‘A FORMA DA ÁGUA’ lidera o CRITICS’ CHOICE AWARDS com 14 INDICAÇÕES

shape-of-water-final-trailer

Indicada para Melhor Atriz, Sally Hawkins, em cena de A Forma da Água

EM SUA 23ª EDIÇÃO, O CRITICS’ CHOICE DESTACA NOVO FILME DO MEXICANO GUILLERMO DEL TORO

OK, acabou a brincadeira: a Bolha Assassina do Critics’ Choice Awards liberou seus quinhentos indicados em suas duzentas categorias. E como se não bastassem seis indicados por categoria, agora eles fizeram uma licença poética e ampliaram para sete indicados nas categorias de Diretor, Ator e Atriz Coadjuvante. Daqui a pouco, vai ter atores do Framboesa de Ouro entre os indicados!

Podem me considerar um crítico chato, mas a cada ano que passa, estou pegando mais “bode” do Critics’ Choice Awards. Além de ser um prêmio sem personalidade nenhuma (só se preocupam em acertar os vencedores do Oscar), eles se expandem todo ano, mas se esquecem de valorizar seus próprios convidados. Ano passado, entregaram vários prêmios no tapete vermelho (pra não dizer no porão da casa), inclusive o de Roteiro (!!!), porque obviamente não havia tempo pra tanta categoria ao vivo. Acho um descaso total; se for assim “nas coxas”, melhor excluir!

E outra coisa: eles se gabam tanto de serem a melhor prévia do Oscar (posto anteriormente ocupado pelo Globo de Ouro), mas será mesmo que a bola de cristal deles está funcionado? Dos últimos 4 vencedores do prêmio de Melhor Filme, eles acertaram dois: 12 Anos de Escravidão e Spotlight, e erraram com Boyhood e La La Land. Pra mim, prévia certeira é aquela próxima de 100%… Honestamente, não entendo o crescimento de popularidade desse prêmio, tirando o fato de que daqui a pouco vai ter mais gente indicada do que não-indicada no mundo.

CRITICS’ CHOICE E SEUS NÚMEROS

Bom, vamos aos fatos desta 23ª edição. Primeiramente, A Forma da Água conseguiu 14 indicações, um número muito alto, mas explicável por se tratar de um filme tecnicamente bem feito, possibilitando reconhecimento em Direção de Arte, Fotografia e Trilha Musical, por exemplo. Dessas 14 indicações, apenas uma pertence a uma categoria inexistente no Oscar: Melhor Filme de Ficção Científica ou Terror, portanto o filme de Guillermo del Toro pode também ser o recordista de indicações do próximo Oscar.

Curiosamente, A Forma da Água abriu uma ampla vantagem de 6 indicações em relação aos filmes que ficaram em segundo lugar. Me Chame Pelo Seu Nome, Dunkirk, Lady Bird e The Post: A Guerra Secreta obtiveram oito indicações cada. Vale ressaltar que desses quatro títulos, três ganharam prêmios de Melhor Filme recentemente: O LAFCA premiou Me Chame Pelo Seu Nome, o NYFCC premiou Lady Bird e o NBR premiou The Post, ou seja, existe uma diversidade muito boa de títulos com possibilidades de vitória no Oscar.

Ainda sobre números, importante destacar a tripla indicação para o ator e roteirista paquistanês Kumail Nanjiani. Além de ter sido indicado a Melhor Ator em Comédia e Roteiro Adaptado com o filme Doentes de Amor (The Big Sick), ele foi reconhecido por sua performance cômica na série The Sillicon Valley. Embora seja o recordista individual desta edição, existe boa possibilidade de ele ser triplo perdedor.

the-big-sick-mit-zoe-kazan-und-kumail-nanjiani.jpg

Zoe Kazan e Kumail Nanjiani em cena de Doentes de Amor (pic by moviepilot.de)

Outros artistas acumularam duas indicações individuais. São os casos da diretora e roteirista de Lady Bird, Greta Gerwig; do diretor e ator de Artista do Desastre, James Franco; da atriz Tiffany Hadish que compete como Atriz Coadjuvante e Atriz em Comédia por Viagem das Garotas; do diretor e roteirista de Três Anúncios Para um Crime, Martin McDonagh; e obviamente, do diretor e roteirista Guillermo del Toro.

SURPRESAS E AUSÊNCIAS

Eu sei, você deve ter pensado: “É possível ter ausências com sete indicados?”. Pois é, na reunião de condomínio da categoria de Melhor Diretor, faltou uma vaguinha para Sean Baker, que na semana passada foi reconhecido pelo NYFCC por Projeto Flórida. A verdade é que ele pode se ausentar de qualquer lista, EXCETO na seleção do Directors Guild of America (DGA), onde se separa o joio do trigo.

Com menos chances, poderia citar aqui também o nome de Dee Rees, a jovem diretora negra (ou como dizem hoje “afrodescendente”) do drama Mudbound. Não sei dizer se o fato do filme ser produção da Netflix e não ser exibido em telas de cinema enfraqueceu sua campanha, mas até então eu acreditava que este ano poderia ser o ano das mulheres na direção no Oscar. Além dela, existem chances para Greta Gerwig, Kathryn Bigelow, Angelina Jolie e Sofia Coppola. Não, não me venham com Patty Jenkins por Mulher-Maravilha

Roots

Mary J. Blige recebe orientações da diretora Dee Rees em set de Mudbound

Nas categorias de atuação, por mais que haja seis (ou sete) vagas e as categorias de atuação de comédia e de ação, sempre vai haver algum nome faltando. Este ano, este ator excluído é Robert Pattison. Sempre passei longe desses filmes de Crepúsculo que ele estrelou, mas depois de ver sua atuação em Bom Comportamento, passei a enxergá-lo como um ator promissor. Acho que boa parte do crédito de sua evolução se deve ao diretor canadense David Cronenberg com quem trabalhou em Cosmópolis e Mapa Para as Estrelas. Estou torcendo para que ele saia na lista do Globo de Ouro. E ainda falando de Bom Comportamento, ficou faltando uma indicação para Daniel Lopatin por suas belas composições musicais que reverberam a tensão do filme todo.

Na ala feminina, dois nomes mais comentados são de Kate Winslet por Roda Gigante, e Judi Dench por Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha. Ambas têm chances de aparecer na lista do Globo de Ouro de Atriz – Drama e Atriz – Comédia, respectivamente. Além delas, o nome mais polêmico também ficou de fora: Daniela Vega, uma atriz transsexual que atuou no filme chileno Uma Mulher Fantástica. Se o Critics’ Choice quisesse demonstrar personalidade, perdeu uma ótima oportunidade de indicá-la. Na categoria de Coadjuvante, um dos nomes mais citados até o momento, mas ausente é o de Lois Smith, pelo filme futurista Marjorie Prime, onde ela conversa e interage com o holograma de seu marido morto há quinze anos.

Já no campo das surpresas, eu destacaria a indicação de Jake Gyllenhaal por O Que te Faz Mais Forte, onde ele interpreta uma vítima dos atentados terroristas da maratona de Boston. Embora seja daqueles papéis que costumam render prêmios, seu nome mal havia sido mencionado até o momento.

stronger-mit-jake-gyllenhaal

Jake Gyllenhaal em cena de O Que Te Faz Mais Forte (pic by moviepilot.de)

E Patrick Stewart concorrendo como Ator Coadjuvante por Logan. Particularmente, gosto da atuação de Stewart como um homem idoso e debilitado, mas se formos analisar sob outro ângulo, o ator já interpretou o mesmo personagem de Professor Charles Xavier mais de quatro vezes. Acho bem difícil ele seguir adiante nessa campanha…

logan-the-wolverine-mit-patrick-stewart

Patrick Stewart como Professor Charles Xavier em Logan (pic by moviepilot.de)

Já na categoria de Filme em Língua Estrangeira, temos uma surpresa e uma ausência. A primeira atende pelo nome de Thelma, um filme norueguês que envolve eventos sobrenaturais e lesbianismo. E a segunda é a ausência do russo Loveless, do diretor Andrey Zvyagintsev, que é considerado um dos favoritos para seguir no Oscar.

Thelma

À direita, Eili Harboe interpreta a perturbada Thelma no filme homônimo. Pic by outnow.ch

ENQUANTO ISSO, NO UNIVERSO DAS SÉRIES…

A série Feud: Bette and Joan da FX, sobre a treta entre as atrizes Bette Davis e Joan Crawford, foi a recordista desta edição com seis indicações. Logo em seguida, com cinco indicações, aparece Big Little Lies da HBO, que conquistou vários prêmios no último Emmy. Alguém pode, por favor, me explicar por que Jessica Lange foi indicada para Melhor Atriz e Susan Sarandon não? Até onde sei, o grande chamariz dessa série foi o embate dessas duas atrizes veteranas que interpretaram duas lendas de Hollywood, não?

feud-fx-susan-sarandon-bette-davis-joan-crawford-jessica-lange

Susan Sarandon como Bette Davis e Jessica Lange como Joan Crawford em Feud: Bette and Joan (pic by time.com)

Apesar disso, foi a plataforma de streaming Netflix que conquistou maior número de indicações: 20, graças à ampla variedade de conteúdo como The Crown, Stranger Things, GLOW e até a animação BoJack Horseman. Se no universo da séries a Netflix já reina, será questão de tempo até que um filme da Netflix ganhe o Oscar. Pra isso, basta eles pararem de investir apenas em filmes com Adam Sandler…

Uma curiosidade pra quem curte: Kevin Spacey não está entre os indicados de Ator em Série Dramática por House of Cards. Pelo visto, ninguém quer se comprometer e inclui-lo depois de todas as polêmicas de abuso sexual envolvendo o nome dele. Por um lado eu entendo que ele seja excluído das festinhas, mas é preciso lembrar que outros nomes envolvidos em polêmicas já foram indicados e ganharam prêmios como Roman Polanski e Woody Allen, portanto, fica essa questão no ar de saber separar artista da pessoa, e vice-versa. É possível?

INDICADOS AO CRITICS’ CHOICE AWARDS 2018:

CINEMA

MELHOR FILME
– Doentes de Amor (The Big Sick)
– Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me by Your Name)
– O Destino de uma Nação (Darkest Hour)
– Dunkirk (Dunkirk)
– Projeto Flórida (The Florida Project)
– Corra! (Get Out)
– Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)
– The Post: A Guerra Secreta (The Post)
– A Forma da Água (The Shape of Water)
– Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

MELHOR DIREÇÃO
– Guillermo del Toro (A Forma da Água)
– Greta Gerwig (Lady Bird)
– Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
– Christopher Nolan (Dunkirk)
– Luca Guadagnino (Me Chame Pelo Seu Nome)
– Jordan Peele (Corra!)
– Steven Spielberg (The Post: A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR
– Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)
– James Franco (Artista do Desastre)
– Jake Gyllenhaal (O Que Te Faz Mais Forte)
– Tom Hanks (The Post: A Guerra Secreta)
– Daniel Kaluuya (Corra!)
– Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
– Gary Oldman (O Destino de uma Nação)

MELHOR ATRIZ
– Jessica Chastain (A Grande Jogada)
– Sally Hawkins (A Forma da Água)
– Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
– Margot Robbie (I, Tonya)
– Saoirse Ronan (Lady Bird)
– Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Willem Dafoe (Projeto Flórida)
– Armie Hammer (Me Chame Pelo seu Nome)
– Richard Jenkins (A Forma da Água)
– Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)
– Patrick Stewart (Logan)
– Michael Stuhlbarg (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Mary J. Blige (Mudbound)
– Hong Chau (Pequena Grande Vida)
– Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
– Holly Hunter (Doentes de Amor)
– Allison Janney (I, Tonya)
– Laurie Metcalf (Lady Bird)
– Octavia Spencer (A Forma da Água)

MELHOR JOVEM ATOR OU ATRIZ
– Mckenna Grace (Um Laço de Amor)
– Dafne Keen (Logan)
– Brooklynn Prince (Projeto Flórida)
– Millicent Simmonds (Sem Fôlego)
– Jacob Tremblay (Extraordinário)

MELHOR ELENCO
– Dunkirk
– Lady Bird
– Mudbound
– The Post: A Guerra Secreta
– Três Anúncios Para um Crime

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– James Ivory (Me Chame Pelo seu Nome)
– Scott Neustadter, Michael H. Weber (Artista do Desastre)
– Virgil Williams, Dee Rees (Mudbound)
– Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
– Jack Thorne, Steve Conrad, Stephen Chbosky (Extraordinário)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Emily V. Gordon, Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
– Jordan Peele Corra!)
– Greta Gerwig (Lady Bird)
– Liz Hannah, Josh Singer (The Post: A Guerra Secreta)
– Guillermo del Toro, Vanessa Taylor (A Forma da Água)
– Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Roger Deakins (Blade Runner 2049)
– Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo seu Nome)
– Hoyte van Hoytema (Dunkirk)
– Rachel Morrison (Mudbound)
– Dan Lausten (A Forma da Água)

MELHOR FIGURINO
– Jacqueline Durran (A Bela e a Fera)
– Renée April (Blade Runner 2049)
– Mark Bridges (Trama Fantasma)
– Luis Sequeira (A Forma da Água)
– Lindy Hemming (Mulher-Maravilha)

MELHOR MONTAGEM
– Paul Machliss, Jonathan Amos (Em Ritmo de Fuga)
– Joe Walker (Blade Runner 2049)
– Lee Smith (Dunkirk)
– Michael Kahn, Sarah Broshar (The Post: A Guerra Secreta)
– Sidney Wolinsky (A Forma da Água)

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM
– A Bela e a Fera
– O Destino de uma Nação
– I, Tonya
– A Forma da Água
– Extraordinário

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Sarah Greenwood; Katie Spencer (A Bela e a Fera)
– Dennis Gassner; Alessandra Querzola (Blade Runner 2049)
– Nathan Crowley; Gary Fettis (Dunkirk)
– Jim Clay; Rebecca Alleway (Assassinato no Expresso Oriente)
– Mark Tildesley; Véronique Melery (Trama Fantasma)
– Paul Denham Austerberry; Shane Vieau, Jeff Melvin (A Forma da Água)

MELHOR TRILHA MUSICAL
– Benjamin Wallfisch, Hans Zimmer (Blade Runner 2049)
– Dario Marianelli (O Destino de uma Nação)
– Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
– John Williams (The Post: A Guerra Secreta)
– Alexandre Desplat (A Forma da Água)

MELHOR CANÇÃO
– “Evermore” (A Bela e a Fera)
– “Mystery of Love” (Me Chame Pelo Seu Nome)
– “Remember Me” (Viva – A Vida é uma Festa)
– “Stand Up for Something” (Marshall)
– “This Is Me” (O Rei do Show)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
– Blade Runner 2049
– Dunkirk
– A Forma da Água
– Thor: Ragnarok
– Planeta dos Macacos: A Guerra
– Mulher-Maravilha

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
– The Breadwinner
– Viva – A Vida é uma Festa (Coco)
– Meu Malvado Favorito 3 (Despicable Me 3)
– LEGO Batman: O Filme (The Lego Batman Movie)
– Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)

MELHOR FILME DE AÇÃO
– Em Ritmo de Fuga (Baby Driver)
– Logan (Logan)
– Thor: Ragnarok (Thor: Ragnarok)
– Planeta dos Macacos: A Guerra (War for the Planet of the Apes)
– Mulher-Maravilha (Wonder Woman)

MELHOR COMÉDIA
– Doentes de Amor (The Big Sick)
– Artista do Desastre (The Disaster Artist)
– Viagem das Garotas (Girls Trip)
– I, Tonya
– Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
– Steve Carell (A Guerra dos Sexos)
– James Franco (Artista do Desastre)
– Chris Hemsworth (Thor: Ragnarok)
– Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
– Adam Sandler (Os Meyerowitz: Família Não se Escolhe)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
– Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
– Zoe Kazan (Doentes de Amor)
– Margot Robbie (I, Tonya)
– Saoirse Ronan (Lady Bird)
– Emma Stone (A Guerra dos Sexos)

MELHOR FICÇÃO CIENTÍFICA OU TERROR
– Blade Runner 2049 (Blade Runner 2049)
– Corra! (Get Out)
– It: A Coisa (It)
– A Forma da Água (The Shape of Water)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– 120 Batimentos Por Minuto (BPM (Beats Per Minute))
– Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
– First They Killed My Father
– Em Pedaços (In the Fade)
– The Square
– Thelma

TELEVISÃO E STREAMING

 

Best Drama Series
– American Gods (Starz)
– The Crown (Netflix)
– Game of Thrones (HBO)
– The Handmaid’s Tale (Hulu)
– Stranger Things (Netflix)
– This Is Us (NBC)

Best Actor in a Drama Series
– Sterling K. Brown (This Is Us)
– Paul Giamatti (Billions)
– Freddie Highmore (Bates Motel)
– Ian McShane (American Gods)
– Bob Odenkirk (Better Call Saul)
– Liev Schreiber (Ray Donovan)

Best Actress in a Drama Series
– Caitriona Balfe (Outlander)
– Christine Baranski (The Good Fight)
– Claire Foy (The Crown)
– Tatiana Maslany (Orphan Black)
– Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
– Robin Wright (House of Cards)

Best Supporting Actor in a Drama Series
– Bobby Cannavale (Mr. Robot)
– Asia Kate Dillon (Billions)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– David Harbour (Stranger Things)
– Delroy Lindo (The Good Fight)
– Michael McKean (Better Call Saul)

Best Supporting Actress in a Drama Series
– Gillian Anderson (American Gods)
– Emilia Clarke (Game of Thrones)
– Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)
– Cush Jumbo (The Good Fight)
– Margo Martindale (Sneaky Pete)
– Chrissy Metz (This Is Us)

Best Comedy Series
– The Big Bang Theory (CBS)
– Black-ish (ABC)
– GLOW (Netflix)
– The Marvelous Mrs. Maisel (Amazon)
– Modern Family (ABC)
– Patriot (Amazon)

Best Actor in a Comedy Series
– Anthony Anderson (Black-ish)
– Aziz Ansari (Master of None)
– Hank Azaria (Brockmire)
– Ted Danson (The Good Place)
– Thomas Middleditch (Silicon Valley)
– Randall Park (Fresh Off the Boat)

Best Actress in a Comedy Series
– Kristen Bell (The Good Place)
– Alison Brie (GLOW)
– Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)
– Sutton Foster (Younger)
– Ellie Kemper (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Constance Wu (Fresh Off the Boat)

Best Supporting Actor in a Comedy Series
– Tituss Burgess (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Walton Goggins (Vice Principals)
– Sean Hayes (Will & Grace)
– Marc Maron (GLOW)
– Kumail Nanjiani (Silicon Valley)
– Ed O’Neill (Modern Family)

Best Supporting Actress in a Comedy Series
– Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
– Alex Borstein (The Marvelous Mrs. Maisel)
– Betty Gilpin (GLOW)
– Jenifer Lewis (Black-ish)
– Alessandra Mastronardi (Master of None)
– Rita Moreno (One Day at a Time)

Best Limited Series
– American Vandal (Netflix)
– Big Little Lies (HBO)
– Fargo (FX)
– Feud: Bette and Joan (FX)
– Godless (Netflix)
– The Long Road Home (National Geographic)

Best Movie Made for TV
– Flint (Lifetime)
– I Am Elizabeth Smart (Lifetime)
– The Immortal Life of Henrietta Lacks (HBO)
– Sherlock: The Lying Detective (PBS)
– The Wizard of Lies (HBO)

Best Actor in a Movie Made for TV or Limited Series
– Jeff Daniels (Godless)
– Robert De Niro (The Wizard of Lies)
– Ewan McGregory (Fargo)
– Jack O’Connell (Godless)
– Evan Peters (American Horror Story: Cult)
– Bill Pullman (The Sinner)
– Jimmy Tatro (American Vandal)

Best Actress in a Movie Made for TV or Limited Series
– Jessica Biel (The Sinner)
– Alana Boden (I Am Elizabeth Smart)
– Carrie Coon (Fargo)
– Nicole Kidman (Big Little Lies)
– Jessica Lange (Feud: Bette and Joan)
– Reese Witherspoon (Big Little Lies)

Best Supporting Actor in a Movie Made for TV or Limited Series
– Johnny Flynn (Genius)
– Benito Martinez (American Crime)
– Alfred Molina (Feud: Bette and Joan)
– Alexander Skarsgård (Big Little Lies)
– David Thewlis (Fargo)
– Stanley Tucci (Feud: Bette and Joan)

Best Supporting Actress in a Movie Made for TV or Limited Series
– Judy Davis (Feud: Bette and Joan)
– Laura Dern (Big Little Lies)
– Jackie Hoffman (Feud: Bette and Joan)
– Regina King (American Crime)
– Michelle Pfeiffer (The Wizard of Lies)
– Mary Elizabeth Winstead (Fargo)

Best Talk Show
– Ellen (NBC)
– Harry (Syndicated)
– Jimmy Kimmel Live! (ABC)
– The Late Late Show with James Corden (CBS)
– The Tonight Show Starring Jimmy Fallon (NBC)
– Watch What Happens Live with Andy Cohen (Bravo)

Best Animated Series
– Archer (FX)
– Bob’s Burgers (Fox)
– BoJack Horseman (Netflix)
– Danger & Eggs (Amazon)
– Rick and Morty (Adult Swim)
– The Simpsons (Fox)

Best Unstructured Reality Series
– Born This Way (A&E)
– Ice Road Truckers (History)
– Intervention (A&E)
– Live PD (A&E)
– Ride with Norman Reedus (AMC)
– Teen Mom (MTV)

Best Structured Reality Series
– The Carbonaro Effect (truTV)
– Fixer Upper (HGTV)
– The Profit (CNBC)
– Shark Tank (ABC)
– Undercover Boss (CBS)
– Who Do You Think You Are? (TLC)

Best Reality Competition Series
– America’s Got Talent (NBC)
– Chopped (Food Network)
– Dancing with the Stars (ABC)
– Project Runway (Lifetime)
– RuPaul’s Drag Race (VH1)
– The Voice (NBC)

Best Reality Show Host
– Ted Allen (Chopped)
– Tyra Banks (America’s Got Talent)
– Tom Bergeron (Dancing With the Stars)
– Cat Deeley (So You Think You Can Dance)
– Joanna and Chip Gaines (Fixer Upper)
– RuPaul (RuPaul’s Drag Race)

***

A 23ª cerimônia do Critics’ Choice Awards acontece no dia 11 de Janeiro, numa quinta-feira. Não me perguntem por que numa quinta.

Anúncios

66º Emmy se rende à ‘Breaking Bad’

Vince Gilligan (centro) discursa após a vitória de sua criação (photo by bluebus.com.br)

‘BREAKING BAD’ FAZ A LIMPA POR SUA ÚLTIMA TEMPORADA

Sim, o Emmy aconteceu nessa segunda-feira pela primeira vez desde 1976. Nas últimas décadas, a cerimônia ocorria aos domingos. A decisão surgiu para evitar competição justamente com as próprias séries de TV indicadas, que disputam à tapas o horário nobre dominical. Não sei ainda o impacto dessa mudança na audiência, mas à princípio, parece-me sensata por se adequar aos moldes televisivos.

Jessica Lange conquista seu segundo Emmy por American Horror Story (photo by fionagoddess.tumblr.com)

É importante ressaltar que a própria indústria televisiva já não é mais a mesma. Nos últimos 10 anos, vimos uma evolução significativa de produções bem elaboradas e criativas como Lost, The Sopranos, 24, House, Six Feet Under, Dexter e Mad Men, todos contribuindo para o alto nível de qualidade dos roteiros. E quando os roteiros são melhores, os personagens são mais profundos, o que acaba atraindo a atenção de atores de calibre como Helen Mirren, Al Pacino, Glenn Close e Jessica Lange. Claro que os cachês também foram às alturas pelo aumento de patrocínio, causando uma espécie de migração de atores outrora de cinema para a telinha da TV. Lembro-me que há algumas décadas, a TV era somente uma espécie de estágio pra se trabalhar em cinema.

Como cinéfilo, vejo essa inversão como o simbolismo da queda do cinema. Enquanto a TV respira criatividade e qualidade por todo o ano, o cinema tem vivido à base de reciclagens e continuações puramente feitas para ganhar dinheiro há tempos, principalmente nessa época do verão americano. O sucesso da refilmagem As Tartarugas Ninja e das sequências Transformers: A Era da Extinção e Os Mercenários 3 denota esse panorama. No geral, os produtores de cinema de hoje se baseiam somente nos números das bilheterias para criar os próximos filmes, tratando uma arte apenas como negócio.

A atriz Taylor Schilling da série Orange is the New Black (photo by elfilm.com)

Já os da TV estão buscando idéias diferentes para atrair mais público. Pra início de argumento, a TV está criando uma nova tendência de tranformar bons filmes em séries e minisséries. Além do vencedor da noite, Fargo, baseado no filme homônimo dos irmãos Coen, temos ainda Bates Motel, baseado em Psicose, e O Bebê de Rosemary, criado a partir do filme de Roman Polanski de 1968. Até em se tratando de refilmagem, a TV está superando o cinema. Além disso, a TV está apostando em gêneros que o cinema tem evitado pelo alto custo de produção como o medieval de Game of Thrones, está apostando em caras novas para estrelar séries como Tatiana Maslany de Orphan Black (que deveria ter sido indicada) e Taylor Schilling, de Orange is the New Black. Aliás, a TV está inovando tanto, que até apostou no formato de streaming pela internet através do Netflix. É uma pena que a Academia de Televisão Artes e Ciências não está acompanhando essa revolução pois, de um total de 31 indicações, a Netflix, que representa a novidade na indústria televisiva, incrivelmente não levou nada.

De uma forma geral, a premiação do Emmy foi bastante conservadora. Inúmeros vencedores da noite já tinham conquistado a estatueta em edições anteriores. Só para citar atores: Julianna Margulies, Jessica Lange, Julia Louis-Dreyfus, Bryan Cranston e até Jim Parsons, que tanto admiro sua interpretação de Sheldon de The Big Bang Theory. Por mais que consideremos que todos os vencedores estejam em seus devidos auges em suas séries, é impossível escapar da impressão de que muitos outros foram esnobados na votação.

Este ano foi a consagração da série Breaking Bad. Confesso que não vi a série, mas tenho curiosidade pra ver tudo por causa da repercussão. Não duvido da qualidade do roteiro da série, mas de alguma forma isso me lembra de uma coisa que não apoio em premiações: o costume de consagrar o último filme ou temporada como uma forma de compensar as derrotas anteriores. Em 2004, a Academia premiou com 11 estatuetas do Oscar o terceira e última parte da trilogia de O Senhor dos Anéis. Aonde O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei é melhor do que O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel? Lógico que os membros da Academia decidiram compensar o trabalho árduo de Peter Jackson pelo último filme. Achei bastante injusto com os demais indicados daquele ano, que viram sentados a ‘limpa’ do filme fantasioso. Cidade de Deus deveria ter levado montagem, e Eduardo Serra levado fotografia pelo belo trabalho em Moça com Brinco de Pérola, só pra citar dois exemplos.

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective (photo by elfilm.com)

Enfim, torci para True Detective, que acabou levando seu prêmio mais merecido: direção para Cary Joji Fukunaga. Havia uma expectativa muito alta de ver o protagonista Matthew McConaughey levar o Emmy de Melhor Ator, fato que o tornaria o primeiro ator a vencer o Oscar (por Clube de Compras Dallas) e o Emmy no mesmo ano (apenas Helen Hunt conseguiu esse feito em 1998 por Melhor é Impossível e a série Mad About You), mas a noite foi mesmo de Breaking Bad e seu astro Bryan Cranston. True Detective tem o grande mérito de desenvolver uma trama policial de forma densa, sob três épocas distintas, com direito a grandes sequências cinematográficas e personagens centrais tridimensionais, o que o torna o oposto do policial fast-food de um C.S.I., no qual um crime é desvendado em questão de minutos.

True Detective foi vítima da estratégia da HBO, que lançou a minissérie como série dramática no Emmy. O canal tinha a grande ambição de ganhar o principal prêmio da noite, mas se não tivesse tal ganância, poderia facilmente ter saído com os prêmios de Melhor Minissérie (que foi para Fargo) e Melhor Ator de Minissérie (que foi para Benedict Cumberbatch por Sherlock) para McConaughey.

Confira lista completa dos vencedores do 66º Emmy Awards:

VENCEDORES DO 66º EMMYS

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA: Breaking Bad

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA: Modern Family

ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA: Bryan Cranston (Breaking Bad)

ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA: Julianna Margulies (The Good Wife)

ROTEIRO – SÉRIE DRAMÁTICA: Moira Walley-Beckett (Breaking Bad) pelo episódio “Ozymandias”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA: Anna Gunn (Breaking Bad)

DIREÇÃO – SÉRIE DRAMÁTICA: Cary Joji Fukunaga (True Detective) pelo episódio “Who Goes There”

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA: Aaron Paul (Breaking Bad)

MELHOR PROGRAMA DE VARIEDADES: The Colbert Report

DIREÇÃO – PROGRAMA DE VARIEDADES: Glenn Weiss (The 67th Tony Awards)

ROTEIRO – PROGRAMA DE VARIEDADES: Sarah Silverman (Sarah Silverman: We Are Miracles)

MELHOR TELEFILME: The Normal Heart

MELHOR MINISSÉRIE: Fargo

ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Jessica Lange (American Horror Story: Coven)

ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Benedict Cumberbatch (Sherlock: His Last Vow)

DIREÇÃO – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Colin Bucksey (Fargo) pelo episódio “Buridan’s Ass”

ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME: Martin Freeman (Sherlock: His Last Vow)

ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME: Kathy Bates (American Horror Story: Coven)

ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA: Steven Moffat (Sherlock)

MELHOR PROGRAMA DE REALITY: The Amazing Race

ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA: Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA: Jim Parsons (The Big Bang Theory)

DIREÇÃO – SÉRIE DE COMÉDIA: Gail Mancuso (Modern Family) pelo episódio “Vegas”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA: Allison Janney (Mom)

ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA: Louie C.K. (Louie) pelo episódio “So Did the Fat Lady”

ATOR CODJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA: Ty Burrell (Modern Family)

Julia Louis-Dreyfus leva seu terceiro Emmy pela série Veep (photo by http://robertdeniro.tumblr.com/post/95780652769)

ROTEIRO – SÉRIE DE VARIEDADES: The Colbert Report

MELHOR HOST EM PROGRAMA DE REALITY: Jane Lynch (Hollywood Game Night)

DIREÇÃO – SÉRIE DE VARIEDADES: Don Roy King (Saturday Night Live)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA: Uzo Aduba (Orange is the New Black)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA: Jimmy Fallon (Saturday Night Live)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA: Allison Janney (Masters of Sex)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA: Joe Morton (Scandal)

‘Trapaça’ e ’12 Years a Slave’ lideram as indicações ao Globo de Ouro 2014

Christian Bale, Amy Adams e Bradley Cooper superaram as ausência no SAG e chegaram ao Globo de Ouro 2014 por Trapça (photo by www.outnow.ch)

Christian Bale, Amy Adams e Bradley Cooper superaram as ausência no SAG e chegaram ao Globo de Ouro 2014 por Trapaça (photo by http://www.outnow.ch)

GLOBO DE OURO CONFIRMA FAVORITISMO DE 12 YEARS A SLAVE E ALAVANCA AS CHANCES DE TRAPAÇA

Normalmente, assim que as indicações ao Globo de Ouro saem, começa aquela enxurrada de matérias apontando os incontáveis erros e trabalhos ignorados. Não desta vez. Com a importante ajuda da safra bem servida de filmes de qualidade, as categorias foram devidamente preenchidas por profissionais que vinham agradando a crítica americana. Assim, nomes premiados por NYFCC, National Board of Review e LAFCA estão todos presentes na lista do Globo de Ouro 2014. Claro que uma ou outra exceção se faz notar, mas nada que tire o crédito dos membros votantes da Hollywood Foreign Press Association (HPFA).

De longe, as maiores surpresas são as presenças de Philomena e Rush: No Limite da Emoção na categoria Melhor Filme – Drama. Apesar de se tratarem de bons filmes, não havia uma forte campanha que indicasse resultado tão favorável. Bastante elogiado no último Festival de Veneza, Philomena, dirigido por Stephen Frears, tinha boas chnces de faturar o Leão de Ouro e o prêmio de atriz para Judi Dench, mas saiu apenas com Melhor Roteiro. Já Rush: No Limite da Emoção recebeu boas avaliações de modo geral, mas nada exagerado a ponto de conquistar uma indicação de Melhor Filme. Apesar do reconhecimento do Globo de Ouro, ainda acredito que o filme sobre a rivalidade na fórmula 1 de Ron Howard só deverá conquistar indicações para Ator Coadjuvante, Maquiagem e Efeitos Sonoros no Oscar.

3 indicações para Philomena, de Stephen Frears... (photo by www.outnow.ch)

Steve Coogan e Dame Judi Dench: 3 indicações para Philomena, de Stephen Frears… (photo by http://www.outnow.ch)

2 indicações para Rush: No Limite da Emoção. Pouco ou muito para um candidato surpresa? (photo by www.elfilm.com)

… e 2 indicações para Rush: No Limite da Emoção. Pouco ou muito para um candidato surpresa? (photo by http://www.elfilm.com)

Ambos os filmes tomaram os lugares de Nebraska e Trapaça, que, embora sejam mais dramas do que comédias, migraram para a categoria vizinha de Melhor Filme – Comédia/Musical, criando o grupo da morte do Globo de Ouro 2014, que ainda tem: O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen, e Ela, de Spike Jonze. Apesar do Globo de Ouro não servir mais como parâmetro para o Oscar, o filme que vencer nesta categoria certamente terá maiores chances na Academia.

Cientes de que havia uma grande quantidade de produções concorrentes que merecia reconhecimento, os votantes se esforçaram para agradar a todos. Deslocaram filmes de categorias e até evitaram duplas indicações como poderia ter acontecido com Tom Hanks, que tinha chances como Coadjuvante (Walt nos Bastidores de Hollywood) e Ator (Capitão Phillips), pelo qual acabou sendo indicado. Contudo, mesmo com todo esse trabalho, seria impossível não deixar uns filmes no escuro.

Os indicados Barkhad Abdi e Tom Hanks representam a metade das 4 indicações de Capitão Phillips (photo by www.elfilm.com)

Os indicados Barkhad Abdi e Tom Hanks representam a metade das 4 indicações de Capitão Phillips (photo by http://www.elfilm.com)

Provavelmente, os casos mais claros são as totais ausências de Fruitvale Station: A Última Parada e O Mordomo da Casa Branca. Se ainda houvesse aquele prêmio do Most Promising Newcomer (Novato mais Promissor), o Globo de Ouro certamente o daria ao jovem Michael B. Jordan por Fruitvale Station. Como a concorrência estava muito acirrada na categoria Ator – Drama, ele acabou cortado juntamente com Forest Whitaker, que apesar do esforço e talento, não melhora muito O Mordomo da Casa Branca. Fiquei feliz que o pessoal do Globo de Ouro não foi na onda do “indiquem Oprah Winfrey pra dar audiência no tapete vermelho”.

Outra ausência mais sentida foi a da animação japonesa de Hayao Miyazaki, O Vento Está Soprando. Numa manobra que claramente favorece os grandes estúdios (leiam-se Disney: Frozen – Uma Aventura Congelante, Dreamworks: Os Croods e Universal: Meu Malvado Favorito 2), deslocaram o grande favorito da categoria para outra possível: Melhor Filme em Língua Estrangeira. Embora ainda tenha chances claras, a disputa é nitidamente mais complicada ao lado do francês Azul é a Cor Mais Quente, o dinamarquês A Caça e o italiano La Grande Bellezza.

Particularmente, gostei da primeira indicação da jovem atriz americana Greta Gerwig por Frances Ha. Até uns anos atrás, ela só atuava em papéis secundários em filmes banais como Sexo Sem Compromisso e na refilmagem de Arthur, o Milionário Irresistível, até o dia em que o diretor Noah Baumbach ofereceu uma oportunidade como protagonista e ela não desperdiçou. Espero que esta indicação (infelizmente o páreo está duríssimo com Meryl Streep, Julie Delpy e Amy Adams) possa lhe render melhores projetos com diretores mais consagrados.

Greta Gerwig conquista uma indicação para Frances Ha (photo by www.elfilm.com)

Greta Gerwig conquista uma indicação para Frances Ha (photo by http://www.elfilm.com)

Embora não seja favorito este ano, também adorei a indicação do diretor Alexander Payne e seu Nebraska. Vencedor de 2 Globos de Ouro de Melhor Filme (Comédia por Sideways – Entre Umas e Outras, e Drama por Os Descendentes), Payne é muito querido pelos membros da HFPA, e comprova mais uma vez que sabe escolher e dirigir bons atores: Bruce Dern e June Squibb receberam indicações como Ator – Comédia/Musical e Atriz Coadjuvante.

Bruce Dern e June Squibb confirmam talento de Alexander Payne ao receberem indicações por Nebraska (photo by www.elfilm.com)

Bruce Dern e June Squibb confirmam talento de Alexander Payne ao receberem indicações por Nebraska (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de ter conseguido apenas 2 indicações no SAG, as sete indicações de Trapaça no Globo de Ouro devem impulsionar o filme de David O. Russell para o Oscar 2014. Nos últimos anos, os filmes do diretor têm obtido bom êxito com a Academia. O Vencedor venceu os Oscars de Ator Coadjuvante (Christian Bale) e Atriz Coadjuvante (Melissa Leo), enquanto O Lado Bom da Vida conquistou o Oscar de Atriz (Jennifer Lawrence). Embora o favoritismo ainda esteja do lado de 12 Years a Slave, dependendo da estratégia de propaganda, Trapaça pode fazer a ultrapassagem na reta final.

Seguem as indicações ao Globo de Ouro:

MELHOR FILME – DRAMA
12 Years a Slave
– Capitão Phillips (Captain Phillips)
– Gravidade (Gravity)
Philomena
– Rush: No Limite da Emoção (Rush)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Trapaça (American Hustle)
– Ela (Her)

– Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
 Nebraska
– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

MELHOR DIRETOR
– Alfonso Cuarón (Gravidade)
– Paul Greengrass (Capitão Phillips)
– Steve McQueen (12 Years a Slave)
– Alexander Payne (Nebraska)
– David O. Russell (Trapaça)

MELHOR ATOR – DRAMA
– Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
– Idris Elba (Mandela: Long Walk to Freedom)
– Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
– Tom Hanks (Capitão Phillips)
– Robert Redford (All is Lost)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
– Cate Blanchett (Blue Jasmine)
– Sandra Bullock (Gravidade)
– Judi Dench (Philomena)
– Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
– Kate Winslet (Refém da Paixão)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
– Christian Bale (Trapaça)
– Bruce Dern (Nebraska)
– Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
– Oscar Isaac (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Joaquin Phoenix (Ela)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
– Amy Adams (Trapaça)
– Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
– Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor)
– Greta Gerwig (Frances Ha)
– Meryl Streep (Álbum de Família)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
– Daniel Brühl (Rush: No Limite da Emoção)
– Bradley Cooper (Trapaça)
– Michael Fassbender (12 Years a Slave)
– Jared Leto (Dallas Buyers Club)

Pra quem pensava que Jennifer Lawrence iria desacelerar depois do Oscar por O Lado Bom da Vida, eis a bela novamente (photo by www.outnow.ch)

Pra quem pensava que Jennifer Lawrence iria desacelerar depois do Oscar por O Lado Bom da Vida, eis a bela novamente (photo by http://www.outnow.ch)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Sally Hawkins (Blue Jasmine)
– Jennifer Lawrence (Trapaça)
– Lupita N’Yongo (12 Years a Slave)
– Julia Roberts (Álbum de Família)
– June Squibb (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO
– John Ridley (12 Years a Slave)
– Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)
– Spike Jonze (Ela)
– Bob Nelson (Nebraska)
– Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
– Hans Zimmer (12 Years a Slave)
– Alex Ebert (All is Lost)
– John Williams (A Menina que Roubava Livros)
– Steven Price (Gravidade)
– Alex Heffes (Mandela: Long Walk to Freedom)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Atlas”, de Guy Berryman, Jonny Buckland, Will Champion e Chris Martin (Jogos Vorazes: Em Chamas)
“Please Mr. Kennedy”, de Ed Rush, George Cromarty, T-Bone Burnnett, Justin Timberlake, Joel Coen, Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
“Let it Go”, de Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)
“Ordinary Love”, de U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)
“Sweeter than Fiction”, de Jack Antonoff e Taylor Swift (One Chance)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche (França)
A Caça, de Thomas Vinterberg (Dinamarca)
The Great Beauty, de Paolo Sorrentino (Itália)
The Past, de Asghar Farhadi (França/Itália)
O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki (Japão)

MELHOR ANIMAÇÃO
Os Croods, de Kirk De Micco e Chris Sanders
Frozen: Uma Aventura Congelante, de Chris Buck e Jennifer Lee
Meu Malvado Favorito 2, de Pierre Coffin, Chris Renaud

Já na ala televisiva, destaco o crescimento das séries produzidas pela Netflix (não, não estou sendo pago para fazer propaganda). Além de House of Cards e Arrested Development, que já haviam sido reconhecidos pelo Emmy, Taylor Schilling foi indicada como Melhor Atriz de Série – Drama pela nova série da Netflix, Orange is the New Black, denotando uma curiosa tendência de criação de séries sem ficar refém de grades de programação televisiva.

Taylor Schilling em Orange is the New Black confirma crescimento das produções da Netflix (photo by www.elfilm.com)

Taylor Schilling em Orange is the New Black confirma crescimento das produções da Netflix (photo by http://www.elfilm.com)

Também vale destacar que alguns atores foram agraciados por indicações pelo trabalho em cinema e TV: Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor e a série de comédia Veep), além de Chiwetel Ejiofor (filme 12 Years a Slave e série Dancing on the Edge) e Idris Elba (Mandela: Long Walk to Freedom e minissérie Luther), que repetem a disputa da categoria Melhor Ator – Drama.

MELHOR SÉRIE – DRAMA
Breaking Bad
Downton Abbey
The Good Wife
House Of Cards
Masters Of Sex

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – DRAMA
Julianna Margulies (The Good Wife)
Tatiana Maslany (Orphan Black)
Taylor Schilling (Orange Is The New Black)
Kerry Washington (Scandal)
Robin Wright (House Of Cards)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Michael Sheen (Masters of Sex)
Kevin Spacey (House of Cards)
James Spader (The Blacklist)

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
The Big Bang Theory
Brooklyn Nine-Nine
Girls
Modern Family
Parks & Recreation

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Zooey Deschanel (New Girl)
Lena Dunham (Girls)
Edie Falco (Nurse Jackie)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Amy Poehler (Parks & Recreation)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Jason Bateman (Arrested Development)
Don Cheadle (House of Lies)
Michael J. Fox (The Michael J. Fox Show)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)
Andy Samberg (Brooklyn Nine-Nine)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
American Horror Story: Coven
Behind The Candelabra
Dancing on the Edge
Top of the Lake
White Queen

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Helena Bonham Carter (Burton and Taylor)
Rebecca Ferguson (White Queen)
Jessica Lange (American Horror Story: Coven)
Helen Mirren (Phil Spector)
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Josh Charles (The Good Wife)
Rob Lowe (Behind the Candelabra)
Aaron Paul (Breaking Bad)
Corey Stoll (House of Cards)
Jon Voight (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jacqueline Bisset (Dancing on the Edge)
Janet McTeer (The White Queen)
Hayden Panettiere (Nashville)
Monica Potter (Parenthood)
Sofía Vergara (Modern Family)

MELHOR ATOR EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Matt Damon (Behind the Candelabra)
Michael Douglas (Behind the Candelabra)
Chiwetel Ejiofor (Dancing on the Edge)
Idris Elba (Luther)
Al Pacino (Phil Spector)

A cerimônia do Globo de Ouro 2014 será transmitida ao vivo no dia 12 de janeiro. As atrizes Tina Fey e Amey Poehler serão as hostesses da noite mais uma vez. E o diretor/roteirista/ator Woody Allen será homenageado pelo Cecil B. DeMille Award, mas dizem as más línguas que ele não virá mesmo assim, e que sua colaboradora Diane Keaton aceiará o prêmio em seu nome.

Woody Allen e Diane Keaton (www.filmmakeriq.com)

Woody Allen e Diane Keaton (www.filmmakeriq.com)