Apostas para o Globo de Ouro

Antes de prosseguir com o texto, uma errata: A cerimônia do Globo de Ouro será transmitida pelo canal TNT este ano, e não pela Sony. E, de acordo com o anúncio no Guia da Folha de S. Paulo, a TNT também se encarregará da transmissão dos seguintes prêmios:

15/01: GLOBO DE OURO. Pré-show a partir das 22h. Comentários de Rubens Ewald Filho.

29/01: SAG Awards. A partir das 23h.

12/02: GRAMMY. A partir das 23h.

26/02: OSCAR. Pré-show a partir das 20h30.

Ricky Gervais, único host que bebe enquanto apresenta

Bom, dito isso, estou ansioso pela entrega dos Globos de Ouro neste domingo. Mas confesso que estou um pouco mais ansioso para ouvir as piadas ácidas do anfitrião da noite, o ator britânico Ricky Gervais (mais conhecido pela série original do The Office), do que os próprios resultados. Explico: Gervais deixou quase todos indignados com seu humor nas últimas 2 edições do prêmio. Ele foge daquelas piadinhas prontas de teleprompter que os apresentadores recitam como se fossem T. S. Elliott. Nessas circunstâncias, torna-se um deleite observar esse improviso todo num evento tão bem preparado e programado para ser perfeito. Além disso, vemos como alguns alvos de piadas reagem (quando a câmera os pegam) e/ou rebatem os insultos. Tem gente que encara de boa, mas outros levam a sério e mostram aquele sorrisão amarelo.

Eis algumas pérolas que ele soltou no palco:

* Comentando sobre o filme O Turista: “Foi um grande ano para os filmes em 3-D… Parece que tudo este ano foi tridimensional. Exceto pelos personagens de O Turista!”

* Sobre os shows de Cher: “Você quer ir e ver a Cher? Não! Por que não? Porque não é 1975.”

* Aconselhando Crystal Harris (de 24 anos), noiva de Hugh Hefner (de 85): “Apenas não olhe quando você tocar!” – fazendo gestos de masturbação e ânsia ao mesmo tempo.

* Introduzindo Bruce Willis: “Por favor, dêem boas-vindas ao pai de Ashton Kutcher!”

* Introduzindo o presidente da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, Philip Berk: “Eu o ajudei no banheiro a encaixar seus dentes!” – Quando Berk alcança o microfone, ele retruca: “Ricky, da próxima vez que você quiser ajuda para classificar seu filme, procure outra pessoa!”

Pode soar cruel demais, mas acredite: espanta o sono quando começa a ficar chato!

Ok, ok… vamos aos prêmios! Mas antes de continuar, já aviso que não é possível fazer uma análise completa, porque infelizmente as distribuidoras dos filmes querem aguardar as indicações ao Oscar para poder aproveitar a publicidade no lançamento. Tudo bem, atitude compreensível. Mas quem sai perdendo é o público que muitas vezes assiste ao Oscar sem ter conferido várias produções indicadas.

Bom, vou tentar simplificar, dividindo por categorias. Lembrando que o Globo de Ouro divide as categorias de filme, ator e atriz em duas sub-divisões: Drama e Comédia/Musical com o intuito de promover mais trabalhos.

 MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Jessica Chastain (que está a cara da Jessica Lange em Céu Azul)

Quem deve vencer: Jessica Chastain (A Árvore da Vida)

Meu voto: Shailene Woodley (Os Descendentes)

Pela quantidade de filmes que fez em 2011, Jessica Chastain já teria vitória garantida e isolada.  Apesar de seu reconhecimento ser maior pelo filme A Árvore da Vida, ela foi indicada pela dramédia Histórias Cruzadas. Seu trabalho no filme de Terrence Malick se resume à naturalidade de seus gestos. Ela compõe uma mãe submissa de família, que se vê dividida entre o amor do marido e de seus filhos. Apesar de seu papel ser menor, seu modo de atuação é conciso, semelhante ao de Benicio del Toro em Traffic. Mas enfim, Histórias Cruzadas só estréia por aqui no dia 3 de fevereiro. Meu voto vai para a jovem Shailene Woodley que, sob a firme direção de Alexander Payne, parece ter encontrado um ótimo ponto de equilíbrio com George Clooney. 

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christopher Plummer: prêmio por puro mérito ou conjunto da obra?

Quem deve vencer: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Quem deveria vencer: Albert Brooks (Drive)

Não menosprezando o trabalho de Plummer, mas quando se tem um papel de idoso com doença terminal e se descobre homossexual, parece mais fácil causar uma catarse no público e esconder mais a atuação. Além disso, Plummer já é uma figura conhecida e querida desde que interpretou o Capitão Von Trapp em A Noviça Rebelde e nunca levou o prêmio. Pelo trailer de Drive, é possível notar que o personagem de Brooks é mais contido e as nuances ficam mais em evidência. 

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

The Living Proof, de Mary J. Blige

Quem deve vencer: The Living Proof (Histórias Cruzadas)

Quem deveria vencer: The Living Proof (Histórias Cruzadas)

Como este ano não tem nenhum favorito como um My Heart Will Go On, provavelmente o prêmio deve ir para Histórias Cruzadas pelo tema de racismo e pela credibilidade de Mary J. Blige. A música apresenta uma letra bonita que ostenta a liberdade individual e coletiva.

 

MELHOR TRILHA MUSICAL

Quem deve vencer: Ludovic Bource (The Artist)

Quem deveria vencer: Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)

Ludovic Bource (The Artist)

Por se tratar de um filme mudo, a trilha de Ludovic Bource certamente fica mais em evidência do que qualquer outro trabalho. A música carrega mais o filme do que complementa como em outros casos, pois influi diretamente nas atuações do elenco. Mas não se deve deixar de lado o trabalho de Howard Shore, que é colaborador assíduo de David Cronenberg e Martin Scorsese. Já levou 3 Globos de Ouro e Oscars, sendo a maioria pela trilogia de O Senhor dos Anéis. Talvez por isso, não deve ganhar mais uma vez. 

MELHOR ROTEIRO

Alexander Payne, Jim Rash e Nat Faxon (Os Descendentes)

Quem deve vencer: Alexander Payne, Jim Rash e Nat Faxon (Os Descendentes)

Quem deveria vencer: Alexander Payne, Jim Rash e Nat Faxon (Os Descendentes)

Como no Globo de Ouro, a categoria de Roteiro não se divide em Original e Adaptado, a competição fica bem mais acirrada. E pela primeira vez, Alexander Payne está indicado como produtor, ou seja, está com 3 indicações este ano e não deve sair de mãos abanando, já que é muito bem reconhecido pela Associação de Imprensa Estrangeira (venceu por As Confissões de Schmidt e Sideways – Entre Umas e Outras). Sim, e eu sei que Woody Allen está competindo e tem grandes chances, mas por mais fantasioso e lúdico que seja seu Meia-Noite em Paris, ainda considerado um trabalho inferior à sua era de ouro da década de 70.

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

O filme iraniano A Separação

Quem deve ganhar: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

Quem deveria ganhar: A Pele que Habito, de Pedro Almodóvar (Espanha)

Se nos basearmos apenas nos prêmios da crítica, o filme iraniano já estaria com a mão na taça, mas como premiação às vezes é imprevisível, tudo pode acontecer. Estou apostando no iraniano pelo histórico do Globo de Ouro, que já premiou o cinema do oriente médio, do palestino Paradise Now ao afegão Osama. Já o cinema do espanhol Almodóvar sempre tem a sua cara, aderindo uma universalidade que conquista facilmente o público internacional.

MELHOR ANIMAÇÃO

Rango, de Gore Verbinski.

Quem deve ganhar: Rango, de Gore Verbinski

Quem deveria ganhar: Rango, de Gore Verbinski

Sou fã do personagem Tintim, mas tenho minhas dúvidas da adaptação feita por Spielberg e Peter Jackson. Visualmente, o motion capture parece muito bem feito, mas como fica preso à referência de Hergé, pode desapontar, e muito. Já Rango é uma história muito bem contada que se passa no deserto, protagonizada por um camaleão com todos os trejeitos de Johnny Depp. O diretor, Gore Verbinski, conhecido pela trilogia de Piratas do Caribe, teve a credibilidade de convencer Depp e criar essa ótima salada de referências do western, que vai dos filmes western spaghetti de Sergio Leone até a aparição do mito Clint Eastwood.

 MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Jean Dujardin (The Artist): sósia do Gene Kelly

Quem deve ganhar: Jean Dujardin (The Artist)

Quem deveria ganhar: Jean Dujardin (The Artist)

Confesso que nunca vi um filme com Jean Dujardin, uma vez que sua carreira sempre ficou limitada a produções francesas. Mas depois desse The Artist, certamente as opções de roteiro devem melhorar consideravelmente. Dujardin foi reconhecido em círculos de críticos americanos e lembra um pouco Gene Kelly em Cantando na Chuva, por isso, não deve ter grandes problemas para levar o ouro pra casa.

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Seria Michelle Williams (Sete Dias com Marylin) ou Miss Monroe?

Quem deve vencer: Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

Quem deveria vencer: Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

Assim como na ala masculina, a atriz Michelle Williams não tem uma competição tão acirrada na categoria. Ok, temos nomes de peso como Jodie Foster, Kate Winslet e Charlize Theron, mas os filmes pelos quais estas foram indicadas não foram tão bem recebidas pela crítica. Já Williams vem recebendo elogios pela semelhança que conseguiu alcançar com a diva Marylin Monroe. E dizem as más línguas que ela teria usado um acessório para aumentar o bumbum.

MELHOR ATOR – DRAMA

Geroge Clooney (Os Descendentes) em seu melhor papel?

Quem deve ganhar: George Clooney (Os Descendentes)

Quem deveria ganhar: Michael Fassbender (Shame)

Eu gosto do George. Mas por mais que falem que neste papel ele faz seu melhor trabalho, ainda o considero um pouco limitado. Por isso, meu voto vai para Fassbender, que já provou ser ótimo ator através do filme independente Fish Tank, de Andrea Arnold, e Hunger, de Steve McQueen. Também leva a sério produções de Hollywood como X-Men: Primeira Classe. Neste drama sobre vida sexual ativa, Shame, Fassbender conquistou a crítica de vez. Tem um futuro brilhante pela frente. 

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Meryl Streep como A Dama de Ferro

Quem deve vencer: Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Quem deveria vencer: Viola Davis (Histórias Cruzadas)

O fight da categoria deve ficar entre as duas atrizes acima. Meryl Streep dispensa qualquer apresentação. Esta é “apenas” sua 26ª indicação ao Globo de Ouro, sendo 25 em Cinema e 1 em TV, pela série Angels in America. Deve ganhar seu 8º Globo de Ouro e deixar pra Academia decidir se finalmente Streep leva seu terceiro Oscar, que está demorando quase 30 anos pra sair! Pra quem viu o trailer ou mesmo foto, percebeu que a atriz passou por um processo de maquiagem e pronúncia britânica característica da então primeira-ministra Margaret Thatcher. Mas não devemos esquecer que Viola Davis, que se destacou no filme Dúvida (2008), é uma grande atriz em ascensão. Ela pode roubar a cena por sua performance em Histórias Cruzadas

MELHOR DIRETOR

Michel Hazanavicius: primeira indicação e grandes chances por The Artist

Quem deve vencer: Michel Hazanavicius (The Artist)

Quem deveria vencer: Michel Hazanavicius (The Artist)

Não sei quanto à direção em si de Hazanavicius, mas ele deve ganhar só pela coragem de fazer um filme PB , mudo, sobre o cinema de Hollywood dos anos 20. Scorsese seria um excelente concorrente pela fábula metalinguística de A Invenção de Hugo Cabret, mas como ele ganhou recentemente por Os Infiltrados, o diretor francês deve levar a melhor.

 

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

The Artist, de Michel Hazanavicius

Quem deve vencer: The Artist, de Michel Hazanavicius

Quem deveria vencer: Meia-Noite em Paris, de Woody Allen

Se minhas previsões estão certas, The Artist deve sair da festa com 4 Globos de Ouro com este Melhor Filme – Comédia ou Musical. Mas seria muito interessante se o filme de Woody Allen levasse como prêmio de consolação (se é que “Melhor Filme” é consolação). Há muito tempo, o diretor nova-iorquino não acertava tão bem uma comédia inteligente com ótimos atores. Até de Owen Wilson ele conseguiu extrair uma boa atuação! Mas o que mais me chamou a atenção é a forma fantasiosa que Allen demonstra sua paixão pela Arte. Ele tira uma licença poética para criar viagens no tempo para analisar as gerações de autores, pintores, cineastas que já brilharam e deixaram sua marca eternamente. E levanta uma questão importantíssima: “Quando a Arte está em decadência, uma nova Arte está para surgir?”. Espero MUITO que sim. 

MELHOR FILME – DRAMA

Os Descendentes, de Alexander Payne

Quem deve vencer: Os Descendentes, de Alexander Payne

Quem deveria vencer:  Os Descendentes, de Alexander Payne

O filme de Martin Scorsese parece ser muito bom pelo conjunto. Tem um ótimo elenco, com nomes consagrados como Ben Kingsley e Jude Law, ótima direção de arte de Dante Ferretti, fotografia de Robert Richardson e mexe com um tema muito forte do Cinema: os efeitos especiais ainda na época do pioneiro Georges Méliès. Mas o filme de Alexander Payne tem conquistado muitos prêmios e não deve sair sem esse prêmio. Apesar do diretor ter levado 7 anos para dirigir outro filme depois do sucesso de Sideways – Entre Umas e Outras, suas escolhas de projetos são feitas a dedo. Ele busca algum tema que aborde a natureza humana, expondo seus personagens a momentos embaraçosos, deixando-os vulneráveis, e ainda conseguindo a proeza de extrair um humor refinado. Na minha opinião, esse é um dos fortes motivos do sucesso de Payne e seu Os Descendentes.

Anúncios

Golden Globe Nominations 2011 (Indicações ao Globo de Ouro)

69º Globo de Ouro

Apesar de todos os outros prêmios de críticos e organizações dizerem que o Globo de Ouro não serve mais como parâmetro para o Oscar, é imposível não associar ambos mesmo que as escolhas não sejam mais tão iguais como alguns décadas atrás. Para quem desconhece a premiação, uma das coisas mais bacanas é que a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (que comanda o Globo de Ouro) apresenta duas divisões: Drama e outra de Comédia ou Musical, para as categorias de atuação e filmes. Eu sei que isso pode soar ridículo se levarmos em conta que hoje não há mais como dividir os filmes como uma locadora fazia no século XX através de gênero, mas certamente isso possibilita que mais filmes sejam indicados e, consequentemente, mais divulgados e vistos. Atitude também tomada pela Academia, que desde 2010, resolveu indicar 10 filmes para Melhor Filme, fato que não ocorria desde 1944.

Enfim, as indicações saíram nesta quinta-feira, dia 15, e já é possível tirar algumas conclusões. A primeira coisa que se percebe ao ver as indicações é a total ausência do filme A Árvore da Vida e de seu diretor consagrado Terrence Mallick. O filme ganhou a Palma de Ouro em Cannes e vinha coletando alguns prêmios de críticos americanos, mas não passou do corte desta vez. Além disso, pesou o fato de que o filme é daquele tipo “ame ou odeie”, e parece que os membros da Associção foram mais no “Odeie”. É claro que se for pensar bem, os atores de A Árvore da Vida, Brad Pitt e Jessica Chastain, foram indicados como Melhor Ator – Drama e Melhor Atriz Coadjuvante, contudo por outros filmes: O Homem que Mudou o Jogo (Moneyball) e Histórias Cruzadas (The Help).

Outro que ficou completamente fora da festa foi o drama Extremely Loud and Incredibly Close (ainda sem título traduzido), dirigido por Stephen Daldry (Billy Elliot e As Horas). Trata-se de uma história de um menino de 9 anos que procura uma fechadura em New York que encaixa a chave deixada por seu pai, que morreu no atentado terrorista de 11 de Setembro. Levando em consideração o diretor e a história, o trailer já anuncia um drama meio meloso, ainda mais se tratando do atentado, além disso, dá a impressão de que o final é daqueles repletos de moral e mensagem de “ame o próximo”. O filme vinha sendo bastante cogitado para a temporada de premiações, pois além do diretor consagrado, as estrelas são Tom Hanks e Sandra Bullock, ambos vencedores de Oscar.

Nesta edição, os recordistas em número de indicações são: O Artista (The Artist), liderando com 6. Os Descendentes (The Descendants) e Histórias Cruzadas (The Help) vêm logo atrás com 5 indicações cada. A produção francesa O Artista vêm conquistando a crítica com sua história de conversão de cinema mudo para o falado nos anos 20 de Hollywood, além de apresentar um espetáculo visual através de fotografia preto-e-branco e direção de arte. Dessa forma, sua vitória já pode ser considerada certa como Melhor Filme – Comédia ou Musical.

O Artista

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

Uma surpresa acabou sendo as 4 indicações para o drama político Tudo Pelo Poder (The Ides of March), dirigido por George Clooney (triplamente indicado: como roteirista e diretor, além de ator por Os Descendentes). O longa-metragem tenta recontar o caso amoroso entre o então presidente americano Bill Clinton com a estagiária Monica Lewinski, ocorrido no final dos anos 90, mas com uma dose de ficção e nomes fictícios, claro. Tudo Pelo Poder estava perdendo fôlego nos últimos meses nos prêmios de críticos, mas agora com o reconhecimento do Globo de Ouro, pode ser que ganhe mais espaço no Oscar.

Já o épico drama de guerra dirigido por Steven Spielberg, War Horse (ainda sem título brasileiro), foi apontado por uma penca de críticos e especialistas do site oscarcentral.com como o favorito da temporada. Ok, é compreensível que qualquer filme de Spielberg já seja um papa-prêmios, ainda mais um filme de guerra. Mas quando fui ver o trailer, achei muito estúpido. Perdoe-me o mestre Spielberg (sou fã de Tubarão, Encurralado e os primeiros trabalhos dele), mas por que ele foi aceitar dirigir um filme sobre um cavalo na guerra? Olhem a sinopse e me digam se gostariam de ver: “O jovem Albert se alista no Exército para a Segunda Guerra Mundial depois que seu amado cavalo, Joey, é vendido para a Cavalaria. A jornada cheia de esperança de Albert o leva para fora da Inglaterra e Europa quando a guerra estoura”. Ainda estão aí? Eu já estava dormindo faz tempo… Vi o trailer agora há pouco e na hora me veio à cabeça aquela draga de filme chamado Seabiscuit – Alma de Herói (2003). Alguém aí se lembra? Além disso, dá vontade de vomitar ao ver aqueles longos planos de câmera lenta cobertos por aquela trilha melosa do John Williams para ressaltar o espírito equino de guerra! Já deve ter gente querendo me jogar pedra, mas não estou querendo desmerecer o trabalho de ninguém e posso estar errado porque ainda não vi o filme, mas pelo trailer, parece que estão querendo transformar o cavalo do filme num candidato à presidência americana! Felizmente, só foi indicado a Melhor Filme e Melhor Trilha Musical.

Além das indicações para Os Descendentes e O Artista, gostei que o Globo de Ouro reconheceu o ator Christopher Plummer pelo filme Toda Forma de Amor, em que vive um recém-viúvo que se descobre gay e com doença terminal. Como eu disse no post anterior, não gosto quando a Academia premia alguém simplesmente por tentar compensar derrotas anteriores ou anos de carreira sem uma indicação, mas quando o artista ganha por puro mérito. E parece que Plummer chegou a seu merecido ápice como ator.

Tilda Swinton

Também já estou torcendo pela atriz Tilda Swinton por sua performance em Precisamos Falar Sobre o Kevin. Sempre digo em conversas com amigos que um bom ator ou atriz não é somente aquele que sabe atuar, mas que sabe escolher projetos que propiciem novos desafios com profundidade. E a inglesa Swinton se encaixa nesse perfil. Tirando o blockbuster As Crônicas de Nárnia: o Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, que serviu para pagar suas contas e atendido pedido do filho, suas escolhas têm coerência, seja pelo papel, seja pelo diretor ou pelo elenco.

Morgan Freeman

Lembrando também que o veterano ator Morgan Freeman receberá o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto da obra. Freeman que teve seu auge nos anos 80 e 90 com filmes como Conduzindo Miss Daisy (1989), Um Sonho de Liberdade (1994) e Seven – Os Sete Crimes Capitais (1995), passou a se tornar coadjuvante de luxo de alguns filmes grandes como Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008)e Menina de Ouro (2004) pelo qual ganhou seu único Oscar, sem esquecer que é dono de uma voz idolatrada por documentaristas para ser o narrador como no sucesso A Marcha dos Pinguins (2005). Receber o prêmio Cecil B. DeMille certamente é uma honra, levando-se em consideração que nomes como Jack Nicholson, Elizabeth Taylor, Harrison Ford e Steven Spielberg já receberam.

A 69ª edição do Globo de Ouro será transmitido pelo canal pago Sony no dia 15 de Janeiro de 2012.

Segue a lista dos indicados ao Globo de Ouro:

Melhor Filme – Drama

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

A Invenção de Hugo Cabret

Tudo pelo Poder

O Homem Que Mudou o Jogo

War Horse

Melhor Filme – Musical ou Comédia

O Artista

Missão Madrinha de Casamento

50%

Meia-Noite em Paris

My Week with Marilyn

Melhor Ator – Drama

George Clooney  (Os Descendentes)

Leonardo DiCaprio (J. Edgar)

Michael Fassbender (Shame)

Ryan Gosling (Tudo pelo Poder)

Brad Pitt (O Homem Que Mudou o Jogo)

Melhor Atriz – Drama

Glenn Close (Albert Nobbs)

Viola Davis (Histórias Cruzadas)

Rooney Mara (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Tilda Swinton (Precisamos Conversar Sobre o Kevin)

Melhor Ator – Musical ou Comédia

Jean Dujardin (O Artista)

Brendan Gleeson (O Guarda)

Joseph Gordon-Levitt (50%)

Ryan Gosling (Amor a Toda Prova)

Owen Wilson (Meia-Noite em Paris)

Melhor Atriz – Musical ou Comédia

Jodie Foster (Carnage)

Charlize Theron (Jovens Adultos)

Kristen Wiig (Missão Madrinha de Casamento)

Michelle Williams (My Week with Marilyn)

Kate Winslet (Carnage)

Melhor Ator Coadjuvante

Kenneth Branagh (My Week with Marilyn)

Albert Brooks (Drive)

Jonah Hill (O Homem Que Mudou o Jogo)

Viggo Mortensen (Um Método Perigoso)

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Melhor Atriz Coadjuvante

Bérénice Bejo (O Artista)

Jessica Chastain (Histórias Cruzadas)

Janet McTeer (Albert Nobbs)

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Shailene Woodley (Os Descendentes)

Melhor Diretor

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

George Clooney (Tudo Pelo Poder)

Michel Hazanavicius (O Artista)

Alexander Payne (Os Descendentes)

Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Melhor Roteiro

Michel Hazanavicius (O Artista)

Alexander Payne, Nat Faxon, Jim Rash (Os Descendentes)

George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon (Tudo Pelo Poder)

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin (O Homem que Mudou o Jogo)

 

Melhor Canção

Brian Byrne, Glenn Close(“Lay Your Head Down”) – Albert Nobbs

Elton John, Bernie Taupin(“Hello Hello”) – Gnomeu e Julieta

Mary J. Blige, Thomas Newman, Harvey Mason Jr., Damon Thomas(“The Living Proof”) – Histórias Cruzadas

Chris Cornell(“The Keeper”) – Redenção

Madonna, Julie Frost, Jimmy Harry(“Masterpiece”) – W.E. – O Romance do Século

Melhor Trilha Musical

Ludovic Bource (O Artista)

Trent Reznor, Atticus Ross (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)

John Williams (War Horse)

Abel Korzeniowski (W.E. – O Romance do Século)

 

Melhor Animação

As Aventuras de Tintim

Operação Presente

Carros 2

Gato de Botas

Rango

Melhor Filme Estrangeiro

Jin líng shí san chai (China)

In the Land of Blood and Honey (EUA)

O Garoto de Bicicleta (Bélgica)

A Separação (Irã)

A Pele que Habito (Espanha)

NYFCC Awards 2011

Pôster do filme “The Artist”

Foi dada a largada de premiação de cinema com a escolha do Círculo de Críticos de Filmes de New York. O grande vencedor foi o filme francês The Artist, de Michel Hazanavicius, que também levou Melhor Diretor. O longa, que vem chamando a atenção da mídia desde sua seleção oficial no Festival de Cannes, em maio, recria os anos 20 em Hollywood, época da conversão do cinema mudo para o falado. Esse tema, já explorado no clássico musical Cantando na Chuva (1952), traz uma série de homenagens ao cinema mudo, desde os planos da bela fotografia preto-e-branco até a atuação bastante expressiva do protagonista Jean Dujardin, que lembra bastante Clark Gable e Gene Kelly. Antes que você faça a pergunta: “Como um filme francês derrota uma penca de filmes americanos?” Bom, à princípio, há 2 motivos. Primeiro, a Weinstein Company está distribuindo The Artist. Pra quem não se lembra, os irmãos Weinstein foram responsáveis pelas vitórias esmagadoras no Oscar de O Paciente Inglês e Shakespeare Apaixonado. E segundo, existe qualidade no trabalho de Hazanavicius. Assista ao trailer para conferir: http://www.imdb.com/video/imdb/vi2003082265/

Havia uma certa expectativa para a premiação de The Girl With the Dragon Tattoo, de David Fincher e The Descendants, de Alexander Payne que não se concretizou. Porém as premiações de Meryl Streep, por The Iron Lady, e Brad Pitt, por Moneyball, já eram aguardadas. Streep por ser uma mega veterana que se aplica demais na recriação de uma figura política tão marcante quanto Margareth Thatcher, e Brad Pitt pelo trabalho em 2 filmes (o outro A Árvore da Vida), e talvez por boatos de que o ator se aposentaria em breve (Hoje em dia é moda dizer para os jornais que a aposentadoria está chegando. “Tenham pena de mim!”)

Meryl Streep, cópia de Margaret Thatcher

Brad Pitt, em Moneyball

Gosto bastante do trabalho do diretor de fotografia mexicano Emmanuel Lubezki. Em seu portfólio, apenas obras-primas como Filhos da Esperança, de Alfonso Cuarón, A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, de Tim Burton e Um Novo Mundo, de Terrence Mallick. Está mais do que na hora de reconhecerem seu trabalho bastante diversificado.

Quanto ao filme estrangeiro vencedor, A Separação, de Asghar Farhadi, trata-se de um drama iraniano de um casal em crise matrimonial. Apesar do tema bastante comum, pelo destaque na mídia e o boca-a-boca, deve ser um forte candidato no Oscar.

Enfim, esta é uma leitura primária dessa premiação de NY. Só dá pra concordar ou discordar vendo os trabalhos laureados, ou seja, até meados de 2012 pode ser que o público brasileiro consiga dar seu voto.

Confira a lista dos premiados do NYFCC:

2011 Awards

Best Picture
The Artist
Best Director
Michel Hazanavicius
The Artist
Best Screenplay
Steven Zaillian, Aaron Sorkin
Moneyball
Best Actress
Meryl Streep
The Iron Lady
Best Actor
Brad Pitt
Moneyball, The Tree of Life
Best Supporting Actress
Jessica Chastain
The Tree of Life, The Help, Take Shelter
Best Supporting Actor
Albert Brooks
Drive
Best Cinematographer
Emmanuel Lubezki
The Tree of Life
Best Non-Fiction Film (Documentary)
Cave of Forgotten Dreams
Best Foreign Film
A Separação
Best First Film
J.C. Chandor
Margin Call
Special Award
Raoul Ruiz