66º Emmy se rende à ‘Breaking Bad’

Vince Gilligan (centro) discursa após a vitória de sua criação (photo by bluebus.com.br)

‘BREAKING BAD’ FAZ A LIMPA POR SUA ÚLTIMA TEMPORADA

Sim, o Emmy aconteceu nessa segunda-feira pela primeira vez desde 1976. Nas últimas décadas, a cerimônia ocorria aos domingos. A decisão surgiu para evitar competição justamente com as próprias séries de TV indicadas, que disputam à tapas o horário nobre dominical. Não sei ainda o impacto dessa mudança na audiência, mas à princípio, parece-me sensata por se adequar aos moldes televisivos.

Jessica Lange conquista seu segundo Emmy por American Horror Story (photo by fionagoddess.tumblr.com)

É importante ressaltar que a própria indústria televisiva já não é mais a mesma. Nos últimos 10 anos, vimos uma evolução significativa de produções bem elaboradas e criativas como Lost, The Sopranos, 24, House, Six Feet Under, Dexter e Mad Men, todos contribuindo para o alto nível de qualidade dos roteiros. E quando os roteiros são melhores, os personagens são mais profundos, o que acaba atraindo a atenção de atores de calibre como Helen Mirren, Al Pacino, Glenn Close e Jessica Lange. Claro que os cachês também foram às alturas pelo aumento de patrocínio, causando uma espécie de migração de atores outrora de cinema para a telinha da TV. Lembro-me que há algumas décadas, a TV era somente uma espécie de estágio pra se trabalhar em cinema.

Como cinéfilo, vejo essa inversão como o simbolismo da queda do cinema. Enquanto a TV respira criatividade e qualidade por todo o ano, o cinema tem vivido à base de reciclagens e continuações puramente feitas para ganhar dinheiro há tempos, principalmente nessa época do verão americano. O sucesso da refilmagem As Tartarugas Ninja e das sequências Transformers: A Era da Extinção e Os Mercenários 3 denota esse panorama. No geral, os produtores de cinema de hoje se baseiam somente nos números das bilheterias para criar os próximos filmes, tratando uma arte apenas como negócio.

A atriz Taylor Schilling da série Orange is the New Black (photo by elfilm.com)

Já os da TV estão buscando idéias diferentes para atrair mais público. Pra início de argumento, a TV está criando uma nova tendência de tranformar bons filmes em séries e minisséries. Além do vencedor da noite, Fargo, baseado no filme homônimo dos irmãos Coen, temos ainda Bates Motel, baseado em Psicose, e O Bebê de Rosemary, criado a partir do filme de Roman Polanski de 1968. Até em se tratando de refilmagem, a TV está superando o cinema. Além disso, a TV está apostando em gêneros que o cinema tem evitado pelo alto custo de produção como o medieval de Game of Thrones, está apostando em caras novas para estrelar séries como Tatiana Maslany de Orphan Black (que deveria ter sido indicada) e Taylor Schilling, de Orange is the New Black. Aliás, a TV está inovando tanto, que até apostou no formato de streaming pela internet através do Netflix. É uma pena que a Academia de Televisão Artes e Ciências não está acompanhando essa revolução pois, de um total de 31 indicações, a Netflix, que representa a novidade na indústria televisiva, incrivelmente não levou nada.

De uma forma geral, a premiação do Emmy foi bastante conservadora. Inúmeros vencedores da noite já tinham conquistado a estatueta em edições anteriores. Só para citar atores: Julianna Margulies, Jessica Lange, Julia Louis-Dreyfus, Bryan Cranston e até Jim Parsons, que tanto admiro sua interpretação de Sheldon de The Big Bang Theory. Por mais que consideremos que todos os vencedores estejam em seus devidos auges em suas séries, é impossível escapar da impressão de que muitos outros foram esnobados na votação.

Este ano foi a consagração da série Breaking Bad. Confesso que não vi a série, mas tenho curiosidade pra ver tudo por causa da repercussão. Não duvido da qualidade do roteiro da série, mas de alguma forma isso me lembra de uma coisa que não apoio em premiações: o costume de consagrar o último filme ou temporada como uma forma de compensar as derrotas anteriores. Em 2004, a Academia premiou com 11 estatuetas do Oscar o terceira e última parte da trilogia de O Senhor dos Anéis. Aonde O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei é melhor do que O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel? Lógico que os membros da Academia decidiram compensar o trabalho árduo de Peter Jackson pelo último filme. Achei bastante injusto com os demais indicados daquele ano, que viram sentados a ‘limpa’ do filme fantasioso. Cidade de Deus deveria ter levado montagem, e Eduardo Serra levado fotografia pelo belo trabalho em Moça com Brinco de Pérola, só pra citar dois exemplos.

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective (photo by elfilm.com)

Enfim, torci para True Detective, que acabou levando seu prêmio mais merecido: direção para Cary Joji Fukunaga. Havia uma expectativa muito alta de ver o protagonista Matthew McConaughey levar o Emmy de Melhor Ator, fato que o tornaria o primeiro ator a vencer o Oscar (por Clube de Compras Dallas) e o Emmy no mesmo ano (apenas Helen Hunt conseguiu esse feito em 1998 por Melhor é Impossível e a série Mad About You), mas a noite foi mesmo de Breaking Bad e seu astro Bryan Cranston. True Detective tem o grande mérito de desenvolver uma trama policial de forma densa, sob três épocas distintas, com direito a grandes sequências cinematográficas e personagens centrais tridimensionais, o que o torna o oposto do policial fast-food de um C.S.I., no qual um crime é desvendado em questão de minutos.

True Detective foi vítima da estratégia da HBO, que lançou a minissérie como série dramática no Emmy. O canal tinha a grande ambição de ganhar o principal prêmio da noite, mas se não tivesse tal ganância, poderia facilmente ter saído com os prêmios de Melhor Minissérie (que foi para Fargo) e Melhor Ator de Minissérie (que foi para Benedict Cumberbatch por Sherlock) para McConaughey.

Confira lista completa dos vencedores do 66º Emmy Awards:

VENCEDORES DO 66º EMMYS

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA: Breaking Bad

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA: Modern Family

ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA: Bryan Cranston (Breaking Bad)

ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA: Julianna Margulies (The Good Wife)

ROTEIRO – SÉRIE DRAMÁTICA: Moira Walley-Beckett (Breaking Bad) pelo episódio “Ozymandias”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA: Anna Gunn (Breaking Bad)

DIREÇÃO – SÉRIE DRAMÁTICA: Cary Joji Fukunaga (True Detective) pelo episódio “Who Goes There”

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA: Aaron Paul (Breaking Bad)

MELHOR PROGRAMA DE VARIEDADES: The Colbert Report

DIREÇÃO – PROGRAMA DE VARIEDADES: Glenn Weiss (The 67th Tony Awards)

ROTEIRO – PROGRAMA DE VARIEDADES: Sarah Silverman (Sarah Silverman: We Are Miracles)

MELHOR TELEFILME: The Normal Heart

MELHOR MINISSÉRIE: Fargo

ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Jessica Lange (American Horror Story: Coven)

ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Benedict Cumberbatch (Sherlock: His Last Vow)

DIREÇÃO – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Colin Bucksey (Fargo) pelo episódio “Buridan’s Ass”

ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME: Martin Freeman (Sherlock: His Last Vow)

ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME: Kathy Bates (American Horror Story: Coven)

ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA: Steven Moffat (Sherlock)

MELHOR PROGRAMA DE REALITY: The Amazing Race

ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA: Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA: Jim Parsons (The Big Bang Theory)

DIREÇÃO – SÉRIE DE COMÉDIA: Gail Mancuso (Modern Family) pelo episódio “Vegas”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA: Allison Janney (Mom)

ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA: Louie C.K. (Louie) pelo episódio “So Did the Fat Lady”

ATOR CODJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA: Ty Burrell (Modern Family)

Julia Louis-Dreyfus leva seu terceiro Emmy pela série Veep (photo by http://robertdeniro.tumblr.com/post/95780652769)

ROTEIRO – SÉRIE DE VARIEDADES: The Colbert Report

MELHOR HOST EM PROGRAMA DE REALITY: Jane Lynch (Hollywood Game Night)

DIREÇÃO – SÉRIE DE VARIEDADES: Don Roy King (Saturday Night Live)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA: Uzo Aduba (Orange is the New Black)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA: Jimmy Fallon (Saturday Night Live)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA: Allison Janney (Masters of Sex)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA: Joe Morton (Scandal)

Anúncios

‘Argo’ vence o Producers Guild Awards 2013

Vitória do produtor Ben Affleck por Argo no PGA Awards

Vitória do produtor Ben Affleck por Argo no PGA

Há cinco anos, o vencedor do Producers Guild of America Awards (PGA) coincide com o vencedor do Oscar de Melhor Filme. Como parâmetro para o Oscar, o PGA só perde para o Directors Guild of America (DGA). A última vez que houve divergência entre os vencedores foi em 2007, quando Pequena Miss Sunshine não levou o Oscar.

2007: Pequena Miss Sunshine
2008: Onde os Fracos Não Têm Vez
2009: Quem Quer Ser um Milionário?
2010: Guerra ao Terror
2011: O Discurso do Rei
2012: O Artista
2013: Argo

Se as previsões se mantiverem, Argo deve levar o Oscar de Melhor Filme, reconhecimento merecido aos produtores. Ainda nessa mesma hipótese, acontecerá um fato que não ocorria desde 1990, quando Conduzindo Miss Daisy saiu vencedor no Oscar sem ter seu diretor sequer indicado na categoria de Melhor Diretor, o que levanta a seguinte questão: “Como pode um filme ser eleito o melhor sem a importante colaboração de seu diretor?”

Seguindo essa lógica, o fato de um indicado a Melhor Filme não ter seu diretor indicado reduz drasticamente suas chances. Este ano, filmes considerados fortes e bem avaliados pela crítica como A Hora Mais Escura, Os Miseráveis, Django Livre e o próprio Argo despencaram na casa de apostas simplesmente porque seus diretores Kathryn Bigelow, Tom Hooper, Quentin Tarantino e Ben Affleck, respectivamente, não receberam indicações para Melhor Diretor.

Como já explicado em posts anteriores, a Academia estava farta de ser tachada de ‘previsível’ e resolveu fazer mudanças drásticas do ponto de vista conservador: adiantaram o anúncio dos indicados para três dias antes da cerimônia do Globo de Ouro. A estratégia era ser menos dependente dos resultados de organizações alheias e surpreender a mídia e o público.

Se formos pensar dessa maneira, a Academia realmente surpreender, principalmente na categoria de Direção. Excluiu favoritos como Affleck e Bigelow para incluírem Michael Haneke e Benh Zeitlin. Nada contra os contemplados do reconhecimento, mas os mesmos estrategistas do Oscar não poderiam ter deixado de lado os diretores mais premiados da temporada. A surpresa da Academia acabou revoltando alguns cinéfilos, porque a indicação de Ben Affleck coroaria a ascensão de um jovem diretor, destoando completamente de sua carreira como ator.

Os cinco indicados para Melhor Diretor no painel do anúncio (photo by straitstimes.com)

Os cinco indicados para Melhor Diretor no painel do anúncio (photo by straitstimes.com)

A esta altura, os responsáveis pelas indicações ao Oscar já devem estar se remoendo de arrependimento. Tenho certeza de que se pudessem voltar no tempo ou mesmo criar uma sexta vaga na categoria, Ben Affleck já estaria garantido. A situação ainda pode piorar se ele também ganhar o DGA Awards no dia 02 de fevereiro.

Talvez a solução para o Oscar seja premiar o recordista de indicações Lincoln e seu diretor Steven Spielberg a fim de surpreender até o fim e tentar maquiar a ausência de Affleck.

Já na categoria de Melhor Animação, Detona Ralph bateu outros favoritos como Frankenweenie e Valente (vencedor do Globo de Ouro), reforçando as chances do filme sobre personagens de video-game sair vitorioso na noite do Oscar. O mesmo ocorre com o documentário Searching for Sugar Man, que já havia vencido o National Board of Review.

O diretor Rich Moore (a dir) e o produtor Clark Spencer em pré-estréia de Detona Ralph, vencedor de Melhor Animação no PGA(photo by zimbio.com)

O diretor Rich Moore (a esq.) e o produtor Clark Spencer em pré-estréia de Detona Ralph, vencedor de Melhor Animação no PGA (photo by zimbio.com)

Segue a lista de vencedores do PGA 2013:

FILME
Argo
Produtores: Ben Affleck, George Clooney, Grant Heslov

ANIMAÇÃO
Detona Ralph
Produtor: Clark Spencer

DOCUMENTÁRIO
Searching For Sugar Man
Produtores: Malik Bendjelloul, Simon Chinn

TELEVISÃO

FILME DE TV OU MINI-SÉRIES:
Virada no Jogo (Game Change) (HBO)
Produtores: Gary Goetzman, Tom Hanks, Jay Roach, Amy Sayres, Steven Shareshian, Danny Strong

DRAMA

Homeland (Showtime)
Produtores: Henry Bromell, Alexander Cary, Michael Cuesta, Alex Gansa, Howard Gordon, Chip Johannessen, Michael Klick, Meredith Stiehm

COMÉDIA
Modern Family (ABC)
Produtores: Cindy Chupack, Paul Corrigan, Abraham Higginbotham, Ben Karlin, Steven Levitan, Christopher Lloyd, Jeff Morton, Dan O’Shannon, Jeffrey Richman, Chris Smirnoff, Brad Walsh, Bill Wrubel, Danny Zuker

NÃO-FICÇÃO
American Masters (PBS)
Produtores: Prudence Glass, Susan Lacy, Julie Sacks

ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTAS
The Colbert Report (Comedy Central)
Produtores: Meredith Bennett, Stephen Colbert, Richard Dahm, Paul Dinello, Barry Julien, Matt Lappin, Emily Lazar, Tanya Michnevich Bracco, Tom Purcell, Jon Stewart

COMPETIÇÃO
The Amazing Race (CBS)
Produtores: Jerry Bruckheimer, Elise Doganieri, Jonathan Littman, Bertram van Munster, Mark Vertullo

ESPORTES
Real Sports with Bryant Gumbel (HBO)

INFANTIL
Sesame Street (PBS)

SÉRIES DA WEB
30 Rock: The Webisodes (www.nbc.com)