Onde e Quando acompanhar os Indicados ao Oscar 2014

O ator Chris Hemsworth e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaac, divulgam as indicadas a Melhor Atriz (photo by cnikky.com)

O ator Chris Hemsworth e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaac, divulgam as indicadas a Melhor Atriz (photo by cnikky.com)

COM A CERIMÔNIA DO OSCAR 2014 SÓ NO DIA 02 DE MARÇO, A MAIORIA DOS INDICADOS JÁ ESTARÁ DISPONÍVEL EM BREVE PARA O PÚBLICO

Num mundo ideal, o público poderia conferir TODOS os indicados antes da cerimônia do Oscar. Sim, incluindo os curtas, documentários e filmes estrangeiros. Mas na realidade, se apenas os indicados a Melhor Filme estrearem antes (nem que seja na sexta-feira que antecede o evento), o público brasileiro já teria que se dar como satisfeito. Todo ano, eu estipulo como meta pelo menos assistir a todos os indicados a Melhor Filme, mas nem sempre foi possível como aconteceu em 2010, quando o drama Um Sonho Possível estreou mais de uma semana depois do Oscar de Melhor Atriz ter sido concedido a Sandra Bullock.

Este ano, como a cerimônia só será no dia 02 de Março devido às Olimpíadas de Inverno na Rússia, as distribuidoras daqui estão concentrando os maiores lançamentos da temporada para o mês de fevereiro. Contudo, poderiam fazer um esforço para lançar 12 Anos de Escravidão antes do dia 28 de fevereiro, né? Poxa, assistir ao favorito ao Oscar no fim de semana da cerimônia? Caso não haja empecilhos legais, acho uma baita sacanagem com o público. Claro que, pelo menos aqui em São Paulo, existem as pré-estréias. Nesta semana, já estão rolando algumas de filmes indicados ao Oscar como Trapaça e Philomena. Não é o ideal, mas já é um quebra-galho.

Vale ressaltar aqui que, devido à péssima campanha de Até o Fim e Walt nos Bastidores de Mary Poppins no Oscar, suas datas de estréia foram adiadas para só depois da cerimônia, como uma espécie de protesto das distribuidoras pela indicação única para cada filme: Efeitos Sonoros e Trilha Musical Original, respectivamente. Enquanto existia uma esperança de que Robert Redford fosse indicado como Melhor Ator pelo primeiro, esperavam que Emma Thompson e Tom Hanks pudessem conquistar indicações como Atriz e Ator Coadjuvante a fim de alavancar as bilheterias, mas a Academia praticamente descartou ambas as produções.

Este ano, pela primeira vez, estou colocando a situação “Disponível no Netflix” (não, não estou ganhando um mísero centavo pra divulgar. Droga!). Pra quem não conhece, o Netflix é o futuro da locadora. Se aquela locadora que você amava fechou (como é o meu caso), recorra ao Netflix! Ao assinar (se não me engano o valor da assinatura é de R$16,90), vc tem acesso livre a vários títulos através de streaming, inclusive de séries de TV antiga e recente. Claro que ainda carece de mais produções recentes em seu acervo, mas segundo usuários, já houve uma melhora significativa de um ano pra cá. Acho uma ótima opção para quem não quer ficar refém da programação da TV à cabo. Só fiquem atentos para adesão através de cartão de crédito, pois já tive amigos que tiveram problema com clonagem de cartão! (Agora que não vou ganhar nada da Netflix!).

A Netflix está disponibilizando o documentário The Square, ainda inédito nas telas brasileiras. Trata-se da primeira produção a ser distribuída pela Netflix a concorrer ao Oscar. A empresa já ganhou o Globo de Ouro e o Emmy através da série House of Cards, e tem sido reconhecida pelas séries Orange is the New Black e Arrested Development. É mera questão de tempo para que a Netflix se expanda, conquiste o mercado e modifique radicalmente os meios de comunicação como a TV. Confira o acervo completo no site: http://www.netflix.com

Netflix (brasilblog.netflix.com)

Netflix (brasilblog.netflix.com)

DISPONÍVEIS EM BLU-RAY/DVD

Além da Escuridão: Star Trek (Star Trek Into Darkness)
1 indicação: Efeitos Visuais

Antes da Meia-Noite (Before Midnight)
1 indicação: Roteiro Adaptado

Blue Jasmine (Blue Jasmine)
3 indicações: Atriz (Cate Blanchett), Atriz Coadjuvante (Sally Hawkins) e Roteiro Original

A Caça (Jagten)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

O Cavaleiro Solitário (The Lone Ranger)
2 indicações: Maquiagem e Efeitos Visuais

Os Croods (The Croods)
1 indicação: Animação

O Grande Gatsby (The Great Gatsby)
2 indicações: Direção de Arte e Figurino

Homem de Ferro 3 (Iron Man 3)
1 indicação: Efeitos Visuais

Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2)
2 indicações: Canção Original (“Happy”) e Animação

A animação Meu Malvado Favorito 2 desbancou Universidade Monstros, da Pixar (photo by outnow.ch)

A animação Meu Malvado Favorito 2 desbancou Universidade Monstros, da Pixar (photo by outnow.ch)

DISPONÍVEL NO NETFLIX

Antes da Meia-Noite (Before Midnight)
1 indicação: Roteiro Adaptado

Os Croods (The Croods)
1 indicação: Animação

The Square
1 indicação: Documentário

Direto do Netflix, o documentário The Square (photo by emptykingdom.com)

Direto do Netflix, o documentário The Square (photo by emptykingdom.com)

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
9 indicações: Filme, Diretor, Ator (Chiwetel Ejiofor), Ator Coadjuvante (Michael Fassbender), Atriz Coadjuvante (Lupita Nyong’o), Roteiro Adaptado, Montagem, Direção de Arte e Figurino

Alabama Monroe (The Broken Circle Breakdown)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Álbum de Família (August: Osage County)
2 indicações: Atriz (Meryl Streep) e Atriz Coadjuvante (Julia Roberts)

Capitão Phillips (Captain Phillips)
6 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Barkhad Abdi), Roteiro Adaptado, Montagem, Som e Efeitos Sonoros

Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club)
6 indicações: Filme, Ator (Matthew McConaughey), Ator Coadjuvante (Jared Leto), Roteiro Original, Montagem e Maquiagem

Ela (Her)
5 indicações: Filme, Roteiro Original, Direção de Arte, Trilha Musical Original e Canção Original (“The Moon Song”)

Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
2 indicações: Canção Original (“Let it go”) e Animação

A Grande Beleza (La Grande Bellezza)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Gravidade (Gravity)
10 indicações: Filme, Diretor, Atriz (Sandra Bullock), Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Trilha Musical Original, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais

O Hobbit: A Desolação de Smaug (The Hobbit: The Desolation of Smaug)
3 indicações: Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais

A Imagem que Falta (L’Image Manquante)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
2 indicações: Fotografia e Som

O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)
5 indicações: Filme, Diretor, Ator (Leonardo DiCaprio), Ator Coadjuvante (Jonah Hill) e Roteiro Adaptado

A Menina que Roubava Livros (The Book Thief)
1 indicação: Trilha Musical Original

Nebraska
6 indicações: Filme, Diretor, Ator (Bruce Dern), Atriz Coadjuvante (June Squibb), Roteiro Original e Fotografia

Philomena
4 indicações: Filme, Atriz (Judi Dench), Roteiro Adaptado e Trilha Musical Original

Trapaça (American Hustle)
10 indicações: Filme, Diretor, Ator (Christian Bale), Atriz (Amy Adams), Ator Coadjuvante (Bradley Cooper), Atriz Coadjuvante (Jennifer Lawrence), Roteiro Adaptado, Montagem, Direção de Arte e Figurino

Vidas ao Vento (Kaze Tachinu)
1 indicação: Animação

Leonardo DiCaprio volta a ser indicado ao Oscar com a ajuda de Martin Scorsese em O Lobo de Wall Street (photo by outnow.ch)

Leonardo DiCaprio volta a ser indicado ao Oscar com a ajuda de Martin Scorsese em O Lobo de Wall Street (photo by outnow.ch)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

07/03: Até o Fim (All is Lost)
1 indicação: Efeitos Sonoros

07/03: Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
1 indicação: Trilha Musical Original

Indicado a apenas Efeitos Sonoros, Até o Fim ficou pra depois do Oscar (photo by outnow.ch)

Indicado a apenas Efeitos Sonoros, Até o Fim ficou pra depois do Oscar (photo by outnow.ch)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM BLU-RAY/DVD

Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha (Jackass Presents: Bad Grandpa)
1 indicação: Maquiagem

Os Suspeitos (Prisoners)
1 indicação: Fotografia

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by www.outnow.ch)

Cena de Os Suspeitos: 1 única indicação para ótima Fotografia de Roger Deakins (photo by http://www.outnow.ch)

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA (*caham!* Mas pra isso existe a internet…)

A Um Passo do Estrelato (20 Feet from Stardom)
1 indicação: Documentário

O Ato de Matar (The Act of Killing)
1 indicação: Documentário

Cutie and the Boxer
1 indicação: Documentário

Ernest & Celestine (Ernest et Celéstine)
1 indicação: Animação

O Grande Herói (Lone Survivor)
2 indicações: Som e Efeitos Sonoros

O Grande Mestre (Yi Dai Zong Shi)
2 indicações: Fotografia e Figurino

Guerras Sujas (Dirty Wars)
1 indicação: Documentário

The Invisible Woman
1 indicação: Figurino

Mandela: Long Walk to Freedom
1 indicação: Canção Original (“Ordinary Love”)

Omar
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

Cena de Ernest & Celestine, indicado ao Oscar de Animação (photo by outnow.ch)

Cena de Ernest & Celestine, indicado ao Oscar de Animação (photo by outnow.ch)

Anúncios

114 Trilhas Musicais na disputa pelo Oscar 2014

Trilha musical tenebrosa de Joseph Bishara para Invocação do Mal está na disputa (photo by www.outnow.ch)

Trilha musical tenebrosa de Joseph Bishara para Invocação do Mal está na disputa (photo by http://www.outnow.ch)

Se tem ator e atriz reclamando da alta competitividade deste ano, os compositores deveriam tomar um uísque e relaxar. Competir com 113 trabalhos é pior que passar em medicina na FUVEST.

Embora nem todas as trilhas mereçam uma indicação ao Oscar, a trilha musical é uma arma valiosíssima nas mãos do diretor, pois pode valorizar muito a mensagem que o filme passa, gerar catarse naqueles filmes mais chorosos, e em alguns casos, dar uma bela disfarçada na “ruindade” do filme.

Hans Zimmer (photo by www.zimbio.com)

Hans Zimmer (photo by http://www.zimbio.com)

Na lista, é natural alguns nomes se repetirem como é o caso do alemão Hans Zimmer. Vencedor do Oscar pela trilha de O Rei Leão em 1995, ele concorre por três trabalhos bastante distintos entre si. Apesar de ser responsável pelas músicas do blockbuster O Homem de Aço e do filme de fórmula 1 Rush: No Limite da Emoção, Zimmer deve receber a indicação pelo drama 12 Years a Slave. Com o total de nove indicações e uma vitória, ele tem turbinado suas chances nos últimos anos depois que fez parceria com o diretor Christopher Nolan em Batman: O Cavaleiro das Trevas A Origem, e está trabalhando também em Interstellar, que deve estrear em novembro de 2014.

Há nomes que sempre figuram entre os indicados, mas nunca levam o prêmio. São os casos de Thomas Newman (11 indicações sem vitória), que disputa por Terapia de Risco e Walt nos Bastidores de Mary Poppins; e Danny Elfman (4 indicações sem vitória), que conta com seus trabalhos na animação Reino Escondido e no blockbuster Oz: Mágico e Poderoso. Provavelmente por motivos técnicos, ele não está competindo também por Trapaça

É muito difícil fazer previsão de indicados nessa categoria, mas alguns nomes como o de Zimmer são praticamente garantidos. Outro nome de peso que quase nunca falta é o do mestre John Williams. Super-mega recordista de indicações com “apenas” 48, tendo vencido em 5 oportunidades: Um Violinista no Telhado, Tubarão, Star Wars, E.T. o Extraterrestre e A Lista de Schindler. Ele volta este ano com a trilha da adaptação do best-seller A Menina que Roubava Livros, pelo qual já recebeu uma indicação ao Globo de Ouro.

O maestro e compositor John Williams (photo by www.jwfan.com)

O maestro e compositor John Williams (photo by http://www.jwfan.com)

Os demais concorrentes ao Globo de Ouro são Alex Ebert (All is Lost), Alex Heffes (Mandela: Long Walk to Freedom), Steven Price (Gravidade) e Zimmer que, por isso, já saem na frente das demais 109 composições.

Reconhecido pela crítica de Los Angeles, William Butler e Owen Pallett (Ela),  podem surpreender na reta final dependendo da distribuição das indicações. Já T-Bone Burnett (Inside Llewyn Davis) não teve a mesma sorte, pois suas composições devem conter música pré-existente, o que desqualifica para as exigências da Academia.

O compositor Joseph Bishara (photo by www.zimbio.com)

O compositor Joseph Bishara (photo by http://www.zimbio.com)

Particularmente, adoraria ver Joseph Bishara no tapete vermelho do Oscar. Ele foi responsável pelas ótimas trilhas de Invocação do Mal e Sobrenatural: Capítulo 2. Sem sua música, a excelente atmosfera não teria o mesmo impacto. Pena que a Academia não costuma premiar filmes de terror. Até onde me recordo, apenas A Profecia ganhou o Oscar em 1977, que contou também com a credibilidade de Jerry Goldsmith, falecido em 2004.

Segue a lista das 114 composições em ordem alfabética dos títulos originais em inglês:

A Seleção (Admission), de Stephen Trask
Ain’t Them Bodies Saints, de Daniel Hart
All Is Lost, de Alex Ebert
Alone Yet Not Alone, de William Ross
American Seagull, de Evgeny Shchukin
The Armstrong Lie, de David Kahne
Arthur Newman, de Nick Urata
At Any Price, de Dickon Hinchliffe
Austenland, de Ilan Eshkeri
Antes da Meia-Noite (Before Midnight), de Graham Reynolds
The Best Man Holiday, de Stanley Clarke
A Menina que Roubava Livros (The Book Thief), de John Williams
The Butterfly’s Dream (Kelebegin Ruyasi), de Rahman Altin
Chamada de Emergência (The Call), de John Debney
Capitão Phillips (Captain Phillips), de Henry Jackman
Closed Circuit, de Joby Talbot
Sem Proteção (The Company You Keep), de Cliff Martinez
Invocação do Mal (The Conjuring), de Joseph Bishara
Copperhead, de Laurent Eyquem
O Conselheiro do Crime (The Counselor), de Daniel Pemberton
Os Croods (The Croods), de Alan Silvestri
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2), de Heitor Pereira
Elysium, Ryan Amon
Ender’s Game – O Jogo do Exterminador (Ender’s Game), de Steve Jablonsky
À Procura do Amor (Enough Said), de Marcelo Zarvos
Reino Escondido (Epic), de Danny Elfman
Ernest & Celestine, de Vincent Courtois
A Fuga do Planeta Terra (Escape from Planet Earth), de Aaron Zigman
Escape from Tomorrow, de Abel Korzeniowski
A Morte do Demônio (Evil Dead), de Roque Baños
47 Ronins (47 Ronin), de Ilan Eshkeri
42: A História de uma Lenda (42), de Mark Isham
Bons de Bico (Free Birds), de Dominic Lewis
Free China: The Courage to Believe, de Tony Chen
Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station), de Ludwig Goransson
G.I. Joe: Retaliação (G.I. Joe: Retaliation), de Henry Jackman
Caça aos Gângsteres (Gangster Squad), de Steve Jablonsky
Gravidade (Gravity), de Steven Price
O Grande Gatsby (The Great Gatsby), de Craig Armstrong
Se Beber, Não Case! Parte III (The Hangover Part III), de Christophe Beck
João e Maria: Caçadores de Bruxas (Hansel & Gretel Witch Hunters), de Atli Örvarsson
Os Sabores do Palácio (Haute Cuisine), de Gabriel Yared
Ela (Her), de William Butler and Owen Pallett
O Hobbit: A Desolação de Smaug (The Hobbit: The Desolation of Smaug), de Howard Shore
Hours, de Benjamin Wallfisch
How Sweet It Is, de Matt Dahan
Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire), de James Newton Howard
Uma Ladra Sem Limites (Identity Thief), de Christopher Lennertz
O Incrível Mágico Burt Wonderstone (The Incredible Burt Wonderstone), de Lyle Workman
Sobrenatural: Capítulo 2 (Insidious: Chapter 2), de Joseph Bishara
Instructions Not Included (No se Aceptan Devoluciones), de Carlo Siliotto
Os Estagiários (The Internship), de Christophe Beck
The Invisible Woman, de Ilan Eshkeri
Homem de Ferro 3 (Iron Man 3), de Brian Tyler
Jack, o Caçador de Gigantes (Jack the Giant Slayer), de John Ottman
Jobs, de John Debney
Kamasutra 3D, de Sreejith Edavana e Saachin Raj Chelory
Refém da Paixão (Labor Day), de Rolfe Kent
O Mordomo da Casa Branca (Lee Daniels’ The Butler), de Rodrigo Leão
Live at the Foxes Den, de Jack Holmes
Amor é Tudo o Que Você Precisa (Love Is All You Need), de Johan Söderqvist
Mama, de Fernando Velázquez
Homem de Aço (Man of Steel), de Hans Zimmer
Mandela: Long Walk to Freedom, de Alex Heffes
The Missing Picture (L’image manquante), de Marc Marder
Universidade Monstros (Monsters University), de Randy Newman
Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos (The Mortal Instruments: City of Bones), de Atli Örvarsson
Amor Bandido (Mud), de David Wingo
Murph: The Protector, de Chris Irwin e Jeff Widenhofer
Truque de Mestre (Now You See Me), de Brian Tyler
Oblivion, de Anthony Gonzalez e Joseph Trapanese
Oldboy – Dias de Vingança (Oldboy), de Roque Baños
Invasão à Casa Branca (Olympus Has Fallen), de Trevor Morris
Oz: Mágico e Poderoso (Oz The Great and Powerful), de Danny Elfman
Círculo de Fogo (Pacific Rim), de Ramin Djawadi
Sem Dor, Sem Ganho (Pain & Gain), de Steve Jablonsky
Percy Jackson e o Mar de Monstros (Percy Jackson: Sea of Monsters), de Andrew Lockington
Philomena, de Alexandre Desplat
O Lugar Onde Tudo Termina (The Place beyond the Pines), de Mike Patton
Aviões (Planes), de Mark Mancina
Os Suspeitos (Prisoners), de Jóhann Jóhannsson
R.I.P.D. – Agentes do Além (R.I.P.D.), de Christophe Beck
Flores Raras (Reaching for the Moon), de Marcelo Zarvos
Romeu e Julieta (Romeo & Juliet), de Abel Korzeniowski
Aposta Máxima (Runner Runner), de Christophe Beck
Rush: No Limite da Emoção (Rush), de Hans Zimmer
Um Porto Seguro (Safe Haven), de Deborah Lurie
Salinger, de Lorne Balfe
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks), de Thomas Newman
A Vida Secreta de Walter Mitty (The Secret Life of Walter Mitty), de Theodore Shapiro
Short Term 12, de Joel P. West
Terapia de Risco (Side Effects), de Thomas Newman
Os Smurfs 2 (The Smurfs 2), deHeitor Pereira
The Spectacular Now, de Rob Simonsen
Além da Escuridão: Star Trek (Star Trek Into Darkness), de Michael Giacchino
Segredos de Sangue (Stoker), de Clint Mansell
Thor: O Mundo Sombrio (Thor: The Dark World), de Brian Tyler
Tim’s Vermeer, de Conrad Pope
Em Transe (Trance), de Rick Smith
Turbo, de Henry Jackman
12 Years a Slave, de Hans Zimmer
Dose Dupla (2 Guns), de Clinton Shorter
The Ultimate Life, de Mark McKenzie
Canção Para Marion (Unfinished Song), de Laura Rossi
O Sonho de Wadjda (Wadjda), de Max Richter
Caminhando com Dinossauros (Walking with Dinosaurs), de Paul Leonard-Morgan
Meu Namorado é um Zumbi (Warm Bodies), de Marco Beltrami e Buck Sanders
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks, de Will Bates
Família do Bagulho (We’re the Millers), de Theodore Shapiro e Ludwig Goransson
Pelos Olhos de Maisie (What Maisie Knew), de Nick Urata
Why We Ride, de Steven Gutheinz
O Vento Está Soprando (The Wind Rises), de Joe Hisaishi
Winnie Mandela, de Laurent Eyquem
Wolverine – Imortal (The Wolverine), de Marco Beltrami

‘Os Suspeitos’ (Prisoners), de Denis Villeneuve (2013)

Os Suspeitos, de Denis Villeneuve

Os Suspeitos, de Denis Villeneuve

Em primeiro trabalho em língua inglesa,
diretor canadense explora as sub-camadas da trama

Até poucas décadas atrás, o cinema canadense tinha basicamente como representantes David Cronenberg e Denys Arcand. Contudo, desde o início dos anos 2000, uma nova safra de diretores têm chamado a atenção: Xavier Dolan, Jean-Marc Vallée, Sarah Polley e Denis Villeneuve só pra citar alguns. O último ganhou notoriedade pelo drama Incêndios (2010), que concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, que acabou lhe proporcionado a oportunidade de dirigir seu primeiro trabalho em língua inglesa (oriundo de Quebec, seu idioma materno é o francês).

Em entrevista, o diretor teria confessado que o gênero suspense (ou thriller) não é seu favorito, mas que a história de duas meninas raptadas no feriado do Dia de Ação de Graças o atraiu pelas sub-camadas que a trama oferece. O roteiro de Aaron Guzikowski permite uma leitura mais profunda dos Estados Unidos pós-11 de setembro, principalmente pela figura de seu protagonista Keller Dover (Hugh Jackman), um homem religioso, alcóolatra em recuperação e que perdeu qualquer fé no governo e nas instituições (se estivesse no Brasil, seria um membro dos Black Blocs!).

À esquerda, o diretor Denis Villeneuve prepara a filmagem de uma cena ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (photo by www.digititles.com)

À esquerda, o diretor Denis Villeneuve prepara a filmagem de uma cena ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (photo by http://www.digititles.com)

Logo na sequência de abertura, ele reza o “Pai Nosso” pouco antes de seu filho atirar num cervo. “Estou orgulhoso de você. Foi um belo tiro!”, elogia Dover. Além de se tratar de uma ótima introdução ao personagem, temos ali um mau presságio. Como pai de uma das meninas sequestradas, ele busca respostas na base de Maquiavel: “Os fins justificam os meios”. Ao encontrar um suspeito na pele de Alex Jones (Paul Dano), um rapaz com problemas mentais, Dover adota o bom e velho “atire primeiro e pergunte depois”.

Esse método foi o grande lema do governo George W. Bush: Invada o Iraque e procure por armas nucleares depois. Ou até mesmo, abre margem às questões de policiamento com espionagem internacional de Obama. Evitar possíveis ataques terroristas justifica a ausência de qualquer privacidade? Villeneuve levanta questões da atualidade através da história de violência no subúrbio americano, porém adverte: “Tento evitar as cenas de violência porque odeio a violência. Mas, quando não posso evitar, vou até o fim, porque não quero torná-la um espetáculo, quero mostrar a feiura. Não quero que o público sinta empolgação com a violência, mas sim repulsa.”

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by www.outnow.ch)

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by http://www.outnow.ch)

O meio encontrado para obter respostas a tempo pelo personagem Keller Dover é seqüestrar o suspeito, já que a lei não permite que permaneça preso por mais de 48 horas. As sessões de interrogatório que se seguem são violentas e discutem a eficácia desse método. Atualmente condenada por toda a sociedade, a tortura foi alvo de críticas ferrenhas no caso da prisão de Guantanamo, que aplicava formas violentas a fim de extrair informações sobre o paradeiro de terroristas.

Seguindo com esse tópico, no ano passado, como discutido neste blog, o filme A Hora Mais Escura foi esculhambado por alguns desocupados. Através de uma interpretação errônea, acreditavam que o filme dirigido por Kathryn Bigelow e o roteiro de Mark Boal fazia apologia à tortura. Como defendido pela diretora publicamente, a tortura inegavelmente fez parte da busca por Osama Bin Laden e não podia ser simplesmente ignorada. Agora, quando a tortura é aplicada numa história ficcional e causada por um pai desesperado, a crítica dos desocupados não se aplica? Essa incoerência só não perde para Spike Lee reclamando do termo ‘nigger’ (criolo) em Django Livre

Claro que esses questionamentos não tiram nenhum mérito do longa de Denis Villeneuve. Pelo contrário, apenas enriquecem sua leitura, pois, além de abranger a costumeira pergunta: “Até onde você iria para salvar seu filho?”, a história permite uma análise dos limites de uma pessoa que tem certeza de suas convicções. Nas mãos de outro diretor, Os Suspeitos poderia ter se tornado um mero exercício de suspense facilmente esquecido.

Villeneuve soube criar o clima tenso que a história precisa, e para isso, contou com a colaboração inestimável de Hugh Jackman, que pode não cantar pelos poros como fez em Os Miseráveis, mas entrega uma performance que valoriza a linguagem corporal do ator, uma vez que o papel exige muito fisicamente. Não muito longe, a atuação de Jake Gyllenhaal como o Detetive Loki também apresenta seus estouros de adrenalina, não se esquecendo dos tiques nervosos como o de piscar os olhos freneticamente, indicando noites perdidas de sono em prol do trabalho intenso.

Jake Gyllenhaal, como Detetive Loki, busca as respostas e recuperar o prestígio da força policial (photo by www.elfilm.com)

Jake Gyllenhaal, como Detetive Loki, busca as respostas e recuperar o prestígio da força policial (photo by http://www.elfilm.com)

Contudo, a participação que mais me chamou a atenção foi a de Viola Davis como Nancy Birch, a mãe de uma das meninas raptadas. Infelizmente, sua personagem teve pouco tempo de tela, mas Davis consegue extrair uma vivacidade que os demais não conseguiram. Assim como em Dúvida, filme no qual também teve participação reduzida, a atriz impressiona e rouba a cena. Não sei se ela consegue a terceira indicação ao Oscar, pois dependerá das concorrentes, mas ela deverá ser lembrada por alguns críticos como atriz coadjuvante.

Viola Davis, como Nancy Birch, deveria ter mais espaço na história (photo by www.elfilm.com)

Viola Davis, como Nancy Birch, deveria ter mais espaço na história (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar do elenco contar com outros bons atores como Melissa Leo, Paul Dano e Maria Bello, todos realizam um trabalho mais funcional. Porém, a decepção maior talvez seja Terrence Howard, que nos últimos anos não vem escolhendo projetos que estimulantes e papéis de maior profundidade.

Os Suspeitos (aliás, título em português horrível para Prisoners) consegue se sustentar apenas com sua história de mistério policial graças à direção envolvente de Villeneuve. Na maioria dos casos em que Hollywood importa talento estrangeiro, o resultado dessas colaborações costuma ser medíocre e os filmes dão lugar a produtos comerciais, portanto a primeira incursão do canadense Denis Villeneuve se mostra um achado, principalmente por ele conseguir oferecer um olhar incisivo de fora da sociedade e política americanas. E embora o roteiro de Guzkowski apresente algumas pontas soltas, a reflexão a respeito do tema e da atualidade consegue compensar os 153 minutos de duração.

AVALIAÇÃO: BOM

Melissa Leo e Paul Dano como Holly e Alex Jones (photo by www.elfilm.com)

Melissa Leo e Paul Dano como Holly e Alex Jones (photo by http://www.elfilm.com)

* Apesar de apresentarem algumas semelhanças sobre desaparecimentos, os filmes Sobre Meninos e Lobos (2003), de Clint Eastwood, e Medo da Verdade (2007), de Ben Affleck, podem servir como ótimas recomendações para quem viu e gostou de Os Suspeitos.

Oscar 2014: Primeiríssima Previsão

Cedo demais para o Oscar 2014? Nem tanto. Se olharmos para os filmes que já estrearam, realmente não há grandes candidatos a Melhor Filme. Contudo, produções milionárias como Homem de Ferro 3, Homem de Aço, Além da Escuridão – Star Trek e Círculo de Fogo podem e devem preencher algumas indicações nas categorias mais técnicas do Oscar como Melhor Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais, uma “rotina” que tem se tornado cada vez mais comum, enquanto os possíveis principais candidatos ao Oscar estréiam no final do ano justamente com esse intuito de deixar os filmes mais frescos nas memórias dos votantes da Academia.

Como a maioria dos candidatos sequer estrearam, muitos palpites aqui são parte de previsões de alguns sites especializados como o Indiewire, além de um apanhado das seleções de festivais como o de Cannes e Berlim. Vale a pena lembrar que o Festival de Toronto (Canadá) tem sido um dos maiores termômetros para o Oscar. Nos últimos anos, os vencedores do prêmio People’s Choice Award foram indicados ou vencedores do Oscar de Melhor Filme: O Lado Bom da Vida, O Discurso do Rei, Preciosa e Quem Quer Ser um Milionário?. Este ano, o novo filme de David O. Russell, American Hustle, pode ser reconhecido em Toronto e praticamente garantir seu acesso ao prêmio da Academia.

Não podemos deixar de lado que há também aquelas produções que já nasceram candidatas ao Oscar, como é o caso de August: Osage County, adaptação de um livro vencedor do Pulitzer, que conta a saga da família Weston. Apesar do diretor inexperiente John Wells, convocaram atores que fazem a diferença e podem render indicações de atuação: Julia Roberts, Ewan McGregor, Chris Cooper, Abigail Breslin e Benedict Cumberbatch. Mas o fator determinante aqui são apenas dois: 1º É produzido por ninguém menos que Harvey Weinstein, o papa-Oscar. E 2º No elenco, tem ninguém menos que Meryl Streep, que pode bater seu próprio recorde de 17 indicações. Você achou que ela fosse sossegar depois de ganhar seu 3º Oscar? Nada disso! Meryl quer bater o recorde de Katharine Hepburn, vencedora de 4 estatuetas de atriz. E, ao que tudo indica, ela deve conquistar sua 18ª indicação, pois Violet Weston, sua personagem, é uma viciada em drogas com câncer (duas tragédias que costumam elevar o potencial de prêmios de atuação). Resta saber se seu papel é principal ou secundário. Veja uma das primeiras fotos de Meryl Streep caracterizada abaixo (a mulher tira de letra!):

Julia Roberts, Ewan McGregor e Meryl Streep em cena de August: Osage County

Julia Roberts, Ewan McGregor e Meryl Streep em cena de August: Osage County (photo by http://www.cinemagia.ro)

Outro que já nasceu com cheiro de premiação foi The Wolf of Wall Street, mais novo filme de Martin Scorsese. Depois de quase ter levado seu segundo Oscar com a bela produção de A Invenção de Hugo Cabret, ele volta à temática criminosa que marcou sua carreira. Desta vez, apóia-se na história verídica de Jordan Belfort, de sua ascensão no mundo dos acionistas até sua queda através de envolvimento com o crime, corrupção e polícia federal. Acredito que Scorsese busque uma história que envolva o mercado financeiro a fim de atingir a crise econômica que devastou os Estados Unidos em 2008.

E mais uma vez Leonardo DiCaprio protagoniza o filme. Trata-se de sua 5ª colaboração com o diretor. Posso estar enganado quanto à eficiência da aliança, mas não sei se o ator consegue atingir o nível de profundidade que Scorsese busca. Pelo tamanho do projeto e da credibilidade de seu diretor, DiCaprio deve ser indicado para Melhor Ator, mas a vitória em si deve levar mais alguns anos. Aos 39 de idade, o ator se mostra cada vez mais esforçado como em Django Livre, mas ainda peca no tom e no excesso.

Leonardo DiCaprio em The Wolf of Wall Street. Mais uma chance no Oscar?

Leonardo DiCaprio em The Wolf of Wall Street. Mais uma chance no Oscar?

O projeto de Scorsese pode ainda render indicações para os atores Matthew McConaughey e Jonah Hill como coadjuvantes, além dos mais corriqueiros como Montagem para Thelma Schoonmaker, Trilha Musical para Howard Shore e Fotografia para Rodrigo Prieto. Resta aguardar o resultado de sua bilheteria e a crítica.

Outro veterano, aliás, veteranoS que podem voltar a concorrer ao Oscar são os irmãos Coen. Em maio, os diretores participaram do último Festival de Cannes com Inside Llewyn Davis, reconhecido pelo Grande Prêmio do Júri. Trata-se de um filme sobre música, especificamente a folk dos anos 60 em Nova York, onde acompanhamos a trajetória do compositor Llewyn Davis.

Além da indicação quase certa de Roteiro Original, como se trata de uma produção de época, pode conquistar indicações para Fotografia (Bruno Delbonnel), Direção de Arte (Jess Gonchor) e Figurino (Mary Zophres). Após atuar nos últimos dois vencedores do Oscar de Melhor Filme (O Artista e Argo), John Goodman pode finalmente ser reconhecido por uma indicação através deste filme dos Coen.

Mas talvez a mais forte aposta seja a atuação de Oscar Isaac, que foi apontado pela mídia especializada como um dos que tem grandes chances de figurar na lista de indicados a Melhor Ator. Sua atuação foi bastante elogiada e, se for reconhecida por alguns prêmios de círculos norte-americanos, pode acabar no Globo de Ouro e no Oscar.

Oscar Isaac tem grandes chances para Melhor Ator por Inside Llewyn Davis (photo by www.OutNow.CH)

Oscar Isaac tem grandes chances para Melhor Ator por Inside Llewyn Davis (photo by http://www.OutNow.CH)

Em alta depois das indicações de seus últimos dois filmes, O Vencedor e O Lado Bom da Vida, o diretor e roteirista David O. Russell vem acumulando um total de 3 indicações sem vitória. Com seu novo filme, American Hustle, a história pode ser diferente.

David O. Russell: 3 indicações ao Oscar. Até o momento, nenhum vitória.

David O. Russell: 3 indicações ao Oscar. Até o momento, nenhum vitória.

Ele retoma a escalação de seus colaboradores como Robert De Niro e Bradley Cooper, podendo receber indicações com Christian Bale, Jennifer Lawrence, Amy Adams e Jeremy Renner. Apesar de todos os atores apresentarem visuais diferentes que merecem atenção, é inegável que Christian Bale se destaca por seu empenho em “desaparecer” no personagem. Bastante comprometido com seus papéis desde Psicopata Americano, O Operário e O Vencedor, Bale ganhou peso, mudou seu penteado radicalmente (ficou meio calvo) e alterou até sua postura. E por isso, é aposta certa para o Oscar 2014, provavelmente como Melhor Ator.

Amy Adams, Bradley Cooper. Jeremy Renner, Christian Bale

Indicados anteriormente: Amy Adams, Bradley Cooper e Jeremy Renner. Vencedores do Oscar: Christian Bale e Jennifer Lawrence. Todos sob direção de David O. Russell (photo by http://www.elfilm.com)

Existe outro filme que começa a ganhar força nos bastidores de Hollywood. Depois do sucesso de Preciosa, o diretor Lee Daniels passou a ganhar prestígio da ala afro-americana (não gosto de usar esse termo politicamente correto, mas tem gente sensível demais atualmente pra ouvir a palavra “negro”). Seu mais novo trabalho, O Mordomo da Casa Branca (The Butler), registra a história supostamente verídica do mordomo negro, Cecil Gaines, que trabalhou na Casa Branca servindo a oito presidentes e testemunhando acontecimentos históricos como a Guerra do Vietnã.

Lee Daniels: 1 indicação por Preciosa.

Lee Daniels: 1 indicação por Preciosa.

Forest Whitaker, que protagoniza o filme, está cotado para sua segunda indicação, e pode render indicações de coadjuvante para Vanessa Redgrave, Alan Rickman, Jane Fonda e principalmente Oprah Winfrey, cuja participação já é um forte lobby em si. Recentemente, ela confessou que teve grande receio de pagar outro mico na tela do cinema, uma vez que seu último filme, Bem-Amada (1998), foi um fracasso de bilheteria.

Mas, felizmente, ela não precisa se preocupar. O público alvo, formado por negros adultos, parece ter aceitado bem a idéia e já responde nas bilheterias americanas. O Mordomo da Casa Branca estreou nos EUA em 1º lugar com 24 milhões de dólares, números que impressionam para uma produção humilde de 25 milhões. Tamanho sucesso comercial deve impulsionar algumas indicações nas categorias principais como Melhor Filme e Diretor, uma vez que não houve diretor negro premiado na história da Academia.

Oprah Winfrey e Forest Whitaker em cena de The Butler

Oprah Winfrey e Forest Whitaker em cena de O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.blackfilm.com)

Se Leo DiCaprio, Oscar Isaacs e Whitaker se classificarem, terão forte competição pela frente. Temos Tom Hanks interpretando o capitão Richard Phillips, que sofreu ataque real de piratas somalianos em 2009 em Captain Phillips; Matthew McConaughey vivendo um aidético que luta contra a indústria farmacêutica em Dallas Buyers Club; o veterano Bruce Dern tendo seu talento redescoberto pelo diretor Alexander Payne em Nebraska, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator no último Festival de Cannes; Chiwetel Ejiofor sendo o escravo da vez no novo filme do conceituado Steve McQueen, Twelve Years a Slave; e o carismático Robert Redford voltando em grande estilo em All is Lost, uma espécie de Náufrago mais moderno.

E se a Academia estiver disposta a recompensar um jovem talento, Michael B. Jordan pode receber sua primeira indicação por Fruitvale Station, uma produção independente que vem seguindo os passos do bem-sucedido Indomável Sonhadora ao conquistar prêmio no Festival de Sundance e ser selecionado em Cannes. Além disso, conta com a ajuda excepcional da Weinstein Company,  que já se comprometeu a distribuir o filme nos EUA e fazer o lobby costumeiro.

Michael B. Jordan no Festival de Cannes e no pôster do filme (photo by www.fruitvalefilm.com)

Michael B. Jordan no Festival de Cannes e no pôster do filme (photo by http://www.fruitvalefilm.com)

Ao contrário dos anos anteriores, a categoria de Melhor Atriz finalmente pode contar com cinco vencedoras do Oscar. Além de Meryl Streep, a australiana Cate Blanchett está encaminhando sua 6ª indicação através do novo filme de Woody Allen, Blue Jasmine, no qual vive a socialite falida Jasmine. Vencedora do Oscar de coadjuvante por O Aviador em 2005, a Academia sente que deve um Oscar de atriz principal para Blanchett, considerada uma das maiores intérpretes do cinema atual. Sally Hawkins e Alec Baldwin podem ser reconhecidos como coadjuvantes, e Woody Allen como roteirista em sua 16ª indicação.

Cate Blanchett em Blue Jasmine (photo by www.OutNow.CH)

Cate Blanchett em Blue Jasmine (photo by http://www.OutNow.CH)

Na mesma linha, a experiente Judi Dench pode ter mais uma chance de conquistar o Oscar de Melhor Atriz. Com um total de seis indicações, ela ganhou apenas uma vez como coadjuvante por Shakespeare Apaixonado (1998), com uma atuação de 8 minutos. Sob direção de Stephen Frears, Judi Dench interpreta uma senhora que procura por seu filho, que foi tirado dela há décadas quando foi forçada a entrar num convento em Philomena.

Os especialistas colocaram Kate Winslet pelo novo filme de Jason Reitman, Labor Day, outros colocaram Sandra Bullock como forte concorrente por Gravidade, filme sobre acidente espacial do mexicano Alfonso Cuarón. O retorno de Winslet ao Oscar seria bem-vindo, pois a Academia gosta de resgatar seus premiados para afastar a sina de maldição do Oscar, mas no caso de Bullock, não creio que suas chances sejam tão boas pelo histórico do gênero.

Sumida do Oscar desde 1996, a inglesa Emma Thompson pode ter seu retorno triunfal com Saving Mr. Banks, no qual interpreta P.L. Travers, autora do livro que deu origem ao clássico musical Mary Poppins (1964). Ao ver o trailer, é possível deduzir que a atuação de Thompson apresentará alguns trejeitos de Julie Andrews. Como o filme pode render indicações para Roteiro Original e Ator Coadjuvante para Tom Hanks (interpretando Walt Disney), Saving Mr. Banks deve figurar entre os candidatos a Melhor Filme. O diretor John Lee Hancock teve seu último trabalho indicado a Melhor Filme em 2010: Um Sonho Possível.

Tom Hanks e Emma Thompson em Saving Mr. Banks.

Tom Hanks (como Walt Disney) mostra o parque Disneyland para a escritora P.L. Travers (Emma Thompson) em Saving Mr. Banks (photo by http://www.disney.com)

E como a Academia tem uma paixão por realeza, as atrizes Nicole Kidman e Naomi Watts podem concorrer por seus papéis de Princesa Grace Kelly e Princesa Diana em Grace of Monaco e Diana, respectivamente. Enquanto Kidman trabalha com Olivier Dahan, que conquistou o Oscar de Atriz para Marion Cotillard por Piaf – Um Hino ao Amor, Watts atua sob direção do alemão Oliver Hirschbiegel (A Queda! As Últimas Horas de Hitler) na tentativa de distrinchar aqueles dias polêmicos em que Lady Di tinha um amante. Em termos de caracterização, Naomi Watts sai um pouco na frente, mas ambas aparentam ter pouco trabalho de maquiagem, ao contrário de Meryl Streep em A Dama de Ferro, por exemplo. Mas o que realmente conta é a atuação e a carga dramática que as atrizes imprimem nos filmes. Vamos torcer por boas atuações!

À esquerda, Grace Kelly. Nicole Kidman enfrenta dura desafio de trazer a princesa e atriz de volta à vida em Grace of Monaco (photo by mamamia.au)

À esquerda, Grace Kelly. Nicole Kidman enfrenta dura desafio de trazer a princesa e atriz de volta à vida em Grace of Monaco (photo by mamamia.com.au)

Naomi Watts (à direita) reproduz os mesmos gestos de Princesa Diana em Diana (photo by eonline.com)

Naomi Watts (à direita) reproduz os mesmos gestos de Princesa Diana em Diana (photo by eonline.com)

Indo na cola do sucesso de Bastardos Inglórios, o novo filme do diretor George Clooney, The Monuments Men, também retoma a Segunda Guerra Mundial ao contar a história de um grupo de historiadores de Arte que busca resgatar importantes obras de arte dos nazistas antes que Hitler as destrua. Por se tratar de uma aventura mais cômica, talvez a produção não seja bem cotada para os prêmios principais do Oscar, mas como Clooney tem boa reputação e seu elenco é super qualificado, pode surpreender na reta final. Apesar de contar com Matt Damon, Bill Murray, Jean Dujardin, John Goodman e do próprio George, a atuação mais comentada (pra variar) é de Cate Blanchett, que capricha no sotaque e pode conquistar indicação de coadjuvante.

Ao centro: John Goodman, George Clooney e Matt Damon checam as obras roubadas em The Monuments Men (photo by www.outnow.ch)

Ao centro: John Goodman, George Clooney e Matt Damon checam as obras roubadas em The Monuments Men (photo by http://www.outnow.ch)

Aliás, nas categorias de coadjuvantes, algumas performances já merecem destaque, como a transformação de Jared Leto num travesti (ou transsexual) no drama sobre HIV, Dallas Buyers Club. O jovem ator, que ficou conhecido como o filho drogado da personagem de Ellen Burstyn em Réquiem Para um Sonho (2000), também emagreceu consideravelmente para o papel. Contudo, nem sempre a Academia está disposta a premiar papéis nada conservadores.

Indicado por Minhas Mães e Meu Pai em 2011, Mark Ruffalo vai na contramão e engorda para o papel. Na verdade, ele ganha massa muscular para viver o campeão olímpico de wrestling, Dave Schultz, assassinado pelo esquizofrênico John duPont, interpretado por Steve Carell, que usa um nariz prostético para incorporar o personagem em Foxcatcher, do diretor Bennett Miller de Capote.

Seguindo o sucesso do nariz prostético de Nicole Kidman em As Horas, Steve Carell repete o feito em Foxcatcher

Seguindo o sucesso do nariz prostético de Nicole Kidman em As Horas, Steve Carell repete o feito em Foxcatcher (photo by http://www.digitalspy.com)

Já na corrida da ala feminina, as vencedoras do Oscar Cate Blanchett, Jennifer Lawrence, Vanessa Redgrave e Octavia Spencer podem figurar na lista final novamente. Previamente indicadas mas sem vitória, Oprah Winfrey, Laura Linney, Catherine Keener, Carey Mulligan, Kristin Scott Thomas e Amy Adams têm novas oportunidades de ganhar, especialmente Amy Adams que, além de ter duas atuações de destaque em 2013 (American Hustle e Her), participou no sucesso comercial Homem de Aço, e já foi indicada 4 vezes como coadjuvante e nunca levou a estatueta.

Vale lembrar que como boa parte dos filmes sequer estrearam, as atuações podem variar entre atores principais e coadjuvantes, fato que depende também do lobby das distribuidoras como a Weinstein Company. Ao longo dos próximos meses, postarei mais previsões e premiações que consolidem a corrida para o Oscar 2014, cujas indicações serão anunciadas no dia 16 de janeiro. Confira as apostas:

MELHOR FILME
– The Wolf of Wall Street
– The Monuments Men
– Twelve Years a Slave
– Saving Mr. Banks
– August: Osage County
– Inside Llewyn Davis
– Gravidade (Gravity)
– American Hustle
– Captain Phillips
– Fruitvale Station
– Blue Jasmine
– All Is Lost
– Foxcatcher
– O Conselheiro do Crime (The Counselor)
– Labor Day
– Mandela: Long Walk To Freedom
– Rush: No Limite da Emoção (Rush)
– O Quinto Poder (The Fifth Estate)
– Out of the Furnace
– Dallas Buyers Club
– Nebraska
– The Past
– O Mordomo (The Butler)
– Os Suspeitos (Prisoners)

MELHOR DIRETOR


– George Clooney (The Monuments Men)
– Joel Coen e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis)
– Lee Daniels (O Mordomo)
– Paul Greengrass (Captain Phillips)
– Steve McQueen (Twelve Years a Slave)
– Bennett Miller (Foxcatcher)
– Alexander Payne (Nebraska)
– David O. Russell (American Hustle)
– Martin Scorsese (The Wolf of Wall Street)
– Ridley Scott (O Conselheiro do Crime)
– Alfonso Cuarón (Gravidade)
– John Wells (August: Osage County)
– Ryan Coogler (Fruitvale Station)
– Spike Jonze (Her)
– Jason Reitman (Labor Day)
– Ron Howard (Rush: No Limite da Emoção)
– J.C. Chandor (All is Lost)
– Bill Condon (O Quinto Poder)
– Denis Villeneuve (Os Suspeitos)

MELHOR ATOR

– Christian Bale (American Hustle)
– Steve Carell (Foxcatcher)
– Benedict Cumberbatch (O Quinto Poder)
– Bruce Dern (Nebraska)
– Leonardo DiCaprio (The Wolf of Wall Street)
– Idris Elba (Mandella: Long Walk to Freedom)
– Chiwetel Ejiofor (Twelve Years a Slave)
– Michael Fassbender (O Conselheiro do Crime)
– Ralph Fiennes (The Invisible Woman)
– Colin Firth (The Railway Man)
– Tom Hanks (Captain Phillips)
– Oscar Isaac (Inside Llewyn Davis)
– Michael B. Jordan (Fruitvale Station)
– Joaquin Phoenix (Her)
– Ben Stiller (The Secret Life of Walter Mitty)
– Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
– Ashton Kutcher (jOBS)
– Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
– Robert Redford (All is Lost)
– Hugh Jackman (Os Suspeitos)

MELHOR ATRIZ

– Cate Blanchett (Blue Jasmine)
– Judi Dench (Philomena)
– Meryl Streep (August: Osage County)
– Emma Thompson (Saving Mr. Banks)
– Sandra Bullock (Gravidade)
– Amy Adams (American Hustle)
– Naomi Watts (Diana)
– Nicole Kidman (Grace of Monaco)
– Julia Roberts (August: Osage County)
– Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
– Marion Cotillard (The Immigrant)
– Bérénice Bejo (The Past)
– Kate Winslet (Labor Day)
– Jessica Chastain (The Disappearance of Eleanor Rigby)
– Jennifer Lawrence (Serena)
– Samantha Morton (Decoding Annie Parker)
– Felicity Jones (The Invisible Woman)
– Elizabeth Olsen (Therese Raquin)
– Greta Gerwig (Frances Ha)
– Rooney Mara (Ain’t Them Bodies Saints)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

– Casey Affleck (Out of Furnace)
– Alec Baldwin (Blue Jasmine)
– Javier Bardem (O Conselheiro do Crime)
– Josh Brolin (Labor Day)
– Daniel Brühl (Rush: No Limite da Emoção)
– George Clooney (Gravidade)
– Bradley Cooper (American Hustle)
– Michael Fassbender (Twelve Years a Slave)
– Harrison Ford (42: A História de uma Lenda)
– Ben Foster (Ain’t Them Bodies Saints)
– John Goodman (Inside Llewyn Davis)
– Tom Hanks (Saving Mr. Banks)
– Woody Harrelson (Out of Furnace)
– Jonah Hill (The Wolf of the Wall Street)
– Phillip Seymour Hoffman (A Most Wanted Man)
– Jared Leto (Dallas Buyers Club)
– Matthew McConaughey (Amor Bandido)
– Matthew McConaughey (The Wolf of the Wall Street)
– Jeremy Renner (American Hustle)
– Mark Ruffalo (Foxcatcher)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

– Amy Adams (American Hustle)
– Amy Adams (Her)
– Cate Blanchett (The Monuments Men)
– Viola Davis (Os Suspeitos)
– Cameron Diaz (O Conselheiro do Crime)
– Jennifer Garner (Dallas Buyers Club)
– Naomie Harris (Mandela: Long Walk to Freedom)
– Sally Hawkins (Blue Jasmine)
– Catherine Keener (Captain Phillips)
– Jennifer Lawrence (American Hustle)
– Laura Linney (O Quinto Poder)
– Margot Martindale (August: Osage County)
– Carey Mulligan (Inside Llewyn Davis)
– Lupita Nyong’o (Twelve Years a Slave)
– Vanessa Redgrave (Foxcatcher)
– Zoe Saldana (Out of the Furnace)
– Octavia Spencer (Fruitvale Station)
– June Squibb (Nebraska)
– Kristin Scott Thomas (The Invisible Woman)
– Oprah Winfrey (O Mordomo)

NOTA IMPORTANTE: No dia 26 de setembro, a Sony Pictures Classics decidiu adiar a estréia de Foxcatcher para 2014, abandonando a corrida para o Oscar. A nobre intenção é conceder mais tempo ao diretor Bennett Miller para a finalização do filme. Poucos dias atrás, a Weinstein Co. também transferiu Grace of Monaco, estrelado por Nicole Kidman, para o ano seguinte. Mas lembrando que as datas ainda podem sofrer alterações até o final do ano, caso surjam boas oportunidades de encaixe.

Foxcatcher: Estréia adiada e ausência no Oscar 2014.

Foxcatcher: Estréia adiada e ausência no Oscar 2014.