‘A Culpa é das Estrelas’ leva o MTV Movie Awards 2015

John Green, Isaac Klausner, Josh Boone, Marty Bowen, Shailene Woodley, Nat Wolff e Wyck Godfrey recebem o MTV Movie Award de Filme do Ano por A Culpa é das Estrelas (photo by Getty Images through nypost.com)

John Green, Isaac Klausner, Josh Boone, Marty Bowen, Shailene Woodley, Nat Wolff e Wyck Godfrey recebem o MTV Movie Award de Filme do Ano por A Culpa é das Estrelas (photo by Getty Images through nypost.com)

PREMIAÇÃO DA MTV SE RENDE AO SENTIMENTALISMO
DA ADAPTAÇÃO DO BEST-SELLER DE JOHN GREEN

Ok, o MTV Movie Awards não foi para Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 como eu havia previsto, mas também não foi para Whiplash, como eu gostaria que fosse. Sim, eu votei no site da MTV, mas a democracia da internet falou mais alto e o sucesso do livro e do filme de A Culpa é das Estrelas levou a melhor na edição deste ano, que aconteceu no último dia 12.

Se o vencedor eu errei, acertei na previsão das piadas da hostess Amy Schumer. Desde que vi as chamadas da premiação no canal da MTV, logo pensei: “Aonde que viram graça nessa moça?”. Ok, foi uma tentativa de trazer novos ares e certamente foi melhor do que a dupla Anne Hathaway e James Franco no Oscar 2011, mas acredito que a MTV, por sua vertente mais liberal, poderia ter se arriscado mais. Por que não trazer Sacha Baron Cohen, por exemplo? Ele conseguiu se destacar daquela vez que desceu como um anjo da Victoria Secret no colo do Eminem só para promover seu filme Brüno.

A premiação praticamente se dividiu entre três filmes: A Culpa é das Estrelas (Filme, Atriz e Beijo), Vizinhos (WTF Moment, Shirtless e Duo) e Maze Runner: Correr ou Morrer (Luta, Herói e Revelação). Dos filmes indicados ao Oscar em fevereiro, apenas Sniper Americano (Ator para Bradley Cooper) e Caminhos da Floresta (Vilã para Meryl Streep) levaram seus baldes de pipoca. Whiplash, que é um grande filme sobre música (hello, Music Television?!), acabou não levando nenhum. Ok, em nome da democracia cinéfila, é bacana.

Jessica Alba e Rita Ora posam com o vencedor do Shirtless Performance, Zac Efron, por Vizinhos (photo by nydailynews.com)

Jessica Alba e Rita Ora posam com o vencedor do Shirtless Performance, Zac Efron, por Vizinhos (photo by nydailynews.com)

A verdade é que a indústria norte-americana tem tantos filmes que eles podem se dar ao luxo de premiar filmes alternativos aos grandes prêmios como aconteceu aqui, ou até mesmo os piores, como no Framboesa de Ouro. E isso qualquer cinéfilo deve tirar o chapéu. Eles sabem rir da própria “ruindade” de suas produções, e isso requer humildade.

Como acontece no Oscar e alguns prêmios da crítica, todo ano selecionam uma ou mais figuras para lhe entregar um prêmio pelo conjunto da obra. Obviamente, os selecionados costumam ser artistas bem experientes e idosos, mas não é o caso do MTV Movie Awards, que este ano reconheceu o carisma de Robert Downey Jr. Depois de seu ressurgimento após um período difícil com drogas e detenção nos anos 90, ele deu a volta por cima e se tornou uma das figuras mais bem pagas de Hollywood e com méritos. O que seria o personagem Tony Stark sem ele? Alguns até poderiam argumentar que existem outros atores melhores do que ele, mas certamente não com o mesmo carisma magnético dele. Prêmio merecidíssimo, que ainda aproveita para fazer uma propaganda do lançamento do novo filme dos Vingadores, Os Vingadores: Era de Ultron, que estréia aqui no Brasil no dia 30 de abril.

Scarlett Johansson, Chris Hemsworth, Jeremy Renner e

Scarlett Johansson, Chris Hemsworth, Jeremy Renner e Chris Evans entregam o MTV Generation Award para Robert Downey Jr. (photo by theblaze.com)

Já os demais prêmios, MTV Trailblazer e Comedic Genius, acho desnecessários, uma vez que os vencedores não tem história o suficiente no cinema para justificar tal honraria. Shailene Woodley e Kevin Hart? Por que não Sharon Stone e Jim Carrey? Seria uma forma bacana de resgatar aos holofotes artistas importantes que já ganharam seus baldes de pipoca duas décadas atrás.

Bom, quanto aos resultados em si, gostei da premiação de Bradley Cooper. Ele tem se mostrado um ator cada vez mais versátil e que realmente se dedica aos papéis. Para viver o oficial da Marinha, Chris Kyle, ele fez intenso treinamento e conseguiu massa muscular para ficar igual à figura real de seu personagem. Particularmente, é um ator que me surpreendo a cada filme que vejo, ainda mais por conhecê-lo pela comédia Se Beber, Não Case. O prêmio aqui é merecido, mas vale lembrar que o filme de Clint Eastwood teve uma arrecadação espantosa nos EUA, ultrapassando a marca dos 350 milhões de dólares, atingindo certamente muitos dos internautas que votaram.

Bradley Cooper ganha seu balde de pipoca por Sniper Americano (photo by timeslives.co.za)

Bradley Cooper ganha seu balde de pipoca por Sniper Americano (photo by timeslives.co.za)

Gosto também da premiação de Shailene Woodley pelo trabalho em A Culpa é das Estrelas. Ela chegou a ser cogitada em várias listas de previews para a temporada de premiações de 2015. Descoberta por Alexander Payne em Os Descendentes (2011), felizmente a atriz não caiu na besteira de escolher papéis insignificantes e procura novos desafios em produções independentes como O Maravilhoso Agora (2013) e claro, pagar suas contas com o sucesso dos filmes da série Divergente.

Shailene Woodley recebe seu balde de pipoca por A Culpa é das Estrelas (photo by hollywoodlife.com)

Shailene Woodley recebe seu balde de pipoca por A Culpa é das Estrelas (photo by hollywoodlife.com)

VENCEDORES DO MTV MOVIE AWARDS 2015:

MOVIE OF THE YEAR
A Culpa é das Estrelas (The Fault in Our Stars)

BEST MALE PERFORMANCE
Bradley Cooper (Sniper Americano)

BEST FEMALE PERFORMANCE
Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)

BEST SCARED-AS-S**T PERFORMANCE
Jennifer Lopez (O Garoto da Casa ao Lado)

BEST DUO
Zac Efron e Dave Franco (Vizinhos)

BEST FIGHT
Dylan O’Brien vs. Will Poulter (Maze Runner: Correr ou Morrer)

BEST WTF MOMENT
Seth Rogen e Rose Byrne (Vizinhos)

BEST MUSICAL MOMENT
Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)

BEST ON-SCREEN TRANSFORMATION
Elizabeth Banks (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)

BEST HERO
Dylan O’Brien (Maze Runner: Correr ou Morrer)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE
Dylan O’Brien (Maze Runner: Correr ou Morrer)

BEST SHIRTLESS PERFORMANCE
Zac Efron (Vizinhos)

BEST KISS
Shailene Woodley e Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)

BEST VILLAIN
Meryl Streep (Caminhos da Floresta)

BEST COMEDIC PERFORMANCE
Channing Tatum (Anjos da Lei 2)

MTV TRAILBLAZER AWARD
Shailene Woodley

MTV GENERATION AWARD
Robert Downey Jr.

COMEDIC GENIUS
Kevin Hart

‘Boyhood’ e ‘O Grande Hotel Budapeste’ conquistam o Eddie Awards 2015

Oito momentos da vida de Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude, vencedor do Eddie Award (photo by http://staticvosf5b.lavozdelinterior.com.ar/sites/default/files/styles/landscape_642_366/public/nota_periodistica/boy)

Oito momentos da vida de Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude, vencedor do Eddie Award (photo by http://staticvosf5b.lavozdelinterior.com.ar/sites/default/files/styles/landscape_642_366/public/nota_periodistica/boy)

INDICADOS AO OSCAR DE MONTAGEM IMPULSIONAM SUA CAMPANHA

O sindicato de editores, ACE (American Cinema Editors), elegeu Boyhood: Da Infância à Juventude e O Grande Hotel Budapeste como melhores montagens nas categorias de Drama e Comédia ou Musical, respectivamente. Trata-se de um grande passo rumo ao Oscar, pois o vencedor do Eddie Awards costuma ser eleito também o Melhor Filme pela Academia pelo menos em sete oportunidades nos últimos 12 anos. E segundo as estatísticas favoráveis, dos últimos 34 anos, todo vencedor do Oscar de Melhor Filme recebeu indicação ao Eddie.

Claro que, por mais que esses números sejam promissores, não garantem estatueta nenhuma. Veja o caso por exemplo do ano passado: Christopher Rouse (Capitão Phillips) venceu com louvor o Eddie, mas perdeu para a enxurrada de prêmios de Gravidade. Embora ambos tenham trabalhado bem a questão da tensão, os cortes foram mais eficientes no sequestro do navio pelos piratas somalianos. E em 2012, Kevin Tent levou o Eddie por Os Descendentes, mas foi a dupla Kirk Baxter e Angus Wall que ganhou seu segundo Oscar consecutivo por Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres depois de faturar por A Rede Social.

A editora Sandra Adair de Boyhood (photo by austinchronicle.com)

A editora Sandra Adair de Boyhood (photo by austinchronicle.com)

Tanto Boyhood quanto O Grande Hotel Budapeste estão concorrendo ao Oscar de Montagem. Enquanto Sandra Adair teve de comprimir material bruto de 12 anos em um pouco menos de 3 horas de filme com o acerto de não inserir divisão de anos, Barney Pilling fez uma bela compilação de personagens sem perder o ritmo e extraindo humor de seus cortes. Se um desses trabalhos sair com o Oscar, a categoria estará bem representada, assim como o belo trabalho de edição de Tom Cross, por Whiplash: Em Busca da Perfeição. Como o filme é sobre música, ele se guia pela mesma para criar jump cuts para sincronizar as imagens com o áudio, mas de forma imperceptível.

Pela categorias de Animação, o Eddie foi para Uma Aventura Lego, enquanto de Documentário, Citizenfour se consagrou como o melhor, elevando um pouco mais suas chances no Oscar de Melhor Documentário. Gostaria de aproveitar e fazer uma espécie de crítica, pois a Academia não inclui montagens de documentários e animações na categoria. Talvez pela comodidade, só reconhece edições de ficções (dramas, comédias, musicais, policiais, suspenses etc), acumulando o reconhecimento todo desses dois gêneros para os Oscars de Melhor Documentário e Melhor Longa de Animação. Sei que tem muita gente que acha que a edição de documentário é tudo igual (estilo entrevista e imagens de arquivo), mas existem trabalhos bem inventivos do gênero como o dinamismo de Kurt Engfehr de Tiros em Columbine (2002), que utiliza até animação para explicar a História das armas nos EUA. Ou o mais recente O Ato de Matar (2012), que ousa ao reencenar o massacre da Indonésia em gêneros cinematográficos.

tumblr_nhksvp6Rg01r1uz65o1_1280

Segue lista completa dos vencedores do Eddie Awards 2015:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR MONTAGEM –  COMÉDIA OU MUSICAL
Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
David Burrows, Chris McKay (Uma Aventura Lego)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
Mathilde Bonnefoy (Citizenfour)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (TELEVISÃO)
Erik Ewers (The Roosevelts: An Intimate History) – Episódio 3: The Fire of Life

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE MEIA-HORA
Anthony Boys (Veep) – Episódio: “Special Relationship”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA COM COMERCIAL
Yan Miles (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA SEM COMERCIAL
Affonso Gonçalvez (True Detective) – Episódio: “Who Goes There”

MELHOR MONTAGEM – MINISSÉRIE OU FILME FEITO PARA TV
Adam Penn (The Normal Heart)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO ROTEIRIZADAS
Hugo Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown) – Episódio: “Iran”

MELHOR MONTAGEM DE ESTUDANTE
Johnny Sepulveda (Video Symphony)

George Clooney receberá o prêmio Cecil B. DeMille no Globo de Ouro 2015

George Clooney: homenageado aos 53 anos com Cecil B. DeMille award (photo by www.goldenglobes.com)

George Clooney: homenageado aos 53 anos com Cecil B. DeMille award (photo by http://www.goldenglobes.com)

Todo mundo tá careca de saber que prêmios pelo conjunto da obra são destinados a profissionais em fim de carreira, certo? Então por que raios estão premiando George Clooney??? Só porque o cabelo dele é grisalho não significa que ele está em fim de carreira!

Vamos analisar friamente: George está com seus 53 aninhos. Se estivéssemos no século XIX, ele estaria na taxa de mortalidade e mereceria tal prêmio. Mas aí você vai dizer: “Mas Jodie Foster recebeu o prêmio Cecil B. DeMille aos 50 anos!”. Pois é, mas ela começou a trabalhar quando ainda estava na barriga da mãe! Ela fazia propagandas aos 3 anos! Então, nesse quesito de tempo de trabalho, Georgie também não se encaixaria. Mas afinal, por que ele está recebendo esta homenagem?

Para bem ou para mal, o Globo de Ouro ficou marcado por seu lado bajulador em relação às celebridades. Só pra citar um exemplo bem recente, alguns especialistas defenderam essa característica da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood quando preferiram Jennifer Lawrence (a estrela do momento) a Lupita Nyong’o como Melhor Atriz Coadjuvante este ano.

Aliás, desde a época que acompanho a cerimônia do Globo de Ouro, ouço o crítico Rubens Ewald Filho falando: “O George Clooney é muito querido pela imprensa estrangeira, então eles gostam de retribuir dando prêmios”. Prova disso são os 4 Globos de Ouro que ele ganhou. Claro que não tenho absolutamente NADA contra George Clooney. Na verdade, considero-o um ator de ótimo carisma e homem de classe, mas também considero prematuro esse prêmio pelo conjunto da obra, pois está em pleno auge em Hollywood, tanto como ator como diretor.

George Clooney com um de seus Globos de Ouro (photo by latimesblogs.latimes.com)

George Clooney com um de seus Globos de Ouro (photo by latimesblogs.latimes.com)

Só para citar alguns nomes que ainda não ganharam o Cecil B. De Mille e que poderiam facilmente tomar o lugar de Clooney: os atores Julie Andrews, Julie Christie, Maggie Smith, Jane Fonda, Ellen Burstyn, Sally Field, Robert Duvall, Michael Caine e os diretores Mike Nichols, William Friedkin e Milos Forman. São artistas cujas carreiras já atingiram o ápice há algumas décadas e que mereceriam reconhecimento pelo histórico, fato que poderia incentivar uma nova alta na carreira como um papel coadjuvante importante num blockbuster como um filme da Marvel ou da série Jogos Vorazes.

Mas George é a bola da vez. No início, ficou conhecido como o pediatra Ace da série de TV E.R. (Plantão Médico), mas resolveu seguir carreira no cinema com filmes menores como o terror Um Drink no Inferno (1996) e a comédia romântica Um Dia Especial (1996) ao lado da musa Michelle Pfeiffer (que também poderia receber o Cecil B. De Mille!). No ano seguinte, vestiu o manto com mamilos do Homem-Morcego no vergonhoso Batman & Robin. Embora tenha sido um fracasso unânime, o ator saiu ileso das críticas, pois foi considerado melhor Bruce Wayne do que seu antecessor Val Kilmer.

Michelle Pfeiffer e George Clooney em Um Dia Especial (photo by free-movies.me)

Michelle Pfeiffer e George Clooney em Um Dia Especial (photo by free-movies.me)

Sua fama de galã foi crescendo nos anos seguintes, atingindo o auge na trilogia Onze Homens e um Segredo (2001). Embora tenha interpretado o mesmo papel de Frank Sinatra do original homônimo de 1960, George Clooney ganhou maiores comparações com Cary Grant. Como se não bastasse, passou a ganhar notoriedade como diretor, entregando títulos elogiados pela crítica e público como Confissões de uma Mente Perigosa (2002), Boa Noite e Boa Sorte (2005) e Tudo Pelo Poder (2011). Particularmente, em se tratando de atuação, voto na performance de Os Descendentes como sua melhor, por sair da sua zona de conforto, abdicando de seu posto de galã e se entregando aos sentimentos pela esposa em coma. Por esse trabalho, Clooney ganhou seu terceiro Globo de Ouro. Os anteriores foram por E Aí, Meu Irmão, Cadê Você? (2000) e Syriana – A Indústria do Petróleo (2005), além do 4º como produtor por Argo.

Definido Clooney como homenageado, pelo menos teremos garantia de um excelente discurso de agradecimento, repleto de humor e tons humanistas como aquele ótimo quando ganhou o Oscar de coadjuvante em 2006. Veja vídeo abaixo:

GEORGE CLOONEY E O GLOBO DE OURO

1996: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
1997: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
1998: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
2001: Vencedor de Melhor Ator – Comédia ou Musical (E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?)
2006: Indicado a Melhor Diretor (Syriana – A Indústria do Petróleo)
Indicado a Melhor Roteiro (Syriana – A Indústria do Petróleo)
2008: Indicado a Melhor Ator – Drama (Conduta de Risco)
2010: Indicado a Melhor Ator – Drama (Amor Sem Escalas)
2012: Vencedor de Melhor Ator – Drama (Os Descendentes)
Indicado a Melhor Diretor (Tudo Pelo Poder)
Indicado a Melhor Roteiro (Tudo Pelo Poder)
2013: Vencedor de Melhor Filme – Drama (Argo)

A cerimônia do 72º Globo de Ouro está marcada para 11 de janeiro de 2015, provavelmente pelo canal pago TNT. O evento terá o retorno das hostesses Tina Fey e Amy Poehler, que nesse ano, soltaram uma piada ácida: “Gravidade era “a história de como George Clooney prefere flutuar no espaço e morrer do que passar um minuto a mais com uma mulher com a sua idade”. Com certeza, terá uma réplica de Clooney…

‘Capitão Phillips’ conquista o Eddie Awards e pode ter garantido seu único Oscar

Tom Hanks e Barkhad Abdi no bote claustrofóbico de Capitão Phillips (photo by outnow.ch)

Tom Hanks e Barkhad Abdi no bote claustrofóbico de Capitão Phillips (photo by outnow.ch)

Com as ausências de Tom Hanks e seu diretor, Paul Greengrass, entre os indicados ao Oscar, as chances de Capitão Phillips tiveram queda expressiva, mesmo que tenha sido indicado a Melhor Filme. Contudo, na semana passada, o filme conquistou o prêmio de roteiro adaptado (WGA), e agora, o de montagem – drama no ACE – Eddie Awards, reconhecimento de extrema importância concedido pelo sindicato de montadores.

Excetuando o ano de 2012, quando a montagem de Kirk Baxter e Angus Wall (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres) bateu o vencedor do Eddie, Kevin Tent (Os Descendentes), o Oscar de montagem coincide desde 2002. Então nessa lógica, Capitão Phillips pode ter garantido seu único Oscar da noite para seu montador Christopher Rouse, uma vez que o WGA não contava com um dos favoritos: John Ridley (12 Anos de Escravidão).

Christopher Rouse recebe o Eddie de Leonardo DiCaprio (photo by)

Christopher Rouse recebe o Eddie de Leonardo DiCaprio (photo by deadline.com)

Colaborador assíduo de Paul Greengrass, Christopher Rouse está em sua 3ª indicação ao Oscar e já ganhou um pelo ótimo trabalho em O Ultimato Bourne (2007). Trata-se de um dos melhores montadores da atualidade, pois consegue criar tensão através de cortes rápidos, aliando-se ao material bruto de Greengrass repleto de “câmeras nervosas”. Em Capitão Phillips, assim que a abordagem dos piratas somalianos têm início, os cortes rápidos acompanham as ações desesperadas dos tripulantes a fim de evitar uma catástrofe até a cena final em que o conflito se resolve. Rouse não deixa o espectador respirar, fazendo com que o público sinta a mesma tensão que os personagens estão passando. A seqüência no bote é claustrofóbica e interminável, no bom sentido.

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) - photo by goldderby.com

MELHOR MONTAGEM – DRAMA

– Joe Walker (12 Anos de Escravidão)
• Christopher Rouse (Capitão Phillips)
– Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
– Eric Zumbrunnen, Jeff Buchanan (Ela)
– Mark Livolsi (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

Jennifer Lawrence em seu momento 'Live and Let Die' (photo by elfilm.com)

Jennifer Lawrence em seu momento ‘Live and Let Die’ (photo by elfilm.com)

Já na categoria de Comédia ou Musical, a dupla Jay Cassidy e Crispin Struthers (aliados a Alan Baumgarten) voltou a ganhar o mesmo prêmio do ano passado por O Lado Bom da Vida. Mérito também do roteiro do diretor David O. Russell, que possibilita a montagem quebra-cabeça policial, que destaca o plano genial do protagonista. Além disso, vale destacar também algumas seqüências musicadas por “Goodbye Yellow Brickroad” de Elton John, “How Can You Mend a Broken Heart” dos Bee Gees, e especialmente “Live and Let Die” de Paul McCartney, em que Rosalyn, personagem de Jennifer Lawrence, interage com a música do ex-beatle enquanto limpa a casa.

O trio Crispin Struthers, Jay Cassidy e Alam Baumgraten recebem o Eddie (photo by zimbio/getty images)

Da esquerda para direita: O trio Crispin Struthers, Jay Cassidy e Alam Baumgarten recebem o Eddie (photo by zimbio/getty images)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL

• Jay Cassidy, Crispin Struthers, Alan Baumgarten (Trapaça)
– Stephen Mirrione (Álbum de Família)
– Ethan Coen, Joel Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Kevin Tent (Nebraska)
– Thelma Schoonmaker (O Lobo de Wall Street)

Sonho de neve: O boneco Olaf em cena de Frozen: Uma Aventura Congelante (photo by elfilm.com)

Sonho de neve: O boneco Olaf em cena de Frozen: Uma Aventura Congelante (photo by elfilm.com)

Entre as animações, Frozen: Uma Aventura Congelante continua sua coleta de prêmios após o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards. A animação feita pela Disney (não confundir com Pixar) está quase atingindo a marca de 400 milhões de dólares em sua 11ª semana de exibição só nos EUA. Esses números encorajam os executivos a não ficarem tão dependentes das produções da Pixar.

Na categoria documentário, A Um Passo do Estrelato explora o universo dos backup singers que, embora fiquem atrás dos holofotes, são responsáveis pela harmonia de inúmeras bandas. Esse prêmio traz ainda mais equilíbrio à categoria no Oscar, pois The Square ganhou o DGA, enquanto O Ato de Matar, o European Film Awards.

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO

– Gregory Perler (Meu Malvado Favorito 2)
• Jeff Draheim (Frozen: Uma Aventura Congelante)
– Greg Snyder (Universidade Monstros)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

• Douglas Blush, Kevin Klauber, Jason Zeldes (A Um Passo do Estrelato)
– Eli B. Despres (Blackfish: Fúria Animal)
– Patrick Sheffield (Tim’s Vermeer)

A 86ª cerimônia do Oscar acontece no dia 02 de março e será transmitido pela TNT.

Cena de A Um Passo do Estrelato (photo by outnow.com)

Cena do documentário A Um Passo do Estrelato (photo by outnow.com)

‘Gravidade’ e ‘Trapaça’ lideram as indicações ao Oscar 2014

the-oscars

COM TODAS AS CATEGORIAS BEM PREENCHIDAS, HOUVE POUCO ESPAÇO PARA SURPRESAS, SEJAM AGRADÁVEIS OU INDESEJÁVEIS

OK. Depois de vários anos convidando atrizes para anunciar as indicações ao Oscar, as indicadas finalmente tiveram o prazer de terem seus nomes pronunciados pelo sotaque australiano de Chris Hemsworth. E pelo visto, o tom mais cômico e informal do ano passado criado pela dupla Seth MacFarlane e Emma Stone não deve ter agradado a todos. A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, retoma a presença da comissão oficial ao palanque. E a ordem alfabética dos indicados foi reestabelecida.

NÚMEROS DO OSCAR 2014

Os grandes recordistas de indicações este ano são Gravidade e Trapaça com 10 indicações. Logo atrás, 12 Anos de Escravidão vem com 9 indicações. Os três estão competindo nas principais categorias, entre elas: Melhor Filme e Diretor.

Nos últimos anos, o recorde de indicações no ano não tem significado garantia de Oscar de Melhor Filme. No ano passado, por exemplo, Lincoln teve 12 indicações e acabou chupando os dedos com apenas dois Oscars, enquanto Argo se tornou Melhor Filme com 7 indicações.

Com 6 indicações, temos Nebraska e Capitão Phillips. Com 5: O Lobo de Wall Street, Ela e Clube de Compras Dallas, seguidos por Philomena com 4.

SURPRESAS OU PEQUENAS ALTERAÇÕES NOS INDICADOS?

Apesar deste ano haver pouca chance para surpresas pelo elevada quantidade de competidores de alto nível, algumas trocas chegaram a surpreender. Contrariando o mais parelho de todos os prêmios, o DGA, Alexander Payne (Nebraska) substituiu Paul Greengrass (Capitão Phillips), denotando um prestígio colossal de Payne em Hollywood. Esta é sua 3ª indicação como diretor (foi indicado por Sideways e Os Descendentes), e já ganhou 2 vezes como roteirista (Sideways e Os Descendentes). Nebraska totaliza seis indicações e pode render o Oscar para o veterano Bruce Dern.

À direita, Alexander Payne dirige o veterano Bruce Dern em set de Nebraska. Ele conseguiu sua 3ª indicação como diretor (photo by www.collider.com)

À direita, Alexander Payne dirige o veterano Bruce Dern em set de Nebraska. Ele conseguiu sua 3ª indicação como diretor (photo by http://www.collider.com)

Aliás, em sua categoria de Mehor Ator, Tom Hanks (Capitão Phillips) foi cortado de última hora. Embora não tenha vencido nenhum prêmio expressivo por essa atuação, ele vinha figurando em quase todas as listas dos melhores de 2013. Hanks também fica de fora da categoria de coadjuvante pelo filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins. Recém-vitorioso no Globo de Ouro, Leonardo DiCaprio conseguiu sua 4ª indicação após ser ignorado pela Academia no ano passado por Django Livre.

Havia um certo hype para indicarem o galã veterano Robert Redford por Até o Fim, mas não se concretizou. Apesar de ser conhecido como ator, ele ganhou seu único Oscar como diretor em 1981 pelo drama Gente Como a Gente. Até o Fim (All is Lost) venceu o Globo de Ouro de Melhor Triha Musical, mas teve que se contentar com a única indicação para Melhores Efeitos Sonoros.

Já na ala feminina, a vencedora do Globo de Ouro, Amy Adams (Trapaça) finalmente obteve sua primeira indicação como Melhor Atriz. Suas quatro indicações anteriores foram sempre como Atriz Coadjuvante. Num ano em que teve três trabalhos em destaque (além de Trapaça, houve Ela e O Homem de Aço), sua indicação comprova essa extrema ascensão em Hollywood. Ela não é bem do tipo que se transforma fisicamente e sequer usa maquiagem para ficar mais feia (sim, ela sempre tem esse rostinho lindo de patricinha), mas ela sabe encarnar bem personagens bem distintos. Já foi garçonete, princesa, cozinheira e freira. Podia talvez ter modificado um pouco sua aparência para O Mestre, mas ela consegue entregar uma performance diferente num papel ameaçador que merecia mais tempo no filme de Paul Thomas Anderson.

Amy Adams em personagem no filme Trapaça. 1ª indicação como atriz principal (photo by www.collider.com)

Amy Adams em personagem no filme Trapaça. 1ª indicação como atriz principal (photo by http://www.collider.com)

E temos mais um novo recorde para Meryl Streep. 18ª indicação ao Oscar! Apesar de ter vencido há 2 anos por A Dama de Ferro, Meryl é sempre uma forte candidata mesmo quando sua personagem em Álbum de Família é grossa e amarga. Ela perdeu o Globo de Ouro para Amy Adams, mas consegue a vaga que poderia ter sido da britânica Emma Thompson (por Walt nos Bastidores de Mary Poppins). Aliás, o filme sobre a autora e criadora de Mary Poppins só não ficou totalmente de fora do Oscar 2014, porque a trilha musical de Thomas Newman salvou o filme do esquecimento.

Continuando nos atores, vale destacar a segunda indicação para o jovem Jonah Hill por O Lobo de Wall Street. Ele havia sido indicado anteriormente por O Homem que Mudou o Jogo na mesma categoria. Seu reconhecimento comprova o prestígio que Scorsese tem na direção de atores, pois se dependesse do currículo de comédias, dificilmente Hill teria chances no Oscar. Particularmente, adoro Jonah Hill em Superbad – É Hoje (2007), e me surpreendi com o amadurecimento do ator em tão pouco tempo. Sem 2012 ele tirou Albert Brooks da categoria, este ano ele tirou a boa atuação de Daniel Brühl (Rush: No Limite da Emoção), que vinha aparecendo em todas as listas de coadjuvante.

Jonah Hill conquista sua segunda indicação com apenas 30 anos (photo by movies.yahoo.com)

Jonah Hill conquista sua segunda indicação com apenas 30 anos (photo by movies.yahoo.com)

Entre as mulheres, havia uma forte pressão para que a Academia indicasse a estrela maior da TV americana, Oprah Winfrey por O Mordomo da Casa Branca, pois ela traria peso ao tapete vermelho do Oscar. Felizmente, os membros votantes não se intimidaram com a figura de Oprah e indicaram a britânica Sally Hawkins, por uma performance e personagens mais consistentes em Blue Jasmine.

Minha maior alegria foi ver duas produções estrangeiras concorrendo no Oscar de Melhor Animação: o japonês Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, e o francês Ernest & Celestine, de Benjamin Renner e Didier Brunner, comprovando a força da escola francesa de animação. Apesar de admirar os filmes da Pixar, acho que ultimamente eles não têm acertado na escolha dos projetos. Fazer sequências nem sempre é o melhor negócio. Universidade Monstros não concorre ao Oscar. Não sei se a vitória será de um dos estrangeiros, mas se tiver de ser americana, torço por Os Croods.

Ernest & Celestine (França) e Vidas ao Vento (Japão) fazem uma mini briga de filme estrangeiro na categoria de Animação pela primeira vez (www.cartoonbrew.com)

Ernest & Celestine (França) e Vidas ao Vento (Japão) fazem uma mini briga de filme estrangeiro na categoria de Animação pela primeira vez (www.cartoonbrew.com)

O musical dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, teve de se contentar com as indicações para Melhor Fotografia para Bruno Delbonnel e Melhor Som. Esperava-se que haveria pelo menos uma indicação para Melhor Canção Original, mas também ficou de fora. O filme teve boa aceitação da crítica, mas o público não abraçou o novo filme dos Coen. Em 2011, Bravura Indômita concorreu em 10 categorias, mas não ganhou nada.

Já a inclusão da comédia Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha na categoria Maquiagem foi uma surpresa. Tudo bem que já haviam indicado Norbit na mesma categoria alguns anos atrás, mas o tipo de humor pornográfico e escatológico dificilmente adentra as categorias do Oscar. Com certeza, a hostess Ellen DeGeneres fará alguma piada em cima disso…

À direita, Johnny Knoxville transformado no vovô politicamente incorreto de Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha (photo by www.geeksofdoom.com)

À direita, Johnny Knoxville transformado no vovô politicamente incorreto de Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha (photo by http://www.geeksofdoom.com)

Se o Oscar pode indicar um filme desses, por que não perdoar e acolher o fracasso comercial O Cavaleiro Solitário? Repleto de altas expectativas, o filme estreou no verão americano, mas não obteve boa resposta nas bilhererias. A Academia deu uma nova chance ao filme de Gore Verbinski arrecadar dinheiro, reconhecendo-o nas categorias de Maquiagem e Efeitos Visuais. Aliás, ele roubou a vaga dos efeitos digitais dos ótimos monstros de Círculo de Fogo.

Gostei também da indicação para William Butler e Owen Pallett para Trilha Musical Original por Ela. Trata-se de um importante reconhecimento para a música e a canção “The Moon Song” do mesmo filme. Essa aliança, que se repete depois de Onde Vivem os Monstros, reforça o prestígio que o diretor Spike Jonze tem com os artistas musicais Karen O e a banda Arcade Fire.

Na categoria de Filme Estrangeiro, na ausência do francês Azul é a Cor Mais Quente (desqualificado pelas regras da Academia), a briga deve ficar acirrada entre o dinamarquês A Caça e o italiano A Grande Beleza, que venceu o Globo de Ouro no último domingo. Contudo, o representante belga The Broken Circle Breakdown pode surpreender em caso de empate de votos. A indicação de The Missing Picture entra para a História como a primeira do Camboja. O filme ganhou o prêmio Un Certain Regard em Cannes em 2013.

Toni Servillo em cena de A Grande Beleza (photo by www.outnow.ch)

Toni Servillo em cena de A Grande Beleza (photo by http://www.outnow.ch)

A grande surpresa aqui é a exclusão de O Grande Mestre, de Wong Kar-Wai (Hong Kong), mesmo tendo conquistado indicações nas categorias técnicas de Fotografia e Figurino. É uma pena que Kar-Wai não tenha sido indicado, pois seria uma oportunidade rara de reconhecer um dos cineastas mais ousados das últimas duas décadas. Em sua filmografia, constam títulos como Amores Expressos, Feliz Juntos, Amor à Flor da Pele e 2046 – Os Segredos do Amor.

Tudo bem que a fotografia e o figurino são os campos em destaque de O Grande Mestre, mas e a indicação para Filme Estrangeiro? (photo by themovieblog.com)

Tudo bem que a fotografia e o figurino são os campos em destaque de O Grande Mestre, mas e a indicação para Filme Estrangeiro? (photo by themovieblog.com)

Na categoria de Documentário, a ausência de Histórias que Contamos (Stories We Tell), de Sarah Polley, foi a mais surpreendente, afinal venceu três grandes prêmios da crítica americana: National Board of Review, Los Angeles Film Critics Association e New York Film Critics Circle. Se alguém souber de um motivo oficial, por favor comente abaixo! O prêmio deve ficar entre O Ato de Matar e A Um Passo do Estrelato.

Pra quem perdeu ao vivo, confira o vídeo do anúncio dos indicados:

MELHOR FILME
Trapaça (American Hustle)
Capitão Phillips (Captain Phillips)
Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club)
Gravidade (Gravity)
Ela (Her)
Nebraska
Philomena
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuarón (Gravidade)
Steve McQueen (12 Anos de Escravidão)
Alexander Payne (Nebraska)
David O. Russell (Trapaça)
Martin Scorsese (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ATOR
Christian Bale (Trapaça)
Bruce Dern (Nebraska)
Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão)
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ
Amy Adams (Trapaça)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Sandra Bullock (Gravidade)
Judi Dench (Philomena)
Meryl Streep (Álbum de Família)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Bradley Cooper (Trapaça)
Michael Fassbender (12 Anos de Escravidão)
Jonah Hill (O Lobo de Wall Street)
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Sally Hawkins (Bue Jasmine)
Jennifer Lawrence (Trapaça)
Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Eric Warren Singer, David O. Russell (Trapaça)
Woody Allen (Blue Jasmine)
Craig Borten, Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas)
Spike Jonze (Ela)
Bob Nelson (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Richard Linklater, Julie Delpy, Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)
John Ridley (12 Anos de Escravidão)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

MELHOR FOTOGRAFIA
Philippe Le Sourd (O Grande Mestre)
Emmanuel Lubezki (Gravidade)
Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
Phedon Papamichael (Nebraska)
Roger Deakins (Os Suspeitos)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Judy Becker, Heather Loeffler (Trapaça)
Andy Nicholson, Rosie Goodwin (Gravidade)
Catherine Martin, Beverley Dunn (O Grande Gatsby)
K.K. Barrett, Gene Serdena (Ela)
Adam Stockhausen, Alice Baker (12 Anos de Escravidão)

MELHOR MONTAGEM
Alan Baumgarten, Jay Cassidy, Crispin Struthers (Trapaça)
Christopher Rouse (Capitão Phillips)
John Mac McMurphy, Martin Pensa (Clube de Compras Dallas)
Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
Joe Walker (12 Anos de Escravidão)

MELHOR FIGURINO
Michael Wilkinson (Trapaça)
William Chang Suk Ping (O Grande Mestre)
Catherine Martin (O Grande Gatsby)
Michael O’Connor (The Invisible Woman)
Patricia Norris (12 Anos de Escravidão)

MELHOR MAQUIAGEM
Adruitha Lee, Robin Mathews (Clube de Compras Dallas)
Steve Prouty (Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha)
Joel Harlow, Gloria Pasqua Casny (O Cavaleiro Solitário)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
John Williams (A Menina que Roubava Livros)
Steven Price (Gravidade)
William Butler e Owen Pallett (Ela)
Thomas Newman (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
Alexandre Desplat (Philomena)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Happy” – Pharrell Williams (Meu Malvado Favorito 2)
“Let It Go” – Robert Lopez, Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)
“Ordinary Love” – Bono, Adam Clayton, The Edge, Larry Mullen Jr. (Mandela: Long Walk to Freedom)
“The Moon Song” – Karen O, Spike Jonze (Ela)
“Alone Yet Not Alone” – Bruce Broughton, Dennis Spiegel (Alone Yet Not Alone)

MELHOR SOM
– Chris Burdon, Mark Taylor, Mike Prestwood Smith, Chris Munro (Capitão Phillips)
– Skip Lievsay, Niv Adiri, Christopher Benstead, Chris Munro (Gravidade)
– Christopher Boyes, Michael Hedges, Michael Semanick, Tony Johnson (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
– Skip Lievsay, Greg Orloff, Peter F. Kurland (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Andy Koyama, Beau Borders, David Bronlow (O Grande Herói)

MELHORES EFEITOS SONOROS
– Steve Boeddeker, Richard Hymns (Até o Fim)
– Oliver Tarney (Capitão Phillips)
– Glenn Freemantle (Gravidade)
– Brent Burge (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
– Wylie Stateman (O Grande Herói)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
– Timothy Webber, Chris Lawrence, David Shirk, Neil Corbould (Gravidade)
– Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton, Eric Reynolds (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
– Christopher Townsend, Guy Williams, Erik Nash, Daniel Sudick (Homem de Ferro 3)
– Tim Alexander, Gary Brozenich, Edson Williams, John Frazier (O Cavaleiro Solitário)
– Roger Guyett, Pat Tubach, Ben Grossmann, Burt Dalton (Além da Escuridão – Star Trek)

MELHOR ANIMAÇÃO
– Os Croods (The Croods)
– Meu Malvado Favorito (Despicable Me 2)
– Ernest & Celestine (idem)
– Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
– Vidas ao Vento (The Wind Rises)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
– The Broken Circle Breakdown (Bélgica)
– A Grande Beleza (Itália)
– A Caça (Dinamarca)
– The Missing Picture (Camboja)
– Omar (Palestina)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– O Ato de Matar (The Act of Killing), de Joshua Oppenheimer, Signe Byrge Sørensen
– Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling, Lydia Dean Pilcher
– Guerras Sujas (Dirty Wars), de Rick Rowley, Jeremy Scahill
– The Square (Al Midan), de Jehane Noujaim, Karim Amer
– A Um Passo do Estrelato (20 Feet from Stardom), de Morgan Neville

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
– CaveDigger, de Jeffrey Karoff
– Facing Fear, de Jason Cohen
– Karama Has No Walls, de Sara Ishaq
– The Lady in Number 6: Music Saved My Life, de Malcolm Clarke, Carl Freed
– Prison Terminal: The Last Days of Private Jack Hall, de Edgar Barens

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
– Feral, de Daniel Sousa, Dan Golden
– É Hora de Viajar, de Lauren MacMullan, Dorothy McKim
– Mr. Hublot, de Laurent Witz, Alexandre Espigares
– Possessions, de Shuhei Morita
– Room on the Broom, de Max Lang, Jan Lachauer

MELHOR CURTA-METRAGEM
– Aquel No Era Yo (That Wasn’t Me), de Esteban Crespo
– Avant Que De Tout Perdre (Just Before Losing Everything), de Xavier Legrand
– Helium, de Anders Walter
– Do I Have to Take Care of Everything?, de Selma Vilhunen
– The Voorman Problem, de Mark Gill

Rapidinhas de Cannes – Parte 2

A atriz Kristin Scott Thomas e o diretor Nicolas Winding Refn em coletiva do filme Only God Forgives em Cannes 2013

A atriz Kristin Scott Thomas e o diretor Nicolas Winding Refn em coletiva do filme Only God Forgives em Cannes 2013

Ok, estamos entrando na reta final do Festival de Cannes. Alguns filmes foram vaiados na exibição e devem ter suas chances reduzidas ao mínimo. Porém, vale ressaltar que nem sempre vaias significam que a qualidade do filme está abaixo da média, mas que dividiram o público, como foi o caso do polêmico A Árvore da Vida, de Terrence Malick, que acabou levando a Palma de Ouro em 2011.

No caso do novo trabalho do diretor dinamarquês Nicolas Winding Refn, Only God Forgives, resumidamente se tratou de um excesso de expectativas. O sucesso de Drive (prêmio de direção de Cannes 2011) comprovou que era possível realizar um filme de ação inteligente e com estilo, mas nem sempre o repeteco agrada. Assim como em Drive, temos um submundo do crime como cenário, personagens frios e cenas de violência extrema.

Na entrevista, Nicolas teria dado duas justificativas. A artística seria: “… grande arte — coisa horrível de se dizer — mas arte foi feita para dividir, porque senão não penetra, e se não penetra, você apenas a consome.” E a pessoal seria: “Não sou fã de filmes de pancadaria, mas estava passando por um período existencialista com a gravidez da minha mulher, que teve nossa segunda filha. Estava raivoso e agressivo sem explicação. Achei que era culpa de Deus. Como não conseguia canalizar esses sentimentos, fiz o filme”. Entretanto, a maioria da crítica presente em Cannes não ligou para a explicação do diretor. Um crítico do site Hollywood Elsewhere, por exemplo, soltou uma sentença mais cruel em relação ao filme: “…temos um diretor misericordioso que acha que qualquer coisa que ele caga vale o nosso tempo”.

Já na exibição do japonês Wara no Tate (Shield of Straw), digamos que foi um caso à parte, porque o diretor Takashi Miike já tem alguns parafusos soltos, o que o torna automaticamente uma incógnita em festivais. Seu maior sucesso foi um filme “para toda a família”: Itchi the Killer (2001), uma história de máfia japonesa que tem como centro um assassino psicótico reprimido que explora o sadomasoquismo. Obviamente sua escolha pelos organizadores do festival se apóia no nome do diretor e, quem sabe, causar certas controvérsias que possam destacar o evento nas mídias.

Wara no Tate, um dos únicos vaiados este ano em Cannes (photo by www.outnow.ch)

Wara no Tate, um dos únicos vaiados este ano em Cannes (photo by http://www.outnow.ch)

Contudo, o tiro saiu pela culatra. Wara no Tate acabou sendo vaiado por se assemelhar a um típico filme de ação hollywoodiano, gênero que sempre foi um pesadelo nessa roda de autores. “Eu acho que o cinema japonês perdeu a capacidade de fazer cenas espetaculares, então decidi me desafiar a fazer um filme de ação”, justificou Takashi Miike, que ainda foi duramente criticado por furos grotescos no roteiro policial. Apesar de não haver elementos do grotesco que costumam preencher seus filmes, este trabalho tem um mote inicial interessante, baseado no livro de Kazuhiro Kiuchi, no qual policiais têm a missão de transferir um assassino de uma menina para a prisão, mas sofrem pressão pela proposta financeira irrecusável do avô dela para matá-lo no trajeto.

Infelizmente, não tenho como opinar ainda sobre os filmes vaiados em questão, mas compartilho da perspectiva de Nicolas Winding Refn a respeito da unanimidade artística. Prefiro um cineasta que faça um filme ruim, mas que tentou realizar algo inovador, do que um bom filme que preencherá a massa da mesmice.

Infelizmente, os novos filmes de Asghar Farhadi, Le Passé (The Past), e de James Gray, The Immigrant, não agradaram a crítica. Enquanto o primeiro foi criticado pela repetição sem a mesma força da fórmula que deu certo em A Separação (vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro pelo Irã), o segundo apresentou um triângulo amoroso ingênuo que de certa forma desperdiça o talento do elenco formado por Joaquin Phoenix, Jeremy Renner e a musa Marion Cotillard.

Deixando as decepções de lado, a exibição de Behind the Candelabra foi um momento que pode entrar para a história, pois pode ser o último filme de Steven Soderbergh, pelo menos a ser lançado nos cinemas. Cansado de discutir com os grandes estúdios, que inclusive recusaram esse projeto por acharem “gay demais”, o diretor declarou sua aposentadoria precoce desse sistema hollywoodiano. “Se for meu último filme, saio orgulhoso do cinema”, revelou Soderbergh.

Michael Douglas literalmente brilha em Behind the Candelabra ao lado de Matt Damon. Chances no Oscar 2014?

Michael Douglas literalmente brilha em Behind the Candelabra ao lado de Matt Damon. Chances no Oscar 2014?

O filme que trata do caso de amor subversivo entre o pianista Lee Liberace e Scott Thorson, jovem 40 anos mais novo, foi bastante aplaudido pelo público, especialmente o nome de seu protagonista, Michael Douglas, o que lhe devolveu a auto-estima que perdeu ao longo dos anos e após a cura milagrosa do câncer na garganta que teve em 2012. “Vou agradecer eternamente a Steven (Soderbergh) e Matt (Damon)”, declarou um comovido Douglas. Com essas vitórias na tela e na vida pessoal, o ator pode ser lembrado pelo júri de Cannes e até ganhar um fôlego para o Oscar 2014.

Outro que já abre caminho para o prêmio da Academia é o diretor Alexander Payne, que retorna ao festival, pelo qual foi previamente indicado por As Confissões de Schmidt em 2002. Seu road movie intimista, Nebraska, que tem como personagem central um idoso que atravessa o país para exigir uma premiação de um milhão de dólares lembra o filme de David Lynch, A História Real (1999), no qual Richard Farnsworth atravessa os Estados Unidos de trator para reencontrar o irmão.

Bruce Dern e Will Forte em Nebraska, de Alexander Payne, um dos favoritos à Palma de Ouro (photo by www.outnow.ch)

Bruce Dern e Will Forte em Nebraska, de Alexander Payne, um dos favoritos à Palma de Ouro (photo by http://www.outnow.ch)

Payne, que já ganhou 2 Oscars de roteiro adaptado, tem ótima reputação também como diretor de atores. Em sua curta carreira, já foi responsável pelas indicações ao Oscar de Jack Nicholson e Kathy Bates (por As Confissões de Schmidt), Thomas Haden Church e Virginia Madsen (por Sideways – Entre Umas e Outras), e George Clooney (por Os Descendentes). Com Nebraska, ele resgata um ícone há muito sumido: o ator veterano Bruce Dern, considerado uma grande promessa dos anos 70 e 80 que não vingou. Antes mesmo do filme ser exibido em Cannes, Dern já contava com um burburinho forte para uma indicação ao Oscar 214, que seria a sua segunda depois de Melhor Ator Coadjuvante pelo drama Amargo Regresso (1978).

Já o concorrente francês com mais chances é um com cenas bem calientes e praticamente explícitas, o filme La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, aborda um caso de amor entre duas garotas. Jocelyne (Adèle Exarchopoulos, que arrancou elogios da crítica por sua coragem e entrega ao papel) é uma adolescente de 15 anos que seguia sua heterossexualidade até o dia em que grudou os olhos numa garota de cabelos azuis chamada Emma (a bela Léa Seydoux). Através dessa paixão relâmpago, ela passa a amadurecer como como mulher e como pessoa adulta.

Comparado a Stanley Kubrick por seu perfeccionismo nos enquadramentos milimétricos e nos incontáveis takes das filmagens (exaurindo as forças do elenco e da equipe à procura do 100% ideal), o diretor tunisiano Abdellatif Kechiche conquistou alguns prêmios no Festival de Veneza com os aclamados O Segredo do Grão (2007) e Vênus Negra (2010). Desta vez, ele tenta a sorte em Cannes e tem grandes chances na categoria de atuação feminina.

Blue is the Warmest Color: talvez seja quente demais para um conservador como Spielberg

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em Blue is the Warmest Color: talvez seja quente demais para um conservador como Spielberg (photo by http://www.outnow.ch)

Correndo por fora, o novo filme do italiano Paolo Sorrentino pode surpreender. Em sua quinta indicação à Palma de Ouro (sendo a última em 2011 pelo drama Aqui é o Meu Lugar com um Sean Penn à la Robert Smith do The Cure), o diretor teve seu filme aplaudido três vezes, tornando-o um forte concorrente na disputa. Ousado, La Grande Bellezza tece críticas à elite italiana, seja nos campos político, religioso, econômico e intelectual através de personagens que refletem figuras reais e dos diálogos afiados, lembrando a coragem de Federico Fellini em seus filmes-devaneio.

Embora La Grande Bellezza tenha um excesso de narrativa e peripécias técnicas, na hora de eleger o vencedor, o histórico de Sorrentino no festival pode contar muito a favor. Em suas cinco participações, só levou o Prêmio do Júri por Il Divo em 2008, que também chegou a concorrer pelo Oscar de Melhor Maquiagem.

Cena de La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino (photo by www.outnow.ch)

Cena de La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino (photo by http://www.outnow.ch)

Ainda faltam alguns filmes de autores consagrados como La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski, e Only Lovers Left Alive, de Jim Jarmusch, serem exibidos para que a seleção dos vencedores possa chegar à decisão derradeira do júri, que ocorre neste domingo, dia 26.

Particularmente, acredito que Steven Spielberg vai manter sua pose de bom mocinho e escolher filmes mais comportados. E Nebraska, de Alexander Payne, tem um potencial enorme se levarmos em conta sua história de relação entre pai e filho no coração da América. Os irmãos Coen podem ser compensados pelo prêmio de ator para Oscar Isaacs (Inside Llewyn Davis), enquanto muitos duvidam que a atriz Adèle Exarchopoulos (La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color)) possa ser reconhecida como interpretação feminina por Spielberg, o puritano. Vamos torcer para que sim…

‘Argo’ vence prêmios dos sindicatos de roteiristas e montadores

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

Mais dois prêmios divulgaram suas lista de vencedores: O Writers Guild of America (WGA) e o American Cinema Editors (Eddie). Enquanto o reconhecimento dos escritores se divide nas categorias Roteiro Original, Roteiro Adaptado e Documentário, o dos montadores abrange mais filmes ao criar as categorias de Musical ou Comédia,  Drama, Documentário e Animação.

Writers Guild of America

ROTEIRO ORIGINAL

• Mark Boal (A Hora Mais Escura)

– Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro)

– Paul Thomas Anderson (O Mestre)

– Wes Anderson, Roman Coppola (Moonrise Kingdom)

– John Gatlins (O Vôo)

ROTEIRO ADAPTADO

• Chris Terrio (Argo)

– David Magee (As Aventuras de Pi)

– David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

– Tony Kushner (Lincoln)

– Stephen Chbosky (As Vantagens de ser Invisível)

DOCUMENTÁRIO

– Ken Burns, David MacMahon, Sarah Burns (Central Park Five)

• Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)

– Kirby Dick (The Invisible War)

– Alex Gibney (Mea Maxima Culpa: Silence in the House of God)

– Brian Knappenberger (We Are Legion: The Story of the Hacktivists)

– Billy McMillin, Amy Berg (West of Memphis)

O WGA costuma servir de parâmetro para as respectivas categorias no Oscar. Em 2012, os vencedores coincidiram: Woody Allen levando Roteiro Original por Meia-Noite em Paris, e Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash conquistaram Roteiro Adaptado por Os Descendentes. Contudo, essa bola de cristal se quebra quando um roteirista não é filiado ao sindicato como aconteceu em 2011, quando David Seidler sequer foi indicado ao WGA, mas ganhou o Oscar por O Discurso do Rei.

O vencedor do WGA award de Melhor Roteiro Original, Mark Boal, por A Hora Mais Escura (photo by usatoday.com)

O vencedor do WGA award de Melhor Roteiro Original, Mark Boal, por A Hora Mais Escura (photo by usatoday.com)

Este ano, essa divergência pode se repetir, uma vez que Quentin Tarantino (Django Livre) nem consta na lista do WGA, mas pode levar o Oscar devido às controvérsias do filme A Hora Mais Escura, vencedor.

Apesar dessa importante vitória, há um receio de que as acusações de apologia à tortura possam atrapalhar a campanha de A Hora Mais Escura. O roteirista Mark Boal, também produtor do filme, tem buscado reverter o quadro com incontáveis entrevistas ao lado da diretora Kathryn Bigelow. Em nenhum momento o filme condiz com a tortura, mas nem por isso deixaria de retratá-la por ser uma parte das buscas ao inimigo nº 1 dos EUA.

Essa oposição, encabeçada pelos senadores John McCain (candidato do partido republicano à presidência norte-americana em 2008) e Diane Feirstein, acusa o filme de retratar uma mentira. Para eles, interrogatórios sob tortura com o objetivo de conseguir pistas valiosas sobre o paradeiro do líder terrorista Osama Bin Laden nunca aconteceram, e que os EUA nunca sujaram suas mãos para obterem pistas concretas essa caça que perdurou por mais de 10 anos.

Vencedor por Argo, Chris Terrio, com seu WGA award (photo by filmofilia.com)

Vencedor por Argo, Chris Terrio, com seu WGA award (photo in filmofilia.com by Getty Images)

Outro roteirista que se beneficiou bastante com esta vitória em relação ao Oscar foi Chris Terrio. A categoria de Roteiro Adaptado está acirradíssima, pois os candidatos a Melhor Filme do Oscar estão em disputa (Lincoln e O Lado Bom da Vida). Explorando uma excelente história verídica do resgate de seis diplomatas americanos do Irã, o roteirista estreante conseguiu manter a tensão do acontecimento sem deixar o filme pesado e chato.

Particularmente, acredito que o filme seria perfeito se mostrasse mais a produção do filme falso “Argo”. Assim como aconteceu na realidade, “Argo” nem deve ter iniciado as filmagens, mas como se trata de um filme inspirado em fatos reais, Chris Terrio poderia ter explorado mais essa inusitada situação de Hollywood no Irã filmando uma ficção científica. Mas Terrio já merece seu prêmio e espero que consiga repetir o feito na cerimônia da Academia.

Vencedor por Searching for Sugar Man, o diretor Malik Bendjelloul recebe prêmio WGA (photo by imdb.com)

Vencedor por Searching for Sugar Man, o diretor Malik Bendjelloul recebe prêmio WGA (photo by imdb.com)

Na categoria de documentário, Malik Benjelloul conquista outro importante prêmio rumo ao Oscar. Seu Searching Sugar Man vem comovendo crítica e público com sua busca pelo músico dos anos 70, Rodriguez, na África do Sul. Se ainda há alguma chance para os demais indicados, agora são mínimas.

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) - photo by goldderby.com

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) – photo by goldderby.com

American Cinema Editors

O Eddie Wards se trata também de um ótimo parâmetro para sua categoria no Oscar. Com exceção do ano anterior, quando Os Descendentes e O Artista perderam para Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres,  o vencedor coincide desde 2002.

Indicado ao Oscar em outras duas oportunidades por O Informante (1999) e Seabiscuit – Alma de Herói (2003), mas sem nenhuma vitória, o editor William Goldenberg tem mais duas chances de levar a estatueta por A Hora Mais Escura e Argo, levando o Eddie pelo último. Sua montagem oferece dinâmica ao moroso trabalho de resgate dos americanos do Irã, colabora bastante para o equilíbrio no misto de gêneros que a trama abrange, e gera muita tensão na sequência final, mesmo que o público já saiba do final da história.

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Única comédia a conquistar uma vaga no Oscar, O Lado Bom da Vida bateu seus concorrentes mais fortes: Os Miseráveis e Moonrise Kingdom no Eddie Awards, porém tem chances mínimas na disputa da Academia.

Pelo ótimo uso da montagem para criar humor, o trabalho de Andrew Weisblum foi muito mais importante para Moonrise Kingdom. O timing cômico gerado a partir de cortes secos merecia mais destaque nessas premiações e no próprio Oscar.

Já os prêmios das categorias Documentário e Animação só reforçam o favoritismo dos filme Searching for Sugar Man e Detona Ralph, respectivamente. Apesar de Detona Ralph ter conquistado boa parte dos reconhecimentos da categoria, ainda acredito que Frankenweenie pode ser uma excelente oportunidade de premiar um diretor tão criativo e querido como Tim Burton.

Seguem filmes indicados e premiados:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA

– William Goldenberg, Dyaln Tichenor (A Hora Mais Escura)

• William Goldenberg (Argo)

– Michael Khan (Lincoln)

– Stuart Baird (007 – Operação Skyfall)

– Tim Squyres (As Aventuras de Pi)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL

– Jeff Freeman (Ted)

• Crispin Struthers, Jay Cassidy (O Lado Bom da Vida)

– Chris Dickens, Melanie Oliver (Os Miseráveis)

– Andrew Weisblum (Moonrise Kingdom)

– Chris Gill (O Exótico Hotel Marigold)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

– Mark Magidson, Ron Fricke (Samsara)

• Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)

– Billy McMillin (West of Memphis)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO

– Joyce Arrastia (A Origem dos Guardiões)

– Robert Grahamjones, David Suther, Nicholas C.  Smith (Valente)

– Mark Solomon, Chris Lebenzon (Frankenweenie)

• Tim Mertens (Detona Ralph)

Cena do documentário premiado Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

Cena do documentário premiado Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

A 85ª cerimônia do Oscar será transmitida ao vivo pelo canal pago TNT no dia 24 de fevereiro.

Indicados ao Producers Guild e Writers Guild 2013

Adoro quando crianças prestam atenção aos filmes! Não, esta é uma criança holandesa... (Foto por Robin Utrecht/EFE)

Adoro quando crianças prestam atenção aos filmes! Não, esta é uma criança holandesa… (Foto por Robin Utrecht/EFE)

Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos! Happy New Year for everyone! Que 2013 seja infinitamente superior ao ano passado, especialmente na parte financeira, na qualidade crítica dos filmes em cartaz e na educação e bom senso dos frequentadores das salas de cinema! Bom, dito isso, vamos aos negócios!

Mal o ano começou e os sindicatos dos produtores e dos escritores divulgaram a lista de indicados ao prêmio. Em relação ao primeiro, em condições normais, os filmes presentes nessa lista costumam ter meio caminho andado para uma vaga na categoria Melhor Filme no Oscar.

O Producers Guild Awards já premia as produções fílmicas desde 1990. Seguindo as estatísticas, o reconhecimento serve como um bom parâmetro: dos 23 filmes premiados, 16 levaram o Oscar de Melhor Filme.

Curiosamente, os vencedores dos últimos cinco anos, repetiram o feito no Oscar: Onde os Fracos Não Têm Vez, Quem Quer Ser um Milionário?, Guerra ao Terror, O Discurso do Rei, e O Artista. Tudo leva a crer que o vencedor deste ano sairá com as duas estatuetas.

Segue a lista dos dez indicados ao PGA:

– Argo (Argo)

– Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)

– Django Livre (Django Unchained)

– Os Miseráveis (Les Misérables)

– As Aventuras de Pi (Life of Pi)

– Lincoln (Lincoln)

– Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)

– O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

– 007 – Operação Skyfall (Skyfall)

– A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)

Olhando a lista, duas grandes surpresas podem ser notadas. Apesar do filme ser bom, 007 – Operação Skyfall faz parte de uma franquia de 23 filmes que nunca foi muito popular em premiações, até mesmo porque houve épocas em que o personagem ficou caricato e supérfluo. Os filmes do agente secreto sempre ficaram restritas às categorias técnicas como de Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Canção. Contudo, como 007 – Operação Skyfall foi o primeiro da série a ultrapassar a barreira do bilhão nas bilheterias internacionais e tem sido bem elogiado pelos trabalhos do diretor Sam Mendes e do elenco, o filme pode conquistar mais do que indicações técnicas e canção (para Adele).

Com Daniel Craig, os filmes de James Bond atingiram um novo patamar nas bilheterias e com a crítica, sem abrir mão da tradição de Ian Fleming (foto por BeyondHollywood.com)

Com Daniel Craig, os filmes de James Bond atingiram um novo patamar nas bilheterias e com a crítica, sem abrir mão da tradição de Ian Fleming (foto por BeyondHollywood.com)

Por outro lado, a ausência de The Master deve ter sido bastante discutida entre os críticos e especialistas. De acordo c0m a temporada de premiação, o novo filme de Paul Thomas Anderson é típico daqueles “ame ou odeie”, o que não é novidade na curta filmografia do diretor. Anderson tem um estilo bastante frio e incomum, mas mesmo um cinéfilo descontente conseguiria distinguir alguma qualidade em seu trabalho. Alguns acreditam que o fato de ele mexer no tema (sagrado) da Cientologia, pode ter afundado seu barco antes de chegar ao Oscar (teoria da conspiração que também acredito). Resta saber se as prováveis indicações de seus atores Joaquin Phoenix, Philip Seymour Hoffman e Amy Adams podem resgatar o prestígio da produção no tapete vermelho.

Podem Joaquin Phoenix e os demais atores salvar The Master do esquecimento? (foto por BeyondHollywood.com)

Podem Joaquin Phoenix e os demais atores salvar The Master do esquecimento? (foto por BeyondHollywood.com)

Pode soar um comentário vazio, mas a lista do PGA se mostra bem consistente. Qualquer um dos dez têm chances reais de vitória. Entretanto, acho que o prêmio deve ficar entre Argo, Lincoln e A Hora Mais Escura, de acordo com o histórico de críticas e premiações.

Já o Writers Guild of America tem um histórico meio conturbado com a Academia. No WGA, regras rígidas desqualificam alguns roteiros que podem ganhar o Oscar em seguida. Em 2011, o roteiro de O Discurso do Rei sequer figurou na lista de indicados do WGA, mas levou Melhor Roteiro Original no Oscar. Além disso outros roteiros foram inelegíveis naquele ano simplesmente porque não foram escritos por membros do sindicato de roteiristas: Toy Story 3, Inverno da Alma e Namorados Para Sempre. Em 2012, felizmente os vencedores coincidiram: Roteiro Original para Woody Allen (Meia-Noite em Paris) e Roteiro Adaptado para Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash (Os Descendentes).

Seguem as listas dos indicados deste ano:

INDICADOS A ROTEIRO ORIGINAL

  • John Gatins (Flight)
  • Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro)
  • Paul Thomas Anderson (The Master)
  • Wes Anderson & Roman Coppola (Moonrise Kingdom)
  • Mark Boal (A Hora Mais Escura)

INDICADOS A ROTEIRO ADAPTADO

  • Chris Terrio (Argo); Baseado numa seleção de The Master of Disguise por Antonio J. Mendez e o artigo na revista Wired “The Great Escape” por Joshuah Bearman
  • David Magee (As Aventuras de Pi); baseado no romance de Yann Martel
  • Tony Kushner (Lincoln); baseado em partes do livro Team of Rivals: The Political Genius of Abraham Lincoln de Doris Kearns Goodwin
  • Stephen Chbosky (As Vantagens de Ser Invisível); baseado em seu livro
  • David O. Russell (O Lado Bom da Vida); baseado no romance de Matthew Quick

INDICADOS A ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

  • Sarah Burns, David McMahon e Ken Burns (The Central Park Five)
  • Kirby Dick (The Invisible War)
  • Alex Gibney (Mea Maxima Culpa: Silence in the House of God)
  • Malik Bendejelloul (Searching for Sugar Man)
  • Brian Knappenberger (We Are Legion: The Story of the Hacktivists)
  • Amy Berg & Billy McMillin (West of Memphis)

Na categoria de Roteiro Original, a briga deve ficar entre Paul Thomas Anderson (The Master) e Mark Boal (A Hora Mais Escura). Se o primeiro ganhar (assumindo que até lá o filme tenha conquistado várias indicações ao Oscar), Anderson pode finalmente comemorar seu primeiro Oscar da carreira. Agora, se Boal sair vitorioso, tem grandes chances de conquistar seu segundo Oscar (depois de Guerra ao Terror). O roteiro de A Hora Mais Escura sofreu alterações brutas devido à morte de Osama Bin Laden, uma vez que o projeto visava analisar a demora na captura do terrorista mais procurado do mundo.

Kathryn Bigelow ao lado do roteirista Mark Boal, responsáveis pela transformação do roteiro de A Hora Mais Escura (foto por OutNow.CH)

Kathryn Bigelow ao lado do roteirista Mark Boal, responsáveis pela transformação do roteiro de A Hora Mais Escura (foto por OutNow.CH)

Já em Roteiro Adaptado, Chris Terrio (Argo) e David O. Russell (O Lado Bom da Vida) saem na frente dos demais. O grande crédito do primeiro foi revirar o baú e encontrar essa história verídica fantástica. Só os fatos da história impressionam e carregariam um bom filme. Já o segundo consiste em transformar uma história aparentemente banal de relacionamentos humanos em algo excepcional com a ajuda de um elenco afiado.

Os personagens de John Goodman e Ben Affleck tramam  resgate dos diplomatas no Irã (foto por OutNow.CH)

Os personagens de John Goodman e Ben Affleck tramam resgate dos diplomatas no Irã em Argo (foto por OutNow.CH)

Em relação aos documentários, The Central Park Five tem boas chances por abordar um tema polêmico de acusação criminal sustentada por racismo em 1989. Mas vale ressaltar que a busca do paradeiro de um músico dos anos 70 de Searching for Sugar Man vem conquistando vários prêmios da categoria.

Cena do documentário Searching for Sugar Man, que procura respostas do paradeiro de um artista outrora consagrado (foto por OutNow.CH)

Cena do documentário Searching for Sugar Man, que procura respostas do paradeiro de um artista outrora consagrado (foto por OutNow.CH)

Aparentemente, os roteiros de Les Misérables e Django Livre ficaram de fora por questões de votação, e não por serem inelegíveis. Mas não devem ficar de fora do Oscar 2013…

Os vencedores do Producers Guild Awards serão anunciados no dia 26 de janeiro. Enquanto o Writers Guild divulgará a lista no dia 17 de fevereiro.

Vencedores do National Board of Review 2012

National Board of Review

Seguindo a escalada de prêmios de críticos americanos, depois do círculo de críticos de Nova York divulgarem sua lista, chegou a vez do National Board of Review que reconhece os melhores do ano desde 1930 e tem como destaque o seu tradicional Top 10.

Depois de conquistar os nova-iorquinos, o filme de guerra de Kathryn Bigelow, Zero Dark Thirty, levou mais este importante prêmio: Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Atriz para Jessica Chastain. Claro que, em se tratando de um filme tão bem comentado e agora, premiado, não deve ficar limitado à caça em si do líder terrorista do Al-Qaeda, Osama Bin Laden, considerado o inimigo público nº1 dos Estados Unidos após os ataques de 11 de Setembro de 2001. Juntamente com o roteirista Mark Boal, a diretora busca refletir sobre o mundo de hoje através da guerra, e deve ainda responder a questão: Capturar ou matar Bin Laden resolve a questão?

Ficou bastante claro que a morte de um ditador não aniquila toda uma ideologia de governo que ele plantara. Foi assim com a captura do líder iraquiano Saddam Hussein, e a morte do norte-coreano Kim Jong-Il. Sinceramente, não sei se rotulo o pensamento americano ao deduzir que eles acreditam que a eliminação de um rei resolveria os problemas. Na verdade, isso é um jeito republicano, ou melhor, um jeito bem western que acabar tudo com uma bala. Como Zero Dark Thirty deve estrear aqui só no dia 18 de janeiro, não temos como adivinhar, mas é possível que o filme levante questões mais profundas como essas. Além disso, existe a possibilidade da produção colocar um pouco mais de luz nos misteriosos eventos da morte do terrorista, cujo corpo foi jogado ao mar, levantando dúvidas sobre a identidade do cadáver.

Se no NYFCC Awards, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook) saiu de mãos abanando, aqui ele sai vitorioso com os prêmios de Melhor Ator para Bradley Cooper (desbancando o favoritismo de Joaquin Phoenix e Daniel Day-Lewis) e Melhor Roteiro Adaptado para David O. Russell. Curiosamente, esperava-se que Jennifer Lawrence levasse o prêmio de Melhor Atriz, que acabou nas mãos da ruiva Jessica Chastain por Zero Dark Thirty, confirmando o talento de Kathryn Bigelow como diretora de atores.

Jessica Chastain em Zero Dark Thirty (photo by beyondhollywood.com)

Jessica Chastain em Zero Dark Thirty (photo by beyondhollywood.com)

Falando em atores, Leonardo DiCaprio conta seu primeiro ponto oficial na corrida de Melhor Ator Coadjuvante ao vencer por Django Livre, novo filme de Quentin Tarantino. Além de ótimo criador de personagens e diálogos, Tarantino passa a amadurecer ainda mais seus métodos de direção de atores. Ao ver o trailer, achei a performance de DiCaprio divertida com aquele sotaque e caracterização, que em algum ponto se assemelha ao Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios.

Vale ressaltar a surpresa da vitória de Ann Dowd como Melhor Atriz Coadjuvante pelo filme independente Compliance (que ainda não tem título em português e nem previsão de estréia no Brasil). Antes mesmo da temporada de prêmios começar, o filme já vinha criando um burburinho próprio depois de passar pelo Festival de Locarno (Suíça). Baseado em fato reais, o longa narra a história de uma gerente de um restaurante de fast-food que recebe uma ligação anônima com informações de que uma de suas funcionárias seria uma ladra.

Ann Dowd como a gerente do fast-food em Compliance (foto por Outnow.ch)

Ann Dowd como a gerente do fast-food em Compliance (foto por OutNow.CH)

Outra surpresa foi a vitória de Detona Ralph como Melhor Animação, batendo o franco-favorito Frankenweenie, de Tim Burton. Já o filme político de Ben Affleck, Argo, ficou com uma espécie de prêmio de consolação: o Special Achievement in Filmmaking. Havia também uma expectativa de que o musical de Tom Hooper, Les Misérables, levasse algo além de Melhor Elenco.

Nas categorias de estréias, o independente Indomável Sonhadora levou dois prêmios: Atriz Revelação para a pequena Quvenzhané Wallis, e Diretor Estreante para Benh Zeitlin. Existe a forte possibilidade dessa dupla conseguir indicações ao Oscar, além de Melhor Fotografia pelo apuro visual. Já o outro independente bem recebido, Moonrise Kingdom, de Wes Anderson, acabou ficando apenas entre os dez melhores filmes independentes.

Cena de Indomável Sonhadora (foto por Outnow.ch)

Cena de Indomável Sonhadora (foto por OutNow.CH)

Apesar de não ser o representante brasileiro por se tratar de uma co-produção entre França, Reino Unido, Estados Unidos e Brasil, o road-movie Na Estrada, dirigido pelo diretor brasileiro Walter Salles, foi incluso na lista das 10 melhores produções independentes. O longa também foi indicado à Palma de Ouro no último Festival de Cannes.

Segue lista completa dos premiados pelo National Board of Review:

MELHOR FILME:  ZERO DARK THIRTY, de Kathryn Bigelow
MELHOR DIREÇÃO: Kathryn Bigelow, ZERO DARK THIRTY
MELHOR ATOR: Bradley Cooper, O LADO BOM DA VIDA
MELHOR ATRIZ: Jessica Chastain, ZERO DARK THIRTY
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Leonardo DiCaprio, DJANGO LIVRE
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Ann Dowd, COMPLIANCE
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Rian Johnson, LOOPER: ASSASSINOS DO FUTURO
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: David O. Russell, O LADO BOM DA VIDA
MELHOR ANIMAÇÃO: DETONA RALPH, de Rich Moore
Special Achievement in Filmmaking: Ben Affleck, ARGO
ATOR REVELAÇÃO: Tom Holland, O IMPOSSÍVEL
ATRIZ REVELAÇÃO: Quvenzhané Wallis,  INDOMÁVEL SONHADORA
DIRETOR ESTREANTE: Benh Zeitlin, INDOMÁVEL SONHADORA
MELHOR FILME ESTRANGEIRO:  AMOUR, de Michael Haneke
MELHOR DOCUMENTÁRIO: SEARCHING FOR SUGAR MAN, de Malik Bendjelloul
William K. Everson Film History Award: 50 ANOS DOS FILMES DE JAMES BOND
MELHOR ELENCO: LES MISÉRABLES, de Tom Hooper
Spotlight Award: John Goodman (ARGO, FLIGHT, PARANORMAN, CURVAS DA VIDA)
NBR Freedom of Expression Award: CENTRAL PARK FIVE, Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon
NBR Freedom of Expression Award: PROMISED LAND, de Gus Van Sant

TOP FILMES (em ordem alfabética)

ARGO, de Ben Affleck
INDOMÁVEL SONHADORA, de Benh Zeitlin
DJANGO LIVRE, de Quentin Tarantino
LES MISÉRABLES, de Tom Hooper
LINCOLN, de Steven Spielberg
LOOPER: ASSASSINOS DO FUTURO, de Rian Johnson
AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL, de Stephen Chbosky
PROMISED LAND, de Gus Van Sant
O LADO BOM DA VIDA, de David O. Russell

TOP 5 FILMES ESTRANGEIROS

BARBARA, de Christian Petzold (Alemanha)
INTOCÁVEIS, de Olivier Nakache e Eric Toledano (França)
O GAROTO DE BICICLETA, de Jean-Pierre e Luc Dardenne (Bélgica)
NO, de Pablo Larraín (Chile)
WAR WITCH, de Kim Nguyen (Canadá)

Barbara, de Christian Petzold, da Alemanha.

Barbara, de Christian Petzold, da Alemanha (foto por OutNow.CH)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS

AI WEIWEI: NEVER SORRY, de Alison Klayman
DETROPIA, de Heidi Ewing e Rachel Grady
THE GATEKEEPERS, de Dror Moreh
THE INVISIBLE WAR, de Kirby Dick
ONLY THE YOUNG, de Elizabeth Mims e Jason Tippet

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES

A NEGOCIAÇÃO, de Nicholas Jarecki
BERNIE, de Richard Linklater
COMPLIANCE, de Craig Zobel
MARCADOS PARA MORRER, de David Ayer
HELLO I MUST BE GOING, de Todd Louiso
LITTLE BIRDS, de Elgin James
MOONRISE KINGDOM, de Wes Anderson
NA ESTRADA, de Walter Salles
QUARTET, de Dustin Hoffman
SLEEPWALK WITH ME, de Mike Birbiglia

Sam Riley, Kristen Stewart e Garrett Hedlund em Na Estrada, de Walter Salles

Sam Riley, Kristen Stewart e Garrett Hedlund em Na Estrada, de Walter Salles

Apesar do National Board of Review não poder ser considerado um bom parâmetro para o Oscar, no ano passado, suas escolhas coincidiram nas categorias de Ator Coadjuvante (Christopher Plummer), Roteiro (Os Descendentes), Filme Estrangeiro (A Separação) e Animação (Rango).

As indicações ao Oscar serão anunciadas no dia 10 de janeiro de 2013, 3 dias antes da cerimônia do Globo de Ouro.

Vencedores do Oscar 2012

Turma de O Artista: virada no Oscar

Ok, confesso. Não fui tão bem nas minhas previsões do Oscar este ano. Mas pelo menos ganhei o bolão da minha turma! Das 20 categorias que postei aqui, acertei apenas 9. Como iria adivinhar que o filme A Invenção de Hugo Cabret iria morrer na praia? Começou ganhando tudo e depois foi entregar tudo de mão beijada para O Artista! Pena que não postei minhas apostas para os curtas. Acertei todos os 3: curta, curta-documentário e curta de animação!

Billy Crystal: Talvez esteja na hora de se aposentar do Oscar?

Bom, antes de começar a comentar os resultados, não curti tanto o Billy Crystal. Ele está meio enferrujado nas músicas e na língua, que era mais afiada antes. Não acreditei que ele fosse cantar “It’s aaaaa wonderful night for Oscar! Oscar! Oscar! Who will win?” com 9 (nove!) filmes indicados a Melhor Filme, mas no fim nem fez tanta diferença porque foi tudo muito rápido. Não é de hoje que defendo a volta de Jon Stewart (do Daily Show), que apresentou muito bem em 2006 e 2008. Também gostaria de ver a Ellen DeGeneres pelo menos mais uma vez. Mas dá pra dar um desconto para o Billy Crystal porque ele foi chamado às pressas para substituir Eddie Murphy, que teve que pular fora do barco por causa do cabeça-oca do Brett Ratner, ex-produtor do Oscar que andou falando mais do que devia em programas de entrevistas.

Mas minha maior crítica talvez seja a produção do Oscar em si. Achei que o produtor Brian Grazer estava tão preocupado em respeitar o horário do show que esqueceu dos demais atrativos. Sabe aquela expressão “by the book”? A cerimônia em si ficou quadrada e fraquinha. Nem sequer teve bons clipes (aquele da opinião de O Mágico de Oz tinha boa intenção, mas parou por aí), os diálogos dos apresentadores estavam batidos e aquele número do Cirque du Soleil estava parecendo um repeteco genérico de 2002. Poxa, custava fazer algo mais inovador? Ah sim, tinha as moças jeitosas (cigarette girls) servindo saquinhos de pipocas nos corredores! Aliás, vou repassar essa ótima idéia para a Rede Cinemark (que é “muito mais que cinema”).

Ok, vamos aos resultados. O balanço final ficou assim:

O Artista e A Invenção de Hugo Cabret empataram com 5 Oscars, sendo que o primeiro ficou com os principais prêmios da noite.

Direção de Arte esplendorosa de Hugo: recriação e criação

A Dama de Ferro com 2 Oscars.

Os Descendentes, Histórias Cruzadas, Meia-Noite em Paris, Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres, Toda Forma de Amor, Rango, A Separação e Os Muppets todos levaram uma estatueta para casa, confirmando assim uma espécie de distribuição democrática de prêmios.

Talvez os maiores perdedores da noite foram o filme de beisebol, O Homem que Mudou o Jogo, e o drama bélico, Cavalo de Guerra, que saíram de mãos vazias da cerimônia. As duas produções são boas e não mereciam ficar de fora do Oscar democrático. Enquanto o filme de Brad Pitt tinha um roteiro forte com diálogos rápidos e bons atores, o filme de Spielberg tem um classicismo à la John Ford que ressalta a boa e velha catarse com uma bela fotografia e enquadramento do pôr-do-sol. Porém, em ambos os casos, acabaram não ganhando porque tiveram fortes concorrentes em suas categorias.

A fotografia intimista de A Árvore da Vida

Apesar de ter gostado de A Invenção de Hugo Cabret, não concordo em tanto reconhecimento técnico. Por exemplo, gosto da fotografia, mas não dava para esnobar o trabalho de Emmanuel Lubezki em A Árvore da Vida. Não somente pelo aspecto National Geographic das cenas da Natureza, mas pela forma intimista que Lubezki trata a família, como uma espécie de entidade divina, que faz com que o filme de Malick seja interpretado desta maneira. Além disso, os efeitos visuais de Planeta dos Macacos: A Origem mereciam o prêmio pelo ótimo realismo dos personagens símios (e seria uma excelente forma de compensar toda a série e o trabalho excepcional de maquiagem). E para finalizar, o Oscar de som poderia ter ido para Cavalo de Guerra, que trabalha minuciosamente os sons dos armamentos da Primeira Guerra Mundial.

Já a direção de arte de A Invenção de Hugo Cabret é um trabalho primoroso de Dante Ferretti e Francesca LoSchiavo, pois consegue recriar os sets de filmagens de Georges Méliès de forma majestosa e cria toda uma estação de trem da Paris dos anos 30. Esse Oscar ninguém tirava…

Meryl Streep e o Oscar: feitos um para o outro.

Se a cerimônia em si foi meio previsível, pelo menos duas surpresas me agradaram bastante. Quer dizer, não dá pra classificar exatamente como “surpresa”, mas acho que a vitória de Woody Allen e Meryl Streep me agradaram bastante. Até pouco antes de começar o Oscar, achava que a Viola Davis roubaria a 3ª estatueta de Meryl Streep, mas felizmente eu estava errado. Até a Meryl Streep estava mais confiante desta vez, usando um vestido todo dourado! Mas parabéns a ela, pois trata-se de uma das maiores e melhores atrizes em atividade no mundo. Espero que ela consiga ganhar um quarto ou quinto Oscar, pois a longevidade de sua carreira muito se assemelha à recordista do Oscar de atriz: a grande Katharine Hepburn, vencedora 4 vezes como melhor atriz.

E Woody Allen sempre é uma boa surpresa. Mesmo que seja um outsider e não goste de marcar presença em premiações (apesar que ele estava presente no último Festival de Cannes), o cineasta é muito querido pelo seu público e com este filme, Meia-Noite em Paris, ele consegue atingir uma gama ainda maior de espectadores com a sua inatingível paixão por Paris e por seus escritores. Gostaria muito de ter visto Woody recebendo o prêmio, sendo aplaudido de pé por todos e dando um discurso belíssimo e bem-humorado. Mas seu filme já faz isso por ele e nós, cinéfilos, só temos que agradecer à Academia por premiá-lo depois de tanto tempo.

Asghar Farhadi recebendo o 1º Oscar do Irã das mãos da poliglota Sandra Bullock

Jean Dujardin, Octavia Spencer e Christopher Plummer confirmaram seus favoritismos, assim como o diretor Michel Hazanavicius. Rango e o iraniano A Separação também ganharam em suas categorias e merecidamente. Aliás, foi a primeira produção iraniana a ganhar um Oscar! Quem diria? O cinema iraniano pode não ter grandes recursos, estrelas e nem trabalho de direção de arte (pois segue a escola neo-realista italiana), mas tem bons atores e um intenso roteiro. Pode soar banal dizer isso, mas são justamente os problemas do cinema brasileiro. Ok, temos um ótimo Tropa de Elite 2, Cidade de Deus, Central do Brasil e outros filmes bons, mas ainda há muito a progredir. Como muitos filmes ainda dependem demais da captação de recursos de leis de incentivo e de empresas, o cinema fica restrito à opinião de terceiros para que saia do papel. Então, materiais mais alternativos como filmes de terror, suspense, fantasia, épicos são poucos ou quase inexistentes no cenário nacional. Espero e torço para que filmes mais ousados consigam recursos e que criem escolas de atuação PARA CINEMA, pois o que me incomoda são atores “globais” atuando no cinema como se estivessem fazendo novela, com caras e bocas! Isso precisa parar. São dois meios de comunicação completamente diferentes.

Jim Henson e seus filhos

E fazendo um adendo, infelizmente, a canção de Rio não ganhou. Perdemos para os Muppets! A canção deles não era tão boa, mas entendo que a Academia queria premiar o legendário e falecido criador dos Muppets, Jim Henson, que foi o pioneiro em produções envolvendo bonecos como Labirinto – A Magia do Tempo.

Bom, mas voltando aos vencedores, gostei que a Academia premiou 2 ótimos filmes que tratam justamente do Cinema em seus primórdios. Enquanto A Invenção de Hugo Cabret presta uma bela homenagem ao pioneiro dos efeitos visuais, Georges Méliès, através de um filme em 3D, o filme francês O Artista discute os efeitos da chegada do som no cinema mudo, sempre valorizando um cinema de qualidade independente dos recursos técnicos, deixando nítido uma crítica em relação ao cinema atual, repleto de pirotecnias, efeitos de computador e estrelas, mas vazios de conteúdo. A Academia pode ser considerada muito conservadora, mas nesse aspecto de apoiar filmes que têm essa perspectiva sai ganhando pontos valiosos de nós, cinéfilos e espectadores de Cinema.

E fechando, os vestidos do tapete vermelho do Oscar:

Jessica Chastain: acertou em tudo...

Jessica Chastain não acertou só no vestido. Acertou nos cabelos um pouco presos (valorizando seu belo cabelo ruivo) e seus brincos. A cor preta do vestido valoriza sua pele bastante alva e os bordados em dourado dão o tom de festa. Não sou especialista em moda, mas da minha opinião masculina, a atriz foi a mais bela do tapete vermelho. Um essshpetáculo!!!

... e errou tudo: Viola Davis

E por outro lado, quem errou completamente em tudo foi a atriz Viola Davis. Não entendi até agora seu traje. Seu vestido a deixou com um ar meio vulgar por deixar seus seios muito… (caham!) cheios e à mostra. E seu cabelo curtinho e tingido de uma cor que não combina com nada ficou muito bizarro… Ok, eu cheguei a cogitar uma defesa para Viola. Quem sabe ela não está filmando uma produção em que a personagem dela tem esse cabelo? Sim, é possível, mas mesmo assim, acho que cabia uma peruquinha ou aplique, não? Sinto muito, Viola Davis. Você é uma excelente atriz, mas está precisando de uma consultora de moda urgente!

Lista dos vencedores do Oscar 2012:

Christopher Plummer é como vinho: Melhora com o tempo

Melhor Filme: O Artista (The Artist)

Melhor Atriz: Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Melhor Ator: Jean Dujardin (O Artista)

Melhor Atriz Coadjuvante: Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Ator Coadjuvante: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Melhor Diretor: Michel Hazanavicius (O Artista)

Melhor Edição: Millennium – Os Homens Que Não Amavam as Mulheres

Melhor Documentário: Undefeated, de Daniel Lindsay, T.J. Martin e Rich Middlemas

Melhor Animação: Rango, de Gore Verbinski

Melhor Trilha Musical: O Artista, Ludovic Bource

Melhor Canção Original: Man or Muppet, Os Muppets (Bret McKenzie)

Melhor Roteiro Original: Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Melhor Roteiro Adaptado: Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash (Os Descendentes)

Melhor Som: A Invenção de Hugo Cabret

Melhor Efeitos Sonoros: A Invenção de Hugo Cabret

Melhores Efeitos Visuais: A Invenção de Hugo Cabret

Melhor Documentário-Curta: Saving Face

Melhor Curta-Metragem: The Shore, de Terry George e Oorlagh George

Melhor Curta-Metragem de Animação: The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, de William Joyce, Brandon Oldenburg

Melhor Filme Estrangeiro: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

Melhor Maquiagem: A Dama de Ferro

Melhor Figurino: O Artista, Mark Bridges

Melhor Direção de Arte: A Invenção de Hugo Cabret, Dante Ferretti e Francesco LoSchiavo

Melhor Fotografia: A Invenção de Hugo Cabret, Robert Richardson

Alexander Payne saiu com o Oscar de Roteiro Adaptado: mericidíssimo!