMANAS DO OSCAR

Quando postei sobre os indicados ao WGA no início de janeiro, eu escrevi: “De todos esses prêmios de sindicatos, o mais chato, rígido e insignificante é o dos roteiristas”. Sim, é verdade: o WGA é o mais chato e rígido, mas errei ao dizer que era “insignificante”.

As coisas mudaram a favor do prêmio do sindicato dos roteiristas. Ano passado, ele foi uma espécie de divisor de águas no caso de La La Land e Moonlight. O musical franco-favorito estava levando todos os prêmios, mas assistiu ao drama racial levar a estatueta de Roteiro e ganhar novo fôlego na reta final do Oscar, e deu no que deu.

Claro que isso não significa necessariamente que o WGA continuará como o elixir da temporada, mas que devemos subestimá-lo. É importante ressaltar também que o último filme que venceu o Oscar de Melhor Filme que não levou o WGA (quando elegível) foi Menina de Ouro, lá no longínquo ano de 2005. No caso, o filme de Clint Eastwood conseguiu um impulso enorme nas últimas semanas diante de favoritos O Aviador e Sideways.

A relevância do roteiro no Oscar permanece praticamente intocável. Tanto que o último filme a vencer o Oscar de Melhor Filme sem sequer ter indicação de Roteiro, seja Original ou Adaptado, continua sendo Titanic, em 1998.

Mas voltando ao WGA, os vencedores ganharam não apenas mais um prêmio na temporada, mas um grande impulso que podem garantir uma estatueta na cerimônia e ganhar pontos na categoria de Melhor Filme. No momento, o grande favorito é A Forma da Água por causa dos prêmios que levou até agora como o PGA e DGA, e logo em seguida, vem Três Anúncios Para um Crime que, por não contar com uma indicação para seu diretor, pode perder o posto para Lady Bird (como o maior representante do movimento feminista) ou para os vencedores do WGA: Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome.

Particularmente, acredito no potencial de Corra! no Oscar e na possibilidade de maiores surpresas. Nesse último domingo, dia 11, Jordan Peele subiu ao palco e declarou: “Este era um projeto passional. Foi algo que trabalhei com amor, com alma, então ser reconhecido aqui significa muito,” lembrando que começou a escrever o roteiro em 2008.

Embora Corra! tenha batido fortes concorrentes que também estão indicados ao Oscar: Lady Bird, A Forma da Água e Doentes de Amor, vale lembrar que não superou Martin McDonagh e seu Três Anúncios Para um Crime, que não estava concorrendo no WGA por ser inelegível, portanto a briga estará bem mais acirrada no Oscar.

Pela categoria de Roteiro Adaptado, o cineasta veterano James Ivory subiu ao palco emocionado para discursar por Me Chame Pelo Seu Nome“Estou atônito com tudo isso! Eu só queria fazer um filme na Itália novamente”. Curiosamente esta foi a primeira indicação dele ao WGA aos 89 anos de idade.

james-ivory-writers-guild-st-thg-180212_3x2_992

O cineasta britânico James Ivory aceita o prêmio de Roteiro Adaptado por Me Chame Pelo Seu Nome no WGA. (pic by abc news)

Se antes dessa vitória, ele já era o franco-favorito, agora o filme de Luca Guadagnino praticamente garante uma estatueta no Oscar. A Academia também se sentirá na obrigação de reconhecer Ivory, já que ele tem três indicações como Diretor e nunca venceu por Uma Janela Para o Amor (1985), Retorno a Howards End (1992) e Vestígios do Dia (1993).

Pela categoria de documentário, o roteirista Brett Morgen levou o prêmio por Jane. “Escrever ‘Jane’ foi estimulante porque me permitiu viver no mágico mundo de Jane Goodall por surpreendentes três anos”. Infelizmente, Jane não conseguiu indicação como Melhor Documentário no Oscar.

 

Seguem os vencedores (em laranja) da 70ª edição do WGA Awards:

ROTEIRO ORIGINAL
* Emily V. Gordon & Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
* Jordan Peele (Corra!)
* Steven Rogers (Eu, Tonya)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água)

ROTEIRO ADAPTADO
* James Ivory; Baseado no romance de André Aciman (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Scott Neustadter e Michael H. Weber; Baseado no livro “The Disaster Artist: My Life Inside the Room, the Greatest Bad Movie Ever Made” de Greg Sestero e Tom Bissell (O Artista do Desastre)
* Scott Frank, James Mangold e Michael Green; Baseado nos personagens dos quadrinhos de X-Men (Logan)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Molly Bloom (A Grande Jogada)
* Virgil Williams e Dee Rees; Baseado no romance de Hillary Jordan (Mudbound)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Theodore Braun (Betting on Zero)
* Brett Morgen (Jane)
* Alex Gibney (No Stone Unturned)
* Barak Goodman (Oklahoma City)

A 90ª cerimônia do Oscar acontece no dia 04 de março.

GUILLERMO DEL TORO CONFIRMA SEU FAVORITISMO NO DGA AWARDS

Guillermo del Toro DGA Shape.jpg

Guillermo del Toro posa com seu prêmio de Melhor Diretor do DGA Awards (pic by reuters)

COM ISSO, A FORMA DA ÁGUA PRATICAMENTE GARANTE UM OSCAR

Aconteceu no último sábado a 70ª cerimônia do DGA Awards, prêmio do sindicato de diretores, que reconheceu o novo trabalho do mexicano Guillermo del Toro como o melhor de 2017.

Pra quem ainda não é familiarizado com o histórico do prêmio, em 69 anos, o DGA só não acertou o vencedor do Oscar de Direção em sete ocasiões, sendo a última em 2013, quando Ben Affleck sequer foi indicado ao Oscar por Argo numa lambança bastante incomum.

Terceiro mexicano a vencer o DGA nos últimos dez anos (os outros foram Alejandro G. Iñárritu por Birdman e O Regresso, e Alfonso Cuarón por Gravidade), Guillermo del Toro bateu três indicados ao Oscar deste ano: Greta Gerwig (Lady Bird), Jordan Peele (Corra!) e Christopher Nolan (Dunkirk). O único estranho no ninho é Paul Thomas Anderson, que foi indicado por Trama Fantasma.

Como vem se esforçando em discursos de agradecimento, del Toro novamente buscou se alinhar ao momento pró-feminista numa tentativa de tornar seu filme relevante socialmente e ganhar alguns pontos com a Academia. “Inclusão é necessária porque não estamos ouvindo todas as outras histórias que precisam ser ouvidas,” disse o diretor no DGA.

Apesar dos esforços de del Toro elevar seu filme, e de ter conquistado o PGA (prêmio do sindicato de produtores), tenho minhas sérias dúvidas se isso bastará para A Forma da Água vencer o Oscar de Melhor Filme. Não podemos esquecer que La La Land trilhou o mesmo caminho ano passado e acabou cedendo o Oscar para Moonlight aos 48 do segundo tempo.

Ok, A Forma da Água tem uma protagonista latina (representando minorias e estrangeiros), tem uma atriz secundária negra (Octavia Spencer), tem um personagem homossexual (Richard Jenkins) e todo o simbolismo da protagonista não ser ouvida (ela é muda), mas diante de tempos tão turbulentos, me parece que a Academia não vai se satisfazer com uma fábula etnicamente correta.

Nesse quesito de refletir o momento, vejo Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird com maiores chances.

DIRETOR ESTREANTE

Desde 2016, o DGA tem uma categoria para os diretores de primeira viagem. Este ano, que me desculpem os demais concorrentes, mas não tinham como não dar o prêmio ao Jordan Peele por Corra!. Por favor, sem esse papo de politicamente correto, hein? Peele conquistou todos os prêmios, inclusive esse, por méritos próprios ao explorar seus sentimentos de minoria racial num filme de terror permeado por pitadas de humor com maestria.

jordanpeele-ap.jpg

Vencedor do DGA de Diretor Estreante: Jordan Peele por Corra! (pic by inquirer.net)

Se ele vencesse o DGA principal, não seria um prêmio mal atribuído, mas obviamente, quiseram fazer uma média e reconhecer o belo trabalho de direção de Guillermo del Toro, que vem amadurecendo seu estilo.

DOCUMENTÁRIO

Sem as mesmas estatísticas certeiras da categoria principal, o DGA de Direção de Documentário foi para Matthew Heineman de City of Ghosts, que acompanha um grupo de ativistas na Síria em guerra. Este é segundo DGA para Heineman, que venceu em 2015 por Cartel Land. Um dos favoritos ao Oscar, Visages Villages, de Agnès Varda e JR, sequer estava indicado ao DGA.

TELEVISÃO

As séries The Handmaid’s Tale, Veep e Big Little Lies foram as vencedoras no DGA. Curiosamente, Jean-Marc Vallée que tinha uma filmografia interessante no cinema com títulos como Clube de Compras Dallas, A Jovem Rainha Victoria e Livre, foi trabalhar na televisão e foi reconhecido pelo hit Big Little Lies.

VENCEDORES DO 70º DGA AWARDS

DIRETOR ESTREANTE
Jordan Peele (Corra!) 

DIRETOR
Guillermo del Toro (A Forma da Água)

DOCUMENTÁRIO
Matthew Heineman (City of Ghosts)

SÉRIE DRAMÁTICA
Reed Morano (The Handmaid’s Tale) Ep: “Offred”

SÉRIE DE COMÉDIA
Beth McCarthy-Miller (Veep) Ep: “Chicklet”

FILMES PARA TV E MINISSÉRIES
Jean-Marc Vallée (Big Little Lies)

VARIEDADES/TALK SHOW/NOTÍCIAS/ESPORTES – ESPECIAIS
Glenn Weiss (The 89th Annual Academy Awards)

VARIEDADES/TALK SHOW/NOTÍCIAS/ESPORTES – PROGRAMAÇÃO REGULAR
Don Roy King (Saturday Night Live) Ep: “Host: Jimmy Fallon”

PROGRAMAS DE REALITY
Brian Smith (MasterChef) Ep: “Vegas Deluxe & Oyster Shucks”

PROGRAMAS INFANTIS
Niki Caro (Anne with an E) Ep: “Your Will Shall Decide Your Destiny”

ONDE E QUANDO ACOMPANHAR OS INDICADOS AO OSCAR 2018

oscarnominations012318

Os Nove Filmes indicados a Melhor Filme no Oscar 2018

VARIEDADE DE TÍTULOS JÁ REFLETE EXPANSÃO DOS MEMBROS DA ACADEMIA

Normalmente, quando se pensa em filmes do Oscar, logo vêm à mente grandes produções baseadas em fatos verídicos ou em grandes personalidades da História, com estrelas hollywoodianas inquestionáveis, certo? Até os anos 90, você não poderia estar mais correto. Mas nos últimos anos, esse perfil lógico tem mudado um pouco, e este ano, apenas dois dos nove filmes indicados a Melhor Filme carregam essa tradição: O Destino de uma Nação e The Post: A Guerra Secreta.

Hollywood tem procurado mais sintonia com o mundo moderno e suas questões. Deixou de premiar apenas por qualidade ou opiniões subjetivas para também reconhecer reflexões da atualidade nas produções concorrentes. Foi dessa forma que foram decididos os últimos dois vencedores do Oscar: Spotlight (2015) por abordar a questão de abusos de padres, e Moonlight (2016) que acompanhou a vida de um protagonista negro e homossexual em três fases.

Hoje, para você votar certo no filme que vai vencer o Oscar naquele bolão, é preciso pensar na relevância da produção diante do cenário social. A Academia não quer mais eleger filmes com pouco a dizer sobre os dias de hoje, por isso, sob essa perspectiva, os seguintes candidatos se sobressaem:

Três Anúncios Para um Crime
Temos uma mãe como protagonista buscando justiça pelo assassinato de sua filha numa pequena cidade do Missouri. Em tempos de impunidades, esse espírito de cobrança da personagem vem conquistando o público e os votos.

Lady Bird
Uma adolescente vive ano de incertezas quanto à sua vida profissional, estudantil e amorosa. Se fosse em outros tempos, essa trama à la John Hughes passaria desapercebida pelo Oscar, mas o grande diferencial aqui é que o filme foi escrito e dirigido por uma mulher: Greta Gerwig. Lady Bird tem sido o grande representante feminino num momento em que as mulheres têm o poder em Hollywood.

Corra!
Um rapaz negro é apresentado para os pais da namorada branca. É com essa trama simples que mergulhamos num pesadelo para qualquer minoria. Embora tenha elementos de humor negro, suspense e ficção científica, o filme de Jordan Peele (aliás, o primeiro negro a ser triplamente indicado: Filme, Diretor e Roteiro Original) certamente vai angariar muito votos da comunidade negra que está longe de esquecer o #OscarSoWhite.

Me Chame Pelo Seu Nome
Embora esteja mais pra uma história de amor e amadurecimento emocional, o novo filme de Luca Guadagnino dialoga com o universo LGBT já que seus personagens centrais vivem um relacionamento homo-afetivo. Esta adaptação do romance de André Aciman conquistou boa parte dos prêmios da crítica e pode surpreender no Oscar.

MARATONA ATÉ A CERIMÔNIA

Nada de pânico! A 90ª cerimônia do Oscar é só no dia 04 de março. Você tem aí mais de um mês ainda, e contará com a ajuda do blog Cinema, Oscar e Afins para conseguir assistir a muitos indicados e acompanhar a cerimônia manjando bastante.

Ao contrário dos últimos anos, já temos vários filmes indicados ao Oscar disponíveis pra assistir em casa, inclusive dois candidatos a Melhor Filme: Corra! e Dunkirk, que foram lançados no primeiro semestre de 2017, provando que qualidade resiste ao tempo. Claro que assistir a produções feitas para a tela grande como Dunkirk e Blade Runner 2049 em casa não é a mesma coisa, mesmo pra quem tem aquelas TVs de 200 polegadas, mas pra quem quer acompanhar a cerimônia sem boiar, vale conferir.

Nas salas de cinema (pelo menos de SP), temos outros fortes concorrentes como O Destino de uma Nação, que pode finalmente dar o Oscar para Gary Oldman, e Me Chame Pelo Seu Nome que tem boas chances de conquistar o Oscar de Roteiro Adaptado. Pelas categorias técnicas, vale a pena conferir o novo Star Wars: Os Últimos Jedi, que concorre em quatro categorias, inclusive em Trilha Musical (a 51ª indicação ao Oscar do mestre compositor John Williams).

Já no mês de fevereiro, vai haver uma grande concentração das estréias dos filmes do Oscar como Lady Bird, Três Anúncios Para um Crime, Trama Fantasma e o recordista de indicações A Forma da Água, que você consegue matar 13 indicações numa única sessão!

Mas como sempre menciono nesses posts anuais do Oscar, não posso legalmente recomendar alguém a assistir aos filmes baixando arquivos da internet, porque infringe as leis do audiovisual. Por outro lado, frequentar os cinemas hoje é um programa caro. Esses dias atrás mesmo fui comprar um ingresso e custou quase 40 reais! Isso sem contar estacionamento do shopping. Enfim, cada um sabe o que faz! Mas se sobrar um dinheirinho pra ir ao cinema, recomendo aos leitores assistirem a nova animação da Pixar, Coco (ou como ficou traduzida de forma politicamente correta Viva: A Vida é uma Festa). O trabalho digital é tão rico em detalhes que apenas numa tela grande é possível admirar com propriedade, além disso, tem um dos finais mais tocantes da Pixar, com direito a aquele chorinho escondido no escurinho da sala.

AH! E tem alguns curtas indicados ao Oscar como a animação Dear Basketball e LOU que estão disponíveis no YouTube. E o documentário-curta Heroin(e) está no acervo da Netflix.

null

Cena do curta de animação Dear Basketball escrito pelo jogador Kobe Bryant

DISPONÍVEIS EM BLU-RAY/DVD/ON DEMAND

A BELA E A FERA (Beauty and the Beast)
2 indicações: DIREÇÃO DE ARTE e FIGURINO.

BLADE RUNNER 2049 (Blade Runner 2049)
5 indicações: FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, SOM, EFEITOS SONOROS e EFEITOS VISUAIS.

CORRA! (Get Out)
4 indicações: FILME, DIRETOR (Jordan Peele), ATOR (Daniel Kaluuya), ROTEIRO ORIGINAL (Jordan Peele).

DOENTES DE AMOR (The Big Sick)
1 indicação: ROTEIRO ORIGINAL

DUNKIRK (Dunkirk)
8 indicações: FILME, DIRETOR (Christopher Nolan), FOTOGRAFIA, MONTAGEM, DIREÇÃO DE ARTE, TRILHA MUSICAL, SOM e EFEITOS SONOROS.

EM RITMO DE FUGA (Baby Driver)
3 indicações: MONTAGEM, SOM e EFEITOS SONOROS.

GUARDIÕES DA GALÁXIA VOL. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2)
1 indicaçõa: EFEITOS VISUAIS

KONG: A ILHA DA CAVEIRA (Kong: Skull Island)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS

LOGAN (Logan)
1 indicação: ROTEIRO ADAPTADO

PLANETA DOS MACACOS: A GUERRA (War for the Planet of the Apes)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS

O PODEROSO CHEFINHO (The Boss Baby)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

BABY DRIVER

Ansel Elgort, Eiza González, Jon Hamm e Jon Bernthal em cena de Em Ritmo de Fuga (pic by imdb.com)

DISPONÍVEL NO NETFLIX

HEROIN(E)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA

ÍCARO (Icarus)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

STRONG ISLAND
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

ICARUS

Cena do documentário Ícaro sobre doping no esporte (pic by imdb.com)

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

O ARTISTA DO DESASTRE (The Disaster Artist)
1 indicação: ROTEIRO ADAPTADO.

COM AMOR, VAN GOGH (Loving Vincent)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

CORPO E ALMA (On Body and Soul)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DESTINO DE UMA NAÇÃO (Darkest Hour)
6 indicações: FILME, ATOR (Gary Oldman), FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO e MAQUIAGEM.

EXTRAORDINÁRIO (Wonder)
1 indicação: MAQUIAGEM

ME CHAME PELO SEU NOME (Call Me By Your Name)
4 indicações: FILME, ATOR (Timothée Chalamet), ROTEIRO ADAPTADO e CANÇÃO ORIGINAL (“Mystery of Love”)

UMA MULHER FANTÁSTICA (Una Mujer Fantástica)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O REI DO SHOW (The Greatest Showman)
1 indicação: CANÇÃO ORIGINAL (“This is Me”)

STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI (Star Wars: The Last Jedi)
4 indicações: TRILHA MUSICAL, SOM, EFEITOS SONOROS e EFEITOS VISUAIS.

THE POST: A GUERRA SECRETA (The Post)
2 indicações: FILME e ATRIZ (Meryl Streep)

THE SQUARE: A ARTE DA DISCÓRDIA (The Square)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O TOURO FERDINANDO (Ferdinand)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

VISAGES, VILLAGES
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco)
2 indicações: LONGA DE ANIMAÇÃO e CANÇÃO ORIGINAL (“Remember Me”)

disaster artist.jpg

Dave Franco e James Franco em O Artista do Desastre: só sobrou a indicação para Roteiro Adaptado (pic by imdb.com)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

01/02: DESAMOR (Nelyubov)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

01/02: A FORMA DA ÁGUA (The Shape of Water)
13 indicações: FILME, DIRETOR (Guillermo del Toro), ATRIZ (Sally Hawkins), ATOR COADJUVANTE (Richard Jenkins), ATRIZ COADJUVANTE (Octavia Spencer), ROTEIRO ORIGINAL, FOTOGRAFIA, MONTAGEM, DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO, TRILHA MUSICAL, SOM e EFEITOS SONOROS.

01/02: TODO O DINHEIRO DO MUNDO (All the Money in the World)
1 indicação: ATOR COADJUVANTE (Christopher Plummer)

15/02: EU, TONYA (I, Tonya)
3 indicações: ATRIZ (Margot Robbie), ATRIZ COADJUVANTE (Allison Janney) e MONTAGEM.

15/02: LADY BIRD: É HORA DE VOAR (Lady Bird)
5 indicações: FILME, DIRETORA (Greta Gerwig), ATRIZ (Saoirse Ronan), ATRIZ COADJUVANTE (Laurie Metcalf), ROTEIRO ORIGINAL.

15/02: MUDBOUND: LÁGRIMAS SOBRE O MISSISSIPI (Mudbound)
4 indicações: ATRIZ COADJUVANTE (Mary J. Blige), ROTEIRO ADAPTADO, FOTOGRAFIA e CANÇÃO ORIGINAL (“Might River”)

15/02: TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)
7 indicações: FILME, ATRIZ (Frances McDormand), ATOR COADJUVANTE (Woody Harrelson), ATOR COADJUVANTE (Sam Rockwell), ROTEIRO ORIGINAL, MONTAGEM, TRILHA MUSICAL.

22/02: A GRANDE JOGADA (Molly’s Game)
1 indicação: ROTEIRO ADAPTADO

22/02: TRAMA FANTASMA (Phantom Thread)
6 indicações: FILME, DIRETOR (Paul Thomas Anderson), ATOR (Daniel Day-Lewis), ATRIZ COADJUVANTE (Lesley Manville), FIGURINO e TRILHA MUSICAL.

01/03: PROJETO FLÓRIDA (The Florida Project)
1 indicação: ATOR COADJUVANTE (Willem Dafoe)

Phantom Thread

Daniel Day-Lewis e Lesley Manville em cena de Trama Fantasma: dupla indicada (pic by imdb.com)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM BLU-RAY/DVD

VICTORIA E ABDUL: O CONFIDENTE DA RAINHA (Victoria & Abdul)
2 indicações: FIGURINO e MAQUIAGEM.

victoria and abdul

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA (mas se você tem uma boa conexão de internet…)

ABACUS: SMALL ENOUGH TO JAIL
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

THE BREADWINNER
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

O INSULTO (L’Insulte)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

ROMAN J. ISRAEL, ESQ.
1 indicação: ATOR (Denzel Washington)

LAST MEN IN ALEPPO
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

MARSHALL
1 indicação: CANÇÃO ORIGINAL (“Stand Up for Something”)

breadwinner

Animação produzida por Angelina Jolie, The Breadwinner (pic by imdb.com)

***

A cerimônia da 90ª edição do Oscar será no dia 04 de Março, e transmitida pelo canal pago TNT. Pra quem costuma acompanhar pela Globo, vale lembrar que eles sempre priorizam aquele programão chamado “Big Brother Brasil”.

‘A FORMA DA ÁGUA’ CONFIRMA FAVORITISMO no PGA

 

the shape of water PGA.jpg

O produtor J. Miles Dale discursa pela vitória de A Forma da Água no PGA. AO fundo, o ator Richard Jenkins (pic by 6abc Philadelphia)

FANTASIA DE DEL TORO LEVA O PRÊMIO DO SINDICATO DE PRODUTORES

Mesmo competindo com os grandes favoritos da temporada como Três Anúncios Para um Crime e The Post: A Guerra Secreta, o novo filme de Guillermo del Toro conseguiu firmar sua campanha de favoritismo com esse prêmio do sindicato de produtores.

Infelizmente, del Toro, que também é produtor do filme, não estava presente na cerimônia porque estava no México para cuidar de seu pai doente. Seu co-produtor J. Miles Dale, e o ator Richard Jenkins, subiram ao palco e leram uma declaração do diretor: “Gostaria de pedir a todos vocês a permissão de dedicar este pequeno momento e as honras desta noite para meu pai e minha mãe, para quem devo minha gratidão eterna, e como pai oferecer aos meus filhos também, que eles possam ser livres para buscar seus sonhos e fantasias e que possam estar ao meu lado quando eu partir.” Mesmo ausente, del Toro soube fazer uma média com seus votantes e isso conta muito numa campanha. Já seu co-produtor Dale foi o piadista: “Quando seu par romântico é uma faxineira e um peixe, é duro de vender o projeto”.

the shape of water sally hawkins_.jpg

Sally Hawkins e Doug Jones em cena de A Forma da Água: par romântico incomum

Pra quem acompanha a temporada de premiação há algum tempo, sabe que os prêmios de sindicatos costumam ser os parâmetros mais confiáveis em relação ao Oscar, mas no caso do PGA, mesmo tendo 19 acertos em 28 edições, vale lembrar que houve divergência nos últimos dois anos. A lembrar: A Grande Aposta levou o PGA, enquanto Spotlight levou o Oscar em 2016. O musical La La Land conquistou o PGA enquanto Moonlight ficou com o Oscar ano passado, na prorrogação!

Sem me basear nessa estatística em específico, também não boto muita fé na vitória de A Forma da Água como Melhor Filme no Oscar. Há quanto tempo um filme de fantasia não ganha o principal prêmio da noite? Em 2004 com O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei? Faz tempo… Isso porque a Academia se sentiu obrigada a reconhecer uma das trilogias mais lucrativas da história do Cinema.

Vencedora com a animação da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa, a produtora Darla K. Anderson aproveitou pra dar uma cutucada em Trump: “Agora é o tempo de haver mais diversidade em nossa cultura e em nosso mundo”, que ainda aproveitou pra dedicar o prêmio ao México, terra onde se passa a trama e usufrui de suas ricas tradições.

Coco pixar

Viva: A Vida é uma Festa levou o PGA de Animação

Na categoria de documentário, Jane levou o prêmio ao retratar as pesquisas de Jane Goodall com os chimpanzés. Vale lembrar que o documentário está classificado na pré-lista das 15 produções ao Oscar, mas ao mesmo tempo, vale ressaltar que aqui não estava competindo com o favorito Faces Places, de Agnès Varda e JR.

Já o prêmio especial Stanley Kramer, dedicado a honrar questões de cunho sócio-racial, premiou o ótimo Corra!, de Jordan Peele. Em discurso, o diretor criticou o sistema de hoje chamando-o de “lugar afundado” (em alusão ao limbo em que seu protagonista negro fica durante a hipnose), pois silencia a voz das mulheres e das minorias. “Sunken place é o presidente que chama seus atletas de filhos da puta por terem expressado suas crenças no campo e na pátria de nossos mais belos imigrantes.” – relembrando o episódio dos jogadores de futebol americano se ajoelharem durante o hino nacional.

Pela ala televisiva, curiosamente premiou duas séries estreantes: The Handmaid’s Tale levou o prêmio de série dramática, e The Marvelous Mrs. Maisel ganhou como série de comédia. Particularmente, gostei da vitória da série Black Mirror, da Netflix. Como sou fã da consagrada série de ficção científica Twilight Zone, considero este trabalho uma versão high-tech filosófica bem instigante.

 

 

CINEMA

MELHOR FILME
A Forma da Água (The Shape Of Water)
Produtores: Guillermo del Toro, J. Miles Dale

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Viva: A Vida é uma Festa (Coco)
Produtora: Darla K. Anderson

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Jane
Produtores: Brett Morgen, Bryan Burk, Tony Gerber, James Smith

PRÊMIO STANLEY KRAMER
Corra!

PRÊMIO VISIONÁRIO
Ava DuVernay

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
The Handmaid’s Tale (1ª temporada)
Produtores: Bruce Miller, Warren Littlefield, Daniel Wilson, Fran Sears, Ilene Chaiken, Sheila Hockin, Eric Tuchman, Frank Siracusa, John Weber, Joseph Boccia, Elisabeth Moss, Kira Snyder and Leila Gerstein.

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
The Marvelous Mrs. Maisel (1ª temporada)
Produtores: Daniel Palladino, Amy Sherman-Palladino, Sheila Lawrence, Dhana Rivera Gilbert

MELHOR FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Black Mirror (4ª temporada)
Produtores: Annabel Jones, Charlie Brooker

 

MELHOR PROGRAMA DE NÃO-FICÇÃO
Leah Remini: Scientology and the Aftermath (1ª e 2ª temporadas)  
Produtores: Leah Remini, Eli Holzman, Aaron Saidman, Myles Reiff, Adam Saltzberg, Erin Gamble, Lisa Rosen, Grainne Byrne, Taylor Levin, Alex Weresow, Rachelle Mendez

MELHOR PROGRAMA AO VIVO E TALK SHOW
Last Week Tonight with John Oliver (4ªtemporada)
Produtores: John Oliver, Tim Carvell, Liz Stanton

MELHOR PROGRAMA DE COMPETIÇÃO
The Voice (12ª e 13ª temporadas)
Produtores: John de Mol, Mark Burnett, Audrey Morrissey, Lee Metzger, Chad Hines, Amanda Zucker, Kyra Thompson, Jay Bienstock, Stijn Bakkers, Mike Yurchuk, Teddy Valenti, Carson Daly

MELHOR PROGRAMA FORMATO CURTO
Carpool Karaoke (1ª temporada)

 

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTES
Real Sports with Bryant Gumbel (23ª temporada) 

MELHOR PROGRAMA INFANTIL
Vila Sésamo (Sesame Street) (47ª temporada)

%d blogueiros gostam disto: