PREVISÕES OSCAR 2017! Uma breve espiada nos candidatos

DEPOIS DE POLÊMICAS RACIAIS, OSCAR 2017 PROMETE RESULTADOS MAIS DIVERSIFICADOS

É complicado prever quais filmes serão indicados ao Oscar. Como não disponho de uma bola de cristal, e não tenho credencial de jornalista estrangeiro pra cobrir os festivais internacionais, baseio-me em algumas pistas que costumam render boa porcentagem de acerto. Uma delas é dar aquela olhada básica nas produções que estiveram presentes nos festivais de Veneza (Itália), Toronto (Canadá) e Telluride (EUA), já que todos têm sido pólos artísticos que selecionam futuros vencedores do Oscar nos últimos anos. Só pra citar alguns que seguiram esse tour e saíram vitoriosos no Oscar: Gravidade, Birdman, 12 Anos de Escravidão, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário?. As produções que passaram por esses festivais já têm meio caminho andado.

Em segundo lugar, estar atento ao histórico dos artistas. Não é porque o novo filme de Steven Spielberg não participou de festivais que vai ficar de fora do burburinho da Academia. Foi assim com Ponte dos Espiões: estreou em outubro de 2015 sem grande alarde e acabou indicado a Melhor Filme e levou a estatueta de Ator Coadjuvante para Mark Rylance. Então, o pensamento é o seguinte: “Tem filme novo de Spielberg, Ang Lee, David O. Russell ou Clint Eastwood? Bota na roda!”. O mesmo vale para atores, que vivem aceitando desafios e chamando a atenção dos votantes da Academia como Christian Bale e obviamente, Meryl Streep, que aliás, pode conquistar sua 20ª indicação: mais um marco histórico!

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

E neste ano, temos um fator que pode e deve ser determinante nas indicações e vencedores: a polêmica do #OscarSoWhite. Pra quem estava em outro planeta, 2016 foi o segundo ano consecutivo em que todas as 20 vagas nas categorias de atuação foram preenchidas por atores caucasianos. Isso acabou causando protestos e levantando questões raciais na indústria cinematográfica, o que fez com que a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, convidasse artistas negros e de outras etnias como membros com o intuito de dar resultados imediatos na votação. Portanto, as produções de temática racial devem figurar nas listas de previsões e conquistar indicações, inclusive de atores negros como Viola Davis e Denzel Washington.

Ao longo das categorias (veja lista abaixo), você perceberá que nomes de profissionais negros estão em quantidade maior do que a habitual. Como não tivemos a oportunidade de conferir os trabalhos, não podemos acusar ou defender a existência de uma possível retaliação perante o “racismo” dos últimos dois anos. Como já lancei aqui em posts anteriores, teremos um ano bem politicamente correto, e isso deve prejudicar a imagem dos indicados e vencedores, levantando a questão: “Estou ganhando por méritos ou por ser negro?”.

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Sou contra cotas raciais em quaisquer áreas por esse motivo. A cota julga o beneficiado como incapaz de obter sucesso pelo próprio esforço. E nas Artes, não dá pra obrigar um reconhecimento artístico. Essa atitude será bastante injusta para esses atores negros reconhecidos, pois, por mais que mereçam, correrão sério risco de serem vistos como uma mera resposta à polêmica. E depois? Teremos a revolta dos asiáticos, latinos e índios? Quem sabe uma vaga por raça e religião pra agradar gregos e troianos?

Justamente devido à essa “falta de diversidade”, um dos filmes mais bem cotados se tornou automaticamente o drama independente O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation), já que se trata de uma rebelião de escravos nos EUA. O filme estreou no festival de Sundance em fevereiro, e era até então, o candidato com maior potencial de Oscar. Contudo, a campanha descambelou quando a mídia descobriu que uma jovem, que cometeu suicídio em 2012, teria sido abusada pelo diretor e ator Nate Parker em 1999. Embora tenha sido absolvido na época, a morte da vítima reacendeu o escândalo e tem prejudicado bastante a carreira de Parker e seu filme. A bilheteria de 12 milhões de dólares nos EUA sequer pagou o investimento de 20 milhões que a Fox Searchlight pagou. Por mais que Parker seja indicado e premiado na temporada, sua glória está seriamente ameaçada devido à reação do público e dos demais artistas.

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

Claro que a Academia premiou e ainda premia acusados de crimes sexuais como Roman Polanski e Woody Allen, mas como se trata de algo tão recente, tenho minhas dúvidas da participação do filme na temporada. Pude conferir O Nascimento de uma Nação recentemente na 40ª Mostra de Cinema de SP, e particularmente, considero um filme convencional com uma narrativa simples que busca a todo momento estar à altura de seu tema, mas que só consegue oferecer elementos chavões como câmera lenta e trilha musical que busca catarse no público. O recém-oscarizado 12 Anos de Escravidão é muito mais filme se formos comparar pela temática escravista.

Ainda sobre questões raciais, o filme Loving pode ser uma ótima alternativa no Oscar. Indicado à Palma de Ouro, este novo trabalho do diretor Jeff Nichols, apresenta a história verídica de um homem branco que casou com uma mulher negra na Viriginia racista dos anos 50. O amor que ultrapassa barreiras raciais deve chegar ao tapete vermelho, pelo menos através de seus atores Joel Edgerton e Ruth Negga.

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

E ainda nesse contexto, também vale citar o drama racial Fences, baseado numa peça de sucesso da Broadway de 1987. A história de um pai de família, ex-jogador de beisebol, que trabalha como lixeiro na década de 50 racista da Pensilvânia para sustentar sua família foi renovada como peça teatral em 2010 pela mesma equipe do filme, com Denzel Washington dirigindo, e estrelando ao lado de Viola Davis. Muitos já consideram certas as indicações para ator e atriz (ou atriz coadjuvante).

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Aliás, os temas são fatores de desequilíbrio quando se trata de candidatos ao Oscar de Melhor Filme. Filmes de guerra como Até o Último Homem (Hacksaw Ridge) tem como protagonista um soldado médico que foi à guerra sem armas por não acreditar na violência, trazendo uma mensagem anti-bélica que pode resgatar o diretor Mel Gibson de seu ostracismo depois de suas declarações anti-semitas.

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

O drama histórico de Martin Scorsese, Silêncio, também tem boas chances por se tratar de um drama histórico de dois padres jesuítas no Japão do século XVII. Além de contar com destaques técnicos como Direção de Arte, Figurino e Fotografia, e o próprio prestígio de Scorsese, o filme tem parte do elenco japonês, o que pode ajudar na questão da “diversidade racial” da Academia.

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Claro que a temporada está apenas começando, mas até o momento, boa parte da crítica acredita que o novo filme de Ang Lee tem as melhores chances. A Longa Caminhada de Billy Lynn tem elementos típicos da filmografia do diretor, como a entrega do protagonismo para um ator desconhecido (no caso, Joe Alwyn), e uma grande história: o soldado Billy volta do Iraque para um tour de vitória pelos EUA, intercalando com flashbacks do que realmente aconteceu na guerra. Esse tema era muito bem explorado pelo diretor Oliver Stone (que ganhou dois Oscars por filmes anti-bélicos Platoon e Nascido em 4 de Julho), e costuma agradar a Academia por expôr as entranhas da guerra e sua forte conexão com os EUA.

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Não sei quais as reais chances de vitória como Melhor Filme, mas dois candidatos prometem fazer barulho nesta temporada: o drama tenso Animais Noturnos e o musical La La Land: Cantando Estações (pois é, queria esganar quem inventou esse subtítulo escroto!). Curiosamente, ambos saíram premiados no último festival de Veneza e participaram do festival de Toronto. Animais Noturnos é nada mais, nada menos do que o segundo longa do conhecido estilista Tom Ford, que dirigiu o belo Direito de Amar, com atuação soberba de Colin Firth. Depois que conferi o filme na Mostra, foi a obra que mais fiquei pensando por dias, pois tem sequências bem tensas e uma direção com personalidade. Particularmente, não acredito que seja material para Oscar porque tem a coisa da violência e do sexo (vide o fracasso de Os Suspeitos, de Denis Villeneuve no Oscar), e não há um ator que eu possa garantir que receberá uma indicação ao Oscar, mesmo que Aaron Taylor-Johnson e Laura Linney estejam bem, então restaria uma bastante justa indicação para Ford na direção.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

La La Land já gerou burburinho a partir de seu trailer todo bonito e colorido. É o tipo de trabalho que, por pior que seja sua história, vale a pena ver pelo apuro visual. Mas como fã de Damien Chazelle e seu Whiplash: Em Busca da Perfeição, aposto num musical bem escrito e com ótima montagem. Aliás, além da montagem, a fotografia e a direção são categorias praticamente garantidas no Oscar, assim como a segunda indicação para Emma Stone, que já faturou o prêmio Volpi Cup de Atriz em Veneza e deve conquistar o Globo de Ouro de Atriz – Comédia ou Musical.

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Manchester à Beira-Mar foi o drama que mais reviews positivos recebeu até o momento. Dirigido pelo sempre competente Kenneth Lonnergan, o filme praticamente garante as indicações de Casey Affleck como Ator, e Michelle Williams como Atriz Coadjuvante, além de uma possível para o novato Lucas Hedges como Coadjuvante. A história gira em torno de um tio que precisa cuidar de seu sobrinho após a morte do pai. Dependendo de como vai se sair nos prêmios da crítica como LAFCA e NYFCC, pode surgir como forte candidato a Melhor Filme.

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Enfim, sem mais delongas, seguem minhas apostas para o momento. Assinalei aqueles que acredito que convertem seu favoritismo em indicação na cor laranja. Lembrando que de novembro até fevereiro, muita coisa pode mudar de acordo com as premiações anteriores ao Oscar, as bilheterias de cada filme, e até mesmo declarações polêmicas que podem ruir toda uma campanha.

MELHOR FILME

  • A Chegada (Arrival)
  • A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk)
  • O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation)
  • Fences
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
  • Hell or High Water
  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
  • Jackie
  • La La Land: Cantando Estações (La La Land)
  • A Luz Entre Oceanos (The Light Between Oceans)
  • Lion
  • Loving
  • Manchester à Beia-Mar (Manchester by the Sea)
  • Moonlight
  • Animais Noturnos (Nocturnal Animals)
  • Silêncio (Silence)
  • Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)
  • 20th Century Women

Talvez seja a categoria mais complicada de adivinhar, afinal, temos que levar em consideração todas as demais categorias que podem resultar em maior número de estatuetas ganhas. E, claro, a história do filme conta muuuuito. Vejam a vitória de Spotlight nesse ano! Conseguiu ganhar apenas mais um Oscar além de Melhor Filme devido ao peso de sua história verídica.

A Academia adora histórias edificantes, com redenções e humanismo. Nesse quesito, os já citados A Longa Caminhada de Billy Lynn, Até o Último Homem e Fences saem na frente. Também incluiria Estrelas Além do Tempo, que envolve um pequeno grupo de mulheres negras que foi essencial através de seus conhecimentos matemáticos na corrida espacial da NASA contra a Rússia; e o novo filme de Clint Eastwood, Sully: O Herói do Rio Hudson, pela trajetória verídica do piloto de aeronave que pousou o avião no rio para salvar seus passageiros e tripulação. Sim, lembra um pouco o filme O Vôo com Denzel Washington, mas Eastwood e Tom Hanks costumam ter mais prestígio no Oscar.

Particularmente, acredito bastante numa vitória de La La Land. Embora o gênero musical tenha perdido aquela onda dos anos 50 e 60, a Academia nunca deixou de amá-lo. Premiou Moulin Rouge – Amor em Vermelho com dois Oscars em 2001, Chicago como Melhor Filme em 2003, e mais recentemente Os Miseráveis com duas estatuetas. E este novo trabalho de Damien Chazelle, diretor de Whiplash: Em Busca da Perfeição, vem arrancando muitos aplausos desde sua estréia em Veneza e Toronto. Alguns, inclusive, já defendem a vitória incontestável de Emma Stone como atriz. Será?

DIRETOR

  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Garth Davis (Lion)
  • Clint Eastwood (Sully: O Herói do Rio Hudson)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Stephen Frears (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mel Gibson (Até o Último Homem)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Pablo Larraín (Jackie)
  • Ang Lee (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Mike Mills (20th Century Women)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Martin Scorsese (Silêncio)
  • Oliver Stone (Snowden)
  • Morten Tyldum (Passageiros)
  • Denis Villeneuve (A Chegada)
  • Denzel Washington (Fences)

Mesmo sem sequer ter lançado o trailer de Silêncio, Martin Scorsese já está em todas as listas do Oscar 2017 por causa de sua reputação. Aliás, considero Scorsese um caso raríssimo em que a estatueta do Oscar lhe rendeu muito mais maturidade e sabedoria na escolha de projetos. Pra mim, O Lobo de Wall Street e A Invenção de Hugo Cabret, que vieram depois do premiado Os Infiltrados, são ótimos filmes e com ousadia de linguagem. Portanto, vou com os especialistas e incluir seu nome como certo.

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Em seguida, por mais jovem que seja, Damien Chazelle já merecia ter sido indicado ao Oscar de Diretor em 2015 por Whiplash, dessa forma, acredito que seja natural sua indicação nesta categoria por La La Land. Ele tem um forte apuro técnico na fotografia e na montagem, além de ser um ótimo roteirista, que busca algo inovador (quem não curtiu aquele final de Whiplash?), o que deve lhe garantir vaga na final.

Vencedor de 2 Oscars de Diretor, o taiwanês Ang Lee é aquele profissional competente que sempre tem algo de novo pra mostrar. É um dos raros diretores que consegue mudar de gênero sem perder sua capacidade de contar bem uma história. Por mais que ache difícil ele ganhar o terceiro Oscar, não deve ter dificuldade de figurar entre os cinco indicados.

Por mais que esteja pegando carona na polêmica do #OscarSoWhite, o trabalho de direção de Denzel Washington em Fences tem sido bastante elogiado.

ATOR

  • Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
  • Don Cheadle (Miles Ahead)
  • Robert De Niro (The Comedian)
  • Joel Edgerton (Loving)
  • Michael Fassbender (A Luz Entre Oceanos)
  • Andrew Garfield (Até o Último Homem) (Silêncio)
  • Joseph Gordon-Levitt (Snowden)
  • Ryan Gosling (La La Land)
  • Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
  • Tom Hanks (Sully)
  • Ethan Hawke (Born to be Blue)
  • Michael Keaton (Fome de Poder)
  • Matthew McConaughey (Ouro e Cobiça)
  • Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
  • Nate Parker (O Nascimento de uma Nação)
  • Will Smith (Beleza Oculta)
  • Miles Teller (Bleed for This)
  • Denzel Washington (Fences)

De acordo com os sites de apostas, os únicos “garantidos” na categoria até o momento são Casey Affleck e Denzel Washington. Ambos tiveram suas performances muito bem elogiadas e seriam muito improváveis suas ausências no tapete vermelho. Se confirmadas as previsões, seria a segunda indicação de Affleck (a primeira como ator principal), e a sétima indicação de Washington, que pode levar seu terceiro Oscar depois de Coadjuvante por Tempo de Glória (1989) e Ator por Dia de Treinamento (2001).

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Quase garantido também está Joel Edgerton. Este ator australiano que já participou de grandes produções hollywoodianas como O Grande Gatsby (2013) e Êxodo: Deuses e Reis (2014), vem chamando atenção em papéis mais discretos como em Guerreiro (2011), Aliança do Crime (2015) e O Presente (2015), que também dirigiu. No papel verídico de Richard em Loving, arrancou aplausos em Cannes. Se o filme receber indicações para Filme e Roteiro, suas chances de vitória aumentam bastante.

Existem dois atores mais experientes que viveram músicos este ano que podem entrar na penetra na festa. Don Cheadle como Miles Davis em Miles Ahead, e Ethan Hawke como Chet Baker em Born to be Blue. Como a Academia adora personagens baseados em figuras reais, e sempre tem lugar para produções independentes, por que não?

ATRIZ

  • Amy Adams (Animais Noturnos) (A Chegada)
  • Annette Bening (20th Century Women)
  • Emily Blunt (A Garota no Trem)
  • Jessica Chastain (Miss Sloane)
  • Marion Cotillard (Aliados)
  • Rebecca Hall (Christine)
  • Taraji P. Henson (Estrelas Além do Tempo)
  • Isabelle Huppert (Elle)
  • Jennifer Lawrence (Passageiros)
  • Ruth Negga (Loving)
  • Natalie Portman (Jackie)
  • Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
  • Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Alicia Vikander (A Luz Entre Oceanos)
  • Rachel Weisz (Denial)

Quando vi o trailer de Fences, já havia decretado que 2017 seria o ano de Viola Davis. Além de já ter tido a oportunidade de ganhar o Oscar em duas vezes, e estar em alta na série How to Get Away With Murder, a polêmica da ‘diversidade’ certamente garantiria sua vitória. Mas recentemente, após conferir o filme, ela decidiu que sua personagem era coadjuvante, e que portanto, concorreria como uma.

Com o caminho aberto, os holofotes apontam para Emma Stone, que saiu premiada do último Festival de Veneza por La La Land.  Apesar de jovem (tem 28 anos), ela tem se mostrado bem versátil. Já trabalhou com comédias besteirol (A Casa das Coelhinhas), drama (Birdman), animação (Os Croods), comédia romântica (A Mentira), blockbuster (O Espetacular Homem-Aranha), terror (se considerarmos Zumbilândia) já atuou sob a batuta de Woody Allen duas vezes, e agora canta num musical!

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Não se sabe se suas concorrentes terão força para bater de frente, mas Natalie Portman promete muita luta por Jackie, no qual vive a ex-primeira dama no momento crítico após o assassinato de seu marido. Estão falando bem de Amy Adams em A Chegada, o que poderia render sua sexta (!) indicação, e uma das raras para atriz em ficção científica. Particularmente, acho que ela só ganha se ela passar por alguma transformação física (será que só eu penso assim?), mas… Caso ela não agrade, temos sempre Meryl Streep à mão, que aliás se transforma em Florence Foster Jenkins, considerada a pior cantora de todos os tempos. Se cuide, Amy!

ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Moonlight)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Jeff Bridges (Hell or High Water)
  • Kevin Costner (Estrelas Além do Tempo)
  • John Goodman (Rua Cloverfield 10)
  • Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Lucas Hedges (Manchester à Beira Mar)
  • Stephen Henderson (Fences)
  • Steve Martin (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Liam Neeson (Silêncio)
  • Dev Patel (Lion)
  • Michael Shannon (Animais Noturnos)
  • Timothy Spall (Denial)
  • Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)

Das atuações coadjuvantes mais comentadas até agora foi de Lucas Hedges, como o sobrinho que passa a ser criado pelo tio após a morte do pai. Ele seria o comic relief (alívio cômico) de uma trama sobre luto e passado trágico. Esse tipo de papel apresenta elementos que o fazem se destacar num drama, iluminando ainda mais uma atuação, e de quebra, a Academia adora esse tipo de personagem. Acredito que pelo menos um dos três atores possivelmente indicados de Manchester à Beira-Mar deva levar uma estatueta pra casa. Se Casey Affleck não ganhar, temos Lucas Hedges…

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

Na cola de Hedges, outros dois nomes estão crescendo na temporada. Mahershala Ali em Moonlight tem despertado os críticos num drama que contém bullying, pobreza, drogas e família em frangalhos, tanto que já foi comparado a Preciosa: Uma História de Esperança (2009). E o eterno Schindler, Liam Neeson, que deu um tempo nos filmes de ação (não, não tenho nada contra, tanto que adoro o primeiro Busca Implacável) para trabalhar com Martin Scorsese em Silêncio. Como o filme só terá exibição em dezembro, não se sabe praticamente nada sobre a produção, mas quando um ator desse calibre entra num projeto de Scorsese, cheiro de indicação já tem automaticamente.

ATRIZ COADJUVANTE

  • Viola Davis (Fences)
  • Elle Fanning (20th Century Women)
  • Greta Gerwig (20th Century Women)
  • Naomie Harris (Moonlight)
  • Felicity Jones (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Nicole Kidman (Lion)
  • Aja Naomi King (O Nascimento de uma Nação)
  • Sasha Lane (American Honey)
  • Margo Martindale (The Hollars)
  • Janelle Monáe (Estrelas Além do Tempo)
  • Lupita Nyong’o (Rainha de Katwe)
  • Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
  • Kristen Stewart (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Michelle Williams (Manchester à Beira Mar)
Viola Davis em Fences

Viola Davis em Fences

Muitos já decretaram a vitória de Viola Davis nesta categoria por Fences. Se a transição da campanha de Atriz para Atriz Coadjuvante realmente se concretizar como o estúdio e ela mesma deseja, será muito difícil não entregar o prêmio em suas mãos, já que, além de sua atuação ter sido bem elogiada, ela já foi indicada 2 vezes ao Oscar e está em alta com o público através da série How to Get Away With Murder. E além disso tudo, é uma das melhores atrizes de sua geração. Ela consegue transformar uma única cena de um papel menor em ouro como aconteceu em Dúvida.

Talvez a candidata mais forte depois de Davis, seja Naomie Harris que, além de satisfazer a “diversidade”, interpreta um papel forte de uma mãe viciada em crack no drama Moonlight. Pelas críticas que acompanhei, ela foge do estereótipo e entrega uma performance densa sem apelar. O fato de ela ser conhecida do público por ser o nova Miss Moneypenny na franquia do 007 ajuda bastante, claro.

Outra atuação bem comentada nessa temporada é a de Nicole Kidman como uma mãe que vê seu filho adotado sair em busca de seus pais biológicos. Como Lion tem a grande Weinstein Co. por trás da campanha, acredito que Kidman tem lugar garantido.

ROTEIRO ORIGINAL

  • Steven Knight (Aliados)
  • Andrea Arnold (American Honey)
  • Woody Allen (Café Society)
  • Matt Ross (Capitão Fantástico)
  • Taylor Sheridan (Hell or High Water)
  • Noah Oppenheim (Jackie)
  • Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
  • Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Mike Mills (20th Century Women)
Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada)
  • Jean-Christophe Castelli (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • David Hare (Denial)
  • August Wilson (Fences)
  • Robert D. Siegel (Fome de Poder)
  • Erin Cressida Wilson (A Garota no Trem)
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
  • Luke Davies (Lion)
  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Whit Stillman (Love & Friendship)
  • Patrick Ness (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Jay Cocks (Silêncio)
  • Todd Komarnicki (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

FOTOGRAFIA

  • Bradford Young (A Chegada)
  • John Toll (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charlotte Bruus Christensen (Fences)
  • Robert Elswit (Ouro e Cobiça)
  • Roger Deakins (Ave, César!)
  • Mandy Walker (Estrelas Além do Tempo)
  • Stéphane Fontaine (Jackie)
  • Bill Pope (Mogli: O Menino Lobo)
  • Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
  • Robert Richardson (A Lei da Noite)
  • Adam Stone (Loving)
  • James Laxton (Moonlight)
  • Seamus McGarvey (Animais Noturnos)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
Fotografia de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

Fotografia de Bradford Young de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

MONTAGEM

  • Joe Walker (A Chegada)
  • Tim Squyres (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Steven Rosenblum (O Nascimento de uma Nação)
  • John Gilbert (Até o Último Homem)
  • Sebastián Sepúlveda (Jackie)
  • Mark Livolsi (Mogli: O Menino Lobo)
  • Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre de Franceschi (Lion)
  • William Goldenberg (A Lei da Noite)
  • Joi McMillon e Nat Sanders (Moonlight)
  • Joan Sobel (Animais Noturnos)
  • Ruy Diaz e Thelma Schoonmaker (Silêncio)
  • Jabez Olssen (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Blu Murray (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

DIREÇÃO DE ARTE

  • Gary Freeman (Aliados)
  • Patrice Vermette (A Chegada)
  • Rick Carter (O Bom Gigante Amigo)
  • Mark Friedberg (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charles Wood (Doutor Estranho)
  • Stuart Craig (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Alan MacDonald (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Jess Gonchor (Ave, César!)
  • Jean Rabasse (Jackie)
  • Christopher Glass (Mogli: O Menino Lobo)
  • David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
  • Jess Gonchor (A Lei da Noite)
  • Gavin Bocquet (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Eugenio Caballero (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Guy Hendrix Dyas (Passageiros)
  • Jeannine Oppewall (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

FIGURINO

  • Joanna Johnston (Aliados)
  • Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Sharen Davis (Fences)
  • Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mary Zophres (Ave, César!)
  • Seong-hie Ryu (The Handmaiden)
  • Madeline Fontaine (Jackie)
  • Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)
  • Jacqueline West (A Lei da Noite)
  • Colleen Atwood (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Albert Wolsky (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

MAQUIAGEM

  • Deadpool
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Até o Último Homem
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Alan Silvestri (Aliados)
  • Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
  • John Williams (O Bom Gigante Amigo)
  • Jeff Danna e Mychael Danna (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • James Newton Howard (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Thomas Newman (Procurando Dory)
  • Alexandre Desplat (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Pharrell Williams e Hans Zimmer (Estrelas Além do Tempo)
  • Mica Levi (Jackie)
  • John Debney (Mogli: O Menino Lobo)
  • Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre Desplat (A Luz Entre Oceanos)
  • Volker Bertelmann e Dustin O’Halloran (Lion)
  • Opetaia Foa’i, Mark Mancina e Lin-Manuel Miranda (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)
  • Thomas Newman (Passageiros)
  • Michael Giacchino (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Michael Giacchino (Zootopia)

CANÇÃO ORIGINAL

  • “I See a Victory” (Estrelas Além do Tempo)
  • “Audition (The Fools Who Dream”) (La La Land: Cantando Estações)
  • “City of Stars” (La La Land: Cantando Estações)
  • “Never Give Up” (Lion)
  • “How Far I’ll Go” (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • “The Great Beyond” (Festa da Salsicha)
  • “Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
  • “A Letter to the Free” (The 13th)
  • “Can’t Stop the Feeling!” (Trolls)

SOM

  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Até o Último Homem
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jason Bourne
  • Mogli: O Menino Lobo
  • La La Land: Cantando Estações
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Silêncio
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS SONOROS

  • 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
  • A Chegada
  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Doutor Estranho
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Até o Último Homem
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS VISUAIS

  • O Bom Gigante Amigo
  • Capitão América: Guerra Civil
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Doutor Estranho
  • Mogli: O Menino Lobo
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Sete Minutos Depois da Meia-Noite
  • Passageiros
  • Meu Amigo, O Dragão
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • X-Men: Apocalipse
  • Warcraft
Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Angry Birds: O Filme
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Kung Fu Panda 3
  • Moana – Um Mar de Aventuras
  • Procurando Dory
  • O Pequeno Príncipe
  • Miss Hokusai
  • The Red Turtle 
  • Festa da Salsicha
  • A Vida Secreta dos Pets
  • Sing: Quem Canta Seus Males Espanta
  • Trolls
  • Zootopia
Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Afterimage, de Andrzej Wajda (Polônia)
  • Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh (Arábia Saudita)
  • De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas (Venezuela)
  • Desierto, de Carlos Cuarón (México)
  • A Distinguished Citizen, de Gastón Duprat e Mariano Cohn (Argentina)
  • Elle, de Paul Verhoeven (França)
  • Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi (Itália)
  • O Ídolo, de Hany Abu Assad (Palestina)
  • It’s Only the End of the World, de Xavier Dolan (Canadá)
  • Julieta, de Pedro Almodóvar (Espanha)
  • Land of Mine, de Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • Ma’Rosa, de Brillante Mendoza (Filipinas)
  • Morte em Sarajevo, de Danis Tanovic (Bósnia Herzegovina)
  • Neruda, de Pablo Larraín (Chile)
  • Toni Erdmann, de Maren Ade (Alemanha)
  • O Apartamento, de Asghar Farhadi (Irã)
Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Na lista, existem nomes fortes na disputa, como o espanhol Pedro Almodóvar com Julieta, e o canadense Xavier Dolan com It’s Only the End of the World, mas eu, particularmente, aposto nas indicações de Neruda, de Pablo Larraín (Chile) – até mesmo porque o diretor também é responsável por Jackie, estrelado por Natalie Portman – e The Salesman, de Asghar Farhadi (Irã) – ele já venceu em 2012 com A Separação e este novo filme dialoga com a obra de Arthur Miller, “A Morte de um Caixeiro-Viajante”. Também não descartaria os vencedores de prêmios de festivais como o documentário italiano Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, que levou o Urso de Ouro em Berlim; o drama venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas, que ganhou o Leão de Ouro 2015. Gostaria muito que o representante francês Elle recebesse uma indicação, pois idolatro o diretor Paul Verhoeven. Mas as chances são mínimas, já que seu filme retrata um tema polêmico (estupro) sob uma perspectiva… bem, digamos, “Verhoevenesca”, à la provocateur. Espero que a tal “diversidade” também atinja a categoria mais conservadora do Oscar…

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas ao vivo no dia 24 de janeiro, e a cerimônia está marcada para o dia 26 de fevereiro.

 

Anúncios

‘Perdido em Marte’, ‘Mad Max’ e ‘O Regresso’ saem vitoriosos do ADG 2016

Direção de arte de Colin Gibson de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by elfilm.com)

Direção de arte de Colin Gibson de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by elfilm.com)

OS TRÊS VENCEDORES CONCORREM AO OSCAR DE DIREÇÃO DE ARTE

Se o 20º ADG (Art Directors Guild) nos disse alguma coisa com as vitórias de O Regresso, Mad Max: Estrada da Fúria e Perdido em Marte, foi que não há nada definido na categoria Direção de Arte, ou como eles dizem, Production Design, uma vez que todos os três disputam esses mesmo Oscar com Ponte dos Espiões e A Garota Dinamarquesa.

À princípio, Jack Fisk sairia na frente por seu trabalho em O Regresso por se tratar de um filme considerado de época, que costuma papar quase todos os Oscars. A Academia se derrete por trabalhos de reconstrução de época como Titanic, O Grande Gatsby e Lincoln (o mesmo vale para a categoria de Figurino), contudo, ao se ver o trailer de O Regresso, são as paisagens que se destacam mais pela fotografia do que a direção de arte, representada por uma ou outra cabaninha e um forte simples. Eu concederia o prêmio ADG para as mansões de A Colina Escarlate, mas acho que como o trabalho não foi indicado ao Oscar, preferiram premiar Fisk.

Uma pilha de crânios conta como direção de arte? (photo by cinemagia.ro)

O Regresso: Uma pilha de crânios conta como direção de arte? (photo by cinemagia.ro)

Não muito atrás, ficam os vencedores da categoria de Filme de Fantasia. Nos anos mais recentes, a Academia premiou muitos trabalhos do gênero como O Grande Hotel Budapeste, A Invenção de Hugo Cabret, Alice no País das Maravilhas, Avatar e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei. Este ano, pela reprodução do universo desértico pós-apocalíptico de Mad Max: Estrada da Fúria, Colin Gibson larga na frente de seus concorrentes. Alguns podem questionar a (falta) de direção de arte, já que a maior parte do filme se passa no deserto, mas os próprios veículos utilizados nas perseguições são trabalho de design. No início, também temos a cidade de Immortan Joe, com seus corredores de túneis, o cativeiro das moças, as gaiolas dos prisioneiros (foto) e a queda d’água em forma de caveira para o povo.

Já pela categoria de Direção de Arte – Contemporânea, o trabalho espacial de Arthur Max em Perdido em Marte foi o vitorioso. Apesar de ser uma produção convincente, há uma espécie de reciclagem da direção de arte de Prometheus (2012), a prequel de Alien: O Oitavo Passageiro (1979). As instalações espaciais são semelhantes, então dá a idéia de que muita coisa que não foi aproveitada no filme anterior foi utilizada aqui. Claro que não deixa de ter seus méritos (até mesmo porque Ennio Morricone também foi indicado ao Oscar este ano por Os 8 Odiados, trilha que foi descartada em 1982 da ficção científica de John Carpenter, O Enigma do Outro Mundo), mas considero a direção de arte meio futurista de Ex-Machina: Instinto Artificial mais merecedor de reconhecimento, já que com pouquíssimos elementos consegue dar o clima tecnológico necessário para ambientar a trama dos ciborgues. Este trabalho minimalista me lembra a bem-sucedida arte futurista de K.K. Barrett em Ela.

Perdido em Marte: cenário de Perdido em Marte ou de Prometheus? (photo by cinemagia.ro)

Perdido em Marte: cenário de Perdido em Marte ou de Prometheus? (photo by cinemagia.ro)

Os vencedores do ADG, Jack Fisk e Arthur Max, já foram indicados anteriormente, mas nunca levaram o Oscar. Colin Gibson desfruta de sua primeira indicação.

Este ano, o Art Directors Guild premiou o diretor David O. Russell com o Cinematic Imagery Award. Patrizia von Brandenstein, a primeira diretora de arte mulher a ganhar o Oscar por Amadeus, recebeu o prêmio pelo conjunto da obra. William J. Newmon, o primeiro set designer negro, o artista cênico Bill Anderson e o artista matte Harrison Ellenshaw também foram honrados.

Este ano, criaram um novo prêmio nomeado William Cameron Menzies Award para diretores de arte pioneiros. Para quem não conhece Menzies, ele foi um dos artistas mais requisitados das décadas de 20 e 30, ganhou o primeiro Oscar da categoria por A Tempestade e Mulher Cobiçada, mas ficou conhecido mesmo por seu trabalho fenomenal em …E o Vento Levou, pelo qual foi reconhecido com o Oscar Honorário por usar as cores para compor a dramaticidade. O primeiro prêmio foi concedido para o crítico de cinema Robert Osborne, que não compareceu à cerimônia.

Seguem os vencedores do 20º ADG:

CINEMA

Filme de Época
Jack Fisk (O Regresso)

Fantasia
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)

Filme Contemporâneo
Arthur Max (Perdido em Marte)

TELEVISÃO

SÉRIE DE TV DE ÉPOCA OU FANTASIA DE UM HORA, CÂMERA ÚNICA:

  • Deborah Riley (Game of Thrones) Episódios: “High Sparrow”, “Unbowed, Unbent, Unbroken” e “Hardhome”

SÉRIE DE TV CONTEMPORÂNEA, CÂMERA ÚNICA:

  • Steve Arnold (House of Cards) Episódios: “Chapter 29,” “Chapter 36”

MINISSÉRIE OU FILME DE TV, CÂMERA ÚNICA:

  • Mark Worthington (American Horror Story: Hotel) Episódio: “Checking in”
AMERICAN HORROR STORY: HOTEL -- Pictured: (top row, l-r) Mare Winningham as Miss Evers, Evan Peters as Mr. March, Cheyenne Jackson as Will Drake, Lyric Lennon as Lachlan Drake; (middle row, l-r) Finn Wittrock as Tristan, Lennon Henry as Holden Lowe, Lady Gaga as The Countess, Matt Bomer as Donovan; (front row, l-r) Kathy Bates as Iris, Denis O'Hare as Liz Taylor, Wes Bentley as John Lowe, Chloe Sevigny as Alex Lowe, Sarah Paulson as Sally, Max Greenfield as Gabriel, Angela Bassett as Ramona Royale. CR: Frank Ockenfels/FX Networks

AMERICAN HORROR STORY: HOTEL — Da cima pra baixo, esq pra direita: Mare Winningham como Miss Evers, Evan Peters como Mr. March, Cheyenne Jackson como Will Drake, Lyric Lennon como Lachlan Drake, Finn Wittrock como Tristan, Lennon Henry como Holden Lowe, Lady Gaga como The Countess, Matt Bomer como Donovan, Kathy Bates como Iris, Denis O’Hare como Liz Taylor, Wes Bentley como John Lowe, Chloe Sevigny como Alex Lowe, Sarah Paulson como Sally, Max Greenfield como Gabriel, Angela Bassett como Ramona Royale. Photo by Frank Ockenfels/FX Networks

SÉRIE DE TV DE MEIA HORA, SÉRIE DE CÂMERAS:

  • Denise Pizzini (The Muppets) Episódios: “The Ex-Factor,” “Pig’s in a Blanket”

SÉRIE DE TV DE MULTI-CÂMERAS:

  • John Shaffner (The Big Bang Theory) Episódios: “The Skywalker Incursion,” “The Mystery Date Observation,” “The Platonic Permutation”

PRÊMIOS OU EVENTOS ESPECIAIS:

  • Derek Mclane (The Oscars: 2015)

FORMATO CURTO: WEBSÉRIES, VIDEOCLIPE OU COMERCIAL:

  • Jess Gonchor (Apple Music) Episódio: “The History of Sound”

PROGRAMA DE VARIEDADE, COMPETIÇÃO, REALIDADE OU SÉRIE DE GAME SHOW:

  • Gary Kordan (Key & Peele) Episódios: “Ya’ll Ready for This?” “The End”

Alejandro G. Iñárritu, George Miller, Tom McCarthy, Ridley Scott e Adam McKay conquistam indicação ao DGA 2016

directors2015b-816x460

Do alto, da esquerda para direita: Adam McKay, Ridley Scott, Tom McCarthy, Alejandro González Iñárritu e George Miller (photo montage by awardsdaily.com)

DIRETOR BRASILEIRO, FERNANDO COIMBRA, É RECONHECIDO POR NOVA CATEGORIA PARA ESTREANTES

Por se tratar de um dos melhores parâmetros para o Oscar (se não o melhor), o DGA é praticamente garantia de que o vencedor aqui leva o prêmio de direção da Academia em seguida. E quem estiver fora dessa lista, pode praticamente dar adeus a uma vitória no Oscar. Nesse caso, os excluídos Todd Haynes (Carol) e Steven Spielberg (Ponte dos Espiões) podem até conquistar uma indicação ao Oscar na quinta-feira, mas chances reais de vitória caem drasticamente.

Pra quem não se recorda, vale lembrar que em 67 anos de existência, o DGA só não coincidiu com o vencedor do Oscar de diretor em apenas 7 ocasiões:

  • Em 1968: Anthony Harvey ganhou o DGA Award por O Leão no Inverno, enquanto Carol Reed levou o Oscar por Oliver!
  • Em 1972: Francis Ford Coppola por O Poderoso Chefão (DGA) e Bob Fosse por Cabaret (Oscar).
  • Em 1985: Steven Spielberg por A Cor Púrpura (DGA), e Sydney Pollack por Entre Dois Amores (Oscar).
  • Em 1995: Ron Howard por Apollo 13 (DGA), e Mel Gibson por Coração Valente (Oscar).
  • Em 2000: Ang Lee por O Tigre e o Dragão (DGA) e Steven Soderbergh por Traffic (Oscar).
  • Em 2002: Rob Marshall por Chicago (DGA) e Roman Polanski por O Pianista (Oscar).
  • Em 2013: Ben Affleck por Argo (DGA) e Ang Lee por As Aventuras de Pi (Oscar).

Pra ser bem sincero, acredito que Adam McKay deve ceder sua vaga no Oscar para Haynes, o que fortaleceria suas chances de ganhar como roteirista por A Grande Aposta.

Enfim… as indicações ao DGA foram anunciadas hoje, dia 12, e o presidente do sindicato, Paris Barclay, aproveitou para elogiar os trabalhos de 2015: “O que faz com que este ano seja diferente é a ambição desenfreada dos indicados – no tema , na produção, na imaginação visual. O que faz com que este ano seja o mesmo é que os filmes foram todos escolhidos pelos colegas dos diretores, e é claro que nossos membros adoram quando as pessoas usam sua visão e habilidade para elevar os meios para novos patamares. Parabéns a todos os indicados por seu trabalho incrível.”

Pelo discurso, parecia que ele estava elogiando o trabalho ousado de George Miller em Mad Max: Estrada da Fúria, o que talvez soaria como um indicativo de que este pode ser o primeiro DGA de Miller, mas ele terá dura competição pela frente, com um imbatível Alejandro González Iñárritu, que acaba de levar o Globo de Ouro por O Regresso, e Ridley Scott por Perdido em Marte, que está com cara de que pode levar mais pelo conjunto de sua obra do que pelo filme em si.

Nesta 68ª edição, o DGA resolveu criar uma nova categoria destinada a diretores estreantes, tamanho o talento encontrado em novos diretores. Por se tratar de um prêmio novíssimo, não dá pra saber ainda se ele terá algum tipo de impacto no Oscar, mas definitivamente, trata-se de um reconhecimento merecido.

Além de figuras mais conhecidas como Alex Garland (que roteirizou Extermínio, Sunshine – Alerta Solar e Não me Abandone Jamais) e Joel Edgerton (ator de Reino Animal, Guerreiro e O Grande Gatsby), o diretor brasileiro Fernando Coimbra foi indicado por seu trabalho no bom e tenso thriller O Lobo Atrás da Porta, uma espécie de Atração Fatal carioca. Ele, que já vinha em ascensão com a direção de episódios da série Narcos e agora filmando Sand Castle, longa estrelado por Henry Cavill e Nicholas Hoult, passa a ter mais destaque no cenário internacional com esta indicação. Espero que ele prospere e siga a trajetória de sucesso de nossos diretores Walter Salles, Fernando Meirelles e José Padilha.

oloboatrasdaporta

Em primeiro plano, Leandra Leal em cena de O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra (photo by cinemaorama.com.br)

 

Seguem os indicados a Diretor:

ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑÁRRITU (O Regresso)

Alejandro González IñárrituVencedor do DGA de 2015 por Birdman, esta é sua terceira indicação. Perdeu em 2007 por Babel. Como cinéfilo e admirador do diretor desde seu primeiro longa Amores Brutos (2000), acredito que ele evoluiu bastante. Por um momento, temi que ele fosse se limitar à estrutura narrativa de histórias paralelas que se cruzam com uma tragédia, mas ele conseguiu se superar com Biutiful e Birdman, e promete ser um daqueles raros diretores que buscam inovações a cada novo trabalho. Com a colaboração inestimável de seu DP (diretor de fotografia) Emmanuel Lubezki, Iñárritu se mostra promissor e deve conquistar pelo menos mais uma estatueta do Oscar.

TOM McCARTHY (Spotlight – Segredos Revelados)

Tom McCarthyFoi atuando como ator que Tom McCarthy começou a observar o trabalho dos diretores. Por estar no elenco, viu de perto o modo de trabalho de Richard Donner em Teoria da Conspiração, George Clooney em Boa Noite e Boa Sorte e Clint Eastwood em A Conquista da Honra. Logo em seu primeiro filme como diretor, em O Agente da Estação, foi premiado pelo BAFTA, Independent Spirit e Sundance. Em seguida dirigiu dois bons trabalhos em O Visitante e Ganhar ou Ganhar – A Vida é um Jogo, mas em 2014, resolveu dirigir um filme bem ruinzinho estrelado por Adam Sandler, Trocando os Pés. Felizmente, voltou a um cinema mais consistente em Spotlight – Segredos Revelados. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

ADAM McKAY (A Grande Aposta)

Adam McKaySe olharmos para a filmografia de Adam McKay, encontraremos exemplares das comédias estreladas por Will Ferrell como Ricky Bobby – A Toda Velocidade, Quase Irmãos e Os Outros Caras, filmes que dificilmente seriam reconhecidos no Oscar ou mesmo no DGA. Imagino que deve ter amadurecido seu feeling e timing cômico nessa trama sobre a crise econômica de A Grande Aposta. Espero. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

 

GEORGE MILLER (Mad Max: Estrada da Fúria)

George MillerGeorge Miller era daqueles diretores que eu pensava: “Por que esse cara nunca foi reconhecido pela Academia?” Ele dirigiu uma das melhores trilogias do cinema: Mad Max. E nada! Então, ele passou a ser mais sentimentalista (ou passou a se vender – dependendo do ponto de vista) dirigindo dramas como O Óleo de Lorenzo (1992) e dirigir filmes fofinhos como Babe – O Porquinho Atrapalhado na Cidade (1998) e animação Happy Feet: O Pingüim (2006) e sua continuação. Acho que só o fato de ele ter conseguido convencer o estúdio a lhe dar carta branca pra fazer esse insano e politicamente incorreto Mad Max: Estrada da Fúria em tempos de cinema careta já foi uma vitória incontestável. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

RIDLEY SCOTT (Perdido em Marte)

Ridley ScottEu tinha uma grande admiração por Ridley Scott. Ele dirigiu duas das melhores ficções científicas da História do Cinema: Alien, o Oitavo Passageiro (1979) e Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982), mas desde que o vi com aquela cara de mau perdedor no Oscar 2001, quando competia por Gladiador e perdeu para Steven Soderbergh (Traffic), fiquei com a expressão: “Esse mau perdedor aí é o diretor de Alien?”. Seu novo filme Perdido em Marte é uma boa ficção científica que tem como mérito ser otimista, algo muito raro no gênero. Acredito que tem grandes chances aqui e no Oscar, porém mais por sua filmografia que inclui o cult Thelma & Louise, Os Duelistas e Chuva Negra. Esta é sua quarta indicação ao DGA. Ele foi indicado antes por Thelma & Louise, Gladiador e Falcão Negro em Perigo.

Seguem os indicados a Melhor Diretor Estreante:

  • Fernando Coimbra (O Lobo Atrás da Porta)
  • Joel Edgerton (O Presente)
  • Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
  • Marielle Heller (O Diário de uma Adolescente)
  • László Nemes (O Filho de Saul)

 

O 68º DGA Awards acontece no dia 06 de fevereiro.

‘O Grande Hotel Budapeste’, ‘O Jogo da Imitação’ e ‘Vício Inerente’ competem pelo ADG Awards 2015

Direção de Arte de O Grande Hotel Budapeste entre os melhores trabalhos de 2014 (photo by cinemagia.ro)

Direção de Arte de O Grande Hotel Budapeste entre os melhores trabalhos de 2014 (photo by cinemagia.ro)

O GRANDE HOTEL BUDAPESTE POSSUI MAIS TRIUNFOS DO QUE OS CONCORRENTES

Seguindo a carreata de anúncio de sindicatos, o Art Directors Guild (ADG) divulgou a lista de seus indicados nas três categorias: filme de época, fantasia e contemporâneo. Independente de qual filme ganhe na terceira categoria de filme contemporâneo, o Oscar sempre prioriza as produções de época como o vencedor do ano passado, O Grande Gatsby, ou baseadas em mundos imaginários como a trilogia de O Senhor dos Anéis. Claro que além de se tratarem de trabalhos mais vistosos e mais facilmente reconhecidos pelo grande público, os votantes costumam levar em conta o grau maior de trabalho que esse tipo de produção exige de uma equipe grande. No ano passado, o vencedor de Filme Contemporâneo, Ela, apresentava um cenário futurista sutil repleto de minúcias, e por isso mesmo, acabou sendo indicado ao Oscar na categoria. Gostaria que tivesse ganhado o prêmio, pois sai um pouco da mesmice dos vencedores, mas a bela reconstrução dos anos 20 de O Grande Gatsby acabou levando.

Este ano, Adam Stockhausen sai na frente por seu belíssimo trabalho em O Grande Hotel Budapeste. Além da bela construção dos anos 30, respeita o estilo colorido do diretor Wes Anderson, e ainda o hotel é um personagem do filme. Stockhausen foi previamente indicado ao Oscar ano passado por 12 Anos de Escravidão, o que deve ajudar bastante em sua campanha rumo à vitória. Os demais concorrentes da categoria não estão muito atrás. Vício Inerente reconstrói a Los Angeles das drogas dos anos 70; enquanto O Jogo da Imitação e Invencível resgatam dois lados da 2ª Guerra Mundial; e A Teoria de Tudo inicia seu trabalho nos anos 60, quando o casal Stephen e Jane Hawking se conheceram.

Já entre os filmes de Fantasia, as ficções científicas Guardiões da Galáxia e Interestelar devem figurar entre os vencedores por seus trabalhos excepcionais em criar novos universos e planetas. Enquanto Birdman cuida das alucinações do personagem de Michael Keaton, um ator que busca seu retorno trinufal nos palcos após um longínquo sucesso como super-herói.

Confira lista completa dos indicados ao 19º ADG Awards:

CINEMA

FILME DE ÉPOCA (PERIOD FILM):
♦ David Crank (Vício Inerente)
♦ Adam Stockhausen (O Grande Hotel Budapeste)
♦ Maria Djurkovic (O Jogo da Imitação)
♦ John Paul Kelly (A Teoria de Tudo)
♦ Jon Hutman (Invencível)

Anos 70 de Vício Inerente (photo by cinemagia.ro)

Anos 70 de Vício Inerente (photo by cinemagia.ro)

FILME DE FANTASIA OU FANTÁSTICO (FANTASY FILM):
♣ Peter Wenham (Capitão América: O Soldado Invernal)
♣ James Chinlund (Planeta dos Macacos: O Confronto)
♣ Charles Wood (Guardiões da Galáxia)
♣ Nathan Crowley (Interestelar)
♣ Dennis Gassner (Caminhos da Floresta)

Nave é parte do grande trabalho de Nathan Crowley (photo by outnow.ch)

Nave é parte do grande trabalho de Nathan Crowley em Interestelar (photo by outnow.ch)

FILME CONTEMPORÂNEO (CONTEMPORARY FILM):
♠ James J. Murakami, Charisse Cardenas (Sniper Americano)
♠ Kevin Thompson (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
♠ Jess Gonchor (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
♠ Donald Graham Burt (Garota Exemplar)
♠ Kevin Kavanaugh (O Abutre)

Cena de Birdman em que a direção de arte faz sua parte (photo by outnow.ch)

Cena de Birdman em que a direção de arte faz sua parte (photo by outnow.ch)

TELEVISÃO

SÉRIE DE TV DE ÉPOCA OU FANTASIA DE UM HORA, CÂMERA ÚNICA:
♦ Deborah Riley (Game of Thrones) – Episódios: “The Laws of Gods and Men” e “The Mountain and the Viper”
♦ Dan Bishop (Mad Men) – Episódio: “Time Zones”
♦ Doug Kraner (Gotham) – Episódios: “Pilot”, “Selina Kyle” e “Arkham”
♦ Howard Cummings (The Knick) – Episódios: “Method and Madness” e “Working Late a Lot”
♦ Bill Groom (Boardwalk Empire) – Episódio: “Golden Days for Boys and Girls”

SÉRIE DE TV CONTEMPORÂNEA, CÂMERA ÚNICA:
♣ John D. Kretschmer (Homeland) – Episódio: “The Drone Queen”
♣ Steve Arnold (House of Cards) – Episódio: “Chapter 18”
♣ Dave Blass (Justified) – Episódios: “Murder Of Crowes”, “Wrong Roads” e “The Toll”
♣ Karen Steward (The Newsroom) – Episódios: “Boston”, “Main Justice” e “Contempt”
♣ Alex DiGerlando (True Detective) – Episódios: “The Locked Room” e “Form and Void”

MINISSÉRIE OU FILME DE TV, CÂMERA ÚNICA:
♠ Mark Worthington (American Horror Story: Freak Show) – Episódio: “Massacres and Matinees”
♠ Seth Reed (Cosmos: A SpaceTime Odyssey) – Episódio: “Unafraid of the Dark”
♠ John Blackie (Fargo) – Episódio: “The Crocodiles Dilemma”
♠ Patrizia Von Brandenstein (Houdini) – Episódios: “Part I” e “Part II”
♠ Arwel W. Jones (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”

SÉRIE DE TV DE MEIA HORA, CÂMERA ÚNICA:
♥ Ray Yamagata (Californication) – Episódios: “Faith, Hope, Love”, “Like Father Like Son” e “Kickoff”
♥ Ray Yamagata (House of Lies) – Episódios: “Wreckage”, “Middlegame” e “Zha- Moreng”
♥ Claire Bennett (Modern Family) – Episódios: “Halloween 3: Awesomeland”, “Marco Polo” e “Won’t You Be Our Neighbor”
♥ Richard Toyon (Sillicon Valley) – Episódios: “Articles of Incorporation”, “Signaling Risk” e “Optimal Tip-To-Tip Efficiency”
♥ James Gloster (Veep) – Episódios: “Clovis”, “Special Relationship” e “Debate”

SÉRIE DE TV DE MULTI-CÂMERAS:
• Stephan Olson (How I Met Your Mother) – Episódio: “How Your Mother Met Me”
• John Shaffner (Mike & Molly) – Episódios: “Mike & Molly’s Excellent Adventure” e “The Dice Lady Cometh”
• John Shaffner (The Big Bang Theory) – Episódios: “The Locomotive Manipulation”, “The Convention Conundrum” e “The Status Quo Combustion”
• Glenda Rovello (The Millers) – Episódios: “You Are the Wind Beneath My Wings, Man”, “Con-Troversy” e “Papa Was a Rolling Bone”
• Cabot McMullen (Undatable) – Episódio: “Pilot”

PRÊMIOS OU EVENTOS ESPECIAIS:
♦ Derek McLane (86th Annual Academy Awards)
♦ Derek McLane (Peter Pan Live!)
♦ Bruce Rodgers (Super Bowl XLVIII Halftime Show: Starring Bruno Mars)
♦ Joe Stewart (The American Music Awards 2014)
♦ Matthew Russell (The Night that Changed America: A Grammy Salute to the Beatles)
♦ Keith Ian Raywood (The 66th Primetime Emmy Awards)

FORMATO CURTO: WEBSÉRIES, VIDEOCLIPE OU COMERCIAL:
♣ Sean Hargreaves (Apple): “Perspective”
♣ Emma Fairley (Coldplay): “Magic”
♣ Richard Lassalle (Ikea): “Carousel”
♣ Jeremy Reed (Katy Perry): “Dark Horse”
♣ Zach Mathews (Simpson’s Marathon)

PROGRAMA DE VARIEDADE, COMPETIÇÃO, REALIDADE OU SÉRIE DE GAME SHOW:
♠ Gary Kordan (Key & Peele): “Halloween Episode” e “Alien Imposters”
♠ Tyler B. Robinson (Portlandia): “Celery”
♠ Keith Ian Raywood, Eugene Lee, Akira Yoshimura, N. Joseph DeTullio (Satuday Night Live): “Louis C. K. with Sam Smith”, “Anna Kendrick with Pharrell Williams”, “Chris Rock with Prince”
♠ Eugene Lee, Peter Baran (The Tonight Show Starring Jimmy Fallon): “1”, “45” e “56”
♠ James Pearse Connelly, Anton Goss (The Voice): “Blind Auditions Premiere”

Homenageado pelo ADG, o diretor Christopher Nolan (photo by i.huffpost.com)

Homenageado pelo ADG, o diretor Christopher Nolan (photo by i.huffpost.com)

O ADG costuma conceder a honraria anual do Cinematic Imagery Award para artistas que contribuem para a criatividade da categoria. O escolhido do ano foi o diretor Christopher Nolan, que juntamente com seu colaborador Nathan Crowley, instiga a imaginação do espectador com seus filmes fantásticos como O Grande Truque e A Origem.

Os vencedores serão conhecidos no dia 31 de janeiro no Hotel Beverly Hilton.

Vencedor de 3 Oscars, ’12 Anos de Escravidão’ conquista Melhor Filme

Isso que eu chamo de comemoração: Steve McQueen em momento Matrix no Oscar (fonte: andreii-tarkovsky)

Isso que eu chamo de comemoração: Steve McQueen em momento Matrix no Oscar (fonte: andreii-tarkovsky)

E a briga entre cinema de autor e comercial deu… de autor! A pequena produção de apenas uma câmera bateu as inúmeras câmeras e artefatos digitais de um blockbuster. Na metade da cerimônia, havia fortes indícios de que 12 Anos de Escravidão perderia seu posto de Melhor Filme, pois Gravidade estava ganhando tudo, mas na reta final o filme sobre escravidão cresceu ao vencer Atriz Coadjuvante e Roteiro Adaptado.

Aliás, a anfitriã da noite, Ellen DeGeneres, já soltou a melhor pérola da noite sobre o assunto:
“There are several possibilities for the evening. The first is that “12 Years a Slave” wins Best Picture. “Possibility No. 2: You’re all racists. (Há inúmeras possibilidades para a noite. A primeira é que ’12 Anos de Escravidão’ ganhe Melhor Filme. Possiblidade nº 2: Vocês todos são racistas).”

Em sua segunda atuação como hostess, Ellen DeGeneres estava mais soltinha. Ao comentar sobre a performance de Jonah Hill em O Lobo de Wall Street: “I have to say you showed me something in that film that I have not see for a very, very long time (Tenho que dizer que você me mostrou uma coisa no filme que eu não vejo há muito, muito tempo)” – referindo-se ao pênis de seu personagem e ao fato de que DeGeneres é homossexual. Também se mostrou mais venenosa quando chamou a atriz Liza Minelli de um homem imitando Liza Minelli. Mas os melhores momentos dela foram aqueles em que interagiu com as celebridades nos assentos, seja servindo pizza (!) ou tirando uma foto selfie com vários atores, que ela postou em seu Twitter.

Você nunca imaginou que fosse ver Brad Pitt comendo pizza no Oscar, né?

Você nunca imaginou que fosse ver Brad Pitt comendo pizza no Oscar, né? (fonte: valonqars)

Para aqueles que achavam que a pizza estava no roteiro... HA!

Para aqueles que achavam que a pizza estava no roteiro… HA!

Ellen DeGeneres reuniu a galera para um selfie

Ellen DeGeneres reuniu a galera para um selfie

O mais engraçado foi quando Ellen pegou o chapéu alto de Pharrell Williams para coletar dinheiro para pagar as pizzas. Ao abordar Brad Pitt: “20 dólares?! Você estava em dois filmes, Brad!”. Tentou arrecadar dinheiro com uma das atrizes mais bem pagas de Hollywood, Sandra Bullock, e depois com o produtor Harvey Weinstein, que doou 200 dólares para a conta. Genial!

Quanto aos resultados, foi um dos Oscars mais previsíveis dos últimos anos. Eu esperava ansiosamente por uma surpresa que não vinha. Acreditei que haveria uma delas nas categorias de atuação, pois Filme e Diretor estavam praticamente certos. Como a categoria de Melhor Ator era a mais competitiva, cogitei algo radical como a vitória de Leonardo DiCaprio ou, na pior das hipóteses Chiwetel Ejiofor ou Bruce Dern.

Pra não dizer que não houve nada, a vitória de Gravidade como Montagem chega a surpreender um pouco devido à total derrota de Capitão Phillips, que já havia ganhado o Eddie Awards de edição. Quando vi Alfonso Cuarón recebendo esse prêmio, cheguei a pensar que ele poderia perder o Oscar de Diretor para Steve McQueen. Aliás, como Sidney Poitier apresentou Diretor (ao lado de Angelina Jolie), visualizei um daqueles casos de favorecimento que a Academia adorava aplicar, como quando botaram Penélope Cruz e Antonio Banderas para apresentar Filme Estrangeiro para Pedro Almodóvar ou quando chamaram Sophia Loren para conceder o Oscar para Roberto Benigni, MAS a noite era de Gravidade, e não foi desta vez que vimos o primeiro diretor negro a ganhar o Oscar, mas o primeiro hispânico.

O grande perdedor da noite foi Trapaça, que saiu de mãos abanando. No post anterior, comentei a curiosidade dos últimos filmes com 10 indicações não terem levado nada como Bravura Indômita (2010) e Gangues de Nova York (2002). Talvez seja uma maldição numérica! Mais uma pra coleção do Oscar… Mas a verdade é que o filme de David O. Russell não era melhor em nenhum das 10 categorias. Nem Jennifer Lawrence, nem Roteiro Original. Trata-se de um filme bem dirigido, atuado e escrito, mas sem grandes alardes.

Fiquei feliz pelo primeiro e merecido Oscar de Melhor Fotografia para Emmanuel Lubezki. Apesar de se tratar de um trabalho mais de pós do que iluminação de set, ele sabe aliar bem ambos os universos dos atores com os efeitos. Agora está faltando o Oscar para Roger Deakins, né Academia? E também da vitória da canção “Let it Go”, pois estava com receio de que “Ordinary Love” só seria premiada por causa da recente morte de Nelson Mandela. Pena que John Travolta errou completamente o nome da atriz e cantora Idina Menzel, a qual ele chamou de algo parecido como “Adele Nazeem”. Triste.

Embora estivesse torcendo por Judi Dench (que estava ausente para filmar O Exótico Marigold Hotel 2), gostei do discurso de Cate Blanchett. Além de agradecer a Woody Allen (em menção simples para não se complicar devido à recente polêmica), deu um puxão de orelha nos executivos de Hollywood ao afirmar que filmes com mulheres no papel central não são nichos, mas produções rentáveis.

Quanto à cerimônia, alguns comentários breves. Primeiro, havia números musicais em excesso. Por mais que a canção “Alone Not Yet Alone” tenha sido eliminada, resolveram incluir a performance desnecessária de Pink cantando “Somewhere Over the Rainbow” numa homenagem sem graça dos 75 anos de O Mágico de Oz, e a de Bette Midler, que se tivesse que cantar mesmo, que cantasse durante o clipe do In Memorian. Segundo: também em decorrência do excesso de músicas, havia breaks comerciais demais. Estava cansado das chamadas bregas da TNT!

Terceiro: a decoração de palco do Oscar estava muito amador. Várias máquinas de escrever ao fundo para apresentar os prêmios de roteiro? Sério mesmo?! E as lâmpadas que se assemelham a refletores de cinema que mais distraem do que decoram. Quarto: Pra que dois clipes sobre heróis?

Sem surpresa NENHUMA: todos venceram o SAG Awards (fonte: fionagoddess)

Sem surpresa NENHUMA: todos venceram o SAG Awards (fonte: fionagoddess)

Confira todos os vencedores do Oscar 2014:

MELHOR FILME
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuarón (Gravidade)

Um por minha montagem e outro por minha direção de Gravidade (fonte: mocriss)

Um por minha montagem e outro por minha direção de Gravidade (fonte: mocriss)

MELHOR ATOR
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

Cate Blanchett por Blue Jasmine

Cate Blanchett por Blue Jasmine

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

Bela imagem de Lupita Nyong'o ostentando seu Oscar de estreante (fonte: kate-mara)

Bela imagem de Lupita Nyong’o ostentando seu Oscar de estreante (fonte: kate-mara)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Spike Jonze (Ela)

"Calm down": Spike Jonze atende os jornalistas

“Calm down”: Spike Jonze atende os jornalistas

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
John Ridley (12 Anos de Escravidão)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Gravidade)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Catherine Martin, Beverley Dunn (O Grande Gatsby)

MELHOR MONTAGEM
Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)

MELHOR FIGURINO
Catherine Martin (O Grande Gatsby)

MELHOR MAQUIAGEM
Adruitha Lee, Robin Mathews (Clube de Compras Dallas)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Steven Price (Gravidade)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Let It Go” – Robert Lopez, Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)

MELHOR SOM
Skip Lievsay, Niv Adiri, Christopher Benstead, Chris Munro (Gravidade)

MELHORES EFEITOS SONOROS
Glenn Freemantle (Gravidade)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Timothy Webber, Chris Lawrence, David Shirk, Neil Corbould (Gravidade)

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Grande Beleza (Itália)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
A Um Passo do Estrelato (20 Feet from Stardom), de Morgan Neville

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
The Lady in Number 6: Music Saved My Life, de Malcolm Clarke, Carl Freed

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
Mr. Hublot, de Laurent Witz, Alexandre Espigares

MELHOR CURTA-METRAGEM
Helium, de Anders Walter

BAFTA consagra ’12 Anos de Escravidão’, mas não esquece de ‘Gravidade’

BAFTA de Melhor Filme para 12 Anos de Escravidão (photo by arts.nationalpostc

MELHOR FILME: 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO. Da esquerda para a direita: Christoph Waltz (que entregou o prêmio) e os produtores Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Steve McQueen e Brad Pitt (photo by Carl Court in arts.nationalpost.com)

12 ANOS DE ESCRAVIDÃO LEVA DOIS PRÊMIOS, ENQUANTO GRAVIDADE LEVA SEIS

Ehr… vamos lá. Como estávamos na matemática de Melhor Filme mesmo? 12 Anos de Escravidão 3 X 2 Gravidade. Enquanto o primeiro levou o Globo de Ouro, Critics’ Choice Awards e o PGA, o segundo conquistou o LAFCA e o PGA. Para quem considerava que o ano tinha um favorito, a ascensão de Gravidade tem ameaçado o reinado de 12 Anos de Escravidão.

Apesar do filme de escravidão de Steve McQueen ter conquistado o BAFTA de Melhor Filme, foi a mega-produção espacial de Alfonso Cuarón que foi considerado o grande vencedor pela mídia, afinal, levou 6 dos 11 prêmios a que estava indicado, inclusive o BAFTA de Melhor Filme Britânico. Aliás, essa história do filme americano ter competido como filme britânico soou estranho desde o começo. Cheirava mais como um complô para garantir um prêmio importante para Gravidade. Segundo alguns especialistas, o filme contou com muitos profissionais britânicos e isso o qualificaria para competir. Em seu discurso de agradecimento, como se tivesse sido obrigado a dizer, o diretor soltou um “I consider myself a part of the British industry (Eu me considero parte da indústria britânica)”. Aham.

MELHOR FILME BRITÂNICO: GRAVIDADE. À esquerda, o diretor Alfonso Cuarón ao lado do produtor David Heyman (photo by metro.co.uk)

MELHOR FILME BRITÂNICO: GRAVIDADE. À esquerda, o diretor Alfonso Cuarón ao lado do produtor David Heyman (photo by metro.co.uk)

OK. Não quero ser estraga-prazeres porque Gravidade realmente merece prêmios importantes (exceto o de roteiro), mas a questão é que o filme está ocupando vaga de uma produção genuinamente britânica. E qualquer sinal de armação colocaria em risco toda a história da premiação cinematográfica. Acho muito bacana e válido o BAFTA ter alterado seu calendário para antes do Oscar a fim de ganhar mais visibilidade, mas deviam rever seus conceitos e regras classificatórias e também não ficar dependente demais da Academia americana.

Ainda sobre a categoria Filme Britânico, se a produção hollywoodiana estive fora do páreo, seria 99% de certeza de que Philomena ganharia nesta categoria. A história verídica sobre a busca pelo filho perdido de Philomena Lee vem conquistando o público pelo humanismo que o roteiro explora bem, tanto que ganhou o BAFTA de Roteiro Adaptando, desbancando o até então favorito John Ridley de 12 Anos de Escravidão. Gostaria muito de ter visto Judi Dench premiada, mas infelizmente suas chances são baixas.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: PHILOMENA. Jeff Pope e Steve Coogan ostentam o prêmio (photo by pipocamoderna.com)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: PHILOMENA. Jeff Pope e Steve Coogan ostentam o prêmio (photo by pipocamoderna.com)

Dada a bronca, o “empate técnico” entre 12 Anos de Escravidão e Gravidade no Producers Guild (PGA) ganhou mais um capítulo com essas vitórias no BAFTA, retomando a possibilidade que alguns jornalistas e críticos estão considerando sobre um empate inédito também no Oscar. Particularmente, não acredito nessa teoria devido ao alto número de membros votantes dessa categoria. Se fosse uma categoria menor como Efeitos Sonoros, haveria maior chance disso ocorrer como em 2013.

À parte da premiação em si, o embate entre as duas produções já é no mínimo interessante do ponto de vista artístico, afinal, um representa a linha mais autoral e visceral do cinema, enquanto o outro se tornou símbolo do cinema mais técnico e comercial devido ao sucesso nas bilheterias. Em 2010, no último confronto desse naipe, o autoral bateu o comercial: Guerra ao Terror derrotou o gigante Avatar.

Nos prêmios de atuação, houve surpresa justamente nas categorias em que os favoritos não concorreram: Ator e Ator Codjuvante. Matthew McConaughey e Jared Leto não foram sequer indicados provavelmente porque Clube de Compras Dallas não estreou a tempo em solo britânico, o que os qualificaria apenas para 2015! Na ausência deles, os beneficiados foram Chiwetel Ejiofor e Barkhad Abdi, cujas vitórias espantam o clima de “já-ganhou” e dá uma agitada na casa de apostas.

A campanha de Ejiofor começou bem com alguns prêmios da crítica em dezembro e janeiro, mas foi perdendo espaço para McConaughey desde o Globo de Ouro. Ele pode não apresentar uma transformação espantosa como a de McConaughey, mas é a performance mais consistente. Seu personagem Solomon Northup passa longe de ser um herói, mas sua vontade de sobreviver para voltar para sua família é digna de nota. Assim como Solomon, Chiwetel Ejiofor não busca atenção para si, mas para a história. É a alma do filme.

MELHOR ATOR: CHIWETEL EJIOFOR (12 ANOS DE ESCRAVIDÃO). O ator foi bastante aplaudido no Royal Opera House em Londres (photo by Reuters)

MELHOR ATOR: CHIWETEL EJIOFOR (12 ANOS DE ESCRAVIDÃO). O ator foi bastante aplaudido no Royal Opera House em Londres (photo by Reuters)

Já no caso de Barkhad Abdi, sem querer desmerecer sua vitória, acredito que o BAFTA foi um caso isolado. Se existe uma performance garantida no Oscar, esta é a de Jared Leto. Além de emagrecer horrores pro papel, ele ainda é transexual e aidético, uma mistura que chama a atenção. Como o somaliano Abdi é um estreante, só a indicação ao Oscar já pode lhe proporcionar novos projetos. Caberá a ele decidir qual rumo seguir no cinema.

Também havia forte possibilidade de Leonardo DiCaprio ganhar, mas O Lobo de Wall Street saiu de mãos vazias. Não sei se sou apenas eu, mas em tudo quanto é site e fórum, estou vendo torcida para o Leo. E todas do tipo: “Se Leo não ganhar desta vez, nunca mais ganha!”. Tá parecendo que ele tem 80 anos e nunca mais vai ser indicado! Espero que em caso de derrota no Oscar, ele saia fortalecido e que abrace mais projetos diferenciados que amadureçam ainda mais seu estilo de atuação.

Ao subir no palco para receber sua estatueta, Cate Blanchett não apenas evitou polêmicas (lembrando aqui o recente caso de denúncia de abuso sexual de Woody Allen com a filha de Mia Farrow, Dylan), mas soube conquistar a compaixão de toda a platéia ao dedicar o prêmio ao recém-falecido Philip Seymour Hoffman. A atriz australiana é esperta. Ela sabe que a única coisa que pode prejudicar sua campanha no Oscar é essa briga judicial envolvendo seu diretor, então nada melhor do que evitar menções diretas.

MELHOR ATRIZ: CATE BLANCHETT (BLUE JASMINE). Blanchett praticou a boa e velha política no discurso (photo by Suzanne Plunkett/ Reuters)

MELHOR ATRIZ: CATE BLANCHETT (BLUE JASMINE). Blanchett praticou a boa e velha política no discurso (photo by Suzanne Plunkett/ Reuters)

Já na categoria de atriz coadjuvante, a vitória de Jennifer Lawrence não chega a ser uma surpresa. Embora Lupita Nyong’o seja a franco-favorita desde o SAG, Lawrence perdeu ano passado na categoria de atriz para a veterana Emmanuelle Riva (Amor), fato que pode ter colaborado muito com este BAFTA. Ocupada com filmagem, Jennifer não estava presente na cerimônia, e o diretor David O. Russell aceitou o prêmio em seu nome. Atrás apenas de Melhor Filme, esta é a categoria que mais levanta dúvidas sobre o vencedor no Oscar. Alguns dizem que estão interligadas: Se 12 Anos de Escravidão ganhar, Lupita perde. Se Gravidade ou Trapaça ganhar, Jenny perde. Enfim, é uma teoria da conspiração sem fim!

Vencedor do Globo de Ouro de Filme em Língua Estrangeira, o italiano A Grande Beleza repetiu o feito no BAFTA. O belo filme de Paolo Sorrentino caminha para o primeiro Oscar para a Itália desde A Vida é Bela em 1999. Também se garantindo para o Oscar, Frozen: Uma Aventura Congelante e O Ato de Matar  venceram o BAFTA de Melhor Animação e Documentário, respectivamente.

Os únicos vencedores do BAFTA que não asseguram nada são das categorias Montagem e Maquiagem, uma vez que eles sequer competem pelo prêmio da Academia. Os editores de Rush: No Limite da Emoção bateram o franco-favorito Christopher Rouse (Capitão Phillips), enquanto os maquiadores que abusaram das perucas em Trapaça derrotaram a trabalhosa maquiagem fantasiosa de O Hobbit: A Desolação de Smaug.

VENCEDORES DO BAFTA 2014:

FILME: 12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)

DIRETOR: Alfonso Cuarón (Gravidade)

ATOR: Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão)

ATRIZ: Cate Blanchett (Blue Jasmine)

ATOR COADJUVANTE: Barkhad Abdi (Capitão Phillips)

ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lawrence (Trapaça)

ROTEIRO ORIGINAL: Eric Warren Singer, David O. Russell (Trapaça)

ROTEIRO ADAPTADO: Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)

FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki (Gravidade)

DIREÇÃO DE ARTE: Catherine Martin (O Grande Gatsby)

FIGURINO: Catherine Martin (O Grande Gatsby)

MAQUIAGEM: Trapaça

MONTAGEM: Daniel P. Hanley, Mike Hill (Rush: No Limite da Emoção)

SOM: Gravidade

EFEITOS VISUAIS: Gravidade

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: A Grande Beleza (La Grande Bellezza), de Paolo Sorrentino – Itália

ANIMAÇÃO: Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)

DOCUMENTÁRIO: O Ato de Matar (The Act of Killing)

CURTA DE ANIMAÇÃO: Sleeping with the Fishes

CURTA-METRAGEM: Room 8

FILME DE ESTRÉIA DE DIRETOR, ROTEIRISTA OU PRODUTOR BRITÂNICO: Kelly + Victor, de Kieran Evans

RISING STAR: Will Poulter

CONTRIBUIÇÃO BRITÂNICA PARA O CINEMA EM 2014: Peter Greenaway

FELLOWSHIP: Helen Mirren

RISING STAR: WILL POULTER (photo by holymoly.com)

RISING STAR: WILL POULTER (photo by holymoly.com)

Concorrentes ao Oscar, ‘Gravidade’, ‘Ela’ e ‘O Grande Gatsby’, ganham o Art Directors Guild

O vencedor da categoria Filme Contemporâneo, K.K. Barrett, pela arte de Ela (photo by zimbio.com)

O vencedor da categoria Filme Contemporâneo, K.K. Barrett, pela arte de Ela (photo by zimbio.com)

Existem 3 categorias de Direção de Arte no Art Directors Guild (ADG): Filme de Época, Fantasia e Contemporâneo. Nesses 18 anos de premiação da AGD, nunca um concorrente a contemporâneo venceu o Oscar. Embora todas as artes sejam trabalhosas, fica muito injusta uma competição entre cenários de décadas ou até mesmo séculos anteriores com cenários mais atuais. Contudo, este ano, o vencedor da categoria Filme Contemporâneo apresenta características futuristas que podem finalmente render um Oscar.

Claro que a briga não será nada fácil, afinal, a Academia adora produções de época. Aliás, a categoria de figurino também é afetada diretamente por essa predileção. O trabalho de arte de Ela apresenta pequenas mudanças ecologicamente corretas e no estilo “clean” (que faria qualquer designer da Apple se ajoelhar), já dando impressão de um futuro próximo. Talvez 2018. Não há carros voadores, nem nada tecnológico demais. Pra se ter uma idéia, o protagonista (Joaquin Phoenix) dita cartas que o computador escreve automaticamente. Apesar de econômica, a direção de arte é de extrema importância para o filme e seus personagens.

Confira os vencedores das categorias:

Trabalho primoroso de Catherine Martin (photo by outnow.ch)

Trabalho primoroso de Catherine Martin (photo by outnow.ch)

Filme de Época (Period Film)
♦ Judy Becker (Trapaça)
♦ Catherine Martin (O Grande Gatsby)
♦ Jess Gonchor (Inside Llewyn Davis)
♦ Michael Corenblith (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
♦ Adam Stockhausen (12 Anos de Escravidão)

Colaboradora assídua e esposa do diretor Baz Luhrmann, Catherine Martin recriou os anos 20 de uma América de riquezas retratada pelo escritor F. Scott Fitzgerald. Não é presunção em dizer que a direção de arte e o figurino (ambas de autoria de Martin) são as melhores coisas desta nova adaptação de O Grande Gatsby. Com este prêmio da ADG, ela se torna a grande favorita a ganhar o Oscar (ela venceu anteriormente por Moulin Rouge – Amor Em Vermelho em 2002), mas o fracasso nas bilheterias americanas e com a crítica pode se tornar o maior empecilho em relação à sua vitória na Academia.

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by www.elfilm.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by http://www.elfilm.com)

Filme de Fantasia ou Fantástico
♣ Philip Ivey (Elysium)
♣ Andy Nicholson (Gravidade)
♣ Dan Hennah (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
♣ Darren Gilford (Oblivion)
♣ Scott Chambliss (Além da Escuridão: Star Trek)

Ao contrário da arte dos concorrentes Elysium ou Oblivion, o trabalho vencedor de Andy Nicholson prima pela recriação. Através de uma pesquisa aprofundada, ele transpõe as estações espaciais de forma meticulosa, chegando a receber elogios de astronautas da NASA. A estação espacial russa Soyeuz, por exemplo, apresenta o painel com todos os botões na ordem real e em russo! Pode não envolver criatividade, mas a direção de arte, em colaboração com os efeitos visuais e a fotografia, consistentemente transporta o público para o espaço para que foque apenas na sobrevivência dos personagens. É a primeira indicação de Nicholson ao Oscar, e pode se tornar o primeiro prêmio caso os votantes levem em conta o fracasso de O Grande Gatsby.

Com poucos elementos, a direção de arte indica um futuro próximo (photo by whorange.net)

Com poucos elementos, a direção de arte indica um futuro próximo (photo by whorange.net)

Filme Contemporâneo
♠ David Gropman (Álbum de Família)
♠ Santo Loquasto (Blue Jasmine)
♠ Paul Kirby (Capitão Phillips)
♠ K.K. Barrett (Ela)
♠ Bob Shaw (O Lobo de Wall Street)

A direção de arte de Capitão Phillips busca recriar os interiores da embarcação invadida pelos somalianos em 2009, mas vale destacar a arte de O Lobo de Wall Street com todos os cômodos da mansão com piscina de Jordan Belfort, dos escritórios enormes e dos restaurantes chiquérrimos. Nenhum país consegue bater a excelência na direção de arte americana. Talvez a China em produções como O Clã das Adagas Voadoras

Fechando a matéria, seguem os indicados ao Oscar de Direção de Arte:

– Judy Becker, Heather Loeffler (Trapaça)
– Andy Nicholson, Rosie Goodwin (Gravidade)
– Catherine Martin, Beverley Dunn (O Grande Gatsby)
– K.K. Barrett, Gene Serdena (Ela)
– Adam Stockhausen, Alice Baker (12 Anos de Escravidão)

O vencedor será conhecido em 02 de março.

Oscar corta indicação de “Alone Yet Not Alone” como Melhor Canção Original

Pôster do filme Alone Yet Not Alone (photo by cinemagia.ro)

Pôster do filme Alone Yet Not Alone (photo by cinemagia.ro)

LOBBY DE MEMBRO INTERNO CAUSOU ELIMINAÇÃO

Numa decisão pra lá de incomum, a Academia decidiu eliminar um indicado. A canção “Alone Yet Not Alone” pertencente ao filme homônimo não está mais concorrendo ao prêmio porque houve acusações de que seu compositor, o ex-presidente do departamento de música Bruce Broughton, teria se aproveitado de sua posição como atual líder do comitê executivo para promover seu trabalho para obter votos.

O procedimento para eleger os indicados de Melhor Canção Original envolve a distribuição de um CD com todos os trabalhos elegíveis para os membros votantes do departamento de música. Segundo o acusado Broughton, ele apenas teria escrito para algumas pessoas e dito “Você poderia dar uma olhada nessa canção?”, o que seria menos direto do que o costumeiro lobby promovido pelos estúdios, que pode incluir desde a cópia do filme até brindes personalizados.

Visto sob esse ângulo, a campanha pessoal de Bruce Broughton não parece uma tática ilegal, porém, o problema maior é que ele faz parte da própria organização. É como naqueles concursos promocionais em que a cláusula “está vedada a participação de funcionários da empresa ou pessoas ligadas” é constante.

O compositor Bruce Broughton (photo by hollywoodinvienna.com)

O compositor Bruce Broughton (photo by hollywoodinvienna.com)

“Não importa o quão bem-intencionado ele tenha sido, usufruir de sua posição como ex-presidente e atual executivo do comitê para promover sua candidatura ao Oscar cria a impressão de uma injusta vantagem”, declarou a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaac.

Apesar de concordar com a desqualificação da música, sou a favor de revisarem a questão do lobby, que muitas vezes é tão intenso e selvagem que acaba elegendo os filmes por sua campanha, e não por sua qualidade fílmica como deveria ser. Independente do filme promovido, a Weinstein Company de Harvey Weinstein (ex-dono da Miramax) tem conquistado alguns Oscars ao investir pesado nas campanhas, sendo a mais lembrada a vitória de Shakespeare Apaixonado e A Vida é Bela sobre O Resgate do Soldado Ryan e Além da Linha Vermelha em 1999.

É uma pena que um trabalho seja eliminado desta maneira. A atitude do compositor prejudicou a equipe que suou a camisa pra criar esta canção. Aliás, pra ficar mais feio ainda para Broughton, “Alone Yet Not Alone” é cantada por Joni Eareckson Tada, uma senhora cristã quadriplégica. No videoclipe abaixo, é possível conferir a canção e como ela consegue imprimir emoção na letra mesmo com o corpo e os pulmões debilitados. Não acredito que ganharia o Oscar, mas seria um belo candidato. Uma pena.

O fato da vaga aberta não ser preenchida por outra canção prejudica outras canções que poderiam conquistar a indicação como a comentada “Young and Beautiful”, de Lana Del Rey pelo filme O Grande Gatsby, por exemplo. Melhor para as quatro canções remanescentes:

“Let it Go”, de Frozen: Uma Aventura Congelante

“Happy”, de Meu Malvado Favorito 2

“The Moon Song”, de Ela

“Ordinary Love”, de Mandela: Long Walk to Freedom

CASOS RAROS NA ACADEMIA

Embora seja de uma raridade singular, esta eliminação não é inédita na história do Oscar.

Em 2012, a Academia descobriu que o curta-metragem Tuba Atlantic já havia sido transmitido pela TV norueguesa em 2010, tornando-o inelegível ao prêmio.

Em 1992, após o anúncio dos indicados, descobriram que o representante uruguaio A Place in the World foi todo produzido na Argentina e não continha controle artístico uruguaio o suficiente. O filme foi eliminado na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira.

Cena de O Poderoso Chefão com Marlon Brando: trilha desqualificada (photo by hidefdiscnews.com)

Cena de O Poderoso Chefão com Marlon Brando: trilha desqualificada (photo by hidefdiscnews.com)

Em 1972, a trilha musical de Nino Rota para o clássico O Poderoso Chefão foi desqualificada, pois havia parte do tema previamente utilizado na comédia Fortunella. Curiosamente, o compositor italiano ganhou o Oscar dois anos depois com a trilha de O Poderoso Chefão 2, que tinha grandes semelhanças com a trilha do primeiro filme da trilogia.

Em 1969, o documentário Young Americans foi anunciado o vencedor da categoria, mas um mês depois foi revelado que a produção já havia sido exibida em 1967, prazo anterior ao elegível. Nesse caso, o segundo mais votado, Journey into Self, acabou levando o Oscar no lugar.

Em 1932, o curta de comédia Stout Hearts and Willing Hands foi removida da competição antes do fim da apuração. Assim, outro curta da RKO Radio preencheu a vaga, contudo não houve explicação oficial para essa troca.

Onde e Quando acompanhar os Indicados ao Oscar 2014

O ator Chris Hemsworth e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaac, divulgam as indicadas a Melhor Atriz (photo by cnikky.com)

O ator Chris Hemsworth e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaac, divulgam as indicadas a Melhor Atriz (photo by cnikky.com)

COM A CERIMÔNIA DO OSCAR 2014 SÓ NO DIA 02 DE MARÇO, A MAIORIA DOS INDICADOS JÁ ESTARÁ DISPONÍVEL EM BREVE PARA O PÚBLICO

Num mundo ideal, o público poderia conferir TODOS os indicados antes da cerimônia do Oscar. Sim, incluindo os curtas, documentários e filmes estrangeiros. Mas na realidade, se apenas os indicados a Melhor Filme estrearem antes (nem que seja na sexta-feira que antecede o evento), o público brasileiro já teria que se dar como satisfeito. Todo ano, eu estipulo como meta pelo menos assistir a todos os indicados a Melhor Filme, mas nem sempre foi possível como aconteceu em 2010, quando o drama Um Sonho Possível estreou mais de uma semana depois do Oscar de Melhor Atriz ter sido concedido a Sandra Bullock.

Este ano, como a cerimônia só será no dia 02 de Março devido às Olimpíadas de Inverno na Rússia, as distribuidoras daqui estão concentrando os maiores lançamentos da temporada para o mês de fevereiro. Contudo, poderiam fazer um esforço para lançar 12 Anos de Escravidão antes do dia 28 de fevereiro, né? Poxa, assistir ao favorito ao Oscar no fim de semana da cerimônia? Caso não haja empecilhos legais, acho uma baita sacanagem com o público. Claro que, pelo menos aqui em São Paulo, existem as pré-estréias. Nesta semana, já estão rolando algumas de filmes indicados ao Oscar como Trapaça e Philomena. Não é o ideal, mas já é um quebra-galho.

Vale ressaltar aqui que, devido à péssima campanha de Até o Fim e Walt nos Bastidores de Mary Poppins no Oscar, suas datas de estréia foram adiadas para só depois da cerimônia, como uma espécie de protesto das distribuidoras pela indicação única para cada filme: Efeitos Sonoros e Trilha Musical Original, respectivamente. Enquanto existia uma esperança de que Robert Redford fosse indicado como Melhor Ator pelo primeiro, esperavam que Emma Thompson e Tom Hanks pudessem conquistar indicações como Atriz e Ator Coadjuvante a fim de alavancar as bilheterias, mas a Academia praticamente descartou ambas as produções.

Este ano, pela primeira vez, estou colocando a situação “Disponível no Netflix” (não, não estou ganhando um mísero centavo pra divulgar. Droga!). Pra quem não conhece, o Netflix é o futuro da locadora. Se aquela locadora que você amava fechou (como é o meu caso), recorra ao Netflix! Ao assinar (se não me engano o valor da assinatura é de R$16,90), vc tem acesso livre a vários títulos através de streaming, inclusive de séries de TV antiga e recente. Claro que ainda carece de mais produções recentes em seu acervo, mas segundo usuários, já houve uma melhora significativa de um ano pra cá. Acho uma ótima opção para quem não quer ficar refém da programação da TV à cabo. Só fiquem atentos para adesão através de cartão de crédito, pois já tive amigos que tiveram problema com clonagem de cartão! (Agora que não vou ganhar nada da Netflix!).

A Netflix está disponibilizando o documentário The Square, ainda inédito nas telas brasileiras. Trata-se da primeira produção a ser distribuída pela Netflix a concorrer ao Oscar. A empresa já ganhou o Globo de Ouro e o Emmy através da série House of Cards, e tem sido reconhecida pelas séries Orange is the New Black e Arrested Development. É mera questão de tempo para que a Netflix se expanda, conquiste o mercado e modifique radicalmente os meios de comunicação como a TV. Confira o acervo completo no site: http://www.netflix.com

Netflix (brasilblog.netflix.com)

Netflix (brasilblog.netflix.com)

DISPONÍVEIS EM BLU-RAY/DVD

Além da Escuridão: Star Trek (Star Trek Into Darkness)
1 indicação: Efeitos Visuais

Antes da Meia-Noite (Before Midnight)
1 indicação: Roteiro Adaptado

Blue Jasmine (Blue Jasmine)
3 indicações: Atriz (Cate Blanchett), Atriz Coadjuvante (Sally Hawkins) e Roteiro Original

A Caça (Jagten)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

O Cavaleiro Solitário (The Lone Ranger)
2 indicações: Maquiagem e Efeitos Visuais

Os Croods (The Croods)
1 indicação: Animação

O Grande Gatsby (The Great Gatsby)
2 indicações: Direção de Arte e Figurino

Homem de Ferro 3 (Iron Man 3)
1 indicação: Efeitos Visuais

Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2)
2 indicações: Canção Original (“Happy”) e Animação

A animação Meu Malvado Favorito 2 desbancou Universidade Monstros, da Pixar (photo by outnow.ch)

A animação Meu Malvado Favorito 2 desbancou Universidade Monstros, da Pixar (photo by outnow.ch)

DISPONÍVEL NO NETFLIX

Antes da Meia-Noite (Before Midnight)
1 indicação: Roteiro Adaptado

Os Croods (The Croods)
1 indicação: Animação

The Square
1 indicação: Documentário

Direto do Netflix, o documentário The Square (photo by emptykingdom.com)

Direto do Netflix, o documentário The Square (photo by emptykingdom.com)

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
9 indicações: Filme, Diretor, Ator (Chiwetel Ejiofor), Ator Coadjuvante (Michael Fassbender), Atriz Coadjuvante (Lupita Nyong’o), Roteiro Adaptado, Montagem, Direção de Arte e Figurino

Alabama Monroe (The Broken Circle Breakdown)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Álbum de Família (August: Osage County)
2 indicações: Atriz (Meryl Streep) e Atriz Coadjuvante (Julia Roberts)

Capitão Phillips (Captain Phillips)
6 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Barkhad Abdi), Roteiro Adaptado, Montagem, Som e Efeitos Sonoros

Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club)
6 indicações: Filme, Ator (Matthew McConaughey), Ator Coadjuvante (Jared Leto), Roteiro Original, Montagem e Maquiagem

Ela (Her)
5 indicações: Filme, Roteiro Original, Direção de Arte, Trilha Musical Original e Canção Original (“The Moon Song”)

Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
2 indicações: Canção Original (“Let it go”) e Animação

A Grande Beleza (La Grande Bellezza)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Gravidade (Gravity)
10 indicações: Filme, Diretor, Atriz (Sandra Bullock), Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Trilha Musical Original, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais

O Hobbit: A Desolação de Smaug (The Hobbit: The Desolation of Smaug)
3 indicações: Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais

A Imagem que Falta (L’Image Manquante)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
2 indicações: Fotografia e Som

O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)
5 indicações: Filme, Diretor, Ator (Leonardo DiCaprio), Ator Coadjuvante (Jonah Hill) e Roteiro Adaptado

A Menina que Roubava Livros (The Book Thief)
1 indicação: Trilha Musical Original

Nebraska
6 indicações: Filme, Diretor, Ator (Bruce Dern), Atriz Coadjuvante (June Squibb), Roteiro Original e Fotografia

Philomena
4 indicações: Filme, Atriz (Judi Dench), Roteiro Adaptado e Trilha Musical Original

Trapaça (American Hustle)
10 indicações: Filme, Diretor, Ator (Christian Bale), Atriz (Amy Adams), Ator Coadjuvante (Bradley Cooper), Atriz Coadjuvante (Jennifer Lawrence), Roteiro Adaptado, Montagem, Direção de Arte e Figurino

Vidas ao Vento (Kaze Tachinu)
1 indicação: Animação

Leonardo DiCaprio volta a ser indicado ao Oscar com a ajuda de Martin Scorsese em O Lobo de Wall Street (photo by outnow.ch)

Leonardo DiCaprio volta a ser indicado ao Oscar com a ajuda de Martin Scorsese em O Lobo de Wall Street (photo by outnow.ch)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

07/03: Até o Fim (All is Lost)
1 indicação: Efeitos Sonoros

07/03: Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
1 indicação: Trilha Musical Original

Indicado a apenas Efeitos Sonoros, Até o Fim ficou pra depois do Oscar (photo by outnow.ch)

Indicado a apenas Efeitos Sonoros, Até o Fim ficou pra depois do Oscar (photo by outnow.ch)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM BLU-RAY/DVD

Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha (Jackass Presents: Bad Grandpa)
1 indicação: Maquiagem

Os Suspeitos (Prisoners)
1 indicação: Fotografia

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by www.outnow.ch)

Cena de Os Suspeitos: 1 única indicação para ótima Fotografia de Roger Deakins (photo by http://www.outnow.ch)

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA (*caham!* Mas pra isso existe a internet…)

A Um Passo do Estrelato (20 Feet from Stardom)
1 indicação: Documentário

O Ato de Matar (The Act of Killing)
1 indicação: Documentário

Cutie and the Boxer
1 indicação: Documentário

Ernest & Celestine (Ernest et Celéstine)
1 indicação: Animação

O Grande Herói (Lone Survivor)
2 indicações: Som e Efeitos Sonoros

O Grande Mestre (Yi Dai Zong Shi)
2 indicações: Fotografia e Figurino

Guerras Sujas (Dirty Wars)
1 indicação: Documentário

The Invisible Woman
1 indicação: Figurino

Mandela: Long Walk to Freedom
1 indicação: Canção Original (“Ordinary Love”)

Omar
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Cena de Ernest & Celestine, indicado ao Oscar de Animação (photo by outnow.ch)

Cena de Ernest & Celestine, indicado ao Oscar de Animação (photo by outnow.ch)

“12 Anos de Escravidão” vence como Melhor Filme na prévia do Oscar

12 Anos de Escravidão repete vitória no Globo de Ouro (photo by www.cine.gr)

12 Anos de Escravidão repete vitória no Globo de Ouro (photo by http://www.cine.gr)

GRAVIDADE SUPERA RIVAIS AO CONQUISTAR MAIS PRÊMIOS TÉCNICOS

Adivinhem o que aconteceu no Critics’ Choice Award? Gravidade conquistou 7 prêmios, mas foi 12 Anos de Escravidão que acabou abocanhando o prêmio de Melhor Filme. Seria um repeteco do que está por vir no Oscar 2014? Algumas mudanças em relação ao Globo de Ouro também podem mudar o rumo até o dia 02 de março, quando a Academia divulgará seus vencedores.

Talvez a principal seja a vitória de Lupita Nyong’o como coadjuvante, batendo a estrela Jennifer Lawrence. Como já levantado aqui por alguns leitores, o Globo de Ouro adora uma celebridade e dificilmente deixaria de premiar uma tão adorada quanto Lawrence. Nas demais categorias de atuação, sem grandes novidades. Cate Blanchett e Matthew McConaughey confirmaram seus Globos de Ouro de ator e atriz – drama, enquanto Jared Leto imbatível como coadjuvante.

Lupita Nyong'o vira a mesa sobre Jennifer Lawrence e ganha o Critics' (photo by Christopher Polk/Getty Images)

Lupita Nyong’o vira a mesa sobre Jennifer Lawrence e ganha o Critics’ (photo by Christopher Polk/Getty Images)

Como esperado, o campeão de bilheteria entre os candidatos, Gravidade, dominou as categorias técnicas. Melhor Fotografia, Montagem, Efeitos Visuais e até a excepcional Trilha Musical de Steven Price. Já Spike Jonze, premiado com Roteiro Original, deve acabar ficando com o Oscar da categoria como forma de consolo de sua exclusão na categoria de diretores. Seu filme Ela foi um dos mais aclamados pela crítica em 2013 pela visão futurista e as relações humanas diante da tecnologia.

Vale destacar aqui a dupla premiação de Catherine Martin, a talentosíssima diretora de arte e figurinista de O Grande Gatsby, e mulher do diretor Baz Luhrmann. Ela já ganhou 2 Oscars nas mesmas categorias por Moulin Rouge – O Amor é Vermelho (2001). Mesmo competindo por um filme não-badalado pela temporada, Catherine pode repetir o feito no Oscar pela qualidade de seu trabalho. Ela recria a América dos anos 20 descrita com perfeição no clássico literário homônimo pelo autor F. Scott Fitzgerald.

Trabalho excepcional de Catherine Martin em O Grande Gatsby (photo by www.cine.gr)

Trabalho excepcional de Catherine Martin em O Grande Gatsby (photo by http://www.cine.gr)

O Critics’ Choice tem algumas válvulas de escape pra agradar alguns candidatos que perderam nas principais categorias. Assim, Sandra Bullock vence como Melhor Atriz – Filme de Ação, assim como Gravidade vence Melhor Filme – Sci-Fi/Terror. E a dupla vencedora do Globo de Ouro, Leonardo DiCaprio e Amy Adams vencem como Ator e Atriz – Comédia/Musical. E até o filme O Grande Herói (Lone Survivor), que está atualmente em 1º lugar nas bilheterias americanas, venceu o prêmio de Melhor Filme de Ação. Aí fica mais fácil, né? Deixe as decisões difíceis para a Academia!

Bom, não posso reclamar dessas sub-divisões, porque se não fossem por elas, a bela Adèle Exarchopoulos não ganharia nenhum prêmio. Ela venceu como Melhor Ator/Atriz Jovem, batendo um dos favoritos Tye Sheridan (Amor Bandido). Seu filme, Azul é a Cor Mais Quente, também ganhou como Melhor Filme em Língua Estrangeira, fato que não se repetirá no Oscar, uma vez que sequer foi indicado. Quem sabe em 2015?

Adèle Exarchopoulos linda, mas com vestido que não favorece bem seu "corpitcho" (photo by www.dailymail.co.uk)

Adèle Exarchopoulos linda, mas com vestido que não favorece bem seu “corpitcho” (photo by Reuters in http://www.dailymail.co.uk)

Só acho que o Critics’ Choice escolheu uma data péssima para premiar, pois foi justamente na noite do dia em que a Academia divulgou seus indicados de manhã! De um jeito ou de outro, acaba ficando em segundo plano na manchete do dia! Assim como Farrah Fawcett morrendo no mesmo dia em que Michael Jackson morreu! (sim, de vez em quando eu tenho humor bem negro).

E lembrando que o Critics’ Choice, formado por cerca de 280 críticos de TV, rádio e internet dos EUA e Canadá, tem tido alto índice de acerto no Oscar dos últimos anos, deixando o Globo de Ouro como um petisco de entrada.

VENCEDORES DO CRITICS’ CHOICE AWARDS 2014

MELHOR FILME: 12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)

MELHOR ATOR: Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ: Cate Blanchett (Blue Jasmine)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

MELHOR ATOR/ATRIZ JOVEM: Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)

MELHOR ELENCO: Trapaça (American Hustle)

MELHOR DIRETOR: Alfonso Cuarón (Gravidade)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Spike Jonze (Ela)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: John Ridley (12 Anos de Escravidão)

MELHOR FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki (Gravidade)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Catherine Martin e Beverley Dunn (O Grande Gatsby)

MELHOR MONTAGEM: Alfonso Cuarón e Mark Sanger (Gravidade)

MELHOR FIGURINO: Catherine Martin (O Grande Gatsby)

MELHOR MAQUIAGEM: Trapaça

MELHORES EFEITOS VISUAIS: Gravidade

MELHOR ANIMAÇÃO: Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)

MELHOR FILME DE AÇÃO: O Grande Herói (Lone Survivor)

MELHOR ATOE EM FILME DE AÇÃO: Mark Wahlberg (O Grande Herói)

MELHOR ATRIZ EM FILME DE AÇÃO: Sandra Bullock (Gravidade)

MELHOR COMÉDIA: Trapaça (American Hustle)

MELHOR ATOR EM COMÉDIA: Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA: Amy Adams (Trapaça)

MELHOR FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA/ TERROR: Gravidade (Gravity)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Azul é a Cor Mais Quente (Blue Is the Warmest Color)

MELHOR DOCUENTÁRIO: A Um Passo do Estrelato (20 Feet From Stardom)

MELHOR CANÇÃO: “Let It Go”, de Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Steven Price (Gravidade)

Frozen: Uma Aventura Congelante conquistou 2 prêmios e parte rumo ao Oscar (photo by www.outnow.ch)

Frozen: Uma Aventura Congelante conquistou 2 prêmios e parte rumo ao Oscar (photo by http://www.outnow.ch)