‘DRIVE MY CAR’ É ELEITO o MELHOR FILME pela LAFCA

FILME JAPONÊS JÁ HAVIA CONQUISTADO CRÍTICOS DE NOVA YORK

Neste sábado, a Associação de Críticos de Los Angeles divulgou sua seleção dos melhores de 2021 pelo Twitter oficial @LAFilmCritics. Assim como os críticos de Nova York, o filme japonês Drive My Car venceu o prêmio de Melhor Filme, e a neozelandesa Jane Campion venceu como Melhor Diretora por Ataque dos Cães. Tradicionalmente, o LAFCA tem o prêmio de 2º lugar (ou como eles chama “runner up”), e curiosamente, houve uma alternação entre Filme e Direção: Drive My Car ficou com Melhor Filme e 2º lugar na Direção para Ryusuke Hamaguchi, enquanto Ataque dos Cães ficou com Melhor Direção e 2º lugar em Melhor Filme.

Com esta dupla vitória de LA e NY, a adaptação do conto de Haruki Murakami automaticamente se torna o franco favorito na categoria de Filme Internacional, representando o Japão, e alguns especialistas já arriscam outras indicações como Filme, Direção e Roteiro Adaptado, lembrando que já havia vencido Melhor Roteiro no último Festival de Cannes. Embora os críticos de Los Angeles tenham uma tradição de premiar produções estrangeiras, vale lembrar que o sul-coreano Parasita também fez a mesma trajetória em 2019-20.

Nas categorias de atuação, atores estrangeiros também se destacaram. Como previsto, a espanhola Penélope Cruz conquistou o prêmio de Atriz por Madres Paralelas, já em 2º lugar ficou a norueguesa Renate Reinsve em The Worst Person in the World. Na categoria de Ator Coadjuvante, houve um empate entre o francês Vincent Lindon por Titane e o jovem Kodi Smit-McPhee por Ataque dos Cães.

Esse amor às produções estrangeiras também se estendeu à categoria de Melhor Animação com a vitória do dinamarquês Flee, de Jonas Poher Rasmussen, e o 2º lugar para o japonês Belle, de Mamoru Hosoda. E isso comprova que as animações americanas da Disney, Pixar, Dreamworks e Sony deixaram a desejar este ano, pois normalmente elas ganham espaço aqui. Aproveitando a deixa, seria muito bacana se a Academia premiasse uma animação em língua estrangeira após 20 anos, já que A Viagem de Chihiro foi a primeira e única animação estrangeira a conseguir esse feito.

Ariana DeBose venceu como Atriz Coadjuvante, lembrando que Amor, Sublime Amor, de Steven Spielberg continua forte na temporada. A grande surpresa ficou por conta do prêmio de Melhor Ator para Simon Rex por Red Rocket, de Sean Baker. Embora o filme tenha sido indicado à Palma de Ouro em Cannes, a reação da crítica internacional foi mista, mas dependendo da campanha, ele pode conseguir uma indicação ao Oscar.

Mas talvez a maior surpresa desta edição foi a premiação de Duas Tias Loucas de Férias na categoria de Design de Produção, batendo um dos favoritos O Beco do Pesadelo, de Guillermo del Toro. Apesar de existir um trabalho grandioso na construção do resort, geralmente as comédias desse estilo costumam ser completamente ignoradas em temporadas de premiação. Falando em ignorados, a categoria de Filme em Língua Estrangeira se mostrou sem valor ao Oscar, pois Petite Maman não foi o filme selecionado pela França, e o 2º lugar, Quo Vadis, Aida? já foi indicado em 2021 pela Bósnia e Herzegovina.

Embora tenha ficado com o 2º lugar de Roteiro (perdeu para Drive My Car), Paul Thomas Anderson tem as melhores chances de conquistar sua primeira estatueta do Oscar pelo roteiro original de Licorice Pizza. Claro que ele tem boas chances de ser indicado a Diretor no Oscar, mas é mais provável que ele vença pelo roteiro, servindo como uma espécie de prêmio de consolação.

Confira a lista completa de vencedores da LAFCA abaixo:

MELHOR FILME: Drive My Car
2º lugar: Ataque dos Cães

MELHOR DIRETOR: Jane Campion (Ataque dos Cães)
2º lugar: Ryusuke Hamaguchi (Drive My Car)

MELHOR ATOR: Simon Rex (Red Rocket)
2º lugar: Benedict Cumberbatch (Ataque dos Cães)

MELHOR ATRIZ: Penélope Cruz (Madres Paralelas)
2º lugar: Renate Reinsve (The Worst Person in the World)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (EMPATE): Vincent Lindon (Titane) E Kodi Smit-McPhee (Ataque dos Cães)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Ariana DeBose (Amor, Sublime Amor)
2º lugar: Aunjanue Ellis (King Richard: Criando Campeãs)

MELHOR ANIMAÇÃOFlee
Runner-up: Belle

MELHOR DOCUMENTÁRIO“Summer of Soul”
2º lugar: “Procession”

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Petite Maman, de Céline Sciamma (França)
2º lugar: Quo vadis, Aida?, de Jasmila Zbanic (Bósnia e Herzegovina)

MELHOR ROTEIRO: Ryusuke Hamaguchi and Takamasa Oe (Drive My Car)
2º lugar: Paul Thomas Anderson (Licorice Pizza)

MELHOR FOTOGRAFIAAri Wegner (Ataque dos Cães)
2º lugar: Greig Fraser (Duna)

MELHOR MONTAGEM: Joshua L. Pearson (Summer of Soul)
2º lugar: Andy Jurgensen (Licorice Pizza)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Alberto Iglesias (Madres Paralelas)
2º lugar: Jonny Greenwood (Ataque dos Cães) (Spencer)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: Steve Saklad (Duas Tias Loucas de Férias)
2º lugar: Tamara Deverell (O Beco do Pesadelo)

PRÊMIO New Generation (EMPATE): Shatara Michelle Ford (Test Pattern) e Tatiana Huezo (Prayers for the Stolen)

Prêmio Douglas Edwards de Filme Experimental: The Works and Days (of Tayoko Shiojiri in the Shiotani Basin)

Prêmio pelo Conjunto da ObraMel Brooks

‘ZOLA’ LIDERA as INDICAÇÕES ao INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

O ROAD MOVIE SOBRE UMA STRIPPER ACUMULA 7 INDICAÇÕES

Um dia após o anúncio das indicações ao Globo de Ouro e Critics’ Choice Awards, que servem como melhor prévias do Oscar, chegou a vez do prêmio do cinema independente americano revelar sua lista. É claro que o Independent Spirit perdeu um pouco seu hype, afinal, se analisarmos os vencedores dos últimos 5 anos, apenas Nomadland e Moonlight venceram também no Oscar, mas já em sua 37ª edição, sua importância na temporada de premiações continua bastante relevante.

O anúncio foi feito via YouTube com a colaboração das atrizes Beanie Feldstein, Regina Hall e Naomi Watts e você pode assistir ou rever pelo link abaixo:

Apesar do anúncio ter sido em live, a cerimônia será presencial (após o evento ter sido virtual em 2021) nas praias de Santa Monica no dia 06 de Março. Lembrando que para o filme se qualificar, existe um teto de valores de orçamento de 22,5 milhões de dólares, que neste ano desqualificou filmes como King Richard: Criando Campeãs e O Beco do Pesadelo.

Para a surpresa de muitos, o road movie de comédia de humor negro Zola foi o recordista de indicações. Dirigido pela talentosa Janicza Bravo, e baseado numa thread de Twitter de uma história real, acompanhamos uma stripper chamada Zola, que embarca numa viagem à Flórida com três desconhecidos para ganhar dinheiro dançando, mas as coisas não dão muito certo. O filme se destaca pela linguagem moderna, utilizando sons de celular e harpas na trilha, uma montagem bem dinâmica e atuações bem específicas como a de Riley Keough, que apesar de ser branca e loira, fala e age como uma afrodescendente.

Com as 7 indicações de Zola, 3 de C’mon C’mon, 2 de Red Rocket e 1 de The Humans, a A24 se tornou o estúdio independente com maior número de indicações, seguida pela NEON e a Netflix, ambas com 9 indicações no total cada.

Dos indicados ao Spirit que reforçaram suas campanhas nesta temporada estão: Maggie Gyllenhaal, que foi reconhecida em Filme, Direção e Roteiro, assim como Jessie Buckley como Coadjuvante por The Lost Daughter, Troy Kotsur como Coadjuvante por No Ritmo do Coração, Ruth Negga como Coadjuvante por Identidade, o filme japonês Drive My Car e o dinamarquês Flee, que pode e deve concorrer como Documentário, Animação e Filme Internacional. Embora não tenha grandes chances na temporada, ficamos felizes com as duas indicações para os atores de Red Rocket, novo filme do talentoso Sean Baker, de Projeto Flórida e Tangerina.

Dentre as ausências mais sentidas estão as dos atores Olivia Colman por The Lost Daughter, Joaquin Phoenix por C’mon C’mon, Tessa Thompson por Identidade, e Nicolas Cage por Pig (que conquistou uma vaga no Critics’ Choice no dia anterior). Claro que se concretizadas, essas indicações alavancariam as campanhas rumo ao Oscar, mas o Independent Spirit não parece muito interessado em ser apenas uma prévia do prêmio da Academia. Além disso, há muuuuitos bons trabalhos e performances que muitas vezes são esnobados injustamente e que precisam da ajuda desses prêmios alternativos para chegar ao grande público.

Confira todos os indicados e premiados do Independent Spirit Awards 2022:

MELHOR FILME

A CHIARA
Producers: Jonas Carpignano, Paolo Carpignano, Jon Coplon, Ryan Zacarias
C’MON C’MON
Producers: Chelsea Barnard, Andrea Longacre-White, Lila Yacoub
THE LOST DAUGHTER
Producers: Charles Dorfman, Maggie Gyllenhaal, Osnat Handelsman Keren, Talia Kleinhendler
THE NOVICE
Producers: Ryan Hawkins, Kari Hollend, Steven Sims, Zack Zucker
ZOLA
Producers: Kara Baker, Dave Franco, Elizabeth Haggard, David Hinojosa, Vince Jolivette, Christine Vachon, Gia Walsh

MELHOR FILME DE ESTREIA

7 DAYS
Director: Roshan Sethi
Producers: Liz Cardenas, Mel Eslyn
HOLLER
Director: Nicole Riegel
Producers: Adam Cobb, Rachel Gould, Katie McNeill, Jamie Patricof, Christy Spitzer Thornton
QUEEN OF GLORY
Director: Nana Mensah
Producers: Baff Akoto, Anya Migdal, Kelley Robins Hicks, Jamund Washington
TEST PATTERN
Director/Producer: Shatara Michelle Ford
Producers: Pin-Chun Liu, Yu-Hao Su
WILD INDIAN
Director/Producer: Lyle Mitchell Corbine, Jr.
Producers: Thomas Mahoney, Eric Tavitian

MELHOR DIRETOR

Janicza BravoZola

Maggie GyllenhaalThe Lost Daughter

Lauren HadawayThe Novice

Mike MillsC’mon C’mon

Ninja ThybergPleasure

MELHOR ROTEIRO

Nikole BeckwithTogether Together

Maggie GyllenhaalThe Lost Daughter

Jeremy O. Harris, Janicza BravoZola

Mike MillsC’mon C’mon

Todd StephensSwan Song

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

Lyle Mitchell Corbine, Jr.Wild Indian

Shatara Michelle FordTest Pattern

Fran KranzMass

Matt Fifer, Sheldon D. BrownCicada

Michael SarnoskiVanessa BlockPig

PRÊMIO JOHN CASSAVETES

CRYPTOZOO
Writer/Director: Dash Shaw
Producers: Tyler Davidson, Kyle Martin, Jane Samborski, Bill Way
JOCKEY
Writer/Director/Producer: Clint Bentley
Writer/Producer: Greg Kweder
Producer: Nancy Schafer
SHIVA BABY
Writer/Director/Producer: Emma Seligman
Producers: Kieran Altmann, Katie Schiller, Lizzie Shapiro
SWEET THING
Writer/Director: Alexandre Rockwell
Producers: Louis Anania, Haley Anderson, Kenan Baysal
THIS IS NOT A WAR STORY
Writer/Director/Producer: Talia Lugacy
Producers: Noah Lang, Julian West

MELHOR ATOR

Clifton Collins Jr.Jockey

Frankie FaisonThe Killing of Kenneth Chamberlain

Michael GreyeyesWild Indian

Udo KierSwan Song

Simon RexRed Rocket

MELHOR ATRIZ

Isabelle FuhrmanThe Novice

Brittany S. HallTest Pattern

Patti HarrisonTogether Together

Taylour PaigeZola

Kali ReisCatch the Fair One

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Colman DomingoZola

Meeko GattusoQueen of Glory

Troy KotsurCODA

Will PattonSweet Thing

Chaske SpencerWild Indian

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Jessie BuckleyThe Lost Daughter

Amy ForsythThe Novice

Ruth NeggaPassing

Revika ReustlePleasure

Suzanna SonRed Rocket

MELHOR FOTOGRAFIA

Lol CrawleyThe Humans

Tim CurtinA Chiara

Edu GrauPassing

Matthew Chuang, Ante ChengBlue Bayou

Ari WegnerZola

MELHOR MONTAGEM

Affonso GonçalvesA Chiara

Ali GreerThe Nowhere Inn

Joi McMillonZola

Enrico NataleThe Killing of Kenneth Chamberlain

Lauren HadawayNathan NugentThe Novice

MELHOR FILME INTERNACIONAL

COMPARTMENT NO. 6 (Finlândia/Rússia)
Director: Juho Kuosmanen
DRIVE MY CAR (Japão)
Director: Ryusuke Hamaguchi
PARALLEL MOTHERS (Espanha)
Director: Pedro Almodóvar
PEBBLES (Índia)
Director: P S Vinothraj
PETITE MAMAN (França)
Director: Céline Sciamma
PRAYERS FOR THE STOLEN (México)
Director: Tatiana Huezo

MELHOR DOCUMENTÁRIO

ASCENSION
Director/Producer: Jessica Kingdon
Producers: Kira Simon-Kennedy, Nathan Truesdell
FLEE
Director: Jonas Poher Rasmussen
Producers: Monica Hellström, Signe Byrge Sørensen
IN THE SAME BREATH
Director/Producer: Nanfu Wang
Producers: Christopher Clements, Julie Goldman, Carolyn Hepburn, Jialing Zhang
PROCESSION
Director: Robert Greene
Producer: Susan Bedusa, Bennett Elliott, Douglas Tirola
SUMMER OF SOUL (…OR, WHEN THE REVOLUTION COULD NOT BE TELEVISED)
Director: Ahmir “Questlove” Thompson
Producers: David Dinerstein, Robert Fyvolent, Joseph Patel

ROBERT ALTMAN AWARD

MASS
Director: Fran Kranz
Casting Directors: Henry Russell Bergstein, Allison Estrin
Ensemble Cast: Kagen Albright, Reed Birney, Michelle N. Carter, Ann Dowd, Jason Isaacs, Martha Plimpton, Breeda Wool

PRODUCERS AWARD

Brad Becker-Parton

Pin-Chun Liu

Lizzie Shapiro

SOMEONE TO WATCH AWARD

ALEX CAMILLERI
Director of Luzzu
GILLIAN WALLACE HORVAT
Director of I Blame Society
MICHAEL SARNOSKI
Director of Pig

TRUER THAN FICTION AWARD

JESSICA BESHIR
Director of Faya Dayi
DEBBIE LUM
Director of Try Harder!
ANGELO MADSEN MINAX
Director of North By Current

BEST NEW NON-SCRIPTED OR DOCUMENTARY SERIES

BLACK AND MISSING
Series By/Executive Producers: Soledad O’Brien, Geeta Gandbhir
Executive Producers: Jo Honig, Patrick Conway, Nancy Abraham, Lisa Heller, Sara Rodriguez
THE CHOE SHOW
Creator/Executive Producer: David Choe
Executive Producers: Matt Revelli, Christopher C. Chen, Hiro Murai, Nate Matteson
THE LADY AND THE DALE
Executive Producers: Mark Duplass, Jay Duplass, Mel Eslyn, Allen Bain, Andre Gaines, Mick Cammilleri, Alana Carithers, Zackary Drucker, Nancy Abraham, Lisa Heller
NUCLEAR FAMILY
Series By: Ry Russo-Young
Executive Producers: Liz Garbus, Julie Gaither, Jon Bardin, Leah Holzer, Peter Saraf, Alex Turtletaub, Jenny Raskin, Geralyn White Dreyfous, Lauren Haber, Maria Zuckerman, Christine Connor, Ryan Heller, Barbara Dobkin, Eric Dobkin, Andrea Van Beuren, Joe Landauer
PHILLY D.A.
Creators: Ted Passon, Yoni Brook, Nicole Salazar
Executive Producers: Dawn Porter, Sally Jo Fifer, Lois Vossen, Ryan Chanatry, Gena Konstantinakos, Jeff Seelbach, Patty Quillin
Co-Executive Producers: Nion McEvoy, Leslie Berriman

BEST NEW SCRIPTED SERIES

BLINDSPOTTING
Creators/Executive Producers: Rafael Casal, Daveed Diggs
Executive Producers: Jess Wu Calder, Keith Calder, Ken Lee, Tim Palen, Emily Gerson Saines, Seith Mann
IT’S A SIN
Executive Producers: Russell T Davies, Peter Hoar, Nicola Shindler
RESERVATION DOGS
Creators/Executive Producers: Sterlin Harjo, Taika Waititi
Executive Producer: Garrett Basch
THE UNDERGROUND RAILROAD
Creator/Executive Producer: Barry Jenkins
Executive Producers: Adele Romanski, Mark Ceryak, Brad Pitt, Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Colson Whitehead, Richard Heus, Jacqueline Hoyt
WE ARE LADY PARTS
Creator: Nida Manzoor
Executive Producers: Tim Bevan, Eric Fellner, Surian Fletcher-Jones, Mark Freeland
MELHOR ATRIZ EM NOVAS SÉRIES ROTEIRIZADAS

Deborah AyorindeTHEM: Covenant

Jasmine Cephas JonesBlindspotting

Thuso MbeduThe Underground Railroad

Jana SchmiedingRutherford Falls

Anjana VasanWe Are Lady Parts

MELHOR ATOR EM NOVAS SÉRIES ROTEIRIZADAS

Olly AlexanderIt’s a Sin

Murray BartlettThe White Lotus

Michael GreyeyesRutherford Falls

Lee Jung-jaeSquid Game

Ashley ThomasTHEM: Covenant

MELHOR ELENCO EM NOVAS SÉRIES ROTEIRIZADAS

RESERVATION DOGS
Ensemble Cast: Devery Jacobs, D’Pharaoh Woon-A-Tai, Lane Factor, Paulina Alexis, Sarah Podemski, Zahn McClarnon, Lil Mike, FunnyBone

FILME JAPONÊS DRIVE MY CAR é o MELHOR FILME segundo NYFCC

FILME DE JANE CAMPION ACUMULA TRÊS PRÊMIOS DOS CRÍTICOS DE NOVA YORK

O Círculo de Críticos de Nova York (NYFCC), composto por um grupo de aproximadamente 50 críticos e jornalistas, anunciou sua seleção nesta sexta-feira (03) com uma surpresa na categoria de Melhor Filme, já que concedeu o prêmio ao filme japonês Drive My Car, que é o representante oficial do Japão na disputa pelo Oscar de Filme Internacional. A adaptação do conto de Haruki Murakami, que foi lançada no último Festival de Cannes, de onde saiu com o prêmio de Melhor Roteiro, ganha mais impulso rumo ao Oscar, cuja pré-lista com 15 filmes em língua estrangeira será divulgada no próximo dia 21. Nos últimos 10 anos, o NYFCC premiou apenas um vencedor do Oscar de Melhor Filme: O Artista em 2012. Em 2018, premiou Roma, falado em espanhol, mas o Oscar preferiu Green Book. No ano passado, o grupo elegeu First Cow, mas a Academia ignorou por completo o drama de época de Kelly Reichardt. Resumindo: o NYFCC não tem servido como parâmetro (aliás, nem deve!).

Ignorado pelo National Board of Review há dois dias, Ataque dos Cães, já no catálogo da Netflix, acumulou três prêmios importantes que oficializa a entrada do western de Jane Campion na temporada de premiações: Direção, Ator (Benedict Cumberbatch) e Ator Coadjuvante (Kodi Smit-McPhee). Ainda sobre a Netflix, A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas conquistou o prêmio de Melhor Longa de Animação, enquanto The Lost Daughter, de Maggie Gyllenhaal, foi eleito o melhor filme de estreia na direção.

Nas categorias de atuação feminina, Kathryn Hunter foi eleita a Melhor Atriz Coadjuvante por interpretar as bruxas em The Tragedy of Macbeth, enquanto Lady Gaga foi reconhecida Melhor Atriz por viver Patrizia Reggiani em Casa Gucci. Embora muitos fãs da artista musical já se empolgarem com esta importante vitória, vale lembrar que as últimas três vencedoras deste prêmio sequer conseguiram uma indicação ao Oscar: Regina Hall (Support the Girls), Lupita Nyong’o (Nós) e Sidney Flanigan (Nunca Raramente Às Vezes Sempre), sendo a última vencedora do Oscar Cate Blanchett por Blue Jasmine em 2014.

O único vencedor do NYFCC que também foi premiado no NBR foi Paul Thomas Anderson. Após coletar Filme, Diretor e Atores Revelação no National Board of Review, o cineasta ganhou o prêmio de Roteiro por Licorice Pizza. Ele já havia ganhado o mesmo prêmio em 2017 por Trama Fantasma. Já o prêmio de fotografia foi para o colaborador polonês de Spielberg pelo remake do musical Amor, Sublime Amor.

Por ter levado o prêmio de Melhor Filme, Drive My Car “cedeu” o prêmio de Filme em Língua Estrangeira para o norueguês The Worst Person in the World, que venceu o prêmio de Atriz em Cannes e disputa uma das 5 vagas de Melhor Filme Internacional representando a Noruega.

SEGUEM OS VENCEDORES DO NYFCC 2021:

FILME
Drive My Car
Dir:
Ryusuke Hamagushi

DIREÇÃO
Jane Campion (Ataque dos Cães)

ATOR
Benedict Cumberbatch (Ataque dos Cães)

ATRIZ
Lady Gaga (Casa Gucci)

ATOR COADJUVANTE
Kodi Smit-McPhee (Ataque dos Cães)

ATRIZ COADJUVANTE
Kathryn Hunter (The Tragedy of Macbeth)

ROTEIRO
Paul Thomas Anderson (Licorice Pizza)

FOTOGRAFIA
Janusz Kaminski (Amor, Sublime Amor)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRO
The Worst Person in the World
Dir: Joachim Trier

FILME DE NÃO-FICÇÃO
Flee

LONGA DE ANIMAÇÃO
A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas
Dir: Michael Rianda, Jeff Rowe

FILME DE ESTREIA
The Lost Daughter
Dir: Maggie Gyllenhaal

Special Award: Maya Cade pela criação da Black Film Archive

Special Award: Diane Weyermann, um prêmio póstumo pelo apoio a cineastas ousados e impactantes em Sundance e Participant

Special Award: Marshall Fine por seus anos de serviço como gerente geral da NYFCC e décadas do cinema de Nova York

THE LOST DAUGHTER LEVA MELHOR FILME no GOTHAM AWARDS

NOS ÚLTIMOS 17 ANOS, O VENCEDOR DO GOTHAM LEVOU O OSCAR DE MELHOR FILME 5 VEZES

A 31ª edição do Gotham aconteceu em Nova York, nesta segunda-feira (29). Indicada em 5 categorias, o filme de estreia de Maggie Gyllenhaal conquistou 4 prêmios: Filme, Diretor Revelação, Atriz (Olivia Colman) e Roteiro (escrito pela própria diretora). Adaptado do best-seller de Elena Ferrante, o filme acompanha uma mulher que fica obcecada por uma família mais jovem durante as férias. Distribuído pela Netflix, The Lost Daughter caminha para uma boa temporada de premiações.

Por outro lado, com o mesmo número de indicações (5), o filme de estreia de Rebecca Hall, Passing (já disponível no catálogo da Netflix), saiu da cerimônia sem nenhum prêmio. Havia expectativa de premiação pelo menos para Ruth Negga na categoria de Coadjuvante, o que acabou não acontecendo.

Entre outros vencedores do Gotham que encaminharam uma boa campanha para o Oscar estão o vencedor de Filme Internacional, o japonês Drive My Car, e o vencedor de Documentário, a animação Flee. As vitórias de Emilia Jones (como Atuação Revelação) e Troy Kotsur (como Coadjuvante) pelo drama No Ritmo do Coração (CODA), podem indicar um possível favoritismo na categoria de Melhor Elenco no SAG Awards. Além das homenageadas com prêmios especiais: Jane Campion por Ataque dos Cães, Kristen Stewart por Spencer e Peter Dinklage por Cyrano.

Entre as categorias televisivas, destaque para a vitória da série sul-coreana Squid Game, ou como ficou conhecida no Brasil, Round 6, que esteve em 1º lugar em mais de 90 países e já está sendo produzida a 2ª temporada. Resta saber se a série em língua estrangeira será abraçada pelo Emmy e Globo de Ouro.

Confira todos os vencedores do 31º Gotham Awards:

MELHOR FILME
* The Lost Daughter (Netflix)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Flee

MELHOR ATUAÇÃO DE PROTAGONISTA
* Olivia Colman (The Lost Daughter) – EMPATE
* Frankie Faison (The Killing of Kenneth Chamberlain) – EMPATE

MELHOR ATUAÇÃO DE COADJUVANTE
* Troy Kotsur (No Ritmo do Coração)

MELHOR ATOR/ATRIZ REVELAÇÃO
* Emilia Jones (No Ritmo do Coração)

PRÊMIO BINGHAM RAY de DIRETOR REVELAÇÃO
* Maggie Gyllenhaal (The Lost Daughter)

MELHOR ROTEIRO
* Maggie Gyllenhaal (The Lost Daughter)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
* Drive My Car. Dir: Ryusuke Hamaguchi

SÉRIE REVELAÇÃO COM EPISÓDIOS ABAIXO DE 40 MINUTOS
* Reservation Dogs (FX)

SÉRIE REVELAÇÃO COM EPISÓDIOS ACIMA DE 40 MINUTOS
* Squid Game (Netflix)

SÉRIE REVELAÇÃO DE NÃO-FICÇÃO
* Philly D.A. (Topic, Independent Lens, PBS)

MELHOR PERFORMANCE EM NOVA SÉRIE
* Ethan Hawke (The Good Lord Bird) – EMPATE
* Thuso Mbedu (The Underground Railroad) – EMPATE

RETROSPECTIVA 2018: O ANO da NETFLIX?

oscars-2018.jpg.scale.704x

Normalmente, eu posto um vídeo promocional da próxima edição do Oscar que o futuro host publica na internet, mas depois da confusão e demissão de Kevin Hart…

Olá, pessoal! Mais um ano se foi! Foi um ano bom ou ruim pra você?
Queria agradecer a todos que acompanharam o blog e a página do Facebook. Se comentaram, se leram, ou se apenas deram aquela passadinha, obrigado por seu apoio! Estou realizando este trabalho por puro prazer há 7 anos e sendo recompensado pelos seus views e participações. Agradeço bastante ao meu colaborador assíduo Hugo Cancela, aos amigos Bruna Martins, Flávia Fernandes, Antonio Lopes, Karoline Alves e Alice Ayres, e frequentadores assíduos como a rainha do Oscar Frame, Elisieli Rodrigues, Cristiano Filiciano, Miriam Moldes, Henrique Cereja, Fummanation Bonsucesso, Berto Leno, Tiago Bistaffa, Elza Vieira, Amélia Cassis, Yuri Dias, Lília Ricardo, Kátia Nunes e Verinha Dau, enfim, são tantos nomes que daria uma lista extensa! Peço desculpas por não poder incluir todos aqui!

Queria aproveitar para agradecer ao crítico Chico Fireman por me possibilitar trabalhar com as cabines de lançamentos de filmes, e pela sua generosidade e atenção!

META DE 2018

Continuando minha meta de 2017, procurei assistir mais àqueles filmes clássicos ou cults pra reduzir um pouco minha watchlist. Um que tenho orgulho de finalmente ter conferido é o clássico italiano , de Federico Fellini. Sério, eu não estava aguentando mais ver esse filme no topo da minha lista me olhando e perguntando: “E aí? Quando você vai me ver?” Eu lembro a última vez que viajei pra fora do país em 2014, eu jurava: “Antes de pegar esse avião, eu vou ver o filme do Fellini. Vai que eu morro…” Enfim, tomei coragem e assisti. Eu achava que o filme me daria uma dor de cabeça enorme, mas vi uma belíssima homenagem do diretor às mulheres que amou na vida. Ainda tenho vários do Fellini pra ver como Julieta dos Espíritos e A Doce Vida, mas quem sabe em 2019?

Falando em mestres do cinema, estou satisfeito por ter acrescido mais três obras do sueco Ingmar Bergman. Finalmente assisti a Através de um EspelhoSonata de Outono e Gritos e Sussurros. Depois de assistir aos filmes dele, é inevitável não parar pra refletir sobre a vida e a família, que são temas bem fortes na filmografia dele. O quanto realmente nos importamos com familiares diante de situações difíceis. Além do diretor levantar esses questionamentos, ainda cria obras visuais extremamente poderosas com a ajuda inestimável de atrizes do calibre de Ingrid Bergman, Liv Ullmann e Harriet Andersson.

Também consegui assistir pela primeira vez a A Mulher Faz o Homem (1939). Nunca fui muito fã do Frank Capra porque ele entrega uma visão demasiada otimista. Não que isso seja um defeito, mas sempre tive preferência por um cinema que expõe defeitos e falhas humanas, seja para o bem ou para o mal. É louvável acompanhar a luta de um jovem senador idealista contra um sistema corrupto, ainda mais hoje num Brasil que revela um novo caso de corrupção a cada dia, mas alguns personagens se tornam bidimensionais nessa visão, mesmo James Stewart.

8 Autumn Mr Smith

8½, Sonata de Outono e A Mulher Faz o Homem

Revisitei alguns diretores renomados como François Truffaut com Jules e Jim – Uma Mulher Para Dois (1962), Wim Wenders com Asas do Desejo (1987), Billy Wilder com Testemunha de Acusação (1957), e Dario Argento com Suspiria (1977), que fiz questão de conferir antes de assistir à refilmagem, que nunca estréia aqui no Brasil! E vi uma obra-prima pouco conhecida aqui intitulada O Segundo Rosto (1966), de John Frankenheimer, que apresenta uma trama de ficção científica na qual uma organização secreta oferece uma segunda chance aos ricos, alterando suas aparências e encenando a morte das pessoas que foram. Rock Hudson, que sempre teve imagem de cowboy machão mas era homossexual, caiu como uma luva no papel principal e entrega a performance de sua vida.

PIORES DO ANO

Eu tinha o costume de comentar uns dois ou três filmes que foram decepcionantes, mas a partir deste ano, já dá pra formar uma lista dos 5 piores. Reparem que todos os filmes da lista são parte de uma franquia (considerando que Venom faz parte do universo do Homem-Aranha) ou é uma refilmagem. Quando Hollywood só pensa nos números lucrativos, o Cinema perde.

Por pouco Jogador Nº 1 não entra na lista. Depois de me desapontar muito com The Post: A Guerra Secreta, vejo que Steven Spielberg deveria dar um break na carreira, sei lá, tirar um ano sabático, pra refletir sobre o que cinema representa pra ele, porque parece que ele tem feito mais filmes com cabeça de produtor ultimamente… E pior é que dos três projetos futuros dele, um é a sequência de Indiana Jones com Harrison Ford (taí outro que precisa de uma pausa longa) e o outro é a refilmagem (totalmente desnecessária) do clássico musical Amor Sublime Amor (1961). Claro que posso queimar minha língua, mas Spielberg, cadê sua criatividade?

E apesar de querer assistir de tudo, sempre dou mais prioridade aos filmes que acho que podem ser bons, afinal, se tenho pouco tempo pra ver filmes, por que gastar as horinhas preciosas com filmes que tenho quase certeza de que serão meia-boca? Nesse quesito, deixei de assistir aos possíveis candidatos desta lista: Han Solo: Uma História Star Wars (que pelo histórico de produção conturbado, só pode ser um resultado desastroso) e o Fenda no Tempo, a mega produção politicamente correta da Disney.

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Venom (Venom)
Dir: Ruben Fleischer

4. Halloween (Halloween)
Dir: David Gordon Green

3. Tomb Raider: A Origem (Tomb Raider)
Dir: Roar Uthaug

2. A Freira (The Nun)
Dir: Corin Hardy

1. Jurassic World: Reino Ameaçado (Jurassic World: Fallen Kingdom)
Dir: J.A. Bayona

jurassic world fallen kingdom

Chris Pratt em cena da desastrosa sequência Jurassic World: O Reino Ameaçado (pic by OutNow.CH)

OSCAR 2018: POLITICAMENTE CORRETO NUMA CERIMÔNIA MORNA

Os produtores da cerimônia resolveram dar uma colher de chá para Jimmy Kimmel e o convidaram novamente para ser host após aquela lambança do envelope errado no ano passado. Apesar de ter acertado naquela premiação do jet ski para o discurso mais curto, ainda cometeu equívocos como aquela chocha invasão à sala de cinema do outro lado da rua, na vã tentativa de aproximar o público comum das estrelas de Hollywood.

Contudo, não dá pra culpá-lo. Os próprios organizadores resolveram baixar o tom da festa e correr risco zero para evitar erros e polêmicas. Desde o monólogo politicamente correto de Kimmel, até os números musicais bastante contidos no palco comprovaram a postura que a Academia impôs ao evento.

Quanto aos resultados, chegamos ao limite do previsível, principalmente em relação aos atores. Com Gary Oldman, Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney ganhando todos os prêmios importantes anteriores, ficou difícil surpreender o público com algum resultado inesperado. Por isso mesmo, a partir da próxima cerimônia, a data será adiantada para o mês de fevereiro com o intuito de reduzir o impacto dos prêmios que o antecedem.

Sobre os resultados, torci bastante para Corra! levar Melhor Filme, Diretor e Roteiro Original, que felizmente Jordan Peele acabou levando. Gostei das premiações de James Ivory pelo Roteiro Adaptado de Me Chame Pelo Seu Nome, de Roger Deakins finalmente levando seu Oscar por Blade Runner 2049, e de Sebastián Lelio levando o primeiro Oscar de Filme em Língua Estrangeira para o Chile por Uma Mulher Fantástica.

Design sem nome (2)

Da esquerda para a direita: Jordan Peele leva o Oscar de Roteiro Original por Corra!, Roger Deakins de Fotografia por Blade Runner 2049, e Sebastián Lelio de Filme em Língua Estrangeira por Uma Mulher Fantástica.

Em relação às categorias de atuação, os votantes da Academia deveriam repensar melhor seu modo de avaliar as interpretações. Este ano, tivemos duas performances clichês e rotuladas levando o Oscar mais por causa dos efeitos de maquiagem transformativa: Gary Oldman com próteses esbravejando como um cachorro, e Allison Janney como a mãe amarga e envelhecida pela maquiagem. Timothée Chalamet e Lesley Manville trabalharam muito mais as nuances de seus personagens, e com pouco esforço, superaram os vencedores.

NETFLIX NOS FESTIVAIS E NO OSCAR

Claro que ainda não é oficial, mas Roma pode se tornar o primeiro filme da NETFLIX indicado ao Oscar de Melhor Filme, e por que não o primeiro a ganhar a estatueta? É inevitável o espaço e a importância que a Netflix e outras plataformas de streaming como a Amazon e a Hulu estão conquistando no mercado. Já é uma realidade de trabalho para inúmeros profissionais, assim como de alto consumo.

Diante desse cenário, eu faço a seguinte indagação: “Até quando vão ficar de birra, distribuidores franceses e organizadores do Festival de Cannes?”. Enquanto essa turma ficar discutindo a permanência de um sistema ultrapassado e a linguagem cinematográfica da Netflix, a empresa está dando risada, lucrando e ainda ganhando prêmios em outros festivais! Roma ganhou o Leão de Ouro em Veneza.

Obviamente, preferi assistir ao filme de Alfonso Cuarón numa sala de cinema com projeção em tela grande e som de qualidade, mas se não pudesse, assistiria na TV de casa mesmo (com um volume que meus vizinhos reclamariam), mas assistiria! A Netflix veio para suprir um tipo de cinema que os produtores de Hollywood já não querem mais fazer, pois estão visando apenas os lucros sem margem para erros ou riscos, por isso só temos blockbusters e adaptações de best-sellers nas salas de cinema.

IMG_1165

Foto que tirei na sessão especial de Roma no Kinoplex Itaim

Eu gostaria apenas que a Netflix e outras plataformas fizessem um esforço para colocar filmes selecionados para salas de cinema. Tipo, não faço questão de ver Para Todos os Garotos que Já Amei no cinema, mas Roma é outro nível de cinema que merece uma boa projeção. Isso certamente valorizaria ainda mais os profissionais e acabaria atraindo outros a trabalhar para a empresa.

TWITTER DESTRUINDO CARREIRAS

Sabe aquele ditado “O passado não perdoa”? Graças ao Twitter, o passado voltou para atormentar e destruir as carreiras profissionais de algumas personalidades. A mais comentada foi do diretor e roteirista James Gunn, que foi demitido pela Disney de Guardiões da Galáxia Vol. 3. Quando seus tuítes de vários anos atrás voltaram à tona, viram que ele não batia muito bem. Quer dizer, as piadas de humor negro eram chocantes demais para qualquer executivo da Disney que quer preservar a imagem família feliz da empresa global. Eu entendo o lado da Disney, que seria atacada pela imprensa se não demitisse Gunn e correria sério risco de ter suas ações em queda, mas demitir por piada estúpida de Twitter de 10 anos atrás? Não poderiam dar uma chance do diretor se retratar publicamente? O cara ganhou bilhões de dólares com os dois Guardiões da Galáxia!

Twitter

Tweets antigos de James Gunn e Kevin Hart que ocasionaram em suas demissões

E no início de dezembro, o Twitter fez uma nova vítima: o ator e comediante Kevin Hart, que foi convidado pela Academia para ser host do Oscar 2019. No dia seguinte, porém, tuítes antigos dele, que denotavam uma figura pública homofóbica, foram descobertos. Certos de que ele seria crucificado, principalmente pela comunidade LGBT, os organizadores da Academia lançaram um ultimato para ele se desculpar, o que acabou não acontecendo. E dois dias depois do anúncio, Hart desistiu do cargo.

Sou totalmente contra qualquer tipo de censura. Mas os tempos são outros. Hoje, as empresas demitem por qualquer comportamento impróprio. Qualquer um. Não existe perdão de declarações do passado também, por isso, no caso do Twitter, onde os tuítes são “deletáveis”, melhor apagá-los. Evitaria desgastes como esse que a Academia passou agora.

Esses acontecimentos reabrem a velha discussão da separação entre pessoa e artista. Por exemplo, com o escândalo de Woody Allen que foi acusado de abusar da filha, inúmeras pessoas passaram a avaliar seus filmes de forma negativa por causa da acusação. Inclusive, achei patético a declaração da atriz Mira Sorvino, que alegou arrependimento de ter trabalhado com Allen no filme Poderosa Afrodite (1995), que lhe rendeu o Oscar de Atriz Coadjuvante e lançou seu nome em Hollywood. Cuspir no prato que comeu é fácil. Não aprova o comportamento dele? Basta não trabalhar mais com ele.

CRÍTICAS

Apesar da lista coroar os meus 5 favoritos do ano, obviamente é preciso mencionar outras produções que se destacaram de alguma forma. Dos blockbusters, vale citar Vingadores: Guerra Infinita, que foi a maior bilheteria do ano. Deixando meu lado de fã de quadrinhos, é preciso reconhecer esse trabalho estratégico e paciente de dez anos da Marvel Studios que culmina nesta produção, que soube contar com vários personagens sem ser maçante, e ainda apresenta com propriedade um vilão de alto nível como Thanos.

Ainda destacaria Missão: Impossível – Efeito Fallout, que pode não apresentar nada inovador, mas sem sombra de dúvida foi o melhor filme de ação do ano. É notável a entrega de Tom Cruise à franquia e como ele luta para se superar a cada filme. Falando em notabilidade, preciso mencionar o trabalho minucioso de stop motion da animação nova de Wes Anderson, Ilha dos Cachorros. Além da técnica impecável, trata-se de um design de personagens sublime. Só acho que carece um pouco mais de alma, mas talvez a Academia recompense Anderson pelas derrotas anteriores com este Oscar de Animação…

Também gostei do singelo Poderia Me Perdoar?. A história verídica me pegou pelo identificação com a protagonista: uma escritora em decadência que falsifica cartas de autores para pagar suas contas básicas. A dupla formada por Melissa McCarthy e Richard E. Grant é a melhor do ano. Espero que ambos estejam indicados no próximo Oscar. E ainda no campo do singelo, destaco também o drama Mais Uma Chance, que é da Netflix. É basicamente sobre um casal na casa dos 40 que luta para ter filho, chegando a recorrer aos ovários da sobrinha. Todos os três atores estão bem: Paul Giamatti, Kathryn Hahn e Kayli Carter.

Uma boa surpresa foi a ficção científica Upgrade. Jamais imaginei que o roteirista Leigh Whannel, de Sobrenatural e Jogos Mortais, criaria esse universo futurista onde a tecnologia seria debatida de forma divertida mas também incisiva. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil, mas de qualquer forma, tem tudo para se tornar um cult movie.

E, por último, gostei de ver a nova loucura de Lars von Trier no cinema. A Casa que Jack Construiu tem um tema interessantíssimo que questiona a inteligência humana através da filosofia de um serial killer inescrupuloso. Só faço dois adendos: deveria ter abusado mais do humor negro da primeira metade, e apesar de entender os motivos do diretor, cortaria a sequência em que ele insere imagens dos filmes anteriores dele, pois não colabora com a trama e ainda abre brecha para críticas de auto-indulgência depois daquele episódio de Persona Non Grata no Festival de Cannes.

TOP 5 MELHORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Hereditário (Hereditary/ 2018)
Dir: Ari Aster

4. Oitava Série (Eighth Grade/ 2018)
Dir: Bo Burnham

3. Roma (Roma/ 2018)
Dir: Alfonso Cuarón

2. Asako I & II (Netemo Sametemo/ 2018)
Dir: Ryûsuke Hamaguchi

1. Em Chamas (Beoning/ 2018)
Dir: Chang-dong Lee

Burning

1º LUGAR: EM CHAMAS (Beoning), de Lee Chang-dong

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. O Silêncio do Lago (Spoorloos/ 1988)
Dir: George Sluizer

4. Através de um Espelho (Såsom i en spegel/ 1961)
Dir: Ingmar Bergman

3. 8½ (8½/ 1963)
Dir: Federico Fellini

2. O Parque Macabro (Carnival of Souls/ 1962)
Dir: Herk Harvey

1. O Segundo Rosto (Seconds/ 1966)
Dir: John Frankenheimer

seconds

1º LUGAR: O SEGUNDO ROSTO (Seconds), de John Frankenheimer

IN MEMORIAN

Este ano, perdemos diretores icônicos e vencedores do Oscar. Milos Forman (venceu por Um Estranho no Ninho e Amadeus) e Bernardo Bertolucci (venceu por O Último Imperador), mas no caso dele, ficou mais famoso por filmes polêmicos como O Conformista, O Último Tango em Paris e Os Sonhadores. Outro diretor que entregou importantes filmes foi Nicolas Roeg, que destaco Inverno de Sangue em Veneza, O Homem que Caiu na Terra e Bad Timing. E agora no dia 17, a diretora Penny Marshall, mais conhecida pelas comédias Quero Ser Grande e Uma Equipe Muito Especial nos deixou.

Entre os atores, indicados ao Oscar nos deixaram: Burt Reynolds (que mais chama a atenção por uma vida repleta de arrependimentos por recusa de papéis importantes), Sondra Locke (ex-mulher de Clint Eastwood), Barbara Harris e a vencedora do Oscar de Coadjuvante em 1957 por Palavras ao Vento, Dorothy Malone. Também vale citar Margot Kidder, a eterna Lois Lane do Superman do saudoso Christopher Reeve.

Dos profissionais brasileiros, demos adeus às lendas Nelson Pereira dos Santos (diretor de Vidas Secas e Rio 40 Graus), Roberto Farias (diretor de Assalto ao Trem Pagador e dos filmes do cantor Roberto Carlos como Roberto Carlos em Ritmo de Aventura), e as atrizes Beatriz Segall (a eterna Odete Roitman da novela Vale Tudo) e Tônia Carrero, que brilhou nos filmes do extinto estúdio da Vera Cruz como Tico-Tico no Fubá.

Vale lembrar a perda das cantoras Aretha Franklin, cujas músicas sempre estarão em trilhas sonoras de vários filmes, e pra mim, em especial, Dolores O’Riordan, vocalista do grupo The Cranberries. A morte dela aos 46 anos (!) por afogamento após uma intoxicação alcóolica me deixou abatido por uns dias.

Demos adeus aos escritores Neil Simon, que apesar de ter sido indicado ao Oscar quatro vezes sem nenhuma vitória, tinha carreira consolidada e venerada no teatro como dramaturgo; e o roteirista William Goldman, vencedor de duas estatuetas do Oscar por Butch Cassidy e Todos os Homens do Presidente.

E não poderia falar de escritores sem mencionar Stan Lee. Embora os filmes da Marvel Studios sejam um sucesso pela estratégia de mesclar universos do produtor Kevin Feige, nada seria possível sem a inestimável contribuição criativa de Lee. Ele foi o pioneiro nos quadrinhos que enxergou a humanidade nos personagens de super-heróis, que eles poderiam ser falhos também e assim, facilitar a identificação com os leitores. Foi essa chave que até hoje gera essa conexão dos filmes com o grande público.

Stan Lee

VOTOS PARA 2019

Acho que o grande assunto no Brasil este ano foram as eleições para presidente. E o que mais fiquei chocado foi a defesa ferrenha que muitos faziam para candidatos que sequer mereciam o mínimo de confiança. Acho que depois de acompanhar tanto tempo a política brasileira, só defendo uma coisa: Nenhum político merece nossa confiança. Talvez o político em si seja até uma pessoa honesta, mas o sistema é muito corrupto e parece enraizado. Não vou nem entrar na questão das propostas, porque tem cada absurdo… Acho que o Brasil só vai pra frente com uma Reforma na Educação contando com um alto investimento.

Enfim, torço para que algo dê certo neste próximo governo. Que, de alguma forma, consigam afastar o país dessa crise, gerando mais emprego, renda e segurança, que é um problema crônico, mas sem esquecer da educação e da nossa cultura!

Apoio a diversidade de autores brasileiros, especialmente no cinema. Este ano, contamos com filmes bem distintos e alternativos como Café com Canela, As Boas Maneiras, O Animal Cordial, Arábia e Benzinho. O Cinema Brasileiro deixou de ser aquele recluso de favelas e seca no Nordeste. Se vamos ganhar o Oscar? Se dependesse apenas dos filmes, não teria dúvidas de que vai chegar a hora do Brasil, mas se a política continuar interferindo… vamos ver o cinema do Camboja, Cazaquistão e Paraguai ganhar antes da gente.

Desejo Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog e a página do Facebook! Que seja um ano repleto de alegrias, conquistas, saúde e paz!

Compartilhe seus melhores e/ou piores filmes que viu em 2018 nos comentários!

A DELICADEZA do CINEMA ASIÁTICO de ‘ASAKO I & II’

Asako

Baku (Masahiro Higashide) e Asako (Erika Karata) em Asako I & II (pic by IMDb)

ENQUANTO A TRAMA RESSALTA A INCONSTÂNCIA HUMANA, A DIREÇÃO ENRIQUECE NOSSO PODER DE OBSERVAÇÃO

Asako e Baku vivem um romance intenso e avassalador, porém, certo dia, o temperamental Baku desaparece. Dois anos mais tarde, depois de se mudar de Osaka para Tóquio, Asako encontra o duplo perfeito de Baku.

Quando li esta sinopse antes de ver o filme, na hora me veio na cabeça uma versão feminina e asiática de Um Corpo que Cai (Vertigo), de Alfred Hitchcock. No lugar de Kim Novak, um japonês idêntico a outro. Ou num segundo momento, uma ficção científica que pudesse explicar de algum modo a existência de um duplo. Clonagem talvez? Mas quando começou o filme, nada disso mais importava.

Logo de cara, vemos o encontro casual de Asako e Baku num museu em Osaka. Pelo jeito descontraído e bastante largado, Baku chama a atenção dela, mas nada acontece por sua vontade. Contudo, poucos minutos depois, o casal se reencontra fora do museu, e de um jeito bem clichê com câmera lenta, os dois se olham como se o destino tivesse planejado. Só que, ao contrário dela, ele toma a atitude e caminha em sua direção: “Qual seu nome?”. Assim na lata? Sim. Eles brevemente discutem sobre o ideograma do nome de Asako e eles se beijam de forma relâmpago. O modo como tudo aconteceu encanta Asako e o jeito misterioso e imprevisível de Baku a conquista.

Como a sinopse já canta, Baku desaparece um dia do jeito como ela narra. Assim do nada, depois de dois anos de relacionamento. Aí a vida segue. Ela se muda para Tóquio e passa a trabalhar numa cafeteria. Porém, o destino age novamente, e pra qual empresa ela faz café? Pra empresa de Ryohei, o duplo de Baku. Após o baque, sentimentos afloram e começa tudo de novo. Vale se apaixonar pela mesma pessoa, mas com a personalidade diferente? Ao contrário de Baku, o novo pretendente é correto, dedicado, enfim, “pra casar”.

Asako and Ryohei

Asako com Ryohei em Asako I & II (pic by IMDb)

Asako enfrenta dois turbilhões. O primeiro quando surge a cópia de Baku. E cinco anos depois, quando ressurge o próprio Baku. Como lidar com as duas situações? Do jeito quieto e bem introvertido, ela busca respostas e procura se guiar pelos seus sentimentos. O que acontece depois pode soar previsível para alguns espectadores (talvez aqueles aficionados em “doramas”), mas para mim, foi uma surpresa, e que me fez questionar se realmente vamos entender o ser humano um dia.

Contudo, como cinéfilo que aprecia o cinema asiático, o que realmente importa em Asako I & II é a delicadeza com que o diretor Ryûsuke Hamaguchi constrói lentamente o segundo relacionamento, como se cria a confiança com base na cumplicidade, e como tudo pode ruir com uma simples trinca. Numa de minhas cenas favoritas, que pode não significar muito para a maioria, Ryohei retorna para o apartamento onde moram após dirigir uma longa viagem de trabalho voluntário. Cansado, ele desaba no chão, e em seguida, Asako retira seus sapatos e suas meias para então começar a massagear os pés dele como forma de gratidão.

Se você gosta de cinema asiático, mais precisamente japonês, assista a Asako I & II. Será difícil não se envolver e se encantar com a trama, os personagens e a forma como eles se relacionam. E para quem está mais habituado a um cinema mais comercial e estiver um pouco saturado dele, busque novos ares com esse filme. Será uma ótima indicação para quem sabe apreciar melhor o cinema oriental sem depender exclusivamente de Akira Kurosawa, por exemplo.

E para quem curte gatos, o felino de Asako, Jintan, é um show à parte. Ele parecia adestrado de forma natural nas cenas.

Asako Cat Jintan

Jintan, o gato que nasceu pra estrelar filmes com Masahiro Hagashide.

AVALIAÇÃO: ÓTIMO 8/10
CHANCES DE OSCAR: Nenhuma. O representante do Japão foi Assunto de Família, que já está na pré-lista do Oscar de Filme em Língua Estrangeira. Vale lembrar que Asako I & II estava na competição pela Palma de Ouro em Cannes deste ano.

ASAKO I & II (Netemo Sametemo). Dir: Ryûsuke Hamaguchi. ELENCO: Erika Karata, Masahiro Higashide, Sairi Itô, Kôji Nakamoto, Kôji Seto, Misako Tanaka, Daichi Watanabe e Rio Yamashita.

ESTRÉIA: 20/12/18 em São Paulo (Espaço Itaú de Cinema e Belas Artes), Aracaju, Belo Horizonte, Brasília, Rio De Janeiro e Salvador.
No dia 26/12 em Fortaleza. E em início de janeiro: Porto Alegre, Recife, Goiânia. Teresina e Curitiba. Consulte a programação! Censura: 12 anos.

NOTA DE AGRADECIMENTO: Flávia Miranda do ProCultura e Zeta Filmes.

Asako poster

%d blogueiros gostam disto: