Barkhad Abdi e Lupita Nyong’o integram a lista dos estreantes indicados ao Oscar

Barkhad Abdi e Lupita Nyong'o foram indicados por Capitão Phillips e 12 Anos de Escravidão (photo by www.hollywoodreporter.com)

Barkhad Abdi e Lupita Nyong’o foram indicados por Capitão Phillips e 12 Anos de Escravidão, respctivamente (photo by http://www.hollywoodreporter.com)

INDICAÇÃO AO OSCAR NO 1º TRABALHO AJUDA OU ATRAPALHA?

Quais são as chances de um ator ou atriz estreante já ser indicado ao Oscar em seu primeiro trabalho no cinema? 0,0001? Além de já ter de contar com um talento natural, o estreante precisa ter em mãos “o” projeto que lhe apresente um personagem com profundidade minimamente razoável, um diretor que saiba explorar esse dom e muita, muita, mas muita sorte!

Este ano, os sortudos são a mexicana Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) e o somaliano Barkhad Abdi (Capitão Phillips). Enquanto ela foi criada no Quênia e educada pela Yale School of Drama, ele mudou-se para o Iêmen e depois para os EUA aos 14 anos, onde trabalhou como motorista de limosine. Como não tinha planos de ser ator, Abdi pode ficar extremamente rotulado em Hollywood, principalmente por papéis de vilão. Já Lupita, por já ter se dedicado aos estudos da área, pode ter um futuro promissor pela frente. Em Sem Escalas, seu próximo filme, ela atuará ao lado de Liam Neeson e Julianne Moore. Nada mal para um segundo filme, não?

Na história da premiação da Academia, alguns estreantes tiveram sorte e não caíram no ostracismo como Anna Paquin. Ela ganhou o Oscar aos 9 anos de idade e por mais que não tenha sido indicada novamente, estrelou a trilogia dos X-Men (2000 a 2006) e a série de TV True Blood. Já outros praticamente sumiram do mapa logo depois como a australiana Keisha Castle-Hughes, que é a atriz mais jovem a ser indicada como Melhor Atriz aos 13 anos por A Encantadora de Baleias.

Normalmente, quando um ator ou atriz mirim é indicado ao Oscar, a ordem dos votantes é não premiá-lo com intuito nobre de protegê-lo, afinal, as chances de decadência prematura é altíssima. Quando Abigail Breslin concorria como Atriz Coadjuvante por Pequena Miss Sunshine aos 10 anos, o veterano ator Alan Arkin não queria que ela vencesse pois a pressão por crescimento poderia arruinar sua carreira. Até agora, ele estava certo. Breslin vem atuando com boa freqüência e sabendo alternar produções grandes como Ender’s Game – O Jogo Exterminador com independentes como Álbum de Família, em que contracena com bons atores como Meryl Streep e Chris Cooper.

Já quando se trata de um estreante adulto, a indicação pode significar o início de uma ascensão de prestígio e fama como foram os casos de Oprah Winfrey e Glenn Close, mas pode ser apenas uma aposta promissora que não se concretiza. Particularmente, não gosto muito do Oscar concedido a um estreante porque não conhecemos ainda sua versatilidade, o que gera sério risco do ator ou atriz ser rotulado para o resto da vida. A Academia tem ótimas intenções ao indicar um estreante, mas nem sempre ela funciona.

Com a ajuda da matéria da Hollywood Reporter, confira os estreantes sortudos (ou azarados):

Quvenzhané Wallis em Beasts of the Southern Wild

Quvenzhané Wallis em A Indomável Sonhadora (photo by beyondhollywood.com)

Oscar_icon_by_reiarturQUVENZHANÉ WALLIS
• Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Indomável Sonhadora (2012)
Com uma performance que transborda energia, a pequena Quvenzhané conquistou o público com sua Hushpuppy, que mantém a esperança no meio do caos da pobreza e na doença do pai. Tornou-se a mais jovem indicada na categoria aos 9 anos. Perdeu para outra jovem candidata, Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida) aos 23 anos. Em 2014, atuará no musical Annie e dublará uma personagem na animação The Prophet.

Hailee Steinfeld em Bravura Indômita (photo by outnow.ch)

Hailee Steinfeld em Bravura Indômita (photo by outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturHAILEE STEINFELD
• Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por Bravura Indômita (2010)
Só o fato de ter sido escolhida entre inúmeras candidatas pelos irmãos Coen já seria uma honra tremenda, mas Steinfeld correspondeu à confiança e entregou uma atuação iluminada como a tagarela Mattie Ross. Quase bateu Melissa Leo (O Vencedor) no Oscar. Estrelou recentemente uma nova versão de Romeu & Julieta.

Jennifer Hudson em Dreamgirls: Em Busca de um Sonho (photo by outnow.ch)

Jennifer Hudson em Dreamgirls: Em Busca de um Sonho (photo by outnow.ch)

GOLD-Icon_CampasRJENNIFER HUDSON
• Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por Dreamgirls – Em Busca de um Sonho (2006)
Perdeu no programa de TV American Idol, mas ganhou o Oscar em seu primeira atuação cantando. Jennifer Hudson conquistou quase todos os críticos naquele ano e conseguiu a proeza de bater Cate Blanchett (Notas Sobre um Escândalo). Infelizmente, passou por um episódio trágico em que seu cunhado matou sua mãe, irmão e sobrinho. No cinema, teve apenas mais um trabalho em destaque: o drama A Vida Secreta das Abelhas.

Keisha Castle-Hughes em A Encantadora de Baleias (photo by www.outnow.ch)

Keisha Castle-Hughes em A Encantadora de Baleias (photo by http://www.outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturKEISHA CASTLE-HUGHES
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por A Encantadora de Baleias (2002)
Até 2013, era a mais jovem indicada nesta categoria aos 13 anos. Keisha perdeu para a franco-favorita do ano: Charlize Theron (Monster – Desejo Assassino). Pra dizer que não fez mais nada de relevante, fez uma breve ponta em Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith como a rainha Naboo.

Gabourey Sidibe em Preciosa (photo by www.outnow.ch)

Gabourey Sidibe em Preciosa (photo by http://www.outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturGABOUREY SIDIBE
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Preciosa (2009)
Num papel pra lá de sofrido, Gabourey faz uma adolescente abusada e grávida que vive apanhando e sofrendo pressão psicológica da mãe em Preciosa. Perdeu para Sandra Bullock (Um Sonho Possível). Atuou como coadjuvante em algumas produções como Sete Psicopatas e um Shih Tzu e tem atuado em séries de TV como American Horror Story.

Catalina Sandino Moreno em Maria Cheia de Graça (photo by outnow.ch)

Catalina Sandino Moreno em Maria Cheia de Graça (photo by outnow.ch)

Oscar_icon_by_reiarturCATALINA SANDINO MORENO
• Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Maria Cheia de Graça (2004)
Num papel corajoso, a colombiana Catalina faz uma moça desespera que precisa atuar como “mula” para transportar drogas. Em sua única indicação, perdeu para Hilary Swank (Menina de Ouro). Infelizmente, ainda vive sob a margem de Hollywood. Atuou em Paris, Eu Te Amo (2006) e nos dois filmes Che, estrelado por Benicio Del Toro.

Edward Norton ao lado de Richard Gere em As Duas Faces de um Crime (photo by everett collection)

Edward Norton ao lado de Richard Gere em As Duas Faces de um Crime (photo by everett collection)

Oscar_icon_by_reiarturEDWARD NORTON
• Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante por As Duas Faces de um Crime (1996)
Em um dos raros casos em que o estreante voltou a ser indicado (como Ator por A Outra História Americana dois anos depois), Edward Norton tinha tudo pra dar certo, principalmente nessa época em que também atuou em Clube da Luta, mas algumas escolhas erradas e seu temperamento podem ter colaborado para uma decadência. Neste filme, ele interpreta um coroinha que é acusado de matar o arcebispo da igreja. Perdeu para Cuba Gooding Jr. (Jerry Maguire – A Grande Virada). Nos últimos anos, tem feito alguns filmes esquecíveis como O Ilusionista e Uma Saída de Mestre, e também falhou em engrenar como o novo Hulk, cujo papel foi parar nas mãos de um Mark Ruffalo bem mais inspirado.

Anna Paquin em O Piano (photo by cinemagia.ro)

Anna Paquin em O Piano (photo by cinemagia.ro)

GOLD-Icon_CampasRANNA PAQUIN
Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por O Piano (1993)
Quando seu nome foi anunciado no Oscar, a pequena Anna Paquin paralisou e não conseguiu dizer uma palavra. Qual seria o futuro desta menina? Atuar em filmes infantis? Atuou no drama familiar bonitinho Voando Para Casa e trabalhou com o diretor Franco Zeffirelli em Jane Eyre – Encontro com o Amor em 1996. Quando participou de X-Men (2000), Paquin já estava mais madura com 18 anos, mas só comprovou que veio pra ficar ao estrelar a série True Blood, onde vampiros são vampiros e não usam glitter.

Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (photo by virtual-history.com)

Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (photo by virtual-history.com)

GOLD-Icon_CampasRMARLEE MATLIN
Vencedora do Oscar de Melhor Atriz por Filhos do Silêncio (1986)
Vítima da surdez desde seus 18 meses de idade, Marlee Matlin não se intimidou e buscou seu sonho de atuar nos palcos. Interpretou Dorothy numa peça de O Mágico de Oz, e quando atuou em Children of a Lesser God chamou a atenção dos produtores da adaptação para cinema. Tornou-se a mais jovem a ganhar o Oscar de Melhor Atriz aos 22 anos em 1987. Nunca mais foi indicada ao Oscar, mas foi para o Globo de Ouro como atriz de série dramática por Reasonable Doubt no início dos anos 90.

Oprah Winfrey em A Cor Púrpura (photo by everett collection)

Oprah Winfrey em A Cor Púrpura (photo by everett collection)

Oscar_icon_by_reiarturOPRAH WINFREY
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por A Cor Púrpura (1985)
Na época, a indignação era alta pela derrota de Oprah Winfrey para Anjelica Huston (A Honra do Poderoso Prizzi), havendo acusações de racismo contra a Academia. Aliás, nem Oprah, nem Whoopi Goldberg ganharam o Oscar naquele ano. Só em 1991, Whoopi ganhou o seu merecidamente por Ghost – Do Outro Lado da Vida. Este ano, algumas pessoas acreditavam que ela finalmente seria compensada por O Mordomo da Casa Branca, mas felizmente esse Oscar de pena não acontecerá. Como todos sabem, ela se aposentou recentemente, mas era considerada a rainha da TV americana.

John Malkovich em Um Lugar no Coração (photo by everett collection)

John Malkovich em Um Lugar no Coração (photo by everett collection)

Oscar_icon_by_reiarturJOHN MALKOVICH
Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante por Um Lugar no Coração (1984)
Atuando como um soldado cego ao lado de Sally Field e Danny Glover neste drama passado nos duros tempos de racismo no Mississipi, Malkovich conseguiu chamar a atenção e soube escolher projetos que o alavancaram como Império do Sol (1987), Ligações Perigosas (1988) e Neblina e Sombras (1991), chegando a ser indicado mais uma vez como coadjuvante por Na Linha de Fogo (1993). Perdeu para Haing S. Ngor (Os Gritos do Silêncio) e Tommy Lee Jones (O Fugitivo), respectivamente. Em 1999, conseguiu a honra de ter um filme dedicado a ele mesmo em Quero Ser John Malkovich, que se tornou um sucesso de crítica internacional, mas depois passou a optar sempre pelos mesmos tipos de papéis meio desmiolados que, de tão acostumado, ele deitava e rolava.

M8DKIFI EC002

Haing S. Ngor em Os Gritos do Silêncio (photo by everett collection)

GOLD-Icon_CampasRHAING S. NGOR
• Vencedor do Oscar de Ator Coadjuvante por Os Gritos do Silêncio (1984)
Talvez a maior maldição do Oscar: a morte. Doze anos após sua vitória, seu corpo foi encontrado na frente de sua casa em Los Angeles. Apesar de acreditarem que se tratou de uma tentativa de assalto, há fortes indícios de que o crime foi motivado por razões políticas, pois o ator defendia organizações de direitos civis e a sentença criminal para os responsáveis pelo massacre no Camboja feito pelo Khmer Vermelho. Sua atuação em Gritos do Silêncio foi fortemente baseada em sua própria experiência de vida, pois sua família foi vítima dos massacres.

Glenn Close (ao lado de Robin Williams) em O Mundo Segundo Garp (photo by myhungergames.com)

Glenn Close (ao lado de Robin Williams) em O Mundo Segundo Garp (photo by myhungergames.com)

Oscar_icon_by_reiarturGLENN CLOSE
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por O Mundo Segundo Garp (1982)
Com ampla experiência nos palcos e um pouco de telefilmes, Glenn Close escolheu bem o projeto de sua estréia no cinema: a adaptação do romance de John Irving. Atuou ao lado dos ascendentes Robin Williams e John Lithgow sob a direção do experiente George Roy Hill. Acabou perdendo para Jessica Lange (Tootsie), e infelizmente perderia em mais 5 ocasiões: O Reencontro (1983), Um Homem Fora de Série (1984), Atração Fatal (1987), Ligações Perigosas (1988) e mais recentemente por Albert Nobbs (2012). Ficou mundialmente conhecida por viver a vilã Cruela nas adaptações do desenho animado dos 101 Dálmatas. Espero que haja mais oportunidades de premiá-la.

MIKHAIL BARYSHNIKOV

Mikhail Baryshnikov em Momento de Decisão (photo by allposters.com.br)

Oscar_icon_by_reiarturMIKHAIL BARYSHNIKOV
Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante por Momento de Decisão (1977)
O renomado bailarino russo teve uma estréia excepcional atuando ao lado das experientes Anne Bancroft e Shirley MacLaine , mas acabou fazendo poucos filmes depois como O Sol da Meia-Noite (1985). Em sua única indicação, foi derrotado por Jason Robards (Júlia). Já nos anos 2000, participou da série de TV Sex and the City.

Lily Tomlin em Nashville (photo by andthenomineesare.blogspot.com)

Lily Tomlin em Nashville (photo by andthenomineesare.blogspot.com)

Oscar_icon_by_reiarturLILY TOMLIN
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por Nashville (1975)
Com boa experiência em humor televisivo, Lily Tomlin surpreendeu neste drama dirigido por Robert Altman, com quem trabalhou em outras oportunidades como em Short Cuts – Cenas da Vida (1993). Perdeu para Lee Grant (Shampoo). Em 2004, trabalhou com David O. Russell em Huckabees: A Vida é uma Comédia e mais recentemente, tem feito participações em comédias bobas como A Pantera Cor de Rosa 2 e A Seleção.

Tatum ao lado do pai Ryan O'Neal em Lua de Papel (photo by www.outnow.ch)

Tatum ao lado do pai Ryan O’Neal em Lua de Papel (photo by http://www.outnow.ch)

GOLD-Icon_CampasRTATUM O’NEAL
Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por Lua de Papel (1973)
Atuando ao lado de seu pai, Ryan O’Neal, nesta ótima comédia dirigida por Peter Bogdanovich, a atriz-mirim tinha apenas 10 anos quando bateu outra jovem indicada, Linda Blair (O Exorcista). Participou de algumas séries de TV, mas nunca decolou. Nos últimos anos, participou de The Runaways – Garotas do Rock e Bem-Vindo aos 40.

MBDLASI EC021

Diana Ross em O Ocaso de uma Estrela (photo by Everett Collection)

Oscar_icon_by_reiarturDIANA ROSS
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por O Ocaso de uma Estrela (1972)

Pra quem achava que Diana Ross era apenas cantora do The Supremes, em sua única indicação, ela interpretou a cantora Billie Holiday. Perdeu para a performance elétrica de Liza Minnelli (Cabaret). Continua um ícone da música, mas atualmente somente suas canções servem o cinema.

Com Omar Shariff, Barbra Streisand em Funny Girl - A Garota Genial (photo by oscarfilmeafilme.blogspot.com.br)

Com Omar Sharif, Barbra Streisand em Funny Girl – A Garota Genial (photo by oscarfilmeafilme.blogspot.com.br)

GOLD-Icon_CampasRBARBRA STREISAND
Vencedora do Oscar de Melhor Atriz por Funny Girl – A Garota Genial (1968)
Por uma diferença irrisória de votos, o presidente da Academia na época havia declarado empate técnico entre Katharine Hepburn e Barbra Streisand. Numa das mais bem-sucedidas vitórias do Oscar, ela se tornou uma estrela nas décadas de 70 e 80 com sucessos românticos como Nosso Amor de Ontem (1973) e Nasce uma Estrela (1976), pelo qual também ganhou o Oscar de Melhor Canção Original. Na década de 90, recebeu boas críticas por sua direção em O Príncipe das Marés e O Espelho Tem Duas Faces, pelos quais foi indicada como produtora (Melhor Filme) e compositora (Melhor Canção), respectivamente. Para a geração atual, além de cantora, Streisand é conhecida como uma Focker, da trilogia Entrando Numa Fria

Julie Andrews em Mary Poppins (photo by derekwinnert.com)

Julie Andrews em Mary Poppins (photo by derekwinnert.com)

GOLD-Icon_CampasRJULIE ANDREWS
Vencedora do Oscar de Melhor Atriz por Mary Poppins (1964)
Após estrelar algumas peças musicais como Minha Bela Dama e Cinderella, Julie Andrews chamou a atenção de Walt Disney, que a convidou para estrelar Mary Poppins. Aliás, esse convite e a produção do musical foi tema do filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins. No ano seguinte, ela estrelou um dos maiores sucessos da história do cinema: A Noviça Rebelde, que além de marcá-la definitivamente como uma atriz que canta, rendeu sua segunda indicação. Foi mais uma vez indicada em 1983 por Victor ou Victoria. Tem atuado em produções infanto-juvenis como O Diário da Princesa e Shrek 2.

Karl Malden (ao fundo) com Eva Marie Saint em Sindicato de Ladrões (photo by gonemovies.com)

Karl Malden (ao fundo) com Eva Marie Saint em Sindicato de Ladrões (photo by gonemovies.com)

GOLD-Icon_CampasREVA MARIE SAINT
Vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante por Sindicato de Ladrões (1954)
Após atuar em inúmeras produções para TV, Eva finalmente foi descoberta pelo mestre Elia Kazan, que enxergou nela a dramaticidade que ele precisava para o papel de Edie Doyle, uma jovem que clama por justiça pela morte de seu irmão. Conseguiu contracenar com Marlon Brando, tarefa para poucos. Embora não tenha sido indicada ao Oscar novamente, estrelou algumas produções de destaque como Intriga Internacional (1959), Grand Prix (1966) e Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando! (1966). Nas décadas seguintes, teve uma carreira irregular e voltou a fazer TV.

Montgomery Clift em Perdidos na Tormenta (photo by http://ocdviewer.com/)

Montgomery Clift em Perdidos na Tormenta (photo by http://ocdviewer.com/)

Oscar_icon_by_reiarturMONTGOMERY CLIFT
Indicado ao Oscar de Melhor Ator por Perdidos na Tormenta (1948)
Apesar de ter estreado sob direção de Howard Hawks em Rio Vermelho, foi com o filme Perdidos na Tormenta, lançado antes, que Clift conseguiu sua primeira indicação. Perdeu para o imbatível Laurence Olivier (Hamlet) e teve mais três oportunidades fracassadas de ganhar o Oscar. Foi considerado um dos melhores atores da geração de James Dean e Marlon Brando, mas a Academia perdeu a chance de premiá-lo. Em sua filmografia, constam grandes clássicos como Um Lugar ao Sol (1951), A Um Passo da Eternidade (1953) e Julgamento em Nuremberg (1961). Morreu muito cedo aos 45 anos.

À frente Angela Lansbury com Ingrid Bergman em À Meia Luz (photo by filmsquish.com)

À frente Angela Lansbury com Ingrid Bergman em À Meia Luz (photo by filmsquish.com)

Oscar_icon_by_reiarturANGELA LANSBURY
Indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por À Meia Luz (1944)
Vencedora do Oscar Honorário no final do ano passado, Angela Lansbury teve uma estréia espetacular aos 18 anos sob direção de George Cuckor em À Meia Luz, estrelado por Ingrid Bergman. Perdeu para Ethel Barrymore (Apenas um Coração Solitário) e concorreu mais duas vezes como coadjuvante: Em 1946 por O Retrato de Dorian Gray, e em 1963 por O Sob o Domínio do Mal, mas nunca levou a estatueta. Para gerações mais novas, ficou conhecida pela série de TV Assassinato por Escrito e por sua voz de Mrs. Potts, a bule de chá, na animação A Bela e a Fera (1991).

Orson Welles em Cidadão Kane (photo by smallpicturesblog.com)

Orson Welles em Cidadão Kane (photo by smallpicturesblog.com)

GOLD-Icon_CampasRORSON WELLES
Vencedor do Oscar de Roteiro Original, e Indicado para Melhor Diretor e Ator por Cidadão Kane (1941)
O que dizer sobre o responsável por Cidadão Kane, a produção mais revolucionária do Cinema? Aos 26 anos, Welles se uniu ao excepcional diretor de fotografia Gregg Toland e explorou enquadramentos e foco como nunca, além da estrutura narrativa não-linear para contar a história de Charles Foster Kane, inspirado no magnata da imprensa William Random Hearst. O filme vencedor do Oscar naquele ano foi o drama familiar Como Era Verde o Meu Vale, de John Ford. Como Stanley Kubrick, Orson estava à frente de seu tempo e não foi devidamente reconhecido.

Martha Scott por Nossa Cidade (photo by Anthony Camerano)

Martha Scott por Nossa Cidade (photo by Anthony Camerano)

Oscar_icon_by_reiarturMARTHA SCOTT
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Nossa Cidade (1940)
A atriz levou seu papel na peça da Broadway de Emily Webb para o cinema nesta adaptação da peça de Thornton Wilder, pela qual atuou ao lado de William Holden. Perdeu para Ginger Rogers (Kitty Foyle). Suas atuações de destaque viriam nos épicos Os Dez Mandamentos (1956) e Ben-Hur (1959). Morreu aos 90 anos em 2003.

Greer Garson com Robert Donat em Adeus Mr. Chips (photo by forums.tcm.com)

Greer Garson com Robert Donat em Adeus, Mr. Chips (photo by forums.tcm.com)

Oscar_icon_by_reiarturGREER GARSON
Indicada ao Oscar de Melhor Atriz por Adeus, Mr. Chips (1939)
Com praticamente 50% de experiência em TV e a outra de cinema, Greer Garson atuou em incontáveis filmes. Trabalhou com diretores renomados como Victor Fleming, Mervyn LeRoy e William Wyler, que lhe rendeu o Oscar de Atriz por Rosa de Esperança (1942). Em sua primeira indicação, perdeu para Vivien Leigh (…E o Vento Levou), tendo concorrido em mais 5 oportunidades. Morreu aos 91 anos em 1996.

Lawrence Tibbett em Amor de Zíngaro (photo by AP photo)

Lawrence Tibbett por Amor de Zíngaro (photo by AP photo)

Oscar_icon_by_reiarturLAWRENCE TIBBETT
Indicado ao Oscar de Ator por Amor de Zíngaro (1930)
Conhecido por ser cantor de ópera, ele estreou no cinema com a história de um bandido russo que se apaixona por uma princesa. O filme ainda conta com a participação de Stan Laurel e Oliver Hardy, conhecidos como O Gordo e o Magro. Perdeu para George Arliss (Disraeli). Atuou em apenas mais cinco produções na década de 30, e morreu em 1960, aos 63 anos.

Anúncios

‘Argo’ resiste e vence o Oscar de Melhor Filme

O produtor e diretor Ben Affleck agradece seu Oscar, que tenta compensar sua ausência na lista de diretores (photo by dawn.com)

O produtor e diretor Ben Affleck agradece seu Oscar, que tenta compensar sua ausência na lista de diretores (photo by dawn.com)

Argo leva Melhor Filme. Ang Lee rouba o Oscar de direção. E Steven Spielberg tem seu primeiro ator vencedor do Oscar, o terceiro de Daniel Day-Lewis. A premiação do Oscar 2013 buscou ser o mais democrática possível, talvez na tentativa de compensar as ausências dos diretores Ben Affleck e Kathryn Bigelow numa noite de poucas surpresas.

Na tapete vermelho, as celebridades apostaram na simplicidade. Novamente a mais bem vestida é a atriz Jessica Chastain, desta vez num belo Giorgio Armani.

Novamente, Jessica Chastain se tornou a mais bem vestida no tapete vermelho. Trajado em Giorgio Armani, ela acerta no cabelo e no batom vermelho (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/6/)

Novamente, Jessica Chastain se tornou a mais bem vestida no tapete vermelho. Trajado em Giorgio Armani, ela acerta no cabelo e no batom vermelho (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/6/)

Mesmo não sendo uma indicada, Charlize Theron ainda fica no segundo lugar com seu vestido Dior (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Mesmo não sendo uma indicada, Charlize Theron ainda fica no segundo lugar com seu vestido Dior (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Em terceiro lugar, Jennifer Lawrence abusa um pouco também com Dior, mas ela pode (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Em terceiro lugar, Jennifer Lawrence abusa um pouco também com Dior, mas ela pode (photo by http://www.redcarpet-fashionawards.com/page/5/)

Com menção honrosa, incluo a modelo Miranda Kerr. Apesar do vestido Valentino estar um pouco longe de ser um dos melhores, ela valoriza a roupa na Vanity Fair party (photo by http://www.gotceleb.com)

Com menção honrosa, incluo a modelo Miranda Kerr. Apesar do vestido Valentino estar um pouco longe de ser um dos melhores, ela valoriza a roupa na Vanity Fair party (photo by http://www.gotceleb.com)

Mesmo seu usar sua arma mais poderosa, o comediante Seth MacFarlane conseguiu criar momentos de bom humor. Assim que entra, ele solta um “Senhoras e senhores, bem-vindos ao Oscar… E a busca para fazer Tommy Lee Jones rir começa, agora!”. Quando cortam para o ator, ele sorri!

Ele inicia seu monólogo com alfinetadas na própria Academia. Ele explica que Argo é baseado numa missão secreta da CIA no Irã. “O filme é tão secreto que até o diretor é desconhecido pela Academia”. (Ben Affleck se mostra pouco confortável pelos aplausos). Eles sabem que erraram”. E depois parte para as celebridades com forte sarcasmo: “Ganhar um Oscar garante uma longa carreira. Jean Dujardin ganhou ano passado e agora ele está em todo lugar”. E ao elogiar a profundidade do método de Daniel Day-Lewis, ele pergunta: “O que aconteceria se, durante as filmagens, ele visse um celular? Ou se visse Don Cheadle no estúdio, ele tentaria libertá-lo?”

Quando o telão desce, vemos William Shatner como o Capitão Kirk de Jornada nas Estrelas. No papel, ele avisa a Seth MacFarlane que viajou do futuro para tentar impedir um desastre, mostrando a manchete do jornal do dia seguinte: “Seth MacFarlane: Pior Host do Oscar de todos os tempos.” Supostamente ele teria cantado a canção “We Saw Your Boobs” (Nós vimos seus peitos):

“Helen Hunt, we saw them in The Sessions, Scarlett Johansson we saw them on your phone
Jessica Chastain we saw your boobs in Lawless, Jodie Foster in The Accused….
and Kate Winslet in Heavenly Creatures, and Jude, and Hamlet, and Titantic, and Iris, and Little Children and the Reader and whatever you’re shooting right now, we saw your boobs!” (Haja pesquisa de tantos peitos em filmes!)

Seth MacFarlane durante apresentação do Oscar (photo by thehothits.com)

Seth MacFarlane durante apresentação do Oscar (photo by thehothits.com)

Tentando reverter o futuro desastroso, MacFarlane tenta animar com música e dança, mas só melhora com a encenação do filme O Vôo com meias com olhos. Na cena do avião virando, inserem uma gravação de um monte de meias numa secadora.

Ele ainda soltaria outra pérola depois da apresentação do clipe de Lincoln. “Daniel Day-Lewis é o segundo ator a ser indicado por interpretar Lincoln. Contudo, eu diria que o ator que realmente entrou na cabeça de Lincoln foi John Wilkes Booth” (ele atirou no presidente durante peça de teatro). Depois que a platéia vaia, ele completa: “Sério? 150 anos e ainda é muito cedo, hein? Eu tenho umas piadas de Napoleão, vocês vão ficar malucos”.

Ok. Resultados do Oscar. 18 acertos de 24. Este foi meu bolão de 2013. Confesso que apostei em algumas surpresas, mas elas não vieram: David O. Russell como diretor e Robert De Niro como coadjuvante.

Se fosse apontar apenas uma surpresa do Oscar, esta seria Melhor Maquiagem para Os Miseráveis. Foi tamanha surpresa que até a maquiadora se surpreendeu. Ela foi vestida com uma calça legging rosa (e devia estar até descalça na hora do anúncio do vencedor) e com um visual “estou atrasada mas cheguei”. O musical ainda levou Melhor Som e Melhor Atriz Coadjuvante para Anne Hathaway, cujo discurso ficou muito politicamente correto, agradecendo às demais concorrentes.

Ang Lee com seu segundo Oscar de direção por As Aventuras de Pi (photo by digitalspy.com)

Ang Lee com seu segundo Oscar de direção por As Aventuras de Pi (photo by digitalspy.com)

A segunda surpresa ficaria com Ang Lee vencendo Melhor Diretor pela segunda vez (depois de O Segredo de Brokeback Mountain). Com as ausências de Ben Affleck e Kathryn Bigelow, a categoria ficou confusa e qualquer um poderia vencer. Muitos apontavam Steven Spielberg como favorito, mas como ele já tem 2 estatuetas e Lincoln é um filme de época quadrado, o desafio vencido por Ang Lee de realizar o tal “infilmável” projeto de As Aventuras de Pi prevaleceu na hora da votação. Este é seu segundo Oscar de direção, tendo vencido o primeiro pelo drama O Segredo de Brokeback Mountain em 2006.

Seu filme se tornou o recordista de prêmios da noite com 4: Melhor Diretor, Fotografia, Trilha Musical Original e Efeitos Visuais. Essas vitórias mais técnicas evidenciam maior privilégio de produções em que o 3D se sobressai. No caso de Fotografia, outros dois trabalhos de 3D foram recentemente premiados: Mauro Fiore por Avatar e Robert Richardson por A Invenção de Hugo Cabret.

Apesar de ter ganhado 4 estatuetas, As Aventuras de Pi viu sentado Argo levar Melhor Filme, terminando a noite com mais dois Oscars: Montagem e Roteiro Original. O filme de Ben Affleck havia ganhado todos os prêmios da indústria como o PGA, DGA e o Globo de Ouro, e não poderia ficar sem seu Oscar. Por um momento, por causa da presença da primeira-dama Michelle Obama no telão, imaginei que Lincoln poderia surpreender, já que se trata da vida de um ex-presidente dos EUA, mas felizmente, Argo prevaleceu. É o mais novo vencedor de Melhor Filme sem ter seu diretor sequer indicado.

Ao vivo da Casa Branca, Michelle Obama elogia o Cinema e apresenta o vencedor do Oscar de Melhor Filme (photo by Hollywoodreporter.com)

Ao vivo da Casa Branca, Michelle Obama elogia o Cinema e apresenta o vencedor do Oscar de Melhor Filme (photo by Hollywoodreporter.com)

Subiram ao palco os produtores George Clooney, Grant Heslov e Ben Affleck. Este último foi bastante humilde em seu discurso, elogiando Spielberg como gênio e que qualquer um dos outros oito filmes indicados poderiam estar recebendo tal honraria. O diretor reconheceu seu passado imaturo como ator, relembrando quando esteve no Oscar 15 anos atrás ao receber Melhor Roteiro Original por Gênio Indomável, pensando que nunca mais voltaria. Mas agradeceu as oportunidades que muitas pessoas presentes na cerimônia lhe deram para poder aprender e evoluir como profissional.

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

Ainda no campo da surpresa, a mais surpreendente em termos técnicos foi o empate inédito na categoria de Efeitos Sonoros, que ficou entre A Hora Mais Escura e 007 – Operação Skyfall. Este é o quarto empate na História do Oscar: O primeiro aconteceu em 1932, quando Fredric March (O Médico e o Monstro) e Wallace Beery (O Campeão) venceram como Melhor Ator, o segundo foi em 1969: Katharine Hepburn (O Leão no Inverno) e Barbra Streisand (Funny Girl – A Garota Genial) empataram como Melhor Atriz, e o terceiro foi Melhor Curta-Metragem de 1994, quando os trabalhos Franz Kafka’s It’s a Wonderful Life e Trevor dividiram a honraria.

E o Oscar de Efeitos Sonoros vai para: Paul N.J. Ottosson por A Hora Mais Escura... (photo by thespec.com)

E o Oscar de Efeitos Sonoros vai para: Paul N.J. Ottosson por A Hora Mais Escura… (photo by thespec.com)

...e Per Hallberg e Karen M. Baker por 007 - Operação Skyfall também (photo by muckrack.com)

…e Per Hallberg e Karen M. Baker por 007 – Operação Skyfall também (photo by muckrack.com)

Aliás, a atriz e cantora Barbra Streisand subiu ao palco para cantar o sucesso “The Way We Were” de Nosso Amor de Ontem (1973) em homenagem ao recém-falecido compositor Marvin Hamslich, com quem também trabalhou na canção “I’ve Finally Found Someone” de O Espelho Tem Duas Faces, de 1996.

Incluindo a performance musical de Streisand, o Oscar 2013 dedicou bastante de seu tempo no ar para os musicais. A homenagem cansativa apresentou canções dos filmes Chicago, Dreamgirls – Em Busca de um Sonho e Os Miseráveis. Ainda no âmbito da música, Norah Jones cantou a simpática canção indicada de Ted: “Everybody Needs a Best Friend”, enquanto a cantora Shirley Bassey fez sua primeira apresentação no Oscar, cantando a clássica “Goldfinger”. Mesmo sem o mesmo vigor, aos 76 anos, a diva ainda impressiona pelas cordas vocais. Curiosamente, apesar do estrondoso sucesso, a canção sequer foi indicada ao Oscar na época. Sua performance no Oscar salvou a homenagem chocha aos 50 anos de James Bond com um clipe com trechos de vários filmes do espião.

A diva Dame Shirley Bassey em sua primeira apresentação no Oscar aos 76 anos (photo by oglobo.globo.com)

A diva Dame Shirley Bassey em sua primeira apresentação no Oscar aos 76 anos (photo by oglobo.globo.com)

Obviamente, ficou faltando também a indispensável presença dos seis atores (todos vivos) que deram vida ao personagem de Ian Fleming no palco: Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig. Talvez os produtores tentaram, mas como Connery ainda guarda rancores idiotas dos produtores da série, a homenagem terminou enxuta. Uma pena.

Já a merecida vitória de “Skyfall” como Melhor Canção Original coroou uma das melhores cantoras em atividade, Adele, homenageou o sucesso das canções-tema de James Bond e se tornou a primeira canção oscarizada da franquia de 23 filmes. Em sua primeira apresentação no Oscar, Adele não sentiu a pressão e cantou belamente com ótimos back vocals.

Adele em ótima performance de "Skyfall"... (photo by huffingtonpost.com)

Adele em ótima performance de “Skyfall”… (photo at huffingtonpost.com by Getty Images)

Adele com seu primeiro Oscar e o primeiro da franquia 007 (photo by digitalspy.com)

Adele com seu primeiro Oscar e o primeiro da franquia 007 (photo by digitalspy.com)

A vitória de Lincoln na categoria de Direção de Arte também não deixa de ser uma surpresa. Enquanto todos apostavam em Anna Karenina e Os Miseráveis, este Oscar acabou sendo uma espécie de compensação pelas inúmeras derrotas para Spielberg. A recriação dos cenários dos EUA de 1865 impressiona, mas está longe de encher os olhos como o trabalho de Sarah Greenwood de Anna Karenina.

Já nas categorias de atuação, não houve nenhuma surpresa. Acreditava que haveria pelo menos uma e que estaria em Melhor Ator Coadjuvante, mas não foi desta vez que Robert De Niro levou seu terceiro Oscar. Christoph Waltz subiu pela segunda vez em 3 anos pra receber seu segundo Oscar de coadjuvante (o primeiro foi por Bastardos Inglórios). A vitória de Waltz serviu como representante de todo o elenco: Jamie Foxx, Leonardo DiCaprio e Samuel L. Jackson, juntamente com o prêmio de Roteiro Original, serviu para comprovar que Quentin Tarantino é um dos melhores roteiristas em atividade.

Daniel Day-Lewis se tornou o primeiro a receber 3 Oscars de Melhor Ator. Além dessa importante conquista, trata-se do primeiro Oscar de uma atuação sob o comando de Steven Spielberg. Ao receber o prêmio, o ator diz: “É uma coisa estranha porque três anos atrás, na verdade eu havia me comprometido a interpretar Margaret Thatcher e Meryl (Streep) foi a primeira escolha de Steven (Spielberg) para Lincoln, e eu queria ver essa versão”. Em agradecimento à sua mulher, Rebecca Miller, ele continua: “Desde que nos casamos há 16 anos, minha esposa Rebecca viveu com alguns homens muito estranhos. Eles eram estranhos como indivíduos e talvez ainda mais estranhos quando estavam em grupo. Por sorte, ela é bem versátil e tem sido a perfeita companhia para todos eles”.

Daniel Day-Lewis recebe o Oscar de Meryl Streep e entra para a História (photo by usatoday.com)

Daniel Day-Lewis recebe o Oscar de Meryl Streep e entra para a História (photo by usatoday.com)

Apesar dos dois Oscars, Lincoln foi um dos grandes perdedores da noite (venceu 2 em 12 indicações). Se o filme não tivesse naufragado, o prêmio de Ator poderia ter ido para Joaquin Phoenix por sua explosiva interpretação em O Mestre.

Na ala feminina, a jovem Jennifer Lawrence confirmou seu favoritismo por O Lado Bom da Vida. Apesar da gafe de ter caído nas escadas do palco, ela recebeu aplausos de pé da platéia: “Vocês estão de pé porque se sentiram mal por eu ter caído e isso é embaraçoso, mas obrigada”. Em seu discurso, ela desejou feliz aniversário para Emmanuelle Riva, que completa 86 anos. Espero muito que este Oscar não desande sua carreira como atriz em ascensão, mesmo que já tenha engatilhado bons projetos como Serena e a sequência de Jogos Vorazes. Jennifer Lawrence se tornou a segunda atriz mais jovem a vencer nessa categoria aos 22 anos (Marlee Matlin permanece na 1ª posição aos 21, por Filhos do Silêncio).

Também em sua segunda indicação, Jessica Chastain perdeu por A Hora Mais Escura (que teve que se contentar com o Oscar de Efeitos Sonoros), mas ainda tem muito tempo para conseguir seu reconhecimento. Sua versatilidade mais do que comprovada já atrai os olhares de diretores consagrados e ela deve retornar ao Oscar até 2015 pelo filme dirigido por Liv Ullman, Miss Julie.

Jennifer Lawrence é traída pelo seu vestido e cai nos degraus para receber seu Oscar. (photo by popwatch.ew.com)

Jennifer Lawrence é traída pelo seu vestido e cai nos degraus para receber seu Oscar. (photo by popwatch.ew.com)

Não concordei com a vitória do filme da Pixar, Valente, na categoria de Melhor Animação. Reconheço a qualidade técnica, tanto do design como da própria animação do cabelo ruivo enrolado da protagonista, mas em termos de história, trata-se de um típico roteiro da velha Disney, muito semelhante a Irmão Urso, lançado em 2003. Para uma produtora que prioriza a qualidade dos roteiros de seus filmes, a Pixar falhou em Valente e por isso, não deveria ser premiada. Embora o roteiro de Frankenweenie seja uma espécie de colagem de homenagens e baseado em seu curta-metragem dos anos 80, Tim Burton merecia o Oscar.

Uma das melhores coisas desse Oscar foi a forma como eles expulsavam os vencedores com seus discursos chatos e longos do palco: a trilha de Tubarão crescia ao fundo até cortarem o áudio do microfone. A tática deu certo: os discursos ficaram mais curtos e um ou outro vencedor ficou bem nervoso nos agradecimentos, como o roteirista Chris Terrio de Argo.

Outra novidade foi a escalação de seis estudantes de cinema nos EUA para ajudar na entrega dos prêmios. A atitude se mostra bastante nobre e coerente, mas confesso que senti falta das trophy girls. Não sei… elas tinham um “algo a mais”! Espero que esta tenha sido apenas uma exceção à regra!

Uma dos seis estudantes de Cinema aguarda o anúncio do vencedor para entrar com a estatueta (photo by latimes.com)

Uma dos seis estudantes de Cinema aguarda o anúncio do vencedor para entrar com a estatueta (photo by latimes.com)

Apesar de não ter muita relevância, vale destacar aqui a estranheza da atriz Renée Zellwegger. No começo da cerimônia, ela já tinha uma aparência bastante anêmica, não só pela ausência total de maquiagem e cabelo desarrumado, mas pela palidez. Ao entrar no palco para apresentar os Oscars de Trilha Musical e Canção ao lado dos atores Richard Gere, Queen Latifah e Catherine Zeta-Jones, ela estava nitidamente zonza e parecia se esforçar para manter-se em pé. Além disso, não sei se Zellwegger está filmando algo no momento, mas ela fica bem melhor mais cheinha como a Bridget Jones.

Na foto não parece tanto, mas Renée Zellwegger estava sob efeito de narcóticos (photo by arts.nationalpost.com)

Na foto não parece tanto, mas Renée Zellwegger estava sob efeito de narcóticos (photo by arts.nationalpost.com)

Finalizando, o balanço geral do Oscar 2013:

4 Oscars: As Aventuras de Pi

3 Oscars: Argo/ Os Miseráveis

2 Oscars: Lincoln/ Django Livre/ 007 – Operação Skyfall

1 Oscar: O Lado Bom da Vida/ Amor/ Anna Karenina/ A Hora Mais Escura/ Valente/ Searching for Sugar Man

Confira lista dos vencedores:

MELHOR FILME
ARGO (ARGO)

MELHOR DIRETOR
Ang Lee (As Aventuras de Pi)

MELHOR ATOR
Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ
Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Christoph Waltz (Django Livre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Anne Hathaway (Os Miseráveis)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Quentin Tarantino (Django Livre)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Chris Terrio (Argo)

MELHOR FOTOGRAFIA
Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)

MELHOR MONTAGEM
William Goldenberg (Argo)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Rick Carter e Jim Erickson (Lincoln)

MELHOR FIGURINO
Jacqueline Durran (Anna Karenina)

MELHOR MAQUIAGEM
• Lisa Westcott, Julie Dartnell (Os Miseráveis)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR SOM
Andy Nelson, Mark Paterson, Simon Hayes (Os Miseráveis)

MELHORES EFEITOS SONOROS (Empate)
Per Hallberg, Karen M. Baker (007 – Operação Skyfall)
Paul N.J.Ottosson (A Hora Mais Escura)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Bill Westenhofer, Gillaume Rocheron, Erik De Boer, Donald Elliott (As Aventuras de Pi)

MELHOR ANIMAÇÃO
Valente (Brave), de Mark Andrews e Brenda Chapman

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Amor, de Michael Haneke (Áustria)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Searching for Sugar Man, de Malik Benjelloul e Simon Chinn

MELHOR DOCUMENTÁRIO CURTA
Inocente, de Sean Fine e Andrea Nix

MELHOR CURTA-METRAGEM
Curfew, de Shawn Christensen

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
Paperman
, de John Kahrs

Christoph Waltz recebe seu segundo Oscar de coadjuvante sob a direção de Quentin Tarantino (photo by movies.yahoo.com)

Christoph Waltz recebe seu segundo Oscar de coadjuvante sob a direção de Quentin Tarantino (photo by movies.yahoo.com)

Os Miseráveis (Les Misérables), de Tom Hooper (2012)

Os Miseráveis, de Tom Hooper (foto por cinemarcado.com.br)

Os Miseráveis, de Tom Hooper (foto por cinemarcado.com.br)

MUSICAL CANSATIVO DE 160 MINUTOS EXAGERA NA CANTORIA

Quando se pensa numa adaptação fílmica de um romance da importância de Les Misérables, de Victor Hugo, logo vem à cabeça a imagem daquele espetáculo grandioso, repleto de figurantes, com cenários e figurinos riquíssimos em detalhes. Não querendo apequenar o trabalho da equipe, mas não poderíamos esperar menos do que o capricho imaginado, afinal, o clássico francês representa um marco na Literatura universal, pois se trata de uma narrativa ambiciosa porém acessível, que traz uma perspectiva filosófica intensa.

Mas talvez, a obra literária seja mais conhecida pelo público através de suas várias montagens musicais. Em 1980, a dupla Alain Boublil e Claude-Michel Schönberg compôs canções que colaboraram para o sucesso estrondoso em Paris. Cinco anos depois, o produtor Cameron Mackintosh resolveu trazer o espetáculo para Londres, com letras adaptadas para o inglês por Herbert Kretzmer, repetindo o sucesso de seu antecessor. Desde o início da década de 90, Mackintosh tinha esse desejo de trazer o musical às telas, mas só em 2012 conseguiu concretizar esse sonho. Além de produzir, resgatou Boublil, Schönberg e Kretzmer para colaborarem no roteiro de William Nicholson.

Tom Hooper (centro) e set de filmagem de Os Miseráveis (photo by BeyondHollywood.com)

O diretor Tom Hooper (centro) parece meio perdido em set de filmagem de Os Miseráveis (photo by BeyondHollywood.com)

Como previsto, o trabalho técnico desta adaptação para o cinema se mostra impecável. Obviamente, direção de arte e figurino se destacam por reconstituírem o século XIX, alguns anos após a Revolução Francesa. Contudo, a opção do diretor Tom Hooper de tornar 99% dos diálogos em música num filme de 2h40 não soou como a melhor das idéias. Aqui, a música, que deveria ser um momento de exaltação ou repressão de sentimentos, ganha ares de banalidade. Toda e qualquer interação entre personagens acontece com diálogos cantados, reduzindo drasticamente a importância da musicalidade na trama.

Assim, momentos mais sublimes como o desabafo de Fantine correram o risco de passar desapercebidos. Felizmente, nesse caso específico, o diretor isolou a personagem num fundo desfocado para valorizar a interpretação de Anne Hathaway numa performance vocal estupenda de “I Dreamed a Dream”. Resultado: o melhor momento do filme todo que, de quebra, deve render o Oscar de coadjuvante para a jovem atriz. Teria faltado maior sensibilidade por parte de Tom Hooper para enxergar essa saturação musical.

Anne Hathaway em melhor momento de Os Miseráveis (photo by criticbehindthecurtain.wordpress.com)

Anne Hathaway como Fantine em melhor momento de Os Miseráveis (photo by criticbehindthecurtain.wordpress.com)

E apesar de ser contrário à idéias pré-estabelecidas de gênero, a ausência quase total de números musicais com coreografia foi muito sentida. Cinema é uma Arte que exalta a força e a beleza plástica do movimento. Faltou aí a qualidade técnica e disposição de diretores renomados como Vincente Minnelli (Sinfonia de Paris) e Bob Fosse (Cabaret) para tornar o romance de Victor Hugo em uma obra bem mais convidativa aos olhos.

Para não ficar limitado aos mestres do gênero, vale citar exemplos mais recentes do cinema como o musical Chicago (2002), estrelado por Renée Zellwegger, Richard Gere e Catherine Zeta-Jones. O diretor estreante Rob Marshall consegue valorizar suas sequências musicais através de boa coreografia bem valorizada pela fotografia sem se desviar da trama que critica a sociedade de espetáculo controlada pela mídia.

Exemplificando algo ainda mais trágico, temos a incursão do diretor dinamarquês Lars von Trier (do movimento Dogma 95) ao gênero em Dançando no Escuro (2000). Embora tenha o senso de objetividade que seu movimento artístico pregava, Trier sabia que para o musical funcionar, precisava de boa música com números coreografados. Sua grande sacada foi a escalação da cantora islandesa Björk, que além de trazer alma para seu papel de operária, criou musicalidade a partir de ruídos do cenário. Numa sequência na fábrica, os barulhos das máquinas ganham ritmo e formam uma melodia para que Selma cante e os demais personagens caiam na dança.

A cantora e atriz Björk em sequência musical na fábrica de Dançando no Escuro (photo by http://rustywhitesfilmworldobituaries.blogspot.com.br)

A cantora e atriz Bjrk em sequência musical na fábrica de Dançando no Escuro (photo by http://rustywhitesfilmworldobituaries.blogspot.com.br)

Isso não acontece em Os Miseráveis, porque Tom Hooper acreditou que bastavam bons atores e o histórico e sucesso das peças musicais, tanto que optou pela cômoda escolha do diretor de fotografia Danny Cohen, com quem já trabalhou em O Discurso do Rei e a mini-série John Adams, enquanto deveria contratar alguém mais experiente em filmes grandes como Emmanuel Lubezki justamente pela ambição do projeto. Essa escolha resultou num filme pobre em movimentação de câmera e que não dá a devida dramaticidade através da iluminação em determinadas sequências como nos becos de Paris.

Pelo menos a escolha dos atores foi acertada. Hugh Jackman (como Jean Valjean) e Anne Hathaway, que já cantaram juntos no palco do Oscar, formam uma boa dupla da primeira metade do filme. A jovem britânica Samantha Barks, que foi convidada após atuar pelo mesmo papel de Eponine no concerto Les Misérables in Concert (2010) em homenagem aos 25 anos do primeiro musical francês, demonstra que tem talento musical em duas cenas, sendo uma delas um solo de últimos suspiros. Eddie Redmayne como o membro apaixonado da resistência Marius e o pequeno Daniel Huttlestone como Gavroche também têm seus momentos de destaque pela qualidade musical.

O único que destoa musicalmente do elenco de fato é Russell Crowe. Apesar de sua aparência fechada combinar com a figura dura e persistente do Inspetor Javert, suas cordas vocais são fracas para o vozeirão firme que se esperava do antagonista. Talvez Crowe tenha sido escolhido por terem deduzido que cantava bem só porque tem uma banda chamada Thirty Odd Foot of Grunt, ou porque ninguém teve coragem de dizer que ele não tinha talento musical, porque o ator é, digamos, “um pouco esquentadinho”.

Russell Crowe como o Inspetor Javert. Será que ele reconhece sua inferioridade vocal? (photo by BeyondHollywood.com)

Russell Crowe como o Inspetor Javert. Será que ele reconhece sua inferioridade vocal? (photo by BeyondHollywood.com)

Para a atuação do elenco com música, o método de Hooper foi inédito na história do cinema. Enquanto os musicais sempre se utilizaram do sistema de playback (música gravada em estúdio e apenas sincronizada no set de filmagem), Os Miseráveis gravava a cantoria dos atores ao vivo no set. Eles usavam pontos eletrônicos no ouvido que tocavam um piano para mantê-los no tom certo, e não havia tempo pré-determinado, o que dava total liberdade ao elenco.

Entretanto, ao invés de explorar essa liberdade dos atores, parece que Tom Hooper simplesmente pegou a câmera steadycam e filmou uma peça de teatro, andando pelo palco entre os atores. Então, o espectador comum que resolver assistir ao musical, terá que suportar bravamente atores cantando ininterruptamente por 160 minutos (goste ou não dos diálogos cantados) sem a dinâmica necessária para um filme mais palatável.

Depois da sessão, deixei de estranhar a ausência de Tom Hooper na categoria de direção do Oscar. E devido à forte concorrência nas categorias técnicas, talvez Os Miseráveis e Victor Hugo tenham que se contentar com o Oscar de coadjuvante para Anne Hathaway.

AVALIAÇÃO: REGULAR

Indicações ao Globo de Ouro 2013

Globo de Ouro 2013

Globo de Ouro 2013

As indicações foram anunciadas na manhã desta quinta-feira, dia 13 de dezembro. Este ano, o recordista de indicações é o novo trabalho de Steven Spielberg, Lincoln, com sete. Em seguida, Argo e Django Livre figuram com cinco cada.

Dentre os 10 filmes indicados nas categorias de Melhor Filme, a maior surpresa foi a inclusão de Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen), que ainda conta com as indicações de seus atores Ewan McGregor e Emily Blunt.

Seguem as indicações para cinema, e em seguida, uma análise por categoria:

MELHOR FILME – DRAMA

Argo (Argo)

Django Livre (Django Unchained)

As Aventuras de Pi (Life of Pi)

Lincoln

A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)

* A inclusão do western de Quentin Tarantino aconteceu por causa de uma exibição de última hora, mas mesmo assim conseguiu cinco indicações, entre elas a de Melhor Filme – Drama e Melhor Diretor. As ausências mais sentidas são de The Master, de Paul Thomas Anderson, e O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, de Peter Jackson. Enquanto o primeiro pode ter chateado alguns artistas seguidores da Cientologia, como Tom Cruise, o segundo apresenta uma nova tecnologia de 48 quadros por segundo que dá uma sensação de hiper-realidade, que pode ter desagradado alguns críticos. Pelo número de indicações, Lincoln parece ser o favorito, mas Argo e Django Livre podem surpreender.

Cena com Christoph Waltz e Jamie Foxx de Django Livre, de Quentin Tarantino.

Cena com Christoph Waltz e Jamie Foxx de Django Livre, de Quentin Tarantino (foto por beyondhollywood.com)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

O Exótico Hotel Marigold (The Best Exotic Marigold Hotel)

Les Misérables

Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)

Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen)

O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

* A briga está entre Moonrise Kingdom e O Lado Bom da Vida, com boa vantagem para o último por causa da direção de David O. Russell e o par central de atores, Bradley Cooper e Jennifer Lawrence. Moonrise Kingdom é um belo filme, mas como não emplacou nenhuma indicação nas categorias de atuação e seu diretor sequer foi reconhecido, sua vitória deve ficar mais improvável.

Emily Blunt e Ewan McGregor em cena romântica de Amor Impossível. Ambos foram indicados nas categorias de atuação (foto por OutNow.CH)

Emily Blunt e Ewan McGregor em cena romântica de Amor Impossível. Ambos foram indicados nas categorias de atuação (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR – DRAMA

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

Richard Gere (A Negociação)

John Hawkes (The Sessions)

Joaquin Phoenix (The Master)

Denzel Washington (Flight)

* Ao ver essa lista, quem tem jeito de que vai levar o Globo de Ouro? Se você apostou em Daniel Day-Lewis, já tem 50% de chance de acertar. Apesar da entrevista polêmica se desfazendo da temporada de premiação, Joaquin Phoenix seria o segundo nessa corrida. A indicação de Richard Gere é a grande novidade na categoria. Ele já havia ganhado um Globo de Ouro por Chicago em 2003.

Richard Gere em A Negociação (foto por OutNow.CH)

Richard Gere em A Negociação (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Marion Cotillard (Ferrugem e Osso)

Helen Mirren (Hitchcock)

Naomi Watts (O Impossível)

Rachel Weisz (The Deep Blue Sea)

* Sem a veterana Emmanuelle Riva, a revelação-mirim Quvenzhané Wallis e por pertencer à categoria de comédia Jennifer Lawrence, a disputa aqui parece estar mais aberta, com ligeira vantagem para Jessica Chastain (que venceu o National Board of Review) e Rachel Weisz (que levou o NYFCC).

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso. Sim, ela está sem a parte de baixo das pernas através de ótimo efeitos visuais.

Marion Cotillard em Ferrugem e Osso. Sim, ela está sem a parte de baixo das pernas através de ótimo efeitos visuais (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Jack Black (Bernie)

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Hugh Jackman (Les Misérables)

Ewan McGregor (Amor Impossível)

Bill Murray (Hyde Park on Hudson)

* Não se espante ao ver Jack Black na categoria. Além de ser um bom ator-comediante quando ele quer, já foi indicado pelo mesmo prêmio em 2004 pelo filme Escola de Rock. Curiosamente, ele enfrenta Bill Murray novamente, que havia vencido então por Encontros e Desencontros. Mas a presença de Ewan McGregor também surpreendeu, ainda mais pelo filme pelo qual foi reconhecido, pois todos esperavam O Impossível. O vencedor deve ficar entre Bradley Cooper (venceu o National Board of Review) e Hugh Jackman… bem, porque os críticos gostam de musicais, ainda mais com esse one-man-show!

Jack Black, o catador de viúvas em Bernie (foto por Cinemagia.ro)

Jack Black, o catador de viúvas em Bernie (foto por Cinemagia.ro)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Emily Blunt (Amor Impossível)

Judi Dench (O Exótico Hotel Marigold)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Maggie Smith (Quartet)

Meryl Streep (Um Divã Para Dois)

* O que eu digo toda vez? Sobrou uma vaga? Coloquem a Meryl Streep pra concorrer! Mas brincadeiras à parte, Streep está fabulosa e carismática como sempre em Um Divã Para Dois, vivendo aquela mulher que, estagnada no casamento, decide tomar uma atitude para salvá-lo. Apesar da presença das veteranas como a própria Meryl, temos Judi Dench e Maggie Smith, a jovem Jennifer Lawrence deve ficar com o prêmio, que estaria inclusa sua participação em Jogos Vorazes. Como não faço idéia de como está Emily Blunt em Amor Impossível, considero sua indicação uma surpresa.

Meryl Streep e a banana em Um Divã Para Dois. O carisma da atriz fascina o público (foto por OutNow.CH)

Meryl Streep e a banana em Um Divã Para Dois. O carisma da atriz fascina o público (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Leonardo DiCaprio (Django Livre)

Philip Seymour Hoffman (The Master)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

Christoph Waltz (Django Livre)

* Com a exclusão de Matthew McConaughey, que estava ganhando quase todos os prêmios da crítica por Magic Mike, e Robert De Niro por O Lado Bom da Vida, Leonardo DiCaprio e Philip Seymour Hoffman saem na frente. Mas a briga esquentou depois que Christoph Waltz entrou. Em nova parceria de sucesso com o diretor Quentin Tarantino, o ator austríaco volta a se destacar em papel de coadjuvante. Outra ausência notada foi a de Javier Bardem por 007 – Operação Skyfall. A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood não foi tanto na onda de sucesso do filme de Bond.

Christoph Waltz em Django Livre. Supresa agradável. (foto por OutNow.CH)

Christoph Waltz em Django Livre. Supresa agradável. (foto por OutNow.CH)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Amy Adams (The Master)

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Les Misérables)

Helen Hunt (The Sessions)

Nicole Kidman (The Paperboy)

* Nicole Kidman tem sido tratada como zebra total na categoria. Depois de roubar o lugar de Amy Adams no SAG Awards, ela descarta Ann Dowd por Compliance ou Maggie Smith em O Exótico Hotel Marigold. Não duvido nada ela subir o palco pra receber o prêmio! Mas por enquanto, a casa de apostas fica entre Sally Field, Anne Hathaway e Amy Adams.

De recatada na vida real para putinha na ficção, Nicole Kidman agrada a crítica em The Paperboy (foto por OutNow.CH)

De recatada na vida real para putinha na ficção, Nicole Kidman agrada a crítica em The Paperboy (foto por OutNow.CH)

MELHOR DIRETOR

Ben Affleck (Argo)

Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Steven Spileberg (Lincoln)

Quentin Tarantino (Django Livre)

* Curiosamente, todos os diretores indicados são os mesmos dos filmes indicados a Melhor Filme – Drama, ou seja, nada de comédia ou musical por aqui. Assim, Tom Hooper, que comandou o elaborado musical baseado em Victor Hugo, e David O. Russell, que vem coletando ótimos elogios pela direção de atores e ainda resgatou o brilho de Robert De Niro, ficaram de fora. Como vi em anos anteriores, os críticos poderiam abrir novas exceções e indicar pelo menos mais um diretor. Independente disso, a disputa aqui está bastante acirrada. Temos quatro diretores muito experientes, com destaque para Spielberg e Bigelow, que foi a primeira mulher a ganhar o Oscar de direção, com a revelação Ben Affleck, que em seu terceiro filme na cadeira de diretor, já conquistou a crítica e o público com Argo.

Ben Affleck na câmera e dirigindo seu terceiro filme, Argo (foto por beyondholywood.com)

Ben Affleck na câmera e dirigindo seu terceiro filme, Argo (foto por beyondholywood.com)

MELHOR ROTEIRO

Chris Terrio (Argo)

Quentin Tarantino (Django Livre)

Tony Kushner (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

Mark Boal (A Hora Mais Escura)

* Com sua ausência na categoria de diretor, David O. Russell deve figurar como franco-favorito por O Lado Bom da Vida. Mas Chris Terrio e Mark Boal fizeram um ótimo trabalho casos verídicos que se passaram no Oriente Médio, em épocas diferentes. Tarantino também entraria bem na briga na tentativa de compensá-lo numa possível derrota como diretor.

Chris Terrio na estréia de Argo (foto por zimbio.com)

Chris Terrio na estréia de Argo (foto por zimbio.com)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Dario Marianelli (Anna Karenina)

Alexandre Desplat (Argo)

Reinhold Heil, Johnny Klimek, Tom Tykwer (A Viagem)

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

John Williams (Lincoln)

* Como discutido no post anterior sobre as 104 trilhas musicais pré-selecionadas para o Oscar, Alexandre Desplat tinha três obras com possibilidade de indicação, então acredito que ele sai na frente por Argo. Mas quando se tem o veteraníssimo John Williams, o favorito tem que passar sobre ele primeiro. Fiquei feliz pela indicação de Mychael Danna, que vinha criando ótimos arranjos desde Pequena Miss Sunshine, mas nunca era lembrado pela crítica. Espero que ele tenha boas chances no Oscar também.

O compositor Mychael Danna, que concorre por As Aventuras de Pi (foto por celebslist.com)

O compositor Mychael Danna, que concorre por As Aventuras de Pi (foto por celebslist.com)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“For You“, de Monty Powell, Keith Urban (Ato de Valor)

“Safe and Sound”, de Taylor Swift, John Paul White, Joy Williams, T-Bone Burnett (Jogos Vorazes)

“Suddenly“, de Claude-Michel Schönberg, Alain Boublil, Herbert Kretzmer (Les Misérables)

“Skyfall”, de Adele, Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

“Not Running Anymore”, de Jon Bon Jovi (Stand Up Guys)

* Embora haja nomes conhecidos no cenário musical como Jon Bon Jovi, Keith Urban (marido de Nicole Kidman) e a princesinha do country Taylor Swift, o aniversário de 50 anos de James Bond + a nova diva Adele = Globo de Ouro. A música tema de 007 – Operação Skyfall já virou até hit nas paradas brasileiras! E que venha o primeiro Oscar da série na categoria!

Adele e 007 - Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

Adele e 007 – Operação Skyfall: grandes chances de premiação (foto por twentyfourbit.com)

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave)

Frankenweenie (Frankenweenie)

Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania)

A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians)

Detona Ralph (Wreck-It Ralph)

* Confesso que fiquei um pouco desapontado pela total ausência de trabalhos mais autorais e estrangeiros na categoria de animação. Só pra se ter uma idéia, três dos cinco indicados são da Disney: Valente, Frankenweenie e Detona Ralph. Claro que se a produtora fez por merecer, nada mais justo, mas aí vem a questão: “Será que não tinha nenhum outro trabalho melhor do que esses?” O Globo de Ouro deve ficar entre um dos três citados. Resta saber se será Frankenweenie, de Tim Burton, ou Detona Ralph, de Rich Moore.

Título de Detona Ralph, produto da Disney que vem agradando o público (foto por gentlemenbehold.wordpress.com)

Título de Detona Ralph, produto da Disney que vem agradando o público (foto por gentlemenbehold.wordpress.com)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amour, de Michael Haneke (Áustria)

Kon-Tiki, de Joachim Rønning, Espen Sandberg (Reino Unido/ Noruega/ Dinamarca)

Intocáveis, de Olivier Nakache, Eric Toledano (França)

O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)

Ferrugem e Osso, de Jacques Audiard (França)

* Mesmo que as regras do Globo de Ouro não sejam tão rígidas como as da Academia de poder haver apenas um representante por país, não houve surpresas este ano. Amour, de Michael Haneke, deve levar o prêmio, até mesmo para compensá-lo da exclusão total de outras categorias, como ator e atriz. Mas os franceses Intocáveis (a segunda maior bilheteria da França) e Ferrugem e Osso (que conta com o prestígio de Jacques Audiard e a atriz Marion Cotillard) vêm logo atrás, prontos para darem o bote.

Mesmo não sendo um dos favoritos, A Royal Affair é um belo filme e interessante. A imagem acima fala por si própria... (foto por OutNow.CH)

Mesmo não sendo um dos favoritos, O Amante da Rainha é um belo filme e interessante. A imagem acima fala por si própria… (foto por OutNow.CH)

A 70ª cerimônia do Globo de Ouro deve ser transmitida pelo canal TNT no dia 13 de janeiro de 2013, três dias após as indicações ao Oscar.