Oscar 2016: “O Oscar Branco”

Da esquerda para direita: Will Smith, O'Shea Jackson Jr., Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by Variety)

Da esquerda para direita: Will Smith, Jason Mitchell, Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by variety.com)

20 ATORES BRANCOS E NENHUMA VAGA PARA NEGROS PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO AGITA OS BASTIDORES DO OSCAR 2016

Diante das repercussões supostamente racistas da Academia, resolvi abrir um post para discutir o assunto e adoraria ouvir a opinião de quem acompanha ou apenas está lendo o texto. Vamos do início: Este é o segundo ano consecutivo em que todos os 20 indicados nas 4 categorias de atuação são brancos (caucasianos), o que gerou incontáveis críticas nas mídias, protestos de artistas, e resgatando o hashtag #OscarSoWhite do ano passado, quando as ausências mais comentadas foram da diretora Ava DuVernay e do ator David Oyelowo, ambos de Selma: Uma Luta Pela Igualdade.

Entre os nomes ausentes citados e reclamados este ano que poderiam estar na lista de indicados estão:

  • Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) – Melhor Ator
  • Idris Elba (Beasts of No Nation) – Melhor Ator Coadjuvante
  • Michael B. Jordan (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Ator
  • Tessa Thompson (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Atriz Coadjuvante
  • Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.) – Melhor Ator

Além dos atores, o diretor F. Gary Gray (também negro) e seu filme, Straight Outta Compton: A História do N.W.A., que teve uma das maiores bilheterias de 2015, também foram citados nas matérias. O filme sobre rap recebeu uma única indicação para Roteiro Original, e curiosamente, seus quatro roteiristas são brancos: Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge e Alan Wenkus. Por Creed: Nascido Para Lutar, o diretor Ryan Coogler, ausente, também foi bastante lembrado.

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

Revoltados com a predominância branca, a atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, foi uma das primeiras a reclamar publicamente sobre a falta de diversidade. Em seguida, ela foi apoiada pelo diretor Spike Lee, que planeja boicotar a cerimônia do Oscar e busca apoio da comunidade negra (ou afro-americana). Não sabemos ainda se esse movimento vai crescer nas próximas semanas a ponto de causar algum estardalhaço significativo no evento, mas é fato que a ausência do diretor será mais notável, já que, por ter sido homenageado com o Oscar Honorário em novembro passado, ele compareceria no Oscar para ser aplaudido no palco ou na platéia mesmo.

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

Ao longo dos últimos dias, algumas pessoas do ramo estão dando declarações sobre o assunto. Um dos primeiros foi o produtor-executivo William Packer, de Straight Outta Compton, que alegou: “… é completamente embaraçoso dizer que o mais alto padrão de qualidade cinematográfica só foi alcançada por brancos.”

Hoje foram as vezes da presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, e do ator George Clooney. Cheryl, a primeira sul-africana a ocupar o cargo de presidente, se diz “frustrada com a falta de diversidade” e afirma que nos últimos 4 anos, lutou muito para que houvesse maior inclusão racial entre os novos membros da Academia, justamente para que houvesse mais votos que pudessem equilibrar um pouco mais a balança. Ela lembrou que nos anos 60 e 70, os então presidentes se viram forçados a convidar membros mais jovens para que a Academia não se tornasse ultrapassada e antiquada. Por outro lado, Clooney acredita que está havendo um retrocesso: “Se você lembrar, há 10 anos, a Academia estava fazendo um trabalho melhor. Em 2005, havia Morgan Freeman (que levou o Oscar de coadjuvante por Menina de Ouro), Don Cheadle…” – e também Sophie Okonedo, que concorreu como Atriz Coadjuvante por Hotel Ruanda.

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

Vencedor do Oscar por Jerry Maguire – A Grande Virada, Cuba Gooding Jr. preferiu ser menos radical em suas declarações:  “Eu queria que Straight Outta Compton fosse indicado. Mas é esse tipo de conversa que faz com que as pessoas pensem melhor quando as indicações saírem no próximo ano.”

Ok, ouvimos as reclamações e os argumentos, mas acho que o mais importante é: Cinema é uma Arte que é despida de cor, raça, religião e sexo. Acho tão chato transformar um evento que celebra o cinema, mesmo que industrial e comercial, numa discussão político-racial. E como ficam aqueles que foram reconhecidos com os próprios méritos? Para aqueles que não acompanham os posts, sempre me posicionei contra as cotas raciais. Acredito que quando o governo interfere inserindo um estudante numa faculdade pública só pelo fato de ele se declarar negro, automaticamente está afirmando que todo negro é incapaz de conseguir uma vaga por mérito próprio. E isso, sim, é uma forma de racismo, e claro, uma solução muito fácil de um governo agir e recrutar novos eleitores. Por que não eliminar logo o mal pela raiz e fazer uma reforma educacional e de fato investir boa parte de seu PIB na educação?

Voltando à discussão ao Oscar, realmente, a maioria dos mais de 6.000 membros da Academia são homens brancos e com uma média de idade de 50 a 60 anos, e isso reflete na votação (principalmente na categoria de Filme em Língua Estrangeira), por isso, a presidente Cheryl Boone Isaacs está fazendo o que pode para melhorar esse quadro ao convidar pessoas de diversas etnias e sexualidades.

Mas vamos lembrar de duas coisas: 1º Parafraseando George Clooney em seu discurso de agradecimento em 2006: “Esta Academia premiou uma negra em 1940, quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema”. Tudo bem que o primeiro ator negro a ganhar o Oscar de Melhor Ator (principal) foi Sidney Poitier em 1963, mas o Oscar teve muitos artistas negros, e outras minorias, indicados e vencedores ao longo de sua história de 88 anos. Só para citar alguns vencedores negros: Denzel Washington (Tempo de Glória e Dia de Treinamento), Halle Berry (A Última Ceia), Whoopi Goldberg (Ghost: Do Outro Lado da Vida), Jamie Foxx (Ray), Jennifer Hudson (Dreamgirls: Em Busca de um Sonho), Louis Gossett Jr. (A Força do Destino), Cuba Gooding Jr. (Jerry Maguire), Morgan Freeman (Menina de Ouro), Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia), Hattie MacDaniel (…E o Vento Levou), Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) e Octavia Spencer (Histórias Cruzadas).

Sidney Poitier (actor), Sidney Skolsky1963 (36th)

Sidney Poitier (à direita) com o roteirista Sidney Skolsky (photo by americanismo.com.br)

O Cinema, como toda Arte, reflete seu tempo, e por muitas décadas, foi predominada por homens caucasianos. E isso não se muda da noite para o dia; demanda muito tempo, esforço e a colaboração de todos. O Cinema depende demais dos números de seu público. Se as produções com atores e temática negros passarem a ter boa resposta e render, consequentemente, os estúdios e produtores investirão mais nesse filão e esses filmes passarão a ter mais chances no Oscar. Esse mesmo pensamento também se aplica no caso do salário igualitário das mulheres. Por quanto tempo o Cinema foi feito exclusivamente por homens? Muito. Só para ficarmos no exemplo do Oscar, a primeira diretora a ser indicada na categoria foi a italiana Lina Wertmüller em 1977, por Pasqualino Sete Belezas, e a primeira a ganhar foi a bem recente Kathryn Bigelow, que venceu por Guerra ao Terror em 2010. Se o público der maior resposta em filmes estrelados por mulheres, eles contarão com maior investimento e terão destaque superior em premiações. Mas repito: isso leva tempo.

E 2º Desses artistas não-indicados este ano citados pelos protestos, o único que vinha sendo reconhecido com maior frequência por premiações é Idris Elba por sua performance em Beasts of No Nation. Ele concorreu como Melhor Ator Coadjuvante no Globo de Ouro, concorre ao BAFTA, Independent Spirit e SAG, mas não foi sequer mencionado pelos críticos americanos do LAFCA, NYFCC e National Board of Review. Já os demais estavam com campanhas bastante irregulares e tinham poucas chances de figurar na lista do Oscar, até mesmo porque a competição está bastante acirrada. Na categoria de ator, por exemplo, os indicados ao Oscar estavam presentes em quase todas as listas: Bryan Cranston, Leonardo DiCaprio, Matt Damon, Michael Fassbender e Eddie Redmayne. Will Smith foi apenas indicado pelo Globo de Ouro. Então, peraí, não é porque é negro ou minoria, que deveria ter sido indicado.

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

E quanto ao boicote de Spike Lee, ele faz o que bem entender, mas o que vou falar de um diretor talentoso que se revolta com Quentin Tarantino porque ele colocou o termo “nigger” (crioulo) no roteiro de Django Livre? O filme se passa na época do Mississipi racista e do Ku Klux Klan! Ele queria que os personagens racistas da época falassem “Ei! Seu afro-americano de merda!”?

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

Eu entendo que é um assunto bem delicado, principalmente nos EUA, onde alguns negros foram vítimas da crueldade policial no ano passado, mas não dá pra jogar tudo nas costas da Academia. Por se tratar de um prêmio de grande prestígio e de enorme visibilidade, muitos o utilizam como palanque para protestar. Mas e o Cinema? É mero pano de fundo?

E outra coisa importante: Apesar dos EUA serem um país de conflitos raciais entre brancos e negros, temos que lembrar que existem outras raças: latinos, asiáticos, índios… Sexualidades: gays, bissexuais, transgêneros… As atrizes transsexuais de Tangerine, Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, que foram indicadas ao Independent Spirit, também ficaram de fora. Não seria o caso de incluí-las no protesto também?

Enfim, este é um post que visa explicar o ambiente que está rolando no Oscar 2016, abrir uma discussão para coletar o maior número de perspectivas, analisar se está havendo algum tipo de exagero, se está sendo coerente, e conversar sobre a arte do cinema, de fato. Sem hipocrisia, não acredito que esteja havendo algum tipo de preconceito por parte da Academia para justificar a ausência de qualquer ator ou atriz negros. Se tivéssemos a seguinte situação: “Jamie Foxx, que estava ganhando quase tudo por sua interpretação do músico Ray Charles, não foi sequer indicado para Melhor Ator” – isso, sim, seria um ultraje racista. Deu pra perceber a diferença? Não houve nenhum destaque espetacular de um ator negro cuja ausência seria injustificável. E a Academia não é obrigada a preencher uma cota racial. Só isso.

Sinceramente, espero que não tenha ofendido ninguém aqui. Procuro ser uma pessoa livre de preconceitos. E torço para que haja mais negros, asiáticos, gays, latinos, deficientes trabalhando nos filmes. Mas somente por méritos, e nunca por pena.

 

Curiosamente, este ano, o host da 88ª cerimônia do Oscar será o ator e comediante Chris Rock. Se ele já não costuma pegar leve nas piadas, imaginem agora que deve ser o único negro da festa? Em seu Twitter, ele já soltou um “The Oscars. The White BET Awards” (O Oscar. O BET Awards branco – o BET (Black Entertainment Television) Awards premia apenas artistas negros).

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

O Oscar 2016 será transmitido no dia 28 de fevereiro pela TNT.

‘O Regresso’ lidera com 12 indicações ao Oscar 2016

oscars-logo

BRASIL ESTÁ REPRESENTADO POR ALÊ ABREU E SEU LONGA DE ANIMAÇÃO: ‘O MENINO E O MUNDO’

OSCAR EM NÚMEROS

O recorde de indicações para O Regresso reflete o crescimento absurdo que o filme de Alejandro González Iñárritu teve nas últimas duas semanas com a presença nos prêmios de sindicato. Como o filme teve um lançamento tardio, muitos acreditavam que ele não ocuparia tanto espaço no Oscar. Agora com 12 indicações, até a campanha para o primeiro Oscar para Leonardo DiCaprio passa a caminhar sozinha rumo à vitória.

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by outnow.ch)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by outnow.ch)

Logo em seguida, com 10 indicações, o blockbuster aclamado pela crítica, Mad Max: Estrada da Fúria, felizmente conquistou mais do que apenas indicações técnicas. Além do diretor George Miller (esta é sua primeira indicação como Diretor), o filme está na seleta lista das oito melhores produções do ano. Essa mudança do número de indicados para Melhor Filme que acontece desde 2010 foi criada com esse propósito de abraçar produções mais ousadas como Mad Max, então uma vitória e tanto para a Academia!

Em terceiro lugar, vem a ficção científica Perdido em Marte com sete indicações. Apesar de estar entre os indicados a Melhor Filme, a ausência de Ridley Scott como Melhor Diretor enfraquece a campanha do filme. Por outro lado, Spotlight – Segredos Revelados (com 6 indicações) e A Grande Aposta (com 5) aumentaram consideravelmente suas chances com a inclusão de seus diretores na categoria.

Contudo, o que mais chama a atenção é a exclusão dos filmes Carol e Ponte dos Espiões. Ambos conquistaram 6 indicações cada, mas ficaram de fora da categoria de Melhor Filme. Soou incoerente demais. Se Todd Haynes e Steven Spielberg tivessem se classificado, seus respectivos filmes provavelmente acumulariam 8 indicações no total. No caso do drama de temática lésbica Carol, a justificativa de sua exclusão pode significar algum clima homofóbico de boa parte dos membros da Academia. Já pelo filme de espionagem, apesar de Spielberg ser uma das figuras da religião judaica mais fortes de Hollywood, talvez a mensagem contra o xenofobismo tenha sido a causa de seu naufrágio.


Os diretores Guillermo del Toro e Ang Lee, e o ator John Krasinski e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, anunciam os indicados ao Oscar 2016

SURPRESAS

Embora esteja desapontado pela eliminação do longa brasileiro Que Horas Ela Volta? na categoria de Filme em Língua Estrangeira, o país está muito bem representado pela animação O Menino e o Mundo, de Alê Abreu. Trata-se do primeiro longa brasileiro de animação a disputar na categoria (em 2004, Carlos Saldanha havia sido indicado para Melhor Curta de Animação por Aventura Perdida de Scrat), e agora terá forte concorrência com Divertida Mente, Anomalisa, Shaun: O Carneiro e o japonês Quando Estou com Marnie.

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Acredito que a maior surpresa foi a inclusão do diretor Lenny Abrahamson pelo drama independente O Quarto de Jack. Ele não vinha figurando em nenhum lista dos grandes prêmios, exceto pelo Independent Spirit Award. Indicados ao DGA, Adam McKay (A Grande Aposta) e Tom McCarthy (Spotlight), confirmaram suas candidaturas, e agora competem com os veteranos George Miller (Mad Max) e Alejandro González Iñárritu.

No centro, Lenny Abrahamson dirige o menino Jacob Tremblay e Brie Larsen no set de O Quarto de Jack (photo by montrealgazette.com)

No centro, Lenny Abrahamson dirige o menino Jacob Tremblay e Brie Larsen no set de O Quarto de Jack (photo by montrealgazette.com)

Charlotte Rampling foi uma das ótimas surpresas! Inicialmente, não imaginava que ela seria selecionada por 45 Anos, mas como Alicia Vikander foi deslocada para a categoria de Atriz Coadjuvante por A Garota Dinamarquesa, a atriz britânica veterana foi incluída. Esta é sua primeira indicação ao Oscar! Sua presença na categoria certamente vai valorizar ainda mais as performances das demais indicadas. Ponto pra Academia. Dá pra incluir nos acertos é indicação para Sylvester Stallone para Ator Coadjuvante por Creed: Nascido Para Lutar. Quando seu nome foi anunciado, a platéia se derreteu em aplausos. Stallone se torna um dos raros casos de um ator ser indicado pelo mesmo personagem duas vezes.

Premiados em Berlim: Tom Courtenay e Charlotte Rampling em 45 Years (photo by outnow.ch)

Tom Courtenay e Charlotte Rampling em 45 Anos (photo by outnow.ch)

Apesar de ter sido lançado bem no final do ano, o filme de maior bilheteria de todos os tempos, Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força, conseguiu acumular 5 indicações: Trilha Musical para John Williams (que aliás bateu seu próprio recorde com esta 50ª indicação ao Oscar!), Montagem, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais. Alguns fãs da série já reclamam nas redes sociais pelo filme não ter sido indicado a Melhor Filme, e pra eles eu digo: bilheteria nem sempre significa qualidade.

Em primeiro plano, o compositor John Williams, que conquistou sua 50ª indicação, com a equipe de Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força: O diretor J.J. Abrams e os produtores Kathleen Kennedy e (photo by blackfilm.com)

Em primeiro plano, o compositor John Williams, que conquistou sua 50ª indicação, com a equipe de Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força: O diretor J.J. Abrams, a produtora Kathleen Kennedy e o roteirista Lawrence Kasdan (photo by blackfilm.com)

AUSÊNCIAS

Na categoria de direção, Ridley Scott ficou de fora da disputa. Até então considerado um dos favoritos a levar o Oscar, mais por uma questão de conjunto da obra do que pelo trabalho em Perdido em Marte. Se ao perder por Gladiador em 2001 já fez a cara mais feia de mau perdedor, imagina agora que nem foi indicado pela prêmio que todos diziam que ele ganharia? Particularmente, também não acho sua direção na ficção científica como algo digno de indicação ao Oscar. Contudo, com sua ausência, imaginava que a Academia concederia sua vaga para Steven Spielberg por Ponte dos Espiões ou para Todd Haynes por Carol. Aliás, com suas ausências, seus filmes perdem demais em chances reais de vitória, já que são casos raríssimos em que a Academia premia um filme sem ter seu diretor indicado.

Já estou lendo sobre alguns protestos racistas pela ausência de profissionais negros no Oscar. Dentre as ausências em destaque, Idris Elba é uma das mais sentidas. Sua performance no drama Beasts of No Nation vinha sendo reconhecida em alguns prêmios como no Globo de Ouro, mas não era considerada uma unanimidade. Espero que ninguém faça muito alarde por causa dessa questão, senão terei de protestar pela ausência do compositor Ryuichi Sakamoto na categoria de Trilha Musical Original por O Regresso pela falta de indicações para asiáticos!

Uma ausência bem estranha foi do roteirista Aaron Sorkin por Steve Jobs. Como no domingo passado, ele havia ganhado o Globo de Ouro de Roteiro, tudo indicava que ele seria no mínimo indicado. Outro fato estranho foi a indicação da canção “Earned it” do filme Cinquenta Tons de Cinza. Até o momento, a única canção do filme que estava sendo reconhecida era o hit “Love me Like You Do”. E ainda na categoria de Canção Original, vale destacar a indicação de Lady Gaga pela música do documentário The Hunting Ground, que denuncia e protesta sobre estupros em campus universitários. A cantora acaba de levar o Globo de Ouro, mas como atriz, pela minissérie American Horror Story: Hotel. Além do poder da própria canção, esta indicação é uma forma de retribuição que a Academia deve à Lady Gaga pela homenagem que ela prestou em 2015 ao cantar as canções de A Noviça Rebelde. Se ela vencer o Oscar, definitivamente, voltará ao topo.

Fiquei torcendo por algumas indicações que infelizmente não aconteceram. 1º Kristen Stewart por Acima das Nuvens. Pena que a categoria de Atriz Coadjuvante está de alto nível este ano, mas sua performance está definitivamente a anos-luz em relação a de Rachel McAdams em Spotlight. 2º Marion Cotillard por Macbeth. Elogiada atuação de Lady Macbeth até por Cate Blanchett, a atriz francesa ficou de fora.

Ao ler as matérias de outros sites, listei algumas ausências mencionadas, que são muitas! Mas vale ressaltar que 2015 foi um ano de boa safra e as vagas do Oscar são sempre as mesmas cinco por categorias, ou seja, muitas boas performances teriam de ficar de fora:

  • Ridley Scott (Perdido em Marte) – Diretor
  • Todd Haynes (Carol) – Diretor
  • Steven Spielberg (Ponte dos Espiões) – Diretor
  • Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) – Ator
  • Michael B. Jordan (Creed: Nascido Para Lutar) – Ator
  • Steve Carell (A Grande Aposta)
  • Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
  • Idris Elba (Beasts of No Nation) – Ator Coadjuvante
  • Michael Shannon (99 Homes) – Ator Coadjuvante
  • Michael Keaton (Spotlight – Segredos Revelados) – Ator Coadjuvante
  • Jacob Tremblay (O Quarto de Jack) – Ator Coadjuvante
  • Kristen Stewart (Acima das Nuvens) – Atriz Coadjuvante
  • Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial) – Atriz Coadjuvante
  • Helen Mirren (Trumbo – Lista Negra) – Atriz Coadjuvante
  • Aaron Sorkin (Steve Jobs) – Roteiro Adaptado

INDICADOS AO 88th ACADEMY AWARDS:

MELHOR FILME
* A Grande Aposta (The Big Short)
* Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
* Brooklyn (Brooklyn)
* Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
* Perdido em Marte (The Martian)
* O Regresso (The Revenant)
* O Quarto de Jack (Room)
* Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR DIRETOR
* Adam McKay (A Grande Aposta)
* Alejandro González Iñárritu (O Regresso)
* George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Lenny Abrahamson (O Quarto de Jack)
* Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

MELHOR ATOR
* Bryan Cranston (Trumbo – Lista Negra)

* Matt Damon (Perdido em Marte)
* Leornardo DiCaprio (O Regresso)
* Michael Fassbender (Steve Jobs)
* Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATRIZ
* Cate Blanchett (Carol)

* Brie Larson (O Quarto de Jack)
* Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
* Charlotte Rampling (45 Anos)
* Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Christian Bale (A Grande Aposta)
* Tom Hardy (O Regresso)
* Mark Ruffalo (Spotlight – Segredos Revelados)
* Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
* Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
* Rooney Mara (Carol)

* Rachel McAdams (Spotlight – Segredos Revelados)
* Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)
* Kate Winslet (Steve Jobs)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Matt Charman, Ethan Coen, Joel Coen (Ponte dos Espiões)
* Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
* Pete Docter, Meg LeFauve, Josh Cooley, Ronnie Del Carmen (Divertida Mente)
* Josh Singer, Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
* Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge, Alan Wenkus (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* Charles Randolph, Adam McKay (A Grande Aposta)
* Nick Hornby (Brooklyn)
* Phyllis Nagy (Carol)
* Drew Goddard (Perdido em Marte)
* Emma Donoghue (O Quarto de Jack)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Ed Lachman (Carol)
* Robert Richardson (Os 8 Odiados)
* John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Emmanuel Lubezki (O Regresso)
* Roger Deakins (Sicario: Terra de Ninguém)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Adam Stockhausen, Rena DeAngelo, Bernhard Henrich (Ponte dos Espiões)
* Colin Gibson, Katie Sharrock, Lisa Thompson (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Arthur Max, Celia Bobak, Zoltán Horváth (Perdido em Marte)
* Jack Fisk, Hamish Purdy (O Regresso)
* Eve Stewart, Michael Standish (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR MONTAGEM
* Hank Corwin (A Grande Aposta)

* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Stephen Mirrione (O Regresso)
* Tom McArdle (Spotlight – Segredos Revelados)
* MaryAnn Brandon, Mary Jo Markey (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

MELHOR FIGURINO
* Sandy Powell (Carol)
* Sandy Powell (Cinderela)
* Paco Delgado (A Garota Dinamarquesa)
* Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Jacqueline West (O Regresso)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Mad Max: Estrada da Fúria
* The 100 Year-Old Man Who Climbed Out a Window and Disappeared
* O Regresso

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Thomas Newman (Ponte dos Espiões)
* Carter Burwell (Carol)
* Jóhann Jóhannsson (Sicario: Terra de Ninguém)
* Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
* John Williams (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Earned It”, de Abel Tesfaye, Ahmad Balshe, Jason Daheala Quenneville, Stephan Moccio (Cinquenta Tons de Cinza)

* “Manta Ray”, de J. Ralph, Antony Hegarty (Racing Extinction)
* “Simple Song #3”, de David Lang (Juventude)
* “Til it Happens to You”, de Diane Warren, Lady Gaga (The Hunting Ground)
* “Writing’s on the Wall”, de Jimmy Napes e Sam Smith (007 Contra Spectre)

MELHOR SOM
* Ponte dos Espiões
* Mad Max
* Perdido em Marte
* O Regresso
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

MELHORES EFEITOS SONOROS
* Perdido em Marte
* Mad Max: Estrada da Fúria
* O Regresso 
* Sicario: Terra de Ninguém
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* Ex-Machina: Instinto Artificial

* Mad Max: Estrada da Fúria
* Perdido em Marte
* O Regresso
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (COLÔMBIA)
* Cinco Graças, de Deniz GamzeErgüven (FRANÇA)
* Filho de Saul, de László Nemes (HUNGRIA)
* Theeb, de Naji Abu Nowar (JORDÂNIA)
* A War, de Tobias Lindholm (DINAMARCA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Anomalisa
* Divertida Mente
* Shaun: O Carneiro 
* Quando Estou com Marnie
* O Menino e o Mundo

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Amy
* Cartel Land
* The Look of Silence
* What Happened, Miss Simone?
* Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Body Team 12
* Claude Lanzmann: Spectres of the Shoah
* A Girl in the River: The Price of Forgiveness
* War Within the Walls
* Last Day of Freedom

MELHOR CURTA-METRAGEM
* Ave Maria
* Day One
* Everything Will be OK (Alles Wird Gut)
* Shok 
* Stutterer

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* Bear Story
* We Can’t Live Without Cosmos
* Prologue
* Sanjay’s Super Team
* World of Tomorrow

A cerimônia do Oscar 2016 acontece no dia 28 de fevereiro, com transmissão ao vivo pelo canal pago TNT.

WGA indica roteiros de ‘Spotlight’, ‘A Grande Aposta’, ‘Steve Jobs’ e ‘Perdido em Marte’

steve-jobs-513195l-1600x1200-n-ee157e6d

Michael Fassbender e Mackenzie Moss em cena de Steve Jobs (photo by cinemagia.ro)

MESMO COM EXCLUSÕES HABITUAIS, WGA INDICA FORTES ROTEIROS

Como em todo ano, o Writers Guild of America (WGA), sindicato dos roteiristas, costuma eliminar inúmeros candidatos por questões burocráticas como a não-filiação do roteirista à organização. Este ano, houve 61 roteiros originais e 51 adaptados sobreviventes ao corte do WGA.

Entre os eliminados de Roteiro Original estão Os 8 Odiados, O Filho de Saul, As Sufragistas, 99 Homes, Ex-Machina: Instinto Artificial, Divertida Mente e Mad Max: Estrada da Fúria. Mesmo fora do WGA, os roteiros de Quentin Tarantino (Os 8 Odiados) e da trupe da Pixar por Divertida Mente são os que conseguem manter as chances altas no Oscar.

Já entre os de Roteiro Adaptado, foram desqualificados 45 Anos, Eu, Você e a Garota que Vai Morrer, Brooklyn, A Garota Dinamarquesa e os possíveis sobreviventes para o Oscar: O Quarto de Jack e Anomalisa.

Mesmo com tantas exclusões, a taxa de acerto do WGA em relação ao Oscar permanece alta. Dos últimos 21 anos, 15 vencedores coincidiram como Melhor Roteiro Original, e 13 como Melhor Roteiro Adaptado.

Com tantos cortes também é possível ver algumas produções menores sendo reconhecidas aqui como são os casos de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. e Descompensada na categoria de Roteiro Original, enquanto na de Adaptado, temos a inclusão de Trumbo – Lista Negra.

trainwreck-334557l-1600x1200-n-e4ee6aa3

Amy Schumer e Bill Hader em cena de Descompensada (photo by cinemagia.ro)

Os favoritos aos prêmios permanecem na briga aqui também: Ponte dos Espiões, Spotlight – Segredos Revelados, A Grande Aposta, Perdido em Marte e Steve Jobs devem seguir na lista da Academia.

SEGUE A LISTA DOS INDICADOS AO 68º WRITERS GUILD OF AMERICA:

ROTEIRO ORIGINAL
* Matt Charman, Ethan Coen e Joel Coen (Ponte dos Espiões)
* Taylor Sheridan (Sicario: Terra de Ninguém)
* Josh Singer e Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
* Jonathan Herman e Andrea Berloff; História de S. Leigh Savidge, Alan Wenkus e Andrea Berloff (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)
* Amy Schumer (Descompensada)

ROTEIRO ADAPTADO
* Charles Randolph e Adam McKay; Baseado no livro de Michael Lewis (A Grande Aposta)
* Phyllis Nagy; Baseado no romance ‘The Price of Salt’ de Patricia Highsmith (Carol)
* Drew Goddard; Baseado no romance homônimo de Andy Weir (Perdido em Marte)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Walter Isaacson (Steve Jobs)
* John McNamara; Baseado na biografia de Bruce Cook (Trumbo – Lista Negra)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Robert Cohen (Being Canadian)
* Alex Gibney (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief)
* Brett Morgen (Cobain: Montage of Heck)
* Amy J. Berg (Prophet’s Prey)

Going Clear Scientology

Centro de Cientologia mostrada no documentário Going Clear: Scientology and the Prison of Belief (photo by outnow.ch)

Os vencedores do WGA serão anunciados em cerimônia que acontecerá no dia 13 de fevereiro.