Indicados ao Leão de Ouro 2014 não apresentam favoritos

Pôster oficial do 71º Festival de Veneza, que faz alusão ao momento culminante do clássico francês Os Incompreendidos (photo by primetv.pt - image by biennale di Venezia)

Pôster oficial do 71º Festival de Veneza, que faz alusão ao momento culminante do clássico francês Os Incompreendidos (photo by primetv.pt – image by biennale di Venezia)

EMBORA HAJA NOMES EM POTENCIAL, A DISPUTA PELO PRÊMIO ESTÁ BASTANTE EQUILIBRADA

Apesar do resultado do ano passado ter sido quase motivo de uma CPI (o documentário italiano Sacro GRA foi eleito o vencedor do Leão de Ouro pelo presidente do júri conterrâneo Bernardo Bertolucci), o Festival de Veneza é um dos mais prestigiosos do mundo, além de ser o mais antigo. Ao contrário da veia mais comercial de Cannes, Veneza não tem o costume de se limitar a nomes consagrados para compor suas seleções de filmes.

Contudo, em entrevista, o diretor artístico Alberto Barbera revelou um fracasso para esta edição. Tentou trazer duas produções norte-americanas, cujos diretores são ninguém menos que David Fincher e Paul Thomas Anderson, que levou o Leão de Prata de Melhor Diretor em 2012 por O Mestre. Os dois viriam com Garota Exemplar (Gone Girl) e Inherent Vice, respectivamente, mas as distribuidoras recusaram a proposta para lançá-los no New York Film Festival. Tanto a 20th Century Fox como a Warner alegam que o evento americano ganha a briga por acontecer mais próximo do fim do ano, quando começa a temporada de premiações que culmina com o Oscar, e também por darem valor ao público do próprio país.

Cena com Ben Affleck de Garota Exemplar: preferência por NY a Veneza. (photo by www.outnow.ch)

Cena com Ben Affleck de Garota Exemplar: preferência por NY a Veneza. (photo by http://www.outnow.ch)

As desculpas são válidas, mas a verdade que li no site The Playlist é que as distribuidoras estão pensando duas vezes antes de mandar elenco e equipe de seus filmes para divulgação internacional para evitar gastos. Simples assim. Pagar passagens aéreas e estadias em hotéis luxuosos nem sempre representam números maiores nas bilheterias; a menos que ganhe um prêmio importante e olhe lá!

Dito isso, a missão de Barbera não foi fácil. Assistiu a 1500 filmes para peneirar 55 sobreviventes, distribuídos em três listas (Competição Oficial, Fora de Competição e Horizontes). “É um trabalho mais complexo, mais doloroso porque tem de deixar de fora alguns filmes muito bons”, afirmou Barbera em comparação a outros festivais de filmes como Toronto, que não apresenta competição e por isso mesmo não há limites de quantidade. Sem Fincher e Anderson, Veneza ainda oferece nomes conhecidos como o do alemão Fatih Akin e do mexicano Alejandro González Iñárritu.

Aliás, o novo filme de Iñárritu, Birdman, abrirá a competição oficial por trazer mais atores mundialmente conhecidos ao tapete vermelho como Michael Keaton, Edward Norton, Naomi Watts e Emma Stone. Por se tratar de uma comédia de humor negro, dificilmente deve levar o Leão de Ouro. Outras presenças ilustres são aguardadas para o evento, casos de Al Pacino e Holly Hunter (ambos por Manglehorn), Ethan Hawke e January Jones (ambos por Good Kill) e Willem Dafoe (Pasolini). Pacino e Dafoe já largam como franco-favoritos na corrida pelo prêmio de interpretação masculina, especialmente Pacino que terá mais um filme (The Humbling) exibido fora de competição.

BIRDMAN

Cena de Birdman entre Michael Keaton e Edward Norton: comédia de humor negro com clima de Queime Depois de Ler (photo by outnow.ch)

Quanto à seleção oficial, existem nomes interessantes como o do francês Xavier Beauvois que dirigiu o bom Homens e Deuses, que faturou o Grande Prêmio do Júri em Cannes 2010; e o japonês Shin’ya Tsukamoto, que tem uma linguagem visual bem peculiar, especialmente no gênero ficção científica. Mas um dos nomes que podem surpreender é o do norte-americano Joshua Oppenheimer, que este ano foi indicado para Melhor Documentário no Oscar por O Ato de Matar e pode sair do festival com o Leão de Ouro por The Look of Silence.

Já na mostra fora de competição, vale a pena destacar os retornos de dois grandes diretores. Peter Bogdanovich, que estava sumido desde O Miado do Gato (2001), volta com She’s Funny That Way, uma comédia sobre Broadway com Owen Wilson, Jennfer Aniston e Imogen Poots. E Joe Dante, que ficou conhecido por suas doideiras como Gremlins, Piranha e Viagem Insólita, faz sua versão de filme de zumbi, Burying the Ex, focado num casal de namorados formado por Anton Yelchin e Ashley Greene. E também se mostra interessante a reunião de diretores para fazer o filme mosaico Words With Gods, com tema voltado à religião. Nomes como Emir Kusturica, Mira Nair, Hideo Nakata e Hector Babenco já garantem maior atenção da mídia e do público.

INDICADOS AO LEÃO DE OURO

The Cut
Dir: Fatih Akin (Alemanha, França, Itália, Rússia, Canadá, Polônia, Turquia)
• A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence
Dir: Roy Andersson (Suécia, Alemanha, Noruega, França)
• 99 Homes
Dir: Ramin Bahrani (U.S.)
• Tales
Dir: Rakhshan Bani E’temad (Irã)
• La rancon de la gloire
Dir: Xavier Beauvois (França)
• Hungry Hearts
Dir: Saverio Costanzo (Itália)
• Le dernier coup de marteau
Dir: Alix Delaporte (França)
• Manglehorn
Dir: David Gordon Green (EUA)
• Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance)
Dir: Alejandro Gonzáles Iñárritu (EUA)
• Three Hearts
Dir: Benoit Jacquot (France)
• The Postman’s White Nights
Dir: Andrei Konchalovsky (Rússia)
•  Il Giovane Favoloso
Dir: Mario Martone (Itália)
• Sivas
Dir: Kaan Mujdeci (Turquia)
• Anime Nere
Dir: Francesco Munzi (Itália, França)
• Good Kill
Dir: Andrew Niccol (EUA)
• Loin des Hommes
Dir: David Oelhoffen (França)
• The Look of Silence
Dir: Joshua Oppenheimer (Dinamarca, Finlândia, Indonésia, Noruega, Reino Unido)
• Nobi
Dir: Shin’ya Tsukamoto (Japão)
• Red Amnesia
Dir: Wang Xiaoshuai (China)

FORA DE COMPETIÇÃO

• Words with Gods
Dir: Guillermo Arriaga, Emir Kusturica, Amos Gitai. Mira Nair, Warwick Thornton, Hector Babenco, Bahman Ghobadi, Hideo Nakata, Alex de la Iglesia (México, EUA)
• She’s Funny That Way
Dir: Peter Bogdanovich (EUA)
• Dearest
Dir: Peter Ho-sun Chan (Hong Kong, China)
• Olive Kitteridge
Dir: Lisa Cholodenko (EUA)
• Burying the Ex
Dir: Joe Dante (EUA)
• Perez
Dir: Edoardo De Angelis (Itália)
• La zuppa del demonio
Dir: Davide Ferrario (Itália)
• Tsili
Dir: Amos Gitai (Israel, Rússia, Itália, França)
• La trattativa
Dir: Sabina Guzzanti (Itália)
• The Golden Era
Dir: Ann Hui (China, Hong Kong)
• Make Up
Dir: Im Kwontaek (Coréia do Sul)
• The Humbling
Dir: Barry Levinson (EUA)
• The Old Man of Belem
Dir: Manoel de Oliveira (Portugal, França)
• Italy in a Day
Dir: Gabriele Salvatores (Itália, Reino Unido)
• In the Basement
Dir: Ulrich Seidl (Áustria)
• The Boxtrolls
Dir: Anthony Stacchi, Annable Graham (U.K)
• Ninfomaníaca: Volume II (versão longa) Director’s Cut
Dir: Lars Von Trier (Dinamarca, Alemanha, França, Bélgica)

HORIZONTES

• Theeb
Dir: Naji Abu Nowar (Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Catar, Reino Unido)
• Line of Credit
Dir: Salome Alexi (Georgia, Alemanha, França)
• Cymbeline
Dir: Michael Almereyda (EUA)
• Senza Nessuna Pieta
Dir: Michele Alhaique (Itália)
• Near Death Experience
Dir: Benoit Delepine, Gustave Kervern (França)
• Le Vita Oscena
Dir: Renato De Maria (Itália)
• Realite
Dir: Quentin Dupieux (França, Bélgica)
• I Spy/I Spy
Dir: Veronika Franz, Severin Fiala (Áustria)
• Hill of Freedom
Dir: Hong Sangsoo (Coréia do Sul)
• Bypass
Dir: Duane Hopkins (Reino Unido)
• The President
Dir: Moshen Makhmalbaf (Georgia, França, Reino Unido, Alemanha)
• Your Right Mind
Dir: Ami Canaan Mann (EUA)
• Belluscone, una storia siciliana
Dir: Franco Maresco (Itália)
• Nabat
Dir: Elchin Musaoglu (Azerbaijão)
• Heaven Knows What
Dir: Josh Safdie, Ben Safdie (EUA, França)
• These Are the Rules
Dir: Ognjen Svilicic (Croatia, France, Serbia, Macedonia)
• Court
Dir: Chaitanya Tamhane (Índia)

Anúncios

‘Miss Violence’, de Alexandros Avranas (2013)

Miss Violence, de Alexandros Avranas

Miss Violence, de Alexandros Avranas

Atual cinema grego nasce da crise econômica do país

Você já assistiu a um filme do Neo-realismo italiano? Talvez Ladrões de Bicicletas, de Vittorio De Sica? Ou algum filme da safra do Cinema Argentino? O Pântano, de Lucrecia Martel? Ambos os cinemas citados acima inspiraram o atual cinema grego, que tem se apoiado na crise econômica que assola a Europa desde 2008 para criar filmes que dissecam a sociedade vitimada.

Para a maioria dos cinéfilos, o cinema grego tinha como referência apenas Theo Angelopoulos. Falecido em 2012, o diretor se consagrou com títulos como Uma Eternidade e Um Dia, vencedor da Palma de Ouro em Cannes de 1998. Contudo, quando Dente Canino, de Giorgos Lanthimos, destacou-se ganhando inúmeros prêmios internacionais como o Un Certain Regard em Cannes e foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, a crítica e os holofotes miravam uma nova onda de criatividade na terra dos deuses.

Cena de Dente Canino, de Yorgos Lanthimos: o primeiro dessa nova onda do cinema grego (photo by www.outnow.ch)

Cena de Dente Canino, de Giorgos Lanthimos: o primeiro dessa nova onda do cinema grego (photo by http://www.outnow.ch)

Um dos expoentes desse novo cinema grego atende pelo nome de Alexandros Avranas. Com apenas 36 anos, seu segundo longa-metragem foi selecionado para o último Festival de Veneza, de onde saiu premiado com o Leão de Prata de direção e Volpi Cup de Melhor Ator para Themis Panou. Dizem as más línguas que, se o presidente do júri, o italiano Bernardo Bertolucci, não fosse tão patriota ao selecionar o documentário italiano Sacro GRA, Miss Violence teria levado o prêmio máximo.

O diretor grego Alexandros Avranas: Vencedor do Leão de Prata no último Festival de Veneza (photo by www.kinetophone.com)

Prêmio de consolação? O diretor grego Alexandros Avranas ostenta seu Leão de Prata no último Festival de Veneza (photo by http://www.kinetophone.com)

Miss Violence começa direto ao ponto. Estamos na festa de aniversário numa casa de família feliz. Ao cometer suicídio pulando da sacada de casa, a menina de 11 anos aniversariante já revela problemas no paraíso. Nos minutos seguintes, tudo leva a crer que se trata de uma família típica disfuncional retratada em filmes americanos. Ledo engano. O buraco é bem mais abaixo. O que choca mais do que o próprio suicídio é a tranqüilidade da família perante o incidente.

Avranas compõe seqüências aparentemente sem muito nexo como uma espécie de quebra-cabeças. Apesar de se assemelharem a uma família comum, não sabemos exatamente qual a relação de cada um dos personagens ali: pai, mãe, avô, filha ou neta? Sem utilizar trilha musical, ele abusa de enquadramentos fechados de seus personagens, que parecem buscar cumplicidade do espectador ao olhar diretamente para a câmera. À medida em que as ligações entre eles se revelam mais claras, a tensão aumenta através da revelação das ações obscuras da figura dominante do patriarca na família.

Para quem ficar atento às pistas, o final pode deixar a desejar, pois fica a impressão um pouco amarga de que o segredo da trama, ostentada como clímax, não estava acima de qualquer suspeita. Ao longo do filme, o rigor disciplinar do patriarca vai ganhando contornos excessivamente violentos e essa frieza não deixa muitas dúvidas a respeito do segredo dessa família.

Família feliz: o patriarca cercado por suas meninas de ouro (photo by www.adorocinema.com.br)

Família feliz: o patriarca cercado por suas meninas de ouro (photo by http://www.adorocinema.com.br)

Isso não significa necessariamente uma falha, mas como a proposta de Alexandros Avranas era causar impacto desde a primeira cena, a resposta final, apesar de ainda forte, acaba soando um pouco óbvia. E também perde o frescor, ainda mais se considerarmos as semelhanças da nova tragédia grega lançada por Giorgos Lanthimos em seu Dente Canino em 2009. Também temos ali um núcleo familiar, violência e um universo paralelo.

Claro que isso não tira os méritos de Avranas. Sua direção se mostra bastante segura, explorando a fotografia nos planos estáticos e nos preciosos movimentos de câmera. A direção de arte e os figurinos acompanham a falta de cores fortes da fotografia com intenção de expôr a atmosfera de desafeto e a falta de sentimentos da casa. Também vale ressaltar a excelente escolha da música “Dance me To the End of Love”, de Leonard Cohen para a sequência do aniversário.

“A família na Grécia serve para falar sobre a sociedade. Podemos olhar para a família com uma lupa e encontrar os defeitos sociais. Tudo está muito cruel e o cinema grego não fazia nada. Isso está mudando”, disse o diretor numa entrevista à Folha de S. Paulo. Ao assistir ao filme, fica impossível não buscar respostas na crise econômica que atingiu bruscamente a Grécia. O desemprego, a assistência social, a economia nas despesas, está tudo impresso no filme.

Disciplina rígida: o patriarca dita as normas da casa (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

Disciplina rígida: o patriarca dita as normas da casa (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

Além do próprio conterrâneo Dente Canino, é possível fazer uma breve analogia com alguns filmes que têm a crise internacional como pano de fundo. No ano passado por exemplo, o sul-coreano Kim Ki-duk explorou atitudes extremamente brutais de seu protagonista, que decepava membros de devedores para coletar o dinheiro do seguro em Pieta, vencedor do Leão de Ouro 2012.  Aliás, na última edição do Festival de Veneza, o diretor artístico do evento, Alberto Barbera, revelou ter ficado impressionado com a quantidade de filme sombrios inscritos: “Os cineastas decidiram encarar o fato de que estamos vivendo um tipo de crise de todos os valores da nossa civilização.” Indo mais à fundo na questão, Barbera continua: “Não é só uma questão de crise financeira, é o fato de que perdemos um sistema de valores que manteve nossas sociedades vivas até agora, e já não o temos mais. Acho que os filmes gregos estão pelo menos obliquamente lidando com a crise de uma forma que a maioria das outras indústrias nacionais não lida”.

Se as seqüelas desumanas da 2ª Guerra Mundial criaram o Neo-realismo italiano, e a crise econômica argentina foi diretamente responsável pela origem de personagens e histórias humanistas do novo cinema argentino, a crise na Grécia também pode ser classificada como um daqueles “males que vêm para o bem”. Como cinéfilo, espero que os males da nossa política tão corrupta e o sistema brasileiro de justiça falho possam em breve gerar filmes igualmente reflexivos que estimulem a população a repensar o país.

AVALIAÇÃO: BOM

O elenco de Miss Violence dosa a frieza de seus personagens (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

O elenco de Miss Violence dosa a frieza de seus personagens (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

* Miss Violence está sendo exibido pela Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (www.mostra.org). Ainda sem previsão de estréia, se for lançado no circuito comercial de cinema, o filme deve ficar restrito a salas mais alternativas devido ao tema.

Documentário italiano ‘Sacro GRA’ leva o Leão de Ouro 2013

Gianfranco Rosi com o Leão de Ouro (photo by news.geliyoo.com)

Gianfranco Rosi com o Leão de Ouro (photo by news.geliyoo.com)

Após um hiato de 15 anos, uma produção italiana vence o prêmio máximo de Veneza. A última vez que a Itália saiu vencedora em casa foi em 1998, com Assim é que se Ria, de Gianni Amelio, que concorria este ano também por L’Intrepido. Além dessa quebra de tabu, Sacro GRA é o primeiro documentário a vencer o mais tradicional festival do mundo.

Sua vitória foi considerada uma grande surpresa pela mídia internacional, pois trata-se de um filme simples que visa registrar a vida de pessoas que residem ao largo do rodoanel que circunda a cidade de Roma. Porém o retrato dessa realidade se mostrou singelo o suficiente para conquistar o júri. Será mesmo?

O diretor Gianfranco Rosi capta imagens d rodoanel de Sacro GRA (photo by sacrogra.it)

O diretor Gianfranco Rosi capta imagens d rodoanel de Sacro GRA (photo by http://www.sacrogra.it)

Pelas cotações, Philomena, de Stephen Frears, era considerado o grande favorito a conquistar o Leão de Ouro, mas saiu apenas com o prêmio de roteiro. Apesar de ter uma história verídica com elementos emotivos e com humor britânico excepcional, não é bem o tipo de filme que o presidente do júri, Bernardo Bertolucci, curte. Vide seus filmes como O Último Imperador e O Último Tango em Paris. O diretor prefere uma linguagem mais artística, o que levanta a questão da pressão italiana para premiar o documentário conterrâneo.

Contudo, essa preferência de Bertolucci prevaleceu nos demais prêmios. Conquistando o Leão de Prata de Melhor Diretor para Alexandros Avranas, a produção grega Miss Violence se mostra mais ousada ao narrar uma história de suicídio no núcleo de uma família desequilibrada que, aliás, lembra outra família estranha de outra produção grega intitulada Dente Canino (Kynodontas, 2009), que foi indicada ao Oscar de Filme Estrangeiro. Miss Violence também ganhou o Volpi Cup de Melhor Ator para Themis Panou, que interpreta o patriarca da família.

Cena de Miss Violence, de Alexandros Avranas (photo by www.outnow.ch)

Cena de Miss Violence, de Alexandros Avranas (photo by http://www.outnow.ch)

Curiosamente, as produções Jiaoyou (Stray Dogs) e Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife), que ganharam o Grande Prêmio do Júri e Prêmio Especial do Júri respectivamente, também dialogam com violência doméstica. Enquanto o primeiro abusa de longos planos-sequência ao estilo de Tsai Ming-Liang, o segundo vai na contramão ao fragmentar seus 175 minutos de duração em 59 (sim, 59!) capítulos da história da mulher que sofre nas mãos do marido policial.

Suposta família feliz na produção alemã Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife) (photo by www.outnow.ch)

Suposta família feliz na produção alemã Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife) (photo by http://www.outnow.ch)

Outra surpresa foi a vitória da atriz Elena Cotta pelo filme Via Castellana Bandiera, da italiana Emma Dante. Aos 82 anos, a atriz possui larga experiência na TV e se mostrou motivada a continuar sua carreira no cinema. Ela bateu a favoritíssima ao prêmio Volpi Cup de Melhor Atriz, a britânica Judi Dench. Apesar de sua derrota, Dench ainda deve figurar na lista final do Oscar 2014, principalmente por se tratar de um papel mais tenro e orgânico que a Academia costuma celebrar.

Elena Cotta recebe o Volpi Cup (photo by Tiziana Fabi/ AFP)

Elena Cotta recebe o Volpi Cup (photo by Tiziana Fabi/ AFP)

Embora estivessem em maior número na competição oficial, os filmes norte-americanos levaram apenas um prêmio (de consolação) para o jovem ator Tye Sheridan pelo filme Joe, de David Gordon Green. Vale também citar o comentário-pérola de Bernardo Bertolucci na divulgação dos vencedores. Ao comentar o documentário de Errol Morris, The Unknown Known, centrado na figura do Secretário de Defesa do ex-presidente George W. Bush, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque em 2003:

“Vendo aquele sorriso permanente no rosto de um responsável por centenas de milhares de mortos, cogitamos dar-lhe o prêmio de melhor ator. Ou talvez de melhor atriz. Mas achamos que não era bem o caso.”

Diretor de Sob a Névoa da Guerra, Errol Morris, não conseguiu o mesmo feito de extrair algumas verdades e erros de Rumsfeld como conseguiu com Robert McNamara, Secretário de Defesa americano em episódios como a Crise dos Mísseis nos anos 60 e a Guerra do Vietnã nos 70. Alguns alegam que ainda não houve distanciamento de tempo suficiente para que Rumsfeld se confessasse num documentário e desse a perder sua reputação. Já outros alegam que ele simplesmente não tem maturidade para assumir erros.

O secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque, ainda tenta negar sua culpa mesmo após 10 anos (photo by www.outnow.ch)

O Secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque, ainda tenta negar sua culpa mesmo após 10 anos no documentário The Unknown Known (photo by http://www.outnow.ch)

Pela mídia em geral, a seleção do Festival de Veneza foi considerada “mediana”. Procurei acompanhar as notícias dos jornais a respeito dos filmes e realmente não detectei nenhum destaque ou franco-favorito, mesmo o Philomena de Stephen Frears. Criei uma certa expectativa em torno do futurista The Zero Theorem, de Terry Gilliam, mas não sobrou nenhum prêmio para a produção.

Em meio a esse marasmo, a notícia que mais me deixou estarrecido foi o boato da aposentadoria do mestre da animação Hayao Miyazaki. Concorrendo com Kaze tachinu (The Wind Rises), o diretor japonês teria declarado que este seria seu último filme, e que a aposentadoria seria oficializada em Tóquio ainda este ano. Trata-se de uma péssima notícia para os amantes da animação e do cinema em geral, afinal, Hayao Miyazaki é um dos raros sobreviventes da técnica de animação em 2D num mundo dominado por animações geradas em computador.

Além do 2D ser mais humano por natureza, o cineasta conseguia imprimir alma aos seus personagens, influenciando uma geração inteira de animadores, inclusive muitos que trabalham na Pixar. Por exemplo, seu O Castelo Animado (2005) nitidamente inspirou Up – Altas Aventuras (2009). Sem seus trabalhos, o cinema regride para as mesmices de personagens e universos. Não sei se existe algum problema de saúde, mas espero que mestre Miyazaki volte atrás em sua decisão. Ele ganhou o Oscar e o Urso de Ouro com A Viagem de Chihiro (2001).

Hayao Miyazaki diante do pôster de Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar

Hayao Miyazaki diante do pôster de Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar (photo by blog.animamundi.com.br)

Segue lista dos vencedores de Veneza 2013:

Leão de Ouro: Sacro Gra, de Gianfranco Rosi
Grande Prêmio do Júri: Stray Dogs, de Tsai Ming-Liang
Leão de Prata de Direção: Alexandros Avranas, por Miss Violence
Coppa Volpi de Melhor Ator: Themis Panou, por Miss Violence
Coppa Volpi de Melhor Atriz: Elena Cotta (Via Castellana Bandiera)
Prêmio Marcello Mastroianni de Revelação: Tye Sheridan (Joe)
Roteiro: Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena)
Prêmio especial do Júri: Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife)
Prêmio Luigi de Laurentiis para filme de estréia: White Shadow, de Noaz Deshe

Mostra paralela Orizzonti

Melhor filme: Eastern Boys, de Robin Campillo
Melhor Diretor: Uberto Pasolini (Still Life)
Prêmio Especial do Júri: Ruin, Michael Cody e Courtin Wilson
Gran Prix: Fish and Cat, de Sharam Mokri

70º Festival de Veneza (2013)

Pôster da 70ª edição do Festival de Veneza, inspirada pelo filme A Eternidade e Um Dia, de Theodoro Angelopoulos

Pôster da 70ª edição do Festival de Veneza, inspirada pelo filme A Eternidade e Um Dia, de Theodoro Angelopoulos

Primeiramente, gostaria de pedir desculpas pelo atraso nesse post dos indicados ao Festival de Veneza. Como estive muito atarefado no final de julho, acabei me esquecendo do evento italiano.

Em segundo lugar, os organizadores do evento resolveram fazer uma bela homenagem ao diretor grego Theodoro Angelopoulos, morto num acidente de carro em janeiro desse ano. Concorreu ao Leão de Ouro por O Megalexandros (1980), O Melissokromos (1986) e Paisagem na Neblina (1988), mas nunca levou o prêmio máximo. Já em Cannes, conseguiu o feito em 1998 pelo drama A Eternidade e Um Dia.

Bernardo Bertolucci

Bernardo Bertolucci

Este ano, resolveram convocar um diretor italiano para presidir o júri. O premiado e consagrado cineasta Bernardo Bertolucci, conhecido por dirigir obras marcantes como O Último Imperador (com o qual ganhou 9 Oscars, inclusive Melhor Filme e Direção), Os Sonhadores (2003) e o eternamente erótico O Último Tango em Paris (1972). Apesar de nunca ter concorrido ao Leão de Ouro, Bertolucci foi homenageado em 2007 pelo conjunto da obra.

Em sua bancada, temos nomes conhecidos como a da atriz americana Carrie Fisher (a Princesa Leia da saga Star Wars) e da francesa Virginie Ledoyen (pra quem viu 8 Mulheres e A Praia); dois nomes de diretores em alta: a britânica Andrea Arnold, que já concorreu duas vezes à Palma de Ouro em Cannes por Red Road e Fish Tank, e o chileno Pablo Larraín, cujo filme No foi indicado ao último Oscar de Filme Estrangeiro; o conceituado compositor japonês Ryuichi Sakamoto, que trabalhou com Bertolucci e Nagisa Oshima em Furyo, em Nome da Honra (1983), que será reexibido no festival.

Completam o júri o diretor de fotografia suíço Renato Berta, que já trabalhou com diretores como Jean-Luc Godard, Louis Malle e Alain Resnais; a atriz alemã Martina Gedeck, que atuou em O Grupo Baader Meinhof e A Vida dos Outros, indicado e vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro, respectivamente; e o diretor e ator chinês Jian Wen, que protagonizou Sorgo Vermelho, de Zhang Yimou. Sua estréia na direção em Yangguang canlan de rizi (In the Heat of the Sun, 1994) competiu em Veneza, e saiu com o prêmio Volpi Cup de Melhor Ator para Yu Xia.

Esses artistas terão a tarefa de votar os melhores entre 20 filmes concorrentes. Aparentemente, a seleção desse ano está mais fraca se levarmos em consideração os diretores presentes. Dentre eles, destacam-se poucos nomes como o de Terry Gilliam, que ficou conhecido por integrar o grupo de comédia Monty Phyton. Ele foi indicado duas vezes ao Leão de Ouro: em 2005 por Irmãos Grimm, e em 1991 por O Pescador de Ilusões, com o qual venceu o Leão de Prata. Ele retorna com mais uma visão bem particular do futuro underground na linha de Brazil: O Filme (1985) e O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus (2009) com a ficção científica The Zero Theorem. Com credibilidade, Gilliam conseguiu atrair bons atores para seu filme: Tilda Swinton, David Thewlis, Matt Damon e o vencedor do último Oscar de coadjuvante por Django Livre: Christoph Waltz, o que certamente fará diferença na contagem final dos votos.
The Zero Theorem, de Terry Gilliam. Em cena, Christoph Waltz e David Thewlis. (photo by www.indiewire.com)

The Zero Theorem, de Terry Gilliam. Em cena, Christoph Waltz e David Thewlis. (photo by http://www.indiewire.com)

Ainda na sombra do terrorismo que afetou os EUA, o documentarista norte-americano Errol Morris busca os segredos do Secretário de Defesa Donald Rumsfeld em The Unknown Known: The Life and Times of Donald Rumsfeld, desde seus dias como congressista na década de 60 até a invasão ao Iraque em 2003. Morris, que já ganhou o Oscar por Sob a Névoa da Guerra em 2003, tem sua primeira indicação em Veneza e pode surpreender se as ficções estiverem fracas.

Já o novo filme do britânico Stephen Frears, Philomena, parece já ter um propósito definido: premiar Judi Dench como Melhor Atriz, e impulsioná-la para o Oscar 2014. Assim como aconteceu com A Rainha, que resultou no Oscar para Helen Mirren, o drama sobre a busca de um filho desaparecido há décadas tem mais cara de filme feito para a TV, mas se realmente extrair atuação primorosa de Dench, acho que o filme já valeu a pena.
Dame Judi Dench ao lado de Steve Coogan em Philomena (photo by www.spaziofilm.it)

Dame Judi Dench ao lado de Steve Coogan em Philomena (photo by http://www.spaziofilm.it)

Vencedor do Leão de Ouro em 1994 por Vive L’Amour, o malaio Tsai Ming-Liang recebe sua quarta indicação ao prêmio com Jiao You (Stray Dogs), novamente estrelado por seu ator-fetiche Lee Kang-Sheng. Seus filmes costumam apelar bastante para os longos planos-sequência que se tornaram uma marca de sua linguagem. Autor de seus próprios roteiros, Ming-Liang costuma criar personagens praticamente mudos, o que torna suas ações em personalidades fortes. Dependendo da temática do filme, não acredito que ele tenha grandes chances, pois ele não muda quase nada de seu estilo.

Ainda da Ásia, pra quem acredita que a presença da nova animação do mestre nipônico Hayao Miyazaki, Kaze Tachinu (The Wind Rises), trará mais leveza ao festival, pode estar seriamente enganado. Baseado numa história em quadrinhos de autoria do próprio Miyazaki, o filme se passa durante a 2ª Guerra Mundial e acompanha a vida do designer dos aviões de guerra Jiro Horikoshi. Segundo a crítica, Kaze Tachinu busca atingir o nível de dramaticidade e tragédia da clássica animação Túmulo dos Vagalumes(1988), do diretor Isao Takahata. Miyazaki conta novamente com a importante colaboração do compositor Joe Hisaishi.

The Wind Rises

Kaze Tachinu (The Wind Rises), de Hayao Miyazaki

Como de costume, os festivais podem dar aquela forcinha para as produções conterrâneas. Caso uma produção italiana não seja agraciada com o Leão de Ouro, existe forte possibilidade de ser compensada com algum outro prêmio, principalmente pelo presidente do júri também ser italiano. Seguindo essa lógica, os representantes conterrâneos: Via Castellana Bandiera (Castellana Bandiera Street) e Sacro GRA (Sacred GRA) podem se beneficiar, inclusive o veterano Gianni Amelio, que já tem um Leão de Ouro pelo filme Assim é que Se Ria (1998), que volta a competir com L’intrepido (The Intrepid).

Cena de L'intrepido (The Intrepid), de Gianni Amelio (photo by www.cinemagia.ro)

Cena de L’intrepido (The Intrepid), de Gianni Amelio (photo by http://www.cinemagia.ro)

Contudo, ao contrário de edições anteriores, a competição está bastante nivelada. Embora haja alguns diretores mais experientes, não necessarimente indica um favoritismo. Nessas situações mais neutras, torna-se mais propício uma revelação ganhar reconhecimento. Temos vários nomes menos conhecidos como o do grego Alexandros Avranas, que vem com seu segundo longa Miss Violence. Vale a pena ficar de olho também no francês Philippe Garrel (La jalousie), no jovem britânico Jonathan Glazer (Under the Skin) e no pupilo do cinema independente americano David Gordon Green (Joe), uma vez que ganhou o Urso de Prata de direção no último Festival de Berlim por Prince Avalanche, que devem surpreender a crítica e o público.

O homenageado diretor William Friedkin

O homenageado diretor William Friedkin

O Festival de Veneza homenageará com o prêmio pelo conjunto da obra o diretor norte-americano William Friedkin, que, apesar de ter ficado mundialmente conhecido pelo terror O Exorcista (1973) e pelo oscarizado Operação França (1971), que renovou Hollywood na década de 70, também contribuiu para a modernização da linguagem televisiva. Aproveitando sua presença no festival, uma cópia restaurada de seu filme O Comboio do Medo (Sorcerer, de 1977) será exibida. “Considero Comboio do Medo meu filme mais pessoal e difícil”, declarou Friedkin.

Fora de competição, o novo filme do mexicano Alfonso Cuarón, Gravidade, será exibido com a presença dos astros George Clooney e Sandra Bullock.

Os 20 indicados ao Leão de Ouro são:

– Es-Stouh (The Rooftops)
Dir: Merzak Allouache (Argélia/ France)

L’intrepido (The Intrepid)
Dir: Gianni Amelio (Itália)

Miss Violence
Dir: Alexandros Avranas (Grécia)

Tracks
Dir: John Curran (Inglaterra/ Austrália)

Via Castellana Bandiera (Castellana Bandiera Street)
Dir: Emma Dante (Itália/ Suíça/ França)

Tom a la ferme (Tom at the Farm)
Dir: Xavier Dolan (Canadá/ França)

Child of God
Dir: James Franco (EUA)

Philomena
Dir: Stephen Frears (Inglaterra)

La jalousie (Jealousy)
Dir: Philippe Garrel (França)

The Zero Theorem
Dir: Terry Gilliam (Inglaterra/ EUA)

Ana Arabia
Dir: Amos Gitai (Israel/ França)

Under the Skin
Dir: Jonathan Glazer (Inglaterra/ EUA)

Joe
Dir: David Gordon Green (EUA)

Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife)
Dir: Philip Groening (Alemanha)

Parkland
Dir: Peter Landesman (EUA)

Kaze tachinu (The Wind Rises)
Dir: Hayao Miyazaki (Japão)

The Unknown Known: the Life and Times of Donald Rumsfeld
Dir: Errol Morris (EUA)

Night Moves
Dir: Kelly Reichardt (EUA)

Sacro GRA (Sacred GRA)
Dir: Gianfranco Rosi (Itália)

Jiaoyou (Stray Dogs)
Dir: Tsai Ming-liang (Taiwan/ França)

O Festival de Veneza começa no dia 28 de agosto e termina no dia 07 de setembro, quando o júri divulgará os vencedores.

Scarlett Johansson vive a alienígena em forma humana Laura no filme Under the Skin, de Jonathan Glazer (photo by www.beyondhollywood.com)

Scarlett Johansson vive a alienígena em forma humana Laura no filme Under the Skin, de Jonathan Glazer (photo by http://www.beyondhollywood.com)