‘TRANSFORMERS’ LIDERA as INDICAÇÕES ao FRAMBOESA DE OURO. SOBRA até para ‘MÃE!’, de DARREN ARONOFSKY

razzie transformers_mummy_and_pirates_of_the_caribbean_still_-_split_-_photofest_-_h_2018.jpg

Da esquerda para a direita: Transformers: O Último Cavaleiro, A Múmia e Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar formam a nata do Framboesa de Ouro (montage by The Hollywood Reporter)

QUINTO FILME DE TRANSFORMERS SE JUNTA A OUTRAS PÉROLAS DO CINEMA AMERICANO

Aah… o que seria dos bons filmes se não fossem os ruins? Se tem uma coisa que admiro da indústria de cinema americana é que ela sabe rir de si mesma, seja fazendo sátiras de sucessos comerciais como os filmes da franquia Todo Mundo em Pânico, seja através do Framboesa de Ouro, que coroa os piores do ano de forma bastante irônica e necessária.

Nesta 38ª edição, o Framboesa temos o chorume do lixo americano como as refilmagens de A Múmia, a quinta parte de Transformers (que lidera com nove indicações!), a continuação Cinquenta Tons Mais Escuros, a refilmagem da série de TV Baywatch (que já era ruim) e a animação bem desnecessária Emoji: O Filme. Todas as inclusões indiscutíveis.

O único porém aqui, na minha humilde opinião, foi a inclusão do diretor Darren Aronofsky por Mãe!. Eu sei que tem muita gente que odeia o filme mega metafórico com significados bíblicos, e eu entendo as razões, mas temos que dar o braço a torcer porque pelo menos o diretor tentou e conseguiu fazer algo diferente. Quantas vezes você não cansou daqueles mesmos filmes com as mesmas fórmulas de sempre? É graças a inovadores como Aronofsky, que dão a cara para bater, que o cinema hoje ainda é uma Arte respeitada. Se não houvesse artistas buscando mudanças, o Cinema hoje não passaria de entretenimento sem conteúdo.

Mother!_.jpg

Jennifer Lawrence e Javier Bardem disputam o Framboesa de Ouro por Mãe! (pic by imdb.com)

Mas aí outro pode reclamar: “Mas Jennifer Lawrence e Javier Bardem estavam péssimos e mereciam indicações ao Framboesa”. Ok, suas performances não eram mesmo dignas de nota, mas temos que levar em conta que são personagens e situações bastante incomuns, quase como um teatro non-sense, e que mesmo se fossem Meryl Streep e Daniel Day-Lewis no lugar deles, não seriam interpretações bem aceitas pelo público.

Em relação a Jennifer Lawrence, vejo a indicação dela do mesmo modo que os organizadores devem ter pensado: “Vamos inclui-la para que ela se toque que está havendo um excesso de exposição”. Todo ano tem filme com J-Law, às vezes até mais, e isso desgasta a imagem do ator ou atriz, que nem sempre vai acertar nas suas escolhas de projetos e até mesmo nas atuações.

Falando ainda em excessos, dentre os indicados, já deu de filmes de Piratas do Caribe e de robôs gigantes de Transformers, né? Eles podem até continuar fazendo dinheiro nas bilheterias, mas a cada novo filme, as idéias ficam mais estapafúrdias. Daqui a pouco vão ter piratas transsexuais e robôs gigantes contra Godzilla.

Bom, se tem uma lista de filmes que não faço a mínima questão de assistir é a lista do Framboesa de Ouro! Como sempre digo para um amigo meu: “Se não me sobra nem tempo pra ver filmes bons, pra que vou gastá-lo com filmes que sei que são ruins?”. Claro que sei também que, como um bom cinéfilo, devo assistir de tudo sem preconceitos, portanto dos que assisti, posso concordar em absoluto com as indicações para A Múmia (já citei os motivos do filme ter naufragado no meu post de Retrospectiva 2017), mas honestamente, achei que a adaptação de Stephen King, A Torre Negra, também deveria bombar aqui. Assim como deveriam ter incluído na categoria de Pior Sequência O Chamado 3 e Alien: Covenant. Só não incluíram Ridley Scott na parada porque ele pode ter os genes suicidas do irmão…

Ah! E só mais uma coisa: Katherine Heigl é a pior atriz atualmente em Hollywood. Essa tentativa ridícula de ser Glenn Close em Atração Fatal é de doer.

katherine heigl razzie

Katherine Heigl em momento da atriz do método em Paixão Obsessiva (pic by imdb.com)

INDICADOS AO FRAMBOESA DE OURO:

PIOR FILME
Baywatch (Baywatch)
Emoji: O Filme (The Emoji Movie)
Cinquenta Tons Mais Escuros (Fifty Shades Darker)
A Múmia (The Mummy)
Transformers: O Último Cavaleiro (Transformers: The Last Knight)

PIOR ATRIZ
Katherine Heigl (Paixão Obsessiva)
Dakota Johnson (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Jennifer Lawrence (Mãe!)
Tyler Perry (BOO! 2: A Medea Halloween)
Emma Watson (O Círculo)

PIOR ATOR
Tom Cruise (A Múmia)
Johnny Depp (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar)
Jamie Dornan (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Zac Efron (Baywatch)
Mark Wahlberg (Pai em Dose Dupla 2) & (Transformers: O Último Cavaleiro)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Javier Bardem (Mãe!) & (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar)
Russell Crowe (A Múmia)
Josh Duhamel (Transformers: O Último Cavaleiro)
Mel Gibson (Pai em Dose Dupla 2)
Anthony Hopkins (Collide) & (Transformers: O Último Cavaleiro)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Kim Basinger (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Sofia Boutella (A Múmia)
Laura Haddock (Transformers: O Último Cavaleiro)
Goldie Hawn (Viagem das Loucas)
Susan Sarandon (Perfeita é a Mãe 2)

PIOR COMBO
* Qualquer combinação de dois personagens, brinquedos sexuais ou posições sexuais  (Cinquenta Tons Mais Escuros)
* Qualquer combinação entre dois humanos, dois robôs ou duas explosões (Transformers: O Último Cavaleiro)
* Qualquer encontro de dois emojis (Emoji: O Filme)
* Johnny Depp e seu estilo bêbado de atuar  (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar)
* Tyler Perry e qualquer vestido velho ou peruca ruim (BOO! 2: A Madea Halloween)

PIOR REFILMAGEM, CÓPIA OU SEQUÊNCIA
Baywatch
BOO 2: A Medea Halloween
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

PIOR DIRETOR
Darren Aronofsky (Mãe!)
Michael Bay (Transformers: O Último Cavaleiro)
James Foley (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Alex Kurtzman (A Múmia)
Anthony (Tony) Leonidis (Emoji: O Filme)

PIOR ROTEIRO
Baywatch
Emoji: O Filme
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

***

Como costumeiro, os vencedores serão anunciados um dia antes da cerimônia do Oscar, mais precisamente no dia 03 de março.

Anúncios

‘TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME’ domina o SAG com 4 indicações

Three billboards 2.jpg

Sam Rockwell e Frances McDormand em cena de Três Anúncios Para um Crime (pic by CineImage)

FILME SOBRE IMPUNIDADE CONQUISTA 4 INDICAÇÕES, INCLUINDO ELENCO

Na manhã da última quarta, dia 13, as atrizes Olivia Munn e Niecy Nash se encarregaram de anunciar os indicados do SAG Awards, prêmio do sindicato de atores. Pelo menos o anúncio contou com uma TV com a imagem de cada indicado, ao contrário do precário anúncio do Globo de Ouro.

“Big Little Lies,” “Stranger Things,” and “GLOW” each scored four nods on the TV side, while “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” landed four nominations and “Lady Bird” received three for film.

NÚMEROS

O novo filme de Martin McDonagh lidera o ranking com quatro indicações: Atriz (Frances McDormand), Ator Coadjuvante (Woody Harrelson e Sam Rockwell) e Elenco. Logo em seguida, com 3 indicações, Lady Bird conquistou Atriz (Saoirse Ronan), Atriz Coadjuvante (Laurie Metcalf) e Elenco, que curiosamente inclui Timothée Chalamet, indicado como Melhor Ator por Me Chame Pelo Seu Nome.

Já pela ala da TV, houve um empate entre Big Little Lies, Stranger Things e GLOW, cada um com quatro indicações cada. Embora não seja um acompanhador assíduo de séries, foi uma surpresa ver esse alto reconhecimento para GLOW, série da Netflix sobre a vida pessoal e profissional de mulheres que lutam Luta Livre em Los Angeles.

LGBT EM QUEDA…

O fato do filme de Luca Gudagnino ter conquistado apenas uma indicação certamente enfraqueceu a campanha do filme rumo ao Oscar. Já é possível ler uma série de comentários na internet criticando essa decaída, e por consequência, o conservadorismo da Academia que voltaria a prevalecer contra um filme de temática LGBT.

CALL ME BY YOUR NAME 3

Timothée Chalamet em cena de Me Chame Pelo Seu Nome com Armie Hammer e Michael Stuhlbarg (pic by outnow.ch)

Realmente, a Academia sempre torceu o nariz para esses filmes, mas acredito que os caubóis de Brokeback Mountain ainda podem ser vingados. Se o filme obtiver indicações relevantes no Oscar como Filme, Diretor, Ator e Roteiro Adaptado, pode haver boas chances de vitória, pois não devemos esquecer que nos últimos 3 anos, vários novos membros foram convidados para votar no Oscar, incluindo profissionais internacionais, mulheres e minorias étnicas. Resta saber se esse novo contingente pode já fazer a diferença.

… E THE POST DE FORA DA FESTA

Se o novo filme de Steven Spielberg começou bem a temporada arrebatando três prêmios no National Board of Review, e depois conquistando importantes indicações no Critics’ Choice e Globo de Ouro, acabou sendo esquecido por completo no SAG. Tom Hanks era dúvida, mas Meryl Streep parecia ser uma certeza, até mesmo porque sua atuação foi bem elogiada, ou seja, não seria uma indicação cômoda.

the post 2

Tom Hanks e Meryl Streep em The Post: A Guerra Secreta. Nenhuma indicação ao SAG. Pic by outnow.ch

Como The Post: A Guerra Secreta foi exibido para o comitê de indicações do SAG uma semana antes do encerramento, isso pode ter contribuído, e muito, para sua ausência na lista de indicados, mas acredito que não deva ser grande empecilho para o Oscar. Outro filme que passou atrasado foi Trama Fantasma, de Paul Thomas Anderson, que também falhou em indicar seus atores: Daniel Day-Lewis, Vicky Krieps e Lesley Manville.

SURPRESAS NO ELENCO

As inclusões de Lady Bird e Três Anúncios Para um Crime eram esperadas na categoria. Já as exclusões de The Post e A Forma da Água causaram certo choque. O filme de Guillermo del Toro foi indicado apenas para Atriz (Sally Hawkins) e Ator Coadjuvante (Richard Jenkins), porém Octavia Spencer, que vinha sendo reconhecida em premiações, ficou de fora como Atriz Coadjuvante.

As surpresas ficaram por conta de Doentes de Amor (The Big Sick) e Mudbound. Curiosamente, ambas as produções conquistaram apenas mais uma indicação, mais especificamente na categoria de Atriz Coadjuvante: Holly Hunter pelo primeiro, e Mary J. Blige pelo segundo. Com esse reconhecimento no SAG, as duas devem ser indicadas ao Oscar.

the-big-sick-mit-holly-hunter-und-ray-romano.jpg

Cena de Doentes de Amor com Holly Hunter e Ray Romano. Hunter obteve indicação com Coadjuvante. Pic by moviepilot.de

ESTATÍSTICAS DO SAG NO OSCAR

Nos últimos 22 anos, nenhum filme vencedor do Oscar de Melhor Filme deixou de ser pelo menos indicado a Melhor Elenco no SAG. A última vez que isso aconteceu foi em 1996, quando Coração Valente levou o Oscar, enquanto Apollo 13 papou os prêmios dos sindicatos. Este ano, La La Land não estava entre os indicados a Elenco no SAG. Resultado: Moonlight levou Melhor Filme no Oscar. Essa estatística dá uma boa brecada no hype de A Forma da Água, que vinha de dois recordes de indicação no Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas que não consegui indicação para Elenco no SAG. Assim como Dunkirk que ficou apenas com indicação para o trabalho de Dublês, se bem que convenhamos, nenhum personagem nesse filme se destaca, mesmo Tom Hardy como o piloto.

Dos últimos 24 anos, houve um número excepcional de acertos de vencedores do Oscar: 67 de 92 atores levaram ambos os prêmios. Normalmente, das quatro categorias (Ator, Atriz, Ator Coadjuvante e Atriz Coadjuvante), o SAG costuma acertar pelo menos três. A explicação para esse alto índice pode vir da porcentagem de atores membros da Academia: estima-se que dos 7 mil membros, 2 mil sejam atores.

OPINIÕES PESSOAIS

Particularmente, fiquei feliz com as indicações de Daniel Kaluuya por Corra! e Judi Dench por Victoria e Abdul, mas estou quase admitindo que ambos serão substituídos nas indicações ao Oscar. Kaluuya por Daniel Day-Lewis (pelo carinho que a Academia tem por ele, e por supostamente Trama Fantasma ser seu último trabalho como ator, já que anunciou sua aposentadoria) ou Jake Gyllenhaal (é um ator que vem se destacado em papéis interessantes e profundos como parece ser esse de O Que Te Faz Mais Forte, no qual vive personagem vítima do atentado terrorista de Boston). E Dench por Meryl Streep (também pelo carinho da Academia e porque Oscar sem Streep tem se tornado um ano bastante atípico).

get-out-mit-daniel-kaluuya (1).jpg

Daniel Kaluuya hipnotizado em ótima cena de Corra! (pic by moviepilot.de)

Nas categorias de coadjuvante, não considero um ultraje a indicação de Steve Carell como coadjuvante por A Guerra dos Sexos. Seu personagem, perante a Billie Jean King de Emma Stone, é um pouco secundário. E acredito que Woody Harrelson morre na praia e Armie Hammer tome seu lugar por Me Chame Pelo Seu Nome. O vencedor desta categoria deve ser Willem Dafoe, que tem se sobressaído diante dos demais candidatos.

battle-of-the-sexes-mit-steve-carell

Steve Carell como Coadjuvante? em A Guerra dos Sexos? pic by moviepilot.de

Já na ala feminina, gostei da indicação para a tailandesa Hong Chau, que conseguiu interpretar uma personagem que para muitos era algo impossível de ser feito em Pequena Grande Vida. Ela interpreta uma ativista vietnamita que o governo americano encolhe contra sua vontade. Pelas características de sua personagem, Ngoc Lan Tran, com forte sotaque e uma perna prostética, tinha tudo para ser algo estereotipado, mas a atriz procurou deixá-la bem equilibrada e sensível a fim de torná-la palpável. Certamente, um trabalho com o dedo do diretor Alexander Payne, que sempre busca o lado mais humano dos personagens. Na corrida pelo prêmio, não vejo nenhuma favorita, porém Laurie Metcalf conquistou a maioria dos prêmios até o momento, enquanto Allison Janney era vice ou indicada com frequência.

downsizing-mit-matt-damon-und-hong-chau.jpg

Ao lado de Matt Damon, Hong Chau interpreta ativista vietnamita em Pequena Grande Vida (pic by moviepilot.de)

Vale lembrar que assim como nas demais premiações, embora os atores Jeffrey Tambor (Transparent) e Kevin Spacey (House of Cards) tenham performances elegíveis, ambos foram excluídos devido aos escândalos sexuais.

INDICADOS AO SCREEN ACTORS GUILD AWARDS:

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role:
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
James Franco (Artista do Desastre)
Daniel Kaluuya (Corra!)
Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role:
Judi Dench (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)
Sally Hawkins (A Forma da Água)
Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
Margot Robbie (Eu, Tonya)
Saoirse Ronan (Lady Bird: É Hora de Voar)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role:
Steve Carell (A Guerra dos Sexos)
Willem Dafoe (Projeto Flórida)
Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)
Richard Jenkins (A Forma da Água)
Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role:
Mary J. Blige (Mudbound)
Hong Chau (Pequena Grande Vida)
Holly Hunter (Doentes de Amor)
Allison Janney (Eu, Tonya)
Laurie Metcalf (Lady Bird: É Hora de Voar)

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture:
Doentes de Amor
Corra!
Lady Bird: É Hora de Voar
Mudbound
Três Anúncios Para um Crime

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries:
Benedict Cumberbatch (Sherlock)
Jeff Daniels (Godless)
Robert De Niro (The Wizard of Lies)
Geoffrey Rush (Genius)
Alexander Skarsgard (Big Little Lies)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries:
Laura Dern (Big Little Lies)
Nicole Kidman (Big Little Lies)
Jessica Lange (Feud: Bette & Joan)
Susan Sarandon (Feud: Bette & Joan)
Reese Witherspoon (Big Little Lies)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series:
Jason Bateman (Ozark)
Sterling K. Brown (This Is Us)
Peter Dinklage (Game of Thrones)
David Harbour (Stranger Things)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series:
Millie Bobby Brown (Stranger Things)
Claire Foy (The Crown)
Laura Linney (Ozark)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Robin Wright (House of Cards)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series:
Anthony Anderson (Black-ish)
Aziz Ansari (Master of None)
Larry David (Curb Your Enthusiasm)
Sean Hayes (Will & Grace)
William H. Macy (Shameless)
Marc Maron (GLOW)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series:
Uzo Aduba (Orange Is the New Black)
Alison Brie (GLOW)
Jane Fonda (Grace and Frankie)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Lily Tomlin (Grace and Frankie)

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series:
The Crown
Game of Thrones
The Handmaid’s Tale
Stranger Things
This Is Us

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series:
Black-ish
Curb Your Enthusiasm
GLOW
Orange is the New Black
Veep

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Comedy or Drama Series:
Game of Thrones
GLOW
Homeland
Stranger Things
The Walking Dead

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture:
Em Ritmo de Fuga
Dunkirk
Logan
Planeta dos Macacos: A Guerra
Mulher-Maravilha

***

A cerimônia do SAG Awards está marcada para o dia 21 de janeiro e terá transmissão da TNT. Pela primeira vez, a entrega de prêmios do sindicato de atores terá um host, na verdade, uma hostess: a atriz Kristen Bell.

E Morgan Freeman será homenageado com o prêmio pelo Conjunto da Obra.

‘A FORMA DA ÁGUA’ conquista SETE indicações ao GLOBO DE OURO. ‘ALL THE MONEY IN THE WORLD’ entra aos 48 do segundo tempo

 

shape-of-water

Cena icônica de A Forma da Água, de Guillermo del Toro. Sete indicações no Globo de Ouro.

FANTASIA DE GUILLERMO DEL TORO NOVAMENTE LIDERA INDICAÇÕES APÓS O CRITICS’ CHOICE

Não sei se sou o único que acha monótono o anúncio dos indicados, mas pra mim a forma como foi feito se classifica como amadorismo. Quatro atores: Kristen Bell, Garrett Hedlund, Alfre Woodard e Sharon Stone se revezando com papéis impressos no Word sem qualquer tipo de arte ou letreiro demonstra qualquer preparo por parte da HFPA (Hollywood Foreign Press Association). Pra quem não viu a transmissão, segue link do canal do Golden Globes:

NÚMEROS DESTA EDIÇÃO

A Forma da Água é o recordista de indicações com sete, seguido de perto por The Post: A Guerra Secreta e Três Anúncios Para um Crime, ambos conquistaram seis indicações cada.

Tanto Guillermo del Toro quanto Martin McDonagh se tornaram duplo indicados, já que ambos concorrem nas categorias de Diretor e Roteiro, por A Forma da Água e Três Anúncios Para um Crime, respectivamente.

Do lado da TV, a mini-série Big Little Lies lidera com seis indicações, seguida por Feud com quatro. Fargo, The Handmaid’s Tale e This Is Us conquistaram três indicações cada.

SURPRESAS

Claro que todo ano teremos surpresas, mas as três indicações para All the Money in the World foram o ápice desta edição. Como um filme que ainda está em fase final de edição foi incluído na votação? Esse tipo de conduta questionável que difama a HFPA, que há alguns anos tenta se livrar dos boatos de que aceitariam propina e presentes para indicar filmes e atores, como os sempre citados Burlesque e O Turista, com Johnny Depp e Angelina Jolie.

All the Money in the World.jpg

Michelle Williams e Mark Wahlberg em cena de All the Money in the World, de Ridley Scott (pic by outnow.ch)

Bom, pra quem pegou o bonde andando, o novo filme de Ridley Scott estava com seu lançamento agendado agora para dezembro, contudo, com as várias acusações de assédio contra o ator Kevin Spacey, o diretor e o estúdio decidiram que seria melhor eliminar todas as cenas em que o ator atuava e refilmá-las com o ator Christopher Plummer, que foi chamado às pressas. Além da própria produção das refilmagens, o estúdio teve que arcar com prejuízos da reformulação dos pôsteres, dos letreiros e de toda a campanha que já vinha trabalhando com uma possível indicação pra Spacey como coadjuvante.

spacey-plummer

À esquerda, Kevin Spacey caracterizado como Paul Getty em All in the Money in the World. À direita, Christopher Plummer escalado para substitui-lo. Pic by cinema com rapadura

Com o filme incompleto até o momento (até onde se sabe, ninguém viu a versão final do filme), o estúdio e os produtores devem ter pago muitos Champagne Moët e chocolates Lindt pra cerimônia do Globo de Ouro para que o filme chegasse às principais categorias do prêmio com o intuito exclusivo de salvar o filme de um possível desastre. Claro que, embora meus comentários elaborem uma teoria da conspiração, o filme de Ridley Scott pode ser bom e as indicações merecidas, mas não deixa de ser um tanto “estranha” sua participação na premiação.

Bom, além dessa surpresa, não dá pra deixar de lado as três indicações para O Rei do Show para Melhor Filme de Comédia ou Musical, Ator – Comédia ou Musical para Hugh Jackman e Canção. Até o momento, o filme havia passado desapercebido pela temporada de premiações, mas a lembrança do Globo de Ouro pode ajudar na campanha do Oscar, pelo menos nas categorias de Direção de Arte, Figurino e Canção, já que conta com a dupla de compositores de La La Land.

the greatest showman

Ao centro, Hugh Jackman encarna o showbusiness man P.T. Barnum em O Rei do Show. Pic by outnow.ch

Assim como Jackman, Denzel Washington, que foi indicado por Roman J. Israel, Esq., no qual interpreta um advogado de defesa idealista, também iniciou sua campanha pelo Globo de Ouro. Particularmente, não sou muito fã do ator, ele sempre busca a mesma essência amargurada em seus últimos personagens, mas como a comunidade hollywoodiana tem muito carinho por ele, não vejo com tanta surpresa assim seu nome na lista.

ESNOBADOS

Falando ainda da categoria de Ator – Drama, Denzel acabou roubando o lugar de Jake Gyllenhaal por O Que Te Faz Mais Forte, no qual ele interpreta uma vítima do atentado terrorista da maratona de Boston, ficando sem as pernas. Quero deixar claro que o fato do personagem ser debilitado física ou mentalmente não influi diretamente na qualidade da performance. O personagem pode não ter as pernas, ter o rosto deformado, não ter dentes e ter dificuldade pra falar, mas se não tiver uma alma bem trabalhada, a atuação perde seu valor. Não vi o filme ainda, mas quem viu só o trailer, sabe que Gyllenhaal está bem. Aliás, ele vem escolhendo papéis e projetos interessantes como em O Abutre e Os Suspeitos. O Globo de Ouro perde sem sua presença na cerimônia.

stronger-mit-jake-gyllenhaal (1)

Jake Gyllenhaal como o habitante de Boston, Jeff Bauman, em O Que Te Faz Mais Forte (pic by moviepilot.de)

Outras ausências muito sentidas foi na categoria de Direção: Jordan Peele de Corra! e Greta Gerwig de Lady Bird ficaram de fora. Honestamente, eu acreditava na indicação de Gerwig na direção, e de Peele no roteiro, mas pura e simplesmente por méritos, e não por eles serem negro e mulher.

Acabei de ler uma matéria da Indiewire com o seguinte título “Globo de Ouro é criticado por excluir mulheres e minorias”. No texto, os nomes de Jordan Peele, Greta Gerwig, Dee Rees e Patty Jenkins (sim, a diretora daquele filmaço chamado Mulher-Maravilha) foram citados como os esnobados da vez, incitando ainda que suas exclusões se deram pelo quesito social, racial e de gênero. E o que dizer da exclusão do diretor de Me Chame Pelo Seu Nome, Luca Guadagnino, que ganhou vários prêmios e está em várias listas de melhores do ano? Foi esnobado por ser italiano?

E é preciso reforçar que o Globo de Ouro não é o Critics’ Choice Awards, que tem sete indicados a Melhor Diretor. Alguém tem que ser excluído! Particularmente, não acho que Ridley Scott tenha um trabalho tão bom quanto o Corra!, por exemplo, mas trata-se apenas de uma dedução até eu assistir ao filme.

Podem me chamar de antiquado, mas odeio quando o politicamente correto interfere onde não é chamado. Então, pro autor da Indiewire e os críticos, se esses nomes excluídos tivessem sido indicados pelo Globo de Ouro, estaria tudo certo e de acordo com os tempos que vivemos? Não importando qualquer análise crítica e artística dos filmes?

Das exclusões dos filmes, vale citar Doentes de Amor, que chegou a conquistar seis indicações no Critics’ Choice Awards (inclusive Melhor Filme!), e o representante da França no Oscar, 120 Batimentos Por Minuto, de Robin Campillo. Embora Em Pedaços seja co-produção francesa, havia altas expectativas de que o filme que trata do preconceito do HIV chegaria ao Globo de Ouro.

Pelas categorias de TV e streaming, a ausência da atriz Julia Louis-Dreyfus pela série Veep após cinco indicações consecutivas chamou a atenção, já que os fãs esperavam que a hora da atriz ganhar finalmente havia chegado.

REPERCUSSÃO DOS ASSÉDIOS SEXUAIS EM HOLLYWOOD

Algumas produções, sejam de cinema ou TV, sofreram algum desprezo por parte da crítica e de associações por seus vínculos com figuras públicas envolvidas em denúncias de assédios sexuais. Os casos mais evidentes foram do produtor Harvey Weinstein, que afetou a campanha do novo filme de Taylor Sheridan, Terra Selvagem, e do ator Jeffrey Tambor que, não apenas deixou de ser indicado, mas levou toda a série Transparent para o ostracismo até segunda ordem.

O único que, supostamente teria tido comportamento inapropriado com uma atriz australiana numa peça de teatro há dois anos, conseguiu ser indicado foi Geoffrey Rush pela série biográfica de Albert Einstein, Genius. E vale também citar que Christopher Plummer só está na lista de atores coadjuvantes porque Kevin Spacey foi excluído do filme de Ridley Scott, All the Money in the World.

E O QUE REALMENTE IMPORTA?

Há algumas décadas, todos os indicados, e principalmente vencedores do Globo de Ouro tinham seus lugares garantidos no Oscar, pois o prêmio da HFPA era o melhor parâmetro de todos. Mas de uns tempos pra cá, as escolhas entre as duas premiações têm divergido constantemente, inclusive na escolha do Melhor Filme, demonstrando assim mais identidade própria por parte da HFPA.

Mas uma característica do Globo de Ouro que persiste é seu amor por celebridades. Se tiverem que optar entre um ator bom e uma celebridade, normalmente eles ficam com a segunda, porque apreciam essa aproximação com as estrelas e todo o glamour. Quando indicaram o péssimo O Turista e seus atores, eles visavam a presença de Johnny Depp e Angelina Jolie. O próprio host Ricky Gervais havia ressaltado isso na época. Enfim, o Globo de Ouro se tornou um prêmio que não se deve levar tão à sério assim.  Se nem eles levam, por que você deveria levar?

Indicados ao 75º Globo de Ouro:

CINEMA

Best Motion Picture – Drama:
Me Chame Pelo Seu Nome (Call me by your Name)
Dunkirk (Dunkirk)
The Post: A Guerra Secreta (The Post)
A Forma da Água (The Shape of Water)
Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

Best Motion Picture – Musical or Comedy:
Artista do Desastre (The Disaster Artist)
Corra! (Get Out)
I, Tonya
Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)
O Rei do Show (The Greatest Showman)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Drama:
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
Tom Hanks (The Post: A Guerra Secreta)
Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Drama:
Jessica Chastain (A Grande Jogada)
Sally Hawkins (A Forma da Água)
Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)
Michelle Williams (All the Money in the World)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Steve Carell (A Guerra dos Sexos)
Ansel Elgort (Em Ritmo de Fuga)
James Franco (Artista do Desastre)
Hugh Jackman (O Rei do Show)
Daniel Kaluuya (Corra!)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Judy Dench (Victoria e Abdul)
Helen Mirren (The Leisure Seeker)
Margot Robbie (I, Tonya)
Saoirse Ronan (Lady Bird)
Emma Stone (A Guerra dos Sexos)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Motion Picture:
Willem Dafoe (Projeto Flórida)
Armie Hammer (Me Chame Pelo Seu Nome)
Richard Jenkins (A Forma da Água)
Christopher Plummer (All the Money in the World)
Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Motion Picture:
Mary J. Blige (Mudbound)
Hong Chau (Pequena Grande Vida)
Allison Janney (I, Tonya)
Laurie Metcalf (Lady Bird)
Octavia Spencer (A Forma da Água)

Best Director – Motion Picture:
Guillermo de Toro (A Forma da Água)
Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
Christopher Nolan (Dunkirk)
Ridley Scott (All the Money in the World)
Steven Spielberg (The Post: A Guerra Secreta)

Best Screenplay:
Greta Gerwig (Lady Bird)
Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
Liz Hannah, Josh Singer (The Post: A Guerra Secreta)
Guillermo del Toro (A Forma da Água)
Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

Best Motion Picture – Foreign Language:
Em Pedaços – ALEMANHA/FRANÇA
Uma Mulher Fantástica – CHILE
First They Killed My Father – CAMBOJA
Loveless – RÚSSIA
The Square – SUÉCIA/ALEMANHA/FRANÇA

Best Motion Picture – Animated:
The Breadwinner
Viva – A Vida é uma Festa (Coco)
Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)
O Poderoso Chefinho (Baby Boss)
O Touro Ferdinando (Ferdinand)

Best Original Song – Motion Picture:
“The Star” (A Estrela de Belém)
“Mighty River” (Mudbound)
“This is Me” (O Rei do Show)
“Home” (O Touro Ferdinando)
“Remember Me” (Viva – A Vida é uma Festa)

Best Original Score – Motion Picture:
Alexandre Desplat (A Forma da Água)
Hans Zimmer (Dunkirk)
Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
John Williams (The Post: A Guerra Secreta)
Carter Burwell (Três Anúncios Para um Crime)

TELEVISÃO

Best Television Series – Drama:
Game of Thrones
The Handmaid’s Tale
Stranger Things
The Crown
This is Us

Best Television Series – Musical or Comedy:
Black-ish
Master of None
SMILF
The Marvelous Mrs. Maisel
Will & Grace

Best Performance by an Actor in a Television Series – Drama:
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Freddie Highmore (The Good Doctor)
Jason Bateman (Ozark)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Sterling K. Brown (This Is Us)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Drama:
Caitriona Balfe (Outlander)
Claire Foy (The Crown)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Katherine Langford (13 Reasons Why)
Maggie Gyllenhaal (The Deuce)

Best Performance by an Actor in a Television Series – Musical or Comedy:
Anthony Anderson (Black-ish)
Aziz Ansari (Master of None)
Eric McCormack (Will & Grace)
Kevin Bacon (I Love Dick)
William H. Macy (Shameless)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Musical or Comedy:
Alison Brie (GLOW)
Frankie Shaw (SMILF)
Issa Rae (Insecure)
Pamela Adlon (Better Things)
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

Best Television Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Big Little Lies
Fargo
Feud
The Sinner
Top of the Lake

Best Performance by an Actor in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Ewan McGregor (Fargo)
Geoffrey Rush (Genius)
Jude Law (The Young Pope)
Kyle MacLachlan (Twin Peaks)
Robert De Niro (The Wizard of Lies)

Best Performance by an Actress in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Jessica Biel (The Sinner)
Jessica Lange (Feud)
Nicole Kidman (Big Little Lies)
Reese Witherspoon (Big Little Lies)
Susan Sarandon (Feud)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)
Chrissy Metz (This Is Us)
Laura Dern (Big Little Lies)
Michelle Pfeiffer (The Wizard of Lies)
Shailene Woodley (Big Little Lies)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Alexander Skarsgård (Big Little Lies)
Alfred Molina (Feud)
Christian Slater (Mr. Robot)
David Harbour (Stranger Things)
David Thewlis (Fargo)

***

A 75ª cerimônia do Globo de Ouro está marcada para o dia 07 de janeiro, e terá Seth Meyers como host pela primeira vez.

‘Trumbo’ lidera com 3 indicações ao SAG Awards 2016

TRUMBO 2

Helen Mirren e Bryan Cranston, ambos indicados ao SAG, em cena de Trumbo (photo by cine.gr)

MEIO ESQUECIDO ATÉ ENTÃO, DRAMA SOBRE ROTEIRISTA DE LISTA NEGRA DE HOLLYWOOD SURPREENDE NO SAG

* Antes de começar o post, vou fazer uma ressalva. O calendário das premiações bateram cabeça este ano: o Globo de Ouro anunciou seus indicados UM DIA depois do SAG. Pela ordem de importância, a repercussão do SAG durou menos de um dia! E outra: Nem deu tempo de digerir o SAG! Escrever dois posts dessa magnitude em dois dias consecutivos é sacanear com este blogueiro! Enfim… vamos ao que interessa. Primeiro o SAG Awards.

Depois de Perdido em Marte ter levado o Hollywood Film Awards, depois de Mad Max: Estrada da Fúria levar o National Board of Review, depois de Carol ter vencido o New York Film Critics Circle e depois de Spotlight bater a concorrência no Los Angeles Film Critics Association, chegou a vez de… Trumbo.

Anna Faris e Anthony Mackie anunciaram as indicações ao 22º SAG Awards

Apesar da cara de telefilme, Trumbo se beneficiou da regra número 1 do SAG Awards: as performances dos atores acima de tudo. Além de contar com os queridos do sindicato de atores, Helen Mirren e Bryan Cranston, o elenco ainda conta com nomes de peso como Diane Lane, John Goodman, Louis C.K., Elle Fanning e Michael Stuhlbarg, fato que rendeu a indicação de Melhor Elenco. No Oscar, o filme pode (e deve) conquistar as indicações para Cranston e Mirren, assim como Roteiro Adaptado e até Filme, não necessariamente por sua qualidade fílmica, mas pela grandeza de seu tema do roteirista da lista negra de Hollywood. A Academia adora destacar filmes metalinguísticos e que valorizem sua história, mesmo que negra.

Já entre as produções vencedoras dos demais prêmios citados acima, Carol e Spotlight conseguiram duas indicações cada no SAG. Enquanto o primeiro reconheceu o trabalho de Cate Blanchett e Rooney Mara como atriz e atriz coadjuvante respectivamente, o segundo proporcionou Melhor Elenco e atriz coadjuvante para Rachel McAdams. Curiosamente, Spotlight é um drama composto por um elenco quase todo masculino, interpretando jornalistas e pessoas ligadas à Igreja, mas foi McAdams apenas que conseguiu indicação solo. As expectativas eram altas para Michael Keaton e Mark Ruffalo como coadjuvantes, mas ficaram de fora, muito provavelmente por competirem entre si.

Entre as surpresas, destaque para a indicação do pequeno Jacob Tremblay (O Quarto de Jack) e Christian Bale (A Grande Aposta) na categoria de coadjuvante. Eles bateram Keaton e Ruffalo por Spotlight, assim como Benicio Del Toro (Sicario: Terra de Ninguém) e Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar).

JACOB TREMBLAY ROOM

Ao lado de Brie Larson, o pequeno Jacob Tremblay em cena de O Quarto de Jack (photo by outnow.ch)

Embora a categoria de Melhor Elenco não represente garantia de muita coisa no Oscar, uma vez que já indicou os elencos de O Mordomo da Casa Branca, O Exótico Hotel Marigold, Missão Madrinha de Casamento, Nine, Hairspray: Em Busca da Fama, Os Indomáveis, Bobby e O Agente da Estação, não deixa de ser curiosa a indicação única de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. Formado por um elenco quase todo de desconhecidos, o filme bateu fortes concorrentes como Os 8 Odiados e Steve Jobs.

Straight Outta Compton

Elenco de Straight Outta Compton: A História do N.W.A., com Ice Cube (segundo no alto), além de Paul Giamatti (photo by cine.gr)

Contudo, a grande surpresa mesmo ficou na categoria de Melhor Atriz. Num ano super concorrido, é curiosa a presença de Sarah Silverman por I Smile Back. Conhecida por seu talento cômico nas apresentações do Saturday Night Live e solos, ela consegue um grande feito por sua atuação dramática. Aliás, isso muito me lembra a trajetória de Jennifer Aniston por Cake: Uma Razão Para Viver, que fez campanha, foi indicada ao SAG e Globo de Ouro, mas ficou de fora do Oscar. Nesse filme, Silverman faz uma esposa dedicada à família, mas que tem problemas com drogas, depressão e casos extraconjugais

i smile back

Sarah Silverman em cena de I Smile Back (photo by outnow.ch)

Entre outras curiosidades estão as duas indicações para Helen Mirren (Atriz por A Dama Dourada e Coadjuvante por Trumbo); a primeira participação da Netflix nas categorias de cinema com Beasts of No Nation, confirmando crescimento estratosférico do sistema de streaming no cinema; e para os fãs de Leonardo DiCaprio, eis que ressurge no SAG! Se Leo estiver na lista do Globo de Ouro, sua presença no Oscar é garantida. 6ª indicação e 1ª vitória? Por falta de torcida na internet não vai ser…

Num ano atípico, não há favoritos dominando boa parte dos prêmios até o momento. Cada filme tem seu ponto forte que deve ser reconhecido ao longo da temporada e no Oscar. Exemplificando:

  • Mad Max: Estrada da Fúria
    Direção, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Maquiagem e tudo que envolve som e efeitos visuais
  • Carol
    Direção, Atrizes, Roteiro Original, Fotografia, Direção de Arte e Figurino
  • Spotlight
    Atores, Roteiro Original e Montagem
  •  Trumbo
    Atores, Roteiro Adaptado e Figurino
  • A Garota Dinamarquesa
    Direção, Atores, Roteiro Adaptado, Direção de Arte, Figurino e Trilha Musical
  • As Sufragistas
    Atrizes, Roteiro Original e Figurino
  • Perdido em Marte
    Direção, Atores, Roteiro Adaptado e Montagem
  • Steve Jobs
    Direção, Atores, Roteiro Adaptado e Montagem
  • Ponte dos Espiões
    Direção, Atores, Roteiro Original, Fotografia, Montagem, Trilha Musical, Direção de Arte e Figurino
  • Joy: O Nome do Sucesso
    Direção, Atores e Roteiro Original
  • Os 8 Odiados
    Atores, Roteiro Original, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino e Trilha Musical

Nas categorias de televisão, a Netflix liderou com House of Cards, estrelada por Kevin Spacey e Robin Wright.

Seguem os indicados ao 22º SAG Awards:

CINEMA

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
BRYAN CRANSTON / Dalton Trumbo – TRUMBO
JOHNNY DEPP / James “Whitey” Bulger – ALIANÇA DO CRIME
LEONARDO DiCAPRIO / Hugh Glass – O REGRESSO
MICHAEL FASSBENDER / Steve Jobs – STEVE JOBS
EDDIE REDMAYNE / Einar Wegener/Lili Elbe – A GAROTA DINAMARQUESA

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
CATE BLANCHETT / Carol Aird – CAROL
BRIE LARSON / Ma – O QUARTO DE JACK
HELEN MIRREN / Maria Altmann – A DAMA DOURADA
SAOIRSE RONAN/ Eilis – BROOKLYN
SARAH SILVERMAN / Laney Brooks – I SMILE BACK

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
CHRISTIAN BALE / Michael Burry – A GRANDE APOSTA
IDRIS ELBA / Commandant – BEASTS OF NO NATION
MARK RYLANCE / Abel Rudolph – PONTE DOS ESPIÕES
MICHAEL SHANNON / Rick Carver – 99 HOMES
JACOB TREMBLAY / Jack – O QUARTO DE JACK

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
ROONEY MARA / Therese Belivet – CAROL
RACHEL McADAMS / Sacha Pfeiffer – SPOTLIGHT
HELEN MIRREN / Hedda Hopper – TRUMBO
ALICIA VIKANDER / Gerda Wegener – A GAROTA DINAMARQUESA
KATE WINSLET / Joanna Hoffman – STEVE JOBS

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture
BEASTS OF NO NATION (Netflix)
ABRAHAM ATTAH
KURT EGYIAWAN
IDRIS ELBA

A GRANDE APOSTA (Paramount Pictures)
CHRISTIAN BALE
STEVE CARELL
RYAN GOSLING
MELISSA LEO
HAMISH LINKLATER
JOHN MAGARO
BRAD PITT
RAFE SPALL
JEREMY STRONG
MARISA TOMEI
FINN WITTROCK

SPOTLIGHT (Open Road Films)
BILLY CRUDUP
BRIAN D’ARCY JAMES
MICHAEL KEATON
RACHEL McADAMS
MARK RUFFALO
LIEV SCHREIBER
JOHN SLATTERY
STANLEY TUCCI

STRAIGHT OUTTA COMPTON (Universal Pictures)
NEIL BROWN JR.
PAUL GIAMATTI
COREY HAWKINS
ALDIS HODGE
O’SHEA JACKSON JR.
JASON MITCHELL

TRUMBO (Bleecker Street)
ADEWALE AKINNUOYE-AGBAJE
LOUIS C.K.
BRYAN CRANSTON
DAVID JAMES ELLIOTT
ELLE FANNING
JOHN GOODMAN
DIANE LANE
HELEN MIRREN
MICHAEL STUHLBARG
ALAN TUDYK

TELEVISÃO

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries
IDRIS ELBA / DCI John Luther – LUTHER
BEN KINGSLEY / Grand Vizier Ay – TUT
RAY LIOTTA / Lorca/Tom Mitchell – TEXAS RISING
BILL MURRAY / Himself – A VERY MURRAY CHRISTMAS
MARK RYLANCE / Thomas Cromwell – WOLF HALL

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries
NICOLE KIDMAN / Grace – GRACE OF MONACO
QUEEN LATIFAH / Bessie Smith – BESSIE
CHRISTINA RICCI / Lizzie Borden – THE LIZZIE BORDEN CHRONICLES
SUSAN SARANDON / Gladys Mortenson – THE SECRET LIFE OF MARILYN MONROE
KRISTEN WIIG / Delores DeWinter – THE SPOILS BEFORE DYING

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series
PETER DINKLAGE / Tyrion Lannister – GAME OF THRONES
JON HAMM / Don Draper – MAD MEN
RAMI MALEK / Elliot – MR. ROBOT
BOB ODENKIRK / Jimmy McGill – BETTER CALL SAUL
KEVIN SPACEY / Francis Underwood – HOUSE OF CARDS

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series
CLAIRE DANES / Carrie Mathison – HOMELAND
VIOLA DAVIS / Annalise Keating – HOW TO GET AWAY WITH MURDER
JULIANNA MARGULIES / Alicia Florrick – THE GOOD WIFE
MAGGIE SMITH / Violet Crawley, Dowager Countess of Grantham – DOWNTON ABBEY
ROBIN WRIGHT / Claire Underwood – HOUSE OF CARDS

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series
TY BURRELL / Phil Dunphy – MODERN FAMILY
LOUIS C.K. / Louie – LOUIE
WILLIAM H. MACY / Frank – SHAMELESS
JIM PARSONS / Sheldon Cooper – THE BIG BANG THEORY
JEFFREY TAMBOR / Maura Pfefferman – TRANSPARENT

Outstanding Performance by a Female Actor in a Comedy Series
UZO ADUBA / Suzanne “Crazy Eyes” Warren – ORANGE IS THE NEW BLACK
EDIE FALCO / Jackie Peyton – NURSE JACKIE
ELLIE KEMPER / Kimmy Schmidt – UNBREAKABLE KIMMY SCHMIDT
JULIA LOUIS-DREYFUS / President Selina Meyer – VEEP
AMY POEHLER / Leslie Knope – PARKS AND RECREATION

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series
DOWNTON ABBEY (Masterpiece/PBS)
HUGH BONNEVILLE
LAURA CARMICHAEL
JIM CARTER
RAQUEL CASSIDY
BRENDAN COYLE
TOM CULLEN
MICHELLE DOCKERY
KEVIN DOYLE
JOANNE FROGGATT
LILY JAMES
ROBERT JAMES-COLLIER
ALLEN LEECH
PHYLLIS LOGAN
ELIZABETH McGOVERN
SOPHIE McSHERA
LESLEY NICOL
JULIAN OVENDEN
DAVID ROBB
MAGGIE SMITH
PENELOPE WILTON

GAME OF THRONES (HBO)
ALFIE ALLEN
IAN BEATTIE
JOHN BRADLEY
GWENDOLINE CHRISTIE
EMILIA CLARKE
MICHAEL CONDRON
NIKOLAJ COSTER-WALDAU
BEN CROMPTON
LIAM CUNNINGHAM
STEPHEN DILLANE
PETER DINKLAGE
NATHALIE EMMANUEL
TARA FITZGERALD
JEROME FLYNN
BRIAN FORTUNE
JOEL FRY
AIDAN GILLEN
IAIN GLEN
KIT HARINGTON
LENA HEADEY
MICHIEL HUISMAN
HANNAH MURRAY
BRENOCK O’CONNOR
DANIEL PORTMAN
IWAN RHEON
OWEN TEALE
SOPHIE TURNER
CARICE VAN HOUTEN
MAISIE WILLIAMS
TOM WLASCHIHA

HOMELAND (Showtime)
F. MURRAY ABRAHAM
ATHEER ADEL
CLAIRE DANES
ALEXANDER FEHLING
RUPERT FRIEND
NINA HOSS
RENÉ DAVID IFRAH
MARK IVANIR
SEBASTIAN KOCH
MIRANDA OTTO
MANDY PATINKIN
SARAH SOKOLOVIC

HOUSE OF CARDS (Netflix)
MAHERSHALA ALI
DEREK CECIL
NATHAN DARROW
MICHAEL KELLY
ELIZABETH MARVEL
MOLLY PARKER
JIMMI SIMPSON
KEVIN SPACEY
ROBIN WRIGHT

MAD MEN (AMC)
SOLA BAMIS
STEPHANIE DRAKE
JAY R. FERGUSON
BRUCE GREENWOOD
JON HAMM
CHRISTINA HENDRICKS
JANUARY JONES
VINCENT KARTHEISER
ELISABETH MOSS
KEVIN RAHM
KIERNAN SHIPKA
JOHN SLATTERY
RICH SOMMER
AARON STATON
MASON VALE COTTON

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series
THE BIG BANG THEORY (CBS)
MAYIM BIALIK
KALEY CUOCO
JOHNNY GALECKI
SIMON HELBERG
KUNAL NAYYAR
JIM PARSONS
MELISSA RAUCH

KEY & PEELE (Comedy Central)
KEEGAN-MICHAEL KEY
JORDAN PEELE

MODERN FAMILY (ABC)
JULIE BOWEN
TY BURRELL
AUBREY ANDERSON EMMONS
JESSE TYLER FERGUSON
NOLAN GOULD
SARAH HYLAND
ED O’NEILL
RICO RODRIGUEZ
ERIC STONESTREET
SOFIA VERGARA
ARIEL WINTER

ORANGE IS THE NEW BLACK (Netflix)
UZO ADUBA
MIKE BIRBIGLIA
MARSHA STEPHANIE BLAKE
DANIELLE BROOKS
LAVERNE COX
JACKIE CRUZ
CATHERINE CURTIN
LEA DELARIA
BETH FOWLER
JOEL MARSH GARLAND
KIMIKO GLENN
ANNIE GOLDEN
DIANE GUERRERO
MICHAEL J. HARNEY
VICKY JEUDY
SELENIS LEYVA
TARYN MANNING
ADRIENNE C. MOORE
KATE MULGREW
EMMA MYLES
MATT PETERS
LORI PETTY
JESSICA PIMENTEL
DASCHA POLANCO
LAURA PREPON
ELIZABETH RODRIGUEZ
RUBY ROSE
NICK SANDOW
ABIGAIL SAVAGE
TAYLOR SCHILLING
CONSTANCE SHULMAN
DALE SOULES
YAEL STONE
SAMIRA WILEY

TRANSPARENT (Amazon)
ALEXANDRA BILLINGS
CARRIE BROWNSTEIN
JAY DUPLASS
KATHRYN HAHN
GABY HOFFMANN
CHERRY JONES
AMY LANDECKER
JUDITH LIGHT
HARI NEF
EMILY ROBINSON
JEFFREY TAMBOR

VEEP (HBO)
DIEDRICH BADER
SUFE BRADSHAW
ANNA CHLUMSKY
GARY COLE
KEVIN DUNN
TONY HALE
HUGH LAURIE
JULIA LOUIS-DREYFUS
PHIL REEVES
SAM RICHARDSON
REID SCOTT
TIMOTHY SIMONS
SARAH SUTHERLAND
MATT WALSH

SAG AWARDS® HONORS FOR STUNT ENSEMBLES

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture
EVERESTE (Universal Pictures)
VELOZES & FURIOSOS 7 (Universal Pictures)
JURASSIC WORLD: O MUNDO DOS DINOSSAUROS (Universal Pictures)
MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA (Warner Bros. Pictures)
MISSÃO: IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA (Paramount Pictures)

Outstanding Action Performance by a Stunt Ensemble in a Comedy or Drama Series
THE BLACKLIST (NBC)
GAME OF THRONES (HBO)
HOMELAND (Showtime)
MARVEL’S DAREDEVIL (Netflix)
THE WALKING DEAD (AMC)

52nd Annual SAG Life Achievement Award
CAROL BURNETT

O 22º SAG Awards será transmitido ao vivo pelo canal TNT no dia 30 de janeiro.

‘Saving Christmas’ é eleito o pior do ano no Framboesa de Ouro 2015

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

FRAMBOESA FINALMENTE CONTEMPLA TAMBÉM MICHAEL BAY E SEUS EXCESSOS

Quem diria que o Framboesa de Ouro já está completando 35 anos? Certamente, três décadas e meia da mais pura nata do cinema de qualidade! Um dos fundadores do evento, John Wilson, contou em entrevista: “Há 35 anos fazemos essa festa como contraponto ao Oscar”. E vem dando certo, pois antes a cerimônia ocupava uma salinha e hoje chega a alugar um teatro de médio porte e este ano passou a cobrar até ingressos que, segundo Wilson, venderam quase todos a 25 dólares cada.

Como de praxe, o prêmio possui as categorias de Pior Filme, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Diretor e Roteiro, mas este ano, lançou um prêmio especial intitulado The Razzie Redeemer Award (algo como Framboesa Redentora) para aqueles atores que persistem depois um mega fracasso e alcançam o sucesso comercial e de crítica. O primeiro contemplado foi Ben Affleck, que foi de Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopes para os sucessos Argo (2013) e Garota Exemplar (2014).

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

E hoje: Ben Affleck com seu segundo Oscar por Argo. O mundo realmente dá voltas. (photo by bostinno.com)

Infelizmente, Affleck não foi receber o prêmio como a maioria não costuma fazer por vergonha. Daria pra contar nos dedos os artistas que foram ao palco agradecer pela honraria: Sandra Bullock (por Maluca Paixão), Halle Berry (por Mulher-Gato) e o diretor holandês Paul Verhoeven (por Showgirls), que foi marcante por ter sido o primeiro artista a receber o prêmio em mãos em 1996.

Este ano, o grande vencedor (ou seria perdedor?) foi Saving Christmas, um filme evangélico classificado como de família e comédia. A produção foi contemplada como Pior Filme, Pior Ator, Pior Roteiro e Pior Combo.

Logo atrás, vem Transformers: A Era da Extinção com 2 Framboesas. Finalmente minhas preces foram atendidas e Michael Bay foi reconhecido por suas virtudes como diretor. Ok, não dá pra esperar muita coisa de Michael Bay, mas pelo menos antes ele se esforçava um pouco mais pra entregar um blockbuster mais razoável como A Rocha (1996) ou A Ilha (2005), cujos primeiros 20 minutos são bons, mas depois desanda de uma maneira que até hoje não consigo entender. Ele é uma espécie de Ed Wood com dinheiro. Acha que está fazendo obras-primas, mas não está. Mas a diferença é que Ed Wood não tinha um centavo no bolso e qualquer coisa na tela se tornava algo bonito. Por favor, amigos de Michael Bay, dêem um toque pra ele.

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

O Framboesa de Ouro não existe pra ficar dando lição de moral nos concorrentes, mas de uma certa forma, dar um leve puxão de orelha e dar um empurrãozinho para que esses artistas repensem melhor antes de levar adiante um projeto que visa apenas um lucro fácil. Tudo bem que às vezes, o ator ou atriz precisa pagar as contas ou fez um favor, como Charlize Theron deve ter feito ao amigo Seth MacFarlane naquela draga de comédia besteirol Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, que também deveria levar Pior Título em Português, porque o título original não é tão ruim assim: A Million Ways to Die in the West, mas certos tropeços poderiam ser facilmente evitados.

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Poxa, Charlize Theron ganhou o Oscar por Monster: Desejo Assassino, e hoje está na lista do Framboesa. Depois daquele baita esforço de transformação para viver a assassina Aileen Wuornos, fazer uma comédia imbecil foi uma decisão tomada à base de crack. Tem artistas que andam tão sem rumo que a gente nem liga mais, como Nicolas Cage, que tem feito uns três filmes ruins por ano, mas é triste noticiar a queda de alguns nomes.

Enfim, sem mais delongas, os grandes ganhadores do Framboesa 2015:

PIOR FILME
• Saving Christmas
– O Apocalipse
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR ATOR
Kirk Cameron (Saving Christmas)
– Nicolas Cage (O Apocalipse)
– Kellan Lutz (Hércules)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Adam Sandler (Juntos e Misturados)

PIOR ATRIZ
• Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque) e (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
– Melissa McCarthy (Tammy)
– Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Gaia Weiss (Hércules)

PIOR ATOR COADJUVANTE
• Kelsey Grammer (Os Mercenários 3), (A Lenda de Oz), (Elas Querem Pensar Como Eles!) e (Transformers: A Era da Extinção)
– Mel Gibson (Os Mercenários 3)
– Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
– Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
– Kiefer Sutherland (Pompeia)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
– Cameron Diaz (Annie)
– Nicola Peltz (Transformers: A Era da Extinção)
– Susan Sarandon (Tammy)
– Bridgette Cameron (Saving Christmas)

PIOR DIRETOR
Michael Bay (Transformers: A Era da Extinção)
– Darren Doane (Saving Christmas)
– Renny Harlin (Hércules)
– Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
Annie
– Atlas Shrugged: Part III
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR COMBO
Kirk Cameron e seu ego (Saving Christmas)
– Kellan Lutz e seus músculos (Hércules)
– Seth MacFarlane e Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Cameron Diaz, Jason Segel (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Qualquer dois robôs, atores (ou atores robóticos) (Transformers: A Era da Extinção)

PIOR ROTEIRO
Darren Doane, Cheston Hervey (Saving Christmas)
– Paul Lalonde, John Patus (O Apocalipse)
– Kate Angelo, Jason Segel, Nicholas Stoller (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção)
– Evan Daugherty, André Nemec, Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja)

FRAMBOESA REDENTORA
• Ben Affleck: de vencedor do Framboesa por Contato de Risco para vencedor do Oscar por Argo, e Garota Exemplar
– Jennifer Aniston: de 4 vezes indicada ao Framboesa para indicada ao SAG por Cake: Uma Razão Para Viver
– Mike Myers: de vencedor do Framboesa por O Guru do Amor para diretor de documentário Supermensch: The Legend of Shep Gordon
– Keanu Reeves: de seis vezes indicado ao Framboesa para o aclamado pela crítica De Volta ao Jogo
– Kristen Stewart: de vencedora do Framboesa por Crepúsculo para o filme de arte Camp X-Ray

Mulheres no Cinema

Zooey Deschannel como a inesquecível e inexplicável Summer de (500) Dias com Ela (photo by olszowy.com.pl)

Zooey Deschanel como a inesquecível e inexplicável Summer de (500) Dias com Ela (photo by olszowy.com.pl)

Primeiramente, Feliz Dia Internacional da Mulher!

Não sei exatamente qual a porcentagem de mulheres internautas e cinéfilas que perambulam pelo blog, mas desejo um dia excepcional a todas! Ao ler a coluna da Lúcia Guimarães, no jornal Estado de S. Paulo do dia 05 de março, descobri que a data comemorativa fora criada em 1909 nos EUA originalmente como o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, inspirada por socialistas numa época em que as mulheres sequer tinham direito ao voto.

Apesar da mulher de hoje ser tratada de forma mais digna, ainda falta muito para que ela alcance a igualdade plena. E vejo a data comemorariva como forma de nos lembrar de que essa luta ainda está longe do fim. Além de problemas como a desigualdade salarial, o que mais preocupa é a violência contra as mulheres, e não me refiro aos casos na terra do machismo extremo como no Oriente Médio, mas aqui no Brasil.

Só o aumento do número de delegacias da mulher já reflete essa escalada da violência doméstica. E embora a lei Maria da Penha tenha sido uma importante conquista, as denúncias contra os parceiros ainda são bastante tímidas devido às penas brandas. Infelizmente, ameaças não garantem um boletim de ocorrência, muito menos atitudes policiais. O Brasil ainda engatinha nessa importante questão para uma sociedade civilizada.

Mesmo que ainda estejamos distantes do ideal, espero que um dia não haja mais a necessidade do Dia Internacional da Mulher. Afinal, todo dia é dia da mulher. O que seríamos de nós, homens, sem as mulheres? Esposas, namoradas, mães, tias, primas, amigas, ficantes… a lista é extensa. Na tentativa de homenageá-las, recordei algumas personagens fortes que encantaram (ou assustaram) platéias do cinema. A seleção enxuta, que possui ordem aleatória, busca ressaltar essências femininas que fascinam: delicadeza, ternura, força e inteligência.

Linda Hamilton nos dois filmes de O Exterminador do Futuro (montagem por bodygeeks.com)

Linda Hamilton nos dois filmes de O Exterminador do Futuro (montagem por bodygeeks.com)

SARAH CONNOR (Linda Hamilton) em O Exterminador do Futuro (1984) e O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1992)

Se a pergunta “Até onde uma mãe vai para salvar seu filho?” já mexe com os limites de uma mãe, imagine então para manter o filho vivo para salvar o planeta? No primeiro filme de James Cameron, a ficha ainda não caiu para Sarah Connor. Ela tem uma vida pacata, trabalhando como garçonete no subúrbio americano. Essa história maluca de que seu filho será uma importante peça para o futuro da humanidade mexe com toda a lógica da personagem.

Já convencida da veracidade do fim do mundo depois de ser quase assassinada por um ciborgue, no segundo filme, ela se prepara para a guerra, deixando o comportamento mais ingênuo de lado. Internada num hospital pisquiátrico por causa das previsões, ela utiliza artimanhas para fugir e finalmente procurar seu filho.

O que impressiona aqui é a transformação física e psicológica de Sarah Connor. A atriz Linda Hamilton se envolveu de tal forma com a história que acabou ganhando massa muscular e até feições masculinas, motivo pelo qual teria recebido críticas na época do lançamento. Curiosamente, Hamilton ficou casada com o diretor tirano James Cameron até pouco depois do sucesso de Titanic, quando ele resolveu trocá-la pela atriz Suzy Amis.

Michelle Pfeiffer como Mulher-Gato em Batman - O Retorno (photo by herocomplex.latimes.com)

Michelle Pfeiffer como Mulher-Gato em Batman – O Retorno (photo by herocomplex.latimes.com)

MULHER-GATO (Michelle Pfeiffer) em Batman – O Retorno (1992)

“Oi, querido! Cheguei!… Esqueci que não sou casada”. A solitária secretária Selina Kyle chega em casa e profere essa frase todos os dias. Morando sozinha, tendo como única companhia sua gatinha, ela anda estressada com sua vida profissional, familiar e amorosa. Ao contrário dos quadrinhos em que a personagem é uma ladra profissional, Selina muda de vida quando seu patrão Max (Christopher Walken), empurra-a da janela. Numa atmosfera sobrenatural, o filme de Tim Burton cria o alter-ego dela através das mordidas de vários gatos no cadáver gélido.

Ressuscitada e com nove vidas, ela passa por um processo de transformação. A Mulher-Gato é exatamente o oposto de Selina Kyle: livre, anárquica e apaixonante. Obviamente, essa nova vida dupla altera seu comportamento, dando-lhe auto-confiança em meio a tantos personagens masculinos da trama.

O filme pode ter recebido algumas duras críticas em relação ao lado caricato que Tim Burton queria imprimir, além da trama sombria demais, porém Michelle Pfeiffer saiu ilesa por sua interpretação como Mulher-Gato. Até hoje sua figura sensual serve como referência ao universo de Batman, algo que Anne Hathaway nem passou perto com Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge.

Diane Keaton inaugura um estilo em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (photo by moviepilot.de)

Diane Keaton inaugura um estilo em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (photo by moviepilot.de)

ANNIE HALL (Diane Keaton) em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)

Criativa, inteligente, carinhosa e com um estilo próprio, Annie Hall conquistou toda uma geração de homens e mulheres nos anos 70. Cantora amadora de clubes noturnos, ela conhece o comediante Alvy Singer (Woody Allen) através de amigos em comum numa partida de tênis em Nova York.

A atriz Diane Keaton cedeu um pouco de si mesma para poder criar essa personagem que modernizou a mulher no cinema. Annie Hall tinha atitude, voz ativa, independência, mas continuava feminina, graciosa com pitadas de loucura. No filme, acompanhamos a complexidade do protagonista Alvy, que faz terapia há 15 anos, conferindo o fracasso de seus casos amorosos anteriores. Quando Annie surge, ela consegue conquistar o coração dele de mansinho. Numa conversa mais séria, ela consegue impressioná-lo ao rebater seu papo filosófico, criando uma química que torna o sexo mais interessante. Vale ressaltar que o figurino de Annie, composta por peças masculinas como a gravata, gerou uma série de seguidores.

O diretor e roteirista Woody Allen tem fama de longa data pela criação de incontáveis personagens femininas marcantes. Além de Annie, podemos citar a atriz com problemas de grandiosidade Helen Sinclair em Tiros na Broadway, a atriz pornô Linda Ash de Poderosa Afrodite, a calorosa Nola Rice de Ponto Final – Match Point. Diane Keaton levou seu único Oscar pelo papel.

Sigourney Weaver como mãe em Aliens, o Resgate (photo by OutNow.CH)

Sigourney Weaver como mãe em Aliens, o Resgate (photo by OutNow.CH)

ELLEN RIPLEY (Sigourney Weaver) em Aliens, o Resgate (1986)

Guerreira, mãe e sobrevivente, esta personagem já passou muitos perrengues com a raça alienígena que invade sua nave Nostromo em Alien, o Oitavo Passageiro (1979). No primeiro filme, Ripley sequer era a personagem principal, mas ao longo dos quatro filmes, a atriz Sigourney Weaver, que trabalhou com 4 diretores diferentes, entrega uma nova faceta dessa mulher. Na sequência Aliens, o Resgate (1986), ela demonstra que é capaz de tudo para salvar a menina Newt, que a tomou como filha.

Ela cria uma espécie de pacto de nunca abandoná-la. E cumpre o que promete. Na sequência final, Ripley volta para o criadouro de aliens, repleto de ovos e encara a rainha deles para resgatar Newt. O instinto feminino de Ripley fala tão alto que chega a intimidar a líder dos alienígenas, não poupando esforços para salvar a menina, inclusive utilizando um traje mecânico para lutar corpo a corpo.

Tanto esforço acaba indo pelo ralo no início do terceiro filme da série. O jovem promissor David Fincher assume a cadeira de diretor e logo mata a menina e todos os demais tripulantes da nave, exceto Ripley, numa queda logo no início do filme, o que irritou bastante o diretor James Cameron (de Aliens, o Resgate).

Kathleen Turner em Mamãe é de Morte (photo by futuracast.wordpress.com)

Kathleen Turner em Mamãe é de Morte (photo by futuracast.wordpress.com)

BEVERLY SUTPHIN (Kathleen Turner) em Mamãe é de Morte (1994)

Proteção da família elevado ao nível extremo, Beverly se mostra a dona-de-casa exemplar do subúrbio americano, até que surgem investigações de crimes na região, sendo a primeira delas uma denúncia de ligações telefônicas em tom grosseiro. Kathleen Turner se transforma ao passar os trotes para sua vizinha, só porque ela roubou a sua vaga de estacionamento no mercado.

O diretor John Waters queria Susan Sarandon, mas o salário pedido foi muito alto, ainda mais depois do sucesso de Thelma & Louise (1991). Já em baixa após os bem-sucedidos anos 80, Kathleen Turner aceitou o papel se nitidamente ela se diverte interpretando Beverly.

Além dos crimes hediondos cometidos para agradar seus entes queridos, ela ainda consegue ser sua própria advogada no tribunal e reverter as evidências contra ela. Embora seja meio despirocada, a personagem leva à sério a segurança do núcleo familiar. Em tempos atuais de famílias sem a figura paterna, ela teria que se desdobrar ainda mais para cumprir suas obrigações e alimentar suas obsessões assassinas.

Holly Hunter dubla Elastigirl em Os Incríveis (photo by OutNow.CH)

Holly Hunter dubla Elastigirl em Os Incríveis (photo by OutNow.CH)

HELEN PARR (voz de Holly Hunter) em Os Incríveis (2004)

Enquanto 90% da população masculina votaria em Jessica Rabbit como personagem feminina em animação, gostaria de lembrar da figura arrebatadora de Helen Parr, a fantástica Elastigirl. Logo no começo quando ela fala para Mr. Incredible “You need to be more… flexible!” (Você precisa ser mais… flexível!)” e demonstra o quão flexível ela é, ela já comprova que sabe laçar um homem.

Já casada e mãe de três filhos, Helen NUNCA deixa a peteca cair. Ela cuida da família, coloca os filhos pra fazer tarefa de casa, pra dormir e ainda apóia o marido em tudo. Embora não queira mais vestir o uniforme de sua identidade secreta de Elastigirl, ela dá conta do recado quando requisitada para salvar o marido na selva de Syndrome. Na sequência da explosão do avião, ela toma uma importante decisão de incentivar a filha Violet a usar seus poderes, mas quando falha, ela logo corre para proteger seus filhos com o próprio corpo.

Com tantas coisas para cuidar, Helen não deixa de cuidar do visual. O diretor Brad Bird caprichou no quadril da personagem e ainda criou a breve cena da foto acima que dá um toque feminino. Há tempos eu não via uma personagem tão completa e contemporânea nas animações. Além disso, a voz sexy de Holly Hunter torna tudo mais gostoso de ouvir.

Joan Allen em A Outra Face da Raiva (photo by OutNow.CH)

Joan Allen em A Outra Face da Raiva (photo by OutNow.CH)

TERRY ANN WOLFMEYER (Joan Allen) em A Outra Face da Raiva (2005)

Abandonada por seu marido, que fugiu com a secretária para a Suécia, Terry se vê desorientada para tocar a vida e cuidar de suas quatro filhas jovens. Para agravar ainda mais sua situação desoladora, cada uma delas enfrenta dificuldades comuns nas áreas dos estudos, trabalho e amor, o que gera calorosas discussões em casa.

Mas engana-se aquele que prevê um dramalhão chato. Joan Allen não deixa a peteca cair, tocando a vida de sua personagem de forma amargamente apaixonante e sem nunca perder o bom humor. Esse comportamento acaba atraindo a atenção do vizinho Denny (Kevin Costner), um ex-jogador de beisebol, que anda exagerando no álcool. Apesar de problemático, vemos nele uma figura importante para o equilíbrio dela.

Com uma boa dose de humor negro por parte da direção de Mike Binder, que também atua como o namorado de uma de suas filhas, A Outra Face da Raiva ganha pontos por retratar a vida de uma família após a saída do pai sem apelar para emoções fáceis. Pena que Joan Allen não teve lobby suficiente para chegar à lista do Oscar de Melhor Atriz, pois merecia maior reconhecimento.

Jodie Foster como a agente Clarice Starling em O Silêncio dos Inocentes (photo by collider.com)

Jodie Foster como a agente Clarice Starling em O Silêncio dos Inocentes (photo by collider.com)

CLARICE STARLING (Jodie Foster) em O Silêncio dos Inocentes (1991)

Agente novata do FBI, Clarice Starling é uma bela jovem num universo masculino, o que a torna um centro de atenções. Para sobreviver nessa rotina, ela busca mascarar sua feminilidade com uma fachada séria e fria. Essa dualidade encontrada em incontáveis mulheres de sucesso que adentram o universo masculino como o dos negócios, acaba instigando todos os homens ao seu redor por sua dedicação.

Clarice se aproveita disso e cria um elo forte com o assassino Hannibal Lecter (Anthony Hopkins) para desvender o sumiço da filha de uma importante senadora americana. A investigação acaba mexendo também em seus próprios traumas passados como a morte de seu pai policial e a tentativa de libertar os pobres cordeirinhos da fazendo do tio.

Para criar a vida de Clarice, Jodie Foster participou de um intenso treinamento ao lado de agentes do FBI. Ela estudou fichas criminais e aprendeu a manusear armas de fogo. Esse esforço foi extremamente importante para dar veracidade à sua performance, uma vez que a beleza da personagem poderia facilmente atrapalhar na imagem de agente do FBI. Sua atuação rendeu seu segundo Oscar de Melhor Atriz em 1992.

Uma Thurman em Kill Bill (photo by gunslot.com)

Uma Thurman em Kill Bill: Vol. 2 (photo by gunslot.com)

A NOIVA (Uma Thurman) em Kill Bill: Vol. 1 (2003) e Kill Bill: Vol. 2 (2004)

A Noiva tem seu casamento interrompido por ex-colegas de profissão (leiam-se assassinos mercenários), que matam todos os presentes na pequena igreja e ainda dão um tiro na cabeça dela. Infelizmente, a bala não a matou e agora ela tem que sair do coma para buscar uma das mais sangrentas vinganças da história do Cinema.

No primeiro filme, vemos uma mulher forte e praticamente indestrutível ao derrotar os Crazy 88 num restaurante japonês em Okinawa. A facilidade com que ela elimina seus oponentes provém da sede de vingança, mas nitidamente se trata de um filme mais físico que abusa da ação.

Já no segundo, temos uma análise psicológica, quando vemos a Noiva em estado mais vulnerável. A personagem deixa de ser bidimensional quando o diretor Quentin Tarantino aprofunda suas raízes nas artes marciais ao lado do mestre Pai Mei, e no seu ponto mais fraco: sua filha, que sobreviveu ao massacre, agora cuidada por Bill. Essa sensibilidade maternal transforma a vida da Noiva, afinal, ela desistiu de ser assassina para poder criar uma família.

Anne Bacroft em A Primeira Noite de um Homem (photo by top10films.co.uk)

Anne Bacroft em A Primeira Noite de um Homem (photo by top10films.co.uk)

MRS. ROBINSON (Anne Bancroft) em A Primeira Noite de um Homem (1967)

Pra quem acha que sogra é tudo igual, assista a A Primeira Noite de um Homem. Lá, vemos o rapaz Benjamin (Dustin Hoffman) que passa a conviver com uma amiga dos seus pais, a Mrs. Robinson. O envolvimento se aquece até que ela dá o primeiro movimento numa noite em sua casa. Embaraçado, Benjamin solta uma das mais famosas frases do Cinema: “Senhora Robinson, você está tentando me seduzir. Não é?”. Mrs. Robinson dá risada.

Anne Bancroft se tornou um ícone da mulher mais velha e deu origem à canção “Mrs. Robinson”, da dupla Simon & Garfunkel. Presa a um casamento estagnado, ela busca um pouco de aventura como a clássica personagem de Gustave Flaubert, Madame Bovary, uma senhora da burguesia provinciana insatisfeita com o casamento e que busca a felicidade que falta na infidelidade.

A personagem acaba perdendo terreno quando seu alvo se apaixona por sua filha. Bancroft entrega uma performance que parte da sedução e satisfação até a dor de ser esquecida a ponto de se tornar rabugenta. O diretor Mike Nichols queria uma atriz francesa para o papel devido à cultura do país em que as mulheres mais velhas iniciam os rapazes na vida sexual, mas Anne Bancroft conseguiu imortalizar a figura de Mrs. Robinson, mesmo sendo apenas 6 anos mais velha que Dustin Hoffman.

Frances McDormand em Fargo (photo by cinemasquid.com)

Frances McDormand em Fargo (photo by cinemasquid.com)

MARGE GUNDERSON (Frances McDormand) em Fargo (1996)

Numa trama macabra que envolve um sequestro falso que resulta na morte de várias pessoas, a chefe de polícia Marge Gunderson, que está gravidíssima com todos os devidos enjôos matinais, assume a investigação. Em todas as cenas em que Marge aparece, vemos ela comendo ou deitada com o marido, fornecendo um elemento aquecedor para uma trama tão fria num local ainda mais gélido como Minnesota.

Com um sotaque da região bastante afiado, Frances McDormand cria uma personagem que tem uma visão otimista e simples da vida, refletindo seus pensamentos em gestos, senso de humor e graça. Como está grávida, ela fica mais lenta para as atividades diárias e mais vulnerável fisicamente, mas isso não a impede de realizar suas tarefas, mesmo que tenha que parar num buffet antes.

Fargo é um filme que procura contrastar a extrema violência do mundo contemporâneo com os valores humanos, aqui representados pela figura da policial. Em seu discurso final, Marge finalmente muda de feição: “I just don’t understand it… (Não consigo entender)”. Só uma mulher para proferir tais palavras. Frances McDormand levou o Oscar de Melhor Atriz, e os irmãos Coen, Melhor Roteiro Original.

Meg Ryan como Sally em Harry & Sally - Feitos um Para o Outro (photo by nicksflickpicks.com)

Meg Ryan como Sally em Harry & Sally – Feitos um Para o Outro (photo by nicksflickpicks.com)

SALLY ALBRIGHT (Meg Ryan) em Harry & Sally – Feitos um Para o Outro (1989)

Meg Ryan interpreta aquela colega da faculdade por quem nós, homens, nos apaixonamos inconscientemente. Ela é inteligente, trabalhadora, tem excelente humor e aquele probleminha chamado “beleza”. Harry (Billy Crystal) tem uma forte teoria de que o homem jamais pode ser amigo de uma mulher, porque a beleza atrapalha.

Bem, se atrapalha a amizade, que tal aquela amizade colorida? Numa das melhores cenas, Sally finge um belo orgasmo numa lanchonete só para contrariar a opinião do amigo Harry. Que mulher! O roteiro de Nora Ephron brilha por sua relação com a realidade. Até então, comédias românticas ainda vinham da escola de Doris Day, nas quais os personagens tinham características definidas e comuns. Seguindo a mesma essência, o diretor Rob Reiner coletou depoimentos de casais reais para incrementar a veracidade da história complicada de Harry e Sally.

Meg Ryan ficou tão marcada por esse papel que acabou se tornando a namoradinha da América no começo dos anos 90, quando estrelou as comédias românticas ao lado de Tom Hanks: Joe Contra o Vulcão (1990), Sintonia de Amor (1993) e Mens@gem Para Você (1998). Para os fãs de comédia romântica, o filme serviu como base para outro sucesso recente: (500) Dias com Ela, com Zooey Deschannel e Joseph Gordon-Levitt.

Glenn Close em Atração Fatal (photo by ftmovie.com)

Glenn Close em Atração Fatal (photo by ftmovie.com)

ALEX FORREST (Glenn Close) em Atração Fatal (1987)

Toda vez que uma moça ficar no encalço de um homem, logo vem a memória a imagem de Glenn Close como a maníaca Alex. No filme, ela se envolve com um homem casado (Michael Douglas), mas que simplesmente surta quando ele resolve dar um chute na bunda dela. Aí vêm os truquezinhos dela para segurá-lo, como falar que está grávida, tentar se matar ou matar animaizinhos de estimação da filha dele.

O papel foi oferecido a incontáveis atrizes, inclusive Isabelle Adjani e Barbara Hershey, mas indo contra todas as expectativas, Glenn abraçou o projeto. Sua primeira atitude foi levar o roteiro para dois psicólogos para questionar o quão real era o comportamento de sua personagem. O diagnóstico de ambos revelou que ela sofreu abusos quando criança, tornando-a uma pessoa violenta com quem a considere atraente.

Atração Fatal ficou marcado pelos anos do auge da AIDS nos anos 80, mas para quem acha que o filme está desatualizado, basta dar uma olhada em algumas mulheres mais ciumentas que ficam 100% do tempo de vigia no facebook do namorado! Curiosamente, segundo a atriz, as pessoas ainda vêm até ela para lhe dizer “obrigada, você salvou o meu casamento!”. Glenn Close foi indicada ao Oscar pelo papel.

Audrey Hepburn e seu gato em Bonequinha de Luxo (photo by theladyandthecat.tumblr.com)

Audrey Hepburn e seu gato em Bonequinha de Luxo (photo by theladyandthecat.tumblr.com)

HOLLY GOLIGHTLY (Audrey Hepburn) em Bonequinha de Luxo (1961)

Apesar do autor do romance, Truman Capote, ter escolhido a musa Marylin Monroe para dar vida à protagonista, o estúdio optou em escalar uma figura oposta e bem menos óbvia: Audrey Hepburn, que ganhou fama por sua graciosidade em filmes anteriores como A Princesa e o Plebeu (1953), Sabrina (1954) e Cinderela em Paris (1957).

Em colaboração com o diretor de comédias, Blake Edwards, a atuação de Hepburn como Holly Golightly ganhou muito em leveza, graça e estilo, marcando para sempre a atriz no cinema, mas para quem conhece o livro, o tom da história é bem mais pesado. No original, Holly flerta com a bissexualidade, mas tal fato é omitido para se adequar ao conservadorismo de Audrey, que já era uma estrela. No filme, mal se percebe que sua personagem é uma prostituta!

Com tamanhas alterações, Bonequinha de Luxo acabou se tornando um clássico da comédia romântica, e hoje o corpo de Truman Capote deve estar se revirando no caixão. Contudo, Hepburn criara uma figura facilmente identificável com o público feminino pelo jeito carinhoso, tresloucado, sua paixão por gatos e sua busca por amor verdadeiro. Audrey Hepburn foi indicada para o Oscar de Melhor Atriz.

Thora Birch em Ghost World - Aprendendo a Viver (photo by frontroomcinema.com)

Thora Birch em Ghost World – Aprendendo a Viver (photo by frontroomcinema.com)

ENID (Thora Birch) em Ghost World – Aprendendo a Viver (2001)

Para quem conhece os quadrinhos do americano Daniel Clowes, Thora Birch incorpora a personagem Enid, uma adolescente que não sabe o que fazer depois de se formar do 2º grau. Seu único plano é de se mudar para um apartamento com a melhor amiga Rebecca (Scarlett Johansson), mas as coisas não dão certo.

Mesmo assim, ela permanece fiel à si mesma, não deixando o mundo ensiná-la a viver sua vida do jeito “normal”. Ela se desvia do caminho comum das moças interessadas em moda, rapazes e faculdade para andar com tipos mais estranhos, abusar da sinceridade em seus empregos e conhecer gente interessante, como o solitário Seymour (Steve Buscemi), que coleciona discos de blues.

Embora seja uma pessoa deslocada, Enid sustenta autenticidade e defende suas crenças e perspectivas com afinco, mesmo com uma fachada fria no rosto. Interessante ver como a personagem busca manter sua essência numa sociedade cada vez mais massificada. Thora Birch faz seu melhor trabalho da carreira. Pena que nunca mais deslanchou um bom filme.

Sissy Spacek em cena inicial de Carrie, a Estranha (photo by quermedar.com.br)

Sissy Spacek em cena inicial de Carrie, a Estranha (photo by quermedar.com.br)

CARRIE WHITE (Sissy Spacek) em Carrie, a Estranha (1976)

Criada debaixo da asa da mãe, a adolescente Carrie nunca foi popular na escola. De comportamento tímido e bastante quieta, sua reputação sofre um baque quando ela surta no vestiário feminino quando vê sangue escorrendo nas suas pernas. Sem a mínima informação sobre menstruação, ela vira alvo predileto das outras colegas.

Além desse incidente na escola, Carrie ainda sofre com o fanatismo religioso da mãe (Piper Laurie), que a proíbe de sair de casa e a isola de novas amizades. Mas, como todas as adolescentes americanas sonham com a noite do baile, a adolescente gostaria de participar do evento. Ela acaba conseguindo através de uma armação feita pela colega Chris (Nancy Allen) com o objetivo de humilhá-la na frente de todos com um banho de sangue de porco.

Como se trata de uma história baseada em romance de terror do cultuado Stephen King, a jovem descobre que tem o poder da telecinésia. E a noite romântica se torna um inferno na terra. Sem controle nenhum, Carrie quer dar o troco a todo custo. Esse filme mexe muito com o imaginário de várias mulheres ainda hoje, tanto que uma refilmagem está prevista para estrear no final de 2013, com a talentosa Chlöe Grace Moretz.

Claro que existem inúmeras personagens femininas não citadas nessa lista como Scarlett O’Hara de … E o Vento Levou, ou Mary Poppins. Não tinha intenção de fazer uma cobertura completa, mas mais pessoal. Caso queira acrescentar mais nomes à lista, fique à vontade para incluir um comentário!

Tony Scott (1944 – 2012)

Tony Scott

Nesse último domingo, dia 19 de agosto, o diretor britânico Tony Scott cometeu suicídio ao pular de uma ponte em Los Angeles. A suspeita se confirmou quando encontraram um bilhete de suicídio em seu escritório. Testemunhas reportaram que ele saiu de seu carro por volta do meio-dia e meia, escalou uma grade do lado sul da construção e pulou sem hesitar.

O diretor Duncan Jones, discípulo de Scott

No dia seguinte, as notícias confirmavam a existência de um diagnóstico que acusava um câncer cerebral, que teria desencadeado a tragédia. Embora exista um motivo, a ocorrência chocou a comunidade hollywoodiana por envolver duas questões delicadas: suicídio e eutanásia. Um de seus discípulos, o diretor Duncan Jones (Lunar e Contra o Tempo) comentou no Twitter: “Acabei de ficar sabendo do Tony. Horrível… Tony foi um homem verdadeiramente amável que me colocou debaixo de sua asa e acendeu minha paixão para fazer filmes. Oh, Tony… Queria que você tivesse sentido que havia um jeito de continuar. Que triste desperdício. Meus pensamentos ficam com sua mulher e seus lindos filhos”.

Tony Scott ao lado de seu irmão mais velho Ridley Scott (a esquerda).

Outras incontáveis mensagens de condolências de amigos e colegas de trabalho choveram pela internet . Tony Scott, 68 anos, deixa a esposa, a atriz Donna Scott (conheceram-se no set de filmagens de Dias de Trovão, quando ainda era Donna Wilson), dois filhos gêmeos Frank e Max, e o irmão mais velho, Ridley Scott, consagrado diretor de Alien – O Oitavo Passageiro, Blade Runner – O Caçador de Andróides e mais recentemente Prometheus. Os irmãos eram sócios na Scott Free Production, que além de colaborar na produção dos filmes de ambos, atuava nas séries televisivas Numb3rs e The Good Wife.

Todas as notícias chamam Tony Scott de “o diretor de Top Gun – Ases Indomáveis” por se tratar de um de seus maiores sucessos comerciais, que alavancou a carreira do jovem Tom Cruise na década de 80, mas na opinião deste humilde blogueiro, seu melhor filme foi Fome de Viver (1983). Na época, vampiros eram vampiros, aquela perfeita mistura de charme, crueldade e erotismo. Não essa baboseira de hoje de vampiros andróginos e capados (sem querer ofender a determinados filmes de hoje). O filme cult ofuscava a platéia com uma plasticidade de encher os olhos, contava com uma química avassaladora de David Bowie e das ninfas Susan Sarandon e Catherine Deneuve (numa antológica cena de amor lésbico). O trabalho primoroso de Stephen Goldblatt muito deve à influência visual do filme do irmão Ridley, Blade Runner, lançado no ano anterior.

Cena caliente entre David Bowie e Catherine Deneuve no cult Fome de Viver (1983)

Nos anos 80 e 90, Tony passou a ganhar notoriedade em Hollywood ao encontrar um equilíbrio fundamental entre ação, romance e comédia. O sucesso nas bilheterias de Top Gun – Ases Indomáveis (1986), Um Tira da Pesada II (1987), Dias de Trovão (1990), Revenge – A Vingança (1990), Amor à Queima Roupa (1993) e Maré Vermelha (1995). Consequentemente, muitos atores tiveram seus contratos com cifras maiores depois da parceria com Scott; dentre eles: Eddie Murphy, Nicole Kidman, Kevin Costner, Christian Slater, Patricia Arquette, Denzel Washington e Bruce Willis.

Amor bandido: Patricia Arquette e Christian Slater têm química em Amor à Queima Roupa (1993)

Contudo, nos últimos anos, Tony Scott passou a se dedicar a filmes mais policiais com tramas de reviravoltas previsíveis e com visual padrão de fotografia, especialmente Chamas da Vingança (2004), Domino – A Caçadora de Recompensa (2005) e Déjà vu (2006). O diretor ainda faria a refilmagem O Sequestro do Metrô 123 (2009) e seu último filme, Incontrolável (2010), sobre um trem carregado de material químico tóxico prestes a colidir e dizimar a população de uma cidade. Estava desenvolvendo uma sequência para Top Gun, que contaria com o retorno do astro Tom Cruise ao papel do piloto de caça Maverick.

O sucesso Top Gun – Ases Indomáveis, estrelado pelo casal Kelly McGillis e Tom Cruise, quem diria! teria uma sequência! Fala sério…

Top Gun – Ases Indomáveis foi o único filme de Tony Scott a ganhar um Oscar: o de melhor canção para Take My Breath Away, pela voz de Berlin. Quem não comprou a fita cassete naquela época? O diretor nunca foi indicado ao prêmio da Academia, mas levou o Emmy pela direção da série de TV The Gathering Storm em 2003.

Segue o clipe da música vencedora do Oscar, que deixou muitos casais enamorados e menininhas sonhando acordadas com Tom Cruise: