‘Cinquenta Tons de Cinza’, ‘Pixels’, ‘O Destino de Júpiter’, ‘Segurança de Shopping 2’ e ‘Quarteto Fantástico’ dominam o Framboesa de Ouro 2016

razzie

Da esquerda pra direita: Segurança de Shopping 2, Mortdecai: A Arte da Trapaça, O Destino de Júpiter, Cinquenta Tons de Cinza, Pixels e Quarteto Fantástico (photo montage by premiere.fr)

FRAMBOESA DE OURO SE MOSTRA UMA NECESSIDADE PARA A INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA

Pensa que cinema é só bons atores, ótimas tramas e conteúdo? Nada disso! Tem o lado negro da força também! O que seria dos bons filmes se não fossem os ruins?  Sim, 2015 trouxe uma boa safra de filmes, mas também foi responsável por bombas que representam a ganância de produtores hollywoodianos como comprova a 36ª edição do Framboesa de Ouro.

Dos cinco filmes indicados a Pior Filme, talvez o que mais se encaixa na irresponsabilidade dos produtores é a nova adaptação dos quadrinhos da Marvel: Quarteto Fantástico. Apesar de estar assinado com o nome do diretor Josh Trank, os bastidores do filme indicam que o estúdio Twentieth Century Fox, após ficar insatisfeito com o trabalho, ordenou a refilmagem de muitas cenas, alegando que a versão original era violenta demais. Com novas ordens do alto escalão, houve um corte tremendo na duração: de 2 horas e 20 minutos, o filme passou a ater 1 hora e 30 minutos!  São 50 minutos cortados que incluíam 3 sequências de ação que poderiam salvar a segunda metade do longa. Além disso, houve brigas e discussões no set de filmagem, incluindo supostos maus tratos do diretor com a atriz Kate Mara (a Mulher-Invisível) por ela ter sido uma escolha imposta pela Fox (Josh Trank queria Allison Williams). Resumindo: foi uma tragédia do início ao fim, que poderia ter sido evitada se tivesse um planejamento completo, porém, com o estúdio querendo aproveitar logo os direitos autorais dos personagens para lucrar, acabou fazendo tudo às pressas e deu no que deu: a pior bilheteria de um filme da Marvel Studios, que tem tanta vergonha do resultado final, que acabou nem incluindo em seu site oficial.

Cena de Quarteto Fantástico com Kate Mara e Milles Teller

Cena de Quarteto Fantástico com Kate Mara e Miles Teller (photo by outnow.ch)

E aproveitando o post dos piores, gostaria de dizer aos que defenderam a adaptação do livro Cinquenta Tons de Cinza: “Gosto literário não se discute, mas vocês não entendem muito de cinema.” Quando até a trilha é melhor do que o filme todo, a coisa tá feia! Por mais que o livro não ajude muito, fizeram péssimas escolhas pra direção (a própria autora do livro teria decidido), e no casting dos atores principais, que nitidamente não têm talento e química alguma na tela. A atuação de Dakota Johnson se limita a morder os lábios em toda cena. E podem anotar: Deve ganhar o MTV Movie Awards de Melhor Filme ainda pelo voto popular.

Dakota Johnson e os lábios em Cinquenta Tons de Cinza (photo by cinemagia.ro)

Dakota Johnson e os lábios em Cinquenta Tons de Cinza (photo by cinemagia.ro)

Em relação aos outros piores do ano, honestamente, não tive tempo pra assistir. Ou melhor, preferi não dar prioridade e foram ficando pra trás. Mas imagino que não perdi muita coisa… Bons tempos em que Adam Sandler ainda trabalhava com bons diretores como Paul Thomas Anderson em Embriagados de Amor

INDICADOS E VENCEDORES DO OSCAR TAMBÉM FALHAM

Assim como em qualquer profissão, o ator está apto a cometer erros, desde a escolha de agentes e projetos ao tom do personagem. E não é porque o ator ou atriz já foi indicado ou ganhou a estatueta dourada que está livre de cometer falhas. Prova disso são as vitórias de Sandra Bullock e Halle Berry, ambas ganhadoras do Oscar de Melhor Atriz, vencerem como Pior Atriz no Framboesa de Ouro.

Claro que as escolhas não as redimem, mas o fato de elas terem comparecido à festa e subido ao palco para receber o prêmio em mãos demonstra enorme profissionalismo e humildade. Se fosse aqui no Brasil, nenhum ator ou atriz Global compareceria ao evento e ainda mandaria seu advogado processar o prêmio por danos morais. Abaixo, segue bem-humorado e belo discurso de Halle Berry. Tem uma parte em que ela cita a mãe como inspiração: “Se você não pode ser um bom perdedor, não tem como ser um bom vencedor” – uma das verdades da vida pra tudo.


Halle Berry faz discurso engraçado e honesto ao receber sua Framboesa de Ouro por Mulher-Gato em 2004

Entre os indicados deste ano que já passaram pelo tapete vermelho da Academia são, curiosamente, dois atores que provavelmente estarão no Oscar este ano (mas por filmes diferentes, claro): Eddie Redmayne e Rooney Mara. Acho que o maior pecado de Redmayne na ficção científica O Destino de Júpiter é levar o papel à sério demais (essa postura dele me lembrou a Kate Beckinsale que achava que estava fazendo uma peça de Shakespeare no horrível blockbuster Van Helsing: O Caçador de Monstros). Com seus gritos esquizofrênicos, ele parece estar num filme totalmente à parte. E quanto à Mara, claramente distante e perdida, não mostra nenhum recurso pra enriquecer sua personagem Tiger Lily na adaptação fria de Joe Wright de Peter Pan.

Eddie Redmayne em cena de O Destino de Júpiter (photo by cinemagia.ro)

Eddie Redmayne em cena de O Destino de Júpiter (photo by cinemagia.ro)

Além deles, temos Julianne Moore por O Sétimo Filho e Johnny Depp por Mordecai: A Arte da Trapaça, que parecem ser casos de más escolhas de projetos. E claro que o pessoal do Framboesa de Ouro adora pegar carona em celebridades que estão em alta para tornar a cerimônia mais relevante, senão só premiaram atores menos conhecidos ano após ano. Mas engana-se aquele que pensa que o Framboesa impede o ator ou atriz de ganhar o Oscar. Claro que também não ajuda nem um pouco, mas em 2010, Sandra Bullock levou ambos os prêmios: o Oscar por Um Sonho Possível e o Framboesa por Maluca Paixão. Felizmente, ela soube levar tudo com jogo de cintura.

REDENÇÃO

Em seu segundo ano de existência, o prêmio Redentor busca consolar o profissional que já frequentou (ou até mesmo ganhou) o Framboesa no passado, mas agora está num momento melhor. Dos cinco concorrentes, o destaque fica por conta de Sylvester Stallone, que depois de anos fazendo essas dragas de Os Mercenários e outras produções igualmente ralas, finalmente embarcou num projeto com um diretor bom (Ryan Coogler). Por sua performance em Creed: Nascido Para Lutar, que seria o “Rocky VII”, o ator conquistou o Globo de Ouro de Ator Coadjuvante e tem tudo para conquistar sua terceira indicação ao Oscar. Em 1977, ele foi indicado como Ator e Roteiro Original por Rocky – Um Lutador.

Seguem os indicados ao 36º Framboesa de Ouro:

PIOR ATOR
– Johnny Depp (Mortdecai: A Arte da Trapaça)
– Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
– Kevin James (Segurança de Shopping 2)
– Adam Sandler (Pixels) (Trocando os Pés)
– Channing Tatum (O Destino de Júpiter)

PIOR ATOR COADJUVANTE
– Chevy Chase (A Ressaca 2) (Férias Frustradas)
– Josh Gad (Pixels) (Padrinhos LTDA)
– Kevin James (Pixels)
– Jason Lee (Alvin e os Esquilos: Na Estrada)
– Eddie Redmayne (O Destino de Júpiter)

PIOR ATRIZ
– Katherine Heigl (Home Sweet Hell)
– Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
– Mila Kunis (O Destino de Júpiter)
– Jennifer Lopez (O Garoto da Casa ao Lado)
– Gwyneth Paltrow (Mortdecai: A Arte da Trapaça)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
– Kaley Cuoco-Sweeting (Alvin e os Esquilos: Na Estrada) (Padrinhos LTDA)
– Rooney Mara (Peter Pan)
– Michelle Monaghan (Pixels)
– Julianne Moore (O Sétimo Filho)
– Amanda Seyfried (Peter Pan) (O Natal dos Coopers)

PIOR DIRETOR
– Andy Fickman (Segurança de Shopping 2)
– Tom Six (Centopéia Humana 3)
– Sam Taylor-Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
– Josh Trank (Quarteto Fantástico)
– Andy e Lana Wachowski (O Destino de Júpiter)

PIOR FILME
– Quarteto Fantástico (Fantastic Four)
– Cinquenta Tons de Cinza (Fifty Shades of Grey)
– O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending)
– Segurança de Shopping 2 (Paul Blart: Mall Cop 2)
– Pixels (Pixels)

PIOR SEQUÊNCIA, REFILMAGEM OU SPIN-OFF
– Alvin e os Esquilos: Na Estrada
– Quarteto Fantástico (Fantastic Four)
– A Ressaca 2 (Hot Tube Machine 2)
– Centopéia Humana 3 (Human Centipede 3)
– Segurança de Shopping 2 (Paul Blart: Mall Cop 2)

PIOR COMBO
– Os quatro fantásticos (Quarteto Fantástico)
– Johnny Depp e seus bigodes colados (Mortdecai: A Arte da Trapaça)
– Jamie Dornan e Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
– Kevin James e seu segue ou seu bigode colado (Segurança de Shopping 2)
– Adam Sandler e qualquer par de sapatos (Trocando os Pés)

PIOR ROTEIRO
– Simon Kinberg, Jeremy Slater e Josh Trank (Quarteto Fantástico)
– Kelly Marcel (Cinquenta Tons de Cinza)
– Andy e Lana Wachowski (O Destino de Júpiter)
– Kevin James e Nick Bakay (Segurança de Shopping 2)
– Tim Herlihy e Timothy Dowling (Pixels)

REDENTOR DO FRAMBOESA
– Elizabeth Banks (pela direção de A Escolha Perfeita 2) * sinceramente não sei onde isso representa algum progresso…
– M. Night Shyamalan (pela direção de A Visita)
– Will Smith (pela atuação em Um Homem Entre Gigantes)
– Sylvester Stallone (pela atuação em Creed: Nascido Para Lutar)

A cerimônia de entrega do 36º Framboesa de Ouro acontece no dia 27 de Fevereiro.

Anúncios

20 Finalistas Disputam 5 vagas no Oscar de Efeitos Visuais de 2016

FURY ROAD

Tom Hardy no green screen de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by oneperfectshotdb.com)

EM UM DOS ANOS MAIS CONCORRIDOS, CATEGORIA TEM ‘MAD MAX’ E ‘STAR WARS’

Até o ano passado, a Academia selecionava 10 finalistas antes de definir os 5 indicados na categoria de Efeitos Visuais, contudo, com o crescimento massivo de produções hollywoodianas que utilizam a tecnologia digital do blue/green screen, a lista aumentou para 20 concorrentes. Só relembrando: o primeiro prêmio de Efeitos Especiais foi entregue em 1940 para a aventura E as Chuvas Chegaram. Nas décadas seguintes, houve anos em que o prêmio não foi concedido por falta de candidatos (vejam só!) e alguns foram agraciados com um prêmio especial como O Vingador do Futuro (1990). Até a década de 2000, era bastante comum haver no máximo 3 indicados na categoria. Hoje são cinco.

the_rains_came1

Cena de E as Chuvas Chegaram (1939), primeiro vencedor do Oscar de Efeitos Especiais (photo by virtual-history.com)

Como dizem em Hollywood: “Nada é impossível no cinema”, e os efeitos têm sido um importantíssimo aliado para contar histórias fantásticas, ainda mais em tempos de safra rica de adaptações de histórias em quadrinhos. Aliás, ano passado, apostei em O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos e Transformers: Era da Extinção, mas a Academia indicou para seus lugares Capitão América 2: O Soldado Invernal e X-Men: Dias de um Futuro Esquecido. Novos tempos ou as cifras falaram mais alto?

Este ano, temos duas produções da Marvel no páreo. Será que um deles passa para a lista final? Segue a relação dos 20 filmes em ordem alfabética:

Chappie (Chappie)
O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending)
Evereste (Everest)
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)
O Exterminador do Futuro: Gênesis (Terminator Genisys)
Homem-Formiga (Ant-Man)
Jogos Vorazes: A Esperança – O Final (The Hunger Games: Mockingjay – Part 2)
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Missão: Impossível – Nação Secreta (Mission: Impossible – Rogue Nation)
No Coração do Mar (In the Heart of the Sea)
Perdido em Marte (The Martian)
Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
O Regresso (The Revenant)
Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (Tomorrowland)
A Travessia (The Walk)
Velozes & Furiosos 7 (Furious Seven)
Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
007 Contra Spectre (Spectre)

Mesmo com a expansão do número de candidatos, algumas produções mais comentadas ficaram de fora da primeira de duas peneiras: Cinderela, A Colina Escarlate, Quarteto Fantástico, Kingsman: Serviço Secreto, Pixels e Terremoto: A Falha de San Andreas. A segunda lista com 10 filmes será divulgada no final deste mês pelo Comitê de Efeitos Visuais da Academia.

Entre os que estão concorrendo ainda, acredito que alguns fatores devem ajudar a colocar o filme no Oscar. Primeiro: os efeitos visuais têm que ajudar a contar a história. Nada de efeitos decorativos ou ilustrativos. Imagine o seguinte: se não houvesse esse efeito, não haveria filme. Segundo: A força das bilheterias. Não sejamos hipócritas: os números de ingressos vendidos ajuda, e muito, numa indicação ao Oscar, principalmente aqui, onde os candidatos foram protagonistas da alta temporada do verão americano. Quanto mais visto for o filme, mais chances ele tem de chegar à final. Terceiro: Histórico. Grandes nomes envolvidos com efeitos superam até mesmo boas campanhas. Se você nunca ouviu falar de nomes como Jim Rygiel, Robert Legato, Tim Alexander, John Frazier, Dennis Muren, tudo bem. Mas se os diretores envolvidos tiverem um bom currículo, as chances também aumentam: George Miller, Ron Howard, Robert Zemeckis e J.J. Abrams.

Portanto, já me adiantando ao primeiro corte de 10 filmes, já divulgo minhas apostas para os 5 indicados para Efeitos Visuais.

  • Jurrasic World: O Mundo dos Dinossauros
  • Mad Max: Estrada da Fúria
  • No Coração do Mar
  • Star Wars: O Despertar da Força
  • A Travessia

Fazendo um breve resumo das escolhas:

  • Os primeiros dois Jurassic Park foram indicados a Efeitos Visuais, sendo que o primeiro ganhou com honras. Este novo, que foi um mega-sucesso, deve ter seu espaço garantido por apresentar novos dinos.
Jurassic World

Chris Pratt trabalha com os velociraptors em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow.ch)

  • O novo filme da saga Mad Max pode ser considerada a mistura perfeita entre efeitos visuais digitais com efeitos práticos, ou seja, efeitos criados com computação gráfica harmoniosamente funcionando com efeitos criados em set como explosões e batidas de carros. Com bilheteria em alta e a crítica ao seu lado, o filme de George Miller pode ser o recordista de indicações este ano no Oscar.
  • Dos cinco, No Coração do Mar foi o que mais tive dúvidas. Os efeitos lembram aqueles usados em As Aventuras de Pi (2012) e Mestre dos Mares – O Lado Mais Distante do Mundo (2003). Ambos foram indicados e o primeiro levou a estatueta. Os efeitos com água sempre estão em alta, e a baleia em si é uma protagonista. Além disso, tem o diretor vencedor do Oscar, Ron Howard, o que sempre ajuda na hora do desempate.
In the Heart of the Ocean vfx

Cena da baleia em No Coração do Mar (photo by cine.gr)

  • A primeira trilogia de Star Wars toda foi vencedora do Oscar da categoria. Já a segunda recebeu duas indicações, mas sem vitória. Por tradição, esta terceira deve ter sua primeira parte com lugar garantido, pelo menos como indicada. A vitória ainda é incerta, pois, apesar do sucesso estrondoso que vai ser, Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força não deve apresentar efeitos tão inovadores. Vale lembrar que Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma perdeu para a novidade digital da época: Matrix.
Star Wars vfx

Daisy Ridley com o robô BB8 em cena de Star Wars: Episódio VII – O Desperar da Força (photo by outnow.ch)

  • Robert Zemeckis ficou conhecido por filmes com efeitos visuais como De Volta Para o Futuro, Forrest Gump: O Contador de Histórias e Contato, fama que o coloca automaticamente na disputa. Embora A Travessia tenha recebido críticas boas e ruins, todos elogiaram os efeitos visuais da parte final da travessia do World Trade Center. E justamente os efeitos podem lhe garantir a indicação de consolação pelo filme todo no Oscar.
The Walk vfx

Joseph Gordon-Levitt em cena final de A Travessia (photo by outnow.ch)

As indicações ao 88º Oscar serão anunciadas no dia 14 de janeiro, e a cerimônia de entrega está prevista para o dia 28 de fevereiro.