Onde e quando acompanhar os indicados ao Oscar 2013

Seth MacFarlane e Emma Stone anunciam a categoria de Melhor Filme

Seth MacFarlane e Emma Stone anunciam a categoria de Melhor Filme (photo by guardian.co.uk)

As indicações acabaram de sair, mas já é possível acompanhar alguns filmes (lembrando que de forma legal, claro) nos cinemas e pelas locadoras e Netflixes da vida. Este ano, a maioria dos indicados estrearam em dezembro nos EUA, acarretando num atraso um pouco maior do que nos anos anteriores aqui no Brasil.

Ao contrário do ano passado, essa relação de filmes indicados será alterada toda semana para que todos possam acompanhar. Infelizmente, a maioria das cidades brasileiras não oferece a diversidade de produções necessária para os cinéfilos, mas, nesses casos, existem “outros meios”, certo?

DISPONÍVEIS EM DVD/BLU-RAY

Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman)

1 indicação: Efeitos Visuais

Espelho, Espelho Meu (Mirror Mirror)

1 indicação (póstuma): Figurino

ParaNorman (ParaNorman)

1 indicação: Animação

Prometheus (Prometheus)

1 indicação: Efeitos Visuais

Ted (Ted)

1 indicação: Canção Original

Valente (Brave)

1 indicação: Animação

Os Vingadores (The Avengers)

1 indicação: Efeitos Visuais

Os efeitos visuais de Prometheus foram reconhecidos

Os efeitos visuais de Prometheus foram reconhecidos

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

007 – Operação Skyfall (Skyfall)

5 indicações: Fotografia, Trilha Musical Original, Canção Original, Som e Efeitos Sonoros.

O Amante da Rainha (En kongelig affære)

1 indicação: Filme Estrangeiro

Amor (Amour)

5 indicações: Filme, Diretor, Atriz (Emmanuelle Riva), Roteiro Original e Filme Estrangeiro.

Argo (Argo)

7 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Alan Arkin), Roteiro Original, Montagem, Trilha Musical Original, Som e Efeitos Sonoros.

As Aventuras de Pi (Life of Pi)

11 indicações: Filme, Diretor, Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Trilha Musical Original, Canção Original, Som, Efeitos Sonoros, Efeitos Visuais.

Detona Ralph (Wreck-it Ralph)

1 indicação: Animação

Django Livre (Django Unchained)

5 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Christoph Waltz), Roteiro Original, Fotografia e Efeitos Sonoros.

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (The Hobbit: An Unexpected Journey)

3 indicações: Direção de Arte, Maquiagem e Efeitos Visuais

A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)

5 indicações: Filme, Atriz (Jessica Chastain), Roteiro Original, Montagem e Efeitos Sonoros.

O Impossível (Lo Imposible)

1 indicação: Atriz (Naomi Watts)

O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

8 indicações: Filme, Diretor, Ator (Bradley Cooper), Atriz (Jennifer Lawrence), Ator Coadjuvante (Robert De Niro), Atriz Coadjuvante (Jacki Weaver), Roteiro Adaptado e Montagem.

Lincoln (Lincoln)

12 indicações: Filme, Diretor, Ator (Daniel Day-Lewis), Ator Coadjuvante (Tommy Lee Jones), Atriz Coadjuvante (Sally Field), Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical Original e Som.

O Mestre (The Master)

3 indicações: Ator (Joaquin Phoenix), Ator Coadjuvante (Philip Seymour Hoffman) e Atriz Coadjuvante (Amy Adams).

Os Miseráveis (Les Misérables)

8 indicações: Filme, Ator (Hugh Jackman), Atriz Coadjuvante (Anne Hathaway), Direção de Arte, Figurino, Maquiagem, Canção Original e Som.

No (No)

1 indicação: Filme Estrangeiro

As Sessões (The Sessions)

1 indicação: Atriz Coadjuvante (Helen Hunt)

O Vôo (Flight)

2 indicações: Ator (Denzel Washington) e Roteiro Original

Pela segunda vez, Naomi Watts é indicada ao Oscar por um papel sofrido que deteriora sua aparência em O Impossível (photo by OutNow.CH)

Pela segunda vez, Naomi Watts é indicada ao Oscar por um papel sofrido que deteriora sua aparência em O Impossível (photo by OutNow.CH)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

22/02/13: Anna Karenina (Anna Karenina)

4 indicações: Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Trilha Musical Original.

22/02/13: Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)

4 indicações: Filme, Diretor, Atriz (Quvenzhané Wallis) e Roteiro Adaptado.

01/03/13: Hitchcock (Hitchcock)

1 indicação: Maquiagem

Flight concede nova indicação para Denzel Washington e outra para Roteiro Original

Flight concede nova indicação para Denzel Washington e outra para Roteiro Original (photo by OutNow.CH)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM DVD/BLU-RAY

Frankenweenie (Frankenweenie)

1 indicação: Animação

Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)

1 indicação: Roteiro Original

Piratas Pirados! (The Pirates! In an Adventure with Scientists)

1 indicação: Animação

ParaNorman bateu fortes concorrentes como A Origem dos Guardiões para chegar à reta final

ParaNorman bateu fortes concorrentes como A Origem dos Guardiões para chegar à reta final (photo by OutNow.CH)

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA

5 Broken Cameras

1 indicação: Documentário

Chasing Ice

1 indicação: Canção Original

How to Survive a Plague

1 indicação: Documentário

Kon-Tiki

1 indicação: Filme Estrangeiro

Searching for Sugar Man

1 indicação: Documentário

The Gatekeepers

1 indicação: Documentário

The Invisible War

1 indicação: Documentário

War Witch (Rebelle)

1 indicação: Filme Estrangeiro

Quando poderemos conferir o documentário 5 Broken Cameras? (photo by OutNow.CH)

Quando poderemos conferir o documentário 5 Broken Cameras? (photo by OutNow.CH)

Anúncios

104 Trilhas musicais pré-selecionadas para o Oscar 2013

O compositor e maestro John Williams conduz sua orquestra

O compositor e maestro John Williams conduz sua orquestra

Se você achava que 71 filmes estrangeiros disputando 5 vagas era um concorrência acirrada, o que dizer então das 104 trilhas musicais que foram pré-selecionadas para o Oscar?

Claro que alguns nomes dessa extensa lista são figurinhas carimbadas da Academia como é o caso de John Williams, o recordista de indicações com “apenas” 47. Ele tem praticamente uma cadeira cativa na Academia. Não tem quem preencher a última indicação? Chama o John Williams! Pode soar exagero, mas apesar da idade avançada, o compositor de tantos sucessos como Star Wars e Tubarão, continua dando um baile em muitos profissionais de renome da área.

Em termos de chances, alguns compositores previamente indicados ao Oscar estão na frente pela quantidade de trabalhos incluídos nessa lista. O artista que mais aparece é Danny Elfman, com suas cinco trilhas: Sombras da Noite, Frankenweenie, Hitchcock, Homens de Preto 3 e Promised Land. Ao todo, foi indicado quatro vezes ao Oscar por Homens de Preto, Gênio Indomável em 1998, Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas em 2004, e Milk – A Voz da Igualdade em 2009, mas nunca levou a estatueta.

O compositor francês Alexandre Desplat: 3 chances de concorrer ao Oscar

O compositor francês Alexandre Desplat: 3 chances de concorrer ao Oscar

Seguindo o mesmo jejum, o ótimo compositor francês Alexandre Desplat também teve quatro chances no Oscar: Em 2007, por A Rainha, em 2009, por O Curioso Caso de Benjamin Button, e nos dois anos seguintes por O Fantástico Sr. Raposo e O Discurso do Rei nessa ordem. Este ano, eles possui três trabalhos na lista: Argo, a animação A Origem dos Guardiões e o filme bélico Zero Dark Thirty. Acredito que sua maior chance reside no filme de Kathryn Bigelow.

Claro que, apesar de terem apenas um trabalho na lista, vale ressaltar o peso do nome do argentino Gustavo Santaolalla pelo road-movie de Walter Salles, Na Estrada. Em suas duas únicas indicações ao Oscar, Santaolalla conseguiu 100% de aproveitamento pelas belíssimas trilhas musicais de O Segredo de Brokeback Mountain e Babel. Seguramente, não há melhor compositor que explore o violão como ele, e acrescente um tempero latino aos filmes que empresta sua música.

O argentino Gustavo Santaolalla e seu violão. Terceira indicação por Na Estrada?

O argentino Gustavo Santaolalla e seu violão. Terceira indicação por Na Estrada?

Nas mesmas condições de ter um trabalho, o italiano Dario Marianelli volta com uma nova parceria com o diretor Joe Wright pelo romance de época Anna Karenina. Ele concorreu duas vezes por Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, vencendo pelo último com um interessante arranjo feito pelo ruído das máquinas de escrever, explorando conceito da história. E também incluo o compositor Jonny Greenwood, que trabalhou pela segunda vez com o diretor Paul Thomas Anderson no The Master. Greenwood é mais conhecido por ser guitarrista do grupo musical Radiohead, mas já ganhou inúmeros prêmios e elogios pela trilha intensa de Sangue Negro (2007).

Ok, sem mais delongas, eis as 104 trilhas pré-selecionadas para o Oscar 2013:

Abraham Lincoln: O Caçador de Vampiros (Abraham Lincoln: Vampire Hunter), por Henry Jackman
After the Wizard, por Stephen Main
A Sombra do Inimigo (Alex Cross), por John Debney e Sebastian Morton
O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man), por James Horner
Anna Karenina, por Dario Marianelli
Argo (Argo), por Alexandre Desplat
Battleship – A Batalha dos Mares (Battleship), por Steve Jablonsky
The Bay, por Marcelo Zarvos
Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild), por Dan Romer e Benh Zeitlin
Being Flynn, por Damon Gough
O Exótico Hotel Marigold (The Best Exotic Marigold Hotel), por Thomas Newman
O Grande Milagre (Big Miracle), por Cliff Eidelman
Booker’s Place: A Mississippi Story, por David Cieri

Valente (Brave), por Patrick Doyle
Brooklyn Castle, por B. Satz
Chasing Ice, por J. Ralph
Chasing Mavericks, por Chad Fischer
Frango com Ameixas (Chicken With Plums), por Olivier Bernet
Chimpanzé (Chimpanzee), por Nicholas Hooper
A Viagem (Cloud Atlas), por Reinhold Heil e Johnny Klimek
Compliance, por Heather McIntosh
Contrabando (Contraband), por Clinton Shorter
Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises), por Hans Zimmer
Sombras da Noite (Dark Shadows), por Danny Elfman
Querido Companheiro (Darling Companion), por James Newton Howard
A Fuga (Deadfall), por Marco Beltrami e Buck Sanders
O Ditador (The Dictator), por Erran Baron Cohen
O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida (Dr. Seuss’ The Lorax), por John Powell
Marcados Para Morrer (End of Watch), por David Sardy
Ethel, por Miriam Cutler
Flight, por Alan Silvestri
For a Good Time, Call…, por John Swihart
For Greater Glory: The True Story of Cristiada, por James Horner
Frankenweenie (Frankenweenie), por Danny Elfman
Fun Size, por Deborah Lurie
Girl in Progress, por Christopher Lennertz
A Perseguição (The Grey), por Marc Streitenfeld
The Guilt Trip, por Christophe Beck
Hidden Moon, por Luis Bacalov
Hitchcock, por Danny Elfman
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (Hobbit: An Unexpected Journey), por Howard Shore
Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania), por Mark Mothersbaugh
A Última Casa da Rua (House at the End of the Street, por Theo Green
Jogos Vorazes (The Hunger Games), por James Newton Howard
Hyde Park on Hudson, por Jeremy Sams
A Era do Gelo 4 (Ice Age Continental Drift), por John Powell
O Impossível (The Impossible), por Fernando Velázquez
Jack Reacher, por Joe Kraemer
John Carter – Entre Dois Mundos (John Carter), por Michael Giacchino
Viagem 2: A Ilha Misteriosa (Journey 2: The Mysterious Island), por Andrew Lockington
Os Infratores (Lawless), por Nick Cave e Warren Ellis
As Aventuras de Pi (Life of Pi), por Mychael Danna
Lincoln, por John Williams
Lola Versus, por Will Bates e Philip Mossman
Looper: Assassinos do Futuro (Looper), por Nathan Johnson
Um Homem de Sorte (The Lucky One), por Mark Isham
LUV, por Nuno Malo
The Man with the Iron Fists, por RZA e Howard Drossin
Os Vingadores (Marvel’s The Avengers), Alan Silvestri
The Master, por Jonny Greenwood
Homens de Preto 3 (Men in Black 3), por Danny Elfman
Middle of Nowhere, por Kathryn Bostic
Espelho, Espelho Meu (Mirror, Mirror), por Alan Menken
A Estranha Vida de Timothy Green (The Odd Life of Timothy Green, por Geoff Zanelli
Na Estrada (On the Road), por Gustavo Santaolalla
The Pardon, por Ashley Irwin
Parental Guidance, por Marc Shaiman
People Like Us, por A.R. Rahman
Possessão (The Possession), por Anton Sanko
Prometheus (Prometheus), por Marc Streitenfeld
Promised Land, por Danny Elfman
Operação Invasão (The Raid: Redemption), por Mike Shinoda e Joseph Trapanese
Red Tails, por Terence Blanchard
A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians), por Alexandre Desplat
Ruby Sparks – A Namorada Perfeita (Ruby Sparks), por Nick Urata
Protegendo o Inimigo (Safe House), por Ramin Djawadi
Safety Not Guaranteed, por Ryan Miller
Saint Dracula, por Sreevalsan J. Menon
Selvagens (Savages), por Adam Peters
Procura-se um Amigo Para o Fim do Mundo (Seeking a Friend for the End of the World), por Rob Simonsen e Jonathan Sadoff
The Sessions, por Marco Beltrami
A Entidade (Sinister), por Christopher Young
007 – Operação Skyfall (Skyfall), por Thomas Newman
Smashed, por Eric D. Johnson e Andy Cabic
Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman), por James Newton Howard
Busca Implacável 2 (Taken 2), por Nathaniel Mechaly
Ted (Ted), por Walter Murphy
Pense Como Eles (Think Like a Man), por Christopher Lennertz
Guerra é Guerra (This Means War), por Christophe Beck
As Mil Palavras (A Thousand Words), por John Debney
Os Três Patetas (The Three Stooges), por John Debney
Trashed, por Vangelis
Curvas da Vida (The Trouble With the Curve), por Marco Beltrami
Anjos da Lei (21 Jump Street), por Mark Mothersbaugh
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2 (The Twilight Saga: Breaking Dawn – Part 2), por Carter Burwell
Until They Are Home, por Jamie Dunlap
War of the Worlds The True Story, por Jamie Hall
Vizinhos Imediatos de 3º Grau (The Watch), por Christophe Beck
West of Memphis, por Nick Cave e Warren Ellis
E Agora Onde Vamos? (Where Do We Go Now?), por Khaled Mouzanar
Won’t Back Down, por Marcelo Zarvos
As Palavras (The Words), por Marcelo Zarvos
Detona Ralph (Wreck-It Ralph), por Henry Jackman
Zero Dark Thirty, por Alexandre Desplat

Hans Zimmer e James Newton Howard quando fizeram a trilha de Batman: O Cavaleiro das Trevas

Hans Zimmer e James Newton Howard quando fizeram a trilha de Batman: O Cavaleiro das Trevas

À principio, meu palpite é o seguinte:

– Danny Elfman (Frankenweenie)

– Howard Shore (O Hobbit – Uma Jornada Inesperada)

– John Williams (Lincoln)

– Jonny Greenwood (The Master)

– Alexandre Desplat (Zero Dark Thirty)

Dez finalistas para Melhores Efeitos Visuais no Oscar 2013

Scarlett Johansson e Jeremy Renner em meio a destroços reais e fundo composto digitalmente graças ao green screen de Os Vingadores (photo by beyondhollywood.com).

Depois da categoria de Melhor Animação ter peneirado algumas produções rumo às cinco cobiçadas vagas no Oscar 2013 (https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/11/07/21-animacoes-inscritas-para-o-oscar-2013/), chegou a vez dos Melhores Efeitos Visuais. De tantas produções que usaram bem os efeitos digitais e práticos, restaram apenas dez que brigam para permanecer entre os finalistas que serão divulgados no dia 10 de janeiro de 2013.

Analisando os vencedores dos últimos cinco anos, a Academia criou esse costume de premiar filmes que apresentam um conjunto uniforme de efeitos, ou seja, que não oferecem apenas criaturas digitais, mas que combinem harmonicamente esses efeitos criados em computador com efeitos práticos feitos no set de filmagem. A Invenção de Hugo Cabret e A Origem, vencedores nessa categoria, tiveram uma equipe que soube aliar perfeitamente o real com o digital, obedecendo aquela máxima: “Efeito bom é aquele que nem se percebe”, daquele que o espectador se pergunta: “Como eles fizeram isso?”.

Vale ressaltar que a categoria de Melhores Efeitos Visuais abrange efeitos digitais, mas também efeitos especiais como as explosões realizadas em set de filmagem, tiros e sangue, miniaturas de prédios e construções, entre outros.

Apesar de termos mais um filme de Peter Jackson com hobbits, não existe necessariamente um favorito este ano. Mas alguns efeitos saem na frente como o próprio O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge e Os Vingadores pelo estrondoso sucesso de bilheteria.

Coincidência ou não, as outras duas vagas podem ser preenchidas por outros dois sucessos comerciais: o reboot O Espetacular Homem-Aranha e 007 – Operação Skyfall, cujo burburinho vem crescendo na temporada de premiação comemorando os 50 anos do agente secreto James Bond, e conta ainda com um dos papas dos efeitos práticos: Chris Corbould.

O novo filme de Ang Lee, As Aventuras de Pi, depende bastante dos efeitos visuais, mas ao ver o trailer, confesso que não gostei muito do resultado pelo tipo mais fantasioso do efeito. Espero que o filme em si seja melhor e prove os valores dos efeitos digitais.

Cena de As Aventuras de Pi. Aspecto visual é destaque do novo filme de Ang Lee. (photo by beyondhollywood.com)

Segue a lista com os 10 filmes finalistas:

– 007 – Operação Skyfall (Skyfall)

– As Aventuras de Pi (Life of Pi)

– Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises)

– Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman)

– O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man)

– John Carter (John Carter)

– O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (The Hobbit: An Unexpected Journey)

– Prometheus (Prometheus)

– A Viagem (Cloud Atlas)

– Os Vingadores (The Avengers)

 

Os membros da comissão de Efeitos Visuais da Academia terão a oportunidade de ver trechos de 10 minutos de duração dos concorrentes no dia 03 de janeiro, e então votar nos cinco indicados da categoria.

A cerimônia da 85ª edição do Oscar será transmitida no dia 24 de fevereiro de 2013.

Espelho, Espelho Meu (Mirror Mirror), de Tarsem Singh (2012)

Espelho, Espelho Meu

Filme capricha em aspecto estético, mas se perde no tom

Assim como eu, 99% das pessoas ainda associa os contos de fada às animações da Disney, afinal, foram décadas de pioneirismo na arte da animação. Hoje, mesmo após a revolução satírica que Shrek causou nesse universo em 2001, a universalidade das fábulas ainda se mostra uma mina de ouro para Hollywood. Como prova disso, este ano, duas produções que adaptaram o conto Branca de Neve serão lançadas nos cinemas: este Espelho, Espelho Meu e em junho, Branca de Neve e o Caçador. Enquanto o primeiro busca agradar todas as faixas etárias, o segundo visa despertar o interesse do público pelo lado mais sombrio da história.

Mas adaptar os contos de fada, especialmente os escritos pelos irmãos Grimm, podem se tornar grandes armadilhas, afinal todo mundo praticamente nasce conhecendo as histórias, portanto seria necessário buscar perspectivas inovadoras sem desrespeitar o material original. Além disso, como os contos carregam essa essência cruel e até sexual que muitos pais “cortam” ao ler para os filhos pequenos antes de dormir, os filmes teriam que saber lidar com essas entrelinhas se quiserem conquistar os adultos também, afinal, são eles que levam as crianças para assistir ao filme.

Seguindo essa lógica, quando contrataram o cineasta indiano Tarsem Singh (conhecido por explorar o universo de um serial killer no filme A Cela) para comandar Espelho, Espelho Meu, achei que essa questão estaria bem resolvida: enquanto a produção se encarregaria do visual colorido para o público infantil, o diretor entreteria os mais velhos com as entrelinhas. Na teoria funciona, mas na prática o filme se perde em vários tons indefinidos e não sabe a quem agradar. As crianças podem até se encantar com a história e umas gags, mas o público mais velho corre sério risco de ficar entediado na sala, pois nessa salada toda, ficou faltando o tempero da ambiguidade que o conto original permite.

Tarsem Singh dirigindo suas atrizes

Obviamente, o filme é bem feito nos mínimos detalhes como uma grande produção hollywoodiana manda. Além dos efeitos visuais (tirando o monstro tosco), a direção de arte enche os olhos, especialmente os aposentos do castelo da Rainha Má e o casebre dos anões na floresta. Mas nada se destaca tanto quanto o trabalho de figurino de Eiko Ishioka, que são um espetáculo à parte. A atriz Julia Roberts deveria ser a mais agradecida à figurinista, já que sua atuação ganhou ares mais maléficos e cômicos que o papel requer. Apesar do árduo esforço de usar vestimentas pesadas, a atriz se destaca devidamente como celebridade do primeiro escalão.

Trabalho primoroso de Eiko Ishioka

Infelizmente, este foi o último trabalho da figurinista japonesa Eiko Ishioka. Ela faleceu em janeiro aos 73 anos, encerrando uma forte parceria com o diretor Tarsem Singh que vinha desde A Cela (2000). Venceu o Oscar da categoria em 1993 por Drácula de Bram Stoker, e com este trabalho lançado postumamente, deve voltar a concorrer como Melhor Figurino em 2013.

Tarsem Singh tem uma forte veia visual em seus trabalhos, o que o faz se assemelhar a Tim Burton, responsável por títulos como Edward Mãos-de-Tesoura e Noiva Cadáver. Curiosamente, ambos resolveram adaptar fábulas para o cinema, mas foram um pouco vítimas do sistema predominado por produtores de Hollywood. Seria algo como: “Vamos contratá-lo pelo seu nome e seu forte apelo estético, mas a palavra final é do estúdio”. Hoje em dia, os produtores (e detentores do dinheiro) não se arriscam em mais nada. Preferem refilmar algo de sucesso ou adaptar um livro best-seller como Jogos Vorazes a apostar em novos formatos e inovações de linguagem. Se não gostam do final, dispensam o diretor e assinam um novo final; simples assim.

Alice no País das Maravilhas: Quando o cartaz foi lançado, todos já queriam ver o filme

Por um lado até entendo, afinal, Alice no País das Maravilhas custou cerca de 200 milhões de dólares, mas quais as chances de Tim Burton naufragar um filme como esse? A bilheteria mundial certamente se encarregaria de um fracasso em território americano. E esse forte receio do fracasso comercial que tem ditado as regras dos filmes americanos de hoje, que também vitimou Espelho, Espelho Meu.

Ok, o filme tem um orçamento bem menor de 85 milhões de dólares e o diretor é bem menos conhecido que Burton, mas acredito que se dessem mais carta branca ao diretor, o resultado final teria sido bem mais instigante e chamativo. Ao que parece, Tarsem não teve como apitar na escalação do elenco. Lily Collins e Armie Hammer já eram escolhas certas para viver o casal Branca de Neve e o Príncipe Alcott, mas os jovens atores não conseguem demonstrar empatia alguma em cena, algo que seria fundamental para o bom andamento da trama e principalmente para conquistar a torcida do público. Eu mesmo queria que a Rainha Má matasse logo todo mundo!

“Mais empatia?”

Espelho, Espelho Meu tenta inverter alguns papéis como forma de atualizar o conto do século XIX, transformando a jovem princesa numa aventureira e o príncipe num covarde que vive levando a pior, mas é a Rainha Má e seu lacaio Brighton (Nathan Lane) que roubam a cena com momentos mais engraçadinhos. Seus personagens discutem formas de administração de um reinado, formas de salvar a política econômica (reflexo da crise na Europa?) e até moda e beleza! Tratamentos estéticos contra a velhice são um dos poucos ápices bem explorados do contos dos Grimm. A Rainha Má faz uso de alguns deles que são bastante reais como os excrementos de papagaio para passar no rosto (foto abaixo), manicure feita por pequenos peixes que comem a pele velha, massagem de cobra e lábios à la Angelina Jolie com o auxílio de picadas de abelha (mas este último parece que não existe mesmo).

Vai um pouco de cocô de papagaio fresco?

Como todo filme dirigido por Tarsem Singh, ele oferece um espetáculo visual de tirar o chapéu. Os cenários foram feitos para suportar um ótimo resultado final, mas sem o essencial, que seriam química entre os atores e personagens e diálogos mais afiados, o filme inevitavelmente vai ficando chato e monótono. Aqueles 100 minutos parecem 200 e no final, Espelho, Espelho Meu não passa de um aperitivo para Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman), que tem previsão de estréia no Brasil para 1º de junho. Confira o trailer para ver se também te apetece:

http://www.youtube.com/watch?v=0Moa6lGuhw4&feature=fvst