‘Elle’ fica de fora do Oscar de Filme em Língua Estrangeira. E agora, Academia?

O representante alemão Toni Erdmann, de Maren Ade., agora favorito na categoria. Pic by moviepilot.de

O representante alemão Toni Erdmann, de Maren Ade, agora favorito na categoria. Pic by moviepilot.de

MAIS UMA VEZ, UM DOS FILMES FAVORITOS AO PRÊMIO FICA DE FORA

A Academia divulgou a pré-lista dos nove filmes em língua estrangeira que ainda concorrem às cinco indicações ao Oscar. Então, daqueles 85 filmes que representavam seus países, restaram apenas nove produções:

  • Tanna
    Dir: Martin Butler e Bentley Dean (Austrália)
  • Toni Erdmann
    Dir: Maren Ade (Alemanha)
  • É Apenas o Fim do Mundo (Just La Fin du Monde)
    Dir: Xavier Dolan (Canadá)
  • O Apartamento (Forushande)
    Dir: Asghar Farhadi (Irã)
  • Terra de Minas (Under Sandet)
    Dir: Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • The King’s Choice (Kongens Nei)
    Dir: Eric Poppe (Noruega)
  • Paradise (Ray)
    Dir: Andrey Konchalovskiy (Rússia)
  • Um Homem Chamado Ove (En Man Som Heter Over)
    Dir: Hannes Holm (Suécia)
  • My Life as a Zucchini (Ma Vie de Courgette)
    Dir: Claude Barras (Suíça)

Pra quem não conhece o sistema atual, dos 85 filmes vistos pelo departamento de Filmes em Língua Estrangeira nos últimos dois meses, os seis mais bem votados se juntam a outros 3 selecionados por um comitê executivo especial, que foi criado para assegurar 3 votos para produções mais pertinentes.

Quando soube que o filme Elle, representante francês e favorito ao prêmio até então, ficou de fora logo na pré-lista do Oscar, confesso que tive uma mistura de sentimentos. No começo foi “Não acredito nisso” com um “Ah, eu já sabia… já tinha previsto no blog”, mas no geral fiquei chateado com a eliminação precoce de um filme ousado na abordagem do tema do estupro. Na verdade, desde que a França lançou o filme como representante em outubro, já torcia por ele, porque foi uma escolha igualmente ousada, afinal, todas as comissões internacionais sabem que os votantes da Academia que elegem os indicados e vencedores são em sua maioria senhores idosos brancos e judeus.  Por isso eles sempre estão selecionando produções com temática da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto, porque sabem que terão maiores chances.

A ausência de Elle na corrida também significa a perda de uma ótima oportunidade de premiar seu diretor, o  holandês Paul Verhoeven, que rendeu muito dinheiro e prestígio à Hollywood nos anos 80 e 90, com as produções de RoboCop – O Policial do Futuro (1987), O Vingador do Futuro (1990), Instinto Selvagem (1992) e Tropas Estelares (1997). Graças a diretores como ele, não faltou coragem e ousadia nos filmes americanos nessas duas décadas, afastando o politicamente correto. Claro que o histórico de um artista não deveria influenciar numa escolha atual, mas nesse caso, o filme em si já justificaria sua indicação.

O diretor Paul Verhoeven dirige uma Isabelle Huppert estirada no chão no set de Elle. Pic by moviepilot.de

O diretor Paul Verhoeven dirige uma Isabelle Huppert estirada no chão no set de Elle. Pic by moviepilot.de

A aversão dos votantes a temas polêmicos também pode ter prejudicado bastante a campanha de Isabelle Huppert como Melhor Atriz. Ela vinha coletando uma série de prêmios importantes como o NYFCC, LAFCA e indicações para o Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas depois de sua exclusão do SAG e agora de seu filme da categoria de Filme em Língua Estrangeira, sua primeira indicação ao Oscar pode não estar mais 100% garantida. Apesar dos reveses, ainda acredito em sua indicação, mas a vitória… ah, essa está difícil! Quem sabe se ela ganhar o BAFTA?

Mas parando de chorar sobre o leite derramado, a Academia pode pisar na bola muitas vezes, mas ela sempre busca reforçar a idéia de que os filmes selecionados podem surpreender o espectador. Aliás, muitos dos críticos que abominaram a ausência de Elle sequer viram todos os nove pré-indicados. Particularmente, eu nunca tinha ouvido falar do norueguês The King’s Choice ou o representante sueco Um Homem Chamado Ove, então como dá pra alegar se eles são menos merecedores de uma indicação, certo? Eu só fico receoso se o filme for sobre o Holocausto…

Cena do norueguês The King's Choice. Pic by cine.gr

Cena do norueguês The King’s Choice. Pic by cine.gr

Do histórico mais recente da categoria, a Academia surpreendeu, sim, ao indicar produções pouco conhecidas de países que não tem quase produção cinematográfica. Para citar alguns: O Lobo do Deserto (Jordânia), O Abraço da Serpente (Colômbia), Tangerinas (Estônia), Timbuktu (Mauritânia) e A Imagem que Falta (Camboja). Infelizmente, nenhum deles saiu vitorioso da cerimônia. Aliás, tá difícil de lembrar quando foi a última vez que a Academia surpreendeu no vencedor da categoria… o Oscar para o bósnio Terra de Ninguém em 2002 talvez?

Bom, quanto aos selecionados, à princípio, os favoritos são o alemão Toni Erdmann e o iraniano O Apartamento. Curiosamente, ambos estavam indicados à Palma de Ouro em Cannes em maio. O filme alemão de Maren Ade também foi indicado ao Independent Spirit, Globo de Ouro e levou o NYFCC. Já o iraiano de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar em 2012 por A Separação, foi indicado ao Globo de Ouro, e levou o National Board of Review e os prêmios de Melhor Ator (Shahab Hosseini) e Roteiro (Farhadi) em Cannes.

Cena de O Apartamento, de Asghar Farhadi. Em cena: Shahab Hosseini e Taraneh Alidoosti. Pic by cine.gr

Cena do representante iraniano O Apartamento, de Asghar Farhadi. Em cena: Shahab Hosseini e Taraneh Alidoosti. Pic by cine.gr

O representante da Suíça tem uma curiosidade: pode ser indicado tanto como Filme em Língua Estrangeira quanto Longa de Animação. My Life as a Zucchini é uma delicada animação stop-motion sobre um menino que é levado para um orfanato depois que sua mãe morre. Da última vez que um filme esteve na mesma situação, Vidas ao Vento (2013), de Hayao Miyazaki, acabou indicado a Melhor Longa de Animação, mas perdeu para Frozen: Uma Aventura Congelante.

Cena da animação suíça My Life as a Zucchini, que também concorre como Longa de Animação. Pic by moviepilot.de

Cena da animação suíça My Life as a Zucchini, que também concorre como Longa de Animação. Pic by moviepilot.de

A pré-indicação de Terra de Minas consolida o cinema dinamarquês como um dos mais prolixos dos últimos anos. São 5 indicações nos últimos dez anos: Guerra em 2016, A Caça em 2014, O Amante da Rainha em 2013, Em um Mundo Melhor em 2011 (vencedor do Oscar) e Depois do Casamento em 2007. A produção dinamarquesa foi bastante influenciada pelo movimento Dogma 95, que tinha fundamentos como não usar iluminação artificial, tripé e roteiro, e tinha como seguidores Lars von Trier, Thomas Vinterberg e Susanne Bier. Hoje, o cinema da Dinamarca amadureceu, abandonou essas regras, mas mantém a importância da história como essência. Terra de Minas se trata de um grupo que tem a missão de cavar buracos para 2 milhões de minas terrestres.

Cena do representante dinamarquês, Terra de Minas. Pic by moviepilot.de

Cena do representante dinamarquês, Terra de Minas. Pic by moviepilot.de

Acredito que entre os três votados pelo comitê especial tenha sido o canadense É Apenas o Fim do Mundo. Não tanto pelo jovem diretor Xavier Dolan, que levou o Grande Prêmio do Júri em Cannes, mas mais pelo elenco francês composto por Marion Cotillard, Vincent Cassel, Nathalie Baye e Léa Seydoux, pois não é o tipo de filme que os votantes mais idosos apreciariam pelo ritmo mais frenético.

Cena de É Apenas o Fim do Mundo, de Xavier Dolan, com Marion Cotillard e Vincent Cassel. Pic by moviepilot.de

Cena do canadense É Apenas o Fim do Mundo, de Xavier Dolan, com Marion Cotillard e Vincent Cassel. Pic by moviepilot.de

Já o norueguês The King’s Choice e o russo Paradise apresentam essas tramas da Segunda Guerra. O primeiro tem o rei da Noruega precisando fazer uma importante decisão quando as máquinas alemãs chegam a Oslo em 1940, enquanto o segundo apresenta o cruzamento de três pessoas durante a guerra: uma russa, uma francesa e um oficial alemão. Já o sueco, Um Homem Chamado Ove, é uma comédia de humor negro em que o protagonista é um idoso reclamão (identificação com os votantes?) que decide abandonar sua cidade. Enquanto o australiano Tanna oferece uma interessante e bela releitura de uma briga entre duas tribos que habitam uma ilha no Pacífico. Se esses filmes são melhores do que Elle? Só conferindo todos pra poder analisar de fato.

Filme preto-e-branco sobre personagens da Segunda Guerra Mundial no russo Paradise. Pic by moviepilot.de

Filme preto-e-branco sobre personagens da Segunda Guerra Mundial no russo Paradise. Pic by moviepilot.de

Rolfe Lassgard como Ove em Um Homem Chamado Ove, representante sueco. Pic by moviepilot.de

Rolfe Lassgard como Ove em Um Homem Chamado Ove, representante sueco. Pic by moviepilot.de

Cena de Tanna, representante austraiano. Pic by cine.gr

Cena de Tanna, representante australiano. Pic by cine.gr

 

OPORTUNIDADES PERDIDAS

Como Aquarius não foi selecionado pela comissão brasileira (via Michel Temer), o representante Pequeno Segredo ficou de fora. Era óbvio que o dramalhão familiar não avançaria, por mais que seu diretor David Schurmann jurasse de pé junto que seu filme tinha um tema universal que conquistaria a Academia. Aquarius foi sabotado, sim. Assim como Boi Neon, de Gabriel Mascaro. E é uma pena, pois havia grandes chances do Brasil voltar a concorrer ao Oscar após 17 anos depois de Central do Brasil.

O mesmo aconteceu com o representante da Coréia do Sul, país asiático que nunca foi indicado ao Oscar. Seu filme mais forte do ano é The Handmaiden, de Park Chan-wook, mas devido a conflitos políticos com a então presidente Park Geun-hye (hoje fora do governo por processo de impeachment), o filme não foi selecionado. O escolhido The Age of Shadows também ficou de fora. E mais uma ótima oportunidade foi desperdiçada. Por apresentar intensas cenas de sexo, The Handmaiden provavelmente teria que ser salvo pelo comitê especial, mas de qualquer forma, o filme pode concorrer em categorias técnicas como Fotografia, Direção de Arte e Figurino.

Sônia Braga em cena de Aquarius, preterido pela comissão brasileira para o Oscar. Pic by moviepilot.de

Sônia Braga em cena de Aquarius, preterido pela comissão brasileira para o Oscar. Pic by moviepilot.de

Entre os excluídos mais famosos estão o espanhol Julieta, de Pedro Almodóvar, e o chileno Neruda, de Pablo Larraín, que pode concorrer como diretor por Jackie, estrelado por Natalie Portman.

ROLA UMA REFORMA?

Por mais que descubramos produções interessantes através das indicações da Academia, uma reforma no sistema de votação ainda precisa ser implantada. Já citei aqui anteriormente uma solução que agradaria gregos e troianos: aumentar para 10 indicados a Melhor Filme em Língua Estrangeira! Ou pelo menos algo maleável como a categoria de Melhor Filme hoje, que varia de 5 a 10 indicados. Seria algo mais justo, já que são 85 países disputando 5 vagas. E a divisão de votos entre o departamento e a comissão especial ser alterada para 50% a 50%.  Hoje são 2/3 para o departamento e 1/3 para a comissão. Seria algo tão impossível assim para o conservadorismo da Academia?

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas no dia 24 de janeiro.

Anúncios

20 Finalistas Disputam 5 vagas no Oscar de Efeitos Visuais de 2016

FURY ROAD

Tom Hardy no green screen de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by oneperfectshotdb.com)

EM UM DOS ANOS MAIS CONCORRIDOS, CATEGORIA TEM ‘MAD MAX’ E ‘STAR WARS’

Até o ano passado, a Academia selecionava 10 finalistas antes de definir os 5 indicados na categoria de Efeitos Visuais, contudo, com o crescimento massivo de produções hollywoodianas que utilizam a tecnologia digital do blue/green screen, a lista aumentou para 20 concorrentes. Só relembrando: o primeiro prêmio de Efeitos Especiais foi entregue em 1940 para a aventura E as Chuvas Chegaram. Nas décadas seguintes, houve anos em que o prêmio não foi concedido por falta de candidatos (vejam só!) e alguns foram agraciados com um prêmio especial como O Vingador do Futuro (1990). Até a década de 2000, era bastante comum haver no máximo 3 indicados na categoria. Hoje são cinco.

the_rains_came1

Cena de E as Chuvas Chegaram (1939), primeiro vencedor do Oscar de Efeitos Especiais (photo by virtual-history.com)

Como dizem em Hollywood: “Nada é impossível no cinema”, e os efeitos têm sido um importantíssimo aliado para contar histórias fantásticas, ainda mais em tempos de safra rica de adaptações de histórias em quadrinhos. Aliás, ano passado, apostei em O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos e Transformers: Era da Extinção, mas a Academia indicou para seus lugares Capitão América 2: O Soldado Invernal e X-Men: Dias de um Futuro Esquecido. Novos tempos ou as cifras falaram mais alto?

Este ano, temos duas produções da Marvel no páreo. Será que um deles passa para a lista final? Segue a relação dos 20 filmes em ordem alfabética:

Chappie (Chappie)
O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending)
Evereste (Everest)
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)
O Exterminador do Futuro: Gênesis (Terminator Genisys)
Homem-Formiga (Ant-Man)
Jogos Vorazes: A Esperança – O Final (The Hunger Games: Mockingjay – Part 2)
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Missão: Impossível – Nação Secreta (Mission: Impossible – Rogue Nation)
No Coração do Mar (In the Heart of the Sea)
Perdido em Marte (The Martian)
Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
O Regresso (The Revenant)
Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (Tomorrowland)
A Travessia (The Walk)
Velozes & Furiosos 7 (Furious Seven)
Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
007 Contra Spectre (Spectre)

Mesmo com a expansão do número de candidatos, algumas produções mais comentadas ficaram de fora da primeira de duas peneiras: Cinderela, A Colina Escarlate, Quarteto Fantástico, Kingsman: Serviço Secreto, Pixels e Terremoto: A Falha de San Andreas. A segunda lista com 10 filmes será divulgada no final deste mês pelo Comitê de Efeitos Visuais da Academia.

Entre os que estão concorrendo ainda, acredito que alguns fatores devem ajudar a colocar o filme no Oscar. Primeiro: os efeitos visuais têm que ajudar a contar a história. Nada de efeitos decorativos ou ilustrativos. Imagine o seguinte: se não houvesse esse efeito, não haveria filme. Segundo: A força das bilheterias. Não sejamos hipócritas: os números de ingressos vendidos ajuda, e muito, numa indicação ao Oscar, principalmente aqui, onde os candidatos foram protagonistas da alta temporada do verão americano. Quanto mais visto for o filme, mais chances ele tem de chegar à final. Terceiro: Histórico. Grandes nomes envolvidos com efeitos superam até mesmo boas campanhas. Se você nunca ouviu falar de nomes como Jim Rygiel, Robert Legato, Tim Alexander, John Frazier, Dennis Muren, tudo bem. Mas se os diretores envolvidos tiverem um bom currículo, as chances também aumentam: George Miller, Ron Howard, Robert Zemeckis e J.J. Abrams.

Portanto, já me adiantando ao primeiro corte de 10 filmes, já divulgo minhas apostas para os 5 indicados para Efeitos Visuais.

  • Jurrasic World: O Mundo dos Dinossauros
  • Mad Max: Estrada da Fúria
  • No Coração do Mar
  • Star Wars: O Despertar da Força
  • A Travessia

Fazendo um breve resumo das escolhas:

  • Os primeiros dois Jurassic Park foram indicados a Efeitos Visuais, sendo que o primeiro ganhou com honras. Este novo, que foi um mega-sucesso, deve ter seu espaço garantido por apresentar novos dinos.
Jurassic World

Chris Pratt trabalha com os velociraptors em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow.ch)

  • O novo filme da saga Mad Max pode ser considerada a mistura perfeita entre efeitos visuais digitais com efeitos práticos, ou seja, efeitos criados com computação gráfica harmoniosamente funcionando com efeitos criados em set como explosões e batidas de carros. Com bilheteria em alta e a crítica ao seu lado, o filme de George Miller pode ser o recordista de indicações este ano no Oscar.
  • Dos cinco, No Coração do Mar foi o que mais tive dúvidas. Os efeitos lembram aqueles usados em As Aventuras de Pi (2012) e Mestre dos Mares – O Lado Mais Distante do Mundo (2003). Ambos foram indicados e o primeiro levou a estatueta. Os efeitos com água sempre estão em alta, e a baleia em si é uma protagonista. Além disso, tem o diretor vencedor do Oscar, Ron Howard, o que sempre ajuda na hora do desempate.
In the Heart of the Ocean vfx

Cena da baleia em No Coração do Mar (photo by cine.gr)

  • A primeira trilogia de Star Wars toda foi vencedora do Oscar da categoria. Já a segunda recebeu duas indicações, mas sem vitória. Por tradição, esta terceira deve ter sua primeira parte com lugar garantido, pelo menos como indicada. A vitória ainda é incerta, pois, apesar do sucesso estrondoso que vai ser, Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força não deve apresentar efeitos tão inovadores. Vale lembrar que Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma perdeu para a novidade digital da época: Matrix.
Star Wars vfx

Daisy Ridley com o robô BB8 em cena de Star Wars: Episódio VII – O Desperar da Força (photo by outnow.ch)

  • Robert Zemeckis ficou conhecido por filmes com efeitos visuais como De Volta Para o Futuro, Forrest Gump: O Contador de Histórias e Contato, fama que o coloca automaticamente na disputa. Embora A Travessia tenha recebido críticas boas e ruins, todos elogiaram os efeitos visuais da parte final da travessia do World Trade Center. E justamente os efeitos podem lhe garantir a indicação de consolação pelo filme todo no Oscar.
The Walk vfx

Joseph Gordon-Levitt em cena final de A Travessia (photo by outnow.ch)

As indicações ao 88º Oscar serão anunciadas no dia 14 de janeiro, e a cerimônia de entrega está prevista para o dia 28 de fevereiro.