‘Boyhood’ domina LAFCA Awards 2014 com 4 prêmios

Da esquerda para a direita: Lorelei Linklater, Ethan Hawke e Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Da esquerda para a direita: Lorelei Linklater, Ethan Hawke e Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

BOYHOOD VENCE MAIS UM PRÊMIO IMPORTANTE. O GRANDE HOTEL BUDAPESTE E BIRDMAN SEGUEM NA COLA

Havia uma expectativa de que os críticos de Los Angeles elegeriam Birdman ou Jogo da Imitação como Melhor Filme, equilibrando assim as forças das campanhas do Oscar 2015, mas a preferência deles foi para o projeto de 12 anos de Boyhood: Da Infância à Juventude que, após ser ignorado pelo National Board of Review, retoma seu posto de favorito do ano, conquistado por sua vitória no NYFCC e pelas indicações no Independent Spirit Awards.

Pelo LAFCA, o filme de Richard Linklater levou também Melhor Diretor, Melhor Montagem e curiosamente, Melhor Atriz para Patricia Arquette, que vinha competindo até então como coadjuvante. Apesar da importância do papel materno de Arquette, o filme é protagonizado por Ellar Coltrane, então as chances de haver divisão de votos em categorias diferentes como houve com Kate Winslet por O Leitor, por exemplo, são bastante improváveis.

Embora esteja cedo pra decretar vitória, o fato de Boyhood ter cravado sua bandeira no Independent Spirit, NYFCC e LAFCA já garante seu lugar nas indicações, mas o grande diferencial da campanha rumo ao Oscar é justamente toda a história por trás do filme. Trata-se de um projeto feito à base de amor e confiança dos artistas envolvidos, pois não havia contratos. Toda a equipe se reunia por alguns dias uma vez por ano por 12 anos. O filme estava bem vulnerável ao fracasso. Qualquer um dos atores poderia morrer nesse período, tanto que houve uma promessa de que se Linklater viesse a falecer, Ethan Hawke assumiria a direção do projeto.

Apesar de ser a Academia, com membros igualmente acadêmicos, há uma esperança de que um filme como Boyhood possa triunfar sobre os demais concorrentes com tramas históricas como O Jogo da Imitação ou filmes biográficos como A Teoria de Tudo.

Entre as grandes surpresas do LAFCA estão as vitórias de Tom Hardy por Locke como Melhor Ator, e Agata Kulesza como Coadjuvante por Ida. Como críticos, eles também buscam destacar performances que muitas vezes passam desapercebidas pelo grande público. Ao premiar Kulesza, eles retiram o filme polonês Ida da monotonia da categoria de Filme Estrangeiro, ao mesmo tempo em que respeitam uma tradição de coroar artistas estrangeiros sempre que possível. Ano passado, a francesa Adèle Exarchopoulos foi a estrangeira da vez por Azul é a Cor Mais Quente.

Tom Hardy no filme britânico Locke (photo by outnow.ch)

Tom Hardy no filme britânico Locke (photo by outnow.ch)

Agata Kulesza em Ida (photo by outnow.ch)

Agata Kulesza em Ida (photo by outnow.ch)

Entre os demais vencedores do LAFCA, houve confirmações de favoritismo como a vitória de J.K. Simmons como Ator Coadjuvante por Whiplash: Em Busca da Perfeição, e até da ascensão do documentário sobre Edward Snowden e o mundo sob vigilância, Citizenfour.

Por mais que Boyhood tenha vencido, O Grande Hotel Budapeste, lançado no início de 2014, ainda foi bem lembrado e reconhecido devidamente nas categorias de Direção de Arte e Roteiro, ficando ainda com o posto de 2º lugar em categorias importantes como Filme e Diretor. O que pode enfraquecer a campanha do filme de Wes Anderson é a possível ausência de indicações nas categorias de atuação, pois não há perspectivas positivas de Ralph Fiennes como Melhor Ator até o momento.

Birdman corre justamente pelo lado oposto. Michael Keaton e Edward Norton ficaram em 2º lugar nas categorias de Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente, podendo ainda conquistar espaço para Emma Stone como Coadjuvante, mesmo tendo forte concorrência como Meryl Streep, Patricia Arquette e Keira Knightley. Birdman pode e deve conquistar número elevado de indicações no Oscar, mas acredito que seu maior (e talvez único) feito seja a possível vitória de Michael Keaton como Melhor Ator. Seria uma conquista bastante pertinente, pois seu personagem também procura um retorno triunfal depois de anos no ostracismo.

E gostaria ainda de destacar a vitória da belíssima animação japonesa O Conto da Princesa Kaguya. Em meio às produções milionárias de Disney e grandes estúdios como Operação Big Hero 6, Uma Aventura Lego e Como Treinar Seu Dragão 2, é no mínimo singelo ver uma produção artística em 2D repleto de vida ser coroada a melhor do ano. Conhecido pela animação de partir o coração, Túmulo dos Vagalumes, o diretor Isao Takahata pode atingir um novo ápice com esta fantasia.

Cena do belo O Conto da Princesa Kaguya, de Isao Takahata (photo by outnow.ch)

Cena do belo O Conto da Princesa Kaguya, de Isao Takahata (photo by outnow.ch)

VENCEDORES DO LAFCA AWARDS 2014:

MELHOR FILME: Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)
2º Lugar: O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)

MELHOR DIRETOR: Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
2º Lugar: Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR ATOR: Tom Hardy (Locke)
2º Lugar: Michael Keaton (Birdman)

MELHOR ATRIZ: Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
2º Lugar: Julianne Moore (Still Alice)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
2º Lugar: Edward Norton (Birdman)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Agata Kulesza (Ida)
2º Lugar: Rene Russo (O Abutre)

MELHOR ROTEIRO: Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)
2º Lugar: Alejandro González Iñárritu; Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris Jr., Armando Bo (Birdman)

MELHOR FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki (Birdman)
2º Lugar: Dick Pope (Sr. Turner)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Ida, de Pawel Pawlikowski (Polônia)
2º Lugar: Winter Sleep, de Nuri Bilge Ceylan (Turquia)

MELHOR TRILHA MUSICAL (Empate): Jonny Greenwood (Vício Inerente) & Mica Levi (Sob a Pele)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Adam Stockhausen (O Grande Hotel Budapeste)
2º Lugar: Ondrej Nekvasil (Expresso do Amanhã)

MELHOR MONTAGEM: Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
2º Lugar: Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR ANIMAÇÃO: O Conto da Princesa Kaguya, de Isao Takahata
2º Lugar: Uma Aventura Lego, de Phil Lord e Christopher Miller

PRÊMIO NEW GENERATION: Ava DuVernay (Selma)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Citizenfour, de Laura Poitras
2º Lugar: Life Itself, de Steve James

PRÊMIO DOUGLAS EDWARDS EXPERIMENTAL/FILME INDEPENDENTE/VÍDEO: Walter Reuben (The David Whiting Story)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Gena Rowlands

O belo trabalho de Adam Stockhausen em O Grande Hotel Budapeste (photo by elfilm.com)

O belo trabalho de Adam Stockhausen em O Grande Hotel Budapeste (photo by elfilm.com)

Vencedores do National Board of Review 2012

National Board of Review

Seguindo a escalada de prêmios de críticos americanos, depois do círculo de críticos de Nova York divulgarem sua lista, chegou a vez do National Board of Review que reconhece os melhores do ano desde 1930 e tem como destaque o seu tradicional Top 10.

Depois de conquistar os nova-iorquinos, o filme de guerra de Kathryn Bigelow, Zero Dark Thirty, levou mais este importante prêmio: Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Atriz para Jessica Chastain. Claro que, em se tratando de um filme tão bem comentado e agora, premiado, não deve ficar limitado à caça em si do líder terrorista do Al-Qaeda, Osama Bin Laden, considerado o inimigo público nº1 dos Estados Unidos após os ataques de 11 de Setembro de 2001. Juntamente com o roteirista Mark Boal, a diretora busca refletir sobre o mundo de hoje através da guerra, e deve ainda responder a questão: Capturar ou matar Bin Laden resolve a questão?

Ficou bastante claro que a morte de um ditador não aniquila toda uma ideologia de governo que ele plantara. Foi assim com a captura do líder iraquiano Saddam Hussein, e a morte do norte-coreano Kim Jong-Il. Sinceramente, não sei se rotulo o pensamento americano ao deduzir que eles acreditam que a eliminação de um rei resolveria os problemas. Na verdade, isso é um jeito republicano, ou melhor, um jeito bem western que acabar tudo com uma bala. Como Zero Dark Thirty deve estrear aqui só no dia 18 de janeiro, não temos como adivinhar, mas é possível que o filme levante questões mais profundas como essas. Além disso, existe a possibilidade da produção colocar um pouco mais de luz nos misteriosos eventos da morte do terrorista, cujo corpo foi jogado ao mar, levantando dúvidas sobre a identidade do cadáver.

Se no NYFCC Awards, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook) saiu de mãos abanando, aqui ele sai vitorioso com os prêmios de Melhor Ator para Bradley Cooper (desbancando o favoritismo de Joaquin Phoenix e Daniel Day-Lewis) e Melhor Roteiro Adaptado para David O. Russell. Curiosamente, esperava-se que Jennifer Lawrence levasse o prêmio de Melhor Atriz, que acabou nas mãos da ruiva Jessica Chastain por Zero Dark Thirty, confirmando o talento de Kathryn Bigelow como diretora de atores.

Jessica Chastain em Zero Dark Thirty (photo by beyondhollywood.com)

Jessica Chastain em Zero Dark Thirty (photo by beyondhollywood.com)

Falando em atores, Leonardo DiCaprio conta seu primeiro ponto oficial na corrida de Melhor Ator Coadjuvante ao vencer por Django Livre, novo filme de Quentin Tarantino. Além de ótimo criador de personagens e diálogos, Tarantino passa a amadurecer ainda mais seus métodos de direção de atores. Ao ver o trailer, achei a performance de DiCaprio divertida com aquele sotaque e caracterização, que em algum ponto se assemelha ao Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios.

Vale ressaltar a surpresa da vitória de Ann Dowd como Melhor Atriz Coadjuvante pelo filme independente Compliance (que ainda não tem título em português e nem previsão de estréia no Brasil). Antes mesmo da temporada de prêmios começar, o filme já vinha criando um burburinho próprio depois de passar pelo Festival de Locarno (Suíça). Baseado em fato reais, o longa narra a história de uma gerente de um restaurante de fast-food que recebe uma ligação anônima com informações de que uma de suas funcionárias seria uma ladra.

Ann Dowd como a gerente do fast-food em Compliance (foto por Outnow.ch)

Ann Dowd como a gerente do fast-food em Compliance (foto por OutNow.CH)

Outra surpresa foi a vitória de Detona Ralph como Melhor Animação, batendo o franco-favorito Frankenweenie, de Tim Burton. Já o filme político de Ben Affleck, Argo, ficou com uma espécie de prêmio de consolação: o Special Achievement in Filmmaking. Havia também uma expectativa de que o musical de Tom Hooper, Les Misérables, levasse algo além de Melhor Elenco.

Nas categorias de estréias, o independente Indomável Sonhadora levou dois prêmios: Atriz Revelação para a pequena Quvenzhané Wallis, e Diretor Estreante para Benh Zeitlin. Existe a forte possibilidade dessa dupla conseguir indicações ao Oscar, além de Melhor Fotografia pelo apuro visual. Já o outro independente bem recebido, Moonrise Kingdom, de Wes Anderson, acabou ficando apenas entre os dez melhores filmes independentes.

Cena de Indomável Sonhadora (foto por Outnow.ch)

Cena de Indomável Sonhadora (foto por OutNow.CH)

Apesar de não ser o representante brasileiro por se tratar de uma co-produção entre França, Reino Unido, Estados Unidos e Brasil, o road-movie Na Estrada, dirigido pelo diretor brasileiro Walter Salles, foi incluso na lista das 10 melhores produções independentes. O longa também foi indicado à Palma de Ouro no último Festival de Cannes.

Segue lista completa dos premiados pelo National Board of Review:

MELHOR FILME:  ZERO DARK THIRTY, de Kathryn Bigelow
MELHOR DIREÇÃO: Kathryn Bigelow, ZERO DARK THIRTY
MELHOR ATOR: Bradley Cooper, O LADO BOM DA VIDA
MELHOR ATRIZ: Jessica Chastain, ZERO DARK THIRTY
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Leonardo DiCaprio, DJANGO LIVRE
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Ann Dowd, COMPLIANCE
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Rian Johnson, LOOPER: ASSASSINOS DO FUTURO
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: David O. Russell, O LADO BOM DA VIDA
MELHOR ANIMAÇÃO: DETONA RALPH, de Rich Moore
Special Achievement in Filmmaking: Ben Affleck, ARGO
ATOR REVELAÇÃO: Tom Holland, O IMPOSSÍVEL
ATRIZ REVELAÇÃO: Quvenzhané Wallis,  INDOMÁVEL SONHADORA
DIRETOR ESTREANTE: Benh Zeitlin, INDOMÁVEL SONHADORA
MELHOR FILME ESTRANGEIRO:  AMOUR, de Michael Haneke
MELHOR DOCUMENTÁRIO: SEARCHING FOR SUGAR MAN, de Malik Bendjelloul
William K. Everson Film History Award: 50 ANOS DOS FILMES DE JAMES BOND
MELHOR ELENCO: LES MISÉRABLES, de Tom Hooper
Spotlight Award: John Goodman (ARGO, FLIGHT, PARANORMAN, CURVAS DA VIDA)
NBR Freedom of Expression Award: CENTRAL PARK FIVE, Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon
NBR Freedom of Expression Award: PROMISED LAND, de Gus Van Sant

TOP FILMES (em ordem alfabética)

ARGO, de Ben Affleck
INDOMÁVEL SONHADORA, de Benh Zeitlin
DJANGO LIVRE, de Quentin Tarantino
LES MISÉRABLES, de Tom Hooper
LINCOLN, de Steven Spielberg
LOOPER: ASSASSINOS DO FUTURO, de Rian Johnson
AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL, de Stephen Chbosky
PROMISED LAND, de Gus Van Sant
O LADO BOM DA VIDA, de David O. Russell

TOP 5 FILMES ESTRANGEIROS

BARBARA, de Christian Petzold (Alemanha)
INTOCÁVEIS, de Olivier Nakache e Eric Toledano (França)
O GAROTO DE BICICLETA, de Jean-Pierre e Luc Dardenne (Bélgica)
NO, de Pablo Larraín (Chile)
WAR WITCH, de Kim Nguyen (Canadá)

Barbara, de Christian Petzold, da Alemanha.

Barbara, de Christian Petzold, da Alemanha (foto por OutNow.CH)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS

AI WEIWEI: NEVER SORRY, de Alison Klayman
DETROPIA, de Heidi Ewing e Rachel Grady
THE GATEKEEPERS, de Dror Moreh
THE INVISIBLE WAR, de Kirby Dick
ONLY THE YOUNG, de Elizabeth Mims e Jason Tippet

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES

A NEGOCIAÇÃO, de Nicholas Jarecki
BERNIE, de Richard Linklater
COMPLIANCE, de Craig Zobel
MARCADOS PARA MORRER, de David Ayer
HELLO I MUST BE GOING, de Todd Louiso
LITTLE BIRDS, de Elgin James
MOONRISE KINGDOM, de Wes Anderson
NA ESTRADA, de Walter Salles
QUARTET, de Dustin Hoffman
SLEEPWALK WITH ME, de Mike Birbiglia

Sam Riley, Kristen Stewart e Garrett Hedlund em Na Estrada, de Walter Salles

Sam Riley, Kristen Stewart e Garrett Hedlund em Na Estrada, de Walter Salles

Apesar do National Board of Review não poder ser considerado um bom parâmetro para o Oscar, no ano passado, suas escolhas coincidiram nas categorias de Ator Coadjuvante (Christopher Plummer), Roteiro (Os Descendentes), Filme Estrangeiro (A Separação) e Animação (Rango).

As indicações ao Oscar serão anunciadas no dia 10 de janeiro de 2013, 3 dias antes da cerimônia do Globo de Ouro.

Oscar 2013 menos dependente do Globo de Ouro

Será que em 2013 essa realidade muda? (ilustração pelo site Hollywood Reporter)

Nos últimos anos… ou melhor, nas últimas décadas, o Oscar tem se tornado uma premiação cada vez mais previsível, tanto nas indicações, quanto nos vencedores. Hoje existem até regrinhas que facilitam nas previsões dos vencedores para ganhar aquele bolão ou aquela promoção do site do Cinemark! Sob a perspectiva otimista, o Oscar se tornou aquele reconhecimento final da temporada, aquele que fecha com chave de ouro. Já pela perspectiva pessimista, o Oscar tem sido atropelado pelos demais prêmios, perdendo por completo aquele frescor. Lembro que em 2004, ano que O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei levou tudo, foi uma das edições mais fracas e previsíveis que já vi.

Há alguns anos, os membros da Academia queriam mudar esse cenário a fim de valorizar mais a estatueta dourada. Além de terem aumentado o número de indicados para Melhor Filme a partir de 2010, a primeira grande investida nesse sentido foi a evolução no sistema de votação. Até o ano passado, os votantes ainda recebiam envelopes pelo correio! A partir de 2013, se nenhum hacker estiver desocupado, os votos serão computados online. Esse movimento teria duas grandes vantagens: 1) Ecologicamente sustentável (evitando o desperdício óbvio de papel e tinta) e 2) A agilidade no processo de votação.

Para fechar essa estratégia para um Oscar menos previsível, a Academia acaba de anunciar que as indicações serão divulgadas no dia 10 de janeiro, 3 dias antes da cerimônia do Globo de Ouro. Concordo que as indicações do Globo de Ouro, que serão anunciadas no dia 13 de dezembro deste ano, ainda servirão como termômetro para o Oscar, mas só o fato de não depender tanto dos vencedores do prêmio da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood já dá uma bela embaralhada para confundir os gurus que prevêem os resultados.

Os vencedores nas categorias de atuação no Globo de Ouro: (da esq para direita) George Clooney, Michelle Williams, Meryl Streep e Jean Dujardin. Os dois últimos levaram o Oscar.

Apesar da notícia afetar diretamente o Globo de Ouro, essa alteração no calendário certamente acarretará em modificações nos demais prêmios da temporada. SAG Awards (sindicato de atores), DGA (diretores), PGA (produtores), WGA (roteiristas) e o BAFTA (prêmio da Academia Britânica). Ninguém quer ficar por último nessa corrida, porque depois que o Oscar revela os vencedores, nenhum outro prêmio importaria.

Em tais circunstâncias, o maior receio ficaria por conta do prazo para se analisar se um filme está apto a receber uma indicação. Como a maioria das produções destinadas ao Oscar estréiam em dezembro, quase na virada do ano, muitos votantes e cinéfilos passam a se preocupar se haverá tempo hábil para conferir todos os candidatos.

A Universal Studios é o primeiro grande estúdio de Hollywood que já se pronunciou sobre essa alteração, já que sua melhor aposta, a adaptação musical Les Miserables, pode ter sua estréia adiada para o dia 25 de dezembro porque não estaria 100% pronta. Esta seria a última data dentro do prazo estipulado pela Academia para concorrer em 2013. Além dessa preocupação, o filme de Tom Hooper pode não participar da disputa pelo Globo de Ouro e pelo New York Film Critics Circle (NYFCC) Awards.

Anne Hathaway em Les Miserables: vamos torcer para que esteja pronto a tempo para o Oscar 2013

Enfim, vai ser um baita congestionamento nas últimas semanas de dezembro: teremos Zero Dark Thirty, de Kathryn Bigelow; o drama do tsunami The Impossible, de Juan Antonio Bayona; e o western Django Livre, de Quentin Tarantino. Será que isso acelera as coisas aqui no Brasil também ou até isso vai chegar atrasado por aqui?

National Board of Review 2011

A Invenção de Hugo Cabret

Muito se falava que o Globo de Ouro, prêmio concedido pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, fosse a prévia do Oscar pela semelhança nas escolhas dos vencedores. Isso era verdade. Pra se ter uma idéia, nos últimos dez anos, os vencedores do Oscar de Melhor Filme não coincidiram com as escolhas do Globo de Ouro em sete oportunidades. Assim, outros prêmios importantes passaram a ter maior relevância, como o SAG (Screen Actors Guild – o prêmio do sindicato de atores), o DGA (Directors Guild Award – sindicato dos diretores) e o National Board of Review (NBR), prêmio concedido pela organização, sediada em New York, composta por realizadores e acadêmicos do meio cinematográfico, além do já citado NYFCC no post anterior.

Martin Scorsese no set de fimagem de Hugo

Este ano, o NBR premiou A Invenção de Hugo Cabret e seu diretor, Martin Scorsese. Marcado por um cinema inclinado à violência, Scorsese dirige seu primeiro trabalho no gênero da fábula. Passado nos anos 30, em Paris, o filme conta a história de um menino órfão de 12 anos que vive na estação de trem. Ele faz amizade com uma garota que tem a chave para acionar um robô que seu pai criara antes de morrer (é claro que em se tratando de Scorsese,  seria pedir demais um filme sem morte, vai!). Ao ver o trailer, percebe-se que o lado visual do filme é um espetáculo à parte, contando com uma bela fotografia de Robert Richardson, direção de arte e cenários de Dante Ferretti e figurinos de Sandy Powell, um trio de artistas que deve estar presente na próxima cerimônia do Oscar. Apesar de A Invenção de Hugo Cabret ter recebido altos elogios da crítica (e agora, estes 2 prêmios), o filme estreou há uma semana e ficou em 5º lugar nas bilheterias, arrecadando 15 milhões até o momento (o que, convenhamos, já dá pra pagar os técnicos de efeitos visuais, uma vez que o orçamento do filme ficou a bagatela de 170 milhões).

Quando fiquei sabendo desse projeto, confesso que não fiquei empolgado porque, como Scorsese ficou bastante marcado por temáticas violentas e sanguinolentas, uma fábula que envolve crianças, um robô e um quê de espírito natalino soou como uma provável bomba. Mas depois de ganhar finalmente seu Oscar em 2007, por Os Infiltrados, Scorsese parece querer alçar vôos mais altos e para novas direções, comprovando a atitude corajosa de um cineasta que jamais fica satisfeito com seu passado consagrado.

George Clooney e Shailene Woodley em “Os Descendentes”

Nas categorias de atuação, para quem tem acompanhado os lançamentos, não houve muita surpresa. George Clooney ganha seu terceiro NBR (os outros dois anteriores foram por Conduta de Risco e Amor Sem Escalas) pelo filme Os Descendentes (The Descendants). Não sei se se trata de puro puxa-saquismo da mídia (os repórteres amam o George), mas estão dizendo que é o melhor trabalho de Clooney. Apesar de não considerá-lo um ator de longo alcance, ele tem um carisma extremamente fora do normal que certamente o ajuda a conquistar o público em qualquer papel que ele escolha. Neste Os Descendentes, Clooney interpreta um pai de família no Havaí, que após sua mulher sofrer um acidente de barco, passa a ter que cuidar das duas filhas até ela sair do hospital. Sim, a sinopse parece daqueles filmes chorosos com final redentor, mas como foi dirigido e escrito por Alexander Payne, que você já conhece de Sideways e As Confissões de Schmidt, pode esperar por comédias dramáticas maduras de humor refinado e inusitado. Os Descendentes ganhou também Melhor Atriz Coadjuvante (a bela jovem Shailene Woodley, que faz a filha mais velha de Clooney) e Melhor Roteiro Adaptado.

Tilda Swinton criando um monstro em “Precisamos Falar Sobre o Kevin”

Para melhor atriz, a inglesa Tilda Swinton levou pelo drama Precisamos Falar Sobre o Kevin, baseado no best-seller de Lionel Schriver. Ela interpreta Eva, uma mãe de um adolescente perturbado de 16 anos que causou uma chacina ao matar colegas de escola. A profundidade de seu papel reside no peso de ser a mãe de um monstro. Em maio, o filme foi indicado à Palma de Ouro em Cannes, onde recebeu críticas positivas e acendeu algumas polêmicas. Com este prêmio, a atriz Tilda Swinton, que já ganhou o Oscar por Conduta de Risco e é mais conhecida por dar vida à Feiticeira Branca nos filmes de As Crônicas de Nárnia, pode (e deve) voltar a ser indicada à estatueta em janeiro.

Outro que tem sido bem cogitado nas premiações é o veterano Christopher Plummer. Aos 81 anos, ele tem a grande chance de ganhar seu primeiro Oscar. Plummer, mais conhecido por ter sido o Capitão Von Trapp no clássico musical A Noviça Rebelde, e mais recentemente a voz do aviador Charles Muntz na animação Up – Altas Aventuras, interpreta Hal Fields, um senhor que, após a morte da esposa, descobre ter câncer terminal e ser homossexual em Toda Forma de Amor. Por se tratar de um longa lançado em 2010, foi lançado neste mês direto nas locadoras.

O drama iraninao “A Separação”

Na categoria de filme estrangeiro, o iraniano A Separação venceu novamente (foi reconhecido pelo NYFCC). Pelo trailer, é possível perceber que se trata de uma crise conjugal, contudo, o curioso é que desta vez, a história ganha aspectos globais, ao contrário dos demais filmes iranianos, que preferem ressaltar casos mais regionais ou bem característicos de sua cultura, como em Filhos do Paraíso, no qual a trama gira em torno de um menino que não tem sapatos para disputar uma corrida escolar. Apesar de ainda não saber se isso é um aspecto positivo ou negativo, não podemos negar que esse fato reflete a nossa realidade globalizada. A Separação também ganhou o Urso de Ouro de Melhor Filme e Urso de Prata para Melhor Ator e Atriz no último Festival de Berlim.

Ainda sobre filmes estrangeiros, o maior sucesso brasileiro de 2011, Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro, consta entre os 5 eleitos do top 5. Mesmo que esteja fora da disputa pelo Globo de Ouro por divergências de regulamento (o filme estreou no Brasil em outubro de 2010, mas teria que ter estreado a partir de novembro), ainda acredito que o filme pode conseguir uma das cinco cobiçadas vagas na categoria do Oscar, fato que não ocorre desde 1999, quando Central do Brasil perdeu para o italiano A Vida É Bela.

Dos principais prêmios, apenas Toda Forma de Amor e a animação Rango pousaram aqui no Brasil, portanto ainda temos que aguardar os lançamentos que devem pipocar entre janeiro e fevereiro. E, dos demais prêmios concedidos, pelo que li até o momento, as atrizes Felicity Jones e Rooney Mara são nomes bem fortes para a temporada. Também vale lembrar o ator Michael Fassbender (pelo drama Shame), que vem conquistando fãs desde seu papel em Hunger e agora pelo sucesso de X-Men: A Primeira Classe, em que vive Magneto.

Segue a lista de vencedores do NBR 2011:

Best Actor
George Clooney, Os Descendentes

Best Actress
Tilda Swinton, Precisamos Falar Sobre o Kevin

Best Adapted Screenplay
Alexander Payne and Nat Faxon & Jim Rash , Os Descendentes

Rango, que incrivelmente não é da Pixar

Best Animated Feature
Rango, de Gore Verbinski

Best Director
Martin Scorsese, A Invenção de Hugo  Cabret

Best Documentary
Paradise Lost 3: Purgatory

Best Ensemble
Histórias Cruzadas (The Help )

Best Film
A Invenção de Hugo  Cabret (Hugo)

Best Foreign Language Film
A Separação – IRÃ

Best Original Screenplay
Will Reiser, 50/50

Best Supporting Actor
Christopher Plummer, Toda Forma de Amor

Best Supporting Actress
Shailene Woodley, Os Descendentes

Breakthrough Performance
Felicity Jones, Like Crazy

Rooney Mara como a hacker Lisbeth Salander

Breakthrough Performance
Rooney Mara, Millenium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Debut Director
J.C. Chandor, Margin Call – O Dia Antes do Fim

NBR Freedom of Expression
Crime After Crime

NBR Freedom of Expression
Pariah

Special Achievement in Filmmaking
The Harry Potter Franchise – A Distinguished Translation from Book to Film

Spotlight Award
Michael Fassbender (A Dangerous Method, Jane Eyre, Shame, X-Men: A Primeira Classe)

Top 10 Independent Films
(em ordem alfabética) 50/50, Another Earth, Toda Forma de Amor, A Better Life, Cedar Rapids, Margin Call – O Dia Antes do Fim, Shame, Take Shelter, Precisamos Falar Sobre o Kevin, Win Win

Top 5 Documentaries
(em ordem alfabética) Born to be Wild, Buck, George Harrison: Living in the Material World, Project Nim, Senna

Top 5 Foreign Language Films
(em ordem alfabética) 13 Assassins, Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro, Footnote, Le Havre, Point Blank

Top Films
(em ordem alfabética) The Artist, The Descendants, Drive, The Girl with the Dragon Tattoo, Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, The Ides of March, J. Edgar, A [Arvore da Vida, Cavalo de Guerra

Acompanhe alguns dos filmes premiados através dos trailers. Seguem links para dar uma mãozinha:

A Invenção de Hugo Cabret (Hugo) http://www.imdb.com/video/imdb/vi2781978137/

Os Descendentes (The Descendants) http://www.foxsearchlight.com/thedescendants/

Precisamos Falar Sobre Kevin (We Need to Talk About Kevin) http://www.imdb.com/video/imdb/vi566533657/

Toda Forma de Amor (The Beginners) http://focusfeatures.com/beginners/videos

Histórias Cruzadas (The Help) http://thehelpmovie.com/us/#s=videos&v=1

A Separação (Jodaeiye Nader az Simin) http://www.imdb.com/video/imdb/vi2726140953/

Millenium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (The Girl With the Dragon Tatto) http://www.dragontattoo.net/site/

Like Crazy http://www.likecrazy.com/#/videos

50/50 http://www.50-50movie.com