‘LADY BIRD’ surpreende e conquista críticos de NOVA YORK

Lady Bird 2.jpg

Saoirse Ronan consola Laurie Metcalf em cena de Lady Bird, de Greta Gerwig (pic by cine.gr)

CRÍTICOS APROVAM E APOIAM CINEMA INDEPENDENTE FEMININO DE GRETA GERWIG

Na última quinta-feira, dia 30, os críticos de Nova York divulgaram sua lista de melhores do ano.  Embora o novo filme de Greta Gerwig, Lady Bird, já ser conhecido por muitos, sua vitória no New York Film Critics Circle (NYFCC) não era prevista, já que a maioria apostava em Me Chame Pelo Seu Nome, Corra! ou Projeto Flórida. Vencedor dos prêmios de Melhor Filme e Melhor Atriz para Saoirse Ronan, o filme ganha fôlego para entrar na temporada de premiações.

Apesar da pouca idade (34), a atriz Greta Gerwig já trabalhou com bons diretores em sua filmografia de 25 filmes. Só para citar alguns nomes: Woody Allen, Barry Levinson, Todd Solondz, Pablo Larraín, Mike Mills e Noah Baumbach, com quem trabalhou em três longas e também mantém relacionamento desde 2011. Por isso, para quem a acompanha, seu amadurecimento como diretora não é exatamente uma surpresa. Ela vem recebendo elogios e ganhando pontos por sua visão bastante feminina do universo retratado em Lady Bird, algo que tem sido cada vez mais exigido na indústria cinematográfica dominada por homens.

Além dessa escolha, os críticos de Nova York resolveram quebrar umas barreiras históricas. Pela primeira vez, desde 1936, o prêmio de Fotografia foi para uma mulher. A diretora de fotografia Rachel Morrison foi reconhecida por seu trabalho em Mudbound, da diretora Dee Rees, que retrata a Mississippi escravista do pós-guerra. Como se trata de uma produção da Netflix, resta saber se teremos como apreciar esta bela fotografia em tela grande.

mudbound photo.jpg

Fotografia de Rachel Morrison em Mudbound. Primeira mulher a vencer na categoria. Pic by cine.gr

 

Ainda no campo histórico, elegeram Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome) como Melhor Ator, o mais novo ator a vencer com 21 anos de idade. Essa vitória nos faz pensar se sua campanha vai se tornar uma indicação ao Oscar, ou vai acabar morrendo na praia, já que a Academia não costuma indicar jovens atores na categoria de Ator que é bastante disputada.

Timothée Chalamet Call me

Timothée Chalamet se tornou o ator mais jovem a vencer em NYFCC. Pic by outnow.ch

Contudo, se formos eleger uma surpresa, esta seria o nome de Tiffany Hadish. Quem? Com um pouco de pesquisa, é possível confirmar que a atriz tem larga experiência com comédias, desde séries, talk shows e filmes, portanto ela tem bom timing cômico. Ela vem se especializando em projetos com artistas negros, incluindo este Viagem das Garotas, que atua com Queen Latifah, Jada Pinkett Smith e Regina Hall. É a primeira vez que o nome da atriz surge na temporada de premiações, e surpreende por se tratar de uma comédia (daquelas de dar risada, não de humor, gênero bastante incomum para a crítica). Se seu nome parar nas listas do Globo de Ouro e/ou SAG, sua campanha pode avançar e ela pode se tornar uma indicada incomum como Melissa McCarthy por Missão Madrinha de Casamento.

Girls Trip

À esquerda, Tiffany Hadish ao lado de Regina Hall, Queen Latifah e Jada Pinkett Smith em Viagem das Garotas (pic by outnow.ch)

Para Ator Coadjuvante, o NYFCC elegeu Willem Dafoe por Projeto Flórida. O ator já havia vencido o National Board of Review há pouco tempo. O filme também levou o prêmio de Diretor para Sean Baker.

E vale lembrar que a jovem Saoirse Ronan levou seu segundo prêmio de Atriz em três anos pelos críticos nova-iorquinos. O primeiro foi por sua bela performance em Brooklyn (2015).

As vitórias da animação Viva – A Vida é uma Festa e do filme francês 120 Batimentos por Minuto vão consolidando suas campanhas rumo ao favoritismo nas categorias de Longa de Animação e Filme em Língua Estrangeira, respectivamente. E curiosamente, o vencedor de documentário é co-dirigido pela cineasta belga Agnès Varda, que foi recentemente homenageada pela Academia com o Oscar Honorário.

Visages Villages.jpg

Agnès Varda e JR em cena do documentário Faces Places. Pic by outnow.ch

VENCEDORES DO NYFCC 2017:

MELHOR FILME
Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird), de Greta Gerwig

MELHOR DIRETOR
Sean Baker (Projeto Flórida)

MELHOR ATRIZ
Saoirse Ronan (Lady Bird)

MELHOR ATOR
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Willem Dafoe (Projeto Flórida)

MELHOR ROTEIRO
Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)

MELHOR FOTOGRAFIA
Rachel Morrison (Mudbound)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
120 Batimentos Por Minuto (BPM (Beats Per Minute)), de Robin Campillo – FRANÇA

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Viva – A Vida é uma Festa (Coco), Lee Unkrich e Adrian Molina

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
Corra! (Get Out), de Jordan Peele

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Faces Places (Visages, Villages), de Agnès Varda e JR

PRÊMIO ESPECIAL PELO CONJUNTO DA OBRA
Molly Haskell – por sua carreira como crítica de notável voz feminina do Village Voice e do New York Magazine.

***

A cerimônia está marcada para o dia 03 de janeiro em Nova York, e será dedicada ao crítico Richard Schickel, falecido em fevereiro.

Anúncios

Novo filme de Spielberg, ‘THE POST’, leva MELHOR FILME no NATIONAL BOARD OF REVIEW

The Post

Tom Hanks divide cena com Meryl Streep em The Post (pic by outnow.ch)

GRUPO TRADICIONAL FORMADO POR CINÉFILOS, ACADÊMICOS E CINEASTAS DÁ UMA FORCINHA PARA ‘THE POST’, QUE PERMANECIA UMA INCÓGNITA

O que acontece quando Steven Spielberg, Meryl Streep e Tom Hanks se juntam no mesmo projeto? Cheirinho de Oscar, certo? O National Board of Review resolveu dar uma forcinha para The Post, já que até então, o novo filme de Spielberg era considerado uma incógnita total, já que ninguém tinha conferido ainda.

The Post, que aqui ganhou o subtítulo “A Guerra Secreta”, destrincha a batalha que o jornal The Washington Post travou com o governo americano quando publicou segredos de Estado, intitulados de Pentagon Papers (documentos do Pentágono), nos anos 70. Em tempos de protesto contra o governo Trump, o filme se mostra relevante no cenário atual, já que existe uma briga entre imprensa e governo sobre a influência russa na eleição de Donald Trump.

As vitórias dos atores centrais, Tom Hanks e Meryl Streep, certamente os coloca na corrida para as indicações ao Oscar. Streep tem todas as cartas na manga para conquistar sua 21ª indicação, um recorde que cresce a cada ano. Já Hanks temos que ter certa cautela. Embora tenha se destacado em filmes recentes como Capitão Phillips e Sully: O Herói do Rio Hudson, o ator sempre acaba morrendo na praia. Não sei se mais alguém pensa como eu, mas faz muito tempo que não vejo uma performance que consigo esquecer que estou vendo Tom Hanks.

Claro que a alavancada do National Board of Review ajuda The Post em sua campanha, mas não significa grande chance de vitória no Oscar. Nos últimos anos, a organização concedeu o prêmio de Melhor Filme para Manchester à Beira-Mar, Mad Max: Estrada da Fúria, Ela e A Hora Mais Escura. Embora todos tenham sido indicados ao Oscar, nenhum deles saiu com o Oscar de Melhor Filme. Sem contar O Ano Mais Violento (2014), que sequer recebeu indicação ao Oscar. E o último acerto de Melhor Filme do NBR foi lá em 2008, quando reconheceu Quem Quer Ser um Milionário?, de Danny Boyle. Faz tempo.

Entre os vencedores desta edição, chama bastante a atenção a vitória de Greta Gerwig na direção. Em seu segundo trabalho como diretora, ela recebeu muitos elogios por sua visão bastante feminina em Lady Bird. Resta saber se seu reconhecimento é por méritos ou por tempos politicamente corretos.

MELHOR FILME
The Post – A Guerra Secreta

MELHOR DIREÇÃO
Greta Gerwig (Lady Bird – É Hora de Voar)

MELHOR ATOR
Tom Hanks (The Post – A Guerra Secreta)

MELHOR ATRIZ
Meryl Streep (The Post – A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Willem Dafoe (Projeto Flórida)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Laurie Metcalf (Lady Bird – É Hora de Voar)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Scott Neustadter e Michael H. Weber (Artista do Desastre)

MELHOR ANIMAÇÃO
Viva – A Vida é uma Festa (Coco)

MELHOR REVELAÇÃO
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR DIRETOR ESTREANTE
Jordan Peele (Corra!)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Foxtrot
Dir: Samuel Maoz (ISRAEL)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Jane
Dir: Brett Morgen

MELHOR ELENCO
Corra!

PRÊMIO SPOTLIGHT
Patty Jenkins e Gal Gadot (Mulher-Maravilha)

PRÊMIO LIBERDADE DE EXPRESSÃO
First They Killed my Father; Dir: Angelina Jolie
Let it Fall: LA 1982-1992; Dir: John Ridley

Melhores filmes
Em Ritmo de Fuga (Baby Driver)
Me Chame Pelo Seu Nome (Call me by your Name)
Artista do Desastre (The Disaster Artist)
Pequena Grande Vida (Downsizing)
Dunkirk
Projeto Flórida (The Florida Project)
Corra! (Get Out)
Lady Bird – É Hora de Voar (Lady Bird)
Logan (Logan)
Trama Fantasma (Phantom Thread)

Melhores filmes independentes
Beatriz at Dinner
Bigsby Bear
A Ghost Story
Logan Lucky – Um Roubo em Família (Logan Lucky)
Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)
Menashe
Patti Cake$
Terra Selvagem (Wind River)
Norman: Confie em Mim (Norman: The Rise and Tragic Fall of a New York Fixer)

Melhores filmes estrangeiros
Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
Frantz
Verão 1993 (Estiu 1993)
Loveless (Nelyubov)
The Square

Melhores documentários
Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar
Brimstone & Glory
Eric Clapton: A Life in 12 Bars
Visages, Villages
Hell On Earth: The Fall of Syria and the Rise of ISIS