‘1917’ É O GRANDE VENCEDOR do BAFTA com SETE PRÊMIOS

1917

Começando pela esquerda: o produtor Callum McDougall, os atores Charles Chapman, George Mackay, os produtores Jayne-Ann Tenggren, Sam Mendes, Pippa Harris, a roteirista Krysty Wilson-Cairns, e os atores Mark Strong e Andrew Scott. Pic by https://www.citynews1130.com/Photo by Joel C Ryan/Invision/AP)

ENQUANTO ISSO, COM 10 INDICAÇÕES, O IRLANDÊS SAI DE MÃOS VAZIAS , CENÁRIO QUE PODE SE REPETIR NO OSCAR

A cerimônia do BAFTA aconteceu neste domingo e confirmou várias previsões como as vitórias de todos os quatro atores, e a consagração do filme de guerra de Sam Mendes. Dentre as poucas surpresas da noite estão a vitória de Ford vs Ferrari na categoria de montagem, e de Klaus como a Melhor Animação.

Primeiro, vamos aos números desta 73ª edição. 1917 acumulou sete prêmios e foi o maior vencedor, inclusive vencendo duplamente como Filme e Filme Britânico, o que para alguns soou como exagero, já que a Academia Britânica poderia ter prestigiado outro concorrente como Dois Papas, Rocketman, o documentário For Sama ou o novo filme de Ken Loach, Você Não Estava Aqui.

Em 2º lugar, com três prêmios, ficou Coringa. Venceu como Melhor Ator para Joaquin Phoenix, Melhor Trilha Musical para Hildur Guđnadóttir, e levou o primeiro BAFTA da categoria nova de Melhor Casting.

E em 3º lugar, o filme sul-coreano Parasita conquistou dois prêmios: Filme em Língua Estrangeira e Roteiro Original. Conceder o prêmio de Roteiro para o diretor Bong Joon Ho parece ter sido a forma encontrada de reconhecerem o trabalho dele, já que o favoritismo de Sam Mendes como Diretor parece inabalável no momento. E essa “distribuição” estratégica pode se repetir na cerimônia do Oscar.

Aliás, os dois vencedores do WGA, Sindicato de Roteiristas, foram os mesmos do BAFTA: Parasita e Jojo Rabbit. Será que isso também se repete no Oscar? Ou Greta Gerwig realmente vai levar o Oscar por Adoráveis Mulheres?

A partir daí, houve uma pulverização dos prêmios. Os seguintes filmes conquistaram apenas um BAFTA:

Ford vs Ferrari (Montagem)
Jojo Rabbit (Roteiro Adaptado)
Judy (Atriz para Renée Zellweger)
História de um Casamento (Atriz Coadjuvante para Laura Dern)
O Escândalo (Maquiagem)
Adoráveis Mulheres (Figurino)
Klaus (Longa de Animação)
Era Uma Vez em… Hollywood (Ator Coadjuvante para Joaquin Phoenix)
For Sama (Documentário)

E apesar das 10 indicações, o novo filme de Martin Scorsese, O Irlandês, saiu da cerimônia sem nenhum prêmio. Foi o mesmo cenário ocorrido no Globo de Ouro, no SAG e por pouco também não acontece no Critics’ Choice Awards, onde o filme levou apenas o prêmio de Elenco.

Dentre os discursos da noite, destaque para Joaquin Phoenix, que novamente alfinetou a indústria de cinema com uma declaração poderosa: “Eu acho que mandamos uma mensagem bem clara para as pessoas de cor, que vocês não são bem-vindas aqui. Acho que é esta mensagem que estamos mandando para essas pessoas que contribuíram tanto para a nossa mídia e para nossa indústria de modos que nos beneficiamos com isso. […] Acho que é obrigação das pessoas que criaram e perpetuaram e se beneficiaram de um sistema opressor  a desmantelar isso, então é nossa responsabilidade.” Tem sido uma marca de Joaquin Phoenix criticar o sistema, e isso começou de forma gradativa no Globo de Ouro, no Critics’ Choice e no SAG, mas que tem se intensificado no tom. Dessa forma, ficamos bastante ansiosos aqui pelo discurso final do Oscar!

Ainda no campo da polêmica, o BAFTA foi alvo de duras críticas por não ter indicado nenhum ator ou atriz negros em suas quatro categorias de atuação. Apesar de entendermos o protesto, que é sempre bem-vindo com o propósito de melhorar, sempre lembramos que as premiações de cinema não podem (e não devem) ser vistas como uma justiça social. Se fosse o caso, o Oscar ou qualquer outra premiação teria como obrigação reservar uma vaga para o ator negro, para o ator asiático, para o ator latino, para o ator indígena.

Particularmente, estamos bem chateados com a exclusão da performance da atriz Lupita Nyong’o no filme Nós. Mas não porque ela é negra, mas pela qualidade da atuação dela e pela coragem em assumir um papel tão abstrato. Seria ótimo que ela estivesse concorrendo ao BAFTA, assim como Cynthia Erivo, Alfre Woodard, Awkwafina, mas são cinco vagas por ano por categoria. Alguém tem que ficar de fora, infelizmente. Embora entendamos a recusa de Cynthia Erivo em cantar a música de Harriet, “Stand Up”, no BAFTA como protesto às ausências de atores negros, acreditamos que ela deveria aceitar o convite e usar o palco e a projeção a seu favor. Além disso, a recusa do convite, de alguma forma, desprestigia toda a equipe do filme Harriet, que adoraria ver a canção apresentada no BAFTA.

Logo após o anúncio dos indicados ao BAFTA, e das críticas nas mídias, a organização da Academia Britânica prometeu realizar mudanças drásticas no sistema de votação para o ano de 2021. Mas o que seriam essas mudanças? Vão interferir de forma ilegal nos resultados? Não houve qualquer esclarecimento sobre essa parte, mas na cerimônia, o príncipe William tratou de jogar panos quentes na polêmica com a seguinte declaração: “Nos encontramos conversando novamente sobre a necessidade de fazer mais para abordar a diversidade no setor. Isso não pode estar certo nos dias de hoje”, ou seja, endossou que vai haver mudanças, nem que a família real precise intervir.

Prince-William

Príncipe William promete mudanças para o BAFTA de 2021 (pic by independenteagle.com)

E pra fechar, gostaria de mencionar o discurso de agradecimento de Brad Pitt (ele sempre agrada em seus discursos). Infelizmente, o ator não pôde comparecer ao evento devido a obrigações familiares, mas enviou uma nota para Margot Robbie ler em sua ausência:

Dentre as piadas de Pitt, destaque para duas: “Hey, Inglaterra! Fiquei sabendo que você ficou solteira. Bem-vinda ao clube!”, e depois fecha com uma melhor ainda, dizendo: “Vou chamar (o prêmio) de Harry, porque estou realmente excitado de trazê-lo para os Estados Unidos com ele”, demonstrando apoio à separação do príncipe Harry e Meghan Markle da família britânica.

SEGUEM OS VENCEDORES DO 73º BAFTA:

MELHOR FILME
1917 Pippa Harris, Callum McDougall, Sam Mendes, Jayne-Ann Tenggren

MELHOR FILME BRITÂNICO
1917 Sam Mendes, Pippa Harris, Callum McDougall, Jayne-Ann Tenggren, Krysty Wilson-Cairns

ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO ESTREANTE
BAIT Mark Jenkin (Roteirista/Diretor), Kate Byers, Linn Waite (Produtores)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
PARASITA Bong Joon-ho

DOCUMENTÁRIO
FOR SAMA Waad al-Kateab, Edward Watts

LONGA DE ANIMAÇÃO
KLAUS Sergio Pablos, Jinko Gotoh

DIREÇÃO
1917 Sam Mendes

ROTEIRO ORIGINAL
PARASITA Han Jin Won, Bong Joon-ho

ROTEIRO ADAPTADO
JOJO RABBIT Taika Waititi

ATRIZ
RENÉE ZELLWEGER Judy: Muito Além do Arco -Íris

ATOR
JOAQUIN PHOENIX Coringa

ATRIZ COADJUVANTE
LAURA DERN História de um Casamento

ATOR COADJUVANTE
BRAD PITT Era uma Vez em… Hollywood

TRILHA ORIGINAL
CORINGA Hildur Guđnadóttir

CASTING
CORINGA Shayna Markowitz

FOTOGRAFIA
1917 Roger Deakins

MONTAGEM
FORD VS FERRARI Andrew Buckland, Michael McCusker

DESIGN DE PRODUÇÃO
1917 Dennis Gassner, Lee Sandales

FIGURINO
ADORÁVEIS MULHERES Jacqueline Durran

MAQUIAGEM E CABELO
O ESCÂNDALO Vivian Baker, Kazu Hiro, Anne Morgan

SOM
1917 Scott Millan, Oliver Tarney, Rachael Tate, Mark Taylor, Stuart Wilson

EFEITOS VISUAIS
1917 Greg Butler, Guillaume Rocheron, Dominic Tuohy

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
GRANDAD WAS A ROMANTIC. Maryam Mohajer

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
LEARNING TO SKATEBOARD IN A WARZONE (IF YOU’RE A GIRL) Carol Dysinger, Elena Andreicheva

EE RISING STAR AWARD
MICHEAL WARD

ANNIE AWARDS: NETFLIX PREDOMINA com ‘KLAUS’ e ‘PERDI MEU CORPO’

Design sem nome (18)

NETFLIX: Klaus vence Melhor Longa de Animação, e Perdi Meu Corpo vence Animação Independente

COM DISNEY QUASE FIGURANTE, ANNIE AWARDS SE RENDE À NETFLIX

Enquanto o Oscar ainda tem rusgas com a Netflix, o prêmio especializado em animações reconhece a força criativa dela, que faltou aos grandes estúdios da Disney, Pixar e Dreamworks, que competiram com sequências. Na premiação, ocorrida neste último sábado, dia 26, o reinado da Disney ficou ameaçado pela empresa de streaming, que deixou de ser uma criadora de conteúdo insignificante para começar a ganhar prêmios importantes e espaço no coração do público direcionado diretamente para sua plataforma.

Claro que a Netflix ainda tem um longo caminho para percorrer para alcançar o status de uma Disney, mas esse respiro de originalidade de suas animações serviu como ótimo contraponto à estagnação de idéias originais que a Pixar sempre primou. Curiosamente, o grande vencedor da noite, Klaus, soube reciclar velhas idéias de animações da própria Disney através de uma trama natalina com aqueles elementos de magia de fim de ano. Porém, não limitou sua inventividade à trama, mas na técnica de animação que foi feita à mão, em 2D, mas com uma iluminação tridimensional inédita. E outro adendo importante: o design dos personagens foge daquele formato 3D que já estamos cansando de ver na Disney e Pixar, tanto que acabou sendo premiado justamente nesta categoria de Design de Personagens.

Klaus se tornou o recordista de prêmios ao levar no total sete Annies, com um aproveitamento de 100% em suas sete indicações. O diretor Sergio Pablos venceu como Diretor e como Melhor Storyboard, enquanto a animação também conquistou Melhor Design, Design de Produção e Editorial. Pra quem ficou curioso, Sergio Pablos já foi supervisor de animação da Disney em Tarzan (1999) e Planeta do Tesouro (2002), e seu estúdio The SPA Studios desenvolveu as histórias de Meu Malvado Favorito (2010) e PéPequeno (2018).

Quando o filme foi lançado no último mês de novembro, o pôster nos indicava uma animação mais genérica que passou a ser impulsionada pela campanha publicitária da Netflix. Depois da indicação do filme ao Oscar, conferimos a animação com certos preconceitos, mas fomos conquistados pelo belo visual da animação, pela dublagem excelente (especialmente de Jason Schwartzman como Jesper – se puderem, assistam com áudio original) e, por incrível que pareça, pela magia da história, que explorou os primórdios e a essência do que significa Natal. É uma animação que facilmente agradará o público infantil e o adulto, algo que a Pixar conseguia em 100% de suas animações.

Também da Netflix, a animação francesa Perdi Meu Corpo conquistou três Annies: Animação Independente, Trilha Musical para Dan Levy e Roteiro. Pra quem não conferiu a animação, a trama se divide em duas partes: uma acompanha Naoufel que se apaixona por Gabrielle, e a outra acompanha uma mão decepada (sim, estilo o Coisa de A Família Addams) pela cidade em busca de seu corpo. Aliás, as melhores cenas são da mão. Os movimentos da mão são impressionantes. A composição musical realmente é belíssima, e merecia até uma indicação ao Oscar.

Além desses 10 prêmios, a Netflix conquistou mais 9 em produções de formato televisivo como as séries animadas BoJack Horseman e Love, Death & Robots, que teve David Fincher na produção.

Já a Disney ficou com  cinco prêmios, sendo os destaques a premiação de Melhor Dublagem para Frozen 2 (Josh Gad fazendo a voz de Olaf) e de Melhor Animação de Personagens em Live Action para Vingadores: Ultimato. Enfim, um ano para esquecer da Disney, mas que sirva como incentivo a criar e/ou apoiar produções mais criativas. Inclusive, somos muito críticos dessa onda recente de live actions de animações. Pelo porte colossal da empresa, eles deveriam se arriscar mais em termos de originalidade, ou pelo menos ter um selo menor que tenha criatividade como essencial, senão ficará refém de suas próprias criações antigas eternamente.

Ainda nessa linha de raciocínio, tomara que perca, pelo segundo ano consecutivo (ano passado o vencedor foi Homem-Aranha no Aranha-Verso, da Sony), o Oscar de Longa de Animação, para que no dia seguinte, aquele chefão da empresa bata a mão na mesa de reunião e diga: “Esqueçam as sequências e reboots. Quero ver material novo!”. Sim, o Oscar tem esse poder de mudar o jogo, então, apesar de termos gostado de Toy Story 4, fica aqui nossa torcida para Klaus ou Perdi Meu Corpo.

Seguem os vencedores do 47º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Perdi Meu Corpo, Xilam for Netflix

MELHOR PRODUÇÃO ESPECIAL

  • How to Train Your Dragon Homecoming, DreamWorks Animation

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Uncle Thomas: Accounting for the Days, Ciclope Filmes, National Film Board of Canada, Les Armateurs

MELHOR VR (Vitual Reality)

  • Bonfire, Baobab Studios

MELHOR COMERCIAL

  • The Mystical Journey of Jimmy Page’s ‘59 Telecaster, Nexus Studios

MELHOR TV/Media – PRÉ-ESCOLA

  • Ask the Storybots, Episode: Why Do We Have To Recycle? JibJab Bros. Studios for Netflix

MELHOR TV/Media – CRIANÇAS

  • Disney Mickey Mouse, Episode: Carried Away, Disney TV Animation/Disney Channel

MELHOR TV/Media – PÚBLICO EM GERAL

  • BoJack Horseman, Episode: The Client, Tornante Productions  for Netflix

MELHOR FILME DE ESTUDANTE

  • The Fox & The Pigeon, Michelle Chua

MELHORES EFEITOS para TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: The Secret War, Blur for Netflix; FX Artist: Viktor Németh; FX Artist: Szabolcs Illés; FX Artist: Ádám Sipos; FX Artist: Vladimir Zhovna

MELHORES EFEITOS para LONGA

  • Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Benjamin Fiske, Alex Moaveni, Jesse Erickson; Dimitre Berberov; Kee Nam Suong

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – TV/Media

  • His Dark Materials, Episode: 8 BBC Studios; Lead Animator: Aulo Licinio; Character: Iroek

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Animation Supervisor: Sergio Martins; Character: Alva

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Live Action

  • Vingadores: Ultimato, Weta Digital; Animation Supervisor: Sidney Kombo- Kintombo

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Video Game

  • Unruly Heroes, Magic Design Studios; Character Animator: Sebastien Parodi; Characters: Heroes Kid version, Underworld NPC; Lead Animator: Nicolas Leger; Characters: Heroes (Wukong, Kihong, Sandmonk, Sanzang), All enemies (except Underworld levels) and cinematics

MELHOR DESIGN DE PERSONAGEM – TV/Media

  • Carmen Sandiego, Episode: The Chasing Paper Caper, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Character Designer: Keiko Murayama; Characters: Carmen Sandiego, Paper Star, Player, Shadowsan, Chief, Julia Argent, Chase Devineaux

MELHOR DESIGN DE PERSONAGEM – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Character Designer: Torsten Schrank

MELHOR DIREÇÃO – TV/Media

  • Disney Mickey Mouse, Episode: For Whom the Booth Tolls Disney TV Animation/Disney Channel; Director: Alonso Ramirez Ramos

MELHOR DIREÇÃO – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Director: Sergio Pablos

MELHOR TRILHA – TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: Sonnie’s Edge Blur for Netflix; Composer/Lyricist: Rob Cairns

MELHOR TRILHA – Longa

  • Perdi Meu Corpo, Xilam for Netflix; Composer: Dan Levy

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: The Witness, Blur for Netflix; Production Design: Alberto Mielgo

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Production Design: Szymon Biernaki; Production Design: Marcin Jakubowski

MELHOR STORYBOARDING – TV/Media

  • Carmen Sandiego, Episode: Becoming Carmen Sandiego: Part 1, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Storyboard Artist: Kenny Park

MELHOR STORYBOARDING – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Storyboard Artist: Sergio Pablos

MELHOR ATUAÇÃO VOCAL – TV/Media

  • Bob’s Burgers, Episode: Roamin’ Bob-iday, 20th Century Fox / Bento Box Entertainment; Cast: H. Jon Benjamin Character: Bob

MELHOR ATUAÇÃO VOCAL – Longa

  • Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Josh Gad: Josh Gad Character: Olaf

MELHOR ROTEIRO – TV/Media

  • Tuca & Bertie, Episode: The Jelly Lakes, Tornante Productions, LLC for Netflix; Writer: Shauna McGarry

MELHOR ROTEIRO – Longa

  • Perdi Meu Corpo, Xilam for Netflix; Writer: Jérémy Clapin; Writer: Guillaume Laurant

MELHOR EDITORIAL – TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: Alternate Histories Blur for Netflix; Bo Juhl; Stacy Auckland; Valerian Zamel

MELHOR EDITORIAL – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Pablo García Revert

 

%d blogueiros gostam disto: