Alejandro G. Iñárritu, George Miller, Tom McCarthy, Ridley Scott e Adam McKay conquistam indicação ao DGA 2016

directors2015b-816x460

Do alto, da esquerda para direita: Adam McKay, Ridley Scott, Tom McCarthy, Alejandro González Iñárritu e George Miller (photo montage by awardsdaily.com)

DIRETOR BRASILEIRO, FERNANDO COIMBRA, É RECONHECIDO POR NOVA CATEGORIA PARA ESTREANTES

Por se tratar de um dos melhores parâmetros para o Oscar (se não o melhor), o DGA é praticamente garantia de que o vencedor aqui leva o prêmio de direção da Academia em seguida. E quem estiver fora dessa lista, pode praticamente dar adeus a uma vitória no Oscar. Nesse caso, os excluídos Todd Haynes (Carol) e Steven Spielberg (Ponte dos Espiões) podem até conquistar uma indicação ao Oscar na quinta-feira, mas chances reais de vitória caem drasticamente.

Pra quem não se recorda, vale lembrar que em 67 anos de existência, o DGA só não coincidiu com o vencedor do Oscar de diretor em apenas 7 ocasiões:

  • Em 1968: Anthony Harvey ganhou o DGA Award por O Leão no Inverno, enquanto Carol Reed levou o Oscar por Oliver!
  • Em 1972: Francis Ford Coppola por O Poderoso Chefão (DGA) e Bob Fosse por Cabaret (Oscar).
  • Em 1985: Steven Spielberg por A Cor Púrpura (DGA), e Sydney Pollack por Entre Dois Amores (Oscar).
  • Em 1995: Ron Howard por Apollo 13 (DGA), e Mel Gibson por Coração Valente (Oscar).
  • Em 2000: Ang Lee por O Tigre e o Dragão (DGA) e Steven Soderbergh por Traffic (Oscar).
  • Em 2002: Rob Marshall por Chicago (DGA) e Roman Polanski por O Pianista (Oscar).
  • Em 2013: Ben Affleck por Argo (DGA) e Ang Lee por As Aventuras de Pi (Oscar).

Pra ser bem sincero, acredito que Adam McKay deve ceder sua vaga no Oscar para Haynes, o que fortaleceria suas chances de ganhar como roteirista por A Grande Aposta.

Enfim… as indicações ao DGA foram anunciadas hoje, dia 12, e o presidente do sindicato, Paris Barclay, aproveitou para elogiar os trabalhos de 2015: “O que faz com que este ano seja diferente é a ambição desenfreada dos indicados – no tema , na produção, na imaginação visual. O que faz com que este ano seja o mesmo é que os filmes foram todos escolhidos pelos colegas dos diretores, e é claro que nossos membros adoram quando as pessoas usam sua visão e habilidade para elevar os meios para novos patamares. Parabéns a todos os indicados por seu trabalho incrível.”

Pelo discurso, parecia que ele estava elogiando o trabalho ousado de George Miller em Mad Max: Estrada da Fúria, o que talvez soaria como um indicativo de que este pode ser o primeiro DGA de Miller, mas ele terá dura competição pela frente, com um imbatível Alejandro González Iñárritu, que acaba de levar o Globo de Ouro por O Regresso, e Ridley Scott por Perdido em Marte, que está com cara de que pode levar mais pelo conjunto de sua obra do que pelo filme em si.

Nesta 68ª edição, o DGA resolveu criar uma nova categoria destinada a diretores estreantes, tamanho o talento encontrado em novos diretores. Por se tratar de um prêmio novíssimo, não dá pra saber ainda se ele terá algum tipo de impacto no Oscar, mas definitivamente, trata-se de um reconhecimento merecido.

Além de figuras mais conhecidas como Alex Garland (que roteirizou Extermínio, Sunshine – Alerta Solar e Não me Abandone Jamais) e Joel Edgerton (ator de Reino Animal, Guerreiro e O Grande Gatsby), o diretor brasileiro Fernando Coimbra foi indicado por seu trabalho no bom e tenso thriller O Lobo Atrás da Porta, uma espécie de Atração Fatal carioca. Ele, que já vinha em ascensão com a direção de episódios da série Narcos e agora filmando Sand Castle, longa estrelado por Henry Cavill e Nicholas Hoult, passa a ter mais destaque no cenário internacional com esta indicação. Espero que ele prospere e siga a trajetória de sucesso de nossos diretores Walter Salles, Fernando Meirelles e José Padilha.

oloboatrasdaporta

Em primeiro plano, Leandra Leal em cena de O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra (photo by cinemaorama.com.br)

 

Seguem os indicados a Diretor:

ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑÁRRITU (O Regresso)

Alejandro González IñárrituVencedor do DGA de 2015 por Birdman, esta é sua terceira indicação. Perdeu em 2007 por Babel. Como cinéfilo e admirador do diretor desde seu primeiro longa Amores Brutos (2000), acredito que ele evoluiu bastante. Por um momento, temi que ele fosse se limitar à estrutura narrativa de histórias paralelas que se cruzam com uma tragédia, mas ele conseguiu se superar com Biutiful e Birdman, e promete ser um daqueles raros diretores que buscam inovações a cada novo trabalho. Com a colaboração inestimável de seu DP (diretor de fotografia) Emmanuel Lubezki, Iñárritu se mostra promissor e deve conquistar pelo menos mais uma estatueta do Oscar.

TOM McCARTHY (Spotlight – Segredos Revelados)

Tom McCarthyFoi atuando como ator que Tom McCarthy começou a observar o trabalho dos diretores. Por estar no elenco, viu de perto o modo de trabalho de Richard Donner em Teoria da Conspiração, George Clooney em Boa Noite e Boa Sorte e Clint Eastwood em A Conquista da Honra. Logo em seu primeiro filme como diretor, em O Agente da Estação, foi premiado pelo BAFTA, Independent Spirit e Sundance. Em seguida dirigiu dois bons trabalhos em O Visitante e Ganhar ou Ganhar – A Vida é um Jogo, mas em 2014, resolveu dirigir um filme bem ruinzinho estrelado por Adam Sandler, Trocando os Pés. Felizmente, voltou a um cinema mais consistente em Spotlight – Segredos Revelados. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

ADAM McKAY (A Grande Aposta)

Adam McKaySe olharmos para a filmografia de Adam McKay, encontraremos exemplares das comédias estreladas por Will Ferrell como Ricky Bobby – A Toda Velocidade, Quase Irmãos e Os Outros Caras, filmes que dificilmente seriam reconhecidos no Oscar ou mesmo no DGA. Imagino que deve ter amadurecido seu feeling e timing cômico nessa trama sobre a crise econômica de A Grande Aposta. Espero. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

 

GEORGE MILLER (Mad Max: Estrada da Fúria)

George MillerGeorge Miller era daqueles diretores que eu pensava: “Por que esse cara nunca foi reconhecido pela Academia?” Ele dirigiu uma das melhores trilogias do cinema: Mad Max. E nada! Então, ele passou a ser mais sentimentalista (ou passou a se vender – dependendo do ponto de vista) dirigindo dramas como O Óleo de Lorenzo (1992) e dirigir filmes fofinhos como Babe – O Porquinho Atrapalhado na Cidade (1998) e animação Happy Feet: O Pingüim (2006) e sua continuação. Acho que só o fato de ele ter conseguido convencer o estúdio a lhe dar carta branca pra fazer esse insano e politicamente incorreto Mad Max: Estrada da Fúria em tempos de cinema careta já foi uma vitória incontestável. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

RIDLEY SCOTT (Perdido em Marte)

Ridley ScottEu tinha uma grande admiração por Ridley Scott. Ele dirigiu duas das melhores ficções científicas da História do Cinema: Alien, o Oitavo Passageiro (1979) e Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982), mas desde que o vi com aquela cara de mau perdedor no Oscar 2001, quando competia por Gladiador e perdeu para Steven Soderbergh (Traffic), fiquei com a expressão: “Esse mau perdedor aí é o diretor de Alien?”. Seu novo filme Perdido em Marte é uma boa ficção científica que tem como mérito ser otimista, algo muito raro no gênero. Acredito que tem grandes chances aqui e no Oscar, porém mais por sua filmografia que inclui o cult Thelma & Louise, Os Duelistas e Chuva Negra. Esta é sua quarta indicação ao DGA. Ele foi indicado antes por Thelma & Louise, Gladiador e Falcão Negro em Perigo.

Seguem os indicados a Melhor Diretor Estreante:

  • Fernando Coimbra (O Lobo Atrás da Porta)
  • Joel Edgerton (O Presente)
  • Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
  • Marielle Heller (O Diário de uma Adolescente)
  • László Nemes (O Filho de Saul)

 

O 68º DGA Awards acontece no dia 06 de fevereiro.

Anúncios

‘Ela’ e ‘Gravidade’ dividem o prêmio de Melhor Filme no LAFCA 2013

Joaquin Phoenix em cena com a voz de Samantha (Scarlett Johansson) em Ela, que vence o LAFCA Awards (photo by www.collider.com)

Joaquin Phoenix em cena com a voz de Samantha (Scarlett Johansson) em Ela, que vence o LAFCA Awards (photo by http://www.collider.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by www.elfilm.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by http://www.elfilm.com)

Criado em 1975, o LAFCA Award ficou marcado por premiar filmes pelo reconhecimento artístico, uma atitude cada vez mais rara, mas que eles procuram manter até hoje. Nos últimos anos, produções estrangeiras têm sido bem lembradas pelos críticos de Los Angeles independente do hype da temporada. No ano passado, o vencedor da Palma de Ouro, Amor, acabou levando Melhor Filme mesmo sendo uma co-produção entre França, Alemanha e Áustria.

Entre os atores, muitos profissionais que atuam em língua estrangeira foram devidamente reconhecidos: as sul-coreanas Jeong-hi Yun (Poesia) e Hye-ja Kim (Mother – A Busca Pela Verdade), os franceses Emmanuelle Riva (Amor) e Niels Arestrup (O Profeta), a belga Yolande Moreau (Séraphine), a australiana Jackie Weaver (Reino Animal) e o romeno Vlad Ivanov (4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias) são alguns exemplos de que a competição realmente é intensa e internacional no LAFCA Awards. Este ano, a jovem e bela Adèle Exarchopoulos (francesa de origem grega) se junta aos consagrados estrangeiros por sua atuação no apaixonante Azul é a Cor Mais Quente, que também levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. Infelizmente, por regras arcaicas, a produção não foi selecionada para representar a França e não pode competir na categoria do Oscar. Uma perda lamentável para a Academia.

A bela Adèle Exarchopoulos se torna mais uma estrangeira premiada no LAFCA Awards (photo by www.outnow.ch)

A bela Adèle Exarchopoulos se torna mais uma estrangeira premiada no LAFCA Awards (photo by http://www.outnow.ch)

Com uma grande quantidade de filmes acima da média em competição, os críticos votantes do LAFCA se dividiram entre o ousado Ela, de Spike Jonze, e o hi-tech Gravidade, de Alfonso Cuarón. Não sabemos se houve diferença de votos mínima, mas declararam empate para agradar gregos e troianos. Apesar de menos badalado na corrida para o Oscar, acredito que essa vitória no LAFCA reforça a consagração recente no National Board of Review, de onde saiu com os prêmios de Melhor Filme e Diretor, o que deve engrenar as chances de Ela.

Enquanto Gravidade levou os prêmios de direção, fotografia e montagem, denotando sua superioridade técnica, Ela ficou com direção de arte, além dos segundos lugares nas categorias de direção, roteiro e trilha musical. Apesar de não ter vencido como Melhor Diretor, Spike Jonze entra definitivamente para a corrida para o Oscar 2014 por Ela.

Formado na escola de videoclipes, Spike Jonze tornou-se um diretor-revelação com Quero Ser John Malkovich (1999), pelo qual recebeu sua única indicação ao Oscar. Dirigiu Adaptação. (2002) e Onde Vivem os Monstros (2009), mais duas obras que é impossível sair indiferente. Trata-se de um dos melhores profissionais dessa geração, que deve ser muito prezado pelo cinema norte-americano por sua busca incessante por inovações de estrutura narrativa.

Spike Jonze dirige Joaquin Phoenix em cena de Ela (photo by cinetoscopio.com.br)

Spike Jonze dirige Joaquin Phoenix em cena de Ela (photo by cinetoscopio.com.br)

Um dos grandes favoritos da temporada, 12 Years a Slave, teve que se contentar com o prêmio de Atriz Coadjuvante para Lupita Nyong’o e o 2º lugar de Melhor Ator para Chiwetel Ejiofor. Como prêmio de consolação, criaram uma citação especial para a equipe do filme de Steve McQueen.

Chama a atenção também o empate entre James Franco e Jared Leto na categoria de coadjuvante. São duas performances que marcaram pelo ótimo trabalho de transformação física. Enquanto Franco faz um traficante de drogas e armas em Spring Breakers: Garotas Perigosas, Leto emagreceu 13kg para dar vida ao travesti Rayon em Dallas Buyers Club.

James Franco como o traficante Alien em Spring Breakers: Garotas Perigosas (photo by www.outnow.ch)

James Franco como o traficante Alien em Spring Breakers: Garotas Perigosas (photo by http://www.outnow.ch)

E também vale ressaltar a importante vitória da animação francesa Ernest & Celestine sobre o novo filme de Hayao Miyazaki, O Vento Está Soprando. Ambos os trabalhos estão entre os 19 pré-selecionados a concorrer às indicações ao Oscar de Melhor Animação. Apesar de ser raro ter duas animações estrangeiras competindo como em 2012, quando a espanhola Chico & Rita e a francesa Um Gato em Paris estavam indicadas, existe forte possibilidade dessas duas animações disputarem o Oscar 2014, o que elevaria bastante o nível artístico da categoria.

Cena da animação francesa Ernest & Celestine: difícil bater o mestre Hayao Miyazaki (photo by www.outnow.ch)

Cena da animação francesa Ernest & Celestine: difícil bater o mestre Hayao Miyazaki (photo by http://www.outnow.ch)

Confira lista completa dos vencedores e segundos lugares:

MELHOR FILME (empate): Gravidade (Gravity) E Ela (Her)

MELHOR DIRETOR: Alfonso Cuarón (Gravidade)
2º Lugar: Spike Jonze (Ela)

MELHOR ATOR: Bruce Dern (Nebraska)
2º Lugar: Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)

MELHOR ATRIZ (Empate): Cate Blanchett (Blue Jasmine) E Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (Empate): James Franco (Spring Breakers: Garotas Perigosas) E Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
2º Lugar: June Squibb (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO: Richard Linklater, Julie Delpy e Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
2º Lugar: Spike Jonze (Ela)

MELHOR FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki (Gravidade)
2º Lugar: Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR MONTAGEM: Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
2º Lugar: Shane Carruth, David Lowery (Upstream Color)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: K.K. Barrett (Ela)
2º Lugar: Jess Gonchor (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR TRILHA MUSICAL: T-Bone Burnett (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
2º Lugar: Arcade Fire e Owen Pallett (Ela)

MELHOR ANIMAÇÃO: Ernest & Celestine, de Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner
2º Lugar: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche
2º Lugar: The Great Beauty (La Grande Bellezza), de Paolo Sorrentino

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley
2º Lugar: O Ato de Matar, de Joshua Oppenheimer

SPECIAL CITATION: Ao time de 12 Years a Slave

PRÊMIO NEW GENERATION: Megan Ellison (produtora de Ela, Trapaça e O Grande Mestre)

PRÊMIO DOUGLAS EDWARDS INDEPENDENTE/ FILME EXPERIMENTAL/ VÍDEO: Cabinets Of Wonder: Films and a Performance by Charlotte Pryce

LEGACY OF CINEMA: Criterion Collection
Trata-se de um prêmio merecidíssimo para o melhor selo de filmes em mídia digital. A coleção abrange grandes clássicos como M, o Vampiro de Düsseldorf (1931) a cults saídos do forno como Frances Ha (2013), todos com qualidade de restauração de imagem e áudio impecáveis, além de extras recheados que só enriquecem a sessão de cinema caseira.

É possível encontrar um título ou outro na Livraria Cultura, mas os preços são salgados (giram em torno de 140/150reais). Para quem tem cartão de crédito internacional, vale a pena comprar pela Amazon ou Barnes & Noble a cerca de 30 dólares. Para conhecer melhor os títulos disponíveis, acesse: www.criterion.com

Minha coleção de blu-rays da Criterion

Minha coleção de blu-rays da Criterion

O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook), de David O. Russell (2012)

O Lado Bom da Vida (photo by cinemarcado.com.br)

O Lado Bom da Vida (photo by cinemarcado.com.br)

O novo filme de David O. Russell só deve estrear em telas brasileiras no dia 1º de fevereiro, mas aproveitei a primeira pré-estréia para conferir uma das grandes surpresas do ano e da corrida para o Oscar 2013. Com o total de 8 indicações, O Lado Bom da Vida pode ser o grande concorrente do favorito Lincoln, de Steven Spielberg.

Primeiro, vamos esclarecer uma importante discussão dos bastidores. Apesar de ter conquistado o People’s Choice Award, um notável prêmio eleito pelo público, no último Festival de Toronto, O Lado Bom da Vida deve seu crescimento no Oscar à sua distribuidora Weinstein Company. Para quem não é familiarizado, essa empresa é chefiada por Harvey Weinstein (ex-proprietário da Miramax e provavelmente um dos nomes mais citados em discursos de agradecimento por atores: “I wanna thank Harvey” – sim, preste atenção), que ganhou fama quando fez forte lobby no Oscar 1997 (9 Oscars para O Paciente Inglês) e no Oscar 1999 nas vitórias contestadas de Melhor Filme para Shakespeare Apaixonado (7 Oscars, batendo O Resgate do Soldado Ryan), e Melhor Ator para Roberto Benigni por A Vida é Bela.

Harvey Weinstein: Deus, segundo Meryl Streep, em frente ao Oscar (photo by washingtonpost.com)

Harvey Weinstein: Deus, segundo Meryl Streep, em frente ao Oscar (photo by washingtonpost.com)

Embora não haja provas de suborno, todos no ramo sabem que Harvey investe pesado na propaganda de seus filmes entre os votantes da Academia, pois sabe que um Oscar conquistado representa números maiores nas bilheterias e melhores planos de carreira para os profissionais envolvidos. Às vezes, ele erra como nos filmes citados no parágrafo anterior, mas às vezes ele faz boas ações, como colaborar no terceiro Oscar de Meryl Streep por A Dama de Ferro, na vitória de O Artista, uma produção francesa, em fotografia preto-e-branco sem estrelas hollywoodianas, e nas três indicações de O Mestre este ano.

Quando as indicações do Oscar 2013 foram anunciadas, muitos pensaram: “Harvey ataca novamente!”. Enquanto filmes bem avaliados pela crítica como A Hora Mais Escura e Argo ficaram fora da corrida de Melhor Diretor (enfraquecendo muito as chances de Melhor Filme de ambos), David O. Russell entrou na categoria, e seu filme recebeu o total de 8 indicações. Então, nesse panorama, O Lado Bom da Vida deve ser o único que pode estragar a festa de Spielberg no Oscar.

Apesar da história do lobbista, não existe descrédito do filme. Aliás, o crédito todo deveria ir para o diretor David O. Russell. Aos 54 anos, ele pertence a uma geração de diretores que acredita que bons roteiros e personagens sólidos são a base de todo bom filme. Nessa analogia, Russell está no mesmo barco de Alexander Payne, Jason Reitman e Cameron Crowe, todos bons diretores e roteiristas, mas em termos de direção de atores, ele larga um pouco na frente.

David O. Russell (centro) dirige a cena na lanchonete (photo by indiewire.com)

David O. Russell (centro) dirige a cena na lanchonete (photo by indiewire.com)

Em sua curta filmografia, já foi responsável por sete indicações de atores ao Oscar: Melissa Leo, Christian Bale (ambos ganharam o Oscar), Amy Adams, Bradley Cooper, Jennifer Lawrence, Robert De Niro e Jacki Weaver. Claro que trabalhar com atores de talento reconhecido facilita as coisas, mas quem imaginaria que Bradley Cooper, aquele jovem candidato a galã de Se Beber, Não Case, estaria disposto a se tornar um bom ator? E como transformar Jennifer Lawrence de 22 anos numa viúva convincente? Tudo isso foi possível porque David O. Russell enxergou isso primeiro.

Além desse dom, ele consegue transmitir a harmonia do set de filmagem para a tela, fazendo com que todos os atores, mesmo aqueles com uma linha de diálogo, estejam bem! Em papéis menores do que costumam atuar, Julia Stiles e Chris Tucker defendem seus personagens como se fossem protagonistas. Essa unidade na direção já rendeu prêmios de Melhor Elenco por Huckabees – A Vida é uma Comédia (2004) e O Vencedor (2010).

Jennifer Lawrence e Bradley Cooper formam a base do filme (photo by OutNow.CH)

Jennifer Lawrence e Bradley Cooper formam a base do filme (photo by OutNow.CH)

As histórias que David O. Russell escolhe também têm papel fundamental no sucesso de seu estilo. Desta vez, decidiu mergulhar no projeto (adaptação do romance homônimo de Matthew Quick) porque seu filho também sofreu de bipolaridade como o protagonista, Pat Solatano.

Pat (Bradley Cooper) retorna para casa dos seus pais (Robert De Niro e Jacki Weaver) após oito meses numa instituição mental. Ele fora internado depois que teve uma intensa crise violenta após flagrar sua mulher no chuveiro com outro homem. De volta, ele busca um recomeço para sua vida, fazendo terapia e se exercitando, para que retome seu relacionamento com a esposa Nikki, mas existe uma ordem judicial que o impede de se aproximar dela ou manter qualquer tipo de contato. Aí que entra a personagem Tiffany (Jennifer Lawrence), uma recém-viúva maníaca depressiva.

Existe uma troca de favores entre ambos que faz a trama avançar. Ele quer que ela mande sua carta para a esposa (amiga de sua irmã). E ela precisa de um companheiro de dança para uma competição. Se fossemos resumir o filme numa sinopse, O Lado Bom da Vida estaria longe da lista dos filmes mais aguardados do ano, mas o fator David O. Russell faz toda a diferença. Se o livro caísse nas mãos de outro diretor, existiria a forte possibilidade do filme se tornar um estudo da bipolaridade e outros distúrbios mentais. Já nas mãos de Russell, temos um filme sobre pessoas muito próximas à realidade e a forma como elas se relacionam entre si com pitadas de humor inteligente.

Robert De Niro, Jacki Weaver e Bradley Cooper: a família disfuncional (photo by OutNow.CH)

Robert De Niro, Jacki Weaver e Bradley Cooper: a família disfuncional (photo by OutNow.CH)

Assim como em seu sucesso anterior, O Vencedor, o diretor explora o núcleo familiar disfuncional. Embora todos os membros apresentem problemas e defeitos individuais, funcionam como uma família para resolverem algumas questões principais. E essa atmosfera familiar muito bem orquestrada pelo diretor que faz o filme cativar o público.

Para ajudá-lo nessa árdua tarefa, como de costume, ele conta com seu casting bem escalado. Inicialmente, o papel de Pat seria de Mark Wahlberg (colaborador assíduo do diretor), mas viu traços promissores em Bradley Cooper. Para viver a personagem Tiffany, havia uma fila de atrizes que tinha nomes como Rooney Mara e Anne Hathaway (que teve que sair do projeto por conflitos de agenda). Contrariando a diferença de idade dos atores (Bradley tem 37 anos), Russell apostou suas fichas na jovem de 22 anos, Jennifer Lawrence.

Jennifer Lawrence (22) e Bradley Cooper (37) em cena (photo by mediumutm.ca)

Jennifer Lawrence (22) e Bradley Cooper (37) em cena (photo by mediumutm.ca)

Em nenhum momento, o espectador se incomoda com o fato da atriz ser nova. Jennifer Lawrence aceita o desafio e convence com sua maturidade e seu carisma na pele de Tiffany. Embora já tenha realizado performances memoráveis como em Inverno da Alma, ela impressiona pelo bom timing cômico que desconhecíamos até então. Além disso, sua atuação demonstra uma fragilidade apaixonante. Por fora, ela se protege através de seus maneirismos e desvios psicológicos, mas se mostra uma pessoa que carrega forte sentimento de culpa. Seu trabalho já rendeu o Globo de Ouro de Melhor Atriz – Comédia ou Musical, e se vencer no SAG, ninguém tira o Oscar dela.

E para quem estava com saudades, a escalação do veterano Robert De Niro foi uma grata surpresa. Há muito tempo não víamos o ator num papel com carga emocional. Claro que seu personagem Pat Sr. tem seus tiques nervosos como as superstições para jogos de futebol americano, mas existe uma mágoa do passado que continua afligindo seu papel como pai. A última vez que De Niro foi indicado ao Oscar foi em 1992, vinte anos atrás, por Cabo do Medo. Não acredito em sua vitória, mas a Academia já fez sua parte de trazer o ator de volta aos holofotes. Como cinéfilo, espero que ele aproveite bem sua nova chance e escolha melhor seus próximos projetos.

Já a australiana Jacki Weaver, que faz a mãe adorável que foca sua atenção na culinária, completa o círculo central com seu carisma. Sua personagem Dolores procura o filme todo agradar a todos pelo lado afetivo. Pena que seu papel tem poucas cenas, pois Weaver está bem no papel. Sua primeira indicação ao Oscar em 2011 por Reino Animal foi um belo acerto da Academia, trazendo esse talento para os filmes americanos.

Curiosamente, este é o primeiro filme desde Reds (1981), de Warren Beatty, a receber indicações nas quatro categorias de atuação.

Se a Academia resolver reconhecer o talento de David O. Russell como roteirista e diretor, aí Lincoln naufraga e O Lado Bom da Vida e Harvey Weinstein levam 4 Oscars: Atriz, Roteiro Adaptado, Diretor e Filme. Isso sim, seria um Oscar imprevisível.

AVALIAÇÃO: MUITO BOM

Indicações ao Oscar 2013!

Oscar 2013

Oscar 2013

(Confira vídeo do youtube do anúncio das indicações acima)

Ao contrário dos anos anteriores, a Academia resolveu antecipar o anúncio dos indicados para antes da cerimônia do Globo de Ouro. A estratégia é muito simples: depender menos do prêmio da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (até mesmo porque deixou de ser o melhor parâmetro há muito tempo) e tentar ser menos previsível a fim de elevar os números da audiência.

Além da alteração no calendário, a Academia convocou o próprio host do Oscar, Seth MacFarlane, substituindo a costumeira presença do presidente da Academia. Para a tarefa, ele contou com a companhia da atriz Emma Stone. Os dois trouxeram um tom bem mais informal e cômico ao anúncio, que como questionado por MacFarlane, não sabemos porque não mudaram o horário (05h30 da manhã na costa oeste dos EUA). Outra quebra de protocolo se refere à ordem dos indicados. Desta vez, os atores foram anunciados de forma aleatória para aumentar ainda mais o suspense.

Emma Stone e Seth MacFarlane dão o tom inédito de humor ao anúncio dos indicados ao Oscar 2013

Emma Stone e Seth MacFarlane dão o tom inédito de humor ao anúncio dos indicados ao Oscar 2013

Em relação aos indicados, à princípio, as ausências mais sentidas foram na categoria de Melhor Diretor. Enquanto todos os especialistas previam indicações para Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura), Ben Affleck (Argo) e Tom Hooper (Os Miseráveis), uma vez que todos foram reconhecidos pelo Directors Guild of America, a Academia resolveu pregar uma peça e incluiu nomes menos previsíveis: o polêmico diretor austríaco Michael Haneke (Amor), David O. Russell (O Lado Bom da Vida) e talvez a maior surpresa do ano: o estreante Benh Zeitlin pela produção super independente Indomável Sonhadora. Além de Bigelow e Hooper, Quentin Tarantino (Django Livre) pode ter sido prejudicado pelo lançamento tardio (na reta final de dezembro) e consequente votação sem tempo hábil para conferir esses filmes.

Apesar de considerar que Kathryn Bigelow merecesse só pela coragem de assumir um projeto tão ambicioso e secreto como A Hora Mais Escura, é gratificante ver que profissionais novatos como Zeitlin tem um espaço no reconhecimento internacional da Academia. Espero que ele aproveite bem essa vitrine colossal e acerte com projetos igualmente inovadores como Indomável Sonhadora.

Benh Zeitlin: O diretor com cara de menino no último Festival de Cannes, de onde saiu com o prêmio Camera d'Or de reconhecimento técnico e artístico

Benh Zeitlin: O diretor com cara de menino no último Festival de Cannes, de onde saiu com o prêmio Camera d’Or de reconhecimento técnico e artístico por Indomável Sonhadora

Com essas surpresas na categoria de diretores, Argo, A Hora Mais Escura e Os Miseráveis reduzem drasticamente suas chances de vitória como Melhor Filme, já que a última vez que um filme ganhou Melhor Filme sem ter seu diretor sequer indicado foi lá em 1990, quando Conduzindo Miss Daisy levou sem Bruce Beresford estar entre os indicados para Melhor Diretor.

Outra ausência muito comentada foi a do filme francês Intocáveis na categoria de Filme Estrangeiro. Quem conhece os números extraordinários da segunda maior bilheteria da França, jamais esperava que o filme seria ignorado pelos votantes. Já o austríaco Amor confirmou seu favoritismo, emplacando outras quatro indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz para Emmanuelle Riva.

Aliás, aos 85 anos, Riva faz história no Oscar, tornando-se a atriz mais velha a receber uma indicação nessa categoria. O recorde anterior pertencia a inglesa Jessica Tandy (Conduzindo Miss Daisy). Ainda no campo dos recordes, a pequena Quvenzhané Wallis bate a australiana Keisha Castle-Hughes (Encantadora de Baleias) sendo a atriz mais jovem na categoria aos 9 anos.

A nova recordista da categoria aos 9 anos Quvenzhané Wallis. Muitos acreditavam que ela ficaria restrita a prêmios de Melhor Revelação.

A nova recordista da categoria aos 9 anos Quvenzhané Wallis. Muitos acreditavam que ela ficaria restrita a prêmios de Melhor Revelação (photo by OutNow.CH)

Leonardo DiCaprio, Matthew McConaughey, Nicole Kidman, John Hawkes, Anthony Hopkins, Maggie Smith, Judi Dench, Javier Bardem, Helen Mirren, Marion Cottilard, Rachel Weisz, todos esses atores ficaram de fora da competição. Em anos anteriores, dos 20 indicados ao SAG Awards, normalmente 17 a 19 conseguiam chegar ao Oscar. Este ano, com o efeito “Oscar imprevisível”, esse número foi reduzido a 14, até mesmo porque a pequena Wallis não podia concorrer no SAG porque não era sindicalizada na época das filmagens de Indomável Sonhadora.

Havia um receio de que Joaquin Phoenix fosse ficar de fora da competição de Melhor Ator devido às suas declarações numa entrevista, dizendo que “não dava a mínima para o Oscar”. Além disso, o filme O Mestre estava perdendo o fôlego nessa reta final do Oscar, provavelmente por mexer no polêmico tema da Cientologia. Contudo, mesmo com tais adversidades, Phoenix foi reconhecido pela Academia e enfrentará forte concorrência com Daniel Day-Lewis e Hugh Jackman. E a questão que fica é: Será que Joaquin Phoenix vai ao Oscar?

Ainda nas categorias de atuação, as indicações dos principais atores de O Lado Bom da Vida podem ter um peso significativo nas respectivas carreiras. Bradley Cooper, que tinha muito seu nome associado à comédia de sucesso Se Beber, Não Case, pode desfrutar do reconhecimento para ampliar a diversidade de suas propostas. Enquanto para o veterano Robert De Niro, esta indicação, que veio após 20 anos, pode ser o tão aguardado resgate do brilho do ator, que estava fadado a filmes supérfluos. Queremos ver o De Niro dos grandes filmes como Touro Indomável e Cabo do Medo.

Três dos quatro indicados do filme O Lado Bom da Vida, que foi abraçado pela Academia.

Bradley Cooper, Jacki Weaver e Robert De Niro: três dos quatro indicados do filme O Lado Bom da Vida, que foi abraçado pela Academia.

Na ala feminina, Jacki Weaver ainda aproveita a fama que a primeira indicação lhe rendeu por Reino Animal. Com a segunda indicação, seu salário deve engordar e a atriz já está com a agenda lotada até 2014. Também com sua segunda indicação como Melhor Atriz (a primeira foi em 2011 por Inverno da Alma), a jovem Jennifer Lawrence se firma como uma das maiores estrelas de Hollywood, juntamente com o sucesso da série Jogos Vorazes e do novo filme dos mutantes da Marvel, X-Men: Future Days of Past (2014).

Os recordistas desta 85ª edição do Oscar foram Lincoln com 12 indicações, seguido de perto por As Aventuras de Pi com 11. Como sobrou uma vaga na categoria de Melhor Filme, gostaria que indicassem Moonrise Kingdom, mas como este só foi lembrado na categoria de Roteiro Original, fica difícil incluírem-no.

Com 11 indicações, As Aventuras de Pi ficou em segundo lugar.

Com 11 indicações, As Aventuras de Pi ficou em segundo lugar.

Gostei das cinco indicações para o novo filme de James Bond, 007 – Operação Skyfall. Uma indicação para cada década de sucesso. Por outro lado, vale ressaltar que não houve nenhuma indicação sequer para o blockbuster Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Embora tenha feito o esperado sucesso comercial, o novo filme de Christopher Nolan falhou em conquistar reconhecimento técnico no Oscar. Esperava-se pelo menos uma indicação de Melhores Efeitos Sonoros e talvez Melhor Trilha Musical Original, mas no conjunto, o filme teve um tratamento de “requentado de Batman: O Cavaleiro das Trevas“.

Outras produções que vinham conquistando espaço nas premiações de críticos, mas que ficaram totalmente de fora do Oscar foram O Exótico Hotel Marigold (com elenco experiente e britânico), Looper: Assassinos do Futuro (esperava-se que essa ficção científica pudesse ser indicado a Melhor Roteiro Original pelo menos) e Um Final de Semana em Hyde Park (os atores Bill Murray, Laura Linney e Olivia Williams passaram desapercebidos), fazendo com que o lançamento fosse adiado para abril.

Se a Academia buscava ares mais frescos e menos previsibilidade, acertou em muitas escolhas. E você? Quais são suas opiniões?

MELHOR FILME

 AMOR (AMOUR)

ARGO (ARGO)

INDOMÁVEL SONHADORA (BEASTS OF THE SOUTHERN WILD)

• DJANGO LIVRE (DJANGO UNCHAINED)

OS MISERÁVEIS (LES MISÉRABLES)

AS AVENTURAS DE PI (LIFE OF PI)

LINCOLN (LINCOLN)

O LADO BOM DA VIDA (SILVER LININGS PLAYBOOK)

A HORA MAIS ESCURA (ZERO DARK THIRTY)

MELHOR DIRETOR

Michael Haneke (Amor)

Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Steven Spielberg (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

Hugh Jackman (Os Miseráveis)

Joaquin Phoenix (O Mestre)

Denzel Washington (Flight)

MELHOR ATRIZ

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Emmanuelle Riva (Amor)

Quvenzhané Wallis (Indomável Sonhadora)

Naomi Watts (O Impossível)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)

Philip Seymour Hoffman (O Mestre)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

Christoph Waltz (Django Livre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Amy Adams (O Mestre)

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

Helen Hunt (The Sessions)

Jacki Weaver (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Michael Haneke (Amor)

Quentin Tarantino (Django Livre)

John Gatins (Flight)

Wes Anderson e Roman Coppola (Moonrise Kingdom)

Mark Boal (A Hora Mais Escura)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Chris Terrio (Argo)

Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

David Magee (As Aventuras de Pi)

Tony Kushner (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

MELHOR FOTOGRAFIA

Seamus McGarvey (Anna Karenina)

Robert Richardson (Django Livre)

Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)

Janusz Kaminski (Lincoln)

Roger Deakins (007 – Operação Skyfall)

MELHOR MONTAGEM

William Goldenberg (Argo)

Tim Squyres (As Aventuras de Pi)

Michael Khan (Lincoln)

Jay Cassidy e Crispin Struthers (O Lado Bom da Vida)

William Goldenberg, Dylan Tichenor (A Hora Mais Escura)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Sarah Greenwood e Katie Spencer (Anna Karenina)

Dan Hennah, Ra Vincent e Simon Bright (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)

Eve Stewart e Anna-Lynch Robinson (Os Miseráveis)

David Gropman e Anna Pinnock (As Aventuras de Pi)

Rick Carter e Jim Erickson (Lincoln)

MELHOR FIGURINO

Jacqueline Durran (Anna Karenina)

Paco Delgado (Os Miseráveis)

Joanna Johnston (Lincoln)

Eiko Ishioka (Espelho, Espelho Meu)

Colleen Atwood (Branca de Neve e o Caçador)

MELHOR MAQUIAGEM

Hitchcock

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

Os Miseráveis

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Dario Marianelli (Anna Karenina)

Alexandre Desplat (Argo)

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

John Williams (Lincoln)

Thomas Newman (007 – Operação Skyfall)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Before My Time”, de J. Ralph (Chasing Ice)

“Suddenly”, de Alain Boublil, Claude-Michel Schönberg e Herbert Kretzmer (Os Miseráveis)

“Pi’s Lullaby”, de Mychael Danna e Bombay Jayshri (As Aventuras de Pi)

“Everybody Needs a Best Friend”, de Walter Murphy e Seth MacFarlane (Ted)

“Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR SOM

Argo

Os Miseráveis

As Aventuras de Pi

Lincoln

007 – Operação Skyfall

MELHORES EFEITOS SONOROS

Argo

Django Livre

As Aventuras de Pi

007 – Operação Skyfall

A Hora Mais Escura

MELHORES EFEITOS VISUAIS

Os Vingadores

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

As Aventuras de Pi

Prometheus

Branca de Neve e o Caçador

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave)

Frankenweenie (Frankenweenie)

ParaNorman (ParaNorman)

Piratas Pirados! (The Pirates! In an Adventure with Scientists!)

Detona Ralph (Wreck-it Ralph)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amor, de Michael Haneke (Áustria)

War Witch, de Kim Nguyen (Canadá)

No, de Pablo Larraín (Chile)

O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)

Kon-Tiki, de Joachim Rønning e Espen Sandberg (Noruega)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

5 Broken Cameras

The Gatekeepers

How to Survive a Plague

The Invisible War

Searching for Sugar Man

MELHOR DOCUMENTÁRIO CURTA

Inocente

Kings Point

Mondays at Racine

Open Heart

Redemption

MELHOR CURTA-METRAGEM

Asad

Buzkashi Boys

Curfew

Dood van een Schaduw

Henry

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

Adam and Dog

Fresh Guacamole

Head Over Heels

Paperman

The Simpsons: The Longest Daycare

Prévia do Oscar 2013: Atriz Coadjuvante

A última vencedora de Atriz Coadjuvante: Octavia Spencer por Histórias Cruzadas.

Pela história do Oscar, a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante é a mais imprevisível das quatro de atuação, pois na maioria das vezes, as candidatas não estão ligadas ao Melhor Filme, o que dificulta numa aposta de bolão. Na verdade, se formos pensar de forma otimista, a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante é a mais ousada. Já premiou crianças como Anna Paquin por O Piano (1993) e Tatum O’Neal por Lua de Papel (1973). Foi a primeira a reconhecer um ator negro na história do Oscar: Hattie McDaniel pelo papel da empregada doméstica Mammy de … E o Vento Levou, em 1940.

Hattie McDaniel, a primeira negra a vencer o Oscar: um marco na história.

Aliás, em seu discurso de agradecimento em 2006, George Clooney fez uma breve menção a essa histórica vitória: “… esta Academia, este grupo de pessoas deu um Oscar para Hattie McDaniel em 1939 quando negros ainda se sentavam no fundo dos cinemas. Estou orgulhoso de fazer parte desta Academia, orgulhoso de fazer parte desta comunidade…”

Como cinéfilo, torço para que as atrizes indicadas nesta categoria tenham a oportunidade de crescer na carreira e chegar na corrida para Melhor Atriz. Este ano, algumas candidatas têm boas chances de decolar em definitivo. Amy Adams (que já tem três indicações como coadjuvante), Anne Hathaway (tem uma indicação como atriz, mas por um filme independente) e Olivia Williams, que brilhou em O Escritor Fantasma, pode finalmente ter seu trabalho reconhecido pela Academia.

Inevitavelmente, há casos em que as atrizes podem ser compensadas por derrotas anteriores, como pode ser o caso de Viola Davis, que chegou muito próximo do Oscar de atriz esse ano, mas perdeu para Meryl Streep.

E para dar mais consistência ao caldo, a presença de atrizes veteranas só valorizaria mais o prêmio. Vanessa Redgrave, uma das melhores atrizes vivas hoje, já tornaria tudo mais interessante. Com seis indicações, a atriz britânica já levou um na década de 70 por Júlia, dirigida por Fred Zinnemann. Outra britânica veterana que pode retornar é Maggie Smith. Com o fim da loga franquia de Harry Potter, na qual interpretava a feiticeira Minerva, ela se juntou com outros atores experientes em O Exótico Hotel Marigold. Como em Assassinato em Gosford Park, ela rouba a cena com seu humor tipicamente britânico. E Sally Field, vencedora de dois Oscars, que encontrou reduto na TV, pode voltar com mais frequência às telas de cinema.

Amy Adams em The Master

AMY ADAMS (The Master)

Italiana de nascença, Amy Adams tinha tudo para se tornar uma cantora ou bailarina, pois praticou canto no coro da igreja e fez aulas de balé. Depois de sofrer uma distenção muscular, ela decidiu que participaria de um teste para atriz. O filme era Lindas de Morrer (1999) e, como se trata de uma comédia sobre concurso de beleza, Amy conseguiu o papel pela sua aparência deslumbrante. Em 2001, conseguiu uma grande oportunidade de atuar ao lado de Leonardo DiCaprio em Prenda-me se for Capaz, de Steven Spielberg, mas não rendeu os frutos esperados, pois ficou um ano sem trabalho.

Foi apenas em 2005, com o filme independente Retratos de Família (Junebug), no qual dá vida à animadíssima grávida Ashley, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Provado seu talento e acrescido de sua beleza, a Disney lhe ofereceu a papel da bela princesa de Encantada (2007), superando mais de 300 candidatas. A produção bem-sucedida comercialmente ainda permitiu que Amy Adams comprovasse seu outro talento: o canto. No Oscar de 2008, como a canção “Happy Working Song” foi indicada, a atriz subiu ao palco e cantou solitaria e animadamente.

Em sua curta trajetória, obteve mais duas indicações ao Oscar como coadjuvante: em 2009, por Dúvida e em 2011, por O Vencedor. Como prova de sua versatilidade, ela interpretou uma freira e uma garçonete, respectivamente. Tornou-se material de ouro para vários diretores, inclusive Walter Salles (Na Estrada) e Paul Thomas Anderson, nesse The Master.

No filme da cientologia, Amy faz a esposa do iluminado Lancaster Dodd, Peggy. Sua personagem verídica está presente e ciente de tudo, funcionando como uma espécie de conselheira para seu marido. Talvez não tenha o peso do personagem Lancaster (Philip Seymour Hoffman), mas como a atriz tem muito prestígio e tem mais dois bons filmes no ano (Na Estrada e Curvas da Vida, que atua ao lado de Clint Eastwood), Amy Adams é presença garantida na lista.

2013 promete: ela assinou contrato para ser a nova Lois Lane em Superman – O Homem de Aço e a polêmica cantora Janis Joplin, cujo filme deve ser dirigido por Lee Daniels.

Samantha Barks em Les Misérables

SAMANTHA BARKS (Les Misérables)

Confesso que não sei quase nada sobre esta jovem e bela atriz britânica. Samantha Barks atuou em duas séries televisivas européias, sendo que uma delas é sobre música: I’do Anything (2008), uma espécie de programa reality, que já confirmaria o talento musical da jovem.

Curiosamente, já em 2010, a atriz foi escalada para interpretar Eponine na montagem musical Les Misérables in Concert: The 25th Anniversary, dirigido por Nick Morris, especialista em video clipes e concertos.

Quando Les Misérables iniciou os testes com atrizes, inúmeros nomes famosos foram cogitados. Scarlett Johansson, Hayden Panettiere, Emily Browning, Lucy Hale e Evan Rachel Wood estavam na lista, mas como não devem ter agradado aos ouvidos do casting com seus cantos de sereia, resolveram tentar com a cantora-babe country Taylor Swift. Mas quem disse que tinha talento pra representar? Vamos chamar alguém com experiência! E viram o concerto de Nick Morris.

O nome de Samantha Barks já saiu em algumas listas internacionais nos burburinhos para a temporada de premiações. Mesmo que tenha seu brilho ofuscado por Anne Hathaway, a atriz deve decolar em Hollywood nos anos seguintes. Basta que ela e seu agente saibam escolher os melhores projetos.

Viola Davis em Won’t Back Down

VIOLA DAVIS (Won’t Back Down)

Viola Davis é daquelas atrizes muito humildes que está cada vez mais raro encontrar em Hollywood. Ela começou a atuar em filmes no final dos anos 90, e apesar de interpretar papéis menores, trabalhou com diretores de prestígio como Steven Soderbergh em Irresistível Paixão (1998) e Traffic (2000), e Todd Haynes no belo filme Longe do Paraíso, no qual vive a discretíssima doméstica Sybill.

Quando Viola Davis foi indicada ao Oscar de coadjuvante por poucos minutos de tela de sua personagens Mrs. Miller em Dúvida, Meryl Streep chegou a mencioná-la num discurso de agradecimento: “… por favor, alguém dê uma chance para Viola estrelar um filme!”. O pedido de Meryl foi atendido e os produtores apostaram na atriz para protagonizar o drama Histórias Cruzadas, como a doméstica que sofre racismo nos anos 60 no Mississipi. Resultado: uma nova indicação ao Oscar, mas desta vez como Melhor Atriz.

Infelizmente, numa disputa acirradíssima, Viola Davis levou a pior contra Streep. Mas como existe a possibilidade da Academia estar disposta a compensá-la, alguns especialistas acreditam que ela pode estar na lista final pelo drama Won’t Back Down. No filme, ela é uma mãe que, preocupada com a educação precária que seu filho vem recebendo da escola pública, acaba ingressando na própria escola a fim de realizar melhorias necessárias.

Por esse retrato da decadência do sistema público de educação, o filme recebeu protestos de professores. Não que estejam reclamando do filme em si, mas do governo que os colocam como culpados. Em entrevista, Viola Davis retrucou muito polidamente: “Sou receptiva aos protestos. Gosto de discussão. Acho que o discurso proporciona mudanças. No final do filme, o professor é o herói no fim do dia.  E é um sistema que está falido e precisa ser consertado.”Apesar da polêmica, a atriz sai fortalecida, e se conseguir a indicação, aí pode se tornar favorita contra Anne Hathaway.

Sally Field em Lincoln

SALLY FIELD (Lincoln)

Resumidamente, Sally Field se destacou primeiro pela TV, na série cômica A Noviça Voadora (1967). Em sua nova fase na carreira, migrou para o cinema e ganhou dois Oscars: em 1980 com o drama sindicalista Norma Rae, e em 1985 com o momento racista de Mississipi em Um Lugar no Coração.

Já na década de 90, Sally Field estrelou alguns filmes menos expressivos como Olho por Olho (1995) e a comédia com Robin Williams, Uma Babá Quase Perfeita, mas ficou extremamente marcada como a mãe carinhosa de Forrest Gump – O Contador de Histórias (1994).

Espera-se que esse carinho tenha se repetido como a segunda esposa do presidente Abraham Lincoln. Independente do resultado final, Spielberg acertou na escolha de Field pela sua credibilidade como atriz veterana e pela exposição na TV, pela série Brothers & Sisters, que já lhe rendeu indicações para o Globo de Ouro e Emmy.

No entanto, como as atenções para o elenco estão reunidas em Daniel-Day Lewis, acho difícil uma vitória de Sally Field, ainda mais que a concorrência está acirrada com Anne Hathaway e Amy Adams.

Anne Hathaway em Les Misérables

ANNE HATHAWAY (Les Misérables)

Quem diria que aquela jovem atriz de O Diário da Princesa tomaria Hollywood alguns anos depois? Sua ascensão se divide em três etapas. Começou depois de atuar em O Segredo de Brokeback Mountain (2005), sob a tutela de um inspiradíssimo Ang Lee. Seu papel como Lureen, esposa de Jake Gyllenhaal, tem partipação pequena, mas ali ela já mostra maior alcance em termos de expressão e sotaque.

Com o sucesso estrondoso de O Diabo Veste Prada, ela certamente garantiu um lugar de destaque em Hollywood, provando que tem carisma com o público juvenil e possui bom timing cômico. Claro que seu agente agradeceu, pois seu salário foi parar na estratosfera depois do filme. Mas Hathaway ainda não estava satisfeita. Ela queria provar ao mundo que era mais do que um rosto bonito, por isso, aceitou a proposta de atuar no drama O Casamento de Rachel, de Jonathan Demme, no qual vive uma jovem recém-saída da clínica de reabilitação para ver sua irmã casar. Sua coragem foi premiada com sua primeira indicação ao Oscar.

Curiosamente, no Oscar 2009, ela participou do número de abertura ao lado de Hugh Jackman, cantando muito bem uma paródia do filme Frost/Nixon. Sua qualidade vocal foi tão bem elogiada pelos companheiros, que ela acabou sendo cotada para este musical Les Misérables. E segundo matérias especializadas, no teste, Anne cantou “I Dreamed a Dream” de forma tão comovente que os demais atores choraram.

Se ela conseguir comover o público como promete, ela está na frente na disputa de Melhor Atriz Coadjuvante.

Helen Hunt em The Sessions

HELEN HUNT (The Sessions)

Depois que Helen Hunt ganhou como Melhor Atriz em 1998 pela ótima comédia Melhor É Impossível, a atriz sofreu a maldição do Oscar. Oriunda da série de TV, Mad About You, ela vinha em ascensão depois do sucesso do blockbuster Twister (1996), mas depois do ápice, caiu em desgraça e não soube escolher bons projetos que pudessem valorizar sua performance e timing cômico. A carreira dela depois do Oscar no cinema pode se resumir a comédia light Do que as Mulheres Gostam (2000), atuou na comédia razoável de Woody Allen, O Escorpião de Jade (2001), e foi figurante em Náufrago (2000).

Acho que Helen Hunt precisa aproveitar o sucesso de crítica de The Sessions, no qual ela faz uma profissional do sexo e dona de casa que busca atender ao último pedido de Mark (John Hawkes), e escolher projetos que possam valorizar o seu tipo de atuação com uma vertente mais humorística. Não estou tentando rotulá-la para sempre aos papéis cômicos, mas como sua carreira está em baixa, ela deveria retomá-la com algo que sabe fazer bem e então procurar projetos mais ambiosos, sejam biografias, papéis que exigem horas de maquiagem, dietas milagrosas, enfim…

Como ela já foi vencedora do Oscar, tenho certeza de que a Academia adoraria indicá-la mais vezes, pois odeia essa má publicidade da maldição do Oscar. Mas para isso, ela precisa fazer a parte dela e escolher bem seus próximos filmes. Ela já tem um drama pronto intitulado Decoding Annie Parker, que parece uma bomba, e asssinou para fazer Relative Insanity (uma comédia dramática) e Serpent Girl (uma fantasia, também com cara de bomba).

Maggie Smith em O Exótico Hotel Marigold

MAGGIE SMITH (O Exótico Hotel Marigold)

Sim, Maggie Smith pode concorrer em duas categorias no mesmo ano e por dois filmes diferentes. Em O Exótico Hotel Marigold, a atriz veterana empresta seu humor tipicamente britânico à sua personagem Muriel, uma senhora que foi serviçal de uma família a vida toda, mas que foi dispensada quando terminou de ensinar todas as tarefas para outra mulher mais jovem. Ela precisa fazer uma cirurgia no quadril, mas como a espera é muito longa, ela viaja à Índia, onde a cirurgia seria imediata e se recupera no hotel do título.

Esse papel muito se assemelha ao personagem que viveu no filme Assassinato em Gosford Park, de Robert Altman, pois apresenta o mesmo comportamento esnobe, mas com o humor discreto. E assim como da outra vez, Maggie Smith rouba todas as cenas em que está presente, uma vez que é dona das melhores frases. O fato de conseguir se destacar em meio a tantos bons atores como Judi Dench, Tom Wilkinson e Bill Nighy pode ajudar em mais uma indicação para a atriz, que já levou a estatueta duas vezes.
A primeira em 1970 por A Primavera de uma Solteirona, e em 1979 pela comédia California Suite como coadjuvante.

Se ela conseguir a proesa de duas indicações, estas devem ser a sétima e a oitava. Devemos levar em consideração também seu trabalho em toda a longa franquia do bruxo Harry Potter. Maggie esteve em sete dos oito filmes da série como a feiticeira Minerva.

Jacki Weaver (centro) em Silver Linings Playbook

JACKI WEAVER (Silver Linings Playbook)

Esta atriz australiana deixou sua marca ao interpretar a matriarca de Reino Animal, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Sua performance foi extremamente bem elogiada por toda a crítica e teve seu reconhecimento internacional. Felizmente, entre os que gostaram de seu trabalho estava o diretor David O. Russell, que a chamou para seu novo filme, Silver Linings Playbook.

Aparentemente, seu papel de Dolores, a mulher de Pat Sr. (Robert De Niro) e mãe de Pat (Bradley Cooper), não continha tanta profundidade. Mas pelos comentários, Jacki conseguiu tirar leite de pedra. Pela linguagem artística, ela puxa inúmeras camadas de uma personagem fadada ao bidimensionalismo. E enganam-se aqueles que pensam que seu papel neste filme tem semelhanças com a violenta Smurf Cody de Reino Animal.

Apesar de quase desconhecida, Jacki Weaver já atua em filmes desde a década de 70, sendo o mais notável deles o drama Picnic na Montanha Misteriosa, de um jovem Peter Weir. Um dos primeiros filmes australianos a atingir sucesso internacional, o drama tem essa aura de mistério que perdura até o fim, lembrando alguns trabalhos do diretor sueco Ingmar Bergman.

Sendo uma atriz experiente, já aproveitou sua fama e fez a comédia Cinco Anos de Noivado (ainda inédito no Brasil) e acabou de ser dirigida por dois diretores em extrema ascensão: o sul-coreano Park Chan-Wook (de Oldboy) em Stoker, e com Jason Reitman (Juno e Amor Sem Escalas) em Labor Day, ambos previstos para estrear em 2013.

Olivia Williams (a dir.) em Hyde Park on Hudson

OLIVIA WILLIAMS (Hyde Park on Hudson)

Se olharmos para a filmografia de Olivia Williams, veremos que ela começou com o pé esquerdo, naquela bomba chamada O Mensageiro, de um ambicioso Kevin Costner. Mas logo se redimiu com o ótimo Três é Demais (1998), de Wes Anderson, e o mega-sucesso O Sexto Sentido, onde faz a esposa de Bruce Willis.

Em anos mais recentes, Williams vem buscando projetos mais sérios em que seus papéis lhe proporcionem maiores oportunidades de mostrar sua maturidade. Foi assim ao trabalhar com o diretor Roman Polanski em O Escritor Fantasma, pelo qual recebeu alguns prêmios importantes como melhor coadjuvante como o National Society of Film Critics e o London Critics Circle Film Awards.

Agora com Hyde Park on Hudson, ela finalmente pega um papel biográfico importante: a esposa do então presidente americano Franklin D. Roosevelt (Bill Murray), Eleanor. Num final de semana em que recebem a ilustre visita do Rei George VI e da Rainha da Inglaterra em Nova York, sua personagem precisa lidar com uma possível traição de seu marido com a prima distante Margaret Suckley (Laura Linney), mesmo que seu casamento já não seja mais tão amoroso.

A indicação mais certa entre os três atores principais seria a de Bill Murray, mas ele pode puxar o carro para as indicações das atrizes (Linney como atriz e Williams como coadjuvante).

 

—–

Apesar de Anne Hathaway seguir com o favoritismo por sua performance musical em Les Misérables, a corrida ainda está bem aberta nessa categoria. Nesses próximos dois meses, muita coisa pode alterar o nível de favoritismo às indicações. Alguns sites especializados apontam Dame Judi Dench como uma possível candidata por sua atuação no novo filme de James Bond. Particularmente, não acredito tanto nessa idéia pelo histórico de nenhuma indicação para atores de personagens de 007. O mais próximo que chegou disso foi Daniel Craig, que foi indicado ao BAFTA por 007 – Cassino Royale. Por outro lado, esta é a primeira vez que a chefe de Bond tem várias cenas chaves no filme, então Dench tem alguma chance, levando em consideração também o fato da franquia mais lucrativa do cinema completar 50 anos.

Judi Dench como a chefe operacional M em 007 – Operação Skyfall

Contudo, a atriz que mais gostaria de ver no Oscar é a veteraníssima Vanessa Redgrave. Apesar de já ter vencido um na década de 70 por Júlia, ela sempre manda bem em qualquer filme, seja dirigida por um Joe Wright ou por um mais medíocre como Roland Emmerich. Tem um filme feito pra TV chamado Desejo Proibido (If These Walls Could Talk 2, 2000), no qual ela interpreta uma senhora lésbica que perde tudo quando sua companheira morre, e os familiares dela não deixam ela herdar nada.

Também é quase impossível descartar Frances McDormand, que além de já ter levado um Oscar em 1997 por Fargo, voltou a ser indicada mais duas vezes como coadjuvante. Scarlett Johansson pode ser uma grata surpresa, pois além de ser uma indicação inédita, ela estaria reprisando os passos de Janet Leigh (papel que ela interpreta em Hitchcock), pois ela também foi indicada por Psicose em 1961.

– Pauline Collins (Quartet)

– Judi Dench (007 – Operação Skyfall)

– Jennifer Ehle (Zero Dark Thirty)

– Scarlett Johansson (Hitchcock)

– Frances McDormand (Promised Land)

– Vanessa Redgrave (Song for Marion)

– Kelly Reilly (Flight)

– Amanda Seyfried (Les Misérables)

– Alicia Vikander (Anna Karenina)

Primeira prévia do Oscar 2013: Melhor Filme

As cartas do Oscar 2013 já começam a se posicionar

Para alguns, talvez seja cedo demais para falar de favoritos ao Oscar 2013, afinal as indicações só saem no dia 15 de janeiro, duas semanas depois daquela ressaca descomunal de fim de ano. Mas com as previsões de estréia acertadas, muitos filmes já lançaram seus trailers e chamam a atenção por se encaixarem nas preferências da Academia.

Na maior parte dos casos, os diretores são os grandes responsáveis por elevar os filmes ao patamar de “material de Oscar”. Só de ouvir o nome de Steven Spielberg ou Peter Jackson, muitos especialistas no assunto já os colocam na corrida antes mesmo de verem seus filmes. Em 2013, além de ambos poderem puxar várias indicações com suas mega-produções Lincoln e O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, podem ser concorrentes na categoria de Melhor Diretor, ao lado de outros nomes consagrados como Paul Thomas Anderson, Ang Lee e Quentin Tarantino. À primeira vista, a safra de produções parece bem promissora, e como o número de indicados a Melhor Filme expandiu desde 2010, a Academia tem ótimas condições de agradar os cinéfilos ao reconhecê-los.

A lista de filmes de 2012 poderia ser ainda maior, mas a Warner Bros. resolveu adiar dois fortes candidatos para o ano seguinte: a adaptação do romance de F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, e Caça aos Gângsteres, de Ruben Fleischer. No primeiro caso, os chefões do estúdio acharam que o novo filme de Luhrmann, que conta com o trio Leonardo Di Caprio, Carey Mulligan e Tobey Maguire, tinha potencial maior para atingir o público juvenil do verão americano (que ocorre a partir de maio), então pretendem aguardar para arrecadar mais nas bilheterias. Já o segundo, apresentava uma sequência em que quatro gângsteres abrem fogo dentro de uma sala de cinema, remetendo ao recente massacre no cinema de Colorado durante sessão de estréia de Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge. https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/07/21/12-mortos-em-sessao-de-batman-o-cavaleiro-das-trevas-ressurge/Resultado: o trailer foi retirado do ar, o lançamento foi reagendado para 2013 e o filme teve de ser reescrito para eliminar a sequência agora perturbadora.

Banner de Caça aos Gângsteres com a data original de lançamento. Fica para 2013.

Apesar dessas baixas, o Oscar 2013 promete. Temos também a aguardada adaptação musical do clássico literário de Victor Hugo, Les Miserables (Os Miseráveis), dirigido por Tom Hooper (vencedor do Oscar por O Discurso do Rei); o novo filme de época de Joe Wright (Desejo e Reparação) trazendo novamente o romance de Leo Tolstoy, Anna Karenina, estrelado por Keira Knightley (pra variar); e a polêmica caça ao Bin Laden trazida às telas por Kathryn Bigelow (vencedora do Oscar por Guerra ao Terror) em Zero Dark Thirty.

Seguem alguns fortes candidatos para Melhor Filme no Oscar 2013 (em ordem alfabética):

ANNA KARENINA

Dir: Joe Wright

Anna Karenina: Esse casaco diz “Quero um Oscar de Figurino”

A Academia adora filmes de época. E vale lembrar que Direção de Arte e Figurino são dois prêmios que esses filmes costumam abocanhar na cerimônia. Sarah Greenwood e Jacqueline Durran, responsáveis por esses departamentos respectivamente, têm 90% de chance de serem indicadas. Embora o diretor Joe Wright não tenha sido reconhecido, seu filme Desejo e Reparação (2007) foi indicado a 7 Oscars, incluindo Melhor Filme. Suas chances este ano aumentam por contar com o grande dramaturgo e roteirista Tom Stoppard, oscarizado por Shakespeare Apaixonado (1998) e seu elenco, que tem nomes em alta como Keira Knightley, Jude Law, Olivia Williams, Emily Watson e Kelly Macdonald.

Apesar da obra de Leo Tolstoy, Anna Karenina, já ter sido adaptada várias vezes para o cinema, nunca chegou ao Oscar com força. Talvez esta seja uma oportunidade de ouro (com o perdão do trocadilho), mas devo ressaltar que na categoria de atuação, se Greta Garbo e Vivien Leigh, que já deram vida à protagonista não foram sequer indicadas, quais as chances de Knightley? Particularmente, gostaria de ver Olivia Williams indicada, pois já merecia pela ótima performance em O Escritor Fantasma (2010). Além desse trabalho, ela tem outro trabalho chamativo este ano: Hyde Park on Hudson, no qual interpreta Eleanor Roosevelt.

ARGO (Argo)

Di: Ben Affleck

Argo: Ben Affleck trabalha em cena de atores

Quem diria que Ben Affleck, aquele ator abaixo da média que protagonizou aquela bomba chamada Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopez, iria se tornar um bom diretor? Já calou a boca de muita gente ao dirigir dois bons dramas: Medo da Verdade (Gone Baby Gone, 2007) e Atração Perigosa (The Town, 2010). Felizmente, assim como Clint Eastwood e Robert Redford (atores que se tornaram diretores), ele aprendeu o ofício com bons profissionais do ramo: Gus van Sant, Kevin Smith e John Frankenheimer. Depois de seu sucesso, Affleck recebeu várias propostas para comandar projetos de estúdio, mas recusou todas e isso tem se tornado sua maior virtude: focar em projetos de qualidade. Desta vez, optou em contar uma história mais política, sobre o resgate de refugiados americanos no Irã.

Como Affleck já dirigiu duas performances indicadas ao Oscar (Amy Ryan e Jeremy Renner), escalar um bom elenco não tem sido nenhuma dificuldade. Para Argo, ele reuniu uma trupe talentosa: Bryan Cranston (da série de TV Breaking Bad), John Goodman, o vencedor do Oscar Alan Arkin e Kyle Chandler, podendo resultar em novas indicações. E por trás das câmeras, mais nomes conhecidos pela Academia, começando por George Clooney como produtor, o compositor Alexandre Desplat (já indicado 4 vezes), o fotógrafo Rodrigo Prieto (uma indicação), o montador William Goldenberg (2 indicações) e até a figurinista Jacqueline West (2 indicações). Continuando nesse caminho, uma indicação para Melhor Diretor para Ben Affleck seria mera questão de tempo.

AS AVENTURAS DE PI (The Life of Pi)

Dir: Ang Lee

As Aventuras de Pi: Fantasia baseada em best-seller que conta com a credibilidade de Ang Lee

Depois de conquistar seu Oscar de Melhor Diretor por O Segredo de Brokeback Mountain, o taiwanês Ang Lee dirigiu 2 filmes: Desejo e Perigo (2007), um ótimo romance na China da 2ª Guerra Mundial, que arrebatou o Leão de Ouro em Veneza, e Aconteceu em Woodstock (2009), um drama mais modesto que chegou a ser indicado à Palma de Ouro. O que fazer quando um cineasta atinge seu ápice? Aposta em projetos mais pessoais. Ang Lee se identificou com a obra de Yann Martel, sobre um rapaz indiano, Pi, que sobrevive a um naufrágio e divide um bote com animais selvagens: uma hiena, um orangotango, uma zebra e um tigre de bengala.

Como se trata de uma fantasia, suas chances em categorias técnicas são boas, principalmente em Fotografia (Claudio Miranda, diretor de fotografia de O Curioso Caso de Benjamin Button), Direção de Arte (David Gropman, de As Regras da Vida), Montagem (Tim Squyres, de O Tigre e o Dragão) e dá pra incluir também Roteiro Adaptado (David Magee, de Em Busca da Terra do Nunca), além, claro, de uma nova indicação a Ang Lee, que seria sua terceira como Melhor Diretor. Resta saber se o filme receberá impulso das bilheterias.

BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE (The Dark Knight Rises)

Dir: Christopher Nolan

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge: bilheteria astronômica, mas não garante destaque no Oscar

Eu, Winston, não indicaria Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge para Melhor Filme do Oscar. MAS, como a segunda parte da trilogia, Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) foi o grande responsável pelo aumento de número dos indicados na categoria, não duvido nada a Academia premiar (leia-se compensar) este novo filme de Christopher Nolan. Pra quem não se recorda, em 2009, apesar de ter o total de 8 indicações, o filme ficou de fora nas principais categorias: Melhor Diretor e Melhor Filme, fato que muitos atribuem a culpa ao filme sobre nazismo (sempre ele) O Leitor, de Stephen Daldry.

Embora essa legislação do Oscar tenha mudado por motivos comerciais, a ausência do filme de Nolan na época repercutiu muito mal e fez com que a Academia temesse uma drástica redução na audiência da cerimônia. Tentaram remediar com a vitória póstuma de Heath Ledger como ator coadjuvante, mas essa ferida ainda ecoa entre os fãs do herói e dos filmes. Este já seria um motivo para que esta terceira parte figurasse entre os indicados a Melhor Filme, mas e como o Oscar se posicionaria em relação àquela sessão de Colorado, que culminou na morte de 12 espectadores?

Indicar o filme como homenagem também ou isso seria um desrespeito? Na teoria, Batman não tem nada a ver com o incidente. Aliás, até o ator Christian Bale foi lá visitar os sobreviventes no hospital. Mas na prática, essa paranóia pode influenciar nos resultados.

Ademais, Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge tem todas as condições para conquistar vagas em categorias mais técnicas como fotografia, direção de arte, montagem, som, efeitos sonoros e efeitos visuais. Christopher Nolan pode concorrer como Diretor e Roteiro adaptado, mas acho pouco provável pela repercussão das críticas.

INDOMÁVEL SONHADORA (Beasts of the Southern Wild)

Dir: Benh Zeitlin

Beasts of the Southern Wild: Apesar de azarão, tem chances com a fotografia e atriz-mirim Quvenzhané Wallis de apenas 6 aninhos

A pequena produção americana com orçamento estimado em 1 milhão e 800 mil dólares começou sua jornada de reconhecimento no último Festival de Sundance, onde conquistou o Grande Prêmio do Júri – Drama e o prêmio de Fotografia, e em seguida no Festival de Cannes, de onde saiu com os prêmios Un Certain Regard e Golden Camera, que prestigiam uma visão ímpar e a qualidade técnica de um filme, respectivamente.

Agora, comprado pela Fox Searchlight por míseros US$ 2 milhões, deverá ser distribuído pelos EUA com o devido lobby por indicações ao Oscar. Apesar de Quvenzhané Wallis ter apenas 6 anos, a Academia adora indicar novos prodígios como os recentes casos de Abigail Breslin (Pequena Miss Sunshine), Keisha Castle-Hughes (A Encantadora de Baleias) e Haley Joel Osment (O Sexto Sentido).

Também conta a favor da trama ser uma mistura de realidade dura com fantasia. Em 2010, essa mesma ambientação saiu premiada com o Oscar de Roteiro Adaptado e Atriz Coadjuvante para Mo’Nique em Preciosa – Uma História de Esperança. O feito poderia se repetir em 2013.

DJANGO LIVRE (Django Unchained)

Dir: Quentin Tarantino

Django Livre: O escravo contra o mestre. Tarantino promete um western inovador.

Tarantino já ganhou o Oscar de roteiro original em 1995 por Pulp Fiction – Tempo de Violência, mas de lá pra cá, já se aventurou em produções que não têm a cara da Academia: os dois volumes de Kill Bill e À Prova de Morte. Em 2010, seu Bastardos Inglórios foi um forte candidato e levou o Oscar de coadjuvante para a majestosa performance de Christoph Waltz.
Agora, com o western Django Livre, estrelado por Jamie Foxx, Christoph Waltz e Leonardo Di Caprio, Tarantino terá uma nova oportunidade de levar outro Oscar e mostrar que é fã nº1 do western spaghetti Três Homens em Conflito (The Good, The Bad and the Ugly, 1966), de Sergio Leone.

Como se trata de um filme ambientado no velho oeste, tem boas chances nas categorias de Direção de Arte (J. Michael Riva), Figurino (Sharen Davis), Fotografia (Robert Richardson), Som, Roteiro Original e Montagem (o assistente de edição Fred Raskin assumiu o cargo depois que a colaboradora de longa data Sally Menke faleceu em 2010). O burburinho do Oscar também atinge os atores. Jamie Foxx, que já ganhou Melhor Ator por Ray, e Leonardo Di Caprio, já indicado 3 vezes, são possíveis nomes para Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente.

Se Tarantino não inseriu elementos pop demais em Django Livre, a Academia pode alavancar ainda mais sua bilheteria com indicações, mas o cinema praticado pelo diretor ainda sofre preconceitos por boa parte dos votantes judeus, mesmo que os tenha “defendido” na versão heróica da 2ª Guerra Mundial em Bastardos Inglórios.

O HOBBIT – UMA JORNADA INESPERADA (The Hobbit: An Unexpected Journey)

Dir: Peter Jackson

O Hobbit: Deu lucro? Volta pra Middle Earth.

Não sou fã da trilogia do Senhor dos Anéis, especialmente o último filme que tem 11 finais, mas seria ignorância da minha parte se não reconhecesse todo o trabalho de Peter Jackson para adaptar J.R.R. Tolkien para o cinema. Jackson elevou o gênero da fantasia a um novo patamar, uma vez que muitos consideravam os livros obras “infilmáveis”. Com o estrondoso sucesso de crítica e público, era apenas questão de tempo para o livro que antecedeu a trilogia, O Hobbit, passasse a ser cogitado como futuro projeto de Peter Jackson. Mas acabou parando nas mãos de outro talentoso diretor de fantasias: Guillermo del Toro.

À princípio, achei que ele não queria mais ver elfos e hobbits pela frente, porém foi uma cirurgia de úlcera que acabou tirando-o da cadeira de diretor. Guillermo, famoso diretor dos filmes de Hellboy e do premiado O Labirinto do Fauno, assumiu o projeto e respirou J.R.R. Tolkien por 2 anos e não aguentou a pressão dos estúdios e prazos de filmagem e lançamento. Sinceramente, achava que del Toro iria conseguir finalizar o filme, mas se você é daquelas pessoas que assiste aos making ofs nos DVDs e blu-rays, sabe que diretor de grandes produções sofre bastante. Entra feliz e animado e sai com expressão de cansaço total e cabelos brancos. Além disso, Guillermo tinha uma sombra muito forte por trás: o próprio Peter Jackson.

Incontáveis fãs nerds que frequentam as conferências de San Diego pediam a cabeça de Guillermo del Toro. Resultado: a voz do consumidor é a voz de Deus! Peter Jackson voltou! Bilionário, com um estômago bem menor, com corpinho mais esbelto e com 3 estatuetas do Oscar em casa. O estúdio ficou tão feliz com seu retorno à série que resolveram comemorar transformando O Hobbit em uma trilogia. Por que lucrar uma vez se você pode lucrar 3 vezes mais? Então aí está: aguente mais 3 anos de hobbits, elfos, gollums, finais melosos e incontáveis indicações ao Oscar.

INSIDE LLWELYN DAVIS

Dir: Ethan Coen e Joel Coen

Inside Llewlyn Davis: Ainda sem fotos do filme, vemos os irmãos Coen no set de filmagem que conta com Carey Mulligan nos anos 60.

Depois que os irmãos Coen ganharam o Oscar de Melhor Filme, Direção e Roteiro Adaptado pelo ótimo Onde os Fracos Não têm Vez em 2008, qualquer filme deles automaticamente se torna um forte candidato ao Oscar. Como cinéfilo e fã da filmografia bem criativa dos irmãos, considero esse reconhecimento tardio mas justo. Até um filme despretensioso como Um Homem Sério (2009) se mostrou uma ótima comédia que foi indicada a Melhor Roteiro Original e Melhor Filme, sem contar as 10 indicações que a refilmagem de Bravura Indômita conseguiu em 2011. Neste Inside Llewlyn Davis, os diretores contam com duas armas para repetir o triunfo no Oscar: filme que se passa nos anos 60, e Carey Mulligan.

Se a jovem atriz britânica não pode mais contar com O Grande Gatsby, ela pode conseguir sua segunda indicação com esta performance. Só esperamos que Justin Timberlake, que contracena com ela, não a atrapalhe. Aliás, será que os Coen conseguem realizar um milagre e fazer Timberlake atuar decentemente? Só isso já merece um Oscar, não?

Além de Mulligan e os irmãos Coen, o filme conta com o produtor Scott Rudin, que desde 2003, já foi indicado 5 vezes ao Oscar (vencendo justamente com o filme dos Coen), e o reconhecido diretor de fotografia Bruno Delbonnel, responsável pelo visual fantástico de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001).

LES MISÉRABLES

Dir: Tom Hooper

Les Miserables: musical com Hugh Jackman.

Parece que depois de Moulin Rouge – Amor em Vermelho (2001), Chicago (2002) e Mamma Mia! (2008), o gênero musical tem voltado ao cenário de Hollywood. E agora, ele volta com pedigree literário. O clássico Les Miserábles de Victor Hugo foi adaptado pelo roteirista indicado ao Oscar de Gladiador, William Nicholson, e regido por Tom Hooper, mais conhecido por seu sucesso O Discurso do Rei.

Apesar de bem comentado e com altas expectativas, devemos considerar que Tom Hooper não tem experiência com musicais. É claro que pode ser um dos filmes mais premiados da temporada, mas pode amargurar no esquecimento devido ao risco. Por outro lado, se depender do elenco, o filme pode alavancar algumas indicações ao Oscar: Hugh Jackman, Russell Crowe e Anne Hathaway protagonizam a adaptação e são boas apostas, especialmente Jackman e Hathaway, pois ambos têm talento musical comprovados (sim, eu sei que Russell Crowe tem uma bandinha…), e já têm uma história de cantar juntos na cerimônia do Oscar. Também existe uma história de que Anne Hathaway cantou I Dreamed a Dream no teste de atores e fez todos chorarem.

Musicais são como boa publicidade. É muito fácil fazer uma mediocridade, mas quando se acerta o tom, podem surgir obras-primas como Cantando na Chuva. Vamos esperar que Tom Hooper acerte em cheio.

MOONRISE KINGDOM (Moonrise Kingdom)

Dir: Wes Anderson

Moonrise Kingdom: Atores já valem o ingresso

Os filmes de Wes Anderson estão um pouco longe de ser uma unanimidade entre os votantes da Academia, pois… digamos que ele tem um humor bastante peculiar. Três é Demais (1998), Os Excêntricos Tenenbauns (2001), A Vida Aquática de Steve Zissou (2004) e Viagem a Darjeeling (2007) são obras singulares, mas a Academia não estava preparada para recebê-las, ainda mais se lembrarmos que comédia nunca foi um gênero forte na premiação. Contudo, o cineasta começa a atingir maturidade e seu nome a se associar aos melhores filmes do ano. Já foi indicado ao Oscar duas vezes: pelo Roteiro Original de Os Excêntricos Tenenbauns e pela ótima animação O Fantástico Sr. Raposo (2009).

Com este novo trabalho, Moonrise Kingdom, ele volta a reunir seus colaboradores habituais Bill Murray e Jason Schwartzman, reunindo mais atores consagrados como Tilda Swinton, Frances McDormand, Edward Norton e Bruce Willis, o que sempre aumenta a atenção dos críticos. O filme fala sobre a paixão de um escoteiro por uma garota, e quando decidem fugir juntos, a cidade inteira se mobiliza para procurá-los. Embora seja uma aposta incerta para o Oscar, tem chances em algumas categorias como Roteiro Original, Trilha Musical (Alexandre Desplat), Figurino, Montagem (Andrew Weisblum) e talvez alguma de atuação.

LINCOLN

Dir: Steven Spielberg

Lincoln: pôster simples, mas que já tem cara de Oscar

Steven Spielberg. Daniel Day-Lewis. Filme sobre presidente. Desses 3 elementos, já podemos tirar uns Oscars da cartola. Lincoln tem tudo para ser um daqueles candidatos recordistas em indicações: Filme, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante (que tem vários possíveis nomes como Tommy Lee Jones, Jackie Earle Haley, David Strathairn, John Hawkes, Hal Holbrook), Atriz Coadjuvante (Sally Field), Roteiro Adaptado, Fotografia, Trilha Musical, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Som e Maquiagem. Total de 13, tá bom pra você, Spielberg? Depois de sair com as mãos abanando com seu Cavalo de Guerra, a Academia pode se sentir na obrigação de compensá-lo, a menos que o filme seja uma draga… Isso sem contar se não tiver uma canção original na manga. No papel, o status do filme é de vencedor de Melhor Filme, mas como todos os especialistas dizem: o Oscar é imprevisível.

Fui assistir a Cavalo de Guerra com um pé atrás, porque achava que o diretor andava meio enferrujado, e todo aquele episódio de retocar o filme E.T. o Extraterrestre (1982) ainda não me caiu bem. Mas Spielberg não desaprendeu a fazer cinema e com o filme, comprovou que ainda manda bem na catarse. E Lincoln tem todos os ingredientes épicos para fazer os votantes da Academia chorarem nos créditos finais, afinal, o presidente, considerado um dos heróis da nação, foi assassinado friamente, como outro político querido: Kennedy.

Recentemente, escrevi um post sobre os atores dirigidos por Spielberg e o fato curioso de que nenhum deles ganhou o Oscar. Agora, o diretor tem Daniel Day-Lewis em seu filme, um dos melhores profissionais de sua geração, assumindo um papel almejado por incontáveis atores de Hollywood. Lincoln seria a melhor chance do diretor depois de A Lista de Schindler. Será que é desta vez, Spielberg?

THE MASTER

Direção: Paul Thomas Anderson

The Master: Amy Adams (à esq) e Philip Seymour Hoffman (centro) são apostas certeiras com Joaquin Phoenix.

Apesar de Paul Thomas Anderson ter um gosto meio alternativo, seus filmes costumam levar algumas indicações. Foi assim com Boogie Nights – Prazer Sem Limites, Magnólia e Sangue Negro; todos receberam indicações de atuação e Daniel Day-Lewis ganhou seu segundo Oscar pelo último. A única exceção foi Embriagado de Amor, que passou desapercebido pela premiação, porque Adam Sandler não é bem uma unanimidade entre os críticos (particularmente, acho seu melhor trabalho como ator).

The Master se destaca por se tratar de um filme sobre os primórdios da cientologia. Sim, aquela polêmica religião criada pelo autor de ficção científica L. Ron Hubbard, que tem adeptos ilustres como Tom Cruise e John Travolta. Para contar essa interessante história, Anderson convocou um nome igualmente polêmico: Joaquin Phoenix, que parece ter perdido uns parafusos quando anunciou na TV, todo barbudo e de óculos escuros, a aposentadoria da carreira de ator. Juntamente com Philip Seymour Hoffman (Oscar de Ator por Capote) e Amy Adams (3 indicações), forma uma trinca poderosa na corrida ao Oscar. O favoritismo de Phoenix e Hoffman cresceu ainda mais depois que receberam o prêmio Volpi Cup no Festival de Veneza, de onde o diretor também saiu laureado com o Leão de Prata.

A produção também tem boas chances em Melhor Roteiro Original (o próprio Paul Thomas Anderson), Trilha Musical (Jonny Greenwood), Direção de Arte (Jack Fisk e David Crank), Figurino (Mark Bridges, ganhador do Oscar este ano com O Artista)e Montagem. Talvez seja o único capaz de bater Spielberg e Peter Jackson.

SILVER LININGS PLAYBOOK

Direção: David O. Russell

Silver Linings Playbook, de David O. Russell

David O. Russell era considerado um diretor alternativo, assim como Wes Anderson. Mas com o amadurecimento de seus trabalhos, Russell conseguiu destaque e indicações para seu filme O Vencedor (The Fighter, 2010). Não apenas obteve sua primeira indicação ao Oscar como Melhor Diretor, mas seus atores coadjuvantes, Christian Bale e Melissa Leo, saíram premiados daquela cerimônia. Agora, com este Silver Linings Playbook, ele volta a chamar a atenção, mas não somente dos críticos, mas do público, pois ganhou o People’s Choice Awards no último Festival de Toronto, reconhecimento também dado ao vencedor do Oscar O Discurso do Rei.

Baseado no romance de Matthew Quick, o filme acompanha o retorno de Pat Solitano (Bradley Cooper) à casa dos pais depois de ficar internado oito meses numa instituição mental. Ele busca reconstruir sua vida e reconciliação com a ex-mulher que o traiu. No caminho, ele conhece uma jovem chamada Tiffany (Jennifer Lawrence) que se oferece para ajudá-lo em troca de um favor importante para ela. Trata-se de uma história bastante simples, mas pelos comentários e críticas que ouvi, também apresenta elementos bastante humanos que, com a ajuda dos atores em forma, conquistaram o público por onde passou.

Tem se tornado a produção que mais cresceu nessa fase da corrida para o Oscar 2013, ao lado do filme de Ben Affleck, Argo. Além disso, tem boas chances de emplacar indicações para os quatro atores: Bradley Cooper (sim, aparentemente ele é mais do que um candidato a galã de Se Beber, Não Case!), Jennifer Lawrence (a Academia não perderia a oportunidade de ouro de indicá-la como Melhor Atriz com o sucesso de Jogos Vorazes), Jacki Weaver (seria sua segunda indicação depois de Reino Animal) e Robert De Niro (com seu retorno trinufal depois de 20 anos sem indicações ao Oscar).

Claro que o diretor David O. Russell deve voltar a concorrer como Melhor Diretor, mas como a competição está bem acirrada, talvez ele seja “compensado” com o prêmio de Melhor Roteiro Adaptado.

ZERO DARK THIRTY

Direção: Kathryn Bigelow

Zero Dark Thirty: Parece uma imagem da trilogia Bourne, mas ao invés de caçarem o agente, estão atrás de Bin Laden

Depois que Kathryn Bigelow se consagrou com a primeira mulher a ganhar o Oscar de Melhor Diretor, ela teve muitas propostas. Acabou repetindo sua parceria com o roteirista Mark Boal do mesmo Guerra ao Terror (2008) e deram vida ao filme que trata da caça ao líder terrrorista do Al-Qaeda, Osama Bin Laden. A produção já vinha sendo bastante comentada porque recebeu com exclusividade acesso aos arquivos da operação de captura da CIA. Recentemente, os noticiários da TV anunciaram que a estréia do filme foi adiada para depois das eleições presidenciais em novembro por causa de protestos de republicanos, que temem queda nas intenções de voto de Mitt Romney.

Importância história o filme já tem. A fama já o precede. Mas e o filme? Tem toda essa chance no Oscar como teve Guerra ao Terror? Diretor, Roteiro Original, Montagem, Som e Efeitos Sonoros são possibilidades reais, assim, por que não Melhor Filme também? Não deve sair tão vitorioso por se tratar de um filme polêmico desde seu nascimento, mas deve figurar entre os indicados.

——

Claro que a lista pode mudar nos próximos meses até o dia 10 de janeiro, quando as indicações ao Oscar serão anunciadas ao vivo. Existem algumas produções que ainda tem uma porcentagem pequena de figurarem entre os possíveis dez indicados a Melhor Filme. Lembrando que nessa categoria, podem haver de 5 a 10 filmes indicados, dependendo da votação de cada um. Eis alguns filmes que podem ganhar algum fôlego na reta final e um ou outro motivo de não estar na lista definitiva:

Amour, de Michael Haneke. O filme levou a Palma de Ouro em Cannes e tem boas chances de ver seus atores centrais indicados, mas o fato de ser falado em francês deve direcionar suas chances para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro, uma vez que é o representante da Áustria.

O Exótico Hotel Marigold, de John Madden. Através da força de seu elenco experiente encabeçado por Judi Dench, este simpático drama senil passado na Índia pode ganhar força entre os votantes mais velhos, ainda mais se suas atrizes foram indicadas. Mas o filme tem cara de que não deve passar da lista de indicados a Melhor Filme – Comédia ou Musical no Globo de Ouro.

O Impossível, de Juan Antonio Bayona. Apesar do lado trágico que pode levar os espectadores às lágrimas, este drama familiar tem sua forte base apoiada nos atores. Naomi Watts tem grandes chances de sua segunda indicação, e Ewan McGregor pode surpreender. Mas como filme, não tem chamado tanta atenção.

The Sessions, de Ben Lewin. Este drama independente também está aqui por causa dos atores, especialmente o protagonista John Hawkes. A história do paciente diagnosticado com pouco tempo de vida e quer perder a virgindade antes de morrer só é comprada por causa de Hawkes. Claro que o elenco também conta com Helen Hunt e William H. Macy, que podem dar uma forcinha no número de indicações.

007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes. Eu sei. Como a Academia vai indicar um filme de James Bond? Embora eu seja fã, concordo que esta não seria uma categoria mais propícia ao 23º filme da franquia, mas com os recordes de bilheteria, as críticas positivas, a equipe oscarizada chefiada pelo diretor Sam Mendes e o fato de Bond comemorar 50 anos este ano podem colaborar para a primeira inclusão de um filme de Bond como Melhor Filme. Só para matar sua curiosidade, a franquia de 007 já foi premiada com dois Oscars: Em 1965 pelo Efeitos Sonoros de 007 Contra Goldfinger, e em 1966, pelos Efeitos Visuais de 007 Contra a Chantagem Atômica.

LAFCA Awards 2011

LAFCA Awards

Apesar da Associação de Críticos de Filmes de Los Angeles estar longe de ser uma prévia do Oscar, uma vez que apenas um filme coincidiu como Melhor Filme para ambos na última década – Guerra ao Terror, em 2009, suas escolhas como melhores do ano no Cinema acabam sempre entre os indicados da Academia. Se você pegar os eleitos da LAFCA desde sua fundação em 1975, perceberá que na maioria dos casos, os filmes e artistas eleitos trabalharam com temas bastante humanistas ou pelo menos, com ênfase na natureza humana.

Um Estranho no Ninho

Em 1975, Um Estranho no Ninho (One Flew Over the Cuckoo’s Nest) e Um Dia de Cão (Dog Day Afternoon)empataram como Melhor Filme. Para quem não conhece, o primeiro relata o caso de Randall McMurphy (vivido por Jack Nicholson) que, ao se fingir de louco para escapar do trabalho árduo da prisão, descobre as injustiças do sistema ditatorial de um hospício com seus pacientes, enquanto que o segundo conta a história verídica de um assaltante de banco (Al Pacino) que queria roubar apenas para poder pagar a operação de troca de sexo de seu parceiro. Percebe-se que essa seleção da LAFCA já se tornara padrão de qualidade desde o início e isso se permeou nas décadas seguintes.

Um Dia de Cão

Ao contrário da Academia, que muitas vezes premiou seus Melhores Filmes utilizando a grandiosidade do espetáculo como parâmetro de qualidade (vide Sinfonia de Paris (1951), O Maior Espetáculo da Terra (1952), A Volta ao Mundo em Oitenta Dias (1956), Oliver! (1968)e Dança com Lobos (1990)), a LAFCA prefere uma história bem contada, preferencialmente de temática humanista. Prova disso é a escolha da animação Wall-E como Melhor Filme de 2008.

Este ano, apesar de A Árvore da Vida ter levado 2 prêmios (Melhor Diretor e Roteiro), foi Os Descendentes, de Alexander Payne, que venceu como Melhor Filme. Toda a grandiosidade do tema do filme de Terrence Mallick sucumbiu diante do tema humano do filme de Payne que, com este prêmio, leva seu terceiro LAFCA de Melhor Filme (premiado antes por As Confissões de Schmidt e Sideways – Entre Umas e Outras).

Jeong-Hie Yun, em Poesia

Outra característica dos selecionados da LAFCA é o aumento de atores estrangeiros. As coreanas Jeong-Hie Yun e Hye-Ja Kim foram premiadas como Melhor Atriz este ano e ano passado, respectivamente, batendo favoritismos americanos como Natalie Portman, Meryl Streep e Annete Bening. Em 2009, o francês Niels Arestrup venceu como Ator Coadjuvante pelo ótimo O Profeta, desbancando Christian Bale e Geoffrey Rush, e a australiana Jackie Weaver, pelo Reino Animal, venceu a favorita Melissa Leo como Atriz Coadjuvante.

Jessica Chastain

Falando em Atriz Coadjuvante, a jovem atriz americana Jessica Chastain explodiu este ano, coincidindo várias produções lançadas no mesmo ano, tanto que a LAFCA fez questão de mencioná-las como forma de conjunto da obra. Pelo seu histórico, Chastain iniciou na carreira como dançarina de uma companhia de dança, partindo em seguida para o teatro shakespeariano, interpretando Juilliard em Romeu e Julieta. É sempre gratificante ver novos talentos surgindo diante de tantos atores medíocres atuais, que não merecem a atenção e o salário elevadíssimo. Na ala masculina, vale ressaltar o ótimo ator Michael Fassbender, que foi descoberto pelo filme independente Hunger, de Steve McQueen, de 2008. Apesar do ator alemão ter participado de grandes produções como 300 e Bastardos Inglórios, foi em papéis de filmes menores que Fassbender conseguiu maior reconhecimento, como na produção inglesa Fish Tank, de Andrea Arnold. Este ano, ele conciliou produções hollywoodianas com independentes. Soube dar a profundidade devida ao personagem Magneto do filme X-Men: Primeira Classe, não devendo nada à performance de Ian McKellen pelo mesmo papel nos filmes anteriores. E interpretou ninguém menos que Carl Jung no filme Um Método Perigoso, de David Cronnenberg.

MELHOR FILME

Os Descendentes, de Alexander Payne

2º Lugar: A Árvore da Vida, de Terrence Mallick

MELHOR DIRETOR

Terrence Mallick (A Árvore da Vida)

2º Lugar: Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Michael Fassbender

MELHOR ATOR

Michael Fassbender (Shame) (Um Método Perigoso) (Jane Eyre) (X-Men: Primeira Classe)

2º Lugar:Michael Shannon (O Abrigo)

MELHOR ATRIZ

Jeong-Hie Yun (Poesia)

2º Lugar: Kirsten Dunst (Melancolia)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

2º Lugar: Patton Oswalt (Jovens Adultos)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Jessica Chastain (A Árvore da Vida) (Histórias Cruzadas) (O Abrigo) (Coriolanus) (No Limite da Mentira) (Em Busca de um Assassino)

2º Lugar: Janet McTeer (Albert Nobbs)

MELHOR ROTEIRO

Asghar Farhadi (A Separação)

2º Lugar: Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash (Os Descendentes)

MELHOR FOTOGRAFIA

Emmanuel Lubezki (A Árvore da Vida)

2º Lugar: Cao Yu (The City of Life and Death)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Dante Ferretti (A Invenção de Hugo Cabret)

2º Lugar: Maria Djurkovic (Tinker Taylor Soldier Spy)

MELHOR TRILHA MUSICAL

Hanna, de Joe Wright

The Chemical Brothers (Hanna)

2º Lugar: Cliff Martinez (Drive)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

The City of Life and Death, de Chuan Lu (China)

2º Lugar: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

The Cave of Forgotten Dreams, de Werner Herzog

2º Lugar: The Arbor, de Clio Barnard

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

Rango, de Gore Verbinski

2º Lugar: As Aventuras de Tintim, de Steven Spielberg

NEW GENERATION Award

Antonio Campos, Sean Durkin, Josh Mond e Elizabeth Olsen (Martha Marcy May Marlene)

Doris Day

CAREER ACHIEVEMENT

Doris Day

THE DOUGLAS EDWARDS EXPERIMENTAL/ INDEPENDENT FILM/ VIDEO Award

Spark of Being, de Bill Morrison