Barkhad Abdi e Lupita Nyong’o integram a lista dos estreantes indicados ao Oscar

Barkhad Abdi e Lupita Nyong'o foram indicados por Capitão Phillips e 12 Anos de Escravidão (photo by www.hollywoodreporter.com)

Barkhad Abdi e Lupita Nyong’o foram indicados por Capitão Phillips e 12 Anos de Escravidão, respctivamente (photo by http://www.hollywoodreporter.com)

INDICAÇÃO AO OSCAR NO 1º TRABALHO AJUDA OU ATRAPALHA?

Quais são as chances de um ator ou atriz estreante já ser indicado ao Oscar em seu primeiro trabalho no cinema? 0,0001? Além de já ter de contar com um talento natural, o estreante precisa ter em mãos “o” projeto que lhe apresente um personagem com profundidade minimamente razoável, um diretor que saiba explorar esse dom e muita, muita, mas muita sorte!

Este ano, os sortudos são a mexicana Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) e o somaliano Barkhad Abdi (Capitão Phillips). Enquanto ela foi criada no Quênia e educada pela Yale School of Drama, ele mudou-se para o Iêmen e depois para os EUA aos 14 anos, onde trabalhou como motorista de limosine. Como não tinha planos de ser ator, Abdi pode ficar extremamente rotulado em Hollywood, principalmente por papéis de vilão. Já Lupita, por já ter se dedicado aos estudos da área, pode ter um futuro promissor pela frente. Em Sem Escalas, seu próximo filme, ela atuará ao lado de Liam Neeson e Julianne Moore. Nada mal para um segundo filme, não?

Na história da premiação da Academia, alguns estreantes tiveram sorte e não caíram no ostracismo como Anna Paquin. Ela ganhou o Oscar aos 9 anos de idade e por mais que não tenha sido indicada novamente, estrelou a trilogia dos X-Men (2000 a 2006) e a série de TV True Blood. Já outros praticamente sumiram do mapa logo depois como a australiana Keisha Castle-Hughes, que é a atriz mais jovem a ser indicada como Melhor Atriz aos 13 anos por A Encantadora de Baleias.

Normalmente, quando um ator ou atriz mirim é indicado ao Oscar, a ordem dos votantes é não premiá-lo com intuito nobre de protegê-lo, afinal, as chances de decadência prematura é altíssima. Quando Abigail Breslin concorria como Atriz Coadjuvante por Pequena Miss Sunshine aos 10 anos, o veterano ator Alan Arkin não queria que ela vencesse pois a pressão por crescimento poderia arruinar sua carreira. Até agora, ele estava certo. Breslin vem atuando com boa freqüência e sabendo alternar produções grandes como Ender’s Game – O Jogo Exterminador com independentes como Álbum de Família, em que contracena com bons atores como Meryl Streep e Chris Cooper.

Já quando se trata de um estreante adulto, a indicação pode significar o início de uma ascensão de prestígio e fama como foram os casos de Oprah Winfrey e Glenn Close, mas pode ser apenas uma aposta promissora que não se concretiza. Particularmente, não gosto muito do Oscar concedido a um estreante porque não conhecemos ainda sua versatilidade, o que gera sério risco do ator ou atriz ser rotulado para o resto da vida. A Academia tem ótimas intenções ao indicar um estreante, mas nem sempre ela funciona.

Com a ajuda da matéria da Hollywood Reporter, confira os estreantes sortudos (ou azarados):

Quvenzhané Wallis em Beasts of the Southern Wild

Quvenzhané Wallis em A Indomável Sonhadora (photo by beyondhollywood.com)

Oscar_icon_by_reiarturQUVENZHANÉ WALLIS
• Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Indomável Sonhadora (2012)
Com uma performance que transborda energia, a pequena Quvenzhané conquistou o público com sua Hushpuppy, que mantém a esperança no meio do caos da pobreza e na doença do pai. Tornou-se a mais jovem indicada na categoria aos 9 anos. Perdeu para outra jovem candidata, Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida) aos 23 anos. Em 2014, atuará no musical Annie e dublará uma personagem na animação The Prophet.

Hailee Steinfeld em Bravura Indômita (photo by outnow.ch)

Hailee Steinfeld em Bravura Indômita (photo by outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturHAILEE STEINFELD
• Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por Bravura Indômita (2010)
Só o fato de ter sido escolhida entre inúmeras candidatas pelos irmãos Coen já seria uma honra tremenda, mas Steinfeld correspondeu à confiança e entregou uma atuação iluminada como a tagarela Mattie Ross. Quase bateu Melissa Leo (O Vencedor) no Oscar. Estrelou recentemente uma nova versão de Romeu & Julieta.

Jennifer Hudson em Dreamgirls: Em Busca de um Sonho (photo by outnow.ch)

Jennifer Hudson em Dreamgirls: Em Busca de um Sonho (photo by outnow.ch)

GOLD-Icon_CampasRJENNIFER HUDSON
• Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por Dreamgirls – Em Busca de um Sonho (2006)
Perdeu no programa de TV American Idol, mas ganhou o Oscar em seu primeira atuação cantando. Jennifer Hudson conquistou quase todos os críticos naquele ano e conseguiu a proeza de bater Cate Blanchett (Notas Sobre um Escândalo). Infelizmente, passou por um episódio trágico em que seu cunhado matou sua mãe, irmão e sobrinho. No cinema, teve apenas mais um trabalho em destaque: o drama A Vida Secreta das Abelhas.

Keisha Castle-Hughes em A Encantadora de Baleias (photo by www.outnow.ch)

Keisha Castle-Hughes em A Encantadora de Baleias (photo by http://www.outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturKEISHA CASTLE-HUGHES
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por A Encantadora de Baleias (2002)
Até 2013, era a mais jovem indicada nesta categoria aos 13 anos. Keisha perdeu para a franco-favorita do ano: Charlize Theron (Monster – Desejo Assassino). Pra dizer que não fez mais nada de relevante, fez uma breve ponta em Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith como a rainha Naboo.

Gabourey Sidibe em Preciosa (photo by www.outnow.ch)

Gabourey Sidibe em Preciosa (photo by http://www.outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturGABOUREY SIDIBE
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Preciosa (2009)
Num papel pra lá de sofrido, Gabourey faz uma adolescente abusada e grávida que vive apanhando e sofrendo pressão psicológica da mãe em Preciosa. Perdeu para Sandra Bullock (Um Sonho Possível). Atuou como coadjuvante em algumas produções como Sete Psicopatas e um Shih Tzu e tem atuado em séries de TV como American Horror Story.

Catalina Sandino Moreno em Maria Cheia de Graça (photo by outnow.ch)

Catalina Sandino Moreno em Maria Cheia de Graça (photo by outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturCATALINA SANDINO MORENO
• Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Maria Cheia de Graça (2004)
Num papel corajoso, a colombiana Catalina faz uma moça desespera que precisa atuar como “mula” para transportar drogas. Em sua única indicação, perdeu para Hilary Swank (Menina de Ouro). Infelizmente, ainda vive sob a margem de Hollywood. Atuou em Paris, Eu Te Amo (2006) e nos dois filmes Che, estrelado por Benicio Del Toro.

Edward Norton ao lado de Richard Gere em As Duas Faces de um Crime (photo by everett collection)

Edward Norton ao lado de Richard Gere em As Duas Faces de um Crime (photo by everett collection)

Oscar_icon_by_reiarturEDWARD NORTON
• Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante por As Duas Faces de um Crime (1996)
Em um dos raros casos em que o estreante voltou a ser indicado (como Ator por A Outra História Americana dois anos depois), Edward Norton tinha tudo pra dar certo, principalmente nessa época em que também atuou em Clube da Luta, mas algumas escolhas erradas e seu temperamento podem ter colaborado para uma decadência. Neste filme, ele interpreta um coroinha que é acusado de matar o arcebispo da igreja. Perdeu para Cuba Gooding Jr. (Jerry Maguire – A Grande Virada). Nos últimos anos, tem feito alguns filmes esquecíveis como O Ilusionista e Uma Saída de Mestre, e também falhou em engrenar como o novo Hulk, cujo papel foi parar nas mãos de um Mark Ruffalo bem mais inspirado.

Anna Paquin em O Piano (photo by cinemagia.ro)

Anna Paquin em O Piano (photo by cinemagia.ro)

GOLD-Icon_CampasRANNA PAQUIN
Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por O Piano (1993)
Quando seu nome foi anunciado no Oscar, a pequena Anna Paquin paralisou e não conseguiu dizer uma palavra. Qual seria o futuro desta menina? Atuar em filmes infantis? Atuou no drama familiar bonitinho Voando Para Casa e trabalhou com o diretor Franco Zeffirelli em Jane Eyre – Encontro com o Amor em 1996. Quando participou de X-Men (2000), Paquin já estava mais madura com 18 anos, mas só comprovou que veio pra ficar ao estrelar a série True Blood, onde vampiros são vampiros e não usam glitter.

Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (photo by virtual-history.com)

Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (photo by virtual-history.com)

GOLD-Icon_CampasRMARLEE MATLIN
Vencedora do Oscar de Melhor Atriz por Filhos do Silêncio (1986)
Vítima da surdez desde seus 18 meses de idade, Marlee Matlin não se intimidou e buscou seu sonho de atuar nos palcos. Interpretou Dorothy numa peça de O Mágico de Oz, e quando atuou em Children of a Lesser God chamou a atenção dos produtores da adaptação para cinema. Tornou-se a mais jovem a ganhar o Oscar de Melhor Atriz aos 22 anos em 1987. Nunca mais foi indicada ao Oscar, mas foi para o Globo de Ouro como atriz de série dramática por Reasonable Doubt no início dos anos 90.

Oprah Winfrey em A Cor Púrpura (photo by everett collection)

Oprah Winfrey em A Cor Púrpura (photo by everett collection)

Oscar_icon_by_reiarturOPRAH WINFREY
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por A Cor Púrpura (1985)
Na época, a indignação era alta pela derrota de Oprah Winfrey para Anjelica Huston (A Honra do Poderoso Prizzi), havendo acusações de racismo contra a Academia. Aliás, nem Oprah, nem Whoopi Goldberg ganharam o Oscar naquele ano. Só em 1991, Whoopi ganhou o seu merecidamente por Ghost – Do Outro Lado da Vida. Este ano, algumas pessoas acreditavam que ela finalmente seria compensada por O Mordomo da Casa Branca, mas felizmente esse Oscar de pena não acontecerá. Como todos sabem, ela se aposentou recentemente, mas era considerada a rainha da TV americana.

John Malkovich em Um Lugar no Coração (photo by everett collection)

John Malkovich em Um Lugar no Coração (photo by everett collection)

Oscar_icon_by_reiarturJOHN MALKOVICH
Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante por Um Lugar no Coração (1984)
Atuando como um soldado cego ao lado de Sally Field e Danny Glover neste drama passado nos duros tempos de racismo no Mississipi, Malkovich conseguiu chamar a atenção e soube escolher projetos que o alavancaram como Império do Sol (1987), Ligações Perigosas (1988) e Neblina e Sombras (1991), chegando a ser indicado mais uma vez como coadjuvante por Na Linha de Fogo (1993). Perdeu para Haing S. Ngor (Os Gritos do Silêncio) e Tommy Lee Jones (O Fugitivo), respectivamente. Em 1999, conseguiu a honra de ter um filme dedicado a ele mesmo em Quero Ser John Malkovich, que se tornou um sucesso de crítica internacional, mas depois passou a optar sempre pelos mesmos tipos de papéis meio desmiolados que, de tão acostumado, ele deitava e rolava.

M8DKIFI EC002

Haing S. Ngor em Os Gritos do Silêncio (photo by everett collection)

GOLD-Icon_CampasRHAING S. NGOR
• Vencedor do Oscar de Ator Coadjuvante por Os Gritos do Silêncio (1984)
Talvez a maior maldição do Oscar: a morte. Doze anos após sua vitória, seu corpo foi encontrado na frente de sua casa em Los Angeles. Apesar de acreditarem que se tratou de uma tentativa de assalto, há fortes indícios de que o crime foi motivado por razões políticas, pois o ator defendia organizações de direitos civis e a sentença criminal para os responsáveis pelo massacre no Camboja feito pelo Khmer Vermelho. Sua atuação em Gritos do Silêncio foi fortemente baseada em sua própria experiência de vida, pois sua família foi vítima dos massacres.

Glenn Close (ao lado de Robin Williams) em O Mundo Segundo Garp (photo by myhungergames.com)

Glenn Close (ao lado de Robin Williams) em O Mundo Segundo Garp (photo by myhungergames.com)

Oscar_icon_by_reiarturGLENN CLOSE
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por O Mundo Segundo Garp (1982)
Com ampla experiência nos palcos e um pouco de telefilmes, Glenn Close escolheu bem o projeto de sua estréia no cinema: a adaptação do romance de John Irving. Atuou ao lado dos ascendentes Robin Williams e John Lithgow sob a direção do experiente George Roy Hill. Acabou perdendo para Jessica Lange (Tootsie), e infelizmente perderia em mais 5 ocasiões: O Reencontro (1983), Um Homem Fora de Série (1984), Atração Fatal (1987), Ligações Perigosas (1988) e mais recentemente por Albert Nobbs (2012). Ficou mundialmente conhecida por viver a vilã Cruela nas adaptações do desenho animado dos 101 Dálmatas. Espero que haja mais oportunidades de premiá-la.

MIKHAIL BARYSHNIKOV

Mikhail Baryshnikov em Momento de Decisão (photo by allposters.com.br)

Oscar_icon_by_reiarturMIKHAIL BARYSHNIKOV
Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante por Momento de Decisão (1977)
O renomado bailarino russo teve uma estréia excepcional atuando ao lado das experientes Anne Bancroft e Shirley MacLaine , mas acabou fazendo poucos filmes depois como O Sol da Meia-Noite (1985). Em sua única indicação, foi derrotado por Jason Robards (Júlia). Já nos anos 2000, participou da série de TV Sex and the City.

Lily Tomlin em Nashville (photo by andthenomineesare.blogspot.com)

Lily Tomlin em Nashville (photo by andthenomineesare.blogspot.com)

Oscar_icon_by_reiarturLILY TOMLIN
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por Nashville (1975)
Com boa experiência em humor televisivo, Lily Tomlin surpreendeu neste drama dirigido por Robert Altman, com quem trabalhou em outras oportunidades como em Short Cuts – Cenas da Vida (1993). Perdeu para Lee Grant (Shampoo). Em 2004, trabalhou com David O. Russell em Huckabees: A Vida é uma Comédia e mais recentemente, tem feito participações em comédias bobas como A Pantera Cor de Rosa 2 e A Seleção.

Tatum ao lado do pai Ryan O'Neal em Lua de Papel (photo by www.outnow.ch)

Tatum ao lado do pai Ryan O’Neal em Lua de Papel (photo by http://www.outnow.ch)

GOLD-Icon_CampasRTATUM O’NEAL
Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por Lua de Papel (1973)
Atuando ao lado de seu pai, Ryan O’Neal, nesta ótima comédia dirigida por Peter Bogdanovich, a atriz-mirim tinha apenas 10 anos quando bateu outra jovem indicada, Linda Blair (O Exorcista). Participou de algumas séries de TV, mas nunca decolou. Nos últimos anos, participou de The Runaways – Garotas do Rock e Bem-Vindo aos 40.

MBDLASI EC021

Diana Ross em O Ocaso de uma Estrela (photo by Everett Collection)

Oscar_icon_by_reiarturDIANA ROSS
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por O Ocaso de uma Estrela (1972)

Pra quem achava que Diana Ross era apenas cantora do The Supremes, em sua única indicação, ela interpretou a cantora Billie Holiday. Perdeu para a performance elétrica de Liza Minnelli (Cabaret). Continua um ícone da música, mas atualmente somente suas canções servem o cinema.

Com Omar Shariff, Barbra Streisand em Funny Girl - A Garota Genial (photo by oscarfilmeafilme.blogspot.com.br)

Com Omar Sharif, Barbra Streisand em Funny Girl – A Garota Genial (photo by oscarfilmeafilme.blogspot.com.br)

GOLD-Icon_CampasRBARBRA STREISAND
Vencedora do Oscar de Melhor Atriz por Funny Girl – A Garota Genial (1968)
Por uma diferença irrisória de votos, o presidente da Academia na época havia declarado empate técnico entre Katharine Hepburn e Barbra Streisand. Numa das mais bem-sucedidas vitórias do Oscar, ela se tornou uma estrela nas décadas de 70 e 80 com sucessos românticos como Nosso Amor de Ontem (1973) e Nasce uma Estrela (1976), pelo qual também ganhou o Oscar de Melhor Canção Original. Na década de 90, recebeu boas críticas por sua direção em O Príncipe das Marés e O Espelho Tem Duas Faces, pelos quais foi indicada como produtora (Melhor Filme) e compositora (Melhor Canção), respectivamente. Para a geração atual, além de cantora, Streisand é conhecida como uma Focker, da trilogia Entrando Numa Fria

Julie Andrews em Mary Poppins (photo by derekwinnert.com)

Julie Andrews em Mary Poppins (photo by derekwinnert.com)

GOLD-Icon_CampasRJULIE ANDREWS
Vencedora do Oscar de Melhor Atriz por Mary Poppins (1964)
Após estrelar algumas peças musicais como Minha Bela Dama e Cinderella, Julie Andrews chamou a atenção de Walt Disney, que a convidou para estrelar Mary Poppins. Aliás, esse convite e a produção do musical foi tema do filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins. No ano seguinte, ela estrelou um dos maiores sucessos da história do cinema: A Noviça Rebelde, que além de marcá-la definitivamente como uma atriz que canta, rendeu sua segunda indicação. Foi mais uma vez indicada em 1983 por Victor ou Victoria. Tem atuado em produções infanto-juvenis como O Diário da Princesa e Shrek 2.

Karl Malden (ao fundo) com Eva Marie Saint em Sindicato de Ladrões (photo by gonemovies.com)

Karl Malden (ao fundo) com Eva Marie Saint em Sindicato de Ladrões (photo by gonemovies.com)

GOLD-Icon_CampasREVA MARIE SAINT
Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por Sindicato de Ladrões (1954)
Após atuar em inúmeras produções para TV, Eva finalmente foi descoberta pelo mestre Elia Kazan, que enxergou nela a dramaticidade que ele precisava para o papel de Edie Doyle, uma jovem que clama por justiça pela morte de seu irmão. Conseguiu contracenar com Marlon Brando, tarefa para poucos. Embora não tenha sido indicada ao Oscar novamente, estrelou algumas produções de destaque como Intriga Internacional (1959), Grand Prix (1966) e Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando! (1966). Nas décadas seguintes, teve uma carreira irregular e voltou a fazer TV.

Montgomery Clift em Perdidos na Tormenta (photo by http://ocdviewer.com/)

Montgomery Clift em Perdidos na Tormenta (photo by http://ocdviewer.com/)

Oscar_icon_by_reiarturMONTGOMERY CLIFT
Indicado ao Oscar de Melhor Ator por Perdidos na Tormenta (1948)
Apesar de ter estreado sob direção de Howard Hawks em Rio Vermelho, foi com o filme Perdidos na Tormenta, lançado antes, que Clift conseguiu sua primeira indicação. Perdeu para o imbatível Laurence Olivier (Hamlet) e teve mais três oportunidades fracassadas de ganhar o Oscar. Foi considerado um dos melhores atores da geração de James Dean e Marlon Brando, mas a Academia perdeu a chance de premiá-lo. Em sua filmografia, constam grandes clássicos como Um Lugar ao Sol (1951), A Um Passo da Eternidade (1953) e Julgamento em Nuremberg (1961). Morreu muito cedo aos 45 anos.

À frente Angela Lansbury com Ingrid Bergman em À Meia Luz (photo by filmsquish.com)

À frente Angela Lansbury com Ingrid Bergman em À Meia Luz (photo by filmsquish.com)

Oscar_icon_by_reiarturANGELA LANSBURY
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por À Meia Luz (1944)
Vencedora do Oscar Honorário no final do ano passado, Angela Lansbury teve uma estréia espetacular aos 18 anos sob direção de George Cuckor em À Meia Luz, estrelado por Ingrid Bergman. Perdeu para Ethel Barrymore (Apenas um Coração Solitário) e concorreu mais duas vezes como coadjuvante: Em 1946 por O Retrato de Dorian Gray, e em 1963 por O Sob o Domínio do Mal, mas nunca levou a estatueta. Para gerações mais novas, ficou conhecida pela série de TV Assassinato por Escrito e por sua voz de Mrs. Potts, a bule de chá, na animação A Bela e a Fera (1991).

Orson Welles em Cidadão Kane (photo by smallpicturesblog.com)

Orson Welles em Cidadão Kane (photo by smallpicturesblog.com)

GOLD-Icon_CampasRORSON WELLES
Vencedor do Oscar de Roteiro Original, e Indicado para Melhor Diretor e Ator por Cidadão Kane (1941)
O que dizer sobre o responsável por Cidadão Kane, a produção mais revolucionária do Cinema? Aos 26 anos, Welles se uniu ao excepcional diretor de fotografia Gregg Toland e explorou enquadramentos e foco como nunca, além da estrutura narrativa não-linear para contar a história de Charles Foster Kane, inspirado no magnata da imprensa William Random Hearst. O filme vencedor do Oscar naquele ano foi o drama familiar Como Era Verde o Meu Vale, de John Ford. Como Stanley Kubrick, Orson estava à frente de seu tempo e não foi devidamente reconhecido.

Martha Scott por Nossa Cidade (photo by Anthony Camerano)

Martha Scott por Nossa Cidade (photo by Anthony Camerano)

Oscar_icon_by_reiarturMARTHA SCOTT
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Nossa Cidade (1940)
A atriz levou seu papel na peça da Broadway de Emily Webb para o cinema nesta adaptação da peça de Thornton Wilder, pela qual atuou ao lado de William Holden. Perdeu para Ginger Rogers (Kitty Foyle). Suas atuações de destaque viriam nos épicos Os Dez Mandamentos (1956) e Ben-Hur (1959). Morreu aos 90 anos em 2003.

Greer Garson com Robert Donat em Adeus Mr. Chips (photo by forums.tcm.com)

Greer Garson com Robert Donat em Adeus, Mr. Chips (photo by forums.tcm.com)

Oscar_icon_by_reiarturGREER GARSON
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Adeus, Mr. Chips (1939)
Com praticamente 50% de experiência em TV e a outra de cinema, Greer Garson atuou em incontáveis filmes. Trabalhou com diretores renomados como Victor Fleming, Mervyn LeRoy e William Wyler, que lhe rendeu o Oscar de Atriz por Rosa de Esperança (1942). Em sua primeira indicação, perdeu para Vivien Leigh (…E o Vento Levou), tendo concorrido em mais 5 oportunidades. Morreu aos 91 anos em 1996.

Lawrence Tibbett em Amor de Zíngaro (photo by AP photo)

Lawrence Tibbett por Amor de Zíngaro (photo by AP photo)

Oscar_icon_by_reiarturLAWRENCE TIBBETT
Indicado ao Oscar de Ator por Amor de Zíngaro (1930)
Conhecido por ser cantor de ópera, ele estreou no cinema com a história de um bandido russo que se apaixona por uma princesa. O filme ainda conta com a participação de Stan Laurel e Oliver Hardy, conhecidos como O Gordo e o Magro. Perdeu para George Arliss (Disraeli). Atuou em apenas mais cinco produções na década de 30, e morreu em 1960, aos 63 anos.

Anúncios

Peter O’Toole (1932 – 2013)

Peter O'Toole

Peter O’Toole (photo by uproarcomics.co.uk)

PROTAGONISTA DE LAWRENCE DA ARÁBIA MORRE AOS 81 ANOS

A primeira vez que ouvi falar no nome Peter O’Toole foi no final dos anos 90, quando eu pesquisava a história do Oscar. Na época, não tinha computador, muito menos internet em casa, então eu aproveitava meus longos intervalos escolares pra pesquisar no laboratório de informática do colégio. Foi aí que descobri o clássico de David Lean, Lawrence da Arábia, e seu protagonista, um ator loiro de aparência enigmática e olhos azuis hipnotizantes. Quem era aquele ator e por que ele perdeu sete vezes o Oscar?

Conhecendo o sistema da Academia ao longo dos anos, decidi que Peter O’Toole foi apenas azarado. Em sua primeira indicação, justamente por Lawrence da Arábia, em 1963, era ainda um rosto novo em Hollywood, que não tinha como competir com a grandeza de Gregory Peck. “Teremos muitas chances de premiá-lo”, devem ter pensado os membros da Academia. E realmente tiveram, mas sempre havia uma desculpa como a divisão de votos entre Burton e ele por Becket, o Favorito do Rei, ou simplesmente alguém favorito no caminho de O’Toole. Ao todo, foi indicado oito vezes, sempre como Melhor Ator, mas sem nenhuma vitória. Acompanhe os concorrentes dele em cada edição do prêmio:

OSCAR 1963
– Burt Lancaster (O Homem de Alcatraz)
– Jack Lemmon (Vício Maldito)
– Marcello Mastroianni (Divórcio à Italiana)
• Gregory Peck (O Sol é Para Todos)
– Peter O’Toole (Lawrence da Arábia)


Sophia Loren anuncia os indicados e o vencedor, Gregory Peck

OSCAR 1965
– Richard Burton (Becket, o Favorito do Rei)
• Rex Harrison (Minha Bela Dama)
– Peter O’Toole (Becket, o Favorito do Rei)
– Anthony Quinn (Zorba, o Grego)
– Peter Sellers (Doutor Fantástico)

OSCAR 1969
– Alan Arkin (Por que Tem de ser Assim?)
– Alan Bates (O Homem de Kiev)
– Ron Moody (Oliver!)
– Peter O’Toole (O Leão no Inverno)
• Cliff Robertson (Os Dois Mundos de Charly)

OSCAR 1970
– Richard Burton (Ana dos Mil Dias)
– Dustin Hoffman (Perdidos na Noite)
– Peter O’Toole (Adeus, Mr. Chips)
– Jon Voight (Perdidos na Noite)
• John Wayne (Bravura Indômita)

OSCAR 1973
– Marlon Brando (O Poderoso Chefão)
– Michael Caine (Jogo Mortal)
– Laurence Olivier (Jogo Mortal)
– Peter O’Toole (A Classe Governante)
– Paul Winfield (Lágrimas da Esperança)

OSCAR 1981
• Robert De Niro (Touro Indomável)
– Robert Duvall (O Grande Santini – O Dom da Fúria)
– John Hurt (O Homem Elefante)
– Jack Lemmon (Tributo)
– Peter O’Toole (O Substituto)

OSCAR 1983
– Dustin Hoffman (Tootsie)
• Ben Kingsley (Gandhi)
– Jack Lemmon (Desaparecido – Um Grande Mistério)
– Paul Newman (O Veredicto)
– Peter O’Toole (Um Cara Muito Baratinado)

OSCAR 2007
– Leonardo DiCaprio (Diamante de Sangue)
– Ryan Gosling (Half Nelson – Encurralados)
– Peter O’Toole (Venus)
– Will Smith (À Procura da Felicidade)
• Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia)

No Globo de Ouro, ele teve mais sorte. Ganhou por Becket, o Favorito do Rei, O Leão no Inverno e Adeus, Mr. Chips, além de um extinto Most Promising Newcomer por Lawrence da Arábia, pelo qual também levou o BAFTA de Melhor Ator Britânico. Apesar de indicado duas vezes ao Framboesa de Ouro já no início da sua fase em decadência, em 1985 por Supergirl e em 1987 por Clube Paraíso, felizmente nunca foi coroado.

Formado pela escola britânica Royal Academy of Dramatic Arts, onde estudou com Albert Finney, Alan Bates e Richard Harris, Peter O’Toole ainda atuaria vários anos no palco pela prestigiosa companhia de teatro Bristol Old Vic e em programas televisivos nos anos 50 até ser escalado pelo diretor David Lean para estrelar sua mega-produção no deserto que o transformaria numa celebridade internacional. Apesar de historicamente incorreto, Lawrence da Arábia foi um grande sucesso por abranger política e sexualidade.

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by www.britannica.com)

Peter O’Toole como T.E. Lawrence ao lado de Omar Shariff em Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by http://www.britannica.com)

O ano era 1962 e os realizadores tinham de ter extrema cautela para abordar o sexo a fim de evitar a censura. Baseado na vida real do herói nada convencional T.E. Lawrence, o filme poderia se tornar mais um épico nos moldes hollywoodianos, mas nas mãos de David Lean, tornou-se um dos mais belos filmes do cinema mantendo algumas brechas para interpretação e ambigüidades. Bastava procurar que era possível conferir os trejeitos afeminados do protagonista, tanto que numa comversa, o dramaturgo Noël Coward disse a Peter O’Toole: “If you’d been any prettier, it would have been Florence of Arabia (Se você tivesse sido mais bonito, teria sido Florence da Arábia)”. Indo mais à fundo na questão sexual, a seqüência em que Lawrence é torturado pelos turcos revelaria suas tendências sadomasoquistas (!). Com cortes na versão original de 1962, a seqüência foi restaurada na versão de 1989.

Certamente, foi a melhor performance do ator, que soube explorar esse lado mais dúbio de seu personagem militar. Com ampla experiência nos palcos, foi inúmeras vezes escalado para viver nobres como o Rei Henrique II nos filmes Becket, o Favorito do Rei (1964) e O Leão no Inverno (1968), e tinha queda por papéis de pessoas sonhadoras como Don Quixote em O Homem de La Mancha (1972), um fugitivo que quer ser dublê em O Substituto (1980) e um ator à la Errol Flynn que tem espírito de grandeza em Um Cara Muito Baratinado (1982).

Peter O'Toole como o personagem de Miguel de Cervantes ao lado de James Coco como Sancho Panza em O Homem de La Mancha (photo by http://v-effekt.blogspot.com.br/2013/02/a-historia-de-estoria-o-homem-de-la.html)

Peter O’Toole como o personagem de Miguel de Cervantes ao lado de James Coco como Sancho Panza em O Homem de La Mancha (photo by http://v-effekt.blogspot.com.br/2013/02/a-historia-de-estoria-o-homem-de-la.html)

Em 2003, o então presidente da Academia, Frank Pierson, selecionou-o como homenageado pelo Oscar Honorário. Segundo seu discurso, Pierson fez questão de premiá-lo por ser a única pessoa que o demitiu como roteirista. Embora lisonjeado, o ator recusou a oferta por acreditar que ainda conseguiria a tão cobiçada estaueta numa competição oficial. Contudo, numa justificativa apoiativa, o presidente citou Paul Newman como exemplo, que havia recebido o Honorário em 1986 e logo no ano seguinte, o Oscar de Melhor Ator por A Cor do Dinheiro. Funcionou. Depois de 3 meses, ele aceitou a homenagem, apresentada por Meryl Streep e aplaudido de pé por mais de um minuto.


“Always a bridesmaid never a bride (Sempre madrinha de casamento, nunca a noiva)” – humor britânico de Peter O’Toole encanta pela cutucada gentil

As palavras de Frank Pierson surtiram efeito. Seu Oscar Honorário o colocou de volta à frente dos holofotes. Atuou no blockbuster Tróia (2004), Stardust: O Mistério da Estrela (2007), na animação vencedora do Oscar da Pixar Ratatouille (numa excepcional dublagem do crítico gastronômico Anton Ego), na série de TV Os Tudors, e claro, na comédia dramática Venus, pela qual recebeu sua oitava e última indicação ao Oscar.

Peter O'Toole como Maurice, um idoso de aparência frágil que ainda curte farrear ao lado de moças jovens em Venus (2006) - photo by www.outnow.ch

Peter O’Toole como Maurice, um idoso de aparência frágil que ainda curte farrear ao lado de moças jovens em Venus (2006) – photo by http://www.outnow.ch

Durante as filmagens de Venus, o ator quebrou seu quadril e teve que passar por uma cirurgia delicada. Impressionado com seu retorno após três semanas, o diretor Roger Michell destacou sua dedicação exemplar ao filme perante sofrimento de dores diárias no set. Muitos apostavam que a Academia finalmente faria justiça quando ele foi indicado, mas sua derrota teve como uma das razões seu recente Oscar Honorário, o que nos coloca diante da questão: “Se O’Toole não recebesse o Oscar Honorário, teria obtido o papel e a consagração de Venus?”


É possível ver um longo suspiro de Peter O’Toole no momento do anúncio do vencedor. Mesmo após décadas ausente, ele nunca perdeu as esperanças.

Peter O’Toole nos deixou no último dia 14 de dezembro em Londres aos 81 anos. A causa de sua morte não foi divulgada até o momento, porém o ator já havia sofrido com um câncer de estômago nos anos 70. Embora não tenha conseguido seu Oscar competitivo, o fato de ser o recordista de derrotas fez com que milhares de pessoas o conhecessem e apreciassem seu trabalho memorável. Dencanse em paz, Peter O’Toole.

Os 49 Melhores Filmes Britânicos de todos os tempos

BAFTA: British Academy of Film and Television Arts

“O Oscar Britânico”: BAFTA – British Academy of Film and Television Arts

Para celebrar o prêmio da Academia Britânica de Filmes, BAFTA, o crítico de cinema Barry Norman fez uma seleção dos 49 melhores filmes de todos os tempos. O 50º seria eleito pelos leitores da publicação mensal sobre cinema, tv e rádio: Radio Times. Contudo, ao contrário do que costuma ocorrer em listas de filmes, Barry não estipulou uma ordem de qualidade. Os selecionados foram postados em ordem alfabética dos títulos originais no site do jornal The Telegraph.

O crítico de cinema Barry Norman

O crítico de cinema Barry Norman

Sua lista abrange 75 anos de cinema britânico, relembrando consagrados cineastas como Alfred Hitchcock e Stanley Kubrick até talentos mais contemporâneos como Sam Mendes e Tom Hooper.

Contudo, dependendo da escolha, sua seleção pode indicar que a relevância no cenário fílmico pode ser maior do que a própria qualidade do filme, como foi o caso de 007 – Operação Skyfall.

Não me entendam mal. Gosto do 23º filme da franquia de James Bond, mas seria injusto posicioná-lo no mesmo patamar de um Laranja Mecânica, de Kubrick. Se a lista fosse sobre os filmes de maior relevância na história do cinema britânico, a inclusão do filme seria mais pertinente, uma vez que resgatou o respeito da série do espião mundialmente.

Com essa seleção, também é possível confirmar como a Academia (Oscar) tem forte preferência pelo cinema britânico. Dessas 49 produções, sete ganharam o Oscar de Melhor Filme: A Ponte do Rio Kwai, Lawrence da Arábia, Carruagens de Fogo, Gandhi, Shakespeare Apaixonado, Gladiador e O Discurso do Rei. Sem contar as performances premiadas de atores britânicos como Alec Guinness, Ben Kingsley e Colin Firth.

Curiosamente, os diretores mais presentes nessa lista de Barry Norman com cinco inclusões, Michael Powell e Emeric Pressburger (Narciso Negro, Coronel Blimp – Vida e Morte, ‘I Know Where I’m Going’, Neste Mundo e no Outro e Sapatinhos Vermelhos), nunca levaram o Oscar. Ambos receberam uma única indicação como roteiristas pelo filme E… um Avião Não Regressou (One of Our Aircraft is Missing/ 1942). Powell, que firmou uma parceria com o imigrante húngaro Pressburger para uma série de filmes, foi pouco valorizado em sua época, só ganhando maior notoriedade quando os diretores americanos Francis Ford Coppola e Martin Scorsese o redescobriram e ofereceram propostas para novos projetos no final dos anos 60. Scorsese foi além e apresentou sua editora Thelma Schoonmaker, que se tornou sua terceira esposa até sua morte em 1990 de câncer.

À esquerda, Michael Powell ao lado de seu colaborador assíduo Emeric Pressburger (photo by www.filmreference.com)

À esquerda, Michael Powell ao lado de seu colaborador assíduo Emeric Pressburger (photo by http://www.filmreference.com)

Outros esnobados pela Academia, Alfred Hitchcock (5 indicações, nenhuma vitória) e Stanley Kubrick (13 indicações e um único Oscar por Efeitos Visuais!), têm dois filmes na lista cada. Mike Leigh, reconhecido por seu talento singular na direção de atores, já foi indicado sete vezes, mas em todas as vezes permaneceu sentado na cerimônia da entrega do Oscar.

Na contramão, o segundo nome mais presente nessa lista é de David Lean, que conquistou 2 Oscars de direção no total de 11 indicações (como diretor, roteirista e até montador). Lean foi consagrado pela Academia com grandes produções como A Ponte do Rio Kwai e Lawrence da Arábia entre as décadas de 50 e 60.

Apesar do atual cenário do cinema britânico ter decaído nas últimas décadas, é possível perceber que as produções estão tentando resgatar o brilho das décadas de ouro. Por mais que não ganhem mais a notoriedade de antes no Oscar, filmes mais alternativos são devidamente reconhecidos pela Academia Britânica através da categoria MELHOR FILME BRITÂNICO, o que certamente incentiva e aquece a indústria cultural do país.

Vencedor do BAFTA de Melhor Filme Britânico e Melhor Trilha Musical por 007 - Operação Skyfall. Na primeira foto, da esquerda para a direita: o roteirista Robert Wade, o diretor Sam Mendes, os produtores Barbra Broccoli e Michael G. Wilson, e o roteirista Neal Purvis. Na segunda foto, o compositor Thomas Newman (photo by www.007magazine.co.uk)

Vencedores do BAFTA de Melhor Filme Britânico e Melhor Trilha Musical por 007 – Operação Skyfall. Na primeira foto, da esquerda para a direita: o roteirista Robert Wade, o diretor Sam Mendes, os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson, e o roteirista Neal Purvis. Na segunda foto, o compositor Thomas Newman (photo by http://www.007magazine.co.uk)

Nas últimas edições do BAFTA, os vencedores foram:

2013: 007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes
2012: O Espião que Sabia Demais, de Tomas Alfredson
2011: O Discurso do Rei, de Tom Hooper
2010: Fish Tank, de Andrea Arnold
2009: O Equilibrista, de James Marsh
2008: This is England, de Shane Meadows
2007: O Último Rei da Escócia, de Kevin Macdonald
2006: Wallace & Gromit – A Batalha dos Vegetais, de Steve Box e Nick Park
2005: Meu Amor de Verão, de Pawel Pawlikowski
2004: Tocando o Vazio, de Kevin Macdonald

E você? Algum palpite ou sugestão para o 50º filme britânico para essa lista?

Barry Lyndon (1975), de Stanley Kubrick

Barry Lyndon, de Stanley Kubrick (photo by Moviestore Collection/ Rex Feature)

Barry Lyndon (1975). Dir: Stanley Kubrick. Com Ryan O’Neal e Marisa Berenson.

BaftaVencedor do BAFTA de Direção e Fotografia
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção de Arte e Figurino

Narciso Negro (1947), de Michael Powell e

Narciso Negro, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Narciso Negro (Black Narcissus/1947). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Deborah Kerr e Jean Simmons.

A Ponte do Rio Kwai (The Bridge on the River Kwai/ 1957), de David Lean

A Ponte do Rio Kwai, de David Lean (photo by Everett Collection/ Rex Features)

A Ponte do Rio Kwai (The Bridge on the River Kwai/1957). Dir: David Lean. Com William Holden, Alec Guinness e Jack Hawkins.

BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator Britânico (Alec Guinness) e Roteiro Britânico.

Desencanto (Brief Encounter/ 1945), de David Lean

Desencanto, de David Lean (photo by ITV Global Entertainment Ltda/ Rex Features)

Desencanto (Brief Encounter/1945). Dir: David Lean. Com Celia Johnson e Trevor Howard.

Carruagens de Fogo (Chariots of Fire/ 1981), de Hugh Hudson

Carruagens de Fogo, de Hugh Hudson (photo by 20th Century Fox/ Everett/ Rex Features)

Carruagens de Fogo (Chariots of Fire/ 1981). Dir: Hugh Hudson. Com Ben Cross, Ian Charleson , Ian Holm e Nigel Havers.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Ator Coadjuvante (Ian Holm) e Figurino.
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator Coadjuvante (Nigel Havers), Roteiro, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Trilha Musical e Som.

Laranja Mecânica (A Clockwork Orange/1971), de Stanley Kubrick

Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Laranja Mecânica (A Clockwork Orange/ 1971). Dir: Stanley Kubrick. Com Malcolm McDowell e Patrick Magee.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Direção, Roteiro, Fotografia, Montagem, Direção de Arte e Trilha Musical.

Coronel Blimp - Vida e Morte, de Michael Powell e Emeric Pressburger

Coronel Blimp – Vida e Morte, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Coronel Blimp – Vida e Morte (The Life and Death of Colonel Blimp/ 1947). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Roger Livesey, Anton Walbrook e Deborah Kerr.

Mar Cruel (The Cruel Sea/ 1953), de Charles Frend

Mar Cruel, de Charles Frend (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Mar Cruel (The Cruel Sea/ 1953). Dir: Charles Frend. Com Jack Hawkins, Donald Sinden e Virginia McKenna.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico e Ator Britânico (Jack Hawkins)

Labaredas de Fogo

Labaredas de Fogo, de Michael Anderson (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Labaredas do Inferno (The Dam Busters/ 1955). Dir: Michael Anderson. Com Richard Todd e Michael Redgrave.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico e Roteiro Britânico

Inverno de Sangue em Veneza, de Nicolas Roeg

Inverno de Sangue em Veneza, de Nicolas Roeg (photo by Moviestore Collection/ Rex Features)

Inverno de Sangue em Veneza (Don’t Look Now/ 1973). Dir: Nicolas Roeg. Com Julie Christie e Donald Sutherland.
BaftaVencedor do BAFTA de Fotografia
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção, Ator (Donald Sutherland), Atriz (Julie Christie), Montagem e Trilha Musical

007 Contra o Satânico Dr. No, de Terence Young

007 Contra o Satânico Dr. No, de Terence Young (photo by Everett Collection/ Rex Features)

007 Contra o Satânico Dr. No (Dr. No/ 1962). Dir: Terence Young. Com Sean Connery e Ursula Andress.

O Vampiro da Noite, de

O Vampiro da Noite, de Terence Fisher (photo by Everett Collection/ Rex Features)

O Vampiro da Noite (Dracula/ 1958). Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee e Peter Cushing.

Quatro Casamentos e um Funeral, de Mike Newell (photo by

Quatro Casamentos e um Funeral, de Mike Newell (photo by Polygram)

Quatro Casamentos e um Funeral (Four Weddings and a Funeral/ 1994). Dir: Mike Newell. Com Hugh Grant e Andie MacDowell.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Direção, Ator (Hugh Grant) e Atriz Coadjuvante (Kristin Scott Thomas)
Indicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Simon Callow), Ator Coadjuvante (John Hannah), Atriz Coadjuvante (Charlotte Coleman), Roteiro Original, Montagem, Trilha Musical e Figurino

Ou Tudo ou Nada, de Peter Cattaneo (photo by

Ou Tudo ou Nada, de Peter Cattaneo (photo by Channel Four Films)

Ou Tudo ou Nada (The Full Monty/ 1997). Dir: Peter Cattaneo. Com Robert Carlyle, Mark Addy e Tom Wilkinson.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Ator (Robert Carlyle) e Ator Coadjuvante (Tom Wilkinson)
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator Coadjuvante (MArk Addy), Atriz Coadjuvante (Lesley Sharp), Roteiro Original, Montagem, Trilha Musical e Som

Gandhi, de Richard Attenborough (photo by

Gandhi, de Richard Attenborough (photo by Columbia Pictures)

Gandhi (1982). Dir: Richard Attenborough. Com Ben Kingsley, John Gielgud e Candice Bergen.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Direção, Ator (Ben Kingsley), Atriz Coadjuvante (Rohini Hattangadi) e Revelação (Ben Kingsley)
Indicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Edward Fox), Ator Coadjuvante (Roshan Seth), Atriz Coadjuvante (Candice Bergen), Fotografia, Roteiro, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical, Som e Maquiagem

Carter - O Vingador, de

Carter – O Vingador, de Mike Hodges (photo by SNAP/ Rex Features)

Carter – O Vingador (Get Carter/ 1971). Dir: Mike Hodges. Com Michael Caine.
BaftaIndicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Ian Hendry)

Gladiador, de Ridley Scott (photo by

Gladiador, de Ridley Scott (photo by Dreamworks)

Gladiador (Gladiator/ 2000). Dir: Ridley Scott. Com Russell Crowe, Joaquin Phoenix, Oliver Reed e Djimon Hounsou.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Fotografia, Montagem e Direção de Arte
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator (Russell Crowe), Ator Coadjuvante (Joaquin Phoenix), Ator Coadjuvante (Oliver Reed), Roteiro Original, Trilha Musical, Figurino, Som, Efeitos Visuais e Maquiagem

Grandes Esperanças, de David Lean (photo by

Grandes Esperanças, de David Lean (photo by ITV/ Rex Features)

Grandes Esperanças (Great Expectations/ 1946). Dir: David Lean. Com John Mills, Jean Simmons e Martita Hunt.

A Paixão de Gregory, de

A Paixão de Gregory, de Bill Forsyth (photo by SGoldwyn)

A Paixão de Gregory (Gregory’s Girl/ 1981). Dir: Bill Forsyth. Com John Gordon Sinclair e Dee Hepburn.
BaftaVencedor do BAFTA de Roteiro
Indicado ao BAFTA de Filme e Direção

Henrique V, de Laurence Olivier (photo by

Henrique V, de Laurence Olivier (photo by ITV/ Rex Features)

Henrique V (Henry V/ 1944). Dir: Laurence Olivier. Com Laurence Olivier.

'I Know Where I'm Going

‘I Know Where I’m Going!’, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by ITV/ Rex Features)

‘I Know Where I’m Going!’ (1945). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Wendy Hiller e Roger Livesey.

Se..., de Lindsay

Se…, de Lindsay Anderson (photo by http://www.cineol.net)

Se… (If…/ 1968). Dir: Lindsay Anderson. Com Malcolm McDowell.
BaftaIndicado ao BAFTA de Direção e Roteiro

Ipcress

Ipcress: Arquivo Confidencial, de Sidney J. Furie (photo by ITV/ Rex Features)

Ipcress: Arquivo Confidencial (The Ipcress File/ 1965). Dir: Sidney J Furie. Com Michael Caine.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico, Fotografia Britânica e Direção de Arte Britânica
Indicado ao BAFTA de Ator Britânico (Michael Caine) e Roteiro Britânico

Kes, de Ken Loach (photo by

Kes, de Ken Loach (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Kes (1969). Dir: Ken Loach. Com David Bradley e Colin Welland.
BaftaVencedor do BAFTA de Ator Coadjuvante (Colin Welland) e Revelação (David Bradley)
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção e Roteiro

As Oito Vítimas, de

As Oito Vítimas, de Robert Hamer (photo by http://www.cinemotions.com)

As Oito Vítimas (Kind Hearts and Coronets/ 1949). Dir: Robert Hamer. Com Alec Guinness como os oito membros da família D’Ascoyne.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

O Discurso do Rei, de Tom Hooper (photo by

O Discurso do Rei, de Tom Hooper (photo by The Weinstein Company)

O Discurso do Rei (The King’s Speech/ 2010). Dir: Tom Hooper. Com Colin Firth, Geoffrey Rush e Helena Bonham Carter.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator (Colin Firth), Ator Coadjuvante (Geoffrey Rush), Atriz Coadjuvante (Helena Bonham Carter), Roteiro Original e Trilha Musical
Indicado ao BAFTA de Direção, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Som e Maquiagem

Quinteto da Morte, de

Quinteto da Morte, de Alexander Mackendrick (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Quinteto da Morte (The Ladykillers/ 1955). Dir: Alexander Mackendrick. Com Alec Guinness, Peter Sellers e Herbert Lom.
BaftaVencedor do BAFTA de Atriz Britânica (Katie Johnson) e Roteiro Britânico
Indicado ao BAFTA de Filme e Filme Britânico

A Dama Oculta, de Alfred Hitchcock (photo by

A Dama Oculta, de Alfred Hitchcock (photo by Moviestore Collection/ Rex Features)

A Dama Oculta (The Lady Vanishes/ 1938). Dir: Alfred Hitchcock. Com Margaret Lockwood, Michael Redgrave e Dame May Whitty.

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by www.britannica.com)

Lawrence da Arábia, de David Lean (photo by http://www.britannica.com)

Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia/ 1962). Dir: David Lean. Com Peter O’Toole, Alec Guinness, Anthony Quinn e Omar Sharif.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator Britânico (Peter O’Toole) e Roteiro Britânico
Indicado ao BAFTA de Ator Estrangeiro (Anthony Quinn)

Momento Inesquecível, de

Momento Inesquecível, de Bill Forsyth (photo by Moviestore/ Rex Features)

Momento Inesquecível (Local Hero/ 1983). Dir: Bill Forsyth. Com Peter Riegert, Burt Lancaster e Chris Rozycki.
BaftaVencedor do BAFTA de Direção
Indicado ao BAFTA de Film, Ator Coadjuvante (Burt Lancaster), Roteiro Original, Fotografia, Montagem e Trilha Musical

Caçada

Caçada na Noite, de John Mackenzie (photo by http://www.outnow.ch)

Caçada na Noite (The Long Good Friday/ 1980). Dir: John Mackenzie. Com Bob Hoskins e Helen Mirren.
BaftaIndicado ao BAFTA de Ator (Bob Hoskins)

Neste Mundo e no Outro, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by www.guardian.co.uk)

Neste Mundo e no Outro, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by http://www.guardian.co.uk)

Neste Mundo e no Outro (A Matter of Life and Death/ 1946). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com David Niven e Kim Hunter.

A Vida de Brian, de Terry Jones (photo by www.moviepilot.de)

A Vida de Brian, de Terry Jones (photo by http://www.moviepilot.de)

A Vida de Brian (Life of Brian/ 1979). Dir: Terry Jones. Com Graham Chapman, John Cleese, Michael Palin, Eric Idle, Terry Gilliam e Terry Jones.

Naked, de Mike Leigh (photo by www.criterion.com)

Naked, de Mike Leigh (photo by http://www.criterion.com)

Naked (1993). Dir: Mike Leigh. Com David Thewlis, Katrin Cartlidge, Greg Cruttwell e Lesley Sharp.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

Quando o Coração Bate Mais Forte, de (photo by www.flickeringmyth.com)

Quando o Coração Bate Mais Forte, de Lionel Jeffries (photo by http://www.flickeringmyth.com)

Quando o Coração Bate Mais Forte (The Railway Children/ 1970). Dir: Lionel Jeffries. Com Dinah Sheridan, Bernard Cribbins, Gary Warren, Sally Thomsett e Jenny Agutter.
BaftaIndicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Bernard Cribbins), Revelação (Sally Thomsett) e Trilha Musical

Sapatinhos Vermelhos, de Michael Powell e Emeric Pressburger

Sapatinhos Vermelhos, de Michael Powell e Emeric Pressburger (photo by Granada International/ Rex Features)

Sapatinhos Vermelhos (The Red Shoes/ 1948). Dir: Michael Powell e Emeric Pressburger. Com Anton Walbrook, Marius Goring e Moira Shearer.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

Vestígios do Dia, de James Ivory

Vestígios do Dia, de James Ivory (photo by SNAP/ Rex features)

Vestígios do Dia (The Remains of the Day/ 1993). Dir: James Ivory. Com Anthony Hopkins e Emma Thompson.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme, Direção, Ator (Anthony Hopkins), Atriz (Emma Thompson), Roteiro Adaptado e Fotografia

Tudo Começou num Sábado, de

Tudo Começou num Sábado, de Karel Reisz (photo by Moviestore/ Rex Features)

Tudo Começou num Sábado (Saturday Night And Sunday Morning/ 1960). Dir: Karel Reisz. Com Albert Finney e Shirley Anne Field.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico, Atriz Britânica (Rachel Roberts) e Revelação (Albert Finney)
Indicado ao BAFTA de Filme, Ator Britânico (Albert Finney) e Roteiro Britânico

Segredos e Mentiras, de Mike Leigh (photo by www.screenfanatic.com)

Segredos e Mentiras, de Mike Leigh (photo by http://www.screenfanatic.com)

Segredos e Mentiras (Secrets & Lies/ 1996). Dir: Mike Leigh. Com Timothy Spall e Brenda Blethyn.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico, Atriz (Brenda Blethyn) e Roteiro Original
Indicado ao BAFTA de Filme, Direção, Ator (Timothy Spall), Atriz Coadjuvante (Marianne Jean-Baptiste)

Razão e Sensibilidade, de Ang Lee (photo by

Razão e Sensibilidade, de Ang Lee (photo by Columbia Pictures/ Everett/ Rex Features)

Razão e Sensibilidade (Sense and Sensibility/ 1995). Dir: Ang Lee. Com Emma Thompson, Kate Winslet, James Fleet e Greg Wise.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Atriz (Emma Thompson) e Atriz Coadjuvante (Kate Winslet)
Indicado ao BAFTA de Direção (Ang Lee), Ator Coadjuvante (Alan Rickman), Atriz Coadjuvante (Elizabeth Spriggs), Roteiro Adaptado, Fotografia, Direção de Arte, Figurino e Trilha Musical

O Criado, de

O Criado, de Joseph Losey (photo by Studio Canal Films/ Rex Features)

O Criado (The Servant/ 1963). Dir: Joseph Losey. Com Dirk Bogarde, Sarah Miles e James Fox.
BaftaVencedor do BAFTA de Ator Britânico (Dick Bogarde), Fotografia Britânica (PB) e Revelação (James Fox)
Indicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico, Atriz Britânica (Sarah Miles), Revelação (Wendy Craig), Roteiro Britânico

Shakespeare Apaixonado, de John Madden

Shakespeare Apaixonado, de John Madden (nansaawebs.blogspot.com)

Shakespeare Apaixonado (Shakespeare in Love/ 1998). Dir: John Madden. Com Gwyneth Paltrow, Joseph Fiennes, Geoffrey Rush e Judi Dench.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme, Atriz Coadjuvante (Judi Dench) e Montagem
Indicado ao BAFTA de Direção, Ator (Joseph Fiennes), Atriz (Gwyneth Paltrow), Ator Coadjuvante (Geoffrey Rush), Ator Coadjuvante (Tom Wilkinson), Roteiro Original, Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical, Som e Maquiagem

007 - Operação Skyfall, de Sam Mendes (photo by www.beyondhollywood.com)

007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes (photo by http://www.beyondhollywood.com)

007 – Operação Skyfall (Skyfall/ 2012). Dir: Sam Mendes. Com Daniel Craig, Javier Bardem, Judi Dench, Ralph Fiennes e Albert Finney.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico e Trilha Musical Original
Indicado ao BAFTA de Ator Coadjuvante (Javier Bardem), Atriz Coadjuvante (Judi Dench), Fotografia, Montagem, Direção de Arte e Som

O Terceiro Homem, de Carol Reed

O Terceiro Homem, de Carol Reed (photo by Rex Features)

O Terceiro Homem (The Third Man/ 1949). Dir: Carol Reed. Com Orson Welles e Joseph Cotten.
BaftaVencedor do BAFTA de Filme Britânico
Indicado ao BAFTA de Filme

Os 39 Degraus, de Alfred Hitchcock (photo by

Os 39 Degraus, de Alfred Hitchcock (photo by Everett Collection/ Rex Features)

Os 39 Degraus (The 39 Steps/ 1935). Dir: Alfred Hitchcock. Com Robert Donat e Madeleine Carroll.

O Pranto de um Ídolo, de

O Pranto de um Ídolo, de Lindsay Anderson (photo by ITV/ Rex Features)

O Pranto de um Ídolo (This Sporting Life/ 1963). Dir: Lindsay Anderson. Com Richard Harris, Rachel Roberts e Colin Blakely.
BaftaVencedor do BAFTA de Atriz Britânica (Rachel Roberts)
Indicado ao BAFTA de Filme, Filme Britânico, Ator Britânico (Richard Harris) e Roteiro Britânico

Trainspotting - Sem Limites, de Danny Boyle (photo by www.outnow.ch)

Trainspotting – Sem Limites, de Danny Boyle (photo by http://www.outnow.ch)

Trainspotting – Sem Limites (Trainspotting/ 1996). Dir: Danny Boyle. Com Robert Carlyle, Kelly Macdonald, Jonny Lee Miller, Ewen Bremner e Ewan McGregor.
BaftaVencedor do BAFTA de Roteiro Adaptado
Indicado ao BAFTA de Filme Britânico

Whisky Galore!, de

Whisky Galore!, de Alexander Mackendrick

Whisky Galore! (1949). Dir: Alexander Mackendrick. Com Basil Radford, Joan Greenwood e Catherine Lacey.
BaftaIndicado ao BAFTA de Filme Britânico

Zulu, de

Zulu, de Cy Endfield (photo by Allstar/ Cinetext/ Paramount)

Zulu (1964). Dir: Cy Endfield. Com Stanley Baker, Jack Hawkins e Michael Caine.
BaftaIndicado ao BAFTA de Direção de Arte Britânica