‘TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME’ domina o SAG com 4 indicações

Three billboards 2.jpg

Sam Rockwell e Frances McDormand em cena de Três Anúncios Para um Crime (pic by CineImage)

FILME SOBRE IMPUNIDADE CONQUISTA 4 INDICAÇÕES, INCLUINDO ELENCO

Na manhã da última quarta, dia 13, as atrizes Olivia Munn e Niecy Nash se encarregaram de anunciar os indicados do SAG Awards, prêmio do sindicato de atores. Pelo menos o anúncio contou com uma TV com a imagem de cada indicado, ao contrário do precário anúncio do Globo de Ouro.

“Big Little Lies,” “Stranger Things,” and “GLOW” each scored four nods on the TV side, while “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” landed four nominations and “Lady Bird” received three for film.

NÚMEROS

O novo filme de Martin McDonagh lidera o ranking com quatro indicações: Atriz (Frances McDormand), Ator Coadjuvante (Woody Harrelson e Sam Rockwell) e Elenco. Logo em seguida, com 3 indicações, Lady Bird conquistou Atriz (Saoirse Ronan), Atriz Coadjuvante (Laurie Metcalf) e Elenco, que curiosamente inclui Timothée Chalamet, indicado como Melhor Ator por Me Chame Pelo Seu Nome.

Já pela ala da TV, houve um empate entre Big Little Lies, Stranger Things e GLOW, cada um com quatro indicações cada. Embora não seja um acompanhador assíduo de séries, foi uma surpresa ver esse alto reconhecimento para GLOW, série da Netflix sobre a vida pessoal e profissional de mulheres que lutam Luta Livre em Los Angeles.

LGBT EM QUEDA…

O fato do filme de Luca Gudagnino ter conquistado apenas uma indicação certamente enfraqueceu a campanha do filme rumo ao Oscar. Já é possível ler uma série de comentários na internet criticando essa decaída, e por consequência, o conservadorismo da Academia que voltaria a prevalecer contra um filme de temática LGBT.

CALL ME BY YOUR NAME 3

Timothée Chalamet em cena de Me Chame Pelo Seu Nome com Armie Hammer e Michael Stuhlbarg (pic by outnow.ch)

Realmente, a Academia sempre torceu o nariz para esses filmes, mas acredito que os caubóis de Brokeback Mountain ainda podem ser vingados. Se o filme obtiver indicações relevantes no Oscar como Filme, Diretor, Ator e Roteiro Adaptado, pode haver boas chances de vitória, pois não devemos esquecer que nos últimos 3 anos, vários novos membros foram convidados para votar no Oscar, incluindo profissionais internacionais, mulheres e minorias étnicas. Resta saber se esse novo contingente pode já fazer a diferença.

… E THE POST DE FORA DA FESTA

Se o novo filme de Steven Spielberg começou bem a temporada arrebatando três prêmios no National Board of Review, e depois conquistando importantes indicações no Critics’ Choice e Globo de Ouro, acabou sendo esquecido por completo no SAG. Tom Hanks era dúvida, mas Meryl Streep parecia ser uma certeza, até mesmo porque sua atuação foi bem elogiada, ou seja, não seria uma indicação cômoda.

the post 2

Tom Hanks e Meryl Streep em The Post: A Guerra Secreta. Nenhuma indicação ao SAG. Pic by outnow.ch

Como The Post: A Guerra Secreta foi exibido para o comitê de indicações do SAG uma semana antes do encerramento, isso pode ter contribuído, e muito, para sua ausência na lista de indicados, mas acredito que não deva ser grande empecilho para o Oscar. Outro filme que passou atrasado foi Trama Fantasma, de Paul Thomas Anderson, que também falhou em indicar seus atores: Daniel Day-Lewis, Vicky Krieps e Lesley Manville.

SURPRESAS NO ELENCO

As inclusões de Lady Bird e Três Anúncios Para um Crime eram esperadas na categoria. Já as exclusões de The Post e A Forma da Água causaram certo choque. O filme de Guillermo del Toro foi indicado apenas para Atriz (Sally Hawkins) e Ator Coadjuvante (Richard Jenkins), porém Octavia Spencer, que vinha sendo reconhecida em premiações, ficou de fora como Atriz Coadjuvante.

As surpresas ficaram por conta de Doentes de Amor (The Big Sick) e Mudbound. Curiosamente, ambas as produções conquistaram apenas mais uma indicação, mais especificamente na categoria de Atriz Coadjuvante: Holly Hunter pelo primeiro, e Mary J. Blige pelo segundo. Com esse reconhecimento no SAG, as duas devem ser indicadas ao Oscar.

the-big-sick-mit-holly-hunter-und-ray-romano.jpg

Cena de Doentes de Amor com Holly Hunter e Ray Romano. Hunter obteve indicação com Coadjuvante. Pic by moviepilot.de

ESTATÍSTICAS DO SAG NO OSCAR

Nos últimos 22 anos, nenhum filme vencedor do Oscar de Melhor Filme deixou de ser pelo menos indicado a Melhor Elenco no SAG. A última vez que isso aconteceu foi em 1996, quando Coração Valente levou o Oscar, enquanto Apollo 13 papou os prêmios dos sindicatos. Este ano, La La Land não estava entre os indicados a Elenco no SAG. Resultado: Moonlight levou Melhor Filme no Oscar. Essa estatística dá uma boa brecada no hype de A Forma da Água, que vinha de dois recordes de indicação no Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas que não consegui indicação para Elenco no SAG. Assim como Dunkirk que ficou apenas com indicação para o trabalho de Dublês, se bem que convenhamos, nenhum personagem nesse filme se destaca, mesmo Tom Hardy como o piloto.

Dos últimos 24 anos, houve um número excepcional de acertos de vencedores do Oscar: 67 de 92 atores levaram ambos os prêmios. Normalmente, das quatro categorias (Ator, Atriz, Ator Coadjuvante e Atriz Coadjuvante), o SAG costuma acertar pelo menos três. A explicação para esse alto índice pode vir da porcentagem de atores membros da Academia: estima-se que dos 7 mil membros, 2 mil sejam atores.

OPINIÕES PESSOAIS

Particularmente, fiquei feliz com as indicações de Daniel Kaluuya por Corra! e Judi Dench por Victoria e Abdul, mas estou quase admitindo que ambos serão substituídos nas indicações ao Oscar. Kaluuya por Daniel Day-Lewis (pelo carinho que a Academia tem por ele, e por supostamente Trama Fantasma ser seu último trabalho como ator, já que anunciou sua aposentadoria) ou Jake Gyllenhaal (é um ator que vem se destacado em papéis interessantes e profundos como parece ser esse de O Que Te Faz Mais Forte, no qual vive personagem vítima do atentado terrorista de Boston). E Dench por Meryl Streep (também pelo carinho da Academia e porque Oscar sem Streep tem se tornado um ano bastante atípico).

get-out-mit-daniel-kaluuya (1).jpg

Daniel Kaluuya hipnotizado em ótima cena de Corra! (pic by moviepilot.de)

Nas categorias de coadjuvante, não considero um ultraje a indicação de Steve Carell como coadjuvante por A Guerra dos Sexos. Seu personagem, perante a Billie Jean King de Emma Stone, é um pouco secundário. E acredito que Woody Harrelson morre na praia e Armie Hammer tome seu lugar por Me Chame Pelo Seu Nome. O vencedor desta categoria deve ser Willem Dafoe, que tem se sobressaído diante dos demais candidatos.

battle-of-the-sexes-mit-steve-carell

Steve Carell como Coadjuvante? em A Guerra dos Sexos? pic by moviepilot.de

Já na ala feminina, gostei da indicação para a tailandesa Hong Chau, que conseguiu interpretar uma personagem que para muitos era algo impossível de ser feito em Pequena Grande Vida. Ela interpreta uma ativista vietnamita que o governo americano encolhe contra sua vontade. Pelas características de sua personagem, Ngoc Lan Tran, com forte sotaque e uma perna prostética, tinha tudo para ser algo estereotipado, mas a atriz procurou deixá-la bem equilibrada e sensível a fim de torná-la palpável. Certamente, um trabalho com o dedo do diretor Alexander Payne, que sempre busca o lado mais humano dos personagens. Na corrida pelo prêmio, não vejo nenhuma favorita, porém Laurie Metcalf conquistou a maioria dos prêmios até o momento, enquanto Allison Janney era vice ou indicada com frequência.

downsizing-mit-matt-damon-und-hong-chau.jpg

Ao lado de Matt Damon, Hong Chau interpreta ativista vietnamita em Pequena Grande Vida (pic by moviepilot.de)

Vale lembrar que assim como nas demais premiações, embora os atores Jeffrey Tambor (Transparent) e Kevin Spacey (House of Cards) tenham performances elegíveis, ambos foram excluídos devido aos escândalos sexuais.

INDICADOS AO SCREEN ACTORS GUILD AWARDS:

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role:
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
James Franco (Artista do Desastre)
Daniel Kaluuya (Corra!)
Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role:
Judi Dench (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)
Sally Hawkins (A Forma da Água)
Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
Margot Robbie (Eu, Tonya)
Saoirse Ronan (Lady Bird: É Hora de Voar)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role:
Steve Carell (A Guerra dos Sexos)
Willem Dafoe (Projeto Flórida)
Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)
Richard Jenkins (A Forma da Água)
Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role:
Mary J. Blige (Mudbound)
Hong Chau (Pequena Grande Vida)
Holly Hunter (Doentes de Amor)
Allison Janney (Eu, Tonya)
Laurie Metcalf (Lady Bird: É Hora de Voar)

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture:
Doentes de Amor
Corra!
Lady Bird: É Hora de Voar
Mudbound
Três Anúncios Para um Crime

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries:
Benedict Cumberbatch (Sherlock)
Jeff Daniels (Godless)
Robert De Niro (The Wizard of Lies)
Geoffrey Rush (Genius)
Alexander Skarsgard (Big Little Lies)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries:
Laura Dern (Big Little Lies)
Nicole Kidman (Big Little Lies)
Jessica Lange (Feud: Bette & Joan)
Susan Sarandon (Feud: Bette & Joan)
Reese Witherspoon (Big Little Lies)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series:
Jason Bateman (Ozark)
Sterling K. Brown (This Is Us)
Peter Dinklage (Game of Thrones)
David Harbour (Stranger Things)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series:
Millie Bobby Brown (Stranger Things)
Claire Foy (The Crown)
Laura Linney (Ozark)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Robin Wright (House of Cards)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series:
Anthony Anderson (Black-ish)
Aziz Ansari (Master of None)
Larry David (Curb Your Enthusiasm)
Sean Hayes (Will & Grace)
William H. Macy (Shameless)
Marc Maron (GLOW)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series:
Uzo Aduba (Orange Is the New Black)
Alison Brie (GLOW)
Jane Fonda (Grace and Frankie)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Lily Tomlin (Grace and Frankie)

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series:
The Crown
Game of Thrones
The Handmaid’s Tale
Stranger Things
This Is Us

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series:
Black-ish
Curb Your Enthusiasm
GLOW
Orange is the New Black
Veep

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Comedy or Drama Series:
Game of Thrones
GLOW
Homeland
Stranger Things
The Walking Dead

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture:
Em Ritmo de Fuga
Dunkirk
Logan
Planeta dos Macacos: A Guerra
Mulher-Maravilha

***

A cerimônia do SAG Awards está marcada para o dia 21 de janeiro e terá transmissão da TNT. Pela primeira vez, a entrega de prêmios do sindicato de atores terá um host, na verdade, uma hostess: a atriz Kristen Bell.

E Morgan Freeman será homenageado com o prêmio pelo Conjunto da Obra.

Anúncios

Cannes & Almodóvar vs. Netflix & TILDA SWINTON!

okja cannes

Equipe do filme Okja, da Netflix, no Festival de Cannes. No centro, o diretor Bong Joon-ho ao lado da atriz Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal. Pic by AFP.com

EM SEGUNDO DIA DO FESTIVAL, NETFLIX CAUSA GRANDE ALVOROÇO

Sim, tá rolando uma treta em Cannes! E a musa Tilda Swinton calou a boca do povo! Por isso venho aqui pra compartilhar com vocês não apenas a treta, mas toda uma discussão sobre o futuro do cinema como o conhecemos hoje.

Vamos pela cronologia dos fatos:

1 – NETFLIX NA SELEÇÃO OFICIAL DE CANNES

Dentre os indicados à Palma de Ouro, havia duas produções de streaming da Netflix competindo pela primeira vez na história do evento: The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach; e Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho.

OKJA

Cena do filme Okja, de Bong Joon-ho. Pic by cine.gr

2 – INCÔMODO ENTRE OS DISTRIBUIDORES DE CINEMA NA FRANÇA

Como se trata de um festival bastante tradicional, obviamente que os inúmeros distribuidores de cinema não gostaram nem um pouco do início da invasão da Netflix em Cannes, já que as produções não serão exibidas nas salas de cinema comercialmente, apenas pela plataforma da própria Netflix. Mais do que deixar de lucrar, os distribuidores estão enfurecidos com a possibilidade da profissão se tornar obsoleta num futuro não muito distante.

3 – OS ORGANIZADORES TOMAM PROVIDÊNCIAS

Com a insatisfação dos distribuidores no ouvido, os organizadores se viram obrigados a tomar providências para agradar gregos e troianos. Assim, passou a exigir que os filmes de streaming sejam exibidos em salas de cinema para que possam competir a partir de 2018.

4 – NETFLIX REAGE COM SENSATEZ

Depois de sofrer retaliações, a Netflix poderia reclamar ou se espernear, mas tem ciência do ótimo impacto de ter produções selecionadas e por isso, anunciou que está estudando a possibilidade de lançar seus filmes em algumas salas selecionadas.

5 – ALMODÓVAR USUFRUI DE SUA AUTORIDADE

Como presidente do júri deste ano, o cineasta Pedro Almodóvar, resolveu fazer declaração sobre o assunto, mas de forma intimidatória: “Não concederei não apenas a Palma de Ouro, mas qualquer outro prêmio para um filme que não poderei ver na tela grande”. Embora o júri seja formado por outros artistas como os atores Will Smith, Jessica Chastain, Fan Bingbing, e os cineastas Paolo Sorrentino, Park Chan-wook, Maren Ade e Agnès Jaoui, além do compositor Gabriel Yared, o presidente sempre tem a palavra final, portanto, existe forte possibilidade desses dois filmes da Netflix saírem de mãos abanando apenas por causa de seu formato.

Jury Press Conference - The 70th Annual Cannes Film Festival

À direita, o presidente do júri Pedro Almodóvar em coletiva de imprensa. Pic by The Upcoming

6 – TILDA SWINTON CALA A BOCA DE ALMODÓVAR

Durante a conferência do filme em Cannes, a atriz do filme Okja, a britânica Tilda Swinton, rebateu a declaração do presidente do júri Pedro Almodóvar: “NÃO VIEMOS AQUI PELOS PRÊMIOS”. Cadê aquela musiquinha do “Turn down for what” com os óculos escuros pra Tilda Swinton???

tilda-jake.jpg.size.custom.crop.1086x724

Tilda Swinton responde às perguntas dos jornalistas em coletiva de Okja em Cannes. Ao fundo, Jake Gyllenhaal. (pic by thestar.com)

ADENDO: A EXIBIÇÃO DE ‘OKJA’ EM CANNES

Depois de toda essa discussão, até parece que sabotaram a exibição do longa Okja! Após alguns minutos de exibição, o filme foi interrompido por problemas técnicos. Alguns membros da imprensa estrangeira aproveitaram para vaiar, mas o diretor Bong Joon-ho soube ter jogo de cintura após o término da sessão, quando disse: “Fiquei feliz pelos problemas técnicos. Assim vocês tiveram a oportunidade de ver duas vezes a sequência de abertura!”.

ANÁLISE PERTINENTE EM RELAÇÃO AO FUTURO DO CINEMA

Bom, mas tirando a sarrafada da Tilda Swinton, o que é necessário entender aqui é que a Netflix é o FUTURO. Simples. Para quem acompanha cinema, sabe que houve uma queda significativa de conteúdo nas salas de exibição. Os estúdios não querem mais arriscar em novas idéias, e preferem ficar limitados a adaptações de quadrinhos, refilmagens e sequências, pois as chances de prejuízo são praticamente inexistentes. Claro que não estou criticando esses filmes de estúdio (eu mesmo sou fã dos filmes da Marvel), mas cinema não deve ficar restrito a essas produções. Cinema é uma arte que precisa sempre se reinventar para poder sobreviver.

E a Netflix está providenciando isso. Há pouco tempo, eles deixaram de ser uma mera plataforma de exibição para produzir conteúdo. Começaram com as séries de TV , que logo conquistaram o grande público como as pioneiras House of Cards e Orange is the New Black, e agora estão fazendo grandes contratos com diretores renomados e renegados do cinema como os já citados Bong Joon-ho e Noah Baumbach. Esses mesmos diretores sabem que estão perdendo espaço nas salas de cinema e por isso, estão buscando alternativas para produzirem seus filmes. Vale lembrar que recentemente o diretor David Lynch anunciou sua aposentadoria de filmes, concentrando seus esforços na série Twin Peaks. Quem sabe ele não consegue retornar com a ajuda da Netflix também?

netflix screen-shot-2013-11-13-at-8-05-16-am

Tela da Netflix com destaque para a série House of Cards, sucesso absoluto de crítica e público. 

Quando o Festival de Cannes impõe restrições à Netflix, ele está adiando o futuro. Mesmo sendo cinéfilo que gosta de frequentar salas de cinema, não dá pra simplesmente ignorar uma plataforma tão promissora. Logo de cara, já desbancou as locadoras do mundo todo, e agora a tendência é aposentar as salas de cinema.

ÉPOCA DE TRANSIÇÃO

Embora a Netflix seja o futuro, ele não vem da noite para o dia. É necessário um período de adaptação do público e até mesmo da crítica. Acredito que o ideal nesse caso seja que a Netflix inicialmente disponibilize seus filmes em salas selecionadas de cinema, e que retire suas produções dos cinemas gradativamente. Hoje, podem lançar um filme para 200 salas nos EUA. Daqui a 6 meses, 150 salas, e assim sucessivamente. E o público que vai decidir isso. Se hoje pagam bem pra assistir mega-produções da Disney nos cinemas, eles podem elevar os números positivos das produções de streaming.

Voltando ao discurso do Almodóvar, ele lança sua opinião para que possamos refletir sobre essas mudanças. “Plataformas digitais são um novo meio de oferecer trabalho, o que é interessante e positivo. Mas elas não devem tomar o lugar de formatos existentes. Elas não deveriam mudar os hábitos dos espectadores. Essa é a grande questão do debate.”, declarou o diretor.

Realmente, assistir a um filme na tela grande do cinema é uma experiência de outro nível. A tela grande consegue aprimorar a experiência de ver um filme, e até mesmo melhorar a qualidade daquele filme meio capenga. É verdade. E tem uma questão primordial nesse modo de assistir a um filme: a concentração do espectador. Na sala de cinema, além da imagem e áudio de qualidades, existe o foco. Não há interrupções de telefone, barulho ou mesmo de distrações dentro da sala de cinema, que certamente existem em casa. Então, nesse sentido, o Almodóvar tem razão.

Mas pra ele, que já é um cineasta de renome que frequenta os festivais e sempre tem público nos cinemas, é mais fácil condenar a Netflix. Mas e praquele diretor em começo de carreira? Ou mesmo praquele que foi esquecido pelos grandes estúdios como o já citado David Lynch? Hoje, eles têm duas alternativas: Ou imploram por financiamento por leis de incentivo ou eles cedem para o streaming que vai produzir os filmes e vão oferecer para milhões de espectadores via plataforma.

O próprio diretor Bong Joon-ho ressaltou sua experiência de ter trabalhado com a Netflix: “Eu amei ter trabalhado com a Netflix. Eles me deram muito apoio. O orçamento para este filme foi considerável. Dar esse tipo de orçamento para um diretor não é muito comum.” A Netflix concedeu 50 milhões de dólares para a produção de Okja. Uma boa grana para quem teve astros como Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Lily Collins e Paul Dano, sem contar com os efeitos especiais.

Enfim, fechando a discussão, nada desse debate todo justifica Pedro Almodóvar fechar as portas para as duas produções por causa da plataforma! Por isso, adorei Tilda Swinton, que ressaltou o privilégio de estar em Cannes, e de lembrar que o real intuito do filme é ser visto e passar sua mensagem. Os prêmios são mera consequência.

***

A 70ª edição do Festival de Cannes termina dia 28 de maio, quando serão anunciados os vencedores.

‘ESTRELAS ALÉM DO TEMPO’ ROUBA A CENA NO SAG AWARDS 2017

sag-awards.jpg

Da esquerda para direita: Octavia Spencer, Janelle Monáe, Taraji P. Henson, Kirsten Dunst e Jim Parsons comemoram o prêmio de Elenco no SAG Awards. Pic by ABS-CBN News

ELENCO FORMADO POR ATRIZES NEGRAS SOBRE A NASA BATE OS FAVORITOS ‘MOONLIGHT’ E ‘MANCHESTER À BEIRA-MAR’

Antes de prosseguir com a premiação, tenho que relatar que aqui no Brasil, o TNT, considerado o canal das premiações, simplesmente resolveu priorizar o evento Miss Universo, que ocorria ao mesmo tempo do SAG Awards. A transmissão do prêmio do sindicato dos atores foi adiado para o dia seguinte, obviamente, sem ser ao vivo.

Claro que se eu estivesse no lugar do coordenador de programação do TNT, daria preferência ao evento que mais tem potencial de audiência, e nesse quesito, o Miss Universo deve ter mais mesmo. Particularmente, eu gosto de ver o evento (que homem que não gosta?), mas um fato curioso é que o canal aberto Band também transmitiu o mesmo evento ao vivo, ou seja, as atenções certamente se dividiram entre os dois canais, reduzindo os números de telespectadores. Agora, se a TNT tivesse passado o SAG, teria exclusividade. Enfim, a solução ideal seria reformar o calendário 2018 para que os eventos não se cruzem pra ninguém sair perdendo.

SURPRESAS NO SAG AWARDS

Não sei se será assim daqui em diante, mas parece que as premiações estão se dando conta de que devem reconhecer as produções de forma mais pessoal, e não apenas ter a tarefa única e exclusiva de prever quem vencerá no Oscar (acho que o único que tem insistido nessa direção é a “Bolha Assassina” do Critics’ Choice Awards). Portanto, ultimamente temos nos surpreendido um pouco mais com os resultados.

Nas categorias de cinema, houve surpresa em dois casos: Ator e Elenco. Como apontado acima, o elenco de Estrelas Além do Tempo conseguiu superar os fortes elencos de Moonlight e Manchester à Beira-Mar. Como em casos clássicos, os votos podem ter se dividido entre os dois favoritos, ajudando o vencedor. Embora apenas Octavia Spencer tenha conseguido indicação individiual (tanto no SAG quanto no Oscar), foi unanimidade dos críticos a qualidade de todo o elenco do filme de Theodore Melfi: desde as principais Taraji P. Henson, Janelle Monáe e Octavia, até os coadjuvantes como Kevin Costner, Jim Parsons, Kirsten Dunst e Mahershala Ali, que confirmou seu favoritismo e venceu como Ator Coadjuvante por Moonlight.

hidden-figures-unerkannte-heldinnen-mit-octavia-spencer-taraji-p-henson-und-janelle-monae (1).jpg

No centro, da esquerda: Octavia Spencer, Taraji P. Henson e Janelle Monáe em cena de Estrelas Além do Tempo (pic by moviepilot.de)

Essa vitória de Estrelas Além do Tempo pode dar um bom impulso ao filme no Oscar, já que concorre a Melhor Filme. Segundo retrospecto do SAG, os vencedores de Melhor Elenco podem se dar bem na premiação da Academia com foram os vencedores do Oscar Spotlight, Birdman e Argo, mas falhou com Trapaça e Histórias Cruzadas. Não acho que o SAG vai garantir um Oscar para Estrelas Além do Tempo, mas deixa de ser um candidato fraco para se tornar uma ameça ao reinado de La La Land.

A outra surpresa atende pelo nome de Denzel Washington. Com sua performance em Cercas, adaptação de uma peça de teatro homônima dirigida por ele mesmo, ele conseguiu bater o favorito Casey Affleck e ganhar seu primeiro SAG, já que ele foi indicado 4 vezes sem nenhuma vitória. Embora sua atuação tenha sido elogiada desde o início da temporada de premiações, ele vinha perdendo em todas até o momento, fazendo com que muitos não acreditassem mais em sua campanha.

Denzel Washington SAG.jpg

Surpreso com sua vitória, Denzel Washington faz discurso em homenagem aos escritores (pic by Lancaster Online)

Não quero colocar lenha na fogueira, mas talvez sua vitória tenha sido favorecida por elementos externos como o escândalo sexual envolvendo Casey Affleck (ele teria se comportado de forma machista em set de filmagem), a própria postura meio debochada de Affleck (não o vemos comemorando suas vitórias), e por que não o lance do #OscarSoWhite ? Mas talvez a principal razão de sua vitória seja seu papel de diretor e produtor do filme Cercas, que não existiria sem ele.

Nas categorias de televisão, houve surpresas também como as vitórias de Bryan Cranston sobre os favoritos Sterling K. Brown e Courtney B. Vance como Ator de Minissérie, William H. Macy sobre Jeffrey Tambor como Ator de Comédia e a vitória do elenco de Stranger Things sobre favoritos como Westworld e Downton Abbey. Felizmente, a safra anda tão boa na televisão, que qualquer indicado que ganhasse, teríamos um vitorioso de qualidade.

MARCA HISTÓRICA PELA SEGUNDA VEZ

Não sou muito de relevar se foram negros, brancos ou amarelos que ganharam os prêmios, mas para satisfazer aqueles que ligam pra essas coisas, o SAG premiou três atores negros nesta edição: Denzel Washington, Viola Davis e Mahershala Ali. Esta é a segunda vez que isso acontece no prêmio do sindicato de atores em 23 anos. A primeira vez foi há dez anos, quando Forest Whitaker, Eddie Murphy e Jennifer Hudson foram reconhecidos.

ANTI-TRUMP

A noite foi toda permeada de discursos inflamados contra a medida anti-imigratória do presidente republicano Donald Trump, que barrou a entrada de imigrantes de sete países do Oriente Médio, na tentativa fútil de barrar o terrorismo nos EUA. Obviamente que a classe artística se posicionou contra seu presidente, já que a maioria deles tem raízes estrangeiras.

Assim, os ataques a Trump começaram logo na abertura com Ashton Kutcher, que deu boa noite e boas-vindas a todos que estavam presos nos aeroportos do país: “Vocês são o tecido social, nós os amamos e damos boas-vindas”, até o fim com a vitória do elenco da série Stranger Things. O ator David Harbour fez um discurso bastante politizado, reforçando a união de povos americana: “Estamos todos juntos nesta jornada horrível, dolorosa, alegre, emocionante e misteriosa que é estar vivo. […] nós vamos repelir os bullies, vamos abrigar os esquisitos e os marginalizados, aqueles que não têm casa, vamos superar as mentiras, vamos caçar monstros, e quando estivermos perdidos em meio à hipocrisia e à violência casual de certos indivíduos e instituições, nós vamos, assim como o delegado Jim Hopper (Stranger Things), socar a cara de algumas pessoas que tentarem destruir os mais fracos, os desprotegidos. E nós faremos tudo isso com alma, com coração e com alegria. Agradecemos por esta responsabilidade!” – Embora bastante aplaudido, o discurso teve suas atenções desviadas para Winona Ryder. Parecia que ela tinha tomado altos chás de cogumelos alucinógenos. Veja vídeo abaixo:

Num dos discursos mais emocionantes da noite, Mahershala Ali, depois de subir ao palco para receber como Melhor Ator Coadjuvante por Moonlight, fez um breve relato sobre o tema: “O que aprendi atuando em Moonlight é que vi o que acontece quando perseguimos pessoas. Elas se fecham em si mesmas. Quando ficamos prestando atenção nas minúcias, nos detalhes que nos diferenciam, há duas formas de ver isso: podemos ver a textura daquela pessoa, as características que fazem dela única, ou podemos ir à guerra por isso.” Termina fechando sobre seu relacionamento com a mãe: “Minha mãe é pastora. Eu sou muçulmano. Ela não deu cambalhotas quando eu contei que me converti, 17 anos atrás. Mas eu digo a vocês agora: nós deixamos isso de lado. E eu sou capaz de vê-la, e ela é capaz de me ver. Nós nos amamos, o amor cresceu.” Se Mahershala Ali já era favorito ao Oscar, com esse baita discurso propício aos tempos amargos de Trump, ficou inevitável sua vitória.

Mahershala Ali SAG.jpg

Mahershala Ali faz belo discurso após vencer como Ator Coadjuvante por Moonlight. pic by GettyImages through Harper’s Bazaar)

Vencedores do 23º SAG Awards:

CINEMA

ELENCO
Estrelas Além do Tempo

ATOR
Denzel Washington (Cercas)

ATRIZ
Emma Stone (La La Land)

ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Moonlight)

ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Cercas)

Orange is the New Black cast SAG.jpg

Elenco de Orange is the New Black vence como Melhor Elenco de Comédia no SAG (pic by PopSugar)

TELEVISÃO

ELENCO DRAMA
Stranger Things

ELENCO COMÉDIA
Orange is the New Black

ATOR DRAMA
John Lithgow (The Crown)

ATRIZ DRAMA
Claire Foy (The Crown)

ATOR COMÉDIA
William H. Macy (Shameless)

ATRIZ COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM TELEFILME OU MINISSÉRIE
Bryan Cranston (All the Way)

ATRIZ EM TELEFILME OU MINISSÉRIE
Sarah Paulson (American Crime Story: The People vs. O.J. Simpson)

DUBLÊS CINEMA
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)

DUBLÊS TV
Game of Thrones

‘Manchester à Beira-Mar’ conquista 4 indicações ao SAG Awards 2017

manchester by the sea SAG.jpg

Em cena de Manchester à Beira-Mar, Casey Affleck e Lucas Hedges . Filme foi recordista de indicações ao SAG Awards (pic by cine.gr)

DRAMA INDEPENDENTE DE KENNETH LONERGAN VOLTA AO PROTAGONISMO DA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Após ver o musical La La Land ganhar o Critics’ Choice e liderar as indicações ao Globo de Ouro, chegou a hora de Manchester à Beira-Mar chamar atenção pela força de seu elenco. O filme escrito e dirigido por Kenneth Lonergan conseguiu indicações para Ator (Casey Affleck), Ator Coadjuvante (Lucas Hedges), Atriz Coadjuvante (Michelle Williams) e Elenco. Logo depois, com 3 indicações ficaram Fences e Moonlight.

Na manhã desta quarta-feira, dia 14, os atores Sophia Bush e Common fizeram o anúncio dos indicados. Não sei quanto à opinião de vocês, mas acho que os artistas encarregados desta tarefa deveriam ser mais imparciais. No vídeo abaixo, no momento das categorias de cinema, Common passa a comemorar com um ‘yes’ toda vez que um filme com atores negros é citado, enquanto os outros ficaram no vácuo. Obviamente, ele está feliz que a polêmica do #OscarSoWhite deu resultado, mas ele poderia guardar essa alegria para si mesmo. Sua companheira de anúncio, Sophia Bush, procurou amenizar a situação entrando na onda e com bom humor, mas ficou um certo desconforto desnecessário.

sophia-bush-common-sag-nomination

Common e Sophia Bush anunciam a categoria de Ator do SAG (pic by San Francisco Chronicle)

Nos últimos anos, o SAG Awards tem crescido em importância na temporada de premiações, já que os vencedores da categoria de Melhor Elenco ganharam também o Oscar de Melhor Filme onze vezes nos últimos 21 anos. Nos últimos dois anos, Spotlight e Birdman seguiram esse roteiro.

Além disso, o SAG tem uma ótima estatística de acerto em relação ao Oscar: cerca de 80% nas categorias de atuação. Como se diz no termo futebolístico, se você ganhou o SAG, está com “as mãos na taça”. Se focar na categoria de Melhor Ator, aí é dobradinha na certa com o Oscar. Sabe quando o último vencedor do SAG não levou o prêmio da Academia? Em 2004, quando Johnny Depp (Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra) perdeu para Sean Penn (Sobre Meninos e Lobos), ou seja, faz muito tempo.

Pior pra quem fica de fora do SAG. São os casos de 20th Century Women, Loving, e os já citados no post do Globo de Ouro: Silêncio e Sully: O Herói do Rio Hudson. Não significa necessariamente que ficarão fora do Oscar, mas suas chances caem consideravelmente.

Bom, falando em queda de chances, a maior surpresa das indicações pra mim foi justamente a ausência de Isabelle Huppert por Elle. A atriz francesa estava em alta depois dos prêmios da crítica de LA e NY, além das indicações do Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas por algum motivo não figurou na lista do SAG. À princípio, acreditava que seu nome estava fora por não ser membro do sindicato dos atores, requisito mínimo para concorrer, mas depois de ler algumas matérias, descartei essa possibilidade. Bom, quem perde é o próprio SAG, que preferiu reconhecer Emily Blunt por A Garota no Trem, que não aparecia em nenhuma lista de melhores.

Ainda na categoria de Atriz, outra ausência sentida foi de Ruth Negga por Loving. Até o momento, ela não havia conquistado prêmio algum, mas sempre estava entre as melhores do ano. Annette Bening e Jessica Chastain eram outros nomes que ficaram de fora da disputa.

Outra importante nota seria a indicação de Hugh Grant como Coadjuvante por Florence: Quem é Essa Mulher?. Segundo o peso de seu personagem na trama, ele seria ator principal, e não secundário. Mas… como aconteceu nos anos anteriores com Alicia Vikander como coadjuvante em A Garota Dinamarquesa e Rooney Mara em Carol, Grant passou a concorrer como Coadjuvante a fim de ter mais chances de indicação e vitória. Caso venha a receber sua primeira indicação ao Oscar, acredito que será como coadjuvante.

hugh-grant-florence

Hugh Grant como St Clair Bayfield em Florence: Quem é Essa Mulher? (pic by cine.gr)

Ainda sobre as categorias de cinema, muitos destacaram a ausência de La La Land na categoria de Melhor Elenco. Claro que se o filme fosse indicado, sua campanha iria disparar, mas nesse caso, não deve afetar sua trajetória rumo ao Oscar. Embora os demais atores sejam relevantes como J.K. Simmons, Rosemarie DeWitt e Tom Everett Scott, o elenco já está muito bem reconhecido com as indicações de Ryan Gosling e Emma Stone.

Falando em muito bem reconhecido, Mahershala Ali foi o único ator desta edição a receber três indicações. Além de Ator Coadjuvante e Elenco por Moonlight, o ator também está no elenco de Estrelas Além do Tempo, que está indicado a Elenco.

E talvez a maior surpresa aqui foi a inclusão de Capitão Fantástico, cujo elenco foi indicado, além de Viggo Mortensen como Melhor Ator. Há tempos leio boas críticas em relação ao filme, principalmente em relação à escolha dos atores mirins que vivem os seis filhos do personagem de Mortensen. Depois de ser indicado no Critics’ e Globo de Ouro, o ator pode conquistar sua segunda indicação ao Oscar.

CAPTAIN FANTASTIC

No centro, Viggo Mortensen em cena com seus filhos em Capitão Fantástico (pic by cine.gr)

Nas categorias de televisão, não tem como não aplaudir a Netflix. O canal de streaming conseguiu acumular 17 indicações através de suas produções originais, incluindo três para a sensação Stranger Things, e três para The Crown.

Assim como o Globo de Ouro, o SAG resolveu dar uma repaginada nas séries e concedeu as primeiras indicações para as novidades Westworld, Black-ish, This Is Us, Black Mirror, Unbreakable Kimmy Schmidt e Lady Day at Emerson’s Bar & Grill.

E mais um adendo: não entendi o prêmio pelo Conjunto da obra para a atriz Lily Tomlin. Ok, ela já não é mais mocinha, mais precisamente tem 77 anos, mas é uma artista que ainda está trabalhando em alto nível, tanto que foi indicada pela série da Netflix, Grace and Frankie. Bom, pelo menos podemos esperar um discurso leve e engraçado!

lily-tomlin-grace-and-frankie-479808

Lily Tomlin na série da Netflix, Grace & Frankie. (pic by elfilm.com)

INDICADOS AO 23º SAG AWARDS:

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
– Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
– Andrew Garfield (Até o Último Homem)
– Ryan Gosling (La La Land: Cantando Estações)
– Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
– Denzel Washington (Fences)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
– Amy Adams (A Chegada)
– Emily Blunt (A Garota no Trem)
– Natalie Portman (Jackie)
– Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
– Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
– Mahershala Ali (Moonlight)
– Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
– Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
– Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
– Dev Patel (Lion)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
– Viola Davis (Fences)
– Naomie Harris (Moonlight)
– Nicole Kidman (Lion)
– Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
– Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture
– Capitão Fantástico
– Fences
– Estrelas Além do Tempo
– Manchester à Beira-Mar
– Moonlight

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries
– Riz Ahmed (The Night Of)
– Sterling K. Brown (The People v. O.J. Simpson)
– Bryan Cranston (All the Way)
– John Turturro (The Night Of)
– Courtney B. Vance (The People v. O.J. Simpson)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries
– Bryce Dallas Howard (Black Mirror)
– Felicity Huffman (American Crime)
– Audra McDonald (Lady Day at Emerson’s Bar and Grill)
– Sarah Paulson (The People v. O.J. Simpson)
– Kerry Washington (Confirmation)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series
– Sterling K. Brown (This Is Us)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– John Lithgow (The Crown)
– Rami Malek (Mr. Robot)
– Kevin Spacey (House of Cards)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series
– Millie Bobby Brown (Stranger Things)
– Claire Foy (The Crown)
– Thandie Newton (Westworld)
– Winona Ryder (Stranger Things)
– Robin Wright (House of Cards)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series
– Anthony Anderson (Black-ish)
– Tituss Burgess (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Ty Burrell (Modern Family)
– William H. Macy (Shameless)
– Jeffrey Tambor (Transparent)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series
– Uzo Aduba (Orange is the New Black)
– Jane Fonda (Grace and Frankie)
– Ellie Kemper (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Julia Louis-Dreyfus (Veep)
– Lily Tomlin (Grace and Frankie)

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series
– The Crown
– Downton Abbey
– Game of Thrones
– Stranger Things
– Westworld

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series
– The Big Bang Theory
– Black-ish
– Modern Family
– Orange is the New Black
– Veep

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Comedy or Drama Series
– Game of Thrones
– Marvel’s Daredevil
– Marvel’s Luke Cage
– The Walking Dead
– Westworld

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture
– Capitão América: Guerra Civil
– Doutor Estranho
– Até o Último Homem
– Jason Bourne
– Animais Noturnos

***

A 23ª cerimônia do SAG Awards está marcada para o dia 29 de janeiro, e será transmitida pelo canal pago TNT.

‘Spotlight’ leva o SAG Awards 2016

spotlight cast sag

Da esquerda para a direita: Billy Crudup, Brian d’Arcy James, Mark Ruffalo, Rachel McAdams, Michael Keaton e Liev Schreiber. Vitória de Melhor Elenco por Spotlight – Segredos Revelados (photo by abc.net.au)

DRAMA JORNALÍSTICO CONSEGUE SOBREVIDA EM CORRIDA RUMO AO OSCAR

Quando dizemos que este Oscar é o mais imprevisível dos últimos anos, não se trata de uma expressão gratuita. Acompanhe: O Regresso conquistou o Globo de Ouro, A Grande Aposta levou o PGA, e agora, Spotlight fica com o SAG, depois de faturar o Critics’ Choice. Qual deles leva o Oscar de Melhor Filme?

Este ano, os prêmios de cinema não poderiam ser mais pulverizados. Cada categoria reconheceu um filme diferente: O Regresso, O Quarto de Jack, Beasts of No Nation e A Garota Dinamarquesa foram os demais premiados. Contudo, não houve surpresas, já que Idris Elba levou Ator Coadjuvante porque Sylvester Stallone não estava concorrendo por Creed: Nascido Para Lutar.

Já pela categoria de Atriz Coadjuvante, dá pra se ter uma idéia melhor do que pode acontecer no Oscar, pois quase todas as candidatas ali presentes também disputam o Oscar: Rooney Mara, Rachel McAdams, Kate Winslet, com exceção de Jennifer Jason Leigh. Considerada a categoria mais fraudulenta deste ano por abrigar performances de papéis protagonistas, a vitória de Vikander pode soar bastante injusto para Leigh e Winslet, que claramente são secundárias. Em termos de performance, claro que a interpretação de Vikander merece inúmeros elogios e prêmios por sua Gerda de A Garota Dinamarquesa.

22nd Annual Screen Actors Guild Awards - Press Room

A belíssima Alicia Vikander posa com sua estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante por A Garota Dinamarquesa (photo by Steve Granitz through instyle.com)

Depois da grande polêmica racista de falta de diversidade nas indicações ao Oscar, questionamos o que aconteceria com as próximas vitórias de artistas negros. O levantamento da questão: “Será que ganhou por méritos ou por causa da polêmica e defesa de cotas?” era inevitável. Como qualquer cinéfilo livre de preconceitos, eu sei que os atores negros premiados ontem merecem os devidos prêmios que ganharam unicamente por seus talentos: Viola Davis (How to Get Away with Murder), Uzo Aduba (Orange is the New Black), Queen Latifah (Bessie) e Idris Elba – duas vezes (Beasts of No Nation e Luther), mas politicamente falando, fica essa dúvida no ar. E isso é péssimo pra indústria e para a Arte em si, pois abala a credibilidade de seus próprios méritos. Vale lembrar que quando o elenco de Orange is the New Black subiu ao palco pra receber o prêmio, uma das atrizes falou algo como: “Quando se fala de diversidade, este elenco prova o contrário”, ou seja, repercute, e esse tipo de questão racial jamais deveria interferir.

22nd Annual Screen Actors Guild Awards - Press Room

Idris Elba vence duas vezes na mesma noite por Beasts of No Nation como Ator Coadjuvante e por Luther como Ator de Telefilme ou Minissérie. (Photo by Frazer Harrison/Getty Images through huffingtonpost.ca)

Viola Davis SAG How to geat away

Viola Davis vence como Melhor Atriz em Série Dramática por How to Get Away with Murder (photo by sandiegouniontribune.com)

Queen-Latifah-Frazer-Harrison1

Queen Latifah leva o prêmio de Atriz em Telefilme ou Minissérie por Bessie (photo by theboombox.com)

Uzo Aduba Orange SAG

Uzo Aduba também levou dois prêmios na mesma noite. Um como Atriz em Série de Comédia ou outro como Elenco de Comédia, ambos por Orange is the New Black (photo by REX/Shutterstock through metro.co.uk)

Confira os vencedores do 22 SAG Awards:

CINEMA

ELENCO: Spotlight

ATOR: Leonardo diCaprio (O Regresso)

ATRIZ: Brie Larson (O Quarto de Jack)

ATOR COADJUVANTE: Idris Elba (Beasts of No Nation)

ATRIZ COADJUVANTE: Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

TELEVISÃO

ELENCO DRAMA: Downton Abbey

ELENCO COMÉDIA: Orange is the New Black

ATOR DRAMA: Kevin Spacey (House of Cards)

ATRIZ DRAMA: Viola Davis (How to Get Away with Murder)

ATOR COMÉDIA: Jeffrey Tambor (Transparent)

ATRIZ COMÉDIA: Uzo Aduba (Orange is the New Black)

ATOR EM TELEFILME OU MINISSÉRIE: Idris Elba (Luther)

ATRIZ EM TELEFILME OU MINISSÉRIE: Queen Latifah (Bessie)

DUBLÊS CINEMA: Mad Max: Estrada da Fúria

DUBLÊS TV: Game of Thrones

‘Perdido em Marte’ compete pelo Eddie Awards 2016 com ‘Mad Max’, ‘O Regresso’ e ‘Sicario’

Emily Blunt como a agente Kate Macer em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

Emily Blunt como a agente Kate Macer em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

A CATEGORIA DE DRAMA AINDA RECONHECEU ‘STAR WARS’, DEIXANDO ‘SPOTLIGHT’ DE FORA

Oláááá! Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog! Espero que tenham passado bem a virada!

Bom, começo o ano de 2016 com o anúncio dos indicados ao Eddie Awards, o prêmio do sindicato dos montadores/editores. Como o Globo de Ouro, as categorias se dividem em Dramática e Comédia ou Musical, além, claro, de Documentário e Animação. Curiosamente, essa divisão por gêneros vem causando divergências entre os prêmios, uma vez que algumas produções não se encaixam exatamente como Drama ou Comédia. Minha sugestão oficial seria unificar em uma única categoria, porém uma consequência direta disso poderia ser a desvalorização das comédias, que naturalmente perderiam espaço na temporada de premiações. E a outra sugestão, a não-oficial, seria criar uma nova categoria intitulada “Dramédia”, mas como não é considerado nem gênero…

Nessa questão, o filme Perdido em Marte tem sofrido uma peculiaridade esquizofrênica. No Globo de Ouro, atendendo a uma campanha disposta a ganhar prêmios, foi classificado como Comédia. Como compete com filmes de menor expressão como Descompensada e A Espiã que Sabia de Menos, suas chances são infinitamente melhores do que se estivesse competindo como Drama. Mas aqui no Eddie Awards, o sindicato incluiu a ficção científica de Ridley Scott como Drama. O montador Pietro Scalia, vencedor do Oscar por Falcão Negro em Perigo em 2002, não terá vida fácil ao concorrer com Stephen Mirrione (O Regresso) e Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém).

Matt Damon e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Matt Damon e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Ainda sobre a categoria Drama, trata-se do primeiro reconhecimento de algum sindicato para o mega-blockbuster Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força. O novo filme da saga estelar tem números impressionantes em apenas 3 semanas de exibição nos EUA, batendo recorde atrás de recorde, com mais de 700 milhões de dólares apenas em solo americano.

Star Wars ficou com a vaga de um forte candidato ao Oscar: o drama jornalístico Spotlight – Segredos Revelados. Com um roteiro consistente e corajoso, a montagem costuma ser reconhecida juntamente, mas não foi o caso do filme de Tom McCarthy.

Kylo Ren em confronto com Finn e Rey em Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Kylo Ren em confronto com Finn e Rey em Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Curiosamente, a última produção que levou o Oscar de Melhor Filme sem contar com uma indicação ao ACE (Eddie Awards) foi Conduzindo Miss Daisy, há 26 anos, fato este que pode influenciar na trajetória de Spotlight no Oscar. Já entre os vencedores de Melhor Filme sem contar com a indicação de montagem, temos um hiato de 33 anos, de Birdman de 2015 ao Gente Como a Gente em 1981.

Pela categoria de Comédia ou Musical, o franco-favorito é A Grande Aposta. Sua trama de crise financeira, que também é forte candidata ao Oscar de Roteiro Adaptado, permite o entrelaçamento de vários personagens, o que evidencia o complexo trabalho da montagem. Entre os demais concorrentes, Joy: O Nome do Sucesso e Eu, Você e a Garota que Vai Morrer são os destaques.

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Já na categoria de Animação, dois filmes da Pixar competem com Anomalisa, enquanto entre os documentários, temos três fortes candidatos sobre músicos, Amy, Cobain: Montage of Heck e The Wrecking Crew, competindo com um sobre a religião da Cientologia (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief) e outro sobre a figura política da jovem Malala.

Só para constar, nos 5 anos anteriores, o ACE previu apenas dois vencedores do Oscar: William Goldenberg (Argo) e Angus Wall e Kirk Baxter (A Rede Social), mesmo contando vencedores das duas categorias.

Pelas categorias de televisão e streaming, séries que costumam marcar presença no Globo de Ouro e Emmy concorrem por seus episódios. Comédias como Silicon Valley e Veep, e dramas como Games of Thrones e Better Call Saul foram indicadas.

Seguem os indicados para o 66º Eddie Awards:

CINEMA

Melhor Montagem – Drama
– Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
– Pietro Scalia (Perdido em Marte)
– Stephen Mirrione (O Regresso)
– Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém)
– Maryann Brandon & Mary Jo Markey (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

Melhor Montagem – Comédia ou Musical
– Dan Lebental & Colby Parker, Jr. (Homem-Formiga)
– Hank Corwin (A Grande Aposta)
– Jay Cassidy, Alan Baumgarten, Christopher Tellefsen & Tom Cross (Joy: O Nome do Sucesso)
– David Trachtenberg (Eu, Você e a Garota que Vai Morrer)
– William Kerr & Paul Zucker (Descompensada)

Melhor Montagem – Animação
– Garret Elkins (Anomalisa)
– Kevin Nolting (Divertida Mente)
– Stephen Schaffer (O Bom Dinossauro)

Melhor Montagem – Documentário
– Chris King (Amy)
– Joe Beshenkovsky & Brett Morgen (Cobain: Montage of Heck)
– Andy Grieve (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief)
– Greg Finton, Brian Johnson & Brad Fuller (He Named me Malala)
– Claire Scanlon (The Wrecking Crew)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

TELEVISÃO

Melhor Montagem – Série de Episódios de Meia-Hora
– Nick Paley (Inside Amy Schumer – Episódio: 12 Angry Men)
– Brian Merken (Silicon Valley – Episódio: Two Days of the Condor)
– Gary Dollner (Veep – Episódio: Election Night)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora com Comercial
– Kelley Dixon (Better Call Saul – Episódio: Five-O)
– Skip Macdonald (Better Call Saul – Episódio: Uno)
– Skip Macdonald & Curtis Thurber (Fargo – Episódio: Did You Do This? No, You Did It!)
– Scott Vickrey (The Good Wife – Episódio: Restrain)
– Tom Wilson (Mad Men – Episódio: Person to Person)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora Sem Comercial
– Katie Weiland (Game of Thrones – Episódio: The Dance of Dragons)
– Tim Porter (Game of Thrones – Episódio: Hardhome)
– Harvey Rosenstock (Homeland – Episódio: The Tradition of Hospitality)
– Lisa Bronwell (House of Cards – Episódio: Chapter 39)
– Mary Ann Bernard (The Knick – Episódio: Wonderful Surprises)

Melhor Montagem – Minisséries ou Telefilmes
– Brian A. Kates (Bessie)
– Maysie Hoy (Dolly Parton’s Coat of Many Colors)
– William Turro (Orange is the New Black – Episódio: Trust No Bitch (episódio de 90 minutos))

Melhor Montagem – Séries Não-Roteirizadas
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown – Episódio: Bay Area)
– Josh Earl & Ben Bulatao (Deadliest Catch – Episódio: Zero Hour)
– Eric Driscoll, Nik Jamgocyan, Chris Kirkpatrick, David Michael Maurer, Greg McDonald, Marcus Miller & Alexandria Scott (Whale Wars – Episódio: The Darkest Hour)

Melhor Montagem – Documentário Televisivo
– Joshua L. Pearson (Keith Richards: Under the Influence)
– Richard Hankin, Zac Stuart-Pontier, Caitlyn Greene, Shelby Siegel (The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst – Chapter 1)
– Chris A. Peterson (The Seventies: The United State vs. Nixon)

Bob Odenkirk como Jimmy McGill em cena de Better Call Saul (photo by cinemagia.ro)

Bob Odenkirk como Jimmy McGill em cena de Better Call Saul (photo by cinemagia.ro)

O 66º Eddie Awards acontece no dia 29 de janeiro. E o Oscar 2016 no dia 28 de fevereiro.

‘Carol’ conquista 5 indicações no Globo de Ouro 2016

Rooney Mara em cena de Carol, de Todd Haynes: 5 indicações ao Globo de Ouro 2016 (photo by outnow.ch)

Rooney Mara em cena de Carol, de Todd Haynes: 5 indicações ao Globo de Ouro 2016 (photo by outnow.ch)

GLOBO DE OURO COLOCA MAIS ORDEM NA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Um dia após o SAG anunciar seus indicados com uma série de ausências sentidas, o Globo de Ouro parece tapar os buracos com seu anúncio na manhã desta quinta-feira, dia 10. Assim, atores que ficaram de fora do SAG como Will Smith e Sylvester Stallone, retornam ao centro do palco.

Claro que em se tratando de Oscar e Globo de Ouro, não dá pra agradar gregos e troianos. Algum filme ou algum ator vai ficar sem cadeira. É inevitável. Dentre os mais sentidos estão Johnny Depp (Aliança do Crime), Jacob Tremblay (O Quarto de Jack), Meryl Streep (Ricki and the Flash: De Volta Para Casa), Charlotte Rampling (45 Anos) e Blythe Danner (I’ll See You in My Dreams).

Anúncio das indicações ao Globo de Ouro 2016
America Ferrera, Chloë Grace Moretz, Angela Bassett e Dennis Quaid anunciam os indicados ao Globo de Ouro 2016

De volta aos indicados, o drama Carol foi o recordista de indicações este ano com 5, mas isso não significa que terá vida fácil na categoria, já que compete com Spotlight – Segredos Revelados e Mad Max: Estrada da Fúria que, por mais que não faça muito o tipo que ganhe prêmios de Melhor Filme, vem crescendo bastante na temporada e pode surpreender, principalmente diante de um cenário sem grandes favoritos como este.

Como uma boa mãe, o Globo de Ouro conseguiu reunir numa só lista 17 estúdios, boa parte dos favoritos e outros candidatos que pareciam ficar só na promessa. Exemplo disso é o novo filme de Alejandro González Iñárritu, O Regresso, que estava até então num estado de inércia na temporada. Agora, indicada a Melhor Filme, Diretor, Trilha Musical e Ator para Leonardo DiCaprio, a produção promete conquistar seu espaço no Oscar, principalmente nas categorias mais técnicas como Fotografia e Montagem.

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Leonardo DiCaprio com Grace Dove em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Nessa mesma lógica de tirar o filme do limbo, também dá pra incluir o novo trabalho de David O. Russell, cujos filmes sempre dão um jeitinho de entrar no Oscar. Joy: O Nome do Sucesso, uma espécie de “dramédia” que reconta a trajetória de uma mulher de negócios, concorre como Filme de Comédia e sua protagonista Jennifer Lawrence como Melhor Atriz. Embora esteja disputando com as veteranas Maggie Smith e Lily Tomlin, a atriz de Jogos Vorazes tem grandes chances de conquistar seu terceiro Globo de Ouro.

Jennifer Lawrence e Robert De Niro em cena de Joy: O Nome de Sucesso (photo by outnow.ch)

Jennifer Lawrence e Robert De Niro em cena de Joy: O Nome do Sucesso (photo by outnow.ch)

E meio esquecido depois de ganhar o Hollywood Film Awards no início de novembro, a ficção científica Perdido em Marte retorna com força, uma vez que compete como Filme de Comédia, Diretor e Ator (Matt Damon). Apesar de parecer uma manobra barata da 20th Century Fox de inscrever o filme como comédia para ter concorrência mais fraca pela frente (o que gerou uma “polemicazinha”), não acredito sinceramente em manipulação nesse caso. Trata-se de uma ficção científica com clima bastante otimista, seu protagonista, mesmo diante de uma série de dificuldades, mantém o bom humor em suas pesquisas e gravações, e temos a manutenção da esperança na humanidade. Pra mim, o clima leve o aproxima mais da comédia do que um drama.

Os astronautas da tripulação de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Os astronautas da tripulação de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Ainda no campo da ressurreição, Trumbo retorna no Globo de Ouro, um dia após liderar as indicações ao SAG Awards. O ator da série Breaking Bad, Bryan Cranston, e a dama Helen Mirren foram devidamente reconhecidos por suas performances.

O Globo de Ouro trouxe felicidade também no quesito dupla indicação. Idris Elba, Lily Tomlin, Mark Rylance e Alicia Vikander ficaram duplamente felizes na manhã dessa quinta-feira. Seus nomes foram anunciados duas vezes em categorias distintas.Enquanto os três primeiros equilibram forças entre cinema e televisão, a atriz sueca concorre como Atriz por A Garota Dinamarquesa e como Coadjuvante por Ex-Machina: Instinto Artificial.

Alicia Vikander em cena de A Garota Dinamarquesa (photo by palmspringlife.com)

Alicia Vikander em cena de A Garota Dinamarquesa (photo by palmspringlife.com)

Apesar disso TUDO que o Globo de Ouro fez, acrescentaria uma ressalva: Por que não aumentar de 5 para 6 indicados para Melhor Filme – Drama e incluir Os 8 Odiados ou A Garota Dinamarquesa? Resultaria num total de 4 indicações ao novo western de Tarantino e para o drama transsexual de Tom Hooper. Ou quem sabe para 7 indicados e incluir também Steve Jobs? Afinal, acumulou 4 indicações: Ator (Michael Fassbender), Atriz Coadjuvante (Kate Winslet), Roteiro e Trilha Musical. Ficaria com 5 e igualaria Carol. Teria havido tamanha distância de um candidato a outro na votação ou seria algum receio por parte da HFPA de eleger o “filme errado”? Digo isso, porque as regras do Globo de Ouro permitem esse acréscimo de indicados sem dolo algum.

Durante o anúncio das indicações, fiquei na expectativa pelo filme brasileiro Que Horas Ela Volta?, mas o filme de Anna Muylaert ficou de fora. A última vez que o Brasil teve representantes no prêmio foi em 2005 por Diários de Motocicleta, de Walter Salles, e em 2003 por Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Contudo, o país está bem representado pela série Narcos, produzida pelo diretor José Padilha pela Netflix, e pelo ator Wagner Moura, que foi indicado como Melhor Ator de Série Dramática. Ele interpreta ninguém menos do que o lorde das drogas colombiano Pablo Escobar em 10 episódios. Moura disputa o prêmio com o favorito Jon Hamm (Mad Men) e Liev Schreiber (Ray Donovan).

Wagner Moura em cena da série Narcos da Netflix (photo by cinemagia.ro)

Wagner Moura em cena da série Narcos, da Netflix (photo by cinemagia.ro)

Sobre as categorias de televisão, cabe mais um elogio ao Globo de Ouro. Nos últimos anos, com o crescimento da plataforma de streaming, a HFPA não pestanejou e abraçou o novo formato, valorizando acima de tudo seu conteúdo. No ano passado, a série Transparent foi a primeira a ganhar o prêmio de Melhor Série, mas já em 2014, House of Cards já preenchia as categorias como a primeira da Netflix. Este ano, a associação continua explorando novos conteúdos de streaming: além da já citada Narcos, temos Master of None, Casual e Mozart In the Jungle entre os indicados, enquanto as séries tradicionais que passam na televisão Homeland, Mad MenDownton Abbey e Modern Family não concorrem como Melhor Série este ano. Os tempos estão mudando…

E só mais um último adendo: Lady Gaga recebeu sua primeira indicação como atriz por American Horror Story: Hotel. Ela interpreta a Condessa nesta nova temporada que se passa num hotel. Independente da qualidade da sua atuação (adoraria conferir), a contratação da cantora na série se tornou um hype desde seu anúncio.

Seguem todos os indicados ao 73º Globo de Ouro:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
Carol (Carol)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
O Regresso (The Revenant)
O Quarto de Jack (Room)
Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
A Grande Aposta (The Big Short)
Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
Perdido em Marte (The Martian)
A Espiã que Sabia de Menos (Spy)
A Descompensada (Trainwreck)

MELHOR DIRETOR
Todd Haynes (Carol)
Alejandro González Iñárritú (O Regresso)
Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
Ridley Scott (Perdido em Marte)

MELHOR ATOR – DRAMA
Bryan Cranston (Trumbo)
Leonardo DiCaprio (O Regresso)
Michael Fassbender (Steve Jobs)
Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)
Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cate Blanchett (Carol)
Brie Larson (O Quarto de Jack)
Rooney Mara (Carol)
Saoirse Ronan (Brooklyn)
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
Amy Schumer (A Descompensada)
Maggie Smith (A Senhora da Van)
Lily Tomlin (Grandma)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Christian Bale (A Grande Aposta)
Steve Carell (A Grande Aposta)
Matt Damon (Perdido em Marte)
Al Pacino (Não Olhe Para Trás)
Mark Ruffalo (Sentimentos que Curam)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)
Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
Helen Mirren (Trumbo)
Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
Kate Winslet (Steve Jobs)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Paul Dano (Love & Mercy)
Idris Elba (Beasts of No Nation)
Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
Michael Shannon (99 Homes)
Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR ROTEIRO
Emma Donoghue (O Quarto de Jack)
Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight – Segredos Revelados)
Charles Randolph e Adam McKay (A Grande Aposta)
Aaron Sorkin (Steve Jobs)
Quentin Tarantino (Os 8 Odiados)

MELHOR ANIMAÇÃO
Anomalisa
O Bom Dinossauro (The Good Dinossaur)
Divertida Mente (Inside Out)
Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
The Brand New Testament (Le Tout Nouveau Testament), de Jaco Van Dormael (Bélgica/ França/ Luxemburgo)
O Clube (El Club), de Pablo Larraín (Chile)
O Esgrimista (Miekkailija), de Klaus Härö (Finalândia/ Estônia/ Alemanha)
O Filho de Saul (Saul fia), de László Nemes (Hungria)
Cinco Graças (Mustang), de Deniz Gamze Ergüven (Turquia/ França/ Catar/ Alemanha)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Love me Like You Do” por Max Martin, Savan Kotecha, Ali Payami, Ilya Salmanzadeh (Cinquenta Tons de Cinza)
“One Kind of Love” por Brian Wilson, Scott Montgomery Bennett (Love & Mercy)
“See You Again” por Justin Franks, Andrew Cedar, Charlie Puth, Wiz Khalifa (Velozes & Furiosos 7)
“Simple Song No. 3” por David Lang (Youth)
“Writing’s on the Wall” por Sam Smith, James Napier (007 Contra Spectre)


O filme é ruim, mas a trilha sonora salva, incluindo a canção de Ellie Goulding

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Carter Burwell (Carol)
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa)
Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
Daniel Pemberton (Steve Jobs)
Ryuichi Sakamoto e Carsten Nicolai (O Regresso)

Steve Carell e Ryan Gosling em cena de A Grande Aposta, de Adam McKay (photo by cine.gr)

Steve Carell e Ryan Gosling em cena de A Grande Aposta, de Adam McKay (photo by cine.gr)

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
Empire
Game of Thrones
Mr. Robot
Narcos
Outlander

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jon Hamm (Mad Men)
Rami Malek (Mr. Robot)
Wagner Moura (Narcos)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Liev Schreiber (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Caitriona Balfe (Outlander)
Viola Davis (How to Get Away with Murder)
Eva Green (Penny Dreadful)
Taraji P. Henson (Empire)
Robin Wright (House of Cards)

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
American Crime
American Horror Story: Hotel
Fargo
Flesh and Bone
Wolf Hall

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Casual
Mozart in the Jungle
Orange Is the New Black
Silicon Valley
Transparent
Veep

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Uzo Aduba (Orange Is the New Black)
Joanne Froggatt (Downton Abbey)
Regina King (American Crime)
Judith Light (Transparent)
Maura Tierney (The Affair)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Alan Cumming (The Good Wife)
Damian Lewis (Wolf Hall)
Ben Mendelsohn (Bloodline)
Tobias Menzies (Outlander)
Christian Slater (Mr. Robot)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Rachel Bloom (Crazy Ex-Girlfriend)
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Jamie Lee Curtis (Scream Queens)
Lily Tomlin (Grace and Frankie)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Aziz Ansari (Master of None)
Gael García Bernal (Mozart in the Jungle)
Rob Lowe (The Grinder)
Patrick Stewart (Blunt Talk)
Jeffrey Tambor (Transparent)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Kirsten Dunst (Fargo)
Lady Gaga (American Horror Story: Hotel)
Sarah Hay (Flesh and Bone)
Felicity Huffman (American Crime)
Queen Latifah (Bessie)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Oscar Isaac (Show me a Hero)
Idris Elba (Luther)
David Oyelowo (Nightingale)
Mark Rylance (Wolf Hall)
Patrick Wilson (Fargo)

A 73ª cerimônia do Globo de Ouro acontece no dia 10 de janeiro, e Ricky Gervais retorna como o “host mais querido das celebridades”. E dois lembretes: o ator Denzel Washington será o homenageado com o prêmio Cecil B. DeMille (Sim, eu acho que ele ainda é muito jovem pra tal honraria, mas depois de ver George Clooney recebendo o mesmo prêmio esse ano, espero qualquer coisa), e a Miss Golden Globe de 2016 será a filha do ator Jamie Foxx: Corinne Foxx.

The Hollywood Foreign Press Association has selected Corinne Foxx as Miss Golden Globe 2016 for the 73rd Annual Golden Globe Awards set to air live on NBC on January 10, 2016. President Lorenzo Soria made the announcement on November 17, 2015 from Ysabel Restaurant in West Hollywood.

Corinne Foxx foi selecionada para ser a Miss Golden Globe 2016 (photo by ImageGroup/HFPA)

‘Game of Thrones’ quebra recorde com 12 Emmys

Elenco e equipe de Game of Thrones posa para fotos após vitória histórica no Emmy (photo by radiotimes.com)

Elenco e equipe de Game of Thrones posa para fotos após vitória histórica no Emmy (photo by radiotimes.com)

SÉRIE QUE CONQUISTOU TODA UMA LEGIÃO DE FÃS FINALMENTE CONQUISTA SEU EMMY

Bom, provavelmente não sou a pessoa mais indicada para falar e destrinchar as incontáveis séries de TV que competiram pelo Emmy, porque não acompanho de fato as séries e minisséries de forma aprofundada. Vários amigos já me recomendaram zilhões de séries como a própria Game of Thrones, mas não tenho muita paciência, especialmente para aquelas com episódios de quase uma hora de duração que parecem nunca ter fim. Não tenho a mínima dúvida de que esses trabalhos premiados pelo Emmy apresentam qualidade indiscutível, e que provavelmente vou gostar quando assistir, mas tenho que acumular uma boa dose de persistência antes.

Independente da minha expertise em séries, deu pra notar que houve algumas mudanças na premiação que refletem um mercado em constante transformação. Primeiramente, os principais vencedores Game of Thrones, Veep e Olive Kitteridge são produções da HBO, canal pago americano, que superou as séries mais tradicionais da TV aberta como Modern Family. Quanto aos filhos do streaming, as séries conquistaram prêmios coadjuvantes, mas já demonstram maior força a cada ano. Prova disso foi a vitória de Jeffrey Tambor por Transparent do streaming Amazon, e a de Uzo Aduba como Coadjuvante por Orange is the New Black, da Netflix.

Jeffrey Tambor com seu Emmy e ao lado direito, caracterizado como seu personagem pela série Transparent (photo by syracuse.com)

Jeffrey Tambor com seu Emmy e ao lado direito, caracterizado como seu personagem pela série Transparent (photo by syracuse.com)

Apesar da extrema popularidade de Game of Thrones, para muitos especialistas em premiações, a vitória expressiva da série foi considerada uma surpresa. Outras surpresas respondem pelo nome de Regina King, vencedora de Melhor Atriz Coadjuvante por American Crime, batendo as favoritas Kathy Bates e Sarah Paulson por American Horror Story: Freak Show; Tony Hale, que venceu por Veep como Coadjuvante; e a vitória de The Voice por sua nona temporada batendo a franco-favorita Amazing Race.

Assim como o Oscar, o Emmy também gosta de deixar o reconhecimento para o último momento. Se a Academia premiou o terceiro e último O Senhor dos Anéis. o Emmy deixou o ator Jon Hamm esperar até a última temporada de Mad Men para lhe reconhecer. Nos últimos anos, ele foi batido por nomes como Bryan Cranston (Breaking Bad), Jeffrey Daniels (The Newsroom), Damian Lewis (Homeland) e Kyle Chandler (Friday Night Lights), comprovando também que a concorrência foi bastante acirrada.

Jon Hamm posa para fotos no backstage com seu primeiro e último Emmy por Mad Men (photo by latimes.com)

Jon Hamm posa para fotos no backstage com seu primeiro e último Emmy por Mad Men (photo by latimes.com)

Em clima de despedida também foi a premiação do programa The Daily Show With Jon Stewart. Ele encerrou sua participação iniciada em 1999 pelo canal Comedy Central e cede lugar ao humorista sul-africano Trevor Noah. Sem planos de carreira após a aposentadoria do The Daily Show, espero que Jon Stewart abra a possibilidade de retornar como host do Oscar 2016! Na minha opinião, foi um dos melhores hosts dos últimos anos e merece retornar com sua língua afiada.

O apresentador e humorista Jon Stewart agradece por todos os anos no Daily Show (photo by variety.com)

O apresentador e humorista Jon Stewart agradece por todos os anos no Daily Show (photo by variety.com)

Embora a noite tenha sido da série Game of Thrones, houve um discurso que arrepiou muitos espectadores. Viola Davis se tornou a primeira atriz negra a ganhar o Emmy de Melhor Atriz de Série Dramática por seu trabalho em How to Get Away With Murder. Ciente do momento histórico de sua vitória, ela começa citando Harriet Tubman, o famoso ativista que lutou pela abolição da escravidão nos EUA: “Em minha cabeça, vejo uma linha, vejo campos verdes e flores adoráveis e mulheres brancas lindas, com seus braços estendidos para mim. Mas parece que não consigo chegar lá, não importa como. Não consigo superar esta linha”. E as frases que ficaram super marcadas de seu discurso: “A única coisa que separa os mulheres negras de qualquer outra raça é oportunidade. Você não consegue ganhar um Emmy por papéis que simplesmente não existem”.


Viola Davis derrotou outras fortes candidatas na categoria

O jornal Folha de S. Paulo citou em matéria alguns estudos estatísticos que revelam que realmente os negros são minoria, tanto na frente como atrás das câmeras em trabalhos para a televisão nos EUA. Não costumo abrir discussões sobre porcentagens de negros, amarelos e índios em ocupações, pois sou contra cotas raciais e não consigo enxergar talento e profissionalismo baseado em cor, sexo ou religião, até mesmo porque a Arte está acima disso, mas como boa parte da História humana, os homens brancos sempre foram dominantes, ainda vai levar muito tempo pra quebrar tabus tão seculares. Viola Davis declarou no Los Angeles Times que “[…] em breve, a frase ‘a primeira negra a…’ deixará de existir”. É uma previsão otimista, mas espero que ela esteja certa.

VENCEDORES DO 67º EMMYS

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
Game of Thrones

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Veep

ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jon Hamm (Mad Men)

ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Viola Davis (How to Get Away With Murder)

ROTEIRO – SÉRIE DRAMÁTICA
David Benioff, D.B. Weiss (Game of Thrones) pelo episódio “Mother’s Mercy”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Uzo Aduba (Orange is the New Black)

DIREÇÃO – SÉRIE DRAMÁTICA
David Nutter (Game of Thrones) pelo episódio “Mother’s Mercy”

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Peter Dinklage (Game of Thrones)

MELHOR PROGRAMA DE VARIEDADES
The Daily Show With Jon Stewart

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA DE ESQUETES
Inside Amy Schumer

MELHOR TELEFILME
Bessie

MELHOR MINISSÉRIE
Olive Kitteridge

ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME
Frances McDormand (Olive Kiiteridge)

ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME
Richard Jenkins (Olive Kitteridge)

DIREÇÃO – MINISSÉRIE OU TELEFILME
Lisa Cholodenko (Olive Kitteridge)

ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Bill Murray (Olive Kitteridge)

ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Regina King (American Crime)

ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA
Jane Anderson (Olive Kitteridge)

MELHOR PROGRAMA DE REALITY
The Voice

MELHOR HOST EM PROGRAMA DE REALITY
Jane Lynch (Hollywood Game Night)

ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Jeffrey Tambor (Transparent)

DIREÇÃO – SÉRIE DE COMÉDIA
Jill Soloway (Transparent) pelo episódio “Best New Girl”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Allison Janney (Mom)

ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA
Simon Blackwell, Armando Iannucci, Tony Roche (Veep) pelo episódio “Election Night”

ATOR CODJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Tony Hale (Veep)

ROTEIRO – SÉRIE DE VARIEDADES
The Daily Show With Jon Stewart

DIREÇÃO – SÉRIE DE VARIEDADES
Chuck O’Neil (The Daily Show With Jon Stewart)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA
Joan Cusack (Shameless)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA
Bradley Whitford (Transparent)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA
Margo Martindale (The Americans)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA
Reg E. Cathey (House of Cards)

Julia Louis-Dreyfus com seu sexto Emmy na mão (photo by usatoday.com)

Julia Louis-Dreyfus com seu sexto Emmy na mão (photo by usatoday.com)

‘Birdman’ conquista o prêmio de Elenco no SAG Awards 2015

Da esquerda pra direita: Andrea Riseborough, Amy Ryan, Emma Stone, Naomi Watts, Michael Keaton e Edward Norton vencem por Birdman (photo by Mario Anzuoni/Reuters)

Da esquerda pra direita: Andrea Riseborough, Naomi Watts, Emma Stone, Amy Ryan, Michael Keaton e Edward Norton vencem por Birdman (photo by Mario Anzuoni/Reuters)

SAG AWARDS DEFINE FAVORITOS E COMPENSA ‘BIRDMAN’

Ok, o canal TNT decidiu passar o Miss Universo no lugar do SAG Awards ao vivo. Particularmente, não vou reclamar da troca, mas acredito que o evento da beleza feminina deve trazer melhores números de audiência do que a cerimônia exclusiva para cinéfilos.

Para não ficar feio, postei os vencedores online de acordo com os updates do próprio site do SAG. Mas para quem quiser conferir a cerimônia, o TNT vai transmitir o SAG Awards às 22h30 nesta segunda-feira, dia 26 de janeiro.

Quanto aos resultados, o SAG não apresentou surpresas de fato. Pelo contrário. Definiu os favoritismos de J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição), Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude) e de Julianne Moore (Para Sempre Alice). Das 4 categorias de atuação de cinema, a mais equilibrada era a de Melhor Ator, pois a disputa entre Michael Keaton (Birdman) e Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)estava acirradíssima.

Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo) - photo by Getty Images

Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo) – photo by Getty Images

Particularmente, acreditava na vitória de Keaton por sua larga experiência em filmes e seu carisma, até mesmo porque Eddie Redmayne ainda é um jovem ator que tem tudo pra conquistar Hollywood e incontáveis prêmios, mas o processo de transformação de Redmayne no gênio Stephen Hawking realmente impressiona; e acreditava também que O Grande Hotel Budapeste levaria o prêmio de Elenco (Ensemble Cast) no lugar de Birdman.

Nos últimos cinco anos, o SAG tem acertado entre 3 e 4 das 4 categorias de atuação do Oscar. Em 2014, os quatro premiados Matthew McConaughey, Cate Blanchett, Jared Leto e Lupita Nyong’o saíram com o Oscar também, tornando o SAG uma ótima prévia da Academia.

Claro que sempre podem haver surpresas, pois alguns indicados mudam de acordo com o prêmio. Por exemplo, na categoria de Ator, Eddie Redmayne venceu Michael Keaton, Steve Carell, Benedict Cumberbatch e Jake Gyllenhall. Já no Oscar, ele terá que bater também Bradley Cooper (aliás, o único entre os cinco previamente indicado ao Oscar) e sua interpretação em Sniper Americano, que vem conquistando números impressionantes nas bilheterias e pode surpreender no Oscar.

Já Julianne Moore pode ter seu reinado ameaçado no Oscar pela presença sempre forte da francesa Marion

Julianne Moore (Para Sempre Alice) - photo by Getty Images

Julianne Moore (Para Sempre Alice) – photo by Getty Images

Cotillard por Dois Dias, Uma Noite, enquanto Patricia Arquette terá Laura Dern (Livre) no Oscar para competir.

Entre os vencedores das categorias de televisão, destaque para os dois prêmios para Netflix: Melhor Ator para Kevin Spacey (House of Cards) e Melhor Série de Comédia para Orange is the New Black. Particularmente também gostei da premiação de Mark Ruffalo pelo telefilme The Normal Heart.

Segue lista completa dos vencedores do SAG Awards 2015:

CINEMA

MELHOR ATOR
EDDIE REDMAYNE / Stephen Hawking – A TEORIA DE TUDO

MELHOR ATRIZ
JULIANNE MOORE / Alice Howland-Jones – PARA SEMPRE ALICE

MELHOR ATOR COADJUVANTE
J.K. SIMMONS / Fletcher – WHIPLASH: EM BUSCA DA PERFEIÇÃO

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
PATRICIA ARQUETTE / Olivia – BOYHOOD: DA INFÂNCIA À JUVENTUDE

MELHOR ELENCO
BIRDMAN
ZACH GALIFIANAKIS, MICHAEL KEATON, EDWARD NORTON, ANDREA RISEBOROUGH, AMY RYAN, EMMA STONE, NAOMI WATTS

J.K. Simmons posa para fotos com seu SAG Award (photo by theguardian.com)

J.K. Simmons posa para fotos com seu SAG Award por Whiplash (photo by theguardian.com)

Patricia Arquette com seu SAG Award de coadjuvante (photo by examiner.com)

Patricia Arquette com seu SAG Award de coadjuvante por Boyhood (photo by examiner.com)

TELEVISÃO

MELHOR ATOR DE TELEFILME OU MINISSÉRIE
MARK RUFFALO / Ned Weeks – THE NORMAL HEART

MELHOR ATRIZ DE TELEFILME OU MINISSÉRIE
FRANCES McDORMAND / Olive Kitteridge – OLIVE KITTERIDGE

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
KEVIN SPACEY / Francis Underwood – HOUSE OF CARDS

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
VIOLA DAVIS / Annalise Keating – HOW TO GET AWAY WITH MURDER

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
WILLIAM H. MACY / Frank Gallagher – SHAMELESS

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
UZO ADUBA / Suzanne “Crazy Eyes” Warren – ORANGE IS THE NEW BLACK

MELHOR ELENCO DE SÉRIE DRAMÁTICA
DOWNTON ABBEY
HUGH BONNEVILLE, LAURA CARMICHAEL, JIM CARTER, BRENDAN COYLE, MICHELLE DOCKERY, KEVIN DOYLE, JOANNE FROGGATT, LILY JAMES, ROBERT JAMES-COLLIER, ALLEN LEECH, PHYLLIS LOGAN, ELIZABETH McGOVERN, SOPHIE McSHERA, MATT MILNE, LESLEY NICOL, DAVID ROBB, MAGGIE SMITH, ED SPELEERS, CARA THEOBOLD, PENELOPE WILTON

MELHOR ELENCO DE SÉRIE DE COMÉDIA
ORANGE IS THE NEW BLACK
UZO ADUBA, JASON BIGGS, DANIELLE BROOKS, LAVERNE COX, JACKIE CRUZ, CATHERINE CURTIN, LEA DELARIA, BETH FOWLER, YVETTE FREEMAN, GERMAR TERRELL GARDNER, KIMIKO GLENN, ANNIE GOLDEN, DIANE GUERRERO, MICHAEL J. HARNEY, VICKY JEUDY, JULIE LAKE, LAUREN LAPKUS, SELENIS LEYVA, NATASHA LYONNE, TARYN MANNING, JOEL MARSH GARLAND, MATT McGORRY, ADRIENNE C. MOORE, KATE MULGREW, EMMA MYLES, JESSICA PIMENTEL, DASCHA POLANCO, ALYSIA REINER, JUDITH ROBERTS, ELIZABETH RODRIGUEZ, BARBARA ROSENBLAT, NICK SANDOW, ABIGAIL SAVAGE, TAYLOR SCHILLING, CONSTANCE SHULMAN, DALE SOULES, YAEL STONE, LORRAINE TOUSSAINT, LIN TUCCI, SAMIRA WILEY

MELHOR PERFORMANCE DE DUBLÊS EM CINEMA
INVENCÍVEL (UNBROKEN)

MELHOR PERFORMANCE DE DUBLÊS EM SÉRIES DE COMÉDIA OU DRAMÁTICAS
GAME OF THRONES

Frances McDormand discursa pelo prêmio de atriz (photo by cnn.com)

Frances McDormand discursa pelo prêmio de atriz (photo by cnn.com)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: DEBBIE REYNOLDS

‘Birdman’ surpreende e leva o PGA Awards 2015

O diretor e produtor Alejandro González Iñárritu levanta o troféu do PGA Awards (photo by pmcdeadline2.files.wordpress.com)

O diretor e produtor Alejandro González Iñárritu levanta o troféu do PGA Awards por Birdman (photo by pmcdeadline2.files.wordpress.com)

‘BIRDMAN’ GANHA FORÇAS APÓS A CONQUISTA DO PGA E AMEAÇA REINADO DE ‘BOYHOOD’

Quando todos os indicativos apontavam para o favoritismo de Boyhood: Da Infância à Juventude, eis que surge o PGA Awards que premiando Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) para intensificar ainda mais a disputa para o Oscar.

Birdman competia com Sniper Americano, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo, Garota Exemplar, O Grande Hotel Budapeste, O Jogo da Imitação, O Abutre, A Teoria de Tudo, Whiplash: Em Busca da Perfeição, além de Boyhood.

O diretor e produtor do filme, Alejandro González Iñárritu, subiu ao palco para receber o prêmio. “Eles querem que eu fale pra que todos riam do meu Inglês horrível! Em nome de todos nós (os demais produtores John Lesher e James W. Skotchdopole), nossa única ambição era fazer um filme arriscado e experimental que explorasse a linguagem cinematográfica sobre a complexidade de um artista interpretado pelo incrível Michael Keaton.”

A respeito da competição, Iñárritu acrescentou: “Sinto-me humilde por este prêmio. Todos os filmes que estão indicados têm uma voz tão individual, a expressão por trás deles, somente as pessoas que as fizeram poderiam tê-las feito.”

A vitória de Birdman certamente significa um reforço na campanha do filme na disputa pelo Oscar, especialmente se levarmos em conta as estatísticas do PGA em relação ao prêmio da Academia. Em seus 25 anos de história, 18 filmes vencedores do PGA também levaram o Oscar de Melhor Filme. E vale ressaltar que o vitorioso coincidiu nos últimos sete anos:

2014 – PGA: 12 Anos de Escravidão E Gravidade (o primeiro empate da história); Oscar: 12 Anos de Escravidão
2013 – PGA e Oscar: Argo 
2012 – PGA e Oscar: O Artista
2011 – PGA e Oscar: O Discurso do Rei
2010 – PGA e Oscar: Guerra ao Terror
2009 – PGA e Oscar: Quem Quer Ser um Milionário?
2008 – PGA e Oscar: Onde os Fracos Não Têm Vez

A última vez que os vencedores não bateram foi em 2007, quando Pequena Miss Sunshine levou o PGA, enquanto a Academia preferiu o filme de Martin Scorsese, Os Infiltrados.

O produtor de Uma Aventura Lego, Dan Lin, discursa pela vitória da animação (photo by Mark Davis/Getty Images)

O produtor de Uma Aventura Lego, Dan Lin, discursa pela vitória da animação (photo by Mark Davis/Getty Images)

Pela categoria de produção de animação, Uma Aventura Lego ganhou e vingou sua ausência na lista do Oscar de animação. Sua vitória não ajuda muito a prever um vencedor na categoria do Oscar, pois era considerado o favorito até as indicações saírem. Apesar de Como Treinar o Seu Dragão 2 ter ganhado o Globo de Ouro, a corrida permanece em aberto, podendo ir pela segunda vez a uma produção estrangeira caso o irlandês Song of the Sea ou o japonês O Conto da Princesa Kaguya vença.

Caso semelhante acontece na categoria de Produção de Documentário, pois o vencedor Life Itself – A Vida de Roger Ebert sequer foi indicado ao Oscar, abrindo espaço para o favoritismo do polêmico Citizenfour, ou até de A Fotografia Oculta de Vivian Maier e O Sal da Terra, sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado.

Já pela TV, as séries Breaking Bad e Orange is the New Black levaram Melhor Produção em Série de TV Dramática e de Comédia, respectivamente, enquanto Fargo levou Melhor Minissérie.

J.K. Simmons entrega o prêmio de Melhor Série de Comédia para o produtor Mark A. Burley de Orange is the New Black (photo by Mark Davis/Getty Images)

J.K. Simmons entrega o prêmio de Melhor Série de Comédia para o produtor Mark A. Burley de Orange is the New Black (photo by Mark Davis/Getty Images)

Segue lista completa dos vencedores do PGA Awards 2015:

MELHOR PRODUÇÃO EM FILME
BIRDMAN OU (A INESPERADA VIRTUDE DA IGNORÂNCIA) (Birdman) – Fox Searchlight Pictures
Produtores: Alejandro G. Iñárritu, John Lesher, James W. Skotchdopole

MELHOR PRODUÇÃO EM ANIMAÇÃO
UMA AVENTURA LEGO (The LEGO Movie) – Warner Bros. Pictures
Produtor: Dan Lin

MELHOR PRODUÇÃO EM DOCUMENTÁRIO
LIFE ITSELF – A VIDA DE ROGER EBERT (Life Itself) – Magnolia Pictures
Produtores: Garrett Basch, Steve James, Zak Piper

MELHOR SÉRIE DE LONGA-DURAÇÃO OU FILME PARA TV
Fargo (FX)
Produtores: Adam Bernstein, John Cameron, Ethan Coen, Joel Coen, Michael Frislev, Noah Hawley, Warren Littlefield, Chad Oakes, Kim Todd

MELHOR SÉRIE EPISÓDICA – DRAMA
Breaking Bad (AMC)
Produtores: Melissa Bernstein, Sam Catlin, Bryan Cranston, Vince Gilligan, Peter Gould, Mark Johnson, Stewart Lyons, Michelle MacLaren, George Mastras, Diane Mercer, Thomas Schnauz, Moira Walley-Beckett

MELHOR SÉRIE EPISÓDICA – COMÉDIA
Orange Is The New Black (Netflix)
Produtores: Mark A. Burley, Sara Hess, Jenji Kohan, Gary Lennon, Neri Tannenbaum, Michael Trim, Lisa I. Vinnecour

MELHOR PRODUÇÃO DE NÃO-FICÇÃO DE TELEVISÃO
COSMOS: A SpaceTime Odyssey (FOX/NatGeo)
Produtores: Brannon Braga, Mitchell Cannold, Jason Clark, Ann Druyan, Livia Hanich, Steve Holtzman, Seth MacFarlane

MELHOR PRODUÇÃO DE COMPETIÇÃO DE TV
The Voice (NBC)
Produtores: Stijn Bakkers, Mark Burnett, John De Mol, Chad Hines, Lee Metzger, Audrey Morrissey, Jim Roush, Kyra Thompson, Mike Yurchuk, Amanda Zucker

MELHOR PRODUÇÃO DE ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTA
The Tonight Show Starring Jimmy Fallon (NBC)
Produtores: Rob Crabbe, Jamie Granet Bederman, Katie Hockmeyer, Jim Juvonen, Josh Lieb, Brian McDonald, Lorne Michaels, Gavin Purcell

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTES
Real Sports With Bryant Gumbel (HBO)

MELHOR PROGRAMA INFANTIL
Sesame Street (PBS)

MELHOR SÉRIE DIGITAL
Comedians In Cars Getting Coffee (http://www.crackle.com/c/comedians-in-cars-getting- coffee)