‘Mad Max: Estrada da Fúria’ conquista 3 prêmios no LAFCA Awards 2015, mas ‘Spotlight’ leva Melhor Filme

Elenco de Spotlight (photo by Open Road)

Elenco de Spotlight da esquerda para a direita: Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Brian D’Arcy James, Michael Keaton e John Slattery (photo by Open Road)

FILME FUTURISTA VINHA COLETANDO PRÊMIOS, MAS MORREU NA PRAIA

Foi bom enquanto durou. A possibilidade de Mad Max: Estrada da Fúria conquistar Melhor Filme com os críticos de Los Angeles estava prestes a se tornar realidade. Após conquistar o prestigiado National Board of Review na semana passada, um novo reconhecimento selaria a aprovação necessária para que o filme pudesse ser levado à sério nas cerimônias de premiação, mas bateu na trave. Contudo, o filme de George Miller ainda ficou com o segundo lugar e pode sonhar com mais do que categorias técnicas…

Impecavelmente perfeito nos quesitos em que saiu vitorioso: Direção, Fotografia e Direção de Arte, o filme só não se consagrou por causa de seu calcanhar de Aquiles: o roteiro, justamente o que fez com que Spotlight arrancasse o prêmio de Melhor Filme de suas mãos. O drama de Tom McCarthy prima por sua pesquisa jornalística sobre os fatos dos abusos dos padres católicos, tanto que levou o prêmio de Melhor Roteiro, o que praticamente o garante na categoria de Roteiro Original no Oscar.

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria com Charlize Theron e Tom Hardy (photo by cine.gr)

Também com dois prêmios, Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson, bateu o favoritismo da animação da Pixar, Divertida Mente (acredito eu pela qualidade do roteiro também), e lança luz no trabalho do compositor Carter Burwell, conhecido pela trilha de Fargo, e que nunca recebeu uma única indicação ao Oscar. Aqui ele ganhou pela trilha da animação e também pelo drama Carol, de Todd Haynes. Mas vale lembrar que Burwell teve um ano excepcional: além desses dois trabalhos, compôs para Sr. Holmes e Legend.

Imbatível, o filme húngaro, O Filho de Saul, conquistou mais um prêmio e deve ser o Oscar mais batido dos últimos anos. Honestamente, esperava um pouco mais de audácia por parte dos críticos de Los Angeles, já que o filme de László Nemes não oferece perspectiva tão inovadora num tema tão batido como o Holocausto. Seria mais justo se o segundo lugar, o ucraniano A Gangue, levasse o prêmio pela coragem de fazer um filme bem violento usando apenas linguagem de sinais.

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow,ch)

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow.ch)

Pelas categorias de atuação, de acordo com seu histórico, era esperada a vitória de um ator ou atriz estrangeiros, consolidada pela premiação da britânica Charlotte Rampling no drama 45 Anos. Ela interpreta uma esposa que fica de escanteio quando o marido descobre o corpo perdido da ex-mulher em pleno aniversário de 45 anos de casamento. Por sua performance, ela levou o Urso de Prata de Melhor Atriz no último Festival de Berlim, e seu companheiro de tela, Tom Courtenay, levou Melhor Ator na ocasião. As chances de Rampling no Oscar são mínimas, mas elas existem. Em segundo lugar, Saoirse Ronan (Brooklyn) cresce um pouco na competição, enquanto Brie Larson (O Quarto de Jack), Carey Mulligan (As Sufragistas) e Cate Blanchett (Carol) despencam.

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Na ala masculina, Michael Fassbender confirma seu crescimento entre os críticos com seu retrato do criador da Apple em Steve Jobs. Apesar do filme de Danny Boyle não ter ido bem nas bilheterias nos EUA, a atuação de Fassbender tem saído ilesa, muito pelas classificações de “performance de possessão”, como aquelas em que o ator se torna outra pessoa, como Daniel Day-Lewis é craque em fazer. Além disso, Fassbender superou a desconfiança de que seu sotaque alemão pudesse arruinar o personagem americano, e a Academia, por mais que o tenha indicado a Coadjuvante por 12 Anos de Escravidão, sabe que está em dívida com ele por Fome (2008) e Shame (2011).

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Nas categorias de coadjuvante, duas produções independentes que podem ter sido ajudadas pelo LAFCA para a temporada: 99 Homes e Ex-Machina: Instinto Artificial. Gosto do trabalho de Michael Shannon, mas aqui ele interpreta um corretor ambicioso que quer passar por cima de tudo e de todos. No entanto, independente de sua performance, só acho que ele deve tomar cuidado pra não ser rotulado por suas escolhas de papéis. Todo filme que vejo dele, o ator faz um papel de psicótico, psicopata ou maluco, vide: Foi Apenas um Sonho, Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto, O Abrigo e até no blockbuster O Homem de Aço, onde vive o vilão megalomaníaco General Zod.

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

Por outro lado, a bela atriz sueca Alicia Vikander está buscando variedade de papéis. Após se destacar como a jovem rainha em O Amante da Rainha, fez a adaptação de Tolstói, Anna Karenina, e mais recentemente os blockbusters O Sétimo Filho e O Agente da U.N.C.L.E. Este ano, ela concorre por A Garota Dinamarquesa (pelo qual já ganhou o Hollywood Film Award) e por este Ex-Machina: Instinto Artificial, no qual interpreta uma ciborgue chamada Ava, que fica confinada no subsolo de uma mansão para ser testada. Vikander explora os limites do real e do virtual de acordo com a proposta do filme, e acaba salvando o filme de Alex Garland. No Oscar, pela campanha, ela deve concorrer por A Garota Dinamarquesa.

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia,ro)

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

Com as vitórias de Spotlight, Mad Max, Carol e Anomalisa aqui, juntando com outros fortes concorrentes como Perdido em Marte, A Garota Dinamarquesa, Ponte dos Espiões, Steve JobsBrooklyn e Os 8 Odiados, já dá pra se ter uma idéia dos possíveis concorrentes ao Globo de Ouro 2016, cujos indicados serão revelados no próximo dia 10 de dezembro. E ainda acredito que George Miller leve o Globo de Ouro de Direção.

Recebendo prêmio especial, a montadora britânica Anne V. Coates, vencedora do Oscar pelo clássico de David Lean, Lawrence da Arábia (1962), e conceituada pelos trabalhos de edição em O Homem Elefante (1980), Na Linha do Fogo (1993) e Irresistível Paixão (1998), será homenageada aos 89 anos. Será apenas a segunda montadora a receber tal honraria na história do prêmio depois da falecida Dede Allen. Ela ficou mundialmente conhecida pelos cortes precisos nesta cena de Lawrence da Arábia, em que vemos a ação do personagem soprando o fósforo para chegar ao belo deserto.

VENCEDORES DO LAFCA AWARDS 2015:

MELHOR FILME: Spotlight
2º Lugar: Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)

MELHOR DIRETOR: George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Todd Haynes (Carol)

MELHOR ATOR: Michael Fassbender (Steve Jobs)
2º Lugar: Géza Röhrig (O Filho de Saul)

MELHOR ATRIZ: Charlotte Rampling (45 Anos)
2º Lugar: Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Michael Shannon (99 Homes)
2º Lugar: Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
2º Lugar: Kristen Stewart (Acima das Nuvens)

MELHOR ROTEIRO: Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight)
2º Lugar: Charlie Kaufman (Anomalisa)

MELHOR FOTOGRAFIA: John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Edward Lachman (Carol)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: O Filho de Saul, de László Nemes (Hungria)
2º Lugar: A Gangue, de Miroslav Slaboshpitsky (Ucrânia)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Carter Burwell (Anomalisa) (Carol)
2º Lugar: Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Judy Becker (Carol)

MELHOR MONTAGEM: Hank Corwin (A Grande Aposta)
2º Lugar: Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR ANIMAÇÃO: Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson
2º Lugar: Divertida Mente, de Pete Docter

PRÊMIO NEW GENERATION: Ryan Coogler (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Amy, de Asif Kapadia
2º Lugar: The Look of Silence, de Joshua Oppenheimer

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Anne V. Coates

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

Peter O’Toole (1932 – 2013)

Peter O'Toole

Peter O’Toole (photo by uproarcomics.co.uk)

PROTAGONISTA DE LAWRENCE DA ARÁBIA MORRE AOS 81 ANOS

A primeira vez que ouvi falar no nome Peter O’Toole foi no final dos anos 90, quando eu pesquisava a história do Oscar. Na época, não tinha computador, muito menos internet em casa, então eu aproveitava meus longos intervalos escolares pra pesquisar no laboratório de informática do colégio. Foi aí que descobri o clássico de David Lean, Lawrence da Arábia, e seu protagonista, um ator loiro de aparência enigmática e olhos azuis hipnotizantes. Quem era aquele ator e por que ele perdeu sete vezes o Oscar?

Conhecendo o sistema da Academia ao longo dos anos, decidi que Peter O’Toole foi apenas azarado. Em sua primeira indicação, justamente por Lawrence da Arábia, em 1963, era ainda um rosto novo em Hollywood, que não tinha como competir com a grandeza de Gregory Peck. “Teremos muitas chances de premiá-lo”, devem ter pensado os membros da Academia. E realmente tiveram, mas sempre havia uma desculpa como a divisão de votos entre Burton e ele por Becket, o Favorito do Rei, ou simplesmente alguém favorito no caminho de O’Toole. Ao todo, foi indicado oito vezes, sempre como Melhor Ator, mas sem nenhuma vitória. Acompanhe os concorrentes dele em cada edição do prêmio:

OSCAR 1963
– Burt Lancaster (O Homem de Alcatraz)
– Jack Lemmon (Vício Maldito)
– Marcello Mastroianni (Divórcio à Italiana)
• Gregory Peck (O Sol é Para Todos)
– Peter O’Toole (Lawrence da Arábia)


Sophia Loren anuncia os indicados e o vencedor, Gregory Peck

OSCAR 1965
– Richard Burton (Becket, o Favorito do Rei)
• Rex Harrison (Minha Bela Dama)
– Peter O’Toole (Becket, o Favorito do Rei)
– Anthony Quinn (Zorba, o Grego)
– Peter Sellers (Doutor Fantástico)

OSCAR 1969
– Alan Arkin (Por que Tem de ser Assim?)
– Alan Bates (O Homem de Kiev)
– Ron Moody (Oliver!)
– Peter O’Toole (O Leão no Inverno)
• Cliff Robertson (Os Dois Mundos de Charly)

OSCAR 1970
– Richard Burton (Ana dos Mil Dias)
– Dustin Hoffman (Perdidos na Noite)
– Peter O’Toole (Adeus, Mr. Chips)
– Jon Voight (Perdidos na Noite)
• John Wayne (Bravura Indômita)

OSCAR 1973
– Marlon Brando (O Poderoso Chefão)
– Michael Caine (Jogo Mortal)
– Laurence Olivier (Jogo Mortal)
– Peter O’Toole (A Classe Governante)
– Paul Winfield (Lágrimas da Esperança)

OSCAR 1981
• Robert De Niro (Touro Indomável)
– Robert Duvall (O Grande Santini – O Dom da Fúria)
– John Hurt (O Homem Elefante)
– Jack Lemmon (Tributo)
– Peter O’Toole (O Substituto)

OSCAR 1983
– Dustin Hoffman (Tootsie)
• Ben Kingsley (Gandhi)
– Jack Lemmon (Desaparecido – Um Grande Mistério)
– Paul Newman (O Veredicto)
– Peter O’Toole (Um Cara Muito Baratinado)

OSCAR 2007
– Leonardo DiCaprio (Diamante de Sangue)
– Ryan Gosling (Half Nelson – Encurralados)
– Peter O’Toole (Venus)
– Will Smith (À Procura da Felicidade)
• Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia)

No Globo de Ouro, ele teve mais sorte. Ganhou por Becket, o Favorito do Rei, O Leão no Inverno e Adeus, Mr. Chips, além de um extinto Most Promising Newcomer por Lawrence da Arábia, pelo qual também levou o BAFTA de Melhor Ator Britânico. Apesar de indicado duas vezes ao Framboesa de Ouro já no início da sua fase em decadência, em 1985 por Supergirl e em 1987 por Clube Paraíso, felizmente nunca foi coroado.

Formado pela escola britânica Royal Academy of Dramatic Arts, onde estudou com Albert Finney, Alan Bates e Richard Harris, Peter O’Toole ainda atuaria vários anos no palco pela prestigiosa companhia de teatro Bristol Old Vic e em programas televisivos nos anos 50 até ser escalado pelo diretor David Lean para estrelar sua mega-produção no deserto que o transformaria numa celebridade internacional. Apesar de historicamente incorreto, Lawrence da Arábia foi um grande sucesso por abranger política e sexualidade.

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by www.britannica.com)

Peter O’Toole como T.E. Lawrence ao lado de Omar Shariff em Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by http://www.britannica.com)

O ano era 1962 e os realizadores tinham de ter extrema cautela para abordar o sexo a fim de evitar a censura. Baseado na vida real do herói nada convencional T.E. Lawrence, o filme poderia se tornar mais um épico nos moldes hollywoodianos, mas nas mãos de David Lean, tornou-se um dos mais belos filmes do cinema mantendo algumas brechas para interpretação e ambigüidades. Bastava procurar que era possível conferir os trejeitos afeminados do protagonista, tanto que numa comversa, o dramaturgo Noël Coward disse a Peter O’Toole: “If you’d been any prettier, it would have been Florence of Arabia (Se você tivesse sido mais bonito, teria sido Florence da Arábia)”. Indo mais à fundo na questão sexual, a seqüência em que Lawrence é torturado pelos turcos revelaria suas tendências sadomasoquistas (!). Com cortes na versão original de 1962, a seqüência foi restaurada na versão de 1989.

Certamente, foi a melhor performance do ator, que soube explorar esse lado mais dúbio de seu personagem militar. Com ampla experiência nos palcos, foi inúmeras vezes escalado para viver nobres como o Rei Henrique II nos filmes Becket, o Favorito do Rei (1964) e O Leão no Inverno (1968), e tinha queda por papéis de pessoas sonhadoras como Don Quixote em O Homem de La Mancha (1972), um fugitivo que quer ser dublê em O Substituto (1980) e um ator à la Errol Flynn que tem espírito de grandeza em Um Cara Muito Baratinado (1982).

Peter O'Toole como o personagem de Miguel de Cervantes ao lado de James Coco como Sancho Panza em O Homem de La Mancha (photo by http://v-effekt.blogspot.com.br/2013/02/a-historia-de-estoria-o-homem-de-la.html)

Peter O’Toole como o personagem de Miguel de Cervantes ao lado de James Coco como Sancho Panza em O Homem de La Mancha (photo by http://v-effekt.blogspot.com.br/2013/02/a-historia-de-estoria-o-homem-de-la.html)

Em 2003, o então presidente da Academia, Frank Pierson, selecionou-o como homenageado pelo Oscar Honorário. Segundo seu discurso, Pierson fez questão de premiá-lo por ser a única pessoa que o demitiu como roteirista. Embora lisonjeado, o ator recusou a oferta por acreditar que ainda conseguiria a tão cobiçada estaueta numa competição oficial. Contudo, numa justificativa apoiativa, o presidente citou Paul Newman como exemplo, que havia recebido o Honorário em 1986 e logo no ano seguinte, o Oscar de Melhor Ator por A Cor do Dinheiro. Funcionou. Depois de 3 meses, ele aceitou a homenagem, apresentada por Meryl Streep e aplaudido de pé por mais de um minuto.


“Always a bridesmaid never a bride (Sempre madrinha de casamento, nunca a noiva)” – humor britânico de Peter O’Toole encanta pela cutucada gentil

As palavras de Frank Pierson surtiram efeito. Seu Oscar Honorário o colocou de volta à frente dos holofotes. Atuou no blockbuster Tróia (2004), Stardust: O Mistério da Estrela (2007), na animação vencedora do Oscar da Pixar Ratatouille (numa excepcional dublagem do crítico gastronômico Anton Ego), na série de TV Os Tudors, e claro, na comédia dramática Venus, pela qual recebeu sua oitava e última indicação ao Oscar.

Peter O'Toole como Maurice, um idoso de aparência frágil que ainda curte farrear ao lado de moças jovens em Venus (2006) - photo by www.outnow.ch

Peter O’Toole como Maurice, um idoso de aparência frágil que ainda curte farrear ao lado de moças jovens em Venus (2006) – photo by http://www.outnow.ch

Durante as filmagens de Venus, o ator quebrou seu quadril e teve que passar por uma cirurgia delicada. Impressionado com seu retorno após três semanas, o diretor Roger Michell destacou sua dedicação exemplar ao filme perante sofrimento de dores diárias no set. Muitos apostavam que a Academia finalmente faria justiça quando ele foi indicado, mas sua derrota teve como uma das razões seu recente Oscar Honorário, o que nos coloca diante da questão: “Se O’Toole não recebesse o Oscar Honorário, teria obtido o papel e a consagração de Venus?”


É possível ver um longo suspiro de Peter O’Toole no momento do anúncio do vencedor. Mesmo após décadas ausente, ele nunca perdeu as esperanças.

Peter O’Toole nos deixou no último dia 14 de dezembro em Londres aos 81 anos. A causa de sua morte não foi divulgada até o momento, porém o ator já havia sofrido com um câncer de estômago nos anos 70. Embora não tenha conseguido seu Oscar competitivo, o fato de ser o recordista de derrotas fez com que milhares de pessoas o conhecessem e apreciassem seu trabalho memorável. Dencanse em paz, Peter O’Toole.